You are on page 1of 59

ROTEIRO DAS AULAS PRÁTICAS DE SEMIOLOGIA

VCM - 226

Responsável pela escolaridade.: Prof. Dra. Alice Maria M.P. Della Libera
Prof.Dr. Fernando José Benesi Prof.Dr. Carlos Eduardo Larsson Prof.Dra. Maria Helena Larsson Prof.Dr. Enrico Lippi Ortolani Prof.Dr. Wanderley P.Araújo Prof.Dr.Wilson Roberto Fernandes Prof.Dra. Márcia Mery Kogika Prof.Dr. Eduardo Harry Birgel Jr. Prof.Dra. Silvia Regina Ricci Lucas Prof.Dra. Raquel Y. Baccarin Prof.Dra. Denise Saretta Schwartz Prof.Dr. Archivaldo Reche Jr. Prof.Dra. Lílian Gregory Prof. Dra. Maria Cláudia Araripe Sucupira Magalhães Prof.Dra.Carla Bargi Belli Bolsistas PAE: M.V. Enoch Brandão de Souza Meira Junior M V. Mauricio Mirian

São Paulo Agosto/ 2008

1

MÓDULO 1: PEQUENOS ANIMAIS
PÁG. 1 1 1 1 1 1 2 2 2 2 4 5 6 8 8 9

1. IDENTIFICAÇÃO DO ANIMAL ................................................................................................................... 2. EXAME DO ESTADO GERAL .................................................................................................................... 3. CONTENÇÃO .............................................................................................................................................. 4. EXAME DAS MUCOSAS APARENTES ..................................................................................................... 5. HIDRATAÇÃO ............................................................................................................................................. 6. EXAME DOS LINFONODOS ...................................................................................................................... 7. VIAS DE ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS .................................................................................. 8. FUNÇÕES VITAIS ....................................................................................................................................... 9. COLHEITA DE MATERIAIS PARA ANÁLISES LABORATORIAIS .......................................................... 10. EXAME FÍSICO DO SISTEMA CIRCULATÓRIO ..................................................................................... 11. EXAME FÍSICO DO SISTEMA RESPIRATÓRIO ..................................................................................... 12. EXAME FÍSICO DO SISTEMA NERVOSO ............................................................................................... 13. EXAME FÍSICO DO SISTEMA GENITAL ................................................................................................ 14. EXAME FÍSICO DO SISTEMA URINÁRIO ............................................................................................... 15. EXAME FÍSICO DO SISTEMA DIGESTÓRIO .......................................................................................... 16. EXAME FÍSICO DA PELE ........................................................................................................................

2

MÓDULO 2: EQÜÍDEOS
PÁG.
1. IDENTIFICAÇÃO DO ANIMAL .................................................................................................................... 2. EXAME DO ESTADO GERAL .................................................................................................................... 3. CONTENÇÃO .............................................................................................................................................. 4. EXAME DAS MUCOSAS APARENTES ..................................................................................................... 5. EXAME DOS LINFONODOS ....................................................................................................................... 6. HIDRATAÇÃO ........................................................................................................................................... 7. EXAME CLÍNICO DO SISTEMA CIRCULATÓRIO ..................................................................................... 8. EXAME CLÍNICO DO SISTEMA RESPIRATÓRIO ..................................................................................... 9. EXAME CLÍNICO DO SISTEMA DIGESTÓRIO ......................................................................................... 10. EXAME CLÍNICO DO SISTEMA LOCOMOTOR ...................................................................................... 11. EXAME CLÍNICO DO SISTEMA GENITAL .............................................................................................. 12. EXAME CLÍNICO DO SISTEMA URINÁRIO ............................................................................................ 13. EXAME CLÍNICO DO SISTEMA NERVOSO ............................................................................................ 14. EXAME FÍSICO DA PELE .........................................................................................................................

11 11 11 11 11 12 12 13 14 15 19 19 20 21

3

MÓDULO 3: RUMINANTES
PÁG.
1. IDENTIFICAÇÃO DO ANIMAL .................................................................................................................. 2. EXAME DO ESTADO GERAL ................................................................................................................... 3. CONTENÇÃO ............................................................................................................................................ 4. EXAME DAS MUCOSAS APARENTES ................................................................................................... 5. EXAME DOS LINFONODOS ..................................................................................................................... 6. HIDRATAÇÀO ......................................................................................................................................... 7. EXAME CLÍNICO DO SISTEMA DIGESTÓRIO ........................................................................................ 8. EXAME CLÍNICO DO SISTEMA URINÁRIO ............................................................................................. 9. EXAME CLÍNICO DO SISTEMA GENITAL ............................................................................................... 10. EXAME CLÍNICO DA GLÂNDULA MAMÁRIA ....................................................................................... 11. EXAME FÍSICO DA PELE ....................................................................................................................... 12. EXAME CLÍNICO DO SISTEMA CIRCULATÓRIO ................................................................................. 13. EXAME CLÍNICO DO SISTEMA RESPIRATÓRIO ................................................................................. 14. EXAME CLÍNICO DO SISTEMA NERVOSO .......................................................................................... 15. EXAME CLÍNICO DO SISTEMA LOCOMOTOR ..................................................................................... 21 21 21 21 21 22 22 23 23 25 26 27 29 30 32

4

PLANO GERAL DE EXAME CLÍNICO
PÁG.
1. IDENTIFICAÇÃO DO ANIMAL ..................................................................................................................... 2. AVALIAÇÃO DO ESTADO GERAL .............................................................................................................. 3. ANAMNESE: COLETIVA/INDIVIDUAL ........................................................................................................ 4. CONTENÇÃO DO ANIMAL .......................................................................................................................... 5. EXAME FÍSICO ............................................................................................................................................. 6. APLICAÇÃO DOS MEDICAMENTOS ..........................................................................................................

35 35 35 35 36 39

5

Exame do Estado Geral . 3. toalha.1.2. superior e 3ª pálpebra b) esclerótica c) mucosa bucal (jugal.(inspeção) 4.1. Eficiência para permitir um bom exame físico 3. Coloração normal e alterada 6 .3. Em estação -da cabeça (mordaça.inferior.MÓDULO 1: PEQUENOS ANIMAIS Docentes: Prof. Praticidade (evitar métodos confusos) 3. Márcia Mery Kogika Prof.Dra. auxiliares e do animal 3. Facilidade em ser desfeito 3.2. Talhe 2. Archivaldo Reche Jr. Mucosa prepucial e peniana 4.1.1. Tipos de contenção: Física . Pelagem 1.3. Meios semiológicos . Exame das mucosas aparentes 4.1.estado de nutrição (inspeção.Dra.3.atitude (em estação. Carlos Eduardo Larsson Prof. Prof.Dra. isolados e em grupo).5.2. Óculo-palbebral a) conjuntiva palpebral . Qualidades dos métodos de contenção: 3. Silvia Regina Ricci Lucas Prof.1.3. Mucosa vulvar 4. Segurança do operador.2.focinheira).2.6.2. Contenção 3.5. Em decúbito Química – medicamentos 4. Idade 1.4. Maria Helena Larsson Prof.1. .4. gengival.1. em movimento e em decúbito.1.Dra.Dr.3. Espécie do animal 1.2. palpação) .4.Dr. Identificação do animal 1. Raça 1. Sexo 1. Denise Saretta Schwartz 1. lingual) 4.

tamanho.2 – Urina: micção espontânea. Funções Vitais: • Freqüência respiratória: inspeção/palpação /auscultação Cães: 10 – 30 mr/m Gatos: 20 – 40 mr/m • Freqüência de batimentos cardíacos/pulso:palpação /auscultação Cães: 70 – 160 bpm Gatos: 120 – 200 bpm Temperatura retal: Cães: 37.5.edema. umidade da gengiva. ascite 7 .2. 10.1.postura . 7. Inspeção Cães: .5 – 39.0 – 39. . cistocentese. Vias de administração de medicamentos: • Intravenoso (IV) • Subcutâneo (SC) • Intramuscular (IM) • Oral • Tópico 8. Exame dos linfonodos 6.distensão venosa .5ºC • 9.1 – Sangue: punção de vasos e/ artérias (com ou sem anticoagulante) 9.dispnéia .cervicais superficiais (anteriormente denominados pré-escapulares). lavado.aparência física . Meios semiológicos (inspeção direta e indireta e palpação) 6. Linfonodos palpáveis: . 6.3 – Efusão cavitária. 9.3. cateterismo.4 – Vias respiratórias: zaragatoa.poplíteos.consistência. forma. Caracterização . 9.submaxilares ou mandibulares.Hidratação: elasticidade de pele.Exame físico do sistema circulatório 1.3ºC Gatos: 38. sensibilidade e temperatura. mobilidade. . 6. Colheita de materiais para análises laboratoriais: 9.

: Galope (terceira e quartas bulhas em condições alteradas) / sopros. Palpação Cães e Gatos: .área de macicez cardíaca .2.fechamento das sigmóides (separadas pelo pequeno e grande silêncio) Sístole .dígito-digital Características Cão . pulsação cardíaca Freqüência cardíaca .Felinos: idem caninos Pulso arterial periférico Técnica: cães. gatos e pequenos ruminantes .fechamento das átrio-ventriculares 2ª Bulha .Recém-nascidos .Recém-nascidos .4º ao 7º EICE 4.Adultos .1ª bulha + pequeno silêncio Diástole .artéria femoral Freqüência Pulso Caninos: .reflexo da tosse . choque da ponta. Percussão Cães.área de macicez cardíaca absoluta: 4º ao 5º EICE Gato . fraco e filiforme 3.Caninos: 4º/5º espaço intercostal (EIC) direito 5º EIC esquerdo (mais intenso) .2ª bulha + grande silêncio Obs.Raças gigantes Felinos: .Adultos ppm (pulsações por minuto) até 180 até 160 70-160 60-140 220-260 120-200 Classificação: pulso forte.Raças miniaturas . 8 . Auscultação 1ª.área de macicez: 3º ao 5º EICE .frêmitos. gatos. Bulha . ovinos e caprinos .

consistência e sensibilidade Percussão .Palpação . . Exame Físico do sistema respiratório 1. quantidade. Palpação . aumento de volume. . Inspeção direta .coloração e alterações anatômicas.temperatura.aumento de volume e fístulas Palpação .maxilar Inspeção .inspeção direta .sensibilidade 5. cor e odor 3. força e odor 2. Inspeção Tipo respiratório Freqüência (movimentos respiratórios /minuto = mr/min) . temperatura e desvios. Auscultação . Cães .RX. Inspeção Indireta .10-30 mr/min . Narinas .som claro 6.inspeção 4. Cães . Tórax e Pulmões .reflexo da tosse. Exames especializados Eletrocardiograma Ecocardiograma Pressão arterial 11. Fluxo nasal: Normal . Gatos . corpos estranhos.aumento de volume .secreção serosa ou sero-mucosa Uni ou bilateral. obstruções e/ou compressão . Seios paranasais . desvios. 7. Ar expirado: temperatura. Laringe e Traquéia .ruído laringotraqueal (sopro glótico).Focos de auscultação Caninos 3º EICE 4º EICE 5º EICE 4º EICD Felinos 3º EICE 4º EICE 5º EICE 3º EICD Pulmonar Aórtico Mitral Tricúspide 5. Cães .20-40 mr/min 9 . Fossas nasais .

