You are on page 1of 97

Norma

Código

Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador - Poste DT - 15 kV
Processo Edição

VR01.03-00.003
Folha

Planejamento, Ampliação e Melhoria da Rede Elétrica
Atividade Data

1 DE 97 16/12/2010

Obras de Distribuição HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição 1ª 2ª Data 30/04/2002 21/09/2005 Edição Inicial. Alterações em relação à edição anterior

Padronização da medição totalizadora em transformadores de distribuição, incorporação de critérios de projeto e atendimento aos requisitos da NR-10. Adequação ao novo modelo no SGN; exclusão do item 4.61 que trata de medição totalizadora; substituição dos códigos dos desenhos pelos códigos das Especificações de Materiais; atualização dos códigos das tabelas de materiais e equipamentos. Alteração nas listas de materiais das estruturas CE-DS, CE-TS, CE-ST, CE-RL, CE-TR e CE3-TR em função da substituição dos itens de material de códigos 2223030 e 2415000 respectivamente pelos códigos 2223080 e 2415001. Alteração nas listas de materiais das estruturas CE-DS, CE-TS, CE-ST, CE-RL, CE-TR e CE3-TR em função da substituição do item de material de código 2223080 Cabo Potência cobre #35,0mm², 1,0kV XLPE pelo cabo coberto de Alumínio 15 kV XLPE, conforme tabela 7 do ANEXO III. Alteração dos seguintes desenhos: Figura 28 Estrutura CE-TS; Figura 32 Estrutura CE-ST; Figura 33 Estrutura CE-FA e Figura 34 Estrutura CE-RL. Inclusão do Conector Auto travante no padrão. Alteração nas listas de materiais referente a essas estruturas, em função da entrada do novo conector autotravante. Acrescentadas as seguintes tabelas: 28 – Classificação dos consumidores individuais em função do consumo, 29 - Demanda diversificada para loteamentos e conjuntos residenciais Horizontais (kVA) e 30 – Conector autotravante. Correção no dimensionamento dos parafusos utilizados nas seguintes estruturas: CE-2, CE-3, CE-3A, 2CE3, CE-1-CE-3, CE1-A-CE3, CE-4, N3S-CE, L3S-CE, DN-CE, CE-BFC , CE1-A-CE3C e CE-CS. Alteração de centímetro(cm) para metro(m) nas unidades de comprimento das flechas nas tabelas do ANEXO II. Na Tabela 24 – Distâncias entre condutores e o solo, alterada a distância de cabo ao solo para 7000mm (Rodovias). Atualizadas nas figuras 09 e 11 a simbologia das estruturas.

17/04/2008

11/07/2008

13/08/2008

27/10/2010

16/12/2010

GRUPOS DE ACESSO Nome dos grupos Diretor-Presidente, Superintendentes, Gerentes, Gestores, Funcionários e Prestadores de Serviços.

NORMATIVOS ASSOCIADOS Nome dos normativos

Norma

Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador - Poste DT - 15 kV

ÍNDICE

Página 1. OBJETIVO .....................................................................................................................................................3 2. RESPONSABILIDADES ................................................................................................................................3 3. DEFINIÇÕES..................................................................................................................................................3 4. CRITÉRIOS ....................................................................................................................................................6 5. REFERÊNCIAS ............................................................................................................................................27 6. APROVAÇÃO ..............................................................................................................................................27 ANEXO I. ESTRUTURAS PADRONIZADAS .................................................................................................28 FIG. 15 – ESTRUTURA CE-1 ..........................................................................................................................28 FIG. 16 – ESTRUTURA CE1-A........................................................................................................................30 FIG. 17 – ESTRUTURA CE2 ...........................................................................................................................32 FIG. 18 – ESTRUTURA CE3 ...........................................................................................................................34 FIG. 19 – ESTRUTURA CE3-A........................................................................................................................36 FIG. 20 – ESTRUTURA 2CE3 .........................................................................................................................38 FIG. 21 – ESTRUTURA CE1-CE3 ...................................................................................................................40 FIG. 22 – ESTRUTURA CE1A-CE3 ................................................................................................................42 FIG. 23 – ESTRUTURA CE4 ...........................................................................................................................44 FIG. 24 – ESTRUTURA N3S-CE .....................................................................................................................46 FIG. 25 – ESTRUTURA L3S-CE .....................................................................................................................48 FIG. 26 – ESTRUTURA DN-CE .......................................................................................................................50 FIG. 27 – ESTRUTURA CE-DS .......................................................................................................................52 FIG. 28 – ESTRUTURA CE-TS........................................................................................................................54 FIG. 29 – ESTRUTURA CE-BFC.....................................................................................................................56 FIG. 30 – ESTRUTURA CE1-CE3C ................................................................................................................58 FIG. 31 – ESTRUTURA CE1A-CE3C..............................................................................................................60 FIG. 32 – ESTRUTURA CE-ST........................................................................................................................62 FIG. 33 – ESTRUTURA CE-FA .......................................................................................................................64 FIG. 34 – ESTRUTURA CE-RL .......................................................................................................................66 FIG. 35 – ESTRUTURA CE-TR .......................................................................................................................68 FIG. 36 – ESTRUTURA CE3-TR .....................................................................................................................70 FIG. 37 – ESTRUTURA CE-CS .......................................................................................................................72 FIG. 38 – ESTRUTURA CE-FT........................................................................................................................74 FIG. 39 – ESTRUTURA CE-C-FT ....................................................................................................................76 FIG. 40 – ESTRUTURA AR-CE .......................................................................................................................78 FIG. 41 – ARRANJOS .....................................................................................................................................80 ANEXO II. – TABELAS DE FLECHAS E TRAÇÕES.................................................................................... 81 ANEXO III. – TABELAS DIVERSAS.............................................................................................................. 84 ANEXO IV. – SIMBOLOGIA ............................................................................................................................93 ANEXO V. – AFASTAMENTOS MÍNIMOS ENTRE CONDUTORES E EDIFICAÇÕES ................................96 ANEXO VI. – FLUXOGRAMA DE DETERMINAÇÃO DA DEMANDA ...........................................................97

VR01.03-00.003

7ª Edição

16/12/2010

2 de 97

Norma

Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador - Poste DT - 15 kV

1.OBJETIVO Padronizar e estabelecer os critérios para elaboração de projeto e construção de rede de distribuição compacta com espaçador, poste duplo T, na tensão de 15 kV.

2.RESPONSABILIDADES Competem aos órgãos de planejamento, engenharia, patrimônio, suprimento, segurança, projeto, construção, ligação, telecomunicação, automação, operação e manutenção do sistema elétrico cumprir e fazer cumprir este instrumento normativo.

3.DEFINIÇÕES 3.1Agência Nacional de Energia Elétrica – ANEEL Autarquia em regime especial, vinculada ao Ministério de Minas e Energia - MME criada pela lei 9.427 de 26/12/1996, com a finalidade de regular e fiscalizar a geração, transmissão, distribuição e comercialização da energia elétrica. 3.2Anel de Amarração Anel de material elastomérico, com a função de fixação dos cabos protegidos e mensageiro, ao espaçador e/ou isolador polimérico da rede compacta. 3.3Aterramento Ligação elétrica intencional e de baixa impedância com a terra. 3.4Aterramento Temporário Ligação elétrica efetiva, confiável, adequada e intencional à terra, destinada a garantir a equipotencialidade, mantida continuamente durante a intervenção na instalação elétrica. 3.5Braço Antibalanço Acessório de material polimérico cuja função é a redução da vibração mecânica das redes compactas. 3.6Braço Tipo “C” Ferragem, em formato “C”, presa ao poste, com a finalidade de sustentação das fases em condições de ângulo e final de linha, derivações e conexão de equipamentos à rede. 3.7Braço Tipo “L” Ferragem, em formato “L”, que é presa ao poste, com a função de sustentação do cabo mensageiro da rede compacta, em condição de tangência ou com ângulos de deflexão de até 6º. 3.8Cabo Coberto Cabo dotado de cobertura protetora em XLPE (Polietileno Termofixo), visando a redução da corrente de fuga em caso de contato acidental do cabo com objetos aterrados e diminuição do espaçamento entre condutores. 3.9Cabo Mensageiro Cabo utilizado para sustentação dos espaçadores e separadores, e para proteção elétrica e mecânica na rede compacta. 3.10Capa Protetora Acessório de material polimérico, instalado sobre as conexões dos cabos protegidos, cuja função é manter o isolamento elétrico da rede e evitar umidade no interior da isolação do cabo. 3.11Carga Especial Equipamento que, pelas suas características de funcionamento ou potência, possa prejudicar a qualidade do fornecimento de energia elétrica a outros consumidores. VR01.03-00.003 7ª Edição 16/12/2010 3 de 97

18Demanda Diversificada Quociente entre a demanda das unidades consumidoras de uma classe. 3. 3. que solicita a concessionária o fornecimento de energia elétrica e assume a responsabilidade pelo pagamento das faturas e pelas demais obrigações fixadas em normas e regulamentos da ANEEL. 3.003 7ª Edição 16/12/2010 4 de 97 . expressa em quilowatts (kW). e esse intervalo.Poste DT . 3. 3.22Estruturas Conjunto de peças de concreto e/ou ferro galvanizado que se destina a fixar e sustentar os condutores de uma rede aérea de distribuição. 3. mantendo o isolamento elétrico da rede.13Concessionária Agente titular de concessão ou permissão federal para prestar serviço público de energia elétrica.25Fator de Demanda Razão entre a demanda máxima num intervalo de tempo especificado e a carga instalada na unidade consumidora. 3. devido a não simultaneidade de ocorrências das demandas máximas individuais.20Espaçador Acessório de material polimérico de formato losangular suportado pelo cabo mensageiro cuja função é de sustentar e separar os cabos protegidos da rede de distribuição compacta ao longo do vão.16Demanda Máxima Maior demanda verificada durante um intervalo de tempo especificado.15 kV 3.24Fator de Coincidência Inverso do fator de diversidade.03-00. ou comunhão de fato ou de direito.21Estribo para Braço Tipo “L” Ferragem complementar ao braço tipo “L” cuja função é a sustentação de espaçador junto ao braço. 3.14Consumidor Pessoa física ou jurídica. 3. 3. calculada por agrupamento de suas cargas.19Distanciador Ferragem complementar para rebaixamento do nível do circuito inferior num cruzamento aéreo com “flyingtap”. 3.23Fator de Diversidade Relação entre a soma das demandas máximas individuais de um determinado grupo de consumidores e a demanda máxima real de todo o grupo. assim vinculando-se aos contratos de adesão. legalmente representada.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .17Demanda Média Razão entre a quantidade de energia elétrica consumida durante um intervalo de tempo especificado. O fator de diversidade é sempre um número maior que um. e o número de unidades consumidoras dessa mesma classe. 3. VR01. em condições de entrar em funcionamento. 3.15Demanda Média das potências elétricas instantâneas solicitadas ao sistema elétrico durante um período de tempo especificado.12Carga Instalada Soma das potências nominais dos equipamentos elétricos instalados na unidade consumidora.

3.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador . 3. 3. com o objetivo de (1) adequá-la às necessidades de crescimento da carga (divisão de circuitos. 3. etc.03-00.3 kV a partir de sistema subterrâneo de distribuição e faturada neste Grupo. VR01. suportados sobre isoladores de pino ou bastão montados em cruzetas de concreto. a partir da conexão em um ponto da rede de distribuição existente. 3. na escala de 1:1000 ou suas múltiplas. para sistema elétrico trifásico. expressa em quilowatts (kW).38Rede de Distribuição Urbana – RDU Rede de distribuição do sistema de energia elétrica situada dentro do perímetro urbano de uma cidade.33Projeto de Redes Novas Aquele que visa à implantação de todo um sistema de distribuição necessário ao atendimento a uma nova área onde não exista rede de distribuição. caracterizando-se como o limite de responsabilidade do fornecimento.37Rede de Distribuição Convencional Nua Estrutura física dos circuitos de distribuição de energia elétrica. na escala de 1:1.000. 3. e (4) redução de perdas comerciais. constituída de postes. 3.31Ponto de Entrega .003 7ª Edição 16/12/2010 5 de 97 . com uma área de 0. 3.29Mapa Planimétrico Semi – Cadastral Mapa correspondente a planimetria de uma quadrícula de 500 m (ordenada) por 500 m (abscissa). estruturas de suporte com isoladores e condutores nus de alumínio ou cobre. dependendo de sua aproximação com a orla marítima.25 km². até o limite de 1:10000.) e/ou para permitir maior flexibilidade operativa. 3. ainda. constituída de postes. caracterizado pela estruturação tarifária binômia. em condições de entrar em funcionamento. atendidas em tensão inferior a 2.15 kV 3.Poste DT . ou.36Rede de Distribuição Compacta .).8 kV.39Rede Primária Rede de média tensão com tensão nominal de operação de 13.32Potência Instalada Soma das potências nominais dos equipamentos elétricos de mesma espécie instalados na unidade consumidora.RDC Estrutura física dos circuitos de distribuição de energia elétrica. desenhado no formato A1. com as informações atuais. 3.26Grupo “A” Grupamento composto de unidades consumidoras com fornecimento em tensão igual ou superior a 2. 3.3 kV.27Horizonte do Projeto Período de tempo futuro em que. vila ou povoado. (3) substituição total ou parcial da rede existente. o sistema foi simulado. 3. (2) adequála às modificações físicas do local (obras públicas.35Projeto de Extensão de Rede Aquele que visa atender a novas unidades consumidoras e que implica no prolongamento da posteação. etc. estruturas de suporte com isoladores e condutores cobertos com XLPE. 3. caracterizada pelo registro global dos diversos consumos individuais das várias unidades consumidoras atendidas.30Medição Totalizadora Medição realizada com o objetivo de se verificar o balanço energético de uma área de transformador de distribuição ou edificação de uso coletivo.PDE Ponto de conexão do sistema elétrico da concessionária com as instalações elétricas da unidade consumidora.28Mapa Chave Urbano (Planimétrico) Mapa correspondente à representação das áreas urbanas dos centros populacionais. devido ao seu obsoletismo.34Projeto de Reforma de Rede Aquele que visa à alteração na rede existente.

b) Até 1. c) Até 3. e ainda em áreas arborizadas. cuja origem é o ponto gerador da poluição.43Tensão de Atendimento Valor eficaz de tensão no ponto de entrega ou de conexão.0 km em áreas livres (sem anteparos). expresso.5 km em áreas com anteparos naturais ou construções com alturas superiores a 3 vezes a altura do poste. 3. 3.44Tensão Contratada Valor eficaz de tensão que deve ser informado ao consumidor por escrito.42Suporte Acessório utilizado para segurar. 3. uma faixa compreendida entre o limite de preamar e uma linha imaginária em terra situada conforme abaixo: a) Até 0.CRITÉRIOS 4. de acordo com a leitura efetuada. precária ou crítica. dispositivo ou equipamento. em volts ou quilovolts. com medição individualizada e correspondente a um único consumidor. ou estabelecido em contrato.1A rede de distribuição compacta . expresso em volts ou quilovolts. atinge os pontos de consumo. áreas com alta densidade de circuitos primários e circuitos primários expressos. 3.46Tronco de Alimentador Trecho de um alimentador de distribuição que transporta a parte principal da energia do circuito. derivado do barramento secundário de uma subestação de distribuição.03-00.003 7ª Edição 16/12/2010 6 de 97 . 3. 3.0 km em áreas com anteparos naturais ou construções com alturas até 3 vezes a altura do poste.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador . Topologia da Rede VR01. suportar prender ou proteger uma determinada peça.15 kV 3.40Separador Acessório de material polimérico de formato vertical apoiado sobre o cabo mensageiro cuja função é de sustentar e separar os cabos protegidos da rede de distribuição compacta nas conexões no vão (“flyingtap”).47Unidade Consumidora Conjunto de instalações e equipamentos elétricos.49Zona de Agressividade Industrial Deve ser considerada como zona de agressividade industrial. 3. podendo ser classificada em adequada.41Sistema de Distribuição Sistema elétrico com tensão máxima de 15 kV que. obtido por meio de medição.45Tensão Nominal Valor eficaz de tensão pelo qual o sistema é projetado. 3. expresso em volts ou quilovolts. com um raio de 500 m.RDC deve ser projetada em áreas urbanas da região metropolitana e cidades do interior. 4. 3. caracterizado pelo recebimento de energia elétrica em um só ponto de entrega.48Zona de Agressividade Salina Deve ser considerada como zona de agressividade salina. 4.2 A RDC com espaçador não deve ser projetada em áreas sujeitas a atmosfera com agressividade salina ou industrial. um círculo.Poste DT . mantendo o isolamento elétrico da rede.

tornando antieconômico o estabelecimento de pontos de interligação. compatibilizando-a com a importância da carga ou da localidade a ser atendida. R N. e ser direcionada no sentido do crescimento da localidade. utilizados em áreas que demandam maiores densidades de carga ou requeiram maior grau de confiabilidade devido às suas particularidades.2Os sistemas radiais com recursos.03-00. utilizados em áreas de baixa densidade de carga.A.A.15 kV 4. Figura 02 – Sistema radial com recursos R N.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .6.2Ser projetado de forma que exista certa reserva de capacidade de condução em cada circuito. Traçado da rede VR01. N. face às próprias características de distribuição das cargas.Poste DT . R R 4.3A rede primária deve ser projetada o mais próximo possível das concentrações de carga.5. 4.5. Figura 01 – Sistema radial simples R 4.6Estes sistemas caracterizam-se pelos seguintes aspectos: 4. 4. 4. entre alimentadores adjacentes. 4.6.6. da mesma ou de subestações diferentes.003 7ª Edição 16/12/2010 7 de 97 . para a absorção de carga de outro circuito na eventualidade de defeito. favorecendo a expansão do sistema.1Existência de interligações normalmente aberta.A.3Limita o número de consumidores interrompidos por defeitos e diminui o tempo de interrupção em relação ao sistema radial simples.4A configuração da rede primária deve ser definida em função do grau de confiabilidade a ser adotado no projeto.1Os sistemas radiais simples.5Podem ser utilizadas as seguintes configurações para o sistema aéreo primário: 4. nas quais os circuitos tomam direções distintas.

g) Estado atual da rede. compatível com a área em estudo. A3 e A4.Poste DT . dimensões dos lotes. em função de pequenas concentrações de carga. as estruturas da travessia tem que ser muito altas.11O traçado sempre que possível deve contornar os seguintes tipos de obstáculos naturais ou artificiais: a) Benfeitorias em geral. 4.13Em todas as travessias necessárias ao desenvolvimento do traçado. d) Dados informados pelo órgão de planejamento.003 7ª Edição 16/12/2010 8 de 97 . do contrário.12As derivações devem ser preferencialmente perpendiculares à rede.14No caso de travessias de vias de transporte de tubulações em geral.19Para redes novas. verificando-se os projetos anteriormente elaborados e ainda não executados.8O traçado da rede deve atender a critérios de facilidades no atendimento ao fornecimento de energia às unidades consumidoras. obedecendo-se a simbologia padronizada. 4.7A diretriz da rede não deve sofrer constantes mudanças de direção. 4. onerando o custo do projeto. b) Aeroclubes. e d) Outros não mencionados. o traçado deve ser lançado preferivelmente próximo de cortes e longe de aterros. e o primeiro poste nunca projetado a mais de 40 m da derivação sendo recomendado o uso de uma estrutura de amarração neste poste. sempre que possível devem ser observados ângulos o mais próximo possível de 90º. 4. compatibilizandose o projeto com o planejamento existente. A2.20Nas áreas que já possuem o serviço de energia elétrica deve ser feita uma análise do sistema elétrico disponível. 4. 4. 4. c) Gasodutos. tendências regionais e áreas com características semelhantes que possuam dados de carga.03-00.9Os troncos de alimentador não devem ser projetados em ruas paralelas. f) Dados dos clientes do Grupo A. pois. b) Finalidade.18Os projetos devem ser desenhados utilizando-se os padrões de desenho tipos A1. b) Projeto de reforma de rede. c) Área a ser atendida. o planejamento básico do projeto deve ser feito através da análise das condições locais. integração com a infra-estrutura dos outros serviços públicos e melhor relação custo benefício na execução e manutenção da rede.15 kV 4. e taxa de crescimento conhecida. VR01. mas que a critério do topógrafo e/ou do projetista. observando-se o grau de urbanização das ruas. devendo ser seguido sempre que possível o modelo “Espinha de Peixe”. 4. 4.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador . e) Dados dos transformadores de distribuição. conforme ANEXO IV. 4. c) Projeto de extensão de rede.16O projeto de RDC deve conter os seguintes dados: a) Tipo de projeto. 4.15O projeto de RDC pode ser: a) Projeto de rede nova. Projeto 4. quando existente. 4.10A RDC não deve ser projetada sobre terrenos de terceiros.17O projeto de RDC deve atender a um planejamento básico que permita o desenvolvimento progressivo do mesmo. houver conveniência em serem contornados.

associados à rede sob estudo. rodovias. e capacidade instalada de clientes do Grupo A. etc). a não ser aquelas correspondentes a consumidores especiais. 4.22. 4. devem ser obtidas.29Em projetos de RDC.3Acidentes topográficos e obstáculos relevantes que podem influenciar na escolha do melhor traçado na rede. 4. postos de saúde.22. incluindo condutores. 4.24Em grandes projetos. c) Transformadores (número de fases e potência nominal). colégios. indicação da existência de redes telefônicas e indicação de consumidores ligados em AT. meio-fio e outras benfeitorias.27Em projetos de RDC.03-00. desde que na fase de construção não se comprometam com excesso de desligamentos. cemitérios. com destaque para igrejas. 4. devem também ser levados em consideração os planos diretores governamentais para a área.1Arruamento. deve-se levantar a demanda. g) Geradores particulares. d) Dispositivos de proteção.26No caso de projetos para novas áreas (loteamentos. avenidas. 4. sendo necessário levantar as características de suas cargas. com respectivos ajustes e equipamentos de rede (regulador. e 4. ou carga total na impossibilidade daquela.003 7ª Edição 16/12/2010 9 de 97 .000 e devem conter os seguintes dados: 4. 4. para permitir uma visão conjunta de planejamento. e) Aterramento e estruturas. deve-se levantar a potência e corrente máxima dos transformadores de distribuição.22Os projetos de RDC devem ser elaborados a partir de mapas planimétricos semicadastrais na escala de 1:1. localidades) devem ser obtidos mapas precisos (escala 1:1000).25As plantas na escala 1:5000 devem também estar perfeitamente atualizadas e conter os seguintes dados: 4. assim como definição de calçamento existente. 4. altura e esforço). quando necessário. encaminhando-se os dados para o órgão de planejamento. 4.21Os projetos de reforma devem aproveitar ao máximo a rede existente.28Em projetos de RDC. b) Condutores (tipo e seção).22. praças. os índices de qualidade definidos pelo órgão regulador.23Conforme o tipo e magnitude do projeto. porém sem as fachadas das edificações. VR01. com as respectivas identificações. deve-se identificar os clientes cujas cargas sejam consideradas especiais. projeto e construção.15 kV 4. tais como: a) Posteação (tipo.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .4Detalhes da rede de distribuição existente. com respectivos ajustes e equipamentos de rede. convenientemente referenciados entre si e com o arruamento existente. f) Indicação de linhas de transmissão e redes particulares.1Traçado das ruas. dispositivos de proteção. 4. vias férreas e águas navegáveis ou não. 4. hospitais e indústrias.2Situação física das ruas com indicações das edificações. associados à rede sob estudo. plantas na escala 1:5000. para lançamento da rede primária e localização de transformadores.2Diagrama unifilar da rede primária.25. também.Poste DT . verificando-se também as possibilidades de acréscimo de carga. banco de capacitores.22.25.

