Cris & Ted Nos Anos da Faculdade Como Quiseres, Senhor

Robin Jones Gunn
Título original: As You Wish Tradução de Myrian Talitha Lins Editora Betânia, 2005 Digitalizado por deisemat Revisado por deisemat

Cris & Ted

Nos Anos da Faculdade

Como Quiseres, Senhor

Robin Jones Gunn

Para Ross, meu marido. Fiz um “pedido”, e você apareceu. Para meu filho Ross e minha filha Rachel. Nós dois, juntos, fizemos um pedido, e eles apareceram.

1
- É, Ted, disse Cris, você não consegue mesmo disfarçar. ‘Tá com algum segredo! A garota soltou a mão do namorado e parou. Os dois estavam caminhando pelo campus. - Quem disse que estou com algum segredo? indagou ele. O rapaz tinha no rosto um sorriso franco, estampando na face duas covinhas fundas. Para Cris Miller, isso era um sinal certo de que havia algo no ar. - ‘Tá “escrito” no seu rosto. Agora só falta você me dar os detalhes; verbalmente, de preferência. - Na hora em que estivermos comendo eu te conto, respondeu Ted, fazendo um sinal para que ela o seguisse. Cris continuou parada no lugar, os braços cruzados. - E onde vamos comer? perguntou. A cantina só vai começar a funcionar a partir de sexta-feira. - É, eu sei. Venha comigo. Fiz reserva pra nós num lugarzinho tranquilo, bem afastado de tudo. Vamos.

A garota ergueu as sobrancelhas, ainda meio desconfiada. - Fez reserva? Nesse instante, o vento soprou forte. Era a costumeira ventania de setembro que sempre batia naquela região desértica do sul da Califórnia. Jogou o longo cabelo de Cris no rosto dela, cobrindo-o como se fosse um véu. A moça passou a mão na boca, removendo as pontas dele, notando que, mais uma vez, Ted a estava olhando “daquele jeito”. Fazia menos de uma semana que ela chegara da Suíça, onde estivera estudando e trabalhando. Nesses poucos dias, o rapaz já a fitara “daquele jeito” pelo menos umas seis vezes, talvez sete. Em seus olhos azul-acinzentados, parecia haver uma luzinha, como se houvesse ali uma minúscula vela. Cris tinha a sensação de que ele queria que ela se aproximasse mais e “fizesse um pedido”, antes que a chamazinha se apagasse. Contudo todas as vezes que a jovem via aquela expressão no olhar dele, virava-se para outro lado. Dessa vez, porém, ela ficou parada. Ele está querendo que eu lhe diga que o amo, pensou. Vendo que Cris não dizia nada, Ted estendeu o braço para ela e, com aquele seu jeitão tranquilo, disse: - Bom, na verdade, eu fiz uma reserva à minha maneira. Vamos lá. Você vai ver. Em resposta, Cris passou o braço pela cintura dele. Ted colocou o dele em volta do ombro da moça, puxando-a para mais junto de si. E lado a lado eles foram caminhando, atravessando o campus da Universidade Rancho Corona, em passadas uniformes. Afinal, o que há comigo? ia pensando Cris. Tenho certeza de que amo o Ted. Então por que é tão difícil essas palavrinhas saírem do meu coração e me virem aos lábios? Chegaram à pracinha que havia bem no centro do campus. O Sol estava se escondendo atrás de um aglomerado de palmeiras, as folhas dançando ao vento com aquele seu ruído típico. Alguns raios da luz ambarina coavam por entre as folhas, iluminando o cabelo de Ted,

bem louro e curto. - Vamos aqui, disse o rapaz, conduzindo Cris para junto da imensa fonte que havia no meio daquele espaço aberto. Como as aulas só iriam começar na semana seguinte, ainda não havia muitos alunos no campus. Então os dois estavam com a pracinha toda para eles. - Quer sentar aqui, ou num daqueles bancos? perguntou ele. -aqui ‘tá ótimo, replicou Cris. A jovem sentou-se na ampla beirada da fonte e cruzou as pernas. - E a reserva que você fez? -ainda ‘tá cedo, explicou Ted, e em seguida continuou: esta fonte não te lembra aquela que vimos nas férias? - Qual? Uma das dezenas que havia em Salzburgo e de que Katie gostou tanto? - Não, respondeu ele. Estava me referindo àquela a que fomos em Roma. Ou foi em Milão? Não lembro mais. Cris sorriu. - Quando fecho os olhos, comentou ela, este lugar aqui me lembra é a estação de trem de Castedefels. - Na Espanha? interveio Ted. Mas naquela estaçãozinha “derrubada” não havia nenhuma fonte... Aquilo ali era feio demais! - É, eu sei. Mas feche os olhos. Fique escutando. É o ruído das folhas das palmeiras. É isso que me lembra aquela estação. Esse farfalhar... Cris olhou para o rapaz que fechou os olhos e ergueu o rosto para o alto, pondo-se a escutar. - Isso me lembra o Havaí, disse ele, abrindo os olhos e fitando-a. Aquele ruído dava a Cris a impressão de que as árvores estavam batendo palmas. Agora,

porém, conseguia ouvir também os sons do Havaí, como o Ted. - É, tem razão. Lembra uma fileira de havaianas dançando, com seus saiotes de palha. - Havaianas? - É. Dançando a hula. Aquelas jovens altas e magrinhas... Ted riu. - É... bem altas e magrinhas. Nesse momento, soprou uma brisa leve, atirando neles espirros de água da fonte. Cris inclinou a cabeça e fitou-o. - Então, vai ou não vai me dizer qual é o segredo que ‘tá escondendo? Ou será que vou ter de esperar até a hora de comer? - Ah, é. Meu grande segredo... O que é mesmo que eu ia contar pra você? falou pensativo, e após uma curta pausa, deu de ombros e concluiu: Acho que esqueci. - Esqueceu nada, disse Cris, agarrando-o pelos ombros e ameaçando atirá-lo dentro da água. Ele também pôs as mãos nos ombros dela. - Se eu cair lá, você cai junto, ameaçou. Os dois ficaram rindo e brigando de mentirinha por alguns instantes. Afinal, Ted, que era surfista e bem mais forte que ela, conseguiu dominá-la. Ele endireitou o corpo e, com a mão esquerda, pegou um pouco de água para jogar nela. - Ei! protestou Cris, molhando-o levemente. Não comece porque depois você não vai dar conta de acabar. - Ah, você acha que não dou conta de uma guerra de água? indagou ele pegando mais um pouco. Então olha só! Em seguida, ele atirou várias mãozadas seguidas na moça. As risadas dele pareciam dançar ao redor de Cris, “montadas” nas gotículas de água. Ela encheu bem a mão.

- O.k. ‘tá bom, falou Ted, rindo e tossindo. Você venceu. Eu me rendo. Cris piscou para deixar cair algumas gotas de água que lhe estavam nos cílios. Em seguida, passou a mão no rosto e no queixo para limpá-los. - Consegui a vaga, informou Ted, sem mais nem menos. Passou o braço no rosto, enxugando-o com a manga da camiseta. - Que vaga? - Na Igreja de Riverview Heights. Fui li agora à tarde e me contrataram para trabalhar como líder dos jovens. Esse era meu grande segredo. - ‘Tá brincando! exclamou ela. Você não disse que eles queriam alguém que já tivesse se formado? - Foi o que pensei, explicou o rapaz. Mas ontem à noite eles tiveram a última reunião para decidir. Então resolveram me contratar. - Que beleza! disse ela. Mas isso é ótimo, Ted! - Disseram que gostaram do fato de eu poder dirigir o louvor e ainda fazer os estudos bíblicos, continuou ele enquanto esticava as pernas, e acrescentou: E eu lhes falei sobre você. Perguntaram se toparia ensinar a classe de escola dominical das adolescentes. - E o que respondeu? - Eu disse que sim. - Que eu pegaria a classe? - É. Expliquei que naquela viagem missionária que fizemos, alguns anos atrás, você foi considerada a melhor professora do grupo da Espanha. Contei também que trabalhou num orfanato, no ano passado, na Suíça. Eles estão ansiosos para vê-la. - Mas, Ted, você já lhes disse que eu iria lecionar na escola dominical? O rapaz se virou totalmente para ela, procurando examinar a expressão de seu rosto. - Você já deu aula na escola dominical, comentou.

- É, mas para os pequeninos. - Ah... mas também já foi monitora num acampamento, nas férias, uns anos atrás. - Sim, mas com pré-adolescentes. - E nunca lecionou para adolescentes? indagou ele. - Não, nunca. - Ah, mas você vai gostar dessas meninas, e elas vão amá-la! - Ted!! - O quê, Cris? - Por que não me perguntou antes? Quero dizer, e se eu não quiser dar aula para adolescentes? - E por que não iria querer? - Espere aí. Não estou dizendo que quero ou não quero. O que desejo que você entenda é que deveria ter me perguntado antes de dizer que eu iria assumir esse compromisso. ‘Tá me parecendo que eles o contrataram porque perceberam que iriam ficar com três obreiros, pagando um só - um líder de jovens, um dirigente de louvor e, de graça, a namorada que iria lecionar na escola dominical. Ted endireitou-se, tendo no rosto uma expressão inquisitiva. - E você acha que uma professora de escola dominical também deve receber? É isso? Você também quer ganhar um salário? - Não, claro que não. Ó Ted, você nem escutou o que estou dizendo. Eu só quero... parece que... bom... - O quê? - Você devia ter me dado algum tempo para pensar, antes de ir assumindo um compromisso em meu nome. - Ah... disse o rapaz, fazendo que “Sim” com a cabeça, num movimento lento. Tem

razão. Desculpe-me! Falei em seu nome, em vez de ter deixado que você tomasse a decisão. Não devia ter feito isso. Cris se remexeu, meio incomodada. - É. Obviamente não estou querendo dizer que não posso pensar na hipótese de lecionar ou em pelo menos dar uma ajuda numa classe. Aí foi a vez de Ted se mostrar irritado. - Você quer dizer que vai lecionar ou não? - Não sei. Dê-me algum tempo para pensar, o.k.? - ‘Tá bom. Leve o tempo de que precisar. Você sempre teve muito problema com essa questão de tomar decisão, não é? disse o rapaz, mais fazendo uma afirmação do que perguntando. Cris detestava ter de reconhecer o fato, mas o que ele dissera era verdade. Mesmo assim, a sensação que teve foi de um tapa no rosto. - Ted, principiou ela em tom firme, procurando coordenar bem as idéias para se defender, acho que... Antes que ela pudesse concluir, o rapaz a interrompeu: - Ei, lá vem nosso jantar! Cris levantou os olhos na direção do estacionamento, e viu um jovem caminhando para eles, vestido com uma roupa típica de entregador de pizza, tendo na mão uma caixa. - Você que é Ted Spencer? indagou ele quando chegou mais perto. - É; sou eu. Chegou bem na hora. Obrigado. Ted pagou o rapaz e pegou a pizza. - Boa noite! disse o entregador e saiu correndo de volta para o carro. - Foi isso que quis dizer quando falou que tinha feito reserva? indagou Cris. O lugarzinho tranquilo e afastado é aqui?

Ted deu um sorriso. - Legal, né? Só nós dois... uma noite linda... um ambiente perfeito. Não é exatamente a ilha de Capri, mas temos aí as dançarinas de hula - as folhas das palmeiras - para alegrar nosso jantar. Cris ficou olhando para ele. Não sabia se ficava alegre ou irritada. - Pedi a pizza gigante, continuou o rapaz, abrindo a caixa. Ih, parece que exageraram na cebola e no pimentão. O que você não gostar, pode tirar e colocar no meu pedaço. Você quer orar, ou oro eu? - É melhor você, replicou a moça. Estava se esforçando para disfarçar seus sentimentos. Ainda se sentia um pouco magoada por ele haver mencionado o fato dela ter dificuldade de tomar decisões. Apesar de seus esforços, a sensação de mal-estar ainda parecia suspensa no ar, como uma sombra. E permaneceu ali durante todo o tempo em que ficaram juntos. Ela comeu só duas fatias, ouvindo em silêncio o namorado que dava mais detalhes sobre o trabalho que conseguira. Só quando voltavam para o dormitório, caminhando de mãos dadas, foi que ela disse: - Desculpe-me por ter ficado tão irritada com o negócio da escola dominical. - Tem nada não, replicou Ted. Na sexta-feira, eu vou vir pra cá definitivamente, e aí a gente vai poder conversar um pouco mais. - ‘Tá bom, disse Cris. Assim que você chegar, me liga, ‘tá? Se quiser, eu e a Katie podemos ajudá-lo. Chegando ao dormitório das moças, o Sophia Hall, ele parou e se inclinou para ela e deu-lhe um leve beijo. Se estava chateado ou meio decepcionado com ela, não deixou transparecer nem no beijo, nem no que disse a seguir. - Então a gente se vê na sexta. Cris chegou ao quarto e viu que a porta estava destrancada. Katie, sua colega ruivinha,

sua melhor amiga, estava ali. Achava-se em cima de uma cadeira, meio desequilibrada, tentando enfiar uma pequena caixa de som na prateleira mais alta da estante de livros. - Ah, que bom que voltou! exclamou ela, dando um tapinha de leve na ponta da caixa, ordenando-lhe que ficasse ali. Aonde vocês foram jantar? - Ele fez reserva num lugar tranquilo, bem afastado de tudo, respondeu Cris jogando-se na cama. - Você ‘tá falando do Ted? Do seu Ted Spencer? - É, replicou Cris. Na verdade, ele foi bastante criativo. Simplesmente pediu uma pizza e mandou que a entregassem perto da fonte, na praça central do campus. Você acredita nisso? - Que romântico! - É, teria sido muito romântico, se eu não fosse tão cabeça dura! - Cabeça dura? Você? perguntou Katie, descendo da cadeira, mas ainda de olho na caixa de som, como se continuasse a ordenar-lhe que ficasse quieta no lugar. - É, eu mesma. Afinal, o que é que há de errado comigo? - Sobre qual de seus erros você quer conversar? indagou a colega, sentando-se ao pé da cama de Cris. Ela estava sempre disposta a fazer uma avaliação dos outros. - Ah, pode esquecer que fiz essa pergunta, interpôs Cris. - Não; vamos lá. Me dá uma dica, insistiu Katie, os olhos verdes examinando atentamente o rosto da amiga. Por que o Ted veio até aqui hoje? Deixe-me adivinhar. Ele fez essa viagem de uma hora e meia, de Newport Beach para cá, só porque estava com muita saudade de você? - Não exatamente. Cris explicou para a colega que o namorado arranjara um emprego como líder de jovens na Igreja de Riverview Heights. Contou inclusive sobre o convite para ela lecionar para uma

classe de garotas adolescentes e o comentário que ele fizera sobre sua dificuldade para tomar decisões. - Ah, isso é verdade, e você sabe muito bem, ajuntou Katie. Quero dizer, você até já melhorou bastante sobre essa questão e algumas outras. Mas acho que não deveria ter ficado chateada com o Ted por ele haver feito esse comentário. Foi apenas uma observação, e não uma crítica. - É, mas estou chateada. Estou com vontade de chorar até cansar. - Ah, provavelmente é porque ainda ‘tá sentindo o efeito da viagem. Você passou um ano na Suíça, Cris. Chegou de lá há poucos dias e seu organismo ainda não se ajustou à mudança de fuso horário. Então ‘tá precisando de um tempo pra descansar. Aliás, foi por isso que resolvemos vir para o campus antes de começarem as aulas, lembra? Você mesma disse que precisava de um tempo para se ajustar a todas essas mudanças. - Arrrr! fez Cris, pegando um travesseiro e colocando-o sobre a cabeça. Detesto mudanças! - Ah, agora estamos começando a nos entender! comentou Katie, tirando o travesseiro da mão dela e usando-o como encosto. Não se esqueça de que a flexibilidade é um sinal de equilíbrio mental. - Ah, por favor, reclamou a outra, me devolve o travesseiro. - Só se me prometer que vai se esforçar pra melhorar sua atitude com relação a esse emprego do Ted. Você sabe muito bem que era isso que ele queria. Seu namorado é perfeitamente talhado para essa tarefa. - Sei que é. - E é um emprego de verdade, insistiu Katie, devolvendo o travesseiro para a amiga. É uma carreira; um ministério; um serviço permanente. Não é como os trabalhos que ele teve nesses últimos anos, todos temporários.

Cris se ajeitou melhor na cama, para ficar mais confortável. Sabia que Katie iria “despejar” uma porção de conselhos nela. Não adiantaria resistir. E, embora não quisesse reconhecer, no fundo, ela queria mesmo ouvir o que a amiga tinha a lhe dizer. - É isso aí, Cris, continuou a outra. Agora vocês estão na “reta final”. Talvez até terminem os estudos neste ano. - É, mas só se eu conseguir resolver no que vou me especializar, interveio Cris com um suspiro. - Mas você vai resolver, amiga. Quando é sua entrevista com seu orientador? - Sexta-feira. - Ah, então vai dar certo, disse Katie. Faz o seguinte: dorme o dia inteiro amanhã, pra solucionar esse problema de fuso horário. Na quinta-feira, você dá um jeito de procurar um trabalho, e na sexta, decide quais as matérias que vai fazer e em que vai se especializar. Quando Ted chegar, na sexta à tarde, você já estará com tudo em ordem. - Bem que eu gostaria, comentou Cris, mas não é tão fácil assim, Katie. - Mas também não é tão complicado como você ‘tá dando a entender, replicou a outra. Quero dizer, acho que Deus ‘tá fazendo tudo isso, essas “coisas de Deus”, na hora certa, para que vocês se casem e continuem a vida juntos, não é isso? - Ei, Katie, você ‘tá tirando conclusões apressadas! - Conclusões apressadas? Moi? Nesse instante, alguém deu uma batida rápida na porta. Katie ergueu-se de um salto e foi abri-la. Era uma jovem com uma expressão de felicidade no rosto. Os cabelos louros, bem encaracolados, caíam-lhe pelos ombros como cascata. - Ei! Por onde você andou, Senhorita Felicidade? Era Selena Jensen, uma garota alegre, de espírito livre, que cursava o primeiro ano da faculdade. Ela deu um abraço apertado em Katie e depois foi em direção a Cris e abraçou-a

também. Dois anos antes, as três haviam participado de uma viagem missionária à Europa, e tinham ficado no mesmo quarto, na hospedaria. Embora Katie e Cris fossem um pouco mais velhas que ela, haviam se tornado muito amigas. - Estava na capela, explicou a recém-chegada, girando o corpo com um movimento rápido. Ela foi em direção à almofada tipo pufe de Katie e caiu sentada sobre ela. - Ah, estou achando que se encontrou com o Paul, comentou Katie, puxando uma cadeira para se sentar. E o que aconteceu? Deu pra conversarem? - Deu. Agora, tudo ‘tá maravilhoso! comentou Selena, brincando com o longo brinco de prata que pendia de sua orelha esquerda. - Então, me dê detalhes, por favor, tornou Katie. E não omita nenhum! - Bom, principiou Selena, vocês sabem como a situação estava péssima, algumas horas atrás, né? - Mais ou menos, disse Katie, respondendo pelas duas. - Pois agora ‘tá tudo certinho. Nós conversamos lá na igreja, oramos, e agora parece que vamos recomeçar um novo relacionamento. Agora temos o mesmo pensamento e as mesmas expectativas. ‘Tá tudo certo. Não iremos depressa demais, nem muito devagar, mas no ritmo apropriado. Cris deu um sorriso e pensou: Um tempo atrás, pensei o mesmo com relação ao Ted. Embora na época eu não tivesse gostado muito daquelas pausas - quando nosso namoro estava em compasso de espera, para definirmos bem “quem” éramos e o que queríamos - elas foram muito proveitosas. Trouxeram muito conforto e nos ajudaram a tomar as decisões. Então, por que será que estou tão nervosa com as resoluções que terei de assumir daqui pra frente? Queria saber por que sinto isso.

Selena arrastou o pufe para mais perto da cama de Cris e se remexeu nele para se acomodar melhor. - E depois de Paul ter passado um ano fora, na Escócia, agora ele se acha à uma hora de distância daqui. E nós estamos com o mesmo pensamento a respeito do nosso relacionamento. Finalmente! Não estou mais com expectativas falsas. Não entendo como fui complicar tudo daquela maneira! - Escutou isso? indagou Katie para Cris, dirigindo-lhe um olhar maternal. Por que você fica querendo complicar sua vida com o Ted, se tudo já ‘tá se ajeitando naturalmente? - E você ouviu o que Selena disse sobre expectativas falsas? retrucou Cris. No rosto de Selena surgiu uma expressão de preocupação. - Não há nenhum problema entre você e o Ted, há? indagou. - Ela ‘tá com medo do futuro, explicou Katie, respondendo pela amiga. - Não estou, não, rebateu Cris prontamente. Só não me sinto preparada para conversar sobre casamento. - E quem quer falar sobre casamento? quis saber Selena. Katie ergueu a mão. - Eu, disse ela. Selena arregalou os olhos. - Você? E com quem ‘tá querendo se casar? A jovem soltou uma risada. - Não é sobre o meu casamento que quero conversar, explicou. Estava falando era sobre Ted e Cris. Era disso que estávamos conversando pouco antes de você chegar. Obviamente, isso é o próximo passo para os dois, e a Cris ‘tá com medo de tomar essa decisão tão importante. - Não foi isso que eu disse, Katie, e você sabe muito bem.

- ‘Tá bom; então o que foi que você disse? Cris deu um suspiro. Na verdade, não estava muito a fim de discutir aquela questão com as duas naquele momento. Por outro lado, sabia que, quando estava na Suíça, tinha desejado muito essa intimidade com essas boas amigas. Aliás, até escrevera em seu diário um comentário sobre como estava desejando chegar à Universidade Rancho Corona, para poder se abrir com Katie e ouvir os conselhos de sua colega. E agora ainda tinha a Selena também. Era mais uma benção. - O.k., a questão toda é a seguinte. Escutem bem, vocês duas. Prometo que depois vou ouvir o que tiverem a me dizer. Mas primeiro me deixem falar o que estou pensando. Katie e Selena inclinaram-se para ela, olhando-a com expressão franca e amável. - O que eu sei, com certeza, é que amo o Ted. Isso eu sei. - Mas não disse pra ele, interveio Katie. - Eu pedi pra me deixarem falar tudo primeiro. - Opa! fez Katie, tapando a boca. Desculpe! Continue. - Sei que amo o Ted, e é verdade que ainda não consegui dizer isso pra ele. Sei que ele me ama. Já me falou dezenas de vezes, depois daquela primeira vez que disse, lá na Suíça. O problema é que, pra mim, falar com o Ted que o amo é algo muito sério. É quase como prometer que vou assumir um compromisso com ele. Pra sempre! - E você não se sente preparada pra lhe dizer isso? deduziu Katie. Cris olhou para suas mãos. O brilho da lâmpada do quarto refletiu-se num cantinho do bracelete de ouro que estava usando. Era uma pulseira que o namorado lhe dera, alguns anos atrás, prometendo-lhe que sempre seriam amigos, não importava o que acontecesse. Passou o dedo de leve sobre as palavras “Para Sempre”, que estavam gravadas na jóia. - Você acha que isso é sério demais? indagou Selena. Acha que assim que disser para o Ted que o ama ele ira dizer: “Então vamos nos casar”?

- Talvez. Não sei. - Ah, ele não vai lhe pedir em casamento imediatamente, não, interpôs Katie. - E se pedir? tornou Selena. Por que você não quer se casar com ele? Você não achava que o namoro de vocês era pra acabar em casamento mesmo? - Sim e não. Há momentos em que penso que gostaria de me casar com ele ali, naquela mesma hora, sem parar pra pensar e sem ter arrependimento algum. Mas depois, em outros instantes, olho pra ele e penso: “Quem é esse cara?” Tem tanta coisa que não sei a respeito dele... - E daí? continuou Selena. Procure passar algum tempo com ele pra conhecê-lo melhor. É isso que eu e o Paul vamos fazer. E é claro que não estamos pensando em casamento. Nenhum de nós. Vamos ser só amigos e procurar conhecer melhor um ao outro, sem nenhuma preocupação em passar a namorar. - ‘Tá certo, interveio Katie. Mas a Cris e o Ted já tiveram essa fase... o quê? Nos últimos cinco anos? Cris fez que sim. - Já ‘tá na hora de tomarem algumas decisões a respeito do relacionamento deles. Sinto muito, Cris, mas tenho de dizer isso. O Ted tem razão. Você não gosta mesmo de tomar decisões. Cris não se sentiu agredida ao ouvir a amiga dizer isso, da forma como se sentira antes. Aliás, nem teve dificuldade para concordar com ela. E fez que “Sim” com um lento movimento de cabeça. Contudo percebia que havia mais alguma coisa por trás de sua incerteza com relação ao namorado. Sentia que estava quase definindo bem o que era essa importante questão. Katie virou-se para Selena e continuou sua análise de Cris, como se esta não estivesse presente ali.

- Cris gosta de tudo bem planejado, numa ordem lógica. “Primeiro, vem o amor; depois, o casamento, depois o filho, no carrinho de bebe...” Selena deu uma risadinha. - Mas assim é melhor, comentou. - Ah, como seria bom se existisse um guia turístico pra nos orientar em nossos relacionamentos! exclamou Katie. Quando estávamos passeando na Europa com a Cris, eu e o Ted descobrimos que o melhor jeito de viajar é fazer um planejamento e arranjar um bom guia turístico. Se não for assim, a gente perde muita coisa. - Ah, então agora você ‘tá reconhecendo publicamente que é muito bom fazer o planejamento antes, interveio Cris. - Eu já tinha lhe dito isso lá na Europa, retrucou Katie em voz alta. - É, interveio Selena, mas não sei se no amor a gente sempre pode planejar e agir com lógica. - É verdade, concordou Katie. Ninguém pode garantir nada com relação ao futuro. Temos de agir com base naquilo que sabemos, naquele momento, e deixar que Deus cuide dos resultados. - Não sei se concordo bem com isso, interpôs Cris. Creio que somos responsáveis por nossos atos o tempo todo, inclusive pelas consequências deles. - Sim, disse Selena num tom firme, mas tem de haver equilíbrio, pois não somos nós que estamos no controle de nossa vida; é Deus quem está. - E por isso não precisamos ter medo do futuro, acrescentou Katie. - E como diz aquele versículo de Provérbios 31, continuou Selena. Lá diz assim: “A força e a honra são os seus vestidos, e alegra-se com o dia futuro”, como diz essa nova versão da Bíblia. - Ah, decorei esse texto ontem à noite, interveio Katie. Só que na minha versão diz “... e

ri-se do dia futuro”. Cris se recostou mais, estampando no rosto uma expressão séria. A idéia importante que estava se formando em sua mente agora chegara “à tona”, deixando-a triste. - Que é que você ‘tá pensando? quis saber Katie. Seu rosto ficou sombrio, carregado... - Vocês duas podem pensar em rir e se alegrar com o futuro, como diz a segunda parte do verso. Mas estou pensando na primeira, “a força e a honra...”. A possibilidade de assumir um compromisso com o Ted é uma decisão muito séria. Se nos casarmos, ficaremos juntos pelo resto da vida. Só quero mostrar pra ele que estou preparada para assumir esse compromisso quando estiver mesmo. - Mas você já sabe que o ama, relembrou-lhe Katie. - É, creio que sei. Katie pegou o próprio cabelo com ambas as mãos e puxou-o, como se fosse arrancá-lo. - Você acabou de dizer agora há pouco que sabe que o ama! reclamou. - Eu sei, mas procure entender o que estou dizendo... - Eu entendo, interpôs Selena. Já entendi, ou pelo menos acho que compreendi. Você ‘tá dizendo que sabe que ama o Ted, mas não tem certeza se esse amor é profundo, se é suficientemente forte para lhe dar condições de assumir essa união com ele pelo resto da vida. - Exatamente, replicou Cris. Katie abaixou a cabeça e cobriu o rosto com as mãos, parecendo refletir sobre o que a amiga dissera. Cris percebeu que Selena resumira muito bem o pensamento que ela estivera querendo expressar. Com isso, suas idéias ficaram bem claras. - É isso! repetiu. É exatamente isso que venho tentando descobrir, disse a jovem, inclinando-se para a frente e fazendo uma pausa à espera de que Katie voltasse sua atenção para ela. Quero que as duas me digam a verdade. Por favor, me dêem sua opinião sincera.

Selena e Katie ficaram paradas, aguardando o que ela iria dizer. - Vocês acham que é possível uma pessoa chegar à conclusão de que ama realmente alguém, mas não se casar com ele? Por uns instantes, houve no quarto um silêncio profundo em que as três amigas ficaram a se entreolhar. - É, disse Katie com expressão grave. Era a primeira vez que ela tinha uma atitude séria naquela noite. - É possível, sim, continuou, compreender que amamos alguém profundamente, e ainda assim acabar não passando o resto da vida com ele. Selena fez um aceno de cabeça, concordando. - Também acho, disse. Cris sentiu que lágrimas lhe vinham aos olhos, embaçando-lhe a vista. - Também penso isso, comentou em voz baixa. É disso que estou com medo.

2
Cris ficou acordada até às 2:00h da madrugada, conversando com as amigas. Quando Katie acordou, já era quase meio-dia. Chamou a colega e lhe disse que iria à cidade para comer algo. Cris replicou-lhe que fosse, sem esperá-la. Em seguida, fez algo que nunca imaginaria que pudesse fazer: dormiu o resto do dia e a noite toda. Na quinta-feira de manhã, ela acordou com uma forte dor de cabeça. Katie já havia saído, deixando-lhe um sanduíche e um bilhete, dizendo que fora fazer compras com Selena. Comeu o lanche que a amiga lhe deixara e depois foi tomar um banho quente, que não ajudou muito. Então voltou para a cama e caiu num sono profundo, dormindo o dia todo. Quando despertou, já começava a entardecer. Agora se sentia bem melhor. Fazia umas boas semanas – talvez alguns meses que não se via assim. Parecia que atingira o auge do cansaço e ainda o ultrapassara. Mal acabara de se levantar e estava espreguiçando, quando Katie chegou. Trazia um pacotinho de lanche. - Ei, pessoal! gritou a recém-chegada. Ela ‘tá viva! ‘Tá respirando! Será que ‘tá com fome? - Morrendo de fome! disse Cris. Muito obrigada! E obrigada também pelo sanduíche que deixou pra mim de manhã. - De nada! Agora você deve estar se sentindo melhor, né? - Estou. Estou normal. Não, estou melhor que normal. - É bom saber disso. Eu estava começando a me preocupar com você.

Cris enfiou a mão no pacotinho de lanche e tirou um sanduíche de peito de peru. Fechou os olhos e fez uma rápida oração, agradecendo o alimento, e se pôs a comer. - É, você ‘tá com aparência melhor mesmo, comentou Katie. Acho que aquelas semanas que trabalhou a mais no orfanato acabaram com você. Cris reconheceu que a amiga tinha razão. O ano que passara na Suíça fora muito bom em diversos aspectos. Contudo tivera uma vida muito agitada lá, trabalhando quase sem parar. Fora muito desgastante, física e emocionalmente. Além de estudar uma parte do dia, fazendo todas as matérias do curso, dedicava-se às crianças do orfanato, dando-lhes mais de trinta horas por semana. - É, eu sei, concordou ela, sentando-se na cama, as pernas cruzadas à moda oriental. Você ‘tá certa com relação ao meu trabalho no orfanato. Morria de pena daquelas crianças. Nos últimos dias que passei lá, eu me sentia totalmente esgotada. - Agora reconhece que foi bom ter ficado até o fim do semestre? indagou Katie. - Como assim? - Quando eu e o Ted estivemos lá em junho, você teve aquele entendimento de que não tinha condições de assumir um compromisso a longo prazo numa situação de crise. Lembra? Aquelas coisas que você falou quando estávamos em Amsterdã... Disse que ia mudar de curso, mas achava que deveria ficar na Suíça pra terminar o semestre. Acha que foi bom ter ficado? Cris fez que sim com um aceno de cabeça, pois estava de boca cheia. - É; percebi que você sentia que tinha de manter a palavra dada ao pessoal do orfanato e seu compromisso com a Universidade de Basiléia, comentou Katie. Nunca lhe disse isso, mas senti uma grande admiração por você, por haver tomado essa decisão. - Obrigada! - Fiquei pensando muito naquilo que conversamos ontem à noite. Sabe de uma coisa,

Cris? Você me ajuda muito. Você me faz refletir nas situações, em vez de agir impulsivamente. Eu e a Selena estávamos falando de como temos esse problema de ser espontânea demais. - É por isso que as duas me ajudam também, interpôs Cris. Algumas vezes, eu também preciso de vocês, pra que me ajudem a ficar mais descontraída. Eu queria ter saído com vocês para fazer compras. Faz mais de um ano que não vou a um shopping. - Pois eu acho que o sono foi mais importante pra você, disse Katie. Com toda sinceridade, agora ‘tá com uma aparência bem melhor. - Estou me sentindo melhor também com relação a tudo o mais. Aquela conversa com você e a Selena foi ótima. Creio que o melhor que tenho a fazer agora é viver um dia de cada vez, da maneira como eles vierem. E devo tomar cada decisão quando estiver na hora dela. - Esse negócio de decidir sobre a classe de escola dominical foi seu último catálogo telefônico, não foi? indagou Katie. - Meu último catálogo telefônico? Como assim? - Isso é a nova teoria que estou criando, explicou a outra. Lembra que lhe contei que um dos trabalhos mais interessantes que tive nas férias foi entregar catálogo nas casas? Cris fez que sim. - Pois é. E logo no primeiro dia, percebi que conseguia carregar só oito catálogos de cada vez. Se pegasse mais um, deixava cair todos eles. Cris ainda não conseguia entender o que ela queria dizer. - E quando o Ted veio lhe perguntar sobre dar aula na escola dominical, você já estava “carregando” um bocado de pesos. Pense só. Estava com o cansaço da viagem. Teria de decidir sobre sua especialização. Havia a preocupação de arranjar um emprego. Estava preocupada com o fato de não conseguir assumir um compromisso com o Ted para o resto da vida. E aí – pá! - vem a questão da classe. Foi o último catálogo telefônico.

- Ah, igual a gota de água que faz o balde derramar, comentou Cris. - Isso mesmo. Só que o que você estava carregando não eram simples gotas de água. Era mais como um catálogo pesado. Uns dois deles dá pra carregar de uma vez. Mas quando a gente chega ao limite, tem a sensação de que vai deixar tudo cair. Cris recostou-se na cama. Percebeu que estava respirando mais tranqüilamente. Fazia tempos que não se sentia assim. - Você disse exatamente o que eu estava sentindo, comentou. Katie sorriu, muito satisfeita consigo mesma. - E não precisa pagar nada pela “consulta”, disse. Aquele dia que fomos à drugstore e você quase chorou porque não sabia que marca de sabão iria comprar, achei que iria ter um colapso. Que bom que ‘tá dizendo que vai tomar cada decisão separadamente, uma de cada vez. - E você? - Que é que tem eu? Katie se levantara, ligara o som e pegara uma tirinha de goma de mascar de uma caixinha que estava em sua estante. - Você não tinha uma entrevista com o orientador hoje? perguntou Cris. Ou foi adiada? - Não. Eu e o pessoal aí fomos à cidade pra tomar o café da manhã, e depois fui pra entrevista às 10:00h. Selena também tinha uma entrevista com o consultor de finanças, e depois fomos fazer compras. - Afinal, você mudou alguma matéria? - Não; vou continuar mesmo fazendo Botânica. Disse ao orientador que meu projeto de vida é criar chás de ervas, e ele quase caiu na gargalhada. - Você não lhe falou sobre seu canteiro de ervas e das experiências que fez no semestre passado?

- Ainda não. Só vou falar quando uma das minhas experiências der certo. Cris sorriu. Recordou-se de que a amiga lhe enviara um e-mail, narrando um fato hilariante. Ela cultivara algumas ervas e fizera uma mistura delas e preparara um chá. Era sua primeira tentativa nesse sentido. O resultado foi que dois dos cinco colegas da turma de Química tinham apresentado alergias na pele. Os outros três queixaram-se de dores no estômago. Ao que parecia, Katie fora a única da turma que não tivera nenhuma reação. - Ah, disse Katie, hoje de manhã, quando você estava aí “morta para o mundo”, sua tia ligou. Queria vir pegá-la pra almoçar. Eu lhe disse que você não poderia sair. - Oh, Katie, isso foi muito legal. E falou a verdade. Muito obrigada. - É, mas talvez não me agradeça quando ouvir o resto. Ela disse que virá aqui amanhã, por volta do meio-dia, pra apanhá-la pra irem almoçar. E falou que se você tiver outro compromisso é bom desmarcar, porque essa é a única hora que ela poderá vir. - Ah... e ela disse o que queria? - E ela diz? indagou Katie, rindo. Quero dizer, ela precisa de alguma razão forte pra interferir em sua vida e começar a mandar e desmandar? - Talvez ela esteja aborrecida de eu não ter telefonado pra ela depois que cheguei. No sábado, eu perguntei a minha mãe por Bob e Marta e ela me disse que a última vez que os viu ou conversou com eles foi no 4 de julho. - Isso é meio estranho, né? Cris deu de ombros. - Minha mãe e Marta não são lá muito unidas. São as irmãs mais desligadas que conheço. - Não há duvida de que são o oposto uma da outra, comentou Katie. - Sabe? Um dos melhores aspectos desse tempo que passei na Suíça foi saber que minha tia se achava a quilômetros e quilômetros longe de mim, e não a uma hora e meia de carro.

- Você gostaria que eu almoçasse com vocês amanhã? indagou Katie. - Claro! Você pode? - Lógico! Almoço de graça! Por que eu não iria lhe dar meu apoio moral? Cris ficou a pensar por uns instantes, e em seguida comentou: - Não é que eu fique inibida com minha tia, né? - Ah, não! Disse Katie com um sorriso malicioso. Jamais... - É porque, se você também for, quebra um pouco a tensão. Você sabe o que quero dizer, não? Quero que você vá porque assim fica mais divertido. - É; sou eu mesma! Sempre muito divertida! Katie atirou o saquinho vazio na cesta de lixo e errou. Então levantou-se, pegou-o e jogou-o dentro dela. - Vou lá para o campo de beisebol, anunciou. Quer ir comigo? - Campo de beisebol? repetiu Cris, pensando que era muito estranho sua amiga querer ir ali. Em seguida, porém, lembrou-se de algo. - Ainda está à procura do “número dezesseis”? - Número “quatorze”, corrigiu Katie. É, estou sim. Acho que não seria nada mal dar uma chegada no lugar onde o conheci, em junho. - Como era o nome dele mesmo? - Mark. - Mark de quê? - Só sei o primeiro nome. Já lhe disse que ainda não descobri o sobrenome dele. É apenas Mark, “número quatorze”, o melhor jogador de beisebol da Rancho Corona. - Sabe o que mais? principiou Cris, vestindo uma calça jeans e uma camiseta. Não entendo como você ainda não utilizou sua extraordinária habilidade “detetivesca” para

encontrar o cara. A outra abanou a cabeça, fazendo seu cabelo ruivo girar de um lado para o outro, num jeito que era sua marca registrada. - Não. Estou resolvida a deixar que Deus cuide da minha vida sentimental que, aliás, nem existe ainda. Se ele quiser colocar alguém no meu caminho, irá fazê-lo na hora dele e da maneira que desejar. É verdade que, desde que conheci o Mark, cento e quatro dias atrás, tenho pensado muito nele. - Cento e quatro dias, hein?! - É, mas não vou fazer nada pra provocar um relacionamento, disse Katie. A jovem pegou um velho boné de beisebol e o enfiou na cabeça, cobrindo o sedoso cabelo e ajeitando as mechas laterais atrás das orelhas. - Entretanto, interpôs Cris, mesmo assim, acha que não faz mal dar uma passada no lugar certo, na hora certa, dando uma mãozinha pra Deus, lá no departamento da soberania dele... - Exatamente. Cris calçou as sandálias e disse: - Estou pronta. Vamos nos colocar à disposição de Deus! - Ei! reclamou Katie, fechando a porta depois que saíram. Não zombe dos meus métodos! Estou apenas fazendo uma tentativa! - É! ‘Tá só fazendo uma tentativa! replicou Cris, disfarçando uma risadinha. - Não converso mais com você, Cris. E as duas saíram do dormitório feminino, onde ficavam as estudantes do último ano, e se dirigiram para o centro do campus, ainda sorrindo. Cris sentia-se aliviada ao ver que seu relacionamento com Katie voltara a ser como antes. Sua depressão decorrente dos efeitos da viagem não provocara nenhuma crise seria entre elas. Isso era algo que ela apreciava muito

em Ted e Katie. Ele, com seu jeitão calmo e tranquilo, e a amiga, com sua personalidade alegre, respeitavam suas mudanças de humor, não deixando que elas alterassem o relacionamento deles. As duas foram caminhando, vendo vários caminhões parados junto à porta de entrada dos dormitórios. Dezenas de alunos estavam chegando à escola e descarregando seus poucos pertences. Cris ficou satisfeita de ter vindo mais cedo, com tempo de sobra para se ajustar e recuperar o sono perdido. Se tivesse ficado em casa, em Escondido, provavelmente não poderia ter descansado como precisava. Fora seu pai quem tivera a idéia de ela ir logo para a faculdade. Ele disse que só poderia levá-la lá assim que chegasse de Basiléia, ou então no sábado à tarde. Na segunda opção, ela não teria tempo suficiente para descansar e se acomodar, antes de as aulas iniciarem. Além disso, eles tinham a esperança de que, vindo mais cedo, ela tivesse a oportunidade de arranjar um trabalho ali. Sentia-se um pouco incomodada de não haver feito nada nesse sentido ainda. Aliás, isso era um dos “catálogos” que ela estava carregando. - Eu amo este tempo! exclamou Katie. Evidentemente, ela se esquecera de que acabara de dizer que não iria mais conversar com Cris. - Gosto quando ainda ‘tá fazendo calor, mas sopra essa brisa, mesmo depois que o Sol se põe, continuou ela. Parece um verão indiano. Talvez eu invente um chá e coloque o nome de “Verão Indiano”. Que Tal? - Gostei, replicou Cris. Também gosto desta época do ano. Este calor seco e com vento me faz pensar em novidades, em um recomeço. É que na ocasião em que nos mudamos pra Escondido o tempo estava mais ou menos assim. Foi quando a gente se conheceu, lembra? Foi naquela vez, quando estávamos no segundo ano, que dormimos todas na casa de uma colega. - Nunca me esqueci daquele dia! comentou Katie, dando uma risada que ecoou como o

piado de um pássaro noturno, voltado para a Lua. Lembra como tentamos colocar papel higiênico nas árvores da casa do Rick Doyle? Aí, ele te viu e saiu correndo atrás de você pela rua abaixo, à meia-noite! Cris também teve de rir. Aquela recordação era uma das que mais a deixavam envergonhada. - Que será que aconteceu com o Rick? - Por que ‘tá dizendo isso? indagou Katie, parando de rir. - Porque a última vez que o vimos foi no casamento do Douglas e da Trícia, mais de um ano atrás. Você conversou com ele naquele dia? - Não. E você? - Também não. - Você não ‘tá começando a pensar nele voltando a se relacionar com você ou algo parecido, ‘tá? indagou Katie num tom de preocupação. - Claro que não, disse Cris. Só acho que é uma pena que todos nós estejamos juntos aqui, e ele tenha ficado pra lá. - Ah, mas o Rick sempre foi mais ou menos de “ficar pra lá”. - É; eu sei. Mas tinha esperança de que um dia ele se “encontrasse” e passasse a fazer parte da nossa turma. - Sabe qual é seu problema, Cris? indagou Katie, e antes que a amiga tivesse tempo de responder, continuou: Você tem muita misericórdia. Foi por isso que não aguentou trabalhar com aquelas crianças do orfanato e, de repente, ‘tá desejando felicidade para um cara que foi um mau-caráter com nós duas. O Rick merece tudo que lhe acontecer de ruim. Estavam apenas a alguns metros do campo de beisebol, e Cris parou. - Ainda ‘tá com raiva dele, né? Você não lhe perdoou pelo que ele lhe fez naquele dia da “Parada das Rosas”, no ano-novo, né?

Katie deu de ombros. - Tem de lhe perdoar, Katie. Não dê muito valor àquilo, amiga. Tire uma lição do que aconteceu, e siga em frente! - Mas foi o meu primeiro beijo, Cris. Me diz: Como é que alguém pode esquecer o cara que lhe deu o primeiro beijo? Cris fixou na amiga os olhos verde-azulados, fitando-a com uma expressão terna, e em seguida respondeu: - A gente não esquece. Nunca. - Isso mesmo, concordou Katie, e saiu caminhando rapidamente. Cris foi logo atrás e alcançou-a. - Mas pode perdoar ao Rick por tê-la magoado. - E tenho de perdoar, replicou a outra, e fez uma pausa. E vou perdoar, concluiu depois de alguns instantes. Mas chega de Rick Doyle por hoje, ‘tá? Agora vamos nos concentrar no Mark, meu “número quatorze”. Já se achavam próximas do campo de beisebol, e Cris correu os olhos pelo espaço aberto. As duas eram as únicas pessoas ali. - Parece que ninguém veio treinar hoje, comentou. - Eu não estava pensando que alguém viria treinar, retornou Katie. Achei que... Aqui ela ficou parada por um momento, em silêncio. - Não sei o que foi que achei, concluiu. Vamos lá pra “Selva”. Nem sei por que falei pra virmos aqui. - “Selva”? - É o novo nome que deram para a lanchonete que fica no subsolo do centro estudantil. Vi a placa lá hoje. Acho que o pessoal não gostava do antigo nome, “Parada do Expresso”. E as duas foram atravessando o campus, em direção ao salão de reunião dos estudantes.

Ali ela apontou a placa para a colega. O prédio era bem amplo. Nele havia o centro estudantil, a “Selva”, as caixas postais dos alunos e, no andar superior, uma enorme sala de estar. Assim que entraram na sala, Cris observou que havia muitos estudantes. Era a primeira vez que via tanta gente ali, desde que chegara na escola, uma semana atrás. Agora aquele lugar estava começando a parecer uma universidade. Antes lembrava mais uma “cidade fantasma”. A cantina local iria começar a funcionar nesse dia. Isso significava que ela iria economizar seu escasso dinheirinho, que estava gastando com as refeições. Desceram para a lanchonete e entraram na fila - que aliás não era muito longa - para pedir algo. - Agora é minha vez de pagar, disse Cris. - Eu trouxe dinheiro, replicou Katie. - Mas você me levou dois sanduíches. - Pra falar a verdade, eu paguei com um daqueles cupons de promoção, em que se compra um e leva dois. Peguei esse cupom naquele posto de gasolina que fica no pé do morro. Eu abasteci lá outro dia. A Universidade Rancho Corona ficava situada num planalto e, para ir à cidade, os alunos tinham de descer o morro. Cris tinha certeza de que Katie devia conhecer todos os postos da região. É que a amiga gostava muito de seu novo carrinho, um veículo de cor amarelo berrante, um “fora de série”, parecido com um “bugue”. E Katie apreciava estar com o tanque sempre cheio e as vidraças, bem lavadinhas. - O.k., disse Cris, agora estamos quites. E não se esqueça de agradecer ao seu carro por mim. Katie apontou para uma mesinha, cujos ocupantes tinham acabado de sair. - Pega aquela mesa ali pra nós, sugeriu ela. O que você vai querer tomar? - Limonada.

- Limonada? - É, limonada. Não quero bebida quente agora. O que desejo nesse momento é a nossa velha e simples limonada. - ‘Tá bom, limonada, repetiu Katie. E se dirigiu para o fim da fila dos sucos, enquanto Cris se instalava na mesa indicada, que ficava junto a uma janela lateral. Correu os olhos pelo salão e se deu conta de que não conhecia nenhum dos presentes. Sentia-se meio estranha, recomeçando os numa outra escola. Estava bem feliz pelo fato de Katie estar estudando ali, e também Selena e Ted. Os amigos da gente fazem uma diferença tremenda em nossa vida! pensou. Lembrou-se das colegas de quarto na escola da Suíça, ambas alemãs. Eram muito legais, mas Cris não conseguia acompanhá-las em suas atividades sociais. Então, na maior parte de seus momentos de folga, ficava no dormitório mesmo. Aliás, até gostava de estar a sós depois do trabalho no orfanato, onde se via sempre cercada pela algazarra das crianças. Agora, porém, que se achava de volta à Califórnia, desejava muito viver uma situação diferente nessa faculdade. Queria passar muito tempo na companhia dos amigos mais chegados. Isso pode ter sido um dos motivos por que tive aquela reação contrária, quando Ted me falou sobre lecionar na escola dominical. Talvez esteja com medo de ter de dedicar meus momentos de folga a essas alunas, se assumir esse compromisso. Ah, não estou a fim disso, não. Preciso passar mais tempo com minhas amigas. Nesse momento, Cris voltou sua atenção para um rapaz alto e magro que entrava na “Selva”. Experimentou uma agradável sensação calorosa. Mark Kingsley! Olha só! Mamãe tinha razão! Puxa, você ficou tão alto, não? Não havia dúvida de que aquele rapaz era um conhecido de infância, de sua terra, Wisconsin. Recordou-se de que, quando ainda estava na escola fundamental, tivera uma “paixonite” infantil por ele.

O rapaz, que usava um boné de beisebol, correu os olhos castanhos pelo recinto. A última vez que Cris o vira fora três anos atrás, quando tinham ido àquele estado para a comemoração das bodas de ouro de seus avós. Manteve os olhos fixo nele, na expectativa de ver se ele a reconheceria. Mark passou o olhar por ela uma vez. Em seguida, olhou-a de novo, deu um sorriso e veio em sua direção, a passos largos. Cris sentiu um “alvoroço” na boca do estômago e soltou uma risadinha alegre. O colega chegou e cumprimentou-a com um abraço meio desajeitado. Ela sentiu o ombro forte dele comprimindo sua orelha, e notou que o cheiro dele era de quem estava meio suado. - Oh, então você ‘tá aqui! exclamou Mark, sorrindo e sentando-se numa mesinha próxima. - É, estou, repetiu ela. E você também. Como estão as coisas pra você? - Tudo ótimo! Acabei de chegar. Estava viajando desde às 5:00h da madrugada. Ah, Cris, que bom vê-la! Sua mãe lhe disse que liguei segunda-feira? - Não; estou aqui a semana toda. E não conversei com ela nem uma vez. Está com fome? A jovem se deu conta de que estava falando igual a sua mãe. Aquela era a conversa típica a que estava acostumada desde pequena, quando morava numa fazendinha de gado leiteiro. Sempre que os homens da casa chegam do trabalho no campo, a mulher pergunta se querem comer algo. - Não, replicou ele. Já lanchei. Estou procurando meu colega de quarto. Ele disse que estaria me esperando aqui. Ele ‘tá com nossa chave. Mas não o vejo em parte alguma. É o Peter Santos, o mesmo cara que dividiu o quarto comigo no ano passado. Conhece? - Não, mas minha colega deve conhecer. Parece que ela conhece todo mundo nesta escola.

Cris se virou para a fila e viu que Katie já chegara na frente e estava pagando a compra. Mark espiou para fora e se inclinou para a frente, aproximando-se mais da jovem, buscando um ângulo de visão maior. - Ah! Lá está ele, disse o rapaz. Ei, Peter! gritou, batendo de leve na vidraça. O outro virou-se e lhe fez um gesto, chamando-o para fora - Eu já devia saber que ele estaria falando ao celular, comentou Mark. Conversa nele o tempo todo. Devia colocar uma armação para fixá-lo na cabeça. Cris desviou os olhos da janela e voltou a fitar o amigo. Ele também a olhava fixamente. - Eu queria ficar mais tempo aqui, comentou o jovem com uma expressão sincera, mas deixei o carro num lugar de estacionamento proibido. Ele se ergueu e pôs a mão no braço da amiga, dando-lhe um aperto de leve. - Que tal se a gente tomar o café da manhã junto, amanhã? sugeriu ele. Temos um bocado de assunto pra por em dia... - Claro! replicou Cris, mas logo em seguida se lembrou de algo. Não! Espere. Já tenho um compromisso pra amanhã cedo. - E o almoço? indagou ele. - Tia Marta virá me pegar para almoçarmos. - E então, que tal jantar? Às 6:00h? Vamos nos encontrar na cantina. - ‘Tá ótimo, concordou Cris. Encontro com você lá. Mark fez uma pausa e depois disse: - Foi muito bom vê-la, Cris! - E eu digo o mesmo! falou a jovem. - Então amanhã às 6:00h... repetiu o rapaz. - Às 6:00h. Mark saiu caminhando pela lanchonete lotada, acenando para várias pessoas, dirigindo-

se para a porta. Mark Kingsley! Quem iria pensar que um dia iríamos acabar estudando na mesma faculdade! Cris ainda estava sorrindo no momento em que Katie chegou à mesa. - Acabo de ver um cara que é da minha cidade, disse Cris. E você não vai acreditar, mas eu era “apaixonada” por ele quando menina. Katie colocou o copo de limonada em frente da amiga. E, ignorando o que ela acabara de dizer, comentou: - Você não vai acreditar no que acabei de fazer. Mas pode me agradecer. - Ah, obrigada pelo refresco, disse Cris. - Não; não é pelo refresco, retrucou Katie. Pode me agradecer porque acabo de arranjar um emprego pra você aqui no campus. - Onde? - Primeiro me agradeça. - Obrigada, Katie. - De nada. Katie se sentou e tomou um demorado gole de seu café com leite, que estava fumegante. Cris esperou um pouco, mas vendo que a amiga não dava logo os detalhes, sua expressão de expectativa logo se transformou em irritação. - Ah, você quer saber onde é... É na livraria, disse finalmente. Lá na fila, eu estava conversando com umas pessoas e um rapaz me deu a dica. Disse que tinha pensado em trabalhar na livraria, como fizera no semestre passado. Mas agora arranjou um serviço lá na cidade, com um salário melhor. Eles ainda não estão anunciando a vaga na livraria, porque só amanhã, às 9:00h, é que esse moço vai lá avisar que não continuará no trabalho. Então, se você for lá às 9:05h, aposto que eles vão contratá-la na hora.

- Mas não sei se até essa hora já terminei a entrevista com meu orientador. - ‘Tá bom. Então vá lá às 9:30h. Sabe o que mais? Vou pedir ao colega pra deixar pra ir lá só depois das 10:00h pra dar o aviso de que vai sair. Assim você terá tempo de folga pra chegar lá. Ele disse que se você quisesse ele a recomendaria para o lugar dele. Cris hesitou ligeiramente. - O.k., disse afinal, acho que dá. Como é o nome dele? - Não sei, respondeu Katie. Ele ‘tá ali. É aquele de camisa verde, que ‘tá conversando com o Wesley. Você conhece o Wesley, não? É o irmão da Selena. Antes que Cris respondesse, Katie se levantou e foi andando rapidamente em direção aos dois, para falar de novo com o rapaz. Em dado momento, ela se virou para trás e apontou para a amiga. Cris fez um aceno com a mão para se identificar. Pensou em ir até lá para conversar também, mas teve receio de que alguém pegasse a mesa delas. Katie retornou, estampando no rosto um ar de satisfação. - Foi até fácil, explicou. Então, às l0:00h, ou melhor, 10:05h. Você vai ter de chegar lá e procurar uma mulher chamada Donna. Aja como se soubesse perfeitamente o que está fazendo e ele vão lhe dar a vaga. - Oh, Katie, interveio Cris, você sabe que não precisava fazer nada disso, né? A jovem não entendia bem por que estava resistindo levemente à possibilidade de pegar esse serviço, já que parecia o ideal para ela. Talvez fosse porque não gostava quando alguém achava que ela era meio parada e não conseguia resolver os próprios problemas, ou tomar as próprias decisões. Então essa pessoa passava na frente dela e tomava providências em seu lugar. - Acho até que foi “coisa de Deus”, disse Katie em tom alegre. Sabe que há muito poucas vagas de trabalho aqui no campus, né? - É só que não quero trabalhar muitas horas, comentou Cris. Este ano, pretendo ter um

pouco mais de folga para gozar melhor da companhia de amigos e colegas. - Então, explique isso pra Donna, quando for lá conversar. Ela é muito legal. Eu até gostaria de trabalhar com ela. Além disso, todo mundo vai à livraria. Assim você terá os contatos sociais no próprio trabalho. Vai dar tudo certo. Cris se pôs a bebericar a limonada. - Você tem certeza de que não quer tentar ficar com essa vaga? indagou. Katie deu um sorriso. - Ah, eu ainda tenho algum dinheiro na poupança, que dá até janeiro. Só depois disso é que vou começar a procurar trabalho, isto é, pedir a Deus um milagre. Enquanto isso, vou só curtir esse período em que posso ficar de folga, o que é raro, e gozar mais da companhia do pessoal, com uma vida social bem intensa. - Com isso, estou até começando a me sentir uma coitada. E ainda nem consegui o trabalho... Katie parecia não ter escutado o comentário da colega. Estava olhando para fora, a atenção voltada para algo que ocorria lá. Cris também se virou para lá e viu cerca de uns vinte alunos no pátio, em volta das mesinhas que havia ali. Do lugar em que se encontrava, não viu nem Peter nem Mark no meio do grupo. Não conhecia nenhum dos outros estudantes ali reunidos. Notou que muitos estavam rindo e se abraçando, ou acenando para alguns que se aproximavam. Deduziu que deviam estar chegando nessa hora. - Espere aí, disse Katie. Acho que chegou o meu número! - Chegou seu número? - É o “número quatorze”, gritou a colega, já correndo para ir se reunir aos estudantes que estavam lá fora, no pátio.

3
Já era bem tarde da noite quando Katie chegou ao quarto. Cris estava deitada. - ‘Tá dormindo? indagou a colega. Cris virou-se na cama e se esforçou para abrir os olhos. A lâmpada suave, que deixara acesa na mesinha da outra, agora parecia clara demais. - Ah, desculpe, Cris! Comecei a conversar com uma porção de gente e quando voltei à mesa você já tinha vindo embora. Deixei você lá sozinha um tempão. Me perdoa! - Tudo bem! replicou a outra. Percebi que estava muito alegre lá, pondo o “papo” em dia. Vim embora porque queria ligar para o Ted, mas não muito tarde. Devia ter te avisado que estava vindo para o quarto. - O tempo passou depressa demais! explicou Katie. - Não “esquente”. A gente também não pode ficar pedindo desculpa uma à outra todas as vezes que ocorrer algo assim, comentou Cris, erguendo-se um pouco. Apoiou-se nos cotovelos e passou a mão no pescoço, que estava meio dolorido. - Você já tem muitos amigos aqui, continuou. Não posso querer que fique me esperando ou que me leve a todo lugar que for. - Tem razão, concordou Katie, tirando o sapato e acendendo a luz do quarto. Cris piscou, incomodada com a claridade súbita. - Foi bom você ter dito isso, prosseguiu a outra, pegando um baldezinho com seus artigos de higiene pessoal. Ela tivera a inteligente idéia de colocar o xampu, o sabonete e a pasta de dentes na

vasilha, e fizera uns buracos no fundo dela para utilizá-la debaixo do chuveiro. - É bom a gente ficar sempre bem livre, com um relacionamento bem franco, disse. - Sempre, repetiu Cris, percebendo que despertara totalmente. Agora me conte sobre o Mark, o “número quatorze”. Ele ficou feliz de revê-la? - Não era ele, não. Bom, pelo menos quando cheguei lá fora, ele não estava mais ali, se é que estivera antes. Katie abriu a gaveta da cômoda e pegou um short de flanela e uma camiseta. - Nem tenho certeza se ele vai voltar pra estudar este ano! Vou tomar um banho rápido, explicou. Tinha uns caras que estavam brincando lá, e acabei com as costas cheias de creme de barbear. Tchau! Volto já! Katie saiu rapidamente porta afora e não ouviu a colega dizer: - Será que da pra você apagar a... Esforçando-se para levantar e colocando os pés no chão frio, Cris foi apagar a luz. - Tenho de lembrar de comprar um tapete, resmungou, e caiu na cama de novo. Sabia que, se começassem a conversar quando a colega voltasse do banho, iriam ficar falando durante horas e horas. Queria ficar com o sono em dia, enquanto pudesse, então fez força para voltar a dormir, antes que Katie retornasse. O primeiro som que escutou depois disso foi o enervante toque da campainha do despertador. Era um barulho meio estridente, mas Cris preferia assim. Se acordasse com música ou com um ruído mais suave, poderia voltar a dormir, sem querer. - O que é isso? gritou Katie do seu canto. - Sou eu! disse Cris em voz baixa. Pode continuar dormindo. Tenho de levantar cedo por causa da entrevista. - Hummm... resmungou Katie, virando-se para o canto. Caminhando de leve, Cris foi até a janela e puxou a cortina um pouquinho. Seria outro

dia claro e ensolarado. Daria para usar a saia e a blusa que escolhera na noite anterior. Era a melhor roupa informal que tinha e parecia a escolha acertada para a entrevista na livraria, que acreditava que teria, após a conversa com o orientador. Procurando não fazer barulho, colocou a cadeira perto da janela, pegou a Bíblia e seu diário e se sentou. A luz do Sol batia diretamente nas páginas abertas do livro em seu colo. Fez uma oração e, em seguida, pôs-se a ler, a partir do lugar onde parara dias antes. Ela planejara ler todo o Novo Testamento durante as férias, mas chegara só até ao primeiro capítulo do Evangelho de João. Seus olhos caíram no versículo 12. Sublinhou-o e o releu em voz sussurrada: “Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que creram em seu nome”. A seguir, fez uma anotação em seu diário. Deus me concedeu o direito de me tornar sua filha, porque o recebi em meu coração e na minha vida, e cri em seu nome. Então Deus me “adotou” como filha. Cris mordeu a ponta da caneta ao se lembrar das crianças do orfanato de Basiléia, que viera a amar muito. Aqueles pequeninos estavam sempre esperando que aparecesse alguém que lhes desse o direito de se tornarem filhos adotivos. O mero fato de se recordar deles, daqueles rostinhos ansiosos, lhe trouxe lágrimas aos olhos. Tinha pensado em ler até o fim do capítulo, mas parou ali e se pôs a orar pelos órfãos, citando o nome de cada um. O Sol que entrava pela janela começou a queimar seu braço. Lembrou-se de que precisava sair. Se ficasse, poderia passar a manhã toda orando, dominada por uma nuvem de melancolia. Fechou a Bíblia e disse a si mesma que precisava seguir com a vida e assim tirou aquelas crianças do pensamento. Silenciosamente, saiu para tomar banho. A entrevista com o orientador transcorreu muito bem. Seu histórico escolar já havia chegado de Basiléia. Com os cursos que fizera ali, obtivera até mais créditos do que pensara. Se fosse se especializar na área pedagógica, agora só precisaria fazer as disciplinas didáticas.

