You are on page 1of 39

CURSO ON-LINE – DIREITO DO TRABALHO (TEORIA E EXERCÍCIOS) PROFESSORA: DÉBORAH PAIVA

Olá, Bom dia a todos! Antes de iniciar a nossa quarta aula, falarei sobre trabalho rural, trabalho temporário e trabalho portuário. Depois estudaremos os temas da nossa quarta aula, como o contrato individual de trabalho, suspensão, interrupção e alteração contratual. Vamos então dar início a nossa aula! Contratos Especiais de Trabalho: 1. Trabalho Rural: O art.2º da Lei 5.889/73 conceitua o empregado rural como sendo a pessoa física que em propriedade rural ou prédio rústico, presta serviços não eventuais, ao empregador rural, mediante dependência e salário. Art. 2º da Lei 5.889/73 “Empregado rural é toda pessoa física que, em propriedade rural ou prédio rústico, presta serviços de natureza não eventual a empregador rural, sob a dependência deste e mediante salário”. Por “prédio rústico” devemos entender o estabelecimento rudimentar que disponha de poucas máquinas, ou até mesmo de nenhuma. Exemplificando, podemos citar um terreno no qual o agricultor planta de forma rudimentar, alfaces para vender na feira da cidade. Neste caso os empregados deste agricultor serão considerados empregados rurais. A referida lei traz, também, o conceito de empregador rural como sendo a pessoa física ou jurídica, proprietária ou não que explore atividade agroeconômica, em caráter permanente ou temporário, diretamente ou através de prepostos. É importante destacar que mesmo no caso do exemplo supramencionado, caso o terreno esteja localizado na cidade, este agricultor será considerado empregador rural. Art. 3º da Lei 5.889/73 “Considera-se empregador, rural, para os efeitos desta Lei, a pessoa física ou jurídica, proprietário ou não, que explore atividade agroeconômica, em caráter permanente ou temporário, diretamente ou através de prepostos e com auxílio de empregados”. § 1º Inclui-se na atividade econômica, referida no "caput" deste artigo, a exploração industrial em estabelecimento agrário não compreendido na Consolidação das Leis do Trabalho. Art. 4º da Lei 5.889/73 Equipara-se ao empregador rural, a pessoa física ou jurídica que, habitualmente, em caráter profissional, e por conta de terceiros, execute serviços de natureza agrária, mediante utilização do trabalho de outrem. Importante dizer que equipara-se ao empregador rural pessoa física o consórcio simplificado de produtores rurais para utilizarem-se de um mesmo empregado, sendo a responsabilidade de todos solidária. Controvérsias doutrinárias: 1ª Corrente (Alice Monteiro de Barros): O conceito de empregado rural está ligado aos métodos de execução do trabalho, assim quando o empregado executar os seus serviços de forma subordinada, com pessoalidade, onerosidade e não-

www.pontodosconcursos.com.br

1

CURSO ON-LINE – DIREITO DO TRABALHO (TEORIA E EXERCÍCIOS) PROFESSORA: DÉBORAH PAIVA
eventualidade,sem correr os riscos do negócio, na agricultura, pecuária e no campo ele será considerado empregado rural. 2ª Corrente (Maurício Godinho Delgado): O jurista para definir se o empregado é ou não rurícola utiliza dois requisitos: a atividade preponderante do empregador e o local de trabalho. Assim para esta teoria além do empregador explorar atividade rural o empregado deverá trabalhar em prédio rústico ou propriedade rural. DICA 1: Os empregados rurais poderão ser classificados em dois tipos: empregado rural e safrista. O parágrafo único do art. 14 da Lei 5.889/73 estabelece que considera-se contrato de safra o que tenha a sua duração dependente de variações estacionais da atividade agrária, sendo um contratado por prazo determinado.Expirado normalmente o contrato, a empresa pagará ao safrista, a título de indenização do tempo de serviço, importância correspondente a 1/12 (um doze avos) do salário mensal, por mês de serviço ou fração superior a 14 (quatorze) dias. DICA 2: O gato ou turmeiro são os agenciadores do trabalho do bóia-fria e não estabelecem vínculo de emprego com o bóia-fria. São considerados meros intermediários, não possuindo em geral capacidade econômica para suportar os riscos do negócio, podendo ser muitas vezes considerado empregado. DICA 3: Quanto ao bóia-fria ou volante há controvérsias na doutrina se ele será ou não considerado empregado: 1ª. Vertente: (Vólia Bonfim). Considera que ele é trabalhador eventual porque ao prestar os seus serviços o faz, sem o requisito da pessoalidade, não podendo falar-se em empregado por estar ausente um dos requisitos da relação de emprego na prestação de seus serviços. 2ª.Vertente: (Alice Monteiro de Barros). Defende a corrente de que ele é considerado empregado porque nas atividades por ele desempenhada há necessidade de permanente mão-de-obra. Acompanho a professora Vólia Bonfim, porque considero que o “bóia-fria” é de fato um trabalhador eventual, uma vez que presta serviços a diversos tomadores, não se fixando a nenhum deles e também, pelo fato de estar ausente a pessoalidade na prestação de serviços, requisito indispensável para que um trabalhador seja considerado empregado. DICA 4: O motorista de empresa cuja atividade seja preponderantemente rural é considerado empregado rural, porque não enfrenta o trânsito das cidades, sendo esta a orientação jurisprudencial do TST. OJ 315 da SDI- 1 do TST É considerado trabalhador rural o motorista que trabalha no âmbito de empresa cuja atividade é preponderantemente rural, considerando que, de modo geral, não enfrenta o trânsito das estradas e cidades. DICA 5: Indústria urbana # Indústria rural 1. Para que a atividade industrial desenvolvida seja considerada urbana, deverá ocorrer alteração na natureza do produto. Ex1. Uma forneira que faz o carvão, alterando a lenha. Ex2. Usina de açúcar que faz o álcool, alterando a cana para álcool.

www.pontodosconcursos.com.br

2

CURSO ON-LINE – DIREITO DO TRABALHO (TEORIA E EXERCÍCIOS) PROFESSORA: DÉBORAH PAIVA
2. A indústria rural caracteriza-se quando ocorrer processo de industrialização sem transformar a matéria prima na sua aparência, ou seja, in natura sem mudar a forma como veio da natureza. Ex: Beneficiamento, ensacamento e pasteurização do leite. Há atividades rurais como o parceiro, o meeiro e o arrendatário que correm os riscos do negócio, não possuindo vínculo com o empregador rural, são elas: ¾ Parceria é o contrato pelo qual um indivíduo cede a outro determinado imóvel rural com o objetivo de nele desenvolver atividade de exploração agropecuária mediante participação nos lucros. ¾ Arrendamento é o contrato segundo o qual uma pessoa cede a outra o uso e gozo da propriedade rural por prazo determinado mediante o pagamento de um aluguel. ¾ Meação é um contrato segundo o qual o proprietário da terra terá direito a metade do que o parceiro produz. É importante ressaltar que caso as modalidades de contrato acima descritas, sejam falsas (falsa parceria, falso arrendamento e falsa meação) dado o princípio da primazia da realidade o vínculo irá formar-se com o empregador rural. O art. 3º da Lei do Trabalho Rural trata da figura do grupo econômico, que irá processar-se nos mesmos moldes do grupo econômico urbano, sendo a responsabilidade também solidária passiva. Art. 3º da Lei 5.889/73 § 2º Sempre que uma ou mais empresas, embora tendo cada uma delas personalidade jurídica própria, estiverem sob direção, controle ou administração de outra, ou ainda quando, mesmo guardando cada uma sua autonomia, integrem grupo econômico ou financeiro rural, serão responsáveis solidariamente nas obrigações decorrentes da relação de emprego. O Trabalho Rural traz algumas peculiaridades: ¾ O art. 1º da Lei 5.889/73 estabelece que as relações de trabalho rural serão reguladas ela e, no que com ela não colidirem, pelas normas da Consolidação das Leis do Trabalho. Durante o prazo do aviso prévio, se a rescisão tiver sido promovida pelo empregador, o empregado rural terá direito a um dia por semana, sem prejuízo do salário integral, para procurar outro trabalho. Em qualquer trabalho contínuo de duração superior a seis horas, será obrigatória a concessão de um intervalo para repouso ou alimentação, observados os usos e costumes da região, não se computando este intervalo na duração do trabalho. Entre duas jornadas de trabalho haverá um período mínimo de onze horas consecutivas para descanso. Nos serviços, caracteristicamente intermitentes, não serão computados, como de efeito exercício, os intervalos entre uma e outra parte da execução da tarefa diária, desde que tal hipótese seja expressamente ressalvada na Carteira de Trabalho e Previdência Social. Como exemplo de serviços intermitentes podemos citar a ordenha das vacas para tirar o leite, pois o retireiro tira o leite de manhã, retornando à tarde para tirar o leite novamente.

¾

¾

¾ ¾

www.pontodosconcursos.com.br

3

é obrigada a possuir e conservar em funcionamento escola primária. para os filhos destes. e entre as vinte horas de um dia e as quatro horas do dia seguinte. onde conste. Toda propriedade rural.br 4 . em 2 (duas) vias. da existência de relação jurídica diversa.com. de 24 de julho de 1991. 14-A que trata do Trabalho Rural.GFIP. com indicação do respectivo Número Inscrição do Trabalhador . automaticamente. sem prejuízo de comprovação.pontodosconcursos. com tantas classes quantos sejam os filhos destes. e: I . proprietário ou não. na atividade pecuária. da sua inclusão pelo empregador na Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e Informações à Previdência Social . 14-A. c) identificação do trabalhador.mediante contrato escrito. por qualquer meio admitido em direito. dentro do período de 1 (um) ano. ¾ ¾ ¾ É importante transcrever recentemente alterado: Art. inteiramente gratuita. com tantas classes quantos sejam os grupos de quarenta crianças em idade escolar. uma para cada parte. O empregado rural passou a ter direito ao FGTS a partir de 1988. O Trabalho noturno terá um acréscimo de 25% (vinte e cinco por cento) sobre a remuneração normal. O produtor rural pessoa física poderá realizar contratação de trabalhador rural por pequeno prazo para o exercício de atividades de natureza temporária. § 2º A filiação e a inscrição do trabalhador de que trata este artigo na Previdência Social decorrem.CURSO ON-LINE – DIREITO DO TRABALHO (TEORIA E EXERCÍCIOS) PROFESSORA: DÉBORAH PAIVA ¾ Considera-se trabalho noturno rural o executado entre as vinte e uma horas de um dia e as cinco horas do dia seguinte. (Acrescentado pela L-011. b) identificação do produtor rural e do imóvel rural onde o trabalho será realizado e indicação da respectiva matrícula. observando-se os termos da legislação aplicável.212. ou II . 28 da Lei nº 8. superar 2 (dois) meses fica convertida em contrato de trabalho por prazo indeterminado. com o advento da Constituição federal de 1988.mediante a anotação na Carteira de Trabalho e Previdência Social e em Livro ou Ficha de Registro de Empregados.NIT. § 6º A não inclusão do trabalhador na GFIP pressupõe a inexistência de contratação na forma deste artigo. de www. na forma do disposto no § 2º deste artigo. § 4º A contratação de trabalhador rural por pequeno prazo só poderá ser realizada por produtor rural pessoa física. cabendo à Previdência Social instituir mecanismo que permita a sua identificação. na lavoura. o art. que explore diretamente atividade agroeconômica. que mantenha a seu serviço ou trabalhando em seus limites mais de cinqüenta famílias de trabalhadores de qualquer natureza. no mínimo: a) expressa autorização em acordo coletivo ou convenção coletiva. § 5º A contribuição do segurado trabalhador rural contratado para prestar serviço na forma deste artigo é de 8% (oito por cento) sobre o respectivo salário-de-contribuição definido no inciso I do caput do art. § 3º O contrato de trabalho por pequeno prazo deverá ser formalizado mediante a inclusão do trabalhador na GFIP.718-2008) § 1º A contratação de trabalhador rural por pequeno prazo que.

