You are on page 1of 15

que es ética, y cual es la diferencia entre ética y moral (Publicidad

)

parece que solo se lo mandé a un compañero. disculpas. cariños mirta LES ENVÍO UN FRAGMENTO-RESUMEN CONFERENCIA SOBRE ETICA - WITTGENSTEIN

Mi tema es la ética, La ética es la investigación general sobre lo bueno.

Ahora voy a usar la palabra ética en un sentido un poco más amplio, que incluye, de hecho, la parte más genuina, a mi entender, de lo que generalmente se denomina estética. A través de los siguientes sinónimos, tal vez puedan ver los rasgos característicos de la ética.

La ética es la investigación sobre lo valioso. - La ética es la investigación sobre lo que realmente importa.

Pero la ética hace otro uso de estas palabras. o relativo. El sentido trivial. y me contestaran: "se está usted comportando como un animal: y yo contestara: Sé que mi conducta es mala. Si digo ésta es una buena silla. .La ética investiga la manera correcta de vivir. lo que me dirían es. . Usadas de esta forma. el sentido ético. y la palabra bueno solo tiene significado en la medida que tal propósito haya sido previamente fijado. Significa que esta silla sirve para un propósito predeterminado.La ética investiga aquello que hace que la vida merezca vivirse .la ética es la investigación acerca del significado de la vida. pero no quiero comportarme mejor. Supongamos que yo dijera una mentira escandalosa. o absoluto. las expresiones no presentan dificultad o problema profundo alguno. Cada una de estas expresiones se usa en dos sentidos muy distintos.

ningún enunciado de hecho puede nunca ser ni implicar un juicio de valor absoluto. Contendría todos los juicios de valor relativo y todas las proposiciones verdaderas que pueden formularse. sean sublimes. A pesar de que se pueda mostrar que todos los juicios de valor relativos son meros enunciados de hechos. Si este hombre escribe su saber en un gran libro. tal libro contendría la descripción total de l mundo.Usted debería desear comportarse mejor. importantes . Este libro no incluiría nada que se pueda llamar juicio ético ni nada que pudiera implicar tal juicio en forma lógica. supongamos que uno de ustedes fuera omnisciente y conociera los movimientos de todos los cuerpos animados o inanimados del mundo y los estados mentales de todos los seres que han vivido. Este es un juicio de valor absoluto la diferencia esencial es Cada juicio de valor relativo es un mero enunciado de hechos y puede expresarse de una forma que pierde toda apariencia de juicio de valor. Pero tanto todos los hechos descritos como las proposiciones estarían en el mismo nivel. No hay proposiciones que en ningún sentido absoluto.

este resultado sería bastante obvio.o triviales. (Inarticulable)describir motivos ¹constituir motivos.El deseo sólo puede articularse en 1ra. por ejemplo. a simple descripción de estos hechos no encerrara nada que podamos llamar una proposición ética. y no ética. Por ejemplo. NADA de lo que somos capaces de pensar o de decir puede constituir el objeto (la ética) Esto es. la caída de una piedra.El asesinato estará en el mismo nivel que cualquier otro acontecimiento. persona. Lo que la ética debiera ser realmente. lo que se dice es el deseo. si leemos la descripción de un asesinato con todos los detalles físicos y psicológicos. No podemos escribir un libro científico cuya materia alcance a ser intrínsecamente sublime y de nivel superior a las restantes materias. si existiera tal ciencia. como. pero serian simplemente hechos. La lectura de esta descripción puede causarnos dolor o rabia. Sólo puedo describir mi sentimiento a este propósito mediante la siguiente metáfora: si un . pero en 1ra persona es imposible.

por tanto. La ética. sólo hay valor relativo y. Nuestras palabras. el bien absoluto. es sobrenatural. de ser algo. y a todos nos parece claro que carece de sentido hablar de la carretera correcta independientemente de un motivo predeterminado. como una explosión. usadas tal como lo hacemos en la ciencia. este libro destruiría. Del mismo modo. todos los demás libros del mundo. son recipientes que solo pueden contener y transmitir significado y sentido. En mi opinión. En la medida en que nos refiramos a hechos y proposiciones. corrección y bondad relativas. independientemente de sus gustos e inclinaciones. esto es una quimera. Creo que sería aquella que. realizaría necesariamente o se sentiría culpable de no hacerlo. si es un estado de cosas descriptible. aún más obvio: La carretera correcta es aquélla que conduce a una meta arbitrariamente determinada. al verla. Permítanme dar otro ejemplo. significado y sentido naturales. Bien /valor: absoluto no tiene contenido . o avergonzarse de no hacerlo. del mismo modo que una taza de té sólo podrá contener el volumen de agua propio de una taza de té por más que se vierta un litro en ella. todo el mundo debería tomar por necesidad lógica. sería aquel que todo el mundo. Veamos ahora lo que posiblemente queremos decir con la expresión: "la carretera absolutamente correcta".hombre pudiera escribir un libro de ética que realmente fuera un libro de ética. y nuestras palabras sólo expresan hechos.

Entonces. Me refiero a aquél estado anímico en el que nos sentimos inclinados a decir: "Estoy seguro. usaré esta experiencia como mi primer y principal ejemplo (como ya he dicho. en cierto sentido.se refiere a sí mismo. Ningún estado de cosas tiene. qué es lo que tenemos en la mente y qué tratamos de expresar aquéllos que. esto es una cuestión totalmente personal y otros podrían hallar ejemplos más llamativos). nada puede dañarme". fuera. sentimos la tentación de usar expresiones como "bien absoluto". según creo. etc? Cuando trato de concentrarme en esto. Mencionaré a continuación otra experiencia que conozco y que a alguno de ustedes le resultará familiar: se trata de lo que podríamos llamar la vivencia de sentirse absolutamente seguro. "valor absoluto". y de hecho lo es. Creo que la mejor forma de describirla es decir que cuando la tengo me asombro ante la existencia del mundo Me siento entonces inclinado a usar frases tales como "Que extraordinario que las cosas existan" ó "qué extraordinario que el mundo exista". Permítanme ahora considerar estas experiencias dado que. me ocurre siempre que la idea de una particular experiencia se me presenta como si. pase lo que pase. muestran las características Que tratamos de aclarar. lo que me gustaría denominar el poder coactivo de un juez absoluto. En la medida de lo posible. mi experiencia por excelencia. voy a describir esta experiencia de manera que les haga evocar experiencias idénticas o similares a fin de poder disponer de una base común para nuestra investigación. al dirigirme ahora a ustedes. Por este motivo. en sí. . como yo.

