Descrição dos Movimentos do Flexiteste

Joaquim Barbosa | Personal Training | 23 de junho de 2010 A descrição dos movimentos será feita na seqüência original, isto é, do I ao XX, no sentido as articulações mais distais para as proximais. Em cada um dos movimentos é descrita a posição do avaliado (a) e do avaliador (A), apresentando-se a seguir observações pertinentes, para uma melhor compreensão do movimento e do processo de medida e avaliação. Todos os movimentos são descritos para execução no lado direito do avaliado, podendo-se, todavia, adaptar facilmente a descrição para a medida dos movimentos no lado esquerdo (Araújo, 1987). Movimento I (Flexão do Tornozelo) a: sentado, com sua perna direita estendida e a esquerda fletida; A: ajoelhado ou agachado, em um plano perpendicular ao do avaliado, com sua mão direita apoiando imediatamente acima do joelho direito, e a esquerda executando a flexão dorsal do tornozelo direito do avaliado, apoiando-se na região metatarsiana, fazendo um ângulo reto entre os eixos longitudinais da sua mão e do pé do avaliado; observação: deve-se eliminar qualquer tensão muscular contrária ao movimento por parte do avaliado; um ângulo reto entre o pé e a perna ainda corresponde ao valor de 1; é comum levantar um pouco o calcanhar do solo na execução do movimento e isto não interfere na avaliação; o avaliador observa pela face interna do pé do avaliado. Movimento II (Extensão do Tornozelo) a: a mesma posição do movimento I; A: a mesma posição do movimento I, modificando-se apenas a posição da sua mão esquerda, que, neste movimento, é colocada na região anterior do pé direito do avaliado, de modo a poder executar a flexão plantar do tornozelo; observação: não se ater à observação dos artelhos, pois a articulação estudada é o tornozelo; quando a região metatar-siana toca o solo eqüivale ao valor 4; observar para que o joelho não se flexione, o que acarretaria erro de medida; tal como no movimento anterior, o avaliador observa a face interna( medial) do pé do avaliado. Movimento III (Flexão do Joelho) a: deitado em decúbito ventral, com os braços estendidos naturalmente, à frente do corpo, com o joelho direito fletido; A: ajoelhado ao lado da perna esquerda do avaliado, exatamente na posição de realizar a flexão do joelho direito, colocando a sua mão direita na parte anterior distai e a esquerda na parte anterior proximal da perna direita do avaliado; observação: não é necessário ocorrer a superposição completa para ser obtido o valor 3; para se obter o valor 4 é preciso deslocar lateralmente a perna em relação à coxa; não se deve fixar a observação pela posição do pé direito do avaliado. Movimento IV (Extensão do Joelho) a: em pé, com os pés juntos, forçando a extensão do joelho, sem contudo realizar uma antervenção do quadril; A: ver observação abaixo; observação: este é o único item do FLEXITESTE em que o movimento é normalmente feito pelo avaliado (ativo), sem qualquer ação do avaliador; em situações especiais, tais como, recém-natos, deficientes físicos ou mentais, ou ainda, em qualquer outro tipo de avaliado em que não é possível contar com sua cooperação, o avaliador deve forçar a extensão do joelho e só então fazer a medida; a posição neutra corresponde ao valor 2. Movimento V (Flexão de Quadril) a: deitado em decúbito dorsal, com os braços colocados naturalmente acima da cabeça, perna esquerda estendida e direita flexionada, tentando colocar a coxa sobre o tórax; A: em pé, usando sua mão direita para manter o joelho esquerdo

assumindo um ângulo reto com o tronco. de modo a impedir sua rotação. A: ajoelhado por detrás do avaliado. e as pernas completamente estendidas. usando para isto as duas mãos sobre a perna direita do avaliado e o seu joelho direito para manter a perna esquerda do avaliado estendida. A sua mão direita é colocada na parte distai da perna e a esquerda indiferentemente no terço distai da coxa ou no terço proximal da perna direita do avaliado. apoiando sua mão esquerda no quadril direito. a perna esquerda deve estar completamente estendida e a direita semi-fletida. tendo o corpo do avaliado entre as suas pernas. mantendo os braços estendidos naturalmente acima da cabeça.observação: é de fundamental importância evitar a rotação do quadril do avaliado para um julgamento correto. assim como evitar a flexão dos joelhos. executando a flexão do tronco. para alcançar as amplitudes correspondentes aos valores 3 e 4. A: posicionado lateralmente ao avaliado. de modo a diminuir o emprego da força por parte do avaliador. é útil pedir ao avaliado para que inicie o movimento. com o tronco e os quadris bem encostados em uma parede. colocando sua mão esquerda por baixo do