No caso de falência da empresa de trabalho temporário. 16 da Lei 6019/74 . temporariamente. por elas remunerados e assistidos Quando houver falência da empresa prestadora ou intermediadora do trabalho temporário a tomadora responderá solidariamente. O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço . Art.com.FGTS deverá ser recolhido e poderá ser levantado nos termos da Lei nº 8. os demais direitos de natureza trabalhista. Compreende-se como empresa de trabalho temporário a pessoa física ou jurídica urbana. A infração deste artigo importa no cancelamento do registro para funcionamento da empresa de trabalho temporário. cabendo à Previdência Social e à Receita Federal do Brasil instituir mecanismos que facilitem o acesso do trabalhador e da entidade sindical que o representa às informações sobre as contribuições recolhidas. Os principais requisitos para a validade do contrato de trabalho temporário são: a) contrato escrito entre que é a empregadora empregado e a empresa intermediadora www. de 11 de maio de 1990. pela remuneração e indenização previstas nesta Lei. para atender à necessidade transitória de substituição de seu pessoal regular e permanente ou à acréscimo extraordinário de serviços. 2º da Lei 6019/74 . para atender a necessidade transitória de substituição de seu pessoal regular e permanente ou a acréscimo extraordinário de serviço. 18 da Lei 6019/74 É vedado à empresa do trabalho temporário cobrar do trabalhador qualquer importância. § 8º São assegurados ao trabalhador rural contratado por pequeno prazo. mesmo a título de mediação.036. no tocante ao tempo em que o trabalhador esteve sob suas ordens.pontodosconcursos. podendo apenas efetuar os descontos previstos em Lei. 2. Trabalho Temporário: O art. a empresa tomadora ou cliente é solidariamente responsável pelo recolhimento das contribuições previdenciárias. § 10. assim como em referência ao mesmo período. trabalhadores. sem prejuízo das sanções administrativas e penais cabíveis. devidamente qualificados. além de remuneração equivalente à do trabalhador rural permanente.br 5 . 2º da Lei 6019/74 conceitua o trabalho temporário como aquele prestado por uma pessoa física a uma empresa. Art. Art. O trabalhador temporário é empregado da empresa de trabalho temporário que pode ser física ou jurídica urbana. § 9º Todas as parcelas devidas ao trabalhador de que trata este artigo serão calculadas dia a dia e pagas diretamente a ele mediante recibo.CURSO ON-LINE – DIREITO DO TRABALHO (TEORIA E EXERCÍCIOS) PROFESSORA: DÉBORAH PAIVA § 7º Compete ao empregador fazer o recolhimento das contribuições previdenciárias nos termos da legislação vigente. cuja atividade consiste em colocar à disposição de outras empresas.Trabalho temporário é aquele prestado por pessoa física a uma empresa. Parágrafo único.

da Consolidação as Leis do Trabalho.pontodosconcursos. Parágrafo único. expressamente. também chamada de fornecedora. As empresas de trabalho temporário deverão preencher os requisitos do art. Art. com o competente registro na Junta Comercial da localidade em que tenha sede. obrigatoriamente. escrito e dele deverão constar.br 6 . 6º sob pena do contrato se firmar diretamente com a tomadora de serviços.CURSO ON-LINE – DIREITO DO TRABALHO (TEORIA E EXERCÍCIOS) PROFESSORA: DÉBORAH PAIVA b) contrato escrito entre a empresa prestadora e a tomadora contendo o motivo da contratação. proibindo a contratação do trabalhador pela empresa tomadora ou cliente ao fim do prazo em que tenha sido colocado à sua disposição pela empresa de trabalho temporário.com. Art. b) prova de possuir capital social de no mínimo quinhentas vezes o valor do maior salário mínimo vigente no País. As empresas de trabalho temporário não poderão cobrar qualquer importância do trabalhador temporário e também não poderão impedir que o tomador contrate o trabalhador ao final. www. 9º da lei ressalta que um destes dois motivos deverá constar expressamente do contrato celebrado entre a tomadora dos serviços (empresa ou cliente) e a empresa de trabalho temporário. Será nula de pleno direito qualquer cláusula de reserva. 11 da Lei 6019/74 . os direitos conferidos aos trabalhadores por esta Lei. Art. desde que não exceda a 6 meses. fornecido pelo Instituto Nacional de Previdência Social.O contrato de trabalho celebrado entre empresa de trabalho temporário e cada um dos assalariados colocados à disposição de uma empresa tomadora ou cliente será. assim como as modalidades de remuneração da prestação de serviço. O art. 360. c) prova de entrega da relação de trabalhadores a que se refere o art. c) Duração máxima de 3 meses salvo autorização do TEM. É permitida a terceirização de atividade-fim pois a Súmula 331 do TST menciona que na hipótese de trabalho temporário a contratação de trabalhador por empresa interposta não será ilegal. 6º da Lei 6019/74 O pedido de registro para funcionar deverá ser instruído com os seguintes documentos: a) prova de constituição da firma e de nacionalidade brasileira de seus sócios. 9º da Lei 6019/74 O contrato entre a empresa de trabalho temporário e a empresa tomadora de serviço ou cliente deverá ser obrigatoriamente escrito e dele deverá constar expressamente o motivo justificador da demanda de trabalho temporário. bem como apresentação do Certificado de Regularidade de Situação.

2º da referida lei. Os direitos do trabalhador temporário estão previstos no art. a percepção do salário mínimo regional.br 7 . correspondente a 1/12 (um doze avos) do pagamento recebido. em qualquer hipótese. f) indenização por dispensa sem justa causa ou término normal do contrato. O prazo máximo do contrato celebrado entre a tomadora e a fornecedora de mão-de-obra em relação a um mesmo empregado é de 90 dias. A lei proíbe a contratação de estrangeiro como trabalhador temporário quando portador de visto provisório. além do direito ao FGTS previsto na Lei 8036/90. f) prova de inscrição no Cadastro Geral de Contribuintes do Ministério da Fazenda. o encaminhamento prévio ao Departamento Nacional de Mão-de-Obra de comunicação por escrito. www. e) prova da propriedade do imóvel-sede ou recibo referente ao último mês. 12 da citada lei.com. com justificativa e endereço da nova sede ou das unidades operacionais da empresa.CURSO ON-LINE – DIREITO DO TRABALHO (TEORIA E EXERCÍCIOS) PROFESSORA: DÉBORAH PAIVA d) prova de recolhimento da Contribuição Sindical. no entanto. O trabalhador que se submete a este tipo de contrato é empregado da empresa de trabalho temporário devendo este contrato também ser escrito.pontodosconcursos. salvo autorização do ministério do Trabalho. remuneradas as horas extraordinárias não excedentes de duas. com acréscimo de 20% (vinte por cento). nos termos do artigo 25 da Lei nº 5107. g) seguro contra acidente do trabalho. d) repouso semanal remunerado. exigindo-se. agências ou escritórios é dispensada a apresentação dos documentos de que trata este artigo. Art. Não há aviso prévio quando ocorrer a terminação do contrato de trabalho temporário. b) jornada de oito horas. Parágrafo único.O contrato será nulo e acarretará a formação do vínculo de emprego com o tomador quando desrespeitadas as hipóteses do art. garantida. de 13 de setembro de 1966. 12 da Lei 6019/74 Ficam assegurados ao trabalhador temporário os seguintes direitos: a) remuneração equivalente à percebida pelos empregados de mesma categoria da empresa tomadora ou cliente. relativo ao contrato de locação. No caso de mudança de sede ou de abertura de filiais. e) adicional por trabalho noturno. c) férias proporcionais. calculados à base horária.

Ao passo que o segundo terá vínculo de emprego com o operador portuário (art. Por porto organizado devemos entender aquele que é constituído e aparelhado para atender as necessidades da navegação. 26 d Lei 8630/93).pontodosconcursos.A empresa tomadora ou cliente é obrigada a comunicar à empresa de trabalho temporário a ocorrência de todo acidente cuja vítima seja um assalariado posto à sua disposição. da movimentação de passageiros ou da movimentação e armazenagem de mercadorias. tanto aquele onde se efetua a prestação do trabalho. É oportuno fazer a distinção entre eles: o primeiro não terá vínculo de emprego nem com o órgão gestor de mão-de-obra e nem com o operador portuário (art. 13 da Lei 6019/74 . o órgão gestor de mão-de-obra arrecada. de 6 de setembro de 1973). considerando-se local de trabalho. e. repassa e providencia o recolhimento dos encargos trabalhistas fiscais e previdenciários. bem como a comprovação do respectivo recolhimento das contribuições previdenciárias.771. Em relação ao trabalhador portuário temos as Orientações Jurisprudenciais 60 e 316 da SDI-1 do TST que é importante transcrever: www. cujo tráfego e operações portuárias estejam sob a jurisdição de uma autoridade portuária. Art. 15 da Lei 6019/74 A Fiscalização do Trabalho poderá exigir da empresa tomadora ou cliente a apresentação do contrato firmado com a empresa de trabalho temporário. O operador portuário é a pessoa jurídica que exerce a operação portuária na área do porto por concessão pública . com as alterações introduzidas pela Lei nº 5. letra "c" do Decreto nº 72.CURSO ON-LINE – DIREITO DO TRABALHO (TEORIA E EXERCÍCIOS) PROFESSORA: DÉBORAH PAIVA h) proteção previdenciária nos termos do disposto na Lei Orgânica da Previdência Social. prevendo que caberá à União a exploração direta ou indireta dos portos organizados . em sistema de rodízio. já com os percentuais referentes às férias. concedido ou explorado pela União. 13º salário e ao FGTS. § 1º Social . 3.630/93).br 8 . para efeito da legislação específica. da Consolidação das Leis do Trabalho. ocorrentes entre o trabalhador e a empresa de trabalho temporário ou entre aquele e a empresa cliente onde estiver prestando serviço. Quanto ao empregado/trabalhador portuário o pagamento será feito diretamente pelo empregador. Trabalho Portuário: A lei 8630/93 regulamentou de forma definitiva os portos organizados. quanto a sede da empresa de trabalho temporário. de 8 de junho de 1973 (art.Registrar-se-á na Carteira de Trabalho do trabalhador sua condição de temporário. desta última o contrato firmado com o trabalhador.com. e Previdência § 2º . 5º. item III. Art. Cada operador portuário constituirá um órgão gestor de mão-de-obra para gerir e treinar os portuários e também para administrar o fornecimento de mão-de-obra avulsa.Constituem justa causa para rescisão do contrato do trabalhador temporário os atos e circunstâncias mencionados nos artigos 482 e 483.890. 20 da Lei 8. No caso do trabalhador portuário avulso. Há o trabalhador portuário avulso e o trabalhador portuário empregado.

