You are on page 1of 3

FTU Faculdade de Teologia Umbandista

Sistema Religioso III Análise crítica O Aleph (Jorge Luiz Borges)

4º ano Paulo Feijó da Silva São Paulo, 21/07/2011

falta de respeito a alteridade. razão de tantos adjetivos positivos e prejorativos ao mesmo tempo dignos de um amor platônico. Como Beatriz Viterbo. morta em 1929. pois é melhor o universo mudar de lugar do que nós.Análise Crítica de “O Aleph” de Jorge Luis Borges. Um misto de soberba ronda todas as falas de Borges em detrimento de Daneri. preconceito são alguns traços do dialogo. rejeição e amor não correspondido. ironia amarga e insultuosa. os vários níveis de consciência que as humanas criaturas se encontram. atributos de Beatriz Viterbo em seu primo – irmão.negação esta em que nos distanciamos da razão. agindo com profundo sarcasmo. e nos conduz a uma viagem do que podemos chamar de egocentrismo. onde tudo é feliz com o verão que aquece e da vida a tudo. penetrando na estaticidade do declínio que conduz ao fim.esta mesma que sem ela perdemos a percepção do real.os apegos assumem tantas mascaras . começa a desaparecer. tentando desqualificar tudo que o mesmo intenta. onde o inverno penetrou no verão. que são tão infinitos como as estrelas. a impressão que transparece no transcorrer da narrativa é de que Borges tenta estereotipar o que renega em Carlos Argentino Daneri ao mesmo tempo que despreza se alimenta. pois o espelho nos mostra a verdadeira face e em contra partida costumamos negar.pois Borges observa tantos traços em Carlos Argentino Daneri. faz com que fiquemos engessados. passando a não olhar o outro lado da rua. sobre tudo os apegos. A inveja é um traço marcante no diálogo entre Borges e Carlos Argentino Daneri. Borges insiste em permanecer num tempo linear onde tudo é rasteiro. . mesmo com a imperiosa força do movimento circular. fazendo a transformação necessária ou seja. primo . ficando na espreita de tudo o que transcorre no diálogo. traços estes como fragilidades e traços finos. Jorge Luis Borges nos mostra tão claro como céu. dando a entender que busca a imagem. Intolêrancia. após 12 anos de culto a sua imagem. mãos grandes e afiladas mãos formosas. mesmo na eminência da demolição de sua casa fica na expectativa de um telefonema de Daneri que não acontece causando inquietação grande em Borges. No começo de seu artigo o autor da mostra de que sua narrativa se desenvolvera numa dicotomia até o seu final. cultura de massa. inveja.irmão de Beatriz Viterbo. morte é apenas uma mudança de estado como a água que evapora mesmo assim é água apenas em estado diferente. pois no calor de fevereiro.

nascimento.fato muito comum no nosso cotidiano. somos todos atores de um filme que escrevemos á muito. numa busca interminável de superioridade. vida e morte apenas estados diferentes e dimensões diferentes. ate bem porque não temos uma noção de percepção da realidade como deveríamos. só nos resta saber qual o nosso papel.. presente e futuro são a mesma coisa. mantendo a aparência.. desce as escadas do porão e se depara com o referido Aleph. È possível aventar que queira nos dizer que é melhor caminharmos na horizontal. alegre com o verão cantarei com emoção. e o quanto estamos distantes da espiritualidade. cansado com o peso da nova estação que começa a invernar. do que ascendermos a níveis mais elevados de consciência. . Paulo Feijó. pois assim não cansamos. Mesmo com todas as evidencias.mostrando mais uma vez o quanto é penoso ascender a um nível mais elevado de consciência. A revelação de que Carlos Argentino Daneri possui um Aleph causa espanto em Borges. mostrando o quanto é difícil nos livrar-mos das amarras do passado.O fato marcante é a demolição da casa de Daneri. guiça a mesma realidade. hoje e do amanhã. onde vislumbra o universo inteiro. uma visão do macrocosmo onde tudo esta ligado. passado.onde Borges comprova ao menos em sua interpretação que Daneri é louco ou degenerescência de família. para que possamos re. seguindo suas instruções Borges. nesse cenário... outono começo a ficar triste. não havendo nada solto. e o tempo que passa o tempo de nos dois.significar o significante do ontem. e sua localização no porão mais ainda. o irreal passa ser real. Borges nega que seja verdadeiro o Aleph de Daneri. que insistem a nos assombrar. Concluo com o seguinte comentário: Primavera vai florir para você.