Original Message ----From: Aerrege To: libros gratis Sent: Saturday. cada concepto de ética que se defina.. estallarian todos los libros del mundo.Original Message ----From: mirtasusanap To: Aerrege Sent: Saturday. y cual es la diferencia entre ética y moral Lei el libro de wittgenstein. y cual es la diferencia entre . June 18. 2011 6:07 AM Subject: [LibrosG] consulta:que es ética. donde dice que si la ética pudiera definirse. saludos mirta ----. también dice que si un dia pudiese definirse etica. es muy interesante. June 18. 2011 10:04 AM Subject: Re: [LibrosG] consulta:que es ética.----. inmediatamente lo pasa a la categoría de moral.

también. te dicen lo que los inddividuos deben o no hacer. el ethos griego tiene un significado más ligado con la intención o con la finalidad de los actos del hombre virtuoso.net/apoio/moral.> > > que es ética. Es. 2) Distinción posible: moral (del latín "mores": costumbres): códigos sociales que. Igualmente apuntando para la acción (buena).esenviseu. por tanto. A ver. exteriores y impuestos por la comunidad. te dejo algunos textos: A) Qué (no) es Moral: http://ocanto.ética y moral 2011/6/18 Pablo Morales <pablomorales71@.. un cuerpo de normas o de reglas que rigen los comportamientos de los individuos de modo a que estes procedan de acuerdo con lo que en una sociedad es entendido como deber o como bien.... Ética (del griego "ethos": costumbres..-)). y cual es la diferencia entre ética y moral. pero apuntando para um dimensión más interior. 3) Si lees portugués.htm .. asi como de las normas que las orientan. Hummmmm. (Uffff! . Su objecto es el establecimiento de principios o criterios que posibiliten la JUSTIFICACIÓN racional de las conductas. (si logro explicarme en mi pobre castellano) 1) La diferencia entre ética y moral no es "pacífica": hay quienes distingan los 2 conceptos y quienes los identifiquen.

prisões. vale mais ser Sócrates insatisfeito que um imbecil satisfeito. A outra parte. para fazer a comparação. onde nenhuma repressão é eficaz. polícias. é necessária. É aqui que a moral começa. É talvez aqui que a filosofia começa. .htm D) El programa de Filosofía de la enseñanza "secundaria" tiene un capítulo sobre Ética/Moral.esenviseu. sendo todavia mais livre que os seus juizes. (JOHN STUART MILL) Estamos enganados acerca da moral.net/apoio/et_moral.esenviseu. para reprimir. para condenar. http://ocanto. Ela não existe basicamente para punir. conhece os dois lados.net/novo10/etica2. onde nenhuma condenação. e ninguém os confunde com a moral. A moral começa onde nós somos livres: ela é a própria liberdade. 27-35 [dados bibliográficos aqui] Vale mais ser Sócrates insatisfeito que um porco satisfeito.Apresentações da Filosofia.esenviseu. quando esta se julga e se dirige.B) Qué (no) es Ética: http://ocanto. .net/lexicon/etica. para cada qual.htm C) No es aceptable la distinción Ética-Moral: http://ocanto. Sócrates morreu na prisão. Para isso há tribunais. pelo menos exterior.. p.htm Espero haber ayudado. E se o imbecil ou o porco têm uma opinião diferente.-) Salu2 A MORAL por André COMTE-SPONVILLE .. é porque só conhecem um lado da questão: o seu. e recomeça sempre: onde nenhuma punição é possível.

que era um homem honesto. pelo contrário. do admissível e do inadmissível. A tua moral tem a sua pedra de toque. Que farias? Que não farias? Continuarias. a única resposta válida está em ti mesmo.. Basta rodar o anel e voltar o engaste para o lado da palma da mão para a pessoa se tornar totalmente invisível. O medo da autoridade é o contrário da virtude. Será demasiado? Ou será pouco? Cabe a ti decidir. mesmo invisível. dito de outra maneira.. não dependes senão da tua resposta. que tens esse anel de que fala Platão.. como experiência de pensamento. a sua liberdade. um engano.. não soube resistir às tentações a que este anel o submetia: aproveitou os seus poderes mágicos para entrar no Palácio. Isto é sugerir que a moral não é senão uma ilusão. do dever e do interdito. pela qual te julgas a ti mesmo. não se distinguem senão pela prudência ou pela hipocrisia. que tinhas esse anel. tu. Possuíssem um e outro o anel de Giges e nada os distinguiria: «tenderiam ambos para o mesmo fim».. Imagina. de ser punido. a sua dignidade. Mas há um vigilante que te observa. Para ti. a sua intimidade. É um anel mágico que um pastor encontrou por acaso. violar. os seus segredos. assassinar? A resposta só depende de ti. A tua moral? Aquilo que exiges de ti. Será isto verdade? Claro que Platão está convencido do contrário. mas em nome de uma certa concepção do bem e do mal. por exemplo. não em função do olhar dos outros ou desta ou daquela ameaça exterior.Querias roubar aquele disco ou aquela peça de roupa numa loja. ou um sistema de vigilância electrónica. moralmente. enfim. Mas ninguém é obrigado a ser platónico.. e não houvesse senão a procura. um medo disfarçado de virtude. assassinar o rei. é precaução. por parte de cada um. não por interesse mas por dever. martirizar uma criança. de ser condenado. ou é apenas a virtude da prudência. seduzir a rainha. ou supostos como tais.. Imagina. Bastaria podermos tornar-nos invisíveis para que qualquer interdição desaparecesse.. A tua alma tem a sua pedra de toque. mas diz respeito a tudo o que tu és.. mas que te permitirias se fosses invisível. Não é moral. Em contrapartida. ou tens simplesmente medo de ser apanhado. a respeitar a propriedade dos outros. Giges. pela importância desigual que atribuem ao olhar dos outros ou pela sua maior ou menor habilidade em se esconder. é calculismo. Não é honestidade. Concretamente: o conjunto das regras às quais te submeterias mesmo que fosses invisível e invencível. da humanidade e de ti. continuarias a obrigar-te ou a proibir-te.. ou. tomar o poder e exercê-lo em seu exclusivo benefício. por exemplo. .. a sua vida? Ninguém pode responder por ti: esta questão só a ti diz respeito. e rodá-lo para o outro lado para voltar a ficar visível. se pudesses tornar-te invisível. do seu prazer ou do seu interesse egoístas. aquilo que. torturar.. Quem conta a história n'A República [uma das obras de Platão] conclui que o bom e o mau. trair um amigo. fazer condenar um inocente. só isso é estritamente moral. o famoso anel de Giges que te torna invisível quando queres. releva menos da moral que da prudência ou da hipocrisia. Tudo aquilo que não fazes... Aceitarias.

