You are on page 1of 55

ANÁLISE DE CIRCUITOS CAPACITIVOS

Bibliografia: Análise de Circuitos em CA Rômulo Oliveira de Albuquerque Fundamentos de Eletricidade Matheus Teodoro da Silva Filho

Fatec Mogi Mirim - Prof. Oswaldo Luiz Walter

1

Conteúdo
• Capacitor • Capacitância • Tensão e Corrente no capacitor • Tipos e aplicações de capacitores • O circuito RC série em CC • Capacitor em CA • Reatância Capacitiva • Lei de ohm para o capacitor • Potência num capacitor • Circuito RC série • Impedância Capacitiva • Potência em circuitos capacitivos • Circuito RC paralelo
2

Fatec Mogi Mirim - Prof. Oswaldo Luiz Walter

Capacitor
• Um capacitor ou condensador é um dispositivo que armazena cargas elétricas. • Basicamente é formado de duas placas metálicas paralelas, denominadas armaduras, separadas por um isolante, denominado dielétrico.

Fatec Mogi Mirim - Prof. Oswaldo Luiz Walter

3

Capacitor

Fatec Mogi Mirim - Prof. Oswaldo Luiz Walter

4

Capacitância
• A capacitância é a propriedade que o capacitor tem de armazenar cargas elétricas; isto é, armazenar energia sob forma de campo elétrico. • É representada com a letra C e medida em Farads (F). • Seu valor depende principalmente das dimensões da armadura, do tipo de dielétrico e da distância entre as armaduras.
Fatec Mogi Mirim - Prof. Oswaldo Luiz Walter 5

denominado constante dielétrica Fatec Mogi Mirim .Prof. separadas por uma distância fixa. • O efeito deste materiais é comparado com o vácuo. Oswaldo Luiz Walter 6 .Capacitância • As mesmas placas. tem sua capacitância modificada quando entre elas são colocadas diferentes materiais como dielétrico. Colocando-se um dielétrico. a capacitância será multiplicada por um valor fixo.

Prof. Oswaldo Luiz Walter 7 .4 Fatec Mogi Mirim .7 3.5 5.Constante dielétrica Material Vácuo Ar Constante dielétrica 1 1.0054 Polietileno Âmbar Papel Mica 2.3 2.

85. Oswaldo Luiz Walter 8 . Fatec Mogi Mirim . d = distância entre as placas em m.A/d onde: • • • • • C = capacitância em Farads k = constante dielétrica adimensional ε₀ = permissividade do vácuo = 8.Prof.ε₀.Capacitância • C= k.10⁻¹² F/m A = área das placas em m².

Prof.Capacitor à ar Fatec Mogi Mirim . Oswaldo Luiz Walter 9 .

Capacitor à óleo Fatec Mogi Mirim . Oswaldo Luiz Walter 10 .Prof.

Capacitores Cerâmicos Fatec Mogi Mirim .Prof. Oswaldo Luiz Walter 11 .

Capacitor Eletrolítico Fatec Mogi Mirim . Oswaldo Luiz Walter 12 .Prof.

Oswaldo Luiz Walter 13 .Unidades de Capacitância • O farad (F) é a unidade fundamental de capacitância. Assim temos: • microfarad (μF) : 1μF = 10⁻⁶F • nanofarad (nF) : 1nF = 10⁻⁹F • picofarad (pF) : 1pF = 10⁻¹²F Fatec Mogi Mirim . entretanto grande demais para ser usado em circuitos práticos.Prof.

Prof. Oswaldo Luiz Walter 14 .O capacitor em CC Fatec Mogi Mirim .

C sendo V a tensão entre os terminais (V) • Q a quantidade de carga em coulomb (C) • C a capacitância em farad(F) Fatec Mogi Mirim .O capacitor em CC • Quando a chave é fechada (t=0) o capacitor começa à armazenar cargas até atingir um valor Q. • A quantidade de cargas que um capacitor pode armazenar depende de sua capacitância C e da tensão V entre os terminais.Prof. Oswaldo Luiz Walter 15 . • Q=V.

Oswaldo Luiz Walter 16 . inicialmente a corrente i é mais intensa. até parar (i=0).Tensão e corrente no capacitor • Aplicada uma tensão E no capacitor.Prof. diminuindo à medida que o capacitor se carrega. • Por outro lado a tensão v no capacitor (potencial associado as cargas elétricas) começa em zero e cresce até atingir um valor da tensão de alimentação (v=E) Fatec Mogi Mirim .