direta (D) .linha do ráquis . microscopia de mat. Som . Percussão Topográfica . Cães . Palpação III.limite posterior . bioq.Indireta (I) . temperatura e frêmito pleural . local .limite dorsal .dígito-digital. sorologia.foco de luz.sensibilidade . 1.10º EIC . oftalmoscopia.normal: claro . Inspeção .Ritmo Amplitude .Cães e Gatos . ótico.anomalias do diâmetro pupilar . palpação .medianamente profunda Dispnéia . Subsidiários .anomalias de movimento e posição da íris 10 . unilateral .alteração de forma.2. Meios Semiológicos I. maciço e sub-maciço . enzimologia.linha ilíaca . radiologia. bilateral .calcificação de ouvido médio . volume.12º EIC .11º EIC . eletrodiagnóstico II. consistência .junto ao ráquis .hemograma.Ex. Crânio Meios: Inspeção(D/I).inspiratória. expiratória e mista Aumentos de volume: .atrofia muscular 1. otoscopia. Exame físico do sistema nervoso 1. Percussão IV . coproparasitológico. em estação ou sentado.delimitação das áreas pulmonares: . Palpação Técnica .1.patológico: timpânico. Percussão Técnica . Auscultação 12. Olhos Meios: Inspeção (D/I) .linha isquiática .bimanual e bilateral Sensibilidade. de sangue.Cães e Gatos . punção.

anomalias da papila óptica 1. Pedal(podal flexão) Técnica: MT/MP . Tônica dos olhos .Técnica: MT/MP . Estado mental e marcha 3.3.D/E 3.1.Técnica: MT/MP .2.técnica do pescoço .desvio do eixo por alteração osteoarticular da coluna torácica e/ou lombar . palpação (punção) .3. Reações de postura e manutenção do equilíbrio 3. Nervos cranianos 6. Proprioceptivas .1. Aprumo . Colocação Táctil .D/E Visual . Reflexos espinais 6. Carrinho de mão .4.d/e 3. Saltitamento .7.Técnica: MT/MP** . pleurótono) .técnica 4.Técnica 3.D/E 3. Tônus muscular 5.anomalias de resposta à luz . Estação ou locomoção bipedal .desvio de eixo por contração muscular cervical (opistótono e epistótono.5.6.técnica: MT(MP) .alteração osteoarticular vertebral .Técnica: D/E* 3.Técnica 3.D/E * * d= Direito/e= esquerdo MT= membro torácico/MP-membro pélvico 11 .d/e 3.anomalias de sensibilidade 2.8. Raque Meios: Inspeção(D/I). Propulsão extensora .técnica: MT(MP) ..anomalias de localização na órbita .

ultra-som Palpação: anormalidades: número. Prepúcio Inspeção direta Palpação Anormalidades: forma. coloração da mucosa. corrimento. Anamnese o geral o individual Exame clínico o Externo bolsa testicular testículo epidídimo prepúcio pênis o Interno próstata • • 1. 6. forma e consistência 2.5. 6. Testículos (inclui bolsa testicular ou escroto e epidídimo) Inspeção direta Inspeção indireta: radiografia simples. volume.2.3. Vet. Exame físico do sistema genital Genital masculino • Importância o Finalidades o Objetivos o Aplicação no campo da Med. abertura prepucial.6. 12 .4. biópsia. Tendíneos (miotáticos) patelar . volume. formações tumorais. bi e tricipital) Extensão cruzado Técnica Anal (perineal) Técnica Sensibilidade cutânea Técnica 13.técnica: MT/MP .D/E (gastrocnêmio. 6.

Ovário Inspeção indireta 14. radiografia contrastada (urografia excretora . Palpação (percussão): anormalidades: quanto à forma. Exame físico do sistema urinário 1.radiografia simples e urografia excretora contrastada. corrimento. velocidade de filtração Palpação: anormalidades: forma.3. formações tumorais 4. Útero Inspeção indireta Palpação 5. Palpação através da rima vulvar. 3. laparotamia exploratória e biópsia). localização. volume. volume.dilatação dos ureteres). abertura uretral. 13 .a) Volume b) Forma c) Superfície d) Direção e abertura e) Secreções Palpação 2. Pênis Inspeção direta (indireta) Palpação: anormalidades: coloração da mucosa. Rins Inspeção indireta . Genital feminino 1. ultra-som. Cérvix 4. Vulva Inspeção . Próstata Inspeção indireta: radiografia simples e contrastada (punção. localização. Observar coloração. laparotomia exploratória. superfície e diâmetro. superfície. Ureteres Inspeção indireta: ultra-som. Vagina Inspeção (afastar lábios vulvares com os dedos . ultra-som. biópsia . litíase. consistência 2.espéculo). radiografia simples – litíase. contorno. prolapso.volume.

volume. M1/1 3.Inspeção. estenose ou dilatação 15.lábios. palpação (externa e indireta) 4. mucosa. auscultação. C1/2. C1/1. útero 14 . Cavidade bucal . aumento de volume. principalmente ascite Anormalidades . toque retal-uretra prostática Palpação indireta – cateterismo. Abdômen Meios: inspeção (direta e indireta). Órgãos . 4.região hipocondríacas D e E 4.entre o osso . Faringe e Esôfago Meios: inspeção direta (externa /interna) e indireta.litíase.radiografia simples ou contrastada: urografia excretora. persistência do úraco. 4. percussão palpatória e percussão auscultatória.forma. deglutição.1. Anormalidades: litíase. Bexiga urinária Inspeção direta: aumento de volume na região hipogástrica Inspeção indireta . P3/2.fígado. litíase.2.1. alças intestinais . Abdominal média ou mesogástrica . localização. tonsilas. palpação retal. palpação e olfação . palato. Abdominal anterior ou epigástrica .região xifóide (epigastro) . estômago. percussão. Fórmula dental permanente Cães: I3/3.apenas para diferenciar.1. quando presente a retenção urinária acentuada (iscúria) de outras coleções líquidas.Regiões 4. rins.Exame físico do sistema digestório 1. M2/3 Gatos: I3/3.1. alças intestinais. defecação . Apetite.meato urinário Inspeção indireta . ovários. sensibilidade. ultra-sonografia Palpação .peniano e o períneo.Inspeção 2. palpação externa. baço.3. língua. uretrocistografia Palpação . mastigação. P4/4. glândulas salivares. espessamento da mucosa vesical.pâncreas (no limite médio anterior). dentes. Uretra Inspeção direta . Percussão . inserção dos ureteres. rupturas. preensão. espessamento e irregularidades da parede.radiografia simples ou contrastada.

linear.1. Pâncreas 7. íris-arciforme.normal . exantema. enantema. Exame físico da pele 16.local .alterações de cor vásculo-sanguíneas eritema(cianose.anomalias: hipo. Fígado 8. brilhantes.regiões dos flancos ou ilíacas E e D 4. I. azul-escura.regiões inguinais D e E 5. assimétricas . vermelha.intensidade .1. Abdominal posterior ou hipogástrica . eritrodermia) telangiectasia púrpuras(petéquias. Anomalias . policiclica . generalizadas.anomalias: pálida/perlácea. hiper e hematidrose d) Prurido . amarela. pigmentação .local . víbices..quedas fisiológicas (mudas) e patológicas b) Coloração da pele . assentados.configuração: anular.distribuição: localizadas. Inspeção direta: a) Pelagem (pelame) normal .3. lisos.Inspeção (direta e indireta) e palpação (olfação. Intestinos 16.regiões lombares D e E . percussão). verde-azulada c) Umidade . rubor.região umbilical . arcada. simétricas.bexiga . serpiginosa.região púbica (hipogastro) . útero . Estômago 6.cólon. generalizado e) Lesões . Meios Semiológicos .róseo claro. equimoses) pigmentares hipercrômicas melanodermias hipocrômicas acrômicas leucomelanodermia 15 .normal .pelos bem inseridos.distribuição: localizado.

. mole.lâmpada de Wood .dura. úmida.perdas teciduais: escama. tumor.colheita de material para bacteriologia ou micologia . flutuante . untuosa. fistula.otoscopia . cicatriz. nódulo.testes alérgicos . pústula.consistência .técnica e exame de raspado . escara II . crosta. hematoma . edema.edema (sinal de Godet).sensibilidade .Olfação e percussão 16 .técnica c) consistência e elasticidade.alterações de espessura: hiperqueratose.biópsia . esclerose . lignificação. erosão.seca.técnica d) aumentos de volume . vegetação.formação sólida: pápula. exudativa a) untuosidade b) temperatura. abcesso.Palpação: através dela caracterizam-se as lesões quanto à: . fissura. verrucosidade coleções líquidas: vesicular. bolha.qualidade . enfisema IV . ulceração.diascopia III .Inspeção Indireta: .

Em decúbito Química – medicamentos 4.Wilson Roberto Fernandes Prof.1.1. Baccarin Prof.inferior.2. Espécie do animal 1.4.1. qualidades dos métodos de contenção: 3. Exame do Estado Geral 2.5. auxiliares e do animal 3. Contenção 3. superior e 3ª pálbebra b) esclerótica 4.7.4. Meios semiológicos . em movimento. Identificação do animal 1. Praticabilidade (evitar métodos confusos) 3.1. Tipos de contenção: Física .5. Talhe (peso) 2.3. Belli 1. Em estação -da cabeça (cabrestos. Pelagem 1.Carla B.(inspeção) 4. jugal 4.1.1. cachimbo. Idade 1. Sexo 1. Segurança do operador. Mucosa prepucial e peniana 4. Mucosa nasal 4. 3. Exame das mucosas aparentes 4. em decúbito e em relação ao grupo e isolados).1.MÓDULO 2: EQÜÍDEOS Docentes: Prof.Dra.6. dos membros ( mão de amigo) . Raquel Y.3. atitude (em estação. Mucosa vaginal 4.2.4. Mucosa bucal.1. Mucosas Óculo-palbebrais a) conjuntiva palpebral .3.1. Facilidade em ser desfeito 3. palpação) 2.2.Dr.2.3. Raça 1.Dra.2. estado de nutrição (inspeção.2.2.2. Eficiência para permitir um bom exame clínico 3.3.).1.6. Coloração normal e alterada 17 .

