You are on page 1of 25

Emilio Gennari

Dicas para uma análise de conjuntura

Ao reproduzir... cite a fonte.

2

Índice:

Introdução 1. Fatos e Acontecimentos 2. Atores 3. Cenários 4. Correlação de Forças 5. Como organizar a leitura de um jornal 6. O que é um corte conjuntural 7. A sociedade não é uma nau sem rumo 8. Tendências, Acidentes, Manifestações Subordinadas 9. Principais erros de uma análise de conjuntura 22 04

03

07 10 12 14 16 18 21

10. A Revolução Inglesa: um bom exercício de análise de conjuntura

24

Introdução.

3
Quando abrimos um jornal ou ouvimos um noticiário, temos a impressão de que o mundo é uma verdadeira bagunça. Os acontecimentos parecem não estar relacionados entre eles e o seu caminhar aparenta ser tão incerto quando o navegar de uma nau sem rumo. À primeira vista, a realidade pode ser comparada com um grande quebra-cabeça cujas peças amontoadas diante de nós vão compor uma figura que não conhecemos, que muda com o passar do tempo e que, exatamente por isso, torna mais difícil o nosso trabalho de separar e classificar as peças para poder começar a montá-las. Às vezes, as dificuldades desta tarefa nos fazem experimentar um sentimento de resignação e de impotência diante do quotidiano a ponto de acharmos sem sentido o esforço de conhecer e desvendar a trama das relações sociais. Estamos tão conformados com tudo o que passa debaixo dos nossos olhos que acabamos alimentando a crença de que, um dia, o mesmo acaso que dá vida aos acontecimentos pode realizar também aqueles velhos sonhos que a dura realidade vem se encarregando de destruir. As nossas atitudes mudam quando as injustiças nos deixam indignados, quando o peso da dominação faz crescer em nós o desejo de construir um mundo sem explorados e sem exploradores e no qual haja um lugar para todas as pessoas, sem preconceitos e sem discriminação. Para dar os passos que começam a transformar o desejo em realidade, sentimos a necessidade de entender o que está acontecendo na vida de todos os dias. Só uma análise profunda desse quotidiano vai nos ajudar a avaliar cuidadosamente os erros e os acertos das nossas ações, a ter uma idéia do desenrolar dos acontecimentos e a levar as pessoas a perceberem que a história não é obra do acaso, e sim o resultado de ações que respondem a interesses bem precisos. Neste sentido, a análise de conjuntura é apenas um dos instrumentos com os quais podemos ajudar os trabalhadores e as trabalhadoras da nossa sociedade a deixarem de ser expectadores que, do alto da arquibancada da vida, dançam ao som de músicas cujos ritmos e letras não escolheram, para serem atores que, com a sua classe, constroem uma nova ordem social. Eu sei que não é fácil analisar e montar as peças que compõem o quebra-cabeça, mas este é o tipo do trabalho do qual não dá pra fugir. Por isso, o jeito é se armar de paciência, ficar de olhos bem abertos, identificar cada uma dessas peças e aprender a usar as ferramentas que nos ajudam a encaixá-las. Por isso, vire logo a página que as dicas já vão começar.

1. Fatos e Acontecimentos.
Para analisar o momento em que estamos vivendo, a nossa conjuntura, o primeiro passo é coletarmos as notícias que aparecem nos jornais, no rádio, na televisão e nos demais meios de

4
comunicação. Imagine agora que cada notícia é uma peça do quebra-cabeça e está diante de você à espera da sua análise. Como já disse na página anterior, você e eu não sabemos qual será a figura que vamos conseguir montar, mas a impressão que temos ao mexer com as peças é que há notícias que mais atrapalham do que ajudam ou que não acrescentam nada ao nosso esforço de entendermos a conjuntura. Por isso, o primeiro passo é o de limpar a área, ou seja, de separar os fatos dos acontecimentos. Ainda que na linguagem do dia-a-dia as duas palavras sejam usadas com o mesmo significado, vamos chamar de acontecimentos aquelas cenas da novela da vida que têm um sentido especial para um grande número de pessoas ou, até mesmo, para o país, e de fatos as que são importantes apenas para um grupo restrito. Vou dar alguns exemplos: uma relação amorosa fora do casamento é um fato, mas quando o envolvido é o Presidente da República, sem dúvida, passa a ser um acontecimento. Diariamente, são realizadas centenas de cirurgias que procuram corrigir problemas nas articulações das pernas, e isso não passa de um fato corriqueiro. Agora, se o joelho a ser operado é de um famoso jogador de futebol, já assume o status de acontecimento. A morte de um ente querido é um acontecimento para a família, mas, provavelmente, deixará a cidade e o país na mais completa indiferença. Porém, quando se trata da morte de uma pessoa ilustre, será um acontecimento. Realizada esta primeira distinção e descartados os fatos, devemos classificar os acontecimentos de acordo com a sua importância para o momento que o país está vivendo. É bom não se deixar enganar pelo tamanho das manchetes, pois elas têm a tarefa de levar o leitor a comprar o jornal, mas nem sempre o seu tamanho é proporcional ao peso que elas têm no presente e no futuro do país. Às vezes, poucas linhas de pé-de-página anunciando a chegada de uma crise econômica num dos países do continente estão bem mais carregadas de sentido e de conseqüências para a conjuntura nacional do que a notícia do Oscar de melhor filme que ocupa um lugar de destaque. Apesar de todo jornalista jurar que está a serviço da verdade, devemos sempre lembrar que não existe uma forma neutra de apresentar os acontecimentos. Dois exemplos vão ajudar a refletir sobre isso. Imagine que a praça principal da cidade onde você mora amanheça abarrotada de policiais e que por ela passem três pessoas: uma senhora que está indo trabalhar, um batedor de carteiras e um dirigente sindical que vai liderar uma passeata. Ao contar o que viu, provavelmente, aquela senhora dirá que se sentiu protegida contra a violência que há tempo está tomando conta da cidade e que a praça deveria amanhecer assim todos os dias. Já o batedor de carteiras... bom... não vai deixar de dizer que hoje a maré não está pra peixe e que vai ser melhor ele ir pra outro canto ou tirar um dia de folga. O sindicalista, por sua vez, fará a primeira falação da passeata dizendo que as forças da repressão estão querendo intimidar a manifestação do descontentamento popular. Apesar de todos frisarem que a praça está cheia de policiais, cada relato vai incorporar o sentido que nossas personagens dão ao mesmo acontecimento e que está relacionado com seus interesses específicos. O segundo exemplo é muito familiar em época de eleição, quando discursos aparentemente iguais escondem posturas, entendimentos e encaminhamentos diferenciados em relação ao mesmo problema. Não devem ter sido poucas as vezes nas quais você ouviu um candidato dizer que suas idéias e propostas são boas para a cidade ou para o país. Diante de afirmações como estas, quem analisa a conjuntura deve se colocar sempre algumas perguntas: vão ser boas... para quem? Que setores da sociedade serão realmente beneficiados pelas medidas que serão implementadas? Quem será chamado a pagar a conta?

5
Contrariando as aparências, o candidato em questão não está mentindo, pois alguém realmente sairá ganhando. Acontece que para alcançar este objetivo ele deve conquistar antes o voto popular. Por isso, apesar de todos os discursos sobre a ética na política, não é agora que ele vai reconhecer que está a serviço de algum setor das elites e que a implantação de suas propostas vai exigir medidas que ferem os interesses e as necessidades do povo simples. Passando do exemplo para a realidade, você deve lembrar o que aconteceu no Brasil quando o governo federal decidiu intervir para salvar alguns bancos da falência. Em nome da necessidade de garantir o acesso aos seus depósitos bancários aos pequenos correntistas e poupadores, o governo do presidente Fernando Henrique Cardoso gastou bilhões de Reais para cobrir com o dinheiro público o rombo de instituições financeiras como o Banco Econômico, o Bamerindus e o Banco Nacional entre outros. Na época, nos venderam a idéia de que isso era bom para todos. Na verdade, nossos ministros fizeram com que o Estado pagasse por uma dívida que não havia feito e transferiram para o bolso dos banqueiros um grande volume de recursos públicos que poderiam ser usados para melhorar a educação, a saúde, o transporte e a previdência social. Feitas as contas, em nome do bem-estar da nação, quem saiu ganhando foi o capital privado que acabou comprando a baixo preço bancos cujas finanças estavam totalmente saneadas e que, portanto, eram lucrativos. Ao mesmo tempo em que os capitalistas sorriam felizes por estas novas oportunidades de investimento, o povo amargava uma piora nas condições de atendimento às suas necessidades básicas. O Brasil tinha ficado bem melhor... para os banqueiros. Como nossas fontes de informação, em geral, são os meios de comunicação controlados pelas classes dominantes, faço questão de relembrar a importância de não se deixar envolver pelo sentido que elas dão aos acontecimentos. A aparente neutralidade das reportagens e das críticas que são veiculadas pela mídia não passa de uma forma pela qual determinados setores da elite procuram fazer com que as pessoas interpretem a realidade a partir de seus mesmos valores e critérios de análise. Legitimadas suas posições, o aparente consenso popular será usado para se fortalecer no poder e implementar seus projetos. Daí a importância de fazer com que a análise de conjuntura seja capaz de reconstruir a trama e as causas dos acontecimentos que não aparecem à primeira vista, mas que é necessário resgatar para desmascarar as interpretações dominantes. Para dar conta deste desafio, devemos sempre lembrar que cada acontecimento é o resultado de uma série de causas que foram se desenvolvendo ao longo da história. Ou seja, ele tem um passado que o produziu e o moldou para que ficasse desse jeito. Agora, uma vez feito isso, não podemos esquecer que o que acaba de acontecer se transforma numa das causas que vão dar origem a novos acontecimentos. Ficou difícil? Não se preocupe, já vou explicar com um exemplo. Com certeza, você deve ter ouvido falar das ocupações realizadas pelo Movimento dos Sem Terra em sua luta pela Reforma Agrária. Como parte importante da conjuntura, elas são a resposta de um número considerável de trabalhadores e trabalhadoras diante do processo de constante empobrecimento ao qual foram submetidos ao longo destes anos, ora pelo aumento do desemprego nas grandes cidades, ora pela expulsão do homem do campo através de um violento processo de concentração de terra nas mãos de um punhado de fazendeiros. Neste sentido, os integrantes do MST não são invasores, e sim pessoas que escolheram determinadas formas de luta para reconquistar direitos que um dia foram arrancados de suas mãos por patrões e latifundiários. A ocupação de uma fazenda, portanto, é o resultado da soma desses elementos que foram aparecendo e tecendo relações ao logo do tempo.

