Universidade Federal de Roraima Centro de Ciências e Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Hidráulica Aplicada

1ª Etapa: projetar um Sistema elevatório com dimensionamento de bombas para abastecer uma cidade fictícia.

Prof. ª: Dr. ª Ofélia de Lira Carneiro Silva Componentes: Edson Farias Izabella Forte Castelo Branco Aimee Karoline Feitoza Bezerra

Boa Vista – RR Maio de 2009

Universidade Federal de Roraima Centro de Ciências e Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Hidráulica Aplicada

INTRODUÇÃO

Neste Projeto estaremos executando estudos para o dimensionamento de estrutura de abastecimento de uma cidade fictícia com uma população de aproximadamente 1500 habitantes. Onde iremos aplicar teoria de hidráulica aprendida em sala de aula, bem como em estudos externos e em grupo com outros colegas da UFRR. Passando desde estudos relacionados com o aumento da população para o prazo de 20 anos, estudo do melhor local para a instalação da estação de bombeamento para a cidade, cálculos para verificar os dimensionamentos de sucção e recalque.

DETALHAMENTO) 03 04 05 08 09 19 20 21 .Universidade Federal de Roraima Centro de Ciências e Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Hidráulica Aplicada SUMÁRIO INTRODUÇÃO OBJETIVO CADERNO DE ESPECIFICAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA ELEVATÓRIO CONCLUSÃO BIBLIOGRAFIA ANEXOS(PLANTAS DA CIDADE.

considerando um período de atendimento mínimo de 20 anos. .Universidade Federal de Roraima Centro de Ciências e Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Hidráulica Aplicada OBJETIVO: Dimensionar um sistema elevatório de bombas para o abastecimento de uma cidade fictícia de 1455 habitantes.

 NBR 12 213 – Projeto de Captação de Água de Superfície para Abastecimento Público. ou seja. catálogos com especificações técnicas dos materiais. amostras. . a quem competira deliberar a respeito. Especificações Técnicas dos Serviços DO OBJETO: Serviços para construção de estação elevatória em uma cidade fictícia. desde que solicitado por escrito pela empreiteira. bem como em estrita obediência às prescrições e exigências contidas nestas especificações que serão parte integrante do contrato a ser celebrado. Os serviços serão realizados em rígida observância aos desenhos do projeto e respectivos detalhes. promulgada em 1992. antes de tomar qualquer decisão. promulgada em 1992.  NBR 12 214 – Projeto de Sistema de Bombeamento de Água para Abastecimento Público. promulgada em 1994.  NBR 12 217 – Projeto de Reservatório de Distribuição de Água para Abastecimento Público. É necessário que o projeto básico seja minuciosamente pela CONTRATADA em todas as suas partes. Durante a execução dos serviços. a ocorrência será objeto de comunicação. em tempo hábil. promulgada em 1994.Universidade Federal de Roraima Centro de Ciências e Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Hidráulica Aplicada CADERNO DE ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1.  NBR 12 215 – Projeto de Adutora de Água para Abastecimento Público. promulgada em 1991. por escrito.  NBR 12 216 – Projeto de Estação de Tratamento de Água para Abastecimento Público. CONSIDERAÇÕES GERAIS: 1. à FISCALIZAÇÃO. acompanhador dos elementos técnicos necessários à análise dos mesmos. promulgada em 1992. seus componentes. seu sistema e sua tecnologia. consultar a FISCALIZAÇÃO expondo seu parecer técnico sobre o assunto. se houver a necessidade de modificar algum detalhe do projeto. Havendo discrepância entre as reais condições existentes no local e os elementos do projeto. a CONTRATADA deverá.  NBR 12 218 – Projeto de Rede de Distribuição de Água para Abastecimento Público. O pedido de similaridade de material será possível.  NBR 12 212 – Projeto de Poço para Captação de Água Subterrânea. promulgada em 1992. DETALHAMENTO GERAIS DAS ESPECIFICAÇÕES: PROJETOS 1. promulgada em 1992.1 Normas a serem observadas:  NBR 12 211 – Estudos de Concepção de Sistemas Públicos de Abastecimento de Água.

