You are on page 1of 8

1

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo
Departamento de Engenharia de Estruturas
Alvenaria Estrutural
Flexão Composta
Nova NBR
Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo
Departamento de Engenharia de Estruturas
Flexão composta
Interação de solicitação axial e momento fletor
N
M
Solicitação comum em:
• Paredes de contraventamento
• Paredes de reservatórios com alta compressão
2
Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo
Departamento de Engenharia de Estruturas
Alvenaria não-armada
• Seção permanece plana após deformação
• Máxima tração f
td
• Máxima compressão 1,5 f
d
• Seções consideradas no Estádio I
Hipóteses Básicas
Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo
Departamento de Engenharia de Estruturas
Verificação da tensão de tração
td
d d
f
A
N
W
M
≤ −
M
d
: Momento fletor de cálculo ( M
d
= 1,4 M
k
)
W : Módulo de resistência à flexão
N
d
: Normal de cálculo (N
d
= 0,9 N
k
)
A : Área da seção transversal
f
td
: Resistência de cálculo à tração
3
Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo
Departamento de Engenharia de Estruturas
d
d d
f
W 5 , 1
M
R A
N
≤ +

N
d
: Normal de cálculo (N
d
= 1,4 N
k
)
A : Área da seção transversal
R : Redutor devido à esbeltez
M
d
: Momento fletor de cálculo (M
d
= 1,4 M
k
)
W : Módulo de resistência à flexão
f
d
: Resistência de cálculo à compressão
Verificação à compressão
Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo
Departamento de Engenharia de Estruturas
Alvenaria armada
Elementos Curtos (λ λλ λ ≤ ≤≤ ≤ 12)
a) Pequena excentricidade
) e 2 h ( b f N
x d Rd
− =
N
Rd
: normal resistente de cálculo
f
d
: resistência de cálculo da alvenaria
b : largura da seção
h : altura da seção (no plano de flexão)
e
x
: excentricidade resultante no plano de flexão
4
Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo
Departamento de Engenharia de Estruturas
b) Situações usuais
2 s 2 s 1 s 1 s d Rd
A f A f y b f N − + =
|
¹
|

\
|
− + |
¹
|

\
|
− + |
¹
|

\
|
− =
2 2 s 2 s 1 1 s 1 s d Rd
d
2
h
A f d
2
h
A f
2
y
2
h
y b f M
Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo
Departamento de Engenharia de Estruturas
N
Rd
, M
Rd
: normal e momento resistentes de cálculo
f
d
: resistência de cálculo à compressão
f
s1,
f
s2
: tensões nas armaduras (0,5 f
yd
)
b : largura da seção
h : altura da seção (no plano de flexão)
A
s1,
A
s2
: áreas das armaduras
d
1
, d
2
: distâncias das armaduras às bordas
2 s 2 s 1 s 1 s d Rd
A f A f y b f N − + =
( ) |
¹
|

\
|
− + |
¹
|

\
|
− + − =
2 2 s 2 s 1 1 s 1 s d Rd
d
2
h
A f d
2
h
A f y h y b f
2
1
M
5
Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo
Departamento de Engenharia de Estruturas
Elementos Esbeltos (λ λλ λ > 12)
( )
t 2000
h N
M
2
e d
d 2
=
M
2d
: momento adicional de 2ª ordem
N
d
: normal de cálculo
h
e
: altura efetiva do elemento
t : dimensão da seção transversal no plano de flexão
Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo
Departamento de Engenharia de Estruturas
Roteiro de Cálculo – Paredes contraventamento
Algumas características
• M
d
segundo maior dimensão
• M
d
devido ao vento e desaprumo
• N
d
devida às ações verticais
• Excentricidades “grandes”
• Normalmente λ λλ λ > 12
6
Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo
Departamento de Engenharia de Estruturas
• Verificar máxima carga de compressão simples
N
rd
= f
d
A R (paredes, h > 5b)
N
rd
= 0,9 f
d
A R (pilares, h ≤ 5b)
Nd ≤ N
rd
Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo
Departamento de Engenharia de Estruturas
• Verificar compressão para alvenaria não armada
d
d d
f
W 5 , 1
' M
R A
N
≤ +

0 , 2
f f
f
k
m
k
d
=
γ
=
h b A × =
(
(
¸
(

¸

|
|
¹
|

\
|
− =
3
b 40
H
1 R
6
h b
W
2
=
7
Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo
Departamento de Engenharia de Estruturas
• Verificar tração para alvenaria não armada
td
k d
f
A
N
W
M
≤ −
9 , 0 '
Resistência da argamassa (MPa)
Direção da tração
1,5 to 3,4 3,5 to 7,0 ≥ 7,0
Normal à fiada 0,10 0,20 0,25
Paralela à fiada 0,20 0,40 0,50
Valores f
tk
Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo
Departamento de Engenharia de Estruturas
• Caso seja necessário, usar armadura simétricas
b f
N
y
d
d
=
( )
( ) ' d 2 h f
y h y b f
2
1
' M
A
s
d d
s