Entretanto disse ao orientador que havia mudado de idéia. Não queria mais essa área. - Estou pensando em fazer Ciências Humanas, disse-lhe, ou talvez Literatura Inglesa. - Pois não, comentou ele, fazendo uma anotação a lápis na pasta dela. Cris tentou, despistadamente, ver o que ele escrevera ali. - Acho que estou mais interessada mesmo é em Literatura, continuou. - Vai dar para você fazer qualquer uma das duas, informou ele, pois as disciplinas que já fez lhe dão uma boa base para isso. Eu estava fazendo a soma de seus créditos aqui, e vi que se quiser fazer Literatura Inglesa, poderá terminar em junho do ano que vem. Neste semestre, poderá fazer três unidades, e no próximo, deverá fazer a carga completa: dezesseis unidades. - ‘Tá bom, replicou ela. Logo em seguida, porém, arrependeu-se de haver concordado prontamente. Em Basiléia, havia estudado demais, e depois de terminado o ano lá, tinha pensado em “pegar leve” nesse semestre. E queria isso inclusive com relação ao trabalho que, aliás, ainda não tinha. O primeiro assunto de sua lista de prioridades agora era a vida social. - Será que posso dar uma estudada nisso tudo e voltar aqui pra decidir no início da próxima semana? perguntou ela. - Claro, mas, quanto mais cedo, melhor. Hoje à tarde, às 4:00h, tenho um horário vago. Se a essa altura já tiver resolvido e quiser vir, tudo bem. Pode levar o catálogo. Marque nele as disciplinas que você ainda precisa fazer. É bom já estar chegando a reta final, não é? concluiu ele com um sorriso animador. Cris fez que sim. Pouco depois saía da sala dele, lutando contra uma sensação de pânico que a atormentava. Dias atrás, Katie fizera o mesmo tipo de comentário com relação a ela e Ted. Mencionara algo no sentido de que os dois se achavam na reta final do seu relacionamento. Era como se eles estivessem se preparando para entrar no corredor central da igreja, para se casarem. A palavra do orientador lembrou a Cris que ela se achava na reta final

também dos estudos. Muito em breve estaria entrando no corredor central do salão nobre da escola, para a cerimônia de formatura. O fato, porém, era que, naquele momento, não se sentia preparada para nenhum dos dois eventos. Chegou à livraria exatamente às 10:10h. Sua entrevista ali já foi menos estressante e ajudou-a a voltar o pensamento para o presente. Assim que entrou na loja, lotada naquele momento, perguntou por Donna. Ouvindo sua indagação, uma mulher, usando um blazer amarelo, veio de uma saleta dos fundos e indagou: - Você é a Cris? - Sou. - Ótimo, entre aqui, por favor. Donna era uma mulher de bela aparência, a pele de tom caramelo. Seu cabelo castanhoalourado estava preso atrás da cabeça com dois palitos chineses. Sobre sua mesa, havia um bulezinho azul de chás e uma xícara de porcelana. - Sente-se, disse ela, indicando uma cadeira. No chão, ao lado da mesa, viam-se várias caixas de livros, ainda fechadas. - Sei que está meio cheio aqui, prosseguiu ela, e vai ficar assim até a gente guardar esses livros didáticos na estante, na semana que vem. Aceita um pouco de chá? Acho que ainda está quente. Colocou a mão de leve no lado do bule. - Não, obrigada, replicou Cris, pensando em como faria para alcançar a última caixa da pilha sem muito esforço. Donna sentou-se e sorriu para a jovem. As duas travaram um curto diálogo informal, e em seguida a primeira indagou: - Quantas horas por semana você gostaria de trabalhar? - Umas quinze horas. Talvez menos. Acabei de ficar sabendo que terei de fazer mais

uma disciplina neste semestre. - Olha, nas duas primeiras semanas poderei ter serviço para quinze horas. Depois, porém, vão ser mais ou menos dez ou doze horas. ‘Tá bom assim? - ‘Tá. Assim ‘tá ótimo, acho. - Preciso de um xerox do seu horário de aulas, e já quero avisar que não temos mais vagas para os finais de semana. Então seu trabalho será de segunda a sexta. ‘Tá certo? - ‘Tá perfeito; obrigada! replicou Cris, sorrindo para Donna. Ela havia pensado que a entrevista seria mais complicada do que estava sendo. Donna era uma pessoa muito direta no modo de tratar com ela, mas ao mesmo tempo muito agradável. - Não, eu e que agradeço. Uns minutos atrás eu já estava achando que iria ter de passar a semana toda procurando alguém para trabalhar aqui. Mas você veio muito bem recomendada. Cris achou meio curioso pensar que um rapaz que ela nem conhecia a havia recomendado, só porque Katie lhe falara sobra ela na noite anterior. Isso deveria ser um dos benefícios de se estudar numa universidade cristã de pequeno porte. Numa comunidade assim, o fator confiança pesava bastante. Em menos de vinte minutos, ela preencheu a papelada que Donna lhe apresentara. E quando esta lhe ofereceu chá novamente, resolveu aceitar. Tinha sabor de pêssego e era bem revigorante. - Na segunda-feira, quando você vier para começar, eu lhe dou os outros detalhes do trabalho, informou Donna. Alguma pergunta? - Creio que não. - Então, até segunda, disse a outra com um sorriso. Cris saiu da livraria e dirigiu-se para o dormitório, impressionada de ver como tinha sido fácil. Ainda faltava uma hora para Tia Marta vir buscá-la para o almoço. Nesse intervalo,

queria ligar para os pais e contar-lhes a respeito do trabalho. Como já havia imaginado, a mãe ficou bastante aliviada com a notícia. - Seu pai vai gostar de ouvir isso, querida. Ontem à noite mesmo, ele estava indagando se você já havia arranjado alguma vaga. - A senhora sabe que a Tia Marta vai vir aqui pra me levar pra almoçar? indagou Cris. - Ah, vai? Muito legal da parte dela. - A senhora acha que ela ficou aborrecida por eu não ter ido visitá-la nem ter ligado pra lá, depois que cheguei da Suíça? - Não sei. - Ah, e eu pedi a Katie pra ir almoçar conosco, para o caso de eu precisar de um apoio moral. - Como vocês duas estão se dando? quis saber a mãe de Cris. - Muito bem, como sempre. Aliás, foi ela que me ajudou a arranjar esse trabalho. - É? E não foi ela também que a ajudou a arranjar aquele serviço no pet shop? - É mesmo! Foi sim. Que bom que a senhora se lembrou disso. Tenho de agradecer a ela duas vezes. Se não fosse por ela, será que eu encontraria emprego? Mamãe deu uma risadinha. - Você daria um jeito, disse ela. Quem consegue passar um ano estudando na Suíça, consegue qualquer coisa. Cris tinha pensado em comentar com a mãe que ainda não decidira a respeito do curso que iria fazer. Contudo, ao ouvi-la fazer aqueles elogios, dizendo que ela era capaz de dirigir bem a própria vida, desistiu de tocar no assunto. Assim que já tivesse com essa questão resolvida, ligaria para casa. Desse modo, seria mais fácil. Ouvindo aquele comentário da mãe, ela se sentiu uma pessoa competente e realizada. Instantes depois de chegar ao quarto, Katie também apareceu. Daí a pouco o telefone

tocou. Era a recepcionista do saguão, avisando que Tia Marta estava lá à sua espera. - Está pronta, Katie? indagou Cris. Pensou em sugerir à amiga que trocasse o short e a camiseta que estava usando por uma roupa melhor. Contudo logo se deu conta de que, dizendo isso, estaria agindo do mesmo jeito que sua tia agia com ela havia anos. Resolveu que não iria “mandar” nas pessoas, determinando o que deveriam dizer, fazer ou vestir. Evidentemente, Katie achava que estava vestida de modo adequado, pois não se trocou, e as duas desceram para o saguão. Enquanto seguiam, Cris, silenciosamente, ia examinando a roupa que colocara de manhã cedo: uma saia informal, mas bem nova, e uma blusinha limpa e bem passada. Tia Marta não teria nada que criticar em sua aparência. Assim que as duas entraram no saguão, Cris correu os olhos pelo aposento. Quatro pessoas estavam sentadas nas poltronas, mas não a tia. Nesse instante, uma mulher se levantou e veio em sua direção. Tinha cabelos castanhos, bem compridos, e usava uma saia tipo “indiana”, uma blusa de seda, de alcinha, e um colar de contas bem coloridas. Aproximou-se e, elegantemente, saudou Cris com beijinhos no rosto. - Tia Marta? sussurrou Cris. Ficou a olhar fixamente para a tia, que estava muito diferente. Ela sempre se vestira com roupas chiques e caras, em estilo bem tradicional. Seu cabelo era curto e estava sempre muito bem penteado. Ademais, nunca saía de casa sem estar perfeitamente maquiada. Ali, porém, parecia que estava pronta para uma festa à fantasia. - Tia Marta? disse Katie, expressando o mesmo espanto de Cris na voz e no rosto. - Que tal, meninas? indagou Marta, dando uma voltinha. Esta aparência acompanha minha nova personalidade. Ela pegou a ponta dos cabelos longos e explicou. - É alongamento. Não ficou lindo?

- Lindo, repetiu Cris mecanicamente, num tom que mais parecia pergunta do que afirmação. - As duas levaram um susto, né? continuou Marta. É minha nova personalidade. Nova mesmo. Estou renovada em todos os aspectos do meu ser. Finalmente consegui entrar em harmonia com minha aura artística. As jovens se entreolharam. Se Cris não soubesse que sua tia era uma pessoa muito séria e equilibrada, iria pensar que ela estava fazendo uma brincadeira com elas. A voz era de Marta, sim. As mãos, de dedos longos e finos, também. E nesse instante, ela pegou a sobrinha pelo cotovelo e empurrou-a para que já fossem sair. - Tia, eu... e... ahn... convidei Katie pra ir conosco, disse Cris procurando soltar o braço das mãos de Marta. - Oh, foi muita bondade sua! exclamou a mulher, e em seguida virou-se para a outra. Katie, querida, sinto muito, mas hoje quero sair sozinha com Cris, ‘tá bem? - Sem problema! replicou Katie, dando a impressão de que queria mesmo desistir do passeio. Cris dirigiu-lhe um olhar significativo, agradecendo sua compreensão, e em seguida acompanhou a tia. Em meio ao ar quente da tarde, dirigiram-se para o Lexus de cor prateada que se achava parado em frente ao dormitório. Meio entorpecida, Cris abriu a porta do lado do passageiro, entrou e se acomodou no assento forrado em couro. A sensação que tinha era de que estava sendo sequestrada por um alienígena. Virou-se para dar mais uma olhada em sua tia. Sentiu o impulso de agarrar aquela mulher, dar-lhe um safanão e gritar: “Não sei quem você é, nem o que fez com minha tia, mas traga-a de volta aqui agora!” Logo em seguida, porém, lembrou-se de como a tia era antes de ter econtrado sua “aura artística”, e mudou de idéia. Por alguns instantes, ficou sem saber qual das duas “personalidades” de Marta era a pior.

Tudo isso é muito estranho! O que estou fazendo aqui? O que minha tia ‘tá querendo? Devia ter dado uma desculpa qualquer, dizendo que não poderia ir, ou pelo menos ter insistido em que almoçássemos aqui no campus mesmo. Assim, se ela quisesse me obrigar a fazer um ritual qualquer, uma “dança da chuva”, por exemplo, eu teria gente conhecida ao meu redor. - Onde é que vamos, Tia Marta? indagou Cris, quando já desciam morro abaixo. - Queria levá-la à “Colônia”, em Palm Desert, mas hoje não é dia de cerâmica. E prefiro ir com você lá nesse dia. Então vamos apenas almoçar juntas, só as duas. Quero que me conte tudo sobre seus estudos na Suíça. E, ademais, tenho certeza de que você também quer saber sobre as mudanças que ocorreram em minha vida. Cris sugeriu que fossem ao Taco Bell.* Ficava bem perto, e muitos dos alunos da escola iam comer ali. Nesse lugar, iria se sentir mais segura. Contudo, ao que parecia, a “aura” de Marta não estava muito a fim de comida mexicana. Então acabaram indo para um tranquilo restaurante japonês. Tiveram de tirar os sapatos para entrar e sentaram-se no chão, junto às mesinha baixas, típicas. Marta fez o pedido pelas duas e depois virou-se para a sobrinha. ___________________
* Taco Bell - uma rede de lanchonetes que serve comida mexicana, principalmente “tacos”, um tipo de sanduíche. (N. da T.)

- Agora me conte tudo sobre esse ano que passou na Suíça. - Foi um ano ótimo, principiou a jovem. Nesse momento, um mosquito passou voando por elas, zumbindo forte. Marta deu um tapa nele, com uma raiva que assustou Cris. - Bicho sujo! disse a mulher em voz alta. E num restaurante! Eu achava que os donos deste lugar cuidavam bem dele, para não haver tal imundície! Era a primeira vez que a “velha” Marta se manifestava na presença de Cris. Contudo,

imediatamente, a tia voltou sua atenção para a jovem de novo. - Mas você estava dizendo... - O ano que passei na Suíça foi ótimo! repetiu Cris. Tenho até de lhe agradecer, tia, pelo que a senhora fez para que eu fosse estudar lá. - Não! Não precisa me agradecer! - Houve algumas dificuldades, mas valeu muito a pena. - Que bom! disse Marta com firmeza, como se estivesse batendo um prego numa tábua. Agora, talvez você esteja sem entender as mudanças que tive, né? Puxa, mas o que falei sobre um ano foi bem resumido! - Cristina, continuou a tia, eu nunca imaginei que isso pudesse acontecer, mas o fato é que fiquei sabendo que tenho alma de artista. Tudo começou quando conheci o Cheyenne numa exposição de arte em Laguna. Ele me convidou para assistir às suas aulas de cerâmica. Fui e tive a maior surpresa. Descobri que tenho muito talento para essa atividade. Então o Cheyenne me levou para a “Colônia”. - Tia Marta, interveio Cris, ‘tá parecendo que a senhora foi atraída para um tipo de seita, ou algo assim. - Seita? Que é isso? Lá não tem nada de religião. É apenas um grupo de artistas. São espíritos afins, que se expressam criando arte e beleza. Minha filha, eu não quero saber de religião. Desde que seu tio teve aquela experiência de novo nascimento no ano passado, ele ficou impossível. Agora ele tem uma amante, sabia? Ele me abandonou por causa dela. Cris ficou profundamente chocada e não escondeu seu espanto. Sabia que o Tio Bob havia se convertido ao cristianismo de forma radical, já que antes era agnóstico confesso. Será que ele iria abandonar o Senhor Jesus tão depressa assim e ter um caso com outra mulher? Como é que ele fora fazer uma coisa dessas? - Não fique tão abalada, Cristina. Estou me referindo à igreja. A amante do Bob é a

igreja. Ele vive indo à igreja e fala dela o tempo todo. Nós dois não temos mais quase nada em comum. Ultimamente, ele até tenta me convencer a abandonar a “Colônia”, e eu procuro fazer com que ele deixe a igreja. Mas parece que chegamos a um impasse. A garçonete japonesa chegou e ajoelhou-se junto à mesa delas. Era uma mulher pequenina, usando um quimono. Fez uma inclinação de cabeça e serviu-lhes uma sopa, em tigelas de cerâmica. Disse-lhes que não a tomassem com colher, mas que a bebessem, segurando a vasilha com ambas as mãos. Cris fez uma pausa e orou em voz baixa, agradecendo o alimento. Queria ter coragem de fazê-lo de forma audível, na presença da tia, como já fizera anteriormente. Hoje, porém, as palavras ficaram como que “paradas” na garganta. E o caldo quente, de certa forma, as empurraram mais para baixo, para o fundo de seu ser. Se aquilo tudo não a estivesse deixando tão preocupada, iria achar a dramática transformação de sua ti até hilariante. - No dia em que você for comigo lá, no dia da cerâmica, continuou Marta, quero que convide o Ted. E pode chamar a Katie também, se quiser. Ah, e pode levar aquela sua amiga do cabelo encaracolado. Como é mesmo o nome dela? Siena? - Selena. - Ah, é, Selena. Pode chamá-la também. Aí vou lhes mostrar todos os artigos de cerâmica que já fiz. Cristina, isso está libertando meu ser interior. Espere só até você ver em exposição os objetos que criei. Vai ficar toda feliz! - Tia Marta, eu... Cris ficou a procurar as palavras certas para dizer à tia que não precisava ver suas obras em cerâmica para ficar feliz com ela. Também não queria que esta simplesmente achasse que poderia “raptá-la” de novo, e ainda mais que nessa segunda vez, estaria envolvendo seus amigos. - Não precisa... Quero dizer, eu acho...

Não estava conseguindo encontrar os termos adequados Nesse momento, a garçonete voltou com uma bandeja para recolher as tigelas de sopa. Depois colocou diante de cada uma um prato com sushi, peixe cru e umas tigelinhas de molho. Na mesma hora, Cris perdeu a vontade de comer. Quase “devolvia” a sopa que acabara de comer. Marta continuou a falar, como se a sobrinha não tivesse dito nada. - Bom, agora vou lhe contar algo, mas quero que me prometa que não vai falar pra ninguém. Pra ninguém mesmo. Nem para o Ted, nem pra sua mãe. Pra ninguém. Cris achou que já chegava de situações falsas, mas estava se sentindo tão incomodada que a única maneira de acabar logo com aquilo era concordar com a tia. Então acenou que sim num movimento lento, aceitando o que ela dizia. - Não; quero que prometa em viva voz, insistiu Marta. Diga que promete que não vai contar a ninguém. Cris hesitou. Para ela, uma promessa era algo muito sério. Fora por isso que continuara no orfanato até o fim, mesmo sabendo que seria estressante para ela. Assumira o compromisso de ficar um certo período de tempo, e ficara. A seu ver, prometer era como fazer um voto diante de Deus. E a Bíblia deixa bem claro que, sempre que fazemos um voto para o Senhor ou para outra pessoa, ele fica atento. E espera que o cumpramos Cris tinha a sensação de que a sopa estava “rodando” em seu estômago. O cheiro do sushi lhe dava ânsias de terminar logo aquele almoço. Então, afastando o prato com o alimento e acenando que sim, disse: - Prometo, Tia Marta. Não vou contar pra ninguém. Aceitando a resposta sincera da sobrinha, a mulher se endireitou, deu um suspiro fundo e prosseguiu:

- Bom, então você ‘tá prometendo não contar nada pra ninguém, principalmente para o seu tio Bob. Ele ainda não sabe o que vou lhe dizer. Aqui ela fez uma pausa. Parecia estar esperando que Cris indagasse: “Não sabe o quê?” Contudo a jovem não queria dar a Marta a satisfação de lhe implorar que contasse o segredo. - Você é a primeira pessoa a quem falo sobre isso, disse a tia, parecendo estar “saboreando” aquele momento, tanto quanto Cris o estava detestando. - É por isso que tem de guardar segredo. É que tomei uma decisão importantíssima. O Cheyenne está fundando uma outra “Colônia” em Santa Fé. O local ficou à disposição deles em janeiro. Cris não entendia por que isso era uma notícia tão importante. Marta inclinou-se para a frente, chegando mais perto dela. - Vou para lá com ele, revelou. Vou me mudar para Santa Fé.

4
- Espere aí, disse Ted. Deixe-me entender isso direito. Era noite, e ele, Cris e Katie achavam-se sentados à mesa de uma pequena pizzaria na cidade. O rapaz havia chegado ao campus uma hora depois que Cris retornara do almoço com sua tia. Ela e Katie o tinham ajudado a levar seus pertences para o dormitório. Em seguida, ele as convidara para irem comer uma pizza com ele. Então os três se acomodaram na kombi de Ted, a “Kombinada”, e agora estavam ali. - Você ‘tá dizendo que Marta estava de peruca? indagou ele recostando-se mais no banco e girando o copo de refrigerante, fazendo rodar o gelo dentro dele. - Não, com alongamento, corrigiu Katie. Com umas mechas bem longas, de um cabelo escuro que não combinava nada com ela. - E levou-a pra almoçar num restaurante japonês? Cris fez que sim. - Eu queria que a Katie fosse também, mas... - Mas minha aura não se achava bem em harmonia com a Lua, concluiu a colega. Ou algo parecido. - E sobre o que vocês conversaram? quis saber o rapaz. - Ah, sobre a vida dela. Tia Marta disse que ‘tá encontrando sue verdadeiro ser através da cerâmica. ‘Tá criando objetos de cerâmica. - É; eu vi algumas das coisas que ela fez, na casa dela, informou Ted. O trabalho dela é muito bom.

- É mesmo? indagou Cris. Ted acenou que sim. - Ela disse algo sobre o Bob? - Não muito. Cris gostaria de não ter prometido à tia guardar segredo sobre o fato de que esta iria se mudar para Santa Fé. No momento em que perguntara à tia se aquilo significava que iria se separar do marido, ela respondera: “Ah, isso ainda vamos ver!” - O que será que seu tio ‘tá achando dessa transformação toda? comentou Katie. Outra vez, Cris sentiu vontade de poder revelar o segredo. Assim os três poderiam conversar sobre o assunto. Contudo sabia que promessa era promessa. A única razão pela qual poderia revelar um segredo ou quebrar um compromisso desse tipo era se o envolvido corresse algum risco grave. Se a revelação pudesse impedir esse perigo, então iria se abrir. E era verdade que Bob certamente sofreria muito se Marta se separasse dele. Contudo, se Cris contasse o que sabia, isso não iria poupá-lo do sofrimento. Talvez até fizesse com que a mulher resolvesse deixá-lo mais rápido. A jovem se sentia fortemente incomodada. Sua consciência mão lhe permitiria contar o que sabia, ainda que fosse para pedir que orassem pelo problema. A única solução era ela orar sozinha, o que, aliás, já estava fazendo havia várias horas. - Cris, o que você acha que ‘tá acontecendo com sua tia? perguntou Katie. Ela não respondeu. - Nunca vi uma pessoa passar por uma mudança igual a essa, continuou Katie, abanando a cabeça e olhando para o Ted. Quero dizer, ela foi de um extremo a outro, não foi? Você precisava vê-la, Ted. Sem maquiagem e com aquele cabelo postiço. Você nem a reconheceria. - Ela fez algum comentário sobre o fato de que o Bob ‘tá mais ativo na igreja? quis saber o rapaz.

Cris fez que sim. - Ela não ‘tá gostando de vê-lo tão envolvido na igreja, agora que ele é crente, explicou a jovem. Disse que a igreja é “amante” dele, já que ele prefere ir lá a ficar com ela. - Essa foi mal! exclamou Katie, catando um pedaço de linguiça na pizza. Que injustiça! Quero dizer, sei que a Bíblia diz que a igreja é a “Noiva de Cristo”. É uma grosseria total chamá-la de “amante”! Como que a Marta pode ser tão cega? A melhor coisa que poderia ter acontecido ao seu tio foi justamente ele se converter! -É; eu sei, concordou Cris. Depois que o Tio Bob recebeu Jesus como Salvador, virou outra pessoa. - É, ajuntou Katie, e parece que sua tia também ‘tá tentando se tornar outra pessoa. O problema é que, sem Deus, isso é impossível. Cris se lembrou do versículo que lera pela manhã e citou-o para os dois, em suas próprias palavras. - Só aqueles que recebem a Jesus e crêem no seu nome têm o direito de se tornarem filhos de Deus. Ted que estava acostumado a citar trechos da Bíblia e a fazer comentários apropriados em momentos como esse, olhou para a jovem com uma expressão de agradável surpresa. - Li isso hoje de manhã, explicou ela. É no capítulo 1 do Evangelho de João. - Como foi que você conseguiu ler a Bíblia de manhã? indagou Katie. Tinha uma entrevista cedo. Não sei como conseguiu. Eu dormi até às 11:00h. Então não me pergunte nada sobre minha hora silenciosa. Não fiz hoje. E é horrível uma pessoa que estuda numa escola evangélica confessar isso. - ‘Tá ótimo você ser sincera assim, Katie, comentou Ted. Continue desse jeito. O ruim é quando a pessoa finge, tentando enganar Deus e os outros. - Já lhe contei o que minha colega de quarto fez no ano passado? perguntou Katie. Ela

era engraçada demais. Ela arranjou um cartaz com o termo “Palavra”, e pregou-o com fita adesiva ao pé da cama. Depois saiu dizendo pra todo mundo que passara várias horas na “Palavra”, naquela noite. Ted deu um sorriso. - Não é desse tipo de sinceridade que estou falando, disse ele. - Não entendi, interpôs Cris. Katie girou os olhos para o alto. - Ela disse que passou horas na “Palavra”, porque pregou um papel escrito “Palavra” na cama dela. - É; sei, mas... - Isso é uma linguagem típica de escola evangélica, explicou a colega. Você vai ouvir muito por aqui. Quando alguém se refere à sua hora silenciosa, diz que estava “na Palavra”, isto é, estudando a Palavra de Deus. - Ah... - Acho que lá em Basiléia não havia muito esse tipo de conversa, né? comentou Katie. - Não, replicou Cris simplesmente. Aliás, eu até ficava admirada quando encontrava algum colega crente e a gente podia ir à igreja juntos. Vocês não imaginam como eu estava ansiosa para estar aqui com vocês, colegas! De repente, ela se lembrou do outro colega com quem deveria ter se encontrado para jantar, às 6:00h: Mark Kingsley. - Que horas são? perguntou. Ted virou-se para olhar para o relógio da parede. - Sete e meia, respondeu. Você precisa ir embora? Cris remexeu-se, abaixando o corpo na cadeira. - Não, replicou laconicamente.

Compreendeu que não daria para explicar que combinara de jantar com outro rapaz, sabendo que Ted iria chegar ao campus naquele dia. Seria meio complicado. Puxa, como é que fui esquecer? Será que me esqueci de propósito? Tinha impressão de que ainda não falara com Ted sobre o Mark. E no momento também não estava com muita vontade de dar essa explicação. Assim que chegasse ao quarto, iria ligar para o Mark. Ele compreenderia. Passava um pouco das 9:00h, quando conseguiu telefonar para o rapaz, mas ele não se encontrava em seu quarto. Alguém a chamou para assistir a um filme, junto com as colegas, mas não quis ir. Estava com muito sono. Elas iriam vê-lo na sala de estar, que havia no centro do corredor. Era uma saleta bastante confortável, que as alunas das turmas mais adiantadas podiam frequentar. Tinham permissão para receber visitas ali somente em certos dias específicos. Então as garotas às vezes andavam por lá bem à vontade, até de camisola ou pijama. Cris dormiu profundamente e acordou no outro dia sentido-se bem descansada. Aí lembrou-se da Tia Marta e de que precisava ligar para o Mark e pedir-lhe desculpas por não ter ido jantar com ele. Saiu do quarto silenciosamente, deixando Katie a dormir. Seu propósito era ir até a igrejinha, para fazer seu devocional. No caminho, passou pela cantina, para ver se o Mark não estava ali tomando o café da manhã. Pegou uma bandeja e entrou na fila. Serviu-se de um bolinho muffin, um iogurte e um suco de laranja da máquina automática. Correu os olhos pelo aposento. Havia alguns estudantes por ali, mas o Mark não estava. Aí lembrou-se de que, num sábado de manhã, só os alunos que tinham de trabalhar iriam se levantar cedo, para pegar serviço. Cris se sentou a uma mesinha afastada, e recordou-se da sensação agradável que experimentara quando vira o Mark entrar na “Selva”.

Por que será que senti aquilo? Será que, depois de tantos anos, eu ainda tenha uma certa atração por ele? É; agora estou na faculdade. Não sou mais uma menininha de quinta série. Como é que ainda sinto aquelas emoções que tinha no pátio do recreio da Escola George Washington? Lentamente ia comendo o muffin e tomando o iogurte, mantendo os olhos fixos na porta, para ver se aparecia algum conhecido. O Ted, provavelmente, iria dormir até mais tarde. Os dois não haviam planejado nada para esse sábado. Ele apenas dissera que, à tarde, iria dar uma chegada na Igreja de Riverview Heights e preparar a aula de escola dominical para o domingo. E Cris concordara em ir com ele. Contudo, até a hora de saírem, ela não tinha mais nada para fazer. Não iria a lugar nenhum, nem precisaria se encontrar com ninguém. Era uma situação muito estranha, bem diferente das que vivera no ano anterior. Recordou-se de como passava as manhãs de sábado em Basiléia, o que lhe deu uma doce saudade e uma sensação de perda. Ali costumava fazer uma caminhada até sua confeitaria predileta, para tomar café, comendo um pastel folhado fresquinho. Era o memento que “tirava” para pensar um pouco. - Tem alguém sentado aqui? indagou uma garota que se aproximara. - Não, replicou Cris, afastando a bandeja e sentindo-se alegre por ter uma companhia. Entretanto, antes que a outra colocasse seu alimento na mesa, alguém a chamou do outro lado do salão. A jovem deu um suspiro de alívio e saiu apressadamente para se sentar junto com as amigas, sem dizer nada a Cris. Esta seguiu-a com o olhar e viu-a abraçar as colegas alegremente. E o grupo - eram quatro meninas - ficou ali a conversar e a rir alegremente. Parecia que eram calouras. Cris pensou em como será que se sentiria se tivesse ido estudar fora no seu primeiro ano de faculdade, em vez de ter frequentado uma escola da sua própria cidade. Não lamentava a forma como estudara nos anos anteriores. Fizera várias disciplinas isoladas e cursos de

extensão durante as férias. Agora via que valera a pena pois tinha muitos créditos para iniciar esses semestres finais. Entretanto não pudera cultivar uma vida social mais intensa. Um pensamento inesperado entrou em sua mente. Como será que se sentiria se saísse com Mark Kingsley? Ficou espantada de essa possibilidade ter-lhe passado pela cabeça. Por que será que pensei nisso? Estou namorando o Ted e eu o amo. Por que iria querer sair com o Mark? Achava que a idéia estava associado ao fato de que pensara em fazer a faculdade o mais depressa possível, fazer logo todos os cursos de que precisava, em vez de sair para namorar. No ano em que iniciara o curso superior, Ted estava na Espanha. E na ocasião, ela quase não saíra com ninguém. No primeiro semestre, quando ainda era caloura, tivera apenas alguns encontros com o Douglas, mais por brincadeira do que qualquer outra coisa. Os dois eram muito amigos, e essa amizade tinha se fortalecido cada vez mais, mesmo quando o rapaz resolveu se casar com a Trícia. No início do segundo semestre, Ted voltara, e eles havia reiniciado o namoro. Foi então que ela teve certeza de que partir dali, os dois iriam continuar juntos. Mas, e se nós não tivéssemos nos mudado para a Califórnia quando eu tinha quinze anos? E se tivéssemos ficado em Wisconsin? Será que eu e o Mark iríamos acabar namorando? Percebeu que sua imaginação a estava levando para a esfera do “será que...”, e não estava gostando muito do que sentia. Ficava meio empolgada ao pensar em namorar o Mark. Naquele instante, essa sensação estava mais forte do que o amor firme e profundo que nutria pelo Ted. Veio-lhe uma impressão de confusão, como que entendendo que não poderia confiar nas próprias emoções. Afinal, por que estou pensando essas coisas?

Levantou-se, com um movimento rápido, levou a bandeja para o fundo do salão, e colocou os talheres na bacia apropriada. Tenho de ir para a igreja e fazer minha hora silenciosa, pensou. Assim meu coração vai voltar para os “trilhos”. Caminhou pela estradinha que levava para a pequena igreja, um lugar muito bonito e agradável. Anteriormente, ali fora uma fazenda de gado. O proprietário doara o terreno para a fundação, mas pedira que construíssem uma igrejinha e colocassem num dos vitrais um desenho com o emblema da fazenda. Então eles haviam assentado, bem na direção do altar, uma belíssima vidraça com o desenho de uma coroa dourada e uma cruz passando pelo centro desta. O nome da fazenda era “Rancho de la Cruz e la Corona”, que significa “Fazenda da Cruz e da Coroa”. Cris entrou no pequeno templo, que naquele momento estava totalmente em silêncio. Sentiu uma agradável sensação de quietude. Em passos leves, caminhou até os bancos da frente e sentou-se num deles. Abaixou a cabeça para orar, mas seu pensamento começou a vaguear. Por que estou pensando no Mark? Será que existe certa atração entre nós? E será que ela poderia se fortalecer, se nos relacionássemos? E será que se tornaria mais forte do que o que há entre mim e o Ted? Percebeu que desse jeito não iria conseguir orar de verdade. Então abriu a Bíblia e pegou a caneta e seu diário. Leu dois capítulos e fez algumas anotações. Aí seu olhar se dirigiu para o vitral colorido. Observou que a luz do Sol brilhava intensamente no vidro cor de âmbar da coroa. Talvez eu deva conversar com a Katie sobre esses meus sentimentos confusos. Ela sempre me ajuda a clarear as idéias. É verdade que nem sempre gosto do que ela diz, mas ela me faz ver a situação por um ângulo novo. É do que preciso neste momento.

Cris se levantou e saiu da igreja, mas em vez de seguir pela campina, pegou o caminho que ia dar no campo de beisebol. Quando se aproximava, notou que havia dois rapazes parados no centro, na base do arremessador. Um deles era o Mark. Sentiu o coração dar uma batida mais rápida. É agora, pensou. Está na hora de pôr meus sentimentos à prova. Se existe entre nós algo que podemos cultivar, essa é a hora. Parou junto à arquibancada. Mark avistou-a e veio em sua direção, numa corrida lenta. - Ei! principiou ele. Errei... - Me desculpe... disse ela. Os dois se puseram a rir, por haverem começado a falar ao mesmo tempo. - Me desculpe, repetiu Cris. Ontem à tarde, fui à cidade com o Ted e a Katie, e não voltei a tempo. - E eu achei que fora eu quem errara a hora, explicou Mark. Atrasei-me vinte minutos, e pensei que você tinha desistido de esperar e ido embora. - Não, não. Sinto muito. Cris ficou a analisar os próprios sentimentos. Estava bastante calma, o que até a espantava. As sensações iniciais haviam desaparecido. - Quer jogar um pouco conosco? indagou o rapaz, atirando a bola para o alto e dando um sorriso, fixando nela os olhos por baixo da aba do boné. O outro rapaz aproximou-se e Cris o reconheceu. Era Wesley, irmão de Selena. - A Selena e a colega de quarto dela, a Vicki, disse o recém-chegado, tinham combinado de encontrar conosco aqui, mas não vieram. O Mark acha que elas devem ter dormido até mais tarde. Eu já acho que minha irmã se esqueceu. - Vai querer? insistiu Mark. Nós até deixaremos que você comece rebatendo. - ‘Tá bom, concordou Cris, um pouco espantada com sua adesão a uma atividade

esportiva. Eu não sou boa pra pegar bola, nem garanto um bom arremesso, mas posso rebater direitinho se você a atirar bem devagar. - Isso... bem devagar, repetiu Mark, voltando para a base de arremesso. Cris pegou o bastão e nesse momento experimentou uma maravilhosa sensação de felicidade, como sentira na infância. Era como se estivesse realizando um velho sonho: jogar beisebol com Mark Kingsley. Quando estava com uns onze anos, isso jamais teria acontecido. Era tímida demais e nunca entraria no jogo. No primeiro arremesso dele, a bola veio sem força, mas muito baixa. Cris aparou-a com o bastão, e atirou-a de volta na direção do rapaz. Caiu uns sessenta centímetros à frente dele. - Será que já lhe falei que você rebate igual mulher, Cris Miller? indagou ele, brincando. - Caso você não tenha notado ainda, eu sou mulher, Mark Kingsley, respondeu ela rindo. - Ah, já notei, sim, replicou ele. Ela não conseguia ver a expressão do rosto de Mark, pois o boné fazia sombra nele. Todavia, pelo seu tom, percebeu que rapaz estava se divertindo com a brincadeira. - O.k., então aqui vai meu arremesso especial, para garotas que gostam dele bem devagar. Mark fez um movimento exagerado, girando o braço lentamente num gesto largo. - Muito engraçadinho! exclamou Cris. Agora vê se desta vez consegue não mandar tão rasteiro! Wesley, que se distanciara para pegar a rebatida, aproximou-se um pouco. - Mande a bola aqui, Cris! gritou ele, fazendo gozação e enfiando a mão na luva própria. Bem aqui! Cris se posicionou, à espera do arremesso. Dessa vez, conseguiu acertar a bola direitinho, mandando-a longe. Teve uma agradável sensação de vitória e largou o bastão no

chão e correu para a primeira base. Contudo Wesley conseguiu agarrá-la, correu em sua direção e “queimou-a” com a bola. - Da próxima vez, disse, ponha mais força muscular na rebatida, disse, procurando orientá-la, assim conseguirá um giro melhor. E não se limite a mover os braços, mas movimente os ombros também. A jovem nem escutou direito o que ele dissera. Estava se sentindo eufórica, só de ter conseguido acertar na bola e estar ali jogando com os dois rapazes. Ei! gritou alguém na beirada do campo. Que idéia foi essa de começar antes de nós chegarmos? Era Selena, irmã de Wesley. Estava usando um uniforme próprio de jogador de beisebol e um boné apropriado. A garota conseguira ajuntar bem seu cabelo louro, que era “rebelde” e encaracolado, amarrandoo num rabo-de-cavalo. Em seguida, passara-o pela abertura que havia na parte de trás do boné. Caminhando em direção ao centro do campo, ela parecia realmente preparada para um jogo sério. Estava acompanhada de mais cinco colegas, todas calouras, que apresentou a Cris. Uma delas era Vicki, uma linda jovem morena, de pele impecável. Ao que parecia, elas já conheciam o Wesley, mas não, o Mark. Após as apresentações, todos se engajaram num jogo que levaram muito a sério. Vários outros estudantes se aproximaram e entraram na partida, que acabou durando a manhã toda. No fim, Cris teve chances de ficar com o bastão quatro vezes e, ao todo, conseguiu rebater três bolas, tendo errado uma. No restante do tempo, ela jogou no “campo”, isto é, na posição de pegar as bolas rebatidas. A jovem riu o tempo todo. Estava amando aquela experiência. Era a sensação agradável da brisa cálida batendo no rosto. Eram as alegres gozações com os amigos e o modo como o Mark ria para ela. Era disso que sentira mais falta no ano anterior, quando estudara na Suíça.

Não podia negar que as viagens de trem pela Europa e os deliciosos pastéis folhados das confeitarias eram ótimos. Entretanto isso aqui era como estar em casa. Houve um momento, no meio do jogo, em que Mark estava arremessando, e ela olhou para ele e resolveu fazer uma análise de suas emoções. Não sentiu nenhum “alvoroço” na boca do estômago, nem anseios maravilhosos. Ah, nem sei por que deixei minha imaginação vaguear no café da manhã. Afinal, o Mark Kingsley é apenas o Mar Kingsley. Sempre será meu amor infantil - nada mais e nada menos. Na última rodada do jogo, Vicki conseguiu dar uma rebatida muito boa na bola. Contudo Cris deu uma corrida forte e pegou-a. Atirou-a para Wesley que foi na direção de Vicki e a “queimou”, antes que chegasse à segunda base. Com isso, Cri e seu time foram os vencedores, e todos se puseram a comemorar aos gritos. Contudo o outro time não deixou a comemoração ir muito longe. Selena logo propôs a Mark que fizessem uma “melhor de três”. Wesley aceitou o desafio e disse que, no dia seguinte, às 4:00h da tarde, estariam ali no campo para enfrentar Selena e seu time de “perdedores”. Em seguida, eles se dirigiram para a cantina, todos rindo e conversando, como se já se conhecessem havia muitos anos. Mark aproximou-se de Cris e pôs-se a caminhar ao seu lado. - Sabe o que foi que passou pela mente quando a vi jogando no “campo”? - Espere aí! Deixe-me adivinhar! Que eu tinha razão quando falei que não sou boa pra pegar a bola? Mark deu uma risada. - Não! Você pegou muito bem. Aliás, foi aquela sua joga com Wesley que nos deu a vitória. - É, disse Cris, sorrindo feliz. Acho que foi mesmo!

Mark ficou sério e continuou. - O que passou por minha mente, Cris, foi a idéia de que vocês não deviam ter se mudado para a Califórnia. Queria que a gente tivesse sido criado junto, lá em Wisconsin. Que será que poderia ter acontecido? Impensadamente, ela respondeu: - Também tenho pensado algo parecido. - Tem? Percebendo que não que se traíra devido à sua sinceridade, a jovem acrescentou prontamente: - Quero dizer, acho que Brightwater é uma ótima cidade para se viver. Teria sido ótimo fazer o curso médio com a mesma turma com que comecei os estudos. - É, concordo, disse Mark. Teria sido muito bom se você tivesse feito o curso médio conosco. Sem saber bem o que responder, Cris apenas deu um sorriso e fez um aceno afirmativo. Entrando na cantina, ela logo avistou Ted sentado a uma mesa próxima. Com um movimento de cabeça, ele chamou Cris e o resto da turma para se sentar junto dele. Assim que a moça bateu os olhos nele, experimentou uma firme certeza. Ah, esse é o homem que amo! Como que querendo testar a reação que acabara de ter, virou-se e olhou para Mark, que já estava na fila do “bandejão”. Não havia nem termo de comparação entre os dois. No mesmo instante, todos os pensamentos que tivera a respeito de Mark e que começavam com “Será que...” se dissiparam. Não sabia bem por quê, mas agora nada daquilo importava mais. Seguindo a fila, virou-se e olhou para Ted que se achava do outro lado do salão. Ele a fitava novamente “daquele jeito”. Embora estivessem a dez metros de distância um do outro, em meio ao burburinho da cantina, no momento em que seus olhos se encontraram, Cris teve

a sensação de que o resto do mundo desaparecera. Parecia que os dois se achavam dentro de uma imensa bolha que os transportara para um lugar encantado. Ali seu coração não batia descompassado, mas tinha um ritmo firme e seguro. Estamos numa maratona, não é, Ted? Nossa corrida não é aquela disparada rápida dos cem metros rasos, é? Você me ama de todo o coração. Vejo isso em seu rosto. E eu também o amo. Sei que sim. Cris se achava atrás do Mark na fila para pegar sanduíches. Sentia-se muito satisfeita ao perceber que suas emoções agora estavam bem definidas. Se ela tivesse ficado morando em Wisconsin, talvez ela e Mark tivessem tido a chance de desenvolver um relacionamento diferente. Mas não fiquei em Wisconsin. Mudei pra cá. Depois conheci o Ted e é com ele que quero ter um relacionamento e assumir um compromisso. Acho que Deus não joga a gente de um lado para o outro, como meus pensamentos sobre o Mark estavam hoje de manhã. E não preciso ficar fantasiando e tendo essas idéias tipo “Será que...” Só preciso mesmo é perguntar a Deus: “Qual o próximo passo que tenho de dar?” No momento em que Mark e Cris saíram do balcão dos sanduíches e já iam seguir em direção à mesa do Ted, Katie apareceu à frente deles. Como dormira até mais tarde, estava cheia de energia e logo os saudou de forma entusiástica. - Oi! Ah, então foi você mesmo que vi entrando aqui! A princípio, Cris pensou que a amiga se dirigia a ela. Pouco depois, porém, percebeu que ela estava olhando para o rapaz. Então começou a fazer a apresentação. - Katie, este aqui é o... - Mark, disse a outra. É, eu sei. Como vai, Mark? Foi então que Cris fez a associação dos nomes, e quase deixou cair sua bandeja. - Esse é o Mark “número quatorze”?

- É; o Mark “número quatorze”, explicou Katie sorrindo. Tenho de lhe pedir desculpas, Mark, mas não sei seu sobrenome. - Kingsley, disseram Cris e Mark ao mesmo tempo. - Acho que também tenho de lhe pedir desculpas, interpôs o rapaz, olhando para Cris e depois para Katie, mas nos já nos conhecemos? Eu a conheço? Cris se voltou para sua melhor amiga e viu que ela ficou arrasada. - Mark, principiou Cris com um leve tom de repreensão na voz, essa é minha colega de quarto, Katie Weldon. Vocês dois se conheceram no ano passado, depois de um jogo de beisebol. - Ah! exclamou ele lentamente. Seguiu-se um momento de silêncio meio constrangedor. E seguida, ele continuou: - Você quer se sentar conosco, Kathryn? - Meu nome não é Kathryn, é Katie, disse a jovem com um olhar frio feito gelo. Katie Weldon. Imediatamente Cris pegou a amiga pelo braço e puxou-a para um lado. Virando a cabeça para trás, disse: - Nós voltamos já. Mark dirigiu-se para a mesa onde Ted já se encontrava. Cris teve uma contração facial ao ver a expressão do rosto da amiga. - Oh, Katie, desculpe! Sinto muito! cochichou para a outra. Eu não tinha a menor idéia de que o seu Mark “número quatorze” era o meu Mark Kingsley. - O seu Mark Kingsley? repetiu Katie entre dentes. - Nó nos conhecíamos lá em Wisconsin. Quando eu era garota, na escola, tinha uma “paixonite” por ele. Katie fitou-a fixamente sem dizer nada.

- Eu lhe falei sobre o Mark, prosseguiu Cris. Tenho certeza de que falei. - Não; falou, não. Se tivesse me falado sobre o Mark eu teria lembrado, replicou Katie com o rosto avermelhado. Você viu o jeito que ele me olhou? Não consigo acreditar! Eu decorei palavra por palavra do que nós conversamos em junho. Depois, passei as férias todas sonhando com esse cara. Que vacilo! Cris teve vontade de passar o braço em torno do ombro da amiga, mas ainda estava com a bandeja nas mãos. - Não, Katie, não foi um vacilo seu, não! disse. - Não, Cris, eu não quis dizer que foi um vacilo meu. Foi dele, explicou Katie e, abaixando um pouco a voz, continuou: Esse Mark “número quatorze” Kingsley deu um vacilo tremendo. Ele poderia ter namorado a ruivinha mais bonita, mais encantadora e mais divertida da escola, mas acaba de perder essa chance. E com um rápido movimento de cabeça, fazendo dançar seu cabelo liso, ela se virou e saiu. Cris ficou parada, olhando-a. A amiga dirigiu-se à máquina de venda automática. Pelo visto, ela pretendia desafogar sua mágoa, devorando uma imensa casquinha de sorvete de chocolate.

5
Caminhando em meio ao barulho da cantina, Cris se sentia péssima. Dirigiu-se para a mesa e se sentou ao lado do seu namorado. Mark já se acomodara na cadeira que estava diretamente à frente de Ted, e os dois conversavam animadamente, como se já fossem bons amigos. Obviamente, Mark devia ter se apresentado ao outro. Katie foi embora com seu sorvete instantâneo. Decidida a consertar aquela situação, Cris começou a pensar no que poderia fazer para “arrumar” as coisas entre Mark e sua amiga. Pensou na possibilidade de arranjar um passeio a quatro: ela e Ted, Katie e Mark. Em seguida, veio-lhe a idéia de chamar o colega de lado e lhe explicar o quanto Katie gostava dele. Contudo nenhuma dessas hipóteses lhe agradou. Se ao menos ele não lhe tivesse chamado de “Kathryn”, tudo estaria um pouco melhor. E ele também, ao ver que ela ficara tão empolgada de revê-lo, poderia ter fingido que se recordava dela. For que será que os homens não “sacam” essas coisas? - Ei, Cris, disse Mark, você quer ir com o Ted à Igreja Riverview Heights, hoje? Como estava com a boca cheia, Cris fez que sim, com um aceno de cabeça. Por que será que o Mark está perguntando isso? Já falei com o Ted que quero ir. Ao que parecia, Ted havia convidado o outro rapaz para ir com eles. Os três saíram da cantina e entraram na kombi dele, dirigindo-se para a igreja. E pela conversa animada que os dois continuavam a desenvolver, a jovem compreendeu que Mark a frequentara no ano anterior. O rapaz estava dando ao Ted diversas informações, pois participara do grupo de jovens ali, dando sua ajuda em algumas excursões que tinham feito.

- Quem organizou tudo foi um casal, explicou Mark, mas eles se mudaram daqui em junho. Foi por isso que a liderança da igreja resolveu contratar um obreiro pago. Atualmente o número de adolescentes que frequentam é pequeno, mas há muitos outros jovens nas redondezas que poderiam ir também. - E’ por que não vão? indagou Cris. - Porque na igreja não há um trabalho maior pra eles. Só tem a classe de escola dominical. Esse casal que dirigia parecia não gostar muito dos jovens. Ficavam “pregando” o tempo todo. Eles não tinham uma hora de louvor, nem momentos de comunhão informal, com oportunidades de desenvolver relacionamentos. Cris percebeu que Ted estava gostando muito de receber toda essa informação sobre o grupo de jovens. - Amanhã cedo você pretende começar com um período de louvor, né? indagou Cris. - Estou pensando nisso, sim, replicou Ted. Entraram no estacionamento da igreja, onde Ted parou. Mark os levou até a sala onde os jovens costumavam ter sua reunião. - Já tem alguém pra ajudá-lo nos cânticos? perguntou ele ao colega. - Ainda não tenho nenhum voluntário, explicou o outro, dando um sorriso e virando-se para Cris. A não ser que um de vocês queira vir pra cantar comigo. Cris gostava de cantar, mas nunca participara de um grupo de louvor. Sabia que não tinha voz de solista, mas se estivesse ao lado de alguém que cantasse bem alto, conseguia acompanhá-lo sem problema. - Eu posso ajudar, disse ela meio hesitante. Ted fitou-a sorridente, os olhos brilhantes. Ela entendeu que havia conquistado a admiração dele. - Obrigado! disse o rapaz. Sei que ainda não decidiu se vai ou não lecionar, mas pode

pensar o tempo que for necessário. Cris sentiu que ele não a estava pressionando para aceitar a classe, mas compreendeu que ela, por sua vez, estava bem mais inclinada a pegá-la. Gostava da idéia de estar participando dessa nova fase na vida de Ted. - Também terei muito prazer em ajudar no que mais você precisar, ajuntou Mark. - Obrigado, companheiro! disse Ted. Como você pode ver, estou começando do zero nesse negócio todo. Ficaram ali cerca de meia hora, arrumando o salão para a reunião do dia seguinte e fazendo um levantamento dos recursos de que já dispunham. Quando já se preparavam para ir embora, Cris disse: - Sabe o que mais? Acho que devemos orar antes de sair. - Ótima idéia! exclamou Ted. Como é mesmo aquele versículo? “Se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalha os que a edificam.” Quero que esse grupo de jovens pertença a Deus. Cris sorriu. - Então vamos orar nesse sentido, disse. Ted estendeu o braço e pegou a mão dela. Para espanto da jovem, o Mark pegou a outra. Os dois rapazes passaram o braço um pelo ombro do outro, e os três ficaram juntinhos, formando um grupo compacto. Em seguida, Ted orou, pedindo a Deus que abençoasse aquele grupo que iria se reunir ali. Pediu também a orientação dele para todo o planejamento, para o ensino, o louvor e as reuniões de congraçamento que iriam realizar. Cris tentou se concentrar que ele estava dizendo. Sabia que tinham dado as mãos para simbolizar o fato de que estavam unânimes naquilo que pediam. Contudo ela começou a comparar os dois rapazes. Com Ted, sentia-se segura e bem à vontade. Sua mão já “conhecia” a dele. A mão de Mark era áspera e calosa,

típica de uma pessoa que tivera de remover neve e empilhar feno. Lembrava-lhe as mãos de seu pai. Voltou a prestar atenção na oração de Ted. O rapaz estava interpidamente tomando posse daquele território e do coração dos jovens para o reino de Deus. - Que eles possam saber que tú és real, Pai, seja de que maneira for. Depois, o Mark orou também e a seguir, Cris fez sua petição. Quando encerraram, Ted fechou o momento de comunhão dizendo “Amém” à sua maneira, isto é, com as palavras: - Que assim seja! Os três ergueram a cabeça e soltaram as mãos. - Vai ser muito bom, Ted, disse logo o Mark. Esses garotos vão gostar muito de você trabalhando com eles. - Por que não se apresentou pra essa vaga, Mark? quis saber Ted. O outro abaixou a cabeça um pouco e, com uma expressão meio acanhada, respondeu: - Eu me inscrevi aqui, mas, duas semanas atrás, acabei retirando minha inscrição. É que eu queria fazer todas as disciplinas possíveis deste semestre, e pretendo jogar beisebol no próximo. Desse modo, eu não poderia dedicar aos jovens todo o tempo que é necessário. Então acho melhor ajudar mais como voluntário do que assumir a responsabilidade pelo programa todo. Ted passou o braço pelo ombro do colega e puxou-o para si, dando-lhe um abraço lateral. - Gostei de sua sinceridade, Mark. Cris deu um sorriso caloroso para o amigo de infância. Estava pensando num comentário bem adequado para fazer, quando o bipe dele soou. Este teve um leve sobressalto. - Meu colega de quarto me deu este bipe, pra poder me encontrar sempre que precisar. Tirou o aparelhinho da cintura e verificou o número estampado nele.

- Esperem um pouco, disse ele. Volto já. Cris e Ted ficaram sozinhos na sala dos jovens. - Sabe o que mais? principiou a jovem. Isto aqui é o tipo de trabalho que tem a sua “cara”. Ted passou de leve a mão no queixo forte, de pele bem barbeada. - Você acha mesmo? Cris acenou que sim. - Lembra quando estávamos naquele albergue em Amsterdã? Ali, dirigindo o louvor e dando estudo bíblico, você ficou muito à vontade. - É, mas foram poucos dias, replicou o rapaz. - Eu sei. Mas neste tipo de trabalho, você parece se sentir “em casa”. Não acha? Ted ficou a pensar, enquanto os dois se encaminhavam para a porta. E continuou em silêncio até chegarem ao carro, onde pararam à espera de Mark. Minutos depois, o rapaz voltou. - Será que vocês podem me deixar na loja Stereo World, em Mesa Verde? O Peter pediu pra eu dar uma olhada em uns alto-falantes que ele quer comprar. Os três entraram no veículo e partiram. Chegando à loja, Ted parou para o outro descer. Antes de sair, Mark pôs a mão no ombro de Cris e disse: - Não se esqueça de que você ‘tá me devendo um jantar, hein? Precisamos terminar aquela conversa que começamos hoje cedo. Ted recolocou o carro em movimento, seguindo para a Rancho Corona. A jovem permaneceu um longo tempo em silêncio, pensando no que o amigo falara, tentando deduzir o que ele quisera dizer com aquilo. O namorado também parecia está digerindo o comentário de Mark. A certa altura, chegaram a uma pracinha onde havia um playground. Ele estacionou num das vagas próximas e desligou o motor. Olhando para Cris com uma expressão

interrogativa, indagou: - Você já conhecia o Mark? A princípio, ela pensou que Ted estava brincando. - Nós éramos colegas quando crianças, lá em Wisconsin. Pelo olhar dele, Cris compreendeu que ele não sabia disso. - Achei que ele era amigo do Wesley e da Selena, e que você o havia conhecido hoje, na fila da cantina. Cris riu. - Não. Meus pais já eram conhecidos dos pais dele antes de nós nascermos. Ted deu uma espiada para fora e em seguida se virou para ela. - Você já tinha me dito isso? perguntou. - Acho que sim, replicou Cris. Não lhe contei que o vi uns dias atrás na “Selva”, quando eu e a Katie fomos lá? Ted abanou a cabeça. Então ela lhe explicou que esse Mark era o mesmo rapaz que Katie chamava de Mark “número quatorze” e ao qual se referira quando viajavam de trem na Europa. O rapaz fitou-a ainda mais espantado. - E vocês só ficaram sabendo disso hoje? - Só hoje. E o pior é que o Mark não se lembrava mais da Katie. - Ai, ai, ai! fez Ted. - É isso mesmo: ai, ai, ai! Foi por isso que Katie não ficou na cantina pra almoçar. - Mas ele é um cara legal, comentou o rapaz. Admiro muito aquela disposição dele de servir. - É; muito legal, concordou Cris. Mas, com certeza, não é o cara pra mim, pensou. Ted se remexeu no banco, virando-se totalmente para ela.

- O que foi que ele quis dizer quando falou que você tinha de ir jantar com ele? Cris ficou a pensar se deveria lhe contar da sua pequena incursão na esfera do “Será que...” Deveria revelar-lhe que havia criado umas fantasias sobre o que teria acontecido se tivesse saído com Mark? Não; agora nada daquilo tinha muito significado para ela, então resolveu não dizer nada. - Eu ia me encontrar com ele na cantina ontem à noite, explicou, mas acabei esquecendo. Foi por isso que lhe perguntei as horas, quando estávamos na pizzaria com a Katie. Nesse momento, ocorreu-lhe que embora os devaneios passageiros que tivera com Mark fossem um caso encerrado para ela agora, não sabia se o mesmo acontecia com ele. É verdade que isso se dera muito tempo atrás, e o interesse que tinham tido um pelo outro não dera em nada. Contudo talvez ele quisesse terminar a conversa que começara com ela porque também estivera na esfera do “Será que...” Ou quem sabe ainda estava... Será que fiz ou disse algo que o levou a pensar que eu estava interessada nele? Não tive essa intenção. Ele sabe que eu e Ted estamos namorando, não sabe? Aqui ela se deu conta de que ela e Ted não haviam agido como namorados. Se o Ted pensara que o Mark era um amigo de Selena que ela acabara de conhecer, este também poderia ter pensado o mesmo acerca de seu namorado. Estava ficando muito quente dentro da kombi ali parada. Cris se sentia incomodada. Ted abriu a porta do lado dele. - Vamos caminhar um pouco? indagou, num tom que era mais afirmativo que interrogativo. - Vamos. Cris ficou satisfeita de sair do carro quente e desconfortável. Uma semana antes, ela havia reclamado com Ted que o banco do veículo, no seu lado, estava bem estragado. O banco

achava-se gasto e as molas do assento, à mostra. O rapaz colocara um pedaço de papelão e o cobrira com uma velha toalha de praia. Na hora em que Cris deslizou para sair, tudo aquilo veio junto. Ted pegou sua mão e os dois saíram andando num passeiozinho de cimento que circundava toda a pracinha. O playground estava cheio de crianças, balançando na gangorra, subindo descendo nos aparelhos e brincando na caixa de areia. Toda faziam uma grande algazarra. Cris e Ted foram se afastando do barulho. - Eu queria conversar com você sobre algo que falou quando estávamos lá na igreja, principiou o rapaz. Você disse que eu me sinto “em casa” nesse tipo de trabalho. Acho que tem razão. Mas pra mim é muito difícil enxergar isso. Sabe por quê? Eu nunca soube o que é “sentir-se perfeitamente em casa”, a não ser agora, com você, Kilikina. Sempre que Ted a tratava pelo nome havaiano, Cris tinha a sensação de que seu coração se derretia dentro dela. E essa vez não foi exceção. - Também me sinto “em casa” com você, Ted, replicou ela. - É mesmo? indagou o rapaz. - É. Sinto sim. Cris procurou afastar do pensamento as indagações que tinha acerca de Mark e concentrar-se apenas em Ted. Se tivesse dado alguma impressão errada para o colega, iria conversar com ele depois e esclarecer tudo. Nesse momento, era ali mesmo que queria estar. E era com Ted que desejava conversar. - A questão, continuou ele, é que não sei exatamente como é uma família normal. Tenho alguma idéia sobre o que quero para a minha família e sobre o que considero vida normal. Mas nunca tive isso. Tive muito poucos exemplos pra observar. Quando recebi Jesus como meu Salvador, a igreja se tornou muito importante pra mim. Deve ser por isso que me sinto “em casa”, como diz você, no ministério com jovens. Foi na igreja, e principalmente nos

grupos de jovens, que vi os exemplos positivos de como se deve viver. - Então sua infância foi muito triste? quis saber Cris. - Por que pergunta isso? - Ah, muitas vezes eu já quis lhe perguntar, mas tinha a impressão de que você não gostava de conversar sobre essa parte de sua vida, explicou ela. Gostaria de saber mais sobre você, principalmente de sua infância. - Você sabe que meus pais usavam drogas quando se conheceram, né? disse Ted. Cris ficou sem saber se aquilo era uma piada, e esperou que ele explicasse melhor. Ele puxou-a em direção ao interior da pracinha, onde havia duas árvores velhas. Ele se sentou no chão e apoiou as costas no tronco de uma delas e a garota se acomodou ao seu lado, de frente para ele. - Eles usavam drogas mesmo. Nunca lhe contei isso, mas, quando se casaram, minha mãe já estava grávida. - Estava? indagou Cris num tom de espanto, mas em seguida se arrependeu de ter tido tal reação. - E tinha só dezessete anos. Foi então que Cris compreendeu por que Ted se interessara tanto pelo caso de Acessa, uma jovem que era amiga deles. Alguns anos atrás, a moça engravidara, decidira não abortar, mas dar a criança para adoção. Na ocasião, Cris achara muito estranho o rapaz se envolver tanto no caso e ficar todo entusiasmado pela resolução da outra. Agora tudo ficava bem claro. Ele também fora uma criança gerada dessa forma: mãe solteira e adolescente. Sentiu um arrepio na espinha. E se a mãe dele tivesse achado que a criança seria um incômodo muito grande pra ela! E se, vinte e três anos atrás, ela tivesse pensado que o que havia em seu ventre era apenas uma “massa de tecido humano”? E se...

Aqui ela deteve o fluxo de seus pensamentos. Estava respirando pesadamente e quase chorando. Contudo não queria que o namorado soubesse o que lhe passava pela mente. Depois dos devaneios que tivera com Mark pela manhã, aprendera que não adiantava nada ficar muito tempo imaginando “E se...” A verdade é que a mãe do Ted decidira não interromper a vida do filho, e o deu à luz. Algum dia, ainda vou agradecer a ela por isso. E se nunca te agradeci, Pai, agradeço- te agora. - Depois eles se casaram porque, creio eu, queriam fazer o que era certo, continuou Ted. Depois que nasci, eles tentaram endireitar a vida. Uma vez minha mãe me disse que, quando descobriu que estava grávida, prometeu a si mesma que nunca mais iria usar drogas. E não usou mesmo. Meu pai demorou um pouco mais pra largar tudo. Quando eu era pequeno... sei lá... com uns três anos... certo dia, eles tiveram uma discussão por algum motivo e meu pai, que estava drogado, fez algo que agrediu muito a minha mãe. - Oh, Ted, que coisa horrível! exclamou Cris. Ela estendeu o braço e pegou a mão dele, dando-lhe um aperto de leve. As lágrimas que ela estivera segurando, agora lhe escorriam livremente pelo rosto. Ted olhou-a com uma expressão interrogativa. - Tem certeza de que quer que eu lhe conte tudo isso? perguntou. - Quero, claro, replicou Cris, piscando os olhos para afastar as lágrimas e fitando-o com um ar sério. Eu só não imaginava que a situação toda tinha sido tão horrível. Estava me lembrando daquela noite, em Newport Beach, quando estávamos conversando na praia e você brigou com o Sam, porque ele estava muito drogado. Agora entendo por que você ficou tão transtornado com aquilo. Ted baixou os olhos em direção às mãos deles. - Talvez você nem creia nisso, mas ainda sinto saudade dele, disse, passando o polegar

de leve sobre o bracelete de Cris, com a gravação “Para Sempre”. - É porque você ama seus amigos, Ted. Para sempre! Nesse momento, um avião passou bem lá no alto, deixando um rastro que mais parecia um risco de giz no céu azul. - Tem certeza de que quer continuar conversando sobre isso? insistiu ele. - Tenho. - O que mais quer saber? - O que aconteceu quando seu pai agrediu sua mãe? perguntou ela em voz suave. - Naquele dia, ela o largou. Não sei se ele chegou a bater nela. Ela não me contou o que aconteceu, e nunca perguntei a meu pai. Sei que ele nunca me bateu. E nunca foi dado a violência ou algo assim. Então não sei. Pode ser que eles só tenham discutido. Às vezes, as coisas que alguém diz podem nos machucar muito, deixando-nos magoados pelo resto da vida. Mas seja o que foi que aconteceu, minha mãe se separou dele e me levou com ela. Então ficamos vagando, sem moradia certa, durante algum tempo, mais ou menos fugindo do meu pai. - Será que é por isso que você gosta tanto de ficar viajando? comentou Cris, tentando ao máximo ter uma atitude bem positiva. - Sei lá. Pode ser. Depois disso, não tenho muita certeza de como foi que as coisas entraram nos eixos. Meu pai largou as drogas, e eles voltaram a ficar juntos por algum tempo, mas não deu certo. Tentaram “remendar” o relacionamento deles, mas ele já estava tão atrapalhado que acabou se desfazendo mesmo. Afinal eles se divorciaram e isso foi apenas a oficialização da situação que estavam vivendo. Acho que o casamento deles nunca teve muita chance de sobreviver. Desde o começo foi todo cheio de problemas. - Foi aí que você e seu pai se mudaram pra Maui? indagou Cris. Você estava com uns oito ou nove anos, né?