mas de uma escolha.» É apenas o espírito. mas de si para si. mas para levar em conta os interesses ou os direitos do outro. Para os outros bastam a misericórdia e o direito. É a tua própria vida: tu és. É inútil. o que não passaria de egoísmo. sem outro benefício que a satisfação — ainda que mais ninguém saiba disso —. do ponto de vista moral. Uma aposta? Exprimo-me mal. É a lei que imponho a mim mesmo. Ser malvado ou bom. para isso. aquilo que fazes. aqui e agora. ocasionalmente os viole. mas «às ocultas dos deuses e dos homens». ou. sonharmos ser outra pessoa. Se há uma diferença mais do que aparente entre um malvado e um homem bom é porque o olhar dos outros não é tudo. mais uma vez. a felicidade. Dizer a alguém: «Deves ser generoso» não é fazer prova de generosidade. como qualquer pessoa.de fazer bem. e ainda menos um espectáculo. sem nos dominarmos. cabe-te a ti escolher. Claro que agir moralmente é tomar em consideração os interesses do outro.. Dizer-lhe: «Deves ser corajoso» não é fazer prova de coragem. A moral responde à questão Que devo fazer? — é o conjunto dos meus deveres. A moral só vale para nós mesmos. só depende de ti. pois a resposta. Só tu sabes o que deves fazer. Haverá espécie mais desagradável? Discurso mais inútil? A moral só é legítima na primeira pessoa. sem recompensa nem castigo possíveis e sem ter necessidade. como diz Platão. para não ser um malvado. dito de outro modo. Não se trata de uma aposta. mas moralizador. os deveres só valem para nós mesmos. nunca é para o nosso vizinho»: aquele que se ocupa dos deveres do vizinho não é moral. Podemos esperar a riqueza. de julgar. dizia Alain. . somente a ti: tu vales exactamente o que queres. Que devo fazer? e não: Que devem fazer os outros? Eis o que distingue a moral do moralismo. ou que deveria impor-me. a saúde.mesmo que. dos imperativos que reconheço como legítimos —. Como podemos ter alegria sem nos estimarmos ao menos um pouco? E como nos estimaremos sem nos dirigirmos. para permanecer fiel a uma certa ideia da humanidade e de si. de agir. e ninguém pode decidir por ti. de outro olhar que não o próprio. não para aumentar a sua felicidade ou o seu bem estar. O que é a moral? É o conjunto das coisas a que um indivíduo se obriga ou que proíbe a si mesmo. É o espírito de Espinosa: «Fazer bem e ter alegria. como se diz. mas não é um jogo.Não tens o anel? Isso não te dispensa de reflectir. independentemente do olhar do outro e de qualquer sanção ou recompensa esperadas. a beleza. Solidão e grandeza da moral: só vales pelo bem que fazes e pelo mal que te proíbes. ou seja. sem nos ultrapassarmos? É a tua vez de jogar. É absurdo esperar a virtude. Tal é a aposta da moral e a sua solidão derradeira: toda a moral é em relação ao outro. «A moral. porque a prudência não é tudo..

Não há uma moral absoluta. ou por si. ou seja. para qualquer sociedade. Na prática. violaste? Tu sabe-lo bem. e esse é o único bem de verdade.. Se toda a gente mentisse. Mas não te dispensa de estar de bem contigo mesmo. ninguém acreditava em ninguém: nem se poderia sequer mentir (pois a mentira supõe a própria confiança que viola) e qualquer comunicação se tornaria absurda ou vã. Se toda a gente matasse. ninguém pode ser julgado senão por Deus. uma criança deita a pastilha elástica para o passeio: «imagina. Haverá então tantas morais quantos os [?] indivíduos? Não. e seríamos todos vítimas dos assassinos que seríamos todos. mas que nos levam ao coração da moral. sabemos bem que há morais diferentes. quem pode conhecer as intenções. Mas quando me proíbo a crueldade. as desculpas ou os méritos dos outros? Moralmente. É este o paradoxo da moral: só é válida na primeira pessoa. ou seja. se este existir. roubaste. com a tua consciência.. mas é-o universalmente. a vida em sociedade tornar-se-ia impossível ou miserável: deixaria de haver propriedade.. Quantos malvados não há em liberdade? E quantas pessoas de bem na prisão? Podes estar de bem com a sociedade. Por exemplo. da cultura em que nos reconhecemos. pelo menos moralmente. da sociedade ou da época em que se vive.. para todos os seres humanos (pois qualquer ser humano é um «eu»). a qual dependeria do gosto de cada um. e não há dúvida de que isso é necessário. Pelo menos. da sua ingenuidade? Mentiste..De resto. Foste egoísta? Foste displicente? Aproveitaste-te da fraqueza de outro. que toda a gente fazia o mesmo: que sujidade isso não provocaria. que dependem da educação que se recebeu. dos meios que se frequenta. dizem-lhe os pais. e isto faz com que uma existência seja suficiente. que . da sua fragilidade. e este saber de ti para ti é o que se chama consciência. ou ninguém lhe tem acesso absolutamente. é assim que a vivemos. sei também que não se trata somente de uma questão de preferência.. Se toda a gente roubasse. seria a humanidade ou a civilização que correriam para a sua perda: haveria apenas violência e medo. o racismo ou o crime. para a humanidade ou para a civilização. Um processo? Uma multa? Uma pena de prisão? Isso é apenas a justiça dos homens: apenas o direito e a polícia. e é o único juiz que importa. Trata-se apenas de hipóteses. É antes de mais uma condição de sobrevivência e de dignidade para a sociedade. não haveria bem estar para ninguém nem haveria nada para roubar. Queres saber se esta ou aquela acção são boas ou condenáveis? Pergunta a ti mesmo o que se passaria se toda a gente se comportasse como tu.

