You are on page 1of 4

MATÉRIA: Direito Penal Geral PROFESSOR: Denis Pigozzi DATA: 19.02.

2011 Anotadora: Lilian Theodoro Fernandes Aula 1 DIREITO PENAL - PARTE GERAL Bibliografia: • Coleção do Professor Damásio de Jesus • Coleção da OAB Nacional • Coleção da Editora Litera • Sinopses Jurídicas do Prof. Vitor Gonçalves • Livro do Prof. Cleber Masson - Editora Método • Livro do Prof. Fernando Capez • Lei seca e Súmulas 1. ARTIGO 1º DO CÓDIGO PENAL

No artigo 1º do Código Penal, bem como no artigo 5º, XXXIX, da Constituição Federal, estão elencados dois princípios:
• •

Princípio da Legalidade ou da Reserva Legal Princípio da Anterioridade

Alguns doutrinadores dizem que o princípio da legalidade abrange os princípios da reserva legal e o da anterioridade. 1.1. PRINCÍPIO DA LEGALIDADE OU DA RESERVA LEGAL Significa que sem lei não é possível a existência de crime. Na verdade, a palavra lei está no sentido estrito, ou seja, ato originário do Poder Legislativo. Daí, é correto falar que Medida Provisória não pode veicular matéria de direito Penal (tal raciocínio também se aplica às Resoluções e outras espécies normativas). Em suma, somente a Lei Ordinária e a Lei Complementar podem tratar de direito penal, ou seja, de crimes. 1.2. PRINCÍPIO DA ANTERIORIDADE Significa que a lei penal deve estar em vigor antes da data em que o fato criminoso foi praticado. Em outras palavras, primeiro aprova-se a lei, que só vale para fatos ocorridos depois dela.

1

conforme artigo 1º da Lei de Introdução ao Código Penal.MATÉRIA: Direito Penal Geral PROFESSOR: Denis Pigozzi DATA: 19. 6. ** Algumas das principais diferenças entre crime e contravenção penal são as seguintes: • Não se pune a tentativa de contravenções penais (artigo 4º do DecretoLei). diferentemente de crimes. 3. vale salientar algumas diferenças entre as penas de reclusão e de detenção: • Só é cabível interceptação telefônica relacionada a investigação de crime apenado com reclusão. • • As contravenções penais praticadas no exterior não são puníveis pelo direito penal brasileiro. 3. Não é cabível a prisão preventiva contra autor de contravenção penal. Prisão simples Prisão simples e multa Prisão simples ou multa Multa Aproveitando a oportunidade.02. diferentemente daquele que tem pena de detenção. 2. vale ressaltar que infração penal é gênero que possui duas espécies: crime (ou delito) e contravenção penal (previstas no DecretoLei 3. Reclusão Reclusão e multa Reclusão ou multa Detenção Detenção e multa Detenção ou multa Por sua vez. 5. os crimes são punidos da seguinte maneira: 1. diferentemente de crimes. e • * A principal diferença reside na PENA. diferentemente de alguns crimes que admitem a tentativa. 4. 4.2011 Anotadora: Lilian Theodoro Fernandes Aula 1 * ATENÇÃO! Os dois princípios acima citados são também aplicáveis às contravenções penais (conhecidas por Nelson Hungria como “crime anão”) Aproveitando a oportunidade. 2. Dessa forma. salvo se houve conexão com aquele.688/41 e também em leis especiais). 2 . as contravenções penais são punidas da seguinte maneira: 1.

do Código Penal. II. semiaberto (colônia penal agrícola) ou no regime fechado (penitenciária de segurança máxima ou média). só é cabível a prisão preventiva contra autor de crime doloso apenado com reclusão.2011 Anotadora: Lilian Theodoro Fernandes Aula 1 • Em regra geral. conforme artigo 96 do Código Penal. caso o réu seja semi-imputável do artigo 26. o juiz aplica pena. que para o imputável.MATÉRIA: Direito Penal Geral PROFESSOR: Denis Pigozzi DATA: 19.LEI PENAL NO TEMPO Em primeiro lugar. por fim. CP). 1. Vale lembrar. já o condenado por crime apenado por crime apenado com detenção NUNCA inicia o cumprimento de sua pena no regime fechado. Assim sendo. quando houve a revogação do adultério. Tal lei pode ser encarada da seguinte maneira: “Abolitio criminis” (artigo 2º. Em outras palavras. o juiz aplica medida de segurança (por intermédio de uma sentença absolutória imprópria) e. por exemplo. chamada de Lex Mitior. vale ressaltar que os dois princípios aqui estudados também se aplicam às medidas de segurança. do Código Penal) . no caso aplica pena ou medida de segurança . 2. mas apenas nos regimes abertos ou semiaberto. o condenado por crime apenado com reclusão pode iniciar o cumprimento de sua pena nos regimes aberto (casa de albergado).FOI ADOTADO O SISTEMA VICARIANTE E NÃO O DO DUPLO BINÁRIO (vide artigo 98. a lei penal não retroagirá. XL. ARTIGO 2º DO CÓDIGO PENAL . conforme artigo 5º. o crime deixa de ser punido.02. Em outras palavras. que as duas espécies de medidas de segurança são as seguintes: • Internação em hospital de custódia e tratamento psiquiátrico • Tratamento ambulatorial Não se esquecer. o juiz tem duas opções alternativas. III e IV do CPP (exemplo: Lei Maria da Penha).é uma lei posterior que deixa de considerar o fato como criminoso. da Constituição Federal e artigo 2º do Código Penal. caput. (intervalo de aula) * Aproveitando a oportunidade. salvo para beneficiar o réu. 3 . ainda. para o inimputável. ainda. salvo as exceções do artigo 313. como. parágrafo único. é correto falar que foi adotado o princípio da retroatividade benéfica. e • * A principal diferença reside no regime inicial de cumprimento da pena.

vale salientar que o rol do artigo 107 é exemplificativo.099/95 (é cabível para o réu que comete crime onde a pena mínima não é superior a 1 ano e desde que preencha os requisitos subjetivos) . Caso o réu cumpra as condições acordadas por ocasião da medida despenalizadora denominada “sursi” processual ou suspensão condicional do processo do artigo 89 da Lei 9.2011 Anotadora: Lilian Theodoro Fernandes Aula 1 Por outro lado. caso a reparação ocorrer depois do aludido trânsito. não houve “abolitio criminis” em relação aos atos ou condutas que caracterizavam o atentado violento ao pudor. CP) . III. mesmo com a revogação do artigo 214 do Código Penal. porque existem outras causas de extinção da punibilidade. conforme artigo 107. §3º. Aproveitando a oportunidade. do Código Penal. Isso porque.02.quem extingue a punibilidade é o juízo do processo. 2.MATÉRIA: Direito Penal Geral PROFESSOR: Denis Pigozzi DATA: 19. como: Reparação do dano no crime de peculato culposo (artigo 312. a pena é reduzida pela metade.caso ocorrer até o trânsito em julgado da sentença condenatória. 4 . tais atos ou condutas passaram a ser tipificados como sendo crime de estupro. 1. do artigo 213 do Código Penal. Observação: a consequência da “abolitio criminis” é a extinção da punibilidade do réu. a punibilidade do réu será extinta.