joelho direito e a direita. observação: a parte mais difícil deste movimento é manter a espinha ântero-superior da crista-ilíaca em contato com o solo. Movimento VI (Extensão do Quadril) a: a mesma do movimento III. temos um valor 2 e na superposição total entre a fase interna da coxa e o tórax do avaliado. pode ser necessário que o avaliador se aproveite do peso do seu corpo para conseguir a amplitude passiva máxima no movimento. executando a extensão do quadril direito do mesmo. a posição do pé direito do avaiido não é importante para a avaliação.usando a direita colocada sobre o terço distai anterior da coxa para executar o movimento de adução do quadril. mantendo ainda o pé em sua posição natural. quando o joelho direito do avaliado cruza a linha mediana do corpo. é muito importante evitar que haja rotação de quadril. com os quadris encostados a uma parede. com suas mãos nas costas do avaliado. A: ajoelhado ou agachado à frente do avaliado. de modo a não limitar a amplitude máxima. não se considera a posição do pé no julgamento. devendo apenas seguir naturalmente o movimento da perna. de modo a empurrar a crista ilíaca direita do avaliado contra o solo. é preciso executar uma pequena abdução do quadril avaliado. colocar suas mãos supinadas na região das escapulas e no oco axilar do avaliado. o que diminui a necessidade de emprego de força por parte do avaliador. executando o movimento de abdução do quadril direito. observação: para alcançar os valores de 3 e 4 é necessário que o avaliador recline um pouco o seu tronco. observação: em alguns casos. as mãos devem estar entrelaçadas na altura da nuca. Movimento IX (Flexão do Tronco) a: deitado em decúbito dorsal. é extremamente importante encostar bem as nádegas na parede. quando somente se descola do solo a coluna cervical. o que pode ser detectado pela perda de contato entre a nádega esquerda e o solo. Movimento VII (Adução do Quadril) a: sentado. temos o valor 1. fazendo um ângulo reto entre a coxa e a perna. realizando o movimento de adução do quadril. e com superposição completa do tórax e parte anterior das coxas é atribuído .do avaliado estendido e com a esquerda colocada no terço proximal anterior da perna direita. o ângulo reto entre o troncc e a coxa direita corresponde ao valor 3. Movimento VIII (Abdução do Quadril) a: deitado em decúbito lateral esquerdo. A: ajoelhado. consideramos como valor 4. normalmente. observação: é conveniente que o avaliado inicie o movimento. também. perna esquerda estendida enquanto a direita é semifletida (aproximadamente a noventa graus). enquanto que a mesma situação para a coluna lombar corresponde a 3. executa a flexão do quadril direito do avaliado. agachado ou ajoelhado. é melhor para o avaliador. é muito importante não permitir qualquer rotação do quadril neste movimento.

só que a mão esquerda do avaliador é agora posicionada na região da palma da mão do avaliado. observação: a superposição completa do antebraço sobre o braço corresponde ao valor 3. de modo a executar a extensão do punho. enquanto que a esquerda executa a flexão do cotovelo direito do avaliado. A: a mesma posição do movimento X. observação: a posição neutra corresponde ao valor 2. a mão direita continua por sob o cotovelo. a obtenção de uma amplitude maior. em relação ao avaliado. A: a mesma posição do movimento XII. exceto que. consigna-se o valor zero. isto é. e com sua mão esquerda executando a flexão do punho. apoiando as mãos nos ombros do mesmo. mantendo o tórax rente ao solo. exceto que sua mão direita executa agora a extensão do cotovelo direito do avaliado. tal como ocorreu no movimento III ( flexão do joelho). Movimento XII (Flexão do Punho) a: em pé. apoiando-se no terço distai do antebraço. Movimento XV (Extensão do Cotovelo) a: a mesma posição dos movimentos XII e XIII. de lado para o avaliado.o valor 4. sem qualquer abdução do ombro correspondente. eventualmente para os valores 3 e 4. mantendo com sua mão direita supinada e o braço direito do avaliado completamente estendido. Movimento X (Extensão do Tronco) a: deitado em decúbito ventral. assim. exceto pela posição das mãos e que o avaliador é agora posicionado externamente. não se . na realidade. A: em pé. o membro superior do avaliado está estendido à frente do corpo. o movimento deverá ser realizado sem que o avaliado execute simultaneamente uma extensão da coluna. com ambas as J>erríàs estendidas e as mãos entrelaçadas na altura da nuca. na região metacarpiana. A: ajoelhado com o corpo do avaliado entre as pernas. é conveniente que o avaliado inicie o movimento. observando um ângulo reto entre os eixos longitudinais de sua mão e a do avaliado. o avaliador observa o movimento pelo