Prof. • Num circuito puramente capacitivo este tempo é extremamente pequeno. Oswaldo Luiz Walter 17 . Fatec Mogi Mirim . o capacitor se carrega quase que instantaneamente. comportando-se à partir daí como um circuito aberto. isto é .Tensão e corrente no capacitor • O tempo necessário para que o capacitor seja carregado totalmente (quando a tensão atinge o valor máximo e a corrente vale zero) depende da resistência do circuito.

Conclusões • Um capacitor armazena energia na forma de campo elétrico. • Um capacitor comporta-se como circuito aberto em tensão contínua. Oswaldo Luiz Walter 18 .Prof. mas permite a condução de corrente para tensão variável. Fatec Mogi Mirim . • Num capacitor a corrente está adiantada em relação à tensão.

C a capacitância e dv(t) a variação da tensão em relação ao tempo. • No capacitor.dv(t)/dt sendo i(t) a corrente no capacitor. ao contrário do indutor. quanto mais rápida a variação da tensão. Fatec Mogi Mirim . menos oposição existe à passagem da corrente.Prof.Tensão e corrente no capacitor • O fato de o capacitor permitir a condução da corrente quando a tensão é variável. • i(t)= C. não significa que isto ocorra sem oposição. Oswaldo Luiz Walter 19 .

Circuito RC série em CC Fatec Mogi Mirim .Prof. Oswaldo Luiz Walter 20 .

fig. Oswaldo Luiz Walter 21 .Prof.Circuito RC série em CC • • • • • Na fig. No instante t=0 a chave é fechada. (b). a 2ª lei de Kirchhoff temos: vR(t) + vc(t) = E = constante Em t=0 o capacitor está descarregado. assim VR(0) = E • Portanto a corrente inicial é máxima e vale: • i(0) = I = E/R Fatec Mogi Mirim . Cfe. logo Vc(0) = 0. (a) o capacitor está descarregado.

diminuindo a tensão vR(t) e a corrente i(t). o capacitor está totalmente carregado com a carga máxima Q. não existe corrente através do capacitor. Oswaldo Luiz Walter 22 . a tensão vc(t) também aumenta.Prof. • Após um determinado tempo. mas apenas uma movimentação de elétrons como indica a fig.Circuito RC série em CC • Fisicamente . (d) Fatec Mogi Mirim . como na fig. (c). • Como a carga q do capacitor começa a aumentar . fazendo com que sua tensão atinja o valor da fonte (Vc = E) e a corrente no circuito seja nula.

Oswaldo Luiz Walter 23 .Prof.Circuito RC série em CC Fatec Mogi Mirim .

e^(-t/R.e^(-t/R.Prof.C) • ou vc(t)= E[1-e ^(-t/R. Oswaldo Luiz Walter 24 .C) • ou i(t)= I.C)] • tensão no resistor: vR(t) =E.C) • corrente no circuito: i(t)= E/R.e^(-t/R.C) • sendo e o algarismo neperiano e vale 2.e^(-t/R.Circuito RC série em CC • Como vemos pelos gráficos são curvas exponenciais: • tensão no capacitor: vc(t)=E-E.718 Fatec Mogi Mirim .

C sendo R a resistência(Ω). C a capacitância(F) e τ a constante de tempo(s) Fatec Mogi Mirim . definida como: • τ = R.Prof. Oswaldo Luiz Walter 25 . • A medida da velocidade de crescimento da tensão no capacitor é dada pela constante de tempo τ (tau) do circuito. mais tempo leva para atingir a carga total.Constante de Tempo • Quanto maior o valor do capacitor e do resistor.

Prof. • Isto significa que.Constante de Tempo • Fazendo t=τ na expressão vC(t) temos: • vc(τ)= E. passado um tempo t igual a uma constante de tempo τ a tensão no capacitor atinge aproximadamente 63% da tensão da fonte E.e⁻¹) ≈ 0. Oswaldo Luiz Walter 26 . • Na expressão de vc(t).(1 .63E. colocando no eixo horizontal múltiplos da constante de tempo temos o gráfico seguinte: Fatec Mogi Mirim .

Oswaldo Luiz Walter 27 .Constante de Tempo Fatec Mogi Mirim .Prof.