> 2 horas . Inspeção Eqüinos: . forma.pulsações da jugular devido ao acúmulo de sangue nas veias cavas Normal (fisiológico): pré-sistólico Patológico: sistólico .martelo . Palpação Eqüinos .repleção da jugular . tamanho.frêmitos. Hidratação 7. Percussão eqüinos .a.consistência. Exame dos linfonodos 5. 6.edemas .Recém-nascidos . Caracterização .macicez cardíaca absoluta entre 3º ao 5º EICE 18 .5.submaxilar ou mandibular. maxilar externa Freqüência Pulso Eqüinos: .dispnéia .Eqüinos: 5º EIC. Exame clínico do sistema circulatório 1.sensibilidade Pulsação cardíaca .Choque pré-cordial .atitude 2. mais evidente do lado esquerdo Pulso arterial periférico Técnica: eqüinos . batimento cardíaca .1. Meios semiológicos (inspeção e palpação) 5.3.pulso venoso . Linfonodos palpáveis . sensibilidade e temperatura.pleximétrica Características Eqüinos . 5. fraco e filiforme 3.2. mobilidade.> 1 ano ppm (pulsações por minuto) 40-80 80-130 70-120 28-40 (44) Classificação: pulso forte.1 a 2 horas .

força e odor. 2.coloração e alterações anatômicas. Ar expirado: temperatura. Observar desvios. Laringe e Traquéia .reflexo da tosse. temperatura e desvios. Palpação . Exames especializados Eletrocardiograma Ecocardiograma 8.1ª bulha + pequeno silêncio Diástole . Seios paranasais Inspeção direta / Inspeção indireta: RX Palpação .inspeção 4. Fluxo nasal: Normal .sensibilidade 5. Auscultação .Exame clínico do sistema respiratório 1. .RX e endoscopias. Bulha .inspeção direta . Narinas .ruído laringotraqueal (sopro glótico) 19 .secreção serosa ou sero-mucosa Uni ou bilateral.2ª bulha + grande silêncio Focos de auscultação Eqüinos 3º EICE 4º EICE 5º EICE 3º/4º EICD Pulmonar Aórtico Mitral Tricúspide 5.fechamento das sigmóides (separadas pelo pequeno e grande silêncio) Sístole . Inspeção direta .4. 3. Inspeção Indireta . Auscultação 1ª.temperatura.aumento de volume . Fossas nasais . consistência e sensibilidade Percussão . Palpação .fechamento das átrio-ventriculares 2ª Bulha . quantidade. corpos estranhos. cor e odor. obstruções e/ou compressão . aumento de volume.som claro 6.

.musculares.11º EIC .limite superior .a 2 dedos do ráquis .7. gemidos). unilateral . zona torácica . Aumentos de volume: . crepitação dos pelos.encontro com o limite inferior. temperatura e frêmito pleural . Percussão auscultatória .inspiratória.patológico . Punção . Percussão Topográfica . Percussão dolorosa . local . Eqüinos: 10 -18 mr/min Ritmo Amplitude . maciço e sub-maciço.6º e 7º EIC .5º EIC .timpânico. bilateral . Palpação Sensibilidade. Técnica: mediata (fonendoscópio).acompanha a linha do bordo posterior do úmero e escápula . Auscultação .normal .(tosse.murmúrio vesicular (traqueo-bronquico e bronquiobronquiolar) . expiratória e mista. auscultação de toda área pulmonar a cada 5 cm. Percussão Técnica .medianamente profunda Dispnéia . Inspeção Tipo respiratório Freqüência (movimentos respiratórios/minuto = mr/min) . . Tórax e Pulmões .limite anterior .limite posterior .linha escápulo-umeral .entre a macicez cardíaca e o limite pulmonar anterior 20 . ruídos estomacais e intestinais Ruídos respiratórios .Torácica . Ruídos anexos .delimitação das áreas pulmonares: .claro .martelo-pleximétrica. ruídos de deglutição.16º EIC – tuberosidade coxal / 14o tuberosidade isquiática . em estação Som .

tensão e sensibilidade 4. 3. 4. Cavidade bucal . auscultação e palpação retal. bochecha.Palpação externa .maciço . preensão.fossa paralombar D (ceco) . palato.porção central: cólon menor . Exame clínico do sistema digestório 1.porção ventral: anel inguinal 21 . Apetite. Porção ventral do abdomen.) -diferenciar completos de incompletos -intensidade dos movimentos -crepitação Percussão . dentes.3. língua.lado esquerdo: flexura pélvica cólon ventral cólon dorsal ligamento nefro-esplênico (dorso-lateral) .palpação. mucosa. deglutição. Auscultação Porção dorsal (cólon dorsal esquerdo) Porção ventral (cólon ventral esquerdo) (crepitação e borborigmo) Percussão: som variável em função do conteúdo 4.5.4.ruído íleo-cecal Avaliar: node movimentos (1-3/3min.timpânico 1/3 . Faringe e Esôfago Meios: inspeção direta (externa /interna) e indireta (endoscópio.9.da fossa para linha branca 1/3 . Abdômen Meios: inspeção (direta e indireta). raios-X contrastado) palpação (externa e indireta – sonda nasogástrica) 4. Flanco Direito Auscultação . palpação externa. dentes incisivos e pré-molares .Inspeção. Palpação retal . palpação e olfação .sub-maciço 1/3 .1.2.lado direito: ceco .Inspeção . Abdômen .contorno abdominal e atitudes características de dor. mastigação. percussão.lábios.avaliar a estratificação 4. defecação . Flanco Esquerdo – auscultação ( intestino delgado) borborigmos de baixa intensidade 4. .Inspeção 2.

Outros exames: o exame do sistema digestivo deve ser acompanhado sempre da avaliação da hidratação e do sistema circulatório. alimentar e reprodutivo) o início e evolução do quadro o permaneceu em repouso ou foi exercitado durante este período de claudicação? Piorou.Anamnese: o manejo ( profilático. o específico (locomotor): INSPEÇÃO DIRETA a) em repouso: • conformação • alterações de postura • aprumos • cascos (observar tamanho e formato. aumento de volume na coroa. 10. conteúdo. atrofia de ranilha e forma da sola) b) em exercício • características do andar • identificar o membro afetado • identificar o grau de claudicação e incoordenação do movimento: andaduras (passo. trote e galope na guia) superfície métodos de identificação graduação 22 . Turgor de pele. assimetrias. odor e pH. Exame clínico do sistema locomotor EXAME CLÍNICO . mucosas.6. formação de anéis.8. linfonodos. desgaste anormal. Paracentese: realizado 5 cm à frente da cicatriz umbilical. TPC. contração dos bulbos dos talões. comportamento.Exame físico o geral: FC. Sondagem nasogástrica: avaliação do refluxo quanto à quantidade. FR. 4. fendas e rachaduras. aspecto.7. Avaliação do aspecto físico e bioquímico do líquido peritoneal. estado nutricional. igual ou melhorou? o algo pode ter causado a claudicação? o melhora após aquecimento? o tropeça? o quando foi ferrado? o tratamentos realizados. 4. .4. TR.

• palpar todo o comprimento dos metacarpianos acessórios. • palpar ossos. b) quartela • palpar superfície dorsal. d) metacarpo • palpar tendões extensores.PALPAÇÃO Membros torácicos a) casco • limpar a sola com rineta. TFDP e brida cárpica. • realizar testes de abdução e adução. • palpar região coronária. • palpar o LSB. c) boleto • palpar face dorsal da articulação. g) cotovelo (articulação úmero-rádio-ulnar). • bater na muralha do casco com a pinça. • elevar o membro extendendo a articulação. • palpar o recesso palmar. • palpar bainhas sinoviais tendíneas. 23 . • palpar a face cranial do 3° metacarpiano. • comparar as temperaturas dos cascos. f) antebraço (rádio e ulna) • palpar tecidos moles (musculatura). • palpar ossos. e) carpo • palpar as faces palmar e dorsal. • pressionar os sesamóides. • realizar teste da tábua. • utilizar pinça de casco de forma sistemática e comparar com sola do casco contralateral. • palpar o pulso das artérias digitais. • palpar ligamentos sesamoideos distais e TFDs. • palpar tecidos moles ao redor e axila. • palpar o TFDS. • rotacionar a AIP. • realizar flexão passiva da articulação metacarpo-falangeana. medial e lateral da AIP. • flexionar passivamente a articulação do carpo. • palpar o LSB e TFDs. • palpar o ligamento anular. • lateralizar a AIP.

• avaliar distensões da cápsula articular. • palpar região da bolsa biciptal. • realizar flexão passiva. e) anca ou garupa (ílio e ísquio) • palpação retal. • avaliar espessamento da cápsula articular. muitas vezes é difícil sentir crepitações no caso de fraturas (estetoscópio). • realizar os testes de manipulação. d) fêmur • palpar os músculos ao redor. • palpar assimetrias ou aumentos de volume. 24 . • realizar teste de elevação.h) ombro (articulação escápulo-umeral) • palpar tecidos moles. • avaliar distensão de bainha tendínea. • palpar musculatura comparativamente. Membros pélvicos a) jarrete (articulação do tarso) • palpar articulações do tarso. b) tíbia palpação profunda de todos os ângulos. • avaliar proliferações ósseas. músculo semitendinoso e músculo semimembranoso. • observar assimetrias. • palpar os ligamentos patelares distais. i) escápula palpar musculatura. f) pelve (púbis) • palpação retal. c) patela • palpar articulação fêmur-tibio-patelar. • realizar teste de extensão caudalmente. • palpar ligamentos e tendões flexores. • palpar a patela. • palpar tecidos perivaginais.

Pênis Inspeção direta / indireta Palpação Anormalidades: coloração da mucosa.Coluna vertebral Pescoço 1. flexionar a cabeça para a direita. mobilidade. 4. observar qualquer aumento de volume. forma e consistência. atrofia ou assimetria muscular. 2. 5. ultra-som Palpação Anormalidades: número. prolapso. esquerda e ventralmente 3. palpar pontas dos processos espinhosos dorsais 3. TESTE DE OSCILAÇÃO E CÍRCULO SOBRE SÍ TESTES DE FLEXÃO ARTICULAR BLOQUEIOS ANESTÉSICOS NERVOSOS BLOQUEIOS ANESTÉSICOS ARTICULARES RAIOS-X ULTRA-SONOGRAFIA TERMOGRAFIA. 2. formações tumorais 25 . Dorso 1. CINTILOGRAFIA. volume. Exame clínico do sistema genital 1. corrimento. deslizar delicadamente as pontas dos dedos sobre coluna vertebral. avaliar vértebras. ARTROSCOPIA BIOPSIA MUSCULAR ELETROMIOGRAFIA 11. sensibilidade. pressionar os dedos juntos e constantemente sobre a musculatura. Testículos (bolsa escrotal) Inspeção direta Inspeção indireta: biópsia. abertura uretral. 2. realizar testes de flexão e manipulação. palpar musculatura bilateralmente.

tamanho. radiografia simples. volume. abertura prepucial.cateterismo. localização. Prepúcio Inspeção direta Palpação Anormalidades: forma.3. Útero Inspeção indireta: laparotomia. prolapso. formações tumorais e corrimento (tipo. Uretra Inspeção direta . volume.volume. sensibilidade 4.meato urinário Inspeção indireta . ultra-som Palpação Percussão Anormalidades: forma. estenose ou dilatação 26 . corrimento. volume. endoscopia Anormalidades: litíase. 4.ultra-som Palpação retal. rupturas. superfície.litíase. Rins Inspeção indireta . Exame clínico do sistema urinário 1. velocidade de filtração Palpação retal Anormalidades: forma. consistência 6.ultra-som. litíase. Vulva (vagina) Inspeção direta – com espéculo Palpação Anormalidades: coloração da mucosa. Bexiga Inspeção indireta . Ureteres Inspeção indireta: ultra-som 3. formações tumorais. Ovários Inspeção indireta – ultra-som Palpação retal 12. coloração da mucosa. biópsia . consistência 2. aumento de volume. cor e quantidade) 5.