62 Entre 0. quando houver medição de demanda. 4. com as características da Tabela 08 do ANEXO III. a demanda pode ser estimada aplicando-se à carga instalada um fator de demanda típico conforme a natureza da atividade. considerando. observando-se sempre coincidências com as demandas das ligações existentes de clientes do Grupo A.34A demanda de novos clientes do Grupo A.003 Potência (MVA) Até 0. Tabela 01 – Potência por seção de condutor Tipo do Circuito Sub-ramais e Ramais Tronco VR01. deve-se utilizar os taps disponíveis nos transformadores de distribuição. previsão de aumento de carga. é determinada pela demanda contratada entre o cliente e a CELPE.0 7ª Edição 16/12/2010 Seção do condutor (mm²) 35 70 185 10 de 97 . ou através de registradores de corrente máxima no ramal de entrada.33Confrontando-se os resultados das medições obtidas no item 4. 4. por um período mínimo de 24 (vinte e quatro) horas. 4. é determinada através da verificação do histórico de leitura do medidor de kWh.41O cabo mensageiro é uma cordoalha de aço zincado. podem ser obtidos fatores de demanda típicos que devem ser utilizados como recurso na determinação de demandas. 4. em função da demanda dos transformadores de distribuição. por estimativa. estimada.35A demanda de edificações de uso coletivo é determinada através da instalação de registradores de corrente máxima no ramal de entrada.32 com as respectivas cargas instaladas. Condutores 4. com as características da Tabela 07 do ANEXO III.62 e 2.0 e 5.39Para garantir o fornecimento em tensão secundária adequada.03-00. 4. em dia de carga típica.32A demanda máxima de ramais de alimentadores é determinada através da instalação de registradores de corrente máxima no início do ramal. ou. em projetos de reforma de rede. 4.37A tensão nominal de distribuição primária em toda área de concessão da CELPE é 13. ainda. se houver.15 kV 4.36As medições registradoras de corrente devem ser efetuadas com a rede operando em sua configuração normal. conforme mostra o fluxograma do ANEXO VI. 4.40A RDC utiliza cabos cobertos em XLPE de alumínio. conforme tabela 01. ainda. observando-se a homogeneidade das áreas atendidas e levando-se em consideração a influência das demandas individuais dos clientes do Grupo A. 4.Poste DT . 4.31A demanda de tronco de alimentador é definida pelo órgão de planejamento. 4.30Os procedimentos para determinação dos valores de demanda em um projeto de RDC são estabelecidos em função de várias situações possíveis de projetos.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .38A tensão de atendimento adequada deve situar-se entre 93% e 105% da tensão primária de distribuição contratada. de acordo com a tabela 21 do ANEXO III.0 Entre 2.8 kV. Tensão 4. sendo analisados os casos em que existam ou não condições de se efetuar medições. clientes novos e existentes. nos projetos de extensão de rede e rede nova.42As seções dos condutores utilizados em RDC devem ser compatíveis com o crescimento de carga. Para clientes existentes. Em ambos os casos. quando existe rede.

b) Ramais ou sub-ramais que suprem transformadores de distribuição e/ou de consumidores. Neste caso. excetuando-se os seguintes casos: a) Ramais ou sub-ramais com extensão até 80 metros. Fase C = marrom. d) Vento máximo = 90 km/h.0 m. VR01.45O cabo com seção 35 mm² é utilizado em ramais de ligação para cargas até 35 A.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador . núcleos habitacionais e loteamentos.55Nos projetos de RDC. o circuito primário urbano é representado pelos troncos e laterais dos alimentadores com seus respectivos ramais e sub-ramais delimitados pelo último transformador de distribuição.5 e 150 kVA. disponíveis no ANEXO II. 4. 4. substituição e perdas. 4.50Para o cálculo de queda de tensão. 112.51Para todos os projetos de RDC. 4.46As tabelas de flechas e trações foram elaboradas considerando-se os seguintes limites: a) Vão máximo: 80 metros. 75. que implica ou não numa disponibilidade de reserva para absorção de carga por ocasião das manobras e situações de emergência. 4. conforme tabela 15 do ANEXO III.03-00.15 kV 4.53O carregamento de alimentadores é obtido através do levantamento de carga.43Os troncos de alimentadores são projetados na seção de 185 mm². e) Temperatura do vento máximo = 15° C. quando for o caso. Fase B = branca. com potência instalada inferior ou igual a 225 kVA. industriais.48As estruturas devem ser dimensionadas com base na tração máxima da tabela de flechas e trações do cabo considerado. deve ser efetuado o Cálculo de Queda de Tensão. 4. ou pequenas derivações sem previsão de crescimento. e é função da configuração do sistema (radial ou radial com recurso).54Devem ser usados estribos para conexão da linha tronco com transformadores e derivações com carga inferior a 100 A. c) Temperatura máxima = 50°C. dentro do horizonte do projeto.49Sempre que houver interligação com descidas subterrâneas as fases devem ser marcadas com fitas isolante nas cores: Fase A = vermelha.44As derivações do circuito tronco são projetadas na seção 70 mm². 4. devendo a ligação deste tipo de carga ser analisada pelo órgão de planejamento da CELPE. 4. 4. com potência instalada igual ou superior a 225 kVA. com flecha máxima de 2. 4. Transformadores 4.Poste DT . Para os alimentadores interligáveis. 4.52Os ramais que atendem unidades consumidoras com cargas comerciais. o carregamento máximo deve ser 70% da capacidade de condução dos mesmos. necessitam de cálculo de queda de tensão.56Os transformadores devem ser dimensionados de tal forma a minimizar os custos anuais de investimento inicial. devem ser utilizados transformadores trifásicos de 45. b) Temperatura mínima = 5° C. 4. devem ser verificadas as capacidades das chaves e equipamentos instalados até a subestação.47Para o tensionamento dos condutores devem ser obedecidas as tabelas de flechas e trações de montagem.003 7ª Edição 16/12/2010 11 de 97 .

4. se a demanda média diurna (fora de ponta) não ultrapassar 32 kVA. pela fórmula: D máx = D o * (1 + i) m = 52 * (1 + 0. onde D o é a demanda inicial considerad a 4. remanejando seus transformadores e seus pontos de seccionamento para otimizar a instalação de novos transformadores. diminuindo sua área de atendimento.64Quando várias áreas necessitarem de melhoramento por questão de demanda. 4. aplica-se diretamente a tabela 02 abaixo. 4. e as mesmas forem limítrofes entre si.003 7ª Edição 16/12/2010 12 de 97 POTÊNCIA NOMINAL (kVA) .Poste DT .5 kVA.5 79 < D < 101 D = 140 D < 105 D = 198 150 105 < D < 135 D = 186 (*) Válido tanto para transformadores trifásicos como monofásicos.58Para o dimensionamento dos transformadores as potências nominais dos mesmos são determinadas em função da demanda máxima definida para área.60Para o dimensionamento de transformador em um projeto de reforma de rede. Caso haja concentração de carga que não permita tal distribuição.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .03) 4 = 58. recomenda-se ao projetista analisar as áreas como uma só.61Considerando a demanda máxima de ponta na Tabela 02. Recomenda-se observar que uma área com três unidades de 45 kVA é melhor que uma unidade de 112.5 kVA.52kVA. desde que não haja grandes concentrações de carga. 4. obtém-se. os transformadores são dimensionados para atender a evolução da carga prevista até o ano 5. neste exemplo toma-se i = 3% ao ano num horizonte “m” de 4 anos. 4.62Em áreas onde não for constatado crescimento. Exemplo de Dimensionamento de Transformador em um Projeto de Reforma de Rede 4.15 kV 4. deve-se então acrescentar transformadores a esta mesma área mantendo o atual.: A demanda máxima é tolerada no período de três horas sem perda de vida útil do transformador. o transformador a ser escolhido é de 45 kVA. Tabela 02 – Dimensionamento de Transformadores DEMANDA MÉDIA DEMANDA MÁXIMA FORA DE PONTA PERMITIDA NA (kVA) PONTA (kVA) D < 11 D = 20 15(*) 11 < D < 14 D = 18 D < 21 D = 40 30(*) 21 < D < 27 D = 37 D < 32 D = 60 45 32 < D < 41 D = 56 D < 53 D = 100 75 53 < D < 68 D = 93 D < 79 D = 150 112.63Quando a demanda de um transformador atingir o máximo permitido de 112. VR01. a ser atendida pelo mesmo e a aplicação da tabela 02. sabendo-se que a demanda máxima nos bornes do transformador é: D máx = D o = 52 kVA Aplicando-se a taxa de crescimento fornecida pelo órgão de planejamento. ficando as chaves fusíveis do lado contrário.59Os transformadores de distribuição devem ser instalados de frente para o sistema viário.57Na falta de maiores informações sobre o crescimento de carga da área. deve se estudar a divisão desta área por dois ou mais transformadores de menor capacidade.03-00. Obs.

43kVA Com esse dado obtemos na Tabela 02 a potência do transformador a ser instalado: 45kVA. então tem-se: Dm = Do * (1 + i)m . após o cálculo do somatório da demanda individual diversificada previamente conhecida: D = D o = 37 kVA Aplicando-se a taxa de crescimento. 4. num horizonte “m” de cinco anos.66.1Para o projeto de rede nova o dimensionamento do transformador deve-se levar em consideração o crescimento vegetativo dos consumidores ao longo do tempo. que leva em consideração a demanda diurna e noturna para determinação da capacidade nominal do transformador. Verificando na Tabela 29 localizamos o fator de diversidade 0. nos casos de projetos em extensão de rede.66.65A escolha das potências nominais dos transformadores. Podemos tomar Como exemplo um loteamento com 90 unidades onde o consumo estimado por consumidor seja aproximadamente 200kWh.68As instalações de transformadores devem atender os seguintes requisitos básicos: a) Ser instalado tanto quanto possível no centro de carga.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .15 kV 4. 4. num horizonte de 5 anos a uma taxa de 5% ao ano: Dmáx = Do * (1 + i )m = 45 * (1 + 0.5. Considerando-se a demanda máxima na ponta a com base na Tabela 02. D5 = 37 * (1 + 0.59kVA. onde m = 5. se a demanda média diurna (fora de ponta) não ultrapassar 32 kVA. perfil de tensão e levando-se também em conta os limites de aquecimento sem prejuízo da sua vida útil.5 * 90 = 45 kVA Para obtermos a demanda máxima.2Para o dimensionamento de transformador em um projeto de rede nova ou extensão de rede. c) Ser instalado de forma que as futuras relocações sejam minimizadas.67O carregamento máximo dos transformadores deve ser fixado em função da impedância interna.Poste DT .1)5 = 59. é feita em função do somatório da demanda individual diversificada e a aplicação da Tabela 02.003 7ª Edição 16/12/2010 13 de 97 . Obtemos a demanda inicial Do a partir da seguinte fórmula: Do = Fdiv * Nº de unidades consumidor as Portanto. 4.05)5 = 57. Exemplo de Dimensionamento de Transformador em um Projeto de Rede Nova e Extensão de Rede 4. b) Ser instalado próximo às cargas concentradas principalmente as que ocasionam flutuação de tensão. Com estes dados observamos na tabela 28 que os consumidores se enquadram na categoria "Alto". o transformador a ser escolhido é de 45 kVA. para este cálculo utilizamos as tabelas 28 e 29 do ANEXO XX para encontrar a demanda inicial (Do).66A seguir 2 exemplos de cálculo para dimensionamento de transformadores em projetos de rede nova: 4. fornecida pelo órgão de planejamento. Do = 0. VR01.03-00. neste exemplo toma-se i = 10% ao ano.

este índice. Fundamentalmente devem ser distinguidos três casos: a) Áreas com edificações compatíveis com sua localização e totalmente construídas. nem sempre coincide com o crescimento médio global da zona típica na qual está inserida.. devem ser locados em plantas os postes necessários para a sustentação da rede de distribuição.70Definidos os centros de carga e determinado o desenvolvimento dos traçados da rede primária. onde além do índice de crescimento devido aos consumidores já existentes. e) Árvores.03-00. avenidas. a ligação das cargas das áreas ainda não atendidas. diretamente a estes locais. guias rebaixadas em postos de gasolina. direcionam os veículos.69Especial atenção deve ser dispensada na determinação da taxa de crescimento. Como exemplo. devem ser previstos os novos consumidores.72Deve-se evitar a implantação de redes no lado de rua com praça pública. levando-se em conta o ritmo de construção observado no local. b) Áreas com edificações compatíveis com sua localização e não totalmente construídas. 4. b) Entradas de garagens. para as cargas da rede secundária. além da evolução da carga nas áreas já atendidas. considerando-se um cruzamento perpendicular entre as ruas. onde normalmente corresponde a uma taxa de crescimento mais elevada. a locação dos postes deve evitar sempre: a) Calçadas estreitas.73O traçado da rede deve seguir pelo lado não arborizado das ruas.74Quando da elaboração de projetos de RDC em regiões arborizadas.15 kV 4.003 7ª Edição 16/12/2010 14 de 97 . marquises e sacadas. Isto porque o índice de crescimento da zona típica leva em consideração. c) Áreas com edificações não compatíveis com suas localizações. b) Sentido Leste / Oeste – a rede é implantada no lado direito da rua. buracos ou irregularidades topográficas acentuadas. para fora do eixo da curva.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador . Figura 03 – Implantação da rede em área arborizada SOL TARDE SOL MANHÃ N O L S POSTE ÁRVORE VR01. 4. pela força centrífuga. por edificação de outro tipo. etc. sendo invariavelmente um valor pequeno. o que eleva a probabilidade de abalroamentos dos postes. 4. aliando a isto as cargas alimentadas nas tensões primárias. tendo-se em vista a tendência de ocupação da área. 4. onde a taxa de crescimento a ser adotada deve corresponder ao crescimento médio de consumo por consumidor. esgotos e redes aéreas ou subterrâneas de outras concessionárias.Poste DT . conforme figura 03. pois. a frente de anúncios luminosos. Neste caso. Locação de postes 4. baseado no ritmo de construção observado na área em estudo. pode-se citar o caso de residências monofamiliares em áreas com tendências para construção de prédios de apartamentos. a demanda futura deve ser estimada com base na carga de ocupação futura. c) Locais onde as curvas das ruas. rotatórias. aplicam-se os seguintes critérios: a) Sentido Norte / Sul – a rede é implantada no lado direito da rua. d) Alinhamento com galerias pluviais.71Para que não surjam problemas de construção.

03-00. 4.003 7ª Edição L 16/12/2010 15 de 97 . sendo projetada com os postes contrapostos. os postes são locados nas calçadas laterais.80A posteação bilateral alternada deve ser usada com largura compreendida de 20 a 25 m. deve-se escolher o lado mais favorável para a implantação da rede. incluindo-se o passeio. acarretando menor número de travessias.Poste DT .81A posteação bilateral frontal deve ser usada quando a largura da rua for superior a 25 m.15 kV 4. os postes devem ser projetados sempre de um mesmo lado (unilateral). Figura 04 – Posteação unilateral P o stea çã o U n ila te ral V ã o B á s ic o L = M á xim o 2 0 m 4.77Quando não houver posteação. Figura 06 – Posteação bilateral frontal Posteação Frontal Vão Básico L L > 25 VR01. observando-se a seqüência da rede existente. tendo representação conforme figura 06. devem ser utilizadas outras tecnologias de rede de distribuição que não permita a interferência com a arborização. Figura 05 – Posteação bilateral alternada Posteação Bilateral Alternada Vão Básico L L = 20 a 25m 4.75Nas avenidas com canteiro central arborizado. na metade do lance da posteação contrária. considerando o que tenha maior número de edificações. 4. aproximadamente.79Ruas com largura superior a 20 m podem ter posteação bilateral alternada ou frontal. conforme figura 05. conforme figura 04.78Em ruas com até 20 m de largura. 4.76Caso as alternativas propostas acima não possam ser implantadas. 4.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .

89A posteação e estruturas da RDC devem ser projetadas e implantadas para atenderem os mesmos valores de afastamentos mínimos adotados para condutores nus.87O projetista deve optar por ruas ou avenidas bem definidas. Figura 07 – Posteação em cruzamentos e esquinas 4. quando do prolongamento da rede.92Recomenda-se.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador . 4.90Os postes utilizados na RDC devem ser de concreto armado duplo T.89.89. para a instalação de equipamentos ou em finais de linha. e 4.88O projeto de RDC deve evitar a proximidade de sacadas janelas e marquises. para redes congestionadas. troncos e estruturas de equipamentos. a utilização de postes com esforço mínimo de 600 daN.86Sempre que a configuração urbana estiver indefinida. ou para atender ao uso mútuo de postes com outras concessionárias. em conformidade com NBR 5434: 4. Afastamentos de Segurança 4.15 kV 4.003 7ª Edição 16/12/2010 16 de 97 .85Não é necessário. 4. 4.Poste DT . 4.03-00.84As extensões devem possuir o mesmo trajeto da rede existente. mesmo respeitados os afastamentos mínimos de segurança. VR01.2Entre condutores de circuitos diferentes conforme a tabela 25 do ANEXO III. o projeto urbano do local para evitar futuros deslocamentos de rede sobre terrenos de terceiros ou ruas de acesso. Postes 4. 4. 4. 4. conforme figura 07. e características nominais indicadas na tabela 19 do ANEXO III. exceto em casos estritamente necessários. podem ser feitos com a implantação de dois ou três postes e de modo conveniente para que sejam mantidos os afastamentos mínimos dos condutores e que não haja cruzamento em terrenos particulares. procurando-se evitar mudanças de direção.89.91Os postes de 12 metros são utilizados em ramais. deve ser providenciado junto aos órgãos de cadastro urbanístico. substituir os postes terminais por outros de menor esforço. 4.83Os cruzamentos e derivações em esquinas. dimensionados de acordo com o esforço resultante a ser absorvido pelo mesmo e das suas resistências mecânicas padronizadas.82Evitar o uso de postes em esquinas de ruas estreitas e sujeitas a trânsito intenso e em esquinas que não permitam manter o alinhamento dos postes.1Entre condutores e o solo conforme a tabela 24 do ANEXO III.3Entre condutores e edificações conforme ANEXO V.

4. e – Engastamento: mínimo de 1. estas são representadas por dois vetores em escala.103Sendo obtidas as trações dos condutores. longos vãos e cabos de seções superiores.1 L + 0 . de modo que suas origens coincidam. do ângulo de rede a que está submetido e do terreno em que os mesmos sejam aplicados. 4. podem ser utilizados postes considerados especiais.101O cálculo mecânico consiste na determinação dos esforços resultantes que são aplicados nos postes e na identificação dos meios necessários para absorver estes esforços. os postes devem ser implantados com o seu lado de maior esforço coincidindo com a força resultante de rede/equipamentos. compartilhamento de postes.98O comprimento do engastamento para qualquer tipo de poste deve ser calculado pela seguinte expressão: e = 0 . o engastamento para poste de distribuição é definido em três tipos básicos: simples. Método geométrico 4.97Nos projetos de RDC.99Em função da aplicação do poste.94Os postes de 1000 daN são projetados em situações pouco comuns.15 kV 4. 4. do ANEXO II. 4. com esforço e com base concretada.102O esforço resultante é obtido através da composição dos esforços dos condutores que atuam no poste em todas as direções.100As trações dos condutores a serem adotadas no cálculo estão indicadas nas tabelas de Flechas e Trações.003 7ª Edição 16/12/2010 17 de 97 . 4.5 m. travessias de vias. 4. circuitos independentes de iluminação pública e travessias aéreas de vias. 4.95Nos casos de arranjos que envolvam derivações da rede primária.96Deve ser projetada fundação especial com manilhas ou concreto. construindo um paralelogramo conforme indicado abaixo: F1 R α F2 R = F1 + F 2 VR01. 4.03-00. onde se exija um poste que seja capaz de grandes ângulos. Cálculo mecânico de esforço de postes 4.20 m do topo do poste e pode ser calculado tanto pelo método geométrico como pelo método analítico. transferidos a 0. quando houver duplicação de circuitos e instalação de seccionalizador. por exemplo. em metros.Poste DT .Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador . quando o material do solo não apresentar resistência mecânica compatível com o esforço nominal do poste. 60 Onde: L – Comprimento nominal do poste.93Os postes de 14 metros devem ser utilizados em condições especiais como.

Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .105O aterramento recomendado é composto de uma haste enterrada verticalmente no solo. b) Em intervalos máximos de 300 m ao longo da rede. VR01.15 kV Onde. F1 e F2 = Tração dos vãos dos condutores. e α = Ângulo formado pelos condutores. quando já tiverem sido empregadas 5 ou mais hastes. etc). efetuando-se as ligações com cabo coberto. a RDC deve ser posicionada em nível superior. além de facilitar a construção e eventual troca de condutores. para melhor escoamento das correntes. religadores.110Nas estruturas de rede primária deve-se usar a haste de terra afastada da base do poste.003 7ª Edição 16/12/2010 18 de 97 . transformadores.03-00. 4. 4. a uma distância nunca inferior a 1. No caso de uma haste não fornecer o valor de resistência de aterramento desejado. Método analítico 4. estrutura CE3. devem ser aterrados. com o valor de resistência de aterramento próximo de zero e nunca superior a 10 (dez) ohms. o cabo mensageiro deve ser aterrado. é recomendável o aterramento do mensageiro em intervalos de 150 m.114Deve-se evitar projetar ângulos compreendidos entre 60º e 90º.3 m. 4. Ângulos reversos significam traçado não otimizado.Poste DT . visando assegurar maior confiabilidade ao projeto mecânico da rede. podem ser usadas várias hastes interligadas em paralelo até chegar ao valor requerido. c) Em regiões de elevado nível ceráunico onde a rede está sujeita a descargas diretas ou induzidas. banco de capacitores. 4.107Todas as carcaças de equipamentos instalados em RDC (chaves seccionadoras tripolares a seco. 4. 4.112As estruturas de ancoragem devem ser projetadas a cada 500 m. observando-se a distância mínima entre circuitos. conforme tabela 20 do ANEXO III.104De posse das trações no poste e do ângulo formado pelos condutores dos circuitos.108O aterramento do mensageiro deve ser interligado com o neutro do sistema. pára-raios. tem-se: R = F 2 1 + F 2 2 + 2 F1⋅ F 2 ⋅ cos α R Para ∴ F1 = F 2 R = 2 F ⋅ sen F2 F1 α β β 2 Aterramento 4.111Devem ser previstos estribos de espera para aterramento temporário em cada trecho de 300 metros de comprimento da rede.106As resistências de aterramento nas estruturas de transformadores só devem ser mantidas no limite de 10 (dez) ohms. 4. estrutura N3S-CE.: R = Tração resultante aplicada no poste. sendo efetuados nas seguintes condições: a) Em todas as estruturas de equipamentos. inclusive o cabo mensageiro. e em todo fim de rede. aterramento dos páraraios e equipamentos. 4.109Em toda transposição. 4.113Nos cruzamentos aéreos com rede convencional nua. seccionalizadores automáticos. para aterramento de equipamentos de proteção e manobras.

conforme Tabela 04.116Em vãos de tangência.118Ao longo do vão devem ser projetados espaçadores em intervalos de 7 a 10 m. Tabela 03 – Estruturas segundo o ângulo de deflexão Condutor (mm) Cabo AL Protegido Estruturas CE2 CE4 6º a 60º 60º a 90º CE1 0º a 6º 2CE3 60º a 120º 4.Poste DT .120A quantidade de espaçadores aplicados em um vão é função de seu comprimento. tantas quantas forem necessárias. à direita e à esquerda do poste.03-00. 4. 4. conforme figura 08.119Para que a seqüência de fases seja mantida nos espaçadores ao longo da rede.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador . já que implicam em estruturas específicas. que oneram o custo do projeto. deve-se manter a fase C sempre do lado do poste. 4. mudança do poste para o outro lado da rua. onde é requerido apenas um espaçador junto ao poste. para manter-se a fase C sempre do lado dos postes.117Em vãos ancorados ou com instalação de equipamentos de manobra. Tabela 04 – Quantidade de espaçadores por vão VÃOS Espaçadores 3 4 5 6 7 8 9 VÃOS Espaçadores 2 3 4 5 6 7 8 Entre CE1 e CE1 Até 22 metros 23 a 32 metros 33 a 42 metros 43 a 52 metros 53 a 62 metros 63 a 72 metros 73 a 82 metros Entre CE1 e CE1A Até 21 metros 22 a 31 metros 32 a 41 metros 42 a 51 metros 52 a 61 metros 62 a 71 metros 72 a 81 metros VR01. etc) devem ser feitas transposições.115Os ângulos de deflexão da RDC devem ser o mínimo indispensável para a boa execução do traçado.15 kV 4. os espaçadores devem ser instalados 1 m à direita e 1 m à esquerda do poste. exceto no caso de utilização do braço antibalanço. obedecidas as condições anteriores. Figura 08 – Montagem do espaçador 4. no caso de necessidade de mudança do traçado da rede (interferência com construção civil. conforme a Tabela 03. Para que isto seja possível. devem ser projetados espaçadores a 12 m aproximadamente.003 7ª Edição 16/12/2010 19 de 97 .