6
Cortado o arame farpado da cerca, levantados os barracos de lona preta, organizada a resistência e a vida dos acampados, a própria ocupação da fazenda vai se tornar agora uma das causas que vão dar origem a novos acontecimentos. A depender de sua força, extensão e do apoio popular recebido, ela poderá acelerar o processo de assentamento, levar a uma repressão violenta por parte da polícia ou até mesmo fazer com que os fazendeiros da região aumentem o número de jagunços que obedecem às suas ordens. Como você pode ver, a realidade não pára. Como dizia Gramsci, o presente é, ao mesmo tempo, o túmulo do passado e o berço do futuro, resultado final de uma série de acontecimentos e relações e nova causa do que está por vir. Diante destas considerações, não faz sentido fazer com que a análise de conjuntura se preocupe em dizer se o que aconteceu é bom ou ruim. Seja qual for a peça do quebra-cabeça que está sendo analisada, ela é apenas uma parte necessária do todo. Ou seja, ela nada mais é a não ser a resposta que foi sendo construída por determinados atores sociais cuja história levou a esta forma particular de responder aos seus sofrimentos, anseios e sonhos. Portanto, não é possível ler os acontecimentos a partir do “se isso não tivesse acontecido...” ou do “se tivessem feito isso e aquilo...” o resultado seria bem diferente. O objetivo da análise não é o de chegar a um julgamento moral, e sim de compreender por que as coisas deram no que deram e como elas se relacionaram entre si. Como toda ação que se desenvolve em nossa sociedade, a ocupação da fazenda, da qual falávamos antes, vai resolver algumas questões e abrir outras que alimentarão o movimento da conjuntura. È, por isso, que devemos analisar profundamente este acontecimento apontando os seus elementos, o sentido que ganham, as perspectivas de desenvolvimento e suas possíveis conseqüências. Afinal de contas, o que é bom para a luta dos trabalhadores pode ser ruim para os fazendeiros, ou vir a ganhar apoios tácitos e inesperados de outros setores da sociedade cujos interesses também estão em jogo. É importante sublinhar que, raramente, a realidade nos apresenta uma relação direta e imediata entre o acontecimento e as suas causas. Às vezes, ela é o resultado de um lento processo de amadurecimento de diferentes situações que se avolumam ao longo do tempo e, em seguida, se manifestam em ações cuja qualidade e impacto superam os elementos que as prepararam. Vou usar como exemplo a greve de ocupação da Companhia Siderúrgica Nacional, em Volta Redonda (RJ), ocorrida no segundo semestre de 1988. Ao conversar com os operários alguns dias antes da sua eclosão, dificilmente um observador externo àquele ambiente poderia ter uma noção exata do que estava por ocorrer. De fato, a ocupação da CSN foi o resultado de um intenso trabalho de organização que envolveu milhares de contatos e conversas com os operários e suas famílias, centenas de ações levadas adiante no interior da usina tanto pela diretoria do sindicato dos metalúrgicos, como por grupos de trabalhadores que se reuniam para planejar formas de manifestar seu descontentamento. Sem dúvida, cada um desses instrumentos era qualitativamente inferior à forma de luta que acabou se concretizando. Mas, no diaa-dia do trabalho, todos eles foram transformando a revolta individual na necessidade de dar uma resposta coletiva ao peso da exploração. O que parecia ser um raio num céu azul, na verdade, era o resultado de um longo entrelaçar-se de contatos, experiências, culturas e organizações que levaram anos para desembocar na greve de ocupação. Sem perceber esse contexto, seria impossível entender a importância desta greve e os desdobramentos que ele teve no interior da CSN, na Cidade de Volta Redonda, nas relações dos empresários com o movimento sindical e no resultado das próprias eleições municipais daquele ano.

7
Os acontecimentos só não vão nos surpreender se os nossos olhos forem capazes de ler o movimento da história com seu entrelaçar-se de interesses e contradições. Apesar das aparências, o momento presente não é uma mera repetição do passado e, uma vez superado, nada voltará pura e simplesmente ao que era antes. Todo acontecimento deixa novas pegadas que apontam novas necessidades, novas relações, novos problemas e novos desafios. Novos não por serem melhores do que eram antes, mas tão somente por apresentarem características próprias, diferentes das que se manifestaram em épocas anteriores. O quotidiano não é uma fotografia na qual a expressão das pessoas permanece inalterada apesar do passar do tempo, e sim um filme em constante movimento. Ao apresentar determinados acontecimentos, a fita vai moldando e preparando novas peças do quebra-cabeça que caberá a nós descobrir e encaixar.

2. Atores.
Classificados os acontecimentos, nossas atenções devem ser dirigidas para a análise dos atores. Apesar de não agirem de acordo com um roteiro pré-determinado, vou usar a palavra atores para identificar os indivíduos, os grupos, as categorias, as instituições e as classes sociais que atuam no quotidiano desenrolar da história. A hipótese mais provável é de que as notícias nos trazem a presença de todos eles. Por isso, o nosso esforço não pode se limitar a listá-los, mas terá de definir que atores estão predominando na conjuntura e porque eles ocupam uma posição de destaque. Esta tarefa é essencial para poder delinear melhor o momento presente e seus possíveis desdobramentos. A história mostra que, em geral, as lideranças individuais emergem quando as instituições estão em crise. No final da década de 80, por exemplo, na crise do Congresso Nacional, que se aprofundava em função das denúncias e dos escândalos que iam aparecendo, assistíamos à afirmação de um ator chamado Fernando Collor de Mello. O intenso trabalho da mídia fazia com que suas idéias, seu estilo de vida e o suposto compromisso de ser um verdadeiro caçador de marajás ganhassem apoio popular suficiente para elegê-lo Presidente da República no segundo turno das eleições disputado com Luiz Ignácio Lula da Silva. Collor não era bem o que as elites queriam, mas, na falta de algo melhor e diante da perspectiva ameaçadora de um possível governo de esquerda, foi o quebra-galho que, momentaneamente, parecia garantir a sua reciclagem no poder. Ou seja, na instabilidade gerada pela crise das instituições, caberia ao presidente eleito a árdua tarefa de construir um novo equilíbrio de forças e de fortalecer a confiança popular nos mecanismos e nas regras do sistema. A utilização de expressões aparentemente neutras (modernidade, cidadania, combate à corrupção, levar o Brasil para o 1º mundo, etc.), aliada a apelos populistas que alardeavam aos descamisados e aos pés descalços a possibilidade de um futuro melhor, pretendia mostrar que Collor estava em sintonia com os anseios populares. Na verdade, estas mesmas expressões ajudavam a criar um ambiente de consenso social no qual o povo simples não conseguia distinguir os interesses que estavam sendo defendidos em cada uma das propostas que concretizariam as metas anunciadas. Como todo presidente, Collor não passava de um funcionário chamado a administrar os interesses das classes dominantes e a garantir a consolidação da ordem por elas exigidas. Mas é exatamente aqui que começavam os problemas: sobre suas magras realizações pesavam graves acusações de corrupção que, além de corroer sua base de sustentação, agravavam o

8
descontentamento popular que vinha se avolumando em função do aumento do desemprego e do arrocho salarial. Diante da crescente possibilidade de convulsão social, havia chegado o momento de trocar de funcionário como forma de restabelecer a confiança nas instituições. Na crise do indivíduo, a pronta intervenção do Congresso canalizava a revolta popular para o processo de impeachment. Empossado Itamar Franco, o trabalho institucional garantia um período de estabilidade econômica e política, controlada de perto pelas elites, e renovava as esperanças populares em dias melhores para o futuro. Resumindo, podemos dizer que os indivíduos emergem como atores principais da conjuntura quando as instituições estão em crise, mas seu papel tende a ser de menor importância quando estas recuperam a confiança do povo no sistema. Por sua vez, na crise dos indivíduos que seguravam as rédeas no período anterior, as instituições tendem a assumir o papel que era por eles desempenhado. A intervenção de grupos ou de categorias sinaliza que setores da sociedade estão evidenciando a necessidade de fazer evoluir os acontecimentos em direções opostas, ou apenas complementares, àquelas que são impressas pela ordem vigente. Frente a estas pressões, a análise da realidade deve levar em consideração a extensão do movimento, sua capacidade de envolver outros grupos ou setores da sociedade, até a que ponto ela expressa uma ruptura ou uma correção de rota diante da política econômica conduzida pelas classes dominantes. Dois exemplos vão ajudar a entender quando acabo de afirmar. O primeiro deles tem como base a “Campanha contra a fome e pela cidadania” liderada pelo sociólogo Herbert de Souza (o Betinho) no início da década de 90. Este movimento nasceu entre a classe média e, rapidamente, foi envolvendo meios de comunicação, sindicatos, partidos, igrejas, movimentos populares, empresários, artistas, escolas, etc. A afirmação desta campanha no cenário daquela época não deve ser buscada na novidade do problema, pois a fome e a miséria há séculos estabeleceram suas moradas em nosso país, e sim no agravamento das possibilidades de ocorrência de saques, quebra-quebra e outras formas de revolta popular. De acordo com as afirmações de José Eduardo Andrade Vieira, ex-presidente do Bamerindus, “o Brasil estava deixando de ser um país de pobres para se transformar numa praça de guerra de miseráveis”. Neste contexto, ao incorporar formas de solidariedade que são corriqueiras no quotidiano das grandes cidades, as classes dominantes fortaleciam no senso comum a idéia de que a solução dos problemas sociais, gerados pela exploração capitalista, não estava na necessidade de mudar o sistema, e sim na disponibilidade de cada um doar um pouco do que tinha para o bem de todos. Na verdade, havia chegado a hora das elites perderem, momentaneamente, alguns dos muitos anéis para não correrem o risco de perder os dedos. Neste caso, a intervenção de um grupo ganhava ressonância e apoio oficial por representar um instrumento eficaz na manutenção da ordem e ajudar a superar um grave momento de tensão social. O mesmo não aconteceu, em 1996, com a greve dos petroleiros assumida pela maior parte dos sindicatos da categoria. A paralisação das refinarias era a resposta operária a um acordo trabalhista não cumprido pela Petrobrás e, de quebra, às investidas da política econômica do governo contra as classes trabalhadoras. Ainda que não chegasse a representar o início de uma ruptura em relação à ordem dominante, o movimento dos petroleiros vinha questionar profundamente o ambiente de aparente consenso social em torno das medidas adotadas pelo governo. Para as elites, era fundamental arrancar o mal pela raiz, impedindo que este tipo de ação influenciasse outras categorias. Para alcançar este objetivo, a estratégia era simples: prolongar as negociações com os sindicatos enquanto se criava uma falta artificial de gás de cozinha que, ao