no caso dos valores.. ou melhor. a dignidade dos outros. a violência ou a crueldade à frente da doçura ou da compaixão. que está errado. ser válido para todos: agir moralmente é agir de tal maneira que possas desejar. que nós temos razão e ele está enganado. que toda a gente matava. mas mais útil talvez que a precedente: Faz o teu bem com o menor mal que for possível causar aos outros». agredia. que qualquer indivíduo se submeta aos mesmos princípios que tu. incluindo àquele que não os partilha.. pelo espírito ou pela razão. de que nos serviria ter primeiramente os meios para o refutar? O horror não se refuta. haverá um fundamento que não pressuponha a própria moral que pretende fundamentar? Como demonstrar ao indivíduo que pusesse o egoísmo à frente da generosidade. tal como Rousseau enuncia a «máxima sublime»: faz aos outros como queres que te façam a ti. violava. Isto é viver. exprime a fórmula. Isto retoma o espírito dos Evangelhos. de que Rousseau. Será necessário um fundamento para legitimar esta moral? Não é necessário nem forçosamente possível. contra a barbárie. isto é. para o combater. «bem menos perfeita. mais modestamente. pelo menos em parte. mais lucidamente. E retoma também. Tens necessidade de um fundamento para o combater? Um fundamento seria uma verdade incontestável que viria garantir o valor dos nossos valores: isto permitir-nos-ia demonstrar.. O mal não se refuta. segundo si mas enquanto se julga e pensa.. Contra a violência. É a moral em si mesma. que toda a gente roubava. dizia Alain. universalmente. que teríamos de começar por demonstrar? E. para todos. e obedecer mais à razão que às inclinações ou aos interesses. a fortiori. segundo o outro. o espírito de compaixão. ou o espírito da humanidade (encontramos formulações equivalentes noutras religiões).» Trata-se de agir mais segundo a humanidade que segundo o «querido pequeno eu».. temos menos necessidade de um . e que efeito poderia tal demonstração ter sobre ele? Que importa o pensamento àquele que só pensa em si? Que importa o universal àquele que só vive para si? Por que há-de respeitar o princípio de não contradição aquele que não hesita em profanar a liberdade dos outros. Uma criança está a afogar-se. Tens necessidade de um fundamento para a salvares? Um tirano massacra.desagradável seria para ti e para todos!» Imagina. mais uma vez. de direito. oprime. a mentira à frente da sinceridade. tortura. Uma acção só é boa se o princípio ao qual se submete (a sua «máxima») pode. torturava. contra a crueldade. que toda a gente mentia. a vida dos outros? E. ou deveria ser válida. Tal é o sentido da famosa formulação kantiana do imperativo categórico. É este o ponto decisivo: trata-se de nos submetermos pessoalmente a uma lei que nos parece ser válida. Completamente só. Como poderias desejar uma humanidade assim? Como poderias querê-la para os teus filhos? E em nome de quê te poderias pôr à margem do que queres? Tens pois de te proibir o que condenarias nos outros. Haverá alguma demonstração que possa prescindir dos princípios prévios. Mas para isso seria necessário começar por fundamentar a razão.. sem contradição. e isso não se pode fazer. ou então renunciar a julgares-te pelo universal. na Fundamentação da metafísica dos costumes [dados bibliográficos da edição portuguesa aqui] «Age apenas segundo uma máxima tal que possas ao mesmo tempo querer que seja uma lei universal.

visto que. sem nada esperar em troca. isso não te dispensa de fazeres o teu dever. e vale mais. o teu próprio egoísmo. até conduz. escrevia Alain. não te permites tudo: nem tudo seria digno de ti! O crente que só respeitasse a moral na esperança do paraíso. não seria virtuoso: seria apenas uma questão de egoísmo e prudência. ou por medo do inferno. Mesmo que Deus não exista. Isto quer dizer que uma acção só é moralmente boa na condição de a fazermos. a tua própria violência. diz mais ou menos Kant. moralmente. diz uma personagem de Dostoievski. ou seja. é por agir bem que posso ter esperança — não para ser virtuoso. na modernidade. Não é a religião que fundamenta a moral. Nem sem combate.» Trata-se de respeitar a humanidade em si e no outro. pois tal nobreza impõe uma obrigação. Não é porque Deus existe que devo agir bem. é a moral que fundamenta ou justifica a religião. Aquele que só faz o bem para a sua própria salvação. de agires humanamente. «A moral. no laicismo (no bom sentido do termo: no sentido em que um crente pode ser tão laico como um ateu). consiste em nos sabermos espírito e. e ninguém pode sê-lo em teu lugar. Trata-se de não sermos indignos do que a humanidade fez de si e de nós.» O único dever é ser humano (no sentido em que a humanidade não é somente uma espécie animal. menos necessidade de um fundamento que de exigência e fidelidade. Não é porque Deus me ordena qualquer coisa que isso é bom. a esse título. E. pelo contrário. à religião. a moral não impede a crença. crente ou descrente. Nada mais há na moral que o sentimento da dignidade. a tua própria baixeza. «como o homem fazer bem e de acordo com o que é prescrito. ou que não pensa senão em ti. Deste modo.fundamento que de coragem. mas para escapar ao desespero — de crer em Deus. tudo é permitido. mas uma conquista da civilização). a única virtude é ser humano.» Não é verdade. «Se Deus não existe. não faz o bem e não será salvo. É o espírito das Luzes. e de seres digno disso. . Kant. é por um mandamento ser moralmente bom que posso acreditar que vem de Deus. Voltaire. em face de nós mesmos. absolutamente obrigados. «Não há nada tão belo e legítimo». O que não acontece sem resistência nem sem esforço. ou mulher. É o espírito de Bayle. Trata-se de recusares. escrevia Montaigne. como também diz Kant. ou seja. Trata-se de recusares em ti a parte que não pensa. Para que precisamos de um fundamento ou de uma garantia para tal? Como seriam eles possíveis? A vontade basta. mesmo que não haja nada depois da morte. ou pelo menos superares. De quereres ser homem. É aqui que entramos. Mas não depende desta nem pode ser reduzida a ela. segundo Kant.

||| Veja ainda o texto O sentido da vida. de Fernando Savater e a unidade programática O sentido da existência do programa de Introdução à Filosofia (ano lectivo 2001/02). viver livremente com os outros. e é por isso que a moral não é tudo.. também e a resposta à pergunta (do mesmo teste) "E se vivêssemos para sempre?". sendo livremente tu mesmo (em vez de ficares prisioneiro dos teus instintos e dos teus medos!).com/2009/06/buscador-de-libros-gratis-en-la-web. nenhum amor é suficiente: o que quer dizer que a moral é sempre necessária.html VIDA (Em redacção). ||| Citação: "(.blogspot. ou pelo menos universalizável. E tal é preciso: ela tem necessidade de ti como tu tens necessidade dela! http://librosg.Isto não substitui a felicidade. e é por isso que a moral não é o essencial.)a vida não é uma regra de três simples" (Luís Osório in Pública de 14/2/99) ||| Vida e risco: ver texto (e questão) em teste do 12º ano: A vida é risco e a filosofia.. Mas nenhuma felicidade a dispensa. A moral é a exigência universal. fazem bem que ajudam [?] a humanidade a fazer-se. ||| Ver Morte. que te foi pessoalmente confiada. . É ela que te permitirá. É quando o homem. ou a mulher. Não substitui o amor.