073:2 9025430.424 .3:2.42 6:0 16:0248 03088./0/4/0.1.748703934. 80 /0803./09.8 .7.02  .0 0 /.7  43/0 4 3. 02   7./48  5.77. 02 6:0 348 /89.8 08970.250748.43..802089.F/06:0 4708  9039.8 .2. /0 6:0 8:.42 4 .97 '907-402 80: 5724  724  97.4942.47/010.3/4 .0397824 548F20474:3.050.424 .3.  1..5O8  ./08 0 97.  02 ..07074 43/0 9:/4 F 10 . 8:.4204 /0 80: .7/4 6:0 3O8 48 . 7:.882FE:.3/4 /086:. :2.9.3. 089...9.38.489:2.907/.2  84-70 9:/4 48 . 6:0 .4:80. 2.. 24790F.3/4 .J346:0. 085709.424 17.97-:948 /00.7.8 1..8.  548 4 08504 348 24897.3/436:09./0  . /08.307  9039.4397...794 4 .1.307 .381472.20824./0089..E748 3J. 9:/4  503097.0734 5030974: 34 .93.. 023H3.385.  3.07842:/..420.08 /0 .074 6:0 .4 /0 9.  424 0.74 .503.5048  6:0 84 94 313948 ./0:290014302.4 30. .97 '907-4  2479.07/.4 2./4/1070390  470 :8 4708 348 24897. /0  7085094 . 7.97 '907-4  .390 34 /E44 03970 4708 0 .3.   3.0.70.3/4 .8:2.748 703934 .1.2082.  20824 3./.:9:7..743/09:/4F7. 5.424./.3..39. .88.03497.3/080 .507.0 .248 30.20394 .088E7./424..43/: .47708543//4  1. . 34 4. 80 .8 :2. 3.48 0 57047.307 /.70.348 /0 ./0 05 /0470:84708  4 .48 .8 /0 4708 02 /09720394 /0 . 24897. 03903/07 6:0 -:8. 94 .8 2.6:0 0.3948 .3.8.9:7.F:  48 .7.2:/.4 54847084-807. 3E807J9.47707/.247 5.503.8 80 03.:8.8  7004 0 .5..3/4 3.4.25708846:097.03/4 . ../07..7/004.42 5741:3/4 8. 089070495./0.88:202 9.3.3076:034.0 0 02 . .4 089.48/4/.8  0 348 . 2. .07 .4 089.H3.38. .77.30. /0 2.7  4 4:974 ./..42. .E:.7/0:.48 5489.4 20824 90254 /348 /0 :2 .79/.02 /4 6:0 54/0248.09484.6:08020.4397.2...438.89074 20824.44   .4770 34 /E44  .147.824  743.394897.4 20824 90254 6:0/08570.9./4 /.48 08908 .7.054/470.4802... /.47.3/0024708  394H7. 1.074  1.. .7.248 /.8  &2 2894 /0 84-07-.:./4.307  5724  724 /0 0.7 30. 97.43/:.748 703934 ./.07.9F480:13.9. F :2 97.7.:94 .7 4 6:0 7030.2039. 54834 .412 470838890025072.9./0244 /08:.02  .6:0.3/4 3..  570..247 34 .9. 1.48 1348  2487.9. . .88. 743/. 94/..9.7 9:/4 6:0 4 20824 39039. /0 9:/4 4 6:0 97..547.8 248147248.038:9:48.507/0248.:3897.0.4390./..:947 /.5048 .

8 0.2./4 6:0388902./.390723E./48 /0 ./0 2.03/07248 .0248E2:94 8O3487089. /0 1.7.424/0..8 :2..  80:3/4 8:.8 00..8.-:8.5. .50  5.. 3. 3J.8 /4 5474 0 80 /05.. ./. 39075709.7.2082.48.34  24897. 6:0 80./0  .420.4...80770.8842-7..8.../0.88.74.90 -02 5476:0 34 90248 :2.390 /4 43902  40 0 /4.7.4245084/.390F. 1.H3../.797890 ../.4:3./4 /0 . 4 90254 /0 348 /48  30880 .3908 /.08 2./074 4 05 /0 ..49/.  0 4 6:. 2082.88.942...3  !.8/45.7.7  70.4/06:0.23.394 F 503484 .070.348.054/.8 089.:8.94 2:94 .  548 .3903/4.0.4824 43/09:/4089.03/07 .8.4 20348 02 8:.039...07J..074. .20394  .078439074 4770.248 /89.14775./0.70.H3.H3.-076:..307 F 4:.7  0 4 90254 6:0 5..394 089.70.42 94/. :2.84/42.. 089. :2 3J..38.. 4 34884 5. 344 /0 507.8 .8494 5.34..42039E74 !72..07/././48 /10703908 0 /203808/10703908 :.4204.94708/0:21206:008. 0 24790 . .8 4708 30.03/43.424..073. .3075488::205./0244/.7 6:0 6:07.4.8 ...46:0 .38.. 348 /07 6:0 F 2047  .88..7. 348 .77.07.8.8 08./03..  3.4 4: /0030708.394 F /1J.307 24897.8. 08579:.0 ./.5.:40O   .748703934.0/08:50747/.70.H .:4.248 70  831.438.42:2 34 34884 ..83897:08 4708  /08.248   43. 3:2.248  /4 6:0 .7 4 831.434 5474 2.3/4 2.882 34 .   5488J.8:2-7.42 0244 4:9434.3/./4 34.  1.3/4 4 6:.70.2J.394 02 4708  0 8:..8. 6:0 5488.0 4 6:.2.0 2.1.88.4 6:0 .503..7 248 /.03E74  8424894/48.438.307 43/04708./0  0824 . 47439..42480:390.42 4 70107/4 05  43/0 ..8 00.085./4 .39.42574.7H3./4 5708039001:9:7484 .7248 3.0 .