9
atingir as camadas mais pobres da população, alimentaria os atritos no seio das classes trabalhadoras cuja revolta contra os petroleiros poderia até legitimar uma eventual ação repressiva. Ao levar a greve para o isolamento, as elites conseguiam reabsorver o impacto dos protestos desta categoria. Este breve painel ajuda a evidenciar que, ao descrever a intervenção dos grupos ou das categorias, devemos estar atentos às razões que geraram suas manifestações, perceber até a que ponto suas propostas e ações questionam a ordem vigente, levantar as chances de conquistar possíveis aliados, as respostas das elites e as reais possibilidades destas incorporarem a intervenção dos grupos ou de levá-los a uma situação de isolamento. Traçado este quadro, será mais fácil analisar as potencialidades dos acontecimentos gerados pela ação destes atores, pois ele nos permite dizer se representam um processo de luta que tende a se ampliar, um momento isolado da conjuntura ou um simples sinal de alerta que pode ser assimilado pelo sistema. A presença das classes como ator dominante denota o agravamento da situação de tensão e de crise social. À diferença dos saques e dos quebra-quebras que, em geral, são expressões espontâneas de descontentamento cuja contenção não exige mudanças profundas na política e na economia, a intervenção organizada das classes revela uma tática e uma estratégia que apontam para a necessidade de alterações mais consistentes. A história do Brasil já registrou várias ocasiões deste tipo. Entre elas, vou lembrar aqui a onda de greves que varreu o país entre 1978 e 1979. Encurralada pelo evidente fracasso do milagre econômico e pelo ascenso das lutas operárias, a ditadura militar mergulhava numa crise cuja superação exigia mudanças profundas. Preste atenção, quando falo em “mudanças profundas” não significa que o sistema capitalista estava próximo do seu fim e sim que as instituições da época não conseguiam se legitimar perante a população, o que vinha dificultar a manutenção da ordem. Era necessário mudar tudo... para que tudo continuasse do jeito que estava. Parece contraditório, mas não é. As palavras do Coronel Geraldo Cavanhari publicadas na revista “Senhor”, em dezembro de 1987, ajudam a entender a lógica com a qual as elites dirigiram o processo de mudança. Ao falar sobre o último período da ditadura militar, ele diz que “a abertura democrática não foi desencadeada com o propósito de construir a democracia. O processo foi concebido para operar com segurança a institucionalização do autoritarismo, mas de natureza civil. A solução encontrada foi ampliar o espaço de competição pelo poder do Estado, renovando periodicamente a inserção da sociedade civil neste jogo”. Ou seja, a abertura democrática não implicava no início de um processo graças ao qual as pessoas iriam ter espaço para debater e participar diretamente das decisões que constroem o futuro do país, mas seria apenas o momento a partir do qual os cidadãos poderiam eleger os governantes que, usando formas autoritárias, se encarregariam de aprofundar a exploração. A diferença é que, agora, o povo seria livre de escolher os seus algozes. Se você quiser uma prova da veracidade das afirmações do Coronel Cavanhari pense nas perdas salariais que se acumularam do governo Sarney até os nossos dias ou no número de medidas provisórias que foram promulgadas por nossos presidentes. Por falar nelas, os jornais dizem que, durante o mandato de José Sarney, as medidas provisórias foram 147, subiram para 160 nos anos do governo Collor, chegaram a 505 no período em que ele foi substituído por Itamar Franco e alcançaram o patamar de 3.532 nos primeiros cinco anos de Fernando Henrique Cardoso. 1 Somando a estes dados o fato de que o Congresso da União trabalhou muito pouco em termos de discussão do
1

Dados publicados em Adriana Vilella, “Senadores aprovam restrição às MPs”, em Gazeta Mercantil 04/01/99.

10
conteúdo destas medidas, dá pra dizer que a política continuou sendo seqüestrada da vida das pessoas e que ela foi limitada à eleição deste ou daquele candidato. Isso faz com que a tal da democracia se pareça mais com a postura imperial de um Presidente da República ou, no máximo, com um cheque em branco entregue a um grupo que se define como “legítimo representante” da vontade do povo. A leitura destas linhas já deve ter feito você entender que só um estudo atento dos acontecimentos e dos atores neles envolvidos é capaz de fornecer um número maior de elementos que ajudam a delinear os rumos da conjuntura. Por isso, guarde com carinho todas as ferramentas que já foram apresentadas, dê uma boa espreguiçada e se prepare porque vem aí a análise dos...

3. Cenários.
Os acontecimentos do dia-a-dia se desenvolvem em determinados espaços que podem ser considerados como cenários. Estou falando, por exemplo, do Congresso Nacional, das Assembléias Legislativas, das Câmaras de Vereadores, dos gabinetes e dos corredores destas instituições, das ruas, das praças, das avenidas, dos pátios das empresas, dos tribunais e assim por diante. Mais uma vez, a análise não deve limitar-se a dizer em que cenários se desenvolve a conjuntura, mas deve identificar com a maior precisão possível se as ações estão acontecendo prioritariamente em campo aberto, nas instituições ou nos círculos restritos do poder. Um exemplo vai ajudar a entender melhor esta questão. Em geral, quando as manifestações de descontentamento popular tomam conta das ruas, das praças, dos pátios das empresas ou dos prédios públicos, elas tendem a ganhar contornos imprevisíveis. Este fato preocupa as classes dominantes que se vêem obrigadas a responder aos conflitos sociais em campo aberto, onde o menor erro pode ampliar os enfrentamentos e desmascarar atitudes que vinham sendo negadas pelos senhores do poder. Sabendo disso, não deve nos surpreender que a primeira tentativa das elites é justamente a de criar as condições que permitem deslocar o cenário do conflito para ambientes onde vai ser mais fácil controlá-lo: o parlamento, os gabinetes, os bastidores, os tribunais e os demais fóruns de representação que excluem ou, ao menos, inibem a ação direta. Como? Deixa ver se entendi direito. Você está dizendo que esta não é uma exclusividade da elite e que as próprias lutas nos locais de trabalho têm caminhado no sentido de fazer com que a lei transforme em direitos os objetivos dos movimentos reivindicatórios? Será que esta é uma demonstração de que todos os sindicatos estão a serviço da ordem? Quer dizer que uma lei que vem reconhecer as conquistas obtidas, às vezes, em anos de enfrentamento pode ser algo tão ruim assim? Perguntas como estas revelam que ainda está difícil perceber a realidade como um filme em movimento e que, ao vê-la como uma fotografia, enxergamos “o bem” só de um lado e “o mal” de outro. O maior problema desta maneira de interpretar a história é que ela nos impede de perceber o conjunto de contradições que produzem o desenrolar dos acontecimentos e a forma pela qual elas são constantemente atualizadas pelos próprios acontecimentos e pelos atores que agem no dia-a-dia da vida em sociedade. Em outras palavras, não conseguimos perceber que os elementos que, de início, deram origem e alimentaram um determinado momento histórico, proporcionando o seu desenvolvimento, em seguida podem se transformar em obstáculos do mesmo. Sim, eu sei que não é