Somente em casos especiais devem ser projetadas no lado da calçada.) Até 23 metros 24 a 33 metros 34 a 43 metros 44 a 53 metros 54 a 63 metros 64 a 73 metros 74 a 83 metros 2 3 4 5 6 7 8 Entre CE1A e qualquer outra estrutura (CE2.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .129O ângulo mínimo entre os eixos da rede de distribuição e o objeto da travessia deve ser conforme tabela 23 do ANEXO III.) Até 22 metros 23 a 32 metros 33 a 42 metros 43 a 52 metros 53 a 62 metros 63 a 72 metros 73 a 82 metros 1 2 3 4 5 6 7 Entre duas estruturas quaisquer (CE2/CE2.03-00. CE3. etc.003 7ª Edição 16/12/2010 20 de 97 . 4. etc.131As estruturas de travessia devem ser de amarração. 4. rodovias e ferrovias. CE2/CE3. CE3. 4.128Não são permitidas emendas dos condutores nos vãos de travessia. equipamentos. CE4. 4.124O vão básico onde houver exclusivamente AT deve ser de 80 m.132As estruturas de travessia devem estar fora da faixa de domínio das rodovias e ferrovias. 4.15 kV VÃOS Espaçadores VÃOS Espaçadores Entre CE1 e qualquer outra estrutura (CE2.123Para cada seqüência consecutiva de estruturas CE1. 4.126São objetos de travessia de uma RDC outras redes de distribuição existentes.Poste DT . a rede de tensão mais elevada deve estar na posição superior.127Os órgãos responsáveis pelo objeto da travessia devem ser consultados. 4. Travessias 4. Onde houver rede secundária. etc. deve ser projetada a estrutura CE1-A nas de ordem par da seqüência.130Em travessias. ainda na fase de projeto. 40 metros.121O braço antibalanço deve ser utilizado a cada 200 m de rede com vãos em tangência ou quando existir estrutura com equipamento de transformação.122Não pode haver lance superior a 500 m sem amarração do cabo mensageiro. 4. e em posição tal que a altura da estrutura tem que ser menor que a distância da estrutura à borda exterior do acostamento ou trilho. 4.) Até 24 metros 25 a 34 metros 35 a 44 metros 45 a 54 metros 55 a 64 metros 65 a 74 metros 75 a 84 metros 1 2 3 4 5 6 7 4. 4. equipamentos.125As redes devem ser projetadas do lado da rua. acima de três. VR01. de modo a evitar que vibrações dos condutores venham a contribuir para a fadiga dos pontos de conexão. CE4.

4. enquanto as chaves de 200 A. b) Após derivações com cargas expressivas. 4. possibilitando limitar a extensão de trechos desenergizados quando da ocorrência de defeitos ou necessidades de manutenção.143Religadores e seccionalizadores são instalados: a) No início de ramais de certa importância que suprem áreas sujeitas a falhas transitórias. 4. por ocasião de manobras. quando o número de chaves fusíveis em série exceder a 3 (três).142As chaves fusíveis padronizadas constam na tabela 18 do ANEXO III. tanto no tronco de alimentadores como em ramais de extensões consideráveis. quando alimentadores se bifurcam. cuja probabilidade elevada de interrupção tenha sido constatada através de dados estatísticos. considerando-se inclusive as manobras usuais.136As chaves para operação com carga devem ser instaladas: a) Pontos de interligação de alimentadores. 4.Poste DT .003 7ª Edição 16/12/2010 21 de 97 . quando de sua operação ou manutenção. a fim de preservar continuidade de serviço.140Os elos fusíveis para transformadores são determinados pela tabela 22 do ANEXO III. com potência instalada superior a 300 kVA. 4. em potência acima de 2 MVA. b) Pontos próximos ao início de concentrações de carga. enquanto os elos de ramais devem ser dimensionados considerando-se a carga do ramal. deve-se usar chave fusível. 4. d) Em substituição à primeira chave fusível (no sentido fonte/carga). localização de defeitos de trechos para serviços de manutenção e construção. sem probabilidade elevada de interrupção constatada através de dados estatísticos. e) Ao longo do tronco do alimentador. independentemente da potência instalada na subestação.138As chaves fusíveis são instaladas em ramais de RDC.03-00.134As chaves para operação sem carga são instaladas: a) Em saídas de alimentadores e nas interligações destes.141As chaves de 100 A são utilizadas em ramais com potência instalada de até 2 MVA e na estrutura de transformador. VR01. c) Em ramais de ligação de unidades consumidoras do Grupo A. deve-se usar seccionalizador. f) Nos pontos de instalação de equipamentos elétricos. seccionalizador ou religador. 4. alternadas com chaves para operação com carga. d) Na derivação de todas as unidades consumidoras com ramal de entrada subterrâneo e que a proteção geral da subestação da unidade seja através de cubículo blindado a gás. Neste caso. para evitar condições de risco de acidentes. c) Em ramais onde haja consumidores protegidos por disjuntor. 4. 4.139O primário de transformadores de distribuição é protegido por chaves fusíveis.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador . não é aconselhável o emprego de chave fusível.133Os equipamentos não devem ser instalados em postes de esquina. para possibilitar que eles sejam desenergizados ou “baipassados”. 4. sem proteção para a falta de fase. c) Pontos da rede onde são previstas manobras para transferência de carga.137Após carga cuja continuidade de serviço precisa ser acentuada.135A capacidade nominal da chave deve ser igual ou maior que a máxima corrente de carga no ponto de instalação. b) No início de cada circuito.15 kV Equipamentos de Proteção e Manobra 4.

4. e) Resumo descritivo das quantidades dos principais itens de materiais a serem empregados (postes. assim como seus elementos descritivos. sendo que o número correspondente deve vir indicado em destaque.15 kV 4.148Para configuração em circuito duplo. g) Potência e tipo de lâmpadas de iluminação pública e de relés de comando. f) Informações complementares a serem fornecidas à ANEEL ou a outros órgãos externos que se façam necessário. no mínimo. c) Todos os desenhos devem ser numerados. 4. ocupação de faixa de domínio e zonas de aproximação.150. b) Localização dos serviços públicos essenciais tais como: hospitais. não deve existir cruzamento de alimentadores já que o condutor não é isolado.1Memorial Descritivo. já que esta é considerada uma condição especial. serviços de terceiros. outras despesas e administração. VR01.146Em áreas com predominância de edificações verticais. de acordo com as normas existentes. serviços próprios. f) Indicação do tipo. c) Fim de linha ou seccionamentos temporários usados como contingência. h) Tipo e capacidade dos transformadores.150. contendo: a) Todos os arruamentos e logradouros. e) Lado fonte dos equipamentos: banco de reguladores de tensão. contendo: d) A locação e numeração de toda posteação. banco de capacitores. poste de 600 daN e 12 metros. i) Dispositivos de seccionamento. 4. contendo: a) Travessias. 4. essenciais à identificação da planta e apresentados na escala 1:1. não devem ser instalados pára-raios em transformadores localizados a menos de 500 metros de outros pára-raios já existentes na rede elétrica. pois devido ao pequeno espaçamento dos condutores. protegido. seccionalizador automático e religador. definida pelo órgão de engenharia. rádio e televisão. túneis. seja aérea ou subterrânea. estações de telefonia. com as seguintes informações: a) Objetivo e necessidade da obra. redes de telecomunicações.150O projeto executivo definitivo deve ser formado por um conjunto de documentos composto de: 4.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador . 4. d) Demonstrativo dos custos estimados da obra com os subtotais dos itens orçamentários de materiais. d) Conjunto de medição.149A instalação de equipamentos de proteção não especificados nesta norma deve ser submetida à aprovação do órgão de proteção. pontes e viadutos.3Desenhos de detalhes complementares do projeto. e j) Ponto de aterramento temporário. estações de tratamento e recalque de esgotos. Havendo necessidade de conexão ao circuito superior. ferrovias e acidentes naturais.145Devem ser instalados pára-raios em transformadores situados em áreas urbanas com predominância de edificações horizontais.Poste DT . equipamentos e condutores). deve haver transposição para o lado oposto da estrutura. altura e carga nominal.003 7ª Edição 16/12/2010 22 de 97 . b) Características técnicas. em formato padronizado pela ABNT. aterramentos e seccionamentos. 4.144Para instalação de religador / seccionalizador deve-se usar sempre.000. c) Número de consumidores ou áreas beneficiadas. com indicação do tipo. Nesse caso.03-00. e sim. e) Indicação das estruturas secundárias.2Plantas e desenhos do projeto. Tal configuração de montagem utiliza poste de 14 metros. etc.150. deve ser realizada por meio de estrutura especial. 4. b) Transição da rede aérea para subterrânea. 4. cruzamentos. os equipamentos devem ser preferencialmente conectados ao circuito inferior. seções e números de condutores secundários e de IP. rodovias.147Instalam-se pára-raios ainda em: a) Entradas de unidades consumidoras de AT.

contendo: a) Especificação das características relativas à proteção contra choques elétricos. Tabela 05 – Estruturas de Rede Compacta Estrutura CE1 CE1−A CE2 CE3 CE3−A 2CE3 CE1−CE3 CE1A-CE3 CE4 VR01. sem chave fusível.152As estruturas padronizadas para utilização em rede primária aérea de distribuição de 13. que permita a aplicação de impedimento de reenergização do circuito. destinados à segurança das pessoas.150.03-00.15 kV b) Especificação de dispositivos de desligamento de circuitos que possuam recursos para impedimento de reenergização. Derivação do lado oposto a rede. Utilizada para amarração de rede com duplo encabeçamento. Utilizada em tangente e para instalação do braço anti-balanço. quando da operação e da realização de serviços de construção e manutenção. sem chave fusível. 7ª Edição 16/12/2010 23 de 97 . Utilizada em ângulos compreendidos entre 6º e 60º. em cabos cobertos de alumínio. definindo como tais indicações devem ser aplicadas fisicamente nos componentes das instalações. Suporte de cabo Figura 21 mensageiro por braço do tipo “L”. e derivação de 60º a 90º. etc. respeitadas as definições de projeto. ligado). desligado e vermelho – “L”. 4.4Relação de materiais.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador . e g) Descrição da compatibilidade dos dispositivos de proteção com a instalação elétrica. de controle.5Itens de segurança. de intertravamento. em tangência. e 4. e) Os circuitos elétricos com finalidades diferentes. 4.003 Utilização Básica Utilizada em tangente e em ângulo máximo de deflexão de 6º. para sinalização de advertência com indicação da condição operativa. Utilizada em fim de rede. queimaduras e outros riscos adicionais. c) Instalação de dispositivo de seccionamento de ação simultânea. incluindo dispositivos de manobra. Utilizada em fim de rede. estão relacionadas na Tabela 05 e desenhadas no ANEXO I. b) Indicação de posição dos dispositivos de manobra dos circuitos elétricos: (verde-“D”.151O projeto elétrico deve atender ao que dispõem as Normas Regulamentadoras de Saúde e Segurança no Trabalho.150. Utilizada para ângulos de 60º a 120º com duplo encabeçamento Desenho Figura 15 Figura 16 Figura 17 Figura 18 Figura 19 Figura 20 Derivação aérea utilizada em tangência ou deflexão de até 6º. constantes do projeto. e) Precauções aplicáveis em face das influências externas. d) Recomendações de restrições e advertências quanto ao acesso de pessoas aos componentes das instalações. dos condutores e os próprios equipamentos e estruturas. quando o simples desenvolvimento planimétrico não for suficiente para definir com precisão. Figura 22 Suporte de cabo mensageiro por braço do tipo “L”. as regulamentações técnicas oficiais estabelecidas. d) Espaço seguro. c) Descrição do sistema de identificação de circuitos elétricos e equipamentos. de proteção. controle e tração elétrica devem ser identificados e instalados separadamente. e ser assinado por profissional legalmente habilitado. tais como comunicação. Recomendada em ângulos compreendidos entre 60º e 90º e/ou Figura 23 quando houver necessidade de ancoragem da rede.Poste DT . f) Outros detalhes que se fizerem necessários por imposição de circunstâncias especiais. salvo quando o desenvolvimento tecnológico permitir compartilhamento.8 kV. 4. quanto ao dimensionamento e a localização de seus componentes e as influências externas. a montagem das estruturas ou a disposição e fixação dos condutores. f) O princípio funcional dos dispositivos de proteção. sinalização.

Derivação de rede convencional para compacta. Suporte de cabo mensageiro por braço do tipo “L”. Utilizada para aterramento do cabo mensageiro.156A representação da transição da rede convencional nua para rede compacta deve ser feita com mudança de seções e da substituição da estrutura. o que for ser retirado. Utilizada para possibilitar o cruzamento do alimentador em mesmo nível quando não for possível ou conveniente a instalação de estrutura no cruzamento. Derivação do lado oposto a rede. etc. 4. em rede compacta com cabo coberto de 15kV. Utilizada para instalação de chave seccionadora tripolar. mapa. como regra geral. operação em carga. Utilizada para instalação de religador de linha em rede compacta com cabo coberto de 15kV. Transição subterrânea de rede compacta. Utilizada para instalação de transformador trifásico de distribuição em fim de linha. É utilizada sempre em conjunto com outras estruturas. esforço e altura do poste e tipo de estrutura antes e depois dos encabeçamentos nos postes da rede.003 7ª Edição 16/12/2010 24 de 97 . etc. VR01. com chave fusível.154Para uma uniformização das convenções a ser utilizada nos projetos.15 kV Estrutura N3S−CE L3S−CE DN−CE CE−DS CE−TS CE−BFC CE1−CE3C CE1−A-CE3C CE−ST CE−FA CE−RL CE −TR CE3−TR CE−CS CE−FT Utilização Básica Transição da estrutura “N3” da rede convencional para rede compacta. Utilizada na instalação de banco fixo de capacitor. Utilizada para instalação de transformador trifásico de distribuição sob rede compacta com cabo coberto de 15kV. conforme Figura 09. com ou sem aproveitamento de material. 4. Utilizada para possibilitar o cruzamento do alimentador em mesmo nível de uma rede convencional com uma compacta quando não for possível ou conveniente a instalação de estrutura no cruzamento. é estabelecida a simbologia apropriada à rede de distribuição apresentada no ANEXO IV. está condicionada entre outros fatores.Poste DT .155A convenção para representação da RDC considera. figuras. espessura das linhas.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador . quantidade dos condutores. deve ser “cortado” com uma cruz e o que for ser reaproveitado. deve ser cortado com dois traços paralelos. a clareza de suas informações. como também os tamanhos das letras. sendo simbolizada com descritivo das seções. a seco. em tangência. Suporte de cabo mensageiro por braço do tipo “L”. Transição da estrutura “L3” da rede convencional para rede compacta. nas potências de 300 a 600kvar. Utilizada para instalação de seccionalizador trifásico em alimentador de rede compacta com cabo coberto de 15kV. Utilizada para sustentação de 3 chaves seccionadoras monopolares em rede compacta com cabo coberto de 15kV. sob rede compacta com cabo coberto de 15kV.03-00. que o material ou estrutura a ser instalado na rede deve ser apresentado no interior de um retângulo.153A fácil interpretação de uma planta. e derivação de 60º a 90º. Arranjos fusível. com chave fusível. 4. Derivação subterrânea com chave mensageiro por braço do tipo “L”. Suporte de cabo Desenho Figura 24 Figura 25 Figura 26 Figura 27 Figura 28 Figura 29 Figura 30 Figura 31 Figura 32 Figura 33 Figura 34 Figura 35 Figura 36 Figura 37 Figura 38 CE-C−FT AR-CE Figura 39 Figura 40 Figura 41 Simbologia 4. Derivação aérea utilizada em tangência ou deflexão de até 6º.

com ou sem aproveitamento de material (dependendo também do estado em que se encontra o mesmo).Poste DT . no caso de aproveitamento de material e com uma cruz para o caso de não aproveitamento de material. 4. esforço e altura do poste e tipo de estrutura antes e depois dos encabeçamentos nos postes de amarração da rede. Os novos condutores devem ser representados dentro de um retângulo.157A representação de extensão de rede compacta deve ser feita com a continuação da fiação e da substituição da estrutura.003 7ª Edição 16/12/2010 25 de 97 .8kV CE3 3#185mm2 Al P -13.158A representação para substituição das estruturas na rede compacta deve ser feita com a apresentação na estrutura existente de dois traços. As novas estruturas devem ser representadas dentro de um retângulo. conforme Figura 11.15 kV Figura 09 – Transição de rede convencional para compacta N3 N3 3#1/0 AWG CAA-13. Figura 11 – Substituição de estruturas VR01.8kV 4.8kV 600/12 600/12 3#1/0 AWG CAA-13. conforme Figura 12. Figura 10 – Extensão de rede compacta 3#185mm 2 Al P -13.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador . quantidade dos condutores.8kV 1000/12 1000/12 4. no caso de aproveitamento de material e com uma cruz no caso de não aproveitamento de material.159A representação para substituição da rede deve ser feita com a apresentação dos condutores da rede existente com dois traços.8kV CE3 CE4 3#185mm 2 Al P -13.03-00. É simbolizada com descritivo das seções.8kV N3S-CE 3#70mm 2 Al P -13. conforme Figura 10.

tipo de equipamento e seus dados elétricos (potência.8kV 2 CE4 3#35mm AL P -13. conforme Figura 13.).Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .8 k V 6 0 0 /1 2 Numeração de postes e Identificação de equipamentos Figura 14 – Numeração de poste VR01.8 k V 6 0 0 /1 2 R CE4 3#35m m 2 C E -C S A L P .1 3 .1 3 .8 k V C E 1 6 0 0 /1 2 3 # 3 5 m m 2 A L P -1 3 .8 k V 6 0 0 /1 2 C E -R L CE1 6 0 0 /1 2 3#35m m 2 A L P .003 7ª Edição 16/12/2010 26 de 97 .1 3 .8 k V 6 0 0 /1 2 CE1 3 # 3 5 m m 2 A L P -1 3 .8 k V C E 4 6 0 0 /1 2 3#35m m 2 A L P -1 3 .15 kV Figura 12 – Substituição da rede 3#70mm 2AL P -13.8 k V CE1 3#35m m 2 A L P -1 3 . tipo de estrutura antes e depois dos encabeçamentos nos postes de amarração da rede. quantidade dos condutores. etc. esforço e altura do poste.8kV 3#35mm AL P -13.160A representação para instalação de equipamentos deve ser feita com a substituição da estrutura existente pela estrutura especificada para o equipamento a ser instalado.8kV 2 CE4 3#35mm 2AL P -13.8 k V CE4 3#70m m 2 A L P .03-00.8kV 300/12 300/12 4. Figura 13 – Instalação de equipamentos C E -F A 3#35m m 2 CE1 A L P .8 k V 6 0 0 /1 2 100A 6 0 0 /1 2 C E -C S CE4 3#70m m 2 A L P -1 3 .1 3 .1 3 . com ou sem aproveitamento de material.8 k V 6 0 0 /1 2 C E -C F CE1 600A 3#35m m 2 A L P . corrente. sendo simbolizada com descritivo das seções.1 3 .Poste DT .8 k V 6 0 0 /1 2 CE1 600A 6 0 0 /1 2 C E -T R 75kV A 3#35m m 2 A L P .8 k V CE1 3 # 3 5 m m 2 A L P -1 3 .8kV 2 3#35mm AL P -13.

REFERÊNCIAS Os equipamentos e as instalações devem atender às exigências da última revisão das normas da ABNT.National Electrical Code. NBR 8451 – Postes de Concreto Armado para Redes de Distribuição de Energia Elétrica .National Electrical Manufacturers Association. NEMA .Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .03-00. cabos mensageiros e usos similares. Urbanas e Rurais de Distribuição de Energia Elétrica – Formatos.Institute of Electrical and Electronics Engineers. Dimensões e Tolerâncias – Padronização.Poste DT .Especificação. NBR 8452 – Postes de Concreto Armado para Redes de Distribuição de Energia Elétrica – Padronização. NBR 5909 – Cordoalhas de fios de aço zincados para estais. NR 10 – Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade. NBR 5422 – Projeto de Linhas Aéreas de Transmissão de Energia Elétrica – Padronização. tirantes.15 kV 5. em especial as listadas a seguir: NBR 11873 – Cabos cobertos com material polimérico para redes aéreas compactas de distribuição em tensões de 13. e resoluções dos órgãos regulamentadores oficiais.International Electrotechnical Commission.5 kV. IEEE .APROVAÇÃO BRUNO DA SILVEIRA LOBO Departamento de Planejamento de Investimentos . inclusive o National electric Safety Code (NESC). 6.American National Standard Institute. NBR ISO 9001 .003 7ª Edição 16/12/2010 27 de 97 . NEC . NBR 8158 – Ferragens Eletrotécnicas para Redes Aéreas.8 kV a 34. NBR 8453 – Cruzeta de Concreto Armado para Redes de Distribuição de Energia Elétrica – Especificação.EPI VR01. Na ausência de normas específicas da ABNT ou em casos de omissão das mesmas. NBR 15688 – Redes de distribuição aérea de energia elétrica com condutores nus. IEC . Urbanas e Rurais de Distribuição de Energia Elétrica – Especificações. NBR 8454 – Cruzeta de Concreto Armado para Redes de Distribuição de Energia Elétrica – Padronização. NBR 8159 – Ferragens Eletrotécnicas para Redes Aéreas. devem ser observados os requisitos das últimas edições das normas e recomendações das seguintes instituições: ANSI .Sistemas de Gestão da Qualidade.

Poste DT .950 CABOS COBERTOS 1 a 2 Metros 1 a 2 Metros COTAS EM MILÍMETROS VR01. ESTRUTURAS PADRONIZADAS FIG.003 7ª Edição 16/12/2010 28 de 97 .Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .03-00.15 kV ANEXO I. 15 – ESTRUTURA CE-1 CABO MENSAGEIRO 200 R-30 F-30 e A-2 2.

pç Qd 02 B 200 Comprimento (mm) Poste Tipo B-1.03-00.01-00.01-00.15 kV ANEXO I.GERAL Código Descrição 3493315 3412030 Arruela quadrada aço 38 F18.121 Código Tabela 17 Descrição Parafuso cab. A-2 R-30 Desenho VR01.061 VR01. 02 01 Variável RELAÇÃO DE MATERIAL .Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador . galv. M-16 Un. Nota 2: As tabelas referenciadas estão disponíveis no ANEXO III.5 250 B-3 300 B-4.FUNÇÃO DO POSTE Ref. VR01. quad.003 7ª Edição 16/12/2010 29 de 97 . pç pç Qde. – RELAÇÃO DE MATERIAIS DA ESTRUTURA CE1 RELAÇÃO DE MATERIAL .5 350 OBSERVAÇÕES Nota 1: Fixação do estribo no braço L. F-30 Desenho VR01.01-00.Poste DT .043 Unid.00 Braço suporte tipo L Ref.

Poste DT . – ESTRUTURAS PADRONIZADAS FIG.650 7 a 10 Metros 7 a 10 Metros COTAS EM MILÍMETROS VR01.15 kV ANEXO I.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador . 16 – ESTRUTURA CE1-A CABO ME NSA GEIRO 200 R-30 300 F-30 e A -2 F-2 A -11 F-30 e A-2 R-31 CABO S COBERTOS 2.003 7ª Edição 16/12/2010 30 de 97 .03-00.

