You are on page 1of 55

Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company, 2004 For Evaluation Only.

Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica

Prof. José Policarpo
GQEE

EEL401

CIRCUITOS TRIFÁSICOS
EMBASAMENTO TEÓRICO

Revisão: José Eugenio L. Almeida 1 / 55

Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro

Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company, 2004 For Evaluation Only.

Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica

Prof. José Policarpo
GQEE

CIRCUITOS TRIFÁSICOS

1 Geração de F.E.M.s Senoidais

1.1

Monofásicas

Da física tem-se que, quando um condutor é colocado em um campo magnético, desde que haja uma variação deste campo no condutor, será induzida no mesmo uma força eletromotriz - f.e.m. - dada pela equação:
e = E MÁX ⋅ sen (ω ⋅ t )

(1)

onde:
E MÁX = BSω

sendo: B - Indução ou Densidade de fluxo S - Área da espira

ω - freqüência angular
Esta situação fica melhor esclarecida através da figura abaixo:

Figura 1 – Geração de f.e.m. senoidal.

Revisão: José Eugenio L. Almeida 2 / 55

Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro

Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company, 2004 For Evaluation Only.

Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica

Prof. José Policarpo
GQEE

No caso da figura 1 a variação do campo magnético se dá pelo fato do condutor estar girando embora os pólos indutores (N e S) permaneçam fixos.

Mas no caso de geradores reais, pode ocorrer que o condutor esteja fixo e os pólos serem girantes, havendo, portanto, como anteriormente, uma variação de campo magnético sobre o condutor. A figura 2 ilustra:

a N S

a'

a a' - representa o condutor (ou espira)

+ -

Figura 2 - Esquemático de um gerador monofásico.

Em realidade no gerador monofásico real não existe um único condutor, mas uma série deles ligados entre si, de forma que tenhamos dois terminais, o que caracteriza o sistema monofásico.

1 Trifásicas

As f.e.m.s trifásicas são geradas da mesma forma que as monofásicas. Um sistema trifásico nada mais é que um conjunto de três sistemas monofásicos que estão defasados entre si de 120º elétricos (defasagem dos fasores das f.e.m.s); para tanto os condutores (espiras) estão conectados convenientemente como mostra a figura 3 a seguir. Pelo sentido de giro dos pólos indutores (NS) na figura 3, teremos que na espira bb’ haverá a indução de f.e.m. cujo valor máximo ocorre 120º após a ocorrência do valor

Revisão: José Eugenio L. Almeida 3 / 55

ω
Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro

Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company, 2004 For Evaluation Only.

Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica

Prof. José Policarpo
GQEE

máximo da f.e.m. da espira aa' e o valor máximo da f.e.m. da espira cc' ocorrerá 240º após o da f.e.m. da espira aa', de forma que pode-se escrever:

a b' N

ω
c'

+ c a' S b

Figura 3 - Esquemático de um gerador trifásico.

eaa ' = E MÁX sen(ω ⋅ t ) 2 ebb ' = E MÁX sen(ω ⋅ t − π ) 3 4 ecc ' = E MÁX sen(ω ⋅ t − π ) 3
ou (2)

eaa ' = E MÁX sen(ω ⋅ t ) 2 ebb ' = E MÁX sen(ω ⋅ t − π ) 3 2 ecc ' = E MÁX sen(ω ⋅ t + π ) 3
(3)

Nota: Atente-se ao fato de que nos geradores trifásicos reais aa', bb' e cc' são bobinas constituídas de diversas espiras e que ocupam todo o espaço, diferentemente daquilo mostrado no modelo da Figura 3.

A partir do conjunto de equações (2) ou (3) pode-se fazer a representação fasorial das f.e.m.s como a seguir:

Revisão: José Eugenio L. Almeida 4 / 55

Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro

Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company, 2004 For Evaluation Only.

Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica

Prof. José Policarpo
GQEE

E aa ' = Ee j 0

o

E

bb '

= Ee − j120

o

(4)
o

E

cc '

= Ee − j 240 = Ee j120

o

onde:

E=

EMAX 2

2 Seqüência de Fases

O conjunto de equações (2) e (3) são válidas para o indutor (pólos indutores) girando no sentido indicado na figura 3. Entretanto o mesmo poderia girar em sentido contrário e então

eaa ' = E MÁX sen(ω ⋅ t ) 2 ebb ' = E MÁX sen(ω ⋅ t + π ) 3 2 ecc ' = E MÁX sen(ω ⋅ t − π ) 3
cujos fasores seriam:
• •

(5)

E aa ' = Ee j 0

o

E bb' = Ee j120
• • • •

o

E

cc '

= Ee − j120

o

(6)

Fazendo E aa ' = E 1 , E bb ' = E 2 , E cc ' = E 3 , têm-se os seguintes diagramas fasoriais, correspondendo a chamada seqüência de fases direta ou positiva - equações (4) - e seqüência de fases inversa ou negativa - equações (6):

Figura 4 - Seqüência de fases.

Revisão: José Eugenio L. Almeida 5 / 55

Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro

José Policarpo GQEE 3 F.Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company.M. por exemplo. 2004 For Evaluation Only.1 F.E.Três sistemas monofásicos.s Geradas por Gerador Conectado em Y (Estrela) Como foi dito anteriormente o sistema trifásico nada mais é que a combinação de três sistemas monofásicos defasados entre si de 120º. Revisão: José Eugenio L. ligue-se os terminais a'.Gerador Trifásico em Y. que. Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof. Em termos práticos é interessante. todavia. A representação de tal assertiva pode ser feita como abaixo: c' c a a' b' b Figura 5 .E. Almeida 6 / 55 Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro .s de Fase e de Linha 3. b' e c' entre si resultando em: fase c c a' ≡ b' ≡ c' a fase a neutro b fase b Figura 6 .M.

Ainda mais.e.m. entre as fases c e a E agora define-se: • • • E an . a fase a e a fase b.m. A partir daí pode-se construir o diagrama de fasores das f.e. ou seja: E cn E an OBS. Entretanto. E bc e E ca .m.s geradas em cada bobina. respectivamente.e.e.e.m. em termos práticos é bastante comum o interesse e a necessidade das f.Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company.m.s acima representadas são aquelas entre fase e neutro. entre as fases b e c E ca . José Policarpo GQEE À conexão da figura 6 dá-se o nome de conexão Estrela e representa-se por Y. ou seja são as f.s entre fases ou f.e. Almeida 7 / 55 Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro .s entre. por exemplo.s nas próprias bobinas. fase a. E bn e E cn . b e c.e. b' e c' é chamado de ponto neutro e o condutor dali retirado é chamado de fio neutro ou simplesmente neutro.e.f.s DE FASE • • • E ab .m.f. Os condutores retirados dos terminais a.f.e. o ponto de coincidência entre a'. Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof.m.: A seqüência de fases adotada é a direta E bn Figura 7 .e.m.s entre fase e neutro ou f. 2004 For Evaluation Only.m.m.f. fase b e fase c.Diagrama fasorial para as f.m. daí pode-se obter: • • E ab .e.f.s DE LINHA Revisão: José Eugenio L. As f. são chamados de.s de fase.m.e. entre as fases a e b • E bc .

