You are on page 1of 11

DECRETO nº 45.

618/2011

Dispõe sobre viagem a serviço e concessão de diária ao servidor dos órgãos da Administração Pública direta, autárquica e fundacional do Poder Executivo, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS, no uso de atribuição que lhe confere o inciso VII do art. 90, da Constituição do Estado, e tendo em vista o disposto no art. 139 da Lei nº 869, de 5 de julho de 1952, DECRETA: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O servidor da administração pública direta, autárquica e fundacional e aqueles que, nos termos deste Decreto, se deslocarem de sua sede, eventualmente e por motivo de serviço, participação em eventos ou cursos de capacitação profissional, farão jus à percepção de diária de viagem para fazer face às despesas com alimentação e pousada. § 1º Para os efeitos deste Decreto: I - sede é a localidade onde o servidor tem exercício; II - a cidade como sede do município e os distritos são considerados localidade distinta; III - alimentação compreende o café da manhã, o almoço e o jantar. § 2º Os militares e policiais civis terão os procedimentos de concessão de diárias definidos em regulamento específico. Art. 2° Os órgãos e entidades devem realizar a programação mensal das diárias a serem concedidas. Parágrafo único. Excetuam-se do caput os casos excepcionais ou atípicos, observado o disposto no § 2º do art. 5º. Art. 3º A concessão de diária fica condicionada à existência de cotas orçamentárias e financeiras disponíveis em cada órgão ou entidade. Art. 4º São competentes, para autorizar a concessão de diária e uso do meio de transporte a ser utilizado na viagem, o Secretário de Estado e o dirigente máximo de órgão autônomo, fundação e autarquia, admitida delegação de competência. Art. 5º As diárias, até o limite de dez, serão pagas antecipadamente. § 1º As diárias que excederem o limite referido no caput serão autorizadas mediante justificativa fundamentada, e poderão ser pagas parceladamente, a critério do dirigente máximo do órgão ou entidade, admitida delegação de competência. § 2º Nos casos de emergência, as diárias poderão ser pagas após o início da viagem do servidor, mediante justificativa fundamentada do servidor ou da chefia da

DECRETO nº 44.448/2007 (consolidado com as alterações) (Consolidação dos Decretos nº. 44.448/2007; nº. 45.258/2009; nº. 45.316/2010; nº. 45.407/2010) Ementa: Dispõe sobre viagem a serviço e concessão de diária a servidor dos órgãos da administração pública direta, autárquica e fundacional, e dá outras providências. O Governador do Estado de Minas Gerais, no uso de atribuição que lhe confere o inciso VII do art. 90, da Constituição do Estado, e tendo em vista o disposto no art. 139 da Lei n.º 869, de 5 de julho de 1952. DECRETA: Art. 1º - O servidor da administração pública direta, autárquica e fundacional, que se deslocar de sua sede, eventualmente e por motivo de serviço, participação e eventos ou cursos de capacitação profissional, faz jus à percepção de diária de viagem para fazer face às despesas com alimentação e pousada.

§ 1º Para os efeitos deste Decreto: I - sede é a localidade onde o servidor tem exercício; II - a cidade como sede do município e os distritos são considerados localidade distinta. Art. 8º Parágrafo único. Para efeito deste Decreto, entende-se por alimentação café da manhã, almoço, lanche e jantar. Art. 1º § 4º Os militares e policiais civis terão os procedimentos de concessão de diárias definidos em regulamento específico (conforme Decreto 45.258/2009). Art. 2° Os órgãos e entidades devem realizar a programação mensal das diárias a serem concedidas. Parágrafo único. Excetuam-se do caput os casos excepcionais ou atípicos, observado o disposto no § 2º do art. 11. Art. 3º A concessão de diária fica condicionada à existência de cotas orçamentárias e financeiras, disponíveis em cada órgão ou entidade. Art. 5º - São competentes para autorizar a concessão de diária e uso do meio de transporte a ser utilizado na viagem, o Secretário de Estado e o dirigente máximo de Órgão Autônomo, Fundação e Autarquia. Art. 11 - As diárias, até o limite de dez, serão pagas antecipadamente. § 1º As diárias que excederem o limite a que referido no caput serão autorizadas mediante justificativa fundamentada, e poderão ser pagas parceladamente, a critério do dirigente máximo do órgão ou entidade. §2º Nos casos de emergência, as diárias poderão ser pagas após o início da viagem do servidor, mediante justificativa fundamentada do servidor ao