MATERIAIS. especificados e fornecidos pela CONTRATADA de acordo com o seu plano de construção. transporte e tudo o mais que for necessário para a execução dos serviços. A CONTRATADA deverá executar os elementos e os serviços. do Ministério do Trabalho. portanto. protetores. óculos de segurança. contidas na Norma Regulamentadora NR – 18. publicada no DOU (Diário Oficial da União) de 06/07/78. obedecidos o disposto na Norma Regulamentadora NR – 18. Os desenhos. botas de borracha ou PVC e outros que se fizerem necessários. Todos os materiais a serem empregados deverão ser novos comprovadamente de primeira qualidade e estarem de acordo com as especificações. de acordo com as exigências da concessionária e da FISCALIZAÇÃO. depósitos. Todos os elementos constantes nos desenhos. vestiários. Capacete de segurança. Serão de uso obrigatório os seguintes equipamentos. almoxarifado. ainda que conste somente de uma destas partes. INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS DE ÁGUA A ligação provisória de água será tomada a partir do ponto mais próximo e que seja disponibilizado pela FISCALIZAÇÃO. planilha orçamentária e especificações deverão ser executados. devendo ser submetidos à aprovação da FISCALIZAÇÃO. um elemento constar apenas de uma destas partes. até o seu final. Todos os elementos constantes nos desenhos fazem parte da empreitada e serão considerados incluídos ainda que não constem no caderno da proposta da CONTRATADA por qualquer motivo que seja. As ferramentas e equipamentos de uso no canteiro serão dimensionados. luvas. A CONTRATADA deverá prever escritórios. para que a Contratante se manifeste a respeito. INSTALAÇÃO PROVISÓRIA DE ENERGIA ELÉTRICA Caberá a CONTRATADA a ligação provisória de energia elétrica provenientes do canteiro. Os materiais que não atenderem às especificações não poderão ser estocados no canteiro. planilha orçamentária e as especificações se completam e os seus conteúdos valem isoladamente podendo. no devido dimensionamento e conveniência em relação ao volume dos serviços. com relação à segurança do trabalho. emitindo autorização expressa. aprovada pela portaria 3214. antes de sua utilização. A CONTRATADA fornecerá os equipamentos. materiais. .Universidade Federal de Roraima Centro de Ciências e Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Hidráulica Aplicada relatórios ou pareceres técnicos de laboratórios especializados ou certificações. Mão-deobra. áreas de estocagem e todas as demais dependências. de 08/06/78. INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS ESCRITÓRIO e BARRAÇÃO A CONTRATADA deverá prever a instalação de canteiro para a execução dos serviços. As amostras dos materiais a serem utilizados serão submetidas previamente à aprovação da FISCALIZAÇÃO. FERRAMENTAS E EQUIPAMENTOS Serão obedecidas todas as recomendações.

Universidade Federal de Roraima Centro de Ciências e Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Hidráulica Aplicada EQUIPE DE ADMINISTRAÇÃO DOS SERVIÇOS ENGENHEIRO O canteiro será dirigido por engenheiro (não residente). devidamente inscrito no CREA – Conselho Regional de Engenharia. adquirida no exercício de função idêntica. O elemento para ocupar o cargo deverá possuir experiência comprovada mínima de cinco anos. DOS SERVIÇOS CASA DE BOMBA A CONTRATADA executará todo e qualquer serviço. por tipo e qualidade. A FISCALIZAÇÃO poderá exigir da CONTRATADA a substituição de qualquer profissional do canteiro. com as respectivas peças de instalação. desde que verifique falhas que comprometam a estabilidade e a qualidade do empreendimento. LIMPEZA E MANUTENÇÃO DO CANTEIRO A CONTRATADA cuidará para que todas as partes do canteiro permaneçam sempre limpas e arrumadas. Deverá ser fornecido e instalado duas bombas tipo centrífugas de 5HP. desde verificada a sua competência para execução das tarefas. Toda e qualquer modificação com . bem como o fornecimento de todo o material necessário para a construção da casa de bomba. Será devidamente comprovada pela CONTRATADA a experiência profissional do seu engenheiro. adquirida na supervisão de serviços com características semelhantes a contratada. com revestimento composto de chapisco e massa única (reboco paulista). Arquitetura e Agronomia. A casa de bomba será executada em alvenaria de ½ vez. ENCARREGADO GERAL O encarregado geral auxiliará o engenheiro na supervisão dos trabalhos. assim como de todos os envolvidos nos serviços. bem como apresentar hábitos de conduta nocivos à boa administração do canteiro. Com cobertura em telha de fibrocimento (sem amianto) tipo ondina. constante no projeto. A FISCALIZAÇÃO poderá vir a exigir da CONTRATADA a substituição do engenheiro. DAS CONSIDERAÇÕES FINAIS Os serviços deverão ser rigorosamente executados de acordo com as especificações e Normas Técnicas pertinentes. em serviços com características semelhante à contratada: Hábitos sadios de conduta serão exigidos ao encarregado geral. A remoção de todo entulho para fora do canteiro será feita diariamente pela CONTRATADA e a seu ônus. com os materiais estocados e empilhados em local apropriado. em horário previamente definido pela FISCALIZAÇÃO.