061 VR01. galv.FUNÇÃO DO POSTE Ref.01-00. VR01. cabeça abaulada aço 16 x 45 mm Ref.5 350 OBSERVAÇÕES Nota 1 : Fixação do estribo no braço L. Nota 2: As tabelas referenciadas estão disponíveis no ANEXO III.01-00.01-00.5 250 B-3 300 B-4. A-2 R-30 F-2 A-11 R-31 F-31-1 Desenho VR01.01-00.Poste DT .101 VR01.064 VR01.121 Código Tabela 17 Descrição Paraf.15 kV ANEXO I.043 VR01. pç pç pç pç pç pç Qde. 03 01 01 01 01 01 Variável Condutor Nota 1 RELAÇÃO DE MATERIAL .03-00. – RELAÇÃO DE MATERIAIS DA ESTRUTURA CE1-A RELAÇÃO DE MATERIAL . cab.003 7ª Edição 16/12/2010 31 de 97 . pç Qd 03 Comprimento (mm) Poste Tipo B 200 B-1.GERAL Código Descrição 3493315 3412030 3412015 Tabela 13 3412000 3480270 Arruela quadrada aço 38 F18. F-30 Desenho VR01.00 Braço suporte tipo L Estribo para braço tipo L Espaçador Losangular Braço Antibalanço Paraf.044 VR01.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador . M-16 Un.quad.01-00.01-00.01-00.120 Unid.

450 R-32 CABOS COBERTOS 3 0° X) (MÁ 6 0° ( MÁ X) 6 0° ( MÁ X) M-4 120° (MÍN) ÍN) 3 0° X) ( MÁ COTAS EM MILÍMETROS VR01.15 kV ANEXO I.Poste DT . 17 – ESTRUTURA CE2 F-30 e A-2 F-25 200 A-25 M-1 CABO MENSAGEIRO M-4 500 I-2 F-36-2 F-30-1 e A-2 2.03-00.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .003 7ª Edição 16/12/2010 1 20 ° (M 32 de 97 . – ESTRUTURAS PADRONIZADAS FIG.

quad.5 250 300 B-3 300 350 B-4.01-00.GERAL Código Descrição 3493315 3428085 3421010 3430350 3412020 2312000 3412027 3486040 Arruela quadrada aço 38 F18.121 VR01.119 Unid.01-00. pç pç Qd.00 Pino isolador reto curto aço 15kV Sapatilha cabo 9. M-16 Paraf. 01 02 B 200 250 Comprimento (mm) Poste Tipo B-1.01-00.121 Código Tabela 17 Tabela 17 Descrição Paraf.15 kV ANEXO I.053 VR01.5 mm Alça preformada estai 7.008 VR01.000 daN Ref.5 350 400 B-6 400 400 OBSERVAÇÕES Nota 1: As tabelas referenciadas estão disponíveis no ANEXO III VR01.Poste DT .01-00.133 VR01.01-00. F-30 F-30-1 Desenho VR01.057 VR01.065 VR01. – RELAÇÃO DE MATERIAIS DA ESTRUTURA CE2 RELAÇÃO DE MATERIAL .9 mm Braço C Isolador pino polimérico Anel de amarração elastomérico Olhal parafuso 5. galv. A-2 F-36-2 A-25 M-1 R-32 I-2 M-4 F-25 Desenho VR01.01-00.061 VR01. pç pç pç pç pç pç pç pç Qde. M-16 Un.FUNÇÃO DO POSTE Ref.03-00. galv. 03 03 02 02 01 03 03 01 Variável RELAÇÃO DE MATERIAL . cab.01-00.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .135 VR01.01-00. quad.003 7ª Edição 16/12/2010 33 de 97 . cab.01-00.01-00.

250 DETALHE COTAS EM MILÍMETROS VR01.003 7ª Edição 16/12/2010 700 R-32 34 de 97 . – ESTRUTURAS PADRONIZADAS FIG.03-00.15 kV ANEXO I. 18 – ESTRUTURA CE3 CABO MENSAGEIRO F-25 M-1 A-25 I-6 F-22 DETALHE 250 450 M-10 F-13 F-30-1 e A-3 F-30-2 e A-2 F-25 F-30-2 e A-3 200 C-7 F-17 O-4 F-30 F-30 A-15-6 e A-15-5 2.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .Poste DT .

01 02 B 200 250 Comprimento (mm) Poste Tipo B-1.01-00.135 VR01.01-00.5 350 400 B-6 400 450 OBSERVAÇÕES Nota 1: Usar quantidade suficiente para recompor a isolação.01-00.000 daN Ref.01-00. Nota 2: Utilizada para cobertura protetora externa da fita isolante autofusão.118 VR01.053 VR01. preta 19 mm x 10 m Fita isolante PVC 19.0 mm preta Cantoneira galvanizada 65x65x900 mm Paraf Cab Quad Aço 16X 150mm Olhal parafuso 5.01-00.117 VR01.119 RELAÇÃO DE MATERIAL .104 VR01. quad.060 VR01.5 01 Nota 1 Nota 2 01 03 01 Variável Condutor Opcional Opcional VR01. A-2 F-13 F-23 F-22 A-25 M-1 M-10 R-32 I-6 A-3 F-17 C-7 O-4 A-15-6 A-15-5 F-60 F-30 F-25 Desenho VR01.01-00. quad.01-00.061 VR01.01-00. galv. M-16 Parafuso cab.01-00.01-00.065 VR01. 16 mm x 25/35 mm² Fita isol EPR autof. aço F18.202 VR01.0kV Arruela presilha p/ aterr. galv.GERAL Código Descrição 3493315 3423030 3420110 3420090 3421010 3430350 Tabela 10 3412020 2322005 3454001 3470070 2206000 2414034 2660000 2660001 3414345 3480300 3486040 Arruela quadrada aço 38 F18.121 Código Tab 17 Tab 17 Descrição Parafuso cab.01-00. Nota 3: As tabelas referenciadas estão disponíveis no ANEXO III. 01 03 03 03 01 01 03 01 03 02 01 2.01-00. pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç kg pç m m pç pç pç Qde.000 daN Manilha torcida 90 graus 9. F-30-1 F-30-2 Desenho VR01.15 kV ANEXO I. – RELAÇÃO DE MATERIAIS DA ESTRUTURA CE3 RELAÇÃO DE MATERIAL .01-00. VR01. polimérico 15.076 VR01.500 daN Manilha sapatilha aço 5.9 mm Grampo de ancoragem cunha Braço C Isolador susp.01-00.5 250 300 B-3 300 350 B-4.046 VR01.005 VR01.01-00.01-00.120 VR01.00 Haste terra cobre 16x2400 mm Cabo aço cobreado 2 AWG Conector de ater.Poste DT .03-00.003 7ª Edição 16/12/2010 35 de 97 . pç pç Qd.01-00.121 VR01.000 daN Sapatilha cabo 9.084 Unid.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .044 VR01.00 Gancho olhal galvanizado 5.FUNÇÃO DO POSTE Ref. M-16 Un.01-00.5 mm Alça preformada estai 7.

03-00. 19 – ESTRUTURA CE3-A CABO MENSAGEIRO F-25 M-1 A-25 I-6 F-22 DETALHE 250 450 M-10 F-13 F-30-1 e A-3 F-30-2 e A-2 F-25 F-30-2 e A-3 200 C-7 F-17 O-4 F-30 F-30 A-15-6 e A-15-5 2. – ESTRUTURAS PADRONIZADAS FIG.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .15 kV ANEXO I.Poste DT .003 7ª Edição 16/12/2010 700 R-32 36 de 97 .250 DETALHE COTAS EM MILÍMETROS VR01.

01-00. M-16 Parafuso cab.117 VR01.061 VR01.9 mm Grampo de ancoragem cunha Braço C Isolador suspensão polimérico 15.01-00. pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç m m pç kg pç Quant.0kV Arruela presilha para aterr.000 daN Olhal parafuso 5.104 VR01.046 VR01. quadrada galv.5 250 300 B-3 300 350 B-4.5 01 Variável Condutor Opcional Opcional VR01.003 7ª Edição 16/12/2010 37 de 97 .5 mm Alça preformada estai 7. F-30-1 F-30-2 Desenho VR01.065 VR01.GERAL Código Descrição 3493315 3423030 3420090 3486040 3480300 3421010 3430350 Tabela 10 3412020 2322005 3454001 2660000 2660001 2414034 2206000 3470070 Arruela quadrada aço 38 F18. galv.135 VR01. preta 19 mm x 10 m Fita isolante PVC 19. quad.119 VR01.084 VR01.053 VR01.01-00. galv. A-2 F-13 F-22 F-25 F-30 A-25 M-1 M-10 R-32 I-6 A-3 A-15-6 A-15-5 O-4 C-7 F-17 Desenho VR01.Poste DT .01-00.01-00.005 VR01. Nota 2: Utilizada para cobertura protetora externa da fita isolante autofusão.01-00.5 350 400 B-6 400 450 OBSERVAÇÕES Nota 1: Usar quantidade suficiente para recompor a isolação.01-00.01-00.01-00.FUNÇÃO DO POSTE Ref.03-00.202 RELAÇÃO DE MATERIAL .000 daN Paraf.01-00. pç pç Qd 01 02 B 200 250 Comprimento (mm) Poste Tipo B-1. M-16x150 mm Sapatilha cabo 9.01-00. Nota 3: As tabelas referenciadas estão disponíveis no ANEXO III.060 Unid.01-00. quad. M-16 Un.00 Fita isol EPR autofus.15 kV ANEXO I.121 VR01. VR01.01-00.121 Código Tab 17 Tab 17 Descrição Parafuso cab.000 daN Manilha sapatilha aço 5. aço F18. 16 mm x 25/35 mm² Cabo aço cobreado 2 AWG Haste terra cobre 16x2400 mm Ref.01-00.121 VR01. 01 03 03 04 03 01 01 03 01 03 02 Nota 1 Nota 2 01 2.044 VR01.0 mm preta Conector de ater.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .01-00. cab.01-00.00 Gancho olhal galvanizado 5. – RELAÇÃO DE MATERIAIS DA ESTRUTURA CE3-A RELAÇÃO DE MATERIAL .

Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .Poste DT .A CAPA E O CONECTOR SERÃO UTILIZADOS APENAS QUANDO O CORTE DO CONDUTOR FOR NECESSÁRIO. – ESTRUTURAS PADRONIZADAS FIG.03-00. COTAS EM MILÍMETROS VR01.15 kV ANEXO I.003 7ª Edição 16/12/2010 38 de 97 . 20 – ESTRUTURA 2CE3 F-30-1 e A-2 450 50 200 F-25 A-25 M-1 CABO MENSAGEIRO F-25 I-2 F-23 F-30 e A-2 R-32 O-8 F-13 I-6 F-22 M-10 50 200 CABOS COBERTOS F-25 M-1 M-4 A-25 I-2 F-36-2 F-60 e F-31-1 O-8 R-32 F-31-1 M-4 F-60 M-10 O-11 F-30-1 e A-2 F-31-1 F-31-1 OPCIONAL I-2 F-60 NOTA: 1 .

Norma

Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador - Poste DT - 15 kV

ANEXO I. – RELAÇÃO DE MATERIAIS DA ESTRUTURA 2CE3 RELAÇÃO DE MATERIAL - GERAL Código Descrição
3493315 3423030 3420110 3428085 3421010 3430350 Tabela 10 3412020 Tabela 09 2401006 2322005 2312000 3412027 3420090 3414345 3480270 3486040 Arruela quadrada aço 38 F18,00 Gancho olhal galvanizado 5.000 daN Manilha torcida 90 graus 9.500 daN Pino isolador reto curto aço 15 kV Sapatilha cabo 9,5 mm Alça preformada estai 7,9 mm Grampo de ancoragem cunha Braço C Conector impacto. Al prot. Conector cunha est. branco / vermelho Isolador suspensão polim. 15,0kV Isolador de pino polimérico 15kV Anel de amarração elastomérico Manilha sapatilha aço 5.000 daN Cantoneira galvanizada 65x65x900 mm Parafuso cabeça abaulada aço 16 x 45 mm Olhal parafuso 5.000 daN

Ref.
A-2 F-13 F-23 F-36-2 A-25 M-1 M-10 R-32 O-8 O-11 I-6 I-2 M-4 F-22 F-60 F-31-1 F-25

Desenho
VR01.01-00.061 VR01.01-00.104 VR01.01-00.118 VR01.01-00.133 VR01.01-00.135 VR01.01-00.053 VR01.01-00.044 VR01.01-00.065 VR01.01-00.047 VR01.01-00.047 VR01.01-00.005 VR01.01-00.008 VR01.01-00.057 VR01.01-00.117 VR01.01-00.076 VR01.01-00.120 VR01.01-00.119

Unid.
pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç

Qde.
06 06 06 02 02 02 06 02 03 01 06 02 02 06 02 02 02

Variável

Condutor Condutor

RELAÇÃO DE MATERIAL - FUNÇÃO DO POSTE Ref.
F-30 F-30-1

Desenho
VR01.01-00.121 VR01.01-00.121

Código
Tab 17 Tab 17

Descrição
Paraf. cab. quad. galv. M-16 Paraf. cab. quad. galv. M-16

Un.
pç pç

Qd.
04 02 B 250 200

Comprimento (mm) Poste Tipo
B-1,5 300 200 B-3 350 250 B-4,5 400 250 B-6 450 300

OBSERVAÇÕES
Nota 1: As tabelas referenciadas estão disponíveis no ANEXO III.

VR01.03-00.003

7ª Edição

16/12/2010

39 de 97

Norma

Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador - Poste DT - 15 kV

ANEXO I. – ESTRUTURAS PADRONIZADAS FIG. 21 – ESTRUTURA CE1-CE3

F-30

F-25 A-25

M-1

200 100 100

R-30 I-2 M-4 F-30-1 e A-2 F-31-1 F-36-2 F-25 F-13

CABO MENSAGEIRO I-6

F-22

M-10

2.450

300

R-32 CABO MENSAGEIRO

M-4

O-8 CABOS COBERTOS

CABOS COBERTOS

F-31-1 FONTE

O-11 CARGA

F-31-1 O-8 F-60 F-25 CABO MENSAGEIRO

I-6 F-22 M-10

COTAS EM MILÍMETROS

VR01.03-00.003

7ª Edição

16/12/2010

40 de 97

Norma

Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador - Poste DT - 15 kV

ANEXO I. – RELAÇÃO DE MATERIAIS DA ESTRUTURA CE1-CE3 RELAÇÃO DE MATERIAL - GERAL Código Descrição
3493315 3423030 3420110 3420090 3486040 3428085 3421010 3430350 Tabela 10 3412020 3412030 Tabela 09 2401006 2322005 2312000 3412027 3414345 3480270 Arruela quadrada aço 38 F18,00 Gancho olhal galvanizado 5.000 daN Manilha torcida 90 graus 9.500 daN Manilha sapatilha aço 5.000 daN Olhal parafuso 5.000 daN Pino isolador reto curto aço 15 kV Sapatilha cabo 9,5 mm Alça preformada estai 7,9 mm Grampo de ancoragem cunha Braço C Braço suporte tipo L Conector impacto Al prot. Conector cunha est. branco / verm Isolador suspensão polim. 15,0kV Isol. de pino polimérico rosca 25 mm-15kV Anel de amarração elastomérico Cantoneira galvanizada 65x65x900 mm Parafuso cabeça abaulada aço 16 x 45 mm

Ref.
A-2 F-13 F-23 F-22 F-25 F-36-2 A-25 M-1 M-10 R-32 R-30 O-8 O-11 I-6 I-2 M-4 F-60 F-31-1

Desenho
VR01.01-00.061 VR01.01-00.104 VR01.01-00.118 VR01.01-00.117 VR01.01-00.119 VR01.01-00.133 VR01.01-00.135 VR01.01-00.053 VR01.01-00.044 VR01.01-00.065 VR01.01-00.043 VR01.01-00.047 VR01.01-00.047 VR01.01-00.005 VR01.01-00.008 VR01.01-00.057 VR01.01-00.076 VR01.01-00.120

Unid.
pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç

Qde.
05 03 03 03 01 03 01 01 03 01 01 03 01 03 03 03 01 01

Variável

Condutor

Condutor

RELAÇÃO DE MATERIAL - FUNÇÃO DO POSTE Ref.
F-30 F-30-1

Desenho
VR01.01-00.121 VR01.01-00.121

Código
Tabela 17 Tabela 17

Descrição
Paraf. cab. quad. galv. M-16 Paraf. cab. quad. galv. M-16

Un.
pç pç

Qd.
B 03 02 200 250

Comprimento (mm) Poste Tipo
B1,5 250 300 B-3 300 350 B-4,5 350 400 B-6 400 450

OBSERVAÇÕES
Nota 1: As tabelas referenciadas estão disponíveis no ANEXO III.

VR01.03-00.003

7ª Edição

16/12/2010

41 de 97

– ESTRUTURAS PADRONIZADAS FIG.15 kV ANEXO I.Poste DT .003 7ª Edição 16/12/2010 42 de 97 .Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .03-00.450 I-6 R-32 O-8 FONTE F-60 O-11 CABOS COBERTOS CABO MENSAGEIRO F-31-1 CARGA COTAS EM MILÍMETROS VR01. 22 – ESTRUTURA CE1A-CE3 200 200 M-1 F-25 F-30 e A-2 R-30 CABO MENSAGEIRO O-11 A-25 M-10 F-22 F-13 F-25 F-2 R-31 A-11 O-8 300 F-30-1 e A-2 2.

044 VR01.01-00.01-00.01-00.000 daN Conector cunha est.01-00.GERAL Código Descrição 3493315 3423030 3420110 3420090 Tabela 10 3412020 3412030 Tabela 09 2322005 3412015 Tabela 13 3412000 3414345 3480270 3421010 3430350 3486040 2401006 Arruela quadrada aço 38 F18.121 VR01.076 VR01. F-30 F-30-1 Desenho VR01.FUNÇÃO DO POSTE Ref.117 VR01.119 VR01.118 VR01.500 daN Manilha sapatilha aço 5. Isolador suspensão polimérico 15 kV Estribo para braço tipo L Espaçador Losangular Braço Antibalanço Cantoneira galvanizada 65x65x900 mm Parafuso cabeça abaul.003 7ª Edição 16/12/2010 43 de 97 .01-00.120 VR01.065 VR01. B 02 02 200 250 Comprimento (mm) Poste Tipo B1.005 VR01.01-00.01-00.01-00.01-00. M-16 Paraf cab. pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç Qde 04 03 03 03 03 01 01 03 03 01 01 01 01 01 01 01 01 01 Variável Condutor Condutor condutor RELAÇÃO DE MATERIAL . – RELAÇÃO DE MATERIAIS DA ESTRUTURA CE1-A-CE3 RELAÇÃO DE MATERIAL . galv. M-16 Un pç pç Qd.047 Unid.15 kV ANEXO I.01-00.5 250 300 B-3 300 350 B-4.01-00. quad. VR01.5 mm Alça preformada estai 7.Poste DT .047 VR01.135 VR01.000 daN Manilha torcida 90 graus 9.061 VR01.01-00.01-00.01-00.000 daN Grampo de ancoragem cunha Braço C Braço suporte tipo L Conector impacto Al prot.01-00.00 Gancho olhal galvanizado 5.01-00. Ref.044 VR01.043 VR01.01-00.9 mm Olhal parafuso 5. galv.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .01-00. branco / verm.01-00. aço 16 x 45 mm Sapatilha cabo 9.121 Código Tabela 17 Tabela 17 Descrição Paraf cab.01-00.104 VR01.064 VR01. quad.101 VR01.5 350 400 B-6 400 450 OBSERVAÇÕES Nota 1: As tabelas referenciadas estão disponíveis no ANEXO III.03-00. A-2 F-13 F-23 F-22 M-10 R-32 R-30 O-8 I-6 F-2 A-11 R-31 F-60 F-31-1 A-25 M-1 F-25 O-11 Desenho VR01.053 VR01.

Poste DT .003 7ª Edição 16/12/2010 44 de 97 .15 kV ANEXO I.03-00. – ESTRUTURAS PADRONIZADAS FIG. 23 – ESTRUTURA CE4 F-30-1 e A-2 O-11 200 F-25 I-2 500 F-36-2 M-1 A-25 M-4 OPCIONAL F-30-2 e A-2 R-32 F-22 O-8 F-22 I-6 O-11 F-13 F-30 F-25 M-10 COTAS EM MILÍMETROS VR01.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .

133 VR01.01-00.121 VR01. M-16 Un. M-16x150 mm Ref. cab.01-00. Paraf.01-00.104 VR01.5 250 300 B-3 300 350 B-4. quad.044 VR01. quad.00 Gancho olhal galvanizado 5.01-00. A-2 F-13 F-22 F-25 F-30 F-36-2 A-25 M-1 M-10 R-32 O-8 I-6 I-2 M-4 O-11 F-30 Desenho VR01. cab.061 VR01. galv.9 mm Grampo de ancoragem cunha Braço C Conector impacto Al prot.01-00.121 Unid.008 VR01.01-00. branco / verm.135 VR01. quadrada galv. Isolador suspensão polimérico .FUNÇÃO DO POSTE Ref.01-00.121 Código Tabela 17 Tabela 17 Descrição Paraf.005 VR01. M-16x150 mm Pino isolador reto curto aço 15 kV Sapatilha cabo 9. F-30-1 F-30-2 Desenho VR01.01-00.057 VR01.121 VR01.01-00. – RELAÇÃO DE MATERIAIS DA ESTRUTURA CE4 RELAÇÃO DE MATERIAL .Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador . VR01. pç pç Qd.Poste DT .01-00. B 01 02 200 250 Comprimento (mm) Poste Tipo B1.01-00.15.053 VR01. cab.0 kV Isolador de pino polimérico – 15 kV Anel de amarração elastomérico Conector cunha est.01-00.065 VR01.01-00.003 7ª Edição 16/12/2010 45 de 97 .01-00. quadrada galv.000 daN Olhal parafuso 5. galv.047 VR01.01-00.000 daN Parafuso cab.GERAL Código Descrição 3493315 3423030 3420090 3486040 3480300 3428085 3421010 3430350 Tabela 10 3412020 Tabela 09 2322005 2312000 3412027 2401006 3480300 Arruela quadrada aço 38 F18.01-00. M-16 Paraf.117 VR01.03-00.01-00.047 VR01.5 mm Alça preformada estai 7.5 350 400 B-6 400 450 OBSERVAÇÕES Nota 1: As tabelas referenciadas estão disponíveis no ANEXO III.01-00. pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç Qde 03 06 06 07 03 01 02 02 06 01 03 06 01 01 01 03 Variável Condutor Condutor RELAÇÃO DE MATERIAL .15 kV ANEXO I.119 VR01.000 daN Manilha sapatilha aço 5.

Poste DT .003 7ª Edição 16/12/2010 46 de 97 .03-00. 24 – ESTRUTURA N3S-CE DETALHE O-8-1.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador . – ESTRUTURAS PADRONIZADAS FIG. A-15-5 A-15-6 200 200 I-2 F-30 e A-3 A-25 M-1 CABO MENSAGEIRO F-13 I-6 F-22 M-10 F-36-1 C-7 F-30 e A-2 F-17 O-4 CONDUTORES NUS CABOS COBERTOS F-30 e A-2 350 M-4 F-25 DETALHE 350 COTAS EM MILÍMETROS VR01.15 kV ANEXO I.