lado externo do braço do avaliado.observação: tal como nos outros movimentos do tronco já apresentados. Movimento XI (Flexão Lateral de Tronco) a: a mesma posição do movimento X. A: a mesma posição do movimento XIV. os dedos não devem ser levados em consideração para a avaliação. o avaliado deverá iniciar movimento. exceto que o cotovelo direito é agora fletido. observação: as mesmas observações do movimento XII. o apoio da mão esquerda é feito sobre a região metacarpiana posterior. realizando a extensão do tronco do avaliado. Movimento XIII (Extensão do Punho) a: a mesma posição do movimento XII. para o julgamento o importante é a extensão da coluna e não a posição da cabeça ou dos braços do avaliado. mantendo o cotovelo estendido. não se deve exercer pressão sobre os dedos e sim. no caso em que o avaliado não consegue sequer assumir a posição para a realização do movimento. deslocar lateralmente o antebraço em relação ao cotovelo. o avaliador observao movimento pelo lado medialdo membro superior avaliado. A: a mesma posição dos movimentos XII e XIII. observação: é importante não permitir a flexão do cotovelo para um julgamento correto. Movimento XIV (Flexão do Cotovelo)a: a mesma posição dos movimentos XII e XIII. observação: tal como no anterior. para facilitar a flexão lateral do tronco é desejável que a sua mão direita seja colocada no braço direito do avaliado. é também válido se orientar pela linha da coluna quando executar o movimento de indivíduos com as costas descobertas. para obter o valor 4 é necessário. com o membro superior direito à frente do corpo na posição pronada. será necessário que o avaliador recline o seu tronco permitindo.

A: a mesma posição dos movimentos X e XI. para a execução do movimento. podendo segurar as mãos ou o terço distai dos antebraços do avaliado. temos o valor 2. que é colocada para esta finalidade no terço distai do braço. observação: o importante para se considerar na avaliação é o ângulo entre o antebraço direito e o corpo do avaliado. apoiando o tórax deste contra a parede. observação: quando existe um ângulo de noventa graus entre os braços e o corpo do avaliado temos o valor 2. deve-se verificar cuidadosamente se o ombro direito não está perdendo contato com o solo.A: em pé. exceto que agora a sua mão direita executa a rotação medialdo ombro direito doavaliado. o valor atribuído é 3. segurando com suas mãos as palmas das mãos do avaliado e executando o movimento.observação: para iniciar o movimento. é aconselhável realizar este movimento de modo especialmente lento. a visualização do movimento é pelo lado externo do braço do avaliado. sendo de 4 o valor medido quando se verifica a superposição dos cotovelos. Movimento XX (Rotação Medialdo Ombro com 90° de Abdução e Cotovelo Fletido a 90°) a: a mesma posição do movimento XIX. realizando o movimento com a sua mão direita colocada no terço distai do antebraço direito do avaliado. A: a mesma posição do movimento XVII. Movimento XVII (Extensão com Adução Posterior do Ombro) a: deitado em decúbito ventral. com as pernas estendidas e os braços abduzidos e estendidos. reduzindo assim o risco de luxação acidental. exceto que o ombro se encontra em rotação medialde 90 graus. exceto pela posição dos braços que não são abduzidos. A: a mesma posição do movimento XIX. o braço esquerdo fica estendido e colocado naturalmente ao lado do corpo. o avaliador deve assumir a posição equivalente ao zero. Movimento XIX (Rotação Lateral do Ombro com 90° de Abdução e Cotovelo Fletido a 90°) a: deitado em decúbito ventral. com o braço direito abduzido a 90 graus e o cotovelo também fletido a 90 graus. Movimento XVI (Adução Posterior do Ombro com 180° de Abdução) a: em pé. atrás do avaliado. A: agachado ou ajoelhado lateralmenteao avaliado. novamente. quando existe superposição dos punhos. com as palmas das mãos voltadas para o solo. enquanto sua mão esquerda impede o deslocamento do ombro direito do avaliado do solo. com os braços do avaliado sem qualquer abdução. atribui-se o valor 1 e quando o cotovelo direito se encontra sobre a linha mediana do corpo. Movimento XVIII (Extensão Posterior do Ombro) a: a mesma posição do movimento XVII.observação: as mesmas observações do movimento XIX . estando o ombro em rotação lateral de 90 graus.deve valorizar a posição da mão ou dos dedos na avaliação do movimento. sem levar em consideração a posição da mão ou dos dedos. com o tórax colocado contra uma parede e o braço direito em adução posterior. a partir da abdução de 180 graus no ombro. observação: quando o braço direito do avaliado está paralelo ao eixo longitudinal do seu corpo. com a sua mão esquerda e executando o movimento com a direita.