Ted fez que sim. - Foi uma fase muito importante da minha vida. Meu pai passava por uma crise de identidade, procurando se descobrir, e eu também fazia o mesmo. Nós éramos mais como irmãos que pai e filho, já que a diferença entre nos é só de dezoito anos. - Seu pai tinha só dezoito anos quando você nasceu? perguntou a jovem. Não sabia disso. - E ainda tem muito que você não sabe, porque achei que não era importante, explicou Ted. Mas creio que é bom você saber, para poder tomar decisões acertadas. Cris se sentiu ligeiramente ofendida ao ouvi-lo mencionar sua dificuldade para tomar decisões. Contudo ele dissera aquilo de um modo tão tranquilo que ela logo lhe perguntou: - Você quer dizer decisões com relação a nós dois? - É, e com relação a mim. Já compreendi que, quando achei que você aceitaria a classe de escola dominical, foi porque estava pressupondo uma porção de coisas sobre nós e nosso futuro. O que você disse naquela hora, isto é, que precisava saber mais sobre o assunto e que queria pensar e orar sobre o caso, aplica-se ao nosso relacionamento também. Você precisa de mais informação sobre mim e minha família, pra poder avaliar tudo melhor. Cris sentiu o coração se encher de ternura para com aquele homem que estava à sua frente. E ele era um homem de verdade. Ted não era mais um adolescente, que só queria ficar na praia, esperando as ondas boas para surfar e pensando apenas no momento que vivia. E ela inclusive participara dessa fase da vida dele. Agora, porém, o homem que se achava sentado a poucos centímetros dela pensava no futuro. Estava demonstrando claramente que queria que ela analisasse bem a situação toda, antes de assumir um compromisso com ele e passar para a fase seguinte de seu relacionamento. - Algo que não sei, por exemplo, continuou ele, são as questões relacionadas com Natal e aniversários. Se nós acabarmos nos casando... e aqui ele fez uma pausa, parecendo estar

pensando se deveria continuar a dizer o que começara. Não; não estou pressupondo nada, hein? Só quero dizer que tudo que se relaciona com as festas de fim de ano vão ter de ficar por conta de você ou da pessoa com quem eu me casar. Quero dizer, posso até ajudar. Mas como não tive nada dessas tradições em minha casa, vou ter de aprender tudo do começo. - Ah, mas não tem muito mistério, não, comentou Cris, sentindo uma onda de compaixão por ele. Você já esteve na minha casa nesses festejos e em aniversários. A gente comemora do jeito que quiser comemorar. Do modo que quiser. - É exatamente isso que quero dizer, disse Ted, soltando a mão dela para afastar um mosquitinho que estava no próprio rosto. Eu quero muito, quero que os aniversários sejam muito importantes. Pra mim, eles nunca foram. Então, se um dia eu tiver filhos, quero que eles sintam que são as crianças mais legais do mundo, todos os anos, no dia do seu aniversário. - Também acho isso muito importante, interpôs Cris. Ted arrancou uma folhinha de grama, girou-a entre os dedos por uns instantes e depois soltou-a no chão. - Uma vez, disse ele em voz meio abafada, quando eu estava morando com minha mãe, ela esqueceu meu aniversário. Foi quando fiz cinco anos. Lembro bem disso, porque eu estava na escolinha, e morávamos num apartamento em Phoenix, acho. Ou pode ter sido em Flagstaff. Bom, não importa. Lembro que um colega de trabalho dela convidou-a pra ir jantar com ele justamente no dia do meu aniversário. - E ela foi? Ted acenou afirmativamente. - Minha mãe, na verdade, é uma pessoa maravilhosa. Só que ela ficou muito empolgada com as atenções dele, né? Então esqueceu que era meu aniversário. Ela preparou um sanduíche de creme de amendoim pra eu lanchar de noite e disse que fosse me deitar às 8:30h. - E o que você fez?

Ted deu de ombros, como se o ocorrido fosse algo insignificante. - Comi o sanduíche e na hora que fui dormir peguei meu revólver de brinquedo e pus debaixo da coberta, caso entrasse um ladrão ali. Não me lembro se deitei às 8:30h ou não. - Ted, disse Cris com lágrimas a lhe embaçar a visão, não consigo nem imaginar como deve ter sido sua vida! O rapaz se remexeu no lugar, meio incomodado. - É... disse, é claro que não sofri violência, nem ficava largado, nem trancado num quartinho, nem fui obrigado a comer terra, como se ouve por aí. E ele deu uma risada nervosa, como se estivesse tentando fazer uma piada. - De certa forma, foi, comentou Cris. - Mas não quero ver minha vida desse modo, insistiu ele. Sei que meus pais me amavam, os dois. Eles me quiseram, não foi? Poderiam ter tentado se livrar de mim antes de eu nascer ou mesmo depois, mas não o fizeram. Sempre me deram tudo de que precisava. Acho que eles simplesmente não sabiam amar num nível mais profundo. Não sabiam nem amar um ao outro. Ou talvez soubessem, mas do jeito que alguém sabe amar aos dezoito anos. Quero dizer, quando penso nisso, lembro que, quando fiz cinco anos, minha mãe tinha só vinte e três. Cris, daqui a alguns meses vou fazer vinte e três. Não consigo imaginar como me sentiria se tivesse um filho com cinco anos. Cris experimentou uma sensação estranha. A calorosa compaixão que sentira por Ted uns instantes atrás estava se desvanecendo. No lugar dela, estava aparecendo uma espécie de tristeza e cansaço, a mesma emoção que tivera no orfanato, no ano anterior, e que a deixava tão esgotada. Sentia tristeza por Ted e, no entanto, sabia que não poderia fazer nada para modificar fatos da infância dele. Parecia-lhe que naquele momento estava conhecendo outro rapaz, uma pessoa muito diferente do surfista de olhos azuis por quem se interessara. Essa versão adulta do Ted era bem mais complexa do que ela achara que seria.

- Estou assustando-a, não? indagou ele. - Não. Bom, talvez um pouco. Mas creio que ‘tá sendo bom. Quero mesmo saber tudo isso sobre sua vida, Ted. Desejo que me conte, abertamente, qualquer fato que quiser me revelar. Creio que estou é um pouco espantada de não saber nada disso, apesar de nos conhecermos há tanto tempo e sermos tão chegados um ao outro. Bom, pelo menos eu achei que éramos chegados. O rapaz aproximou-se mais e passou o braço em volta ombro dela, puxando-a para si. - Nós somos chegados, Kilikina. Eu me sinto mais unido a você do que a qualquer outra pessoa. Talvez seja por isso que nunca lhe contei essa minha história. Não quis contar, com receio de que se afastasse de mim. É que você é uma pessoa tão sensível que não queria fazêla sofrer. - Mas me contando isso você não me faz sofrer, replicou Cris. E estou muito alegre que tenha se aberto comigo. Quero saber tudo. - O caso é que você gostaria de “arrumar” minha vida, mas não vai poder voltar no passado e consertar tudo que houve de errado em minha infância, vai? Cris ergueu a cabeça, afastando-a do ombro dele e fitou-o. - Como foi que você percebeu que era isso que eu estava pensando? Ted passou as costas da mão de leve no rosto dela. - Conheço seu coração, Kilikina, respondeu. Conheço bem seu coração. É por isso que sabia o que estava pensando. - É... creio que conhece mesmo, disse ela. Em seguida, encostou a cabeça no peito dele e continuou: - Eu também quero conhecer o seu. E quase concluiu: “Porque te amo”, mas não o fez. Ainda não conseguia dizer essas palavras.

6
Naquela noite, Cris ficou um tempão acordada, na cama. O quarto estava quase às escuras. Acesa, só a lâmpada de mesa, que era fraquinha. Deixara-a ligada para Katie. Fechando um pouco os olhos, virou-se para o relógio, pensando em quando deveria começar a se preocupar com a amiga. Era 12:03h. Ela, deitara às 10:00h, esperando gozar umas boas horas de sono para ir à igreja com Ted, no dia seguinte, às 8:00h. Contudo não conseguira dormir. Fazia já duas horas que estava ali, passando e repassando o que Ted lhe dissera. Ele se abrira completamente. E ela lhe comunicara, de várias maneiras, que tudo estava bem, que se interessava pelo assunto e que estava feliz por ele ter lhe falado de sua infância. Todavia, depois que se separaram, após o jantar, sentira-se invadida por inúmeros temores e preocupações. Estava preocupada com a Katie também. Desde a hora do almoço que não a via. Não sabia se a colega havia se empanturrado de sorvete de iogurte, ou se já se recuperara do abalo que sofrera e agora estava se divertindo com amigos. Deitou-se de lado e tentou fazer força para dormir, procurando se esquecer de tudo e de todos. No fim, as coisas dariam certo. Foi então que um pensamento louco entrou em sua mente meio sonolenta. E se o Ted um dia me agredir, como o pai dele fez com sua mãe? Numa reação de ira, virou-se para o outro lado com um movimento brusco. Onde foi que tirei essa idéia? O Ted nunca me magoaria! Instantes depois, sobreveio-lhe outro pensamento.

E se ele me largar, como a mãe dele largou o pai, e levar nossos filhos embora? Levantou-se de um salto. Isso é um absurdo! Por que estou pensando tais coisas? Pegou a garrafa de água, que se achava sobre a mesa de estudos. Ao lado dela, estava um buquê de cravos brancos, já meio murchos, que Ted lhe dera no dia em que chegara da Europa. Numa prateleira da estante de livros, estava a velha e amassada lata de café. Nela, guardava os restos dos primeiros cravos que o rapaz lhe dera, quando completara quinze anos. Estavam bem secos e amarelados. Por que será que ele demorou tanto pra me contar como foi sua vida? Se nós nos casarmos, será que ele vai esperar cinco anos pra me contar algo? “Ah, querida, sabe, estamos totalmente falidos. Temos de nos mudar desta casa amanhã.” Cris se jogou na cama de novo, mais transtornada ainda. Voltou a mente emocionalmente conturbada para o Tio Bob. Como será que ele reagiria quando Marta lhe dissesse que iria largá-lo? “Ah, meu bem, sabe, amanhã cedo vou embora para Santa Fé com o Cheyenne.” Preciso falar com alguém sobre esse problema da Marta. Não ficar guardando esse segredo. Já tenho muito problema pra resolver. Pra que fui prometer a ela que guardaria segredo? Foi uma estupidez minha! E os pensamentos continuaram a atormentá-la, até que afinal caiu num sono profundo e agitado. Contudo ficou tendo pesadelos um atrás do outro. Parecia rodeada por uma gargalhada torturante. Alguém zombava dela por ser tão ingênua a ponto de amar o Ted Spencer e estúpida de prometer à tia que não contaria nada a ninguém. De repente acordou com um sobressalto e se sentou na cama. Eram quase 4:00h. A risada que ouvira no pesadelo cessou imediatamente. A lâmpada de mesa estava apagada. Escutava a respiração ritmada de Katie na cama ao lado. Bom, pelo menos, ela ‘tá bem. E o resto era só pesadelo. Nada era verdade.

Tentou acalmar as batidas do coração. ‘Tá tudo bem, disse consigo mesma. Ore, Cris. Ore e durma. Preciso dormir. Deitou-se lentamente, e se pôs a orar em silêncio, apenas mexendo os lábios. Vez por outra, dizia uma palavra em voz alta. Orou sobre tudo que a preocupava. Seu coração se acalmou. A mente ficou desanuviada. Afinal caiu num sono tranquilo, sem sonhos, dormindo durante duas horas e meia. Às 6:30h, o relógio despertou e Katie virou-se na cama, resmungando. - Que é que foi? indagou, num tom mal-humorado. - Vou à igreja com o Ted, explicou Cris. Você ‘tá bem? - Estou. Estou ótima. - Quer ir à igreja conosco? Cris não tinha certeza se fizera bem em convidar a amiga ou não, já que o Mark também iria. Contudo fez o convite assim mesmo. - Não. Vou levar a Selena a San Diego, à igreja do Paul. Pode me chamar às 8:00h? - Vou sair antes de 8:00h, replicou Cris. Mas colocarei o relógio pra despertar pra você. - Hum. O.k, respondeu Katie com um resmungo, e voltou a dormir. Cris se aprontou para sair. Às 7:30h, foi encontrar-se com Ted na cantina para um rápido café da manhã, como haviam combinado na noite anterior. Quando chegou, o rapaz já se encontrava ali, juntamente com o Mark. Os dois já estavam quase acabando, então teve de comer apressadamente. Lembrou-se de que precisava fazer algo para demonstrar para o Mark que ela e Ted estavam namorando. Contudo não houve nenhuma oportunidade. - Dormiram bem à noite? indagou Ted, quando os três já estavam na “Kombinada”, e desciam o morro em direção à cidade. - Muito mal, respondeu Cris. - Eu também, disse Ted. Minha sensação era de que alguém estava me atacando. E não

conseguia entender o que se passava, mas afinal compreendi que precisava orar. É que hoje nós estamos entrando na linha de frente, batalhando pra Deus, e o inimigo não quer isso. - Oh, comigo aconteceu o mesmo, explicou Cris. Assim que orei consegui dormir. Sentiu-se mais calma, ao saber que tinham sido as forças do mal que haviam tentado impedi-la de servir a Deus, junto com o Ted, nesse dia. - É... interpôs Mark, e parece que precisamos orar agora também. No momento em que ele pronunciou a palavra “orar”, o motor do carro deu uma “engasgada”, o veículo balançou com um solavanco e parou bem no meio da estrada. - Ligue o pisca-alerta! sugeriu Mark, já abrindo a porta de seu lado, saltando do carro e fazendo sinal ao veículo que vinha atrás para se desviar. - Não ‘tá funcionando, informou Ted, saindo também. Apagou tudo. Cris, sente-se ao volante e vá guiando o carro pra entrarmos naquele estacionamento ali. - Ali onde tem aquelas lojinhas? indagou ela. Contudo Ted não a escutara. Já estava atrás da kombi, preparando-se para empurrá-la e gritando para ela colocar a embreagem no ponto morto e soltar o freio. A jovem dirigira o velho veículo poucas vezes e se sentia meio tensa por estar ao volante, num momento como aquele. Cris foi fazendo o que ele dizia, e o carro “andou”, graças ao “muque” dos dois rapazes. Teriam de rodar uns duzentos metros até o estacionamento que Ted indicara, e a moça se pôs a morder o lábio inferior, nervosamente. Girando o volante cautelosamente, entrou numa vaga. Nela, havia uma placa dizendo: “Somente carros compactos”. Entretanto, num domingo de manhã, num estacionamento vazio, o fato de a “Kombinada” não ser um compacto certamente não faria muita diferença. - Engate a primeira, gritou Ted, aproximando-se da janela do lado do motorista. E puxe o freio de mão.

Ela fez o que ele dizia. Foi nesse momento que se deu conta de que seu lábio inferior latejava de tanto que o mordera. E até já começava a inchar um pouco. - O que a gente vai fazer agora? indagou Cris. Vamos procurar um telefone e ligar pra uma oficina ou algo assim? - Creio que não dá tempo, comentou Mark. Ted dera a volta para o outro lado e abrira a porta lateral. Estava pegando o violão e a Bíblia. - Acho melhor irmos a pé, disse. Daqui até a igreja é mais ou menos um quilômetro e meio. Cris pegou sua Bíblia e pendurou a bolsa no ombro. Por sua mente passaram algumas soluções meio impraticáveis, como chamar um táxi ou pedir carona na estrada. Contudo não chegou a mencionar nenhuma. E os três saíram andando apressadamente rua abaixo. - Provavelmente é o alternador, disse Mark a certa altura. Cris pensou que poderia ser um milhão de outros fatores, pois a “Kombinada” já estava bem velha, e volta e meia tinha umas “crises”. - Se você quiser, Ted, continuou o outro, depois do culto posso vir aqui com minha camionete e dar uma olhada nela. - Claro, replicou ele. Ted estava caminhando mais depressa que os dois. Parecia que sua mente não estava no carro, mas no que iriam fazer na igreja. Cris se acostumara a fazer caminhadas, quando estava em Basiléia. Então não teve dificuldade para apressar o passo e se emparelhar com o namorado. - Sabe o que mais? principiou ela. Nós nem chegamos a orar. O Mark já ia orar quando a “Kombinada” parou. - É mesmo, replicou Ted.

Parecia que ele estivera meio “distante” e “voltara ao presente” quando ouviu o comentário de Cris. Então, sem diminuir o passo, começou a orar. - Pai, olhe para nós aqui. Sei que tú estás no controle de todos os detalhes da nossa vida. Esse problema não te pegou de surpresa, como aconteceu conosco. Tú tens um plano nisso tudo. Confio em ti e naquilo que vieres a fazer. Contudo precisamos que o Senhor nos mostre isso claramente pois, no momento, para ser sincero, não estou entendendo nada. Nesse instante, chegaram a um cruzamento. O sinal para pedestres estava fechado, e eles pararam para esperar que abrisse. Ted passou o violão para a outra mão. Cris limpou o suor que lhe escorria pela testa. O dia já começava a esquentar. Naquela hora,o vento típico da região não estava soprando, e a atmosfera parecia pesada. - Senhor, disse Cris, retomando a oração onde Ted parara, nós nos posicionamos, juntos, em tua Palavra, contra os desígnios do inimigo. Creio que ele está tentando colocar obstáculos à nossa frente. Mas hoje é teu dia, e nós somos teus filhos. Então, Senhor, endireita nosso caminho. O sinal abriu. Eles começaram a atravessar, mas um dos carros parados no semáforo buzinou. Cris achou que era alguém debochando dos três “cantadores” que, evidentemente, estavam a caminho da igreja com sua roupa domingueira e portando Bíblias. - Querem uma carona? gritou o motorista do veículo, que abaixara o vidro da janela. - É a Donna, disse logo Cris. A minha chefe lá na livraria. No mesmo instante, os três se acomodaram no banco de trás. Donna apresentou seu esposo e partiram, chegando à igreja poucos minutos antes do início dos trabalhos. Acabaram descobrindo que o marido de Donna era um dos professores da Universidade Rancho Corona e também um dos líderes dessa igreja. Na semana anterior, quando Ted estivera em contato com os dirigentes, ele estava fora, por isso não o conhecera. Então perguntou se o rapaz poderia ficar após o culto para conversarem. Os três agradeceram muito pela carona e saíram

correndo para a sala dos adolescentes. Ali chegando, viram que havia dois garotos junto à porta, do lado de fora. Mark parou e se pôs a conversar com eles. Os rapazes davam a impressão de que não tinham o menor interesse em estar ali, mas assim que avistaram o Mark se animaram um pouco. Logo depois, chegaram três garotas. Cris tratou de “engolir” sua timidez e imitar o Mark. Apresentou-se às meninas ‘ se pôs a conversar com elas. Ted começou a preparar o equipamento. No fundo da sala havia um computador bem sofisticado. Ele introduziu um disquete no aparelho, projetando na parede a letra do primeiro cântico. Em seguida, chamou os outros para entrarem. Assim, durante cerca de quinze minutos, os três jovens e os cinco alunos da classe ficaram a cantar corinhos acompanhado pelo violão de Ted. Como havia pouca gente, Cris preferiu fica sentada ali, em vez de ir para a frente ao lado do namorado. Contudo cantava em voz bem forte - mais forte do que a do outros - e com bastante convicção. Ainda no meio do período de louvor, mais duas garotas entraram, mas se sentaram no fundo da sala e ficaram cochichando uma com a outra, em vez de cantar. Aquilo deixou Cris incomodada. Sabia o quanto era bom participar do louvor junto com outras pessoas. Ela própria tivera essa experiência quando adolescente. Como poderia mostrar para aquelas meninas que se tratava de um momento muito santo e importante para todos e que elas deveriam se juntar a eles? Terminado o período de cânticos, Ted pediu que fizesse um círculo com as cadeiras. Nenhum dos alunos parecia muito interessado, mas atenderam ao pedido dele. Em seguida, o rapaz se apresentou, e pediu que todos, um a um, fizessem o mesmo e dissessem algo a seu respeito. Cris não gostou muito do jeito como fizeram isso. É que ela e Mark foram os que mais falaram, e disseram que tinham sido amigos de infância. E pelo modo como o rapaz falou

quase deu a impressão de que os dois eram namorados e estavam ali par dar uma ajuda ao seu amigo Ted. Preciso ter uma conversa com o Mark. E quanto mais cedo, melhor. Ted abriu a Bíblia no livro de João e leu o versículo que Cris havia mencionado para ele uns dias atrás. Era sobre o fato de que quem crê em Jesus e o recebe, passa a ter o direito de se tornar filho de Deus. Em seguida, fez um estudo simples, ma com palavras francas e bem diretas. Encerrada a reunião, os jovens saíram. Cris ficou a examinar detidamente o rosto de Ted. Ele ainda mantinha seu sorriso tranquilo, mas a mensagem que ela via em seus olhos era outra. O coração dele estava muito triste. Não fora aquilo que ele esperara. Ela percebia isso claramente. - Correu tudo bem, disse para ele, dando-lhe um leve aperto no braço. Hoje foi o primeiro dia. Eles agora vão analisar tudo pra ver se gostam de você, se podem confiar em você e se sentem seguros na sua companhia pra voltar no domingo que vem. Ted concordou com um aceno de cabeça, mas Cris percebeu que o coração dele ainda estava pesado. Durante todo o tempo do culto que se seguiu, ela sentiu que ele continuava com o pensamento na classe. Sabia que estava analisando cada detalhe da reunião, avaliando, reestruturando e planejando tudo. Ela gostou do culto, do pastor e da maneira como ele pregou. Após o encerramento, comentou com Mark: - Esta igreja me lembra a nossa lá de Brightwater. - É, replicou o rapaz. Foi por isso que resolvi trabalhar aqui no ano passado. Duas senhoras idosas se aproximaram e cumprimentaram o Mark. Este lhes apresentou a Cris e por fim ao Ted. As duas ficaram muito eufóricas, ao saber que ele iria trabalhar com os jovens e adolescentes da igreja. O Mark se mostrava muito à vontade com elas, mas o Ted,

não. Dava a impressão de que não sabia direito o que devia fazer ou dizer na presença de idosos. - Tenho de ir almoçar com o pastor e outros dirigentes, informou ele a Cris. Quer ir também? Cris deu uma olhada para o lado. O pastor e mais dois senhores estavam ali perto, aparentemente esperando o Ted. - Ah, replicou, desta vez vai só você. Na próxima, eu participo. - ‘Tá bom, disse ele. Será que vocês dois arranjam uma carona pra voltar pra escola? - Claro, replicou a jovem. Nós damos um jeito. - Tem certeza? - Tenho. - O.k. Então depois a gente se vê. - É, depois, concluiu ela com um sorriso. Não estava acostumada a ver o Ted tão nervoso. Ali ninguém mais perceberia que as atitudes dele demonstravam nervosismo, mas ela sabia. Era até engraçado. Donna deu carona para Cris e Mark até a universidade, deixando-os perto da cantina. - Oh, gente, se vocês precisarem de carona no domingo, é só me ligar, disse ela afinal. Qualquer hora. Estou falando sério, ouviu? Assim que Cris e Mark acabaram de se sentar à mesa, cada um com sua bandeja do almoço, ela principiou: - Preciso lhe dizer algo, Mark. - Pois diga, replicou ele. O que é? - Não sei se você sabe, mas eu e o Ted estamos namorando. - Ué, estão juntos mesmo? - O que você quer dizer com “juntos”? indagou Cris.

- Estão namorando sério, firmes um com o outro? - Estamos, e já faz um bom tempo. Mark baixou os olhos para o prato de espaguete que comia e ficou a pensar uns instantes. Depois perguntou: - Será que é ele o cara de quem a Paula me falou? - Provavelmente, explicou a jovem. Paula fora sua melhor amiga de infância. Ela viera passar uma férias na Califórnia e também ficara encantada com o Ted. - Foi ele que ensinou a Paula a surfar? - Sim, disse Cris com um sorriso. Estava se recordando da ocasião. Depois daquelas férias - fora quando Cris fizera dezesseis anos - elas não haviam continuado com a amizade. Antes disso, porém, tinham sido muito amigas e passado belos momentos juntas. Paula havia se casado no ano anterior, quando Cris se achava na Suíça, mas esta só ficara sabendo vários dias depois. Quando crianças, as duas haviam combinado de serem dama de honra no casamento uma da outra. Agora Cris se sentiu um pouco triste de não ter podido cumprir essa promessa. - Não sei se você vai acreditar nisso, principiou ela, mas quando eu e a Paula éramos pequenas, combinamos um negócio. Assim que uma de nós tivesse o primeiro encontro com um rapaz, para um namoro de verdade, a outra teria de lhe pagar cinco dólares. - E quem foi que ganhou? - Eu, respondeu Cris. E adivinha com quem tive o primeiro encontro? Mark baixou os olhos para o prato novamente. - Deve ter sido com o Ted, replicou. - E foi. Quando conversei com ele ontem na hora do almoço, não me lembrava que ele era o

cara de quem a Paula tinha me falado, explicou o rapaz. Eu sabia que você tinha tido um namorado e que já havia um bom tempo que namoravam. Mas achei que ele tinha ido embora. Pensei que havia se mandado para Fiji, ou algo assim, para passar o resto da vida lá. - É. Daquela última vez que te vi, o Ted estava fora mesmo. Estava na Espanha. - Mas agora já voltou em definitivo, comentou Mark. - Já. E eu já voltei da Suíça e estamos namorando, estamos juntos mesmo. - Bom, Cris, você escolheu um cara legal, disse o rapaz. E ao dizer aquilo, ele tinha uma expressão franca e sincera que lhe lembrava seu pai. Nesse instante, ela se recordou de algo que ouvira de seus avós, muitos anos atrás. Ela lhes perguntara como eles tinham reconhecido que um era a pessoa certa para o outro. E o avô lhe respondera: “A melhor maneira de se saber isso é examinar a vida um do outro. É ver se os dois são do mesmo lugar. Assim será mais fácil superarem os momentos difíceis.” Contudo sua avó discordara dessa opinião. Disse que tudo era uma questão de decisão e em seguida mencionara algo que deixava Cris muito incomodada. “Quando encontrar a pessoa certa, você saberá.” A jovem deu uma espiada para o lado de Mark. Ainda não tenho certeza se o Ted é a pessoa certa pra mim, pensou. Mas de uma coisa não tenho a menor dúvida: o Mark não é. E só de saber algo com certeza, ela já se sentiu bem. - Sabe o que mais? principiou o rapaz, empurrando a bandeja para um lado e continuando a fitar Cris com um ar bem sincero. Vou ser bem franco e lhe dizer algo muito sério. Espero que não se incomode com isso. A jovem estava se sentindo tão leve pelo que acabara de descobrir com relação ao amigo que aceitaria bem o que ele lhe dissesse, fosse o que fosse.

- Tenho uma opinião muito elevada sobre você, Cris. - Eu também tenho de você, replicou ela. - Então, se não der certo entre você e o Ted, pense em mim como uma possibilidade, o.k.? Mas tenho a impressão de que vai dar certo, sim. - Também tenho, concordou a jovem. - E nós dois podemos ser amigos, não podemos? - Claro, respondeu ela. Sei que o Ted ficou muito grato a você por sua cooperação no trabalho lá com os jovens. - É, eu lhe disse que poderia ajudá-lo naquilo que precisasse. Cris ficou a debater consigo mesma se deveria mencionar Katie. Chegou quase a sugerir que os quatro saíssem juntos. Depois, porém achou melhor não falar nada antes de conversar com a colega. Mark e Cris continuaram conversando ali durante uma meia hora. O rapaz contou as novidades sobre os amigos e familiares de ambos em Brightwater. Cris relatou algumas das experiências que tivera na Suíça. Afinal os dois se levantaram para ir embora. Quando já estavam quase se separando, ele lhe sorriu com um ar brincalhão e lhe deu um tapinha de leve no braço, do jeito como fazia na hora do recreio, na escola. - Você não me pega! gritou ele, e saiu correndo. Cris deu uma risada. É claro que ele não esperava que ela corresse atrás dele, nem ela iria fazê-lo. Foi caminhando lentamente para o dormitório. Parece que tirei outro “catálogo telefônico” de cima de mim, pensou. O outro que tenho de tirar é resolver qual será minha especialização. E ainda outro é dar um jeito para a Katie melhorar o ânimo. E depois tenho de decidir o que vou fazer a respeito da minha tia. Aqui ela parou. Não queria colocar mais “catálogos” na sua pilha. Um problema de cada vez.

Quando chegou ao quarto, constatou que a colega não estava lá. E a única evidência de que ela estivera ali era uma saia cáqui que, pelo visto, ela usara para ir à igreja pela manhã. A saia estava num canto, toda embolada. Cris trocou de roupa e se pôs a decidir se iria ou não ao jogo de beisebol, a revanche, que haviam combinado para às 4:00h. Não estava com nenhuma vontade de jogar. Achava que nem iriam precisar dela, pois no dia anterior tinha aparecido muita gente. Se Katie chegar antes das 4:00h, vou pedir a ela pra ir no meu lugar. O Mark deve estar lá. Assim os dois terão uma oportunidade de recomeçar o relacionamento. Abriu a janela para deixar entrar um pouco de ar fresco. Teria sido muito bom se o Mark tivesse gostado da Katie na mesma época em que esta tivera interesse nele. Se bem que ainda havia tempo de ele perceber como sua amiga era sensacional. Olhando para o céu azul-acinzentado, pensou em voz alta: - Será que o Ted é o homem certo pra mim? Será que é com ele que devo me casar? Por que não consigo ter plena certeza, pra então lhe dizer que o amo? Pensou que seria muito bom se Deus mandasse a resposta por escrito, num pedaço de papel amarrado num barbante, e o balançasse bem na frente da janela. Não seria preciso que ninguém mais o visse; só ela. E bastava que estivesse escrito nele: Case-se com o Ted. Ela não iria contar para ninguém; nem mesmo para o namorado. Ele teria de pedi-la em casamento e tudo o mais. Assim ela teria plena certeza de que ele era o homem de sua vida e não precisaria mais ter dúvidas. Cris piscou. O céu continuava silencioso e não se abriu para enviar a resposta. Não veio nenhum papel amarrado num barbante. Teria de descobrir sozinha, da forma normal e mais difícil: com muita oração e um passo a cada dia. Deitou-se na cama, e pensou em anotar esses pensamentos no seu diário. Era sempre muito bom quando escrevia o que lhe ia no coração e mais tarde o relia. Dessa vez, porém,

não faria isso. Não queria correr o risco de alguém achar seu diário e ler tais pensamentos. Olhou para o pôster que estava na parede. Era uma foto de uma ponte que havia perto da cidade de Hana, em Maui, no Havaí. O Ted saltara daquela ponte sobre uma laguna profunda. Cris passara nela, dirigindo um jipe, pouco tempo depois que fizera dezesseis anos. Era a ponte “deles”. Agora se encontravam diante de outra “ponte”. Sabia que seu namorado estava preparado para “saltar” dela, isto é, para dar outro passo no relacionamento deles e assumir um compromisso sério. Ela porém, ainda estava “passando” por essa decisão, o que levaria um pouco mais de tempo do que saltar direto nela. Ted até que estava sendo bastante paciente. Cris se sentia como se estivesse “amarrada”, sem condições de avançar. - Nós não temos garantia nenhuma, temos? indagou em voz alta para Deus. Os pais de Ted não tiveram, e parece que Bob Marta também não terão. Então, como posso ter certeza de que se eu casar ainda tão jovem meu casamento vai durar pelo resto da vida? Nesse momento, a porta do quarto se abriu e entrou uma ruivinha. Cris ficou a olhar fixamente para ela. Quase não parecia com a Katie que ela conhecia. A colega cortara o cabelo bem curto. Estava todo repicado, caindo-lhe pela testa e na base da cabeça. A jovem estava completamente diferente, com uma nova aparência, bem mais sofisticada e feminina. - Cortou o cabelo! exclamou Cris, examinando-o por diversos ângulos. Gostei muito! Quando foi que resolveu cortar?! - Hoje de tarde, explicou a outra, jogando algumas sacolas de compras sobre a cama e tirando o sapato. - Puxa, mas você ‘tá toda diferente! - Era isso mesmo que eu queria, resmungou Katie. - Ei, tudo bem aí? A outra se jogou na cama, que ainda não arrumara, ao lado das sacolas. Pegou o travesseiro e deitou-se de bruços sobre ele, como se estivesse com alguma dor.

Cris se levantou, aproximou-se, afastou os embrulhos e se sentou no pé da cama da colega. - O que foi, Katie? indagou. O que aconteceu? A outra desviou o olhar. - Estou cansada de mim mesma, respondeu. Cris ficou totalmente sem saber o que dizer. - Pensei muito no que aconteceu com o Mark ontem, continuou a outra. Cheguei à conclusão de que faço muitas pressuposições infundadas e tomo muita coisa como certa. Quero mudar esse meu jeito. Quero mesmo, Cris. - Mudar como? - Ainda não sei. É por isso que comecei pelo cabelo. Ah, e comprei umas roupas novas também, explicou ela, pegando uma blusa de dentro de uma das sacolas e suspendendo-a. O que você acha desta aqui? - É bonita. - Ótimo. Que bom que a primeira idéia que lhe veio à mente quando a mostrei foi isso, pois preciso de roupas bonitas. No meu guarda-roupa só tem jeans e camisetas. Você já percebeu que tenho apenas uma saia? Hoje de manhã eu até ia usá-la, mas vi que não gostava dela. Não gosto mais de nada cáqui. Katie pegou outra sacola e tirou dela uma saia longa, de tecido leve. - Ei! exclamou Cris. Agora estou ficando assustada com você! Essa saia se parece muito com a que minha tia estava usando no outro dia. - Ah, mas não se preocupe! Não vou começar a analisar minha “aura”! É que eu queria comprar uma roupa que fosse informal mas não pesada, nem fosse cáqui. Você precisa ver o guarda-roupa da Selena. Fui ao quarto dela ontem à noite e vi. Ela e a Vicki têm as roupas mais legais desta escola.

Cris também gostava do jeito de vestir da Selena. Essa jovem era bastante original e não imitava ninguém. Suas roupas eram diferentes das de todo mundo. E não se importava se elas estavam na moda ou não. Ela criava sua própria moda. Na primeira vez que Cris vira Selena, esta estava calçada com umas botas de cowboy que tinham sido do pai dela. - Ela só compra roupas nos brechós, não é? indagou Cris. Katie fez que sim. Ela estava me contando sobre uns brechós que tem lá em Portland, onde ela mora. Só de ouvir, tive vontade de ir lá fazer umas compras. - Você comprou essas aí foi num brechó? - Não, e acabei pagando muito por elas. Mas eu precisava tomar alguma providência. Amanhã é o primeiro dia de aula e este ano quero me apresentar melhor do que em qualquer outro ano da minha vida. Preciso começar de novo. Cris dobrou a saia nova da amiga e colocou-a no pé da cama. - Katie, principiou ela, eu queria conversar com você sobre um assunto de que talvez você não queira falar. Posso? - Eu tenho outra escolha? - Não. - Então fale. Pode “despejar”. Estou sempre lhe dando minhas opiniões pessoais sobre tudo e você ouve com paciência. É justo que agora você também dê as suas. - Lembra que você me falou sobre aquele negócio de carregar muitos “catálogos telefônicos” e acabar deixando todos eles caírem? Bom, eu acho que, nestes anos todos, você vem carregando todas as mágoas que teve no relacionamento com rapazes. ‘Tá segurando isso como se fosse uma pilha de listas telefônicas. É por isso que sempre que tem uma decepção, como teve ontem com o Mark, que não se lembrou de você, fica se sentindo profundamente magoada.

Ela não pensara dizer tudo isso para a amiga; não havia pensado no que iria lhe dizer. Então as palavras simplesmente foram saindo. - Achei que ontem você ficou muito sentida com o Mark, continuou. Mas também aquilo lhe recordou as desilusões que teve com o Rick, Michael, com o Leo e com todos os outros caras que lhe deram o fora. A expressão de Katie era dura, como de quem não cede. - Então, prosseguiu Cris, você não sente apenas a mágoa de uma negativa, mas de todas as que já recebeu. Aqui houve um profundo silêncio no quarto, e Cris se indagou por que estava dizendo tudo aquilo à sua melhor amiga. Passaram-se alguns minutos, e afinal Katie se endireitou e, com a voz meio áspera, perguntou: - E o que você acha que devo fazer? Cris pensou em lhe dizer que não pretendera lhe falar sobre esse problema e, portanto, não tinha uma solução para ele. Então deu a única resposta que lhe veio à mente. - Você não precisa mudar nada exteriormente, explicou. Precisa mudar por dentro. Acho que tem de perdoar, Katie. Tem de tomar a decisão de perdoar e começar tudo de novo. Por uns instantes, ela teve a impressão de que a amiga iria gritar com ela ou lhe atirar algo. Contudo o que ela fez foi replicar com um tom de resmungo: - Você tem razão. E detesto quando você tem razão.

7
Katie se remexeu na cama, acomodando-se melhor. - Por que tem tanta certeza de que não perdoei aos rapazes que me magoaram? indagou com um tom meio seco. - Bom... principiou Cris. - Deixe-me dizer-lhe algo, interpôs a outra, levantando-se e dando um chute em sua saia cáqui. Seria muito bom se pelo menos um daqueles safados reconhecesse que foi cruel, insensível e mal-educado comigo. Sei que é pedir muito, mas tenho certeza de que assim ficaria bem fácil perdoar-lhes. - Mas, e se nenhum deles vier lhe pedir perdão? insistiu Cris. Vai passar o resto da vida carregando todos esses “catálogos”, todo esse sofrimento? - Não, replicou Katie. Assim que eu encontrar o meu “príncipe encantado” isso vai passar. - Katie! - O quê? Cris hesitou por uns instantes, sem saber se deveria dizer ou não o que pensara. No fim, porém, compreendeu que não poderia deixar de falar. - O que vai acontecer na primeira vez em que o “príncipe encantado” a decepcionar? Quero dizer, mesmo que se case com esse homem, ele não é perfeito. Vai haver um dia em que ele será cruel, insensível e mal-educado com você. E aí? Em vez de sentir apenas a dor desse gesto dele, você vai querer sentir o peso de todos os outros “catálogos”?

- Não sei. Não estou a fim de conversar sobre isso, Cris. Quero sair e respirar um pouco. Cris deu uma espiada rápida para o relógio. Faltavam alguns minutos para às 4:00h. - Quer ir jogar beisebol? indagou. Katie olhou-a diretamente. - Por quê? Você vai? - Não. Você não quer ficar no meu lugar no time do Wesley? Às 4:00h eles vão jogar contra o time da Selena. Katie abriu uma gaveta da cômoda e correu as mãos dentro dela. Pegou um boné e uma luva de beisebol. Em seguida, calçou o tênis e foi saindo, dizendo apenas: - Vou dar uma saída! Cris se sentou, sentindo o quarto muito vazio. Por que fui dizer tudo aquilo pra ela? Não precisava ter dito tudo hoje! E não era só eu que poderia ter dito essas verdades pra ela! Resolveu que não iria jantar. Tomou um banho de chuveiro bem demorado, aproveitando para lavar a cabeça e depilar as pernas. Depois ligou para o Ted. Como ninguém atendeu, ela deixou um recado na secretária, sugerindo-lhe que os dois se encontrassem no dia seguinte na cantina, para tomarem juntos o café da manhã. Pegou sua roupa suja e dirigiu-se para a lavanderia, que ficava no fim do corredor. Enquanto esperava que uma das máquinas ficasse disponível, foi para uma saleta ao lado, onde algumas colegas estavam assistindo ao filme Princesa. Já o vira, pouco antes de viajar para a Suíça. Katie o havia locado e o levara à sua para verem na última noite em que estariam juntas antes da sua partida. Ao final, Katie comentara que nunca iria confiar num rapaz que vivesse dizendo: “Como você quiser!”, satisfazendo todos os caprichos dela. Preferia um que tivesse mais personalidade e lhe dissesse: “Faça você mesma!”

Se vivesse daquela maneira, como no primeiro caso, concluíra, ela iria só ficar sentada e engordar, enquanto ele a servia em tudo. Cris sabia que, quando sua amiga fizera essas observações um ano atrás, estava apenas querendo ser engraçada, como era seu jeito. Naquele momento desejou que a outra estivesse assistindo ao filme junto com ela, soltando suas costumeiras piadinhas, enfim, sendo a colega que ela esperava. As outras garotas que estavam na saleta eram todas muito legais, mas Cris sentiu que não se achava disposta para fazer novas amizades. Seu maior interesse naquele momento era simplesmente manter as que já tinha. Terminado o filme, duas das estudantes disseram que iam à cidade para tomar sorvete. Convidaram Cris, mas ela agradeceu e disse que não. Precisava voltar para o quarto pois queria conversar com sua amiga. Voltou com as roupas lavadas, secas e dobradas. Ali encontrou um bilhete da Katie, escrito num cartão e pregado sobre a sua mesinha de estudos. “Vou dormir no quarto da Selena. Katie.” Na primeira vez em que o leu, não acreditou. Depois leu de novo e imaginou o pior. Katie ficou tão chateada com o que eu disse que não que nem me ver mais. No bilhete ela não dizia: “Venha pra cá também”, nem “A gente se encontra amanhã, no café da manhã”. Também não deu nenhuma outra indicação de que não estava zangada com ela. Katie ‘tá fazendo uma mudança total nela mesma, no cabelo e nas roupas. Será que ‘tá querendo dar a entender que quer mudar de “melhor” amiga também? Sentiu lágrimas nos olhos e uma sensação de solidão que não pensara que iria experimentar ali na Universidade Rancho Corona. Quando estava na Suíça, sentira solidão muitas vezes, pois estava distante de casa e de seus amigos mais chegados. Contudo nunca pensara que iria passar o mesmo ali, já que estava “em casa” e junto com os amigos queridos.

Ficou a debater consigo mesma se deveria ligar para o quarto de Selena ou iria lá para acertar tudo com Katie. Suas emoções já estavam à flor da pele e ainda por cima tinha de tomar essas decisões. Isso a deixou exausta. Concluiu que era melhor não tentar nenhum gesto heróico nessa noite. Iria dormir, pensar no problema, orar sobre ele e decidir se poderia ter uma conversa com Katie pela manhã. Na manhã seguinte, assim que chegou à cantina, às 7:30h, viu Ted a esperá-la e ficou muito alegre. Ele a recebeu com um beijo na testa. - Liguei pra você ontem à noite, mas ninguém atendeu, disse o rapaz. - Ah, e eu não verifiquei a secretária, replicou Cris. Provavelmente você ligou na hora em que eu estava na lavanderia e fiquei assistindo a um filme. Os dois entraram na fila do bandejão e foram adiantando-se bem devagar. Cris não estava com fome, mas mesmo assim forçou-se a pegar algo para comer. Sabia que precisava se alimentar, já que não comera nada na noite anterior. Ted conduziu-a para uma mesinha perto da janela. Nela havia duas cadeiras e ele as virou para ficarem olhando lá para fora, de costas para os outros estudantes. - Conseguimos consertar a “Kombinada”, explicou ele, depois que os dois oraram. - Ótimo! exclamou Cris. - É, disse o rapaz, graças ao Mark. Ele tem muita habilidade pra mexer com carros. Ah, ele concordou em me ajudar a organizar a viagem missionária para o México. - Que viagem missionária? - Oh, ainda não lhe contei, né? Ontem, durante o almoço com a liderança da igreja, eu mencionei pra eles que gostaria de fazer uma viagem ao México com alguns jovens. E eles concordaram. Estou pensando em ir no feriado de Ação de Graças. Você quer ir também? concluiu ele, dando uma mordida num pãozinho. - Quero!

Ted parou de mastigar. Engoliu o alimento e olhou para Cris. - Oh, que decisão rápida! - É... foi mesmo! Imediatamente Cris entendeu que sua prontidão para decidir se deveu ao fato de estar se sentindo solitária. Naquele mento, qualquer convite para ir a algum lugar ou fazer qualquer atividade com os amigos lhe interessava. - Acho que ontem à tarde acabei fazendo com que a Katie ficasse com raiva de mim, disse, e em seguida comeu uma garfada de ovos mexidos. - Que foi que aconteceu? Com algumas frases curtas, Cris explicou ao namorado que tinha dado uns conselhos “indesejados” para a amiga. Por causa disso, a outra fora dormir no quarto de Selena. - Puxa, só conseguimos ficar no mesmo quarto uma semana! Por que não fiquei de boca fechada? Pela expressão de Ted, dava para perceber que ele não concordava com aquela avaliação pessimista de Cris. - Não se julgue de forma tão dura, disse ele. Pelo que diz, parece que falou a verdade em amor. Pode ser que demore um pouco pra essa verdade “se entranhar” no coração dela. Mas creio que tudo que disse foi muito franco e muito valioso para ela. No fim dará tudo certo. Você vai ver. Cris abanou a cabeça. - Sei não. Ainda bem que não fiz algo que estava planejando. Tinha pensado em arranjar pra sairmos juntos, Katie e Mark e nós dois. Creio que ela não iria gostar. Mas pedi que ela fosse jogar beisebol no meu lugar, pra ficar perto dele. Ainda não sei o que aconteceu. - O Mark não foi jogar, não, informou Ted. Ele foi me ajudar a consertar o carro. - Ah, não! Então ele e a Katie ainda não se entenderam. Eu tinha esperança de que eles

pudessem recomeçar o relacionamento ontem. Ted deu um sorriso bastante significativo. Era impossível não perceber. - O que foi? indagou Cris. Qual é a graça? - Você, replicou ele. Lá está você outra vez com aquela sua mania de “vamos salvar o mundo”. A jovem largou o garfo no prato. - E o que você quer dizer com isso? Ted colocou a mão sobre a dela. - Não fique nervosa, não, continuou ele, ainda rindo. Fica muito bonitinha quando está assim. - Bonitinha! disse Cris, sentindo o rosto avermelhar-se. Ted continuou a fitá-la com um jeito alegre. - É... bonitinha. Parece que você não tem muitos problemas seus pra resolver e então fica querendo solucionar os do mundo todo. Sempre percebo quando ‘tá preocupada com a destruição da camada de ozônio. Você fica com essa ruguinha torta na testa, bem aqui, disse ele passando o dedo de leve na testa dela e rindo. Para surpresa de Cris, ela também começou a rir. - Puxa, mas estou tão mal assim? - Não, você ‘tá interessada, replicou Ted. Isso não é errado, desde que não leve esse seu impulso ao extremo, claro. Aliás, essa é uma das muitas qualidades suas que admiro. Ouvindo a voz calma do rapaz e seu cuidado carinhoso, Cris sentiu que se tranquilizava. Começou a ter mais apetite e pegou três pedaços de linguiça do prato dele. Afinal ele reclamou: - Ei, vá lá e pegue mais pra você! - Não, obrigada! replicou ela com um sorriso maroto. Agora estou satisfeita.

Os dois saíram da cantina de mãos dadas. Ele a acompanhou até a sala onde ela teria a primeira aula - Introdução ao Estudo do Antigo Testamento - e eles pararam à porta. Outros alunos iam entrando apressadamente. Ted passou a mão sobre o longo cabelo dela, que estava trançado, e disse em voz baixa. - Na ka Makua-O-Kalani, e malama mai ia makou. Cris fitou-o, esperando uma explicação. Parecia uma língua havaiana, mas nunca o ouvira dizer aquilo antes. Ele também parecia meio surpreso de ter falado tais palavras. - Puxa! Nem acredito que ainda me lembro disso! - O que foi que você disse? quis saber Cris. - É uma oração que o Lani fazia todos os dias pela manhã, antes de eu sair pra escola, explicou ele, com o olhar meio vago, imerso em sua recordação. - Vou trabalhar na livraria até às 3:00h, informou Cris. Estava ficando meio incomodada ao perceber que a sala estava se enchendo rapidamente. - Se você puder, vá se encontrar comigo lá, concluiu. Queria saber quem era Lani e o que aquelas palavras significavam, mas deixaria para quando tivessem mais tempo. A sala era grande, mas agora restavam apenas poucos lugares no centro dela. Essa matéria, bem como Introdução ao Novo Testamento, era obrigatória para todos os alunos do curso de graduação. Cris então achou que muitos calouros iriam fazer essa disciplina. Sentou-se e logo depois avistou Selena numa das primeiras cadeiras, com alguns de seus amigos. Ao lado de Vicki havia um lugar vago, mas, como a aula já se iniciara, ficou meio sem jeito de se levantar e ir para lá. Apesar das palavras de incentivo que Ted lhe dissera, dando-lhe a confiança de que iria se acertar com Katie, não estava a fim de encarar Selena. É que sua colega de quarto provavelmente dissera à outra e às suas amigas que Cris era

insensível. Assim que a aula terminou, ela deu uma corrida rápida ao prédio da administração para marcar uma entrevista com seu orientador. O primeiro horário vago dele seria no dia seguinte, às 10:00h. Marcou então para essa hora, decidida a resolver qual seria sua especialização e a organizar todo o seu horário de classe antes do final da semana. Dirigiu-se para a livraria, e chegou ali no exato momento e que Donna ia entrar na loja carregando uma caixa. Cris adiantou-se e abriu a porta para ela. - Obrigada, Cris, disse a outra. Você chegou cedo. Que bom! Já lhe mostrei como marca o ponto no computador ao pegar serviço? - Não. - É, achei mesmo que não tinha mostrado. Vamos lá. Vou ajudá-la a fazer isso. Donna dirigiu-se ao fundo da loja, e Cris acompanhou-a. Ali ela ensinou-a a “entrar” no seu cartão de ponto e digitar sua senha. Automaticamente o aparelho fazia o resto. Ao lado dele, estavam caixas de livros didáticos, e sobre elas, um etiquetador. Logo Cris se recordou do tempo em que trabalhara numa pet shop em Escondido. Só que, ali, ela passava horas marcando preços em comida para peixes e brinquedos de borracha para gatos que tinham cheiro de pneu velho. O cheiro de tinta e de papel que vinha daqueles livros era bem melhor. - Estas três caixas aqui, continuou Donna, contém o mesmo livro. Então, primeiro, você vai marcar estes, e depois aquelas quatro caixas ali, cujo preço é $15,95. Já trabalhou com um etiquetador? Cris fez que sim e lhe falou sobre a loja de animais onde estivera. - ‘Tá bom. Assim que terminar, avise-me e vou lhe explicar sobre a caixa registradora. A jovem ficou satisfeita ao ver que seu serviço inicial seria algo bem simples. Gostava de se sentir produtiva e de avaliar o andamento das tarefas. Quando terminou, foi para o caixa, onde a chefe se encontrava.

- Já acabou? perguntou Donna ao vê-la aproximar-se. A fila de alunos aguardando para pagar os livros estava bem longa. - Creio que marquei todas as caixas que você indicou, replicou Cris. - Ótimo! exclamou a outra. Pode acreditar! Você é a resposta para as minhas orações. Então agora fique observando como eu faço aqui no caixa e depois vem fazer o mesmo. Cris observou que o computador e o sistema de cartões de crédito ali eram bem semelhantes aos da pet shop onde trabalhara. Então, depois que Donna fez umas três vendas, ela assumiu o lugar dela na registradora. Em seguida, simplesmente continuou a registrar as vendas mecanicamente, como se estivesse acostumada a fazê-lo a vida inteira. - É, você aprendeu direitinho, comentou Donna. Agora vou estocar alguns livros, depois volto aqui pra abrir o outro caixa. Se tiver algum problema ou agarrar aí, é só me chamar. Cris não sabia bem por quê, mas o ato de trabalhar ali, de usar as mãos para realizar uma tarefa, lhe dava um forte senso de bem-estar. Por alguma razão, quando conseguia fazer algo, o mundo lhe parecia mais iluminado. Nesse momento, compreendeu que iria gostar muito de trabalhar na livraria. Será que seria bom eu me especializar em Literatura par caso de acabar trabalhando numa livraria? E com uma parte de sua mente, imaginava, numa atmosfera bem romântica, como seria bom se ela e o Ted se casassem fossem morar numa casinha bem aconchegante num lugar qualquer. No fundo, teriam uma horta, e na casa, uma lareira de lenha mesmo. Ela poderia fazer biscoitos para os jovens do grupo de adolescentes da igreja que teriam uma reunião ali toda sexta-feira à noite. Todos os dias, pela manhã, ela pegaria sua bicicleta - como a que costumava pedalar na Suíça - e iria até sua livrariazinha. Ali, às 10:00h, teria uma hora de leitura de histórias para crianças. Depois teria clientes, vindos de todas as partes da redondeza, para folhear seus livros. Ela lhes serviria chá com biscoitos - o chá de Katie, chamado “Verão

Indiano”, isto é, se ela aperfeiçoasse a receita. Por volta de duas horas, porém, já não estava conseguindo mais ter uma visão tão romantizada de uma livraria. Até aquela hora ainda não havia almoçado e seu estômago começara a reclamar “em voz alta”. A fila de alunos que compravam não diminuíra. A certa altura, o computador ficou “fora do ar” por meia hora e ela teve de contabilizar os cartões de crédito na maquininha manual. Vendo mais estudantes entrarem na loja, Cris teve vontade de dispor de um tamborete para se sentar ou, pelo menos, de um tapete mais grosso para descansar os pés. Então se deu conta de que, na fantasia que criara havia pouco, imaginara-se casada com Ted. Fora uma dedução natural, uma base lógica e agradável para seus pensamentos. Nesse momento, sentiu uma intensa sensação de esperança. Se estou colocando o Ted em meus devaneios com tanta naturalidade é porque o amo muito, e tanto que desejo me unir a ele pelo resto da vida. Preciso conversar com a Katie sobre isso. Assim que pensou na amiga, porém, seu ânimo se descaiu bastante. Isto é, se ela não estiver de mal de mim. Nesse instante, estava atendendo a uma aluna que usava um aparelho auditivo. Quando lhe falou o total da compra, a jovem deu um suspiro de alívio. Os livros tinham ficado mais barato do que ela pensara. Foi então que Cris percebeu que a maioria dos volumes que estivera vendendo ali era de usados, que ficavam numa prateleira aos fundos da loja. Aí compreendeu que talvez ela própria devesse ter pensado melhor e ter comprado seus livros, antes que esses mais baratos acabassem. Essa era uma despesa que não teria muita satisfação em fazer, pois comprometeria bastante o seu saldo na poupança. Às 3:00h, bateu o cartão de ponto no computador e outra estudante ficou em seu lugar. Foi ao fundo da loja examinar as estantes de livros usados. Encontrou três dos que iria

precisar. Para comprar os restantes, teria, primeiro, de resolver qual seria sua especialização para saber sobre as disciplinas que faria e pegar a lista dos compêndios. Saiu da livraria carregando os livros, aliás bem pesados, e foi em direção ao dormitório dos rapazes para ver se o Ted estava lá. Entrou no prédio. No saguão, viu um aluno sentado num sofá e lhe perguntou como faria para ligar para um dos quartos. O rapaz apontou para os telefones que havia no corredor. Ela ligou para o namorado, mas ninguém atendeu. Um fato que a incomodava numa faculdade evangélica bem conservadora era isso: dormitórios separados. Na Suíça, os dormitórios eram mistos e tanto os rapazes como as moças podiam transitar à vontade pelo prédio. É verdade que sempre havia a possibidade de não poder ficar sozinha no quarto, isto é, se uma das colegas levasse o namorado para lá. Contudo isso só ocorrera uma vez. Na maior parte do tempo, era ela que estava no aposento. Então eram as colegas que tinham de sair para ir para o quarto dos rapazes. E ontem à noite fiquei sozinha de novo, pois minha colega de quarto foi dormir em outro lugar. Deixou um recado conciso para o Ted, avisando que estaria em seu quarto até às 5:00h. Nessa hora, iria sair para jantar, pois queria comer mais cedo. Depois teria uma aula de 7:00h até às 9:00h da noite. Atravessando o campus com um andar cansado, pôs-se a resmungar sobre a distância entre o dormitório dos homens e o das mulheres. A cada passo, os livros que carregava pareciam mais pesados. Em Basiléia era mais fácil, pois todos os prédios eram numa área só. Que coisa mais ridícula colocarem os dormitórios tão distantes um do outro e estabelecerem tantas restrições! Quando já ia deixando para trás a “Selva”, escutou alguém correndo atrás dela. - Ei, bonitinha, por onde tem andado?

Com um sorriso brincalhão, ela se virou e indagou: - Onde você tem andado? Ted também estava com vários livros debaixo do braço e tinha o rosto vermelho, como se estivesse praticando algum exercício físico. - Fiquei um tempão “amarrado” com meu orientador, explicou. Quando cheguei à livraria, sua chefe me disse que você havia acabado de sair. - Parece que já comprou todos os seus livros, comentou Cris. - É, concordou ele, faltam só dois. O rapaz pegou o braço dela e foi levando-a em direção à porta do café. - Está com algum dinheiro aí? perguntou. - Estou. Tenho uns cinco dólares. - Ótimo, continuou Ted. Estou sem nada. Que tal você me pagar um refrigerante? A maioria das mesinhas do recinto estava ocupada. Havia só uma vazia. Os dois largaram os livros em cima dela e compraram salgadinhos e algo para beber. Gastaram quase todo o dinheiro de Cris, que ficou apenas com três centavos. - Já acertou seu horário de aulas? quis saber Cris. Ele deu um sorriso. - Isso significa que a resposta é “Já”, comentou a jovem. - Vou poder terminar o curso em dezembro, explicou ele. - É mesmo? Ted acenou que sim, com um ar muito satisfeito. - Você tinha razão quando sugeriu que eu fizesse aquelas duas disciplinas nas férias, depois que voltei da Europa, continuou ele. Foi isso que me ajudou. - Ué, não me lembro de ter lhe dito pra fazer matérias nas férias. - Ah, ‘tá certo. Foi a Katie. Ela conversou comigo no avião, quando estávamos

voltando, e me convenceu. Ela disse, inclusive, que iria fazer algumas também, mas é claro que não fez. - Ela trabalhou as férias todas, explicou Cris. É por isso que agora ela ‘tá folgada e pode passar mais tempo com os colegas, enquanto eu tenho de trabalhar o tempo todo. - E aí? indagou Ted. Como foi seu primeiro dia no serviço? Dessa vez foi Cris que respondeu apenas com um sorriso. - Isso significa que a resposta é que gostou. - Gostei tanto, que até me imaginei tendo uma livraria algum dia, replicou ela. Contudo resolveu não contar sobre a parte de seu devaneio em que se vira casada com ele, e sentada juntinho dele diante de uma lareira de lenha. - E com uma hortinha... acrescentou. - Essa hortinha seria na loja? indagou Ted. Você visualizou a horta na frente ou nos fundos dela? Ou dentro? - É, respondeu a jovem, tentando fugir de uma resposta específica. Qualquer uma delas. Você não acha que seria muito gostoso ter uma hortinha? O rapaz fitou-a meio duvidoso. - E uma lareira de lenha? insistiu Cris, arriscando-se a abrir um pouco mais do seu mundo imaginário e desejando que ele gostasse daquela parte de sua fantasia. Você gosta de lareira? Ele recostou-se mais na cadeira e perguntou: - Bom, essa lareira seria na horta ou na loja? - Ah, deixa pra lá, replicou Cris, sentindo que sua conversa não estava adiantando nada. Esses devaneios, é melhor a gente nem conversar sobre eles, acho. Ted apertou de leve a mão dela. - Gosto de lareira, sim, disse. E gosto de você. Gosto de ouvi-la falar de seus sonhos

também. Quanto à horta... sei não. Mas sei que gosto de você. Cris sorriu. Vamos lá, Cris. Diga o que ‘tá pensando. Diga: “Eu te amo, Ted!.” Diga isso bem aqui na “Selva”, com uma porção de gente em volta. Levante-se e grite isso bem alto. Ela abriu a boca, mas o que disse foi: - Gosto de você também. Ted sorriu. - E eu gosto muito de você, confessou. - Também gosto muito de você, repetiu Cris. - Mas eu gosto mais, insistiu o rapaz. - Não, eu gosto mais. Ted inclinou-se para diante, aproximando-se dela, e fitou-a com uma expressão calorosa nos olhos azuis. - Eu a amo, Kilikina! Cris ficou paralisada. Não conseguia abrir os lábios. Não se sentia capaz de soltar essas palavras. Do seu coração, saiu apenas uma lágrima que lhe correu pelo rosto. Ainda segurando a mão dela, Ted arrastou a cadeira para ficar mais perto. - Não precisa dizer nada, Cris, continuou ele num tom de voz tranquilo e carinhoso. Não quero que se sinta pressionada a me dizer isso. Nunca. De modo algum. Apenas deixe que eu a ame, o.k.? Chegou-se para mais perto e beijou-lhe a ponta do queixo, no lugar onde a lágrima parara. - Apenas deixe que eu a ame.

8
Cris e Ted passaram o resto do dia juntos. Primeiro foram cada um ao seu quarto para guardar os pesados livros. Depois jantaram na cantina e, em seguida, o rapaz foi levar a namorada até a sala de aula. Às 9:00h, ao fim do período, ele já se achava ali, a postos, para acompanhá-la. Como já haviam combinado antes, foram à biblioteca para ver o horário de aulas dela. Sentaram-se bem juntinhos num sofá, no saguão da biblioteca, e foram lendo o nome das disciplinas e a hora das aulas de cada uma. Cris foi anotando tudo num bloco e se sentiu bem. Mais relaxada quando viu tudo no papel. Agora podia planejar suas atividades e ver o que poderia fazer. Ted terminou a leitura de todas as disciplinas necessárias para ela se especializar em Literatura Inglesa e disse: - Então é isso. Agora quer ver as matérias de Ciências Humanas também? Cris fez uma continha num canto da folha. - Não, replicou. Estou cada vez mais convencida de que quero mesmo fazer Literatura. Combina mais comigo. É mais específica do que Humanas. É como você falou hoje de manhã. Eu já tenho essa tendência de querer “salvar o mundo”. Se fizer Humanas, vou ficar ainda mais envolvida nessa direção. Pra mim seria o mesmo que voltar para aquele orfanato de Basiléia. Assim que Cris estava com tudo ali, na ponta do lápis, ficou a olhar para o papel. Agora só precisaria fazer todas aquelas matérias para tirar seu diploma de bacharel em Literatura Inglesa. Parecia que não era muita coisa. E agora pelo menos já tinha uma orientação clara a

seguir. - Creio que Literatura é um bom curso pra você, comentou Ted examinando os cálculos que ela fizera, principalmente se pretende um dia ter uma livraria. Isso aí é a soma total dos créditos? Será que dá pra fazer tudo em dois semestres? Cris acenou que sim. - Foi o que o orientador me disse, replicou. Mas eu quer ver por mim mesma. Então, posso terminar em maio do ano que vem. Nesse momento, Ted deu um suspiro fundo. Parecia ter mergulhado de cabeça num ponto bem profundo de seu ser. Cris tinha certeza de que, quando voltasse à tona, traria na mão algum “tesouro” encontrado ali. E depois de dois minutos de meditação, ele voltou de seu devaneio. E com outro demorado suspiro, disse: - O.k., O.k.? É só isso que tem a dizer? O.k.? Aonde é que você foi? O que foi que viu lá, nesse lugar profundo? Ela compreendeu que Ted não iria dizer nada. E também ele não tinha motivos para dizer. Ela ainda não lhe dera a esperada “senha”, pela qual ele abriria o “cofre” do coração dela, para guardar nele os tesouros que tinha para lhe dar. Contudo sabia bem o que ele estava pensando, pois em sua cabeça passavam as mesmas idéias. Aí poderemos nos casar, não é, Ted? E a Katie não estava tirando conclusões apressadas, como achei que estivesse; certo? Estamos mesmo na reta final. Só falta eu dar minha palavra. Tenho de resolver. Mas antes preciso ter certeza de tudo, e você compreende isso, não compreende? - Então, agora ‘tá tudo pronto pra entrevista com o orientador amanhã? indagou Ted. -‘Tá.