01-00.00 Gancho olhal galvanizado 5.01-00.01-00. galv.084 VR01.104 VR01.121 VR01. pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç kg m m Qde.03-00.GERAL Código Descrição 3493315 3423030 3420090 3486040 3480300 3421010 3430350 Tabela 10 Tabela 11 2322005 3428220 2312000 3412027 3454001 2414034 3470070 2206000 2660000 2660001 Arruela quadrada aço 38 F18. cab.01-00.057 VR01.FUNÇÃO DO POSTE Ref.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador . cab.005 VR01.01-00. M-16x150 mm Sapatilha cabo 9. A-2 F-13 F-22 F-25 F-30 A-25 M-1 M-10 O-8-1 I-6 F-36 I-2 M-4 A-3 O-4 F-17 C-7 A-15-6 A-15-5 Desenho VR01.135 VR01.01-00.01-00. M-16 Un. quadrada galv.121 VR01.000 daN Manilha sapatilha aço 5.117 VR01.01-00.01-00. F-30-1 F-30-2 Desenho VR01. pç pç Qd.01-00.5 300 550 B-6 350 600 OBSERVAÇÕES Nota 1: Usar quantidade suficiente para recompor a isolação.5 250 450 B-3 300 500 B-4.01-00.15 kV ANEXO I.01-00. cab.202 VR01.061 VR01.01-00.0 mm preta.047 VR01.01-00.01-00.01-00.044 VR01.00 Conector de ater.0 kV Pino galvanizado 294x16 mm isolador 15 kV Isolador de pino polimérico – 15 kV Anel de amarração elastomérico Arruela presilha para aterramento aço F18.060 VR01. 16 mmx25/35 mm² Haste terra cobre 16x2400 mm Cabo aço cobreado 2 AWG Fita isol EPR autofusão preta 19 mm x 10 m Fita isolante PVC 19.008 VR01.000 daN Olhal parafuso 5. Nota 3: As tabelas referenciadas estão disponíveis no ANEXO III.01-00.5 mm Alça preformada estai 7.131 VR01.9 mm Grampo de ancoragem cunha Conector derivação tipo cunha Isolador suspensão polimérico 15.01-00.Poste DT . 01 01 B 200 400 Comprimento (mm) Poste Tipo B-1.000 daN Paraf. Nota 2: Utilizada para cobertura protetora externa da fita isolante autofusão. VR01. galv.121 Código Tabela 17 Tabela 17 Descrição Paraf. quad.053 VR01.046 Ud.5 Nota1 Nota2 Variável Projeto Projeto Projeto Condutor Condutor Projeto Opcional Opcional RELAÇÃO DE MATERIAL . quad.003 7ª Edição 16/12/2010 47 de 97 . 02 03 03 04 03 01 01 03 03 03 01 01 01 01 01 01 2. Ref. M-16 Paraf.119 VR01.01-00. – RELAÇÃO DE MATERIAIS DA ESTRUTURA N3S-CE RELAÇÃO DE MATERIAL .

9mm M-1 e A-25 F-25 200 COTAS EM MILÍMETROS VR01. A-15-5 A-15-6 A-3 A CABOS COBERTOS M-1 e F-25 A-25 A CABOS COBERTOS O-4 C-7 CONDUTORES NUS F-30-3 e A-3 F-17 F-30 e A-2 I-6 F-22 M-10 M-1 e A-25 O-8-1.03-00. 25– ESTRUTURA L3S-CE F-36-1 R-1-3 VISTA "AA" 400 I-2 M-4 300 200 F-30-1 e A-2 DETALHE F-30-2 F-25 DETALHE O-8-1. – ESTRUTURAS PADRONIZADAS FIG.15 kV ANEXO I.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador . A-15-6 A-15-5 F-13 CORDOALHA DE AÇO Ø 7.003 7ª Edição 16/12/2010 48 de 97 .Poste DT .

Cab.01-00.104 VR01.01-00.01-00.000 daN Parafuso cab.5 450 300 550 B-6 500 300 600 OBSERVAÇÕES Nota 1: Usar quantidade suficiente para recompor a isolação.131 VR01.5 mm Alça preformada estai 7. M-16 Un. A-2 F-13 F-22 F-25 F-30 A-25 M-1 M-10 0-8-1 I-6 F-36-1 I-2 M-4 A-3 O-4 F-17 C-7 A-15-6 A-15-5 R-1-3 F-30 Desenho VR01.01-00.01-00.046 Ud.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .008 VR01. M-16 Paraf. Quad. M-16x150 mm Sapatilha cabo 9.01-00. pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç kg m m pç pç Qde.044 VR01.091 VR01. Galv.5 Nota 1 Nota 1 01 03 Variável Projeto Projeto Projeto Condutor Condutor Projeto Opcional Opcional VR01.5 350 200 450 B-3 400 250 500 B-4.084 VR01.01-00.003 7ª Edição 16/12/2010 49 de 97 .01-00.00 Gancho olhal galvanizado 5000 daN Manilha sapatilha aço 5. Nota 3: As tabelas referenciadas estão disponíveis no ANEXO III.121 VR01.119 VR01.01-00.01-00. 07 03 03 06 03 04 04 03 03 03 03 03 03 01 01 01 2.01-00. Nota 2: Utilizada para cobertura protetora externa da fita isolante autofusão.01-00.01-00. M-16 Paraf.Poste DT .121 RELAÇÃO DE MATERIAL .053 VR01.025 mm Parafuso Cab Quad Aço 16X 200 Ref.15 kV ANEXO I.01-00.005 VR01. 16x25/35 mm² Haste terra cobre 16x2400 mm Cabo aço cobreado 2 AWG Fita isol EPR autofusão preta 19 mm x 10 mm Fita isolante preta comum (Nota 2) Cruzeta de concreto armado tipo L-1.047 VR01. VR01.01-00. Galv. Quad.01-00.FUNÇÃO DO POSTE Ref.9 mm Grampo de ancoragem cunha Conector derivação tipo cunha Isolador suspensão polimérico 15kV Pino galvanizado 294x16 mm isolador 15 kV Isolador de pino polimérico rosca 25 mm-15 kV Anel de amarração elastomérico Arruela presilha para aterramento aço F18. F-30-1 F-30-2 F-30-3 Desenho VR01. Quadrada galv.01-00.01-00.01-00.060 VR01.057 VR01. 02 01 01 B 300 200 400 Comprimento (mm) Poste Tipo B-1.061 VR01.135 VR01. Cab.01-00. Galv. Quad.202 VR01.00 Conector de ater.121 VR01.121 VR01.01-00. – RELAÇÃO DE MATERIAIS DA ESTRUTURA L3S-CE RELAÇÃO DE MATERIAL – GERAL Código Descrição 3493315 3423030 3420090 3486040 3480300 3421010 3430350 Tabela 10 Tabela 11 2322005 3428220 2312000 3412027 3454001 2414034 3470070 2206000 2660000 2660001 3310010 3480305 Arruela quadrada aço 38 F18. pç pç pç Qd.121 Código Tabela 17 Tabela 17 Tabela 17 Descrição Paraf. Cab.000 daN Olhal parafuso 5.01-00.117 VR01.03-00.

N3. L1. L2. 26– ESTRUTURA DN-CE CABO MENSAGEIRO O-8-1.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .03-00. COTAS EM MILÍMETROS VR01.Poste DT . A-15-5 A-15-6 200 200 DETALHE F-30-2 e A-3 A-25 M-1 I-6 450 F-13 F-22 M-10 400 R-1-1 E-12 F-30-1 e A-2 E-12 C-7 F-17 O-4 CABOS COBERTOS FONTE F-25 F-30 e A-2 F-30-1 e A-2 DETALHE CARGA NOTA: CONDUTORES NUS 1 . L3 E L4.003 7ª Edição 16/12/2010 50 de 97 . N4. – ESTRUTURAS PADRONIZADAS FIG.ESTA ESTRUTURA DE DERIVAÇÃO DE REDE CONVENCIONAL PARA COMPACTA É VÁLIDA PARA AS ESTRUTURAS CONVENCIONAIS N1.15 kV ANEXO I. N2.

– RELAÇÃO DE MATERIAIS DA ESTRUTURA DN-CE RELAÇÃO DE MATERIAL – GERAL Código Descrição 3493315 3423030 3420090 3486040 3421010 3430350 Tabela 10 Tabela 11 2322005 3454001 2414034 3470070 2206000 2660000 2660001 3310021 3480300 Tabela 18 Arruela quadrada aço 38 F18.01-00. M-16 x 150 mm Chave fus. quad. Nota 4: As tabelas referenciadas estão disponíveis no ANEXO III.00 Conector de ater.084 VR01.01-00.061 VR01.044 VR01.135 VR01.01-00.119 VR01.5 350 450 B-6 400 500 OBSERVAÇÕES Nota 1: Usar quantidade suficiente para recompor a isolação.15 kV ANEXO I. 07 03 03 04 01 01 03 03 03 01 01 01 2.093 VR01.046 Unid.117 VR01.01-00. Nota 5 RELAÇÃO DE MATERIAL .01-00.5 250 350 B-3 300 400 B-4. Nota 5: Seção compatível com o condutor do ramal. galv.000 daN Sapatilha cabo 9.0 kV Arruela presilha para aterramento aço F18. Nota 3: A chave fusível deve ser definida de acordo com o critério de projeto.060 VR01.5 Nota 1 Nota 1 01 02 03 3. M-16 Un.0 Variável Projeto Projeto Projeto Condutor Condutor Projeto Opcional Opcional VR01.5 mm Alça preformada estai 7.202 VR01. A-2 F-13 F-22 F-25 A-25 M-1 M-10 O-8-1 I-6 A-3 O-4 F-17 C-7 A-15-6 A-15-5 R-1-1 F-30 E-12 C-11 Desenho VR01. M-16 Paraf.Poste DT . VR01.01-00. galv.01-00.01-00.01-00.121 Código Tabela 17 Tabela 17 Descrição Paraf.01-00. pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç kg m m pç pç pç m Qde.121 VR01.01-00.01-00. cab. 15kV–100/200A–base tipo C–10 kA Cabo Pot Cu isolado 1 kV XLPE Ref.005 VR01.01-00.03-00. quadrada galv. quad. 16 mmx25/35 mm² Haste terra cobre 16x2400 mm Cabo aço cobreado 2 AWG Fita isol EPR autofusão preta 19 mm x 10 mm Fita isolante preta comum (Nota 2) Cruzeta de concreto armado “T” 1900 mm Parafuso cab. F-30-2 F-30-1 Desenho VR01.01-00.000 daN Olhal parafuso 5. pç pç Qd 01 02 B 200 300 Comprimento (mm) Poste Tipo B-1. Nota 2: Utilizada para cobertura protetora externa da fita isolante autofusão.01-00.01-00.003 7ª Edição 16/12/2010 51 de 97 .00 Gancho olhal galvanizado 5000 daN Manilha sapatilha aço 5.047 VR01.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .071 Porta Fus. cab.01-00.FUNÇÃO DO POSTE Ref.01-00.121 VR01.01-00.104 VR01.053 VR01.016 VR01.9 mm Grampo de ancoragem cunha Conector derivação tipo cunha Isolador suspensão polimérico 15.

15 kV ANEXO I. E-12 2 .A CRUZETA DEVERÁ TER DIMENSÃO MÍNIMA DE 1. 27– ESTRUTURA CE-DS DETALHE 200 200 R-30 F-30 e A-2 I-2 F-30 e A-3 O-8 300 F-30-1 e A-2 F-30-1 e A-3 C-11 A-22 M-4 I-2 E-29 R-1-1 E-29 E-12 700 C-7 O-6 A-15-6 e A-15-5 700 F-36-1 C-11 F-30-2 e A-2 F-36-2 R-32 1 O-36 O-36 2 C-7 F-17 O-4 DETALHE NOTA: E-29 M-4 1 .O ELETRODUTO DEVERÁ TER EXPESSURA DE GALVANIZAÇÃO MÍNIMA DE 80 MICRA. COTAS EM MILÍMETROS VR01.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .Poste DT .03-00. – ESTRUTURAS PADRONIZADAS FIG.003 7ª Edição 16/12/2010 52 de 97 .200 mm.

01-00. pç pç pç Qd. M-16 Paraf.060 VR01.046 VR01.01-00.008 VR01.01-00. F-36-1 F-36-2 I-2 M-4 A-2 R-32 R-1-1 O-8 F-17 O-4 C-7 E-29 E-12 R-30 A-3 O-6 C-11 A-15-6 A-15-5 O-36 Desenho VR01.121 VR01.01-00.01-00.5 350 350 450 B-6 350 400 500 OBSERVAÇÕES Nota 1: Usar quantidade suficiente para recompor a isolação.061 VR01.202 VR01.5 250 250 350 B-3 300 300 400 B-4. F-30 F-30-1 F-30-2 Desenho VR01. Nota 4: Seção compatível com o condutor da rede ou ramal.01-00. quad.01-00.01-00. quad. quad. cab.01-00. 15kV–100/200 A–base tipo C–10 kA Braço suporte tipo L Arruela presilha para aterramento aço F18. galv. galv.093 VR01.FUNÇÃO DO POSTE Ref.01-00.047 VR01.00 Braço C Cruzeta de concreto armado “T” 1900 mm Conector cunha impact Al prot.047 VR01. cab. 03 03 06 06 06 01 01 03 01 01 2.057 VR01.121 Código Tabela 17 Tabela 17 Tabela 17 Descrição Paraf.01-00.069 Unid pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç kg pç pç pç pç pç m m m pç Qde.Poste DT .131 VR01.01-00.065 VR01. cab.01-00. – RELAÇÃO DE MATERIAIS DA ESTRUTURA CE-DS RELAÇÃO DE MATERIAL – GERAL Código Descrição 3428220 3428085 2312000 3412027 3493315 3412020 3310021 Tabela 09 3470070 2414034 2206000 0400025 Tabela 18 3412030 3454001 2401000 Tabela 7 2660000 2660001 Tabela 26 Pino galvanizado 294 x 16 mm isolador 15 kV Pino isolador reto curto aço 15 KV Isolador de pino polimérico rosca 25 mm-15 kV Anel de amarração elastomérico Arruela quadrada aço 38 F18. galv. 16 mm x 25/35 mm² Cabo aço cobreado 2 AWG Pára-raio RD 12 kV 10 kA Chave fus. M-16 Un.016 VR01.01-00.01-00.022 VR01.084 VR01.01-00.00 Conector cunha est cinza Cabo Coberto XLPE Al 15.121 VR01.01-00.003 7ª Edição 16/12/2010 53 de 97 .01-00. Nota 3: As tabelas referenciadas estão disponíveis no ANEXO III.043 VR01.0kV Fita isol EPR autofusão preta 19 mm x 10 m Fita isolante preta comum (Nota 2) Terminal termo-contrátil uso externo Ref.01-00.01-00. Nota 2: Utilizada para cobertura protetora externa da fita isolante autofusão. M-16 Paraf.133 VR01.5 03 03 01 02 01 3.01-00. VR01.15 kV ANEXO I.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .03-00.143 RELAÇÃO DE MATERIAL . Haste terra cobre 16x2400 mm Conector de ater. 02 02 02 B 200 250 300 Comprimento (mm) Poste Tipo B-1.0 Nota 1 Nota 1 03 Variável Condutor Nota 4 Opcional Opcional VR01.

O-4 A-40-2 E-14 E-29 M-4 F-17 1. 28– ESTRUTURA CE-TS 200 DETALHE F-30 e A-3 A-25 CABO MENSAGEIRO M-1 F-13 I-6 F-22 O-8 F-36-1 R-1-2 C-7 500 F-30-1 e A-3 E-29 F-30-1 e A-2 O-6 700 A-15-6 e A-15-5 R-32 A-22 I-2 F-23 I-2 F-30-2 e A-2 R-1-1 E-14 C-11 O-40 O-36 C-6-2 1 A-40-4 M-7 A-40 M-12 C-7 A-40-4 CAIXA DE INSPEÇÃO (800x800x1.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .Poste DT .A CRUZETA DEVERÁ TER DIMENSÃO MÍNIMA DE 1.003 7ª Edição 16/12/2010 54 de 97 .03-00. – ESTRUTURAS PADRONIZADAS FIG.000) EM ALVENARIA.15 kV ANEXO I. COTAS EM MILÍMETROS VR01.300 DETALHE F-60 F-31-1 NOTA: 1 .200mm.

cab.01-00.9 mm Gancho olhal galvanizado 5000 daN Manilha torcida 90 graus 9.Poste DT . – RELAÇÃO DE MATERIAIS DA ESTRUTURA CE-TS RELAÇÃO DE MATERIAL .121 Código Tabela 17 Tabela 17 Tabela 17 Descrição Paraf.500 daN Manilha sapatilha aço 5.057 VR01.098 VR01. Nota 3: Seção compatível com o condutor da rede ou ramal.01-00.117 VR01.200 mm Haste terra cobre 16x2400 mm Conector de ater. cab.060 VR01.01-00. quad.01-00. M-16 Un. 06 06 06 05 01 01 02 01 01 2. pç pç pç Qd.121 VR01.01-00.GERAL Código Descrição 3428220 2312000 3412027 3493315 3412020 3310021 3310014 3470070 2414034 2206000 0400025 3454001 2401000 Tabela 09 3421010 3430350 3423030 3420110 3420090 2322005 Tabela 10 0500013 Tabela 26 3460025 3464370 5040025 5040005 3464120 Tabela 7 Tabela 27 3464535 3486040 3414345 3419218 3480270 Tabela 30 Pino galvanizado 294 x 16 mm isolador 15 kV Isolador pino polimérico rosca 25 mm-15 kV Anel de amarração elastomérico Arruela quadrada aço 38 F18.119 VR01. 630 A Terminal termo-contrátil 15 kV uso externo Eletroduto Fe galv.000 daN Isolador suspensão polimérico 15 kV Grampo de ancoragem cunha Chave seccionadora monopolar 15 kV.01-00. F-36-1 I-2 M-4 A-2 R-32 R-1-1 R-1-2 F-17 O-4 C-7 E-29 A-3 O-6 O-8 A-25 M-1 F-13 F-23 F-22 I-6 M-10 E-14 O-36 A-40 A-40-2 M-7 M-12 A-40-4 C-11 C-6-2 A-40-3 F-25 F-60 A-34 F-31-1 0-40 Desenho VR01.01-00.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .01-00. galv.202 VR01.01-00.096 VR01.000 daN Cantoneira galvanizada 65x65x900 mm Suporte inclinado seccionadora faca Parafuso cabeça abaulada aço 16 x 45 mm Conector Auto-travante Ref.022 VR01.121 VR01. quad.01-00.008 VR01.046 VR01.5 250 300 350 B-3 300 350 400 B-4.01-00. aço 90º 100 mm Fita aço inoxidável 0.003 7ª Edição 16/12/2010 55 de 97 . M-16 Paraf.093 VR01.118 VR01.120 VR01.061 VR01.01-00.00 Braço C Cruzeta de concreto armado “T” 1.084 VR01.01-00. vara 3 m Curva elet.115 VR01. Sapatilha cabo 9.50 x 19.01-00.5 350 400 450 B-6 400 400 500 OBSERVAÇÕES Nota 1: A quantidade de cabo é definida pelo comprimento da travessia subterrânea.01-00.900 mm Cruzeta tipo “T” 1. VR01.105 VR01.5 mm Alça preformada estai 7.01-00.01-00.069 VR01.01-00.103 VR01.076 VR01.143 VR01. galv. M-16 Paraf.01-00.01-00.047 Ud pç pç pç pç pç pç pç pç pç kg pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç m pç pç m m pç pç pç pç pç pç Qde.204 VR01.044 VR01.01-00.01-00.01-00.01-00. Cobre isolado dupla camada 20 kV Luva eletroduto aço ∅100 mm Olhal parafuso 5. a seção do cabo é determinada pelo projeto.01-00.0 nota 1 01 01 01 03 01 06 Variável Condutor Condutor Nota 3 Condutor RELAÇÃO DE MATERIAL .138 VR01. B 01 02 04 200 250 300 Comprimento (mm) Poste Tipo B1. Nota 2: As tabelas referenciadas estão disponíveis no ANEXO III. cab.01-00. galv.01-00. quad.01-00.01-00. 16 mm x 25/35 mm² Cabo aço cobreado 2 AWG Pára-raio RD 12 kV 10 kA Arruela presilha para aterramento aço F18.01-00.01-00.053 VR01.01-00.01-00. F-30 F-30-1 F-30-2 Desenho VR01.065 VR01.01-00.005 VR01.01-00.072 VR01.047 VR01.00 Conector cunha est cinza Conector impacto Al prot.15 kV ANEXO I.047 VR01.01-00.104 VR01.5 03 02 02 03 01 01 03 03 03 03 03 03 03 01 01 02 02 01 3.01-00.01-00.01-00. 100 mm pesado.00 mm Grampo aço fita ¾” Bucha eletroduto AL ∅100 mm Cabo Coberto XLPE Al 15.094 VR01.03-00.131 VR01.135 VR01.0kV Cabo pot.045 VR01.FUNÇÃO DO POSTE Ref.

Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .003 7ª Edição 16/12/2010 56 de 97 . 29– ESTRUTURA CE-BFC DETALHE A-25 200 F-30-1 e A-3 M-1 CABO MENSAGEIRO F-60 e F-31-1 F-25 500 E-29 A-3 C-7 F-30-2 e A-2 1.15 kV ANEXO I.03-00.450 O-6 R-32 O-8 F-23 F-13 I-6 F-22 M-10 A-22 I-2 F-36-1 R-1-1 1 A-15-6 e A-15-5 F-34-1 e A-2-2 F-34-1 e A-2-2 C-7-1 F-60-1 E-85 F-30-3 e A-2 R-1-2 F-30 e A-2 A-35 C-7 O-4 DETALHE F-17 M-4 DIAGRAMA UNIFILAR NOTA: 1 .Poste DT . – ESTRUTURAS PADRONIZADAS FIG.O CABO DA LINHA DEVE SER DO TIPO "COBERTO" E DEVE TERMINAR NOS CAPACITORES. COTAS EM MILÍMETROS VR01.

cab.000 daN Fita isol EPR autofusão preta 19 mm x 10 mm Fita isolante preta comum (Nota 2) Cantoneira galvanizada 65x65x900 mm Parafuso cabeça abaulada aço 16 x 45 mm Ref.5 350 500 600 B-6 400 550 650 OBSERVAÇÕES Nota 1: Usar quantidade suficiente para recompor a isolação.047 VR01.200 mm p/banco capacitor Capacitor pot.GERAL Descrição Cruzeta de concreto armado tipo “T” 1900 mm Cruzeta de conc.01-00. galv.104 VR01. – RELAÇÃO DE MATERIAIS DA ESTRUTURA CE-BFC RELAÇÃO DE MATERIAL .119 Código 3310021 3310010 2312000 3414029 0600045 0400025 3493235 3493315 3428220 3480520 3480310 2461009 2414034 3470070 2206000 2203016 3423030 3420110 3420090 3421010 3430350 3422049 3412020 2322005 2401000 3412027 3454001 3486040 2660000 2660001 3414345 3480270 Unid.15 kV ANEXO I.01-00.01-00.01-00. Nota 2: Utilizada para cobertura protetora externa da fita isolante autofusão. galv.01-00. cab.076 VR01.060 VR01. cab.121 VR01.061 VR01. R-1-1 R-1-2 I-2 F-60-1 E-85 A-35 E-29 A-2-2 A-2 F-36-1 F-34-1 F-30 O-8 O-4 F-17 C-7 C-7-1 F-13 F-23 F-22 A-25 M-1 M-10 R-32 I-6 O-6 M-4 A-3 F-25 A-15-6 A-15-5 F-60 F-31-1 Desenho VR01.01-00.5 2. M-16 Un.00 Olhal parafuso 5. quad.01-00.9 mm Grampo de ancoragem cunha cb Al 35 mm² Braço C Isolador suspensão polimérico 15 kV Conector cunha est.117 VR01.000 daN Sapatilha cabo 9.00 Arruela quadrada aço 38 F18.Poste DT .5 mm Alça preformada estai 7.121 VR01.120 RELAÇÃO DE MATERIAL . galv.131 VR01. quad.01-00.500 daN Manilha sapatilha galvanizada 5.019 VR01.01-00. F-30-1 F-30-2 F-30-3 Desenho VR01.5 250 400 500 B-3 300 450 550 B-4.202 VR01.01-00. 01 02 03 02 03/06 02 03 06/12 09 03 06/12 04 03 01 01 2.01-00.047 VR01.01-00.01-00.121 Código Tabela 17 Tabela 17 Tabela 17 Descrição Paraf.01-00.FUNÇÃO DO POSTE Ref. pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç kg kg pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç m m pç pç Qde.01-00. aço 16 x 250 mm Conector impact AL coberto 35/35 mm² Conector de ater. M-16 Paraf.005 VR01.084 VR01. pç pç pç Qd 01 02 02 B 200 350 450 Comprimento (mm) Poste Tipo B-1.01-00.093 VR01.121 VR01.01-00. Quad.061 VR01.01-00.00 Pino galvanizado 294 x 16 mm isolador 15 kV Parafuso cabeça sextavada 10 x 25 mm Parafuso cab.01-00.01-00. M-16 Paraf.135 VR01.5 03 03 03 01 01 03 01 03 02 03 02 01 Nota 1 Nota 1 01 01 Variável Projeto Projeto Condutor Opcional Opcional VR01.077 VR01.01-00.01-00.01-00.035 VR01. monof. quad.044 VR01.053 VR01.01-00. 16 mm x 25/35 mm² Haste terra cobre 16 x 2400 mm Cabo aço cobreado 2 AWG Cabo nu cobre 35.091 VR01.01-00.01-00. Nota 3: As tabelas referenciadas estão disponíveis no ANEXO III. VR01.01-00. Cinza Anel de amarração elastomérico Arruela presilha aterramento aço F18.000 daN Manilha torcida 90 graus 9.057 VR01.123 VR01.01-00.065 VR01.03-00. armado tipo CDL-1025 mm Isolador pino polimérico rosca 25 mm-15 kV Cantoneira L de 1.01-00.003 7ª Edição 16/12/2010 57 de 97 .01-00.022 VR01.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .008 VR01.118 VR01.0 mm² Gancho olhal galvanizado 5.046 VR01.01-00.01-00.01-00. 100 kvar 8660 V Suporte para fixação de banco de capacitor Pára-raio RD 12 kV 10 kA Arruela quadrada aço 32 F12.