José Policarpo GQEE Por outro lado. Almeida 8 / 55 Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro . 2004 For Evaluation Only. E nb = − E bn e E nc = − E cn então pode-se escrever: E ab = E an + E nb E bc = E bn + E nc E ca = E cn + E na • • • • • • • • • (7) Revisão: José Eugenio L. Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof. a análise da Figura 6 mostra: E an = E a − E n − • • • E bn = −( E b − E n ) E an − E bn = E a − E n − E b + E n = E a − E b = E ab • • • • • • • • • • • • Logo: • • • E ab = E an − E bn Analogamente: • • • • • • E bc = E bn − E cn e E ca = E cn − E an Como • • • • • • E na = − E an .Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company.

Almeida 9 / 55 Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro .Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company.s de fase como sendo: • • • E an = E e j 0 º E bn = E e − j120 º E cn = E e j120 º Tem-se. por exemplo: • • • E ab = E an + E nb = E e j 0º + E e j 60º = E [ cos 0º + j sen 0º + cos 60º + j sen 60º ] = ⎡ ⎡3 1 3⎤ 3⎤ = E ⎢1 + j 0 + + j ⎥=E ⎢ +j ⎥= 2 2 ⎦ 2 ⎦ ⎣ ⎣2 = 3 E [ cos 30º + j sen 30º ] ∴ Eab = 3Ee j 30º • ⎡ 3 1⎤ + j ⎥= 3 E⎢ 2⎦ ⎣ 2 Revisão: José Eugenio L.m. Se se tomar.Conexão Y. Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof.e. 2004 For Evaluation Only. as f.s de fase e de linha . de acordo com a figura 8. José Policarpo GQEE A união do conjunto de equações (7) com a figura 7. leva-nos a: Eca Ecn E nb E ab E na E an E bn E nc E bc Figura 8 – Diagrama Fasorial para as f.e.m.

2004 For Evaluation Only.S Geradas por Gerador Conectado em Δ (Delta ou Triângulo) Agora.e. José Policarpo GQEE Desenvolvimentos análogos levariam a: Ebc = 3 E e − j 90 º Eca = 3 E e j150 º • • Portanto: "F.2 F. de fase correspondente 3.Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company. de linha E f .s de linha são.e.E. Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof.f.m.e. ou • • E L = 3 E f e + j 30 º (8) • • onde: E L .m. na conexão Y. poder-se-ia tomar as três bobinas da figura 5 e ligá-las da seguinte forma: fase c c(≡a') a(≡b') fase a b(≡c') fase b Figura 9 – Gerador Trifásico ligado em Δ Revisão: José Eugenio L. na seqüência de fases direta. 3 vezes maior que as de fase e estão desfasadas das mesmas. de 30º ”.M.f.m. Almeida 10 / 55 Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro .

fazer a seguinte representação fasorial.e.s de fase e de linha – Conexão Δ 4 Cargas Trifásicas As cargas elétricas podem ser classificadas segundo diversas formas. ϕ = 0º → Sendo ϕ = 0º. são as próprias f.s de linha são. as próprias f. tomando E ab na referência: Eca E ab E bc Figura 10 – Diagrama Fasorial para as f. tem-se então a chamada carga Puramente Resistiva. Revisão: José Eugenio L.e. não haverá defasagem entre a tensão aplicada a esta impedância e a corrente que por ela circula.Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company. neste caso.m.s geradas nas bobinas.s de linha.e. → Z = Z cos ϕ + jZ sen ϕ fazendo Z cosϕ = R Z senϕ = X.m. José Policarpo GQEE À conexão da figura 9 dá-se o nome de conexão Triângulo ou Delta e representase por Δ.m.1 Tipos de Carga Quanto ao Ângulo a ) Z = Z e jϕ . por exemplo. 2004 For Evaluation Only.m. na conexão Δ. logo: "F.e. a saber: 4.s de fase" • Pode-se .m. Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof. Note que as f.e. Almeida 11 / 55 Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro .

vem Z = R + jX → Porém. 0º < ϕ < 90º → → Neste caso. portanto a carga é do tipo Resistiva e Indutiva. Revisão: José Eugenio L. José Policarpo GQEE logo Z = R + jX → entretanto ϕ = 0º. 2004 For Evaluation Only. portanto R = Z e X = 0. a corrente nesta impedância estará defasada de 90º adiantada com relação à tensão na impedância. → Z = Z cos ϕ + jZ sen ϕ sendo Z cosϕ = R e Z senϕ = X. ϕ = −90º → Sendo ϕ = -90º.Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company. tem-se R = 0 e -X = Z. → Z = Z cos ϕ + jZ sen ϕ sendo Z cosϕ = R Z senϕ = X. portanto: Z = − jX d ) Z = Z e jϕ . a impedância faz com que haja um defasamento da corrente para a tensão de –90º < ϕ < 0º. Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof. tem-se R = 0 e X = Z. portanto: Z = jX → c ) Z = Z e jϕ . sendo ϕ = -90º. vem Z = R + jX → Como ϕ = 90º. tem-se então a chamada carga Puramente Capacitiva. ϕ = 90º → Sendo ϕ = 90º a corrente na impedância estará defasada de 90º em atraso com relação à tensão aplicada à mesma. tem-se então a chamada carga Puramente Indutiva. logo: Z =R → b) Z = Z e jϕ . Almeida 12 / 55 Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro .

parte Resistiva X .Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company. Se o aspecto indutivo da carga for preponderante ao aspecto capacitivo. com preponderância do aspecto indutivo.parte Indutiva Como 0º< ϕ < 90º. José Policarpo GQEE → Z = Z cos ϕ + jZ sen ϕ ∴ Z = R + jX → R . vem: Z = R + jX → e) Z = Z e jϕ . f. Se o aspecto indutivo da carga for equivalente a seu aspecto capacitivo. e então a carga será "vista" como sendo simplesmente uma resistência. − 90º < ϕ < 0º → Agora o defasamento da corrente com relação a tensão será de 0º < ϕ < 90º. 2004 For Evaluation Only.1) R. logo a carga é do tipo: Resistiva e Capacitiva. tem-se a chamada ressonância. → Z = Z cos ϕ + jZ sen ϕ Z = R + jX → Como -90º< ϕ < 0º: Z = R − jX R . L.parte Capacitiva → f) Carga com R. f.L. C Este caso não é independente dos outros. Revisão: José Eugenio L. Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof. Almeida 13 / 55 Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro . a carga será "vista" como sendo resistiva e indutiva e portanto aplica-se o caso d). logo tem-se o caso a).2) R. C com equivalência de aspectos.C. L.parte Resistiva X .. pois dependendo das particularidades da impedância em estudo tem-se ou o caso a) ou o d) ou o e).

se o aspecto capacitivo da carga for preponderante ao indutivo. José Policarpo GQEE f. Almeida 14 / 55 Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro . 2004 For Evaluation Only. Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof.C. Por outro lado.Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company. Todos estes casos são melhores visualizados através dos diagramas de fasores de tensões e correntes: I Caso a V V R Z=R I I Caso b V V L Z = j XL I Revisão: José Eugenio L. logo tem-se o caso e). com preponderância do aspecto capacitivo.L. a mesma será "vista” como sendo resistiva e capacitiva.3) R.

Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof. José Policarpo GQEE Caso c I I V V C Z=-jX C Caso d I V V R L Z =R Z =jX L ϕ I ϕ = tg-1 X R Caso e I ϕ I R C V Z =R Z = -jX C V Revisão: José Eugenio L.Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company. Almeida 15 / 55 Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro . 2004 For Evaluation Only.

estas podem ser ligadas como a seguir: a) Carga em Delta ou Triângulo (Δ) a a Z c b Z 2 3 b c Z 1 ou Z 3 Z 1 Z 2 Figura 12 . quanto a variação do ângulo da impedância.2 Tipos de Cargas Quanto à Conexão No item anterior.Carga trifásica ligada em Δ. viu-se todos os tipos de cargas possíveis. Revisão: José Eugenio L.Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company. Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof. tem-se as possibilidades existentes nos sistemas trifásicos. 2004 For Evaluation Only. Agora . Almeida 16 / 55 Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro . dependendo da forma como são conectadas. Tomadas três impedâncias quaisquer. José Policarpo GQEE 4.

diz-se que a carga é Equilibrada. Almeida 17 / 55 Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro . Revisão: José Eugenio L.: Para os objetivos deste trabalho. 2004 For Evaluation Only.Carga trifásica ligada em Y. diz-se que a Carga é Desequilibrada. 4.3 Tipos de Cargas Quanto à Igualdade ou não das Impedâncias .Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company. OBS. Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof. sempre serão consideradas carga equilibradas. forem de tal forma que: Z 1 = Z 2 = Z 3 . → → → Por outro lado. José Policarpo GQEE ou como abaixo: b) Carga em Estrela (Y) a a b c Z n Z b c 2 1 ou Z 3 Z 1 Z 2 Z 3 n Figura 13 . se: → → → → → → → → → → → → Z 1 ≠ Z 2 ≠ Z 3 ou Z 1 ≠ Z 2 = Z 3 ou Z 1 = Z 2 ≠ Z 3 ou Z 1 = Z 3 ≠ Z 2 .Cargas Equilibradas e Desequilibradas Se as três impedâncias das figuras 12 ou 13.

I C . Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof.Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company. José Policarpo GQEE 5 Correntes de Linha e de Fase Seja um gerador alimentando uma carga como na figura a seguir. I c . I C ⎞ . são chamadas de correntes de ⎜ ⎟ ⎝ ⎠ linha ⎛• • • ⎞ As correntes nas impedâncias da carga ⎜ I a . Almeida 18 / 55 Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro . I c ⎟ . são chamadas de correntes de fase ⎝ ⎠ Revisão: José Eugenio L.Gerador em Y alimentando carga em Y. 2004 For Evaluation Only. I b . I B .Impedância da carga Zg .correntes na carga (correntes de fase) • • • As correntes nas linhas que chegam à carga ⎛ I A .corrente da carga para o gerador • • • I a .correntes do gerador para a carga (correntes de linha) I n .Impedância do gerador • • • • I A . IA B A IB IN b a Zg Zg N ZC Ib Ia Ic ZC Gerador Zg Carga ZC IC C c Figura 14 . I B . tem-se: Gerador Trifásico Y Carga Trifásica Y Zc . Na figura 14. I b .

f. Cálculo das Correntes Ia = • • Van → Ib = • • Vbn → Ic = • • Vcn → ZC ZC ZC Como não se considerou impedâncias para as linhas Aa.m. Para a fase A.. José Policarpo GQEE 5. Bb e Cc (Vide figura 14).s E AN .1 Correntes de Linha e de Fase em uma Carga Ligada em Y • • Pela figura 14 observa-se que I A é a própria corrente I a . 2004 For Evaluation Only. Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof. o mesmo acontecendo • • • • com e I B e I b . V BN e V CN diferem das f.ex. onde: • • • → • E AN . ou seja para a carga em Y as correntes de linha são as próprias correntes de fase. Almeida 19 / 55 Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro . gerada • V AN . poderia ser escrito: E AN = V AN + Z g ⋅ I A . e com I C e I c .Tensão nos terminais A e N Z g ⋅ I A . pode-se dizer que: V an =V AN • • • • • • • • • V bn =V BN • V cn =V CN • • 1) V AN .Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company.m.e. E BN e E CN pelas quedas de tensão internas ao gerador e são chamadas de tensões.e. p.Queda de tensão no gerador → • Logo: IA = Ia = • • • V AN → IB = Ib = • • • VBN → IC = Ic = • • • VCN → Zc Zc Zc Revisão: José Eugenio L.

suponha-se que os terminais A. V BN e V CN e portanto V an . Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof. respectivamente. E BN e E CN tem mesmo módulo e estão defasadas entre si de 120º e • • • a impedância é sempre a mesma. • • • • • • Por extensão do raciocínio V AN . I B e I C têm mesmo módulo e estão defasados entre si de 120º. então : IA = • • • • E AN → IB = • E BN → IC = • E CN → Zg Zg Zg • • • Como E AN . B.Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company. tem-se: • • • • In = Ia+ Ib+ Ic Revisão: José Eugenio L. Almeida 20 / 55 Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro . Cálculo das Correntes Seja: V an = V e j 0 º → • V bn = V e − j120 º Z c = Z e jα • V cn = V e + j120 º • Então: • • Ia = V − jα e = I e − jα Z Ic = • Ib = V − j (120+α ) e = I e − j (120+α ) Z V j (120−α ) e = I e j (120−α ) Z Na figura 14. 2004 For Evaluation Only. pode-se afirmar que: I A . José Policarpo GQEE Por outro lado. V bn e V an estariam também defasados de 120º e teriam mesmo módulo. C e N do gerador estejam curto-circuitados.