11
fácil ver as coisas desse jeito, mas vamos voltar à questão que colocávamos algumas linhas atrás para que eu possa explicar isso melhor. A história nos diz que, muitas vezes, a luta para inscrever na lei a redução da jornada de trabalho, ou o reajuste dos salários de acordo com o aumento do custo de vida, deu origem a um processo que congregou pessoas e levou à criação e ao fortalecimento de organizações de base. Em outras palavras, ela foi a bandeira em torno da qual se realizaram greves, passeatas, manifestações e protestos que obrigaram as classes dominantes a reconhecerem direitos até então negados. Repare que nestes casos a força da ação direta exerceu uma pressão tão grande sobre as elites que estas viram no reconhecimento legal de um direito o único caminho possível para fazer refluir os movimentos e para não se desmascararem totalmente perante a população trabalhadora. Mas, como dissemos antes, tudo aquilo que, de início, ajuda... depois pode atrapalhar. De fato, aprovada a norma que reconhece um determinado direito, o tribunal passa a ser o ambiente para o qual as classes dominantes tentam fazer refluir todas as discussões sobre os casos de não cumprimento das normas vigentes. Neste cenário, a revolta e o descontentamento de trabalhadores e trabalhadoras podem ser administrados formalmente sem sobressaltos e sem imprevistos. A lei que, de início, tinha sido um pólo aglutinador para um setor da sociedade, agora se transforma no seu contrário, ou seja, num empecilho que impede o avanço das lutas. Em função disso, não podemos dizer que ela foi boa e agora é má. Ela apenas constituiu um momento necessário de um determinado desenvolvimento histórico que agora deve ser superado. Isso exige, por exemplo, que as lideranças do movimento operário sindical não se submetam aos limites da legislação vigente, mas, ao relacioná-la com os mecanismos de exploração, abram os olhos dos trabalhadores para a necessidade de destruir a dominação cujo peso havia sido momentaneamente aliviado pelo reconhecimento legal de um direito. Não sei se você percebeu, mas o primeiro momento da luta já trazia em si vários elementos complicadores. De fato, o reconhecimento legal de um direito quase sempre acaba fortalecendo nos trabalhadores a idéia de que o horizonte máximo de suas reivindicações pode se limitar a uma negociação mais favorável do salário e dos benefícios e que agora os tribunais, por si só, vão se encarregar de fazer justiça. Por incrível que pareça, a vitória ajuda a consolidar a percepção de que o sistema capitalista, em si, é bom e que o único problema é justamente o de ir ajustando os mecanismos de retribuição do trabalho. Mas, num segundo momento, as novas investidas dos capitalistas se encarregam de recolocar na ordem do dia uma velha questão que deve ser novamente respondida pelas organizações dos trabalhadores: vamos nos limitar a controlar as conseqüências negativas do sistema ou a nossa ação deve destruir as causas que produzem ricos cada vez mais ricos e pobres cada vez mais pobres? Você já deve ter percebido que cada nova ferramenta, acompanhada pelas dicas que possibilitam a sua melhor utilização, nos ajuda a perceber os limites, as possibilidades, os empecilhos e a teia de relações que estão presentes em cada acontecimento, mas que não são visíveis a olho nu. Por isso, para aprimorar a análise dos cenários, é bom não esquecer de fazer também uma avaliação do clima que permeia o ambiente onde se desenvolve o quotidiano da história. Por exemplo, uma passeata que vai ocupando as ruas da cidade num clima tenso, cheio de provocações e pressões por parte das forças policiais, aponta para respostas, projetos e preocupações da elite que se distanciam das atitudes por ela demonstradas durante as manifestações populares pela cassação do expresidente Collor ou até mesmo na campanha das “Diretas Já!”. Naquelas situações, a presença da polícia não tinha um caráter de ameaça, mas somente o de garantir que tudo acontecesse sem

12
sobressaltos. Apesar do povo estar ocupando um cenário aberto e imprevisível, a sua ação respondia à necessidade que as classes dominantes tinham de “legitimar” nas ruas o poder de barganha a ser usado para ampliar suas fatias de poder. Nesse caso, o descontentamento popular fazia com que o povo se tornasse bucha de canhão nas mãos de seus dominadores. Sim, eu sei que esse negócio de uma coisa poder se transformar no seu contrário chega a dar até dor de cabeça e que o fato de cada acontecimento trazer em si os elementos que podem emperrar o seu desenvolvimento posterior pode parecer complicado demais, mas a vida é movimento e deve ser analisada como tal. Não dá pra parar o mundo, mas é imprescindível conhecer o que, como, porque, quando e de que lado o faz girar para poder mudar e reorientar o sentido das coisas. Por isso, não desanime, tome um café que o próximo capítulo promete... mais trabalho para todos nós.

4. Correlação de forças.
Ao agirem no quotidiano da história, os atores vão tecendo determinadas relações. Às vezes, se trata de algo estável, duradouro. Às vezes, isso não passa de uma conveniência que, apesar de aplaudida naquele momento, pode ser rechaçada logo em seguida. Mas há também os casos em que encontramos as forças que agem na sociedade numa situação de co-existência pacífica, de dominação ou até mesmo de subserviência. Conhecer a cada momento a postura e as ações de cada um dos atores perante os demais é algo decisivo para poder desenhar os desdobramentos que os acontecimentos estão preparando. Como já fiz em ocasiões anteriores, vou dar o pontapé inicial com um exemplo. Olhe para uma cadeira que está parada à sua frente e me diga: quantas forças estão agindo sobre elas? Como ninguém está mexendo com ela, a resposta parece lógica: nenhuma. À primeira vista, a ausência de movimento não permite ver que a cadeira está sendo submetida a duas forças opostas: a da gravidade, que a mantém grudada ao solo, e a resistência do piso que a ela se opõe impedindo que a cadeira afunde. O fato de ela estar parada indica que ambas as forças estão numa situação de equilíbrio, e isso dá a falsa impressão de que não há nada agindo sobre a cadeira. Mas o que os nossos olhos não conseguem ver de imediato, é revelado pela análise atenta do que está por trás desta ausência de movimento. Feitas as devidas proporções, podemos dizer que na nossa sociedade acontece algo parecido quando temos a impressão de que a conjuntura está parada e que, de conseqüência, os atores estão deixando de agir. Na realidade, não é assim. Para ver isso mais de perto, observe agora uma fábrica num dia normal de trabalho. Tudo está funcionando de acordo com as regras: o patrão manda, os operários obedecem, a chefia cumpre com o seu papel de controlar a execução do serviço e assim por diante. À primeira vista, ninguém pode dizer que neste ambiente estão agindo duas forças com interesses opostos: o capital e o trabalho. Como, no momento, ambas estão em equilíbrio, temos a falsa impressão de que a sua união e convivência pacífica no ambiente fabril se deve ao fim da exploração que as tornava antagônicas. Uma análise mais atenta nos ajuda a perceber que a situação de equilíbrio pode ter sido alcançada graças a movimentos que, sem eliminar os fundamentos do sistema, anestesiam os elementos que poderiam detonar o conflito. Estou falando, por exemplo, de uma aliança temporária entre o patrão e os trabalhadores para alcançar uma

13
determinada meta de produção em troca de uma participação nos resultados da empresa. Ou, ainda, de uma total submissão dos operários em função da ameaça de cortes no quadro de funcionários. Este equilíbrio tende a ser mais duradouro quando os trabalhadores estão convencidos de que a aliança com o patrão é o único caminho que pode levá-los a um futuro melhor. Mas ele será mais breve, frágil e facilmente desgastado pelas próprias ações de resistência dos empregados se tiver sido alcançado através da repressão ou da ameaça de demissão. Olhando agora para os acontecimentos da conjuntura, nossos esforços devem ser dirigidos para identificar: 1. As forças que estabeleceram uma aliança temporária ou permanente e as razões desta aliança. 2. As que se mantém em aberta oposição, as formas pelas quais vêm manifestando este antagonismo e as reais possibilidades delas realizarem uma crítica contundente às ações da elite. 3. As forças que estão numa situação de equilíbrio e a forma como este foi alcançado, por aliança ou por total submissão dos opositores. Para cumprir esta tarefa, só temos um caminho: avaliar a cada momento os interesses imediatos e de longo prazo dos atores que agem na conjuntura e a maneira pela qual se materializam nos acontecimentos do dia-a-dia. Só assim, podemos entender, por exemplo, porque os diferentes setores das classes dominantes, volta e meia, brigam entre si no interior de um governo que está sendo dirigido por eles. Ao contrário do que pensamos, a “elite” não é um bloco homogêneo e sim uma composição de forças cujo equilíbrio depende de sua importância e de sua expressão na sociedade, da capacidade de organizar sua base de sustentação e de desarrumar a casa de seus opositores. Nesta disputa, onde está em jogo uma fatia maior de poder e, portanto, de acesso à riqueza nacional, uma “briga” interna pode estar sinalizando que o velho equilíbrio vai passar por um período de transformação ou, mais simplesmente, que aquele determinado grupo está tentando aumentar o seu poder de barganha obrigando outro a concessões que, no momento, não estavam previstas. Outro elemento que não pode passar desapercebido na nossa avaliação da correlação de forças, é dado pelas fontes que sustentam a legitimidade do grupo que se encontra no poder. Entre elas, as principais são: o apoio popular, a maioria dos votos no parlamento e o uso da coerção pela intervenção direta das forças armadas. Cada um destas fontes aponta para uma diferente estratégia de condução da política por parte das elites. Por exemplo, enquanto Fernando Collor de Mello, sem maioria estável no Parlamento, buscava alicerçar os seus desmandos no apoio popular, Fernando Henrique Cardoso optou pelo caminho oposto. Consciente da queda de seu prestígio junto ao povo em função dos efeitos de sua política econômica, das reformas constitucionais e das denúncias de corrupção, suas preocupações se dirigiram no sentido de manter aberto, a qualquer custo, um canal de comunicação e negociação com sua base de sustentação no Congresso Nacional. Desta forma, ele garantia os votos necessários para aprovar os projetos que interessavam a amplos setores da elite sem dar muita bola à queda dos índices de popularidade. Contrariando as aparências, a utilização das polícias ou do exército para ações repressivas não é um sinal de força e sim de fragilidade do bloco no poder. A coerção se torna um meio indispensável para manter a ordem quando as classes dominantes já não conseguem convencer as

14
massas de que o seu projeto de sociedade é o único capaz de realizar seus anseios e atender suas necessidades. Ainda que todo convencimento seja sempre encouraçado por formas abertas ou disfarçadas de coerção, o uso da força para reprimir o descontentamento é o reconhecimento de que os problemas e as contradições sociais amadureceram a tal ponto que os meios “democráticos” já não conseguem alcançar um equilíbrio entre os setores que compõem a sociedade. A mesma democracia que possibilitou um período de exploração e acumulação torna-se agora um empecilho e cede o lugar à ditadura. Nela, o lobo despe da pele do cordeiro e assume sua verdadeira identidade para tentar destruir ou pelo menos, enfraquecer as forças que se opõe à sua dominação. Vejo que você está coçando a cabeça. O que disse? Que vai ser difícil lembrar de todas estas ferramentas e dicas que estão sendo dadas? Não se preocupe. Tente utilizá-las pouco a pouco durante a leitura do jornal ou ao ouvir um noticiário. Eu sei que agora você está se sentindo meio perdido, como se estivesse no seu primeiro dia de trabalho onde tudo parece estranho, complicado e hostil. Assim como hoje você tira de letra aquelas tarefas que pareciam impossíveis, a mesma coisa vai acontecer com o seu esforço de analisar as conjuntura. Estudando e praticando, tudo se torna mais fácil e compreensível. Para agilizar o trabalho de coleta das notícias que aparecem de forma desordenada e dispersa, vai aqui um capítulo inteiro sobre...