- Ótimo! E você vai me esperar, não vai, Ted? E não importa o quanto eu demore pra decidir, seu amor por mim já está bem firme. Bom, acho melhor ir para o quarto, disse Cris, sentindo-se perturbada com a intensidade dos próprios pensamentos. Se a Katie estiver lá, preciso acertar tudo com ela. Ted acompanhou-a até a porta do dormitório e deu-lhe um carinhoso abraço. - Sonhe com os anjos! murmurou bem perto de seu ouvido. - Você também! respondeu a jovem. Ficou a olhar o rapaz que se afastava. Tinha a impressão de que os dois estavam ligados por um longo fio invisível, cuja ponta se achava fixado em seu coração. A cada passo que ele dava, o fio se desenrolava um pouco mais. E se alguém ou algo ameaçasse cortar aquela linha, ela iria lutar com todas as forças para manter a ligação. Disso tinha certeza. Ela e Ted estavam ligados um ao outro. Forte, profunda e maravilhosamente ligados. Chegando ao quarto, viu a colega sentada no pufe, com lágrimas a lhe escorrer pelo rosto. - Katie, o que foi? - Veja isto aqui, replicou a outra, estendendo-lhe uma carta. Cris pegou a folha de papel da mão da colega. Era uma carta escrita à mão. Foi direto olhar a assinatura. - Rick? O Rick Doyle escreveu pra você? Katie fez que sim e limpou o rosto molhado. - Está pedindo perdão, explicou antes que Cris começasse a ler. Nestas férias, ele acertou a vida com Deus, e ‘tá pedindo desculpas por não... como é mesmo que ele diz? Por não ter me tratado com todo o respeito. Cris leu rapidamente o primeiro parágrafo.

- Aqui diz: “Encontrei com o Douglas outro dia e ele me disse que você e a Cris vão estudar na Rancho Corona este ano...” - Continue, interpôs Katie. Cris leu o segundo parágrafo em voz baixa e disse: - Ele ‘tá pedindo que você lhe perdoe por ter agido como um “safado” e não tê-la tratado com a dignidade e respeito que merecia. - Dá pra acreditar numa coisa dessas? exclamou Katie. Nunca pensei que algo assim fosse acontecer! Lembra que ontem mesmo eu estava dizendo que, se um dos caras que haviam me magoado me pedisse perdão, seria mais fácil perdoar? Cris acenou afirmativamente e se sentou na beira da cama da colega, que estava desarrumada. - Isso é uma “coisa de Deus”, e é a mais estranha que já vi, continuou Katie. Ontem fiz aquela grande declaração e hoje, quando vou pegar minha correspondência, vejo esta carta do Rick. A princípio, achei que era uma brincadeira, mas... leia a parte final aí. - “Nestas férias, eu finalmente entreguei minha vida totalmente a Cristo. Agora ele é real para mim, muito real mesmo. Então quero acertar tudo com você, Katie. E você não precisa responder. Sei que Deus já me perdoou. Espero que também me perdoe.” Cris ergueu o olhar para a amiga. - Parece que ‘tá sendo sincero, comentou. Katie concordou com um aceno de cabeça. - Cris, também tenho de lhe pedir perdão. Estou falando sério. Ontem eu não devia ter saído daqui bufando, como saí. Tudo que você me disse era verdade. Só que eu não estava querendo ouvir. A jovem correu para a amiga e abraçou-a. - Sou eu quem precisa pedir perdão, disse. Fui muito insensível, Katie. Me desculpe. Eu

devia ter ido ao quarto da Selena ontem pra gente acertar aquele desentendimento. - Não, eu precisava de tempo pra pensar naquilo tudo. Demorei um pouco pra enxergar que você tinha razão. Preciso mesmo começar a perdoar aos outros, e perdoar totalmente. Havia até resolvido que hoje à tarde iria principiar esse processo perdoando ao Rick. Escolhi o Rick porque foi ele o que mais me magoou. Então, depois do jantar, fui lá na igrejinha e orei. Aí chegou isso, explicou ela apontando para a carta que estava na mão de Cris. Ela acabou de me derrubar. Quero dizer, o Rick Doyle ‘tá me pedindo perdão. Então, que é que estou fazendo ao evitar me encontrar com você? Nós duas formamos uma boa dupla, Cris. Esperamos tanto tempo pra sermos colegas de quarto, e logo na primeira semana em que estamos juntas, eu crio essa confusão toda... - Você não criou confusão nenhuma, Katie, interpôs Cris. Apenas ficou um pouco fora de si, foi só isso. Sempre que nós nos irritarmos uma com a outra, vamos conversar e acertar a questão. Seja qual for o motivo. - Você ‘tá certa, concordou Katie. Em seguida, levantou-se e pegou a carta. Dobrou-a e guardou-a dentro da Bíblia. - Você foi verificar sua caixa de correspondência hoje? Indagou. - Não; por quê? - Será que o Rick não escreveu pra você também? - Pra mim? - É; pra você. Quando vocês estavam namorando, ele também não a tratou com muita dignidade. - Ah, mas eu e ele já resolvemos tudo naquela época mesmo, explicou Cris. Acho que ele não tem motivo algum pra me pedir perdão. Quando estávamos juntos, não agi com muita sensibilidade pra com ele, não. Às vezes tenho a tendência de ficar muito tensa com respeito a tudo, e só enxergo os fatos pelo meu ponto de vista.

Katie deu um sorriso bastante significativo. - Na verdade, disse, pensando bem, todos nós somos basicamente egocêntricos. É por isso que precisamos de um Salvador. O professor Mitchell já disse isso na classe de Antigo Testamento? Ele vivia repetindo essa frase no ano passado. Quando estávamos estudando sobre aqueles personagens do Antigo Testamento que cometeram tantos erros, ele sempre dizia: “Mais uma vez estamos vendo que é por isso que todos precisamos de um Salvador” Cris sorriu. Pensou em Rick e se recordou do versículo de João que diz que aqueles que crêem em Cristo e o recebem conquistam o direito de se tornarem filhos adotivos de Deus. Agora o Rick se tornou de fato filho de Deus. - Você ‘tá pensando no Rick, não ‘tá? - Como foi que adivinhou? - Também estava pensando. Agora, ele, que era “posudo”, é um salvo de verdade. - Onde arranjou essa palavra? O que é “posudo”? Ouvi o Ted falando isso na mensagem para os jovens, na igreja. - É... estou vendo que você ficou muito tempo fora daqui, comentou Katie. A primeira vez que ouvi essa palavra foi em relação ao surfe. O “posudo” é uma pessoa que age como se soubesse surfar, mas nunca sobe na prancha. Sabe como é? Ele põe adesivos sobre surfe no carro. Veste camisetas com frases sobre ele. Conversa sobre a altura das ondas que viram na semana passada, mas nunca surfam. Apenas querem que todo mundo pense que eles praticam o esporte. - E você acha que o Rick era assim? Quando a gente estava na escola, ele era um crente “posudo”? - Sei lá. Só Deus é que pode julgar; nós, não. Eu apenas estou admirada de que ele tenha acertado tudo e que tenha escrito pra mim. - E você pretende responder? indagou Cris.

- Ele não mandou o endereço, disse Katie inclinando a cabeça para um lado. Era um gesto gracioso, principalmente porque o cabelo dela estava bem curto e repicado. Deu-lhe um ar alegre, em vez de nervoso, que era a impressão que Cris tinha antes, quando o cabelo era mais longo e pesado. - Mas o Douglas deve saber por onde ele anda agora, continuou ela. Ou eu poderia escrever para o endereço dos pais dele em Escondido. Cris começou a se preparar para deitar, e a amiga ligou seu aparelho estéreo e se pôs a escrever uma carta para o Rick. Quando afinal a primeira acabou de lavar o rosto, escovar os dentes e enfiar-se debaixo da coberta, Katie, que era uma “corujinha”, achava-se plenamente desperta, disposta a conversar. - Escute aqui, disse ela. Veja o que você acha. “Prezado Rick, recebi sua carta e até chorei. É claro que lhe perdôo, seu ‘bobo’. E agora sou eu quem tem de lhe pedir perdão. Na época em que nós nos relacionamos eu também não fui exatamente uma boa crente e uma excelente amiga. Estou tão alegre de saber que Deus está operando em sua vida! Vamos continuar nos correspondendo, o.k.? Amigos para sempre. Katie.” - Katie, você o chamou de “bobo”? - Eu tinha de colocar algo assim, se não ele não acreditaria que fui eu quem escreveu a carta. - Ah, então ‘tá certo, replicou Cris, dando um bocejo. É o seu jeito mesmo e ‘tá bem sincera. - Você não vai dormir ainda não, vai? - Katie, já é quase meia-noite. - Pois eu vou escrever pra todos os meus ex-amores. E quero que você leia todas as cartas. - Amanhã de manhã eu leio.

Cris acabou não lendo. Só foi se lembrar das cartas na sexta-feira, após a primeira semana de aulas. Quando as duas estavam verificando a caixa de correspondência, ela se recordou e perguntou à amiga se ela já as havia remetido. - Mandei só a do Rick. As duas saíram do centro estudantil e foram caminhando em direção à cantina. - Mamãe me deu o endereço dos pais dele e enviei pra lá. As outras não vou precisar mandar pois acabaram sendo uma carta apenas, uma carta bem comprida que escrevi pra Deus, pedindo-lhe que me perdoasse por não ter perdoado àqueles caras. Guardei dentro da Bíblia. E no verso delas, copiei alguns versículos que me falaram muito ao coração. Um deles é aquilo que Jesus disse quando estava na cruz: “Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem”. Esse texto me ajudou muito porque compreendi que a maioria das pessoas que nos magoam nem sabe o que ‘tá fazendo. Cris já ia fazer um comentário sobre o que ela acabara de dizer quando avistaram Mark que vinha correndo em direção a elas. Ela sorriu para ele e disse: - Oi, Mark! Sumiu hein?! Por onde andou durante a semana? Agora é a primeira vez que te vejo! - Oi, Cris! replicou ele com os olhos fixos em Katie. Wesley acabou de me dizer que você é que é a Katie. É mesmo? A jovem fitou-o com um sorriso bonito, cheio de charme. Não era uma expressão típica da Katie, mas combinava com sua nova imagem, mais feminina e sofisticada. - Depende, respondeu. Deve haver mais de uma Katie na escola. Qual das Katies você está procurando? - Bom, não sei o sobrenome dela, explicou o rapaz dando uma olhada para Cris e depois para a outra. - Ah, é? continuou a jovem, “curtindo” aquele momento máximo. E o que você sabe a

respeito dela? - Estou procurando uma Katie que participou do jogo de beisebol domingo à tarde no time que jogou contra o do Wesley. - Ah, então sou eu. - Ótimo, prosseguiu o rapaz. O negócio é o seguinte. Wesley me disse que você ia ficar no lugar da Cris naquele jogo, mas acabou entrando no time da Selena e praticamente sozinha ganhou do nosso grupo. Cris não sabia de nada disso. - Estamos tentando marcar uma revanche pra este final de semana, explicou Mark. Uma melhor de três. Selena falou que você vai jogar no time dela. Eu vou participar desse jogo. Se você puder ficar do nosso lado, nós ganhamos deles facilmente. Como é que eu posso convencê-la a jogar comigo e o Wesley? Katie deu uma olhadela rápida para a amiga e em seguida voltou para o rapaz os olhos verdes muito expressivos. - Depende, falou. Quanto vai me pagar? Cris teve vontade de cair na risada, mas se conteve ao ver a expressão de Mark. - Quanto você quer? indagou ele num tom hesitante. Katie deu uma gargalhada. Cris conhecia bem aquele jeito de rir. Era o riso mais alegre de sua amiga. Era o mesmo que ela soltara nas férias anteriores, em Copenhague, quando as duas tinham saído à procurar a estátua da Pequena Sereia. Ela rira daquela forma também numa outra ocasião. Estava trabalhando como auxiliar de Papai Noel, e usava uma orelha pontuda. Em dado instante, Rick apareceu e elas foram se esconder dele, mas a “orelha” ficava caindo. - Estou brincando, explicou. Mas o Ted me disse que você é ótimo pra consertar um Volkswagen. O meu Buguinho ‘tá com um problema. O painel não ‘tá acendendo. Se

consertar pra mim, talvez eu possa jogar com você e o Wesley. - O que é que é Buguinho? indagou Mark. - Meu carro. É um bugue, mas a mecânica dele é da Volks. - Ah, aquele amarelinho? perguntou o rapaz. Ele é seu? Qualquer dia desses dou uma olhada nele. Onde arranjou aquilo? - Um dos meus irmãos trabalha numa oficina de lanternagem. - Esse tipo de carro é raríssimo em Wisconsin, sabia? Um amigo meu achou um na Internet, e queria comprá-lo, mas estava no México. - O meu está lá no estacionamento lateral. Quer ir lá vê-lo depois do jantar? Cris girou os olhos para o alto e fechou a boca com força para não rir com a faceirice de sua amiga e o entusiasmo de Mark. Pelo visto, os dois finalmente haviam se “encontrado”. - Eu vou lá pra cantina, interpôs Cris. A fila já deve estar começando a ficar bem longa. - Então acho melhor nós esperarmos, disse Mark, dirigindo-se a Katie. Quero dizer, esperar pra jantar depois. Quer me mostrar seu carro agora? Katie saiu andando com ele. Em dado momento, deu uma viradinha para trás e Cris notou que em seu rosto havia uma expressão de felicidade. Cris abanou a cabeça, rindo de sua amiga “maluquinha”. Mark não dera nenhuma indicação de que se lembrava de que Cris lhe apresentara Katie uma semana atrás, dizendolhe que era sua colega de quarto. É verdade que a amiga estava um pouco diferente, com o cabelo cortado e tudo o mais. Estava até usando a saia “indiana”, mais feminina, e uma blusinha muito bonita, pela segunda vez naquela semana. Evidentemente, para o rapaz, essa era a primeira vez que ele via Katie. É um novo começo pra minha querida amiga. Estou gostando muito disso. E agora não há mais os “catálogos” do rancor pra ela carregar! Cris foi direto ao balcão de saladas e se pôs a preparar um imenso prato. Colocou nele

alface, brócolis, cenoura, queijo picado e passas. Tudo “regado” com um molho picante. Quando estava na Europa, sentira muita falta da grande variedade de verduras frescas que se comia na Califórnia. Avistou Ted na mesa ao canto da janela, que passara a ser exclusiva deles e foi para lá. Antes mesmo de se sentar, foi logo dizendo: - Até que enfim, aconteceu! - O quê? - O Mark “descobriu” a Katie, e eu não tive nada a ver com isso. Em seguida, deu todos os detalhes para o rapaz. Ele também pareceu ficar encantado com o fato, tanto quanto Cris ficara. Ted enfiou o garfo no seu prato de alface com ervilhas e depois misturou ali um pouco de purê de batata. Na garfada seguinte, pegou uns pedaços de frango e passou numa vasilhinha com molho de mostarda com mel. - Puxa, você gosta de muita variedade, não? comentou Cris. - Por que diz isso? - Fiquei a semana toda observando como comia. Você come um pouquinho de tudo até acabar. - E daí? - Nunca tinha notado isso antes, explicou a jovem, sorrindo. Estou descobrindo uma porção de fatos a seu respeito e estou gostando. Antes a gente nunca tinha passado tanto tempo junto. Ted pegou mais um pouco do purê e passou no molho. Cris comeu mais de sua salada. Pensou se o namorado havia reparado que ela comia um tipo de alimento de cada vez, e só depois pegava o outro tipo. - Isso a incomoda, eu ficar pulando de um alimento pra outro, no prato? indagou ele. - Não, não. De jeito nenhum. Só mencionei porque nunca havia observado isso antes. - E não incomoda mesmo, não? Com sinceridade?

- Não, repetiu a jovem, tentando entender a expressão dele. E você? Fica incomodado de eu comer um tipo de comida de cada vez? Ted abanou a cabeça. Depois, dando um meio sorriso, disse: - A não ser aquela vez que fez questão de comer tudo em ordem alfabética. Cris deu um tapa nele com o guardanapo. - Eu não fiz isso, não! disse. E durante cerca de um minuto, eles comeram calados. Afinal Ted quebrou o silêncio. - Tenho de lhe confessar algo, disse. Desde aquele sábado, quando conversamos naquela praça, tenho andado tenso. - Tenso? Por quê? - Achei que, depois que lhe contei tudo aquilo sobre minha infância, você ia querer sair correndo, fugindo de mim. - Oh, Ted, não pensei nada disso. Fiquei muito espantada com alguns dos fatos que me contou. Mas a verdade é que você não tem como mudar o passado, nem o modo como seus pais eram, nem as decisões erradas deles. Você não é culpado pelo que eles fizeram. - É; eu sei, concordou ele fixando os olhos nela. Estendeu o braço e alisou o rosto dela de leve, olhando-a como um garoto que acaba de saber que não existem fantasmas. - Então, aquilo que lhe falei não mudou nada? Quero dizer, agora que já sabe tudo que lhe revelei ainda quer aprofundar nosso relacionamento? - Ted, nada do que você me contou vai mudar nada, confirmou ela. Você é do jeito que é por causa do que Deus já operou em sua vida. E, sob muitos aspectos, você é simplesmente incrível. Amo você do jeito que é. - De repente, Cris teve a sensação de que tudo à sua volta ficara imóvel. Puxa, acabei de lhe dizer que o amo?

O rapaz continuava com o olhar fixo nela, aguardando que continuasse. Não parecia surpreso nem satisfeito com a declaração que ela deixara escapar sem querer. Parecia estar esperando algo. É, mas disse que o amo do jeito que ele é. Isso é bem diferente do que dizer que o amo, não é? Cris se sentiu incomodada. Sabia que seu rosto estava se avermelhando. Desviando o olhar, continuou: - Ted, você é maravilhoso exatamente do jeito que é. Pôs outra garfada de salada na boca e ficou a mastigá-la até ficar bem triturada. No dia que eu disser ao Ted que o amo, espero que não seja numa cantina barulhenta, comendo salada com frango. O rapaz não parecia estar nem um pouco tenso como Cris estava. Simplesmente terminou de comer; e esperou que ela acabasse também. Procurando algo para mudar de assunto, a jovem disse: - Você tem algum plano pra dar uma chegada em casa um desses dias? - Em casa? repetiu ele. Ah, você quer dizer na casa do meu pai em Newport? A pergunta dele relembrou-lhe algo que o rapaz lhe dissera: que ele se sentia sempre muito à vontade na companhia dela. Durante muitos anos, ele morara na casa de praia do pai, em períodos alternados. Evidentemente, para ele, ali não era “sua casa”. - Estou pensando que precise visitar meus tios num dos próximos finais de semana, explicou ela. Então, se você for para aqueles lados, me avise porque quero ir com você. - Podemos ir amanhã, se você quiser. Cris achava que deveria ir, mas na verdade não queria. E se o Ted fosse com ela, talvez a Tia Marta contasse ao rapaz o que estava planejando fazer. Assim ela não seria a única a saber e se preocupar com a tia.

- Que hora seria melhor pra você? indagou Ted. - Antes tenho de ligar pra minha tia pra saber se eles vão estar em casa. Ted sugeriu que ligassem do telefone que havia no saguão da cantina. Quando iam saindo, encontraram-se com Katie e Mark que vinham chegando para almoçar. - Veja só, disse Katie. O Mark resolveu o problema do Buguinho. - Quer dizer, então, que você vai jogar no time deles? - Acho que sim, replicou a outra. - E quando é que vai ser o jogo? quis saber Ted. - Domingo às 3:00h da tarde, informou Mark. Quer jogar? Cris notou que o rapaz parecera dirigir a pergunta para o seu namorado, e não para ela. Tudo bem. Ela já tivera sua chance de participar do primeiro jogo. Agora que eles estavam procurando os bons jogadores, não iria “curtir” tanto a partida, como acontecera antes. - Não, replicou Ted. Mas eu estava querendo saber se vocês gostariam de ir conosco a Newport Beach amanhã. - Claro, respondeu Katie. - Faz tempo que eu queria ir à praia, comentou Mark. Antes de ir pra casa nas férias, só fui duas vezes. E fui sozinho e então não sabia direito a que lugar deveria ir. - Ah, quem mora tão perto da praia como nós aqui, tem de aproveitar todas as oportunidades de ir, disse Cris. Ted, você precisa levar o Mark pra surfar. - Você tem prancha? indagou Mark com os olhos brilhando. - Tenho. Quer ir surfar amanhã? No dia seguinte, por volta de 8:00h, a turma toda estava a caminho de San Clemente, a praia mais próxima. Cris não se importou de ver frustrado seu plano de ir a Newport, onde moravam seus tios e o pai do Ted. Iria conversar com a tia uma outra hora. O clima estava perfeito para um dia de outono, e ela estava seguindo para a praia com Ted e seus amigos.

O grupo era constituído de cinco carros. Selena e Vicki, sua colega de quarto, iam com Katie no Buguinho. Ted ia em sua kombi, seguido por Mark, que vinha em sua camionete, levando Peter, seu colega de quarto. Na “Kombinada”, estavam Ted, Cris e mais quatro rapazes. Em cima do carro, levavam também três pranchas de surfe. Wesley ia sozinho pois precisaria voltar mais cedo. Paul, que era “apenas um bom amigo” de Selena, iria encontrar-se com eles lá, já que se achava em sua casa, em San Diego. Ted ia à frente do comboio, seguindo pela Rodovia Ortega. Todas as janelas do carro estavam abertas, e o rádio, ligado no último volume. Era uma estação que só tocava música gospel, e que, segundo ele dissera a Cris, era a única que ouvia ultimamente. Cris dobrara sua toalha de praia e a colocara sobre o banco para amenizar um pouco a aspereza das molas estragadas. Assim a viagem, que duraria cerca de uma hora, seria mais confortável. Estacionaram todos próximos uns dos outros e viram que Paul já os aguardava ali. Cris ficou a observar para ver como ele e Selena se cumprimentariam. Espantou-se ao ver que se olhavam de um modo bem natural. Paul era apenas “um dos amigos”. Aí, porém, se lembrou de como ela também agia de maneira bem natural nos primeiros anos de seu relacionamento com Ted. E fora melhor assim. Dessa forma, a amizade deles pudera se desenvolver em meio aos altos e baixos que aconteceriam depois. Todos se encaminharam para a praia com os braços cheios de pertences. Cris ia andando ao lado do namorado. - Nós temos algumas recordações desta praia, não temos? disse ela. Ted fez que sim. - Uma vez nós terminamos o namoro aqui, bem na hora do pôr-do-sol, comentou ele. Há quantos anos foi isso? Três? Ou foi há dois anos? Foi um dos piores dias da minha vida. - Da minha também, concordou a jovem. E a pior parte pra mim foi que voltamos pra minha casa sem dar uma palavra o caminho todo.

- Pois pra mim o pior foi que me senti obrigado a prosseguir com aquela conversa toda, mantendo aquilo que eu havia falado. Eu havia dito que queria ir morar num lugar bem distante, e você me forçou a fazer isso. Cris parou de súbito. - Você ‘tá dizendo que fui eu quem o obrigou a ir pra Espanha? - Sim e não, replicou o rapaz. Sempre achei que eu queria ir pra Papua Nova Guiné. Acabei indo pra Espanha. Mas foi você quem me forçou a fazer o que eu havia falado. Na realidade, eu queria era ficar aqui e permanecer ao seu lado. Cris nem queria acreditar no que Ted estava lhe dizendo. Soltou a sacola e a toalha de praia na areia, e pôs as mãos na cintura. - Ted, só agora você vem me dizer que, se eu não tivesse falado nada naquele dia que nós terminamos, você não teria ido? O rapaz ficou pensando por uns instantes e depois respondeu: - Provavelmente, não. Sei lá. É difícil afirmar agora. - Puxa, como nossa comunicação um com o outro era péssima! - Espere! Não estou falando que as coisas deveriam ter sido diferentes do que foram, disse Ted, colocando no chão sua prancha alaranjada a que ele dera o carinhoso nome de “Naranja”. - Você ‘tá dando a entender que fui a culpada de você ter ido embora, pois eu disse que deveríamos terminar o namoro. - De forma alguma! protestou Ted. Até gostei de termos terminado... - Gostou? Katie aproximou-se deles meio hesitante. - Desculpe interromper, gente. Mas, se vocês vão ficar aí brigando, será que pode me emprestar sua prancha, Ted?

- Pegue, disse o rapaz, quase jogando a prancha na jovem. - Desculpe de novo, continuou ela, mas só mais um detalhe. Cris, você trouxe protetor solar? Cris empurrou a sacola para a colega. - Obrigada. Vou pegar sua toalha de praia também, disse Katie. Vou pôr ali, perto da minha. Quando você quiser, pode vir pegá-la. E com isso, Katie foi saindo de mansinho, deixando os dois perto da barraca do salvavidas, ambos com as mãos na cintura.

9
- Cris, disse Ted com uma leve irritação na voz, você não ‘tá entendendo nada do que estou querendo dizer. Eu creio que foi Deus quem a inspirou pra que terminasse comigo. Isso fez com que eu desse prosseguimento à realização dos meus sonhos. E não me arrependo de nada. Aquele período que passei na Espanha mudou minha vida. E você nem sabia que eu estava lá. Isso foi uma confirmação pra mim, e eu precisava dela. Apesar das palavras dele, Cris continuava irada. Só conseguia pensar no quanto havia chorado por causa do Ted, na saudade que sentira dele, sem saber onde ele estava e por que não lhe escrevia. E ademais não enxergava nenhuma mudança importante em sua vida pelo fato de os dois terem terminado o namoro. - Que confirmação? indagou por fim. Ted olhou para o mar e soltou um suspiro profundo. Em seguida, voltou a fitar Cris. - A confirmação de que não era pra eu ser missionário de tempo integral em alguma ilha tropical, como sempre achei que seria. A jovem se acalmou um pouquinho. Ted já havia conversado com ela sobre isso algum tempo atrás. Ele dissera que só de alguém saber que há uma vaga num campo missionário, isso não significa que ele está sendo chamado para trabalhar ali. O mero fato de se ver uma oportunidade de trabalho no exterior não implica que Deus o está chamando para ir para lá. - Quando estava ali na Espanha, descobri que tenho muita facilidade para trabalhar com adolescentes, ensinando e dirigindo o louvor. Se não tivesse ido lá, talvez não teria enxergado isso. Foi por esse motivo que resolvi mudar minha especialização e estudar Teologia,

pensando na hipótese de ser ministro de jovens. Cris cruzou os braços e olhou para o chão. Seu tênis estava cheio de areia. Nesse momento, pensou que teria sido melhor se o tivesse tirado ou tivesse vindo de sandália. Lembrava-se de que, em Basiléia, usara umas sandálias velhas nos poucos dias de verão que passara ali. Contudo deixara-as por lá mesmo, quando voltara. - É; acho que eu também não teria ido pra Suíça, disse ela lentamente. Depois que você foi pra Espanha, comecei a pensar no que eu queria pra minha vida. Nem sabia se iria fazer um curso superior. E agora, aqui estou eu, já me vendo estudando pra me formar em Literatura. - Sabe o que mais? principiou Ted, relaxando um pouco e aproximando-se de Cris. Se fossemos só nós que tivéssemos de determinar nosso destino, teríamos razões pra ficar aborrecidos com as decisões erradas que tomássemos. Mas Deus também se acha muito envolvido nisso tudo. Tanto eu como você já entregamos nossa vida a Cristo e demos a ele o controle da nossa existência. - É, mas de vez em quando tento pegar de volta esse controle, interpôs Cris, afastando uma mecha de cabelo do rosto. Ergueu os olhos para o namorado. Este tinha uma expressão de ternura. - Então, a única coisa que podemos fazer agora, prosseguiu o rapaz, é olhar só daqui para a frente. Não podemos alterar o passado. - É, concordou Cris. Eu sei. Em vez de ficar perguntando “E se...?”, temos de passar a dizer: “Qual é o próximo passo?” Ted acenou que sim. - E agora quero ser bem sincero. Parece que só eu tenho uma compreensão bem clara do que devemos fazer a seguir. Você ainda tem algumas dúvidas, hesitações ou algo assim. Cris já ia abrir a boca para protestar, mas o rapaz ergueu a mão, pedindo-lhe que

esperasse que ele terminasse de falar. - Pra mim ‘tá tudo bem. Você não precisa tomar nenhuma decisão sobre nós, nosso futuro ou sobre qualquer outra questão enquanto Deus não lhe mostrar tudo com clareza. Eu não vou sumir. Estou aqui e vou ficar bem aqui. Estou confiando em que Deus ira dirigir nossos passos para o caminho desejado. Na hora certa, ele irá nos mostrar qual é o passo seguinte. Cris sentiu uma paz enorme ao ouvir aquilo. Sua preocupação a respeito do seu amor por Ted - precisava saber se ele iria durar a vida toda - foi ficando menor. Na verdade, ela não teria de chegar a essa conclusão sozinha. Deus estava no controle de tudo. O que ela precisava fazer agora era apenas confiar nele e esperar. Dias antes, Ted lhe dissera que o fator mais importante num relacionamento era a confiança. - Tem razão, replicou ela com um leve sorriso. Naquele dia em que estivemos aqui nesta praia e terminamos nosso namoro, Deus estava operando em nossa vida. E continua operando hoje. - Continua mesmo, concordou Ted. O que temos a fazer é só confiar nele. - Muito obrigada por ter me lembrado disso. O rapaz, que estivera com as feições tensas, nesse momento foi abrindo um sorriso. Estava olhando para ela “daquele jeito” - Eu te amo, Kilikina, disse com firmeza. E sempre vou te amar. Cris ergueu-se na ponta dos pés, inclinou-se um pouco para a frente e beijou aqueles lábios que tinham expressado palavras tão lindas para ela. Foi um beijo terno, suave e muito rápido. Assim que eles de afastaram um do outro, os amigos, que haviam se instalado mais perto da água, soltaram gritos de aprovação, batendo palmas. Ted fez um aceno com jeito brincalhão, sorriu e acenou de novo.

- Tivemos nossa primeira discussão em público, disse ele, e praticamente fomos ovacionados. Cris também dirigiu um sorriso para a “platéia” e depois voltou a olhar para o namorado. - Acho que as palmas foram pra nossa decisão de nos beijar e nos reconciliar, em vez de brigarmos de fato, disse. - Concordo plenamente, ajuntou Ted que, em seguida, ergueu os olhos para o céu e continuou: Que bom, Senhor! Nem sempre entendo teus planos, nem sempre concordo com teus métodos, mas gosto muito quando nos das surpresas agradáveis. Cris já estava acostumada a ver o rapaz começar a orar nos momentos mais inusitados. Eles se entreolharam e sorriram. - E agora? indagou o rapaz. Já ‘tá querendo cair na água? - Claro, replicou ela. Com isso, Ted, num movimento rápido, pegou-a no colo e saiu correndo em direção ao mar. Cris se pôs a gritar. - Espere, espere! berrava ela. Vou entrar sozinha! Não quero molhar esta camiseta! Ted não deu ouvidos aos seus gritos. Ela não conseguiu se soltar, e daí a pouco os dois estavam na água. E parecia que aquele era o sinal que toda a turma estava esperando. Num segundo, todos os outros correram para o mar e começar a atirar água uns nos outros, rindo como loucos. Cris observou que Mark estava se divertindo bastante com a brincadeira e que sua principal “vítima” era Katie. Nesse momento, Cris sentiu um pedaço de alga marinha flutuar perto dela. Pegou-o e atirou-o na praia. Detestava a sensação grudenta daquela planta, com seus tentáculos “de borracha”. - Ei, Cris Miller! gritou Mark. Você continua arremessando igual mulher!

Em resposta, ela deu um largo sorriso. Naquele momento, se sentia como mulher... a mulher mais feliz da Terra. É claro que no céu vamos ter dias pra ir à praia, pensou. E tudo vai ser exatamente como ‘tá sendo aqui, como agora. Talvez com uma exceção - a água deverá ser um pouco mais quente. O resto do dia foi marcado por muito Sol, risos, brincadeiras e a deliciosa brisa marinha. Na opinião de Cris, só faltava fazerem uma fogueira ao entardecer e assar marshmellows, e cantar alguns corinhos. No fim, porém, viram que apenas ela e Ted haviam levado agasalhos para vestirem à noite. E todos sabiam que, no outono, à noite, faz bastante frio na praia. Então, como de tardinha já estavam todos friorentos, cansados e com fome, resolveram arrumar seus objetos e voltar para a Rancho Corona. Chegaram ali bem na hora em que a comida da cantina já estava no fim. Comeram o que havia sobrado do jantar. Durante o resto do final de semana, o grupo que fora à praia continuou sentindo um espírito de companheirismo que permaneceu mesmo durante a segunda semana de aulas. Então, no domingo, Ted contou com mais voluntários para o trabalho com os jovens na igreja. Aliás, havia mais gente na liderança do que nos bancos. No início da semana, vários desses colegas foram à livraria dar um “alô” para Cris. O único resultado indesejado do passeio à praia foi que alguns voltaram bastante queimados de Sol. Nessas condições, não seria muito justo fazerem a revanche do beisebol. Assim, a partida foi adiada para o domingo seguinte. Durante a semana, Katie andou de um lado para outro com a mesma energia de sempre. E todas as vezes que chegava ao quarto dizendo que iria treinar de novo com o Mark, no campo de beisebol, Cris dava um sorriso de satisfação. Na quarta-feira de manhã, quando Ted foi acompanhar Cris até a sala de aula, ele repetiu a mesma oração na língua havaiana que recitara uns dias atrás.

- Você ia me dizer o que significa isso, comentou a jovem. - Vamos nos encontrar na praça da fonte, antes de você pegar serviço, replicou ele. Aí vou lhe contar a história toda. Entretanto, quando chegaram ao lugar marcado, ele estava tão cheio de gente que foram procurar outro ponto para se sentarem. Acabaram indo para o saguão do Dischner Hall, o prédio de estudos musicais, onde se acomodaram num sofá. Dali escutavam os sons de um piano que alguém tocava entusiasticamente numa das saletas de estudo. - Acho que nunca lhe contei muito do que se passou conosco quando moramos no Havaí, né? disse Ted. Cris concentrou-se no que o rapaz estava lhe dizendo. Tinha impressão de que essa conversa iria ser uma das mais importantes que teriam. Provavelmente seria tão significativa quanto a que tinham tido naquela praça, uns dias antes. - Já lhe contei que no Havaí morávamos com uma jovem chamada Kapiolani, que era namorada do meu pai? Cris abanou a cabeça, negando. - Ela era de lá daquele lugar. Meu pai gostava muito dela. Eu a chamava de Lani. Era uma pessoa extraordinária. Eu sentia mais liberdade com ela do que com minha mãe. Ela costumava fazer spam* e arroz com molho de teriyaki pra mim e meu amigo Kimo, quando ele ia à nossa casa. Era o prato predileto dele. ___________________
* Spam - um prato feito com carne bem picadinha. (N. da T.)

Cris fez uma caretinha. - Spam com arroz? - É. Uma hora dessas, você precisa experimentar. A primeira vez que ela fez foi um dia

em que eu e o Kimo armamos uma barraca no quintal e dormimos nela, disse Ted, sorrindo ao se lembrar. E ficamos contando histórias de terror, falando de centopéias e menehunes. - Mene o quê? - Menehunes, repetiu ele. São gente pequena, de ficção, que vivem nas ilhas. - Ah, como os duendes? Ted fez que sim e continuou com suas recordações. - No quintal dos fundos, havia quatro plumerias enormes, e Lani sempre punha a flor da plumeria no cabelo dela, que era comprido. Cris sorriu. Ted já lhe dera vários colares havaianos, feitos de plumeria. Ela sabia que ele gostava imensamente do perfume doce daquela flor de cor clara. Agora entendia por quê. Por que será que ele nunca lhe falara sobre a namorada do pai? - Você disse que ela costumava recitar uma oração antes de você ir pra escola. - Ah, é. Na ka Makua-O-Kalani, e malama mai ia makou. - O som das palavras é muito lindo, comentou Cris. O que significa? - Bom, creio que significa mais ou menos o seguinte: “Que nosso Pai celeste tome conta de nós todos”. É uma espécie de bênção. - Ah, quero aprender isso, disse Cris. Continue repetindo pra mim todos os dias, que depois eu também vou dizer essa oração. Ted repetiu a frase duas vezes para a jovem tentar dizer também. - Afinal, o que aconteceu com a Lani? Parece que ela era maravilhosa. Por que seu pai não se casou com ela? Ted ficou em silêncio por uns instantes. Passou a mão na cabeça de Cris, do alto até embaixo, nas costas, alisando o cabelo dela. Fez isso duas vezes, e depois disse: - Sabe a minha prancha de surfe? Cris não fazia idéia do que aquela velha prancha tinha a ver com a conversa que

estavam tendo. - Sei, replicou ela, com um meio sorriso. Já vi sua prancha. - Ganhei da Lani, no meu aniversário de dez anos. Agora Cris entendia por que ela estava tão “surrada”. Antes, porém, que fizesse um comentário nesse sentido, Ted concluiu o que começara a dizer. - Dois meses depois, ela morreu. Tinha câncer no ovário. Após isso, ficamos no Havaí pouco tempo. Meu pai não suportou o sofrimento. Foi aí que nos mudamos pra Newport Beach. E, pelo menos até onde sei, ele nunca mais se apaixonou por ninguém. E também nunca mais voltou lá. - Mas você, já, disse ela. Ted fitou-a, sorrindo carinhosamente. - Já, repetiu ele. E aqui ele se inclinou para mais perto dela, e cochichou ao seu ouvido: - Eu já me apaixonei. A jovem sentiu o rosto começar a queimar. - Eu quis dizer que você já voltou ao Havaí. - Isso também, concordou ele. Ted recostou-se no sofá e apoiou os cotovelos no encosto dele. Estendeu as pernas para a frente, cruzando os pés à altura dos tornozelos. - Acho que, para me curar dessas feridas do passado, tenho de voltar lá e recordar tudo. Já o meu pai parece que resolve essas questões tocando a vida pra frente. Creio que é por isso que nunca conversa comigo sobre esses fatos. Ele não gosta de discutir esses assuntos. E é claro que não falo com minha mãe sobre eles também. Aliás, com relação a esses acontecimentos, ela só sabe que moramos em Maui durante algum tempo. Cris pegou a mão do namorado.

- Mas eu gosto de ouvi-lo falar disso, Ted, comentou. Quero saber mais e mais a seu respeito. Pode conversar comigo a respeito dessas coisas a hora que quiser, principalmente se for falar da Lani. Em seguida, num tom mais cauteloso, concluiu: - Ou de qualquer outra mulher. - Ela é a única, respondeu o rapaz, falando em tom calmo. Cris deu um sorriso. Compreendeu que o namorado ainda não havia “digerido” todos os problemas de sua vida. Naquele momento, entendeu que, quando ele contasse para alguém uma parte da sua historia, só poderia “digeri-la” se confiasse totalmente naquele que o ouvia. E ela se sentia muito honrada de estar ali ouvindo-o. Depois, à medida que os dias e semanas foram passando, Ted narrou a Cris outros detalhes de sua infância. Contou-lhe aspectos de sua vida que nunca falara a ninguém. Nenhuma das revelações posteriores foi tão chocante como as que ele fizera nas duas primeiras ocasiões em que conversaram. Contudo todas elas contribuíram para que os dois se sentissem mais chegados um ao outro. Todas as segundas, quartas e sextas-feiras, eles se encontravam para tomar juntos o café da manhã. Depois Ted a acompanhava até a porta da sala de aula. Ali, ele repetia a oraçãobênção na língua havaiana. Ao final da segunda semana, Cris já a havia decorado. A jovem sentia que o Pai celeste estava mesmo tomando conta dos dois. A vida deles agora chegara a um ponto em que lembrava uma estrada reta. E era assim que deveria ser - sem surpresas. Cris procurava acordar cedo todos os dias, para poder ler a Bíblia e ter comunhão com Deus. Na maioria das vezes, conseguia, mas não em todas. Também se esforçava para chegar à aula na hora, trabalhar todas as horas que havia combinado e manter os trabalhos escolares sempre em dia. Essas práticas simples e rotineiras eram muito proveitosas para ela. Sentia-se

plenamente ajustada, o que acabou se tornando muito importante para a jovem. Percebeu que isso era até mais valioso do que pensara no início. E; no final, Katie foi a grande estrela do jogo de beisebol do domingo à tarde, que aliás teve uma boa platéia. O time dela terminou ganhando do time de Selena por 9 a 5, graças a ela e ao Mark. Os gritos e aplausos da torcida eram ouvidos a uma grande distância. Parecia que ela e o rapaz estavam cada vez mais amigos, mas a jovem ainda se recusava a falar do que sentia em relação a ele. Sempre que Cris lhe perguntava algo, replicava: - Não há pressa nenhuma. Será que a gente não pode ser amigo durante algum tempo sem que os outros logo comecem a perguntar se estamos namorando? Ah! Dá um tempo! Cris achou que aquela nova atitude de Katie, mais auto-confiante e bem menos tensa, combinava bem com sua colega de quarto. Por diversas vezes, viu a amiga andando pelo campus na companhia de outros rapazes, parecendo bem satisfeita da vida. Ted estava cheio de idéias novas com relação ao grupo de jovens. No terceiro domingo que ele trabalhou em Riverview Heights, Katie também foi, junto com Cris e Mark. E havia mais cinco jovens, além dos que tinham ido lá na primeira vez. E como ainda eram poucos, Ted resolveu fazer o estudo com todos eles juntos, em vez de dividi-los em classes. Com isso, Cris também se sentiu mais aliviada, pois teria mais tempo para resolver se pegaria ou não uma classe de meninas. Aliás, até se repreendeu interiormente por ter ficado tão estressada na primeira vez que Ted lhe falara sobre isso. No fim, tudo se ajusta direitinho. Por que estou sempre me esquecendo disso? Ao final da terceira semana de aulas, Ted e Cris foram juntos, de mãos dadas, para o ginásio de esportes, que ficava do outro lado do campus. Ali, todas as sextas-feiras, havia o culto dos alunos. Iam conversando sobre uma excursão que fariam com os jovens da igreja. Estavam planejando ir acampar no deserto no próximo final de semana. - De hoje a uma semana? indagou Cris. Tem certeza de que dá pra acertar tudo em tão

pouco tempo? - Claro, replicou Ted. Afinal, o que há pra acertar? - Tudo. Você já tem as barracas, por exemplo? Quem vai cozinhar? E a permissão do juiz pra eles viajarem? Eles não têm de levar o histórico médico deles? - Já estou arrumando tudo isso. Entraram no ginásio de esportes e foram se sentar perto de Selena e alguns amigos dela, como haviam feito nas duas sextas-feiras anteriores. Katie já estava ali. Cris sentou-se, recordando-se da viagem que fizera nas férias do ano anterior, na Itália, com Ted, Katie e Antonio, um amigo deles. Não tinham planejado nada antes do passeio. Embora não tivessem tido nenhum contratempo sério, ela não poderia dizer que fora uma experiência muito agradável. - Ted, esse passeio não vai ser como o que fizemos na Itália, vai? - Foi uma viagem fabulosa, interveio Katie, entrando na conversa. De que é que estão falando? Do passeio com o grupo da igreja? Já resolveram a data? - No próximo final de semana, informou Cris. Você tem razão. O passeio lá na Itália foi fabuloso. Mas o que quero dizer é que teria sido ainda mais fabuloso se tivéssemos planejado antes e levado alguns objetos que não levamos. - O quê, por exemplo? quis saber Ted. Cris fitou-o com uma expressão de irritação. - Sei lá, replicou ela, num tom de desafio, talvez alimentos e sacos de dormir. Katie riu. - É... realmente, passamos muito frio, não foi? Lembra aquele dia que choveu e a barraca estava cheia de goteira e fomos dormir no carro? - Mas as duas bem que gostaram de comer peixe fresco, não gostaram? indagou Ted. Em resposta, as duas lhe dirigiram olhares ferinos.

- ‘Tá bom, ‘tá bom, disse ele, erguendo as mãos como que se rendendo. Ah, e por acaso, alguma de vocês estaria interessada em me ajudar com os outros detalhes do passeio? - O que é que você já planejou até aqui? perguntou Cris. - Bom, respondeu ele com um sorriso maroto, já marquei a data - no próximo final de semana. Já é um começo, não? Outros estudantes começaram a se aproximar deles. Cris compreendeu que teriam de continuar essa conversa mais tarde. Entretanto prosseguiu pensando no assunto. Pôs-se a imaginar que tipo de comida seria mais fácil preparar num acampamento no deserto. No passeio que haviam feito na Itália, só tinham para comer os peixes que pescavam. Agora queria ter certeza de que não ficassem na dependência do que encontrassem no deserto. Ensopado de lagartixa não era precisamente um prato interessante. Selena veio para junto deles e se sentou atrás de Cris. Inclinou-se para diante e disse: - Sabe que o Ronny vai tocar no culto agora de manhã? Ele formou uma banda aqui com alguns colegas do dormitório. Não é maravilhoso? A garota estendeu o braço e puxou de leve as pontas do cabelo longo e liso de Cris. - Como é que você consegue ficar com o cabelo tão sedoso? Ele é tão lindo! Vamos trocar? Cris riu. - A hora que você quiser, replicou. Eu amo seu cabelo, Selena. Sabe que o meu nunca fica anelado? Quanto mais cresce, mais liso fica. - O que você passa nele? indagou a outra. Quero dizer, que xampu? - O que estiver em promoção. Selena acenou afirmativamente. - É... sei exatamente o que ‘tá querendo dizer, comentou. Pode crer, amiga, ando tão sem dinheiro... Queria não precisar trabalhar neste primeiro semestre, mas acho que vou ter de

procurar um serviço. Sabe se ainda tem alguma vaga na livraria? - Acho que não, mas vou perguntar. - Obrigada, disse Selena. Depois, inclinando-se mais para Cris e abaixando a voz, continuou: - Ah, eu queria lhe dizer uma coisa. Fiquei muito alegre de que você e Katie acertaram tudo. Naquele dia que ela foi para o meu quarto muito aborrecida, comecei até a ficar preocupada. Ela não me disse qual tinha sido o problema, mas saquei que tinha acontecido algo entre vocês duas. Eu costumava me chatear muito com minha irmã, quando a gente estava junta. Cris ficou bastante admirada. Então Katie não comentara com ninguém a respeito da discussão que tinham tido. Isso era um ponto a seu favor. Cris sentiu ainda mais admiração pela colega. - Você e a Katie são exemplos pra mim, continuou Selena. Aliás, acho que você já sabe disso, né? Vocês são o que considero grandes “MDD”. - “MDD”? Quis saber Cris. - É... “mulheres de Deus”, explicou Selena. “MDD”. Vocês se interessam de fato pelos outros. Não sei se já lhes agradeci por terem sido tão legais comigo, naquela ocasião em que nos conhecemos, na Inglaterra. As duas me trataram de igual para igual, embora eu fosse mais nova. Vocês me acolheram bem, de forma que me senti encaixada no grupo. Nunca vou me esquecer disso. Cris sorriu para a garota, que também lhe retribuiu o sorriso. Selena tinha uma expressão tão simples e límpida no olhar! Nesse momento, Ronny e sua banda foram para a frente e ele pediu aos estudantes que se levantassem, para iniciar a reunião. Cantaram três cânticos seguidos, a voz de todos os alunos permeando o ambiente. Cris estava gostando demais do louvor. Fechou os olhos e

deixou que aquele som entrasse por seus ouvidos e chegasse até seu coração. Estava amando escutar a voz grave e forte de Ted misturar-se com a dela, que entoava louvores a Deus. Terminada a terceira música, com o silêncio, Cris até se assustou e abriu os olhos para se sentar. Queria continuar cantando. - Isso dá vontade na gente de ir logo para o céu, não dá? cochichou Ted. Dá pra imaginar como vai ser lá, quando estivermos cantando junto com multidões e multidões nos átrios celestiais. Cris pegou a mão dele e sussurrou: - É mesmo! Deu uma olhada para o lado e viu que Mark estava acabando de chegar. Foi sentar-se numa cadeira vaga que havia bem junto a Katie. Ele também olhou para ela, sorriu e fez-lhe um aceno. A jovem retribuiu o sorriso. Virando-se para fitar o perfil de Katie, notou que a amiga tinha uma expressão mais complexa que a de Selena. Era franca e cheia de energia como a da outra garota, mas Katie possuía uma beleza mais esportiva, por assim dizer. Era bem forte, com um carvalho, mas arredondada e bem definida onde necessário. Seu cabelo, com o novo corte, emoldurava seu rosto como se fossem as pétalas de uma rosa, ligeiramente aneladas. Katie é adulta, pensou. Cris se surpreendeu com esse pensamento. Era verdade! Sua colega, antes com um jeitinho meio de garoto, havia desabrochado. Será que o Mark notara isso? Katie é uma “MD”. Não mais criança; é uma “mulher de Deus”! Voltando toda a sua atenção para o pregador que agora se achava ao microfone, Cris ficou a pensar no quanto gostava de estar ali, na Universidade Rancho Corona. Amava estar sentada ao lado de Ted, cantando junto com ele, cercada pelos amigos de ambos. Pensou que o acampamento que iriam fazer poderia ser bem aconchegante e muito legal também.

Naquela noite, quando se encontrou com o namorado na cantina, ele lhe deu uma lista do que já planejara para a viagem. Nela estavam escritas apenas duas palavras: 1.Carros 2. Barracas. - Já arranjou essas coisas ou é isso que pretende arranjar? indagou. - Que pretendo arranjar, replicou o rapaz. Ele estava com um prato de salada de alface e colocou duas colheradas de ervilhas sobre elas. Em seguida, apertou o centro da alface com a concha do molho de salada e derramou-o nela. Por fim, espetou um pedaço de aipo bem no meio de tudo. - Você arruma o prato de salada da forma mais estranha que já vi, comentou Cris, que preparava o seu costumeiro arranjo de alface, brócolis e cenoura, regados com molho e passas. - “A beleza está no olho de quem vê”, replicou o rapaz. - Como aquele arranjo que você fez ontem no almoço? indagou ela, em tom de gozação. Nunca vi ninguém botar uma camada de picles em cima do feijão e depois jogar ervilha por cima de tudo. - Estava uma delícia! comentou Ted. Eu amo ervilha! - É... já notei! Os dois se encaminharam para uma mesa onde se achavam alguns de seus amigos. - Quer dizer, então, que temos de pôr ervilha na lista de preparativos para o acampamento do final de semana? perguntou Cris. - Ótima idéia! Vamos comprar uma daquelas latas grandes, de dez quilos. Escreva isso na lista. Ervilhas e o que mais? Cris abaixou o queixo e deu uma olhada significativa para ele, com as sobrancelhas franzidas.

- Você ‘tá me pedindo pra preparar o menu e a lista do que vamos comprar? - Ei, eu vou ajudá-la! retorquiu ele. Já temos um item da lista, ervilhas. E ervilha combina com tudo. Que mais você acha que devemos pôr nela? Se o Ted não fosse uma pessoa tão adorável, Cris teria dado um tapa nele.

10
No momento em que Cris e Ted terminaram de comer a salada e a pizza que pediram depois, naquela sexta-feira, já tinham organizado todo o menu. Selena, que se aproximara deles, ajudou-os a calcular a quantidade de alimento que deveriam levar, pois era de família grande. Em sua casa, eram seis filhos. Ted achava que o grupo seria formado por doze pessoas, entre adolescentes e líderes. Já a lista de equipamentos deu um pouco mais de trabalho. Cris começou a desejar que o Mark estivesse ali, pois estava acostumado a acampar com seus familiares. Certamente ele os ajudaria a se lembrar de tudo que precisariam. Entretanto ele não fora jantar na cantina. Katie também, não. Contudo, se os dois tivessem programado algo, sua colega lhe teria dito. Por outro lado, era possível que a idéia de irem jantar fora tivesse sido meio de última hora. Isso acontecia com Katie muitas vezes. Após o jantar, eles resolveram ir à cidade para ver o preço dos objetos necessários para um acampamento, em uma loja de artigos esportivos. - Poderíamos comprar algumas das coisas que precisamos, como um fogareiro, disse Ted, quando já estavam a caminho da loja. Assim já ficaríamos com ele pra nós. - Pra nós? indagou Cris. - É, pra nos, pra mim e pra você. Aí sempre que fôssemos acampar já teríamos um fogareiro. - No momento, não tenho muito dinheiro, comentou ela. E se o dinheiro dele estiver tão curto como o meu, pra que vamos comprar

equipamento de camping? pensou ela. E uma imagem passou por sua mente, como um relâmpago – ela e Ted morando num casebre, feito de folhas de palmeira, na beira de uma praia qualquer. Os seus diplomas de faculdade, que eles poriam em quadros, seriam o capacho da entrada. Ela estaria preparando o café da manhã - ovos mexidos - no único objeto que possuíam: um fogareiro novinho em folha. E ficaria tocando as gaivotas que esvoaçavam por perto. - Tenho algumas economias, explicou Ted. Podemos comprar com esse dinheiro. Isso foi uma surpresa para Cris. - Ué, já recebeu pagamento da igreja? - Não, replicou ele, mas fiz uma poupança e alguns investimentos. Várias perguntas giravam pela mente da jovem. Contudo esperou até terminarem de rodar pela loja para formulá-las. Saindo dali, foram a uma sorveteria, que ficava próxima a um cinema, onde se sentaram a uma mesinha do lado de fora, no pátio cimentado. À tarde, fizera bastante calor, mas a noite estava bem fresca. E então Cris pegara um agasalho de moletom azul-marinho do namorado, que estava no carro, e o vestira. O blusão tinha capuz e era bem confortável. Pensou que, se podia usar uma peça de roupa que era dele e ajudá-lo a comprar um fogareiro, tinha o direito de lhe fazer perguntas sobre sua poupança e investimentos. Ted tomou um pouco de seu sorvete de coco com abacaxi. - Não entendo como você pode mastigar sorvete, comentou Cris. Ela escolhera um sorvete sabor caramelo com chocolate e estava tomando-o lentamente, com uma pazinha. - Se eu fizesse isso, continuou, teria dor de cabeça e de dentes ao mesmo tempo. - Você ainda parece fascinada pelo meu jeito de comer, não? disse o rapaz. Primeiro foi com a salada. Agora é com o sorvete.

Seu tom não era de quem estava aborrecido. Pelo contrário, dava a impressão de estar até meio orgulhoso pelo fato de ela observar esses aspectos da vida dele. - Não, mas já que estamos conversando sobre esses detalhes específicos que não conheço bem, quero mencionar outro fato. Você disse que tem uma poupança e ‘tá fazendo investimentos. - É; tenho procurado deixar um saldo menor em minha com corrente, e pôr tudo na poupança. Cris não tinha muita certeza se entendera exatamente o que ele quisera dizer. Alguns dias antes, estivera pensando sobre aquela sua dificuldade para falar de um compromisso sério com o namorado. Achava que, se ele entendesse que ela estava preparada para dar o passo seguinte em seu relacionamento, iria querer conversar especificamente sobre o futuro dos dois. E caso eles resolvessem se casar assim que se formassem, onde arranjariam o dinheiro? Se o Ted estivesse fazendo planos para o futuro da mesma forma que se preparava para o acampamento, eles estariam “perdidos”. Naquela hora, compreendeu por que ela, intuitivamente, evitara dar o passo de assumir um compromisso. Se aceitasse plenamente a idéia de se casarem e logo depois percebesse que teriam de esperar mais cinco anos para o Ted ter os meios necessários para isso, e até para comprar o anel de noivado, ficaria muito frustrada. - Como é que você, depois de pagar a escola e tudo o mais, ainda tem dinheiro pra pôr numa poupança? indagou ela, falando cautelosamente. - Meu pai ‘tá pagando a faculdade pra mim. Cris abaixou a mão com que segurava a pazinha. - Não sabia disso, comentou. Então, por que no ano passado você trabalhou feito um louco em dois empregos? - Estou me preparando para o futuro.

- ‘Tá? perguntou Cris, sentindo suas esperanças se renovarem. - Claro. A jovem pôs um pouco de sorvete na língua e deixou-o derreter ali. Começou a pensar se essa não seria uma área em que o namorado iria surpreendê-la, por estar cuidando de todos os detalhes. Ela já havia ficado espantada com ele algumas vezes ao constatar que ele possuía uma clara percepção das realidades da vida. - O que você acha? indagou ele. Vamos lá comprar o fogareiro? - Creio que sim, replicou ela. Mas precisamos ver se lá na igreja eles não têm algumas coisas que podemos pegar emprestado. - Já verifiquei, disse Ted. Não têm fogareiro. Podemos pegar na cozinha todas as panelas, pratos e talheres. E depois temos de lavar tudo e devolver em perfeitas condições. Mas eles não têm fogareiro. Nesse momento, Cris notou uma porção de gente caminhando em direção à sorveteria. Evidentemente o filme havia terminado. Achou que certamente alguns alunos da escola estariam entre os que saíram do cinema, e tinha razão. Pouco depois, viu Katie e Mark aproximando-se. - Oi! disse Ted, cumprimentando-os. Tudo bom com vocês? - Foi o pior filme que já vi, disse Katie, num rompante. Mark deu uma risadinha. - O que foi que assistiram? quis saber Cris. - Era algo sobre beisebol, informou Mark. - ‘Tá vendo? Nem lembramos o nome dele, comentou Katie. Foi o Wesley que sugeriu, hoje à tarde, que viéssemos vê-lo. Ele mesmo acabou não vindo. Na hora, achamos que talvez fosse uma boa idéia, mas o filme é péssimo. - Nós vamos ali comprar um fogareiro, disse Ted. Querem ir junto?

Cris teve vontade de rir, mas controlou-se. Seu namorado estava bem empolgado com a “grande” compra que iriam fazer. Seria o primeiro objeto que adquiririam “em parceria”. Isto é, seria o primeiro, se não levasse em conta uma estante de livros que ela comprara uns anos antes, num “bazar de quintal”. Lembrava-se de que, na ocasião, Ted ficara dando voltas com a Kombinada no quarteirão, pois não havia lugar para estacionar. - Vocês vão ao “Galpão da Economia”? indagou Mark. - “Galpão da Economia”? perguntou Ted. Onde é isso? - É um atacadão que tem tudo que é tipo de artigo de liquidação, informou o outro. Lá tem desde móveis de varanda até as coisas mais supérfluas que existem. Se houver fogareiro lá, você poderá achar um num bom preço. Ted logo se animou. - Vamos lá! disse. - Acho que a está hora já fechou. Podemos ir lá amanhã. - Ótimo! concordou Ted. Será que a gente vai achar lá mais alguns objetos da nossa lista para o acampamento? Em seguida, ele contou a Katie e Mark sobre os planos que estavam fazendo para o passeio. - Olha, disse Mark, se precisar de mais gente, posso ir. - Pode contar comigo também, interpôs Katie. O meu “Buginho” gosta muito de um deserto. Você vai falar sobre isso com o grupo no domingo de manhã, né? Ted fez que sim. - Está meio em cima, comentou Katie. Quantos você acham que vão? - Ainda não sei ao certo. - Nos cálculos que fizemos, interveio Cris, vamos levar comida pra doze pessoas. - É melhor aumentar pra quatorze, disse Ted. Creio que não pusemos Katie e Mark na

lista. - Que lista? indagou Cris. - A lista que vamos fazer com o nome de todos os que vão ao passeio. Cris olhou para a amiga com uma expressão de quem diz: “Ah, não!” e falou: - Até o momento, os únicos nomes nessa tal lista são os de nós quatro. - Tudo bem, replicou Ted. Se planejarmos tudo, eles irão. Katie soltou uma gargalhada. - Ted, disse, vou ser boazinha e não fazer nenhum comentário sobre o que você falou, mas bem que poderia... - Que foi que eu disse? perguntou o rapaz, virando-se para Cris. A jovem deu um sorriso, olhando para o seu namorado “tranquilão”, e perguntou: - A que horas vamos ao “Galpão da Economia” amanhã? No dia seguinte, por volta de 8:30h, o quarteto de amigos estava a caminho do “Galpão” na kombi do Ted. Cris fizera uma trança no seu longo cabelo, e amarrara uma bandana azul, que trouxera da Suíça. Sentindo-se no papel de secretária da expedição, estava levando um caderno para fazer anotações. Com dez minutos dentro da loja, já encontraram um fogareiro de acampamento, em perfeito estado e ainda na caixa, pela metade do preço do que tinham visto na noite anterior. Cris riscou-o da lista e foram ver outros itens necessários como lonas, cordas e cadeiras dobráveis. Encontraram tudo de que precisavam e num preço bem melhor do que das outras lojas. Assim que compraram a última peca da lista, a jovem pensou que Ted iria querer ir embora. Contudo o rapaz continuou interessado em comprar. Dava a impressão de estar numa verdadeira “caça ao tesouro”. Vasculhava as caixas de artigos em liquidação e as estantes de mercadorias avulsas ou com defeito. Parecia encontrar alguma utilidade para tudo o que via. Não comprou nada, mas dava a impressão de estar tendo a maior satisfação só de imaginar o

que faria com aqueles objetos, se algum dia os comprasse. Cris se separou dele e foi procurar um pequeno tapete para seu quarto. Achou dois e foi mostrá-los a Katie. - Quer levar um destes? perguntou à amiga. - Não, disse a outra, já gastei demais com este negócio aqui. E assim dizendo, mostrou a Cris três jogos de fronhas, ainda na embalagem. - Sabe que isso deve ser muito velho? indagou esta. - Sei, explicou Katie. Mas não são engraçadinhas? São peças de colecionador. Olhe. Ursinho Pooh, Minnie do Mickey e a Pequena Sereia, o que eu mais gosto. - Mas essa aí não parece nada com a estátua que vimos em Copenhague, comentou Cris rindo. - É quase do mesmo tamanho, replicou a jovem. Agora, sempre que eu quiser, posso dormir e ter maravilhosos sonhos com Lille Havfrue. - É, mas tem de lavar antes, informou a outra. - Sim, Senhorita Limpeza. Vou comprar isso aqui também, continuou Katie, mostrando um aquário de peixinho dourado, que o Mark estava segurando para ela. Custa só 25 centavos. - Pra que você quer isso? indagou Cris. - Ué, pra pôr um peixe, claro. Precisamos de um bichinho no quarto. Cris já ia protestar, mas viu Ted caminhando pelo setor do encanamento. - Ó gente, acho que vocês podem ir pra fila, disse ela. Vou ver se busco o Ted pra irmos embora. Felizmente, foram poucas as torneiras e vedações que empolgaram o rapaz, então sua passagem pelo setor foi rápida. - Você ‘tá curtindo muito tudo isto aqui, não? indagou-lhe Cris, quando os dois já se achavam na fila.

- Desde que eu era menino que não tinha momentos tão agradáveis, explicou ele. Quando a gente morava em Maui, havia ali um “brechó” do Exército de Salvação, que ficava entre minha casa e a escola, a Kam III. Quase todos os dias, quando eu e o Kimo voltávamos da aula, nós passávamos lá e ficávamos olhando os objetos à venda. Era o melhor divertimento que existia para um menino. Nós ficávamos lendo as revistas de história em quadrinhos e brincávamos com os bonecos dos filmes de ação. Havia uma caixa grande cheia deles. Uns caras que trabalhavam lá me ensinaram a consertar os sons e as televisões que chegavam ali. Foi lá que comprei meu primeiro violão. Cris apreciava imensamente o modo como o namorado vinha se abrindo e soltando suas recordações da infância, principalmente as de Maui. A moça do caixa informou-lhes o valor da compra. Cris pegou uma nota dobrada, que estava em seu bolso, e entregou-a a Ted. - Pra que isso? indagou ele. - É minha parte no fogareiro. O rapaz pegou o dinheiro e deu-lhe um abraço apertado. - É, disse ele, se estamos comprando algo em conjunto, devemos estar namorando sério. Durante o resto da semana, Cris sentiu muita satisfação no planejamento e preparação para o acampamento. O único ponto negativo foi que, na quinta-feira, quando iriam comprar os alimentos para o passeio, ela teve de trabalhar. A certa altura, Katie entrou na livraria, com uma das mãos atrás das costas e caminhou rapidamente até o caixa, onde Cris estava fazendo a soma das vendas da tarde. Chegando perto, a colega levantou o braço: era um saco de plástico transparente, com água e um peixinho dourado que nadava nervosamente de um lado para o outro. - Quero lhe apresentar o Chester, disse ela. - Ué! E o Rudy? indagou Cris.