R. Oswaldo Luiz Walter 28 .Constante de Tempo • Do ponto de vista prático.Prof. passado um tempo t≥ 4τ ou então t≥ 4. concluímos que o capacitor pode ser considerado totalmente carregado. ou seja VC ≈ E .C Fatec Mogi Mirim .

Prof. figura seguinte: Fatec Mogi Mirim . ele permanece carregado por muito tempo.Descarga do Capacitor • Estando o capacitor totalmente carregado VC=E e desligando a fonte. vamos curto circuitar os terminais do resistor e do capacitor. cfe. Oswaldo Luiz Walter 29 . • Para descarregá-lo. já que a resistência do dielétrico é muito elevada.

Oswaldo Luiz Walter 30 .Prof.Descarga do Capacitor Fatec Mogi Mirim .

Oswaldo Luiz Walter 31 .Descarga do Capacitor Fatec Mogi Mirim .Prof.

C e passado um tempo t≥ 4.τ ou t≥ 4R. Vc=E e VR= -E • O capacitor descarrega pelo resistor com a mesma constante de tempo τ = R.C estará totalmente descarregado. qdo t=0. • A curva de tensão no resistor é idêntica à do capacitor.Prof.Descarga do Capacitor • Inicialmente. Oswaldo Luiz Walter 32 . Fatec Mogi Mirim . porém com polaridade contrária.

Oswaldo Luiz Walter 33 . • Descarga do capacitor: vc(t)= E. mas no sentido contrário ao da carga.e^-(t/RC) • ou i(t)= -I. e^-(t/RC) Fatec Mogi Mirim .e^-(t/RC) • Corrente no circuito: i(t) = -(E/R).Descarga do Capacitor • A corrente de descarga (fig.Prof.c) inicialmente é máxima. Sua intensidade também vai diminuindo até zerar.e^-(t/RC) Tensão no resistor : vR(t) = -E.

• Portanto.Prof. no capacitor. fica adiantada de 90° em relação à tensão. a corrente está adiantada em relação à tensão.Capacitor em corrente alternada • Vimos que quando aplicamos uma corrente contínua em um capacitor. a tensão leva um certo tempo para atingir o valor máximo. Oswaldo Luiz Walter 34 . também senoidal. a corrente. • Se a tensão aplicada em um capacitor for senoidal. Fatec Mogi Mirim .

Capacitor em corrente alternada Fatec Mogi Mirim . Oswaldo Luiz Walter 35 .Prof.

Prof. Oswaldo Luiz Walter 36 .Capacitor em corrente alternada Fatec Mogi Mirim .

Oswaldo Luiz Walter 37 .sen(ωt) ou v=Vp[0°] • i(t) = Ip.Capacitor em corrente alternada • Neste caso: • v(t) = Vp.sen(ωt+90°) ou i=Ip[90°] Fatec Mogi Mirim .Prof.

Oswaldo Luiz Walter 38 . • XC = 1/2πfC ou XC = 1/ωC onde: • XC = módulo da reatância capacitiva (Ω) • C = capacitância do capacitor (F) • f = freqüência da corrente (Hz) • ω = freqüência angular da corrente (rd/s) Fatec Mogi Mirim .Prof.Reatância Capacitiva Xc • Reatância Capacitiva é a oposição que um capacitor oferece à passagem da corrente alternada.

Fatec Mogi Mirim . Para uma freqüência muito alta o capacitor comporta-se como um curto circuito. Oswaldo Luiz Walter 39 . menor será a reatância capacitiva. • Conclusão: O capacitor comporta-se como um circuito aberto em CC e como uma resistência elétrica em CA.Reatância Capacitiva Xc • Percebe-se que quanto maior a capacitância e a freqüência.Prof.

Lei de Ohm para o capacitor • • • • • XC = v/i = V[0°]/I[90°] Logo. Oswaldo Luiz Walter 40 . na forma polar Xc = XC[-90°] Na forma algébrica: XC = -j(1/2πfC )ou XC = -j(1/ωC) Então a reatância capacitiva tem sempre o ângulo de -90° (na forma polar) e somente uma parte imaginária negativa (forma cartesiana) Fatec Mogi Mirim .Prof.

Oswaldo Luiz Walter 41 .Potência num capacitor Fatec Mogi Mirim .Prof.

