Introdução

A Síndrome de Down é um acidente genético que ocorre aproximadamente a cada 1 ou 2 nascimentos em 1000. (KIRK & GALLAGER, 1996, P.130). É considerada a mais comum das anomalias genéticas. Também conhecida por trissomia do cromossomo 21, pois durante o processo da meiose ocorre um erro na distribuição cromossômica, ou seja, uma das células novas recebe um cromossomo 21 a mais. A Síndrome de Down foi identificada pelo cientista Francês Jerome Lejeune, que lhe deu o nome de Síndrome de Down em homenagem ao Dr. Down, que foi o primeiro a descrever sobre o que na época, 1866, foi chamada de doença. Indivíduos com Síndrome de Down enfrentam uma serie de dificuldades, tais como, atraso no desenvolvimento mental (de leve a moderado) e motor, crescimento físico lento e prejuízos severo no funcionamento perceptivo motor, porem SHERRIL (1986) afirma que esses indivíduos são cooperativos, alegres, educados, gostam de rotina, resistem a mudança e apresentam certos momentos de teimosia. Acredita-se que esta possa ser uma deficiência do Sistema Nervoso Central, devendo ser tratada e não punida. Um dos problemas congênitos que mais prejudica o desenvolvimento psicomotor, da criança com Down é a hipotonia generalizada, caracterizada pela flacidez muscular e ligamentar, tornando assim mais difícil para esses indivíduos a pratica de alguma atividade física. Apesar disso nos dias atuais, mesmo com todas as dificuldades, é mais visível a preocupação dos pais com seus filhos com Síndrome de Down, em relação a uma vida mais ativa na sociedade. Há um incentivo maior nas praticas escolares e atividades físicas, como também a inclusão de seus filhos em escolas regulares onde há maior consciência das necessidades individuais de cada criança, permitindo maior flexibilidade do seu currículo e avaliação da diversidade, além de preparar o jovem para

Para ZUCHETTO (1999) é importante trabalhar o objetivo orgânico. brincar e para o trabalho em sociedade (BUCKLEY. a resistência cardiovascular. arrastar. . há necessidade ainda de um trabalho específico para o equilíbrio. existe a tendência em se considerar o estudo do desenvolvimento motor como sendo apenas o estudo da criança.formando as bases para um desenvolvimento harmônico. como nas crianças normais também deve ser com crianças com SD. da saúde e na prevenção de doenças. (JUNIOR. que conseqüentemente causa o fortalecimento das articulações. basicamente pela aquisição. A atividade física para o individuo com SD deve ser adequada as suas características e principalmente as suas necessidades. estabilização e diversificação das habilidades básicas. 2007). pelo fato das mudanças mais acentuadas ocorrerem nos primeiros anos de vida. diminuindo o risco de infecções respiratórias e a hipotonia.. Na verdade. GORLA. rolar. TONELLO. pois a criança com SD necessita desenvolver a força muscular. andar e correr. A criança com Síndrome de Down vai controlar a cabeça. quando ela começa a andar. modificar o curso do desenvolvimento do individuo. sentar. o desenvolvimento motor é um processo contínuo e demorado e. engatinhar. A seqüência de desenvolvimento da criança com Síndrome de Down geralmente é bastante semelhante à de crianças sem a síndrome e as etapas e os grandes marcos são atingidos. exceto se houver algum comprometimento além da síndrome. embora em um ritmo mais lento. CALEGARI. onde será possível devido à grande plasticidade neuronal nos primeiros três anos de vida. Segundo (Tani et al. A atividade física é de suma importância para a manutenção da qualidade de vida. 1998).1988). O ideal é que haja uma estimulação precoce. Assim diminuir a hipotonia generalizada nas crianças com SD. BIRD. a postura e a coordenação de movimentos.viver.

enfatizar aspectos como coordenação de movimentos. deve-se.A criança deve ter acesso às práticas esportivas. portanto. ritmo. orientação espacial. sensibilidade. Com base nesses dados o objetivo do estudo será analisar o desenvolvimento motor de crianças com Síndrome de Down de 6 a 12 anos de idade de escolas especiais e regulares. hábitos posturais e exercícios . estruturação do esquema corporal. iniciando-se no esporte através da exploração e manuseio dos materiais e participando depois de jogos em grupo com orientação adequada. respiratórios.