  © n    ¾ n°¾f   ¾xnf nf ¾f €  °nf °  xnf¯f       – °¾ °  °  n  ¾fxnf½  f €°¾  nf fn°n ½ xnf ¾  €°f °¯ ff¯ ° ½f¾fffnf –f  ¯f    ¾¯°  ¾f°   f¯ x° n  ¾° f½  ¾  €°¾  nf  ¾fff° ¾¾  ¾ ¯°    ¾f ¾ ¯f  –°f.  © n   ¾ n°¾f   ¾xnf nf ¾f €  °nf °  .   –°f. ¾¾f–   ¯   –  @  ¾–f¾  ° f f °   . ¾¾f–   ¯ ¯f¾¾f°f½ @   –   ° f f °   .

xnf¯f    $$9f .f ¾ ½f ¯f ¾'      ¾xnf nf ¾f €  °nf ° xnf¯f   ¯¯¯¯¯   %¾– ½nf¯  °¯½  nf¾ f°% %f €  °nf ° xnf¯f° ¾ ½fn€nf f ° ¾  ¾°–f°¾n°n ½¾ ° ¾¾ °€ °  %¾°n°½¾  ¯f% f° ¯ ¾ n¾¯  ¾% n –¾ ¾nf ¾    ¾¯½ ¾¾½fn¯° f   n °  ¾°  ¾ °°fn  ¾ ½f° °n ½  °¯f¾  –f¾ – °¾n¯½f¯ °¾ ¾°  ¾  ¯ f  ¾ ¾½n f° fn  n°  °°f¾n f  ¾  ° °  n¯ n¯  ° %D€€€€" %%  nf% – – ¾ n¾¯  ¾ f¯ x° ½ f½°f° ½ff¯  ¯ °¾°¯h¾°  –f¯ ° f½°f° ½ffffnn°%  °f%    ¾– – ° °¾–°€nf ¯h¾–f n°f° °n°n° f€°f f  ¾fn¾ ¯  ¾  © n ¾   ¾f  n¯ ° ½°n½¾n ¾ ½¾  °f D@.

.

f ½ $$nf° ¾ °¾  ° $f½$¯f ¯  .x%°% ¾.-fn°f f¾n° nf¾ f¾n¯ f¾°¯f¾  f¾ °f°  % ¾½–x¾   ©f–°¾ ¾  %.

x%°% ¾nf ½ $$nf° ¾ °¾  ° $ n°$ nf ¯ . %.

f  ½ $$nf° ¾ °¾  ° $f½$ %¯f ¯ %½–f¯f ¾€f f °¾ ³f°f ¾ n° ff  ° ° nf½¾  nf$.f  ½ $$nf° ¾ °¾  ° $°$ nf ¯ ¾½ f f f   % f  .%- ¾fn ½f  f ¾°n°nf .  ½° x.

.@ 9-I ½ ¾ °fsµ ¾ f¾€f ½   f ¾  –h€n¾f   If ¯f¾¾ nf ¾°¾f¾€  ¯½n¾f¾€  f ¯f¾¾ nf ¾°¾f¾€   ¯¯ n¾f¾€  ¾ ¯ n½ny¯¯f½°j €  ° x½ ¾n° n ¯ ¯f  f ¾j ¾  f½f ½ff€f fn¯½ffsj n° n ¾ ¾f ¾ %- @D@.%  ¾f¯¾ °–f°f ¾fn nf f¯f f°j ¾  f¾nf¯ ° ½ff½° ½ff ½¯ ½ff n° °f 9ff¾¾h °f¾ ½nf¾ ½¾µ ¾  °°–x¯¾n°€° n¯f¯f nf ¾ ¯ °f½¾j ¾ °  ff¯f¾  ¾¾ ¾© ¾ f f f€¾€fn¯ sf  f f¯fn¯ sf ½ffnf ff   n¯ sf¾ ¯½ ° ° °¯f½°sjx ½¾¾  ° ° °¯f ½ ¾¾jx €nf ° ° °¯fn° °fsj ½ ¯ °¾   x ° n ¾¾hf ¯fn¯ sf° °¾¾¯¾ ¾  fxf½½f  f f°  ¾f¾ ©–f ¾  –     .

 ¯n°ff¾f°  ½ nf ¯f f¾ f¾ 9fj n°n   ¯ ¯f ¾½¾¾n¯f¾ °j¾  ¾°– ¯¾ °j½ f½ y°nf½ f ½n¾f    f¯f° f ½ f¯½i°nf ¾–f f  ¯ff ¾¾ ½ f¾f¯f¯ °f  f  ¯¾  ¾n°  9¾¾¾¾ ¯¯ f°  – ¾  °f f¾ ¾°–f   ° f¯f¯ ¾½ff¯ ¾¯€¯ ¾x¾–  f¯f°jx ¾ °j¯f¾j ¯ °–f° ¯¯  ¾€fsf    f¾ff½ ¯¾°f °¾ °¾ ¾½ff f °  sj ¾f½f n ¾¾  °j ¾¾ ¾ °jf½nf ½½f  nf f¯  ¾ ½f  ¾ °  ¾¾  –¾f¾    h¾  f "..f¾h¯–f°     ¾ f ¯¾¾ ¯f –i°nf  n°nf  °¾¾¯½ ¾¯ ° ¯  ¾ f½f°f    ¾ ½°   ¾ n° °f  -jx° ¾ f xnfn¾¯ -jx¯f x½ nfsj  ¯  ff f xn°h f xf½ °f¾f  f½ y°nf   ¯f–°f ½ n°h   °¾ ¾¾ f°   €ff9fj €f¯¾f°  – ¾   °f°¾ f°   ¾ ¯f° ¯h–n ¯½f¾ °n°½fnf¾  f¾f f f°  f °–f¾ ½fff  f½f¯f f¯j½fff½ ¾¾f¾ °ff¯ °  °¾    h ½fff ½ffff€nf¾  – ¾   f¯¯ ¯ ° ¾ °j¾  ¾¾g¾ °fsµ ¾f  ¾ f° ¾ ¯ f f½ ¾¾ ¾½  ¾ ¯h–n¾½ff °f°9fhn ¾ ff°f f¾¾f¾¾°f  ¯f½    ny  ¯ ¾  n¾ ° €n . f¾ ff   ¾nf f½ sf ½f°¯f©f .

f¾°°–x¯x –f f¾  ½f°n 9ff f°nf ¾½¾fh f ¾h ¯¯ ¾¯ ¯f–°f n¯ ½ y°nf  ½ °¾f¯ °  °f¾ ¾¾ f°  .f 9fj ¾hn° °n  n°h . €ff¾". °j€ff¾".

