You are on page 1of 3

Dicas para a Reforma Ortográfica As novas regras do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa entram em vigor a partir de 1º de janeiro de 2009

. Oito países, onde o português é língua oficial, vão precisar ajustar sua gramática às novas regras, que têm como objetivo unificar as diferentes grafias. No Brasil, as principais mudanças serão a eliminação de alguns acentos e do trema, além da adoção de novas regras para o hífen. Esta é a quinta vez que a ortografia da língua portuguesa passa por reformas. As regras ortográficas atuais continuarão a ser aceitas até dezembro de 2012. ALFABETO COM 26 LETRAS O alfabeto incorpora as letras k, w e y, que serão usadas para escrever: 1) símbolos de unidades de medida: km (quilômetro), kg (quilograma), w (watt); 2) palavras e nomes estrangeiros e seus derivados: show, playboy, playground, windsurf, kung fu, yin, yang, Kafka, kafkiano. TREMA O trema deixa de ser usado, a não ser em nomes próprios e derivados. Palavras como lingüiça, seqüestro, tranqüilo deixam de ter trema. No entanto, o acento continua a ser usado em palavras estrangeiras e seus derivados: Müller e Bündchen são exemplos. ACENTO AGUDO O acento agudo não será mais usado nos ditongos abertos ei e oi de paroxítonas (que têm acento tônico na penúltima sílaba). Palavras como idéia, assembléia e jibóia perdem o acento agudo. As oxítonas terminadas em éis, éu, éus, ói, óis continuam a ser acentuadas: chapéu(s), papéis, herói(s), troféu(s). Palavras paroxítonas com i e u tônicos perdem o acento quando vierem depois de ditongo. Por exemplo, feiúra, baiúca, bocaiúva ficam feiura, baiuca, bocaiuva. No entanto, o acento permanece se a palavra for oxítona e, o, i ou o u estiverem no final ou seguidos de s. Exemplos são Piauí, tuiuiú, tuiuiús. Formas verbais que têm o acento tônico na raiz, com u tônico precedido de g ou q e seguido de e ou i também perdem o acento agudo. Verbos como averigúe (averiguar), apazigúe (apaziguar) e argúem (arg(ü/u)ir) mudam e passam a ser grafadas averigue, apazigue, arguem. ACENTO CIRCUNFLEXO O acento circunflexo não será mais usado nas terceiras pessoas do plural do presente do indicativo ou do subjuntivo dos verbos crer, dar, ler, ver e derivados. Por exemplo: ‘eles crêem’, ‘que eles dêem’, ‘todos lêem’, ‘as meninas vêem’ passam a ser escritos desta forma: ‘eles creem’, ‘que eles deem’, ‘todos leem’ e ‘as meninas veem’. Palavras terminadas em hiato (oo) também vão sofrer mudanças: enjôo, vôo e magôo ficam enjoo, voo e magoo. No entanto, permanecem os acentos que diferenciam o singular do plural dos verbos ter, vir e derivados (manter, deter, reter, conter, convir, intervir, advir, etc). Exemplos: ele tem dois carros/eles têm dois carros; ele vem de Sorocaba/eles vêm de Sorocaba. ACENTO DIFERENCIAL Os acentos agudo e circunflexo não serão mais usados para diferenciar as seguintes palavras: 1) pára (flexão do verbo parar) de para (preposição);

2) péla (flexão do verbo pelar) de pela (combinação da preposição com o artigo); 3) pólo (substantivo) de polo (combinação antiga e popular de ‘por’ e ‘lo’); 4) pélo (flexão do verbo pelar), pêlo (substantivo) e pelo (combinação da preposição com o artigo; 5) pêra (substantivo – fruta), péra (substantivo arcaico – pedra) e pera (preposição arcaica). O acento circunflexo permanece para diferenciar pôde (passado do verbo poder) de pode (presente do verbo poder). Permanece também o acento para diferenciar pôr (verbo) de por (preposição). O uso do circunflexo para diferenciar as palavras forma (formato) e fôrma (de fazer bolo) é facultativo. HIFEN Depois de prefixo, quando a segunda palavra começar com s ou r, as consoantes devem ser duplicadas. Exemplos: antirreligioso, antissemita, contrarregra. No entanto, o hífen será mantido quando os prefixos terminarem com r, como hiper-, inter- e super-. Exemplos: hiperrequintado, inter-resistente, super-revista. Não usa-se o hífen quando o prefixo terminar em vogal e a segunda palavra começar com uma vogal diferente. Exemplos: extraescolar, aeroespacial, autoestrada. Sempre usa-se o hífen diante de h. Observe os exemplos: anti-higiênico, super-homem. Prefixo terminado em vogal: 1) não usa-se hífen diante de vogal diferente: autoescola, antiaéreo. 2) Sem hífen diante de consoante diferente de r e s: anteprojeto, semicírculo. 3) Não usa-se também diante de r e s, e dobram-se essas letras: antirracismo, antissocial, ultrassom. 4) Usa-se hífen diante de mesma vogal: contra-ataque, micro-ondas. Prefixo terminado em consoante: 1) usa-se o hífen diante de mesma consoante: inter-regional, subbibliotecário. 2) Não usa-se hífen diante de consoante diferente: intermunicipal, supersônico. 3) Não usa-se também diante de vogal: interestadual, superinteressante. Com o prefixo sub, usa-se o hífen diante de palavra iniciada por r: subregião, sub-raça etc. Palavras iniciadas por h perdem essa letra e juntam-se sem hífen: subumano, subumanidade. Com os prefixos circum e pan, usase o hífen diante de palavra iniciada por m, n e vogal: circum-navegação, pan-americano. O prefixo co une-se em geral com a segunda palavra, mesmo quando esta se inicia por o: coobrigação, coordenar, cooperar, cooperação, cooptar. Com o prefixo vice, usa-se sempre o hífen: vice-presidente, vice-rei, vicealmirante. Não se deve usar o hífen em certas palavras que perderam a noção de composição, como girassol, madressilva, mandachuva, pontapé, paraquedas, paraquedista. Com os prefixos ex, sem, além, aquém, recém, pós, pré, pró, sempre usa-se o hífen: ex-aluno, sem-terra, além-mar, aquém-mar, recém-casado, pós-graduação, pré-vestibular, pró-europeu. PRONÚNCIA DE VERBOS Há variação na pronúncia dos verbos terminados em guar, quar e quir, como aguar, averiguar, apaziguar, desaguar, enxaguar, obliquar, delinquir.

Esses verbos admitem duas pronúncias em algumas formas do presente do indicativo, do presente do subjuntivo e também do imperativo. Se forem pronunciadas com a ou i tônicos, essas formas devem ser acentuadas. Exemplos: verbo enxaguar: enxáguo, enxáguas, enxágua, enxáguam; enxágue, enxágues, enxáguem. No verbo delinquir: delínquo, delínques, delínque, delínquem; delínqua, delínquas, delínquam. Se os verbos forem pronunciados com u tônico, essas formas deixam de ser acentuadas. Exemplos (a vogal sublinhada é tônica, isto é, deve ser pronunciada mais fortemente que as outras): verbo enxaguar: enxaguo, enxaguas, enxagua, enxaguam, enxague, enxagues, enxaguem. verbo delinquir: delinquo, delinques, delinque, delinquem, delinqua, delinquas, delinquam. Obs: no Brasil, a pronúncia mais corrente é a primeira, com a e i tônicos.