os valores recebidos em excesso nos termos do art. Art. tiver que mudar de sede. admitida delegação de competência. Art.no deslocamento para localidade onde o servidor resida.quando fornecidos alojamento. 5 Parágrafo único. §4º Fica a Secretaria de Estado de Governo autorizada a cumprir os prazos estabelecidos no § 3º do art. 8º A solicitação deverá ser feita por meio de utilização do formulário constante no sítio eletrônico da Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão – SEPLAG – ou via sistema eletrônico disponibilizado pela SEPLAG. de 1996. (revogado pelo Decreto nº. § 2º Na hipótese do § 1º. 1º § 3º Na hipótese do § 2º. o relatório de viagem e restituir.cumulativamente com outra retribuição de caráter indenizatório de despesas com alimentação e pousada.no deslocamento para localidade onde o servidor resida. 26. se for o caso. II e III do art. II .924. 25 do Decreto nº 37. quando este contemplar pousada e alimentação. 25 do Decreto nº 37. por meio de agências de viagens. Art. sem prejuízo de suas demais condições. para custeio de despesas de diárias de seu pessoal. Art. autárquica e fundacional ficam autorizados a arcar com despesas de diárias de viagem. entre si ou com terceiros.258/09).cumulativamente com outra retribuição de caráter indenizatório de despesas com alimentação e pousada. ou outra forma de pousada. punível na forma da lei. sem prejuízo de suas demais condições. e VI .no período de trânsito. de reservas de hospedagem para grupos de servidores e de reservas individuais de hospedagem. IV . II .no deslocamento do servidor com duração inferior a seis horas. 6º É vedado aos órgãos ou entidades celebrar convênios. Art.no período de trânsito. Constitui infração disciplinar grave. 1º § 2º Os órgãos e entidades da administração pública direta. 25 do Decreto nº 37. Art. quando da execução de despesas relativas ao caput para acompanhamento do Governador do Estado (conforme Decreto nº. É vedado aos órgãos ou entidades celebrar convênios. Constitui infração disciplinar grave.316/2010) Parágrafo único. 15. o servidor fica obrigado a apresentar. ao órgão e entidade a que prestou o serviço. 45. para custeio de despesas de diárias de seu pessoal.258/2009).unidade administrativa ao dirigente máximo do órgão ou entidade e por este aprovada. conceder ou receber diária indevidamente. entre si ou com terceiros. o servidor fica obrigado a apresentar ao órgão e entidade a que prestou o serviço o relatório de viagem e restituir.no caso de utilização do contrato a que se refere o art. 7º A diária não é devida nas seguintes hipóteses: I .quando o deslocamento for atividade ou atribuição inerente e rotineira ao cargo ocupado pelo servidor. IV . emissão e alteração de passagens aéreas. por motivo de remoção ou transferência. A solicitação deverá ser feita por meio de utilização do formulário constante do Anexo IV ou via sistema eletrônico. se for o caso. III . punível na forma da lei. § 3º Fica a Secretaria de Estado de Governo autorizada a cumprir os prazos estabelecidos no § 3º do art.no caso de utilização de contratos para a prestação de serviços de reserva. V . 9º .924. por motivo de remoção ou transferência. quando da execução de despesas relativas ao caput para acompanhamento do Governador do Estado. quando estes contemplarem pousada e alimentação. autárquica e fundacional ficam autorizados a pagar diária de viagem a servidor de outros órgãos e entidades nos casos de deslocamento para prestação de serviços necessários e devidamente justificados pela autoridade competente. em desacordo com os valores e normas deste Decreto. conceder ou receber diária indevidamente. observados os critérios estabelecidos neste Decreto (redação decreto 45258/2009). ao servidor que. 9º Identificada a necessidade de deslocamento do servidor para fins de dirigente máximo do órgão ou entidade e por este aprovada (conforme Decreto 45. 14. Parágrafo único. 36. 45. III . VI-. de passagens e dos adiantamentos constantes nos incisos I. tiver que mudar de sede.no deslocamento do servidor com duração inferior a seis horas. § 1º Os órgãos e entidades da administração pública direta. Art. Art. em desacordo com os valores e normas deste Decreto. 6º § 4º Identificada a necessidade de deslocamento do servidor para fins .A diária não é devida. nas hipóteses abaixo relacionadas: I . os valores relativos às diárias recebidas em excesso. CAPÍTULO II DA DIÁRIA DE VIAGEM Seção I Da Solicitação Art. e alimentação pela Administração Pública ou pelo evento para o qual esteja inscrito. a servidor de outros órgãos e entidades nos casos de deslocamento para prestação de serviços necessários e devidamente justificados pela autoridade competente. de 16 de maio de 1996. ao servidor que. observado o disposto no § 3º do referido artigo. Art.924. V . de 16 de maio de 1996. nacionais e internacionais. nos termos dos incisos II e III do § 1º do art. a ser disponibilizado pela Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão SEPLAG.

As diárias e o uso do meio de transporte a ser utilizado na viagem dos membros de que trata o caput deverão ser autorizados pelo dirigente máximo do órgão ou entidade que arcar com os custos do deslocamento. constantes da passagem (conforme Decreto 45. 12.316/2010). a colaboradores eventuais que atendam ao interesse da Administração Pública do Poder Executivo. Art. 11 §3º . inicial e final. 11. Art. III . o dirigente máximo do órgão ou entidade poderá autorizar o pagamento das despesas geradas em virtude do deslocamento. e o horário de desembarque no retorno ao local de origem (conforme Decreto 45. 20 . forem convidadas a prestar algum tipo de colaboração ao Estado de forma gratuita. para contagem do período de afastamento. o horário de embarque no local de origem e o horário de desembarque no retorno ao local de origem. 25 deste Decreto. .316/2009). eventualmente.em viagens nacionais por meio de transporte rodoviário. serão considerados como termos inicial e final para contagem da diária. 10. que. III . admitida delegação de competência. farão jus tanto à percepção de diárias para custeio de despesas de alimentação e pousada. eventualmente.em viagens nacionais por meio de transporte aéreo.obtenção de passaporte ou de visto. o horário de desembarque de obtenção de passaporte ou de visto. Art. constantes no comprovante de passagem. deverão ser autorizados pelo dirigente máximo do órgão ou entidade que arcar com os custos do deslocamento.Parágrafo único. § 1º Para efeito deste Decreto.316/2010). Parágrafo único. as pessoas que. o dirigente máximo do órgão ou entidade poderá autorizar o pagamento das respectivas despesas. serão considerados como termos.o horário da partida do veículo oficial do seu local de guarda e o horário de retorno do veículo oficial ao seu local de guarda registrados na autorização de saída de veículo oficial. As diárias de viagem serão concedidas conforme o período de afastamento do servidor da respectiva sede. se deslocarem da sede. de acordo com as normas estabelecidas neste Decreto e com os valores fixados para a fixa II do Anexo I. competindo à unidade administrativa responsável por convidar o colaborador eventual a prestação de contas das despesas nos termos do art. II . o horário de desembarque no local de destino e o horário de embarque no retorno ao local de origem. tomando-se o termo inicial e o termo final para contagem dos dias (conforme Decreto 45. 6º A diária é devida a cada período de vinte e quatro horas de afastamento. respectivamente: I . 13. respectivamente: I . quanto ao meio de transporte a ser utilizado na viagem. quando este for utilizado para a viagem (conforme Decreto 45. domingo ou feriado será expressamente justificada pelo servidor e autorizada pelo dirigente máximo do órgão ou entidade.em viagens nacionais por meio de transporte rodoviário. Art. II . 20 . As diárias e o uso do meio de transporte a ser utilizado na viagem dos membros de Conselho. por motivo de serviço no desempenho de suas funções. passagens e custos de deslocamento. § 1º Para efeito deste Decreto. Seção II Dos Termos Inicial e Final Art. A viagem que ocorrer no sábado.em viagens nacionais por meio de transporte aéreo. e que não estejam formalmente prestando serviço técnico-administrativo especializado. serão observadas as normas estabelecidas neste Decreto e aplicado. não possuindo vínculo com a Administração Pública do Poder Executivo. Poderão ser pagas as despesas de pousada. admitida delegação de competência. em caráter transitório ou eventual. § 1º São considerados como colaboradores eventuais.258/2009). Art. constantes da passagem. como limite para aferição dos valores devidos.A viagem que ocorrer no sábado. Art. o maior valor constante nos Anexos I e II. Os membros de Conselhos Estaduais que. farão jus à percepção de diárias para custeio de despesas com alimentação e pousada.316/2010). o horário de embarque no local de origem.o horário da partida e do retorno do deslocamento do veículo oficial do local de sua guarda.Os membros de Conselhos Estaduais. alimentação. § 2º Para o pagamento das despesas com alimentação e pousada previstas no caput deste artigo. § 3º Os valores poderão ser pagos de forma antecipada ou por meio de reembolso. por motivo de serviço no desempenho de suas funções. Art. se deslocarem da sede. domingo ou feriado será expressamente justificada pelo servidor e autorizada pelo dirigente máximo do órgão ou entidade (conforme Decreto 45. de acordo com as normas estabelecidas neste Decreto e com os valores fixados para a faixa II do Anexo I.