Quando voltavam do “Galpão”, no sábado anterior, Katie havia comprado um peixinho. Ela lhe dera o nome de “Rudy” e o instalara em seu aquário de vinte e cinco centavos, novinho em folha. Todos os dias ela conversava com ele e lhe dava comida. Acabou dando comida demais. - Hoje cedo ele foi para o céu dos peixes, explicou Katie. Agora é o Chester que quer morar conosco. - Então é melhor você levá-lo logo para aquele aquário, interpôs Cris. Parece que ele ‘tá se afogando nesse saco plástico. - Afogando!!! exclamou a outra rindo. Muito engraçado! - ‘Tá bom! Então ‘tá sufocando. - Já estou indo para o quarto. Só queria saber a que horas vocês vão comprar a comida para o acampamento. Eu posso levá-la, se quiser. - O Ted ‘tá com a lista, replicou Cris, e já foi fazer as compras. - Você deixou que ele fosse comprar tudo sozinho? Indagou Katie. - É na mercearia, Katie, não no brechó. Acho que ele vai comprar tudo direitinho sem mim. Katie fitou-a com uma expressão de dúvida. - Você acha mesmo? - Acho. - É... fez a outra, virando-se para sair, o amor “embaça” mesmo o raciocínio das pessoas. Então já vou embora com o Chester. Mas acho bom você dar uma conferida na capacidade de seu namorado pra fazer compras, antes que seja tarde demais. Não demorou muito para Cris ver algo que justificava plenamente a advertência de Katie. Na sexta-feira à noite, a turma toda foi para a área de camping do deserto “Joshua Tree”, na Califórnia. Quando todos desembarcaram, ela constatou que o grupo era constituído

de quinze pessoas. O equipamento eram seis barracas, um fogareiro novinho em folha, caixas e caixas de comida e outros objetos diversos, que Cris não tinha tido oportunidade de identificar. Foi então que descobriu que Ted havia alterado a lista que ela preparara. Fazia frio e logo eles foram montar as barracas, à luz de um lampião, com o vento batendo fortemente nelas. Cris pediu a uma das adolescentes que a ajudasse a organizar a comida que tinham trazido. Foi aí que se deu conta de que ele trouxera várias caixas de pão de forma e latas grandes de manteiga de amendoim. A quantidade era suficiente para um exército comer durante uma semana. Na viagem, eles já haviam jantado numa lanchonete, então não precisariam jantar. Contudo ela havia planejado fazerem uma fogueira naquela primeira noite e assarem marshmallows ao fogo. Deu uma rápida busca nas caixas, à luz da lanterna de mão, e depois foi procurar Ted. O rapaz estava conversando com dois dos adolescentes, recomendando-lhes que não fossem à barraca das meninas. Mark havia acendido uma fogueira, e a maioria dos jovens estava se reunindo em volta dela. Assim que Ted acabou de conversar e dispensou os dois garotos, deu toda a sua atenção a Cris. Esta procurou falar da maneira mais calma possível. - Ted, não encontrei o marshmallow, nem os tabletes de chocolate, nem os biscoitos cream cracker. Você tem idéia de onde eles estão? - Ah, esqueci de lhe dizer. Tive de fazer uns ajustes na sua lista, porque o dinheiro estava meio curto. Cortei esses três itens porque estavam caros demais. Mas comprei umas salsichas de peru que estavam com preço excelente. Achei que, se era para assar ao fogo, poderíamos assar as salsichas mesmo. Cris fitou-o com um olhar fixo. - Você ‘tá brincando comigo, não ‘tá? - Não, replicou o rapaz. As salsichas estão na caixa térmica. E acho até que a salsicha vai ser melhor pra eles do que o doce do marshmallow.

- Ted, eu vi as salsichas. Ainda estão congeladas. - E daí? Só vai demorar um pouco mais pra ficar pronto. - E como é que eles vão assar salsicha congelada? - Ué, tem muito graveto por aí, não tem? - Ted, estamos num deserto, esqueceu? Foi por isso que pedi os cabides de arame, para servir de espeto. - Ah! fez Ted com expressão de quem acabou de entender algo. Então foi por isso que pediu os cabides. Não consegui entender pra que você queria cabides. Pensei que era pra pendurar os panos de cozinha ou algo assim. Comprei seis cabides de plástico. Estão numa sacola de compras por aí. Cris teve vontade de chorar. Só não o fez porque a situação era cômica. Então riu. - O que foi? quis saber o rapaz. - Katie tinha razão. Não devia ter deixado que você fosse fazer as compras sozinho. - Acho que esses caras nem estão com fome. Podemos desistir dessa merenda e ir logo para o culto em volta da fogueira. Aliás, o verdadeiro objetivo desse passeio é exatamente esse, concluiu ele, dando um rápido beijo na testa de Cris e saindo em direção à fogueira. Por causa do forte vento do deserto, as labaredas estavam “dançando” perigosamente de um lado para o outro. Todos os presentes ficaram pelo menos a um metro e meio de distância delas. - Cuidado com as fagulhas, pessoal! disse Mark, fazendo um gesto para que os jovens se afastassem ainda mais. Gente, ‘tá ventando demais e não vai dar pra manter a fogueira. Vamos ter de apagá-la. Contudo até extinguir as chamas estava sendo difícil. A água que tinham era só a dos garrafões, que ainda estavam fechados, dentro da caixa. Usaram três deles para tentar apagar o fogo, mas não foram suficientes. Afinal, Mark pegou uma pá e se pôs a jogar terra nele. Só

assim conseguiu dominar as chamas. Sem a fogueira, viram que a noite estava bem escura. Só dispunham dos lampiões, que se achavam nas barracas. - Olhe as estrelas, gente! disse uma garota. Cris estava tremendo, o rosto voltado para o céu, num silêncio reverente, contemplando os milhares e milhares de “diamantes” espalhados no espaço. - Ah! exclamou outro jovem. Olhe lá uma estrela cadente! E aí todos se puseram a falar do que estavam vendo no céu. - Aquilo ali é o cinturão de Orion? indagou um. - Alguém já avistou a Ursa Maior? perguntou outro. - Que estrela é aquela brilhante que ‘tá piscando ali? quis saber um terceiro. - Ei! É um avião! - Não! Não é avião, não! É um satélite! - Cadê a Lua? Ted citou diversos versículos do Salmo 8; que Cris já conhecia. “Quando contemplo os teus céus, obra dos teus dedos, lua e as estrelas que estabeleceste, que é o homem, que dele te lembres, e o filho do homem, que o visites? Fizeste-o, no entanto, por um pouco, menor do que Deus e de glória e de honra o coroaste.” Cris estava tão entretida olhando para o alto que nem percebeu que Mark se aproximara dela e se achava a seu lado. - O que foi que você me disse naquela ocasião, lá em Wisconsin, quando estávamos assistindo ao show de fogos de artifício? indagou ele. Foi algo sobre aquele que está nos céus da Antiguidade. Tinha um amigo seu compondo uma música sobre isso, não tinha? - Estou admirada de você se lembrar disso, comentou a jovem. - Afinal, ele acabou de compor o cântico?

- Acabou. A letra é do Salmo 68, explicou Cris, e logo se pôs a cantar baixinho o hino que Douglas escrevera.

“Cantai a Deus, Salmodiai ao Senhor, Aquele que encima os céus, Os céus da Antiguidade. Ele faz ouvir a sua voz poderosa. Ó Deus, tú és tremendo nos teus santuários.”

Katie se pôs a cantar junto com ela e em seguida Ted fez o mesmo. Quando eles terminaram, uma garota disse: - Cantem de novo. Eles cantaram e dessa vez vários dos jovens os acompanharam. Era um momento maravilhoso e muito inspirativo. De repente, Cris percebeu que alguns garotos estavam saindo despistadamente. Ela deu um tapinha de leve no ombro do Mark e apontou para os jovens. O rapaz foi atrás deles. E a noite acabou sendo bem tumultuada. Primeiro, algumas meninas disseram que estavam sentindo muito frio. Isso encerrou o “louvor”. As garotas saíram correndo para a barraca. Depois algumas delas tentaram fazer trapalhadas na barraca dos garotos. Todavia o Mark as pegou no ato e o Ted veio e, em tom bem firme (isto é, firme para ele), lhes deu instruções de como deveriam se portar. E acabou que ele não fora tão firme assim, pois dois dos garotos tentaram escapar de novo, minutos depois, quando todos já deveriam estar fechados dentro do saco de dormir. Ted estava ajudando Cris cobrir as caixas de alimento com lonas, para não se encherem

de areia e protegê-las dos insetos típicos do deserto. Foi aí que avistou os dois jovens tentando sair da barraca. Imediatamente ele jogou o foco de sua lanterna de mão neles e os garotos voltaram para dentro. Cris teve muita dificuldade para pegar no sono. Não que estivesse com frio, não. Vestira várias peças de roupa para se aquecer. Além disso, trouxera um colchonete inflável e pusera o seu saco de dormir sobre ele. Contudo ficou atenta, para ver se escutava alguém abrindo o fecho de zíper da barraca e pensando se o Ted teria de ficar a noite toda de guarda. O Sol, ao nascer, tirou todo mundo da cama, pois as barracas logo ficaram muito quentes. Cris, que não conhecia bem o deserto, ficou admirada ao perceber como se avistava até bem longe, quando se estendia o olhar pela superfície dele. E virando-se em várias direções, não se via nada. Vez por outra, encontrava apenas um cactus, parecendo congelado no tempo. Lembrava um caixa de banco do velho Oeste, levantando os braços como se estivesse sendo assaltado. O dia esquentou rapidamente e a jovem sentiu a pele ressequida e como que “esticada”. Agora de manhã, não estava ventando, e ela logo sentiu calor. Foi tirando os agasalhos e terminou de camiseta e short. - Estou admirada com você, disse Katie no momento em que guardavam o alimento, após terem tornado o café da manhã. - Admirada do quê? perguntou Cris. - De como você ‘tá feliz e do quanto é organizada, explicou a outra. Isto aqui ‘tá muito melhor do que o acampamento que fizemos nas férias passadas. - Ah, você falou a palavra certa, interpôs Ted, pegando seu violão na camionete de Mark. Organizada. Cris gosta de se preparar bem pra tudo. - É, disse Katie, e você precisa aprender com ela. Cadê a coberta que prometeu? - O Mark ‘tá fazendo uma de lona, atrás da barraca maior, explicou o rapaz. Vamos nos

reunir lá pra cantar e fazer o devocional matutino. Depois daremos um passeio de bugue, nas dunas. Cris terminou a arrumação que estava fazendo e foi para perto dos outros. A parte de que ela mais gostava num acampamento era justamente os cânticos em grupo. Contudo o período de louvor acabou sendo muito curto. É que estava muito quente, e eram poucos os jovens que cantavam. Ted foi para a frente, abriu a Bíblia e se pôs a dar uma palavra. Cris deu uma olhada a sua volta. Notou que poucos dos jovens prestavam atenção, na maioria meninas. Essa meninada nem se dá conta de que o Ted é um presente de Deus pra eles. Ele realmente gosta muito desses garotos. Se quiserem, ele vai ser amigo deles pelo resto da vida. E isso que ele ‘tá dizendo aí é uma grande verdade. Eles precisam confiar em Deus com relação a todos os aspectos de sua vida. Por que não estão “bebendo” as palavras dele? Para alguns, isso pode ser uma questão de vida ou morte! Resolveu orar. Ultimamente vinha orando bastante. Desde aquele domingo em que a Kombinada havia estragado quando já iam para a igreja, ela entendera que estavam numa batalha contra inimigos invisíveis. Travavam uma guerra para conquistar a alma daqueles jovens. Em dado momento, sentiu o Sol bater forte em seu ombro direito. O braço já estava ardendo. Remexeu-se e virou para outro lado, deixando que o Sol lhe batesse nas costas. E continuou orando pelo namorado. - Vou concluir com um pensamento, disse Ted. Nenhum de nós sabe quando nossa vida terminar e iremos nos apresentar diante do Deus todo-poderoso. A Bíblia diz que estar ausente no corpo é estar na presença do Senhor. Não na presença de São Pedro, num portão dourado, nem diante de um tabelião, sentado a uma mesa, como a gente vê na televisão. Não. Vamos estar diante do Senhor. Cris correu os olhos pelos presentes e se pôs a orar por cada um dos alunos da classe,

embora não lembrasse o nome de todos. - O Senhor Jesus vai estender a mão para nós, e veremos as cicatrizes dos cravos, que ainda estão nela, apesar de já terem se passado dois mil anos que ele morreu por nós. E ele vai nos dizer: “Entre, amigo! Eu já estava esperando-o. Agora que está em minha casa, poderemos continuar aquele relacionamento que começamos quando você ainda se encontrava na Terra.” - Ou então ele dirá: “Eu o chamei para vir a mim, mas você passou a vida toda me rejeitando. Agora é tarde demais. Como não me quis, passou a eternidade longe de mim.” Cris notou que o grupo ficara muito silencioso. Todos tinham os olhos fixos em Ted. - Será que vai ser preciso acontecer algo pra você receber a Cristo? Não espere muito, não. Ninguém sabe quando vai morrer. E assim que esta vida acabar, começará a outra. Ou passaremos a eternidade com Jesus no céu, ou longe dele, isto é, no lugar que Deus preparou para os demônios, os anjos caídos que o abandonaram. Aqui Ted fez uma pausa, e depois continuou: - Para onde você vai? O céu existe mesmo, de verdade. E o inferno, também. Os dois garotos que já haviam causado problemas antes deram uma risadinha curta, de deboche. Todos os outros, porém, ficaram em silêncio. Ted encerrou a reunião orando. Contudo, ao final da prece, em vez de dizer “Amém”, falou algo que Cris nunca ouvira antes. - Como quiseres, Senhor! disse ele. Os presentes ficaram uns instantes sem saber que ele havia encerrado a oração. Assim que os jovens perceberam que o cultinho estava terminado, correram para os veículos que Ted arranjara para o passeio, e passaram o resto do dia se “divertindo a valer”, como disse Katie. Cada hora era um que pegava um dos carros e saía rodando pela planura do deserto.

Cris permaneceu no acampamento. Quando já ia dar meio-dia, chamou duas garotas que estavam ali para ajudá-la a preparar sanduíches de manteiga de amendoim com geléia de uva. Assim, quando alguém quisesse comer, após os passeios pela areia, a comida estaria pronta. Contudo, como estivesse fazendo muito calor, e o ar, muito seco, em poucos minutos, o pão foi ficando ressequido, parecendo torradas. A jovem resolveu ir guardando os sanduíches em sacos plásticos, à medida que os iam fazendo. Isso contribuiu para amenizar o problema. A sorte era que Ted comprara tanto pão e tanto creme de amendoim que, se aqueles sanduíches ficassem imprestáveis e tivessem de jogá-los fora, teriam como preparar outros. Ninguém iria precisar passar fome. Por volta de 4:00h da tarde, o vento recomeçou e o calor diminuiu ligeiramente. Pouco depois, Ted chegou ao acampamento em um dos veículos e disse que teria de levar um galão de gasolina para Katie. Ela estava parada com o “Buguinho”, por falta de combustível. - Quer ir comigo? perguntou à namorada. - Quero, replicou ela. Nesse momento, recordou-se de uma ocasião em que ela e Ted tinham saído com Tia Marta para dar um passeio de barco e a gasolina acabara. A sorte foi que uma jovem muito bonita, pilotando um jet-ski, passara por eles e os acudira. Lembrou-se de que teve vontade de estar no jet-ski, e não ali naquele barco, com a tia, que se mostrava bastante irritada. Foi então que se pôs a pensar em como estariam seus tios. Imediatamente procurou afastar o pensamento do problema deles. Entretanto, pouco depois, a lembrança voltou, dando-lhe uma desagradável sensação de peso interior. Como não poderia conversar com ninguém sobre a decisão que Marta tomara, precisava falar com a própria, o mais depressa possível. Resolveu que iria ligar para ela assim que chegasse de volta à escola. O que diria para a tia era outra questão. O que faria primeiro seria levantar o assunto novamente. Ted amarrou a lata de gasolina com cordas fortes na parte de trás do bugue de praia, um

carro pequeno com apenas dois lugares. Em seguida, disse a Cris que colocasse o cinto de segurança. Depois, com um solavanco e um ronco do motor, arrancaram pela areia afora. Cris se segurou firmemente na barra de ferro que havia à frente e trancou os dentes para não morder a língua. Parecia que todos os seus ossos estavam sacolejando de um jeito que nunca havia acontecido antes. Virou-se para Ted e deu um sorriso, ainda com os dentes trancados. O rapaz mudou a marcha e continuou em frente, o motor roncando forte. Conversar com ele era praticamente impossível. O barulho era demais. Compreendê-lo também seria difícil. - Que graça que acha nisso? É um pouco divertido, mas é mais é incômodo. Chegaram ao lugar onde Katie os aguardava com mais duas garotas. Assim que Ted chegou perto e desligou o carro, Cris viu que elas estavam rindo de algo. Katie aproximou-se dela e lhe deu um tapinha de leve no braço. - Isso não é legal demais? indagou. Estou amando! A jovem estava com o rosto vermelho, queimado de Sol, ou do vento, ou de ambos. Usava uma camiseta de mangas compridas, que estava suja de terra. Tinha na cabeça um boné de beisebol, cobrindo quase que totalmente os cabelos. Apenas alguns fios se achavam à mostra. - Já dirigiu um bugue desses? indagou ela a Cris. A jovem fez que não. - Quer dar uma volta no Buguinho? - Não, obrigada. - Já ‘tá pronto, disse Ted, amarrando a lata vazia de volta no outro bugue. - Ótimo! exclamou Katie. Muito obrigada pela gasolina. Virou-se para entrar no banco da frente do seu carro, mas antes olhou para o rapaz e continuou: - Dê um jeito pra Cris dirigir esse bugue aí.

- Quer pegar o carro? perguntou Ted para a namorada. - Não, obrigada! - Tem certeza? A expressão dele era típica de Ted. Estava parado, as sobrancelhas ligeiramente arqueadas e uma covinha na face direita. Cris se viu inundada por lembranças de outros momentos em que ele a fitara daquela maneira. Em todos eles, ela se dispusera a fazer o que ele estava querendo ensinar-lhe, desde surfar com um body-board até tentar o esqui aquático. A única vez em que ele a olhara daquele jeito e ela se recusara fora nas últimas férias, quando a chamara para ir “aos confins da Terra”, ao Círculo Ártico. Então ele pegara um trem e fora sozinho, enquanto ela e Katie viajavam para Copenhague. Depois disso, arrependera-se inúmeras vezes, pois perdera a chance de ver um urso polar, ao lado de Ted. - Sabe o que mais? disse de repente. Por que não? Me mostre como se faz. Não entendia por que o coração batia com tanta força. Confiava em Ted o suficiente para correr riscos com ele. E nesse momento sentia-se preparada para o que desse e viesse.

11
Ted deu uma corridinha curta em direção ao banco do carona e colocou o cinto de segurança, e Cris se acomodou no assento do motorista. Ele lhe explicou rapidamente a posição das marchas e lhe mostrou o pedal da embreagem. Katie já partira no seu Buguinho e à volta deles tudo era silêncio. Então Cris girou a chave para ligar o barulhento motor do veículo. Nas três primeiras tentativas, ela deixou que ele “morresse”. Ted pacientemente lhe ensinou como deveria fazer. Na quarta vez, o carro arrancou e lá se foram eles, sacolejando em direção ao acampamento. - Ótimo! gritou Ted. Agora passe a marcha! Cris mudou a marcha, acelerou e mudou de novo. Apertou mais o acelerador e experimentou uma eufórica sensação de prazer brotar no fundo de seu ser. Soltou uma risada de satisfação, como que extravasando o sentimento que lhe vinha da alma. E eles continuaram sacolejando pelas lombadas das dunas, cortando o Deserto de Mojave. A última vez que Cris pegara um volante com Ted ao seu lado fora no Havaí, quando passaram pela ponte de Hana. - Que delícia! gritou ela, aumentando a velocidade do veículo e se sentindo mais segura na direção. Deu uma espiada no namorado. O sorriso dele ia de orelha a orelha. Parecia que estava rindo, mas não dava para escutar nada. Cris resolveu voltar ao acampamento por outro caminho, criando sua própria rota e dando muitas voltas. A certa altura, um dos rapazes do grupo deles ultrapassou-a em um bugue de um passageiro só. Mark vinha logo atrás dele em outro. Cris começou a acenar para

eles, mas assim que tirou a mão do volante, bateu em uma lombada e o carro morreu. Outra vez, o silêncio os envolveu. Cris virou-se para Ted, que ainda estava sorrindo. Então ela também caiu na risada. Tombou a cabeça para trás e, sem querer, bateu numa barra de ferro. - Ai! gritou, passando a mão no lugar dolorido e tentando reprimir as lágrimas que lhe tinham vindo aos olhos. - Machucou? indagou Ted num tom carinhoso. - Bati a cabeça na barra, explicou ela, rindo da sua falta de jeito. O rapaz inclinou-se para ela e acariciou de leve o local dolorido. - Ai! - Quer continuar dirigindo? perguntou ele. - Talvez seja melhor você pegar o carro, no caso de eu ter tido um traumatismo com efeito retardado, disse. Ted fitou-a meio na dúvida. A jovem riu de novo e explicou: - Estou brincando. Sorriu para o namorado e deu com os olhos azuis dele, que naquele momento tinham uma expressão muito intensa. Mais uma vez, ele a fitava “daquele jeito”. Numa fração de segundo, um pensamento lhe passou pela mente, como que “queimando” seu consciente. É ele! pensou quase de respiração suspensa. Ted, você é o homem da minha vida. Sua sensação era de que o mundo parara de girar e ela e Ted eram os únicos dois seres na face da Terra. Você é a pessoa certa pra mim. E eu sou a certa pra você, não sou? É isso mesmo! Minha avó tinha razão! Agora eu sei. Sei com certeza! Ted saiu do carro para trocar de lugar com ela. Cris também se levantou. Tinha a impressão de que tudo estava acontecendo em câmara lenta. Os dois “trombaram” atrás do

carro. O rapaz pôs as duas mãos nos ombros dela e lhe deu um beijo rápido no rosto. Depois saiu correndo para se sentar ao volante. Cris permaneceu parada ali. Tinha consciência de que acontecera algo muito estranho e maravilhoso em seu coração. Nunca pensara que isso iria suceder agora, num lugar como aquele. Contudo compreendeu que era o misterioso “evento” que ela tanto esperara. Tinha de dizer a Ted que estava apaixonada por ele. Não; tinha de falar mais que isso. Precisava confessar-lhe que o amava, que o queria de verdade. Tinha de dizer-lhe que, com muita alegria, ela assumiria o compromisso de amá-lo pelo resto da vida. E não importava onde morassem, nem o que fizessem, nem que rumo a vida deles tomasse. Nesse momento, Cris tinha a certeza - absoluta certeza - sem a menor sombra de dúvida, que desejava ser a esposa de Ted, sua amiga, companheira e a mãe de seus filhos, enquanto vivessem. Sentia o coração latejando-lhe na garganta e ficou a olhar para o rapaz que agora estava colocando o cinto de segurança. Ele estava de costas para ela, mas a jovem não queria esperar nem mais um minuto para fazer sua declaração, para revelar seu compromisso com ele. - Ted! gritou. Nesse instante, ele girou a chave na ignição e o barulhento ronco do motor não permitiu que ele escutasse a voz dela. - Eu te amo! disse Cris, gritando. Ted não ouviu. Cris sorriu. Que ironia! pensou, dando a volta para ir se sentar no banco do carona. Ela acomodou-se e colocou o cinto. Ted engatou a primeira. Ah, agora eu já tenho certeza e isso basta. Vou esperar um lugar mais romântico, uma hora mais propícia para contar pra ele. E quando eu lhe disser isso, ele vai me escutar bem, não só com os ouvidos, mas também com o coração. E partiram deserto afora, com o motor roncando feito um leão.

Cris procurou ficar bem atenta para sentir quando teria a segunda oportunidade de fazer sua declaração para o Ted. Quando estava preparando o lanche da noite, deixou a imaginação correr solta, analisando todas as situações em que poderia dar-lhe a notícia. Em dado instante, ocorreu-lhe a maluca idéia de escrever a frase em toalhas de papel, usando molho de mostarda. Depois penduraria as folhas nos cabides e poria dentro da Kombinada. É, mas aí outras pessoas poderiam ver sua mensagem, e aquilo era algo entre ela e o namorado apenas. À noite, ficou ainda um bom tempo acordada na barraca. Ocorreu-lhe que o mais importante seria dizer-lhe tudo de viva voz. Queria que ele ouvisse suas palavras, e não que as lesse. No domingo de manhã, a temperatura estava mais fresca. Uma leve camada de nuvens surgira no céu, mais parecendo um mosquiteiro, como os que as pessoas utilizavam sobre a cama nos países tropicais. Cris não teve vontade de se levantar. Estava cansada, sentindo-se como uma assistente de um safári, confortavelmente deitada sob o mosquiteiro. Seus músculos estavam doloridos e sentia-se esgotada. Sua vontade era entrar debaixo de um chuveiro morno para se refazer lentamente. E ela teve o “chuveiro”, sim, mas não morno. Foi uma chuva que desceu em grandes gotas, quando o grupo estava reunido para o cultinho matutino. Contudo foi muito rápida. Logo em seguida, o Sol apareceu e secou tudo quase que imediatamente. Cris olhou para seus braços. Era como se o objetivo da chuva tivesse sido apenas transformar em lama a poeira que estava em sua pele. Depois, vinha o Sol e “grudava” a lama nela. Quando chegou a hora de partir, não foi preciso insistir com ninguém para desarmar as barracas e fazer a limpeza do local. Em dado momento, Cris estava tentando arrancar duas estacas, mas elas estavam bem firmes. Mark aproximou-se. - Deixe-me tentar, ofereceu o rapaz. Com um puxão forte, ele conseguiu removê-las.

- Obrigada, disse Cris. Parece que com a chuva a terra vira uma cola. Pode tentar arrancar aquela estaca ali também? Mark conseguiu retirar a outra também. Depois voltou e se aproximou mais da jovem, olhando para os lados para ver se havia alguém por perto que pudesse escutá-los. - Queria conversar com você um minuto, posso? -Claro, replicou Cris, continuando a desarmar a barraca. - Vem cá, disse o rapaz, caminhando em direção à sua caminhonete. Sei que o que vou dizer, prosseguiu ele, falando em voz baixa, parece coisa de criança. Mas preciso lhe perguntar algo. Você acha que a Katie, é... está interessada em mim? Cris se sentiu meio sem jeito de conversar com ele sobre essa questão. - Acho que você deve conversar sobre isso e com ela, replicou. Quero dizer, eu tive a impressão de que vocês dois estavam ficando muito chegados. Têm andado muito juntos. A verdade era que ela não sabia responder, mas não queria dizer isso ao rapaz. Mark fitou-a diretamente nos olhos, franzindo um pouco as sobrancelhas. - Parece que nós estamos namorando? indagou. Por que eu não quis dar essa impressão nem pra ela, nem pra ninguém. Cris sentiu pena de sua melhor amiga. Será que Mark lhe havia dado esperanças? Será que Katie estava achando que o relacionamento dos dois era mais sério do que era na verdade? - Só sei que você e ela precisam arranjar uma hora e um lugar adequado para falarem em particular sobre tudo isso, repetiu Cris, tocando de leve no braço do rapaz. Nesse momento, uma das meninas da turma, não percebendo que os dois estavam tendo uma conversa pessoal, aproximou-se e pediu ao Mark que fosse ajudá-la em sua barraca. Cris deu uma espiada para o centro do acampamento e notou que Katie os observava. - Obrigado pelo conselho, disse o rapaz, colocando a mão no ombro dela. Obrigado

mesmo, Cris. Mais tarde, quando o grupo já se encontrava de volta à igreja e todos descarregavam os carros, Katie chegou para Cris e perguntou: - O que foi que você e o Mark tanto conversavam hoje à tarde? Cris sentiu que alguém poderia escutar sua conversa e respondeu: - Depois eu te conto. Quando chegaram ao dormitório já eram quase 11:30h. Cris estava exausta. Pegou o xampu e o sabonete para se entregar ao prazer do banho tão ansiosamente esperado. Antes de sair do quarto, porém, ouviu Katie murmurar: - Oh, Chester, coitadinho Olhe, Cris, o Chester também está de barriga pra cima! - Será que você não pôs comida demais pra ele? - Não; não creio que tenha posto demais. Talvez o aquário tenha apanhado muita luz do Sol. ‘Tá na direção da janela. Aliás, a água ‘tá bem morna. Ela retirou o peixinho morto do recipiente e foi acompanhando Cris ao setor dos banheiros para realizar o que chamou de “sepultamento no mar”. - Amanhã vou comprar dois peixinhos dourados, informou Katie. Acho que Chester morreu de solidão, já que nós passamos todo o final de semana fora. - Você vai acabar gastando muito dinheiro nisso, Katie, comentou Cris. E se comprar mais de dois, acho melhor arranjar um aquário maior. Essa “tigelinha” aí ‘tá pequena. - E é agora que você me diz isso? Em seguida, ela pôs a mão sobre o coração e fez um minuto de silêncio. Depois atirou Chester no vaso sanitário, para que ele fosse morar na grande “lagoa dos peixinhos dourados do além”. Cris abanou a cabeça e entrou num dos chuveiros. A água morna estava simplesmente maravilhosa.

Katie continuou parada do lado de fora. - E aí, vai me dizer o que foi que o Mark lhe disse hoje de tarde? indagou. Ou será que isso também terei de tentar adivinhar por eliminação? Cris fora tomar banho ali na esperança de gozar uns cinco minutos de silêncio e privacidade. Queria continuar “sonhando” com Ted. Contudo sabia que a amiga não a deixaria em paz enquanto não respondesse a todas as suas perguntas. - Acho que vou aproveitar e tomar banho também, disse Katie. Pela direção da voz, Cris deduziu que ela se achava no chuveiro ao lado do seu. - Me empresta seu xampu? pediu Katie, falando bem alto por causa do barulho dos dois chuveiros. Você tem sabonete aí? Cris lhe passou esses objetos e terminou o banho logo, mais rápido do que havia planejado. - Já estou indo para o quarto, informou a amiga. - Então não dorme, não, falou a outra. Daqui a pouco chego lá Vestindo seu pijama predileto, Cris escovou o cabelo e o secou. Katie chegou e também se preparou para se deitar. Todavia, por causa do barulho do secador, não puderam conversar logo. Então Cris já estava na cama quando finalmente passou à colega a informação que ela queria. - Nós conversamos sobre você, disse. - Sobre mim? E o que foi que ele falou? - Eu disse que era pra ele conversar com você. - E o que ele respondeu? Cris fez uma pausa, depois indagou. - Katie, você gosta muito do Mark? A outra franziu um pouco o rosto.

- Não, replicou lentamente. E... depois daquela cena dramática que fiz quando o revi, você nem vai acreditar nisso. Mas agora que já pude conhecê-lo melhor, acho que não temos nada em comum. - Acha mesmo? disse Cris, que não esperava tal resposta. - É. Eu sei, eu sei. Estava muito entusiasmada com ele. Mas me enganei. Foi meu maior engano na vida. Ele é um cara sensacional, mas apenas um bom amigo. Não sinto mais nada por ele. Passou uma toalha no cabelo, embaralhando-o um pouco e deixando que ele caísse bem à vontade. - Acho que eu estava gostando era da imagem dele, sabe? continuou ela. Gostava daquele jeitão de rapaz amigo, vizinho do bairro, que dá sensação de segurança pra gente, que aprecia beisebol e torta de maçã e acabaria me amando. E aqui ela se aproximou da cama de Cris e se sentou. - Então pode me revelar que ele não ‘tá interessado em mim, disse. - Mark Kingsley não ‘tá interessado em você, disse a outra, destacando cada palavra. Katie fez um movimento brusco, endireitando-se, e olhou-a com uma expressão de quem está magoada. - Não ‘tá? Cris se arrependeu de ter dado a notícia de forma tão direta. Lentamente abanou a cabeça. - Sinto muito, disse, mas ele falou que ‘tá interessado em você apenas como amiga. - Por que você fica se desculpando por algo que não é culpa sua? comentou Katie. Aliás, isso foi até muito bom. Estava com medo de que ele me pedisse pra passar mais tempo ao lado dele, e já estava pensando num jeito de recusar sem magoá-lo. - É, então foi bom, concordou Cris. Os dois podem continuar sendo amigos, e nós três

poderemos ir ajudando o Ted no grupo de jovens. Assim você e o Mark não precisarão passar por aquela fase de indagação: “Será que estamos namorando?” Aqui a jovem sentiu que a questão estava bem esclarecida e puxou as cobertas e se cobriu. Katie, porém, não queria deixar o assunto morrer ali. - E quanto a você? - Quanto a mim, o quê? - O que ‘tá acontecendo entre você e o Ted? - Estamos apaixonados, disse ela em tom alegre. Agora estou totalmente convicta. Eu o amo e disse isso pra ele. - Disse? indagou Katie, arregalando os olhos. - Mas ele não escutou, por causa do barulho do motor do bugue, informou Cris, dando uma risadinha baixa. É eu mesma, né? - Então ele ainda não sabe, concluiu Katie. - Ainda não. - Como é que você pode fazer isso com o coitado? perguntou Katie. Vai telefonar pra ele agora e lhe dizer que o ama. Ele já esperou muito. - Não! Já é tarde da noite! protestou a outra. E não quero lhe falar isso por telefone. Quero contar pessoalmente, pra que ele saiba que estou sendo sincera. - Ei, ‘tá parecendo uma poesia do John Donne!* ___________________
* John Donne, poeta e orador sacro inglês, que viveu no final do século XVI e início do XVII. (N. da T.)

Katie levantou-se de um salto e foi até a escrivaninha. Pegou um livro de literatura que estivera lendo antes de saírem para o acampamento. - Você já leu esse capítulo sobre ele?

- Já. Cris e Katie estudaram Literatura Inglesa no mesmo período. - E já viu este poema aqui? Escute só. O título dele é The Good Morrow (O bom amanhã)

Meu rosto se reflete em teus olhos, o teu, nos meus também. E um coração realmente sincero se expressa no rosto. E que hemisférios melhores que estes poderíamos ter, Sem um Norte tão distante e um Oeste de ocaso?

Katie ergueu os olhos do livro com uma expressão radiante. - Que romântico! exclamou. Cris gostava muito de poesia e geralmente era ela que mostrava alguma preciosidade poética para a amiga. Contudo, nesse caso, não tinha muita certeza do que o poeta estava querendo dizer. - Aqui é você e o Ted, continuou Katie. Vocês são os corações realmente sinceros. Com suas diferenças, vocês se encaixam bem; completam um ao outro perfeitamente. Cris sorriu. Tinha o coração cheio de gozo. Nesse momento, mais uma vez reconhecia que o que sentia era amor, um amor do tipo que dura para sempre e sempre. - Então me faz um favor, disse ainda Katie. Se não quer telefonar para o Ted agora, ligue pra ele amanhã de manhã, o.k.? - Vou me encontrar com ele no café da manhã, replicou a outra. - Então conte pra ele durante o café. Acho que o Ted não vai se importar muito com o cenário quando “o rosto dele se reflete em teus olhos, e o teu, nos dele”. Não precisa esperar uma ocasião bem romântica, com o Sol brilhando e os passarinhos cantando, e tudo o mais.

Só tem de dizer ao Ted que o ama. E aqui ela apontou para o título da poesia de Donne. - Diga-lhe no “bom amanhã”, concluiu com um brilho especial no olhar. Na segunda-feira, Cris esperou o namorado na mesa que sempre ocupavam na cantina. Contudo ele não apareceu, e ela deduziu que ele havia perdido a hora por ter dormido demais devido ao cansaço do final de semana. Ela própria gostaria de ter feito o mesmo, mas não poderia, pois tinha a primeira aula nesse dia. Dirigiu-se para a sala apressadamente para não chegar atrasada. Quando se acomodou em sua carteira, o professor, o Sr. Mitchell, estava falando sobre bênçãos. Ele lera Deuteronômio 28.2. Cris abriu a Bíblia nesse texto e o sublinhou. “Se ouvires, a voz do Senhor, teu Deus, virão sobre ti e te alcançarão todas estas bênçãos.” Quero ouvir-te sempre, Senhor, orou ela silenciosamente. Quero escutar tua voz com clareza. Desejo sempre fazer o que tú me ordenas. Assim que terminou de orar, sentiu um impulso bem claro, mas não muito forte, de ir procurar o Ted e lhe dizer o que desejava, dar-lhe seu coração, sua bênção. Contudo, calculando que havia condições de esperar até o fim da aula, continuou sentada. Afinal, estava pagando pelo curso. Naquele momento a achava-se ali. Não deveria sair. Estou sendo sincera, Senhor. Não faz sentido eu achar que queres que eu mate aula pra ir atrás do Ted e dizer-lhe que o amo. Procurou reprimir aquela “voz” interior, e continuou sentada. Entretanto, quanto mais a reprimia, mais forte seu coração batia. Sua impressão era de que ele batia tão alto que os colegas que se achavam mais próximos dela certamente deveriam estar escutando. Recordouse de que, umas semanas antes, Selena havia dito que o amor nem sempre é algo planejado e segue uma lógica. Então, levada por um impulso que era mais intenso que sua lógica, Cris acabou pegando

a mochila e saindo rapidamente da sala. Assim que se viu fora do prédio, sentiu que conseguia respirar calmamente. E agora, Pai? O que faço a seguir? De repente, sentiu-se meio tola. A declaração que queria fazer para o Ted poderia esperar até de tarde. Estava perdendo uma matéria muito importante. Ademais, não sabia onde o namorado se encontrava nesse momento. Se ele não estivesse no quarto, dormindo, poderia até nem achá-lo, ainda que percorresse o campus todinho. - Isto é uma loucura! Foi caminhando apressadamente até o dormitório dos homens, o West Hall. Lá chegando, ligou para o quarto do Ted. Como já esperava, a ligação caiu na secretária eletrônica. Talvez ele ainda estivesse dormindo, ou poderia ser também que estivesse na cantina, ou na biblioteca, ou em diversos outros lugares. Andando pesadamente de volta ao prédio onde aconteciam as aulas, ela se deu conta de que faltavam apenas vinte minutos para o início da segunda aula. Ted sabia que à tarde ela estaria trabalhando na livraria e provavelmente iria procurá-la ali. Poderiam ficar perto da estante dos livros usados de Teologia, pois era o ponto mais agradável da loja. Ali, ela o olharia diretamente nos olhos e, em voz bem sussurrada, faria a declaração que estava em sua alma. E suas palavras iriam descer até o fundo do coração dele. Iria até aquele lugar mais profundo, onde ele mergulhava para pegar seus tesouros. Só de pensar no romantismo que cercaria aquele momento, um sorriso lhe veio aos lábios. Nesse momento, passava pela “Selva” e resolveu dar uma entrada, só para ver se o Ted não estaria ali. Não estava, mas ela viu um outro casal num dos compartimentos, sentados juntinhos, estudando. O impulso de procurar seu amado continuava forte, mas resistiu a ele. O mais sensato a fazer agora era ir verificar sua caixa de correspondência e depois ir assistir à outra aula.

Entretanto o coração não parava de bater com força. Apressando o passo, atravessou o centro estudantil e foi à cantina. Também ali ele não estava. Verificou todos os lugares a que eles geralmente iam para conversar: o saguão do prédio de música, a biblioteca, a igrejinha. Agora já estava atrasada para a segunda aula, mas não se importava. Andando o mais rápido que podia, foi para o West Hall e, chegando ao saguão, ligou de novo para o quarto dele. Novamente a ligação caiu na secretária, mas dessa vez ela deixou um recado. “Ted, preciso vê-lo imediatamente. Onde você está?” Voltando apressada para o centro estudantil, andou pelo prédio duas vezes, de um lado a outro, olhando bem para o rosto de todos que encontrava, ansiando para que Ted estivesse ali. Não estava. Por fim, dirigiu-se para a praça central e se sentou na beirada da fonte. Onde é que ele ‘tá? Onde é que pode estar? Tirou os sapatos e enfiou a ponta do pé na água. Sem saber bem por quê, lembrou-se de um trecho do livro de Cântico dos Cânticos que lera alguns meses atrás, quando ainda estava em Basiléia e Ted viera embora para a Califórnia. É um livro curto, localizado bem no centro da Bíblia. Nele havia uma frase que era repetida três ou quatro vezes. Cris a havia sublinhado. Dizia: “Não acordeis nem desperteis o amor, até que este o queira”. Esse verso acabou se tornando um conselho que ela dava a si mesma sempre que pensava no namorado. Os dois se achavam tão distantes um do outro que seria inútil acordar ou despertar os profundos sentimentos que havia em seu coração. Não adiantaria nada ficar pensando neles, pois nada poderia fazer. Estava aceitando tudo da forma como vinha. Enviava e-mails para o rapaz e orava por ele todos os dias. Agora sentia que, durante esse último mês que tinham estado juntos, também conseguiu controlar bem seus sentimentos, deixando que seu relacionamento com Ted fosse se desenvolvendo de forma calma e natural. Entretanto, nesse momento, parecia que o amor se remexera e acordara de fato dentro dela. Não estava

nem podendo raciocinar direito. Será que Deus teve de me bater na cabeça, quando bati na barra, pra despertar meus verdadeiros sentimentos pelo Ted? Cris ficou a agitar a água com os pés. Sentia-se como a mulher de Cântico dos Cânticos, que andou por vários lugares da cidade, procurando seu amado, mas não conseguiu encontrálo, Lembrava-se de que ela dizia para suas amigas, as filhas de Jerusalém, “desfaleço de amor”. Acho que não estou “desfalecendo”, mas alguma coisa estou sentindo. E não sei que sensação é esta. Pôs a mão na altura do estômago e tirou os pés da água, deixando que se secassem ao vento. Sentia-se doer por dentro. Ted, onde é que você está? Nesse momento, Mark e alguns colegas estavam passando pela praça gritaram para ela, cumprimentando-a. - Mark, disse ela em voz alta, você viu o Ted? O rapaz afastou-se dos outros e veio em direção à fonte. - Desde ontem que não o vejo, replicou ele. Parece que hoje cedo ele ia devolver as barracas pra pessoa com quem ele pegou emprestado. - Ah, fez Cris, sentindo que se acalmava. Então ‘tá certo. Obrigada, Mark. - Algum problema com você? indagou ele, sentando-se ao lado dela. Parece um pouco tensa. - Não; é que eu estava procurando o Ted. Preciso conversar com ele. - É; parece que tem muita gente procurando alguém, continuou o rapaz. Pensei muito naquilo que você me falou no acampamento ontem. Você tem razão. Preciso conversar com a Katie antes que comece a surgir algum mal-entendido entre nós.

Cris já ia responder algo para o colega, dizendo-lhe que não precisava se preocupar, contudo parou. É que viu Katie chegando no seu Buguinho e parando num lugar onde não havia permissão para estacionar e saindo do carro. - Tenho a impressão de que vai poder conversar logo, disse, fazendo um aceno para chamar a atenção da colega. Assim que a outra se aproximou dos dois, pôs-se a correr. - É minha imaginação, ou ela ‘tá com cara de quem vai “matar” alguém? indagou Mark. Cris se levantou imediatamente. Nunca vira a amiga com aquela expressão. - O que houve? gritou para ela. Katie chegou perto de Cris e segurou-a pelos ombros. Seu rosto estava pálido e escorrendo suor. - O que houve? perguntou Mark que também chegara mais perto. Katie estava ofegante. - A Kombinada, disse meio sem ar. Houve um acidente. Vamos lá! Em seguida, ela pegou Cris pelo braço e as duas foram correndo em direção ao carro. Mark vinha logo atrás, e os três entraram apressadamente no veículo. - Que tipo de acidente, Katie? perguntou Mark em tom firme. O que foi que você viu? - Só vi os homens colocando o Ted numa ambulância.

12
Cris e Mark ficaram bombardeando Katie com perguntas. Gritaram com ela para que fosse mais devagar, no momento em que pegavam o trevo de acesso à via expressa. Ela respondeu que não sabia muito mais do que o que já lhes dissera. Ela tinha ido à floricultura para comprar mais fertilizante para suas plantas, e estava retornando para a escola. Quando pegou a pista da direita para sair da rodovia e entrar na estrada em direção à Rancho Corona, viu um veículo parecido com a Kombinada. Estava todo amassado. No momento em que passou perto dele, avistou o pessoal do resgate levando alguém para a ambulância. - Ele estava se mexendo? indagou Cris, os dedos apertando o banco do carro. - Não deu pra ver. Só vi que era uma pessoa loura na maca, explicou Katie começando a chorar. Vou direto para o hospital. Entraram na via expressa, e Cris sentiu o coração bater com força. Quase mecanicamente disse: - Fique calma, Katie. Talvez não fosse Ted. Pode ser que fosse outra kombi, parecida com a dele. Talvez... Foi então que avistou, no outro lado da estrada, um caminhão reboque puxando um veículo todo amassado. Imediatamente reconheceu a Kombinada. - Katie! gritou, tapando a boca aterrorizada. Olhe ali! - Procure ficar bem calma, disse Mark com firmeza, enquanto Katie segurava o volante com força. O hospital fica a uns cinco quilômetros. - Oh, que carro mais idiota! gritou Cris. Por que o Ted já não deu um fim nesse lixo há

mais tempo? Fechou os olhos, tentando respirar fundo. - Vamos orar, gente, ordenou Katie. Orem aí! Mark logo se pôs a orar em voz alta. Cris sentia-se trêmula. Agarrou o assento do carro e o apertou com as duas mãos, usando toda a sua força. Pareceu-lhe que o pavor que sentia começou a se desvanecer um pouco. Afinal, Katie entrou numa vaga próxima à porta da entrada do setor de pronto-atendimento. Cris estava com todo o corpo tremendo. Desceu do veículo de um salto, e correu em direção ao guichê de informações, junto com os dois colegas. Katie foi a primeira a falar, articulando-se até com clareza. Indagou se Ted Spencer dera entrada ali, por causa de um acidente de carro. A atendente foi verificar. Cris e Katie se abraçaram tremendo. - Está, disse a mulher assim que voltou e entrou atrás do balcão. Ted Spencer está sendo atendido aqui. - E ele está...? principiou Cris. Não conseguiu terminar a pergunta. Sentiu que poderia desmaiar. - Como ele está? perguntou Katie, mantendo o braço firme em torno da amiga. - Não sei dizer, replicou a atendente, sentando-se e entregando uma prancheta a Cris. Quer assinar aqui, por favor? Vou ver se um médico pode vir conversar com vocês o mais rápido possível. Mas vão ter de aguardar ali. Cris já assistira muitos filmes sobre hospitais. E no estado de perturbação em que se encontrava, tinha achado que poderia entrar no quarto, como a câmera do filme entrava e dava um close no paciente. Queria saber logo como ele estava. Desejava ajudá-los a salvar a vida do seu namorado. - Vem cá, gente, disse Mark. Vamos esperar aqui. E foi encaminhando as duas jovens para a sala de espera. Os três se sentaram num sofá

que havia no canto, e permaneceram em silêncio. Cris fechou os olhos e por sua mente passou a imagem da Kombinada toda danificada. Sentiu a cabeça latejar. O teto do carro estava todo amassado, os lados, afundados, e com os vidros todos quebrados. Ó Senhor, não o leve para o céu, não, meu Deus. Ainda não! Por favor! Espere primeiro que eu possa lhe dizer que o amo. Ele ainda não me ouviu dizer isso. Deixe pelo menos eu lhe fazer essa confissão! Lágrimas e mais lágrimas lhe escorriam dos olhos. Sentia-se sufocar pelo choro. Katie abraçou-a e se pôs a murmurar: - Aguente firme! Continue orando! Continue orando! E afinal as duas conseguiram se acalmar. Foi então que Cris notou, pela primeira vez, que havia outras pessoas na sala. Teve vergonha ao notar que eles a estavam observando. Mark caminhara até a porta e se pusera a andar de um lado para outro, para ver se o médico já vinha. Cris virou-se e olhou para fora, para o estacionamento, sem dizer nada. Orando em silêncio, procurou fazer petições mais bem coordenadas. Deus estava com ela. Tinha certeza disso. Tinha consciência de uma paz divina a acalmá-la. - Devíamos ligar para o pai dele, disse por fim. Sabia o número do telefone dele de cor. Levantou-se para procurar um telefone público. Ninguém a acompanhou, e ela achou melhor assim. Não sabia bem por quê, mas entendia que, se estivesse sozinha, iria sentir-se mais forte. Enquanto caminhava em direção ao aparelho, tinha a sensação de que Jesus estava a seu lado. A ligação caiu na secretária e, em tom bem calmo, Cris deixou o recado para o pai de Ted, informando-o do ocorrido. Sua mão tremia tanto e sua voz estava bem falha. Não sabia se conseguira dizer tudo corretamente. De todo modo, o pai de Ted ficara sabendo onde se encontravam.

Em seguida, ligou para seus pais. Sua mãe atendeu. Assim que escutou a voz dela, começou a chorar de novo. Mark viera atrás dela, no setor dos telefones. Colocou a mão de leve sobre seu ombro e disse em voz baixa: - Quer que eu fale com ela? A jovem fez que sim. As lágrimas estavam lhe embaçando a fala. Então Mark pegou o telefone e explicou para a mãe dela que eles estavam no hospital, aguardando o médico que iria dar-lhes informações sobre o Ted. Cris escutou a voz aflita de sua mãe indagar ao rapaz: - E o Ted está vivo? Nesse instante, pela primeira vez, a jovem permitiu que em sua mente entrasse a idéia de que o namorado poderia estar morto. Encostou-se na parede e ficou pesadamente apoiada nela. - Ainda não sabemos, ouviu o colega responder para sua mãe, e em seguida, dizer: É, acho que seria bom se vocês pudessem vir. Depois deu o nome do hospital e desligou. - Mais alguém pra telefonarmos? perguntou o rapaz. - Tio Bob, replicou Cris num fio de voz. Creio que ele gostaria de estar aqui. A jovem discou o número do telefone do tio e deixou que Mark lhe desse todas as informações. - Quer voltar pra sala de espera? indagou ele por fim. Cris não chegou a responder pois nesse momento viu um médico com seu jaleco branco vindo na direção deles. Correu ao encontro do doutor e perguntou-lhe se estivera cuidando de Ted. O médico quis saber se eles eram amigos ou parentes. - Amigos, disseram Cris e Mark a uma voz. - E já ligamos para o pai dele, informou a jovem. Ele não estava em casa, mas deixamos um recado pra que ele venha ao hospital.

- Está bem, replicou o doutor olhando para Mark e em seguida para Cris. Posso dizerlhes o seguinte: ele está vivo, mas isso é um milagre. Cris pegou a mão do amigo e apertou-a com toda a força. - Os socorristas disseram, prosseguiu o médico, que nunca viram ninguém sair vivo de um acidente como aquele. Ao que parece, a kombi capotou três vezes. Eles disseram que o teto, a frente e a porta do lado do motorista estavam totalmente amassados. - É verdade, interpôs Cris nervosamente. Eu vi o carro. Mas como está o Ted? O médico olhou para a jovem, fitando-a por sobre os óculos. - Já o levamos para o bloco cirúrgico, no andar de cima. Acho que vai demorar algumas horas para podermos dar um relatório completo. Nesse meio tempo, se vocês ou alguém que conhecem puderem doar sangue, será bom. Parece que ele vai precisar muito. E assim que tivermos mais informações sobre o estado dele, passaremos a vocês. - Obrigada, disse Cris. Nesse instante, ela percebeu que estivera segurando a mão do amigo com muita força e a soltou. - É melhor irmos contar pra Katie, falou. Nas duas horas e meia seguintes, Cris teve a sensação de que se achava envolta numa bruma. Conversando com a enfermeira, descobriu que o sangue do namorado era do tipo A. Cris e Mark tinham o mesmo tipo. Katie ligou para uma porção de alunos da universidade. Vinte minutos depois, Selena e Wesley chegavam com mais oito estudantes. Todos fizeram doação de sangue e depois foram para a sala de espera fazer companhia a Cris. Muitos faziam perguntas e apresentavam especulações em torno do acidente. Cris começou a ficar irritada. Nenhum deles dispunha de informações suficientes para criarem tantas soluções assim. Entendia que eles queriam ajudar, mas não podiam. Então ficou alegre quando viu chegarem seus pais com David, seu irmão de treze anos. Os três pareciam bastante

preocupados. A jovem abraçou-os e quando o pai a segurou, pôs-se a chorar no ombro dele. Chegaram mais dois alunos da Rancho Corona. Nesse momento, Cris começou a tremer de frio, por causa do ar-condicionado do aposento. - Cris, vamos lá fora um pouquinho? pediu-lhe David. O garoto estivera esperando de pé, num canto, sem falar nada, apenas escutando o que os outros conversavam sobre a pouca informação de que dispunham. A jovem gostou da idéia de sair. Seria bom para se aquecer um pouco. Então saiu com o irmão, gozando o ar cálido daquela tarde de outono. - Cris, estou morrendo de medo! disse o garoto. David tinha quase um metro e setenta de altura, apenas uns três centímetros menor que a irmã. Tinha mãos e pés muito grandes e um cabelo ruivo bem cheio, como o do pai deles, e usava óculos. Naquele momento estava muito constrangido, limpando as lágrimas que lhe tinham vindo aos olhos e que, lá dentro, ele conseguira reprimir. - Eu também, disse a jovem, passando o braço nos ombro do irmão. Durante o ano em que Cris estivera estudando fora, ela se comunicara com o irmão apenas o necessário. Os dois não eram muito chegados, devido à grande diferença de idade entre eles. Nesse instante, porém, sentiu-se mais ligada a ele do que sentira antes. David gostava muito do Ted, desde que o conhecera, fazia cinco anos. Muitas vezes, quando o rapaz ia à casa deles, acabava passando, em companhia do garoto, o mesmo tempo que passava com a namorada. Em alguns momentos, Cris achava que Ted seria um bom irmão para David, melhor até do que ela própria. - Acha que o Ted vai se salvar? - Não sei, replicou Cris ainda abraçada com o irmão. Estou orando o tempo todo. Você sabe que o médico falou que é um milagre ele estar vivo. - Mas se ele morrer, vai para o céu, continuou o garoto.

Era uma afirmação, e não uma pergunta. Parecia até o próprio Ted falando. - Vai. - Sei disso porque ele me falou. E muitas vezes ele me disse que eu precisava entregar minha vida para Deus para eu ir para o céu quando morrer. Eu também quero ir, pois assim a gente estará junto. Ted falou que podemos construir uma rampa de skate lá, se é que ainda não tem uma. Cris engoliu em seco e fez uma oração silenciosa. Ainda não, Senhor! Por favor! Não leve o Ted, não, Pai! Deixe primeiro que ele faça umas rampas de skate aqui. Deixe que ele continue falando a garotos como o meu irmão que eles precisam acertar a vida contigo. - Mas eu ainda não entreguei, prosseguiu David, afastando-se da irmã e fitando-a. Nunca orei pra entregar minha vida a Jesus. Cris tinha quatorze anos quando compreendeu que só pelo fato de ter sido criada na igreja com sua família, isso não significava que era crente. Agora, nesse momento, dava-se conta de que seu irmão tinha quase a mesma idade de quando ela entendera isso. - E você quer fazer essa decisão agora? indagou a ele. O garoto fez que sim. - Quero, disse. Quero fazer uma oração agora. Você pode me ajudar? A jovem sentiu a garganta se apertar e lágrimas lhe virem aos olhos. - Claro, replicou com voz embargada. - Como é que eu falo? - Fale o que vier ao seu coração, explicou. Deus sabe o que você está pensando, David. Sabe que ‘tá tomando a decisão de crer nele. Então diga-lhe exatamente isso e receba o dom do perdão e da vida eterna. Em seguida, ela fechou os olhos e abaixou a cabeça. David expressou umas quatro ou

cinco frases bem diretas, afirmando que cria que Jesus era o único Filho de Deus e pedindo ao Senhor que perdoasse seus pecados e assumisse o controle de sua vida. Quando encerrou, disse: - Que assim seja! Então Cris compreendeu que o irmão já tinha ouvido o Ted orar mais de uma vez. Abriu os olhos e respirou fundo. - Você acaba de ser adotado na família de Deus, disse com um sorriso nos lábios tensos, apesar dos abalos que sofrera nas últimas horas. Estou muito feliz por você, David. O Ted também vai ficar muito alegre. E com isso, as lágrimas voltaram a lhe escorrer pelo rosto. - Quero contar pra ele que finalmente fiz isso, disse David com um aceno de cabeça. - Vamos lá. Talvez eles deixem que a gente entre lá pra vê-lo. Cris passou o braço em volta do irmão e os dois retornaram juntos para a sala de espera. Ela se sentia meio atordoada e ao mesmo tempo encantada pelo que acabara de acontecer. - Alguma novidade? indagou Cris. A mãe abanou a cabeça. - Seu pai foi lá doar sangue, para o caso de eles precisarem de mais, informou ela. - Também quero doar, disse David. A mãe olhou-o espantada. - Você ainda é novo, filho, disse. Não pode doar, nem mesmo se déssemos consentimento. Precisa ter mais de dezoito anos. O garoto fez uma expressão de decepção. - Mas acho que seu pai pode estar precisando de um pouco de apoio moral, continuou ela. Vamos ver onde é que ele está. Depois que a mãe e o irmão de Cris saíram, esta se lembrou do que acabara de

acontecer. Virou-se para Katie. - Aquela hora que eu e meu irmão fomos lá fora, ele entregou a vida pra Jesus, disse para a amiga. Sua voz não expressava nenhuma emoção, pois não tinha mais quase nenhuma para demonstrar. - Oh, que incrível! exclamou a colega, também num tom inexpressivo. Como foi? - Faz muito tempo já que o Ted vem falando com ele sobre o Senhor. Acho que agora, finalmente, o David quis tomar uma decisão firme. Gostaria de me sentir mais feliz do que estou me sentindo. Nesse instante, entrou na sala um homem alto, de ombros largos, vestindo uma camisa esporte típica dos havaianos. Era o pai de Ted. Ao lado dele, estava o Tio Bob. A jovem já vira o pai do seu namorado apenas uma ou duas vezes, mas correu para ele e o abraçou, antes de cumprimentar o tio. - O que vocês estão sabendo? indagou Bob. Tio Bob morava a alguns quarteirões da casa do pai de Ted e, ao que parecia, os dois tinham vindo juntos. Cris fez um resumo do que sabiam a respeito de Ted e no momento em que terminava, o médico entrou na sala. Avistando a jovem, foi direto para ela. - Este aqui é o pai do Ted, disse ela para o médico. - Bryan, falou o pai, apresentando-se e estendendo a mão para o outro. Bryan Spencer. Como está ele? - Sou o Dr. Johannes, replicou o médico. Ele está saindo do bloco cirúrgico agora, explicou. Tivemos muita sorte porque conseguimos identificar o local da hemorragia logo. Ele sofreu uma perfuração do cólon. O cirurgião fez a sutura, e resolvemos remover também o apêndice dele que estava bastante inflamado. Isso pode ter sido causado pelo acidente ou não.

No mais, tudo parece estar bem. Tivemos de dar alguns pontos na mão dele, e talvez ainda precisemos dar mais alguns, depois que extraírem o resto dos estilhaços de vidro. - Ele vai ficar bom, não vai? indagou Katie num rompante. - Bom, isso eu não posso garantir, replicou o Dr. Johannes. Ele perdeu muito sangue, mas por incrível que pareça, não teve nenhuma fratura. Só amanhã de manhã é que poderemos dar um diagnóstico mais preciso. E ele deve permanecer na sala de recuperação mais uma ou duas horas. - Será que posso ir vê-lo? indagou o pai do rapaz. O médico examinou a prancheta que trazia consigo e acenou que sim. - Pode. Ele ainda está sedado, então não vai ver que vocês entraram lá. Mas tudo bem. Pode ir vê-lo. E só duas pessoas de cada vez, o.k.? O Dr. Johannes virou-se para sair, mas depois voltou e olhou para o pai de Ted por sobre os óculos. - O rosto dele está muito inchado por causa do impacto, explicou em voz baixa. Ele está com um olho arroxeado e o cabelo dele está sujo de sangue, pois ainda não limparam. Estou dizendo isso para que não pensem que ele está muito mal. Está melhor do que parece. Bryan Spencer fez que sim e em seguida virou-se para Cris. - Quer ir comigo? perguntou com uma expressão meio de dúvida. A jovem ficou sem entender se ele a chamava porque não queria ir sozinho ou se porque sabia que para ela também era muito importante ver o namorado imediatamente. Num gesto instintivo, deu o braço para ele e os dois foram caminhando pelo corredor até o elevador. O braço de Bryan estava tremendo. Cris compreendeu que ambos precisavam da força um do outro para encararem o que iriam ver. A enfermeira de plantão na sala de recuperação conduziu-os até o leito onde Ted estava, coberto com um lençol branco. Os braços se achavam por cima do lençol, sendo que no

direito estavam conectados vários tubos. No alto, uma lâmpada fluorescente de luz fraca iluminava o rosto do rapaz. Dava para ver bem o olho roxo e a boca inchada, bem como os horríveis pontos na mão dele, como o Dr. Johannes havia dito. A cabeça estava coberta por uma touca de papel transparente, semelhante a uma touca de banho. Dava para ver as manchas de sangue no cabelo. Vendo-o assim, Cris teve de fazer um enorme esforço para não chorar. - Oi, filho! disse Bryan em tom grave. É seu pai. A voz do homem tremia. Aproximou-se mais e tocou de leve no ombro esquerdo dele. Parecia que era a única parte do corpo do rapaz que não estava suja de sangue, ou com pontos ou com algum tubo. - O médico disse que você ‘tá indo bem, filho. Descanse, viu? Ted não respondeu. - A Cris também ‘tá aqui. Ela quer falar com você. Bryan deu um passo para trás e deixou que a jovem chegasse mais perto da cama. Ted estava imóvel no leito. Ela só ouvia o bipe-bipe, o tiquetaque e o murmúrio suave das máquinas. A luzinha fraca ficava rebrilhando no rosto dele. Cris teve vontade de pegar o rapaz nos braços e carregá-lo. Sentiu-se dominada por um forte senso de compaixão, a ponto de não ter mais lágrimas. Pegou a mão esquerda dele e ergueu-a devagar. Contou quatro lugares em que havia pontos nela. A mão estava fria e pesada. Deu-lhe um leve aperto. O rapaz não teve a menor reação. - Ted, disse ela inclinando-se mais para ele, estou aqui com seu pai. Em seguida, elevou um pouco mais a voz e continuou: - Estamos todos orando por você. O médico disse que você ‘tá indo bem. Falou que depois que dormir um pouco mais, saberão mais algumas coisas. Então não se preocupe em conversar conosco. Continue dormindo, Ted. Pegou a mão pesada do namorado, levou-a aos lábios e beijou-a. Sua boca tocou a pele

entre os pontos escuros que tinham dado nela, depois de removerem os estilhaços de vidro do pára-brisa. - Ted, quando você acordar, tenho muito pra te contar. Então durma bem, o.k.? Beijou de novo a mão dele e voltou-se para o pai do rapaz que se achava atrás dela, com os lábios tensos. - Será que eu poderia ficar aqui com ele? indagou. - Não conheço os regulamentos deste hospital, replicou o homem. Quer que eu vá perguntar? A jovem fez que sim. - Se o senhor precisar voltar pra casa hoje, posso ficar aqui com ele. Aliás, eu gostaria de ficar, disse ela. Bryan Spencer afastou-se silenciosamente, e foi para o outro lado do aposento. Cris escutou-o conversar baixinho com a enfermeira. A mulher explicou que preferiam que ninguém ficasse na sala de recuperação. A razão era que o espaço ali era muito pequeno e vários pacientes passavam mal quando voltavam da anestesia. Disse ainda que eles estariam melhor aguardando na sala de espera. Assim que Ted fosse transferido para um quarto, alguém do hospital lhes comunicaria. Cris deu um beijo carinhoso no rosto inchado do namorado e disse-lhe que o veria mais tarde. Depois aproximou-se do pai de Ted e os dois voltaram juntos para a sala de espera. Ali eles informaram os outros sobre o estado do rapaz. Assim que deram essas notícias, alguns dos estudantes, inclusive Mark, resolveram ir embora. Recomendaram a Cris que continuasse informando sobre as condições dele. Katie e o Tio Bob tinham ido comprar refrigerantes para a turma. Assim, naquele momento, estavam ali apenas os pais dela, o pai de Ted e seu irmão. - Ele ‘tá desacordado? perguntou o garoto, aproximando-se da irmã, enquanto o pai de Ted conversava com os pais dela.