• Quando a potência é positiva. • Quando a potência é negativa. o capacitor devolve a energia armazenada para a fonte Fatec Mogi Mirim .Prof. Oswaldo Luiz Walter 42 . armazenando-a sob forma de campo elétrico em suas placas. o capacitor recebe energia da fonte.Potência num capacitor • Em um circuito puramente capacitivo não há dissipação de energia.

cosφ (W) sendo φ o ângulo entre a tensão e a corrente.IRMS. Oswaldo Luiz Walter 43 . Fatec Mogi Mirim . temos para a potência ativa P = 0 W. sem resistência) • Como coseno de -90° é zero.Prof. que no caso é φ= -90° (circuito capacitivo puro.Potência Ativa • A potência ativa P (ou real) é calculada por: • P = VRMS.

Prof. cfe. pois enquanto a capacitância tende a defasá-la em 90°. a corrente continua adiantada. só que de um ângulo menor que 90°. Oswaldo Luiz Walter 44 . a resistência tende a colocála em fase com a tensão.Circuito RC série • Quando uma tensão alternada é aplicada em um circuito RC série. indica a figura seguinte: Fatec Mogi Mirim .

Circuito RC série Fatec Mogi Mirim .Prof. Oswaldo Luiz Walter 45 .

que é denominada impedância capacitiva ZC . Oswaldo Luiz Walter 46 . e medida também em ohm (Ω). Fatec Mogi Mirim .Impedância Capacitiva ZC • A oposição que o circuito oferece à passagem da corrente elétrica depende de R e XC .Prof.

Oswaldo Luiz Walter 47 .Impedância Capacitiva ZC • • • • • Pela lei de Ohm: ZC = v/i vC = VC [0°] . vR = VR[90°] . i=I[90°] XC = vC/i = VC[0°]/I[90°] = XC[-90°]= -jXC R = vR/i = VR/[90°]/I[90°] = R[0°] = R v=vR +vC (soma vetorial). dividindo-se ambos os lados por i temos: • v/i=vR/i + vC/i Fatec Mogi Mirim .Prof.

Oswaldo Luiz Walter 48 .Prof.Impedância Capacitiva ZC • ZC = R – jXC ou ZC = R – j(1/ωC) • Na forma polar o módulo de Zc=√R²+XC² e o ângulo φ = arctg(Xc/R) ou ainda • φ = arccos(R/ZC) Fatec Mogi Mirim .

Impedância Capacitiva ZC Fatec Mogi Mirim .Prof. Oswaldo Luiz Walter 49 .

Potência em circuitos RC Fatec Mogi Mirim .Prof. Oswaldo Luiz Walter 50 .

Potência em circuitos RC • • • • Potência Ativa: P=VRMS. Oswaldo Luiz Walter 51 .IRMS.senφ (VAR) A relação entre a potência ativa P e a potência aparente S é denominada de fator de potência • FP = P/S = cosφ Fatec Mogi Mirim .IRMS. (VA) Potência Reativa: Q= VRMS.IRMS.Prof.cosφ (W) Potência Aparente: S= VRMS.

Oswaldo Luiz Walter 52 . FP=0 e S=Q • A carga não aproveita nenhuma energia fornecida pela fonte. FP=1 e P=S • A carga aproveita toda a energia fornecida pela fonte.Prof. • Se a carga é puramente capacitiva. Fatec Mogi Mirim . • Se a carga é formada por resistor e capacitor então FP varia entre 0 e 1 . S²=P²+Q² .Potência em circuitos RC • Nos circuitos formados por resistores e /ou capacitores três situações são possíveis: • Se a carga é puramente resistiva. Neste caso a carga aproveita apenas uma parte da energia fornecida pela fonte.

Oswaldo Luiz Walter 53 .Circuito RC paralelo Fatec Mogi Mirim .Prof.

Prof. Oswaldo Luiz Walter 54 .Circuito RC paralelo Fatec Mogi Mirim .

R)² φ = -arctgω.R) na forma polar o módulo de ZC vale: ZC = R/√1+(ω.R ou φ=arccos(ZC/R) Fatec Mogi Mirim .C.Circuito RC paralelo • • • • • I²=IR² + IC² 1/ZC = 1/R+1/(-jXC) ou ZC = R/(1+jω.C.C. Oswaldo Luiz Walter 55 .Prof.