4º Os valores das diárias de viagem são os constantes nas Tabelas dos Anexos I e II. o horário de desembarque no exterior e o horário de embarque no exterior para retorno ao Brasil.Os órgãos e entidades poderão ter tabelas de diárias diferenciadas. 14. desde que observado o princípio da razoabilidade e limitados os gastos. § 4º O servidor ocupante de cargo efetivo ou detentor de função pública no exercício de cargo em comissão poderá optar por aquele sobre o qual será calculada sua diária de viagem. IV .No período compreendido entre o embarque na sua sede e o embarque para o exterior. salvo as hipóteses de que trata o § 1º do art. será feito o reembolso das despesas. Gestão e Finanças..pelo sistema de indenização dos valores gastos. o cálculo da diária terá como base o cargo ou a função cujo desempenho das atividades motivou a viagem.pelo regime de adiantamento. podem ser alterados por resolução conjunta dos Secretários de Estado de Planejamento e Gestão e de Fazenda.pelo sistema de indenização dos valores gastos. o horário de embarque do servidor. mediante comprovante e justificativa encaminhados pela autoridade competente. mediante apresentação dos documentos legais comprobatórios de sua realização.. o cálculo da diária terá como base o cargo ou a função cujo desempenho das atividades motivou a viagem. o horário de desembarque no exterior (chegada ao destino) e o horário de embarque no exterior para retorno ao Brasil (conforme Decreto 45. Planejamento. os critérios e a relação dos municípios especiais. IV . As despesas de viagens nacionais do Governador e do Vice-Governador do Estado serão pagas com a adoção de um destes critérios: I .por meio de utilização do contrato com agência de viagem. constantes no cartão de embarque. Art. mediante apresentação dos documentos legais comprobatórios de sua realização.316/2010).pelos valores correspondentes à faixa III da Tabela de Valores do Anexo I. 18 .. em hipótese alguma. (. desde que estas sejam devidamente comprovadas e justificadas. § 2º Será admitida. bem como o período de desembarque no Brasil e chegada na sua sede. Gestão e Finanças.no local de destino e o horário de embarque no retorno ao local de origem. § 1º Os valores das diárias de viagem.pelo regime de adiantamento.) §3º . e V . o que observará os limites estabelecidos pela Câmera de Coordenação Geral. escalas e conexões em viagens nacionais e internacionais por período superior a quatro horas. § 2º Os órgãos e entidades poderão ter tabelas de diárias diferenciadas desde que seus valores não ultrapassem os limites previstos nos Anexos I e II.. II .) Art. aos valores previstos nos Anexos I e II desse Decreto (conforme Decreto 45. V . 15. como meio de comprovação de atrasos em viagens aéreas contemplados no inciso V do § 1º. observado o princípio da razoabilidade e limitados os gastos. podem ser alterados por resolução conjunta dos Secretários de Estado de Planejamento e Gestão e de Fazenda ou no Acordo de Resultados. a consulta eletrônica realizada em sítio eletrônico oficial da Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária – INFRAERO. 4º. IV . (.316/2010). constantes no comprovante de passagem para transporte rodoviário ou no cartão de embarque para transporte aéreo. e no exercício de cargo em comissão. § 3º No caso de servidor ocupante ou detentor de mais de um cargo ou de função pública.) Art. Seção III Dos Valores Art. constante no Anexo III deste Decreto. III . poderá optar por aquele sobre o qual será calculada sua diária de viagem. aos valores previstos nos Anexos I e II desse Decreto (conforme Decreto 45. em qualquer caso.no caso de atrasos. com os reais horários de partida e de chegada da viagem e.No caso de servidor ocupante ou detentor de mais de um cargo ou de função pública. Art. constante do Anexo III deste Decreto.no caso de atrasos em viagens nacionais aéreas e viagens internacionais aéreas ou rodoviárias. Planejamento. § 3º O servidor ocupante de cargo efetivo ou detentor de função pública. III . . (. em qualquer caso. superiores aos previstos nos anexos I e II. § 2º . desde que seus valores não sejam.As despesas de viagens nacionais do Governador e do ViceGovernador do Estado serão pagas com a adoção de um destes critérios: I . constantes em declaração da empresa responsável pelo deslocamento. por meio de transporte rodoviário ou aéreo. no caso de viagem aérea. tendo por base a previsão de despesas. II .em viagens internacionais. tendo por base a previsão de despesas. por meio de transporte rodoviário ou aéreo. o horário de desembarque no local de destino e o horário de embarque no retorno ao local de origem..316/2010). 19 .. será feito o reembolso de despesas com alimentação e pousada.pelos valores correspondentes à faixa III da Tabela de Valores do Anexo I.por meio de utilização do contrato com agência de viagem. e IV . § 1º Os valores das diárias de viagem. o que observará os limites estabelecidos pela Câmara de Coordenação Geral. salvo as hipóteses de que trata o § 1º. os critérios e a relação dos municípios especiais. Os valores das diárias de viagem são os constantes nas Tabelas dos Anexos I e II.em viagens internacionais.