com. Relembrando: Os sujeitos do contrato de trabalho são o empregado (sempre pessoa física ou natural) e o empregador (pessoa física/natural ou Pessoa jurídica). Da alteração do contrato de trabalho: alteração unilateral e bilateral.” (Orlando Gomes) “Contrato de Trabalho stricto sensu é o negócio jurídico pelo qual uma pessoa física (empregado) se obriga. 442 CLT) 4. 442/456 da CLT): 4. compreendida entre dezenove horas e sete horas do dia seguinte. O empregado tem uma obrigação de fazer que é prestar o trabalho.860/65. Da suspensão e interrupção do contrato de trabalho: caracterização e distinção. (art.” (Délio Maranhão) “Contrato Individual de Trabalho é o acordo tácito ou expresso correspondente à relação de emprego”. em proveito e sob direção de empregador. deve ser proporcional ao tempo efetivo no serviço considerado sob risco e apenas concedido àqueles que prestam serviços na área portuária.CURSO ON-LINE – DIREITO DO TRABALHO (TEORIA E EXERCÍCIOS) PROFESSORA: DÉBORAH PAIVA OJ 60 da SDI-1 do TST I .pontodosconcursos. os contratos de trabalho classificam-se em: a) Tácito ou Expresso. previsto no art. mediante certa remuneração e em caráter não-eventual prestam trabalho pessoal.observarse-á somente o salário básico percebido. a prestar trabalho não eventual em proveito de outra pessoa. 443 da CLT.Para o cálculo das horas extras prestadas pelos trabalhadores portuários. pessoalmente ao empregador que tem uma obrigação de dar que é pagar o salário ao empregado. o jus variandi. Classificação: Conforme dispõe o art.A hora noturna no regime de trabalho no porto. a1) Tácito: Ocorrerá quando o empregado trabalhar sem ter assinado contrato e sem ter a sua CTPS anotada e o trabalho irá desenvolver-se com a existência de todos os requisitos da relação de emprego. excluídos os adicionais de risco e produtividade. Natureza Jurídica.1. Conceito: “Contrato de Trabalho é a convenção pela qual um ou vários empregados. é de sessenta minutos.2. a quem fica juridicamente subordinada. II . classificação e características. www. Duração. Elementos Essenciais. física ou jurídica (empregador). 14 da Lei nº 4. Aula 4 Do contrato individual de trabalho: conceito. OJ 316 da SDI-1 do TSTO adicional de risco dos portuários. mediante o pagamento de uma contraprestação (salário). ¾ Contrato Individual de Trabalho (arts.br 9 .

Porém. 445 da CLT O contrato de trabalho por prazo determinado não poderá ser estipulado por mais de 2 (dois) anos. não poderá ser estipulado por b1) Contrato Art. como por exemplo o contrato de aprendizagem.br 10 . o contrato de trabalho temporário. (Maurício Godinho Delgado) Na medida em que o contrato de trabalho pode ser celebrado tacitamente. seja ele escrito ou verbal. sem qualquer formalização. não impede que seja pactuado um vínculo empregatício entre tomador de serviços e o prestador de trabalho uma vez que estejam presentes os elementos fáticos-jurídicos da relação de emprego. atendendo então ao princípio da continuidade da relação de emprego. dente outros. observada a regra do art. a este efetuados com pessoalidade. porque o princípio da continuidade da relação de emprego é presunção favorável ao empregado. 451. há exceções e alguns contratos por determinação da lei deverão ser celebrados de forma escrita. O Contrato de prazo determinado período superior a 2 anos (art. como o contrato de safra. Contratos de prazo determinado ou a termo são os contratos celebrados por tempo certo ou determinado ou pelo menos de previsão aproximada.com.pontodosconcursos. Parágrafo único (noventa) dias O contrato de experiência não poderá exceder de 90 www. “Empregado é toda pessoa natural que contrate tácita ou expressamente. a2) Expresso: Como o nome já diz será aquele contrato que foi acordado de forma expressa. o contrato do atleta. podendo ser oralmente celebrado. ele necessariamente não precisará ser celebrado de forma escrita. onerosidade. não-eventualidade e subordinação”. somente por exceção será admitido o contrato de prazo determinado. sob a dependência deste e mediante salário”. clara. o contrato do artista. As partes já sabem o início e o término do contrato. b) Verbal ou Escrito: Verbal: Como o contrato de trabalho é informal. b2) Contrato Escrito: O art. c) Por prazo determinado ou por prazo indeterminado: c1) Contrato de Prazo Determinado: Este tipo de contrato é a exceção e somente será admitido nos casos previstos em lei. a prestação de seus serviços a um tomador. 445 da CLT). A simples assinatura da CTPS caracteriza um contrato escrito.CURSO ON-LINE – DIREITO DO TRABALHO (TEORIA E EXERCÍCIOS) PROFESSORA: DÉBORAH PAIVA Empregado: “Considera-se empregado toda pessoa física que prestar serviços de natureza não eventual a empregador. 29 da CLT estabelece que o empregador deverá anotar em 48 horas a CTPS de seu empregado. A regra é a de que os contratos sejam pactuados por prazo indeterminado. a simples prestação se serviços.

¾ Sinalagmático: As partes obrigam-se as prestações recíprocas e antagônicas. for prorrogado mais de uma vez passará a vigorar sem determinação de prazo.pontodosconcursos. Art. salvo se a expiração deste dependeu da execução de serviços especializados ou da realização de certos acontecimentos. ¾ Comutativo: Deverá haver uma equivalência entre o serviço prestado e a contraprestação. na Lei 9. 443 da CLT. o contrato de safra e o contrato de aprendizagem. dentre outros. Características do contrato de Trabalho: ¾ Contrato de direito privado: Ele nasce do livre ajuste entre as partes. não podendo fazer-se substituir. 451 da CLT O contrato de trabalho por prazo determinado que.3.CURSO ON-LINE – DIREITO DO TRABALHO (TEORIA E EXERCÍCIOS) PROFESSORA: DÉBORAH PAIVA Art. dentro de 6 (seis) meses.com. Exemplificando: Caso um empregador celebre um contrato de experiência com um empregado por 60 dias e renove por mais 60 dias. o ônus para qum contrato de prazo determinado que for celebrado contrariamente à lei pois ele será considerado como contrato de prazo indeterminado. São modalidades deste tipo de contrato: as previstas no art.601/98. 452 da CLT Considera-se por prazo indeterminado todo contrato que suceder. podendo ser verbal ou tácito. artista e aprendizagem. o contrato de obra certa. 4. tácita ou expressamente. C2) Contrato de Prazo Indeterminado: É a regra de todo contrato de trabalho e também. b) de atividades empresariais de caráter transitório. somente por exceção o contrato de trabalho será obrigatoriamente escrito. 443 da CLT O contrato individual de trabalho poderá ser acordado tácita ou expressamente. verbalmente ou por escrito e por prazo determinado ou indeterminado. sendo portanto um contrato de direito privado.Considera-se como de prazo determinado o contrato de trabalho cuja vigência dependa de termo prefixado ou da execução de serviços especificados ou ainda da realização de certo acontecimento suscetível de previsão aproximada. ¾ Informal: A regra é a informalidade. este contrato será considerado um contrato de prazo indeterminado porque extrapolou o período máximo de 90 dias. § 2º . www. Este tipo de contrato também é denominado de contrato a termo. Art. § 1º . c) de contrato de experiência. Exemplificando: atleta. a outro contrato por prazo determinado.O contrato por prazo determinado só será válido em se tratando: a) de serviço cuja natureza ou transitoriedade justifique a predeterminação do prazo. ¾ Intuitu personae em relação ao empregado: O empregado deverá prestar os seus serviços de forma pessoal. no trabalho temporário (Lei 6019/74).br 11 .

o ato praticado pelo absolutamente incapaz sem que ele esteja representado será nulo.5. fala-se que a natureza jurídica do contrato de trabalho é descrita através de 3 teorias: 1ª.Para esta teoria o simples fato do trabalhador está inserido na empresa já constitui a relação de trabalho.pontodosconcursos. No Direito do trabalho o relativamente incapaz é o menor de 16 anos e o relativamente incapaz é o maior de 16 anos e menor de 18 anos.forma prescrita ou não defesa em lei. 3ª. a validade de um contrato de trabalho está adstrita ao preenchimento de certos requisitos. Um dos principais é a licitude de seu objeto Art.objeto lícito. Esta teoria sustenta que a iniciando-se o vínculo jurídico pela inserção do empresa uma instituição na empresa é uma instituição. Todo negócio jurídico pressupõe uma declaração de vontade assim é indispensável a capacidade do agente ao manifestá-la. considerando que há a livre manifestação de vontade entre as partes. 4. estabelecidos no art. então para a sua formação deverão estar presentes os requisitos ou elementos do art. ¾ Bilateral: Gera direitos e obrigações para ambas as partes. Natureza Jurídica: A doutrina diverge em relação às teorias que caracterizam a natureza jurídica do direito do trabalho. 2ª. Elementos Essenciais: O contrato de trabalho é um negócio jurídico. trabalhador na empresa. ¾ Oneroso: Há a contraprestação salarial. Teoria Institucionalista: Esta teoria aceita a manifestação de vontades. III . 104 do CC A validade do negócio jurídico requer: I .agente capaz. Teoria Neocontratualista: Esta teoria considera a natureza jurídica do contrato de trabalho como contratual. O ato praticado pelo relativamente incapaz sem a devida assistência será anulável. II . ao mesmo tempo em que nega a manifestação de vontades. 104 do Código Civil. “O objeto de um negócio jurídico deverá estar em conformidade com a lei pois se ele estiver contrário à lei será ilícito e portanto nulo será o negócio jurídico celebrado www.com.CURSO ON-LINE – DIREITO DO TRABALHO (TEORIA E EXERCÍCIOS) PROFESSORA: DÉBORAH PAIVA ¾ Consensual: Nasce do livre consentimento das partes ¾ De trato sucessivo ou de débito permanente: A relação mantida entre o empregado e o empregador é contínua renova-se a cada período. possível.br 12 .4. determinado ou determinável. Assim. 4. Teoria Acontratualista: Esta teoria nega a natureza contratual. considerando a qual o empregado.Portanto. 104 do Código Civil.