Estado mental e marcha 3. palpação .anomalias da papila óptica 1.anomalias de movimento e posição da íris . Olhos Meios: Inspeção (D/I) .3. otoscopia.técnica: MT(MP) . enzimologia. Raque Meios: Inspeção(D/I). bioq.foco de luz. palpação (punção) .2. de sangue. oftalmoscopia.1.D/E 27 . consistência .Indireta(I) .técnica: MT(MP) . Crânio Meios: Inspeção(D/I). eletrodiagnóstico II.desvio de eixo por contração muscular cervical (opi e epistótono.2. Aprumo . 1.anomalias de resposta à luz .sensibilidade .Ex.alteração osteoarticular vertebral . Subsidiários . ótico.Técnica: MT/MP . Proprioceptivas .D/E 3.direta (D) . Reações de postura e manutenção do equilíbrio 3.atrofia muscular 1.Percussão IV .desvio do eixo por alteração osteoarticular da coluna torácica e/ou lombar .3. Exame clínico do sistema nervoso 1. Palpação III . Inspeção . punção. radiologia.Técnica 3.D/E Visual .13. avaliação do líquor.hemograma. coproparasitológico. pleurótono) . volume. Meios Semiológicos I.1. microscopia de mat. Colocação Táctil .anomalias do diâmetro pupilar .anomalias de sensibilidade 2.alteração de forma.anomalias de localização na órbita . sorologia.

II óptico.2. X vago. VIII vestibulococlear. Tônica dos olhos .técnica do pescoço .técnica 4. Nervos cranianos (I olfatório.4.D/E 6.técnica: MT/MP . Exame físico da pele Vide Pequenos Animais 28 . Tendíneos (miotáticos) patelar . XI acessório e XII hipoglosso) 6. Pedal(podal flexão) Técnica: MT/MP .5. V trigêmio. Extensão cruzado Técnica 6. VI abducente. Tônus muscular 5. IV troclear. Anal(perineal) Técnica 6. VII facial. IX glossofaríngeo.3. Sensibilidade cutânea Técnica 14.D/E (gastrocnêmio.3. bi e tricipital) 6.4.1. Reflexos espinais 6. III oculomotor.

Tipos de contenção: Física . Enrico Lippi Ortolani Prof. superior e 3ª pálpebra b) esclerótica 4.4. Lílian Gregory Prof.2.1. Identificação do animal 1.3. Raça 1. formiga. Eduardo Harry Birgel Jr.3. toalha). decúbito) 3.1.2.6.Dr.Dr. Exame do Estado Geral 2.Dr. peia) .2. palpação) – escore corporal 2. estado de nutrição (inspeção. Segurança do operador.Dra. -dos membros (pé de amigo. Bucal.1. Meios semiológicos (inspeção) 4.1. Wanderley P. Praticabilidade (evitar métodos confusos) 3.1.2. Talhe 2. Facilidade em ser desfeito 3. Exame das mucosas aparentes .Dr.Coloração das mucosas aparentes 4.1. Araújo Prof.1. atitude (em estação.Dra.1. Óculo-palbebral a) conjuntiva palpebral . Idade 1.MÓDULO 3: RUMINANTES Docentes: Prof. auxiliares e do animal 3. Alice Maria M. Em estação -da cabeça (cabrestos.3. isolados. cachimbo.2.1.3. mordaça. Prof. P.inferior. Della Libera Prof.2.2. Dra. Pelagem 1.1. Fernando José Benesi Prof. Maria Claudia Araripe Sucupira 1.5. Espécie do animal 1. em relação ao grupo.1.1. Eficiência para permitir um bom exame clínico 3. Em decúbito Química – medicamentos 4.2.1. Contenção 3. Sexo 1. jugal 29 . qualidades dos métodos de contenção: 3. em movimento.4.

Exame 6. dupla. forma.contorno abdominal .tensão.sobre o apêndice xifóide à esquerda(5º e 7º espaço intercostal) .timpânico e sub-maciço.localização .linha horizontal macicez . Mucosa vaginal / prepucial e peniana 5.2. palpação externa.1.Palpação direta e indireta .4.1. sensibilidade. deglutição. defecação e ruminação .3. palpação e olfação . auscultação. bochecha.submaxilar ou mandibular. dentes. auscultação e palpação retal.lábios.1.2.4.(volume/forma) .atitudes características ` Palpação .3. mucosa.3.4. 6. Rúmen . Linfonodos palpáveis . consistência Percussão. Cavidade bucal . mobilidade.4. sensibilidade e temperatura 5. Faringe e Esôfago Meios: inspeção direta (externa /interna) e indireta. Exame dos linfonodos 5.consistência.localização . variações de volume Palpação . Abdômen Meios: inspeção (direta e indireta).1. pré-crural. pré-parotídeo.associada à auscultação Auscultação . mastigação. 6. com sucussão 6. Meios semiológicos (inspeção e palpação) 5. Bovinos: Órgãos . 6. inguinal superficial ou retromamário e internos (íleo-femorais e da bifurcação aórtica).Exame clínico do sistema digestivo 6.4. percussão.ruídos de crepitação e rolamento simples.4.Inspeção. palpação retal . Retículo .1.1.sensibilidade e consistência (conteúdo/estratificação) Percussão .2.3. tamanho. Caracterização . pré-escapular.1. Apetite.região abdominal esquerda (7ª costela até a entrada da bacia) Inspeção .1.Inspeção 6. língua.4. preensão. glândulas salivares.superficial e profunda . Nasal 4. Abdômen propriamente dito Inspeção .Percussão dolorosa .líquidos na cavidade 6.nº de movimentos (7-10/5 minutos).Outros testes para verificar sensibilidade 30 . sons anormais .Localização . palpação (externa e indireta) 6.1.

1.1. Rins 7. Omaso .8.2.no 10º e 11º espaços intercostais. Fígado Localização .borborigmo .aumento de volume .consistência .1.lado direito do abdomen -Inspeção -palpação -percussão -auscultação(método associado) -palpação retal 6.7º ao 9º espaço intercostal.provas funcionais . litíase.1.Auscultação – (crepitação contínua) 6.7º a 11º espaço intercostal.laparo-ruminotomia-explorátoria 7.1.timbre metálico 6.Exame clínico do sistema urinário 7.radiografia simples e contrastada (pequenos ruminantes).aumento de volume.4.localização .6.4.Palpação .1.Inspeção indireta . biópsia .Inspeção . do lado direito no terço médio . velocidade de filtração 31 . dorsal .Percussão – (sub-maciço) . .Percussão .localização .7.Auscultação . Outros métodos de exame – coprologia .1.US .4.4.4.4. ultrasom.Percussão auscultatória .volume.sensibilidade 6.borborigmo estrondoso) 6. à direita no terço inferior .5.Percussão – (sub-maciço) .(auscultação .Palpação . à direita. Intestinos Localização .punções .sensibilidade .Biópsia . Abomaso .sensibilidade .delimitação topográfica/ área .suco de rúmen .Inspeção indireta .US .

) e) Secreções – (observar na parte inferior da vulva secreção fisiológica no cio (seroso). vagina ou útero).entre o osso .1. úlceras. principalmente ascite) Obs: Anormalidades .1.1Inspeção indireta: urografia excretora – (dilatação dos ureteres) 7. volume.) d) Direção e abertura –( na vaca jovem a vulva é perpendicular. volume.4.peniano e o períneo. podendo ser sero-mucosa. hipertrofia e irregularidades da parede.1.2. direta (aumento de volume na região hipogástrica) 7.direta .) c) Superfície – (pigmentada ou despigmentada. parto laborioso ou neoformação.3. sero-purulenta.) 32 .) b) Forma – (ocorre mudanças da forma devido à retração cicatricial.Palpação .1.7.4.Palpação: Obs: forma. Uretra 7. no cio e antes do parto. nódulos.Exame clínico do sistema genital (Ruminantes) 8. esclerose dos lábios. indireta . etc. Ureteres 7.4.2.2.1.indireta – cateterismo .forma.3.2. mucopurulenta ou hemorrágica (solução de continuidade).3.1. sensibilidade) Percussão (apenas para diferenciar com outras coleções líquidas. superfície. congestão. Normalmente apresenta-se fechada.3. persistência do úraco.1. inserção dos ureteres.4. neoformações. 7. Vulva Inspeção -a) Volume (aumentado nas vacas adultas.4. estenose ou dilatação 8.meato urinário 7.1. Solução de continuidade. Bexiga 7.2. vulvovaginites e tricomoníase.radiografia simples e contrastada (pequenos ruminantes) .Inspeção 7. ou patológica (proveniente da vulva. litíase. toque retal-uretra prostática Obs: Anormalidades: litíase.1.1. uretrocistografia) 7.US Palpação (litíase. Patologicamente aumenta nas vulvites.3. cicatrizes.radiografia simples/contrastada (urografia.1.1Inspeção 7. etc. Diminui na hipoplasia genital.APARELHO GENITAL FEMININO 8. consistência 7. localização. a não ser em decúbito antes do parto. aumento de volume. localização. rupturas.