Universidade Federal de Roraima Centro de Ciências e Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Hidráulica Aplicada relação ao que está previsto somente poderá ser feita com justificativa técnica da CONTRATADA e após a aprovação da fiscalização do contratante. .

0625 l/s Fonte: Instalações Hidráulicas e Sanitárias.1 Consumo da População em Geral Q = (1455x200)/(24x3600) = 3.2 K2 Coeficiente da hora de maior consumo = 1.Cálculo do Consumo Específico Q maior consumo = (P.4 l/s {vazão média} 2.1 e 1. tabela 1.2.q.8 2 – DETALHAMENTO DO CONSUMO 2.8/86400 Q= 6.Universidade Federal de Roraima Centro de Ciências e Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Hidráulica Aplicada MEMORIAL DE CÁLCULO 1 – ESCOLHA DO LOCAL DE CAPTAÇÃO População: 1455 (com previsão de aumento de 20% da população no prazo de 20 anos) Distância do ETA para o Reservatório (Diferença de cota): 20 m Distância ETA ao ponto de Captação (horizontal): 2000 m Consumo médio por pessoa: q= 200 l/hab/dia K1 Coeficiente do dia de maior consumo = 1.5 K = K1x K2 coeficiente de reforço = 1.k + Qesp)/86400 = 1455x200x1. Hélio Creder.2 .

000 l 3 – Maternidade 30 leitos Consumo 250 l/leitos = 7500 l 4 – Jardins 2.5 l/m2 = 3796.25 m2 Consumo 1.531.87 l 5 – Igreja 2x300 lugares Consumo 2 l/lugar = 1200 l 6 – Fábrica de Marcenaria = 25 funcionários Consumo 70 l/operário = 1750 l .Universidade Federal de Roraima Centro de Ciências e Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Hidráulica Aplicada 1 – Fábrica madeireira = 30 funcionários Consumo 70 l/operário = 2100 l 2 – Hospital 40 leitos Consumo 250 l/leitos = 10.

62 l/s C ETA= 3% Q1={[(1.03 Q1= 5.P.= 1.62 l/s 2.1455.62}.2.2 P=1455 q=200 l/pessoa Qesp.C.q)/86400]+Qesp}.200)/86400]+1.Fábrica de Sapatos = 90 funcionários Consumo 70 l/operário = 6300 l 9 – Restaurante = 300 refeições Consumo 25 l/refeição = 7500 l 10 – Edifício residência com 30 apartamentos (média de pessoas 5/apartamento) Consumo 200 l/per capita = 30000 l 11 – Escola externatos 700 alunos Consumo 50 l/per capita = 35000 l 12 – Hotel 200 hóspedes Consumo 120 l/per capita = 24000 l 13 – Escritórios.1.84 l/s 3.Universidade Federal de Roraima Centro de Ciências e Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Hidráulica Aplicada 7 – Fábrica de Beneficiamento de Arroz = 10 funcionários Consumo 70 l/operário = 700 l 8 .1 – Material de Instalação Tubulação de Sucção = Tubos de Plástico (PVC) Tubulação de Elevação = Tubos de PVC com 20 anos de utilização Conexões = Curvas e cotovelos em PVC .3 – Cálculo da vazão necessária considerando perda de 3% na Estação de Tratamento de águas (ETA) Q1={[(k1.ETA(3%) Dados: k1=1. DIMENSIONAMENTO DA BOMBA 3. edifícios públicos e comerciais 200 pessoas Consumo 50 l/per capita = 10000 l 14 – Shopping 300 pessoas Consumo 50 l/per capita = 15000l ∑Consumo= 139848 l Qesp=139848/86400 = 1.