Para aferição do valor das diárias de viagem. viajarem para participar de uma mesma atividade técnica. Art. e seus respectivos vices.Seção IV Da Aferição dos Valores Art. Quando dois ou mais servidores. poderão adotar. havendo comprovação de pagamento de pousada por meio de documento legal ou equivalente. incluídas as fundações desta. Art.Quando o servidor deslocar-se entre municípios ou distritos que se distanciam da sede em cinqüenta quilômetros ou medição inferior. o valor da diária não será o atribuído a município especial. (conforme Decreto 45. havendo comprovação de pagamento de pousada. por meio de documento legal. 7º . regime especial no que se refere à regra disposta no §2º. O servidor que. 8º . ou em cidade na qual estiver a serviço. b) em que não houver comprovação de despesas com hospedagem. Quando dois ou mais servidores. que inclua um Município especial. nas seguintes situações: I . por meio de resolução conjunta com a SEPLAG. admitida a delegação de competência. e II . Na hipótese de deslocamento da cidade para distrito. Art.quando o servidor se afastar por período igual ou superior a vinte e quatro horas. ou em cidade na qual estiver em serviço. por convocação expressa. § 3º . ou entre distritos pertencentes ao mesmo município. 4º § 4º Na hipótese de deslocamento da cidade para distrito. os distritos e os municípios e distritos mineiros para atendimento ao § 2º (Redação dada pelo Decreto 45. 19. Fundação e Autarquias. As diárias de viagem serão concedidas pelo período de afastamento do servidor da respectiva sede apurado conforme art.258/2009).Ocorrendo afastamento por período igual ou superior a seis horas e inferior a doze horas.Ao servidor que dispuser de alimentação ou de pousada gratuita incluídas em evento para o qual esteja inscrito. fundação e autarquia. afastar-se de sua sede na condição de assessor ou de representante do Governador do Estado. facultada a apresentação do comprovante legal ou equivalente. Parágrafo único. ViceGovernador. 6º § 5º Quando se tratar de diárias a diversos municípios. Art. por convocação expressa. Parágrafo único. que recebam diárias com valores diferenciados. a diária relativa ao município especial contará a partir da sua chegada e saída deste município.trinta e cinco por cento. e seus respectivos vices.cinquenta por cento. Será concedida diária integral: I . Art. serão utilizados os valores previstos Anexo I de acordo com o município em que ocorreu a hospedagem. quando o período de afastamento for igual ou superior a seis horas e inferior a doze horas. Secretário Adjunto e dirigente máximo de órgão autônomo. 10 .407/2010). afastar-se de sua sede na condição de assessor ou de representante do Governador do Estado.316/2010). desde que autorizado pelo dirigente máximo do órgão ou entidade.258/2009). quando o deslocamento envolver município especial. 7º deste Decreto (conforme Decreto 45. ou entre distritos pertencentes ao mesmo município. o valor da diária não será o atribuído a município especial. 13.A Secretaria de Estado de Educação – SEE – e a Secretaria de Estado de Saúde – SES. será devida a fração de cinqüenta por cento da diária integral (conforme Decreto 45. em seu sítio eletrônico. sem prejuízo do disposto no art. § 1º . ou viceversa.A SEPLAG disponibilizará. que recebam diárias com valores diferenciados. II – para viagens a diversos municípios com hospedagem. ou viceversa. Serão concedidas diárias parciais nas porcentagens indicadas aplicadas sobre os valores constantes nos Anexos I e II. Art. desde que autorizado pelo dirigente máximo do órgão ou entidade. será concedida a todos diária equivalente à do servidor que estiver enquadrado na faixa superior. § 4º . será devido como parcela de custeio o valor fixo de vinte reais (conforme Decreto 45. por período superior a seis horas. será devida diária integral. Secretário de Estado.258/2009). observados os §§ 1º e 2º do art.316/2010). viajarem para participar de uma mesma atividade técnica. . Art.O servidor que. Parágrafo único. 18. relação contendo as distâncias entre os municípios. Art. para cada período de afastamento igual ou superior a doze horas e até vinte e quatro horas: a) em que houver alimentação ou pousada gratuita incluídas em evento para o qual o servidor esteja inscrito. Secretário-Adjunto e dirigente máximo de Órgão Autônomo. será concedida a todos diária equivalente à do servidor que estiver enquadrado na faixa superior. § 2º . 20. Secretário de Estado. 16. será devida a parcela correspondente a cinqüenta por cento da diária integral (conforme Decreto 45. e II . 17.Quando o servidor se afastar por período igual ou superior a doze horas e inferior a vinte e quatro horas. ViceGovernador.quando o servidor se afastar por período igual ou superior a doze horas e inferior a vinte e quatro horas. 13. Art. fará jus ao mesmo tratamento dispensado a essas Autoridades no que se refere às despesas de viagem. deverão ser usados os seguintes critérios: I – para viagens que contemplarem apenas municípios especiais e para viagens a diversos municípios sem hospedagem. serão utilizados os valores previstos no Anexo I para municípios especiais. fará jus ao mesmo tratamento dispensado a essas autoridades no que se refere às despesas de viagem.