dependendo então da seqüência de fases tomada. Pode-se. Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof. e no caso da seqüência inversa tem-se -30º. será nula". Almeida 21 / 55 Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro . 2004 For Evaluation Only. a corrente no neutro da Y. I f = I e jγ IL = I f In =0 • • • (10) Revisão: José Eugenio L. José Policarpo GQEE logo: I n = I {(cosα − j sen α ) + [cos(120º +α ) − j sen(120º +α )] + [cos(120º −α ) + j sen(120º −α )]} = = I {cosα − j sen α + cos120º cosα − sen 120º sen α − j sen 120º cosα − j sen α cos120º + + cos120º cosα + sen 120º sen α + j sen 120º cosα − j sen α cos120º } = • = I {cos α − j sen α + 2 cos120 cos α −2 j sen α cos120} = ⎧ ⎛ 1⎞ ⎛ 1 ⎞⎫ = I ⎨cos α − j sen α +2 ⋅ ⎜ − ⎟ ⋅ cosα −2 j sen α ⋅ ⎜ − ⎟ ⎬ = ⎝ 2⎠ ⎝ 2 ⎠⎭ ⎩ = I {cos α − j sen α − cosα + j sen α } = I {0} In = 0 • (9) Conclusão: "Se a carga for equilibrada. No caso da seqüência direta temos +30º. então fazer o seguinte quadro para a conexão Y: • V f = V e jβ V L = 3 V f e ± j 30 º (1) • • (1) • ±30º.Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company.

impedância de carga • • • - I A .Carga trifásica em Δ . José Policarpo GQEE 5. I B .Zc .correntes de fase Cálculo das Correntes de Fase Seja: V ab = V e jϕ • V bc = V e− j (120−ϕ ) • V ca = V e j (120+ϕ ) • Revisão: José Eugenio L. I bc .2 Correntes de Linha e de Fase em uma Carga Ligada em Δ Seja e figura 15 abaixo: IA IB B A b Zg N Zg ZC ZC I bc I ca Zg c I ab Gerador a ZC Carga IC C Figura 15 . Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof.correntes de linha • • • I ab . tem-se: . Almeida 22 / 55 Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro .Gerador trifásico em Y .Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company.Gerador em Y alimentando carga em Δ Na figura 15. I ca . 2004 For Evaluation Only. I C .

2004 For Evaluation Only. Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof. José Policarpo GQEE então.Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company. por exemplo I A : • • • I A = I ab − I ca = I e j 0 º − I e j120 º = = I [cos 0º + j sen 0º − cos120º − j sen 120º ] = ⎡ ⎡3 3⎤ 3⎤ ⎛ 1⎞ = I ⎢1 + j 0 − ⎜ − ⎟ − j ⎥ = I⎢ − J ⎥= 2 ⎦ 2 2 ⎦ ⎝ 2⎠ ⎣ ⎣ ⎡3 3⎤ =I ⎢ − j ⎥ 2 ⎦ ⎣2 Multiplicando e dividindo por 3 . vem: I A = I ab − I ca • • • I B = I bc − I ab • • • I C = I ca − I bc • • • • Calcule-se então. sendo Z = Z e jϕ . Almeida 23 / 55 Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro . vem: → I ab = • V j 0º e = I e j 0º Z I bc = • V − j120 º e = I e − j120 º Z I ca = • V j120 º e = I e j120 º Z Cálculo das Correntes de Linha Aplicando Kirchoff à carga da figura 15. vem: • ⎡ 3 1⎤ I A = 3 I⎢ −j ⎥ 2⎦ ⎣ 2 como 1 3 = cos( ±30º ) e = sen(−30º ou 210º ) 2 2 Vem: I A = 3 I e − j 30 º • Revisão: José Eugenio L.

No caso desenvolvido –30º que é de seqüência de fases direta. Com isso. Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof. Revisão: José Eugenio L. as correntes de linha são 3 vezes maior que as correntes de (1) fase e estão defasadas das respectivas correntes de fase de ±30º (1) ” ±30º dependendo aqui também. pode-se fazer o seguinte quadro para a conexão • • • • • • V f = V e jβ V L =V f I f = I e jγ I L = 3 I f e ± j 30 º (11) Conclusão Final Supondo três impedâncias em Y de valor Z = Z e jψ . José Policarpo GQEE Analogamente: • • I B = 3 I e − j150 º I C = 3 I e + j 90 º ou seja: "Na conexão Δ. da seqüência de fases adotada. tem-se o seguinte Diagrama Fasorial para a Seqüência de Fases Direta: → Vca Vcn V ab I 30° C ϕ 30° ϕ ϕ V an I I A B 30° V bn V bc Figura 16 – Diagrama Fasorial de tensões e correntes para carga equilibrada em Y. 2004 For Evaluation Only. Almeida 24 / 55 Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro .Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company.

José Policarpo GQEE Se as impedâncias estivessem agora em Δ. 2004 For Evaluation Only. Revisão: José Eugenio L. Sejam as cargas como as da figura abaixo: IA A IA A B IB Z5 Z4 Z3 Z1 IB B Z6 IC C Z2 C IC Figura 18 . ter-se-ia: Vca V ab I I ca 30° c ϕ ϕ ϕ I 30° ab I 30° b I a I bc V bc Figura 17 – Diagrama Fasorial de tensões e correntes para carga equilibrada em Δ. Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof. as tensões e correntes de linha não são alterados. continuam as mesmas. 6 Conversão Δ-Y e Y-Δ Por vezes é muito útil transformar uma carga Δ em uma equivalente em Y e vice-versa. ou seja. Neste caso.Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company.Cargas Equilibradas. Almeida 25 / 55 Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro . a equivalência de cargas significa dizer que: estando as cargas equivalentes em Δ ou Y.

José Policarpo GQEE Para a carga em Y. 2004 For Evaluation Only. vem: V AB = − Z 2 I B − Z 2 I AB − Z 3 I AB − Z 3 I A • → • → • → • → • Da figura 18. logo: • • Z1 V AB = − Z 2 I B − Z 2 • → • → V AB → −Z3 → V AB → + Z3 I A → • Z1 Z1 → → ⎞ ⎛ • ⎜ Z2 Z3 ⎟ → • → • ∴V AB ⎜1 + → + → ⎟ = Z 3 I A − Z 2 I B ⎜ Z1 Z1 ⎟ ⎠ ⎝ ∴V AB • → Z1+ Z 2 + Z 3 → → → = Z3 I A − Z 2 I B → • → • Z1 Revisão: José Eugenio L. tem-se: V AB + V BC + V CA = 0 V AB = − V BC − V CA V AB = − Z 2 I BC − Z 3 I CA • • • • • • • • • • • → • → • (B) Mas: I B = I BC − I AB I BC = I B + I AB • • (C) I A = I AB − I CA • • • I CA = I AB − I A • • • (D) Substituindo (C) e (D) em (B). Almeida 26 / 55 Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro . tem-se: I AB = • • V AB → . Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof.Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company. pode-se escrever: V AB = V AN − V BN ∴V AB = Z 4 I A − Z 5 I B • → • → • • • • (A) Para a carga em Δ.