br 13 . determinado ou determinável ao menos pelo gênero e quantidade.Na falta de acordo ou prova sobre condição essencial ao contrato verbal. 442 . A jurisprudência do TST (OJ 199 da SDI-I) considera-se nulo tal forma de prestação de serviços.com. abaixo transcritos: Art. O objeto além de ser lícito terá que ser possível. O reconhecimento de vínculo de emprego (contrato de trabalho) de um apontador de jogo de bicho com o tomador de seus serviços não é possível na justiça do trabalho por tratar-se de exercício de atividade ilícita.pontodosconcursos. www.A mudança na propriedade ou na estrutura jurídica da empresa não afetará os contratos de trabalho dos respectivos empregados. ARTS. esta se presume existente. OJ 199 SDI-1 TST JOGO DO BICHO.CURSO ON-LINE – DIREITO DO TRABALHO (TEORIA E EXERCÍCIOS) PROFESSORA: DÉBORAH PAIVA com tal objeto. Art. 82 E 145 DO CÓDIGO CIVIL A CLT traz os seguintes dispositivos legais referentes ao Contrato Individual de Trabalho. Art. como se a tivessem estatuído os interessados na conformidade dos preceitos jurídicos adequados à sua legitimidade. 444 . concordata ou dissolução da empresa. devido à ilicitude de seu objeto. não existe vínculo empregatício entre ela e seus associados. como por exemplo o contrato do atleta. Art. nem entre estes e os tomadores de serviços daquela.Contrato individual de trabalho é o acordo tácito ou expresso. No direito do trabalho. 448 . este objeto é contrário à lei pois o jogo do bicho é uma atividade ilícita. 447 . dentre outros. Art. a validade do contrato de trabalho não possui forma especial podendo ser escrito ou verbal.” (Maria Helena Diniz) O terceiro elemento de validade do negócio jurídico é a forma seja determinada por lei ou não proibida por ela. portanto nulo será tal negócio jurídico devido à ilicitude de seu objeto. Para fins de contratação. 442-A. em regra. Excepcionalmente alguns contratos deverão ser celebrados de forma escrita.As relações contratuais de trabalho podem ser objeto de livre estipulação das partes interessadas em tudo quanto não contravenha às disposições de proteção ao trabalho. 449 . Art. Parágrafo único . correspondente à relação de emprego. o empregador não exigirá do candidato a emprego comprovação de experiência prévia por tempo superior a 6 (seis) meses no mesmo tipo de atividade.Os direitos oriundos da existência do contrato de trabalho subsistirão em caso de falência. aos contratos coletivos que lhes sejam aplicáveis e às decisões das autoridades competentes. NULIDADE. do aprendiz.Qualquer que seja o ramo de atividade da sociedade cooperativa. Exemplificando podemos citar um negócio jurídico celebrado cujo objeto seja o jogo do bicho. CONTRATO DE TRABALHO. OBJETO ILÍCITO. do artista.

que não admite alterações no contrato de trabalho que importe em prejuízos diretos ou indiretos ao empregado. Art. a metade dos salários que seriam devidos ao empregado durante o interregno. desde que o empregador pague. da Constituição Federal. ou 30 (trinta).Na falência. 453 . Art. 450 . em que tiver trabalhado anteriormente na empresa. § 2º .Na aposentadoria espontânea de empregados das empresas públicas e sociedades de economia mista é permitida sua readmissão desde que atendidos os requisitos constantes do art.CURSO ON-LINE – DIREITO DO TRABALHO (TEORIA E EXERCÍCIOS) PROFESSORA: DÉBORAH PAIVA § 1º .Nos contratos de subempreitada responderá o subempreiteiro pelas obrigações derivadas do contrato de trabalho que celebrar. se mulher. 455 . Alteração do Contrato de trabalho: O art. 468 da CLT trata de um princípio já estudado por nós que é o princípio da inalterabilidade contratual lesiva. constituirão créditos privilegiados a totalidade dos salários devidos ao empregado e a totalidade das indenizações a que tiver direito.Havendo concordata na falência. interinamente. § 2º . bem como volta ao caso anterior.com.Ao empreiteiro principal fica ressalvada. nos termos da lei civil.O ato de concessão de benefício de aposentadoria a empregado que não tiver completado 35 (trinta e cinco) anos de serviço. importa em extinção do vínculo empregatício. www. recebido indenização legal ou se aposentado espontaneamente. 37. no mínimo. aos empregados. ou em substituição eventual ou temporária.À falta de prova ou inexistindo cláusula expressa a tal respeito. salvo se houver sido despedido por falta grave. mesmo que o empregado tenha concordado com tal alteração. 456 . Art. se homem. todavia. ainda que não contínuos. será facultado aos contratantes tornar sem efeito a rescisão do contrato de trabalho e conseqüente indenização. entender-se-á que o empregado se obrigou a todo e qualquer serviço compatível com a sua condição pessoal. ação regressiva contra o subempreiteiro e a retenção de importâncias a este devidas.6. para a garantia das obrigações previstas neste artigo.No tempo de serviço do empregado.Ao empregado chamado a ocupar. Parágrafo único . cargo diverso do que exercer na empresa serão garantidas a contagem do tempo naquele serviço. Art. em comissão. o direito de reclamação contra o empreiteiro principal pelo inadimplemento daquelas obrigações por parte do primeiro.A prova do contrato individual do trabalho será feita pelas anotações constantes da Carteira de Trabalho e Previdência Social ou por instrumento escrito e suprida por todos os meios permitidos em direito.pontodosconcursos. § 1º . cabendo. quando readmitido. XVI.br 14 . Parágrafo único . 4. serão computados os períodos. e condicionada à prestação de concurso público.

não obstante as restrições do artigo anterior. a transferência. Acontece que por ser o dono do empreendimento o empregador corre o risco do negócio e por isso tem o poder diretivo. Qualquer alteração prejudicial. O art. 469 da CLT . direta ou indiretamente. sem comprovação da necessidade do serviço § 2º .Em caso de necessidade de serviço o empregador poderá transferir o empregado para localidade diversa da que resultar do contrato. 468 da CLT Nos contratos individuais de trabalho só é lícita a alteração das respectivas condições por mútuo consentimento. nesse caso.Não se considera alteração unilateral a determinação do empregador para que o respectivo empregado reverta ao cargo efetivo. implícita ou explícita. não se considerando transferência a que não acarretar necessariamente a mudança do seu domicílio. 469 da CLT e também a supressão do adicional noturno quando o empregado for transferido para o período diurno de trabalho (Súmula 265 do TST). prejuízos ao empregado. anteriormente ocupado. mas. Trata-se do que a doutrina denomina de “Jus Variandi” do empregador. como exemplo podemos citar a mudança do local de prestação de serviços desde que observados os limites legais do art.É licita a transferência quando ocorrer extinção do estabelecimento em que trabalhar o empregado. enquanto durar essa situação. para localidade diversa da que resultar do contrato. a mudança de domicílio e a determinação pelo www. Art. 469 da CLT trata da transferência do empregado que possui como requisitos: a necessidade do serviço. 470 da CLT As despesas resultantes da transferência correrão por conta do empregador. ficará obrigado a um pagamento suplementar. podendo alterar algumas cláusulas contratuais de acordo com os interesses da empresa. devido a presunção relativa de que ocorreu coação na vontade manifestada pelo obreiro. § 1º . sob pena de nulidade da cláusula infringente desta garantia. nunca inferior a 25% (vinte e cinco por cento) dos salários que o empregado percebia naquela localidade. mesmo com a concordância do empregado será nula de pleno direito.CURSO ON-LINE – DIREITO DO TRABALHO (TEORIA E EXERCÍCIOS) PROFESSORA: DÉBORAH PAIVA Art. § 3º . Súmula 43 do TST Presume-se abusiva a transferência de que trata o § 1º do art. sem a sua anuência.br 15 . Parágrafo único .pontodosconcursos. deixando o exercício de função de confiança. e ainda assim desde que não resultem. quando esta decorra de real necessidade de serviço. pois há uma regra geral para que a alteração contratual seja válida que é o mútuo consenso acrescido da ausência de prejuízos ao empregado. É importante frisar que isto não significa que o empregador não poderá alterar o contrato de trabalho.Não estão compreendidos na proibição deste artigo os empregados que exerçam cargos de confiança e aqueles cujos contratos tenham como condição. 469 da CLT.Ao empregador é vedado transferir o empregado. Art.com.

que revoguem ou alterem vantagens deferidas anteriormente. mais importantes que tratam de alteração contratual. desde que haja o seu consentimento. Súmula 372 do TST I. 469. A transferência unilateralmente pelo empregador somente poderá ocorrer em casos de empregado que exerçam cargos de confiança. tem direito a suplemento salarial correspondente ao acréscimo da despesa de transporte. por ato unilateral do empregador.com. A transferência poderá ser provisória ou definitiva. A transferência definitiva poderá ser.br 16 . só atingirão os trabalhadores admitidos após a revogação ou alteração do regulamento. podendo ocorre com qualquer empregado da empresa.Percebida a gratificação de função por dez ou mais anos pelo empregado.pontodosconcursos. a opção do empregado por um deles tem efeito jurídico de renúncia às regras do sistema do outro. A transferência provisória é aquela que será devido o adicional de 25% ao obreiro. uma vez que não implica redução do valor da hora-aula. para ficar caracterizada a transferência. não constitui alteração contratual. ainda unilateral nas hipóteses dos parágrafos 1º e 2º da CLT. Súmula 51 do TST I . parágrafo 3º da CLT. 469.CURSO ON-LINE – DIREITO DO TRABALHO (TEORIA E EXERCÍCIOS) PROFESSORA: DÉBORAH PAIVA empregador. II . nos termos do art. A www. E poderá ocorrer de forma unilateral. caput da CLT). sem justo motivo. mas deverá ser comprovada a real necessidade do serviço. em virtude da diminuição do número de alunos. O pressuposto legal apto a legitimar a percepção do mencionado adicional é a transferência provisória. ela terá que acarretar necessariamente a mudança de domicílio e de município. Portanto. A transferência bilateral ocorrerá por mútuo consentimento entre empregado e empregador e será definitiva (art. transferência poderá ser unilateral ou bilateral. para local mais distante de sua residência.Havendo a coexistência de dois regulamentos da empresa. não poderá retirar-lhe a gratificação tendo em vista o princípio da estabilidade financeira. revertê-lo a seu cargo efetivo. empregados cujo contrato tenha a previsão implícita ou explícita de transferência e em caso d e extinção do estabelecimento. OJ 244 da SDI. OJ 113 da SDI. devendo ocorrer a real necessidade e não dependendo de anuência do empregado. gostaria de pedir a vocês para lerem com muita atenção e caso tenham dúvidas estarei a disposição de vocês no fórum para explicar o teor das Súmulas. pois assim as explicações ficaram mais dirigidas ao perfil de cada um. se o empregador.1 do TST O fato de o empregado exercer cargo de confiança ou a existência de previsão de transferência no contrato de trabalho não exclui o direito ao adicional.As cláusulas regulamentares. Qualquer empregado da empresa poderá ser transferido provisoriamente. Súmula 29 do TST Empregado transferido. A seguir apresento as Súmulas e Orientações Jurisprudenciais do TST.1 do TST A redução da carga horária do professor.