- Creio que não, só anestesiado. Mas a anestesia deve acabar logo e acho que amanhã cedo ele já poderá conversar com você. - Você contou pra ele? continuou David. Contou o que fiz? Da nossa oração? - Ainda não. Quer que eu lhe conte ou prefere você mesmo contar assim que ele acordar? - Papai disse que nós vamos embora agora, já que não podemos fazer nada aqui. Então acho melhor você contar. - ‘Tá bom, replicou Cris, sorrindo para o irmão. Eu conto pra ele. E David... O garoto que já ia saindo parou, deixando que a irmã passasse os braços em seu ombro e o abraçasse. - Estou muito feliz com sua decisão, disse ela, dando-lhe um beijo no rosto. Em seguida, falando perto de seu ouvido, prosseguiu: - Hoje você tomou a decisão mais importante da sua vida. Estou muito alegre de ter participado daquele momento. David parecia meio sem jeito, com vontade de passar a mão no ponto do rosto onde a irmã o beijara, mas estava se esforçando muito para manter uma atitude adulta nessa situação. - Obrigado, disse meio desajeitado. Nesse instante, Cris compreendeu que cometera o maior erro de sua vida por não ter saído da sala de aula e ido à procura do namorado para lhe dizer que o amava. Por isso, virouse para o irmão e disse: - David, gosto muito de você, meu irmão! E tomou a decisão de nunca mais perder uma oportunidade de dizer aos seus entes queridos o quanto os amava. E quando os pais estavam se despedindo para ir embora, ela aproximou-se da mãe. - Mãe, eu te amo, disse, dando-lhe um beijo no rosto.

- Pai, eu te amo, repetiu, abraçando-o. O pai retribuiu e deu-lhe um beijo no alto da cabeça. - Ligue pra nós de manhã cedo, viu? recomendou ele Se você precisar de alguma coisa ou houver alguma mudança no quadro, nós viremos imediatamente. - ‘Tá bom. Obrigada, pai. - Procure dormir, interpôs a mãe. Pouco depois, Katie e o Tio Bob chegaram com várias latas de refrigerante. - Cadê o pessoal? indagou Katie. - Foram embora, explicou Cris. E você pode ir também, se quiser. Eu vou ficar. - Ah, então fico com você. - Você vai ficar, Bryan? indagou o Tio Bob ao pai de Ted. Ele acenou que sim e pegou uma das latas de refrigerante que Katie colocara sobre a mesinha de centro. - Vou ficar pelo menos até ele voltar da anestesia, explicou o pai de Ted. Se você precisar ir embora, Bob, pode ir. Eu dou um jeito de ir pra casa depois. - De maneira nenhuma, replicou Bob. Vou ficar. Quero ficar. E com isso, passou o braço em torno do ombro de Cris e deu-lhe um abraço de lado. - Nesses dias, quase não tenho tido chance de ver minha linda sobrinha aqui. Então vou aproveitar esta oportunidade. A jovem passou os dois braços pela cintura do seu carinhoso tio. - Eu te amo, Tio Bob. Já lhe disse isso? Não sei se já. Então saiba que eu te amo! Lágrimas brotaram nos olhos do tio. - Também te amo, querida. Nesse momento, Cris sentiu que o tio ficou tenso, assim que ergueu os olhos. Ela acompanhou a direção do olhar dele e ouviu uma voz bastante conhecida. Aí compreendeu a

razão de ele ter ficado tenso. - Mas eu sou parente dele, disse aquela voz com firmeza. Não sei por que não posso visitar o Ted Spencer imediatamente. Ninguém tinha aquele timbre cortante na fala, a não ser a Tia Marta, principalmente quando tentava ao máximo forçar para que se fizesse a sua vontade. Tio Bob caminhou em direção ao balcão da recepção e Cris foi junto com ele, deixando Katie a sós com o pai de Ted. Contudo os dois também foram logo atrás deles. Cris sabia que já estava acostumada com sua exótica tia. Nem seu cabelo, nem as roupas que usava a assustariam mais. Nem mesmo a mentira que acabara de dizer, afirmando ser parente de Ted, foi uma surpresa para a jovem. Marta era uma pessoa que sempre conseguia o que queria, ainda que tivesse de alterar qualquer regulamento. O que deixou Cris espantada foi o homem que a acompanhava. Era alto, de pele acobreada e tinha longos cabelos brancos esvoaçantes. Parecia uma espécie de autonomeado anjo da guarda de sua tia. - Olá, Marta! disse Bob, parando a menos de um metro dela com uma atitude firme. - Robert? disse ela, parecendo surpresa de ver o marido ali. - Quem é esse cara? indagou Katie, num cochicho, aproximando-se de Cris. A jovem sabia a resposta, mas ficou de boca fechada. Afinal, promessa era promessa. Cabia à sua tia que, aliás, se mostrava bastante espantada, apresentar Cheyenne a todos.

13
- Assim que ouvi o recado na secretária, vim para cá, explicou Marta. Em seguida, com passos rápidos, aproximou-se do marido e cumprimentou-o beijandolhe o rosto. Na verdade, beijou mais o ar do que ele. Fez o mesmo com Cris e depois abraçoua. - Como está o Ted? indagou. Ele vai ficar bom? Vim muito aflita no caminho todo. - O médico disse que o quadro é estável, explicou o pai de Ted. Ah, continuou, eu sou o pai dele, Bryan Spencer. Acho que ainda não nos conhecemos. - Satisfação, Marta, respondeu a tia de Cris. E como você se parece com seu filho! Tenho muito prazer em conhecê-lo! E com a mão esquerda, ela fez um gesto engraçado, batendo no ar, como se estivesse querendo soltar dela algo. Cris olhou para Cheyenne, que ficara uns passos atrás. Tinha estampado no rosto uma expressão de quem não estava entendendo nada. Não compreendia por que Marta, com seu jeito pouco sutil, lhe fazia sinal para ir embora dali. Ao que parecia, naquele momento, a “aura” dela não se achava em harmonia com mais ninguém naquele aposento. - Oi! fez Katie para Cheyenne, de uma forma bem ostensiva, acenando para ele. Ela sorria para o homem, dando a impressão de que ele lhe parecia meio acanhado e sem jeito de se juntar ao grupo. E foi só o que bastou para ele se aproximar mais. - Este aqui é meu professor de cerâmica, explicou prontamente a tia de Cris. Tive uma aula agora de tarde e como fiquei muito abalada com a notícia do acidente do Ted, o

Cheyenne gentilmente se ofereceu para me trazer até aqui. Cheyenne virou-se para Bob e os dois se cumprimentaram formalmente, com um leve aceno de cabeça, dando a impressão de que nunca tinham se visto antes. - O Ted ainda ‘tá na sala de recuperação, explicou o Tio Bob, com um tom calmo e comedido. Assim que pudermos ir vê-lo, eles irão nos informar. Mas pode ser que ainda demore um pouco. Se você quiser ir pra casa, assim que soubermos mais alguma coisa, posso ligar pra lá, passando-lhe as últimas informações. - Vocês todos vão ficar por aqui? indagou Marta com a voz meio áspera. - Vamos, disse Bob, ainda num tom de quem está se controlando. Cris teve a impressão de que a coitada de sua tia não sabia o que fazer. - Vocês já almoçaram? insistiu ela, continuando com o tom nervoso. Cris teve vontade de rir. Essa era uma tática que ela conhecia bem. Era uma forma de resolver problemas que sua mãe e Tia Marta utilizavam. Era um hábito que haviam trazido do interior, onde moravam na infância. A própria Cris se pegara lançando mão dela um dia, na “Selva”, quando Mark lhe dissera que acabava de chegar de Wisconsin. Sua primeira preocupação fora falar de comida com ele. Foi então que compreendeu que sua tia podia se apresentar como uma sofisticada socialite, ou se voltar para a natureza (como começara a fazer ultimamente) e fazer o papel de “compradora” oficial para todo mundo. Contudo a verdade é que, no fundo, não passava de uma mulher do interior de Wisconsin. Sem saber bem por quê, ao ter essa visão de sua tia, Cris se viu inundada por uma onda de compaixão por ela. - Não, ainda não, disse Katie, respondendo pelos quatro. Uns minutos atrás, compramos apenas uns refrigerantes ali na máquina. É que não queríamos ficar muito tempo afastados deste lugar. - Então vou buscar algo para comerem, anunciou Marta. Alguém está fazendo algum

regime especial ou tem alergia a algum alimento? Como ninguém respondesse, ela continuou: - Ótimo. Então volto já. Girando nos calcanhares, saiu. Cheyenne fez um aceno de cabeça, como que se despedindo de Cris e dos outros. Em seguida, foi atrás de Marta, que caminhava balançando o longo cabelo. - Gente, vamos ligar para o laboratório, disse Katie em voz baixa, assim que os dois se foram. - Pra quê? quis saber Cris. - Pra informar que a experiência deles fracassou. É a experiência de clonar um modelo masculino para calendário. O exemplo mutante conseguiu fugir e ‘tá indo atrás de sua tia. Cris teve vontade de rir do comentário da amiga, mas se conteve. Afinal, Marta era sua tia e o marido dela achava-se perto. Ela já aprendera que assim que alguém começasse a tratar outrem com desrespeito, os outros logo adeririam à brincadeira e começariam a fazer o mesmo. Era muito fácil assimilar tal atitude. Os quatro voltaram para a sala de espera. Mais de uma hora depois, Cheyenne retornou com várias embalagens de espaguete, que exalavam um cheiro delicioso. - A Marta não está se sentindo muito bem, informou ele. Vou levá-la em casa. Nenhum deles se espantou com o fato. Comeram em silêncio. Cris não estava nem tomando conhecimento do que comia. - Vou dar uns telefonemas, disse Bryan. - Vou lá fora respirar um pouco, informou Bob, depois que acabara de comer. Cris e Katie ficaram sozinhas. Cris sentiu uma raiva surda começar a se formar em seu coração. Fazia anos que ela e Ted rodavam para cima e para baixo naquela kombi velha e surrada. Era um milagre que os dois não tivessem sofrido um acidente e morrido. Nunca mais,

em sua vida, queria entrar em um carro velho. - Seu carro tem airbag nos dois lados? perguntou de repente para Katie. - Quê? indagou a outra. - Não vou mais entrar no Buguinho com você não, disse. - De que é que você está falando? - O Ted poderia ter morrido. A kombi dele não tinha airbag. Só agora era que o horrível acidente estava chegando ao seu consciente. Cris teve a impressão de que ia vomitar. - Mas não morreu, replicou Katie com firmeza. Cris, pense bem nisso. Deus salvou a vida dele, pois ainda não terminou a obra que quer fazer no Ted. Ele tem um plano para o seu namorado. Aliás, ele sempre tem um propósito em tudo. No fim, isso vai produzir algo de bom. Por favor, não venha me pôr medo agora. Você precisa ser forte. As palavras firmes da outra foram como um balde de água fria nas emoções tumultuadas de Cris. - Você tem razão, disse. Deus está aqui. Ele está nisso tudo. Sei que está. Ele vai realizar algo. - Bom, bom, replicou Katie num tom de humor, que irritou um pouco a amiga. Olhe só o que já aconteceu. Seu irmão se converteu. Cris havia se esquecido disso. Mesmo assim, envolta em todo aquele sofrimento, não achava que isso era razão suficiente para o Ted ter passado por experiência tão terrível. - Cris, principiou Katie aproximando-se e pondo-se a massagear de leve o ombro da amiga, vamos manter uma visão correta disso tudo. Estamos todos abalados, sim. É tudo muito horrível. Mas Deus não está lá no céu, andando de um lado para o outro nervoso, torcendo as mãos e dizendo: “Puxa! Como é que isso foi acontecer?” Não. Ele é Deus. Pode fazer o que quiser. E ao que parece, no presente momento, ele quer que o Ted continue

vivendo. Cris sentiu as lágrimas escorrendo-lhe pelo rosto. Nem conseguia acreditar que ainda havia algum líquido de resto em seu organismo. - É, disse Katie, também vou lá fora respirar um pouco. Você poderia fazer um esforço pra dormir um pouquinho. Quando o Ted puder receber visitas, você vai precisar estar o mais calma possível. Tente descansar, concluiu, dirigindo à amiga um sorriso leve. Cris fechou os olhos e inclinou a cabeça para trás. Deu um suspiro profundo. Sentiu cheiro de desinfetante à base de amoníaco, misturado com o do molho da comida, que cheirava a alho. Com o pé, empurrou para um lado as sacolas com as vasilhas de espaguete que ainda estavam no chão e tentou concentrar-se para orar. Sentiu-se inundada de paz. Chegou a pensar que se abrisse os olhos veria Jesus sentado ao lado dela. E ele não estaria torcendo as mãos aflito. Katie tinha razão a respeito disso. Deus estava no controle de tudo. Sabia que Jesus sentiria a dor que ela experimentava naquele momento. - Cris! falou o Tio Bob, cortando aquele seu instante de reflexão. Você ‘tá bem, querida? Ela abriu os olhos e fez que sim, procurando exercitar força interior. - Estou bem, tio. E você? - Tudo bem, respondeu ele, com um aceno de cabeça. Acho que não deve demorar muito pra eles nos deixarem entrar. Cris fitou o tio detidamente. - Como é que você está mesmo, tio? Quero dizer, com esse problema da Tia Marta, e tudo o mais? - Estou muito sentido de que você tenha sido obrigada a vê-la daquele jeito, com... com ele. - Eu já sabia sobre o Cheyenne, explicou Cris. Naquele dia que ela foi me visitar, umas

semanas atrás, ela me contou sobre as cerâmicas e a comunidade, etc. - Ela lhe falou que ‘tá pensando em ir pra Santa Fé com ele? Cris acenou que sim, num gesto lento. - Mas eu prometi a ela que não contaria nada pra ninguém. Agora eu gostaria de não ter prometido. Sinto muito não ter ido lá pra conversar com você sobre essa questão. - Não precisa se desculpar, não. Você não poderia ter feito nada, disse ele, sentando-se e colocando os pés na mesinha de centro. Sua tia ‘tá fazendo a vontade dela. Você não conseguiria mudar sua decisão. Estava claro que Bob já tinha conhecimento do relacionamento de Marta com Cheyenne. Cris ficou a se indagar se sua tia estava planejando fazer essa mudança em breve. Em tom carinhoso, perguntou ao tio: - O que você pretende fazer, tio? - Um irmão lá da igreja me citou um versículo que se aplica à minha situação, replicou ele. É 1 Corintios 7.15: “Mas, se o descrente quiser apartar-se, que se aparte; em tais casos, não fica sujeito à servidão nem o irmão, nem a irmã; Deus vos tem chamado à paz”. Cris achou que o tio estava recitando aquilo como um robô. Sentiu-se impelida a dizer algo. - E você vai deixá-la ir embora assim? - Não posso lutar contra isso, replicou ele, em voz embaçada. - Pode, sim, tio. A jovem não sabia de onde estava tirando forças para falar daquele jeito, nem de onde vinham tais palavras. Em seu interior, parecia haver brotado uma nova fonte de emoções relacionada com o problema do tio. Esta era bem distinta da força relacionada com Ted e que ela vinha esgotando havia já algumas horas. A primeira ainda estava repleta de idéias, e ela se servia delas com toda a vontade.

- Você ainda pode lutar por ela, tio. Ore por ela. Ame-a. Não pode entregar os pontos assim. Os olhos dele se encheram de lágrimas. Cris achava que nunca tinha visto o tio chorar. - Tio Bob, esse versículo pode se aplicar ao seu caso agora, no momento, mas existem muitos outros textos sobre o amor e o casamento na Bíblia. A jovem resolveu que iria continuar falando tudo que lhe vinha à mente, antes que essa nova fonte de forças se esgotasse também. - Nas aulas aqui na Rancho Corona, aprendi um fato muito importante. É perigoso pegar só um verso da Bíblia e montar nossa visão de um determinado assunto com base apenas nele. Temos de estudar todos os textos relacionados com a questão, pra podermos entender o que Deus quer nos revelar sobre ele. Bob fitou-a pensativo e depois disse: - Você tem razão. Eu desisti de sua tia sem lutar. Ia deixar que ela fosse embora para aquela comunidade de artistas. Mas talvez isso não seja a vontade de Deus. Cris se lembrou de que seu tio era crente havia pouco tempo. No desejo de fazer com que toda a sua vida se tornasse um tranquilo reflexo do amor e da compaixão de Cristo, ele se esquecera de que o Senhor também ficara irado. Jesus havia derrubado a mesa dos cambistas no templo. Tinha chorado à vista de todos, quando seu amigo falecera. Havia mandado que o morto saísse do túmulo e em outra ocasião ordenara ao vento e ao mar que se aquietassem. Cris se recordou de todos esses exemplos relacionados com Jesus porque estivera lendo o Novo Testamento para conhecer melhor o Salvador. Então comentou com o tio acerca dessas verdades que lera nos Evangelhos e sugeriu-lhe que fizesse o mesmo. - O que transforma nossa vida, tio, é a Palavra de Deus, explicou ela. Recordou-se de que ouvira isso numa das aulas, mas não se lembrava em qual. Bob levou a mão à nuca e esfregou-a de leve. Fitou a sobrinha com uma expressão mais

leve. - Sabe? Nunca li a Bíblia toda. - São poucas as pessoas que já a leram, tio. - Mas você ‘tá certa. Como posso dizer que sou discípulo de Cristo se nem ao menos li a história da vida dele? - Ele escreveu apenas um livro, a Bíblia, disse Cris. Então nós apenas temos de lê-la, procurando a solução para os problemas da vida. - O que acontece, replicou Bob, é que acho que tenho me limitado a ouvir outros. Eles estudam as Escrituras e me passam o que aprendem. Não é assim que ajo com meus investimentos financeiros. Então, por que devo fazer isso na minha vida espiritual? O Tio Bob se inclinou e deu-lhe um beijo no rosto. - Senti muito a sua falta, Olhos Brilhantes, disse. Você sabe que sempre foi e é minha sobrinha predileta. - Hmmm, replicou ela sorrindo, mas sempre fui também sua única sobrinha. - Um pequeno detalhe, um pequeno detalhe. Nesse momento, o pai de Ted entrou na sala. - O médico disse que já podemos ir vê-lo. Está no quarto 302. - Vou chamar a Katie e subiremos já, anunciou Cris. O Tio Bob e Bryan subiram para o quarto. Alguns minutos depois, as duas jovens também foram para lá. Quando Cris entrou, viu que Ted estava com os olhos abertos, mas teve a impressão de que ele não a reconheceu. Sentindo o coração bater forte, ela procurou reprimir as lágrimas de compaixão. Aproximou-se do lado do leito e carinhosamente pegou a mão do rapaz. - Oi! disse ela. Os olhos dele brilharam ligeiramente, mas foi o suficiente para ela perceber que ele a

reconhecera. - Foarero, murmurou ele por entre os lábios inchados. - O quê? indagou a jovem, chegando mais perto. A aparência dele era horrível. - Se estiver muito difícil falar, não se esforce, Ted, disse ela. Amanhã de manhã, depois que já tiver dormido bem, você me fala. - Nó foarero, repetiu ele. - Foarero? perguntou Cris. O rapaz fez um leve movimento, acenando que sim. - Foarero... Ah, você quer dizer nosso fogareiro? Novamente Ted fez sinal afirmativo. Parecia que o gesto lhe causava dor. Katie aproximou-se e deu a interpretação. - Cris, ele ‘tá querendo dizer que ‘tá preocupado com o fogareiro. Devia estar na Kombinada. Cris virou-se para o namorado, dando um sorriso. - Você ‘tá pensando no nosso fogareiro? Ó Ted, não se preocupe com isso. Podemos comprar outro depois. O mais importante agora é você ficar bom. O rapaz fechou os olhos. Cris olhou para a amiga com expressão de preocupação. Naquele momento, não sabia bem o que dizer nem o que fazer. O pai de Ted chegou mais perto da jovem. - Nós vamos embora pra casa, disse, pra descansar algumas horas. Amanhã eu volto. Cris sentiu o Ted apertar levemente sua mão. - Eu não vou embora, não, Ted, disse. Vou ficar bem aqui. O rapaz soltou a pressão. Em seguida, caiu no sono, parecendo muito cansado. - Tem certeza de que quer ficar a noite toda? indagou o Tio Bob.

Cris acenou que sim. - Katie, disse ela, se quiser voltar pra escola, pode ir. Não me importo de ficar aqui sozinha. - Acho que vou mesmo, respondeu Katie. Amanhã cedo eu volto. Quer que eu lhe traga algo? - Não. Se lembrar de alguma coisa, ligo pra você. Todos lhe deram um abraço de despedida, e a jovem ficou sozinha ao lado da cama. Num canto do quarto havia uma poltrona que ela arrastou para perto do leito. Movendo-se bem silenciosamente, abaixou a grade lateral, para que pudesse segurar a mão do namorado com mais facilidade. Cris se pôs a orar. Ouvia o ruído constante dos tiquetaques dos aparelhos, que pareciam um eco de suas súplicas a Deus. Enquanto eles estivessem fazendo aquele rumor constante e seguro, Ted estaria bem. Ele estava vivo. Olhou para um dos tubos que se achava conectado à mão direita dele. Ele tem um pouco do meu sangue agora, pensou. O meu e o dos meus familiares, do pai dele e dos nossos amigos. Ó Ted, outro dia você falou que sempre se sentira tão sozinho porque não teve irmãos. Agora, veja só! Você ‘tá cercado por uma família de irmãos em Cristo e vivendo pelo sangue dessas pessoas. Nosso sangue ‘tá correndo em suas veias. Passou um dedo de leve sobre o dorso da mão esquerda dele, acompanhando a linha da veia. Examinou o local onde o médico tinha dado pontos. A cicatriz do corte ficaria na pele pelo resto da vida. Jesus também tem cicatrizes nas mãos. Foi isso que você falou na reunião dos jovens no domingo passado. Quando chegarmos ao céu, Cristo vai estender os braços pra nós e aí verem as cicatrizes. Fechou os olhos e imaginou o Senhor de pé atrás dela. Uma das mãos, com a cicatriz,

estava pousada em seu ombro. Ela experimentara essa proximidade de Jesus poucas vezes na vida. Agora ela lhe comunicava uma imensa paz. Segurando a mão de Ted, sentiu-se calma ao imaginar a mão de Cristo em seu ombro. - ‘Tá vendo o quanto estamos ligados, Ted? sussurrou. Deus ‘tá aqui. ‘Tá conosco nisso tudo. Sinto sua presença de forma muito real agora. Katie tinha razão. Ele não ‘tá lá torcendo as mãos, nervoso, perguntando como é que isso foi acontecer. Não. Ele ‘tá estendendo os braços pra nós, tocando-nos. ‘Tá nos aproximando mais um do outro e dele. Desses pensamentos, ela passou a uma oração sussurrada. Era uma prece bem definida, agradecendo ao Senhor por sua misericórdia, por ter poupado a vida de Ted. Em seguida, entregou-lhe o futuro deles. E encerrou dizendo as palavras que seu namorado dissera no acampamento: - Como quiseres, Senhor! De repente, Cris abriu os olhos. Acabara de ter entendimento a respeito de algo, e ficou surpresa. Eu sempre quero estar no controle de tudo, e planejar e organizar o horário. Mas em última análise, na verdade não sou eu que estou no comando da minha vida. É Deus! Lembrou-se de que, quando Jesus estava na Terra, ele orara da seguinte maneira: “Não se faça a minha vontade, e sim a tua”. Foi isso que o Ted quis dizer quando falou “Como quiseres, Senhor”. Seu pensamento era: “Senhor, faze o que quiseres, e eu aceitarei”. Era possível que ela w o Ted jamais viessem a saber por que aquele horrível acidente ocorrera. Contudo, juntos, podiam dizer para Deus: “Como quiseres, Senhor. Faze o que quiseres de nossa vida e nós aceitaremos tua vontade, mesmo que não a compreendamos”. Nesse momento, desejou que o namorado estivesse acordado. Queria muito expor para ele as idéias que lhe vinham ao pensamento. Entretanto ele estava dormindo, e dormindo

tranquilamente. Não poderia tirar dele essa bênção de que ele tanto precisava para se recuperar. E a recuperação seria demorada. E durante várias horas, Cris ficou ali sentada, ao lado do seu amado, totalmente desperta, sentindo-se como que “banhada” pela paz da presença de Cristo. A enfermeira de plantão entrou no quarto diversas vezes, para verificar como Ted estava passando. Ofereceu à jovem algo para comer ou beber. Contudo Cris recusou. Não sentia necessidade de nada. Seu coração estava cheio; seu corpo, alimentado. Em dado momento, no meio da noite, ela se levantou para se esticar um pouco. Aparentemente, Ted percebeu que ela havia se movimentado e agitou-se também. Cris colocou a mão fria em seu rosto inchado, procurando dar-lhe alguma sensação de alívio. A respiração dele voltou ao ritmo normal. Cris passou o dedo de leve sobre o contorno dos lábios dele. Depois acariciou seu queixo firme, bem delineado e ficou a olhá-lo, como que guardando na memória os traços de seu rosto. - Eu te amo! murmurou. As palavras jorraram de seus lábios naturalmente, sem restrição alguma. Agora a estrada que ia do coração de Cris para sua boca estava desimpedida. E essas três belas palavras “rodavam” por ela sem nenhum obstáculo, e se derramavam sobre o rapaz que dormia. Cris ficou a repeti-las em voz alta, dando risadinhas curtas. - Eu te amo! Amo mesmo! De verdade! Sei que você não ‘tá me escutando, Ted, mas não tem importância. Assim que você acordar, vou lhe dizer tudo isso de novo, com meu rosto refletido em seus olhos, como diz aquela poesia que a Katie leu. Vou lhe dar o melhor presente de todos os que já dei. Vou lhe dar provas da promessa que lhe fiz, da promessa que já lhe fiz em meu coração. Respirou fundo, sorriu e disse em voz bem clara: - Eu te amo, Ted Spencer. Para sempre e sempre. E nada vai mudar isso!

14
Acordou ao sentir uma mão pesada sobre sua cabeça, alisando seu cabelo de leve. Abriu os olhos e imediatamente se recordou de tudo. Ted sofrera um acidente; estava no quarto do hospital. Adormecera sentada na poltrona. Havia se inclinado e debruçado na beirada da cama, apoiando a testa nos braços. - Ei! Você acordou! exclamou erguendo a cabeça e vendo que ele abrira os olhos. Nesse momento, percebeu que havia babado. Pegou rapidamente um lenço de papel na mesinha de cabeceira e limpou a própria boca. - Como ‘tá passando? indagou. - Olá! disse ele com voz rouca. Cris sorriu e tocou no braço dele. - Como ‘tá se sentindo? repetiu. - Dolorido, replicou ele, movendo apenas os lábios e engolindo em seco. - Quer que eu chame a enfermeira? Ele não respondeu. Caiu de novo num sono inquieto, provocado pelos analgésicos, que gotejavam lentamente e entravam em suas veias. Cris ficou ali parada mais uns dez minutos, esperando para ver se ele despertaria, mas Ted continuou dormindo profundamente. Então levantou-se, lavou o rosto e foi para a cantina do hospital. Uma xícara de chá quente cairia bem nessa hora. Pediu também um biscoito e uma laranja. Quando descascava a fruta, o cheiro forte do sumo se espalhou no ar e pareceu

reanimá-la. Ted dormiu a manhã toda, despertando apenas três vezes. A certa altura, chegaram Katie, Mark, Wesley, dois professores da faculdade e o colega de quarto do seu namorado. Eles impuseram as mãos sobre ele, que ainda dormia, e oraram em seu favor. Logo em seguida, voltaram para a escola. Katie disse que avisaria Donna que naquele dia também Cris não iria trabalhar. O Tio Bob ligou duas vezes para o quarto. Na segunda, Ted acordou ligeiramente com o toque do telefone. E no momento em que abriu os olhos, o pai dele entrou no quarto. O rapaz sorriu, dando demonstração de que estava muito feliz de ver os dois ali, embora também tivesse tido uma contração de dor. Momentos depois, chegou um buquê de rosas amarelas, enviadas pela Tia Marta. Em seguida, a mãe do rapaz ligou. Cris atendeu e passou o aparelho para o pai de Ted. Pelo jeito como conversaram, a jovem ficou com a impressão de que os dois se relacionavam amistosamente. Era óbvio que ambos amavam muito o filho. Cris desejou que seu namorado estivesse acordado para conversar com a mãe. Contudo ele voltara a dormir, e se achava desligado de tudo, inclusive de um segundo buquê que chegou, acompanhado de um cartão, desejando-lhe pronto restabelecimento. Por volta de meio-dia, o Dr. Johannes fez a visita ao quarto e lhes deu novas informações sobre o estado dele. Disse que Ted continuaria dormindo bastante pelo menos mais vinte e quatro horas, devido às medicações que estava tomando. Contudo a fase crítica já passara. Suas condições pareciam boas. Era um rapaz forte e saudável. Iria ficar completamente bom, mas levaria algum tempo. - Quanto tempo ele vai ter de ficar internado? quis saber Cris. - Bom, eu gostaria de mantê-lo aqui mais alguns dias, explicou o médico. E é claro que você pode ficar também. Mas não é necessário.

Cris não estava bem certa se deveria permanecer ali ou não. Conversou sobre o assunto com o pai de Ted e no fim resolveu que voltaria para a escola. Então inclinou-se sobre a cama, beijou o namorado no rosto e em seguida sussurrou: - Eu te amo! Durma bem! Durma profundamente e sonhe comigo. Ted não respondeu. Aliás, ela nem esperava que ele o fizesse. Contudo estava ansiosa para que ele acordasse mesmo e abrisse os olhos, para que pudesse fitá-los demoradamente. Aí então iria dizer-lhe de novo que o amava, e ele iria ouvi-la e compreender bem. - Antes de ir pra escola, você gostaria de pararmos em algum lugar pra almoçar? indagou o pai de Ted. - Claro, replicou ela. Como não convivera muito com o pai do seu namorado, achou bom aproveitar essa chance de conhecê-lo melhor. Quando já saíam pela porta automática, avistou Douglas e Trícia, dois amigos dela e de Ted, que vinham chegando e a chamaram. Eles se aproximaram e a abraçaram. Sem saber por quê, Cris começou a chorar. - ‘Tá tudo bem, explicou logo. O médico disse que ele vai sarar completamente. Douglas deu outro de seus famosos abraços na jovem e disse: - Katie ligou pra nós agora de manhã. Queria que ela tivesse ligado ontem à noite. Teríamos vindo na mesma hora. Vocês sabem que podem sempre contar conosco, se precisarem de qualquer coisa, não é? Ele se afastou um pouco de Cris e olhou-a com expressão de preocupação. - Como é que você ‘tá? - Estou bem, respondeu ela. Estou cansada, mas estou bem, replicou. Conseguiu reprimir as lágrimas e com isso se sentiu melhor. Cris olhou para Trícia e achou que esta parecia um pouco mais velha do que na última

vez em que a vira. Estava mais madura, usando uns óculos de formato oval que combinavam bem com seu rosto arredondado. - Será que poderemos ir vê-lo? perguntou Trícia. - Claro, replicou o pai de Ted. Ele ‘tá dormindo desde ontem, quando fez a cirurgia. Então não se espantem se ele não acordar ou não os reconhecer. Em seguida, explicou o que o médico lhes havia dito acerca da cirurgia e sobre o estado geral de Ted. - Vocês já estavam saindo? indagou Douglas. Ele era da altura do pai de Ted, mas seu rosto ainda conservava a expressão juvenil que sempre tivera. Tinha cabelos louros, bem curtos e “espetados” que acentuavam seu ar de menino travesso. - Íamos sair pra almoçar e depois eu ia levar Cris de volta pra universidade. - Ah, mas nós podemos levá-la, interpôs Trícia, pegando o braço da amiga e puxando-a para si. Você se importa, Cris? Eu gostaria de conversar um pouco com você, isto é, se não estiver com muita pressa de voltar. Cris olhou para Bryan. Sentia-se muito cansada para pensar ou tomar decisões. - ‘Tá bem pra você? perguntou a ele. - Oh, claro, respondeu Bryan, estendendo um cartão para ela. Aqui tem o número do meu celular. Se mudarem de idéia é só me ligar. Estou pensando em voltar aqui amanhã à tarde e ficar algum tempo com ele. Cris pegou o cartão e fez que sim. - Obrigada! disse. Bryan deu um sorriso caloroso para a jovem. - Não, Cris, disse ele, eu é que agradeço. Você é uma jovem excepcional! Tudo que o Ted me falou a seu respeito é verdade.

Ele se inclinou para ela e deu-lhe um beijo vigoroso no rosto. - Se precisar de mim pra qualquer coisa, pode me ligar. - ‘Tá bom, replicou a jovem. Então os três retornaram ao quarto do Ted. O rapaz estava dormindo, como seu pai dissera. Assim que Trícia viu seu rosto inchado e arroxeado, começou a chorar, silenciosamente. Douglas sugeriu que orassem, e eles o fizeram. Os três se deram as mãos, Cris pegou a esquerda de Ted, e Douglas colocou a mão direita sobre o ombro do doente. Em seguida, este orou e encerrou com “Amém”. Nesse momento, Cris sussurrou baixinho: - Como quiseres, Senhor! Gostava dessas palavras que representavam uma mensagem pessoal para Deus, uma rendição de sua vontade ao Senhor. E eles permaneceram alguns instantes ao lado do leito, conversando baixinho. Afinal, uma enfermeira entrou e disse que precisava medir a temperatura do paciente e ajustar a medicação dele. - Vamos lá pra cantina? convidou Douglas. Acho que também quero comer algo. - Eu queria que o Ted pelo menos soubesse que viemos aqui, comentou Trícia, olhando para o rapaz com ar de expectativa. - Depois nós podemos voltar, disse Cris. Chegando à cantina, sentaram-se numa mesa vazia e se puseram a conversar como velhos conhecidos que eram. Aproveitaram para pôr em dia os acontecimentos mais recentes da vida de cada um, fatos que haviam sucedido após o último encontro deles. Cris se pôs a relatar o que descobrira havia pouco tempo, a respeito do namorado. Douglas e Trícia se inclinaram para ela, ouvindo atentamente. Parecia que eles, como Ted, já esperavam, havia algum tempo, para escutar o que ela tinha a dizer. - Eu amo o Ted, principiou Cris, dando de ombros, num gesto meio acanhado. Eu o

amo. Ainda não lhe disse isso. Ou melhor, ele ainda não me ouviu dizer isso. Mas hoje sei com toda certeza que o amo. Trícia deixou escapar uma risadinha gostosa. Douglas se recostou na cadeira com uma expressão de satisfação. - Já não era sem tempo! exclamou. Cris fitou-o com ar zangado e disse: - Eh! Muito obrigada! exclamou em tom irônico. - Não, interpôs o rapaz. É que o Ted já tem certeza do amor dele por você há muito tempo. E sei que ele nunca quis pressioná-la. Então agora isso vai ser ótimo. Vai mudar a vida dele. - Mudar a vida dele? perguntou Cris. Douglas e Trícia se entreolharam com expressão significativa. Pareciam dar a entender que conheciam alguns fatos a respeito de Ted. E evidentemente tratava-se de coisas que Cris ainda desconhecia. - Devo perguntar o que os dois estão pensando? indagou ela. O jeito de vocês é de que conseguem ler a mente um do outro. - E conseguimos, responderam os dois em uníssono. Os três caíram na risada. Trícia tirou os óculos e colocou-os na mesa, ao lado do sanduíche de peru que comera pela metade. - Você talvez já saiba disso, Cris, principiou ela, mas o Ted ‘tá apaixonado por você há muito tempo. Cris reconheceu que alimentara esperanças a esse respeito, mas devido à sua insegurança, duvidara do amor dele inúmeras vezes. - Há muito tempo, repetiu Douglas. Na verdade, eu só vim a saber disso depois que eu e a Trícia nos casamos. Uma noite, o Ted foi à nossa casa e conversamos sobre aquela época em

que nós dois saímos juntos, quando ele se achava na Espanha. Aí ele perguntou à Trícia se isso fora muito doloroso para ela. Cris virou-se para sua amiga e fitou-a com um ar de compreensão. Nesse momento, lembrando o passado, desejou que nunca tivesse causado sofrimento a ela, por ter saído com Douglas. É que Trícia já estava muito interessada no rapaz. - Eu respondi pra ele, informou Trícia, que naquela época ainda não sabíamos com certeza se iríamos namorar ou não. Na ocasião, nem eu nem o Douglas tínhamos condições de assumir um compromisso sério. Quero dizer, eu desejava muito que tudo desse certo pra nós algum dia. Aliás, eu orava e pensava nessa possibilidade. Mas ainda não sabia ao certo. - Foi aí que o Ted nos contou que ele já sabia, explicou Douglas, com um sorriso em seu rosto juvenil. Confessou que percebeu que você era a pessoa certa pra ele desde o dia em que a conheceu na praia. ‘Tá lembrada, Cris? A jovem cobriu o rosto com as mãos. - Como é que eu poderia esquecer? comentou. Eu era muito garota ainda. Veio uma onda forte que me carregou e me jogou bem aos pés de vocês, toda enrolada em algas matinhas. Douglas deu uma risadinha. - Depois eu e o Ted lhe ensinamos a pegar onda com uma prancha. Cris ergueu os olhos para ele. - Vocês dois foram muito legais comigo. Nunca mais me esqueci daquele dia. - O Ted também não esqueceu, interpôs Trícia. Tempos depois, ele nos contou que foi ali mesmo que ele compreendeu que você era a pessoa certa pra ele, a que ele iria amar pelo resto da vida. - Você ‘tá brincando! disse Cris. Na verdade, já ouvira o namorado fazer afirmações nesse sentido, mas sempre pensara

que ele a estava “gozando”. Então olhou para Douglas e em seguida para Trícia, para ver se não estavam brincando com ela. Não. Ambos a fitavam com expressão muito séria. - Desculpem, pediu. Tudo isso é muito estranho. Como é que ele poderia saber algo assim se ele tinha... quantos anos ele tinha? Dezesseis? Isso é loucura! - ‘Tá vendo? disse Trícia, virando-se para o marido. Eu falei o mesmo quando Ted nos disse isso, e você ficou zangado comigo. - Não; não fiquei zangado com você. - Você disse que eu não podia julgar os sentimentos de outra pessoa e dizer que era loucura. Disse bem na frente do Ted. - E o que foi que ele falou? quis saber Cris. - Ah, ele não falou muita coisa, não. Não se defendeu, nem ficou sem graça por causa do meu comentário. Parecia aceitar com naturalidade os próprios sentimentos. Trícia deu uma olhada para o marido e em seguida continuou: -O Ted falou que sabia que a amava e que não precisava fazer nada pra provar isso. Pra ninguém. Cris ficou a pensar no que a amiga acabara de dizer. Tinha consciência de que gostara de Ted desde a primeira vez em que o vira. Recordava-se de que havia “sonhado” muito com ele. Tinha até devaneado sobre a possibilidade de namorá-lo. Contudo, sobre amar, sobre um amor verdadeiro mesmo, para sempre, não sabia. Não. Só poderia afirmar que estava certa de que ele era o homem de sua vida a partir daquele sábado, quando dera aquele passeio de bugue com ele na areia. - Sabe o que mais? interpôs Trícia. Estou achando que não deveríamos ter lhe contado nada disso. Trata-se de algo muito pessoal. É entre você e o Ted. - É, replicou Cris, mas também é entre vocês dois e ele. Quero dizer, ele confidenciou tudo isso pra vocês, então ele deve ter confiado nos dois com relação aos sentimentos e

pensamentos que tinha a meu respeito. Não achei ruim terem me contado. Aliás, até foi bom, porque isso me ajuda a entender que ele começou logo a me considerar importante pra sua vida. - Importante? repetiu Douglas. Cris, você era a pessoa da vida dele. Você é. Depois disso, ele não se relacionou com nenhuma outra garota. Foi sempre você. - Só você, afirmou Trícia. Cris sentiu as lágrimas lhe escorrerem pelo rosto. Não conseguia acreditar na facilidade com que elas brotavam agora. Nunca poderia imaginar que o Ted decidira entregar o coração para ela há tantos anos e que nunca mais voltara atrás nessa decisão. - Eu queria não ter essa dificuldade que tenho pra tomar decisões, comentou entre lágrimas. Por que demorei tanto para entregar o coração pra ele? Por que ainda fui sair com outros caras? - Não fique assim, Cris, disse Trícia, pondo a mão no ombro da amiga. - É, concordou Douglas. E como eu sou um dos outros caras com quem você saiu, espero que não se arrependa dessa fase de sua vida. Cris prontamente se refez. - Não me arrependo, não, Douglas, disse. Sua amizade foi muito valiosa. Tudo que aprendi quando estávamos juntos foi extremamente proveitoso. - E muito bom, acrescentou o rapaz. Não se esqueça disso, Tivemos ótimos momentos juntos. - Todo esse processo que você viveu pra chegar a essa conclusão de que realmente ama o Ted é muito normal, comentou Trícia. Aliás, eu disse isso pra ele naquela noite em nossa casa. As mulheres são diferentes. Eu achei que amava o Douglas, mas só tive certeza quando estávamos na Inglaterra. Lembra quando eu pedi pra sair da equipe de vocês? Foi porque eu tinha acabado de descobrir que estava muito apaixonada por ele, e não queria ficar perto dele.

E não queria porque sabia que ele não sentia o mesmo por mim. - É, eu sei, comentou Cris. É por isso que estou me sentindo tão mal. Estou pensando no quanto devo ter magoado o Ted por não ter certeza de que o amava, sendo que ele tinha consciência de que me amava. - Não se preocupe com o Ted, disse Douglas. Ele é forte. Forte e paciente. Acho até que foi bom você não ter sabido antes. Essa sua ida pra Suíça foi muito boa pra vocês. Se um ano atrás, ou mesmo cinco anos atrás, os dois já soubessem que não conseguiriam viver um sem o outro, teriam deixado de passar por experiências importantes. Pra tudo Deus tem a hora certa. Então não devem se arrepender de nada. Cris compreendeu que o amigo tinha razão. Agora era a hora certa de Deus. Aquela palavra de Cântico dos Cânticos que dizia “Não acordeis, nem desperteis o amor, até que este o queira” fora uma benção para ela. Evidentemente, fora só agora que Deus resolvera despertar o amor em seu coração. Procurou se controlar e lembrou-se de algo que o Sr. Mitchell havia dito na sala de aula. Fora naquela segunda-feira em que sentira a compulsão de sair para procurar o Ted. Ele falara sobre as bênçãos que nos sobrevem e nos alcançam quando obedecemos a voz de Deus. Então entendeu que não precisava lamentar o modo como tudo acontecera. - Creio que Deus vem cuidando de todos os detalhes do nosso relacionamento há muito tempo, disse com um leve sorriso. Sabe o que aconteceu? Em meu interior, brotou um amor por Ted num nível mais profundo. Trícia e Douglas também sorriram. - É, nós percebemos isso, disse a amiga. - Sinto que Deus me alcançou com algo novo, continuou Cris. Algo mais forte e mais profundo do que o amor que eu tinha antes. É algo de muito real. Agora sei que o Ted é a pessoa da minha vida. É o homem certo pra mim.

E ao dizer isso, ela voltou a experimentar um forte anseio de retornar ao quarto do Ted e declarar seu amor por ele. - Sabe o que mais? principiou Douglas. Uma parte do que você ‘tá sentindo agora pode ter sido causado pelo choque que sofreu com o acidente dele. Trícia deu um tapa de leve no braço do marido. - Não tente desfazer do amor de Cris! disse. Ela ‘tá realmente amando o Ted. Deixe que ela sinta esse amor sem tentar analisá-lo. E aqui ela se virou para a amiga abanando a cabeça. - Ah, os homens... exclamou. - ‘Tá bom, ‘tá bom! concordou o rapaz. Então é diferente com vocês! Estou muito feliz por você, Cris. O Ted vai ficar maravilhado. Ó meu bem, continuou ele voltando-se para sua linda esposa, você não vai comer o resto do seu sanduíche, não? Cris soltou uma risada. Era a primeira vez que ria nesses últimos dois dias. - É, gente, tem coisas que não mudam nunca! comentou. Douglas, das pessoas que conheço, você ainda é a que come mais! Ele mastigou um pouco do sanduíche e respondeu: - É, e estou ficando com uns “pneuzinhos” do lado, não estou, Trícia? - Ah, nem tanto. Você não pára um minuto pra comida se “assentar” no seu organismo e virar gordura. - Quer dizer que vocês tem andado muito ocupados? quis saber Cris. Trícia fez que sim. - Mas tudo ‘tá indo muito bem. Ficou sabendo que encontramos com o Rick Doyle? Cris, ele ‘tá tão mudado que quase não dá pra reconhecê-lo. Deus... como foi mesmo que você falou? Alcançou? É, foi isso que você disse. Deus alcançou o Rick. - É tremendo! exclamou Douglas, ainda comendo o sanduíche.

- Katie recebeu uma carta dele, informou Cris. Parece que ele ‘tá muito bem. - É, Deus certamente foi muito duro com ele, mas muito paciente, continuou o rapaz. Eu sei disso porque quando estávamos em San Diego, eu, ele e o Ted morávamos juntos. - Eu me lembro, disse Cris. - É, mas você não sabe nem a metade do que eu sei, replicou Douglas. E nem precisa saber. - Ele mudou mesmo, confirmou Trícia. - Que foi mesmo que você falou aquele dia, Trícia? indagou Douglas. Foi algo que leu em um livro sobre Deus nos buscar, concluiu ele, empurrando o prato vazio. - O amor de Deus é incansável, replicou ela. E nos somos o primeiro amor de Deus. Ele nunca desiste de nos buscar porque nos quer de volta. - É. Isso mesmo! concordou o rapaz. É assim que Deus é. E foi assim que ele agiu com o Rick. Vou lhe dizer, Cris, é tremendo! Assim que o Ted sarar, precisamos nos reunir todos e ir à praia ou fazer algum outro passeio. - Eu adoraria, disse a jovem. - E aí? principiou Trícia. Vamos voltar lá pra ver o Ted? - Vamos, replicou Cris. Retornaram ao quarto, e naquele momento Ted abriu os olhos por um instante. Contudo só deu para ele reconhecer o casal e murmurar algumas palavras para eles. Logo depois caiu no sono. Cris ficou o tempo todo segurando a mão do namorado. Assim que este dormiu, Douglas disse que queria ir para a universidade. Cris hesitou. - Acho que vou preferir ficar aqui, disse. Depois eu ligo pra Katie e peço pra ela vir me buscar. É que ainda não quero deixar o Ted sozinho. - Tem certeza disso? indagou Douglas. Trícia deu um sorriso e puxou o braço do marido.

- É. Cris tem razão. Isso é o melhor pra ela. - Precisa de dinheiro pra jantar? quis saber Douglas. - Não, obrigada, replicou ela. Ainda tenho. Ah, e muito obrigada pelo almoço. - De nada, disse o rapaz, dando-lhe um forte abraço. Ah, e eu falei sério quando disse que precisamos nos reunir todos, assim que o Ted sarar. Depois me digam qual é o melhor dia pra vocês. - Nós sentimos muito a sua falta quando estava na Suíça, disse Trícia, abraçando a Cris novamente para se despedir. Estou muito alegre de vê-la de volta e que bom que... aqui parou e deu uma espiada para o doente. Que bom que agora você já ‘tá com tudo resolvido no coração. - Bom, mesmo, concordou Cris. Trícia aproximou-se mais da amiga e cochichou-lhe ao ouvido: - E espero que o Ted acorde totalmente logo pra que possa contar a ele o que nos contou. Mais ou menos meia hora depois que o casal saiu, Ted acordou. - Olá! disse Cris. O rapaz estava com os olhos bem abertos, fixos nela. Quase nem piscava. Cris sentiu uma enorme felicidade ao perceber que ele estava atento a ela. Chegou mais perto dele e disse: - Ted, tenho algo muito importante pra lhe dizer. Ele olhou-a calmamente, aguardando. - Ted, eu te amo. Eu te amo de todo o coração. Como ele não respondeu nada, a jovem repetiu. - Eu te amo, Ted! O rapaz fez um movimento lento com a mão esquerda. Cris pensou que ele iria estendê-

la e tocar no rosto dela. Contudo ele passou os dedos pelo cobertor, como que afastando algumas migalhas de algo. Seus olhos estavam arregalados; sua respiração, mais rápida. Cris estendeu o braço e apertou a campainha para chamar a enfermeira. - O que você tem, Ted? indagou ela. - Elas são muitas, resmungou ele. Cuidado, elas estão chegando. São muitas! A enfermeira entrou no quarto. - Tem alguma coisa errada com ele, disse Cris. - O que foi, Ted? indagou a mulher em voz bem alta. Ele não respondeu, mas continuou a bater a mão no cobertor, como que para limpá-lo. - Você ‘tá vendo algo? perguntou ela. - Aranhas, murmurou ele. Muitas. E elas não querem ir embora. Cris começou a sentir o coração batendo forte. Será que o acidente afetou o cérebro dele? O que será que ‘tá acontecendo? - ‘Tá bom, Ted, continuou a enfermeira, falando com firmeza. Vamos dar um jeito nelas. Você está apenas tendo uma alucinação. Vamos mudar sua medicação imediatamente. Ela examinou o frasco do soro e desligou-o, removendo-o do suporte de metal. - O medicamento ‘tá provocando alucinações nele? indagou Cris. - Está, explicou a mulher. Isso é relativamente comum. Podemos dar um outro remédio que não vai causar esse efeito. Não se preocupe. Ele vai ficar bem. Contudo ela se preocupou, sim. Permaneceu ao lado dele a tarde toda. O rapaz, porém, dormiu profundamente e, ao que parecia, não teve mais “visões” de aranhas invisíveis. À noite, Katie apareceu e insistiu com Cris para que voltasse para a escola, para que pudesse dormir melhor. - Espero que não se importe de eu dizer isso, mas já, já, você vai precisar tomar um banho, argumentou. Acho que hoje você deve ir dormir em sua cama.

Cris pediu a Katie que esperasse um pouco. E foi bom que não tivessem ido embora logo, pois às 9:00h o Ted acordou e conversou com as duas. Disse-lhes que estava se sentindo muito melhor. Chegou inclusive a dar risada, uma gargalhada meio rouca. A enfermeira havia avisado a Cris que o novo medicamento que ele estava tomando iria deixá-lo um pouco eufórico. Disse ainda que depois ele não iria se lembrar do que havia falado, nem do que elas lhe dissessem. Apesar disso, Cris se aproximou bem dele e disse: - Ted, eu te amo! Ele deu um sorriso meio estranho, com os lábios inchados, e replicou: - É claro que ama! Katie, penalizada, puxou a amiga pelo braço e disse: - Precisamos ir embora, Cris. Vamos deixá-lo dormir. Amanhã ele vai ouvi-la melhor e compreender o que ‘tá dizendo. Vamos, Cris. Assim que Ted caiu no sono de novo, a jovem resolveu ir, mas não sem alguma relutância. Foi acompanhando Katie até o estacionamento do hospital. Quando chegaram perto do Buguinho, ela parou. A amiga entendeu sua atitude. - Sei que não temos airbags, mas você ‘tá com medo de rodar comigo? - Não, Katie, explicou Cris, não é com você. É num carro, em qualquer carro e pegar essa estrada. - É, entendo. Ontem, quando fui embora daqui, tive essas mesmas sensações. - Teve, é? Katie acenou que sim. - Fui embora muito devagar e orando o caminho todo. - Então vamos fazer o mesmo hoje. Você vai dirigindo bem devagar, e nós duas oramos, disse Cris, colocando o cinto de segurança. É, mas não precisa ir devagar demais pra não causar problemas para os outros carros.

- Pois não, mãe! brincou Katie. Cris riu. - Você arrumou o quarto enquanto estive aqui? indagou. A colega fitou-a com um ar de quem espera que a outra não esteja falando sério. - Arrumei, claro, respondeu. Ah, e a propósito, Daisy e Dino estão muito bem. - Quem? - Nossos novos peixinhos. Comprei gêmeos dessa vez. Cris abanou a cabeça. Como já havia trabalhado vários anos numa pet shop, sabia que os peixinhos dourados não nasciam em duplas. Além disso, podia haver até trinta deles num aquário que todos seriam exatamente iguais. - Mudei o aquário de lugar, continuou Katie, pra luz do Sol não bater nele de tarde. - Ótimo! - Sabe o que o Mark fez hoje? indagou Katie no momento em que girou o volante para sair do estacionamento. - Não tenho a menor idéia. - Ele descobriu pra onde levaram a Kombinada, e foi lá ver se poderia “salvar” algo dela. - Foi mesmo? Ah, que legal da parte dele! - É. Olhe aí no banco de trás. Cris virou-se e viu, ali atrás, o fogareiro dela e do Ted, ainda na caixa, parecendo não ter nenhum arranhão. - Ele estava debaixo do assento traseiro, explicou Katie. E tudo o mais na kombi simplesmente acabou. - O Ted vai ficar muito feliz quando souber do fogareiro, disse Cris. - É, eu sei. Foi por isso que o trouxe aqui. Estava pensando em levá-lo lá em cima pra

mostrar pra ele. Mas quando cheguei aqui acabei esquecendo. - Amanhã, quando eu vier visitá-lo, disse Cris, vou trazer o fogareiro pra mostrar a ele. - E o Mark pegou outro objeto na Kombinada. - O quê? - Você vai ver quando chegarmos lá. ‘Tá no quarto. Na sua cama. Eu até lavei. - Não pode me dizer o que é? - Você vai ver, replicou Katie. E como ela havia prometido, dirigiu bem devagar e cuidadosamente até a escola. Então chegaram ao destino sem nenhum incidente. Assim que Cris saltou do carro, foi correndo para o quarto, cheia de curiosidade, para ver o que Mark havia tirado da kombi. Tão logo abriu a porta, sentiu-se inundada por uma onda de satisfação e sorriu para a colega. Era o blusão de moletom azul-marinho do Ted, que tinha um capuz. - Oh, Katie, disse, que bom que o Mark pegou isso lá. E muito obrigada por ter lavado. Cris pegou o blusão e o colocou junto ao rosto. - É, comentou Katie, achei que iria precisar dele à noite. Ela tinha razão. Cris tomou um demorado banho quente e depois vestiu uma camiseta e uma calça de pijama. Em seguida, deitou-se, pegou o blusão, enrolou-se nele e colocou o capuz na cabeça.

15
O resto da semana foi muito corrido para Cris. Fez várias viagens ao hospital, com refeições apressadas nos intervalos. Felizmente, tanto Donna como os professores tiveram atitudes muito compreensivas com suas frequentes ausências, sempre que ela explicava a situação. Na sexta-feira, o Ted recebeu alta e já podia deixar o hospital. Contudo o médico recomendou que ele ficasse duas semanas em repouso total. Depois de analisarem todas as opções que se apresentavam, ele e todos os demais concordaram que o melhor seria que ele fosse para a casa de Bob e Marta. O pai dele estava com uma viagem de negócios marcada, para o Canadá. E no dormitório da escola, ele não receberia os cuidados necessários. No dia anterior, Mark e Katie tinham ido ao hospital e se oferecido para dirigir os trabalhos do grupo de jovens da Igreja de Riverview Heights, enquanto ele estivesse impossibilitado, Selena se prontificou a conversar com seu amigo Ronny, para que ele e sua banda fizessem uma apresentação no domingo. Então, na sexta-feira, Bob e Marta foram juntos buscá-lo. Cris se espantou um pouco com isso. A tia estava com o cabelo arranjado numa única trança e usava uma calça preta, bem tradicional, e uma blusa branca. Parecia que estava com pouca maquiagem, mas de batom, é claro. Cheyenne não estava com ela, o que Cris achou muito bom. Começou a pensar se não fora Bob que tivera a idéia de levar Ted para sua casa como um recurso para “segurá-la” ali. Assim o casal, junto, participaria de uma mesma tarefa.

Um funcionário do hospital empurrou Ted numa cadeira de rodas até o estacionamento. Marta e Cris seguiam atrás, levando os cartões e flores que ele recebera. Mark estivera ali um pouco mais cedo, trazendo as roupas do paciente, que enfiara meio desajeitadamente numa sacola de plástico. Bob fora na frente, para trazer o carro até a porta da entrada. Para espanto de Cris, o tio viera num carro novo, uma perua Volvo de cor azul. Ele saiu do veículo e se aproximou deles todo sorridente. - Que tal o carro? perguntou ao Ted. Em seguida, virou-se para Cris ainda sorrindo e comentou: - Não é novo em folha, mas é um carro muito potente. Disseram que é o veículo mais seguro na estrada. Consegui um bom preço nele. Cris não estava entendendo por que seu tio se mostrava tão orgulhoso daquele carrão. Tinha um bagageiro em cima e vários adesivos com frases de surfe no pára-brisas traseiro. - É para vocês! disse Marta, explicando à sobrinha que obviamente ainda não compreendera isso. - Para os dois! esclareceu Tio Bob. Já fiz o documento no nome de vocês. Assim que chegarmos lá em casa, terão de assinar os papéis. E o seguro ‘tá pago até os seis primeiros meses. Depois disso, vocês mesmos terão de pagá-lo. Cris estava abobada. Não sabia o que dizer. - Fiz um ótimo negócio nessa compra, repetiu o tio, como que tentando convencer a sobrinha de que ela devia ficar alegre com isso. - Eu sugeri que ele comprasse um Land Rover, interpôs Marta, mas o seguro era caríssimo. Sei que não é um carro novo, mas, se comparar com aquela kombi “mortífera” e ridícula que o Ted tinha... Imediatamente Cris a interrompeu. Queria preservar as recordações da velha

Kombinada com uma imagem bastante positiva. - É maravilhoso, Tio Bob! disse ela. Muito obrigada. Não precisava fazer nada disso, mas muito obrigada! Cris não tinha muita certeza se Ted estava totalmente consciente do que se passava. Nos últimos dois dias, ele já ficara mais acordado, mas ainda estava tomando analgésicos. Fora por isso que não tentara lhe dizer novamente que o amava. Queria esperar até que estivessem instalados na casa dos tios e que tudo se acalmasse. Aí ele iria escutá-la e entender perfeitamente. Marta inclinou-se bem e fitou o rapaz diretamente nos olhos. Ele permanecera calmamente sentado e calado. - E aí? indagou ela. Você não disse nada. O que acha? - Muito obrigado, falou ele, num tom natural. Muito obrigado mesmo. Não precisavam ter feito isso. Vou pagar por ele. - Não vai pagar nada, replicou a tia. Se você soubesse como o Robert ficou feliz esta semana, quando estava procurando um carro para dar aos dois... Você não pode privá-lo dessa alegria. Nem a mim. Eu também tive uma participaçãozinha na escolha do carro. Era esse azul ou então um verde-oliva muito sem graça. Eu disse: “Compre o azul”. Você não acha que azul é mais bonito do que verde-oliva? - É perfeito, concordou Ted. Em seguida, estendeu a mão e deu um leve aperto no braço de Tia Marta. - Muito obrigado, repetiu. - Chega de agradecimentos, retrucou a tia. Vamos colocá-lo no carro. Arrumamos a saleta toda para você, e quanto mais cedo chegarmos lá, melhor. Cris ficou abismada com o cuidado da tia e com a eficiência dela ao orientar os homens para instalar o rapaz no veículo. Chegou até a dizer onde as flores deveriam ficar, na parte de

trás da perua. Fez questão de que Ted se sentasse no banco e frente, enquanto ela e Cris se acomodavam atrás. A jovem nunca vira sua tia abrir mão do seu lugar ao lado do motorista em favor de ninguém. A viagem até Newport Beach durou uma hora e meia. Bob foi relatando como pensara em comprar o carro mais adequado possível. Ele até pesquisara na Internet, para saber quais eram os veículos mais seguros. Depois procurou se informar sobre o ano em que saíram as melhores peruas da Volvo. Por fim, foi à procura de um que estivesse em boas condições e com baixa quilometragem. Agora estava todo satisfeito com o belo carro que conseguira. Ted e Cris iam intercalando com muitas palavras de apreço e agradecimento. A jovem ficou muito feliz com a idéia de ter um carro. E gostou muito desse. Quando era mais jovem, a mãe tinha um carrinho que ela também usava. Em Basiléia, ela não precisara de veículo. E no momento, da maneira como estavam suas economias, não seria tão cedo que teria condições de comprar um. Deu um sorriso ao se lembrar de que, agora, ela e Ted tinham dois objetos em comum: um carro e um fogareiro. Só faltava arranjarem um cãozinho vira-lata e aí poderiam se casar e ir pela estrada afora, como se fossem ciganos modernos. Marta falara a verdade ao dizer que arrumara a saleta toda para acomodar o Ted. Ela havia tirado o sofá de couro que estava lá e alugara um leito de hospital. Bem à frente dele, estava um enorme televisor. Na mesinha de cabeceira, havia diversas fitas de vídeo, revistas e pacotes de salgadinhos e biscoitos à espera do rapaz. Ela comprara também várias camisetas e shorts próprios para o surfe e os pusera, dobrados, ao pé da cama. Esta se achava muito bem arrumada, com o virol dobrado da forma certa, como se faz nos hotéis. Ted passou por tudo isso sem notar nada e logo foi se deitar. Poucos minutos depois, estava dormindo. Cris deduziu que ainda não se achava completamente desperto. - Vou deixar o remédio bem aqui, disse Marta, mostrando a Cris uma bandeja em outra

mesinha. Nela também havia uma jarra de água, um copo, um canudinho e um termômetro. Tia Marta, você teria sido uma mãe maravilhosa. Que pena que não teve filhos! ‘Pera aí! O que estou pensando? Ela sempre tentou me tratar como filha, quase como se eu fosse sua filha. Como posso querer que os “filhos” dela passassem pelo que passei durante tantos anos? - Venha ver o que fiz no seu quarto, Cris, chamou a tia. E conduziu a sobrinha até o andar superior de sua maravilhosa casa à beira da praia. Levou-a ao quarto que Cris ocupara na primeira vez em que fora ali, no ano em que fizera quinze anos. Na época, ele estava decorado com cortinas, lagos e flores cor-de-rosa. Quando Marta abriu a porta, Cris quase não acreditou que era o mesmo aposento em que se hospedara tantas vezes, na adolescência. Agora a decoração era toda com motivos californianos, inclusive com um desenho de um deserto pintado nas paredes. Na do lado esquerdo, havia um pôr-do-sol em tons laranja vivo, como pano de fundo para um carrinho de vender verduras completo com todos os acessórios. A cama, em estilo bem colonial, estava apoiada em tijolos. Nas quatro colunas viam-se minúsculas lâmpadas brilhantes. Sobre todo o conjunto, havia um mosquiteiro de tecido de cor marfim. Junto à janela, sobre uma mesinha de estilo antigo, havia uma daquelas velhas bacias de quarto para lavar rosto com sua jarra de água. Ambos eram de cerâmica belamente trabalhada. Cris se sentiu como que envolvida por todo aquele colorido e beleza. Não dava para pensar que alguém pudesse dormir naquele cômodo. Só faltava ali o som do uivo de um coiote. Aí ele poderia até ser uma atração a mais num parque temático. - O que achou? indagou Marta ansiosamente. O Tio Bob também viera com elas e a jovem deu uma espiada para ele antes de responder. Ele parecia dizer-lhe com o olhar que pensasse bem antes de replicar.