− −
=
Caso b)
Caso a)
min , s
d
d
d d
A )
N
M
2 h ( b f N ⇒ − ≤
8
Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo
Departamento de Engenharia de Estruturas
Exemplo
Determinar a armadura
necessária à parede da
figura
Dados: f
k
= 5,5 MPa = 0,55 kN/cm
2
f
yk
= 500 MPa = 50,0 kN/cm
2
f
a
= 5 MPa
Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo
Departamento de Engenharia de Estruturas
Exemplo complementar
Determinar a armadura
necessária à parede da
figura
Dados: f
k
= 5,5 MPa = 0,55 kN/cm
2
f
yk
= 500 MPa = 50,0 kN/cm
2
Resp: Compressão: ok
Tem que armar: As = As´= 7,59cm
2

5 fd Seções consideradas no Estádio I Escola de Engenharia de São Carlos .Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas Alvenaria não-armada Hipóteses Básicas • • • • Seção permanece plana após deformação Máxima tração ftd Máxima compressão 1.Escola de Engenharia de São Carlos .Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas Verificação da tensão de tração Md Nd − ≤ f td W A Md : Momento fletor de cálculo ( Md = 1.9 Nk ) A : Área da seção transversal ftd : Resistência de cálculo à tração 2 .4 Mk ) W : Módulo de resistência à flexão Nd : Normal de cálculo (Nd = 0.

4 Nk) A : Área da seção transversal R : Redutor devido à esbeltez Md : Momento fletor de cálculo (Md = 1.Escola de Engenharia de São Carlos .5 W Nd : Normal de cálculo (Nd = 1.4 Mk) W : Módulo de resistência à flexão fd : Resistência de cálculo à compressão Escola de Engenharia de São Carlos .Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas Verificação à compressão Nd Md + ≤ fd A ⋅R 1.Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas Alvenaria armada Elementos Curtos (λ ≤ 12) λ a) Pequena excentricidade NRd = fd b ( h − 2 e x ) NRd : normal resistente de cálculo fd : resistência de cálculo da alvenaria b h : largura da seção : altura da seção (no plano de flexão) ex : excentricidade resultante no plano de flexão 3 .

5 fyd) : largura da seção : altura da seção (no plano de flexão) : distâncias das armaduras às bordas As1. As2 : áreas das armaduras 4 . d2 : resistência de cálculo à compressão : tensões nas armaduras (0.Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas b) Situações usuais NRd = fd b y + fs1A s1 − fs 2 A s 2 h y h  h  MRd = fd b y  −  + fs1A s1  − d1  + fs 2 A s 2  − d2  2 2 2  2  Escola de Engenharia de São Carlos . fs2 b h d1.Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas NRd = fd b y + fs1A s1 − fs 2 A s 2 1 h  h  MRd = fd b y (h − y ) + fs1A s1  − d1  + fs 2 A s2  − d2  2 2  2  NRd.Escola de Engenharia de São Carlos . MRd : normal e momento resistentes de cálculo fd fs1.

Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas Roteiro de Cálculo – Paredes contraventamento Algumas características Md segundo maior dimensão Md devido ao vento e desaprumo Nd devida às ações verticais Excentricidades “grandes” Normalmente λ > 12 • • • • • 5 .Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas Elementos Esbeltos (λ > 12) λ M2 d N (h ) = d e 2000 t 2 M2d : momento adicional de 2ª ordem Nd : normal de cálculo he : altura efetiva do elemento t : dimensão da seção transversal no plano de flexão Escola de Engenharia de São Carlos .Escola de Engenharia de São Carlos .

h > 5b) Nrd = 0. h ≤ 5b) Nd ≤ Nrd Escola de Engenharia de São Carlos .Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas • Verificar compressão para alvenaria não armada Nd M 'd + ≤ fd A ⋅R 1.Escola de Engenharia de São Carlos .0 6 .5 W   H 3    R = 1 −    40 b       A = b×h W = b h2 6 fd = fk f = k γm 2.Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas • Verificar máxima carga de compressão simples Nrd = fd A R (paredes.9 fd A R (pilares.

40 ≥ 7.0 0.5 to 7.5 to 3.20 0.Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas • Caso seja necessário.Escola de Engenharia de São Carlos .0 0.10 0.25 0.20 3.4 0.50 Direção da tração Normal à fiada Paralela à fiada Escola de Engenharia de São Carlos .min Nd y= Nd fd b 1 M' d − fd b y (h − y ) 2 As = fs (h − 2d') 7 .Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas • Verificar tração para alvenaria não armada M 'd 0 .9 N k − ≤ f td W A Valores ftk Resistência da argamassa (MPa) 1. usar armadura simétricas Caso a) Nd ≤ fd b ( h − 2 Caso b) Md ) ⇒ A s.

59cm2 8 .55 kN/cm2 fyk = 500 MPa = 50.Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas Exemplo complementar Determinar a armadura necessária à parede da figura Dados: fk = 5.Escola de Engenharia de São Carlos .0 kN/cm2 Resp: Compressão: ok Tem que armar: As = As´= 7.55 kN/cm2 fyk = 500 MPa = 50.0 kN/cm2 fa = 5 MPa Escola de Engenharia de São Carlos .5 MPa = 0.5 MPa = 0.Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas Exemplo Determinar a armadura necessária à parede da figura Dados: fk = 5.