45. para quaisquer localidades no exterior. não se admitindo a concessão de adiantamento de numerário ao servidor para este fim. Secretário de Estado e Secretário Adjunto de Estado. autorizando-o ausentar-se do país. junto à instituição credenciada. 36.O deslocamento de servidor em viagem ao exterior somente ocorrerá após ato expresso do Governador do Estado ou autoridade por ele delegada. CAPÍTULO III DOS MEIOS DE TRANSPORTE Seção I Das Passagens Rodoviárias e Aéreas Art. em euro ou dólares americanos. por meio de agências de viagens serão estabelecidas em regulamento específico. § 3º O servidor poderá optar por receber o valor autorizado das diárias. Seção V Da Diária Internacional Art. correrem à conta de dotações orçamentárias dos órgãos e entidades. mesmo que de origem de receitas próprias ou de convênios. ou quando não forem fornecidas por força do contrato a que se refere o art. 12 . e a reservas individuais de hospedagem. exceto (conforme Decreto nº. em caso de viagem internacional (conforme Decreto nº. conforme Anexo II: I – em espécie. §2º Em casos excepcionais devidamente justificados pelo servidor. também denominados "pacotes". § 1º As viagens ao exterior em que os recursos. para destinos no exterior. ou III – por meio de crédito em conta. caso não seja utilizado para viagem veículo oficial ou passe. exceto aéreas. são consideradas como de ônus para o Estado. Ao servidor poderá ser concedido adiantamento de numerário para aquisição de passagens. Art. para destinos na Zona do Euro. exceto aéreas. por interesse pessoal. 45. Art. na moeda nacional. totais ou parciais. no horário do ônibus que possam acarretar multa ou mudança no valor final da passagem serão custeadas pelo servidor. II – em espécie.Ao servidor poderá ser concedido adiantamento de numerário para aquisição de passagens. § 2º Tem direito à classe executiva o Governador do Estado. O deslocamento de servidor em viagem oficial ao exterior somente ocorrerá após expressa autorização do Governador do Estado ou de autoridade por ele delegada. fundação ou . 13. Seção II Do Uso de Veículos Particulares Art. § 3º O servidor pode optar por receber o valor autorizado das diárias em espécie. ou quando não forem fornecidas por força do contrato a que se refere o art. a concessão de adiantamento de numerário ao servidor para este fim. não se admitindo. em nenhuma hipótese. 21. 16 . a reservas de hospedagem para grupos de servidores.258/09). § 1º A passagem aérea será adquirida na classe econômica. nacionais e internacionais. § 1º São consideradas como de ônus para o Estado todas as viagens ao exterior em que os recursos. junto à instituição credenciada. § 1º O bilhete de transporte rodoviário deverá ser adquirido em classe convencional em conformidade com as datas e os horários do compromisso que originar a demanda. admitida a delegação de competência.em veículo locado do prestador de serviço ou cedido a órgão.258/09): I . na moeda nacional ou em dólares americanos. o ordenador de despesa poderá autorizar viagem por meio de transporte rodoviário em outra classe. As diretrizes referentes a serviços de reserva. 23.do órgão ou entidade. Não são autorizadas viagens de servidor em veículos particulares. § 2º A aquisição de moeda estrangeira será efetuada pelo órgão ou entidade a que pertencer o servidor. 22. exceto Zona do Euro. Art. caso não seja utilizado para viagem veículo oficial ou passe. totais ou parciais. nos termos da legislação aplicável. § 3º As eventuais mudanças. nos termos da legislação pertinente a cada caso. emissão e alteração de passagens aéreas. § 2º A aquisição de moeda estrangeira será efetuada pelo órgão ou entidade em que estiver lotado servidor. em dólares americanos. 15. forem pagos pelos cofres dos órgãos e entidades. ainda que originados de receitas próprias ou de convênios. Vice-Governador.