Poste DT .03-00.15 kV ANEXO I. 30– ESTRUTURA CE1-CE3C F-30 e A-2 F-25 200 100 100 A-25 M-1 R-30 F-30-1 e A-2 I-2 F-23 I-6 F-22 M-10 O-14 300 F-30-2 e A-2 200 F-23 A-15-6 e A-15-5 F-36-2 200 R-32 F-30-3 e A-2 E-14 CABO MENSAGEIRO O-8 F-60 E-14 CABOS COBERTOS M-4 F-36-1 R-1-1 O-11 FONTE CARGA O-8 CABO MENSAGEIRO CABOS COBERTOS F-31-1 F-13 NOTA: 1 . – ESTRUTURAS PADRONIZADAS FIG.AS CONEXÕES DEVERÃO SER PROTEGIDAS M-10 COM FITA ISOLANTE AUTOFUSÃO E COMUM COTAS EM MILÍMETROS VR01.003 7ª Edição 16/12/2010 58 de 97 .Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .

01-00.15 kV ANEXO I.FUNÇÃO DO POSTE Ref.01-00. VR01. quad.01-00. galv. galv.117 VR01.9 mm Grampo de ancoragem cunha Braço C Braço suporte tipo L Conector impact Al protegido Conector cunha est.005 VR01.01-00. fus.104 VR01.01-00. quad. galv.03-00.01-00.01-00.131 VR01. M-16 Un.047 VR01.120 RELAÇÃO DE MATERIAL .01-00.01-00.01-00.01-00. M-16 Paraf.061 VR01. quad.121 VR01.043 VR01.000 daN Pino isolador reto curto aço 15 KV Pino galvanizado 294 x 16mm isolador 15 kV Sapatilha cabo 9. Nota 2: Utilizada para cobertura protetora externa da fita isolante autofusão.GERAL Código Descrição 3493315 Tabela 18 3423030 3420110 3420090 3486040 3428085 3428220 3421010 3430350 Tabela 10 3412020 3412030 Tabela 09 2401006 3310021 2322005 2312000 3412027 2660000 2660001 3414345 Tabela 20 3480270 Arruela quadrada aço 38 F18. – RELAÇÃO DE MATERIAIS DA ESTRUTURA CE1-CE3C RELAÇÃO DE MATERIAL .01-00.121 VR01.5 mm Alça preformada estai 7.119 VR01. pç pç pç pç Qd 01 02 02 02 B 200 200 250 350 Comprimento (mm) Poste Tipo B-1. cab.01-00.01-00.01-00. M-16 Paraf. Condutor Condutor Condutor Opcional Opcional Condutor VR01.01-00.121 VR01.01-00.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .016 VR01. 15 kV–100/200 A–base tipo C–10 kA Gancho olhal galvanizado 5000 daN Manilha torcida 90 graus 9.003 7ª Edição 16/12/2010 59 de 97 .01-00. Nota 3: As tabelas referenciadas estão disponíveis no ANEXO III.047 VR01. Branco/vermelho Cruzeta concreto armado “T” 1900 mm Isolador suspensão polimérico 15 kV Isolador pino polimérico rosca 25 mm-15 kV Anel de amarração elastomérico Fita isol EPR autofusão preta 19 mm x 10 m Fita isolante preta comum (Nota 2) Cantoneira galvanizada 65x65x900 mm Conector estribo Parafuso cabeça abaulada aço 16 x 45 mm Ref.5 250 250 300 400 B-3 300 300 350 400 B-4.076 VR01.093 VR01.044 VR01.118 VR01.01-00.01-00.121 Código Tabela 17 Tabela 17 Tabela 17 Tabela 17 Descrição Paraf.01-00. A-2 E-12 F-13 F-23 F-22 F-25 F-36-2 F-36-1 A-25 M-1 M-10 R-32 R-30 O-8 O-11 R-1-1 I-6 I-2 M-4 A-15-6 A-15-5 F-60 O-14 F-31-1 Desenho VR01.065 VR01. F-30 F-30-1 F-30-2 F-30-3 Desenho VR01.057 Unid.01-00.133 VR01. galv.008 VR01. quad.01-00. M-16 Paraf.500 daN Manilha sapatilha aço 5.Poste DT . cab. cab.5 350 350 400 450 B-6 400 400 450 500 OBSERVAÇÕES Nota 1: Usar quantidade suficiente para recompor a isolação.135 VR01.000 daN Olhal parafuso 5.01-00.053 VR01. cab.01-00. pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç m m pç pç pç Qde 09 03 03 03 03 01 03 03 01 01 03 01 01 03 01 01 03 06 06 Nota 1 Nota 1 01 03 01 Variável Porta Fus.00 Ch.01-00.082 VR01.

Poste DT . 31– ESTRUTURA CE1A-CE3C CABO MENSAGEIRO F-30 e A-2 200 200 M-1 F-25 R-30 O-11 A-25 M-10 F-22 F-13 F-23 R-32 F-2 R-31 O-8 A-11 300 I-6 400 F-30-1 e A-2 F-30-2 e A-2 A-15-6 e A-15-5 R-1-1 E-12 E-12 O-14 2.050 O-8 R-1-1 FONTE CABOS COBERTOS F-60 O-11 CABO MENSAGEIRO F-31-1 CARGA COTAS EM MILÍMETROS VR01.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador . – ESTRUTURAS PADRONIZADAS FIG.03-00.15 kV ANEXO I.003 7ª Edição 16/12/2010 60 de 97 .

M-16 Paraf. quad.01-00. galv.01-00. pç pç pç Qd 02 02 02 B 200 250 300 Comprimento (mm) Poste Tipo B-1. 15kV–100/200A–base tipo C–10 kA Gancho olhal galvanizado 5.01-00.000 daN Conector cunha est branco/vermelho Ref.00 Chave fus.GERAL Código Descrição 3493315 Tabela 18 3423030 3420110 3420090 Tabela 10 3412020 3412030 Tabela 09 3310021 2322005 2660000 2660001 3412015 Tabela 13 3412000 3414345 3480270 3421010 3430350 3486040 2401006 Arruela quadrada aço 38 F18.01-00.044 VR01.065 VR01.101 VR01.01-00.061 VR01.119 VR01.121 VR01.01-00.01-00.FUNÇÃO DO POSTE Ref.135 VR01.047 VR01.104 VR01.5 350 400 450 B-6 400 450 500 OBSERVAÇÕES Nota 1: Usar quantidade suficiente para recompor a isolação.9 mm Olhal parafuso 5.047 RELAÇÃO DE MATERIAL .01-00.01-00.043 VR01.121 VR01.076 VR01.Poste DT . Nota 2: Utilizada para cobertura protetora externa da fita isolante autofusão.000 daN Grampo de ancoragem cunha Braço C Braço suporte tipo L Conector impact Al prot.01-00.01-00. F-30 F-30-1 F-30-2 Desenho VR01.01-00.000 daN Manilha torcida 90 graus 9. M-16 Paraf.01-00.5 mm Alça preformada estai 7.01-00.117 VR01.01-00.01-00. Cruzeta de concreto armado “T” 1900 mm Isolador suspensão polimérico 15 kV Fita isol EPR autofusão preta 19 mm x 10 m Fita isolante preta comum (Nota 2) Estribo para braço tipo L Espaçador Losangular Braço Antibalanço Cantoneira galvanizada 65x65x900 mm Parafuso cabeça abaulada aço 16 x 45 mm Sapatilha cabo 9. quad. Condutor Condutor Opcional Opcional VR01.01-00.093 VR01.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .053 VR01.5 250 300 350 B-3 300 350 400 B-4.003 7ª Edição 16/12/2010 61 de 97 .03-00. A-2 E-12 F-13 F-23 F-22 M-10 R-32 R-30 O-8 R-1-1 I-6 A-15-6 A-15-5 F-2 A-11 R-31 F-60 F-31-1 A-25 M-1 F-25 O-11 Desenho VR01. VR01.01-00.01-00.120 VR01.118 VR01.15 kV ANEXO I. cab. M-16 Un.064 VR01. 06 03 03 03 03 03 01 01 03 01 03 Nota1 Nota1 01 01 01 01 01 01 01 01 01 Variável Porta fus.044 VR01. – RELAÇÃO DE MATERIAIS DA ESTRUTURA CE1A-CE3C RELAÇÃO DE MATERIAL .005 Und. Nota 3: As tabelas referenciadas estão disponíveis no ANEXO III.500 daN Manilha sapatilha aço 5. galv. galv.016 VR01.01-00.01-00.01-00. cab.121 Código Tabela 17 Tabela 17 Tabela 17 Descrição Paraf. quad.01-00. pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç m m pç pç pç pç pç pç pç pç pç Qde. cab.

M-10 1. – ESTRUTURAS PADRONIZADAS FIG. 32– ESTRUTURA CE-ST DETALHE 250 F-25 FONTE A-25 M-1 CARGA I-6 M-10 CABO MENSAGEIRO 300 F-30 e A-3 150 F-30-1 e A-2 R-1-4 O-11 F-25 F-13 F-22 O-8 A-22 E-29 C-11 C-8 A-34 R-1-4 O-40 E-14 E-14 1 F-30-2 e A-2 O-6 1.003 7ª Edição 16/12/2010 62 de 97 .15 kV ANEXO I.03-00.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .000 1 A-15-6 e A-15-5 CABOS COBERTOS A-33 E-29 O-4 F-17 F-32 e A-2 R-1-4 COTAS EM MILÍMETROS VR01.300 F-30 e A-2 E-75 E-75 O-6 C-7 DETALHE NOTA: 1 .O CABO SERÁ DO TIPO "COBERTO" E DEVERÁ TER A MESMA BITOLA DA REDE.Poste DT .

– RELAÇÃO DE MATERIAIS DA ESTRUTURA CE-ST RELAÇÃO DE MATERIAL .202 VR01.138 VR01.01-00.047 VR01.104 VR01.01-00. cab.5 mm Alça preformada estai 7.121 VR01.01-00.000 daN Suporte instalação inclinada chave faca Grampo de ancoragem cunha Conector impact Al prot.0kV 35.01-00.046 VR01.047 VR01.700 mm Cabo aço cobreado 2 AWG Haste terra cobre 16x2400 mm Isolador suspensão polimérico 15 kV Seccionalizador 3P 15 kV 200 A Aut.01-00.069 VR01.01-00.5 300 550 550 450 B-6 350 600 600 500 OBSERVAÇÕES Nota 1: Usar quantidade suficiente para recompor a isolação.044 VR01. 20/24 09 06 06 07 06 06 06/09 03/04 01 04/05 2.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .01-00.0mm² Conector auto-travante Ref.01-00. A-2 E-14 F-13 F-22 F-25 A-34 M-10 O-8 O-6 O-4 R-1-4 C-7 F-17 I-6 E-75 E-29 A-3 A-15-6 A-15-5 A-25 M-1 O-11 C-11 O-40 Desenho VR01.5 01 06 01 03 01 Nota 1 Nota 1 02 02 01 6. VR01.119 VR01.01-00.00 Chave seccionadora monopolar 15kV.127 Código Tabela 17 Tabela 17 Tabela 17 Tabela 17 Descrição Paraf.01-00. M-16 Paraf.01-00. Ros. quad.047 RELAÇÃO DE MATERIAL . galv. cab.01-00.053 VR01. Conector cunha est.000 daN Manilha sapatilha aço 5.01-00.050 VR01.000 daN Olhal parafuso 5.022 VR01.061 VR01. pç pç pç pç Qd.01-00. galv.117 VR01.FUNÇÃO DO POSTE Ref. M-16 Paraf.01-00.135 VR01.01-00. 630 A Gancho olhal galvanizado 5. Nota 5: As tabelas referenciadas estão disponíveis no ANEXO III. galv. F-30 F-30-1 F-30-2 F-32 Desenho VR01. cab.9 mm Conector cunha est branco/vermelho Cabo Coberto XLPE Al 15.204 VR01. M-16 Paraf.01-00.01-00.060 Unid. 16 mm x 25/35 mm² Cruzeta tipo L 1.0 18 Variável Pára-raio Condutor Condutor Condutor Pára-raio Opcional Opcional Opcional VR01.047 VR01. Pára-raio RD 12 kV 10 kA Arruela presilha aterramento aço F18. dupla galv.01-00. A utilização dos pára-raios deve ser definida de acordo com o critério de projeto.15 kV ANEXO I.03-00.01-00. Nota 2: Utilizada para cobertura protetora externa da fita isolante autofusão.092 VR01. M-16 Un.01-00. quad.01-00.01-00. 03 02 04 03 B 200 400 450 350 Comprimento (mm) Poste Tipo B-1.01-00.5 250 450 450 400 B-3 300 500 500 450 B-4.00 Fita isol EPR autofusão preta 19 mm x 10 m Fita isolante preta comum (Nota 2) Sapatilha cabo 9. Cinza Conector de ater.01-00.003 7ª Edição 16/12/2010 63 de 97 . pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç kg pç pç pç pç pç m m pç pç pç m pç Qde. quad.121 VR01.005 VR01.084 VR01. Nota 3: Materiais para instalação dos pára-raios.121 VR01.GERAL Código Descrição 3493315 0500013 3423030 3420090 3486040 3419218 Tabela 10 Tabela 09 2401000 2414034 3310013 2206000 3470070 2322005 0550001 0400025 3454001 2660000 2660001 3421010 3430350 2401006 2212003 Tabela 30 Arruela quadrada aço 38 F18. acrescentar 1 kg de condutor nu para instalação dos mesmos.01-00.Poste DT .

03-00.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .600 A-15-6 e A-15-5 DETALHE C-7 O-4 F-17 A-33 F-32 e A-2 CABOS COBERTOS COTAS EM MILÍMETROS VR01. 33– ESTRUTURA CE-FA CABO MENSAGEIRO FONTE F-30 e A-3 DETALHE 250 O-11 F-25 A-25 M-1 I-6 F-22 CARGA M-10 F-25 F-13 300 F-30 e A-3 R-1-4 O-6 E-14 F-30-1 e A-2 O-40 2.003 7ª Edição 16/12/2010 64 de 97 . – ESTRUTURAS PADRONIZADAS FIG.15 kV ANEXO I.Poste DT .

quad.01-00.000 daN Manilha sapatilha aço 5. F-30 F-30-1 F-32 Desenho VR01.00 Chave seccionad. Ros. – RELAÇÃO DE MATERIAIS DA ESTRUTURA CE-FA RELAÇÃO DE MATERIAL .01-00. Cinza Arruela presilha aterramento aço F18.9 mm Conector Auto-Travante Ref.01-00.00 Fita isol EPR autofusão preta 19 mm x 10 m Fita isolante preta comum (Nota 2) Sapatilha cabo 9.5 01 06 01 01 Nota1 Nota1 02 02 06 Variável Condutor Condutor Opcional Opcional VR01.01-00.Poste DT .01-00.047 VR01.000 daN Olhal parafuso 5. A-2 E-14 F-13 F-22 F-25 M-10 O-11 O-4 R-1-4 C-7 F-17 I-6 O-6 A-3 A-15-6 A-15-5 A-25 M-1 0-40 Desenho VR01. 630 A Gancho olhal galvanizado 5.117 VR01.01-00.202 VR01. M-16 Paraf. pç pç pç pç pç pç pç pç pç kg pç pç pç pç m m pç pç pç Qde 08 03 06 06 07 06 01 01 02 2. quad.01-00.01-00. Dupla galv.5 mm Alça preformada estai 7.03-00. 01 02 03 B 200 400 350 Comprimento (mm) Poste Tipo B-1.01-00. cab.084 VR01.FUNÇÃO DO POSTE Ref. cab.044 VR01.01-00.01-00. 15kV.121 VR01.5 250 450 400 B-3 300 500 450 B-4. Nota 2: Utilizada para cobertura protetora externa da fita isolante autofusão.005 VR01.060 Unid.01-00.053 VR01.119 VR01. Nota 3: As tabelas referenciadas estão disponíveis no ANEXO III.01-00. galv.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .047 RELAÇÃO DE MATERIAL .135 VR01.003 7ª Edição 16/12/2010 65 de 97 . monop.204 VR01. galv.127 Código Tabela 17 Tabela 17 Tabela 17 Descrição Paraf. M-16 Un. VR01.121 VR01.01-00.01-00.15 kV ANEXO I.047 VR01.01-00.01-00. M-16 Paraf.01-00.GERAL Código Descrição 3493315 0500013 3423030 3420090 3486040 Tabela 10 2401006 2414034 3310013 2206000 3470070 2322005 2401000 3454001 2660000 2660001 3421010 3430350 Tabela 30 Arruela quadrada aço 38 F18.000 daN Grampo de ancoragem cunha Conector cunha est branco/vermelho Conector de ater.5 350 550 450 B-6 400 600 500 OBSERVAÇÕES Nota 1: Usar quantidade suficiente para recompor a isolação.104 VR01. 16 mm x 25/35 mm² Cruzeta tipo L 1.092 VR01.01-00.061 VR01.01-00.046 VR01.700 mm Cabo aço cobreado 2 AWG Haste terra cobre 16 x 2400 mm Isolador suspensão polimérico 15 kV Conector cunha est. pç pç pç Qd.

– ESTRUTURAS PADRONIZADAS FIG.O CABO SERÁ DO TIPO "COBERTO" E DEVERÁ TER A MESMA BITOLA DA REDE.350 A-15-6 e A-15-5 A-31 F-30-3 A-33 E-70 O-6 F-32 e A-2 DETALHE C-7 O-4 F-17 E-29 R-1-4 M-10 NOTA: 1 .15 kV ANEXO I. 34– ESTRUTURA CE-RL FONTE DETALHE 250 F-25 CABO MENSAGEIRO O-11 A-25 M-1 CARGA I-6 F-25 F-13 F-22 M-10 300 F-30 e A-3 150 F-30-1 e A-2 R-1-4 A-22 O-8 E-29 O-8 1 A-34 C-11 1.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador . COTAS EM MILÍMETROS VR01.Poste DT .003 7ª Edição 16/12/2010 66 de 97 .000 O-8 R-1-4 E-14 E-14 O-6 1 O-40 F-30-2 A-2 1.03-00.

127 Código Tabela 17 Tabela 17 Tabela 17 Tabela 17 Tabela 17 Descrição Paraf. pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç kg pç pç pç pç pç m m pç pç pç m pç Qde.01-00.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .031 VR01.5 mm Alça preformada estai 7. cab.01-00.01-00. 16 mm x 25/35 mm² Cruzeta de concreto armado “L” 1.01-00. M-16 Paraf.01-00. VR01. quad. 20/24 09 06 06 08 01 06 06 06/09 03/04 01 04/05 2.01-00. A utilização dos páraraios deve ser definida de acordo com o critério de projeto.01-00.01-00.01-00.0 18 Variável Pára-raio Condutor Condutor Pára-raio Opcional Opcional VR01.5 250 450 450 500 400 B-3 300 500 500 550 450 B-4.01-00. 630 A Gancho olhal galvanizado 5.022 VR01.069 VR01.000 daN Suporte instalação de equipamento Suporte instalação inclinada chave faca Grampo de ancoragem cunha Conector impact AL prot.000 daN Manilha sapatilha aço 5.047 VR01.121 VR01.01-00.044 VR01. Conector cunha est.01-00. Nota 2: Utilizada para cobertura protetora externa da fita isolante autofusão. acrescentar 1 kg de condutor nu para instalação dos mesmos.01-00. Nota 3: Materiais para instalação dos pára-raios.138 VR01.01-00.01-00.047 VR01.119 VR01.01-00.700mm Cabo aço cobreado 2 AWG Haste terra cobre 16x2400 mm Isolador suspensão polimérico 15 kV Para-raio RD 12 kV 10 kA Religador Aut 15. Pç Pç Pç Pç Pç Qd.204 VR01.5 01 06 03 01 01 Nota 1 Nota 1 02 02 01 6. galv. A-2 E-14 F-13 F-22 F-25 A-31 A-34 M-10 O-8 O-6 O-4 R-1-4 C-7 F-17 I-6 E-29 E-70 A-3 A-15-6 A-15-5 A-25 M-1 O-11 C-11 O-40 Desenho VR01. Branco/ vermelho Conector de ater.005 VR01.061 VR01. monop. 01 02 02 02 03 B 200 400 450 450 350 Comprimento (mm) Poste Tipo B-1.9 mm Conector cunha est branco/vermelho Cabo Coberto XLPE Al 15.01-00. quad.01-00.053 VR01.092 VR01.01-00.000 daN Olhal parafuso 5.104 VR01.047 RELAÇÃO DE MATERIAL .121 VR01. – RELAÇÃO DE MATERIAIS DA ESTRUTURA CE-RL RELAÇÃO DE MATERIAL .01-00. galv. quad.01-00.121 VR01.01-00. Ros.00 Chave seccionad.GERAL Código Descrição 3493315 0500013 3423030 3420090 3486040 3419014 3419218 Tabela 10 Tabela 09 2401006 2414034 3310013 2206000 3470070 2322005 0400025 0140029 3454001 2660000 2660001 3421010 3430350 2401006 2212003 Tabela 30 Arruela quadrada aço 38 F18.01-00. galv.084 VR01.01-00.5 350 550 550 600 450 B-6 400 600 600 650 500 OBSERVAÇÕES Nota 1: Usar quantidade suficiente para recompor a isolação. quad.01-00.01-00.03-00. M-16 Paraf.060 Unid. Nota 4: As tabelas referenciadas estão disponíveis no ANEXO III. galv.121 VR01.0kV 35. cab.0mm² Conector Auto-Travante Ref.047 VR01. cab.117 VR01.FUNÇÃO DO POSTE Ref.046 VR01.Poste DT .0kV 560A 48VCC RD Arruela presilha aterramento aço F18. Dupla galv.01-00.140 VR01.01-00.00 Fita isol EPR autofusão preta 19 mm x 10 m Fita isolante preta comum (Nota 2) Sapatilha cabo 9. cab. F-30 F-30-1 F-30-2 F-30-3 F-32 Desenho VR01. M-16 Un.135 VR01. 15 kV. M-16 Paraf.202 VR01.15 kV ANEXO I. M-16 Paraf.003 7ª Edição 16/12/2010 67 de 97 .