APARELHO GENITAL MASCULINO 8.2. 8.2. mt.1.3. próstata 33 . Umidade. A. A. G.CI.3.2.3. ms.5.2. superfície e diâmetro. abertura e sensibilidade. Externo (inspeção/palpação) 8. s.1.1.4. Notação: Tamanho/Espessura cornos . 1.2. 2. 3.m.2.1. Pa.2.3.espéculo).2.1 a 5. Útero Palpação retal: espessura.2. IV e V. Palpação direta: consistência.1. Aplicação no campo da Med.2. geral 2.0. consistência (vesículas) . mp.2.1.3. Palpação retal: comprimento. 4 e 5.3.2.1. F. consistência e sensibilidade. II.R. Anamnese 2. .2.2.C.I.1.3. Vet.1. Coloração .1. simetria. Simetria .S. glândulas vesiculares 8.8. = ovário. 8. F.1. 8.2. tipo secreção. III. Vagina Inspeção indireta (afastar lábios vulvares com os dedos .E. = corpo lúteo. mobilidade e sensibilidade. CII.3.1. ++. P.3. +++). Notação: tamanho .3. a.1. abertura e umidade(secreções). superfície (vesículas). contratibilidade . prepúcio 8. Exame clínico 8. Interno (inspeção indireta/palpação) 8. 8.4. o = folículo(vesícula). a.U I a U VI. conteúdo e mobilidade. Observar coloração. coloração. forma. Ovário Palpação retal: tamanho.2. N. AS(+. Abertura . D. consistência (corpo lúteo e folículo). C. epidídimo 8. Finalidades 1. CIII .5.2.3.3. Palpação através da rima vulvar.1. bolsa escrotal 8. contratibilidade.2. 8. individual 8. Objetivos 1.A. Notação: Forma .1. B. testículo 8.2. Importância 1.3. pênis 8.2.2.2. Cérvix Inspeção(espéculo): posição. Ga. p e u.

poucos grumos de pequeno tamanho Aspecto de leite.macia sem nódulos.Aumento de volume localizado (abscesso. consistência mucosa e amarela.Tetos: número.Exame clínico da glândula mamária (Bovinos) 9. fístulas. cada quarto isoladamente. forma. com critérios e notação dispostos no quadro abaixo. A Secreção láctea aquosa B C D E F Aspecto de leite. Mamite catarral. maior quantidade de grumos de maior tamanho Aspecto de leite. hematoma.1. . tetos e cisternas.Edema fisiológico). 9. atresia e incontinência láctea. pH. K Secreção de colostro. furunculose. supurações. excreção de pus Perde característica de leite.macia com alguns nódulos duros/± 2 cm. IV endurecida com nódulos grandes /5. 9. V . galactoforite. pústulas. Palpação do úbere e dos tetos (quartos em conjunto. neoplasia) e generalizado (edema fisiológico ou mamite aguda). grande quantidade de grumos volumosos Perde característica de leite. Símbolo Consistência do leite S. .2. Mamite catarral.8 cm.A. etc. Secreção láctea normal. com dilatação de cisterna) e do volume da glândula mamária: .atitudes em locomoção.3. aspecto de soro sanguíneo ou lácteo. cisto. úlcera da lactação. Exame do leite ( fundo escuro.Alterações da pele: traumatismos. II – macia com nódulos pequenos/1 cm. eritemas por revulsivos.Sensibilidade . linfonodos retromamários . linfonodos): .Diminuição de volume (fisiológica nos jovens e velhos.Avaliação das características do leite em fundo escuro. com massas em forma de flocos Significado Normal Normal Final lactação/desnutrição Mamite catarral. Mamiteapostemato sa Mamite flegmonosa 34 .9. estação e decúbito (por traz e pelos lados) . VI – Processo inflamatório agudo. CMT) . etc).Alterações da consistência e da elasticidade (I . VII .Alterações dos tetos e da cisterna da glândula: Telite. pendular. pus. temperatura local.Alterações da forma (em escada. tamanho e lesões (papilomas.endurecimento difuso. . simetria. patológica na hipoplasia e nas mamites crônicas atróficas). sem alteração da viscosidade e sem grumos. . cisternite. imperfuração. III . para verificação da secreção láctea e presença de grumos. Inspeção do úbere e dos tetos . de cabra.

acumulando-se no centro. azul-escura. Anomalias .500.000.0005.normal . vermelha. 10.25%) Ligeiro precipitado que desaparece > viscosidade sem formar gelatina e não desaparece Mistura imediatamente viscosa e tem direção centrífuga.500.normal . Meios Semiológicos .000 . pigmentação . aderindo ao fundo.200.anomalias: pálida/perlácea. deixando o centro do receptáculo livre.local .000 (30 .Inspeção (direta e indireta).000 (70 .Colheita de leite para exame bacteriológico INTERPRETAÇÃO DO CMT (adaptado de SCHALM et al.intensidade 35 . brilhantes.anomalias: hipo. lisos.CMT ( Prova de SCHALM) 2 ml de leite + 2 ml do reagente Interpretação: positivo .maior nº de leucócitos e alcalinização (gelificação e mudança de coloração por alteração do pH . olfação e percussão. assentados.000. violeta/vinhácea . mistura com direção centrípeta.000 150.1 Inspeção direta: a) Pelagem(pelame) normal . amarela.6.quedas fisiológicas (mudas) e patológicas b) Coloração da pele . . hiper e hematidrose d) Prurido .40%) 400.70%) Mais de 5.alcalino)-veja o quadro a seguir.pelos bem inseridos.local .. Gelificação imediata.normal.róseo claro.60%) 800. verdeazulada c) Umidade .6.80%) Negativo Traços Ligeiramente positiva Francamente positiva Fortemente positiva Mistura fluída(0 .azul-claro .1.000 (40 .1. 1971).000 1. Exame físico da pele 10.000 (60 . ficando convexa ++ +++ 10. Símbol o (+) + Significado Descrição Interpretação: nº de células/ml (Ns %) 0 . palpação.

untuosa. escara 10. hematoma . crosta.distribuição: localizadas. telangiectasia .leucomelanodermia .otoscopia . cicatriz.Inspeção Indireta: . flutuante . assimétricas .formação sólida: pápula. ulceração. tumor. pústula. serpiginosa.técnica c) consistência e elasticidade.hipercrômicas . equimoses) pigmentares . generalizado 10. arcada. enantema.3. rubor. esclerose .6. enfisema IV .acrômicas .dura. generalizadas.consistência .distribuição: localizado. exantema. verrucosidade coleções líquidas: vesicular. fistula. bolha.2 Lesões .edema ( sinal de Godet).alterações de cor vásculo-sanguíneas . fissura.sensibilidade .seca. linear. púrpuras (petéquias.biópsia .melanodermias .qualidade .alterações de espessura: hiperqueratose.1. eritema (cianose.técnica e exame de raspado .técnica d) aumentos de volume .6. edema. . eritrodermia) . mole. policiclica .Olfação e percussão 36 .Palpação: através dela caracterizam-se as lesões quanto à: .configuração: anular..testes alérgicos .perdas teciduais: escama. erosão. vegetação. lignificação.colheita de material para bacteriologia ou micologia . úmida. vébices.diascopia III . abscesso. exsudativa a) untuosidade b) temperatura. simétricas.hipocrômicas . íris-arciforme.lâmpada de Wood . nódulo.1.

sensibilidade Pulsação cardíaca .edemas .artéria maxilar externa e coccígea média Freqüência Pulso Bovinos: .> 6 meses ppm (pulsações por minuto) 90-100 70-90 65-80 70-90 60-70 95-115 90-130 75-115 Classificação: pulso forte.Bezerros lactentes .pulsação cardíaca (choque pré-cordial) .Touros e bois Ovinos: Caprinos: .Bovino jovem .Vacas adultas .atitude 2.repleição da jugular .pulso venoso . Palpação Bovinos .pulsações da jugular devido ao acúmulo de sangue nas veias cavas Normal (fisiológico): pré-sistólico Patológico: sistólico .11. com força máxima no 4º EIC .Pequenos ruminantes: em toda área cardíaca Pulso arterial periférico Técnica: bovinos .Exame clínico do sistema circulatório 11.até 6 meses . pulsação cardíaca . Inspeção Bovinos: . fraco e filiforme 37 .dispnéia .Bovinos: 3º ao 5º EIC.frêmitos.1.Vacas em gestação .

pleximétrica Características Bovinos .2ª bulha + grande silêncio Focos de auscultação Ruminantes 3º EICE 4º EICE 4º EICE 3º/4º EICD Pulmonar Aórtico Mitral Tricúspide 11. cor e odor 12.1ª bulha + pequeno silêncio Diástole . Bulha .5.martelo .som claro 38 .secreção serosa ou sero-mucosa Uni ou bilateral. consistência e sensibilidade Percussão . 3º ao 5º EIC patológico: macicez absoluta Ovinos e caprinos .3.macicez cardíaca relativa.fechamento das átrio-ventriculares 2ª Bulha .sensibilidade 12.coloração e alterações anatômicas.1.mufla) 12. Bovinos . Narinas . quantidade.inspeção (bovinos . Exames especializados Eletrocardiograma Ecocardiograma 12. Palpação . Ar expirado: temperatura. Percussão Bovinos .macicez cardíaca relativa do 2º ao 5º/6º EIC 11.3. Fluxo nasal: Normal .fechamento das sigmóides (separadas pelo pequeno e grande silêncio) Sístole . força e odor 12.4.2. Auscultação 1ª.aumento de volume e corrimento nasal intermitente Palpação . Seios paranasais .11.Exame clínico do sistema respiratório 12. Fossas nasais (bovinos) .5.temperatura.maxilar e frontal Inspeção .inspeção direta . Bovinos .4.

10-30 mr/min . Suínos . Inspeção Indireta . auscultação de toda área pulmonar a cada 5 cm.encontro com o limite inferior. Inspeção Tipo respiratório Freqüência (movimentos respiratórios/minuto = mr/min) . obstruções e/ou compressão . desvios. Laringe e Traquéia . temperatura e frêmito pleural . Tórax e Pulmões .timpânico.8º EIC .linha ilíaca à direita/ 10o EIC à esquerda (rúmen) .8-18 mr/min Ritmo Amplitude . Palpação Técnica .5º EIC . Técnica – mediata (fonendoscópio). expiratória e mista Aumentos de volume: .martelo-pleximétrica.medianamente profunda Dispnéia .RX. Auscultação .acompanha a linha do bordo posterior do úmero e escápula . Bovinos . maciço e sub-maciço Percussão Topográfica . 2º e 3º EIC .Bovinos .limite superior .Torácica . .< 6m .claro .6.12-20 mr/min .16-40 . Palpação . Auscultação .inspiratória. em estação Som .limite posterior .patológico .reflexo da tosse.Pré-escapular . Caprinos . Ovinos . Inspeção direta .7. temperatura e desvios. Percussão Técnica . 39 .11º EIC .aumento de volume .bilateral Sensibilidade. local .> 6m .21-45 .1º. bilateral .a 2 dedos do ráquis . aumento de volume.12. unilateral .linha escápulo-umeral .delimitação das áreas pulmonares: . corpos estranhos.normal .limite anterior . .ruído laringotraqueal (sopro glótico) 12.

palpação (punção) . oftalmoscopia.calcificação de ouvido médio .1.(tosse.1.desvio do eixo por alteração osteoarticular da coluna torácica e/ou lombar .Indireta(I) .sensibilidade . sorologia. bioq.alteração de forma. ruídos de deglutição.Exame clínico do sistema nervoso 13.laringo-traqueal Bovinos . Meios Semiológicos I. de sangue. coproparasitológico. consistência .atrofia muscular 13.anomalias da papila óptica 13. Crânio Meios: Inspeção(D/1). Inspeção . volume. enzimologia.1.anomalias de localização na órbita .anomalias de movimento e posição da íris . punção.percussão dolorosa .murmúrio vesicular . palpação .percussão auscultatória .3. ruídos estomacais e intestinais Ruídos respiratórios . otoscopia. microscopia de mat.1.anomalias de sensibilidade 40 .Ex.desvio de eixo por contração muscular cervical (opi e epistótono. ótico. Punção . gemidos).1. Ruídos anexos . 13. Palpação III .5º e 6º EIC .direta (D) .alteração osteoarticular vertebral . eletrodiagnóstico II. crepitação dos pêlos.musculares. Olhos Meios: Inspeção (D/1) .entre a macicez cardíaca e o limite pulmonar anterior 13.2.anomalias do diâmetro pupilar .foco de luz.anomalias de resposta à luz .Percussão IV . pleurótono) . Subsidiários -hemograma. Raque Meios: Inspeção(D/1).. radiologia.