811/1972. 3.Licença-paternidade de 5 dias. Os efeitos que estou falando são as obrigações do empregador de pagar o salário.Licença-maternidade de 120 dias. Suspensão e Interrupção do Contrato de Trabalho: Há situações no contrato de trabalho em que os efeitos ficarão sobrestados e em outras.Greve (art. ¾ Hipóteses de interrupção do contrato de trabalho: 1.CURSO ON-LINE – DIREITO DO TRABALHO (TEORIA E EXERCÍCIOS) PROFESSORA: DÉBORAH PAIVA Súmula 391 do TST I .Até dois dias consecutivos em caso de falecimento do cônjuge.No período do tempo em que tiver de cumprir as exigências do serviço militar.O empregado eleito para o cargo de dirigente sindical (Art. 7. 14.br 17 . Todas as licenças. Já na suspensão do contrato de trabalho o empregado não prestará o trabalho e nem o empregador lhe pagará os salários. para o fim de se alistar como eleitor.Durante a prestação do serviço militar obrigatório.Feriados. 6. diminuídos no contrato de trabalho. possibilitando a mudança do regime de revezamento para horário fixo. Encargos públicos específicos. 4. 3. 11. 8. 10 da Lei nº 5.A previsão contida no art.Pelo tempo que se fizer necessário quando tiver que comparecer a juízo. 9.Empregado membro da Comissão de conciliação prévia quando como conciliador sempre que for convocado. II .A Lei nº 5.Acidente de trabalho ou doença nos primeiros 15 dias. nos termos da lei respectiva. Porém caso haja instrumento normativo estabelecendo que o empregador pagará a remuneração estaremos diante de uma interrupção do contrato de trabalho. 12.Nos dias em que estiver comprovadamente realizando provas de exame vestibular para ingresso em estabelecimento de ensino superior. 4. da CF/1988.Até dois dias. 2. 10. constitui alteração lícita. VI. descendente.Licença remunerada em caso de aborto não criminoso de duas semanas. 5.811/1972 foi recepcionada pela CF/88 no que se refere à duração da jornada de trabalho em regime de revezamento dos petroleiros. 468 da CLT e 7º.783/89). ¾ Hipóteses de suspensão do contrato de trabalho 1. ascendente.Acidente de trabalho ou doença após o 15º dia.7. bem como as obrigações do empregado de prestar trabalho. 545 § 2º CLT). viva sob sua dependência econômica. 7º da lei 7. 16.pontodosconcursos.com. não violando os arts. 4. atuando www.Até três dias consecutivos em virtude de casamento. declarada em sua CTPS. 2. 15.remuneradas em geral.Repouso semanal remunerado. 13. irmão ou pessoa que.Por um dia em cada 12 meses de trabalho no caso de doação voluntária de sangue devidamente comprovada. Considera-se interrupção do contrato de trabalho quando o empregado não prestar o trabalho e o empregador lhe pagar os salários. consecutivos ou não.

O afastamento do empregado em virtude das exigências do serviço militar.O empregado eleito diretor de S. perdendo inclusive o repouso semanal remunerado. 10. Art. contados da data em que se verificar a respectiva baixa ou a terminação do encargo a que estava obrigado. 9.CURSO ON-LINE – DIREITO DO TRABALHO (TEORIA E EXERCÍCIOS) PROFESSORA: DÉBORAH PAIVA 5. § 1º . 12.A. é indispensável que notifique o empregador dessa intenção. 472 . se assim acordarem as partes interessadas. § 2º .Afastamento do empregado para participar de curso de qualificação profissional pelo período de 2 a 5 meses (476-A da CLT). 471 . 8. 492 CLT) podendo o empregado ser suspenso das suas funções quando a falta grave for apurada em inquérito (art.Ocorrendo motivo relevante de interesse para a segurança nacional. § 3º . Terá o seu contrato de trabalho suspenso. 475 CLT).O empregado estável somente poderá ser dispensado caso cometa falta grave (art.Nos contratos por prazo determinado.Qualquer espécie de licença não-remunerada.pontodosconcursos.br 18 . 474 da CLT.O afastamento do empregado para o exercício de cargos públicos. o tempo de afastamento. em sua ausência. todas as vantagens que. em representação fundamentada www. exceto se permanecer a subordinação jurídica inerente à relação de emprego (S. sem que se configure a suspensão do contrato de trabalho.Para que o empregado tenha direito a voltar a exercer o cargo do qual se afastou em virtude de exigências do serviço militar ou de encargo público. 6.As faltas injustificadas ao serviço são hipótese de suspensão do CT pois o empregado não receberá salário daqueles dias. Ressalta-se que não poderá passar de 30 dias sob pena de considerar-se rescisão injusta do contrato de trabalho.Aposentadoria por invalidez (art. Pela lei da previdência social o prazo máximo para esta suspensão é de cinco anos. 11. Os dispositivos legais consolidados que tratam da alteração contratual são os abaixo elencados: Art.O afastamento a que se refere o parágrafo anterior será solicitado pela autoridade competente diretamente ao empregador. facultado ao empregador o direito de indenizá-lo por rescisão do contrato de trabalho. são asseguradas. poderá a autoridade competente solicitar o afastamento do empregado do serviço ou do local de trabalho. tenham sido atribuídas à categoria a que pertencia na empresa.com. não será computado na contagem do prazo para a respectiva terminação. por ocasião de sua volta. não constituirá motivo para alteração ou rescisão do contrato de trabalho por parte do empregador. Dentro destes cinco anos caso o empregado recupere a sua capacidade de trabalho e a sua aposentadoria sendo cancelada a ele será assegurado o direito à função que ocupava antes da aposentadoria.269 TST). dentro do prazo máximo de 30 (trinta) dias. por telegrama ou carta registrada.Afastamento do empregado em caso de prisão. 13. § 4º . 7. 494 c/c 853 da CLT). ou de outro encargo público.Suspensão disciplinar prevista no art.Ao empregado afastado do emprego.

IV . § 5º .O empregado que for aposentado por invalidez terá suspenso o seu contrato de trabalho durante o prazo fixado pelas leis de previdência social para a efetivação do benefício. ser-lhe-á assegurado o direito à função que ocupava ao tempo da aposentadoria.O empregado poderá deixar de comparecer ao serviço sem prejuízo do salário: Súmula 89 I .Recuperando o empregado a capacidade de trabalho e sendo a aposentadoria cancelada. quando. o direito de indenizá-lo por rescisão www. III .pelo tempo que se fizer necessário.no período de tempo em que tiver de cumprir as exigências do Serviço Militar referidas na letra c do art.AUSÊNCIA AO SERVIÇO. estiver participando de reunião oficial de organismo internacional do qual o Brasil seja membro. viva sob sua dependência econômica.Durante os primeiros 90 (noventa) dias desse afastamento. que providenciará desde logo a instauração do competente inquérito administrativo.por 1 (um) dia. Art. 475 .nos dias em que estiver comprovadamente realizando exame vestibular para ingresso em estabelecimento de ensino superior. declarada em sua Carteira de Trabalho e Previdência Social. porém. na qualidade de representante de entidade sindical. irmão ou pessoa que. em caso de falecimento do cônjuge. § 1º . IX . em virtude de casamento. no decorrer da primeira semana. em caso de doação voluntária de sangue devidamente comprovada. descendente. As horas em que o empregado faltar ao serviço para comparecimento necessário. facultado. nos termos da lei respectiva. quando tiver que comparecer a juízo.até 2 (dois) dias consecutivos ou não. Art. Art.A suspensão do empregado por mais de 30 (trinta) dias consecutivos importa na rescisão injusta do contrato de trabalho. provas de VIII . como parte.375.pelo tempo que se fizer necessário.até 3 (três) dias consecutivos.CURSO ON-LINE – DIREITO DO TRABALHO (TEORIA E EXERCÍCIOS) PROFESSORA: DÉBORAH PAIVA com audiência da Procuradoria Regional do Trabalho. em caso de nascimento de filho.por 1 (um) dia. 473 . de 17 de agosto de 1964 (Lei do Serviço Militar). em cada 12 (doze) meses de trabalho. II . à Justiça do Trabalho não serão descontadas de seus salários. 65 da Lei nº 4. VI . . para o fim de se alistar eleitor. VII . o empregado continuará percebendo sua remuneração. Súmula 155 do TST . 474 .pontodosconcursos.até 2 (dois) dias consecutivos.br 19 . ascendente.com. ao empregador.

por um período de dois a cinco meses. durante o prazo desse benefício. só se concretizam os efeitos da dispensa depois de expirado o benefício previdenciário. porém. 476 . o empregado fará jus aos benefícios voluntariamente concedidos pelo empregador. § 2º . 471 desta Consolidação. além das parcelas indenizatórias previstas na legislação em vigor.Se ocorrer a dispensa do empregado no transcurso do período de suspensão contratual ou nos três meses subseqüentes ao seu retorno ao trabalho. todavia. facultado. no mínimo. ao empregador. pela concessão do aviso prévio indenizado. o trabalhador terá direito de retornar ao emprego. Súmula 371 do TST A projeção do contrato de trabalho para o futuro.com. com este. Art. observado o disposto no art. com valor a ser definido em convenção ou acordo coletivo. quando a indenização deverá ser paga na forma do art. § 4º . § 2º . o empregador deverá notificar o respectivo sindicato. tem efeitos limitados às vantagens econômicas obtidas no período de pré-aviso.pontodosconcursos. desde que tenha havido ciência inequívoca da interinidade ao ser celebrado o contrato. No caso de concessão de auxílio-doença no curso do aviso prévio.Se o empregador houver admitido substituto para o aposentado. salvo na hipótese de ser ele portador de estabilidade. cem por cento sobre o valor da última remuneração mensal anterior à suspensão do contrato. indenizá-lo na forma da lei.APOSENTADORIA POR INVALIDEZ .Em caso de seguro-doença ou auxílio-enfermidade.Se durante a suspensão do contrato não for ministrado o curso ou programa de qualificação profissional.Durante o período de suspensão contratual para participação em curso ou programa de qualificação profissional. 497. o respectivo contrato de trabalho sem indenização. poderá rescindir. § 6º . sem natureza salarial. www. nos termos dos arts.O empregador poderá conceder ao empregado ajuda compensatória mensal. com duração equivalente à suspensão contratual. para participação do empregado em curso ou programa de qualificação profissional oferecido pelo empregador.Após a autorização concedida por intermédio de convenção ou acordo coletivo.br 20 . 476-A . mediante previsão em convenção ou acordo coletivo de trabalho e aquiescência formal do empregado. com antecedência mínima de quinze dias da suspensão contratual.CURSO ON-LINE – DIREITO DO TRABALHO (TEORIA E EXERCÍCIOS) PROFESSORA: DÉBORAH PAIVA do contrato de trabalho. o empregado é considerado em licença não remunerada. reflexos e verbas rescisórias. Súmula 160 do TST . 477 e 478. ou o empregado permanecer trabalhando para o empregador. multa a ser estabelecida em convenção ou acordo coletivo. § 3º . o empregador pagará ao empregado. § 5º . sendo de.O contrato de trabalho não poderá ser suspenso em conformidade com o disposto no caput deste artigo mais de uma vez no período de dezesseis meses. ou seja. durante o período de suspensão contratual nos termos do caput deste artigo. mesmo após cinco anos.O contrato de trabalho poderá ser suspenso. salários. § 1º .Cancelada a aposentadoria por invalidez. Art.

