You are on page 1of 3

38275 Henrique Almeida 13D

Relatório referente ao ensaio de tracção realizado no dia 5 de Outubro de 2011.
Introdução : Num ensaio de tracção um provete é submetido a uma força coaxial realizada por uma máquina que alonga (o provete) até este quebrar. Este ensaio tem como objectivo testar diversos tipos de materiais de modo a permitir que seja feita uma correcta aplicação destes (material que satisfaça as condições físicas e que seja economicamente viável); Para isso é feita a análise do gráfico adquirido no ensaio (gráfico tensão/deformação) de onde se pode reter certos parâmetros importantes. Para que o ensaio seja válido é necessário cumprir com vários parâmetros tais como: - A secção do provete não pode ter dimensões variáveis, ou seja , o provete deve ser uniforme. - A zona de deformação (local da quebra do provete) tem que estar contida nas marcas previamente assinaladas no mesmo. - O ensaio não pode ser pausado (durante uma deformação plástica) sendo que a pausa deste pode comprometer a veracidade do ensaio. Noções Teóricas: Tensão = σ= força/So(secção) , expressa em Mega Pascal
Deformação/Extensão = ε= (L*Lo)/Lo L=Comprimento Instantâneo ; Lo=Comprimento Inicial

Alongamento Provete (objecto a ser submetido ao ensaio) : Curto K=5,65 - Proporcional Longo K=11,3 - Não Proporcional Tipos de deformação / Gráfico de tensão/extensão: Elástica → É recuperável Plástica → Não é recuperável (permanente) Módulo de Elasticidade (YOUNG): Válido no domínio plástico E= σ/ ε ou σ= ε(declive)*E , expresso em Mega Pascal Tensão de Ruptura = Rm = Fmáx/So, expresso em Mega Pascal So Lo=K

 So Lei de Barba

Lo

-

Docente: Armando Inverno

Materiais, ISEL

38275 Henrique Almeida 13D

Material necessário → Provete → Craveira → Máquina destinada ao ensaio de tracção Máquina utilizada:
A máquina (hidráulica) utilizada para o ensaio de tracção é constituída por dois módulos (Registo e de Ensaio). O módulo correspondente ao registo é composto por: - Pesos (A=1.000, B=2.000, C=4.000, D=10.000) reguláveis escalarmente, ou seja: A, AB, ABC, ABCD. - Botão para Ligar/Desligar o motor - Alavanca que fecha/abre a válvula de pressurização da máquina - Volante de controlo de rotação (máx 300mm/minuto) - Zona referente ao registo do gráfico Tensão/Deformação - Mostrador de registo instantâneo da força máxima e instantânea efectuada pela máquina O módulo correspondente ao ensaio é composto por: - Maxilas - Pneumática

Procedimentos:
1º Medir a secção do provete (So) com o auxílio do paquímetro 15,1mm 4,1mm So=61,91mm^2 2º Com o auxílio de um punção, efectuar duas marcas no provete de acordo com a Lei de barba (caso se pretenda fazer um ensaio proporcional) ou de medidas livres caso se pretenda efectuar um ensaio não proporcional.
Nota: É aconselhável que as marcas estejam centradas , ou seja, contenham o centro e a vizinhança do provete.

Na aula experimental foi usado a medida de 60mm (não proporcional) 3º Colocar o provete nas maxilas da máquina (com o auxilio de 2 alavancas).
Nota: O comprimento inicial marcado no provete tem que estar “fora” das maxilas.

4º Programar os pesos da máquina (neste caso utilizamos a sequência ABC) e de seguida ligar o motor da máquina. 5º Fechar a válvula dando assim inicio á pressurização que irá fazer com que as maxilas superiores se afastem das inferiores iniciando deste modo o ensaio.

Docente: Armando Inverno

Materiais, ISEL

38275 Henrique Almeida 13D

6º Observar o mostrador (variação da força exercida pela máquina momentâneamente) do módulo de registo da máquina até se dar a quebra do provete. 7º Recolher e analisar os resultados obtidos no mostrador e no gráfico.
Nota: O ensaio só é válido se o provete quebrar entre as marcas previamente assinaladas neste (Lo)

Resultados obtidos:
A ruptura do provete deu-se aos 375kg (375*9,8=3675N) A secção na zona de ruptura foi de 11,4*3,3=37,32mm L=Comprimento Final=67mm Deformação= ε= (67-60)/60=0,12% Tensão de ruptura = 3875/61,91= 62,59 Mega Pascal

Conclusão:
Após analisar o provete (passo 7), observamos que o provete quebrou fora da zona previamente assinalada invalidando deste modo o ensaio. Este desvio deve-se ao facto da máquina já ter alguma folga nas maxilas e se ter dado um eventual “escorregamento” do provete.

Docente: Armando Inverno

Materiais, ISEL