5. Como organizar a leitura de um jornal.
Agora que você tem uma noção geral do que precisa ser pesquisado e analisado, vou apresentar algumas dicas que facilitam o trabalho de coleta das informações através dos jornais e dos noticiários. A experiência ensina que, no lugar de recortar e arquivar as matérias, é mais proveitoso que você organize num caderno um resumo dos dados econômicos e dos principais acontecimentos políticos nacionais e internacionais. Ainda que por suas influências e relações não seja possível dividir estes blocos em compartimentos estanques, no campo da economia é bom se preocupar em registrar: • • As linhas mestras da política econômica do governo. O crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do país e a participação de cada atividade econômica na formação desse índice.Os investimentos públicos e privados: quantidades, origens dos capitais e setores em que são investidos. • • A evolução das dívidas interna e externa e, sobretudo, quanto é pago em juros e amortizações. A situação dos principais setores produtivos (indústria, extração mineral, agricultura, pecuária, construção civil, transporte) tanto em termos de produção de bens e de suas potencialidades de desenvolvimento, como perante os desafios da concorrência internacional. • • • As condições em que se encontra o setor de serviços e sua participação na economia. Os recursos naturais que estão sendo explorados e os que ainda não foram aproveitados. A situação da Infra-estrutura: estradas, ferrovias, portos, aeroportos, fontes de energia, sistemas de telecomunicação.O comércio exterior: fluxo de importações e exportações, tipo de produtos, quantidades, países que compram nossas mercadorias e que vendem ao Brasil o resultado de sua produção. • A distribuição da população e os fluxos migratórios.

15
• • • Os níveis de salário, a variação do custo de vida, do emprego e do subemprego. A política fiscal: tipo de impostos, incidência e sua utilização pelo Estado. As classes sociais: sua localização no sistema produtivo, grau de homogeneidade, atuação política, organização em partido, processos que levam à formação de novas classes e grupos sociais (é o caso, por exemplo, dos que foram chamados de “excluídos”). • A história econômica do país ou da região que está sendo analisada. Aparentemente, o levantamento destes dados transforma a conjuntura num emaranhado de movimentos e relações entre mercadorias que parecem ganhar uma vida independente dos seres humanos. Por isso, é sempre bom lembrar que sem a ação dos homens e das mulheres não haveria história. O estudo da estrutura econômica da sociedade ajuda a compreender o ambiente e os limites que condicionam esta ação que é alicerçada em interesses bem definidos. Ou, como diz Marx no Dezoito de Brumaio, “os homens fazem a história, mas não a fazem como querem, sob circunstâncias de sua escolha, mas naquelas com as quais se defrontam e que lhes são transmitidas pelo passado”. Por isso, o nosso esforço não deve deixar escapar os acontecimentos que se desenvolvem no campo da política e da formação de um determinado consenso social em torno dos projetos das classes dominantes. Para dar conta desta tarefa, registre no caderno também os dados sobre: • Os setores sociais que estão direta ou indiretamente representados por ministros, secretários e assessores de governo que controlam o núcleo estratégico da burocracia do Estado no interior da qual se decidem os rumos do país. • • • Os partidos políticos: a composição de sua base parlamentar, os setores sociais que são por eles representados, as alianças e os projetos que estão sendo discutidos e viabilizados. A composição do eleitorado e a tendência de voto. As organizações dos trabalhadores e as da classe dominante: seu desenvolvimento, interesses, projetos políticos, reivindicações, a correlação de forças no interior destas entidades, as relações que elas mantém com suas bases, com seus adversários, com as massas populares e com organismos internacionais do mesmo tipo. • As forças organizadas da sociedade civil: movimentos populares, igrejas, organizações assistenciais e não governamentais. Delas, devemos mapear os objetivos, as estratégias de intervenção, as contradições e o tipo de inserção na realidade local. • • As correntes culturais e suas relações com os interesses das classes dominantes. Os meios de comunicação: seus vínculos com setores econômicos e políticos, o sentido dado aos principais acontecimentos, os valores, as idéias e as formas de comportamento que tentam consolidar no senso comum. • • A propaganda oficial das realizações governamentais. A situação da escola: leis e orientações que regem o ensino, grau de participação popular e efetivas possibilidades de mudanças no ambiente escolar e nas linhas pedagógicas adotadas. Nunca é demais lembrar que a análise de conjuntura não pode limitar-se a resumir e a ordenar aquilo que os atores sociais dizem de si mesmos e de suas ações, mesmo porque um batedor de carteiras nunca diria que se sente seguro numa praça cheia de policiais. Nossos esforços devem relacionar a cada momento as mudanças, os conflitos, os problemas e as contradições que se

16
manifestam na sociedade com as formas pelas quais os atores tomam consciência desses elementos e encaminham a sua solução. Isso vai nos ajudar a perceber até a que ponto as suas respostas se limitam a corrigir sintomas ou se preocupam em ir à raiz dos problemas e a delinear os caminhos pelo quais as elites mantêm a sua dominação e chegam até mesmo a ganhar o apoio das próprias classes trabalhadoras. O fato de conhecer profundamente o “como” e o “porquê” das coisas, vai nos ajudar a preparar as mudanças que se fazem necessárias para colocar o ser humano, e não o lucro, no centro das preocupações da vida em sociedade. Dito isso, seria um erro acreditar que é possível traçar uma análise de conjuntura sem levar em consideração o panorama internacional no qual se insere a realidade do país. Não é uma novidade para ninguém o fato de que o Brasil se encontra numa situação de dependência em relação às políticas econômicas traçadas pelos países do primeiro mundo e sofre as conseqüências de suas decisões. É neste sentido que, além do quadro político e econômico nacional, a nossa coleta de informações deverá incluir: • A situação econômica e os investimentos nas e das grandes potências (Estados Unidos, Alemanha, Japão, China e Rússia) e nos principais países da América Latina (México e Argentina). • • Os dados sobre a produção de mercadorias de grande importância para a economia mundial (petróleo, produtos agrícolas, minérios, etc.). As projeções e as medidas que vêm sendo apresentadas e implantadas por organismos internacionais como o Banco Mundial, o Fundo Monetário Internacional e a Organização Mundial do Comércio. • As lutas e a postura das classes trabalhadoras desses países. Ao levar adiante o trabalho de coleta de dados, não se deixe orientar só pela preocupação de descrever o desenrolar dos acontecimentos, mas procure sempre investigar as relações que não são visíveis à primeira vista, mas que podem ser desvendadas através do resgate da história. Ao questionar a realidade em suas manifestações, várias peças do quebra-cabeça que pareciam inúteis ou redundantes podem começar a fazer sentido e a abrir o acesso a aspectos do quotidiano que, por ficarem ocultos, impediam de relacionar cada parte com o todo e o todo com cada uma de suas partes.

6. O “corte conjuntural”.
Ás vezes o jornal é tão rico de acontecimentos que você pode achar que já tem todos os elementos para entender a realidade e delinear os seus futuros desdobramentos. Ainda que as notícias sejam recheadas de dados que nos levam a dar alguns passos nesta direção, provavelmente, as projeções que elas permitem fazer são bem limitadas, incautas e sofrem da falta daqueles elementos que já vinham marcando presença na história e que é necessário resgatar com o devido cuidado. Em outras palavras, é como se você tentasse avaliar o desempenho de um time de futebol e opinar sobre o possível resultado do jogo somente a partir da imagem congelada de um zagueiro que