Encargos públicos específicos.269 TST). descendente. exceto se permanecer a subordinação jurídica inerente à relação de emprego (S. Licença-paternidade. O afastamento do empregado para o exercício de cargos públicos. Lembrando que na interrupção do contrato de trabalho o empregado não prestará trabalho e o empregador pagará o salário. sujeitando o empregador ao pagamento imediato dos salários e dos encargos sociais referentes ao período.br 21 . Licença remunerada em caso de aborto não criminoso. Repouso semanal remunerado e Feriados. Até dois dias consecutivos em caso de falecimento do cônjuge. Acidente de trabalho ou doença nos primeiros 15 dias.783/89). Quadro esquemático: Abaixo apresento um quadro esquemático com as principais formas de interrupção e as formas de suspensão do contrato de trabalho. Afastamento do empregado em caso de No período do tempo em que tiver de cumprir as exigências do serviço militar. ascendente. Já na suspensão do contrato de trabalho o empregado não presta trabalho e o empregador não paga salário. no respectivo período. O empregado eleito diretor de S. 474 da CLT. às penalidades cabíveis previstas na legislação em vigor.O prazo limite fixado no caput poderá ser prorrogado mediante convenção ou acordo coletivo de trabalho e aquiescência formal do empregado. O empregado eleito para o cargo de dirigente sindical (Art. irmão ou pessoa que. Qualquer espécie de licença não.pontodosconcursos. declarada em sua CTPS. As faltas injustificadas ao serviço Afastamento do empregado para participar de curso de qualificação profissional (476-A da CLT). Greve (art.A. Hipóteses de suspensão Acidente de trabalho ou doença após o 15º dia. Porém caso haja instrumento normativo estabelecendo que o empregador pagará a remuneração estaremos diante de uma interrupção do contrato de trabalho.remunerada. viva sob sua dependência econômica. Durante a prestação do serviço militar obrigatório. Até três dias consecutivos em virtude de casamento.CURSO ON-LINE – DIREITO DO TRABALHO (TEORIA E EXERCÍCIOS) PROFESSORA: DÉBORAH PAIVA ficará descaracterizada a suspensão.com. Suspensão disciplinar prevista no art. Hipóteses de interrupção Licença-maternidade. desde que o empregador arque com o ônus correspondente ao valor da bolsa de qualificação profissional. bem como às sanções previstas em convenção ou acordo coletivo. Por um dia em cada 12 meses de trabalho www. Terá o seu contrato de trabalho suspenso. § 7º . 7º da lei 7. 545 § 2º CLT). Empregado membro da Comissão de conciliação prévia quando atuando como conciliador sempre que for convocado.

.. do preceito que mais favoreça o trabalhador... consagrado na Constituição Federal..............com. O fenômeno da flexibilização na aplicação das normas legais trabalhistas mitiga o princípio da irrenunciabilidade e permite que. por motivo de sexo.... ajustadas em contrato ou em regulamento da empresa..... nos termos da lei respectiva.... Aposentadoria CLT)... que determina a prevalência das condições mais vantajosas ao trabalhador. respectivamente de oito e quarenta e quatro horas.... Nos dias em que estiver comprovadamente realizando provas de exame vestibular para ingresso em estabelecimento de ensino superior.. Pelo tempo que se fizer necessário quando tiver que comparecer a juízo.... peço a vocês para tentarem resolver as questões sem olhar o gabarito para que nós possamos avaliar a absorção dos conhecimentos e as eventuais dificuldades que possam surgir na resolução de questões da banca ESAF.. cor ou estado civil. Dentro dessa perspectiva. IV.... para o fim de se alistar como eleitor. 4. Agora selecionei vários exercícios com foco na banca ESAF... . III. Revisional em exercícios: 1. 492 CLT)....... independentemente da sua posição na escala hierárquica.......... II..... consecutivos ou não.......8.. alguns preceitos contidos na Consolidação das Leis do Trabalho não sejam aplicados. prisão.. tem validade convenção coletiva que preveja a supressão do intervalo intrajornada para os trabalhadores. O princípio da não-discriminação..... 475 O empregado estável somente poderá ser dispensado caso cometa falta grave (art. I... por convenção coletiva de trabalho.. www....... idade. É também vedada a discriminação no tocante ao salário e critérios de admissão do portador de deficiência física. Como trata-se de um revisional de toda a matéria até aqui abordada. em cada uma das normas objeto de comparação.. informa o princípio da norma mais favorável que poderá ser aplicada aquela que for mais benéfica ao trabalhador. é possível afirmar que. de acordo com entendimento prevalente no âmbito do Tribunal Superior do Trabalho...... Quaisquer dúvidas em relação aos dispositivos legais abaixo transcritos estarei a disposição de vocês no fórum.........br 22 ... Até dois dias. de exercício de funções e de salário. Do princípio protetor emana o princípio da condição mais benéfica.. uma vez respeitadas as jornadas diária e semanal.. Havendo duas ou mais normas passíveis de aplicação.pontodosconcursos. caracterizando-se pela seleção. por invalidez (art... A teoria do conglobamento orgânico ou por instituto constitui um dos critérios para identificação da norma mais favorável.. (ESAF.. principalmente para que nós possamos nos acostumar com o perfil e entendimentos dela em relação a alguns institutos. à luz do dispositivo constitucional...TRT 7ª Região – 2005) Examine as proposições abaixo e assinale a opção correta. proíbe diferença de critérios de admissão...CURSO ON-LINE – DIREITO DO TRABALHO (TEORIA E EXERCÍCIOS) PROFESSORA: DÉBORAH PAIVA no caso de doação voluntária de sangue devidamente comprovada..... salvo quando sobrevier norma jurídica imperativa prescrevendo menor nível de proteção e que com esta não sejam elas incompatíveis....Juiz do Trabalho Substituto .....

propiciando a sua incorporação ao organismo empresarial. c) Somente a proposição IV é verdadeira. 7º XXII da CRFB/88).br 23 . Deflui. d) Somente as proposições I e II são verdadeiras. Súmula 212 do TST O ônus de provar o término do contrato de trabalho.Incorreta. é do empregador. com a respectiva indenização. do citado princípio. b) Após os 15 (quinze) primeiros dias de afastamento do trabalhador por motivo de doença.Incorreta. pautado na concepção de que a permanência do vínculo constitui fator de segurança econômica do trabalhador. desde que ocorra dentro do prazo de cinco anos. pois princípio da continuidade da relação de emprego constitui presunção favorável ao empregado.71 da CLT e art. presunção favorável ao empregador. 2. garantido por norma de ordem pública (art. o trabalhador tem direito de retornar ao emprego. a) Todas as proposições são verdadeiras. quando negados a prestação de serviço e o despedimento. não se computando o tempo de serviço enquanto perdurar o exercício correspondente. Comentários: Letra C I. b) Todas as proposições são falsas. IV.Incorreta. (ESAF – SEFAZ/CE – 2006) Sobre as causas de suspensão e interrupção do contrato de trabalho.com. marque a opção correta.quando. O princípio da continuidade da relação de emprego objetiva a proteção do empregado. pois a OJ 342 da DDI-1 do TST não permite tal alteração.Correta. III e IV são verdadeiras. pois é presunção favorável ao empregado. não podendo ocorrer a fragmentação das mesmas. a interrupção se transforma em suspensão do contrato de trabalho. II. V. porque a teoria do conglobamento dispõe que deverá aferir a norma mais benéfica em seu conjunto. à luz da jurisprudência uniforme do Tribunal Superior do Trabalho. como não se exige a prestação de serviços do trabalhador. e) Somente as proposições I. saúde e segurança do trabalho. OJ 342 SDI-1 do TST É inválida a cláusula de acordo ou convenção coletiva de trabalho contemplando a supressão ou redução do intervalo intrajornada porque este constitui medida de higiene.Incorreta. III.CURSO ON-LINE – DIREITO DO TRABALHO (TEORIA E EXERCÍCIOS) PROFESSORA: DÉBORAH PAIVA V.pontodosconcursos. há que se provar o término do contrato de trabalho e são negados a prestação de serviços e o despedimento. que é causa de suspensão do contrato de trabalho. Comentários: Letra B o www. a) Cancelada a aposentadoria por invalidez. e) É vedado ao empregador aplicar suspensão por prazo superior a 30 (trinta) dias porque isso importaria em despedida por justa causa do empregado. inexiste a contrapartida salarial por parte do empregador. pois não poderá norma jurídica prever menor proteção e prevalecer sobre as condições estabelecidas em contrato ou regulamento da empresa. d) Quando há suspensão ou interrupção do contrato de trabalho. c) O empregado eleito para ocupar cargo de diretor tem o respectivo contrato de trabalho interrompido. em juízo.

sendo assim. Súmula 269 do TST O empregado eleito para ocupar cargo de diretor tem o respectivo contrato de trabalho suspenso. Mário.com. 4. b) O trabalhador urbano tem o prazo de dois anos. porque na hipótese de interrupção do contrato o pagamento dos salários e o empregado não prestará os serviços. para ajuizar reclamatória trabalhista. d) O FGTS. de Mandados/TRT 7ª Reg. Após o período de entrevistas foram selecionados para a contratação João. c) Incorreta. Douglas com treze anos de idade. Comentários: Letra A. porque o art. apenas. é aplicável o prazo geral de dois anos para as reivindicações pertinentes ao contrato de trabalho. -2009) A empresa X pretende contratar aprendizes e.br 24 . Débora e Mário. O prazo de 30 dias para o ajuizamento do inquérito judicial para apurar falta grave do empregado estável é decadencial. facultado. porém.Analista Judic. mesmo após cinco anos. com vinte e um anos de idade. entre as proposições abaixo. está entrevistando diversas pessoas. salvo se permanecer a subordinação jurídica inerente à relação de emprego. indenizá-lo na forma da lei. Os demais prazos estipulados nas assertivas são prazos prescricionais. com dezesseis anos de idade. d) há Incorreta. o trabalhador terá direito de retornar ao emprego. (FCC. (ESAF – SEFAZ/CE – 2006) Assinale. Ressalto que na nossa 12ª aula aprofundaremos no estudo dos institutos da prescrição e da decadência. A suspensão ocorrerá a partir do 16º dia do afastamento do empregado. a) O empregador tem o prazo de 30 (trinta) dias para instauração de inquérito judicial para apuração de falta grave de empregado estável. Mário e Maria. por força de legislação especial.Cancelada a aposentadoria por invalidez.pontodosconcursos. 474 da CLT permite esta suspensão por até 30 dias. www. com dezoito anos de idade e Maria. com vinte e três anos de idade. e) É de dois anos o prazo para reivindicar parcelas decorrentes e previstas em sentença normativa.CURSO ON-LINE – DIREITO DO TRABALHO (TEORIA E EXERCÍCIOS) PROFESSORA: DÉBORAH PAIVA a) Incorreta. c) À falta de previsão explícita que abarque a categoria dos domésticos. aquela que expressa prazo de natureza decadencial no Direito do Trabalho. Neste caso. dentre os selecionados. não se computando o tempo de serviço desse período. b) Correta. Exec. com vinte e dois anos de idade. Débora. 3. após a extinção do contrato de trabalho. de acordo com a Consolidação das Leis do Trabalho. de trabalho e) Incorreta. apenas. A Súmula 160 do TST fala “mesmo após os cinco anos” e não dentro do prazo de cinco anos. ao empregador. com relação à idade. (B) Douglas. contados da suspensão deste último. Súmula 160 do TST . poderão ser contratados como aprendizes (A) Débora. Paulo.APOSENTADORIA POR INVALIDEZ . designa prazo diferenciado de 30 (trinta) anos para reclamação em juízo. A Súmula 269 do TST diz que o empregado eleito para ocupar o cargo de diretor terá o contrato de trabalho suspenso.