050 900 (NOTA 1) R-1-1 200 200 200 CABOS COBERTOS CABO MENSAGEIRO R-30 . 35– ESTRUTURA CE-TR F-30 e A-2 F-30 e A-3 O-14 F-2 DETALHE R-31 F-30-1 e A-2 A-11 300 F-30-2 e A-2 E-45 O-15 C-11 I-2 F-36-1 A-15-6 e A-15-5 M-4 400 O-6 FONTE C-7 O-4 F-17 O-14 e O-15 CARGA E-12 E-12 C-11 A-22 E-45 C-8 F-30-3 e A-31 O-12 M-4 C-7 DETALHE NOTA: I-2 1 .O TRANSFORMADOR PODE SER POSICIONADO DO LADO DA CALÇADA DESDE QUE SEJAM RESPEITADAS AS DISTÂNCIAS DE SEGURANÇA.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .Poste DT .200 mm) 2 .DISTÂNCIA VARIÁVEL EM FUNÇÃO DA ALTURA DO POSTE (900 A 1. COTAS EM MILÍMETROS VR01.003 7ª Edição 16/12/2010 68 de 97 1.15 kV ANEXO I.03-00. – ESTRUTURAS PADRONIZADAS FIG.

galv.008 VR01.00 Anel de amarração elastomérico Cabo Coberto XLPE Al 15.093 VR01.120 Condutor Nota 3 RELAÇÃO DE MATERIAL . M-16 Parafuso cab. M-16 Parafuso cab.0 Nota1 Nota1 01 01 01 03 03 01 Variável Pot.01-00. M-16 Un.064 VR01.140 VR01.01-00.016 VR01. 02 02 02 02 Comprimento (mm) Poste Tipo B 200 200 200 250 B-1.01-00. pç pç pç pç pç M pç pç pç pç pç pç kg pç pç pç pç m M M pç pç pç pç pç pç Qde. quad.061 VR01.01-00.01-00.01-00.101 VR01.01-00. trafo Condutor Condutor Condutor Opcional Opcional VR01.01-00.121 VR01.5 01 03 01 03 6.900 mm Cabo aço cobreado 2 AWG Haste terra cobre 16 x 2400 mm Isolador de pino polimérico rosca 25 mm-15 kV Arruela presilha aterramento aço F18.01-00.01-00. F-30 F-30-1 F-30-2 F-30-3 Desenho VR01.057 VR01.01-00. quad.121 Códigos Tabela 17 Tabela 17 Tabela 17 Tabela 17 Descrição Parafuso cab.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador . A-2 F-36-1 A-31 E-45 R-30 C-8 E-12 O-4 O-8 O-6 O-12 R-1-1 C-7 F-17 I-2 A-3 M-4 C-11 A-15-6 A-15-5 F-2 A-11 R-31 O-14 O-15 F-31-1 Desenho VR01. pç pç pç pç Q d.0kV 35.002 VR01.5 350 350 350 400 B-6 400 400 400 450 OBSERVAÇÕES Nota 1: Usar quantidade suficiente para recompor a isolação. Nota 5: Para transformador a partir de 75 kVA até 150 kVA. 15kV 100 A 10 kA base C Conector de ater.00 Pino galvanizado 294x16 mm isolador 15 kV Suporte instalação de equipamento (Nota 5) Transformador trifásico – distribuição Braço suporte tipo L Cabo pot CU 0.047 VR01.071 VR01.082 2415-01 VR01.01-00.01-00.01-00.01-00.01-00.060 VR01. Nota 2: Utilizada para cobertura protetora externa da fita isolante autofusão. galv.01-00. M-16 Parafuso cab.01-00. Nota 3: Fixação do estribo no braço L.069 Unid. – RELAÇÃO DE MATERIAIS DA ESTRUTURA CE-TR RELAÇÃO DE MATERIAL . galv.084 VR01.01-00.01-00.01-00.6/1kV XLPE Chave fus.Poste DT . 16 mm x 25/35 mm² Conector impact Al prot.003 7ª Edição 16/12/2010 69 de 97 .043 VR01. Nota 4: As tabelas referenciadas estão disponíveis no ANEXO III.009 VR01.046 VR01.03-00.0mm² Fita isol EPR autofusão preta 19 mm x 10 mm Fita isolante preta comum (Nota 2) Estribo para braço tipo L Espaçador Losangular Braço Antibalanço Conector Estribo Al Prot.15 kV ANEXO I.01-00.01-00.047 VR01. Grampo Linha Viva Al 250 / 2/0 Parafuso Cabeça Abaulada aço 16 x 45 mm Ref.GERAL Código Descrição 3493315 3428220 3419014 Tabela 15 3412030 Tabela 16 0530010 2414034 Tabela 09 2401000 Tabela 16 3310021 2206000 3470070 2312000 3454001 3412027 2212003 2660000 2660001 3412015 Tabela 13 3412000 Tabela 20 2415001 3480270 Arruela quadrada aço 38 F18.01-00. Conector cunha est.01-00.FUNÇÃO DO POSTE Ref.5 250 250 250 300 B-3 300 300 300 350 B-4.01-00. quad.121 VR01.044 VR01.01-00.121 VR01. quad. 06 03 02 01 01 08 03 01 03 01 04 01 2. Cinza Conector perfurante Cruzeta de concreto armado “T” 1.131 VR01.202 VR01. VR01. galv.

O TRANSFORMADOR PODE SER POSICIONADO DO LADO DA CALÇADA DESDE QUE SEJAM RESPEITADAS AS DISTÂNCIAS DE SEGURANÇA. COTAS EM MILÍMETROS VR01.003 7ª Edição 16/12/2010 70 de 97 550 900 (NOTA 1) 200 700 200 F-25 F-30 700 M-10 I-6 F-13 250 CABO MENSAGEIRO M-1 A-25 F-30 e A-3 R-32 .15 kV ANEXO I. 36– ESTRUTURA CE3-TR F-22 DETALHE F-30 e A-2 F-30 e A-3 F-36-2 I-2 R-1-1 F-36-1 A-15-6 e A-15 5 F-30 e A-2 E-12 E-12 A-22 E-45 C-8 F-30 e A-31 C-11 O-6 A-15-6 e A-15 5 E-45 C-7 O-12 M-4 I-2 F-17 O-4 C-7 DETALHE NOTA: 1 .DISTÂNCIA VARIÁVEL EM FUNÇÃO DA ALTURA DO POSTE (900 A 1.200 mm) 2 .Poste DT .03-00. – ESTRUTURAS PADRONIZADAS FIG.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .

M-16 Paraf.5 250 300 400 400 B-3 300 350 450 450 B-4.01-00. galv.000 daN Sapatilha cabo 9.093 VR01. galv.121 Unid.01-00. M-16 Paraf. 16 mm x 25/35 mm² Conector cunha est.01-00.00 Pino galvanizado 294 x 16 mm isolador 15 kV Pino isolador reto curto aço 15 kV Suporte instalação de equipamento (Nota 4) Transformador trifásico – distribuição Cabo pot CU 0.5 01 03 02 03 6.000 daN Manilha sapatilha aço 5.01-00.0kV 35.053 VR01.140 VR01.01-00.01-00.057 VR01.002 VR01.01-00.202 VR01.01-00.01-00.Poste DT . cab.01-00.005 VR01.15 kV ANEXO I.6/1kV XLPE Chave fus. Quadrada galv.135 VR01. M-16 Un. 15kV 100 A 10 kA base C Conector de ater. Branco vermelho Conector perfurante Cruzeta de concreto armado “T” 1900 mm Cabo aço cobreado 2 AWG Haste terra cobre 16 x 2400 mm Isolador de pino polimérico rosca 25 mm-15 kV Arruela presilha aterramento aço F18.121 VR01.01-00.060 VR01.03-00.01-00. galv. cab.01-00. galv. pç pç pç pç Qd.01-00.016 VR01.5 mm Alça preformada estai 7.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .01-00.01-00.003 7ª Edição 16/12/2010 71 de 97 . VR01.008 VR01.046 VR01. M-16 x 150 mm Fita isol EPR autofusão preta 19 mm x 10 m Fita isolante preta comum (Nota 2) Ref.01-00.000 daN Parafuso cab. cab.009 VR01. pç pç pç pç pç m pç pç pç pç pç kg pç pç pç pç m pç pç pç pç pç pç pç pç pç m m Qde 05 03 01 01 01 08 03 01 01 04 01 2.01-00.069 VR01.065 VR01.104 VR01.01-00.01-00.121 VR01.119 VR01.01-00.0 03 03 01 01 03 01 03 04 03 Nota 1 Nota 1 Variável Pot.071 VR01. Nota 3: As tabelas referenciadas estão disponíveis no ANEXO III.084 VR01. 01 02 02 02 B 200 250 350 350 Comprimento (mm) Poste Tipo B-1.0mm² Gancho olhal galvanizado 5.117 VR01. M-16 Paraf.121 Código Tabela 17 Tabela 17 Tabela 17 Tabela 17 Descrição Paraf.01-00. cab. A-2 F-36-1 F-36-2 A-31 E-45 C-8 E-12 O-4 O-6 O-12 R-1-1 C-7 F-17 I-2 A-3 M-4 C-11 F-13 F-22 A-25 M-1 M-10 R-32 I-6 F-25 F-30 A-15-6 A-15-5 Desenho VR01.061 VR01. – RELAÇÃO DE MATERIAIS DA ESTRUTURA CE3-TR RELAÇÃO DE MATERIAL .GERAL Código Descrição 3493315 3428220 3428085 3419014 Tabela 15 Tabela 16 0530010 2414034 2401006 Tabela 16 3310021 2206000 3470070 2312000 3454001 3412027 2212003 3423030 3420090 3421010 3430350 Tabela 10 3412020 2322005 3486040 3480300 2660000 2660001 Arruela quadrada aço 38 F18.9 mm Grampo de ancoragem cunha Braço C Isolador suspensão polimérico 15 kV Olhal parafuso 5.01-00.00 Anel de amarração elastomérico Cabo Coberto XLPE Al 15.047 VR01.01-00.131 VR01. F-30-1 F-30-2 F-30-3 F-30-4 Desenho VR01.Quad.5 350 400 500 500 B-6 400 450 550 550 OBSERVAÇÕES Nota 1: Usar quantidade suficiente para recompor a isolação.Quad. trafo Condutor Condutor Opcional Opcional RELAÇÃO DE MATERIAL .044 VR01.Quad.01-00.FUNÇÃO DO POSTE Ref.01-00.01-00.01-00.121 VR01.Quad.01-00.133 VR01. Nota 4: Para transformador a partir de 75 kVA até 150 kVA. Nota 2: Utilizada para cobertura protetora externa da fita isolante autofusão.01-00.

– ESTRUTURAS PADRONIZADAS FIG.003 7ª Edição 16/12/2010 72 de 97 .03-00.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .15 kV ANEXO I.Poste DT .O CABO DA LINHA DEVE SER DO TIPO "COBERTO" E DEVE TERMINAR NA CHAVE SECCIONADORA F-30 COTAS EM MILÍMETROS VR01. 37– ESTRUTURA CE-CS CABO MENSAGEIRO F-25 I-6 F-22 M-10 200 F-30-1 e A-2 R-30 1 O-40 DETALHE O-40 300 200 F-30-1 e A-3 F-30-3 e A-2 F-30-2 e A-2 F-30-2 e A-3 F-30-3 e A-3 R-32 650 200 E-13 DISPOSITIVO PARA OPERAÇÃO COM VARA DE MANOBRA DETALHE C-7 F-17 O-4 NOTA: 1 .

121 VR01.118 VR01. 17 Tab.01-00.01-00.03-00. 17 Tab.01-00. galv.119 VR01. pç pç pç pç pç pç pç pç pç pç kg pç pç pç m m pç pç Qde. quad. – RELAÇÃO DE MATERIAIS DA ESTRUTURA CE-CS RELAÇÃO DE MATERIAL . cab.044 VR01.005 VR01. VR01.065 VR01. galv.01-00.15 kV ANEXO I. M16x150 mm Conector Auto-Travante Ref.01-00.046 VR01.047 RELAÇÃO DE MATERIAL . 17 Descrição Paraf.Poste DT . galv.01-00.5 01 06 03 Nota 1 Nota 1 03 06 Variável Condutor Condutor Opcional Opcional VR01.104 VR01.202 VR01. 3P a seco 15 kV 630 A Conector de ater. M-16 Paraf.01-00.01-00.01-00.043 0500-C1 VR01.01-00. cab. quad.01-00.5 300 400 450 B-6 350 450 500 OBSERVAÇÕES Nota 1: Usar quantidade suficiente para recompor a isolação.500 daN Olhal parafuso 5. Nota 2: Utilizada para cobertura protetora externa da fita isolante autofusão. M-16 Paraf.061 VR01. 16 mm x 25/35 mm² Cabo aço cobreado 2 AWG Haste terra cobre 16 x 2400 mm Isolador suspensão polimérico 15 kV Arruela presilha aterramento aço F18.000 daN Manilha torcida 90 graus 9.01-00.00 Fita isol EPR autofusão preta 19 mm x 10 mm Fita isolante preta comum (Nota 2) Parafuso cabeça quadrada galv.003 7ª Edição 16/12/2010 73 de 97 .01-00.01-00. F-30-1 F-30-2 F-30-3 Desenho VR01.084 VR01.01-00.FUNÇÃO DO POSTE Ref.GERAL Código Descrição 3493315 3423030 3420090 3420110 3486040 Tabela 10 3412020 3412030 0500032 2414034 2206000 3470070 2322005 3454001 2660000 2660001 3480300 Tabela 30 Arruela quadrada aço 38 F18. cab.000 daN Manilha sapatilha aço 5.01-00.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .121 Código Tab.121 VR01. pç pç pç Qd. A-2 F-13 F-22 F-21 F-25 M-10 R-32 R-30 E-13 O-4 C-7 F-17 I-6 A-3 A-15-6 A-15-5 F-30 0-40 Desenho VR01.5 250 300 350 B-3 250 350 400 B-4.117 VR01.000 daN Grampo de ancoragem cunha Braço C Braço suporte tipo L Chave sec.01-00.01-00.060 Unid.121 VR01. quad. 02 02 02 B 200 250 300 Comprimento (mm) Poste Tipo B-1. 03 06 06 06 06 06 01 01 01 01 2. Nota 3: As tabelas referenciadas estão disponíveis no ANEXO III. M-16 Un.00 Gancho olhal galvanizado 5.

03-00.15 kV 7ª Edição SEPARADOR VERTICAL O-8 ESPAÇADOR LOSANGULAR IRO GE NS A ME EC FASE A F AS FAS E B FIG. 38 – ESTRUTURA CE-FT A ESM A M SE O D OR FA T BE R ND UT CO O AB O D O C C O EÇÃ S 16/12/2010 A-12 ME NS AG E IR FA O SE FA A SE FA C SE B COTAS EM MILÍMETROS 74 de 97 . – ESTRUTURAS PADRONIZADAS Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .003 15 00m m ME NS AG E IR O FA SE FA SE A C FA SE B Norma m 0m 1 50 O-11 IRO GE NS A ME EA F AS EC F AS EB F AS ANEXO I.VR01.Poste DT .

GERAL Código Descrição Tabela 09 2401006 Tabela 12 Conector impact Al prot. Conector cunha est branco vermelho Separador vertical Ref.01-00. pç pç pç Qde.01-00.FUNÇÃO DO POSTE Ref. – RELAÇÃO DE MATERIAIS DA ESTRUTURA CE-FT RELAÇÃO DE MATERIAL .047 VR01. O-8 O-11 A-12 Desenho VR01.044 Unid.01-00.047 VR01. Qd B Comprimento (mm) Poste Tipo B-1. 06 02 06 Variável Condutor Condutor RELAÇÃO DE MATERIAL .5 B-6 OBSERVAÇÕES Nota 1: As tabelas referenciadas estão disponíveis no ANEXO III.5 B-3 B-4.003 7ª Edição 16/12/2010 75 de 97 .Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .15 kV ANEXO I.Poste DT .03-00. Desenho Código Descrição Un. VR01.

76 de 97 . – ESTRUTURAS PADRONIZADAS Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .Poste DT . A-15-6 e A-15-5 ME NS AG E FA S E IRO FA A SE FA C SE B 16/12/2010 COTAS EM MILÍMETROS NOTA: 1.003 ME NS AG E IR O FA SE A FA SE FA C SE B 1.A REDE COMPACTA FICARÁ SEMPRE ACIMA DA REDE CONVENCIONAL.500 Norma O-8 FIG.03-00.500 1. 39– ESTRUTURA CE-C-FT ANEXO I.VR01.15 kV 7ª Edição A SM ME ASE DA T O TO R F BE R ND U CO BO DO CO CA O Ã S EÇ ESPAÇADOR LOSANGULAR O-8-1 .

VR01. – RELAÇÃO DE MATERIAIS DA ESTRUTURA CE-C-FT RELAÇÃO DE MATERIAL . Conector derivação tipo cunha Fita isol EPR autofusão preta 19 mm x 10 m Fita isolante preta comum (Nota 2) Ref.5 B-3 B-4. Qd.003 7ª Edição 16/12/2010 77 de 97 .5 B-6 OBSERVAÇÕES Nota 1: Usar quantidade suficiente para recompor a isolação.15 kV ANEXO I. O-8 O-8-1 A-15-6 A-15-5 Desenho VR01. Nota 2: Utilizada para cobertura protetora externa da fita isolante autofusão. pç pç m m Qde. 03 03 Nota 1 Nota 1 Variável Condutor Condutor Opcional Opcional RELAÇÃO DE MATERIAL .01-00.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador . B Comprimento (mm) Poste Tipo B-1. Nota 3: As tabelas referenciadas estão disponíveis no ANEXO III.GERAL Código Descrição Tabela 09 Tabela 11 2660000 2660001 Conector impact Al prot.047 Unid. Desenho Código Descrição Un.01-00.Poste DT .03-00.047 VR01.FUNÇÃO DO POSTE Ref.

Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .Poste DT .15 kV ANEXO I. 40– ESTRUTURA AR-CE C AB O ME NS AGEIRO D ETA LHE A -3 200 A -3 D ETA LHE 500 O -4 C -7 F -17 1.300 (MÍN) C OTAS E M MILÍME TROS VR01.03-00.003 7ª Edição 16/12/2010 78 de 97 . – ESTRUTURAS PADRONIZADAS FIG.

Desenho Código Descrição Un.03-00.FUNÇÃO DO POSTE Ref. – RELAÇÃO DE MATERIAIS DA ESTRUTURA AR-CE RELAÇÃO DE MATERIAL . VR01.060 Unid.GERAL Código Descrição 3470070 2206000 2414034 3454001 Haste terra cobre 16 x 2400 mm Cabo aço cobreado 2 AWG Conector de ater. Nota 2: As tabelas referenciadas estão disponíveis no ANEXO III.046 VR01. F-17 C-7 O-4 A-3 Desenho VR01.5 B-6 OBSERVAÇÕES Nota 1: Material utilizado para a conexão elétrica ao braço tipo C e L quando houver.01-00. 01 3.01-00. 16 mm x 25/35 mm² Arruela presilha aterramento aço F18.Poste DT .15 kV ANEXO I.084 VR01. Qd B Comprimento (mm) Poste Tipo B-1.003 7ª Edição 16/12/2010 79 de 97 .00 Ref.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .01-00. pç kg pç pç Qde.202 VR01.01-00.0 01 02 Variável RELAÇÃO DE MATERIAL .5 B-3 B-4.

– ESTRUTURAS PADRONIZADAS FIG. 2 . 200 1.003 7ª Edição 16/12/2010 2 x CE1 CE1-CE3 2 x CE2-A NOTAS: 80 de 97 .USAR POSTE DE 12 METROS.000 500 COTAS EM MILÍMETROS VR01.Poste DT .000 500 500 200 500 1.15 kV ANEXO I. 41– ARRANJOS 1 .000 4 x CE1-A 200 500 1.03-00.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .USAR POSTE DE 14 METROS QUANDO HOUVER EQUIPAMENTOS CONECTADOS COM O 2° NÍVEL.

78 0. As trações correspondem ao conjunto completo Cabo mensageiro + 3 condutores.31 0.99 371 2.57 670 75m 433 1.76 0.45 0.19 1.70 380 1.43 0.55 364 1.Poste DT .25 0.35 248 269 287 302 315 326 335 342 349 355 359 0.09 0.68 0.36 0.17 0.52 0.55 0.11 0.87 394 1.91 1.49 0.15 0.29 0.47 0.12 0.64 393 1.10 0.07 0.73 373 1.10 1.17 0.16 0.32 273 291 306 318 329 338 346 353 358 363 367 0.31 427 1.34 418 1.70 0.38 0.85 1. TABELAS DE FLECHAS E TRAÇÕES Cabo 35 mm² TABELA DE FLECHAS E TRAÇÕES – Valores finais Rede Compacta com espaçador cabo coberto XLPE .57 0.40 0.40 400 1.26 0.66 0.94 1.02 681 15°+V T(daN) Tração de projeto = 612 daN para vãos até 40 m e 681 daN para vãos entre 40 e 80 m Vento = 90 km/h.09 0.32 0.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .63 0.68 0.28 0.99 1.16 0.83 0.96 376 1.07 0.05 0.35 0.44 0.49 377 1.22 0.45 0.20 0.23 0.80 408 1.94 1. VR01.11 0.15 kV ANEXO II.46 385 1.59 0.76 367 1.43 392 1.21 0.03-00.15 0.53 0.77 415 1.67 386 1.02 1.13 0.39 0.07 0.52 370 1.61 400 1.21 0.61 0.09 0.10 0.26 332 341 349 356 362 367 371 375 378 381 383 0.29 302 315 326 336 345 352 358 363 368 371 375 0.37 409 1.14 0.93 382 1.30 0.05 0.18 437 433 429 426 422 419 417 415 413 411 410 0.83 0.97 1.41 0.78 0.06 0.24 0.71 0.90 388 1.50 0.13 1.38 524 544 563 581 597 612 625 636 646 655 663 TEMP 5° C 10° C 15° C 20° C 25° C 30° C 35° C 40° C 45° C 50° C Tração T(daN) F(m) T(daN) F(m) T(daN) F(m) T(daN) F(m) T(daN) F(m) T(daN) F(m) T(daN) F(m) T(daN) F(m) T(daN) F(m) T(daN) F(m) 70m 437 1.96 1.15 475 468 460 453 446 440 434 430 426 423 420 0.34 0.83 400 1.22 0.74 422 1.20 400 400 400 400 400 400 400 400 400 400 400 0.05 1.25 0.51 0.64 0.55 0.30 0.33 0.80 0.80 0.18 0.86 1.52 424 1.55 416 1.08 1.58 408 1.66 0.01 1.79 676 80m 430 1.08 0.35 mm² Comprimento do Vão 15m 20m 25m 30m 35m 40m 45m 50m 55m 60m 65m 553 541 527 512 498 485 474 464 455 448 442 0.57 0.12 514 504 493 482 471 462 453 446 440 435 431 0.88 1.23 365 370 374 377 380 383 385 387 389 390 391 0.99 1.73 0.40 0.16 1.003 7ª Edição 16/12/2010 81 de 97 .14 0.