17
está passando a bola. Para além da descrição de tudo aquilo que acontece nesta cena, qualquer palpite seria puto chute. Ao analisar a ação do zagueiro, você vai perceber que faltam respostas às perguntas que poderiam orientar as suas previsões: há quanto tempo o jogo começou? Qual é resultado parcial? Qual é a situação dos dois times no campeonato? Qual tem sido o desempenho dos atacantes, da defesa e dos goleiros de ambas as equipes? Estamos no final ou no início do campeonato? Ou seja, para projetar com certa precisão o resultado do jogo, é fundamental que ele seja entendido e estudado dentro de um processo maior que está em movimento e do qual a cena do zagueiro é apenas uma parte que, ao mesmo tempo, é produto deste processo e produtora de elementos que irão atualizá-lo e darão origem a outras jogadas. Voltando para a análise da realidade, podemos dizer que a conjuntura é um momento de um período histórico que vem se desenvolvendo e está alicerçado numa estrutura econômica, política e social que se insere num determinado contexto de relações internacionais. Quanto mais prolongado for o momento conjuntural que está sendo estudado, maiores serão as chances de projetar os acontecimentos que se aproximam. Mas, será que depois de uma semana já vamos ter elementos suficientes para fazer isso? Talvez sim, talvez não. Não existe um corte conjuntural que possa ser considerado padrão, pois as mudanças da conjuntura podem ocorrer em anos, meses, semanas, dias e até mesmo horas. A alteração da política econômica do governo ou a eclosão de um golpe militar, por exemplo, podem alterar o momento presente em tempos e ritmos diferenciados. Enquanto o período histórico pode ser medido em anos ou décadas e o movimento das estruturas se processa em prazos ainda mais amplos, a conjuntura sofre constantemente pequenas e grandes alterações que ora consolidam de uma forma qualitativamente diferente o resultado de longos anos de evolução de determinadas opções no campo da economia, da política, da formação do consenso social, ora projetam desafios que exigem respostas imediatas. Uma dica para começar com o pé direito pode ser esta: depois de analisar os jornais da semana, com base nas suas observações, tente escrever em poucas linhas o possível desfecho dos acontecimentos. Na semana seguinte, você terá duas tarefas. A primeira será ainda a de coletar e estudar os acontecimentos. A segunda, a de avaliar até a que ponto as suas previsões se concretizaram e quais são os elementos da realidade que, por estarem faltando ou não terem sido levados em consideração, ajudaram a produzir os erros que você está constatando. Com base neste trabalho, o fim de semana aguarda uma nova rodada de projeções para o futuro iminente. Além de aprimorar uma disciplina de estudo e a capacidade de observar a realidade, pouco a pouco, todo este esforço vai ajudar a perceber como cada elemento da conjuntura é, ao mesmo tempo, o resultado do desenvolvimento do período histórico e das estruturas e um agente que contribui para atualizar e fazer progredir este ambiente que o produziu. Para explicar isso melhor, vou usar como exemplo o Plano de Obras Públicas, iniciado por Vargas em 1939, que teve entre suas principais realizações a construção da hidroelétrica de Paulo Afonso, da Companhia Siderúrgica Nacional e a criação da Companhia Vale do Rio Doce. Fruto da resposta aos desafios impostos ao Brasil pela crise de 1929, (conhecida como “Crise do café”) o Plano vinha sacramentar uma nova forma de intervenção do Estado na economia ao mesmo tempo em que alterava a estrutura produtiva do país. Além de servir para consolidar a ditadura do Estado Novo de Vargas, a sua progressiva realização oferecia à indústria as condições necessárias para elevar a sua participação na produção

18
da riqueza nacional e fortalecer o poder de seus representantes no interior do grupo dominante. Com sua importância econômica reduzida, os cafeicultores perdiam espaço enquanto a burguesia industrial aumentava o seu peso e a sua influência nas decisões que eram tomadas pelos vários órgãos do Estado. Bom, se é verdade que uma análise completa das causas e dos efeitos gerados pelos acontecimentos só é possível após um certo período de tempo, é também verdade que o esforço de relacionar a conjuntura com o período histórico e o desenvolvimento das estruturas nos ajudará a visualizar os caminhos do futuro e a aprimorar os instrumentos que nos permitem transformá-los. Sabendo disso, vou usar as próximas páginas para esboçar melhor os elementos que põem em movimento a realidade do dia-a-dia.

7. A sociedade não é uma nau sem rumo.
Mesmo que, à primeira vista, os acontecimentos que se desenrolam sob os nossos olhos parecem ser obra do acaso, você já deve ter percebido que as mãos que tecem a trama das relações sociais pertencem a atores que têm uma identidade, um papel e interesses bem definidos. Em outras palavras, para podermos analisar a conjuntura, precisamos sempre levar em consideração os eixos centrais que comandam o funcionamento da nossa sociedade: as contradições do sistema capitalista. Acontecimentos, atores e correlação de forças são, ao mesmo tempo, produto e produtores de uma realidade que, no capitalismo, é orientada pela obtenção e acumulação de lucros nas mãos dos donos dos meios de produção que se apropriam da maior parte da riqueza produzida pelo trabalho coletivo da sociedade. É em torno desta contradição central que, a nível econômico, político e da formação da consciência social, se constroem blocos de interesses. Os que querem que as coisas continuem como estão se unem e desenvolvem determinadas relações com ou contra os que querem mudá-las. O resultado é o desenrolar dos acontecimentos. Para ter uma análise de conjuntura, além de lembrar o rumo que orienta as ações dos grupos no poder, é necessário pesquisar e estudar que outras contradições são produzidas no quotidiano das classes sociais pela acumulação capitalista e como as elites procuram garantir sua máxima expansão e fortalecimento ao mesmo tempo em que coordenam seus interesses com os das classes subalternas. Ficou difícil, não é? Agüenta firme que aí vão dois exemplos para explicar quanto acabo de dizer. Provavelmente, você já ficou revoltado diante da destruição de produtos agrícolas como arroz, feijão, cebola e tomate. Parece impossível que isso possa acontecer justo num país onde morrem cerca de mil crianças por dia pelos efeitos da fome. Diante deste absurdo, uma análise apressada dos acontecimentos se limitaria a responsabilizar a estupidez dos produtores e a má administração do governo que poderia resolver o problema da abundância fazendo com que os famintos se encontrassem com a comida. Se as nossas observações permanecem neste nível superficial, dificilmente poderemos desvendar as relações que se escondem por trás deste acontecimento e, muito menos, vamos conseguir ter uma visão clara das tarefas que se fazem necessárias para corrigir esta contradição tão gritante. Vejamos. Se é verdade que na nossa sociedade tudo é orientado para a obtenção de lucros a serem embolsados por poucos através da produção e venda de mercadorias, é óbvio que cada indivíduo orienta seus investimentos para o setor que oferece uma melhor retribuição para o seu

19
dinheiro. Se a escassez de tomates na safra anterior proporcionou boas margens de lucro aos agricultores, provavelmente, mais gente deve ter resolvido plantar tomates não para atender à necessidade humana de saciar a fome e sim para tentar garantir um bom retorno ao dinheiro investido. A grande quantidade de produto que espera a hora de ser vendido provoca uma queda nos preços do tomate e, com ela, uma redução das taxas de lucro que cada agricultor esperava obter. Se no lugar de destruir o excedente produzido, os agricultores resolvessem distribuí-lo, se criaria uma situação ainda pior do ponto de vista dos ganhos que estão sendo esperados. De fato, até mesmo quem dispõe de dinheiro para comprar tomates acabaria ficando na fila dos que esperam recebê-los de graça. Mas se forem destruídas várias toneladas desta mercadoria, a redução da oferta vai provocar um aumento dos preços e, com ele, das esperanças de obter lucros compensatórios. A contradição básica do sistema (produção coletiva da riqueza, apropriação privada, capitalista, da mesma) acaba de gerar uma série de outras que, de tempos em tempos, voltarão a se apresentar nos demais setores da economia propondo a destruição da abundância em meio a uma situação de grande pobreza. É claro que, em caso de revolta dos famintos, as classes dominantes tentarão conter o seu descontentamento demitindo ministros e secretários, distribuindo cestas básicas, criando frentes de trabalho ou coisas parecidas, pois, é sempre melhor perder alguns anéis do que correr o risco de perder os dedos. Como segundo exemplo, vou usar o da “ideologia do pequeno produtor”. Diante do aumento dos excluídos, que tem suas origens nas contradições do sistema, uma das saídas apontadas pela burguesia vai no sentido de convencer os indivíduos a montarem o seu próprio negócio. O elo de ligação entre os interesses dominantes e os demais setores da população é construído através da idéia de que, no capitalismo, ser empresário não é apenas uma questão de sorte e sim uma realidade que se projeta no horizonte daqueles que “desejam realmente subir na vida pelo próprio esforço”. Ao fortalecer esta visão de mundo entre o povo simples, as elites matam vários coelhos com uma cajadada só. Entre eles, com certeza os quatro que seguem: 1. Criam um ambiente de sonho em nome do qual muita gente vai se dedicar à produção ou à distribuição de mercadorias através de micro e pequenas empresas cuja sobrevivência depende diretamente dos interesses das médias e grandes. Diante da necessidade de garantir preços competitivos para se afirmar no mercado e atender às demandas dos grandes empresários, este exército de novos empreendedores vai usar e abusar do subemprego, das longas jornadas de trabalho, dos baixos salários, do trabalho infantil e de todas aquelas pérolas que são uma afronta a tudo aquilo que poderíamos chamar de uma condição de trabalho digna de qualquer ser humano. 2. Ao comprar das médias e grandes empresas o maquinário necessário para a produção das matérias-primas que serão por elas adquiridas, estes novos candidatos a patrão desembolsam quantias consideráveis em troca de verdadeiras sucatas. Ao mesmo tempo, proporcionam ao grande capital a redução dos gastos na compra dos novos equipamentos que se fariam necessários para diminuir os custos de produção se esta não passasse a ser assumida pelo exército de micro e pequenas empresas que serão suas fornecedoras. 3. Ajudam a manter sob controle o grau de tensão e conflito social na medida em que projetam possibilidades de geração de renda. Apesar de poucos terem sucesso e crescerem de acordo com o esperado, a existência destes felizardos faz com que as elites possam chamar de incompetentes, acomodados e preguiçosos quantos já foram à falência ou permanecem na pobreza.