§ 1º A prestação de contas deverá conter: I . Art. podendo receber adiantamentos. os valores serão restituídos em sua totalidade no prazo máximo de cinco dias úteis contados da data autarquia: II . treinamentos ou similares. ticket de embarque e. o condutor do veículo deverá informar a data e o horário previstos para início e término da viagem para autorização dirigente máximo do órgão ou entidade.em veículo locado do prestador de serviço ou cedido a órgão. ou sistema eletrônico quando disponível pela Seplag.) § 4º A autoridade concedente exigirá os comprovantes de passagem. 6º § 2º . (.nota fiscal ou documento equivalente da hospedagem. II e III do art. o servidor é obrigado a apresentar relatório de viagem.em veículo do próprio servidor. veículo de sua propriedade. por qualquer motivo. este deverá declarar o horário de partida e chegada na sede. de 1996.. 13. a Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão estabelecerá normas dispondo sobre a forma de indenização das despesas realizadas pelo servidor que utilizar veículo de sua propriedade em viagens a serviço. 25 do Decreto nº 37. desde que previamente autorizado pelo dirigente máximo do órgão ou entidade. e V . podendo receber adiantamentos.cópia do certificado ou declaração de participação em evento. para isso. utilizar o formulário constante no Anexo V. o servidor que utilizar. no interesse deste e do serviço. a SEPLAG estabelecerá normas sobre a forma de indenização das despesas realizadas pelo servidor que utilizar veículo de sua propriedade em viagens a serviço.documento comprobatório dos termos inicial e final. Não são autorizadas viagens de servidor em veículos particulares.quando.documentos comprobatórios de despesas realizadas com adiantamentos constantes nos incisos I. IV . São hipóteses de restituição de valores recebidos antecipadamente a título de diária. III . fundação ou autarquia.. quando o servidor se deslocar para municípios da Região Metropolitana de Belo Horizonte em que o meio de transporte utilizado não emitir o bilhete de passagem. no prazo de cinco dias úteis subsequentes ao retorno à sede devendo.924. . o servidor é obrigado a apresentar relatório de viagem. desde que previamente autorizado pelo dirigente máximo do órgão ou entidade. quando a viagem do servidor tiver por finalidade a participação em cursos. quando o servidor se deslocar para municípios da região metropolitana de Belo Horizonte em que o meio de transporte utilizado não emitir o bilhete de passagem. 25. 17 . 17 § 1º A restituição de trata o caput deverá ser feita por meio de Documento de Arrecadação Estadual ... exceto: I . à indenização das despesas com combustível e com pedágio. fará jus. fará jus. a Autorização para Saída de Veículo. (. exclusivamente. § 1º Na hipótese do inciso II deste artigo.. de passagem e ou de adiantamento: I .Em todos os casos de deslocamento para viagem previstos neste Decreto. à indenização das despesas com combustível. bem como o valor pago. exclusivamente. em viagens. 24.Na hipótese em que a viagem se der por meio de veículo particular. no interesse deste e do serviço.declaração do servidor contendo o horário de partida e de chegada na sede e o valor pago.Art.) § 7º Excepcionalmente. 26. quando for o caso.. seminários. II . utilizar formulário constante no sítio eletrônico da SEPLAG ou sistema eletrônico disponibilizado pela SEPLAG. § 3º Até que sejam estabelecidas as normas a que se refere o § 2º. CAPÍTULO IV DA PRESTAÇÃO DE CONTAS Art. § 2º Até que sejam estabelecidas as normas a que se refere o § 1º. poderão ser solicitados ao servidor documentos complementares pela chefia imediata ou pelo ordenador de despesa para a prestação de contas.DAE. obedecido ao disposto no art. § 2º Caso necessário. admitida a delegação de competência. a viagem não for realizada. § 1º Na hipótese em que a viagem se der por meio de veículo particular. em viagens a serviço.. § 2º Na hipótese do inciso II. e restituir os valores relativos às diárias recebidas em excesso. o servidor que utilizar. Art. veículo de sua propriedade. Art. no prazo de cinco dias úteis subsequentes ao retorno à sede devendo. no caso de veículo oficial. (. Em todos os casos de deslocamento para viagem previstos neste Decreto.) Art.em veículo do próprio servidor. para isso. o condutor do veículo deverá informar a data e o horário previstos para início e término da viagem para autorização do dirigente máximo do órgão ou entidade. II .

mediante comprovantes e justificativa Art. 6º § 1º V . 33. Art. compreendendo todo o período da viagem. 31. em que o lapso temporal entre o termo final de uma viagem e o termo inicial da viagem subsequente for inferior ao prazo de cinco dias úteis para a prestação de contas. Serão de inteira responsabilidade do servidor eventuais alterações de percurso ou de datas e horários de deslocamento. em seu relatório de viagem. com justificativa fundamentada e mediante autorização do dirigente máximo do órgão ou entidade. 34. 27. dos valores de diária recebidos. A responsabilidade pelo controle das viagens e da prestação de contas é. do ordenador de despesa e da chefia imediata do servidor. devendo o servidor efetuá-la no prazo máximo de cinco dias úteis contados da notificação recebida pelo servidor. Art. com justificativa fundamentada e mediante autorização do dirigente máximo do órgão ou entidade. escalas e conexões em viagens nacionais e internacionais por período superior a quatro horas. hipótese em que deverá prestá-las de forma consolidada no prazo máximo de cinco dias úteis subsequentes ao seu retorno definitivo à sede. da autoridade solicitante e concedente. apresentará somente o relatório técnico. II . desde que devidamente justificadas e aprovadas pelo ordenador de despesa. devendo efetuá-la no prazo máximo de cinco dias úteis contados da data do relatório de viagem. Art. No caso de atrasos. 29. O processo de prestação de contas é de inteira responsabilidade do servidor. mediante comprovante e justificativa . admitida delegação de competência. 32. respectivamente. sem prejuízo de outras sanções legais. sem prejuízo de outras sanções legais. o servidor que realizar viagens ininterruptamente durante o lapso temporal máximo de trinta dias. CAPÍTULO V DO REEMBOLSO DE DESPESAS Art. mas não dispuser de tempo hábil para prestar contas. 17 § 2º Caso a viagem do servidor ultrapasse a quantidade de diárias solicitadas. será feito o reembolso de despesas com alimentação e pousada. compreendendo todo o período da viagem. Art. 17 § 8º Fica autorizado a apresentar uma única prestação de contas final. II e III do art. hipótese em que deverá prestá-las consolidadamente no prazo máximo de cinco dias úteis subseqüentes ao seu retorno definitivo à sede (conforme decreto 45258/09). Art. Caso a viagem do servidor ultrapasse a quantidade de diárias solicitadas. de 1996. Art. 17 § 6º A responsabilidade pelo controle das viagens e da prestação de contas é. Parágrafo único. ocorrerá o ressarcimento das diárias correspondentes ao período prorrogado.924. Art. apresentará somente o relatório técnico. A restituição deverá ser feita por meio de Documento de Arrecadação Estadual . respectivamente.quando o servidor. Art. ocorrerá o ressarcimento das mesmas correspondentes ao período prorrogado. sujeitará o servidor ao desconto integral imediato em folha de pagamento. 30. 17 § 5º O descumprimento do disposto no caput do artigo. Art. escalas e conexões em viagens nacionais e internacionais por período superior a quatro horas.quando o setor responsável pela verificação do relatório de viagem aferir a necessidade de restituição. Art. Consideram-se viagens ininterruptas. Parágrafo único. Será permitido o reembolso das despesas. Art. e tiver possibilidade de retornar à sua unidade para pernoitar. Art.no caso de atrasos. dentro da área de circunscrição de sua unidade local. 25 do Decreto nº 37. O descumprimento do disposto neste capítulo deste Decreto sujeitará o servidor ao desconto integral imediato em folha de pagamento. aferir a necessidade de restituição. Aplica-se o regime de adiantamento para as despesas constantes nos incisos I. o servidor que realizar viagens ininterruptamente durante o lapso temporal máximo de trinta dias. 17 § 3º Nos casos em que o servidor viajar sem fazer jus à diária de viagem. Art. quando não for solicitado o adiantamento. quando não autorizados ou determinados pela Administração. Fica autorizado a apresentar uma única prestação de contas.do cancelamento da viagem. 35.DAE. será feito o reembolso de despesas com alimentação e pousada. Parágrafo único. e III . as viagens realizadas de forma sequencial. Nos casos em que o servidor viajar sem fazer jus à diária de viagem. 28.