°°ff¾ ½  ¯½ f  ¾½ ff½½ f  ¾¾ f¾f°¯ f ¾¾ ¾¾ – ¾ f¾f  f f¾f –° f f¾f f"-°–x¯½  ¾½° ½  ¾f ¾j¾f  ¾½  ¯f¾   ¾½ f  x¾ @ f °j€f ¾ ¯f¾  ½ ¯f¾¾ €¾¾ ¾°¾     f¯ °¾ f¯f  f½ y°nf f½n¾f ¯n°f½f f f ¯ ¾¯ °¾  n°°ff¾f –f  f½   °j½°  ¾¾ ¯f¾½   ¾¾¾x ¾f¯ ° ¯f ff¯f ¯f¾f½ f  f¯f ¯f¾f½ f   ½ ff ©–f¾f¯ ¾¯ f¯f"  – ¾  °j ¯€°sj f ¾ ¾ ¾f f ff¯ fsf   ¯f¾ ¯°¯  ¯fn fn°n ½sj  ¯   ¯f      °    f ¯¾¾   °f ¯¾¾   °€¯  f¯f° f     .

°n f¯ ° n°©° f¾ –f¾g¾f¾ ¾ ¯  f¾¯ ¾¯ €¾¾ ¾°¾   ° °n     h ¯f¾f "¾ h½n".

f f n  n ff¾ ½  ¯½ ¾ ½ ¾¾ ¾°f   °¾  €f n° °f¯°n ° f¯f¯– ¯ff¯fnf°sf f f  f¾¾f¾¾°f" ¾½¾f¾ ½ °    ¯f¯ ° °j ½ ° ¾¾ °j ff ¾½¾f  .

-j °¾f° "¾¾°j  ¾½ °¾f  € n  ©–f  f–  h¯f €  °sf¯f¾   f½f °  ° ¯¯ff  ¯¯ ¯ ¯x½ f ¾¾°jx   ½ f½ y°nf°jx  @fxff½¾f f¯f f¾f¾ j f f  ff¯fx ¯ fsjf ¯f¾ ¾½ff¾ .

f f–¯f¯ ° x¯f ¯n°¾ fsj¾ °  ¾¾ ¾  ¯f¾ g¾nf¾ ¾ ¾ ¾  ¾¯ °¾ n¯ 9fj     ¯  ¾ ¯ n¯½ °¾f° ¯nf¾–½¾¾ ¾ ¾ ¯ ° n ¾¾ f ½ff¾¾  f  °j½½ D¯ff½¾f"½¯ ¯ ¯f ½¾f ¾½¾f ¯f¾¯f  ¾ ½ °    -j¾ ff ¯ff½¾f ¯f¾ ¯f ¾nf ¾f ¾   ¾€f   °°–x¯½  n ½  j –f° f f¯f ¾f ¾½  ¯ €f ¾ ½ ¯f  ½ ¾  ¾ ¯ ° €n f¾f¾€fsj f° f ¯f¾°°–x¯¾f f ¾¾  €f  ¯    ¾½ ¾½°¾f  f  ¯  f –f f½ °f¾ ¾½ .

   ¯€f ¾¾"¾  ¾°– f¯f ¯f¾¯   ¯f  ff° °°nfx½ff°¾¾° f   ¾ n½f ¾   ¾ °°j x¯f ¯f¾¯ff  f h ¾½xn ¯f¾ ¾f–f h "¾n¾¯f¾°"¯f¾x  –¯f°f½¯ f½ ¾¾f  ff–x¯    ¾¾ – ° ¾ °jx€f ½f  – ° ¾ f       ¾¾ nf©¾ °jx€f ½f nf– ¯ ¯f¾f ½ff °¾¯ ¾¯¾ ¾   ¾¾f ¯½ff°¾¯ ¾¯¾ 9ff¾¾ f¾f¯f¯¾ n f     .¯½ ¯¾ f –f ¾ ¯°¾ ¾¯f¯¾f¯ °¾¯½n"n¯°¾ ¾¯f ¯¾¾ ¯°¾ –¯¾ ¾ ¯°¾ ¯°f¯¾ ¾ ¯°¾f½f¾¾f¯¾"ff  ©–f n¯¾   ¯f¾°jx¯©–   f° f¯ °¾¯ ¾½ nhn ff½½f f x¾ f f–f f €f ¾ °   ½° ¾f¯f ¾°f¯¾¾ f½ ¾¾f 9 ¯¾ ¾½ ff f f¾f f  f  f€ n f f ¾  ¾½ ff  ¯ff  ¯ nf  f ¾n  ¾¯ ° f  f ¾ fnf¯ °    ¾      xf¯f"n°©° f¾n¾f¾f ¯°  ¾  –f ½ f¾¯ ¾¯  °j½fff¯ °ff¾f€ n f ¾  ¯ ¾f  °j½f¾¾ff  –¾¯ ¯f¾½ff  f ¯n°f¾°  ¾¾ ¾¾  ¾  ½ff°j¾ ¯¯ff  ½ff½ ¯f° n  € f¯fn f f f¯f° f   ¾ ¯f ¾½° g ¾j.  €f " °j .  €f " x n°©° ¾¯ ¾   ¾ ¾ ©f  ¾¯½ f¾  n° sn¯ –¯¾ ¯ ¾¯  n¯f ½ ¾¾f nf¾°f¯ ° ¾ f  ¯½°f¯¯¯ ¾¯    f¯½ ¯ ° ½ ° ° ¯ °  f   f ¾f°sj n¯½ °¾f ¾½ f f¾   .