22 0.84 1.41 564 1.64 560 1.46 544 1.85 1.33 261 293 319 340 358 373 471 485 497 507 517 0.28 0.52 600 1.18 0.98 1.00 839 15°+V T(daN) Tração de projeto = 604 daN para vãos até 40 m e 839 daN para vãos até 80m Vento = 90 km/h.65 0.76 591 1.03 1.16 0.88 554 1.82 0.89 1.61 569 1.51 0.69 0.71 0.15 kV ANEXO II.58 0.35 244 278 306 329 348 363 458 473 485 497 507 0.94 1.81 0.79 581 1.30 0.22 350 369 384 398 409 417 533 540 548 554 560 0.33 599 1. – TABELAS DE FLECHAS E TRAÇÕES Cabo 70 mm² TABELA DE FLECHAS E TRAÇÕES – Valores finais Rede Compacta com espaçador cabo coberto XLPE – 70 mm² Comprimento do Vão 15m 20m 25m 30m 35m 40m 45m 50m 55m 60m 65m 475 475 475 475 475 475 611 611 611 611 611 0. VR01.49 534 1.55 589 1.08 0.42 0.14 0.36 0.Poste DT .14 0.38 575 1.35 587 1.48 0.24 0.59 0.72 532 1.13 1.17 409 418 427 434 440 444 570 574 578 582 584 0.56 0.83 0.69 0.12 0.73 0.30 280 309 333 353 370 383 485 498 509 518 527 0.52 525 1.91 1.61 0.55 0.003 7ª Edição 16/12/2010 82 de 97 .28 301 327 349 367 382 394 501 511 521 530 537 0.44 0.17 0.00 1.10 1.79 0.33 0.44 0.20 1.69 541 1.31 0.78 828 80m 611 1.24 0.68 0.39 0.34 0.15 0.46 0.31 0.73 601 1.74 0.19 0.96 1.45 0.94 538 1.23 0.70 0.62 0.58 579 1.85 563 1.64 0.20 379 393 405 415 424 430 551 557 563 568 572 0.67 0.58 0.88 1.02 1.50 0.57 0.75 524 1.34 0.03-00.91 546 1.15 0.55 0.01 1.53 0.38 473 507 536 562 585 604 738 757 774 790 804 TEMP 5° C 10° C 15° C 20° C 25° C 30° C 35° C 40° C 45° C 50° C Tração T(daN) F(m) T(daN) F(m) T(daN) F(m) T(daN) F(m) T(daN) F(m) T(daN) F(m) T(daN) F(m) T(daN) F(m) T(daN) F(m) T(daN) F(m) 70m 611 1.63 0.20 0.11 0.37 0.09 0.97 1.25 324 347 366 382 395 405 516 526 534 542 548 0.21 0.32 0.73 0.13 0.55 516 1.72 0.08 0.77 0.27 0.14 442 446 450 454 457 459 590 593 594 596 598 0.65 0.15 1.87 1.05 1.41 0.23 0.82 572 1.71 0.57 816 75m 611 1.66 550 1.57 0.60 0.08 1.97 531 2.18 1.12 0.67 0.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .43 0.26 0.10 0.44 554 1. As trações correspondem ao conjunto completo Cabo mensageiro + 3 condutores.

07 1.40 0.72 0.49 0.14 F(m) 15°+V T(daN) 843 870 897 922 945 966 1196 1208 1218 1227 1236 1243 1250 1256 Tração de projeto = 966 daN até 40 m e 1256 daN até 80 m Vento = 90km/h.87 1.15 0.09 1.57 0.003 7ª Edição 16/12/2010 83 de 97 .47 0.79 0.13 0.86 1.72 0.20 0.09 0.82 2.36 0. VR01.92 F(m) 844 847 850 852 855 1092 1085 1078 1073 1067 1063 1059 1055 T(daN) 840 10° C 0.09 F(m) 633 661 686 708 727 927 935 943 949 955 961 965 970 T(daN) 603 45° C 0.05 1.16 0.87 2.29 0.61 1.27 1.10 0.74 0.63 1.23 1.59 1.12 0.29 1.48 1.41 0.16 0.54 1.03 1.92 1.01 F(m) 717 735 751 765 778 993 995 997 999 1001 1002 1003 1004 T(daN) 699 30° C 0.50 0.77 0.19 0.11 1.33 1.18 0.26 0.72 0.42 1.68 1.09 0.23 0.99 F(m) 747 761 774 786 796 1017 1017 1017 1017 1017 1017 1017 1017 T(daN) 733 25° C 0.25 0.97 1.13 1.59 0.15 1.66 0.53 0.61 0.37 0.69 0.17 1.21 1.38 0.06 F(m) 660 685 707 727 743 948 954 960 965 970 974 978 981 T(daN) 633 40° C 0.50 1.15 kV ANEXO II.25 1.99 1.90 1.79 2.17 0.68 084 1.27 0.44 1. TABELAS DE FLECHAS E TRAÇÕES Cabo 185 mm² TABELA DE FLECHAS E TRAÇÕES – Valores finais Rede Compacta com espaçador cabo coberto XLPE – 185 mm² Comprimento do Vão TEMP Tração 15m 20m 25m 30m 35m 40m 45m 50m 55m 60m 65m 70m 75m 80m 877 877 877 877 877 1118 1109 1100 1092 1085 1079 1073 1068 T(daN) 877 5° C 0.35 1.67 0.30 0.54 0.89 2.11 0.33 0.62 0.52 1.97 F(m) 778 784 799 808 815 1041 1039 1036 1035 1033 1031 1030 1029 T(daN) 768 20° C 0.84 2.05 1.11 0.11 F(m) 608 639 667 691 711 906 916 926 934 941 948 954 959 T(daN) 573 50° C 0.39 1.01 1.77 2.04 F(m) 688 710 728 746 760 970 974 978 982 985 988 990 993 T(daN) 665 35° C 0.51 0.70 0.61 0.45 1.65 0.26 0.65 0. As trações correspondem ao conjunto completo Cabo mensageiro + 3 condutores.24 0.75 1.Poste DT .75 0.64 0.15 0.58 0.10 0.03-00.70 1.80 0.42 0.95 1.21 0.19 1.37 1.94 F(m) 810 817 824 830 835 1066 1061 1057 1053 1050 1047 1044 1042 T(daN) 804 15° C 0.70 0.31 1.36 0.56 1.60 0.93 1.46 0.31 0.08 0.43 0.72 1.34 0.82 0.09 0.64 0.28 0.55 0.58 0.45 0.19 0.88 1.65 1.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .67 0.

Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador . Radiação de 1. Velocidade do vento: 2.003 7ª Edição 16/12/2010 84 de 97 .03-00. Carga equilibrada.2 km/h.9 NÚMERO DE FIOS 7 MASSA (kg/km) 305 CARGA RUPTURA (daN) 5100 ITEM 01 CÓDIGO 4401035 Tabela 09 – Conector Derivação Tipo Cunha com Capa de Proteção DERIVAÇÃO DE REDE COBERTA Item 01 02 03 04 05 06 Código 2461009 2461007 2461001 2461003 2461005 2461000 Faixa (mm²) 35-35 70-35 185-35 70-70 185-70 185-185 Tabela 10 – Grampo de Ancoragem Tipo Cunha INTERVALO DE DIÂMETRO PARA APLICAÇÃO (mm) Mínimo Máximo 12 14 22 14 16 24 ITEM 01 02 03 CÓDIGO 3422049 3422065 3422050 CONDUTOR COBERTO (mm²) 35 70 185 VR01. Tabela 08 – Características do Cabo Mensageiro DIÂMETRO (mm) 7.Poste DT .000 W/m². TABELAS DIVERSAS Tabela 07 – Características dos Cabos Cobertos XLPE em Alumínio SEÇÃO (mm²) 35 70 185 NÚMERO DE FIOS 6 12 30 MASSA (kg/km) 190 315 695 CARGA RUPTURA (daN) 455 910 2405 CAPACIDADE CORRENTE 90º C (A) 207 312 581 ITEM 01 02 03 CÓDIGO 2212003 2212012 2212011 NOTA: Condições para cálculo da capacidade de corrente: Temperatura ambiente: 30ºC.15 kV ANEXO III.

003 7ª Edição 16/12/2010 85 de 97 .Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador . Verm.15 kV Tabela 11 – Conector Derivação Tipo Cunha TRANSIÇÃO REDE NUA PARA REDE COBERTA Faixa (mm²) Item 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 Código 2401000 2401000 2401006 2401000 2400015 2400015 2400014 2400016 2400002 2400015 2400016 2400002 2400032 2400032 2400028 2400029 2400008 2400030 2400032 2400029 2400008 2400030 2400004 2400031 Tipo Conector Derivação tipo I (Embalagem Cinza) Conector Derivação tipo I (Embalagem Cinza) Conector Derivação tipo VII (Emb./Branco) Conector Derivação tipo I (Embalagem Cinza) Conector Derivação tipo Cunha (Cartucho Azul) Conector Derivação tipo Cunha (Cartucho Azul) Conector Derivação tipo Cunha (Cartucho Azul) Conector Derivação tipo Cunha (Cartucho Azul) Conector Derivação tipo Cunha (Cartucho Azul) Conector Derivação tipo Cunha (Cartucho Azul) Conector Derivação tipo Cunha (Cartucho Azul) Conector Derivação tipo Cunha (Cartucho Azul) Conector Derivação tipo Cunha (Cartucho Azul) Conector Derivação tipo Cunha (Cartucho Azul) Conector Derivação tipo Cunha (Cartucho Azul) Conector Derivação tipo Cunha (Cartucho Azul) Conector Derivação tipo Cunha (Cartucho Azul) Conector Derivação tipo Cunha (Cartucho Azul) Conector Derivação tipo Cunha (Cartucho Azul) Conector Derivação tipo Cunha (Cartucho Azul) Conector Derivação tipo Cunha (Cartucho Azul) Conector Derivação tipo Cunha (Cartucho Azul) Conector Derivação tipo Cunha (Cartucho Amarelo) Conector Derivação tipo Cunha (Cartucho Azul) Rede Nua (Cu/Al) 16mm² (CU) 25mm² (CU) 35mm² (CU) 25mm² (4AWG) 16mm² (CU) 25mm² (CU) 35mm² (CU) 50mm² (CU) 70mm² (CU) 25mm² (4AWG) 50mm² (1/0AWG) 70mm² (2/0AWG) 16mm² (CU) 25mm² (CU) 35mm² (CU) 50mm² (CU) 70mm² (CU) 120mm² (CU) 25mm² (4AWG) 50mm² (1/0AWG) 70mm² (2/0AWG) 120mm² (4/0AWG) 185mm²(336 MCM) 336.4 MCM CA 185mm² (336.4MCM) 70mm² (2/0AWG) 35mm² (2AWG) Rede Coberta (Al) VR01.Poste DT .03-00.

Poste DT .9 ITEM CÓDIGO Tabela 13 – Espaçador Losangular ELEMENTO DE AMARRAÇÃO CONDUTOR COBERTO (mm²) 01 02 03 3412014 3412013 3412012 35 70 185 CABO MENSAGEIRO (mm) Ø 7.9 Ø 7.5 150 VR01.9 ITEM CÓDIGO Tabela 14 – Emenda para Cabo Coberto ITEM 01 02 03 CÓDIGO 2443016 2443017 2443018 CONDUTOR (mm²) 35 70 185 Tabela 15 – Transformador ITEM 01 02 03 04 CÓDIGO 0210189 0210191 0210193 0210306 POTÊNCIA (kVA) 45 75 112.03-00.003 7ª Edição 16/12/2010 86 de 97 .15 kV Tabela 12 – Separador Vertical ELEMENTO DE AMARRAÇÃO Condutor Coberto (mm²) 01 02 03 3412002 3412003 3412004 35 70 185 Cabo Mensageiro (mm) Ø 7.9 Ø 7.9 Ø 7.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .9 Ø 7.

SECUND. Condutores de cobre com isolamento de 0. Rosca (mín) 80 120 170 220 270 320 370 420 470 Comp.03-00. Tabela 17 – Parafuso PARAFUSO CABEÇA QUADRADA GALVANIZADO M-16 ITEM 01 02 03 04 05 06 07 08 09 CÓDIGO Comprimento Total 3480300 3480305 3480310 3480315 3480320 3480325 3480330 3480335 3480340 150 200 250 300 350 400 450 500 550 DIMENSÕES EM (mm) Comp.5 150 380/220 3 x 70 + 1x 70 3 x 120 + 1x 70 95 70 2223081 TR 70-150/DV 70-150mm² (Cód. 2412009) 2223143 3 x 35 + 1x 35 35 2223080 TR 16-70/DV 6-35mm² (Cód. Recomendam-se dois metros de comprimento por condutor. MULTIPLEXADA (kVA) (V) (mm²) 01 02 03 04 05 06 15 30 45 75 112.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .6/1 kV.15 kV Tabela 16 – Condutor e conector perfurante do secundário do transformador POTÊNCIA TENSÃO CABO DA REDE ITEM DO TRANSF.003 7ª Edição 16/12/2010 87 de 97 . Rosca (máx) 90 130 180 240 290 350 400 450 500 PARAFUSO ROSCA DUPLA GALVANIZADO M-16 ITEM 01 02 03 CÓDIGO 3480565 3480924 Codificar 400 450 500 DIMENSÕES EM (mm) Comprimento Total Comprimento Rosca 175 200 225 VR01.Poste DT . 2412008) CABO DE LIGAÇÃO (mm²)(*) CÓDIGO (CABO) CONECTOR DERIVAÇÃO TIPO PERFURANTE (CÓDIGO) (*) Representa o condutor de ligação do borne de baixa tensão do transformador à rede de baixa tensão.

EST.003 7ª Edição 16/12/2010 88 de 97 . NOM. (Rn) (daN) Face A 150 B 02 03 04 05 3300082 3301089 3300102 3300106 12 B-1. AL 35 mm² 2415001 Grampo Linha Viva Al 250 / 2/0 GRAMPO DE LINHA VIVA CÓDIGO DESCRIÇÃO VR01.05 (m) RESIST.15 kV Tabela 17 – Parafuso – Continuação PARAFUSO OLHAL GALVANIZADO M-16 ITEM 01 02 03 CÓDIGO 3484054 3484058 3484030 DIMENSÕES (mm) Comprimento Total 200 250 300 Comprimento Rosca 100 150 150 Tabela 18 – Chave Fusível 15 kV BASE Item 01 02 Código 0530010 0530012 Tensão Máxima (kV) 15 15 NBI (kV) 95 95 Corrente Nominal (A) 300 300 PORTA FUSÍVEL Corrente Capacidade de Nominal (A) Interrupção (A) 100 200 10000 10000 Tabela 19 – Postes Duplo T Padronizados COMP. AL 185 mm² C.5 B-4. L±0.Poste DT .Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador . EST.03-00. AL 70 mm² C. NOM.5 B-6 300 500 1000 1500 600 1000 2000 3000 1520 2100 182 266 308 518 602 644 140 200 230 380 440 470 4600 1300 1800 4525 4500 DIMENSÕES (mm) MASSA APROX (kg) Face A Topo Base a±5 A±5 140 476 ITE M CÓDIGO TIPO Face B Topo b±5 110 Face B 300 Base B±5 350 F±20 J±20 e±15 T+20 M±15 -5 01 3300083 1210 Tabela 20 – Conectores estribo e grampos de linha viva REDE CONECTOR ESTRIBO CÓDIGO DESCRIÇÃO 2460000 Primária Compacta 15kV 2460001 2460002 C. EST.

D (%) 66 87 83 78 84 50 61 41 68 57 83 48 48 87 64 48 55 73 46 65 80 75 46 71 OBS.003 7ª Edição 16/12/2010 89 de 97 .Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador . Sabões e Velas Têxtil Vestuário. Concreto Siderúrgica Fundição de Metais Ferrosos Serraria Celulose.03-00. Papel e Papelão Curtume Industrias Químicas Perfumarias.: O FD típico comercial BT deve ser obtido com o confronto de consumidores da mesma área e com as mesmas características.15 kV Tabela 21 – Fatores de demanda típicos RAMO DE ATIVIDADE Britamento de Pedras Fabricação de Refratários Preparação de Argamassa.Poste DT . Calçados e Artigos de Tecidos Abate de Animais Lacticínios Bebidas Galvanização Marcenaria Pedreira Mecanizada Hospital Fabricação de Cimento Fabricação de Tintas Fabricação de Açúcar Fabricação de Cal Fabricação de Massas Alimentícias F. VR01.

15 kV Tabela 22 – Dimensionamento de elos fusíveis Tipo Potência (kVA) 10 15 30 45 Trifásicos 75 112. canais.5 150 225 300 Elo fusível 1H 1H 2H 3H 5H 6K 8K 10K 12K Código 0536137 0536137 0536138 0536139 0536140 0536141 0536117 0536142 0536038 Tabela 23 – Ângulos mínimos entre os eixos das redes ÂNGULO MÍNIMO DE TRAVESSIA 60º 15º 15º 45º 45º 45º 60º 30º 30º 15º Por analogia ITEM 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 TRAVESSIA Ferrovias Rodovias Outras vias de transporte Redes de distribuição Linhas e redes de telecomunicações. sinalização e controle Linhas de transmissão Tubulações metálicas Tubulações não metálicas Rios.Poste DT .003 7ª Edição 16/12/2010 90 de 97 .03-00. ravinas Cercas de arame Outros não mencionados VR01.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador . córrego.

2 kV 1800 1200 1200 Tabela 26 – Terminais Termo-contráteis ITEM 01 02 CÓDIGO 2441082 2441094 DESCRIÇÃO Terminal 20 kV 35 .Poste DT .03-00.003 7ª Edição 16/12/2010 91 de 97 .15 kV Tabela 24 – Distâncias entre condutores e o solo DISTÂNCIA MÍNIMA (mm) NATUREZA DO LOGRADOURO RODOVIAS RUAS E AVENIDAS ENTRADAS DE PRÉDIOS E DEMAIS LOCAIS DE USO RESTRITO A VEÍCULOS RUAS E VIAS EXCLUSIVAS A PEDESTRE FERROVIAS CIRCUITO DE COMUNICAÇÃO E CABOS ATERRADOS 7000 5000 U < 1 kV 7000 5500 1 kV < U < 15 kV 7000 6000 4500 4500 6000 3000 6000 3500 6000 5500 9000 NOTA: Em ferrovias eletrificadas ou eletrificáveis a distância mínima do condutor ao boleto dos trilhos é de 12 metros para 13.8kV.70 mm² E Terminal 20 kV 185mm² E VR01. Tabela 25 – Distância entre condutores de circuitos diferentes TENSÃO NOMINAL E(V) CIRCUITO SUPERIOR CIRCUITO INFERIOR COMUNICAÇÃO U < 1 kV 1 kV < U < 15 kV U < 1 kV 600 600 -xDISTÂNCIA MÍNIMA (mm) 1 kV < U < 15 kV 1500 800 800 15 kV < U < 36.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .

25 0.80 18.0 ITEM CÓDIGO SEÇÃO 50 70 95 120 240 300 DIAMETRO CONDUTOR (mm) 8.5 5.95 0.6 32.5 5.38 0. e conjuntos residenciais Horizontais (kVA) Quantidade de Lotes 0 a 10 11 a 30 31 a 50 51 a 80 81 a 100 Acima de 100 Baixo 0.58 0.32 0.28 0.90 0.15 kV Tabela 27 – Cabo de Potência Cu 20 kV ESPESSURA COBERTURA (mm) 1.6 1.30 Alto 0.8 34.0MM2 70.20 Médio 0.6 1.45 12.70 11.7 1.65 0.50 0.46 ESPESSURA ISOLAÇÃO (mm) 5.5 5.62 0.003 7ª Edição 16/12/2010 92 de 97 .30 20.31 0.8 1.60 Tabela 30 – Conector terminal Auto-Travante ITEM 01 02 03 CÓDIGO 2420172 2420173 2420175 DESCRIÇÃO CONETOR TRM TRAV AL CONETOR TRM TRAV AL CONETOR TRM TRAV AL 35.38 0.05 9.35 0.5 40.9 2.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .5 5.Poste DT .45 Altíssimo 0.72 0. EXTERNO (mm) 28.8 30.44 0.0MM2 185.03-00.8 43.65 0.42 0.5 MASSA (kg/km) 1053 1302 1623 1916 3227 3904 MATERIAL CONDUTOR Cu Cu Cu Cu Cu Cu 01 02 03 04 05 06 2225040 2225041 2225028 2225061 2225026 2225013 Tabela 28 – Classificação dos consumidores individuais em função do consumo Tipos Baixo Médio Alto Altíssimo Faixa de consumo mensal(Em kWh) De 0 a 75 De 76 a 150 De 151 a 300 Acima de 300 Tabela 29 – Demanda individual diversificada para lot.35 0.5 DIÂM.78 0.5 5.0MM2 VR01.53 0.

Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador .03-00.003 7ª Edição 16/12/2010 93 de 97 .Poste DT . – SIMBOLOGIA DESCRIÇÃO Capacitor automático Capacitor fixo Chave faca unipolar Chave faca unipolar com dispositivo para Load Buster Chave tripolar Chave tripolar com abertura em carga Chave a óleo Chave fusível Chave fusível com dispositivo para Load Buster Chave fusível com abertura em carga Cruzamento com ligação Cruzamento sem ligação EXISTENTE 600kvar PROJETADO 600kvar 300kvar 300kvar 600A 600A 600A 600A 600A 600A 600A 400A 600A 400A 100A 100A 200A 200A 200A 200A 200A 200A R Religador de tensão Seccionalizador Regulador Luminária a vapor de mercúrio R 200A S S 200A 200A 200A R VM-125 R VM-125 VS-250 VS-250 Luminária a vapor de sódio IN-250 IN-250 Luminária incandescente Poste de aço Poste de concreto duplo T AT Poste de concreto duplo T BT Poste circular de concreto 75/7 75/7 300/8 300/8 300/12 300/12 300/9 300/9 75/5 75/5 Poste auxiliar do consumidor VR01.15 kV ANEXO IV.

Norma

Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador - Poste DT - 15 kV

ANEXO IV. – SIMBOLOGIA – CONTINUAÇÃO

DESCRIÇÃO
Transformador CELPE de distribuição Transformador exclusivo do consumidor Transformador particular Transformador CELPE exclusivo do consumidor (abrigado) Transformador particular abrigado Ligação à terra

EXISTENTE
75 kVA

PROJETADO
75 kVA

112,5 kVA

112,5 kVA

112,5 kVA

112,5 kVA

112,5 kVA

112,5 kVA

112,5 kVA

112,5 kVA

A

Indicativo de chave de interligação Subestação 69/13,8 kV Condutor primário Condutor secundário Condutor em 69 kV Seccionamento do secundário Mudança da bitola do condutor Seccionamento ou encabeçamento no primário Encabeçamento no fim de linha secundária Encabeçamento no fim de linha primário Estai de âncora Estai de contra poste Estai de cruzeta Estai de poste a poste Condutor subterrâneo primário Condutor subterrâneo secundário Jumper

ALIM. - A

2001 9078 ALIM. - B

A ALIM. - A

2001 9078 ALIM. - B

3 # 185mm2 AL P - 13.8 kV

3 # 185mm 2 AL P - 13.8 kV

3 # 35mm2 (35) AL I

3 # 35mm2 (35) AL I

69 kV

69 kV

3 # 185mm2 AL I - 13.8 kV

3 # 185mm 2 AL I - 13.8 kV

3 # 70mm2 (70) AL I

3 # 70mm2 (70) AL I

VR01.03-00.003

7ª Edição

16/12/2010

94 de 97

Norma

Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador - Poste DT - 15 kV

ANEXO IV. – SIMBOLOGIA – CONTINUAÇÃO

VR01.03-00.003

7ª Edição

16/12/2010

95 de 97

Norma

Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador - Poste DT - 15 kV

ANEXO V. – AFASTAMENTOS MÍNIMOS ENTRE CONDUTORES E EDIFICAÇÕES

1.000

2.500

2.500

2.000

3.000

Fig. 01

Fig. 02

Fig. 03

Afastamento vertical mínimo entre os condutores e a cimalha dos edifícios

Afastamento vertical mínimo entre o piso da sacadas e os condutores

VR01.03-00.003

7ª Edição

16/12/2010

2.500

96 de 97

Ramais de Aliment. Carga Significativa Tronco de Aliment.Poste DT . Medir Ramais de Aliment.15 kV ANEXO VI.03-00. Ilumin. Medir Cons. Medir Cons.Norma Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador . Consumo AT Consum. – FLUXOGRAMA DE DETERMINAÇÃO DA DEMANDA DETERMINAÇÃO DA DEMANDA TIPO DE PROJETO REFORMA DE REDE EXTENSÃO DE REDE REDE NOVA MEDIÇÃO ESTIMATIVA PRIMÁRIO SECUNDÁRIO PRIMÁRIO SECUNDÁRIO Medir Tronco de Aliment.003 7ª Edição 16/12/2010 97 de 97 . Pública VR01. AT Medir Trafos.