. de 16 de maio de l996. limitados os gastos com alimentação e pousada....... contados da data do retorno à sede....... Art. telefonemas particulares e despesas equivalentes.. rasura ou emenda que lhe prejudique a clareza.... não podendo apresentar alteração....... Advogado-Geral Adjunto do Estado. § 1º O processamento das despesas de que trata o caput far-se-á sob a forma de reembolso.. Art... 24 ... 30 deste Decreto... Art. desde que observado o princípio da razoabilidade e limitados os gastos. respeitados a respectiva competência e os princípios constitucionais norteadores da Administração Pública Estadual........ Art. em qualquer caso..Vice-Governador.... 39... a critério da contratante. 21 .... passa a vigorar com a seguinte redação: “Art.. telefonemas particulares e despesas equivalentes.. aos valores previstos nos Anexos I e II............pacotes de hospedagens para servidores em rede hoteleira..00 (oitocentos reais) II .... a utilização dos serviços de alimentação. 28. 40.. § 1º O contrato contemplará. de 1996.... 37.. Situações excepcionais deverão ser encaminhadas para exame da SEPLAG.............316/2010)....encaminhados para o ordenador de despesa para aprovação do reembolso.. às empresas públicas estaduais subvencionadas. 30 do Decreto nº 37.....pousada. como da utilização de contrato com agenciador..... 38. 25.....pousada....Os arts....... Art. § 1º A concessão de adiantamento para as despesas previstas nos incisos I..... II .. 36..... em qualquer caso..... aos valores previstos nos Anexos I e II.... CAPÍTULO VI DISPOSIÇÕES FINAIS Art. devendo a prestação de contas ser cumprida no prazo máximo de cinco dias úteis... 22 ..... salas de reuniões e fornecimento de lanches. 28 a 31 do Decreto 37.......... como da utilização de contrato com agenciador.......... incluindo alimentação.....924.. .. passam a vigorar com a seguinte redação: "Art.. I ......Situações excepcionais deverão ser encaminhadas para exame da Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão... ficando facultada.. em qualquer caso. limitados os gastos com alimentação e pousada...... permitido o regime de adiantamento.......... Art... Consideram-se eventuais de gabinete as despesas realizadas pelas autoridades mencionadas nos incisos I a II do art....... § 3º O órgão ou entidade fará opção pela solução mais econômica e viável... § 2º O órgão ou entidade fará opção pela solução mais econômica e viável...924.... Art........... tanto do pagamento de diária.. nos termos de regulamento........... mediante a prestação de contas contendo as notas originais de despesas..... em conjunto ou separadamente: I .. com ou sem traslado... emissão e alteração de passagens aéreas... com ou sem traslado.................. Responderão solidariamente pelos atos praticados em desacordo com o disposto neste Decreto o ordenador de despesa...... incluindo alimentação..” (nr) Art.. com a descrição clara da despesa efetuada . estabelece normas gerais de gestão das atividades patrimonial e contábil de órgãos e entidades integrantes do poder executivo..... servidores investidos em cargos de provimento em encaminhados pela autoridade competente.. às empresas públicas estaduais subvencionadas.... II e III deste artigo depende da autorização da viagem... Poderão ser celebrados contratos para a prestação de serviços de reserva.......... em qualquer caso........ de reservas de hospedagem para grupos de servidores e de reservas individuais de hospedagem.. III ........ § 1º O contrato contemplará.... devendo a sua utilização guardar estrita consonância com a atuação das autoridades e com a natureza da atividade pública....... O § 1º do art.. desde que observado o princípio da razoabilidade e limitados os gastos. aos valores previstos nos Anexos I e II deste Decreto.924. Secretário de Estado. § 2º A contratação do estabelecimento agenciador obedecerá à legislação sobre licitações da Administração Pública... devendo ser emitida a favor da autoridade incumbida de realizar a despesa e ..Poderão ser celebrados contratos para a prestação de serviços de agenciamento de viagens nacionais e internacionais.... 15 .. 29 ..... em conjunto ou separadamente: I . nacionais e internacionais.. ControladorGeral Adjunto do Estado..aquisição de passagens...aquisição de passagens..Aplica-se o disposto neste Decreto.. 41.. por meio de agências de viagens...... § 3º Não será permitido o reembolso de despesas extras com bebidas alcoólicas...... II .... a chefia imediata e o servidor...... 30... Art.. Advogado-Geral do Estado e Controlador-Geral do Estado: até R$800. 25 do Decreto nº 37.. passa a vigorar com a seguinte redação: "Art.As despesas de Eventuais de Gabinete serão realizadas prioritariamente sob a forma de reembolso.. Aplica-se o disposto neste Decreto. tanto do pagamento de diária. de 1996......... O inciso II do art..... Art.. aos valores previstos nos Anexos I e II desse Decreto (conforme Decreto 45....... § 4º Não será permitido o reembolso de despesas extras com bebidas alcoólicas...Secretário Adjunto de Estado.... que dispõe sobre a execução orçamentária e financeira..