§ 4º A formação técnico-profissional a que se refere o caput deste artigo caracteriza-se por atividades teóricas e práticas. Paulo. O contrato de aprendizagem não poderá ser estipulado por mais de 2 (dois) anos. (NR) § 7º. salvo o portador de deficiência que não terá o limite máximo de 24 anos. Art. moral e psicológico. será garantido o salário mínimo hora. Débora. Débora.pontodosconcursos. ajustado por escrito e por prazo determinado. assinale a opção correta.Ao menor aprendiz. a) O trabalhador que se filia por livre e espontânea vontade a uma cooperativa de mão-de-obra não pode ser considerado empregado. João. Mário e Maria poderão celebrar um contrato de aprendizagem. a comprovação da escolaridade de aprendiz portador de deficiência mental deve considerar. sobretudo. 5. Paulo. caso não haja concluído o ensino médio.com. § 2º . Sendo assim. em que o empregador se compromete a assegurar ao maior de 14 (quatorze) e menor de 24 (vinte e quatro) anos inscrito em programa de aprendizagem formação técnico.profissional metódica. Mário e Maria.br 25 . apenas. e o aprendiz. salvo condição mais favorável. matrícula e freqüência do aprendiz na escola. § 5º A idade máxima prevista no caput deste artigo não se aplica a aprendizes portadores de deficiência. as habilidades e competências relacionadas com a profissionalização. apenas. a contratação do aprendiz poderá ocorrer sem a freqüência à escola. Comentários: Letra D A idade mínima para que se possa celebrar um contrato de aprendizagem é de 14 anos de idade e a idade máxima é de 24 anos. ainda que preste serviços pessoais www. (D) João. exceto quando se tratar de aprendiz portador de deficiência. (E) todos os candidatos. (ESAF. A validade do contrato de aprendizagem pressupõe anotação na Carteira de Trabalho e Previdência Social. desde que ele já tenha concluído o ensino fundamental. § 1º. Nas localidades onde não houver oferta de ensino médio para o cumprimento do disposto no § 1º deste artigo.CURSO ON-LINE – DIREITO DO TRABALHO (TEORIA E EXERCÍCIOS) PROFESSORA: DÉBORAH PAIVA (C) Débora e Mário.Técnico . § 6º Para os fins do contrato de aprendizagem. 428 da CLT Contrato de aprendizagem é o contrato de trabalho especial. compatível com o seu desenvolvimento físico.MPU – 2004) A propósito dos sujeitos da relação de emprego. e inscrição em programa de aprendizagem desenvolvido sob orientação de entidade qualificada em formação técnico-profissional metódica. metodicamente organizadas em tarefas de complexidade progressiva desenvolvidas no ambiente de trabalho. § 3º. a executar com zelo e diligência as tarefas necessárias a essa formação.

Comentários: E a) Incorreta. por eventuais débitos trabalhistas inadimplidos pelo empregador principal. c) Incorreta. b) Implica em alteração contratual vedada por lei. porque este trabalhador será considerado autônomo pois corre o risco do negócio e não está subordinado à clínica. modificação feita no regimento interno da empresa. com habitualidade. quando prestados com pessoalidade e subordinação jurídica. c) O tomador de serviços terceirizados. onerosidade e subordinação jurídica a um mesmo tomador de seus serviços. prestando os seus serviços com autonomia.CURSO ON-LINE – DIREITO DO TRABALHO (TEORIA E EXERCÍCIOS) PROFESSORA: DÉBORAH PAIVA com habitualidade.pontodosconcursos. 6. o vínculo irá formar-se com o tomador. desde que se observe o prazo final máximo equivalente ao quinto dia útil do mês subseqüente ao vencido.br 26 . para fins de promoção. c) É inválida cláusula prevista em regulamento de empresa que prevê. caso se demita antes de decorridos 24 meses. a) A transferência para o período diurno de trabalho implica a perda do direito ao adicional noturno.com. em norma destinada a aferir o mérito do empregado. subordinação jurídica e onerosidade deve ser considerado empregado. (ESAF – SEFAZ/CE – 2006) Assinale a opção incorreta. porque o trabalho voluntário poderá ser considerado empregado quando receber alguma forma de ajuda que não seja apenas de natureza indenizatória de despesas com locomoção e alimentação. mesmo que este ainda não tenha preenchido os requisitos anteriormente exigidos. sendo responsável. em caso de transferência definitiva.deve ser considerado empregador subsidiário dos trabalhadores. que o empregado restitua o valor percebido a título de ajuda de custo. (Súmula 331 do TST) d) Incorreta. Comentários: Letra B a) Correta. ainda que tenha firmado contrato revelando a condição de autônomo. (Súmula 265 do TST) Súmula 265 do TST A transferência para o período diurno de trabalho implica a perda do direito ao adicional noturno. porque devido ao princípio da primazia da realidade quando a cooperativa for fraudulenta e o trabalhador prestar os seus serviços de com a presença de todos os requisitos da relação de emprego. d) O trabalhador que presta serviços voluntários a determinada instituição de beneficência. b) Incorreta. poderá ser feita alteração da data de pagamento do salário pelo empregador. deve ser considerado empregado. b) O trabalhador contratado por uma clínica médica para a execução de serviços certos e específicos de marcenaria e que conta com o auxílio de até dois outros trabalhadores. porque neste caso o vínculo irá formar-se diretamente com ele. nessa condição. em nenhuma hipótese poderá ser considerado empregado. uma vez que devemos considerar a existência de vínculo de emprego quando estiverem presentes todos os requisitos da relação de emprego. d) Se não houver expressa previsão no contrato ou em instrumento coletivo de trabalho. e) É lícita a transferência do empregado. quando ocorrer extinção do estabelecimento em que o mesmo trabalhava. e) O corretor de seguros que presta serviços pessoais. recebendo auxílio financeiro mensal. por ele próprio remunerados. e) Correta. www.

(ESAF. uma resposta normativa para qualquer caso concreto. Exemplo típico de exceção a esse princípio é a possibilidade de aplicação das normas brasileiras de proteção ao trabalho aos empregados contratados por empresa prestadora de serviços de engenharia. por analogia. 469 da CLT . ainda.V b) F .V e) F . mas sempre de maneira que nenhum interesse de classe ou particular prevaleça sobre o interesse público.V d) V .pontodosconcursos. IV. o direito comparado. elegeu a jurisprudência como uma das fontes integrativas. Os dispositivos constantes dos regulamentos de empresa também constituem hipótese de aderência plena.Correta.V . § 2º . II.As convenções e acordos coletivos de trabalho constituem. III.É licita a transferência quando ocorrer extinção do estabelecimento em que trabalhar o empregado.V Comentários: Letra D I.br 27 . 469 da CLT) Art. 7.F . segundo o qual a ordem jurídica sempre terá. (OJ 159 da SDI. na falta de disposições legais ou contratuais. na medida em que passam a integrar o contrato de trabalho e a sua alteração só poderá ocorrer quando não importar em prejuízo ao empregado. c) Correta. para localidade diversa da que resultar do contrato. É possível afirmar que a Consolidação das Leis do Trabalho. e. ao versar sobre esse tema. de acordo com os usos e costumes.CURSO ON-LINE – DIREITO DO TRABALHO (TEORIA E EXERCÍCIOS) PROFESSORA: DÉBORAH PAIVA b) Incorreta.O processo de integração do Direito atende ao princípio da plenitude da ordem jurídica. as cláusulas contratuais constituem hipótese de aderência plena.Ao empregador é vedado transferir o empregado. www. d) Correta. conforme o caso. por eqüidade e outros princípios e normas gerais de direito.1 do TST) E) Correta.V . necessariamente. sediada no Brasil.Em harmonia com o princípio da aderência contratual.F . (art. convenção ou contrato coletivo de trabalho. sem a sua anuência. enquanto que as normas jurídicas representam hipótese de aderência relativa. decidirão.V . conforme sejam verdadeiras (V) ou falsas (F) e assinale a opção correta.V .V c) V . para trabalharem no exterior. modalidade de aderência limitada por revogação. I.F . (art. 8º da CLT) Artigo 8º da CLT As autoridades administrativas e a Justiça do Trabalho. pode-se afirmar que o princípio da territorialidade não é absoluto.TRT 7ª Região – 2005) Analise as proposições abaixo.F . principalmente do direito do trabalho.Na aplicação do Direito do Trabalho no espaço.F . os dispositivos constantes das convenções e acordos coletivos integram o contrato individual do trabalho e só poderão ser reduzidos ou suprimidos por posterior acordo. não se considerando transferência a que não acarretar necessariamente a mudança do seu domicílio.F .Juiz do Trabalho Substituto . pela jurisprudência. a) V . à luz da jurisprudência do Tribunal Superior do Trabalho.isto é.com.

O direito comum será fonte subsidiária do direito do trabalho.Juiz do Trabalho Substituto . naquilo em que não for incompatível com os princípios fundamentais deste. na relação de emprego. de forma definitiva. há que ser avaliada sob a óptica do prestador dos serviços. só atingirão os trabalhadores admitidos após a revogação ou alteração do regulamento. Em tal circunstância.pontodosconcursos.TRT 7ª Região – 2005) Analise as proposições a seguir e assinale a opção correta.Havendo a coexistência de regulamentos da empresa. Súmula 277 do TST As condições de trabalho alcançadas por força de sentença normativa. b) Todas são verdadeiras. a finalidade atribuída à realização de determinado serviço. que revoguem ou alterem vantagens deferidas anteriormente. II. III. d) Todas são verdadeiras. III. contratos. IV. Havendo prestação laboral intermitente. afigura-se relevante investigar a real intenção das partes. especialmente do trabalhador.CURSO ON-LINE – DIREITO DO TRABALHO (TEORIA E EXERCÍCIOS) PROFESSORA: DÉBORAH PAIVA Parágrafo único .br 28 . IV. exceto a quarta e a quinta. A onerosidade. essa subordinação é avaliada sob uma perspectiva objetiva. e) Todas são verdadeiras. estará reconhecida a existência de eventualidade. V. para caracterização da relação de emprego. exceto a terceira. 8. (ESAF. Comentários: Letra A dois os www. para verificar se a onerosidade que permeou o vínculo objetivou a percepção de contraprestação. II . é qualificado como sendo uma subordinação jurídica. I. Somente a pessoa natural pode ocupar o espaço reservado ao prestador do serviço na relação de emprego. possui relevância.Correta.Falsa. Súmula 51 do TST I . Sabe-se que um dos elementos caracterizadores da relação de emprego responde pela não-eventualidade na prestação dos serviços. II.As cláusulas regulamentares. Pela doutrina atual. exceto a primeira. a opção do empregado por um deles tem efeito jurídico de renúncia às regras do sistema do outro. atuando sobre o modo da realização da prestação e não sobre a pessoa do prestador de serviços. não integrando. mas permanente. a não-eventualidade. Súmula 207 do TST A relação jurídica trabalhista é regida pelas leis vigentes no país da prestação de serviço e não por aquelas do local da contratação. exceto a primeira e a segunda.com. O vínculo subordinante que se estabelece entre o prestador de serviços e seu tomador. c) Todas são verdadeiras. sendo essencial à configuração dessa relação jurídica que a prestação de serviços tenha um caráter de infungibilidade em relação à aludida pessoa. a) Todas são verdadeiras. enquanto requisito imprescindível à configuração da relação de emprego. Presentes a pessoalidade. obstando a formação do vínculo de emprego.Correta. a onerosidadee a subordinação jurídica. vigoram no prazo assinado. exceto a segunda.