20
4. Mesmo vendo frustradas suas esperanças de ascensão social, os nossos pequenos empreendedores tendem a não perceber as verdadeiras razões de seu fracasso. Provavelmente, vão manter de pé a ilusão de poder crescer e se tornar patrões sem perceber que, se esta fosse uma possibilidade real para todos, estaria decretada a morte da própria burguesia, cujas chances de sobreviver são diretamente vinculadas à existência de uma massa crescente de pessoas exploradas. Aparentemente, a idéia de cada um montar o seu negócio, parece capaz de resolver as contradições do sistema. Na verdade, ela apenas consegue construir um equilíbrio instável entre os interesses das classes dominantes e a situação em que se encontram os trabalhadores e as trabalhadoras da nossa sociedade. A frustração, a revolta, a precariedade das condições de vida dos excluídos podem criar vários elementos capazes de ameaçar este equilíbrio de forças. Isso vai obrigar as elites a enveredar por outros caminhos que, através do convencimento ou da coerção, procurarão os meios para anestesiar novamente as contradições que ameaçam o sistema. Como você já deve ter percebido, não basta manter os olhos bem abertos. É necessário que eles sejam equipados com uma visão de “raios X“ para penetrar fundo na realidade e desvendar os elementos que a sustentam. Por isso vai aí mais uma dica importante. Se você observar atentamente a maneira pela qual os acontecimentos são apresentados pelos meios de comunicação, vai perceber que, em geral, as elites atribuem o movimento da conjuntura à intervenção de causas externas que, por serem imprevisíveis, fortalecem a idéia de que tudo é obra do acaso. De acordo com esta visão, por exemplo, os saques ocorrem apenas devido à ação de baderneiros e agitadores e não porque existe um caldo de cultura que permite a expressão da revolta coletiva incentivada por quem, por desespero ou consciência, decidiu não passar fome. Ou seja, ao fortalecer a percepção de uma causa externa como sendo a responsável pelo saque, as classes dominantes tentam impedir que sejam percebidas e analisadas as contradições e os problemas que são parte do sistema e sem os quais a ação dos agitadores não produziria efeito algum. Se não houvesse famintos revoltados, o grito de um indivíduo que incentiva a saquear o supermercado receberia uma resposta bem diferente. Provavelmente, as mesmas pessoas que estão fazendo as compras somariam esforços para detê-lo e entregá-lo à polícia. Repare que se as causas externas podem ser aquelas que detonam as mudanças, as contradições internas ao ambiente constituem a base sobre a qual elas irão agir. Vou explicar isso melhor através de um exemplo tirado da vida de todos os dias. Como você sabe, para que o ovo se transforme em pintinho, se faz necessária uma causa externa chamada “galinha chocadeira”. Após vários dias de choco, do nosso ovo nasce um pintinho. Isso é possível porque no interior da casca já existiam os elementos necessários à formação do pintinho. Numa ação maldosa, troque agora um dos ovos de verdade por um daqueles de plástico que se vendem nas lojas. Ele pode ter forma, cor, tamanho e peso de um ovo e pode ser tão bem feito a ponto de enganar a própria galinha. O único problema é que ele não tem em si os ingredientes que podem dar origem a um pintinho e, mesmo após o dobro dos dias de choco, o único resultado é... um calo na bunda da coitada da galinha. Ou seja, se o ovo não traz em si os elementos capazes de dar origem à sua transformação em pintinho, de nada adianta a ação externa da galinha. Com o dia-a-dia da vida em sociedade acontece a mesma coisa. As causas externas só detonam um processo quando os elementos deste já estavam presentes no quotidiano. Por isso, algumas páginas atrás, já constatávamos que os acontecimentos são o resultado da ação de várias

21
causas e, ao se manifestarem, se tornam eles mesmos uma causa que irá produzir novos acontecimentos. Ao lembrar dos objetivos que a sociedade persegue, do conjunto de causas e efeitos que nela se entrelaçam, do tamanho de seus problemas e contradições, a nossa análise de conjuntura deve captar o movimento da realidade no estágio em que ele se encontra. Quanto mais aprimorado for este processo, melhores e mais precisos serão os elementos de reflexão e ação que serão oferecidos aos trabalhadores e às trabalhadoras que se preocupam em entender o mundo para mudá-lo.

8. Tendências, acidentes, manifestações subordinadas.
Se a análise de conjuntura é um instrumento indispensável para que tenhamos melhores condições de intervir na realidade, ela não pode limitar-se a apresentar as mudanças que ocorrem na sociedade, mas deve traçar tendências que permitam definir linhas concretas de ação. Ou seja, uma vez coletados e analisados os dados, somos chamados a responder a uma pergunta incômoda: tudo isso... vai dar no que? Sim, eu sei que ninguém tem bola de cristal para prever o futuro com todos os detalhes do caso, mas aqui se trata de listar possibilidades de desenvolvimento dos próprios acontecimentos que nos permitem ponderar as potencialidades e os limites das ações que empreenderemos. Graças a elas, não só poderemos nos prevenir de situações desgastantes, como saberemos explicitar de maneira mais eficiente as contradições que estão se avolumando, a necessidade de usar determinados instrumentos para resolvê-las e para produzir uma nova correlação de forças capaz de desmascarar e vencer nossos adversários. Não é por acaso que, ao comparar a necessidade de traçar tendências com a medicina, Maquiavel escreve: “Da tísica, dizem os médicos que no começo do mal é fácil de curar e difícil de conhecer, mas depois, com o passar do tempo, se não foi logo conhecida e medicada, torna-se fácil de reconhecer e difícil de curar”. Em outras palavras, quanto mais precoce e preciso for o diagnóstico do desenvolvimento da realidade, melhores serão as possibilidades de dirigirmos a ação para criar as condições que mais nos aproximam do objetivo de acabar com toda forma de exploração. Às vezes, poderão ser só pequenos passos, mas eles não poderão ser dados se os nossos movimentos não tiverem clareza da sua importância ou se derem a reboque dos momentos que são propostos pelas elites e nos limites que elas impõem. Descobrir a doença quando ela está em estágio avançado é fácil, só que a sua cura vai se dar em condições bem mais difíceis e delicadas. Sublinhada a necessidade de traçar tendências, é importante resgatar que nem tudo pode ser previsto. Nas idas e vindas da conjuntura, freqüentemente, nos deparamos com algo totalmente inesperado: os acidentes. Estou falando, por exemplo, da morte de uma figura de destaque, de uma catástrofe natural, da falta abrupta de um produto essencial ou até mesmo da repressão a um movimento grevista que, contrariando as expectativas, transforma o protesto de um grupo de trabalhadores numa rebelião de contornos incontroláveis. É por isso que podemos chamar de acidentes aqueles acontecimentos que, de forma imprevisível, alteram a conjuntura e podem produzir mudanças bruscas em seu desenvolvimento. Além dos acidentes, às vezes, nos deparamos com manifestações que chamamos de subordinadas. Ao se desenvolverem, elas questionam os rumos da sociedade e, apesar de estarem subordinadas à lógica dominante, são fonte de preocupação para as elites. Para explicar isso melhor,

22
vou usar como exemplo a realidade dos camelôs. Em geral, trata-se de ex-trabalhadores e extrabalhadoras assalariadas que vivem vendendo todo tipo de mercadorias. Por suas características, os camelôs não têm um papel determinante no conjunto das forças produtivas da nossa sociedade e suas atividades, anseios e realizações obedecem à lógica dominante. Ainda assim, em sua luta pela sobrevivência, os seus interesses entram em conflito com os dos lojistas que os acusam de tirar deles parte da freguesia de baixa renda, de não pagar impostos e de trabalhar com produtos de proveniência duvidosa. Pressionado por interesses opostos, o poder público tem agido ora no sentido de reprimir ora de disciplinar os camelôs, removendo-os para lugares onde seja reduzida a sua interferência nas atividades dos lojistas. Como isso embute uma ameaça às suas condições de vida, as medidas tomadas pelas prefeituras têm desencadeado tensões, conflitos e protestos de todos os tipos. Ou seja, somando o aumento do desemprego e da exclusão com os passos já consolidados pelos camelôs, podemos dizer que esta manifestação da conjuntura, que não questiona a orientação da sociedade para a busca do lucro, promete desenvolvimentos inesperados que, de tempos em tempos, vão obrigar as elites a se debruçar sobre estes efeitos colaterais de suas próprias diretrizes de ação. Por suas características, podemos comparar as manifestações subordinadas à passagem de um cometa a grandíssima distância da terra. Ainda que ela possa trazer informações importantes para a nossa compreensão do universo, a sua presença momentânea não ameaça o equilíbrio do sistema solar, ao contrário, sua órbita e seu futuro estão subordinados e dirigidos pelos movimentos que ocorrem neste mesmo sistema. As manifestações subordinadas, portanto, merecem as nossas atenções, mas seu peso na conjuntura deve ser avaliado através de um estudo atento das características e das contradições que explicam e orientam o seu desenvolvimento. Eu sei que o seu cansaço já deve estar batendo feio em função desta chuva de dados, elementos, dicas, observações e etceteras que está caindo na sua cabeça. Não é fácil, mas agüente firme que já estamos nos aproximando do fim do nosso trabalho de reconhecer e aprender a montar cada peça do quebra-cabeça da realidade.

9. Principais erros de uma análise de conjuntura.
Muitas vezes já tenho me deparado com análises que são um enunciado de considerações gerais: “estamos no capitalismo... neste sistema a burguesia explora o trabalho dos operários... há uma luta de classes... nesta luta o proletariado procura derrotar os seus dominadores...”. É o que poderia ser chamada de análise “relógio quebrado”. Apesar de não estar funcionando... acerta a hora duas vezes por dia. Afirmações tão genéricas como aquelas que acabo de apresentar são bastante comuns e demonstram que seus autores esqueceram de algo fundamental numa análise: a necessidade de captar o movimento da história naquele momento específico. Ao compreender cada aspecto das contradições e dos problemas que estão presentes neste movimento, a análise deve apontar o que distingue os acontecimentos do presente de outros semelhantes que se manifestaram no passado, como as forças sociais estão agindo para superá-los e qual é o possível desdobramento que resultará da ação dos atores sociais envolvidos. Sem este tipo de avaliação, é impossível perceber como a conjuntura, o período histórico e as estruturas se condicionam e se atualizam mutuamente produzindo os passos do futuro.