. §§ 2º a 9º.. obedecerá ao disposto nos arts........ de 6 de agosto de 2010......DAD que exerçam atividades inerentes à chefia de Gabinete do Vice-Governador ou de Secretaria de Estado......” (nr) Art......... confecção e distribuição de brindes de qualquer espécie.............................. 7º do Decreto nº 45.." (nr) Art... Art........... 4º do Decreto nº 45............. Art. de 2010.... sob a forma de adiantamento. Advogado-Geral Adjunto do Estado.......Fica vedada a utilização de Eventuais de Gabinete com: I .... 43................... II . autarquias e fundações públicas: até R$500.. 42... passa a vigorar com a seguinte redação: ......444.............. de 30 de dezembro de l995... terá sua passagem adquirida na classe econômica....... 7º .. § 1º O servidor.. e a circunstância de emergência que impossibilite o processamento da despesa sob a forma de reembolso..... fica acrescido do § 1º passando o seu parágrafo único a vigorar como § 2º: “Art..... o órgão ou entidade não concederá diárias diretamente aos servidores e os valores das diárias de hotel e alimentação deverão respeitar os valores e faixas previstos no Decreto nº 45....444........... 8º do Decreto nº 45.......320......... observados os prazos definidos neste Decreto........º 9122....comissão do Grupo de Direção e Assessoramento ................ O art.. servidores investidos em cargos de provimento em comissão do Grupo de Direção e Assessoramento ...... O art.......... deste Decreto.despesas com festividades e homenagens a autoridades.... II .........00 (quinhentos reais)......... Secretário de Estado e Advogado-Geral do Estado: até R$800....................... de 2010...... em viagem oficial ao exterior........ de 17 de março de l964........ no art..despesas com aquisição de presentes: III ....º 4...... passa a vigorar com a seguinte redação: "Art....... § 2º O processamento da despesa de Eventuais de Gabinete.. 24 e 25..As despesas de Eventuais de Gabinete terão os seguintes limites mensais: I .............Secretário Adjunto de Estado.... 4º ....... 30 ......... bem como de objetos com destinação semelhante............... O § 2º do art..........00 (oitocentos reais)................” (nr).... Subsecretário de Investimentos Estratégicos da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico e dirigente máximo de órgãos autônomos... 68 da Lei Federal n.” (nr) Art... .........444. 44..... § 2º Os bilhetes que forem emitidos em datas distintas das previstas para início e término do compromisso deverão ser justificados pelo servidor e aprovados pelo titular da sua unidade administrativa de exercício ou autoridade equivalente........ autarquias e fundações: até R$500.618...... 31 .......................00 (quinhentos reais) .....DAD que exerçam atividades inerentes à chefia de Gabinete do Vice-Governador ou de Secretaria de Estado...despesas com aquisição...... de 09 de junho de 2011..... nos termos da Lei n...............Vice-Governador............. desde que a Nota de Empenho seja estimativa e tenha sido emitida previamente a favor da referida autoridade........ quer com autoridades locais quer de fora do Estado...... § 2º Ao contratar o pacote de hospedagem............. Subsecretário de Assuntos Internacionais e Dirigente máximo de orgãos autônomos.........

o Decreto nº 44. de 26 de junho de 2010. 25 . de 21 de junho de 2005. 6º. 13. Palácio Tiradentes. Não se aplica o disposto neste Decreto para as viagens que tenham sido iniciadas. de 14 de agosto de 2008. Art.o Decreto nº 45. 5º. Aécio Neves . 23 . . 223º da Inconfidência Mineira e 190º da Independência do Brasil. quando devidamente justificada. 17 e parágrafo único do art. aos 26 de janeiro de 2007. Art. aos 09 de junho de 2011. § 2º do art.o Decreto n. quando de sua entrada em vigor. III .Anexo II: Tabela de viagens internacionais  Acréscimo da coluna “Zona do Euro”. Art. em Belo Horizonte. e II . e VI . Parágrafo único.Anexo III:  Inclusão do município Tiradentes como município especial.o Decreto nº 45. ANTONIO AUGUSTO JUNHO ANASTASIA Danilo de Castro Maria Coeli Simões Pires Renata Maria Paes de Vilhena Art. em Belo Horizonte. de 28 de outubro de 2009.o Decreto nº 45.Será admitida a delegação de competência na aplicação do disposto nos arts.o Decreto nº 45. A Câmara de Coordenação Geral.Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.448.“Art. . Ficam revogados: I . Art.  Brasília não tem mais valor diferenciado. Palácio da Liberdade. conforme definições de termos iniciais do art.Governador do Estado.Anexo I: valores de viagens nacionais  Inclusão de Belo Horizonte na faixa de Capitais. as demais autoridades a utilizarem a classe executiva. 13.” (nr) Art. inciso II do art. Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação. 8º Terão direito à classe executiva o Secretário de Estado.258. o Secretário de Estado Adjunto e o Subsecretário. §§ 1º ao 3º do art. 47.053. parágrafo único do art. 20.º 44. 219º da Inconfidência Mineira e 186º da Independência do Brasil.207.o inciso VII do art.095. V . 26 . . 11. ALTERAÇÕES NOS ANEXOS: . de 3 de março de 2010.o Decreto n. de 26 de janeiro de 2007.407. Planejamento Gestão e Finanças poderá autorizar. 45.º 44. 46. II .316. §§2º e 4º do art. 31 do Decreto 44. IV . 10.873. de 22 de dezembro de 2009. de 29 de agosto de 2005.Ficam revogados: I .