como esse diâmetro não é padrão na industria. onde: n= nº de horas que o sistema estará em funcionamento. tanto no cálculo como no ábaco abaixo.2 – Dimensionamento de Encanamento de recalque em razão da quantidade de horas que o equipamento estará em uso Com o auxílio da equação D=1.Universidade Federal de Roraima Centro de Ciências e Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Hidráulica Aplicada 3. D= diâmetro que será utilizado na tubulação de recalque. no nosso caso o sistema de abastecimento com conveniência está funcionando das 19 às 24h. na razão de cinco horas por dia.3√Q4√X. Q=vazão necessária para atendimento da população e dos empreendimentos locais. já para a sucção usaremos 100 mm (4”) Dr=75mm Ds=100mm . onde usaremos Q=5. obtemos o valor de D= 67 mm. Obs. optamos pelo imediatamente superior 75 mm (3”) para o recalque.84 l/s Assim. ou seja. onde X = n/24.: para a tubulação de sucção estaremos utilizando os valores imediatamente superior a nível de mercado.

..7m .......7m Total...Universidade Federal de Roraima Centro de Ciências e Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Hidráulica Aplicada 3.......................................=52.3 – Calcular a Altura manométrica de sucção Para o cálculo das perdas localizadas foi utilizada a tabela abaixo: Comprimento da tubulação total 1 Válvula de pé e Crivo = Ø 5” (comprimento equivalente) 1 Curva de 90º de raio longo= Ø 5” (Comprimento equivalente) 22m 30m 2......................................................................

........2m 3.....Universidade Federal de Roraima Centro de Ciências e Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Hidráulica Aplicada 3................4 – Calcular a altura manométrica de elevação Para o cálculo das perdas localizadas foi utilizada a tabela acima: Comprimento total da Elevação 1 Registro de Gaveta aberta= Ø 4” (comprimento equivalente) 1 Válvula de retenção tipo leve= Ø 4” (comprimento equivalente) 2 Curvas de raio longo 90 º = Ø 4” (comprimento equivalente) 2x2.........7m 6.....1 Saída da Canalização= Ø4” 26..................17m 0.......3m 4.....2m Total..........................40..........................57m ..

029x39.745 kw.Q1.37 = 1.87) J= 0.337 m (Perda de carga na tubulação de sucção) 3.075^-4.65x[(5.00241 hs=0.0 KW → 2.15m hr=1.84x10^-3)^1.85.85.1^-4. ou seja.85.1 hs=0.C-1.87 Adotando-se C = 130 J=10.Q1.Ds-4.00715*47.69 HP Potência Instalada necessita de uma folga de 20%.5 – Altura Manométrica Hm=Hs+Hr+hs+hr Hs=2m Hr=20m Obs.Universidade Federal de Roraima Centro de Ciências e Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Hidráulica Aplicada 3.5 – Cálculo de perda de carga na canalização de sucção Usar a equação J=10. 3.15 m (Perda de carga na tubulação de recalque) 3.Ds-4.: 1 CV → 0.22 HP hr=J.84x10^-3)^1.L hs=J.C-1. LOGO 2.85)x(0.87 Adotando-se C = 130 J=10.337 m hs=0.65.85]x(130^-1.6 – Cálculo de perda de carga na canalização de recalque Usar a equação J=10.65x[(5.85.L .65.986 HP 1HP → 0.85]x(130^-1.87) hr=0.85)x(0.

2 do livro Instalações Hidráulica de Hélio Creder.84x10^-3 * 3600 /1000 = 21.487 m 3.00 m3/h 4.337+1.1 Potência do motor= 4 CV Diâmetro do rotor = 134 mm Utilizando a Tabela abaixo: .0 kW 4.Hm)/75η (adotando η=70%) P=2. utilizando a relação entre Altura Manométrica de 23.612 x736 P = 2000.612 CV P=2.Universidade Federal de Roraima Centro de Ciências e Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Hidráulica Aplicada Logo.10^-3).487]/(75.487 m e Capacidade em metros cúbicos por hora que foi de 5.00W P= [1000.23.7) P= 2. Hm=2+20+0.0.84.7 – Dimensionamento da Bomba P= (γ.1 Características da bomba selecionada Bomba= 32-125. Escolha da Bomba Com base na Tabela 1.15 Hm=23.Q. (5.