Almeida 27 / 55 Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro . Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof. donde a partir. vem: Z4 = → → → Z1 Z 3 Z1+ Z 2 + Z 3 → → → (F) Z5 = → → → Z1 Z 2 Z1+ Z 2 + Z 3 → → → Por analogia: Z6 = → → → → → → Z2 Z3 Z1+ Z 2 + Z 3 Como Z 1 = Z 2 = Z 3 (carga em Δ. 2004 For Evaluation Only. equilibrada) e Z 4 = Z 5 = Z 6 (carga em Δ. vem: → → → → → → → → → → ZY = ZΔ ZΔ ZΔ +ZΔ+ZΔ → ⎛→ ⎞ ⎜Z Δ ⎟ =⎝ ⎠ → 2 3Z Δ ZΔ ∴Z Y = 3 → (12) por outro lado: Z Δ = 3Z Y → → (13) Revisão: José Eugenio L.Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company. José Policarpo GQEE ∴V AB • → → IA− → → → I B → → → Z1+ Z 2 + Z 3 Z1+ Z 2 + Z 3 Z1 Z 3 • → → Z1 Z 2 • (E) Comparando (A) e (E). de (F). por exemplo. pode-se fazer: → → → → → → → → → → Z1 = Z 2 = Z 3 = Z Δ Z 4 = Z 5 = Z 6 = Z Y . equilibrada).

Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company. pode-se calcular uma grandeza e obter as outras duas através de defasagem de ±120º.1 Carga em Y Seja e carga Y a seguir: A B C Z Z Z IA N IB IC Sendo V AB = V e j 0 º • V BC = V e − j120 º • V CA = V e + j120 º • Z = Z e jψ → Tem-se: IA = • • • V V V e− j (30+ψ )º I B = e− j (150+ψ )º I C = e j (90−ψ )º 3 Z 3 Z 3 Z Ora. 7. Uma vez que em sendo a carga equilibrada as correntes e as tensões apenas diferem entre si quanto ao angulo de fase. Almeida 28 / 55 Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro . I A e com ±120º obtém-se I B e I C . Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof. 2004 For Evaluation Only. por exemplo. bastava calcular. I A pode ser obtido do seguinte circuito: • • • • Revisão: José Eugenio L. José Policarpo GQEE 7 Circuito Monofásico Equivalente a um Circuito Trifásico Desde que a carga do sistema trifásico seja equilibrada. uma simplificação pode ser operada nos sistemas trifásicos.

1 pode ser agora aplicada para carga em Δ. portanto a simplificação desenvolvida no sub-item 7. Almeida 29 / 55 Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro . Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof.2 Carga em Δ No item anterior viu-se a equivalência Δ-Y.Circuito 1∅ Equivalente. poder-se-ia para a Seqüência de Fases Direta.Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company. com carga em Y e SF Direta 7. 2004 For Evaluation Only. fazer: 3 Figura 19 . José Policarpo GQEE IL VL e √3 -j30° Z • • Como V AN V AB − j 30 º = e . como aquela a seguir: A B C IA IB Z I CA I AB Z Z IC I BC Revisão: José Eugenio L.

Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company. José Policarpo GQEE Supondo: V AB = V e j 0 º • • V BC = V e − j120 º I AB = V − jα e Z • • V CA = V e j120 º I BC = V − j (120+α ) e Z • • Z = Z e jα I CA = V j (120−α ) e Z → Vem: E portanto: IA = 3 • V − j (30+α ) e Z IB = 3 • V − j (150+α ) e Z IC = 3 • V j (90−α ) e Z Podemos simplificar a partir de: A A B B C C IA IB Z I AB I CA Z Z IC Z 3 Z 3 Z 3 I BC IA IB N IC e portanto equivale a. 2004 For Evaluation Only. por exemplo: IA V AN ~ 30 / 55 Z 3 Revisão: José Eugenio L. Almeida Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro . Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof.

Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof. resta agora o cálculo e a medição da potência nos sistemas trifásicos. José Policarpo GQEE • • V AN logo: IA = • V AB − j 30 º V − j 30 º = e = e 3 3 V 3⋅ • Z 3 e − j (30+α )º = 3 ⋅V − j (30+α )º e Z • e Donde: IB = 3 ⋅ V − j (30+α )º − j120 º e e Z IB = • IC = 3 ⋅ V − j ( 30+α )º j120 º e e Z IC = • 3 ⋅V − j (15 0+α )º e Z 3 ⋅V j (9 0+α )º e Z Portanto. para SF direta e carga em Δ.Circuito 1∅ equivalente com carga em Δ e SF direta. 2004 For Evaluation Only. tem-se: IL √3 VL e -j30° Z 3 Figura 20 . em Y ou Δ. Revisão: José Eugenio L.Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company. De posse dos conhecimentos para o cálculo das correntes e das tensões em cargas trifásicas. Almeida 31 / 55 Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro .

| Q | = VAr. → A potência "consumida” pela carga Z é dada por: a) Potência Ativa. b) Potência Reativa ou Dewattada Q = VI sen ϕ (15) c) Potência Aparente S = VI (16) Sendo as unidades: | P | = W. etc. José Policarpo GQEE 8 Cálculo e Medição de Potência em Sistemas Trifásicos Seja uma carga ligada a um sistema monofásico como na figura 21 I V Z=Ze jϕ Figura 21 .Circuito monofásico. 2004 For Evaluation Only. Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof. kW. kVA. | S | = VA. MVAr. etc. MVA.Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company. etc. Real ou Wattada P = VI cosϕ (14) Onde ϕ além de ser o ângulo da carga é também o ângulo de defasagem entre a tensão aplicada à carga e a corrente na carga. MW. Almeida 32 / 55 Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro . Revisão: José Eugenio L. kVAr.

vem: Z Q = XI 2 * (18) Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro 33 / 55 Revisão: José Eugenio L.Triângulo de Potências. → Q Por outro lado considerando uma carga do tipo Z = R + jX = Z e jϕ onde ϕ = tg −1 X . vem: R Z X ϕ R Figura 23 .Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company. temos: P = VI cos ϕ Como I = P=IIR R = Z cos ϕ cos ϕ = R Z P = VI R Z V . José Policarpo GQEE Das equações (14). Almeida .Triângulo de Impedâncias. vem: Z P = RI 2 * (17) E Q = VI sen ϕ X = Z sen ϕ sen ϕ = X Z Q = VI X Z Como I = Q=IIX V . (15) e (16) pode-se montar o chamado triângulo de Potências: S = VI ϕ P Figura 22 . Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof. 2004 For Evaluation Only. Das figuras 22 e 23.

Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company. Almeida . ligada em Y. 2004 For Evaluation Only. A B C IA IB IC Z Z Z N Figura 24 – Circuito Trifásico em Y. V BN = V∠ − 150º e V CN = V∠90º . Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof. 8. José Policarpo GQEE E mais: S = VI S=ZII S = ZI 2 (19) Resumindo: P = VI cosϕ Q = VI sen ϕ P = RI 2 * Q = XI 2 * S = ZI 2 (20) S = VI * Desde que R e X estejam em série. por exemplo. vem: Z PB = VI cosα PC = VI cosα Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro 34 / 55 PA = VI cosα Revisão: José Eugenio L.1 Potências para Carga em Y Seja agora uma carga trifásica. logo: • • • V I A = → = e − j ( 30+α ) Z Z • • V AN V I B = → = e − j (120+α ) Z Z • • V BN IC = • • V CN → = Z V j (90+α ) e Z fazendo V = I e de acordo com o que foi mostrado para circuito monofásico. Na seqüência de fases direta tem-se: V AN = V∠ − 30º .

2004 For Evaluation Only.É sempre o ângulo entre a tensão na impedância (tensão de fase) e. V CN e I C ) que é o próprio ângulo da impedância. V BN e V CN e I é o módulo de I A . o módulo da corrente de fase e o cosseno do ângulo entre o fasor tensão de fase e o fasor corrente de fase. José Policarpo GQEE onde: PA .Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company. V BN e I B . a corrente na • • • • • • impedância (corrente de fase) (Vide ângulo entre V AN e I A . Almeida 35 / 55 Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro . I B e I C pode-se rescrever: PTOT = 3V f I f cos α (22) Onde: V f .potência ativa consumida pela impedância da fase B.corrente de fase Portanto: A potência ativa total é dada por três vezes o produto entre o módulo da tensão de fase.tensão de fase I f .potência ativa consumida pela impedância da fase A. B PC . Analogamente: QA = VI senα QTOT = 3VI sen α QB = VI senα QC = VI sen α (23) Revisão: José Eugenio L. A potência ativa total consumida pelas três impedâncias é: PTOT = 3VI cosα • • • • • • (21) Como V é o módulo de V AN . Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof.potência ativa consumida pela impedância da fase C. PB . α .

José Policarpo GQEE Ou QTOT = 3V f I f sen α (24) E mais: S A = VI S TOT = 3VI S B = VI S C = VI (25) Ou S TOT = 3V f I f (26) Por outro lado. Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof. 2004 For Evaluation Only. tem-se: QTOT = 3 VL 3 I L sen α = 3 3 VL I L sen α 3 (28) QTOT = 3VL I L sen α Finalmente na equação (26). Almeida 36 / 55 Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro . tem-se: VL = 3V f IL = I f Logo em (22) temos: PTOT = 3 VL V I L cosα = 3 3 L I L cosα 3 3 (27) PTOT = 3VL I L cosα Na equação (23).Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company. vem: STOT = 3 VL V IL = 3 3 L IL 3 3 (29) STOT = 3VL I L Revisão: José Eugenio L. na conexão estrela.

o ângulo α não é.2 Potências para Carga em Δ Se a carga agora estiver em Δ. Para este caso: I AB = • • • V AB → = Z • V − jα e Z V − j (120+α ) e Z V j (120−α ) e Z I BC = • V BC → = Z • I CA = V CA → = Z Fazendo V tem-se: Z = I e de acordo com o que foi mostrando para circuito monofásico. 2004 For Evaluation Only. PA = VI cosα Revisão: José Eugenio L. • • 8. tem-se: A B C IA IB IC Z Z Z I CA I AB I BC Figura 25 – Circuito Trifásico em Δ. José Policarpo GQEE Atenção: Como para a conexão Y. nas equações (27) e (28). o ângulo entre V L e I L . a tensão de linha está defasada da tensão de fase. Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof. Almeida PB = VI cosα PC = VI cosα Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro 37 / 55 .Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company.

tem-se: VL = V f IL = 3 I f Revisão: José Eugenio L. José Policarpo GQEE Note que α é sempre o ângulo entre tensão na impedância (tensão de fase) e • • • corrente na impedância (corrente de fase). Almeida 38 / 55 Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro . Logo: PTOT = 3VI cos α (30) Ou ainda PTOT = 3V f I f cos α (31) E mais: QTOT = 3VI sen α (32) ou QTOT = 3V f I f sen α (33) E STOT = 3VI (34) Ou STOT = 3V f I f (35) Por outro lado na conexão Δ. Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof. 2004 For Evaluation Only.Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company. V BC e • • • I BC . V CA e I CA . veja o ângulo entre V AB e I AB .

Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company. conhecido como Conexão Aron ou Processo de Blondel. 2004 For Evaluation Only.3 Medição de Potência Uma vez que já foi mostrado o cálculo das potências em sistemas trifásicos. Apresenta-se direto ao uso de dois wattímetros. a corrente de linha está defasada da corrente de fase. José Policarpo GQEE Logo em (31) vem: PTOT = 3VL IL I cos α = 3 3 VL L cos α 3 3 (36) PTOT = 3 VL I L cosα Em (33). nas equações (36) e (37). o ângulo α não é. Almeida 39 / 55 Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro . o ângulo entre V L e I L . • • 8. vem: STOT = 3 VL IL I = 3 3 VL L 3 3 (38) STOT = 3 VL I L ATENÇÃO: Como para a conexão Δ. A conexão Aron é efetuada como a seguir: Revisão: José Eugenio L. mostrar-se-á agora como efetuar as medições. Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof. vem: QTOT = 3 VL IL I sen α = 3 3 VL L sen α 3 3 (37) QTOT = 3 VL I L sen α Finalmente em (35).

Almeida 40 / 55 Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro .3.a Medição para carga em Y Supondo a medição sendo efetuada como da forma abaixo: IA A W1 a Z IB B W2 b Z N C IC c Z Revisão: José Eugenio L. 8. Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof. 2004 For Evaluation Only. José Policarpo GQEE A B C ou A B C ou A B C W W (a) W (b) W W W (c) Figura 26 – Formas de medição de potência com dois wattímetros.Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company.