23
No lugar de servir para iluminar os acontecimentos, a análise “relógio quebrado” espera que a realidade confirme suas previsões assim como o passar do tempo faz com que os ponteiros parados dêem a hora certa duas vezes por dia. Por ser extremamente vaga, ela dá a impressão de estar interpretando corretamente o quotidiano da vida em sociedade e, por incrível que pareça, convence. Para quem havia previsto uma luta entre burgueses e proletários, toda e qualquer greve comprova o acerto de sua avaliação. Agora, por não compreender a especificidade deste acontecimento, ela nunca vai nos dizer, por exemplo, se ele é uma casualidade, se aponta para o ascenso de um processo de lutas ou se fecha um determinado momento da conjuntura. Enfim, este tipo de análise é totalmente incapaz de delinear tendências que ajudem trabalhadores e trabalhadoras a aprimorarem a sua intervenção na sociedade. A superficialidade é, sem dúvida, outro erro muito comum. Vou chamar de superficial aquele estudo que se limita a descrever o que pode ser visto por qualquer pessoa que ande pelas ruas de olhos abertos. A riqueza de detalhes dá a impressão de que ela está mostrando o real em todas as suas manifestações, mas, na verdade, ela não consegue desvendar as relações que se escondem nos acontecimentos. Por exemplo, ao avaliar as necessidades da reforma da previdência, muitas análises produzidas pela própria esquerda aceitavam como ponto de partida o dado divulgado pelo governo de que havia aumentado o número dos que usufruíam dos benefícios em relação ao dos contribuintes e chegavam a conclusões parecidas com aquelas que estavam sendo apontadas pelos empresários. Apesar de tantos números, estatísticas e discursos emocionados, poucos paravam para avaliar que: 1. Do total de recursos que entram no caixa da previdência, 85% são contribuições que incidem sobre os salários e que, portanto, longos anos de arrocho haviam ajudado a encolher a quantidade de dinheiro disponível para o pagamento das pensões e das aposentadorias. 2. De cada 100 trabalhadores empregados, somente 43 têm carteira assinada ou são autônomos com as contribuições previdenciárias em dia. 3. A sonegação está na casa dos 40% do total arrecadado e o próprio governo é o maior devedor da previdência social. Se isso não bastasse, a administração federal permitiu que o número de fiscais caísse de 1 para cada grupo de 250 empresas em 1975, para 1 fiscal para cada grupo de 1500 estabelecimentos em 1997. 4. As contribuições recolhidas para a previdência, freqüentemente, são usadas pelo governo para outros fins. 5. Ao pressionar o governo pela reforma, os empresários buscavam reduzir os encargos sociais e abrir caminhos para a flexibilização da legislação trabalhista. Em nome de um elevado custo da força de trabalho, os patrões procuravam formas de arrochar ainda mais os salários e os benefícios. 6. Graças ao clima de incerteza criado pela discussão das novas regras da previdência, a postura dos banqueiros já estava engordando o patrimônio dos fundos de pensão. 7. Sabendo que a esperança de vida dos trabalhadores que recebem até cinco salários mínimos, em média, não passa dos 64 anos, é possível perceber que a solução do déficit da previdência viria da impossibilidade material da grande maioria dos trabalhadores conseguir chegar à idade mínima para a aposentadoria, apesar de ter contribuído com toda uma vida de trabalho e sacrifícios. Listei rapidamente alguns dados e relações que se escondiam no processo de reforma da previdência para mostrar que, sem eles, toda análise daquela conjuntura correria o risco de ser

24
superficial. Para evitar este erro, o estudo da realidade deve desmontá-la nas partes que a compõem e estabelecer o papel, as relações e os interesses de cada um dos atores. Visualizado o jogo de pressões, estabelecido o poder de barganha dos que dele participam e sua capacidade de ganhar a adesão de outros setores sociais, é possível delinear com clareza e profundidade os desdobramentos da conjuntura e a evolução de suas contradições. Mas isso não é tudo. O subjetivismo é outro erro no qual é comum incorrer ao analisar a realidade. Ele se dá quando, consciente ou inconscientemente, assumimos o papel de torcedor. No lugar de avaliar friamente o andamento do jogo e as razões que levam a este ou àquele placar, acabamos torcendo por um resultado favorável ao nosso time. É nesse sentido que, por exemplo, um saque a um supermercado é apresentado como o início de um processo de insurreição, ou o elevado grau de descontentamento popular torna-se sinônimo de certeza de vitória das oposições nas próximas eleições. Neste caso, o envolvimento com a realidade é tão grande que quem a analisa deixa de avaliar as ações que ainda podem ser tentadas pelos poderosos e, em geral, esquece que o inimigo também joga para ganhar. O maior problema do torcedor não está na sua maneira apaixonada de viver os acontecimentos, e sim em deixar que o sentimento ocupe o lugar da razão e passe a falar em nome dela projetando uma história que não corresponde à realidade dos fatos. A unilateralidade é o último erro sobre o qual quero chamar a sua atenção. Ele ocorre quando quem analisa a conjuntura superestima uma de suas manifestações e, iluminado por ela, julga todos os acontecimentos. Manifestações de descontentamento no interior das forças armadas, por exemplo, podem ser julgadas como uma ameaça de golpe sem sequer avaliar se as classes dominantes se encontram tão enfraquecidas a ponto de serem obrigadas a lançar mão deste instrumento de intervenção. Por isso, quem analisa a conjuntura deve cuidar para que sua análise abranja os diferentes aspectos dos problemas e das contradições que se manifestam nos acontecimentos históricos e ponderar de forma equilibrada quais deles são principais ou secundários no seu desenvolvimento. Bom, a parte teórica pára por aqui. O problema é que para aprender a analisar a conjuntura não basta lembrar de todas as ferramentas e das dicas que foram dadas. É necessário utilizá-las e praticá-las com dedicação e empenho. Sabendo das dificuldades do dia-a-dia, este trabalho termina convidando você a exercitar os instrumentos de análise em cima de uma realidade que a história já se encarregou de resolver e que, portanto, vai lhe fornecer logo a correção dos possíveis erros e acertos do seu esforço de se debruçar sobre os acontecimentos. Por isso, vou me despedir com um material sobre...

10. A Revolução Inglesa: um bom exercício de análise.
Quando estamos totalmente envolvidos com a realidade que queremos analisar, é muito difícil nos afastarmos dela o suficiente para examiná-la em profundidade sem cometer os erros apontados no capítulo anterior. Por isso, para treinar a capacidade de observação e a utilização das ferramentas apresentadas, vai aqui um material sobre uma parte do período histórico conhecido como Revolução Inglesa e, precisamente, sobre os acontecimentos que se estendem entre 1603 e 1658 na que hoje conhecemos como Grã Bretanha. O contexto no qual eles se desenvolvem é caracterizado pela passagem do feudalismo ao capitalismo. Neste período, nas regiões agrícolas, a nobreza adota uma nova forma de utilizar a terra.

25
Vendo na comercialização da lã para as manufaturas uma grande fonte de riqueza, os nobres resolvem expulsar os servos que trabalhavam em suas terras para que as mesmas sejam cercadas e usadas para criar ovelhas. Este enorme contingente de empobrecidos, que, de uma hora pra outra, se vê privado dos meios que garantiam sua sobrevivência, alimenta o exército de pobres e mendigos que vai perambulando em busca de uma maneira de matar a fome. Enquanto isso, nas cidades vão nascendo os que poderiam ser chamados de “os primeiros patrões“ daquela que será a futura indústria da Inglaterra. As manufaturas que estão se formando empregam ex-artesãos e camponeses expulsos de suas terras. A “nova maneira” de produzir a vida em sociedade convive com um ambiente onde estão ainda presentes a produção e a organização dos artesãos e no qual as velhas classes dominantes, a nobreza e o clero, ditam os passos da vida coletiva. Ao lado dessas transformações econômicas, é necessário sublinhar que o exercício do poder não está mais concentrado nas mãos dos vários senhores feudais, e sim nas de reis que mandam em nações já unificadas. Estas monarquias dispõem de dinheiro e de condições políticas e militares suficientes para propiciar as grandes viagens marítimas rumo à descoberta de novas terras a serem exploradas e com as quais estabelecer relações comerciais que permitam um ulterior enriquecimento das classes que se encontram no poder. Neste contexto, a burguesia comercial se alia, inicialmente, aos reis e à nobreza e só bem mais tarde se colocará ao lado dos patrões das manufaturas. A religião é outra questão importante para entender o desenrolar dos acontecimentos da época. Em todos os países prevalece o catolicismo, mas as contradições que se desenvolvem no interior de cada nação levam a cisões importantes como a Reforma Protestante na Alemanha e o Anglicanismo na Inglaterra. Bom, delineado o pano de fundo no qual se desenvolve a conjuntura, a seguir, você encontrará sete boletins que se referem a uma seqüência de períodos históricos e que servirão de fonte de informação. O exercício de análise consiste no seguinte: dos primeiros seis boletins, deverão ser mapeados os principais acontecimentos, os atores, os cenários dominantes, o clima em que se desenvolve a trama social, a correlação de forças (quem se alia com quem contra quem) e as tendências para o próximo período. Como proceder: analise o primeiro boletim (as duas páginas seguintes) e elabore as tendências. Para ver se as suas previsões são confirmadas pela realidade, basta ler e mapear os principais acontecimentos do segundo boletim. Faça com este o mesmo trabalho e, em seguida, verifique nos acontecimentos do terceiro se você acertou as tendências para o próximo período e assim por diante. Caso as previsões não se confirmem, é importante que seja retomada a leitura do material que serviu de base para delinear acontecimentos, atores, cenários, etc., e que você tente encontrar os erros que ocorreram na análise levantando os aspectos da realidade que não foram devidamente avaliados. Ao todo são seis exercícios após os quais o seu espírito de observação estará mais treinado para enfrentar o desafio de entender e montar as peças que compõem o quebra-cabeça da nossa sociedade atual. Portanto, mãos à obra! Arregace as mangas, pegue papel e caneta e vire logo esta página que há toda uma série de reis, bispos, nobres e representantes dos mais diversos setores da sociedade que estão à sua espera.