Hv= 0.23 = 9.25m (Tabela 4) Hatm= Patm/γ ⇒ 9.Universidade Federal de Roraima Centro de Ciências e Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Hidráulica Aplicada 4. pois trata-se de sucção positiva.23m (Tabela 3) . sabendo-se que a pressão correspondente à altitude do local (485 m) é de 9. já que é o valor imediatamente superior ao calculado disponível a nível de mercado.75m O NPSHrequerido deve ser obtido diretamente da curva característica correspondente. obtendo-o da mesma forma que no rendimento.75m O NPSHdisponível é calculado a partir da fórmula abaixo. Verificação do fenômeno de cavitação Cálculo do NPSHdisponível e do NPSHrequerido =2. 27 NPSH H Hs Hv Hs disponível atm = − − − ∆ . OBS. logo: NPSHrequerido = 2.22x103 kg/m2 (0. Para evitar desgaster alternar Demonstração em planta Baixa (perfil) 5. para que a população não fique assistida.: uma será utilizada como reserva em caso de algum problema com a que estiver funcionando enquanto os reparos pertinentes são executados.2 Quantidade de Bombas a ser utilizada no sistema 02 (duas) bombas de 4 CV.922 atm) e a temperatura do fluido bombeado é de 20oC.22 x 103 / 998.

diz respeito às grandezas físicas associadas à instalação e ao fluido.1 NPSH requerido e NPSH disponível O NPSH (Net Positive Succion Head) disponível refere-se à "carga energética líquida e disponível na instalação" para permitir a sucção do fluido. Esse NPSH deve ser estudado pelo projetista da instalação. . em m. Hatm = pressão atmosférica local altura 468 (Tabela 3).753(interpolando) ( ) Hs = 2m Hv = 0. Hatm =9. ou seja. através da seguinte expressão: NPSHdisponí vel = Hatm − ± HS − HV + ∆ HS Sendo: NPSHdisponível = energia disponível na instalação para sucção.25 para temperatura de 20º (Tabela 4).Universidade Federal de Roraima Centro de Ciências e Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Hidráulica Aplicada 5.

75m). NPSHdisponí vel = 9. .25 + 0.337) NPSHdisponí vel = 7.337 m (m).Universidade Federal de Roraima Centro de Ciências e Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Hidráulica Aplicada ∆ Hs = 0.666 m) é maior que o NPSHrequerido (2.753 − (2 − 0.666 m Como NPSHdisponível (7. então não teremos problemas de cavitação nesta instalação.

. bem como o sistema continuar em funcionamento. haverá cavitação em decorrência de uma sucção deficiente. desse modo é necessários se ter alternativas de revezamento dos equipamentos. Cuidados especiais devem ser observados quanto ao fenômeno de cavitação. através de tabelas específicas e assim obtermos perdas na sucção e recalque para juntamente com a diferença de cotas no nível da água e o eixo da bomba e do mesmo até o ponto elevado da ETA. Logo a vida útil do equipamento diminuirá e ocorrerá perdas e danos ao sistema que fora mal dimensionado. onde o NPSHdisponível≥ NPSHrequerido .Universidade Federal de Roraima Centro de Ciências e Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Hidráulica Aplicada CONCLUSÃO Para que possamos ter um sistema eficiente de adução de água bruta é necessário que se tenha cuidado para considerações de perdas de cargas localizadas. Ao se projetar devemos ter em mente que o principal objetivo é atender a contendo as necessidades da comunidade em estudo. Caso contrário.

Departamento de Engenharia Hidráulica e Sanitária da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo.ALVAREZ. MILTON TOMAYUKI. Edição Livros Técnicos e Científicos Editora SA. São Paulo.A.. Instalações Hidráulicas e Sanitárias. 1997. . Abastecimento de água. CREDER. G. J.Universidade Federal de Roraima Centro de Ciências e Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Hidráulica Aplicada BIBLIOGRAFIA TSUTYA.M. São Paulo. SP. Manual de Hidráulica. Edição Edgard Blucher 7ª Ed. HÉLIO. 3ª ed.SP. AZEVEDO NETTO.