José Policarpo GQEE O wattímetro W1 indicará: W1 = V AC I A cos(V AC I A ) • • • • ∴W1 = V AC I A cos(V AC I A ) • • Seja: V AB = VL e j 0 º • → Z = Z e jϕ . 2004 For Evaluation Only. Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof. Almeida 41 / 55 Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro . 0 < ϕ < 90º Logo: V CA V CN ϕ IC IB V BN ϕ ϕ V AB IA V AN V AC V BC Do Diagrama Fasorial.Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company. tem-se: • • • V CA = V AC e j180º ∴ V AC = V L e j 300º ou V AC = V L e − j 60º • Logo: V AC V AB = 60º • • I A V AB = 30º +ϕ • • Portanto: V AC I A = 30º −ϕ • • Revisão: José Eugenio L.

b Medição para carga em Δ Supondo a medição sendo efetuada como a seguir: IA A W1 a Z I ab b W2 Z IB B I bc c Z C IC I ca Revisão: José Eugenio L. vem: (40) W2 = VL I L cos(30º +ϕ ) 8. vem: V BC V BN = 30º • • V BN I B = ϕ • • V BC I B = 30º +ϕ • • Como VBC = VL e I B = I L . Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof. Almeida 42 / 55 Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro . José Policarpo GQEE Então. como V AC = VL e I A = I L .Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company. 2004 For Evaluation Only.3. vem: W1 = VL I L cos(30º −ϕ ) (39) Já o wattímetro W2 indicará: W2 = V BC I B cos(V BC I B ) • • • • W2 = VBC I B cos(V BC I B ) • • Do Diagrama Fasorial.

indicará: W2 = V BC I B cos(V BC I B ) • • • • (41) W2 = VBC I B cos(V BC I B ) • • Revisão: José Eugenio L.Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company. 0 < ϕ < 90º . vem: V AB I A = 30º +ϕ • • V AC = V CA e Logo: • • j180 º =V L e j 60 º V AC V AB = 60º • • V AC I A = 30º −ϕ • • Como V AC = VL e I A = I L . 2004 For Evaluation Only. vem: W1 = VL I L cos(30º −ϕ ) O wattímetro W2. vem VCA I ca ϕ ϕ IB I bc V BC ϕ I ab IA V AC V AB Do Diagrama Fasorial. Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof. José Policarpo GQEE O wattímetro W1 indicará: W1 = V AC I A cos(V AC I A ) Se V AB = VL e j 0 º → • • • • W1 = V AC I A cos(V AC I A ) • • • Z = Z e jϕ . Almeida 43 / 55 Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro . por sua vez.

tem-se: I bc V BC = ϕ • • I B I bc = 30º • • ∴ V BC I B = 30º +ϕ • • Como VBC = VL e I B = I L . Almeida 44 / 55 Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro . José Policarpo GQEE Do Diagrama Fasorial.3.ϕ = 0º W1 = VL I L cos 30º W2 = VL I L cos 30º Revisão: José Eugenio L. vem: W1 + W2 = VL I L [cos(30º −ϕ ) + cos(30º +ϕ )] = = VL I L [2 cos 30º cosϕ ] = VL I L [cos 30º cosϕ + sen 30º sen ϕ + cos 30º cosϕ − sen 30º sen ϕ ] = ⎡ 3 ⎤ cosϕ ⎥ = VL I L 3 cosϕ ∴W1 + W2 = VL I L ⎢2 ⎣ 2 ⎦ ∴W1 + W1 = 3 VL I L cos ϕ (43) Comparando-se a equação (43) com as equações (27) e (36). 2004 For Evaluation Only. (42). Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof. (40) ou (41).1 Carga ôhmica . conclui-se: “A soma algébrica – adiante ver-se-á porque algébrica – das indicações dos dois wattímetros em conexão Aron é igual a potência ativa total da carga trifásica”. vem: W2 = VL I L cos(30º +ϕ ) (42) Das equações (39). 8.Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company.c Particularidades da Conexão Aron c.

POR ISSO ANTERIORMENTE AFIRMOU-SE: SOMA ALGÉBRICA. e multiplicar sua indicação por dois c.ϕ = 30º W1 = VL I L cos 0º W2 = VL I L cos 60º Logo: 1 W2 = VL I L 2 W1 = VL I L Conclusão: Um dos wattímetros acusa o dobro do outro.3 Carga indutiva . José Policarpo GQEE Ou seja: W1 = W2 Conclusão: Os dois instrumentos indicam o mesmo valor.2 Carga indutiva . o instrumento que indicava zero. respectivo a cos(30º+ϕ). passará a indicar valores negativos.4 Carga indutiva . Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof. Aumentando-se o ângulo acima de 60º. c. portanto bastaria o uso de um só.Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company. Almeida 45 / 55 Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro . c.ϕ = 90º W1 = VL I L cos(−60º ) W2 = VL I L cos 120º Revisão: José Eugenio L. 2004 For Evaluation Only.ϕ = 60º W1 = VL I L cos(−30º ) W2 = VL I L cos 90º Logo: W1 = 3 VL I L 2 W2 = 0 Conclusão: Um dos instrumentos tem indicação nula.

8. não consome potência ativa. Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof. 2004 For Evaluation Only. ou seja. porém com sinais contrários.d Potência Reativa Das equações anteriores temos: W1 = VL I L cos(30º −ψ ) W2 = VL I L cos(30º +ψ ) Então: W1 − W2 = VL I L [cos 30º cosψ + sen 30º senψ − cos 30º cosψ + sen 30º senψ ] Então: W1 − W2 = VL I L (2 sen 30º senψ ) W1 − W2 = VL I L senψ Portanto: 3 (W1 − W2 ) = 3 VL I L sen ψ Como 3 VL I L sen ψ = Q . o que resulta em WTOT = 0. vem: Q = 3 (W1 − W2 ) (44) Conclusão: Com a indicação dos dois wattímetros da Conexão Aron pode-se também obter a potência reativa “consumida” pela carga equilibrada. José Policarpo GQEE Logo: 1 W1 = VL I L 2 1 W2 = − VL I L 2 Conclusão: Os dois wattímetros indicam os mesmos valores. que é coerente pois ϕ = 90º é para carga puramente indutiva. Revisão: José Eugenio L. Almeida 46 / 55 Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro .3.Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company.

(cosϕ) de um sistema. Veja alguns dos motivos que fazem com que haja a preocupação em aumentar (melhorar) o f. = P S No triângulo de potências de um sistema (figura 27). vê-se que o fator de potência nada mais é que o cosseno do ângulo (ϕ) entre a potência ativa e a potência aparente. Almeida 47 / 55 Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro . José Policarpo GQEE 9 Correção do Fator de Potência 9. Revisão: José Eugenio L.2 O porquê do aumento do F.p. 9. ou seja: F . Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof. S Q ϕ P Figura 27 .P.1 Definição O fator de potência é a relação entre a potência ativa e a potência aparente num sistema.Triângulo de Potências.Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company. 2004 For Evaluation Only.P.

o que não é desejável. Revisão: José Eugenio L. para uma mesma potência ativa (produtora de trabalho). Logo o ideal é transmitir S1. ou todos os cabos estão sobrecarregados (foram dimensionados levando em conta I1 ) ou o seu custo foi mais alto (foram dimensionados levando em conta I 2 ). portanto Q1 < Q2 e P1 = P2.p.2. S2 S1 Q2 Q1 ϕ1 ϕ2 P Figura 28 . tem-se que: I1 < I 2 Ou seja sendo I 2 maior que I1 . José Policarpo GQEE 9. temos S1 < S2..1 Sobrecarga nos Cabos Na figura 28. Ora observemos que para ϕ1 < ϕ2.. maior será a corrente". Almeida 48 / 55 Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro . quanto menor o f. observa-se que.Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company. 2004 For Evaluation Only. Portanto: "Para uma mesma tensão. existem dois valores de potência aparente (S1) e (S2).Comparação para cosϕ1>cosϕ2. pois: S1 = VI1 e S 2 = VI 2 Como S1 < S2. Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof.

2 Aumento das quedas de Tensão Com relação a figura 29 pode-se escrever o seguinte: IS Zp Eg ~ VP Carga Figura 29 .Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company.2.corrente na sistema → Z p impedância total até a carga Bem.tensão em qualquer ponto do sistema (neste caso nos terminais de carga) • E g .e. da geração • I s .f. 2004 For Evaluation Only. maiores serão as quedas de tensão → • • Z p I s (Vide figura 29). José Policarpo GQEE 9. é óbvio que quanto maior for a corrente. • • → • V p = Eg − Z p Is Onde: • V p .Ilustração para aumento de quedas. Almeida 49 / 55 Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro .m. Revisão: José Eugenio L. Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof. Então é interesse diminuir o valor de I s .

3 Sobretaxa nas contas a pagar Uma vez que os problemas resultantes do exposto nos itens 9.2.3 Causas de Baixo Fator de Potência As causas mais comuns que fazem com que o f.p.luminárias com reator (quando usados reatores de baixo f. de uma determinada instalação seja baixo.Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company.1 e 9. Almeida 50 / 55 Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro . mínimo de cada instalação seja 0. Revisão: José Eugenio L. José Policarpo GQEE 9.2.p. .2. . de um determinado consumidor estiver abaixo desse mínimo o mesmo é obrigado a pagar uma sobretaxa às concessionárias. Se o f. . sem justa causa. 2004 For Evaluation Only. durante longo período. . Isto faz com que os consumidores procurem melhorar (corrigir) o fator de potência de sua instalação. grande parte do tempo a vazio (sem carga).transformadores que ficam por longo período a vazio (sem carga).p. as mesmas exigem que o f.transformadores de grande potência alimentando. Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof.motores superdimensionados para os respectivos acionamentos. afetam diretamente as concessionárias.motores que trabalham.).p. . são: .92. pequenas cargas.2. 9.nível de tensão elevada (acima do valor nominal).

Como as cargas de uma maneira geral são do tipo indutivas (transformadores.p. Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof. reatores.92 É conveniente que se melhore o f. Se: cosϕ = P < 0. Almeida 51 / 55 Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro . para que se diminua ϕ basta que se coloque junto a esses equipamentos. José Policarpo GQEE 9. efeito contrário.p. < 0.a. S=P+jQ Q= Q1 + Q2 ϕ P = P 1 + P2 M1 P 1 + j Q1 M2 P 2 + j Q2 (a) (b) Figura 30 .4.Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company. outros que tenham sob o aspecto da correntes. 2004 For Evaluation Only. que tem o triângulo de potências mostrado na Figura 30.4 Como Corrigir (melhorar) o Fator de Potência 9. (ou seja diminuir ϕ). ou seja "cargas" do tipo capacitivas. motores.1 Introdução Seja a instalação mostrada na figura 30. etc. A figura 31 esclarece.b.). Revisão: José Eugenio L.Configuração de uma instalação e seu triângulo de potências.92 S ou seja: f.

Para que se evite problemas futuros é importante que se mostre o novo jogo de potências: Q2 .potência reativa necessária à carga (indutiva). Colocou-se então cargas capacitivas cuja potência era Qc. Almeida 52 / 55 Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro .potência reativa imposta pela nova carga (capacitiva).p. José Policarpo GQEE S2 ϕ2 ϕ1 P S1 QC Q2 Q1 Figura 31 . Importante: "A carga do sistema sempre precisa de Q2 quando não há correção. Supôs-se que uma carga indutiva "puxe " do sistema a potência S2 = P + jQ2. Qc . Revisão: José Eugenio L. (cosϕ1) melhorou com relação ao anterior.Correção do f.p.p. 2004 For Evaluation Only. e que o f.Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company. Quando há a correção Q2 é parte fornecido pelo sistema (Q1) e parte pela carga capacitiva corretora (Qc). após a melhoria do f. Q1 . de forma que o f..potência reativa entregue pelo sistema à carga. Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof.p. Q2 é fornecido pelo sistema. (cosϕ2) estava abaixo do desejável.

Almeida 53 / 55 Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro . Revisão: José Eugenio L. desejado) nos dão diretamente o valor de (tgϕ2-tgϕ1). sejam: .p. têm pelo menos uma desvantagem muito grande..p.4.Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company.capacitores estáticos . pois os condensadores síncronos (motores síncronos superexcitados) a par das suas vantagens. Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof.2 Cálculo de Qc Observe-se na figura 31 que: Q2 P Q tgϕ1 = 1 P tgϕ 2 = ∴ Q2 = P tgϕ 2 ∴ Q1 = P tgϕ1 Ora: Q2 − Q 1= Qc Portanto: Qc = P(tgϕ 2 − tgϕ1 ) Nota: Há tabelas que dado o cosϕ2 (f.3 Tipos de "cargas capacitivas" usadas para o fornecimento de Qc Fundamentalmente há dois tipos de equipamentos usados para correção do f. a ser corrigido) e o cosϕ1 (f. Basta então multiplicar por P 9.motores síncronos superexcitados Os capacitores estáticos constituem a solução mais prática para as indústrias em geral.p. José Policarpo GQEE 9. 2004 For Evaluation Only.4. qual seja: contribuem para o curto-circuito (quando de sua ocorrência) no sistema.

a conexão triângulo (Δ) é mais vantajosa que a conexão estrela (Y) (Vide observação no final).4.4 Como Ligar Deve-se ligar os capacitores em paralelo com a carga. José Policarpo GQEE 9.Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company. pois em série acarretariam quedas de tensão entre a linha e a carga. No caso de sistemas trifásicos. Almeida 54 / 55 Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro . Seja: Qc = 3 VI sen ϕ Qc = 3 VI ϕ = 90º ⇒ sen ϕ = 1 Conexão Y: V XC XC XC I= V 3 Xc QC y = 3 V V 3 Xc QC y = V2 Xc Revisão: José Eugenio L. Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof. 2004 For Evaluation Only.

OBS: Entretanto. José Policarpo GQEE Conexão Δ: V XC XC XC If = V Xc IL = 3 I f = 3 V Xc Qc = 3 V 3 V 3V 2 = Xc Xc Portanto: Sob o aspecto de potência a conexão Δ é melhor que a conexão Y. Logo se deve ter uma solução de compromisso! Revisão: José Eugenio L.Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company. Almeida 55 / 55 Colaboração: Thiago Clé e William Carneiro . a tensão aplicada ao capacitor no sistema Δ é 3 vezes maior que no sistema Y e portanto sob o aspecto de isolamento há o encarecimento do capacitor. Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica Prof. 2004 For Evaluation Only.