1. bi e tricipital) 13.técnica: MT/MP .8.técnica: MT(MP) .D/E (gastrocnêmio.3.Técnica: D/E* 13.6.3.Técnica 13.6. Colocação Táctil .2.técnica 13.3.6. Carrinho de mão .D/E Visual .D/E 13.7. Proprioceptivas .técnica: MT(MP) . Extensão cruzado Técnica 13.4.5.Técnica 3. Estado mental e marcha 13.5.3.6.1.3.6. Pedal(podal flexão) Técnica: MT/MP . Estação ou locomoção bipedal .2. Tendíneos (miotáticos) patelar . Tônus muscular 13.D/E 13.técnica do pescoço .3. Anal (perineal) Técnica 13. Reações de postura e manutenção do equilíbrio 3.4.3.2.6.4.Técnica: MT/MP .3.D/E 13. Saltitamento . Nervos cranianos 13.Técnica: MT/MP .13.5. Sensibilidade cutânea Técnica * * * D= Direito/E= esquerdo MT= membro torácico/MP-membro pélvico 41 . Aprumo . Reflexos espinais 13.6.D/E 13. Propulsão extensora . Tonica dos olhos .Técnica: MT/MP** .D/E 13.3.

tropeça? .1.1.2 .específico 14.2. estado nutricional. FR.algo pode ter causado a claudicação? . fendas e rachaduras. b) quartela 42 .1 .2. • comparar as temperaturas dos cascos.14. mucosas. assimetrias. desgaste anormal. • palpar região coronária.Membros anteriores a) casco • limpar a sola com rineta. tugor de pele.geral: FC.2.2.início e evolução do quadro .1. TPC.2.1. comportamento. 14. • palpar o pulso das artérias digitais. contração dos bulbos dos talões.2. 14.1. linfonodos.tratamentos realizados. aumento de volume na coroa enilha e forma da sola) b) em exercício • características do andar • identificar o membro afetado • identificar o grau de claudicação e incoordenação do movimento: andadura superfície métodos de identificação graduação 14.Exame clínico do sistema locomotor 14. formação de anéis.INSPEÇÃO DIRETA a) em repouso: • conformação • alterações de postura • aprumos • cascos (observar tamanho e formato. • utilizar pinça de casco de forma sistemática e comparar com sola do casco contralateral. TR.PALPAÇÃO 14. • bater na muralha do casco com a pinça.EXAME CLÍNICO 14.Exame físico 14. • realizar teste da tábua.Anamnese: .2.1 .1.manejo (profilático. alimentar e reprodutivo) .

• elevar o membro extendendo a articulação. b) tíbia palpação profunda de todos os ângulos.2. • palpar região da bolsa biciptal. • palpar o ligamento anular. • palpar o recesso palmar. • palpar tecidos moles ao redor e axila.• palpar superfície dorsal. • realizar flexão passiva da articulação metacarpo-falangeana. • pressionar os sesamóides.Membros posteriores a) jarrete (articulação do tarso) • palpar articulações do tarso. • realizar flexão passiva. • avaliar espessamento da cápsula articular. medial e lateral da AIP. • rotacionar a AIP. • palpar o LSB e TFDs. c) boleto • palpar face dorsal da articulação. • palpar o LSB. 43 . • palpar ossos. h) ombro (articulação escápulo-umeral) • palpar tecidos moles. • palpar a face cranial do 3° metacarpiano. • realizar teste de elevação. g) cotovelo ( articulação úmero-rádio-ulnar). e) carpo • palpar as faces palmar e dorsal. • avaliar distensão de bainha tendínea. • palpar o TFDS. f) antebraço (rádio e ulna) • palpar tecidos moles (musculatura). • lateralizar a AIP.2. d) metacarpo • palpar tendões extensores. • palpar bainhas sinoviais tendíneas. 14. • realizar teste de extensão caudalmente. • palpar todo o comprimento dos metacarpianos acessórios. TFDP e brida cárpica. • palpar ligamentos sesamoideos distais e TFDs. i) escápula palpar musculatura. • flexionar passivamente a articulação do carpo. • avaliar proliferações ósseas. • realizar testes de abdução e adução.2. • palpar ligamentos e tendões flexores. • palpar ossos.

• palpar os ligamentos patelares distais. músculo semitendinoso e músculo semimembranoso. observar qualquer aumento de volume.8 . d) fêmur • palpar os músculos ao redor.BLOQUEIOS ANESTÉSICOS NERVOSOS 14. • observar assimetrias. e) anca ou garupa (ílio e ísquio) • palpação retal. esquerda e ventralmente 3.Coluna vertebral Pescoço 1.TERMOGRAFIA. 2. 4. 14. ARTROSCOPIA 14.BIOPSIA MUSCULAR 14.10 . deslizar delicadamente as pontas dos dedos sobre coluna vertebral.ULTRA-SONOGRAFIA 14. • palpar musculatura comparativamente.ELETROMIOGRAFIA 44 . Dorso 1. flexionar a cabeça para a direita. f) pelve (púbis) • palpação retal. • palpar a patela.3.BLOQUEIOS ANESTÉSICOS ARTICULARES 14. pressionar os dedos juntos e constantemente sobre a musculatura. realizar testes de flexão e manipulação.5 .4 .c) patela • palpar articulação fêmur-tibio-patelar.9 . • palpar assimetrias ou aumentos de volume.2. muitas vezes é difícil sentir crepitações no caso de fraturas (estetoscópio).RAIOS-X 14. 5. • avaliar distensões da cápsula articular. 14.2. 2. • realizar os testes de manipulação.TESTES DE FLEXÃO ARTICULAR 14. • palpar tecidos perivaginais. palpar pontas dos processos espinhosos dorsais 3. palpar musculatura bilateralmente.TESTE DE OSCILAÇÃO E CÍRCULO SOBRE SÍ 14. CINTILOGRAFIA.3 .6 .7 .11 . avaliar vértebras. atrofia ou assimetria muscular.

3. S. untuosidade. nº de refeições. S.produção de leite. recidivas do quadro mórbido. Respiratório: (tipo. tratamento umbigo. 45 . S. Sintomas . 3. Causas prováveis Manejo .4.2. 3. Anamnese: coletiva/individual 3. descamação. banhos. momento). pesticidas. meneios de cabeça.4. volume). produtos de higienização. comportamento. Avaliação do estado geral: (antes e durante a anamnese) marcha. variação de peso. expressão facial. suplementos.Pavilhão auricular .Glândula mamária . aspecto.distantes . S.1. libido. Locomotor: claudicação. sede. parto. 3.. . sistema de criação. mioclonia. posicionamento.recentes Inquerir sobre: hereditariedade. micção (freq.alimentação. gestações. Pele .. Identificação do animal 2.2. vômito(aspecto. edemas. atitude. aspecto. Início. Comportamento dos órgãos 3.3. depravação de apetite.4.5. imunização ativa e/ou passiva.4. dispnéia.prurido. 3. 3. e vermifugações. 3. Genito-urinário: ciclo estral.5. Circulatório: atitude. hipercinesias. problemas congênitos. 3.4. feridas(características). pseudociese. corrimento nasal. defecação(freq. tosse. 3. S. episódios convulsivos.4. Antecedentes .hálito. prurido.facies.4. condições gerais (estado nutrição) pelame. deformidades coluna e/ou de membros.3. odor. nº de coberturas ou inseminações. periodicidade 3.PLANO GERAL DE EXAME CLÍNICO 1. local de permanência.4.6.1. castrações.subjetivos/objetivos 3.7. Nervoso: alteração de hábito e/ou comportamento. impotência funcional.4. corrimentos. momento) esputo. queda de pelame. aleitamento. S. alterações da secreção láctea. Digestivo: apetite. vermes). carrapaticidas. partos.

jovens .a.0 – 40. dilatação das narinas e auscultação. bolsa escrotal e testículos.1. ruminantes). Exame Físico: 5.7. 46 .adultos 38.após 2 horas 37.3.0 – 39.1.5 .5 .1.39.bezerros 38.com + de 1 ano 37.2.durante a tomada de temperatura pode-se observar: ânus.40.3 . glândula adanal (cães).6 .5ºC Suínos . Circulatório).3ºC . Freqüência respiratória inspeção dos movimentos do gradil torácico/flanco direito (bovinos e peqs. região perineal.5ºC − adultos lanados até 40ºC − − . linfonodos poplíteos (cães e gatos). Respiratório). 5.Cães − − − − − − 37.38. palpação (ver sist.3ºC .39. lesões de pele.8 . Coccígea média .adultos 37.5ºC 39.39.a.jovens 38. Tratamento(s) anterior(es). Maxilar externa .0ºC Eqüinos .0 .auscultação. Outros animais contactantes e/ou com a mesma sintomatologia.39.(palpação) .Carnívoros. 37.potrinhos ao nasc. sinais de diarréia e corrimentos.Gatos 38. Temperatura interna via retal − Bovinos .3ºC . presença de vermes.6. Contenção do animal 5.40. peqs. Funções vitais 5.Eqüinos .3ºC .(ver sist.5ºC .1.adultos 39.2 .5ºC Pequenos Ruminantes .3.38. vulva. 4. ruminantes e suínos . Freqüência dos batimentos cardíacos .5 .a. Femural 5. alopecia. Freqüência do pulso arterial .Bovinos . 3.1.0º .