- É simplesmente grandioso, disse afinal, falando lentamente. Era o único comentário que poderia fazer com toda sinceridade. E em seguida acrescentou: - Você deve ter trabalhado muito pra arrumar isso. - Trabalhei, sim, disse a tia. Venha ver minhas cerâmicas. Marta se encaminhou para o banheiro contíguo ao quarto. Nele estava uma cômoda, sobre a qual se viam várias peças: tigelas, vasos e pratos pintados. A tia foi apontando cada uma e falando algo sobre o objeto. Depois fez o mesmo com outras que se achavam penduradas na parede, logo acima do móvel. - São lindas, Tia Marta, exclamou Cris, com toda sinceridade. De fato, as cores e formatos das peças que sua tia criara eram belíssimas. - Acha mesmo? quis saber a mulher. - Acho, sim. Que lindo este pratinho! Gostei demais do modo como você fez a beirada dele azul. - É um pratinho para pôr os anéis. Sabe, né? Para colocar as jóias quando as tira para lavar as mãos. É um bom lugar de colocá-las. Pode ficar com ele para você. - Oh, tia, gostei muito dele, mas não precisa me dar. Não quero desinteirar o jogo. Além disso, não tenho nenhum anel, completou a jovem, estendendo as mãos vazias. Quero dizer, normalmente não uso anel. - Então fique com ele para por sua pulseira, Cristina, insistiu Tia Marta, fazendo um aceno em direção ao bracelete dourado que Ted dera a Cris e que esta sempre usava no braço direito. Pelo menos até ele lhe dar o anel de noivado, concluiu ela com um sorriso significativo. - Obrigada, tia, replicou Cris afinal, pegando a peça na mão da tia. Muito obrigada mesmo. Agradeço muito por tudo que os dois estão fazendo pelo Ted. Foi muito legal da parte de vocês hospedá-lo aqui.

- Ah, não foi nada de mais, querida, interpôs Tio Bob. Você sabe que ele é como um filho pra nós. Marta deu uma espiada para o marido por sobre os ombros, parecendo abrandar um pouco a expressão do rosto. Em seguida, voltou-se para a sobrinha. - Você sabe que nós faremos tudo que pudermos pelos dois. Tudo. Antes que Cris pudesse se conter, soltou algo inesperadamente. - Então, não vai embora, não, tia. Não vai pra Santa Fé, não. Fique aqui, que é o seu lugar. Subitamente o rosto de Marta ficou vermelho de raiva, mas ela não disse nada. Cris deu um passo para trás, esperando uma retaliação que viria a qualquer momento. - Eu já sabia, Marta, disse o Bob, tocando-a no ombro, com um jeito cauteloso. Ela deu um arrancão, como se aquele toque dele a machucasse. - Você contou pra ele! gritou para a sobrinha em tom sibilante. - Não contei, não. Pra ninguém. Prometi que iria guardar segredo e guardei. - Foi o Cheyenne que me contou, interpôs Bob. Marta girou nos calcanhares e olhou para ele. - Cheyenne? Quando? - Ah, faz vários dias já. Ele veio aqui, e você não estava. Acho que ele pensou que você já havia conversado comigo sobre isso, e então me falou sobre os planos que tinha para a colônia de arte e contou que você estaria participando. - Por que não me disse? indagou ela, parecendo “cuspir” as palavras. Bob fez uma pausa e depois respondeu com outra pergunta: - Por que você não me disse nada? - Bom, gente, interveio Cris, vou lá embaixo ver como o Ted está. Desculpem-me por ter dito o que disse.

E com isso ela se virou apressadamente para sair daquele quarto californiano. A porta, porém, deu uma parada. - Mas eu falei a verdade, Tia Marta, repetiu. Não contei nada pra ninguém. E não quero que vá embora pra lá. Eu te amo. Em seguida, fechou a porta e saiu. Logo depois ouviu a tia gritar com o marido. Cris se sentiu muito mal quando descia a escada. Por que tive de abrir a boca? Por que falei aquilo? Parece que simplesmente saltou dos meus lábios! Não tinha a intenção de começar essa guerra entre os dois. No fundo, porém, ela sabia que não desencadeara guerra nenhuma entre os tios. Eles já tinham problemas bem antes de ela abrir a boca. Agora ela desejava que não tivesse dito nada. Queria que ela e Ted nem estivessem ali nesse momento. Queria... De repente, lembrou-se das palavras do namorado: “Como quiseres, Senhor” Parou ao pé da escada. Ainda dava para ouvir a voz abafada dos tios discutindo no quarto. Sentou-se no primeiro degrau e orou por eles. Ao encerrar a oração, disse: “Senhor, já sei que o mais importante não é o que eu quero. Então meu desejo é que tudo termine do jeito que tú queres. É como quiseres, Senhor. Que assim seja!” Depois, levantou-se e foi para a saleta pé ante pé. Ficou alegre ao ver que o namorado ainda estava dormindo e não poderia escutar a discussão do andar de cima. Sorriu ao ver que no rosto dele havia uma expressão calma e tranquila. Sentiu um forte anseio de lhe confessar que o amava. Tinha vontade de beijá-lo, abraçá-lo e lhe dizer que o amaria para sempre, com o mesmo amor doce e intenso que tinha por ele agora. - Eu te amo! disse em voz alta, num tom grave e firme. Pode até acontecer de o mundo todo enlouquecer completamente que isso não vai mudar meu amor por você, Ted. Ele não disse nada. Cris caminhou até a cozinha e abriu a geladeira que estava sempre bem abastecida.

Pegou um pedaço de queijo e um vidro com suco de maçã. Viu o menu das refeições para o final de semana, escrito num pedaço de papel com a letra do Tio Bob. Achava-se fixado à porta com um imã em formato de barco a vela. Para o jantar de sexta-feira, ele havia marcado lazanha. Como Cris conhecia o tio e sabia do seu interesse por culinária, concluiu que ele provavelmente já preparara o prato que devia estar pronto para ir ao forno. E acertou. Achou a forma com a lasanha na prateleira inferior. Deu uma espiada no relógio. Eram quase 5:00h da tarde. Resolveu tomar a iniciativa e colocar a comida no forno. Em seguida, prepararia uma salada para que pudessem jantar assim que tivessem fome. E acabou que ela foi a única a jantar. Ted disse que estava apenas com sede, mas que mais tarde talvez comesse uma torrada. A idéia de comer uma lasanha não o atraía muito. O Tio Bob e a Tia Marta ainda não haviam descido e Cris não estava sentindo que deveria subir para o quarto. Ficou sentada sozinha, na cozinha, e se lembrou das inúmeras vezes em que fizera refeições ali. Recordou-se das sensações que já experimentara na presença dos tios. Ela não se assustava com as emoções fortes que eles estavam manifestando. Só queria que resolvessem tudo e acertassem o que fosse preciso. “Ó Deus, faz com que eles resolvam tudo, Senhor!” orou. E ficou ali sentada, comendo e orando. No fim, guardou o que havia sobrado do jantar, aliás, em grande quantidade. Embora Ted ainda estivesse dormindo, resolveu fazer uma torrada para ele. Uma vez pronta, passou manteiga e depois, mel, como sua mãe fazia para ela, quando estava doente. Por um instante, ficou a pensar se seria uma boa mãe. Achou que sim. Esperava que sim. Antes de tudo, porém, acima de tudo, esperava ser uma boa esposa. E foi com o coração cheio de bons anseios que Cris pegou a torrada e se dirigiu para a saleta. Encontrou o Ted sentado na cama, com um lenço de papel na mão, tapando o nariz. - O que foi? indagou, largando o prato.

Aí ela notou que o lençol estava manchado de sangue e pegou mais lenços. - Nariz sangrando, replicou ele, com a voz meio abafada. Em seguida, tirou a mão e Cris viu que o sangue havia parado. - Precisa de mais alguma coisa? perguntou. - Não, respondeu o rapaz, recostando-se na cama. Puxa, esses remédios estão acabando comigo! - Vou pegar uma toalhinha, disse Cris. Ela saiu e voltou com uma toalhinha molhada e uma de rosto. - Todas as vezes fico pensando que, na próxima vez que eu acordar, vou me sentir totalmente bem, comentou Ted. Só que não sinto. - Você vai sarar, afirmou a jovem. Uma hora dessas, você melhora. Fico admirada com o tanto que tem dormido. - São os remédios. Se não estivesse com tanta dor, eu mesmo pararia de tomá-los, comentou ele, passando a mão no lado do corpo, um pouco acima dos quadris. Fora ali que o haviam operado. Anteriormente, ele já havia dito que aquela parte estava muito dolorida. Por vezes, quando fazia um movimento mais brusco, sentia os pontos como se fossem rebentar. - Vou ligar para o médico, disse Cris, dando uma olhada para o relógio. Não sei se ele ainda ‘tá no hospital, mas quem sabe ele pode passar outro remédio? Quando você estava lá, eles tiveram de mudar a medicação porque estava tendo alucinações com aranhas. - Ah, é, concordou Ted, falando lentamente e limpando a testa com a toalha molhada. Acho que me lembro disso. ‘Tá tudo muito confuso, mas elas estavam andando na cama, não estavam? - Sei lá, replicou Cris em tom brincalhão. Não fui eu que vi as aranhas, foi você. Mas a enfermeira disse que é muito comum um doente ter essas alucinações.

- Então você liga para o médico? Pergunte se posso tomar outro remédio, um que não faça meu nariz sangrar, nem me deixe sonolento o tempo todo. - ‘Tá bom, replicou Cris. Ela se virou para ir à cozinha e nesse momento se deu conta de que ainda não lhe dera o lanche. - Ah, fiz uma torrada com mel pra você. - Obrigado, querida, meu mel! Falou ele com um sorriso maroto. Cris também sorriu. Era a primeira vez que ele a tratava assim. Gostou. E ele a tratou do mesmo jeito no sábado de manhã. Passava um pouco de 9:00h, e ela lhe trouxera torradas com suco de laranja para o café da manhã. Ele havia ligado a televisão e estava assistindo a alguns desenhos. Cris foi à cozinha e pegou uma tigela com flocos de milho e voltou ao quarto dele, sentando-se no sofá. - E você? Dormiu bem? indagou Ted, tirando os olhos da tevê e fixando-os nela. - Não muito, respondeu. Tia Marta e Tio Bob tiveram uma forte discussão lá em cima, ontem à noite, quando chegamos. Então, como eles não desceram, não tive coragem de voltar pra lá. Dormi no sofá da sala. Pôs no chão a tigela e ficou a se alongar para aliviar a dor no lado direito do pescoço. Parecia que tivera um torcicolo. - E eles? perguntou Ted. Será que já resolveram tudo? - Sei lá, disse Cris. Ted, estou muito preocupada com essa situação. Orei por eles, mas depois senti raiva deles. Não sei o que fazer. - Umas semanas atrás, quando vi seu tio, tive a sensação de que o relacionamento deles não estava lá muito bom. - Espero que eles consigam acertar tudo. Não ‘tá parecendo que, de repente, nós dois somos os adultos e eles, os adolescentes supersensíveis, como nós éramos?

- Eu nunca fui supersensível, interpôs Ted, bocejando e abaixando o som da tevê. - ‘Tá bom, como eu era, concordou Cris, pegando de novo a tigela de cereal, consciente de que Ted ainda estava de olho nela. - Você também não era, não, retorquiu ele. Talvez muito emotiva, mas sensível, não. Você sempre pensa muito sobre tudo e leva tudo ali, intensamente e com muita sinceridade. Aliás, são exatamente essas as qualidades que mais admiro em você há muito tempo. Cris, que ia levar uma colherada à boca, parou o movimento no meio do caminho, deixando o leite pingar na vasilha. Vamos, fale com ele! Diga! Olhe a maneira como ele a está fitando! Diga ao Ted que você o ama! Baixou a colher para a tigela e se ajeitou. - Também admiro muitas de suas qualidades e há muito tempo, Ted, disse. Aliás, há dias, venho querendo lhe dizer que... Antes que ela pudesse expressar a importante revelação, a Tia Marta entrou com seu costumeiro jeitão espalhafatoso. - E como está o nosso querido e amado paciente hoje? indagou ela. Estou tão sentida, mas tão sentida, de havê-lo praticamente abandonado ontem, caro Ted. Você conseguiu se ajeitar sozinho? A excessiva melosidade da tia irritou Cris. Entretanto, ao mesmo tempo, pensou se a mudança de atitude dela não significava que seu coração também estava mudando. - Cris cuidou bem de mim, explicou o Ted. Ela ligou para a médico e já arranjou um outro remédio, que parece estar dando certo. Marta piscou várias vezes. - Ué, quando foi que arranjaram esse novo remédio? indagou. - Ontem à noite, replicou o rapaz. Cris pediu ao médico que ligasse para a farmácia do

shopping de Westcliffe e ela foi lá buscar. Chegou lá quando já estava quase fechando. Marta pareceu ficar muito espantada ao saber que a sobrinha conseguira realizar tal façanha. Nesse momento, o Tio Bob apareceu e perguntou se alguém ali aceitava uns waffles para o café da manhã. Agora ele estava com uma expressão mais calma do que estivera na noite anterior. Cris ficou com esperanças de que essas pequenas mudanças fossem um indício de que as coisas entre o casal estivessem indo melhor. - Ah, eu já comi cereal, tio, respondeu Cris. - Eu aceito os waffles, disse Ted. - Será que isso significa que ‘tá recuperando o apetite? indagou Bob. Isso é bom sinal. Foi então que Tia Marta avistou as manchas de sangue no lençol e ficou toda agitada. Ted explicou que fora seu nariz que sangrara, e ela logo quis que o levassem de volta ao hospital, para o setor de emergência. - Acho que foi por causa da mudança de clima, replicou o rapaz. Eu saí de um lugar de clima seco e vim pra costa, à beira-mar. Ou foi isso ou foi efeito dos remédios. Mas agora estou com outro medicamento. Estou bem. Pode acreditar. - Se sangrar de novo, disse Marta, temos de levá-lo para o hospital. E iremos imediatamente. No momento, sua saúde está muito sensível. Ted e Cris se entreolharam. E depois disso houve outras vezes, durante o final de semana, em que eles se comunicaram silenciosamente, só com o olhar. Parecia que sabiam claramente o que o outro estava pensando. Cris apreciava muitíssimo esse tipo de comunicação profunda e silenciosa. Entretanto parecia que Bob e Marta não estavam tendo um relacionamento assim tão profundo, como Cris havia esperado. Não fizeram nenhum comentário sobre a discussão da noite anterior. É verdade que estavam tendo atitudes bastante cordiais para com Cris e o namorado, e mesmo um com o outro. Contudo não dava para ver se haviam resolvido suas

diferenças ou se apenas as tinham colocado de lado para se concentrar em Ted. Cris achava que a segunda opção era a mais provável. A jovem passou todo o final de semana dentro de casa, ora assistindo a algum filme, ora apenas de olho em Ted, que dormia, e ora observando os tios, que se mostravam amistosos um com o outro. Domingo à tarde, quando pegou o Volvo para retornar à escola, sentiu-se um pouco incomodada. Queria mesmo era ficar ali com Ted. Contudo não deveria ficar, pois já perdera muitas aulas e horas de trabalho na semana anterior. Estava na hora de retornar a vida rotineira de antes, com as atividades normais. Entretanto seu coração não estava nada normal. Todos os dias ela ligava para os tios, que lhe davam um relatório completo de como o “paciente” de Marta estava. Depois passavam o telefone para o rapaz. Este sempre conversava com ela em frases lacônicas, o que deu a Cris a impressão de que a tia se achava presente ali todas as vezes que ela ligava. Mais adiante, no meio da semana, David, o irmão de Cris, ligou para o rapaz. Contoulhe que agora se tornara crente, que Cris orara com ele, no hospital. Na quinta-feira, quando a jovem ligou, Ted lhe disse: - Olha, o David me telefonou ontem à noite. Que bom aquilo que aconteceu com ele, não? - Era pra eu ter te contado, replicou ela, mas, não sei como, esqueci. É, foi maravilhoso, não foi? E logo em seguida pensou: E eu também preciso lhe contar algo que é maravilhoso e que vai deixá-lo imensamente feliz! Já lhe contei inúmeras vezes, mas você não ouviu. Agora vou esperar um momento em que estejamos a sós. Durante toda a semana, muitas pessoas, algumas das quais ela nem conhecia, a pararam

e perguntaram pelo Ted. Quando chegou a sexta-feira à tarde, e ela colocou seus objetos de uso pessoal no carro para ir a Newport Beach, tinha a sensação de que iria explodir de tanta ansiedade. Parecia que a viagem até a casa dos tios estava demorando horas e horas. O tráfego na estrada estava intenso, devido ao final de semana. -Vamos lá, gente, vamos lá! ficou a resmungar com os outros motoristas que estavam a sua frente. Quando chegou a uma das saídas, o trânsito estava praticamente parado. Deve ter havido algum acidente, senão acho melhor arranjarem uma boa desculpa para essa lerdeza! Aí compreendeu que precisava se acalmar e diminuir a marcha, senão ela própria poderia se envolver num acidente. Começou a respirar profundamente e concentrou o pensamento no que iria fazer. Passara a semana toda fazendo planos. Muitas vezes, à noite, não conseguia dormir e ficava silenciosamente pensando neles. Outras vezes, conversava sobre eles com Katie, quando as duas iam fazer alguma compra. Elas foram ao supermercado e pegaram ovos, bacon, croissants e a geléia de que Ted mais gostava: manga com mamão. Uma chuvinha fina começou a bater no pára-brisas. - Ah, não! resmungou Cris, acionando o limpador. Amanhã cedo, chuvinha, você já terá ido embora, né? Porque eu não a chamei aqui para o nosso café da manhã na praia, não. Já planejei tudo. Um café para dois. Só eu e Ted. Sem chuva, nem gaivotas. Entendeu? O trânsito parou, mas o coração de Cris estava “correndo” à frente dela, na praia. Só eu e o Ted. Só nos dois, bem juntinhos perto da fogueira. Vou lhe dizer aquelas três palavrinhas eternas que estão ardendo em meu coração!

16
Após a irritante viagem pela rodovia lotada, Cris finalmente chegou à casa dos tios. Ali teve uma surpresa. O Ted estava bem melhor. Seu rosto desinchara e o olho roxo já não estava tão escuro. Veio receber a namorada à porta com um forte abraço e lhe disse que chegara na hora certa, para jantar. Ao que parecia, o Tio Bob estava ensinando o rapaz a preparar um prato mexicano, com frango. Então os quatro se sentaram para jantar. Marta, muito animada, deu a Cris um relatório completo do restabelecimento de Ted sob os cuidados dela. Durante todo o jantar, Cris e Ted se olharam muitas vezes, carinhosamente, sorrindo o tempo todo. Contudo, no fundo, a jovem só pensava no café da manhã que iria ter com o namorado, no dia seguinte, na praia. Pouco antes de ir se deitar, ela lhe avisou: - Amanhã cedo quero preparar um café da manhã pra nós dois. - Ótimo, replicou o rapaz. E vou ajudar. Seu tio vem me ensinando alguns dos segredos de culinária que ele descobriu. Acho que, nessa semana que passou, aprendi muito sobre a arte de cozinhar, mais do que tinha aprendido antes. - Na verdade, continuou Cris, pretendo fazer um café da manhã pra nós na praia, naquele ponto onde a gente costumava ir. Gostou da idéia? concluiu ela com um olhar esperançoso. O Ted sorriu e fitou-a com ternura, demonstrando que sim, que gostara da idéia. - Que horas? indagou. - A hora que der. A que horas você tem acordado?

- Sete, sete e meia. É muito cedo pra você? - Não; ‘tá bom. Vou estar com tudo pronto. Na manhã seguinte, ela já estava pronta às 7:15h. Havia colocado tudo de que precisavam na velha cesta de piquenique dos tios. Era a mesma que Tio Bob emprestara aos dois, numa outra ocasião em que tinham feito um café da manhã ali. Ela já estava com tudo preparado para terem um agradável momento: a lenha, os fósforos, um velho cobertor para forrar o chão, etc. A chuva, educadamente, havia obedecido aos desejos dela e não aparecera naquele dia. Só faltava mesmo o Ted. Seu convidado para o café da manhã estava dormindo profundamente. Cris pensou em ir até o lugar onde havia um fogãozinho de cimento e começar a preparar tudo para depois voltar e acordar o rapaz. Estava tentando descobrir um jeito de levar sozinha os pertences do café da manhã para lá, quando o Tio Bob apareceu. -Você levantou cedo hoje, Olhos Brilhantes, disse ele cumprimentando-a. Ela logo lhe falou de sua idéia de tomar o café na praia e ele se prontificou a ajudá-la a carregar a lenha e as vasilhas para lá. Cris foi atrás dele, pisando na areia fria, levando o velho cobertor e a cesta com os alimentos. O Sol não aparecera, escondido que estava por uma grossa camada de nuvens. Uma leve brisa soprava mansamente, agitando a areia da praia. Você ‘tá igual ao Ted, pensou ela, falando com o Sol escondido. ‘Tá bem encolhido nesse seu cobertor, quando deveria estar aqui comigo. Vem cá. Estou esperando-o! - Vocês vão querer café, né? perguntou Tio Bob. Vou trazer uma garrafa térmica. - Seria muito bom, desde que... principiou ela, mas hesitou, não sabendo como dizer de forma educada o que estava pensando. Desde que só traga o café e... - E depois vá embora? concluiu o Tio Bob, colocando a lenha no espaço onde ela iria acender o fogo e dirigindo-lhe um sorriso de compreensão. Você ‘tá dando a entender que os

dois querem ficar sozinhos. Cris fez força para não ficar sem graça. - Oh, tio, espero que não tenha sido muito mal-educada falando assim. - Não, não. De forma alguma. ‘Tá falando como uma jovem... uma jovem que ‘tá... como é mesmo aquela palavra? - Apaixonada, completou Cris, sorrindo. - Ah, é, uma jovem apaixonada. - E estou, concordou ela em voz suave. Estou mesmo. O Tio Bob inclinou a cabeça para um lado, fitando-a. - Será alguém que conheço? indagou com um brilho alegre nos olhos. - É, replicou ela. Pra dizer a verdade, é, sim. É alguém que você conhece. Mas não vá dizer nada pra ele porque... Outra vez ela parou, à procura da palavra certa para expressar seu pensamento. Contudo o tio deve ter lido a mente dela, pois disse: - Porque talvez você queira ser a primeira a contar pra ele. Cris acenou que sim. - Então fique esperando bem aqui e acenda o fogo. Vou fazer o café e depois acordar o seu “príncipe encantado”. Nesse caso, não vou trazer a garrafa de café. Vou deixar pra ele trazer. - Obrigada, Tio Bob. Você é tão legal comigo! O tio fez um gesto como que dispensando os agradecimentos e voltou correndo para a casa. Cris deitou-se de bruços sobre o velho cobertor e procurou se acomodar nele. Durante alguns momentos, ficou a contemplar, com intenso prazer, o Oceano Pacífico, grandioso e infinito. Pôs-se a respirar fundo, e o ar frio e úmido da manhã fez seus pulmões arderem. Sentiu um leve cheiro de maresia apegar-se às narinas.

É hoje, Pai. Hoje é o dia que o Senhor escolheu. Foi o Senhor quem despertou o amor, quem o acordou dentro de mim, não foi? Muito obrigada por essa dádiva maravilhosa que é o amor. Sei que isso te agrada, Pai. Mantém meu coração sempre voltado para ti e para a tua vontade. Aqui, Cris pensou que, se essa situação tivesse ocorrido alguns anos atrás, ela agora faria uma oração pedindo a Deus uma prova. Iria dizer algo mais ou menos assim: “Senhor, se não quiseres que eu diga ao Ted que o amo e que nós não nos casemos, então tira de mim este sentimento. Dá-me a certeza de que não é ele a pessoa certa pra mim.” Nesse momento, porém, não faria isso. Já “crescera” bastante em seu relacionamento com Deus. Sabia que ele não era uma espécie de ditador, que dizia: “Tem de ser desse jeito ou daquele”. A vida não era algo que tinha de ser “desse jeito” ou então “daquele jeito” para depois morrer. Não. A vida era composta de uma série de decisões. Na verdade, viver era um processo no qual decidimos seguir a Deus e andar nos seus caminhos, confiando nele a cada passo. Sabia que o Senhor era o seu Pai celeste, o seu Pastor e o Amado de sua alma. Ele queria o melhor para ela. Aliás, nesses anos todos, ele a guiara, levando-a a tomar decisões que lhe trariam benefícios no futuro e fortaleceriam seu relacionamento com o Senhor. Cris sentou-se com a planta dos pés apoiada no chão e passou os braços em torno das pernas. Encostou o nariz gelado entre os joelhos para aquecê-lo. Lembrou-se de algo que o Ted he dissera alguns anos atrás, num momento em que conversavam sobre a vontade de Deus. Ela estava sem saber se deveria ir para a Suíça ou não e precisava tomar essa decisão. O rapaz lhe dissera: “Ame a Deus e faça o que quiser.” Naquele momento, essa idéia lhe parecera meio arrogante. A decisão que precisava tomar era muito importante, mas ele não a ajudara em nada. Apenas dissera que a apoiaria em tudo, fosse qual fosse sua decisão.

Agora percebia que aquele conselho dele fora muito sábio. À medida que seu amor por Deus ia aumentando, nesses últimos anos, compreendia que seu coração estava cada vez mais ligado ao Senhor. E assim ela desejava mais e mais fazer aquilo que lhe agradasse e trouxesse glória a ele. - Ame a Deus e faça o que quiser, murmurou ela, em meio ao silêncio da manhã. Sentia uma imensa paz. Em sua mente, não havia mais qualquer dúvida. Estava agindo certo. Sorriu, distendendo os lábios. Era uma expressão que manteria sempre. Tinha a sensação de que interiormente estava cheia - cheia de amor, cheia de Deus e cheia de esperança. Levantou-se e se esticou toda, para relaxar. Era melhor acender o fogo. A lenha pegou fogo logo e ela colocou a frigideira sobre a estrutura de cimento, onde ela se encaixou direitinho. Pôs as fatias de bacon na panela e ficou aguardando que começassem a fritar, com aquele ruído alegre, harmonizando-se com a alegria que havia em seu coração. O bacon já estava começando a exalar um cheiro gostoso quando ela ergueu os olhos e avistou Ted que vinha em sua direção. Trazia a garrafa térmica numa das mãos e duas canecas de louça na outra. Caminhava em passos lentos mas firmes e retos, os olhos fixos nela. Sua expressão era de que nada nesse mundo poderia impedi-lo de chegar até onde ela estava. Contando cada passo dele, a jovem sentiu o coração dançar de alegria. Um, dois, três, quatro. Um, dois, três, quatro. Será que você faz idéia do quanto é bonito, meu amado, meu amigo? Com um gesto brincalhão, levou os dedos aos lábios, beijou-os e, em meio à brisa matutina, “atirou-os” na direção dele. Como Ted estava com as mãos ocupadas, ele rapidamente virou a cabeça e esticou o pescoço como que para “aparar” o beijo na face. Parecia que o sorriso dele era permanente, como o dela.

Cris continuou com o olhar fixo no namorado que caminhava em sua direção. Nesse instante, compreendeu, tanto com a mente como com o coração, que nunca mais se esqueceria dessa imagem do rapaz vindo ao seu encontro na praia. Nunca perderia a visão desse homem que, duas semanas atrás, passara bem perto da morte, mas agora estava bem vivo e bem apaixonado por ela. - Hmm, que cheiro bom! exclamou ele, parando junto ao fogo. Cris achou engraçado o fato de que as primeiras palavras dele, numa ocasião tão significativa como aquela, tivessem sido tão corriqueiras. - Eu te amo! disse ela de sopetão. Imediatamente ela tapou a boca. Ela pensara dizer: “É o bacon!” Entretanto seu coração estava tão cheio de amor pelo Ted que a declaração simplesmente escapou quase sem ela o querer. O rapaz foi se abaixando lentamente e se sentou perto dela, no velho cobertor. Largou a garrafa e as canecas, e ficou a fitá-la fixamente como se não conseguisse acreditar no que ouvira. Pela expressão do rosto, dava a entender que queria que ela repetisse o que dissera. Cris tirou a mão da boca e fitou aqueles profundos olhos azuis. Respirou fundo e “mergulhou” na alma dele. - Eu te amo! repetiu, num tom lento e bem determinado. Eu te amo, Ted. - É, achei que era isso mesmo que você havia dito, comentou o rapaz com voz emocionada, e continuou: Também te amo, Kilikina! Os dois ficaram imóveis. O bacon parecia soltar pequenos foguetes enfumaçados, formando miúdas chamas brilhantes. No alto, três gaivotas circulavam soltando seus piados agudos, como se fossem arautos do Rei, tocando trombetas. Lenta e ternamente os dois se aproximaram e seus lábios se encontraram num beijo. Cris se sentiu ainda mais cheia de amor por ele. Quando se separaram, esse sentimento como

que transbordou pelos seus olhos e escorreu pelo seu rosto sorridente. Ted limpou as lágrimas dela com mão firme. Em seguida, fez um gesto que já fizera antes, quando estavam na Europa. Colocou a mão molhada no peito, bem na direção do coração. Cris viu que ele queria dizer que guardara as lágrimas dela no coração. Ela estendeu a mão e tocou de leve nos lábios dele. O rapaz segurou-a e deu um longo beijo na palma. A jovem soltou sua mão da dele, e colocou-a sobre o próprio coração. - Eu te amo! murmurou, com um sussurro leve mas firme. Ted abriu mais o sorriso. - Você sabe o que se diz acerca de uma declaração assim, não é? Quando alguém faz uma afirmação, repetindo-a três vezes, ela fica valendo pra sempre. Cris fez que sim. Contudo não sabia se ele estava era lhe dando uma chance de voltar atrás. Na verdade, porém, nada faria com que ela mudasse sua declaração. E o rapaz sabia muito bem o que aquelas palavras significavam para ela, para ele e para o futuro de ambos. Seu juramento estava confirmado na presença de Deus. - Eu te amo! repetiu firmemente, destacando cada palavra. Dessa vez, porém, deu uma risadinha alegre no fim da frase. - Eu tinha planejado tudo direitinho, explicou ela. Depois que tomássemos o café, iríamos nos abraçar e ficar num clima bem romântico. Aí eu ia lhe dizer isso. Ted aproximou-se mais e abraçou-a. - E agora? Assim ‘tá bem romântico? Cris riu de novo. - Não entendo como fui soltar tudo assim, de sopetão. - Sabe de uma coisa? principiou Ted, a voz soando profunda, em seu peito. Nesses últimos dias, sonhei várias vezes que você estava dizendo que me amava. Cris afastou-se um pouco e fitou-o diretamente nos olhos.

- Não foi sonho, Ted, disse. Falei mesmo muitas vezes. E a primeira vez foi lá no acampamento, mas não deu pra você me ouvir por causa do barulho do motor do bugue. Depois falei de novo várias vezes, no hospital, quando estava dormindo. Por fim, disse isso na casa do Tio Bob. - Ah, então não era sonho, repetiu ele, afastando do rosto dela uma mecha de cabelo. - Não, confirmou ela. Não era sonho. E agora também não é. É real, como sempre foi real pra mim. O rapaz fixou seus olhos azul-acinzentados nos de Cris, amando-a, enchendo o coração dela de gozo, dizendo-lhe as palavras doces que havia guardado no coração só para ela. E Cris sabia disso. Nesse momento, uma gaivota mais atrevida deu um mergulho na direção deles. - Ah, não, não! gritou Cris. - Desta vez, vocês não vão comer minha comida, não. Ted pegou um garfo e virou o bacon. - Parece que isso aqui já ‘tá quase pronto. - Temos ovos e croissants também, disse Cris. E trouxe até geléia de manga e mamão. - Você é maravilhosa! exclamou o rapaz. Quer café? ‘Tá forte, mas eu pus leite e açúcar na garrafa, como você gosta. Cris sabia que o namorado não tomava café com frequência, mas quando o fazia, gostava dele puro. Então percebeu o quanto ele fora atencioso ao se lembrar de que ela o preferia com leite, e ainda se dispor a tomá-lo do jeito dela. Então, lado a lado, os corações juntinhos, Cris e Ted terminaram de preparar o café. As gaivotas ficaram distantes. A chuva também foi para outro canto do país. O Sol, muito preguiçoso, de dez em dez minutos, saía de baixo de seu cobertor cinzento e dava uma espiada neles.

E assim o longo e lento piquenique particular dos dois foi transcorrendo tranquilamente, durante aquela calma manhã de outubro. Eles riram, beijaram-se, brincaram um com o outro, oraram, e comeram até não poder mais. Cris sentiu que tudo estava perfeito; mais perfeito que isso era impossível. Estava mais maravilhoso do que ela imaginara nas fantasias que criara. Contudo, na hora em que pegavam o cobertor e ajeitavam o vasilhame para ir embora, ela sentiu uma tristeza com que não contara. A razão era que Ted não a pedira em casamento. Na verdade, não pensara que ele o faria; não pensara mesmo. Entretanto, depois que ela lhe abrira tanto o coração e ele acolhera tudo com uma atitude igual e muita alegria, era natural que ele dissesse aquela frase que mudaria a vida dos dois. Era preciso que ele indagasse: “Vamos nos casar?” Todavia ele não a dissera. É verdade que falara outras palavras maravilhosas. Contou que estivera esperando que ela tivesse certeza de que o amava e lhe confessasse isso. Disse que Douglas e Trícia estavam certos. Desde o primeiro dia em que a vira na praia, quando ela caíra junto deles cheia de algas marinhas, ele já compreendera que ela seria a pessoa certa para ele. Afirmou que depois nunca mais namorara outra garota. Aliás, ela fora a única que ele beijara, a única que ele amou. A única. Entretanto não disse: “Quer casar comigo?” Voltaram para a casa caminhando lentamente sobre a areia. Ted não tomara o remédio antes de vir para a praia e agora estava sentindo muita dor. Cris teve de carregar a cesta com a frigideira, os pratos, os outros utensílios e o vidro de geléia. O rapaz só conseguiu levar o cobertor dobrado e a garrafa térmica vazia. Contudo os dois objetos pareciam muito pesados para ele. Quando entraram em casa, ele estava com o rosto pálido e começara a suar frio. Deixou o cobertor e a garrafa sobre a mesa e foi se deitar imediatamente. Ficou repousando o resto do

dia. Cris sabia que não poderia reclamar de nada com relação aos momentos que haviam passado juntos. O namorado empregara todas as suas energias para estar com ela. Em dado momento, porém, novamente começou a se inquietar com a indagação: Por que ele não me pediu em casamento? Ela procurou pensar no esforço que ele fizera, e manteve isso em mente pelo resto do final de semana. No domingo pela manhã, Cris foi à igreja com o Tio Bob, e o Ted ficou em casa, na cama, para recuperar as forças perdidas. A jovem e o tio convidaram Marta para ir com eles ao culto, mas ela respondeu que precisava ficar para cuidar do doente. Contudo isso foi bom. A pregação daquela manhã foi sobre batismo, e Cris sentiu que de fato não era algo que a tia precisaria ouvir no momento. Primeiro ela teria de receber a Cristo como seu Salvador e entregar sua vida a ele. Quando o pastor já estava encerrando a mensagem, a jovem se lembrou de seu irmão. Ficou a se indagar como ele estaria passando e se recordou de que fazia mais de uma semana que não ligava para casa. Contudo seus pais iriam compreender. Agora, o mais importante era cuidar do Ted. Sabia também que eles apoiariam sua decisão de firmar seu relacionamento com o rapaz. Apesar disso, tinha certa tristeza ao pensar que eles não se achavam mais próximos dela. Esse distanciamento começara no ano anterior, quando fora para a Suíça, E continuara depois que voltara e viera para a Universidade Rancho Corona. Na verdade, ela nunca fora uma filha que conversava com a mãe sobre todos os seus problemas. Desde pequena, acostumara-se a guardar tudo consigo mesma e resolver suas questões silenciosamente, sozinha, no quarto, com a porta fechada. Agora que estava para iniciar essa nova e maravilhosa fase da vida ao lado de Ted, gostaria que a mãe tivesse sido uma amiga para ela, sua melhor amiga e companheira. Entretanto a mãe não tivera esse tipo de relacionamento nem com a Marta, que era irmã dela.

- Sabe de uma coisa? disse Bob, quando voltavam para casa. Tomei uma decisão muito séria hoje. Cris pressentiu que o tio iria falar de seu relacionamento com a esposa. Então se acomodou melhor no banco do carro para lhe dar toda a sua atenção. Nesse momento se deu conta de que aquele lugar, o banco do “carona”, na Kombinada, era horrível. No carro do tio, porém, era muito confortável. Quanto ao Volvo, ainda não sabia como seria andar nesse assento, pois ainda não tivera esse prazer. - Tenho feito aquilo que você sugeriu, continuou ele. Tenho lido a Bíblia. Comecei pelo Novo Testamento, com os quatro primeiros livros: Mateus, Marcos, Lucas e João. Cris fez um aceno com a cabeça, concordando. - O que tenho notado sempre é que Cristo amava as pessoas, apesar das fraquezas humanas. Ele não ignorava os problemas delas, mas falava a verdade com amor. E sempre dizia o que era necessário. A jovem ficou um pouco tensa. Como seria que seu tio iria aplicar isso no dia-a-dia? - Vou começar a falar algumas verdades pra minha esposa, disse Tio Bob em tom firme. - Com amor, acrescentou Cris. - Isso, com amor, concordou ele. Aqui ele fez uma pausa e depois prosseguiu: - Cris, me passe aí meu celular. A jovem lhe entregou o aparelho. Ficou a olhá-lo e viu-o acionar a memória para discar o número de sua casa. - Vai dizer agora? Por telefone? - Não, replicou o tio. Vou só perguntar se ela quer que a gente passe no restaurante e leve o almoço pra casa. Quando pararam no Betsy’s para pegar sanduíches e saladas, Cris percebeu que

continuava nervosa com relação ao pensamento do tio de falar a verdade. Ainda estava assim quando chegaram em casa e o tio entrou com o carro na garagem. E continuava se sentindo tensa quando Marta veio à cozinha e perguntou se haviam trazido o salpicão de frango, que era sua salada predileta. Para surpresa de Cris, em vez de o tio berrar com a mulher, dizendo-lhe que ela precisava mudar seu jeito de ser e tomar algumas decisões mais sensatas, ele se aproximou dela e abraçou-a. - Eu te amo, Marta, disse ele. Eu te amo de todo o coração. Em seguida, deu-lhe um sonoro beijo nos lábios. Tia Marta ficou espantada. Cris não se lembrava de ter visto o tio fazer tais demonstrações de afeto pela esposa. Sempre se mostrara carinhoso e generoso com ela, mas nunca apaixonado, como fazia agora. Marta se soltou dos braços dele, visivelmente abalada. - Fazia um bom tempo que eu não lhe dizia isso, continuou ele, sem se deixar intimidar pela atitude dela. Mas é verdade, sempre vai ser. Eu te amo e sempre te amarei. Daria minha vida por você. Jesus disse: “Não se turbe o vosso coração. Credes em Deus”. Meu anseio é que seu coração não fique mais perturbado, mas que você confie em Deus. Tio Bob fez uma pausa em sua declaração de amor e Cris aproveitou para pegar dois sanduíches e sair, dizendo que ir ver como Ted estava. Encontrou-o na sala de visitas, perto da janela, lendo um dos livros didáticos que ela trouxera para ele juntamente com uma lista de tarefas que os professores lhe haviam passado. - Você não acredita no que ‘tá acontecendo ali, disse ela, sentando-se ao lado dele e entregando-lhe um sanduíche. - Estão discutindo de novo? - Não, pelo contrário. Nestes últimos dias eles têm discutido do muito? - Uma noite dessas, não pude nem dormir, porque eles gritavam tanto, sobre quem

estava certo e quem estava errado. O Tio Bob acabou cedendo, como ele sempre faz, e pediu desculpas. Mas isso não resolveu nada. - Pois é. Agora ele ‘tá lá na cozinha dizendo que a ama, que daria a vida por ela e citando versículos bíblicos. Ted deu um sorriso. - O sermão hoje foi em Efésios? indagou. - Não, foi sobre batismo. Por quê? - Porque em Efésios 5 diz que o marido deve amar a esposa como Cristo amou a igreja, e dar a vida por ela. Você entendeu, né? Do mesmo jeito que ele deu a vida por nós. Fala que o marido deve “purificar” a mulher, lavando-a com a Palavra de Deus. Cris olhou para o sanduíche que ainda estava em sua mão, intacto. - Que lindo! exclamou. É tão poético Mas por outro lado, é muito estranho pra quem vê de fora. O rapaz soltou uma risada. - É... disse, mas é que a gente não deve ficar olhando o marido “lavar” a esposa. A figura que Ted usara mexeu com a cabeça de Cris. Sentiu o rosto avermelhar-se e desviou os olhos. Os dois se puseram a comer em silêncio. Cris ficou a pensar na idéia de se lavar e se purificar, para se tornar apresentável diante de Deus, por meio da Palavra. Isso se harmonizava com o que o pastor dissera acerca do batismo. - Ted, disse ela afinal, acho que preciso me batizar. O rapaz não pareceu ficar espantado com a afirmação dela. Também pudera, ultimamente ela vinha fazendo algumas declarações sérias. - Eu fui batizada quando era criança, continuou a jovem, ou fui apresentada na igreja, não sei. Não lembro mais como e que eles faziam em minha igreja no Wisconsin. Mas tenho um certificado com a data e tudo o mais. Mas agora que sou adulta quero me batizar, para me

identificar com Cristo. Quero declarar publicamente que sou discípula dele. - É, interpôs o rapaz, a mensagem deve ter sido muito convincente. - Não, nem tanto. Bom, talvez tenha sido mesmo, não sei. Tenho pensado nisso ultimamente. E agora essa figura de ser “purificada” e me preparar como uma noiva, é... Aqui ela fez uma pausa e pensou se deveria continuar dizendo o que pensava. - Estou enxergando um simbolismo mais profundo no batismo, prosseguiu. E o que eu disse, quero assumir publicamente uma posição e mostrar que já decidi no coração seguir a Cristo. Ted acenou concordando. Ela sentiu que ele não precisaria dizer nada; nem ela. Os dois estavam passando para a fase seguinte de seu relacionamento. Ela própria estava crescendo em seu relacionamento com o Senhor, e se sentia pronta para subir mais um degrau com Deus. - Onde você quer ser batizada? indagou Ted, que já estava na metade de seu sanduíche. - Não sei. Você se batizou no mar, não foi? - Puxa! Como você se lembrou disso? - Foi você que me contou, no dia que o Sam morreu, quando estávamos no ancoradouro. Disse que se batizou em 27 de julho, no dia do meu aniversário. - Isso mesmo - Acho que quero me batizar na Igreja de Riverview Height, já que ela é a nossa igreja agora. Não estou mais ligada à igreja dos meus pais, em Escondido. Essa fase da vida da gente é tão estranha, né? Onde é que chamamos de “casa”? Naquela noite, quando retornava para a faculdade, foi pensando no que dissera. Estava bastante escuro e começou a achar que deveria ter saído mais cedo. O problema fora que não tivera vontade de se afastar do Ted. Lembrou de como a casa dos tios para ela já era quase como sua casa, tanto quanto a sua própria, em Escondido. A diferença era que por vezes, naquele quarto com decoração californiana, quando ia se deitar na cama alta, tinha a sensação

de que dormia num dos antigos carroções dos pioneiros. Estava sentindo falta da outra decoração, com lagos cor-de-rosa. Nunca pensara que pudesse vir a sentir isso. A sensação que tinha no quarto do dormitório da escola era a mesma que experimentara em Basiléia - um alojamento temporário. O que ela desejava mesmo era ter a própria casa, em algum lugar, com o Ted. Pôs-se a relembrar os acontecimentos do final de semana. O café da manhã na praia fora perfeito. Até o jeito como ela fizera sua confissão: “Eu te amo”, fora emocionante e maravilhoso, pois saíra num rompante. Agora já não se sentia mais tão aborrecida pelo fato de o namorado não tê-la pedido em casamento logo depois, quando estavam arrumando os objetos, após o café. Sabia que havia muitas razões para Ted não ter feito o que seria o passo mais natural. Ainda não se recuperara totalmente do acidente. Os medicamentos o deixavam bastante grogue, e ele dormia muito. Provavelmente precisava de mais tempo para clarear as idéias e pensar em tudo aquilo. Além do mais, pensou ela no momento em que entrava na estrada que ia para a Rancho Corona, com que dinheiro iríamos montar nossa casa? Nesse momento, fez uma imagem mental dos dois e riu. Viu ela e Ted sacando todos os cheques que ganhassem como presente de casamento e indo para o Galpão da Economia. Bom, pelo menos estariam indo para lá no Volvo azul, e não na Kombinada caindo aos pedaços. Talvez tudo venha a se ajeitar aos poucos.

17
Assim que Cris entrou no quarto, Katie já começou a lhe contar sobre a reunião dos jovens naquela manhã. Tudo tinha transcorrido muito bem. Dezessete estudantes haviam ido lá. Todos gostaram tanto do grupo do Ronny que o convidaram para tocar na igreja, na terçafeira à noite. - Olhe só isto aqui, disse ela, entregando a Cris um enorme cartão com votos de “pronto restabelecimento”. Na página da frente, havia o desenho de um grupo de animais com uma aparência muito engraçada: leões, tigres, panteras. Dentro, lia-se o seguinte: Todos nós sentimos sua falta ferozmente! - E todos eles assinaram, informou Katie. Podemos colocá-lo no correio para o Ted amanhã. É espantoso como alguns deles estão querendo levar Deus a sério. Uma das garotas se levantou e contou que, no acampamento, o Ted falou que nenhum de nós sabe quando vai morrer. E logo no dia seguinte, ele próprio sofreu um acidente. Um dos rapazes levou três amigos à classe no domingo e todos disseram que vão convidar outros para o culto de terçafeira. - Que maravilha! exclamou Cris. Em seguida, colocou o cartão de volta no envelope e se pôs a desfazer a maleta que levara para o final de semana. - Eu lhe disse que Deus estava fazendo uma porção de coisas, não foi? comentou Katie, abaixando o volume do seu som e se acomodando na cama da amiga, já que a dela ainda estava desarrumada.

- Ah, dá uma ligada para o Ted amanhã e conte tudo isso pra ele, pediu Cris. Ele vai ficar simplesmente maravilhado. Tem orado pelo grupo todos os dias, quero dizer, quando não ‘tá dormindo. - Ele ainda ‘tá bem grogue, né? perguntou Katie, afofando o travesseiro de Cris e apoiando nele o cotovelo. - É, mas já melhorou muito, replicou, com um largo sorriso e enfiando as roupas sujas num saco próprio que havia num canto do seu closet. É, ‘tá bem melhor. - Mas por que essa expressão de alegria, minha amiga? quis saber Katie. Será que posso deduzir que o Ted ‘tá bem melhor porque você finalmente fez aquela importante declaração? Cris se ergueu e fitou-a com as mãos nos quadris. - É, fiz. Nosso café da manhã foi perfeito. E agora o meu namorado, aquele rapaz incrível e maravilhoso, não precisa mais ter a menor dúvida com relação aos meus sentimentos por ele. - Ah, finalmente você já pode dizer “O meu amado é meu e eu sou dele”, comentou Katie com uma entonação poética. - Já ouvi isso. É de Cântico dos Cânticos, né? - Creio que sim. - Você leu esse livro nesses últimos dias? indagou Cris. Ela foi até a cama da amiga e, com movimentos rápidos, esticou os lençóis e o cobertor e ajeitou os travesseiros. Um deles estava com a fronha da Pequena Sereia e o outro com a da “Minnie”. - Não, replicou a outra. - Eu li o Cântico dos Cânticos quando estava em Basiléia. É o poema lírico mais estranho e exótico que já vi. Tem só oito capítulos. - Você leu aquela parte que diz “Os teus cabelos são como o rebanho de cabras”?

indagou Katie. Que romantismo tem isso? Ou então aquela outra frase: “O teu pescoço é como a torre de Davi”? Essa então é linda mesmo! comentou Katie, em tom irônico. Se um rapaz me dissesse essas coisas, tenho certeza de que me apaixonaria por ele na hora! Cris riu as gargalhadas. Riu tanto que teve de se sentar. - Ah, agora já sei por que você riscou o coitado do Mark da sua lista. Ele não disse as frases que você gostaria de ouvir. - É, o coitado do Mark! repetiu Katie com um suspiro. Ele não aprendeu essa frase sobre o rebanho de cabras lá em Brightwater. Cris riu de novo. - Ah, não, Katie, não fale assim dele. O Mark ainda é um amigo muito querido, você sabe, né? - Ah, sei. Mas não me entenda mal. Acho o Mark simplesmente maravilhoso No domingo, ele assumiu tudo lá na igreja e cuidou de tudo. É um ótimo rapaz! Só não é ótimo pra mim. Eu gosto de uma pessoa com mais “tempero”! - ‘Tá querendo dizer que aqui na escola não há muitos rapazes com “tempero”? - É, eu diria isso, sim. Mas não tire nenhuma outra conclusão aí, Cris. Estou muito satisfeita aqui. Sinceramente. Aquela minha mania de ficar procurando o cara perfeito acabou. - Ué! Por quê? - Resolvi me tornar uma das mulheres de Provérbios 31. - E o que é isso? Uma nova agremiação aqui da escola? - Não, mas não seria má idéia. Poderia trocar o velho Clube A. A., que eu e a Selena fundamos na Inglaterra, por esse novo. - O que é esse A. A.? quis saber Cris. - Já esqueceu? O primeiro A significa “apenas” e o segundo, “amigas”. E eu e a Selena somos as únicas associadas nesse clube. Nosso lema era que iríamos ser apenas amigas dos

rapazes. É, mas depois que ela me falou de como o relacionamento dela com o Paul ‘tá indo, acho que o número de associadas diminuiu. Agora é uma só: eu. Então creio que posso fundar um novo clube, o P-31, a sigla da mulher de Provérbios 31. - Ah, entendi, replicou Cris, disfarçando um sorriso. E posso perguntar quais seriam os pré-requisitos para uma pessoa ser sócia desse Clube P-31 ? - Muito simples. A base é a primeira parte do versículo 10, que diz: “Mulher virtuosa, quem a achará?” Cris fitou-a, erguendo as sobrancelhas, como quem indaga algo, e ficou a aguardar a explicação. - Não entendeu, não? Olhe, lá não diz: “Um bom marido, quem o achará?” Diz “Mulher virtuosa...” Então acho que isso significa que é o homem que tem de procurar. Cris deu uma risada e jogou seu travesseiro na amiga. Katie se abaixou, e ele bateu na parede. - ‘Tá pensando que estou brincando? Não! Pode acreditar em mim. Já analisei isso por todos os ângulos. Daqui em diante, me ponho completamente nas mãos de Deus. Vou apenas continuar fazendo meu trabalhinho aqui, bem no centro da vontade dele. E se houver algum “amado” pra mim em algum lugar por aí, vou deixar que ele comece a me procurar, pra variar. Vou ficar bem aqui - como uma futura mulher virtuosa – esperando que ele venha me achar. Cris já ia abrir a boca para comentar algo, quando Katie a interrompeu. - E não venha me dizer que sente muito por eu não ter ninguém em perspectiva, quando você e Ted já estão com tudo acertado e tão chegados um ao outro. Cris baixou os olhos para o chão. - Era isso que ia dizer, não era? - Como é que sabia? - Ah, digamos que nós duas estamos mais ou menos no verso oitenta e quatro de nossa

música. Sabe, né? No verso oitenta e quatro, igual ao primeiro, só que um pouco mais alto e um pouco pior. Cris se encaminhou para a cama e se sentou ao lado da amiga - É, mas quando nós cantamos juntas, não saímos tão mal assim, não. - Não; não é juntas, não, replicou Katie, entregando-lhe o travesseiro com a fronha da Pequena Sereia para ela se recostar. Não cantamos mais juntas, não. Temos de largar nossa velha música. Agora você vai começar a cantar uma nova, Cris. Só que seu dueto agora é com o Ted. E eu vou passar a cantar solo, ‘tá bom? Agora, as músicas antigas não se aplicam mais a nós, a nenhuma de nós. Cris sentiu uma grande admiração pela amiga. Aliás, achava que nunca a admirara tanto quanto nesse momento. - Você deixa Deus ir realizando o que ele quiser em sua vida, e eu vou convidá-lo pra fazer o que ele quiser na minha também. E além disso não vamos mais nos comparar uma com a outra, ‘tá bem? concluiu Katie, num tom de voz que dava a impressão de que desejava muito que Cris concordasse com ela. - “Como quiseres!” disse esta, com um aceno afirmativo. E nas semanas seguintes, Cris notou mudanças verdadeiras em sua colega. Um exemplo disso foi que, na terça-feira, ela pegou emprestada sua lixa e cuidou das unhas. Ela nunca vira aquela sua amiga, com seu jeitão meio de garoto, lixar as unhas antes. É verdade que as “roia”, que arrancava as cutículas, mas lixar, nunca. Também nunca passava um creme hidratante nas mãos. E Katie lixava as unhas, toda contente, enquanto Cris estava na Internet, fazendo uma pesquisa sobre Milton, o poeta cego. Katie mencionou que já estava quase conseguindo a receita ideal para o seu chá de ervas. Por volta de quinta-feira, ela tinha certeza de que afinal obtivera a mistura adequada.

Para comemorar a vitória, ela fora ao Galpão da Economia e comprara um bule de louça e algumas xícaras de vários feitios e desenhos, para fazer um chazinho no quarto e chamar algumas colegas. Então, na quinta-feira à noite, às 7:30h, quatro amigas dela vieram para tomar chá. Katie disse que pensara em convidar outras, mas só conseguira comprar seis xícaras no Galpão. Cris havia arrumado o quarto e ajeitara tudo para que as seis “provadoras” pudessem se sentar por ali. Katie preparou a bebida numa chaleira elétrica. Enquanto esperava que as folhas do chá “cozinhassem”, ela serviu alguns biscoitos. Selena, que era uma das convidadas, estava contando que sua irmã, Tânia, iria se casar no feriado do Dia de Ação de Graças, e que o noivo dela conseguira um emprego em Oklahoma. Cris queria ouvir o relato, mas estava mais preocupada com o chá de Katie. Então foi para um canto do quarto onde ela estava coando o chá e colocando nas xícaras. - Katie, cochichou ela, quero lhe perguntar mais uma vez. Por favor, não fique com raiva de mim. Tem certeza de que, desta vez, ninguém vai ter nenhuma alergia com seu chá? - Tenho 99,9% de certeza, replicou ela. A mistura que fiz agora é totalmente diferente da que fiz no semestre passado. Desta vez não pus nenhuma espinheira. - Você pôs espinheira da outra vez? - É, mas eu não sabia que era espinheira silvestre, que causa coceira. ‘Tá bom? - Afinal, por que você planta espinheira? - Porque ela é boa pra quem ronca. Eu a sequei e misturei com hibisco seco. E pus só uma pitadinha. Mas desta vez, não. Este meu preparado aqui é o “Verão Indiano”. tem maçã, gengibre, canela e outros condimentos. Nenhum dos ingredientes tem problema algum, eu lhe garanto. Cris poderia até se sentir mais tranquila, se a amiga não tivesse empregado o termo

“preparado” para se referir ao chá. Contudo voltou para seu lugar, e quando Katie lhe entregou uma xícara com a cheirosa bebida que ainda fumegava, sorriu graciosamente. - ‘Tá uma delícia, Katie! disse Selena, que foi a primeira a prová-la. Esse comentário positivo fez com que as outras corajosamente se arriscassem a tomá-la, “avançando num terreno onde ninguém mais tivera coragem de entrar”. - ‘Tá bom, sim, confirmou Cris. Contudo, meio despistadamente, olhou para a parte interior do braço para ver se não estava aparecendo nenhuma manchinha na pele. Por enquanto, nenhuma. - A combinação dos sabores ‘tá perfeita, continuou Selena entusiasmada. Gostei do equilíbrio entre o gengibre e os condimentos. Você pôs cravo também? Estou sentindo o gosto. - Pus. - ‘Tá muito bom, pois não ficou muito forte. Desta vez, você conseguiu, Katie. Este chá aqui vai fazer sucesso. Cris e as outras meninas concordaram. Katie era toda sorrisos. - Então quero anunciar oficialmente o nascimento do chá “Verão Indiano”! Todas aplaudiram. Vinte e quatro horas depois, Cris constatou que não lhe havia aparecido na pele nenhuma manchinha. Também não tivera nenhuma outra reação adversa. Então pegou um pacotinho do chá e levou para a livraria. Donna gostava de tomar chá, e Cris achou que talvez ela aprovasse o novo sabor que a Katie criara. E de fato ela apreciou o chá, tanto quanto Cris, Selena e as outras garotas. Na sextafeira, quando já estava quase na hora de Cris encerrar seu horário de trabalho e se preparar para ir a Newport Beach, Donna lhe perguntou se poderia lhe arranjar mais daquele chá. - É, posso lhe trazer mais um pacotinho na segunda-feira. Ou então você pode ligar para

o nosso quarto e pedir a Katie pra lhe entregar. - É que eu queria dar um pouco para um conhecido meu, explicou Donna. Há poucos dias, ele abriu uma livraria em Murrietta, com uma cafeteria ao lado. Só que ali eles servem coisas diferentes. Acho que gostaria de colocar este chá no menu dela. - Mas será que primeiro a Katie não precisaria registrar o chá e tirar a licença no departamento de alimentos e remédios? indagou Cris. Cris não queria de forma nenhuma impedir que Katie vendesse seu chá. Contudo ela já estava vendo a amiga, na pressa de atender ao pedido, preparar uma mistura do chá e colocar espinheira junto com as outras ervas. Já até imaginava os fregueses da cafeteria passando mal por causa do chá e a colega sendo processada por danos físicos. - É, acho que você tem razão, concordou Donna. Ultimamente as leis estão muito rigorosas nessas questões. Isso é bom, mas também estringe muito as pessoas, não é? Nesse moneto, Cris sentiu certo contentamento por essas leis. Contudo não expressou seu pensamento. - Se você e a Katie puderem ir visitar essa cafeteria, acho que vão gostar. Chama-se “Ninho da Pomba”. E a livraria é “A Arca”. Ótimos nomes, não acha? Cris ficou a olhar sua chefe por uns instantes. Estava usando uma blusa de gola alta, cor de abóbora, e um cardigã creme. Tinha o cabelo todo penteado para trás, seguro por um arquinho dourado. Às suas costas, estavam fileiras e fileiras de livros nas estantes. E na mão ainda segurava a xícara vazia. Parecia um modelo perfeito para um anúncio do chá da Katie. A figura de Donna lembrava um ambiente agradável, caloroso e acolhedor. - É, ótimo mesmo, concordou Cris. Dentro de mais alguns dias o Ted deve ficar bom. Talvez possamos ir lá todos juntos. - E como ele ‘tá? quis saber Donna. - Bem melhor.

- E o namoro de vocês? Ainda ‘tá firme? - Mais firme que nunca. ‘Tá quase perfeito. Donna pôs a mão sobre o ombro de Cris. - Então, Cris, disse, procure guardar bem na memória essa fase de sua vida. Faça anotações em seu diário, narrando tudo que acontece. Anote esses fatos para depois você se lembrar do que é realidade e do que são sensações que “borbulham” em seu coração. É que no futuro, você pode vir a ter dúvidas, a ficar confusa. Então, se você tiver anotado esta fase, será mais fácil superar tudo. Cris gostou do que Donna lhe disse, principalmente porque a outra parecia estar falando por experiência. E nesse final de semana, ela se lembrou de escrever em seu diário tudo que estava sentindo com relação ao Ted. Uma parte do que ela escreveu foi o seguinte.

No momento, não consigo imaginar minha vida a não ser ao lado do Ted, aconteça o que acontecer. A idéia de estarmos juntos parece muito natural, uma combinação perfeita. Sei que muito breve ele irá me pedir em casamento. Simplesmente sinto isso. É possível até que, neste final de semana mesmo, ele pronuncie essas palavras. Como será que ele vai pedir? Tenho certeza de que será de um jeito muito criativo. Ou, talvez, não. Tem um lado dele que é muito prático também. Eu não ficaria nem um pouco espantada se um dia estivéssemos lanchando, comendo tacos, por exemplo, e ele virasse para mim e dissesse: “E então? Quer se casar?” Não sei como nem quando é que ele vai me pedir em casamento, mas sei que já estou preparada... mais do que preparada para dizer “Sim”. Sim, sim, mil vezes, sim! Eu me casarei com você, Ted Spencer. E vou passar o resto da vida amando-o de todo o coração! Ah, mais uma coisa. Donna me disse para escrever tudo, com todos os detalhes. Então

tenho de registrar um detalhe aqui. Estou amando estar apaixonada. Gosto demais do jeito que acordo de manhã e logo penso no Ted e no grande amor que sinto por ele. E aí dou um sorriso. Ultimamente, fico sorrindo o tempo todo. Não há nada que me deixe pra baixo! Na semana passada, a Katie disse que tenho no rosto o misterioso brilho do amor. Disse que parecia que meus olhos estavam sempre rindo por causa de algum segredo meu; comentou até que melhorei a postura. Dei uma risada. Ela falou que o amor do Ted por mim está me tornando muito bonita e que o meu amor por ele está curando-o. Só sei que o amor me ajudou a subir ao céu e aprofundar bastante meu relacionamento com Deus, mais que antes. O amor me dá fôlego, pois tenho “mergulhado” mais no mar da paciência e da compreensão. O amor me fez ver detalhes da vida como uma joaninha andando numa pétala de margarida. Ao mesmo tempo, porém, me levou a abrir mais o meu “abraço” e alcançar familiares e amigos, chegando-os todos ao meu coração. O amor é... ah, como eu gostaria de ter palavras para descrevê-lo! O amor é o maior dom que Deus nos concede. É o seu mais precioso galardão. Aliás, ele é um eco do próprio coração de Deus, que vai de nós, seus filhos, para ele. E isso se dá para que este mundo, que está se desintegrando, possa ver, em primeira mão, o poder de uma vida nova, ressurreta. Neste momento, só vejo amor em minha vida. Eu mesma fico rindo das minhas tolices. Estou percebendo que sou tão inexperiente em tudo. Nunca havia experimentado uma sensação tão inebriante como essa do estar apaixonada. Ela me deixa tonta! Ah! Estou emocionalmente embriagada nesse grande dom de Deus que é o amor! Imagine só!

Dez dias depois, Cris releu o que escrevera no diário e que denominou “Canto ao Amor”. Ainda sentia a mesma euforia. Ted já voltara a assistir as aulas e reassumira sua posição de líder de jovens, na Igreja de Riverveiw Heights. Já havia se passado pouco mais de

um mês do acidente. Ele ainda andava devagar e dormia bastante. Contudo já retomara suas atividades normais. E Cris tinha o namorado de volta. A vida era um mar de rosas. Ted relatou para ela que o Tio Bob ainda estava demonstrando amor para a esposa, e “lavando-a” com palavras. Tia Marta não o abandonara, mas também não se tornara mais chegada a ele. Estava como que “parada” no lugar. Contudo a opinião do rapaz era que essa era a melhor posição para ela no momento. Cris fez as aulas que a igreja exigia daqueles que quisessem se batizar. Depois inscreveu-se para se batizar no domingo anterior ao feriado de Ação de Graças. Comprou alguns cartões na livraria e convidou os parentes e amigos para o evento. No momento em que escrevia nomes e endereços no envelope, veio-lhe a indagação de quanto tempo ainda levaria para estar fazendo o mesmo com o convite de casamento, que enviaria a essas mesmas pessoas. Ted ainda não a pedira em casamento. Contudo sabia que era apenas uma questão de tempo. Haviam inclusive conversado sobre o assunto de forma generalizada. Lembraram-se de como Douglas havia ido falar com o pai de Trícia e lhe pedira a mão da moça em casamento. E ele fizera isso antes de pedir a ela. Cris achava que o Ted também iria conversar com o pai dela. Mas quando? Dentro de mais alguns dias, todos iriam se encontrar na igreja. Além disso, os pais dela já haviam convidado o rapaz e o pai dele para passarem o Dia de Ação de Graças com eles. Bob e Marta também iriam. Cris ficou a pensar se nesse dia, depois que acabassem de almoçar e antes de comerem a sobremesa, o Ted não iria se ajoelhar e, na frente de todo mundo, lhe pedir para se casar com ele. Seria um momento inesquecível. A jovem sabia que, se ela não gostasse tanto de surpresas, esse suspense iria deixá-la louca. Outro fator que a ajudava era que se sentia plenamente preparada para dar a resposta. O Ted poderia fazer o pedido, em qualquer momento, em qualquer lugar e de qualquer jeito. Sua

resposta seria “Sim”. Na véspera do seu batismo, ela estava no quarto terminando um trabalho da escola no laptop da Katie, quando o telefone tocou. Era sua mãe. - Nós ficamos um pouco espantados com esse convite para o seu batismo, disse ela - Vocês vão vir, não vão? - Vamos, replicou a mãe, lentamente. Mas você sabe que foi batizada quando era bebê, não sabe? - Sei, e tenho muito respeito por isso, mãe, replicou Cris. Por favor, não pense que estou discordando do que você e papai fizeram naquela cerimônia, não. O que estou fazendo é demonstrar, com minha vida, que o confirmo de todo o coração. É por isso que quero ser batizada agora, que sou adulta. - Tanto eu como seu pai fomos batizados quando criança e não sentimos necessidade de nos batizar de novo, depois que nos tornamos adultos. - É, eu sei. E isso foi certo para os dois. Mas eu penso diferente, mãe. Será que vocês podem respeitar essa minha decisão, embora não concordem plenamente com ela? Cris não conseguia entender por que essa questão deixava os pais meio incomodados. Eles eram crentes. Por que não se alegravam ao ver que ela estava dando esse passo de fé? No fim da conversa, ambas concordaram em que cada um iria procurar enxergar o ponto de vista da outra. Quando os pais dela chegaram a Igreja de Riverview Heights, a mãe foi até a saleta onde Cris já aguardava o momento do batismo, vestida com uma bata branca apropriada. Estava de calça e os pés, em contato com o chão, estavam gelados. Começou a desejar que não tivesse se aprontado tão cedo. Nesse dia, ela era a única mulher a ser batizada. Por isso se sentiu muito feliz de sua mãe ter ido ali, para vê-la. - Que bom que vocês vieram! exclamou.