f¾f° ¯ ½ fn  f  fn¾¯n¯ ¾ f¯ x¯ °j¾ ff¾¯ °  ¯f ¾j ½ € y°nf ff ½ ° f –¾ nf f¯ f° ¾ ¯f¾¯fn° sj ¾  y°nf   –° f  ½fff¾n f ½fff ¾n f ¾ ©f ½fff¯f° f ½fffnfsj     ff– ° ¯ °¾¾ °°–x¯fn ff ¯°°–x¯ ° ¯¾ ½ f¾  ¯ °%½¾f ¯ °f¾½µ f½½fn°€f°sf f% f n¯°nfsj¾ °fff ¾ fj     ff– °  f¾¾ f f ¯¾n f °f ¾ f¯½¾¾ ¯¾ h   ff  f ½½ f °jf f ¯ ¾f½ff°°–x¯° ¯f f°f f½ff f     ff– ° ¯ff¾¾ ¾ ff¯f° f fnfsj n f¯½fff¾f½  f  f ff½ °f¾y°nf ¯   ¾ f¯¾ ¾¯f¾ ¾f¾¾f¾¾°¾ ¾ f¯¾ ¾   @ff ¾ f½ °f¾ ½ ¾ ¾ ¯f¾ °¾ f¯fnfsj f¯f . °¾  f¾ f¾ "@¾f  ¯   ¾ ¾f  ½ffx ¾ nf¯fn°¾ny°nf  x°n© ¯½f ½ ¯ °¾¯f¯ °  D¯½n ¾¾"D¯f¯f"D¯f½ °f ½¾j"¾¾xf½ °f¾f©¾sf ¾¯ °¾ f½ °f¾   f½nf .f¾°j  ¾½ °¾f  ¾f  ¯n°–¯ ¾¯ n¯ffn°¾ny°nf   ¾¾ x°n ¯    f   f h °jf°f¾¯f¾f°¾¾ " °  ¾"-j  ¾ ½ff  f¯f ¾x h f°f½¯ f½ ¾¾f ¯f¾x ° ¾f¯ ° ¾ ©f ½ff ¾¾¾  ¾¯f°¾%½¾ f ¾ ¯f°x¯  % 9 ¯ °¾ xf¾¾¯ f ¯¾ -f½hnf ¾f ¯¾ ¯  h¯f¾ €  ° ¾   ½ ° ¯ f nfsj ¾  n   f¾n f  fx½nf ¯ ¾   ¾¯ ¾ ¾ €  °f  fnf ¯ °¾ n° n ¯¾ -jh¯f ¯ff ¾f °°–x¯  ¯fn ¾¾f ¾f¯ ° .f°¾¯ff ¾°jh ¯  f "f°f¾½ ¾¾f¾  ¯°f½¾j" 9 ¾ ¾f  ¯n¯f¾n f  °jh  f  ¾¾x° n ¾¾h .   ¾  ¯½ n° n f¾° °sµ ¾ f¾ ¾n½f¾¾¯x¾ ¾¾".  ¾¾f ¾  ¾f f ffnsj¾j f¾n° °h ¾"9 –°ff¯ ¾¯ ¾ ½f¾¾ff¾  ff– ° ¾  n¯½f¾¾ n¯ 9  ¯½ ¯fnf°sf ff½f¾f h¾nf½ff½f¾¾   ¯f–°f   ¯  ¾½f¾   ff– ° €ff¯ ¾¯  ¾© f ¾¾°j½nff   .f¯ °  °°–x¯½ ¾ ©–f ¾ °j½ ¾ ¾  ¾  ¾ ½¾  ¾€fn¯ ¯f ¾y°nf¾ ©f¾€n ° ¾  –¾f"¾  ¾½n ° "½ f¾   f€f f   f¾f€f– f  f¾f°– ° f ".

¾f–f h ¾ f½ff ½ff ¾" ¯f–°f f€   ff– ° ¯ °f   ff – ° ¯fff   ff– °  ff ff f– f ff .

¯½ f¾ ¾ ©f¯f ¯f° f f¾¾¯".

¯½ f¾ y f½ff¾ ¾€¾" ¯°¯  y ½ f¾ ½´g¯f– ¯    ¾"@ °¾½¾  ½  n° °ff¾°¾¾  °j  °°nff©–f ¾  ½ ° ¾f ¾x ½  ¾½½ ffj  ¾ ½° n¾  ff ¾  °¾¾ ¯  ¯¾½ ¾¾f¯ ° f¯f  °¾½f n ¾ h f   f¾  h f ½ff ¾   @fx¾ °  f€f¯¾f€¯fsjf°f°f ¯½ fnf –n °f° f¯ °fsj f ¯ f€¾nf ¾n¾¯ ¾ f ¾  –h€n¾ f sj½– ¾ff  – f½ °f¾¾ –°  ¯f¯h¯ff ½¾¾f¾f¯ ¾¯ ¯½   ¾ ©f¯f ° ¾f @ff ¾  f– ¯f¾¾ –° f¯f° f  ¾ –°    ½  °    n ¯f¾gfj  g¾°n°fsµ ¾f¾°  ¾¾ ¾ D¯ffnsj¾x f¾ ½°n½ff¾ ¾ ¯  %f¾f ¯h¯f %½     ¾ h ½ff ¾ f–¯f¯ ° xf– f¯f° f  ½¾¾f¾ ¾ ©f ¾ ¯n°f sj  f °  ¾ ¾ ¯ ff¾¯ ¾¯¾½°n½¾   ¾ ¯f ¾½ ¾f°– ¾  ¾½ f¯f° f % °n°f¯¾€¯fsµ ¾ f ° ¾°f¾ –µ ¾% fn¯¾¾ f °°nff ¯h¯f¾ ¯ €ff¾¾ n¯  ¾  €fsf¯f  ¯ff¯ x¯ ¯f¾¯ ¾f¯ ° ¯f¾n f¯ °  ¾½ n¯½fj   ¾¾ f ¯f¾¯f   ½¯ f€¯f  ¯¯ °¾½ € f  ¯f¾¯f¾f  f½ n ° f  ¯n¯¯ °¯f €½¾¾ nf¾ff¾ ¾ ¾x  ½ ¯ °¾ ¯½f ¾ –°  ¯  ¾ –° ¾¯f¾ °f° ¾ ©–f ½ °¾f .

f¾½ff¾¾¾ f° n ¾¾hn¯ sf½€° f¯ °fffj  ¾¾°j¾ ½  €f  f hf–¯f ¯°¾fsj ½¾¾f½ ¾n°  ¾½°n½¾½x¾   f¯¾  n¯ sf½ ¯°¾f" °nf¾ ¾f ¾ f h¯€° f¯ ° °j½ ¾¾½°ff ½½f¯f ½  ° €° f¯ °f".¯½ f¯ ° ¾  ff° ° ¾f¯ ° f¯f ¯¾¯ ¾¯f    h° n ¾¾h¯€° f¯ °½ff –¯f ¾f¯f"-jx° n ¾¾h° ¯€s¾f¯ °  ½¾¾  D¯fnf°sf ¾hff€–f ¾ @ °¾° n ¾¾ f  ¯€° f¯ °½fff¾ff ¾"D¯ f°¯f¾¾fnf ½¯ f @ °¾° n ¾¾ f  ¯€° f¯ °½ffn¯ f "D¯ €° f¯ °¾ f¯f  f °n° ¾h  f–ff°f ¾°¾¾¾f ¾ ¾ ½ ¯ °¾ f ¯°¾f °n° g   °j¾½ff  °¾ ¯¾fj    ¾h °–f°f  .