. cristalino. palpação da base do pavilhão auricular.(ruminantes) . cardíaca).fígado. cascos.condições da pele .faringe. 5.exame das mamas. articulações.em cães .órgãos da cavidade abdominal . reto. . .região hipogástrica .Inspeção. 5. colon. próstata). gatos).retrofaríngeos*. conjuntiva. testículos (ruminantes). pênis.2.movimentos do rúmen. língua.5.região mesogástrica .Pele .respiração (tipo respiratório. Exame da região craniana . glândula mamária. coxins.inspeção. Freqüência dos movimentos do rúmen . Exame da região abdominal 5.Glândulas salivares(ruminantes) . . . laringe. ritmo) . musculatura. nº).Mufla. Observação do pulso venoso (jugular). focinho e narinas . linfonodos retro-mamário ou inguinal superficial (ruminantes). 5. elasticidade Linfonodos . palato duro e mole. deglutição. . desgaste.Boca .forma do tórax.tensão da parede.tamanho e posição do globo ocular.toracocentese . Exame da região cervical Pele . pré-escapulares (ruminantes) Palpação externa.(cães. otoscopia (cães) 5. pré-crural (ruminantes). alças intestinais.mandibular. ruminação. Exame da região torácica e dos membros .percussão torácica (área pulmonar.1. esôfago.Palpação.lábios. íris. prepúcio.forma do abdômen (simetria. esclerótica.Olhos .cavidade pélvica (bexiga.rins. corrimento ocular. . eructação.região epigástrica .tórax .4.5. traquéia (pesquisa reflexo da tosse). aumentos ou diminuição de volume). mucosas.inspeção e palpação do vazio do flanco esquerdo. freqüência. Em estação . .auscultação pulmonar.membros torácicos e pélvicos .Ouvido .4. articulações costocondrais. cardíaca .vulva e vagina. .em estação e decúbito lateral e dorsal .linfonodos poplíteos . consistência de órgãos. pupila. palpação-frêmitos . sensibilidade. Digestivo ruminantes). tendões.3.verificação das partes ósseas. mandibulares. tetos. faringe e tonsilas. dentes (posição. córnea. .pavilhão auricular. 47 .5. pré-parotídeos. líquidos na cavidade: glândula mamária e bolsa escrotal/testículos (ruminantes). pálpebras. útero. estômago e alças intestinais. inserção. linfonodos. auscultação do flanco esquerdo(ver sist. pré-escapulares (cães e gatos) .1.

Fluoreto de Na (Glicose).EDTA (hematologia). etc).presença de líquidos .micção espontânea ou estimulada. cultura de fezes. química/bioquímica. linfonodos internos e intestinos. Exames neurológicos .reto e próstata.em bovinos . punção de formações vesicobolho-pustulares.Paracentese 5. f) Liquor . neoplasias.direta e indireta . Citrato de Sódio a 3. d) Sucos gástrico e de rúmen . avulsão de pelame e descamação da pele (exame micológico. c) Fezes . secreções e crostas (exame bactério/micológico. fricção.colhidas por defecação espontânea ou estimulada. • avaliação física. unhas e garras (micológico).ordenha. micologia. • urinálise (análises física.sons normalmente produzidos nos diferentes órgãos (modificações dos sons e das áreas de projeção . biópsias (histopatologia. química/bioquímica.8% (coagulograma). bexiga. .-bioquímica) • sem anticoagulante . etc).punção espaços intervertebrais e da cisterna magna. diretamente da ampola retal. • exame coproparasitológico. citológico.6. provas de função pancreática.Percussão . raque e pesquisa de reflexos e reações. punção vesical. .retal . citologia. . (citodiagnóstico.punção de vasos (veias. esofageana). colheita de exsudatos (intra e extra-cavitários). artérias).auscultatória .7. microbiológica. flora/fauna. • avaliação física. remoção de cerumen (exames parasitológico e micológico). Colheita de materiais para exames complementares a) Sangue . bacteriologia). rins. . . sondagem (nasoesofageana. microbiológica. cistos lácteos.deslocamento do abomaso. 5.cabeça. tricograma).provas bioquímicas. citologia. Heparina (Sangue total -gasometria e plasma. parasitológico. biópsia de medula • com anticoagulante .genital feminino e masculino. b) Urina . sondagem • avaliação física. química/bioquímica.verificar ruídos próprios dos órgãos.Auscultação .em cães . 48 . citológico). g) Pele e anexos cutâneos • raspado cutâneo (exame parasitológico). hematomas. punções de rúmen e abomaso. fisicoquímico. sedimentoscopia). cateterismo. química/bioquímica. .. imunodiagnóstico (soro). punção de tumores (abscessos. e) Leite .retículo(ruminantes).linhas de macicez.regurgitação/vômito espontâneo.

endoflébica/ intravenosa (injeções. . creme. suspensão. Administração oral . tendo ação predominantemente local ou sistêmica. dosador tipo pistola. infusões). derramamento. infusão.efeitos locais ou ação pós-absorção pela pele (“Pour on”/”Spot on”). .objetivo . inalação. suspensões. articular).alimento medicado. intramedular. pedilúvio. pré-estômagos. pulverização.pó.local . cápsulas. Aplicação dos medicamentos 6. embrocação.preparações . .métodos . intramuscular. .2. 6. mamadeira.com espátula. lavagem.“Swabs”.sistêmica . . injeção intra-abomasal. pasta. irrigação. intra-traqueal. 49 .2 Injeção intra-ruminal. solução aquosa. beberagem. com bomba de vácuo.métodos .injeções subcutânea.1. suspensão oleosa.8. supositórios). 5. pasta.2. 6. administração retal (enemas.2. bolus. ungüento. • exames citológico e microbiológico.objetivo . • exames fisicoquímico. bexiga. ovariana. esputo. infusões (útero.medicação com ação na via digestiva anterior.para evitar passagem de medicação pelo sistema digestivo. pomada. esofageana ou gástrica. banho.preparações . com uso de espéculo tubular.3 Aplicação parenteral . . intra-abdominal) . comprimidos.ingestão espontânea ou forçada. escarificações. colóides. Exame radiológico e eletrodiagnóstico 6.injeções (subconjutival.soluções. i) Materiais de vias respiratórias . direto na cavidade bucal.objetivo . secreções intratraqueais e lavados bronco-alveolares. 6. etc) . implante subcutâneo. pílulas. líquidos (solução. Aplicação externa (tópica) . Aplicação interna 6. testicular. cisterna do teto/ do leite). instilação.punção e/ou aspiração simultânea.métodos . geléia. extradural.h) Efusões cavitárias (intratorácica. estômago/abomaso e intestinos. citológico.preparações .1. de sonda naso-esofageana. intraperitonaeal. bactério/micológicos.

38. 50 .Touros e bois Ovinos: Caprinos: 95-115 .3ºC .inspeção e palpação do vazio do flanco esquerdo.adultos .Recém-nascidos .> 6m .10-30 mr/min .37.1 a 2 horas 80-130 .3ºC . bc/ppm (batimentos cardíacos ou pulsações por minuto) Eqüinos: .bezerros .40.Suínos .5ºC .5 .Vacas adultas .Eqüinos Frequências dos batimentos cardíacos . Suínos inspeção e auscultação.Tabela de Valores das Funções vitais Temperatura interna – via retal Bovinos .0º .3ºC .39.16-40 .Adultos Freqüência respiratória .Cães .após 2 horas .auscultação ou do pulso arterial .(ruminantes) .20-40 mr/min .37.39.jovens .37.até 40ºC .Recém-nascidos .0ºC . Ovinos Freqüência dos movimentos do rúmen .39.0 .40.5ºC .3 .5 .Gatos .38.adultos lanados .Adultos Suínos: . Caprinos .0 .39.potrinhos ao nasc.Bezerros lactentes .> 6 meses Caninos: .Recém-nascidos 40-80 .8-18 mr/min 100-130 60-90 220-260 120-200 até 180 até 160 70-160 60-140 90-130 75-115 90-100 70-90 65-80 70-90 60-70 .Raças miniaturas .< 6m .5ºC .Bovino jovem .5ºC .6 .2 -38.38. Gatos .com + de 1 ano .jovens . Cães e bovinos .5ºC .jovens .0 .39.39.37.8 .Vacas em gestação .37.Raças gigantes Felinos: . Equinos .Adultos .39. auscultação do flanco esquerdo – 7 a 10 movimentos / 5 minutos.adultos .> 2 horas 70-120 .21-45 .até 6 meses .10-18 mr/min .palpação.40. (movimentos respiratórios/minuto = mr/min) .12-20 mr/min .> 1 ano 28-40 (44) Bovinos: .Pequenos Ruminantes .38.3ºC .38.5 .adultos . .

10. 07. Curso Teórico 01. 03.1 . 12. 09. 13.arte de explorar (Semiotécnica) e a interpretação dos resultados obtidos (Propedêutica). Programa 3. 02. 15. Introdução ao Estudo da Semiologia Métodos de Diagnóstico Clínico Plano de Exame Clínico dos Animais Domésticos Avaliação do Estado Geral e Anamnese Termometria Clínica Exame Semiológico da Pele e Anexos Exame Semiológico das Mucosas Aparentes Exame Semiológico dos Vasos Linfáticos e Linfonodos Exame Semiológico do Sistema Digestivo Exame Semiológico do Sistema Respiratório Exame Semiológico da Glândula Mamária Exame Semiológico do Sistema Circulatório Exame Semiológico do Sistema Urinário Exame Semiológico do Sistema Genital Feminino Exame Semiológico do Sistema Locomotor Exame Semiológico do Sistema Nervoso 51 .DISCIPLINA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA DA DISCIPLINA VCM 226 – SEMIOLOGIA Professora Responsável: Profa. Dra. 08. 06. Carga Horária: 90 horas Teórica . O conteúdo programático do curso é direcionado basicamente ao exame do animal.30 horas Prática . 03. 04. incluindo as técnicas de pesquisa dos sinais e sintomas . 14.60 horas 02. 05. Alice Maria Melville Paiva Della Libera 2º semestre de 2008 01. 16. 11. Objetivo Estudo dos métodos e meios de exame clínico para o diagnóstico das doenças que acometem os animais domésticos.

acompanharão o desenvolvimento da programação proposta para o curso teórico.1 .3.A. Doutor) (Profª. Della Libera Archivaldo Reche Junior Carla Bargi Belli Carlos Eduardo Larsson Denise Saretta Schwartz Eduardo Harry Birgel Junior Enrico Lippi Ortolani Fernando José Benesi Lílian Gregory Márcia Mery Kogika Maria Cláudia Araripe S. Doutora) (Profª. Associado) 52 . Associado) (Prof. Titular) (Profª.2. como regra geral. Associada) (Profª. as aulas com duração de 4 horas. sendo as diferentes técnicas semiológicas demonstradas e praticadas em animais sadios e internados no Hospital Veterinário ou atendidos pelo Ambulatório da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo. Doutora) (Prof. serão ministradas em rodízio para turmas constituídas por ¼ do total dos alunos matriculados na Disciplina. Doutora) (Profa. Material necessário (pessoal) estetoscópio/fonendoscópio termômetro tesoura relógio luvas de procedimento avental botas de borracha 04. Titular) (Prof. Corpo Docente Alice Maria Melville P. Magalhães Maria Helena M. Doutora) (Profª. Doutora) (Prof. Pessoal 4. Titular) (Profª. Doutora) (Prof. Titular) (Profª. Associado) (Prof. Doutora) (Prof. Larsson Raquel Yvone Arantes Baccarin Silvia Regina Ricci Lucas Wanderley Pereira de Araújo Wilson Roberto Fernandes (Profª. Curso Prático As aulas práticas. No curso prático.