- Ah, nós não poderíamos deixar de vir, não, replicou a mãe, abraçando-a. Eu receei que você interpretasse mal meu telefonema de ontem; e não queria isso. Eu e seu pai conversamos sobre o assunto e queremos que saiba que respeitamos sua decisão. Estamos muito felizes com você. Aliás, sempre estivemos. Parece que os jovens de hoje tem uma ligação mais emocional com a fé cristã. O Ted nos explicou que, fazendo isso, você está como que se apropriando da fé. Então nós entendemos que essa demonstração de fé é importante pra você. - Obrigada, mãe, disse Cris, abraçando-a também. De certa forma, esse momento era a realização de um anseio da jovem. Ela sempre desejara ser mais chegada à mãe, mais amiga dela. Não tinha como saber se a mãe estava vendo as coisas por um prisma diferente. Mas ela estava. Cris sentia claramente que era como se as duas tivessem chegado a um novo tipo de relacionamento, em que ambas eram adultas. E sendo adultas, conseguiam enxergar uma a outra como amigas. A mãe deve ter pensando mais ou menos o mesmo, pois deu-lhe um sorriso amistoso. - Eu e seu pai queremos lhe comunicar que apoiamos todas as decisões que você tomar daqui em diante. Estamos muito felizes por você. Aliás, pelos dois. E com isso, a mãe saiu e foi para o salão. Cris ficou sozinha e se pôs a pensar no que ela dissera. Ficou a bater os pés no chão frio, para tentar aquecê-los. O que será que a mãe quisera dizer quando falou que estava feliz pelos dois? Está feliz pelo Ted também? Mas ele não vai se batizar! Então se lembrou de que no dia anterior o rapaz saira com o carro deles e ficara fora o dia todo. E não dissera aonde fora. Cris também não perguntara, pois estava com muito trabalho da escola para fazer. Mamãe disse também que ele lhes explicou por que quero me batizar. Será que ele foi lá em casa ontem? Sentiu o coração bater um pouco mais rápido.

Será que ele foi perguntar aos meus pais se podemos nos casar? Será que ele agora vai me pedir em casamento? Hoje? O pastor bateu a porta da saleta e avisou que assim que ela ouvisse a música deveria subir para o batistério. Imediatamente, Cris parou de pensar nos pais e no Ted e se concentrou no que estava para acontecer. Sabia que seria a primeira da fila. Havia preparado algo para dizer no momento do batismo. Nesse instante, começou a ouvir um hino bastante conhecido. “Como um rio glorioso, e a perfeita paz de Deus.” Cris sorriu. Gostava muito desse hino. Era um dos que ela mais gostava lá em sua antiga igreja de Brightwater. Teve a sensação de que, nesta ocasião tão importante, revivia um momento de sua infância. Nas igrejas que frequentara nos últimos anos, cantavam-se quase que só os corinhos modernos na hora do louvor. Então estava gostando muito de ouvir um dos antigos cânticos no instante em que entraria no batistério. O batistério era uma espécie de piscininha quadrada que ficava à frente do salão. Geralmente, havia ali umas folhagens que a ocultavam. Hoje haviam removido os vasos. O Pastor John já estava dentro dele, com a água pela cintura, sorrindo para Cris e acenando-lhe para que entrasse também. “Firmado em Deus”, continuava o hino, “o coração é plenamente feliz.” Movendo-se cautelosamente, a jovem pôs um pé dentro da água e constatou que estava morna. E o hino prosseguia: “Encontrando paz e descanso perfeitos, como ele prometeu.” Caminhou até o centro do batistério e se posicionou de frente para o pastor. Ainda estava sem coragem de se virar para a congregação. O hino terminou e o pastor explicou acerca do batismo de Jesus no Rio Jordão. Disse também que Cris estava ali em obediência à ordenança do livro de Atos: “Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para remissão dos vossos pecados”.

Ainda meio hesitante, a jovem se voltou para a congregação e avistou o Ted na primeira fila, olhando para ela todo sorridente. Perto dele havia vários dos jovens do grupo da igreja, pelo menos uns vinte. Todos pareciam fitá-la muito sérios. Que bom número de testemunhas! Não fazia idéia de que todos esses iriam comparecer! Em seguida, o Pastor John leu Mateus 28.19,20: “Ide, por tanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado. E eis que estou convosco todos os dias até a consumação do século”. Aqui ele se virou para Cris e pôs a mão no ombro dela, como que a tranquilizá-la. - Eu pedi a Cris, disse ele, para explicar por que ela decidiu se batizar. Pela primeira vez, a jovem compreendeu que, de fato, aquilo fora uma decisão sua, e uma boa decisão. E ela a tomara por i mesma. - Entreguei minha vida a Cristo, principiou ela, quando tinha quinze anos. Nesse momento, ela avistou Katie e Selena que estavam sentadas perto do Ted e dos jovens do grupo. Mark também estava ali, bem como o Wesley, irmão da Selena, e mais cinco alunos da Rancho Corona. - Nesse dia, continuou, eu me ajoelhei e pedi a Cristo para perdoar meus pecados, entrar em meu coração e assumir o controle de todo o meu ser. Daquele dia pra cá, já vi o Senhor operar de várias maneiras na minha vida. Aqui ela percebeu que estava falando muito depressa e tentou se acalmar para ir um pouco mais devagar. - Sei que Deus está comigo, o tempo todo. Ele tem me transformado. Estou aprendendo a confiar mais nele em todas circunstâncias. Nesse ponto, ela fez outra pausa e depois concluiu: - Em todas as decisões da minha vida.

Essa parte sobre as “decisões” não estava no que ela preparara para falar. Contudo era verdade também. - Resolvi me batizar, em primeiro lugar, para confirmar a direção que meus pais já haviam dado à minha vida, pois eles me batizaram quando eu era pequenina. Nesse instante, olhou para a mãe, que sorriu. Com isso, Cris ficou ainda mais segura de que sua decisão realmente fora acertada. Avistou a Tia Marta sentada ao lado de sua mãe. Nunca pensara que ela iria comparecer. E então fixou os olhos nela ao terminar sua palavra. - A segunda razão por que resolvi me batizar é que entendo que isso é um ato de obediência. É como diz naquele versículo que o Pastor John citou há pouco. Deus nos ordena que abandonemos nosso viver egoísta, no qual procuramos agradar somente a nos mesmos, e nos entreguemos a ele de todo o coração. Só assim poderemos viver como ele quer que vivamos. Sentindo uma empolgação maior, resolveu acrescentar mais detalhe que não estava em seu pensamento antes. - É como se Deus fosse o oleiro e nós, a cerâmica. Ele não quer que nós saiamos por aí e procuremos nos transformar em algo que ele não quer, pois não foi para isso que ele nos criou. Ele quer que fiquemos sempre no seu “torno”, mesmo que às vezes fiquemos até meio tontos, com aquele girar incessante, com a mão dele a nos moldar e apertar. Foi ele que nos criou. Ele sabe nos dar a forma que devemos ter, ou melhor, a forma que ele quer que tenhamos. Assim seremos como ele quer que sejamos. Então Deus quer que fiquemos no “torno” para nos moldar com suas próprias mãos. Novamente ela fez uma parada e depois concluiu: - É, com aquelas mãos que ainda têm as cicatrizes dos cravos. Aqui ela se deu conta de que o que acabara de dizer fora totalmente de improviso. Provavelmente sua tia ficaria irritada com sua palavra. Entretanto ela se sentia interiormente

“limpa”. Estava limpa e preparada para ser imersa na água e depois levantada, identificandose publicamente com a morte e a ressurreição de Cristo. Então o Pastor John, em voz baixa, pediu a Cris que juntasse as mãos à altura do peito. Ela fez o que ele dizia e fechou olhos. - Cristina Miller, continuou o pastor, num tom profundo, agora eu a batizo em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Em seguida, Cris sentiu que ele a abaixava de costas, segurando-a firmemente, e toda ela - o corpo, o rosto, o cabelo, tudo - mergulhou na água. Por um segundo, houve um silêncio mortal. Por fim, aquelas mãos firmes a ergueram, tirando-a da água. A congregação rompeu em aplausos, recebendo-a de volta ao mundo dos vivos. Assim que se levantou, com água escorrendo por todos os lados, soltou uma risadinha repentina, por entre os lábios fechados. - Vai em paz, disse o pastor, pois Jesus Cristo, o Senhor da tua vida, estará contigo sempre.

18
Ao contrário do que Cris pensara, Tia Marta não teve uma reação forte por causa do pequeno “sermão” que dera na hora do batismo. Ela só foi mencionar o fato na quinta-feira, quando toda a família se reuniu na casa dos pais da jovem para comemorar o Dia de Ação de Graças. Cris e Ted chegaram a Escondido na véspera. E os dois foram ajudar a mãe de Cris a fazer as tradicionais tortas de abóbora. O método de trabalho de cada um dos três era diferente do dos outros. Além do mais, a cozinha era meio pequena. Por causa disso, a confecção das tortas acabou se tornando uma aventura de quatro horas, cercada de muitas risadas. E a certa altura, os dois jovens inventaram uma “guerra” de farinha de trigo. Isso bastou para que a mãe de Cris logo ficasse agitada, querendo dar uma limpeza geral. No dia seguinte, ao final do almoço, quando ela serviu as tortas, os dois jovens começaram a se gabar, em tom brincalhão, de seu trabalho como confeiteiros. Contudo a mãe logo os corrigiu, dizendo que, na verdade, eles haviam exagerado um pouco na hora de colocar os condimentos. Então anunciou que se alguém quisesse uma sobremesa de sabor menos picante, deveria optar pela torta de maçã que ela fizera. - A Cris tem mesmo a mania de exagerar e “condimentar” muito as coisas, interpôs Tia Marta. Ela estivera calada a maior parte do tempo. E quando disse isso, dirigiu-se ao pai de Ted, que se achava sentado ao lado dela. Cris compreendeu que ela se referia à palavra que dera no batistério.

- Então cada um diga o que vai querer, concluiu a mãe de Cris, ignorando o comentário da irmã. Nesse momento, Cris se deu conta de que ela deveria ter feito isso quase que a vida toda. - E você fez a torta de passas com frutas cristalizadas? quis saber o pai de Cris. A jovem sorriu. Todos os anos ele fazia a mesma pergunta. E todos os anos, havia mais de vinte anos, no Dia de Ação de Graças, a mãe preparava pelo menos uma dessas tortas. E toda vez seu pai era o único que comia dela. E mesmo assim ele perguntava. Parecia até que ela poderia esquecer da torta. - Torta de passas? repetiu o pai de Ted. Se tiver, eu também aceito. - Bryan, interpôs o pai de Cris, você gosta dela ainda quente, com sorvete de creme? - E existe outro jeito? indagou Bryan com um sorriso. Cris foi para a cozinha ajudar a mãe a cortar as tortas. Estava sorrindo interiormente ao ver como seu pai combinava com o do Ted no gosto pela torta de passas. Agora ‘tá tudo certo! Não faltava mais nada para o Ted a pedir em casamento. Ele só teria de dar uma escapada até a cozinha, vir por trás dela, abraçá-la e sussurrar ao seu ouvido: “Que tal se a gente passasse o resto da vida fazendo as tortas do Dia de Ação de Graças juntos?” E em sua fantasia, ela se imaginou respondendo com uma frase bem espirituosa do tipo: “Sim, desde que façamos tortas bem condimentadas!” Ou talvez fosse melhor dizer algo bem romântico, como: “Ah, você sabe que sempre vou ser o seu ‘docinho’ preferido!” - Cris! Virou-se e viu que a mãe a fitava com um ar de preocupação. No meio de seu devaneio,

ela ficara imobilizada segurando a faca no ar, ainda na primeira torta. - Ah, eu... e... estava pensando em quantos pedaços vamos cortar. - Quantos quiser. Tem muita torta. Quer colocar estes dois pedaços de torta de passas no microondas pra mim? - Claro, mãe, replicou ela, voltando-se para a mãe e sentindo o rosto avermelhar-se. Quando será que vou superar essa idiotice de ficar vermelha? Quando eu tinha quinze anos, ou mesmo dezoito, ainda era compreensível. Mas agora já estou com vinte anos. Sou uma mulher prestes a assumir um compromisso com um rapaz e ainda estou ficando com o rosto queimando, como se fosse uma garotinha! Cris se pôs a pensar se o Ted também tinha esses problemas de envergonhar-se de certas situações. Talvez fosse por isso que ainda não a tivesse pedido em casamento. Após a sobremesa, o Tio Bob pediu que todos fossem para a sala, a fim de bater uma foto do grupo todo. Sua câmara fotográfica era provida de um disparador automático, e poderia colocá-la sobre uma cadeira. Seus pais e mais a Tia Marta e o pai de Ted se sentaram no sofá, meio apertados. O David se acomodou no chão, à frente do sofá, bem no centro. Então sobrou espaço de cada lado dele. Cris se posicionou à direita do irmão, à frente de sua mãe. O Ted se sentou à esquerda, à frente do pai dele. Para surpresa de Cris, David, que não era de fazer demonstrações afetivas, passou um braço em volta do pescoço da irmã e o outro no do Ted. Suas mãos pendiam dos lados, sobre o peito dos dois, como os tentáculos de um polvo. O Tio Bob veio se sentar no braço do sofá, inclinando-se um pouco para o lado da esposa. - Todo mundo diz “Ei!”, falou ele. - Eu pensei que a gente tinha de falar era “giz”, comentou David. E foi então que Cris observou que a voz dele estava mudando. Aliás, estava com um som muito engraçado, principalmente porque ele se achava muito perto dela.

- Mas, desta vez, vamos falar “ei”; insistiu Tio Bob. Fica um sorriso mais natural do que com “giz”, que é mais rígido. - Giz rígido! repetiu David, caindo na risada. Ted e Cris se entreolharam, presos como estavam nos tentáculos daquele “polvo” brincalhão. A expressão do olhar de ambos dizia: “Ah, não! Será que eu era assim quando tinha a idade dele?” Nesse instante, a câmera funcionou e o flash brilhou. - Bate outra, gritou Tia Marta, imediatamente. Eu fechei os olhos. Cris e Ted se viraram de frente para a máquina fotográfica. - Vou contar até três, avisou Tio Bob. Um, dois, três! Nesse instante, ouviu um grito geral: - Ei! E a câmera clicou. - Agora quero um do Bryan e Ted sozinhos, disse Tio Bob, assumindo o papel de fotógrafo oficial da família. - Vocês dois podiam se sentar aqui nesta poltrona, orientou ele. Vamos ficar mais perto da janela, para ter uma iluminação melhor. O Bryan pode se sentar e o Ted ficar atrás. Todos os outros se puseram a olhar o pai e o filho que ocuparam as posições que ele designara. Cris observou o quanto os dois se pareciam. E aqui ela sentiu uma emoção calorosa a envolvê-la. Puxa, Ted, se daqui a vinte e cinco anos você tiver essa aparência que seu pai tem agora, posso me considerar uma mulher feliz. Ei! Mas o que estou dizendo? Com você, daqui a vinte e cinco anos, serei feliz de qualquer maneira. Bom, mas se você ficar parecido com seu pai... Em seguida, deu uma olhada rápida para sua mãe. Ela era mais baixa do que a filha pelo

menos uns dez a doze centímetros. Estava bem gordinha. Tinha o rosto bastante arredondado e o corpo bem “cheinho”. Seu cabelo estava quase todo branco, e ela não o tingia e tampouco mudara o corte curto que adotara havia vários anos. Além disso, não usava nem um pingo de maquiagem. Enfim, era uma mulher simples, honesta, reservada e nada sofisticada. E Cris sempre admirara essas qualidades dela. Mas espero que, daqui a alguns anos, eu me pareça mais com a Tia Marta. É claro que não vou querer os alongamentos do cabelo e nada disso. Quero apenas continuar sendo atraente para o Ted. Bom, pelo menos, “puxei” meu pai na altura. Mas espero manter o peso e não engordar muito. Cris teve a impressão de que o processo de acompanhar o Ted nos próximos vinte e cinco anos seria um esforço e tanto. - Assim ‘tá bom, disse Tio Bob, ajustando a câmera. Ted, coloca a mão no ombro do seu pai. Isso, assim! Cris notou que o rapaz ainda parecia meio constrangido pela aparência de suas mãos, desde que os médicos haviam tirado os pontos. As duas tinham muitas cicatrizes claras, nos lugares onde ele havia se cortado no vidro. Ele pôs a mão no ombro do pai, mas virou-a um pouco, para que a palma, e não o dorso, estivesse de frente para a máquina, e as marcas não aparecessem. Foi então que Cris se lembrou de como ele fora feliz de os vidros não terem atingido nem seu rosto, nem o pescoço. Alguns anos antes, o Tio Bob sofrera um acidente e tivera queimaduras no pescoço e na orelha esquerda. Contudo Cris já se acostumara com as cicatrizes dele e nem as notava mais. Nesse momento, pensou se a Tia Marta, que sempre busca a perfeição em tudo, havia tido dificuldade para aceitá-las. Ted, pra mim, suas cicatrizes são lindas. São uma prova de que você poderia ter morrido, mas não morreu. Deus o conservou com vida por alguma razão. Por minha causa.

Não, por nossa causa. Por aquilo que vamos realizar para o avanço do reino dele aqui na Terra. - Excelente! exclamou Tio Bob depois de bater a terceira foto de Ted e o pai. Em seguida, tirou várias fotos da família de Cris e depois mais cinco da jovem ao lado de Ted. - Ei! disse Cris, obedecendo ao comando dele para sair com um sorriso bem natural. - Ei você também, boca cheirando a torta! interpôs Ted, na brincadeira. - Ih, você ‘tá dizendo que a torta ficou muito condimentada? indagou ela. - Acho que, no ano que vem, podemos colocar de novo a canela em dobro, mas tirar o cravo. - “Como quiseres!” sussurrou ela. O Tio Bob tirou o último retrato e a câmera automaticamente começou a rebobinar. - Acabou o filme, anunciou ele. Cris deu uma espiada a sua volta e reparou que todo mundo ainda estava de olho nos dois, que continuavam naquele diálogo rápido. Tia Marta aproximou-se deles com um sorriso significativo. - Essas fotos vão ser ótimas para o anúncio do jornal, comentou. - Que anúncio do jornal? quis saber Ted. Tia Marta ergueu ligeiramente uma das sobrancelhas, fitando Cris. A jovem não precisou ouvir mais nada. Compreendeu perfeitamente o que sua tia estava querendo dizei. Sabia que, na página social do jornal local, eles publicavam notícias sobre casais que haviam ficado noivos, com a fotografia dos dois e tudo o mais. No entanto não explicou isso para o namorado. E o Ted, por sua vez, também não fez o esperado pedido de casamento naquele final de semana. Cris acabou se conformando com o fato. Tudo bem. Seus sonhos não estavam

desfeitos, simplesmente haviam sido adiados. E isso não a incomodou muito inicialmente. Na verdade, ela só começou a se sentir um pouco transtornada quando voltou para a faculdade. É que Selena foi conversar com ela na livraria. A amiga estava toda empolgada, contando acerca do casamento da Tânia, sua irmã. Ela e Jeremy haviam se casado na igreja de Paul, em San Diego, cujo pastor era o pai dos dois rapazes. Selena fez uma careta horrível ao descrever as roupas das damas, uma das quais era ela. Era um vestido verde hortelã, cheio de babados. As duas combinaram de se encontrar na “Selva” naquela noite, após a aula de Cris, para que Selena contasse tudo, com todos os detalhes. Depois que a colega foi embora, Cris se pôs a fazer alguns cálculos. Douglas e Trícia estavam casados havia um ano e meio. Tânia e Jeremy tinham se conhecido na época em que Douglas e Trícia tinham ficado noivos. Na noite anterior, Katie lhe contara que uma colega delas do dormitório tinha conhecido um rapaz na primeira semana de aula. Esses dois tinham se casado também agora, no feriado de Ação de Graças. Por que será que todo mundo ‘tá se casando, mas eu e o Ted não estamos nem noivos ainda? Quanto será que ele ainda vai demorar? Ele não deve estar esperando que eu diga alguma coisa. Ou ‘tá? Não. Ele é do tipo que quer ele mesmo tomar a iniciativa do pedido. Então ele ‘tá esperando o quê? Entretanto não foi difícil arranjar várias explicações lógicas. As primeiras da lista eram o dinheiro e os estudos. Então resolveu tirar tudo isso do pensamento e se concentrar somente nos trabalhos que estava fazendo. Tinha de terminar vários deles para entregar antes do recesso do Natal. O único momento que tinha para estudar era o intervalo entre as aulas e o trabalho. Havia muito tempo já, descobrira que não era de estudar até mais tarde como a Katie. Então, à noite, preferia sair para fazer caminhadas pelo campus na companhia do Ted ou para ir à “Selva” rir e conversar com os amigos.

Nos finais de semana, sempre ficava ocupada com as atividades relacionadas com o grupo de jovens da igreja, das quais, aliás, ela estava começando a gostar muito. A cada domingo, o número de participantes aumentava mais. No domingo seguinte ao Dia de Ação de Graças, mais de vinte deles haviam comparecido à reunião da manhã, e dezesseis tinham vindo ao culto da noite. Duas garotas disseram que, após terem assistido ao batismo de Cris, elas também haviam decidido se batizar. Como o plano de viajarem na semana do feriado de Ação de Graças se frustrara devido ao acidente de Ted, ele estava pensando em organizar uma viagem ao México. Nesse caso, iriam na semana intermediaria entre o Natal e o Ano-Novo. Planejavam visitar um orfanato em Tecate. Pelo visto, o grupo seria de mais ou menos trinta pessoas, entre estudantes da Rancho Corona e jovens da igreja. Quando faltava mais ou menos uns dez dias para o recesso de Natal, Cris se ofereceu para preparar todo o alimento que iriam levar e, inclusive, para fazer as compras. Ela se encontrava na cantina, sentada ao lado de Ted, na mesa que costumavam ocupar. Foi então que disse para ele que iria cuidar dessa parte do passeio. - Então vou ajudá-la, disse o rapaz. - Ah, não vai, não, retrucou Cris, abanando a cabeça. Ted reagiu dando-lhe um ruidoso beijo no rosto, na frente de todo mundo. - Eu te amo! falou ele. Ele nunca dera demonstrações afetuosas assim em público antes. Aí Cris teve certeza de que, se algum dos amigos tinha alguma dúvida de que os dois estavam namorando, agora não teria mais. Na verdade, nenhum deles questionou nada. Todos pareciam bem à vontade na companhia dos dois, apesar de o casal estar nessa nova fase do namoro em que se mostravam mais apaixonados. Até o Mark se mostrava tranquilo e bem natural. Naquela noite, ao jantar, Mark comunicou à turma que decidira convidar uma colega da

sua turma de Geologia para sair com ele na sexta-feira anterior ao recesso de Natal. E foi pedir conselhos a Cris e Katie. - Bom, ainda faltam dez dias, principiou Katie. Mas você deve conversar com ela pelo menos nesta sexta, pois, num primeiro encontro assim, é bom ter uma semana de antecedência. Depois, murmurou consigo mesma: - Se bem que não tenho muita experiência nessas questões. Cris deu-lhe um cutucão com o cotovelo, e Katie devolveu-o na mesma hora. - É; só estou dizendo que é muito bom saber com uma semana de antecedência, comentou Katie em tom defensivo. É só isso. - E aonde vai levá-la pra jantar? indagou Selena. - Estou pensando nessa cafeteria nova que abriram em Murrieta, replicou o rapaz. Chama-se “Ninho da Pomba”. Fica ao lado de uma livraria que se chama “A Arca”. Nos finais de semana lá, eles têm música ao vivo. - Ah, por que não me disseram isso antes? perguntou Ronny. Minha banda ‘tá procurando mais oportunidades de se apresentar. - É, eu já ouvi falar desse lugar, interpôs Cris. A Donna, minha chefe, disse que o gerente da lanchonete, Katie, talvez queira comprar o seu chá, o “Verão Indiano”. - Ah, por que não me disse isso antes? indagou a jovem, imitando o Ronny. - Ah, porque não sabia se primeiro você precisaria tirar uma licença ou algo parecido no departamento de remédios e alimentos, explicou Cris. - Então leve um pouco do seu chá para o México, sugeriu Ted. O pessoal do orfanato vai gostar demais. E lá você não precisa de nenhuma licença do governo. A moça fitou-o com uma expressão de dúvida. - É... disse, e eu vou levar um carrinho com uma daquelas “sombrinhas” próprias e

distribuir copinhos descartáveis de chá para todo mundo do povoado... - Cris, interpôs Mark, tentando voltar ao assunto inicial, você acha que será legal se eu convidar a Jenna para ir ao “Ninho da Pomba”? Será que não é um lugar pouco sofisticado para um primeiro encontro? - Não, replicou a jovem. Acho que é perfeito. - Você se importa se eu for também? perguntou Ronny, voltando-se para o Mark. Este fitou-o com um olhar estranho. - Quero dizer, eu posso convidar uma menina pra ir comigo, se for o caso. Só quero conhecer essa cafeteria. - Ah, que negócio é esse de convidar uma menina pra ir com você se for o caso? interveio Selena, dando um leve murro no braço do seu colega. O rapaz dirigiu-lhe um sorriso com a boca meio torta, que era sua marca registrada. - ‘Tá querendo dizer que você vai comigo? indagou ele para a colega. - Não, seu “panaca”, que não entende as coisas. Convide a Vicki! Cris sabia que Vicki, a colega de quarto da Selena, sempre queria receber atenção dos rapazes do campus. - Mas será que ela ainda conversa comigo? perguntou Ronny. - Só tem um jeito de ficarmos sabendo, explicou a colega. É se você a convidar pra sair. Ronny inclinou a cabeça de lado e fitou a amiga com uma expressão meio tímida. - Você pode convidá-la pra mim? pediu. - Oh, seu medroso! exclamou Selena. - O que e que há com vocês, rapazes? interveio Katie. Parece que têm medo de nós, as garotas! - Eu não tenho, disse Ted. - Ah, você não conta, replicou Katie, dirigindo-lhe um olhar significativo.

Num gesto brincalhão, Ted abraçou o próprio peito, como se as palavras dela fossem flechas que o atingiram em cheio. - Estou falando sério, gente, insistiu Katie. Por que não há homens nesta escola... Não; vou mudar. Por que não há homens no mundo que saibam iniciar um relacionamento com uma mulher? - De que é que ela ‘tá falando? indagou Selena, olhando para Cris. - Pois vou lhe dizer do que estou falando, replicou Katie. Estou falando de namoro sério, de correr riscos, de homens que não têm medo de ser homens. Estou falando de homens que não têm medo de se aproximar ousadamente de uma moça e lhe dizer: “Os teus cabelos são como o rebanho de cabras. Quer sair comigo hoje?” Cris soltou uma risada e os outros riram também. Ela não sabia se todos eles entendiam que sua colega estava fazendo referência a um texto de Cântico dos Cânticos. - E pode mandar flores também, mas isso é opcional, continuou Katie em meio ao rumor dos risos que já iam diminuindo. - Sabe o que mais? interpôs Mark. Você tem razão. Von procurar a Jenna agora mesmo e convidá-la pra sair comigo. - Não vai querer que todos nós vamos juntos? perguntou Selena em tom de brincadeira. Os olhos do rapaz brilharam e ele se virou para a colega. - Excelente idéia! exclamou. Assim, em vez de só eu e o Ronny arranjarmos esse encontro de duplas, que ia ser meio estranho, todos vocês poderiam ir também. Aí eu digo pra Jenna que é a turma toda que vai lá. Desse modo, nem vai ficar parecendo que estamos tendo um encontro. -Ah, você não tem jeito! disse Katie. Aqui estou eu, tentando lhe dar um conselho sábio e você vira e chama todo mundo pra servir de “isca” pra moça, e seu encontro fica mais ou menos “disfarçado”.

- Você não é “isca” não, Katie, replicou Mark, olhando com uma expressão de admiração. E aqui ele se debruçou ligeiramente sobre a mesa e, embora todos estivessem ouvindo suas palavras, ele se dirigiu unicamente a ela. - Você, continuou ele, é uma jovem muito especial e tenho certeza de que, algum dia, vai aparecer um homem que tem um encanto e um jeito espirituoso igual ao seu. Contudo acho que você já pensou nisso, esse cara não pode ser um rapaz do interior, como eu. - Ah, bobagem! replicou ela. Eu achava que só um rapaz do interior ia saber dizer essa frase sobre o rebanho de cabras. - Este rapaz do interior aqui não sabe. - Não, retorquiu a moça, você não. Katie disse isso com tanta ternura que Cris logo compreendeu que Mark e sua amiga tinham uma amizade muito profunda. Naquela noite, quando as duas estavam de volta ao quarto, Cris resolveu sondar a colega. - Que conversa foi aquela sua com o Mark sobre o “rapaz do interior”? Katie estava digitando em seu laptop um trabalho de três páginas que deveria ter entregado nesse dia, mas do qual havia se esquecido. Parecia que ela sempre entregava seus trabalhos com um dia de atraso. Entretanto, por algum motivo, sempre conseguia “dobrar” os professores, de modo que eles não lhe tiravam pontos por causa disso. - Ontem nós conversamos... não, foi anteontem, principiou Katie, entre uma teclada e outra. Foi na segunda-feira. Na segunda-feira, nós conversamos sobre você e o Ted. - Você não me contou isso. - Ué, nessas últimas duas noites, sempre que chego aqui, você já ‘tá dormindo... - Que foi que falaram sobre mim?

Katie virou-se na mesa ligeiramente e olhou para a amiga que já estava acomodada entre as cobertas. - Vai querer mesmo saber? - Quero, sim! - Ah, não foi nada importante. Só que você e o Ted estão muito felizes e muito apaixonados, e que é isso o que todos nós queremos ter algum dia. - Ahhhhh, fez Cris. Que lindo! - É, lindo mesmo! Aí eu e o Mark entendemos que, como há muita probabilidade de nós dois participarmos do seu casamento, é melhor a gente ficar mais ou menos atento nisso. Vamos ter de ajudar um ao outro quando chegar a hora de passar aqueles trotes no Ted, aqueles que as pessoas fazem antes do casamento. - Antes do casamento? disse Cris. Ainda vão ter de esperar muito. Acho que vocês ainda não precisam pensar nem nos trotes de antes do noivado. - É, mas é apenas uma questão de tempo, replicou Katie. Você sabe disso e eu também sei. Todos nós sabemos. Você vai ver. O Ted é um cara muito criativo. O pedido de casamento vai ser um momento memorável. Cris se encolheu mais debaixo das cobertas e ficou a escutar o ruidozinho leve das teclas do computador. Seu coração estava tranquilo. Fosse qual fosse o momento em que o Ted a pedisse em casamento, ela estaria com a resposta preparada. Katie continuou digitando, mas indagou: - Você e o Ted também vão ao “Ninho da Pomba” com a turma? - Acho que sim. Você vai? - Não, creio que não. - Por quê? - Ah, Cris, vamos lá! Faça as contas. Você e Ted, Mark e Jenna, Ronny e Vicki e a

Selena vai chamar o Paul. Obviamente, vou ser a número 9. Vou ficar sobrando. - Mas somos todos amigos, Katie, insistiu Cris. Eu quero que você vá. Ninguém vai deixar que tenha a sensação de que ‘tá sobrando. Você pode levar um pouco do seu chá, como a Donna sugeriu. Vai ser legal demais. Vamos, sim! Vou ligar para o Douglas e a Trícia. Faz um bom tempo que você não os vê! - Ah, é! Douglas e Trícia! Aí vou ser a número 11. Cris, seja qual for o jeito que você pensar, eu vou sempre estar sobrando. Prefiro não ir. - Não... prefere não! disse Cris. Você vai ficar aqui sozinha, muito triste, sabendo que todos nós estamos lá nos divertindo. - Sabe o que mais? interpôs Katie, caminhando para a porta. Nós havíamos combinado que não iríamos “cantar essa música” nunca mais. Essa musiquinha sobre a coitada da Katie. Vou abrir a porta e essa velha música vai sair daqui agora. Certo? E assim dizendo, abriu a porta. Em seguida, fez uma série de gestos com a mão, como quem está “expulsando” algo porta afora e depois fechou-a ruidosamente. - Assunto encerrado, disse. Agora, se você não se importa, tenho de terminar de digitar meu trabalho.

19
E Cris não voltou a conversar com a amiga sobre ela ir ao “Ninho da Pomba”. Depois de pensar um pouco sobre a reação dela, resolveu deixar o assunto morrer. Na sexta-feira à tarde, Mark deu uma passada na livraria para lhe contar que a Jenna havia aceitado seu convite. Então eles iriam na caminhonete dele, a não ser que Ted e Cris ainda tivessem um lugar para os dois no seu carro. - Acho que o Ted chamou a Selena pra ir conosco, se o Paul não vier, replicou ela. - E a Katie? indagou o rapaz. - Ela não vai, explicou a jovem, procurando dar à voz um tom bem natural. - Ué, por que não? - Ah, isso você terá de perguntar a ela, disse Cris. A jovem não sabia se tal resposta já era uma explicação ou se o rapaz iria compreender e desistir do assunto. Felizmente, nesse momento, chegou um freguês e ela teve de interromper a conversa. - ‘Tá, concluiu Mark. Então depois a gente se vê. Cris fez um aceno de cabeça e abanou a mão para ele. Assim que saiu do trabalho, foi ao seu quarto para pegar um agasalho. O “Ninho da Pomba” ficava a apenas quinze quilômetros da universidade. Contudo aquele passeio em grupo acabara se tornando um evento importante para todos. Cris chegou a pensar na hipótese de deixar um bilhete para Katie. Iria sugerir-lhe que convidasse algumas das meninas do dormitório para irem com ela no Buguinho. Contudo não

o fez. Quando desceu, viu que o Ted já a esperava no saguão. Para sua surpresa, ele lhe entregou um cravo branco. - Sem motivo, disse ele. Cris ficou emocionada, mas também bastante curiosa. Onde teria ele comprado a flor? Sabia que no campus não havia floricultura. - Você foi à cidade hoje à tarde? indagou. - Fui à igreja e fiquei algum tempo lá. Foram descendo o morro com as janelas abertas e o sistema de aquecimento do carro ligado. Já faziam isso habitualmente, pois gostavam da sensação do ar fresco batendo no rosto. Contudo, agora que o inverno chegara, mesmo ali no deserto, estava fazendo bastante frio. Durante o dia, ainda fazia um pouco de calor, quando o Sol não estava encoberto. Entretanto, assim que ele se punha, a temperatura baixava bastante. - Havia muitos vendedores de flor na rua, como no Dia de Ação de Graças? perguntou ela, girando o cravo entre os dedos e aspirando o perfume acre da flor. - Não, replicou Ted, fitando-a e sorrindo. Você ‘tá doida pra saber como foi que arranjei esse cravo, né? Cris disfarçou um sorriso. - Só estou curiosa, explicou ela. Ela calculou que ele dera uma passada numa floricultura e pedira um único cravo. A questão era que ele não lhe dera a flor envolta num embrulho típico dessas lojas. - Eu o peguei na igreja. Estava jogado no lixo, disse o rapaz. - Ah! exclamou Cris, largando a flor no colo. Agora ela já não lhe parecia tão maravilhosa e romântica. - Eles tinham tido lá um almoço de confraternização ou algo assim. E depois jogaram as

flores fora, claro. Então vi esse cravo e me lembrei de você. Aí Cris compreendeu que o que importava mesmo era o fato de ter pensado nela. Para Ted, o mais importante era pensar nela, e não onde ele pegara o cravo. Provavelmente, ele sempre seria assim. - Obrigada, disse ela por fim. Amei! Em seguida, inclinando-se para ele, deu-lhe um beijo no rosto. - E te amo também, completou. - Eu te amo mais, falou ele, brincando. - Não, eu te amo mais, insistiu ela. - Mas eu te amei primeiro, retorquiu o rapaz. Cris riu. - ‘Tá bom. Você venceu. Você me amou primeiro, mas eu te amo mais. - Não acho, disse ele, virando-se ligeiramente para ela. Acho que é impossível você me amar de forma mais completa e profunda do que eu a amo. Acho que ninguém neste mundo pode amar alguém tanto quanto eu te amo. Cris compreendeu que não poderia ganhar dele nisso. Nem queria. - Conversei com seu tio hoje, disse Ted. Você falou com ele nestes últimos dias? - Não. A última vez foi no Dia de Ação de Graças. - Ele disse que os retratos ficaram ótimos e que vai mandá-los pra nós. Disse também que ontem à noite a Marta lhe falou que não vai mais embora de casa. - É mesmo? E o que mais ele contou? - Parece que ela parou com as aulas de cerâmica e disse ao marido que já que ele ‘tá se esforçando pra melhorar o casamento deles, ela vai fazer o mesmo. - Será que ela vai passar a ir à igreja com ele? - Não sei, respondeu Ted.

- Você acha que eles vão procurar um conselheiro matrimonial? - Ah, sei lá. - Que bom que você me contou tudo isso. É um alívio pra mim. E que bom que ela resolveu se esforçar pra salvar o casamento. Será que o fato de você ter passado aqueles dias lá pode ter contribuído pra eles ficarem mais unidos? É que tendo de cuidar de você, os dois tinham um objetivo em comum que os uniu. - Pode ser, replicou Ted. - Pois eu acho que isso contribuiu, sim, e muito. - Isso significa que você acha que eles devem ter um filho? Cris ficou espantada com a idéia levantada pelo namorado. - Ah, eles já estão muito velhos pra isso, não estão? - E eu sei lá! replicou Ted, dando de ombros. Aqui houve um momento de silêncio entre os dois, e depois o Ted indagou: - Quantos filhos você quer ter? Cris pensou uns instantes. - Não sei. Às vezes acho que foi bom sermos só nos dois na minha casa, eu e o David, apesar de não sermos assim muito amigos. Quando eu era mais nova, queria ter tido muitos irmãos, uns seis ou oito. Mas, depois que trabalhei naquele orfanato, acho que dois é bom. Talvez quatro. Gosto de números pares. Ted deu um sorriso amplo. O Sol estava se pondo e sua luz, entrando pela janela do lado do motorista, iluminava o perfil dele. - Eu quero quatro, disse com voz forte, dois meninos e duas meninas. Mas aceito o que Deus mandar. E se tiverem boa saúde, melhor ainda. Cris ficou admirada ao se dar conta de como estavam conversando sobre filhos, sobre o futuro deles, com a maior naturalidade. Na verdade, ela não deveria se admirar com isso.

Ultimamente, os dois vinham tendo esse tipo de conversa com certa frequência. Ambos falavam do assunto livremente e com muita franqueza, embora nenhum deles houvesse usado expressões como “nossos filhos”, ou “o que Deus nos der”. Contudo, por trás de tudo, havia o senso de que estavam falando de uma vida juntos. Ted esticou o braço e pegou a mão dela. Fitou-a com um sorriso de plena felicidade, depois voltou a se fixar na estrada. Cris passou os dedos de leve sobre a mão dele, acompanhando as marcas das cicatrizes. - Elas ainda doem? perguntou. - Não muito. Algumas ainda estão um pouco doloridas. - Amo suas mãos! disse. Ela pegou a mão dele, levou-a aos lábios, beijou-a e em seguida apertou-a de leve contra o próprio rosto. - Ama? indagou ele. - Sim. Os dois se entreolharam de um jeito meio acanhado e sorriram. Quando Cris dissera “Sim”, lembrara-se de que, um dia, os dois iriam dizer essa mesma palavra, no altar, um para o outro. Ao que parecia, Ted também pensara nisso. Vamos lá, Ted, diga: “Quer casar comigo?” Você sabe que vou responder que sim. Contudo o rapaz não disse nada. Nesse momento, estavam entrando no estacionamento do “Ninho da Pomba”. Cris sentiu um misto de alegria e impaciência. Se fosse um pouco mais corajosa, iria fazer-lhe alguma pergunta, colocando no meio palavra “casar”. Assim o Ted certamente iria ser forçado a dizer o que ela tanto queria. Entretanto, bem no fundo do coração, Cris sentia-se tranquila. Os dois já haviam chegado até ali. Achavam-se bem ligados um ao outro. Tudo estava perfeito. Então dava para esperar o pedido que ela já previa que ele iria fazer. E esperaria, quer ele o fizesse dentro de

três minutos ou de três dias ou de três anos. Quando caminhavam de mãos dadas em direção à entrada,Ted disse: - Olhe ali! Não é o Buguinho? - Oh, a Katie veio! - Ótimo! exclamou o rapaz. Eu estava com esperança de que ela viesse. - Você conversou com ela sobre isso hoje? - Não. Cris se sentiu muito satisfeita com sua amiga. Calculou que ela deve ter pensado melhor e concluído que ficaria mais feliz passando aquelas horas na companhia dos amigos. Seria melhor do que continuar aborrecida pelo fato de não ir lá com um rapaz. Assim que os dois entraram, Cris logo sentiu vontade de se aproximar da lareira. As chamas douradas pareciam acenar para lá e chamá-la para junto delas. - Ted, tem uma lareira aqui! exclamou. Avistou Selena, Paul, Ronny e Vicki sentados perto do fogo. Eles haviam ajuntado duas mesas pequenas e colocado ali as quatro cadeiras. - Cris! gritou Selena, acenando para ela. Paul estava sentado ao lado de Selena. O rapaz usava um típico gorro escocês de tweed. Cris o vira algumas vezes, mas não se lembrava de que ele usava uns óculos redondos, apoiados sobre o nariz reto. - Vocês viram a Katie? indagou Cris, depois de cumprimentar o grupo. - Ela ‘tá lá na livraria com o Mark e a Jenna. - Ela veio com alguém? - Acho que não. - Vocês vão pedir algo pra comer? quis saber o Ted. - Já pedimos, informou Selena.

Nesse momento, Cris escutou uma voz grave atrás dela. - Vocês falaram em comer? Todos se viraram e avistaram Douglas e Trícia. Cris deu uma risada, e eles começaram a se abraçar uns aos outros. - Eu devia saber que assim que, alguém falasse em comer, você apareceria, comentou ela. - Você já pensou no que vai pedir? indagou Ted a ela. Se já resolveu, vou fazer o pedido. Como ela ainda não vira o menu, não sabia o que escolher. Como iria resolver? - Ah, pede um sanduíche qualquer, falou. Pode ser de rosbife, se tiverem aí. Se não tiverem, qualquer um serve. Ted e Douglas se entreolharam, como se estivessem fazendo um comentário silencioso sobre a maneira como Cris geralmente fazia pedido num restaurante. - Puxa! exclamou Douglas. Essa foi a decisão mais rápida que já vi você tomar. E aqui ele deu um leve murro no braço de Ted. - Você deve estar exercendo uma boa influência sobre ela, e ela sobre você, amigo. - É, confirmou o Ted, ela até me convence a pôr gasolina no carro antes de o ponteiro chegar na reserva. - Exatamente o que eu disse, continuou Douglas. Que boa dupla vocês dois estão formando! Trícia dirigiu um olhar significativo para Cris, que entendeu que sua amiga casada estava lhe perguntando: “Ele já a pediu em casamento?” Cris fechou os olhos e abanou a cabeça lentamente e bem de leve. - Então vamos fazer nosso pedido, disse Douglas para Trícia. Oh, gente, vamos puxar mais uma mesa e algumas cadeiras, se estas aqui já estiverem ocupadas. Cris e Trícia logo se puseram a contar para ver quantas pessoas havia no grupo deles.

Em seguida, arranjaram as cadeiras para todos. Cris se sentou na que estava mais perto da lareira e ficou sentindo o calor do fogo passar através da calça jeans que usava. Estava amando o ambiente da lanchonete. No contorno da lareira, havia um “cordão” de pinheirinho bem cheiroso, enfeitado com ornamentos típicos de Natal e pequeninas sementes vermelhas. As janelas também estavam circundadas por luzinhas bem brilhantes, e sobre a porta de entrada, via-se uma imensa grinalda com motivos natalinos. Aquele lugar lhe lembrava uma cafeteria a que ela e as amigas costumavam ir quando estava em Basiléia. As lâmpadas eram cor de âmbar; as mesas, cadeiras e outras peças, de uma madeira escura. Tudo isso dava ao ambiente a sensação aconchegante de um lar. Cris estava gostando muito das janelas bem amplas e daquele profundo aroma de café no ar. Entretanto o de que ela mais gostava era o fato de estar com os amigos. A certa altura, avistou uma placa de bronze ao lado da lareira, onde se achavam gravadas as palavras: Será que existe na Terra um prazer maior do que o de se estar num círculo de amigos crentes, perto de uma lareira? C. Si Lewis. Cris pensou que, quando ela tivesse a casa dos seus sonhos, onde moraria junto com o Ted, iria mandar fazer uma placa com esses dizeres e a colocaria perto da lareira. Instantes depois, Katie, Mark e Jenna chegaram e se juntaram ao grupo. Cris sentiu que agora o círculo estava completo. E o fato de a cafeteria estar toda decorada com enfeites de Natal tornava a ocasião ainda mais festiva. - Fiquei muito alegre de você ter vindo! disse baixinho para Katie. A amiga se sentou numa cadeira ao lado de Cris. - Que foi que você disse? indagou. - Fiquei muito alegre de você ter vindo, repetiu. - Eu também. Você tinha razão. Isso aqui é o meu lugar. Cris sorriu.

- Já são sete horas? indagou Ronny, levantando-se. - São 7:05h, respondeu Trícia. - Ah, então vou lá ver se o gerente já chegou. Disseram que ele chegava às 7:00h. Quando o rapaz se afastava, Trícia perguntou: - Por que ele quer ir lá saber do gerente. Ele o conhece? - Não, explicou Selena. O Ronny tem uma banda e eles querem tocar aqui. Ted chegou à mesa trazendo guardanapos e talheres, que entregou a Cris. Em seguida, sentou-se numa cadeira que se achava diretamente em frente a da namorada. - Você quer se sentar perto da Cris? indagou Katie - Não, replicou o rapaz. Aqui ‘tá bom, pois posso fitar seus “olhos de matar”. Fazia tempo que Cris não ouvia essa expressão. A última vez fora quando ainda estava cursando o ensino médio. E não fora seu namorado que a dissera. Nesse momento, o Ted se inclinou para o Mark, que se achava sentado à sua esquerda, e cochichou algo para ele. - Ei, não é justo vocês ficarem com segredinhos aí! protestou Katie. - Não é segredinho, não, respondeu Ted. O Mark não disse nada. Levantou-se e saiu. Cris não entendeu o que estava acontecendo. Contudo, apesar de o outro ter saído, também não quis descobrir o que fora que seu namorado lhe dissera, e que, segundo ele, não era segredo. Cris se achava de frente para a porta de entrada e de costas para o balcão onde se faziam os pedidos. Observou que havia muita gente chegando ao “Ninho”. Ficou satisfeita de seu grupo já ter pegado aqueles lugares perto da lareira. - Pedi sopa pra você, informou Ted. De cevada com carne. - Ah, não tem sanduíche, não? indagou Cris. - Só de presunto e de peito de peru. Achei que a sopa seria melhor porque vem com

carne. Ela é acompanhada de um pãozinho. - ‘Tá bom, replicou. Ela devia ter se lembrado de como Ted agia com certa lógica todas as vezes que tinha de comprar algo. E no fim, a sopa seria melhor do que o sanduíche, pois iria ajudá-la a se aquecer. O Ted compreendera isso. Estendeu a perna debaixo da mesa e deu uma pisada de leve no pé dele. - Ei Katie, disse o rapaz, você ‘tá querendo machucar meu pé? indagou ele, brincando. - E pra que eu iria querer fazer isso? perguntou a jovem. Cris fitou o namorado com um fingido ar de raiva e deu-lhe um chutezinho na perna. Ele dirigiu-lhe uma rápida piscadela. Ou será que estava piscando para alguém que se achava atrás dela? Então elas ouviram uma voz forte atrás de Katie: - Ei, moça, os teus cabelos são como o rebanho... As duas se viraram ao mesmo tempo e soltaram uma exclamação de espanto. - Rick! disse Katie, a primeira a recuperar a fala. - Katie! A voz dele falhou por um momento, mas em seguida concluiu a frase, como se alguém lhe tivesse pagado para dizer isso à jovem. Então, dando um sorriso amplo, ele repetiu bem alto: - Os teus cabelos são como o rebanho de cabras. Quer sair comigo? Todo mundo caiu na risada, menos Cris e Katie. Fora isso que esta expressara, aliás com as mesmas palavras. Ela dissera que queria que algum rapaz, um desconhecido, a convidasse para sair, dirigindo-lhe esse estranho elogio. Só que aquele homem alto, de ombros largos, cabelos e olhos castanhos, que fitava o rosto dela, examinando cada detalhe dele, não era propriamente um desconhecido para nenhuma das duas.

Katie se levantou bem devagar, e ele se aproximou e abraçou-a. - O.k., disse ela em tom expansivo, vou sair com você, já que pediu de uma forma tão legal. Rick sorriu. - Olhe só! disse ele, afastando-se um pouco e olhando-a mais atentamente. Puxa, quando foi que você cresceu? - Ah, é por causa do meu cabelo. Eu o cortei. - Um cara chamado Mark me disse pra vir aqui e lhe dizer que seu cabelo é como o rebanho de cabras, mas eu não sabia que era você. E não é, né? Quero dizer, é você, sim, mas seu cabelo não tem nenhuma semelhança com cabras. Cris nunca vira um cara como Rick Doyle ficar confuso ao falar. Nesse momento, ele parecia mais um adolescente do que um astro do futebol - aliás, muito convencido - como era quando estavam na escola. O rapaz virou-se para olhar as outras pessoas que estavam por ali. - Oi, Rick! disse Cris, calorosamente. - Oh, Cris! exclamou o rapaz, abaixando-se para abraçá-la. Que bom ver todos vocês aqui. Quase não acreditei quando vi o Ted e o Douglas chegando lá no balcão. E o Ted me disse que vocês dois estão... e aqui ele fez uma pausa e olhou para o Ted. Cris também fitou o namorado. Este permaneceu com a mesma expressão facial. - Ele me contou que vocês dois estão cada vez mais unidos, concluiu o recém-chegado. Isso é maravilhoso! Estou muito feliz pelos dois. Estou mesmo! - Também acho maravilhoso, concordou ela. Cris estava muito alegre de perceber que conseguia conversar com Rick Doyle com toda tranquilidade. Entre eles não havia nada que pudesse constrangê-la, nenhuma recordação negativa do namoro tumultuado que tinham tido no colégio.

Mark voltou a sentar-se, e Katie se pôs a repreendê-lo por haver convencido o Rick a fazer uma brincadeira com ela, sendo que, na verdade, a brincadeira acabara sendo com ele. - Foi ele que me instigou a fazer isso, defendeu-se Mark, apontando para o Ted. Este, por sua vez, fez uma cara de inocente e se virou para o Douglas, dando a entender que fora ele quem tivera a brilhante idéia. - Não olhe pra mim, disse Douglas. Nesse momento, Cris se deu conta de que todos os rapazes com quem tivera algum relacionamento sério e profundo estavam ali naquela mesa. Obviamente, porém, nenhum deles era mais importante do que o Ted. E a firme devoção que tinha por ele aumentou mais um “grau”. Nenhum daqueles homens se comparava com ele. Depois que Rick foi apresentado aos outros, Katie indagou: - Quer se sentar aqui conosco? - Não, obrigado. Tenho de voltar para o trabalho. Disseram-me que tem um rapaz aqui querendo conversar comigo. Parece que a banda dele quer tocar aqui. - Ah, é o Ronny, interpôs Selena. Ele ‘tá conosco. - Voltar para o trabalho? indagou Katie. - É. Sou o gerente. O Douglas não lhe disse? - Não. Ele não disse nada. Você é o gerente? Rick acenou que sim. - Meu pai comprou esta lanchonete e me pôs pra trabalhar aqui. Quer dar uma volta por aí comigo? Vou lhe mostrar tudo. Ficou claro que ele estava convidando apenas a Katie. A jovem se levantou e foi seguindo-o. Assim que eles saíram, Cris ouviu-a dizer: - Você já pensou em servir aqui chás de ervas especiais? Cris virou-se para Ted, com os olhos arregalados.

- Puxa! exclamou. Estou pasmada! - Não se espante, replicou o rapaz simplesmente. Isso é coisa de Deus. - Com uma pequena ajuda dos filhos dele, comentou Trícia. - É, concordou Ted, com uma pequena ajuda dos filhos dele. A garçonete trouxe as bandejas com os pedidos, e todo o grupo deu as mãos para orar. Douglas fez uma oração em voz alta. Quando ele a encerrou, Ted e Cris disseram em uníssono: - Como quiseres, Senhor! Os dois ergueram a cabeça e se entreolharam. Cris teve a sensação de que estava fitando uma lagoazinha de águas claras, que refletiam sua imagem. Seu “coração” estava fitando-a também e sorrindo. Todos se puseram a comer, mas o prato de Katie, junto à cadeira vazia, ficou intocado. Ronny voltou e anunciou que sua banda iria tocar no “Ninho da Pomba” em fevereiro. Cris achou a sopa deliciosa e o calor da lareira já a aquecera da cabeça aos pés. Estava muito feliz. Dois rapazes que se achavam junto à janela, montando um equipamento de som, começaram a tocar algo. Com isso, Cris teve dificuldade para conversar com Selena que estava do outro lado da mesa. Contudo contentou-se em falar com Douglas, Trícia e Ted que se encontravam mais próximos. Estavam comentando sobre a viagem que fariam ao México, onde visitariam um orfanato. Nesse instante, Katie retornou à mesa. Seus olhos verdes brilhavam como lâmpadas natalinas. - Gente, estou simplesmente estonteada! exclamou ela. Vocês já tiveram a chance de conversar com esse cara? Ele só fala assim: “O Senhor fez isso! Deus cuidou daquilo”. Como é bom estar na companhia dele! - É tremendo! disse Douglas.

- É, concordou Katie. É tremendo! E vocês também são tremendos. Ele me contou que continuaram mantendo contato com ele estes anos todos, que lhe escreveram incentivando-o a entregar a vida pra Deus. E sabe o que mais? Ele atendeu. Estou... bom... estou estonteada, maravilhada e... - E um pouco fascinada também? disse Cris, sondando-a. - É, um pouco talvez. O grupo ficou em silêncio, esperando que Katie explicasse melhor. - Bem, gente, o cara disse que meu cabelo era como um rebanho de cabras, não disse? Quero dizer, como é que uma garota não vai ficar fascinada com uma declaração tão poética? Todos caíram na risada juntamente com a jovem. - E olhem só o que encontrei no depósito! disse Katie, colocando sobre a mesa um pacote de balas em formato de coração. Sobremesa! concluiu cla. - Ah, mas essas balas são muito velhas! comentou Trícia. Quero dizer, esta lanchonete é nova, né? Mas não estão vendendo mais docinhos do Dia dos Namorados*. Agora, em todo lugar, só tem balas com motivos natalinos. Não quero nem saber de onde elas são. ___________________
*O “Dia dos Namorados” nos Estados Unidos é comemorado em fevereiro. É por isso que “Trícia” disse que as balas eram velhas. (N. da T.)

- Do Galpão da Economia, replicou logo o Ted, abrindo o pacote e derramando na mesa os corações. Estive lá hoje e tinha uma caixa cheia dessas balas logo na entrada. Agora é a melhor época de comprá-las. - Comprar, tudo bem, insistiu Trícia, mas chupar? Acho que não. E assim dizendo, ela pegou uma das balas e leu uma mensagem gravada nela. - “Passe-me um fax”, leu. Passe-me um fax? Desde quando começaram a escrever isso

nessas balas? Sempre achei que eles punham frases como: ‘Ama-me”, “Seja fiel”, etc. Em seguida, ela pegou outra balinha e leu: - “Beije-me!” - Beijo, sim! disse Douglas, que, em seguida, puxou a esposa para si e plantou-lhe um sonoro beijo nos lábios. Trícia deu uma risadinha infantil. Até parecia que era a primeira vez que ganhava um beijo. Cris sorriu ao ver os dois amigos tão apaixonados um pelo outro. Antes de casar, o Douglas nunca havia beijado ninguém. Por isso, no dia do casamento, quando ele beijou a noiva no altar, a igreja toda rompeu em palmas. Foi a maior “explosão” de aplausos que Cris já vira num casamento. - Olhem este aqui, interpôs Katie. “Chama-me pelo alto-falante”. Todos os presentes começaram a ler as mensagens de sua bala. Douglas pegou uma que dizia: “Mande-me um e-mail”. - Esta aqui deve ser do pacote interativo, comentou. Ted pegou um coraçãozinho e colocou-o diante dos olhos de Cris, como que querendo provar o que Douglas acabara de dizer. Na bala estava escrito: “Casa comigo.” A jovem leu e em seguida ergueu os olhos para Trícia. - Puxa, disse, não dá pra acreditar nas frases que eles escrevem hoje em dia. Estou com você, Trícia. Antigamente eles punham: “Seja doce comigo”, e coisas assim. - Olhem só, falou Katie, lendo: “Doces lábios”. - Quero essa aí, disse Trícia. - O que você ‘tá fazendo? indagou Katie. ‘Tá formando uma sentença de balas? - Claro. Tente fazer uma. - Aqui pra você, Trícia, disse Cris. Achei outra “Chama-me pelo alto-falante”. Ted colocou outra balinha à frente de Cris. Nela estava gravado:

“Casa comigo.” - Acho que já temos uma dessas, disse a jovem, afastando-a para um lado e procurando uma que tivesse algo que ninguém havia lido ainda. Ted também se pôs a procurar. Por fim, ele pegou uma bala, levantou-se e foi para o outro lado da mesa, ficando junto de Cris. Em seguida, colocou a terceira balinha perto das outras duas que já havia dado para ela, formando uma fileira de três. - Pronto. Depois que se diz algo três vezes, aquilo fica valendo. Pra sempre. Cris ficou paralisada. Só conseguia ver as três balas enfileiradas diante de seus olhos. E em todas elas estava escrito: “Casa comigo. Casa comigo. Casa comigo.” Virou-se para o namorado que nesse momento se abaixou, apoiando um dos joelhos no chão e pegando as mãos dela nas suas. Fitou-a diretamente nos olhos e disse: - Kilikina, minha Kilikina, quer casar comigo? A voz dele era como uma cachoeira que caía sobre Cris. - Sim! replicou ela sem um minuto de hesitação. Sim, repetiu um pouco mais alto. Em seguida, falou uma terceira vez, com toda firmeza e em meio a uma cascata de lágrimas: - Sim, meu Ted, eu me caso com você! Durante alguns segundos, foi como se o mundo todo tivesse parado, e os dois ficaram imóveis. Não respiravam, nem piscavam, nem se mexiam. Estavam imersos um na alma do outro. O único som que Cris escutava era de um coração batendo. Contudo não sabia ao certo se era o seu ou o do Ted. Os dois pareciam bater em uníssono. - Que é que você ‘tá fazendo aí, Ted? indagou Katie. Deixou uma bala cair aí no chão? Ainda tem muitas aqui. O rapaz não se mexeu. Cris sorriu.

Ninguém sabe de nada. O Ted acaba de me pedir em casamento, mas ninguém sabe disso ainda. É um segredo só nosso. Katie deu uma espiada para a fileira de balas que estava perto de sua amiga e soltou um grito como somente Katie era capaz de soltar. Aí o segredo de Cris e Ted foi descoberto. Todos os presentes pararam de conversar e até de comer. Os dois cantores que tocavam violão também interromperam a música. - Finalmente! exclamou Katie em voz bem alta. E assim dizendo, ela se pôs de pé e gritou: - Ei, pessoal! Preciso fazer uma comunicação a todos! Minha melhor amiga aqui foi pedida em casamento! Imediatamente todos cercaram Cris e Ted, abraçando-os e dando-lhes os parabéns. E Katie indagou à amiga: - O que você respondeu? - Eu disse “Sim”! replicou a jovem num tom firme. - Ela respondeu que “Sim”, falou Katie, pondo-se a bater palmas. E todos que estavam na lanchonete também começaram a aplaudir. Mark passou os braços em volta de Cris e lhe deu um abraço tipo “amigo de infância”. - Sua avó vai gostar muito dele, disse o rapaz. E eu não vou mais dizer “Você não me pega!”, pois ‘tá claro que o Ted é o homem de sua vida. - E é mesmo, concordou Cris, sorrindo e depois dando uma risadinha. Trícia estava chorando, e Selena, também. Quando está última abraçou Cris, comentou: - Puxa, no casamento da minha irmã eu quase não chorei, mas aqui... O que há de diferente com você e o Ted? Rick aproximou-se e também dirigiu um sorriso afetuoso para Cris. Inclinou-se para a jovem e lhe deu um beijo no rosto.

- Você esperou um herói e o conquistou, disse o rapaz, falando-lhe ao ouvido. Parabéns, “olhos de matar”! - Obrigada, Rick! Cris virou-se para o namorado. Ele estava recebendo os cumprimentos com um amplo sorriso nos lábios. Ele parece um garotinho de cinco anos para quem fizeram uma festa surpresa, com a presença de uma porção de amigos. Enquanto ela ainda pensava isso, um garçom se aproximou trazendo um bolo redondo, no qual havia uma velinha acesa. - Com os cumprimentos do Sr. Doyle, explicou o rapaz. - Faça um pedido! disse Katie. Faça um pedido! - Já fiz, replicou Ted, passando os braços em torno de Cris. E ela aceitou. - Ah, que lindo! suspirou Trícia. Oh, Ted, não sabia que você era tão romântico! - Você ainda não viu nada, replicou o rapaz. Levou a mão ao queixo de Cris e, com um leve toque, ergueu a cabeça dela. E em seguida, beijou-a como nunca a beijara antes. Quando se afastaram um do outro, Cris viu, com o canto dos olhos, que a velinha ainda estava acesa. Ele não tinha mais nada a pedir. Tampouco tinha fôlego para soprar a vela. - E a vela, gente? indagou Katie. E a vela? Cris fitou Ted bem nos olhos. O rapaz a estava olhando “daquele jeito”. Seus olhos azulacinzentados pareciam ainda mais luminosos, com um brilho diferente. - Deixe acesa, murmurou ele, segurando o rosto dela suavemente. Deixe acesa pelo resto da vida. Cris deu um beijo na palma da mão do namorado, aquela mão forte que agora tinha uma cicatriz. E com voz bem baixa, que só Deus e o Ted poderiam ouvir, disse:

- Como quiseres!

Fim

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful