You are on page 1of 16
Be FEviS TAUSE SONIA MD As politicas sociais e o neoliberalismo Reflexdes suscitadas pelas experiéncias latino-americanas Pelo menos trés ordens de razdes dificultam a identificagao das propo- sigdes neoliberais em matéria de politica social. Em primeiro lugar, estio os motivos de ordem propriamente teérica: © neoliberalismonao constitui efetivamente um corpotesrico proprio, original ecoerente. Esta ideologia dominante é principalmente composta por propo- sigdes priticas e, noplanoconceitual, reproduzum conjuntoheterogéneode conceitos € argumentos, “reinventando” o liberalismo mas introduzindo formulagdes ¢ propostas muito mais préximasdo conservadorismio politico e de uma sorte de darwinismo social distante pelo menos das vertentes liberais do século XX. B ainda mais: estes “ingredientes” compdem-se di- OWSIFOAaqijoOaNn/sOwsijesiagiy ferentemente, produzindomuitose distin- tos. ncoliberalismos, a pontode dificultara propria auto-identificagiiodos quem prin- cipioperfilariam estas correntes. Em segundolugar,o reconhecimento torna-se dificil porqueas proprias proposi- goes neoliberais vém-se modificando no tempo, principalmente no que diz respeito Asresponsabilidades pablicaseestatais em questdes como educagio, combat bre2u, ou crescimento sustentado, desen- volvimentode novas tecnologias, ampli joda comppetitividade das economias na- Cionais, etc. Hé mesmo quem diga ja terse iniciado oocaso do neoliberalismo. Inega- velmente, pelomenosnaquiloque éveicu- Jado pelas agéncias multilaterais, novas énfases vem se registrando ¢ por vérinsra- bes AOSTOVOS tempose teses da administracio Clinton, Finalmente, o que talvez constitua a mais forte das razoes, € que muitas daspro- Posigées atribuidas ao neoliberalismonio 10, efetivamente, monopétio daquela ten- déncia, nem mesmodasfontes originaisem que parece nuttir-se, Aocontrario, fizeram fazem parte de idedriosdemocratusou 5, citcunstancialmente apagados pelaonda neoliberal, propriagio re- sulta numa estratégia eficiente de predon nincia ideoldgiea, conferindo aparente or ginalidadee forga persuasivaaestacorren- tequeterminou, porexemplo, porreclamar exclusividade sobre quaisquerpropostasde modernizagio sociale politica. Diga-sede Assagem quea condigio dessa apropria- io € que o neoliberalismo confirma ten- déncias profundas de modificagbes da so- ciedade, apreendidas seu modo pelosse- tores politicamente colocados.direita do ‘espectro politico, masobviamente também reconhecidas pelosque, aesquerda, identi- fica eadvogam transformagées sociais & politicas, Este artigo tama estas trés ordens de dificuldadescomo pontode partida para o exame e a discussio das concepgies ncoliberais sobre as politicas piiblicas de cortesocial. Limita-se, portant, tesum doscamposem queaneoliberalismo tematuado, deixandodeladosejaaquestio filoséfica mais geral cnvolvida nasconcep- ces de justica Social, sejam os outros do- minios das politicas piblicas, em particular oreferente Aeconomia, O quadrade refe- réncia éa regio latino-americana eas pro- postas de reestruturacio de programas so- ciais que, sob orientagio neoliberal, vm. po- sendodivulgadas pelasapéncias mullilate- ais de desenvolvimento, laiscomo.o Ban- co Mundial, 0 BID, a Cepal, e foram ou esto sendoensaiadas pelos governos lati- no-americanos. OS LIBERAIS DE ONTEM E DE HOJE E AS POLITICAS SOCIAIS Nio ha um corpo tedrio neoliberal especifico, capaz de distingui-lode outras correntes do pensamento politico. As “teorizagdes” que manejamosassim ditos neoliberaissao geralmente emprestadas do pensamentoliberal oudeconservadorese quase quesereduzem Aafirmagio genérica daliberdade eda primaziado Mercado so- breo Estado, do individual sobre coletivo, E, derivadamente, do Estado minimo, en- tendidocomoaquele queniointervém no livre jogodosagentes econdmicos. Oneoliberalismocomqueconvivemos. dificilmentese encarnaem obrasdeintelec- luais de reconhecida competéncia. Mere- ceu mesmo, alé agora, pouco esforgo de exposichosistemiitics, comalgumasexce- gSesque podem serencontradasno campo da economia. F antes um discurso © um conjunto de regras priticasde aga (ou de recomendagGes), particularmente referidas agovemos careformasdoEstadoedas suas politicas. Eessasua caracteristica que con~ duz Théret a qualificd-lo como“... sistema de receitas priticas para a gestiio piblic: (Théret, 1990). De fatosuas propo: Jo sobretu- ess doprdticase enraizadas emalgumas afir- es de valores que passaram aretrati- lo, Desde logo, estita referéneia afdéias nilo ainieresses: afirmando recusaratese liberal da politica pluralista ou conduzida pelo jogo dos interesses através de seus advogados lobbies, mas também preten- dendo superar mecanismos politicos tipi- cos da vida democritica, otecnocratismo, neoliberal declara-seatunrmovide por id as € valores distantes © acima dos particularismos, corporativismos & populismosdetodaaordem, formaderedu- fo do interesse geral a algumas concep- ges do que seja “moderno”, “flexivel” © “eficiente”. Poder-se-ia dizer, com Schneider (1989), queestas alorescompiem umambiente particular, espéciede"*cultura da solugao de problemas”: idealizando a especializagdioeacompeténcia, a ideologia as iB REVISTA USP