Bolsistas PAE Enoch Brandão Meira Junior Maurício Mirian 4.4. Corpo Auxiliar Antonio Carlos Malaquias Carmen Silvia Ribeiro Clara Satsuki Mori Claudia Regina Stricagnolo Creide Donizete Costa Edna Santana dos Santos Edson Diogo Francisco Antonio de Sousa Geraldo Natalino Thezi Luis Cosme Rodrigues Marcos Roberto Rodrigues Alves Maria Aparecida de Freitas Samanta Ive Miyashiro Silvana Rossi Guedes 53 .2.3.

Interamericana. Lisboa DIRKSEN. ao Responsável pela Escolaridade. por motivo justificado. correspondentes respectivamente à metade e ao final dos ciclos de estudos práticos (P1 corresponderá ao conteúdo de Semiologia de Animais Ruminantes e de Eqüídeos e P2 ao conteúdo de Semiologia de Pequenos Animais e Semiologia).. Semiologia Veterinária.80. DOXEY.02 (duas) provas teóricas .89. Semiologia Médica Animal.00 e abaixo de 4.H. Será realizada uma única prova substitutiva teórica e teórico-prática no final do curso.B. 2 volumes. somada à nota da recuperação e dividida por dois.00. 54 . Prova Substitutiva: Aqueles que. GRÜNDER. Caso a justificativa se refira a problema de saúde. Bibliografia BIRGEL.D.81 e 4.F. realizadas em datas programadas. com conteúdo acumulativo. Exame Clínico dos Bovinos. entre 4. a média final será aproximada para 5. a média final será aproximada para 4. as aproximações de notas serão feitas como se segue: a partir de 4.02 (duas) provas práticas .T1 e T2 dissertativas. 06. acima de 5. somente será aceito atestado médico do HU ou sistema público de saúde. 2008. Recuperação: A nota final da Recuperação será o resultado da nota obtida pelo aluno na disciplina.H.F. M. .05.L. Avaliação do Aprendizado A avaliação será feita através de 02 provas teóricas e 02 provas práticas. Guanabara-Koogan. Roca. 2ª ed.M. assim distribuídas: . Patologia Clínica Veterinária. em data a ser agendada. Rosenberger.1982 BRAZ. SPMV. A média final será expressa pela média obtida pela soma das notas das provas teóricas e práticas.L. não puderem comparecer à prova marcada.D.80. Conforme critério adotado pela Disciplina de Semiologia..F.P1 e P2. 1993. 1985 FEITOSA.J. apresentar justificativa por escrito. Ed. STÖBER. deverão no prazo máximo de cinco dias. São Paulo.88.G. & BENESI. E. a média final será aproximada para o décimo superior. Patologia Clínica e Métodos de Diagnóstico. 3ª ed.

Ed.V.I. RADOSTITIS.. 1990.P.R. Fisiologia.. Large animal internal medicine. Ed.O.P.M. 3ª ed. HOUSTON.L. 1989.D.M. Philadelphia. Enfermedades de los estômagos de los bovinos. Guanabara Koogan. 1973. Diagnóstico Clínico e Tratamento em Pequenos Animais.M.W. 2002. MAYHEW. 21ª ed.L. KELLY. Essentials of canine and feline electrocardiography.D. Ed. Acribia.Lea & Febiger. 1967. 1986.G. Tomo I – Anatomia topográfica. Semiologia clínica de lãs conejeras su diganostico diferencial.. Labor. Acríbia. Interamericama. Tratado de diagnóstico clínico de lãs enfermedades internas de los animales domésticos. Fisiologia digestiva aplicada Del ganado vacuno. Mosby. SEREN. Ed. 1985.Semiologia. OLHAGARAY.KAUFMANN. & SAEKZER.J. 1976. CORNELIUS. Exame clínico e diagnóstico em Veterinária.B. Diagnóstico Clínico Veterinário. N. Interlivros Edições Ltda. E. 4ª ed. SMITH. MAREK-MOSCY. 55 . LORENZ.M. W. TILLEY.

Birgel Jr. Conceitos. Larsson 28 Setembro 04 18 25 Outubro 02 09 16 23 Novembro 06 13 27 Dezembro 04 09 Maria Sucupira Cláudia Carlos E. Della Libera F.H.H. Ruídos E.Larsson Exame do sistema Digestivo Silvia Ricci (Monogástricos).J. Exame do Sistema Digestivo F. Meios de Diagnóstico Clínico Conceitos.A.Larsson M.H. Estado Geral e Anamnese Termometria Clínica.M. respiratórios Exame do Sistema Genital Feminino Exame do Sistema Locomotor Lílian Gregory R.A.3ª feira 12 de dezembro das 14:00 às 18:00 hs – 6ª feira (Conjunto Didático/ Bloco da Administração) Dia/Mês Agosto 07 14 21 Tema Introdução ao Curso de Semiologia.Y. Baccarin 56 . respiratório Exame Clínico dos Pulmões. Exame Clínico do sistema E.Birgel Jr.M. Exame das Mucosas Aparentes e dos Linfonodos Exame da pele e anexos cutâneos Exame Clínico do Sistema Circulatório Exame Clínico do Sistema Circulatório Docentes Alice M.AULAS TEÓRICAS Horário: das 10:00 às 12:00 horas – 5ª feiras 9 de dezembro – 16:00 às 18:00 hs .J. Kogika Respiração. M.P. Araújo Exames dos rins e vias urinárias M.A.P.M.Benesi (Ruminantes) Alice/Archivaldo/Wilson PRIMEIRA PROVA TEÓRICA / M. Exame do fígado.Benesi Carlos E. Identificação do Animal. Larsson M. Claudia Exame da Glândula Mamária W.H. Meios de Diagnóstico Clínico Plano Geral de Exame Clínico.

/Larsson ____________________________________________________________ Data: 11 de agosto a 15 de agosto (Pequenos Animais) (TURMA CDAB) Tema: Exame dos Sistemas Circulatório e Respiratório Local: Blocos 13/15 – 12/14 Docentes: M. 5a e 6as feiras . 3a. Mucosas. Anamnese (triagem) Local: Blocos 13/15 – 12/14 Docentes: Denise – Silvia / Arquivaldo ____________________________________________________________ Data: 01 de setembro a 05 de setembro (Pequenos Animais) (TURMA CDAB) Tema: Exames de Pele e anexos cutâneos.14:00 às 18:00 h) ____________________________________________________________ Data: 04 de agosto a 08 de agosto (Pequenos Animais) (TURMA – CDAB) Tema: Contenção. Vias de administração de Medicamentos. Colheita de Material. Linfonodos Local: Blocos 13/15 – 12/14 Docentes: Márcia Mery – Maria Helena . Meios de Exame Clínico. Funções Vitais. Anamnese (triagem) Local: Blocos 13/15 – 12/14 Docentes: Larsson – Márcia Mery / Sílvia _____________________________________________________________ Data: 15 a 19 de setembro (Pequenos Animais) (TURMA CDAB) Tema: PROVAS PRÁTICAS Local: Clínica Médica de Pequenos – Blocos 12/14 – 13/15 Docentes:Larsson–M.Helena–Silvia-Denise-Archivaldo–Mery ____________________________________________________________ 57 .12 12 Exame do Sistema Nervoso SEGUNDA PROVA TEÓRICA Carla Belli / Denise Schwartz Alice/Denise/Lilian AULAS PRÁTICAS (2a.PG convidado/Silvia ____________________________________________________________ Data: 25 a 29 de agosto (Pequenos Animais) (TURMA CDAB) Tema: Exame do Sistema Digestivo. Helena – Denise /Archivaldo ____________________________________________________________ Data: 18 de agosto a 22 de agosto (Pequenos Animais) (TURMA CDAB) Tema: Exame dos Sistemas Nervoso e Genito-Urinário Local: Blocos 13/15 – 12/14 Docentes: Archivaldo – Denise .

Mucosas Aparentes e Linfonodos.Data: 22 a 26 de setembro (Eqüídeos) (TURMA CDAB) Tema: Exame dos Sistemas Circulatório e Respiratório Local: Hospital de Eqüinos Docente: Wilson / Carla ____________________________________________________________ Data: 29 de setembro a 03 de outubro (Eqüídeos) (TURMA CDAB) Tema: Exame do Sistema Digestivo Local: Hospital de Eqüinos Docente: Carla / Wilson ____________________________________________________________ Data: 06 a 10 de outubro (Eqüídeos) (TURMA CDAB) Tema: Exame do Sistema Locomotor Local: Hospital de Eqüinos Docente: Wilson / Carla _____________________________________________________________ Data: 20 de outubro a 24 de outubro (Eqüídeos) (TURMA CDAB) Tema: Exame do Sistema Genito-Urinário e Sistema Nervoso Local: Hospital de Eqüinos Docente: Carla / Wilson __________________________________________________________ Data: 03 de novembro a 07 de novembro (Ruminantes) (TURMA CDAB) Tema: Contenção. Local: Hospital de Bovinos e Pequenos Ruminantes Docentes: Wanderley/Alice /Lílian/Birgel Junior ____________________________________________________________ Data: 10 de novembro a 14 de novembro (Ruminantes) (TURMA CDAB) Tema: Exame do Sistema Digestivo Local: Hospital de Bovinos e Pequenos Ruminantes Docentes: Benesi/ Mª Cláudia/Enrico/Alice Data: 24 de novembro a 28 de novembro (Ruminantes) (TURMA CDAB) Tema: Exame dos Sistemas Genital e Glândula Mamária / Pele Local: Hospital de Bovinos e Pequenos Ruminantes Docentes: Lilian/Alice/Birgel Jr/Ma Cláudia ____________________________________________________________ 58 . Colheita de material e vias de administração de medicamentos. Funções Vitais.

Data: 01 de dezembro a 05 de dezembro (Ruminantes) (TURMA CDAB) Tema: Exame dos Sistemas Circulatório e Respiratório Local: Hospital de Bovinos e Pequenos Ruminantes Docentes: Benesi/Wanderley / Birgel Jr.Hospital de Eqüinos Docentes: Wanderley/Enrico/Lilian/Alice/Benesi/Birgel Jr Wilson / Carla OBSERVAÇÃO: Reposição de provas teóricas não efetuadas – substitutivas -. realizar-se-á na 1ª. Semana após o término das aulas.Eqüídeos) (TURMA CDAB) Tema: PROVAS PRÁTICAS Local: Hospital de Bovinos e Pequenos Ruminantes ./Lilian ____________________________________________________________ Data: 08 de dezembro a 12 de dezembro (Ruminantes . 59 .