 ¯½f° ¾fg   ¾  ½ff¾"9 h  ¾½ f½°n½ °jn°f sjf   °j ¾f ¯ ½€f°ff  f  ¾¾ f –° f  ¾¾ f f ¾¾" ½ffn¯ f     °¾¾ f ½¯ f¯ ° ¾¯ ¾½ff €f"°j¾  €f ¯f°j¾   €f . ¯½f½ °¾f¯ °g   ¾½ °¾f ¯¾".¯ ¯°¾ff°   ½¾ ¾¾  –¾¯ g€ °  f– ° ¾ f f¯ °fg€ °  f¾°n  f fy°nffn  f g€ °  f sf fn¯½fj   ¾h f     € ½ ff ¯°¾fsj ¾    " .

°ffy°nf n°ffn  f n°ff f h  ¯¾¯ °¾° n ¾¾ f  ¯ .

€° f¯ °  nf– ¯   ¯€fn  °¾¯ ¾¯¾ ¯ °¾° n ¾¾ f  ¯€° f¯ °    –y°nf €  f @ff ¾  °j¾ ¯¾° –°¾  f¯f° f €  ¾   °¾ 9ff ½ n¾f¯¾ ¯€° f¯ ° ¯f–ff°f½fff".

°f–°  n¯¯ ¯€f  ¯  fn  n¯ x½ ¾n °n  x¾ ¯f°%°¾ °  ¯ f¯f° f °jx ¾¯ ° ¯f ¾½xn f°¯f ¯f¾¯fn°¾f fnfsj% f°nf x¾ ¯f°   °°–x¯½ ¾y  ¯ –f   .f¾°j ½ °  ¾f° ¯ ½ ¾   ff f .¯¾ f¯  ¾ ½¾¾ ¾"°f  f¾f  f ¯f¾    ¯f  ¾n ff° n°¾¾  ¯°¾¾f ¯¾ ¾½ f ¾¾  f ¾f¯ °   –f ¾ ½¾f°  f¯½µ ¯f –fsj -f f¯f¾h°f¯f ¾ °¯ ° f –° f @ff ¾   ¾½ ff¯f° f  ¯¾ °  °jfn° n ¾ ¯  ¾¾y°nf° ¯¾ ¯ ¾€s - ¯¾ ¯n¯ f @ff ¾   n¾f ¾ ¯f½f  °j ½ °¾f  °j½ °¾f¾ °j ¯ @ff ¾   n¾f ¾ ½ ¯ °¾¾½ f ¾ ff ½½fy°nf  ½½ –¾¯ ff½½f f f     ¾¾ ¯ ¯  ¯    ¾  ¾ –° ¾¾      ¾°j ¾  ¯f½ ¾°f– ¯ ¾ ¾  x½ ¯  -jx  f ¾  n °  ¾n ° °j ½ ¯ ¾  ° ¯ ¾ f –° "  n °  ¾ ¾½ f¾¾ f¯f°f ¾½ f°sf ½ff¾ ½¯  °€ ° °j¾ f ¾ ¾ ff½ °f¾¯f ¾j  –¾¯ ½ y°nf    ¾€f ¯½fff¾f ½½f¾ffsj  ¯f¾¯ °¾f° °j€f ¯ °j¾ h¾f ¾    ¯f fnsj¾x¯f¯ °  f°fn° sj f€f ¯¾ n¯f¯ x¯ f° ¾ ¯°f f ¾½ f ¯nf f  °f¯¾ ¯f¯ ° °f¯ ° f ¾ ©f °fn¾¯%° ¯ ¾ °   ¯ °¾ °  ¯ ¯n ° ½ ¾ jfnn¯¯f %  ¾½ f¾  ¾  ¾½  f If f° -jxf –j €° f¯ °ff¯f ½  n°h xf¯f €° f¯ °f©¾€nff –j -jx½  ¾ ¾    f– ¯ x½f– ¯ ½¾¾  ¾½ f°sf °j½ff¾ ¾ ¯f¾½ff ¾nf½ff ¾ ¾½   n  ¯ ¾ -jx½  ¾¯  °ff n¾f ¾¾x ¯ x ½¯¯f° f¯ °¾ ¯f¯ °  ¯ ½¾¾fn f  ¯  ¾  ¾ ¯  f ¯f°j¯½ fn °sf fxn°  ¾ –° f° g –j . ¾¯  ¾°j ¾f ¯ ¾¯ °jf©f°f f ½¾ f¯  ¾¾°j  ¾½ °¾f €f  ¾    ¾ ©f  f– ¾¯f°f¯ °    -jh°f fj   –¯  ¾n f.

  $$$.f¾° °¯f€ n f f ¾½ °¾f ° °¯f¯x¾€n °       f¯fx¾ ¯½ ° n ¾¾hf    f  ½ ¯h ¾ °  ¯ ° ¯ ¾¯% ¯  €nf ¾½¾°  ¾ ¾ °¾°¾  ¾ ¾¯ ¾"%   ¯ ° n¯¾¾   ¯fxf –y°nf° ¾f ½ ¯ °¾° ¾fh    €½ ¾¾f¯ ° n°€f f   f° ¯ ¯ f¯  €f ¯ ¯ f© f¯ " f¯f° f f€f  ¾ fx ½ n¾  f ¯° n ¾¾ f  n¯ °¾° n ¾¾ f  f"  ½ $$ ¾– –¾½ n¯$$$ ¾nf   ¾ –f¾ ° f  ¯ I %¯ fnsj%   $$$I ©ff° f ¾ °  f f   °f° ff  f° f ½–f¯hnf¾ °  f ¾y°nf ½–f¯f ° sjg¾€f%f° n$%  $$$I .  ¾°j¾ ¾f€ n f  x½¾¾ f¯f°jx  -j¾ ¾f¯  x½ ¾¾ f¯f°jx ¾¾ °nf .

fsj  % %f f°jx¯f –f y¾¾¯½ ¾  %¾¾°9 nf $$% $$$I f ¾n   %  ¾j% ¯ ¾  f°  fx¾n f€¾€f f¯ x¯  f ¾½¾fg½ –°f% ¯ ¾¯ ¾ % ¾ y¾¾ ¯¾½ff¾ ¯½ "  .