o empregador poderá reduzir os salários dos seus empregados. desde que referida redução não seja superior a 25% do salário nominal do trabalhador e seja observado o salário mínimo. a) Apenas a primeira proposição é falsa. e) São falsas a primeira e a última.Correta. as atividades da empresa por morte do empregador. (ESAF. integrem grupo econômico ou financeiro rural.IV. 503 da CLT está tacitamente derrogado. ao tempo em que consagra a solidariedade passiva www. com exclusividade. I.Incorreta. cujo reconhecimento não demanda necessariamente a presença das modalidades jurídicas típicas do Direito Econômico ou Comercial.CURSO ON-LINE – DIREITO DO TRABALHO (TEORIA E EXERCÍCIOS) PROFESSORA: DÉBORAH PAIVA I. III. III. II. sendo verdadeira a segunda. serão responsáveis solidariamente nas obrigações decorrentes da relação de emprego.Juiz do Trabalho Substituto . porém.br 29 . b) Todas as proposições são falsas. compreensão que enaltece a proteção conferida ao empregado na relação jurídica estabelecida. E o art. ou ainda quando. sempre que uma ou mais empresas. ao tempo em que permite o prosseguimento da relação de emprego. a Consolidação das Leis do Trabalho consagra a finalidade lucrativa como elemento indissociável da noção de empregador comum. 10. empresta segurança ao trabalhador. controle ou administração de outra.TRT 7ª Região – 2005) Analise as proposições abaixo e assinale a opção correta. III. Porque o parágrafo 1º do art. Em contraposição ao que estabelece a lei ao conceituar o empregador doméstico. Comentários: Letra D. Ocorrendo. Cessando. preservandoo de alterações contratuais danosas.III. de forma intermitente não descaracterizará a formação do vínculo de emprego uma vez que um serviço intermitente poderá ser não-eventual.com. 9. bastando a comprovação de elementos que revelem integração inter empresarial. Ao empregador são atribuídos. IIA ampliação das possibilidades de garantia do crédito trabalhista norteou a edificação da figura do grupo econômico trabalhista.TRT 7ª Região – 2005) Analise as proposições abaixo.Correta.Correta. Uma vez que a Constituição Federal somente permite a redução salarial via acordo ou convenção coletiva. aos empregados será assegurada a percepção das indenizações cabíveis. O fato da prestação de serviços ocorrer. II.Correta. embora tendo cada uma delas personalidade jurídica própria. I.Por força de regra estabelecida na lei que disciplina o vínculo de emprego rural. mesmo guardando cada uma sua autonomia.Incorreta. I. força maior ou prejuízos devidamente comprovados.V. II.Correta.Juiz do Trabalho Substituto . (ESAF.pontodosconcursos. ou seja. conforme sejam verdadeiras (V) ou falsas (F) e assinale a opção correta. c) Todas as proposições são verdadeiras. d) São falsas as duas primeiras e verdadeira a última.A solidariedade proporcionada pela existência do grupo econômico pode ser conceituada como dual. A despersonalização do empregador. porém. estiverem sob a direção.Incorreta. inclusive a do aviso prévio. 2º da CLT dispõe que as entidades sem fins lucrativos equiparam-se a empregador quando contratarem trabalhadores como empregados. os riscos do empreendimento ou trabalho.

V .V Comentários: Letra E I-Correta. 10 e 448 da CLT) 11. devendo a duração desse contrato não exceder três meses. O contrato estabelecido entre as empresas de serviços temporários e a tomadora ou cliente deverá ser obrigatoriamente escrito.F .Correta.F . por convenção entre o antigo e novo proprietário. durante a mesma jornada de trabalho. Assim.V . IV. (doutrina) III. IV. II. sendo viável o seu reconhecimento entre entidades autárquicas ou empregadores domésticos. cuja atividade consiste em colocar à disposição de outras empresas.Incorreta.V . não possui valor para o Direito do Trabalho. Entre os direitos conferidos aos trabalhadores temporários destaca-se a remuneração equivalente à percebida pelos empregados de mesma categoria da empresa tomadora ou cliente.V d) F . facultada uma prorrogação.F b) V . não caracteriza a coexistência de mais de um contrato de trabalho. todavia. (ESAF. a) V .A tipificação do grupo econômico para os fins estabelecidos na Consolidação das Leis do Trabalho não se prende ao aspecto exclusivamente econômico. não caracteriza a coexistência de mais de um contrato de trabalho.CURSO ON-LINE – DIREITO DO TRABALHO (TEORIA E EXERCÍCIOS) PROFESSORA: DÉBORAH PAIVA das empresas. temporariamente. quando ocorrer a falência da empresa de trabalho temporário.V . (art.889/73) II. V. a) As proposições I e II são falsas. III. parágrafo 2º da Lei 5. salvo ajuste em contrário. Justifica-se a celebração de contrato de trabalho temporário para atender à necessidade transitória de substituição de seu pessoal regular e permanente ou a acréscimo extraordinário de serviços. Há previsão legal de responsabilidade solidária da empresa tomadora ou cliente por indenizações e remuneração do período em que o trabalhador esteve sob suas ordens. ser atribuída ao primeiro.TRT 7ª Região – 2005) Analise as proposições abaixo e assinale a opção correta.V . (Súmula 129 do TST) Súmula 129 do TST A prestação de serviços a mais de uma empresa do mesmo grupo econômico.Correta.F . www.V . V.br 30 .V -V . I.V . permite o reconhecimento da existência de empregador único. (art. 3º. V. Compreendem-se como empresas de trabalho temporário a pessoa física ou jurídica urbana. sendo verdadeiras as demais.F . cláusula que.V c) F .V e) V .Juiz do Trabalho Substituto . durante a mesma jornada de trabalho.V . por elas remunerados e assistidos. A responsabilidade quanto aos débitos trabalhistas constituídos em momento anterior a essa alteração poderá. a prestação de serviços a mais de uma empresa do mesmo grupo. por convenção das partes. consoante jurisprudência prevalente no Tribunal Superior do Trabalho. exigência que também se aplica ao contrato celebrado entre a empresa de serviços temporário se cada um dos assalariados postos à disposição da empresa tomadora dos serviços.Correta. por idêntico prazo.F . salvo ajuste em contrário. IV.A transferência de titularidade na propriedade da empresa não afeta os contratos de trabalho já existentes.com. trabalhadores. devidamente qualificados.pontodosconcursos.

previdenciária ou afim. neste caso a rescisão irá operar-se como a de um contrato de prazo indeterminado. 12. Comentários: Letra E (Lei 6019/74). de iniciativa do empregador. não gera a esse a obrigação pertinente ao pagamento da indenização de 40% incidente sobre os depósitos do FGTS. II e III. A celebração de um segundo contrato de trabalho a termo. 481 da CLT). e) Somente a proposição II é falsa. II. Quando haja cláusula assecuratória do direito recíproco de rescisão e antes de expirado o termo uma das partes rescinde o contrato . b) São falsas somente as proposições III e IV. III e IV são falsas. O erro da assertiva II é que somente o Ministério do Trabalho poderá autorizar a prorrogação do prazo de duração do trabalho temporário. O pagamento de despesas realizadas pelo prestador de serviços no desempenho de suas atividades. conforme sejam verdadeiras (V) ou falsas (F) e assinale a opção correta.Juiz do Trabalho Substituto . não podendo ter o contrato rescindido antes do prazo ajustado. a possibilidade de celebração de contratos a termo. (ESAF. d) Todas as proposições são verdadeiras. a) São falsas somente as proposições I e III. A validade do contrato por prazo determinado está condicionada à ocorrência de serviços cuja natureza ou transitoriedade justifique a fixação de prazos. IV. O empregado admitido nessas condições. de atividades empresariais transitórias ou da necessidade de celebração de contrato de experiência. www. I. 13.O serviço voluntário. tem garantida a estabilidade provisória. no entanto. III e IV. I. ante a natureza do contrato celebrado. por si só. o período de afastamento será computado na contagem do prazo para a respectiva terminação. estabelece a CLT que. Comentários: Letra E IV. detentor de estabilidade por ter sido eleito suplente da CIPA. A rescisão antecipada e imotivada do contrato de trabalho por prazo determinado. tal como especificado em legislação própria. não altera a natureza de serviço voluntário.TRT 7ª Região – 2005) Analise as proposições abaixo. c) São falsas somente as proposições II. d) São verdadeiras somente as proposições III e IV. quando a extinção desse último contrato se justificar pela execução de serviços especializados.br 31 . A extensão dos efeitos produzidos pela interrupção ou suspensão do contrato de trabalho possui tratamento diverso quando o pacto laboral é estabelecido por prazo determinado. não gera automática alteração objetiva para contrato por prazo indeterminado. leia as proposições abaixo e assinale a opção correta. Nessa circunstância. e) São verdadeiras somente as proposições I. (art. (ESAF.CURSO ON-LINE – DIREITO DO TRABALHO (TEORIA E EXERCÍCIOS) PROFESSORA: DÉBORAH PAIVA b) As proposições I. sem observância desses requisitos. quando as admissões representarem acréscimo no número de empregados e forem instituídas por convenção ou acordo coletivo de trabalho.Juiz do Trabalho Substituto .Admite-se. salvo convenção entre as partes interessadas. em período inferior a seis meses do término do primeiro. não gera vínculo empregatício. nem obrigação de natureza trabalhista. c) Todas as proposições são falsas. sendo verdadeiras as demais. III.TRT 7ª Região – 2005) Em relação ao contrato por prazo determinado.Incorreta.pontodosconcursos.com.

será ilícita. para local mais distante de sua residência. não está o empregador obrigado a suprir acréscimos de despesa do empregado com transporte. que tenha objetivos cívicos.com. Não compõe.de ocupar função de confiança.Juiz do Trabalho Substituto . mesmo nas duas situações mencionadas. veda a supressão da gratificação de função percebida pelo empregado por dez ou mais anos.F . IV. conforme sejam verdadeiras (V) ou falsas (F) e assinale a opção correta. educacionais.F d) F .F c) F . Súmula 29 do TST Empregado transferido.Correta. www. que não importar necessariamente a mudança de domicílio do empregado. II. inclusive mutualidade. tem direito a suplemento salarial correspondente ao acréscimo da despesa de transporte. quando se tratar de ocupante de cargo de confiança ou de relação contratual em que a possibilidade de transferência seja condição implícita ou explícita.CURSO ON-LINE – DIREITO DO TRABALHO (TEORIA E EXERCÍCIOS) PROFESSORA: DÉBORAH PAIVA II. ou a instituição privada. à luz da jurisprudência unificada do TST. deixando. o espectro da alteração contratual lesiva a determinação de retorno do trabalhador ao cargo efetivo. demonstração da real necessidade de trabalho.Para a finalidade legal.prejuízo ao trabalhador.Correta. estabelecendo que não será lícita a alteração das condições de trabalho. por ato unilateral do empregador.F . porém.V .ainda que por mútuo consentimento. a transferência do emprego. a) V . A transferência do empregado será válida. IA Consolidação das Leis do Trabalho consagra o princípio da inalterabilidade contratual lesiva.br 32 .V .(Falsa) Lei 9608/98 14.Correta.As transferências provisórias são permitidas por lei e o empregador terá como ônus o pagamento de um adicional de 25% dos salários.V .V e) V . quando o empregador. (ESAF. por ter sido transferido para local mais distante da sua residência. Não havendo.F . considera-se serviço voluntário aquele prestado sem remuneração.V Comentários: Letra A I. assim. IV. quando dessa modificação resultar. III. não se insere na regra geral de vedação da transferência. A jurisprudência pacificada do Tribunal Superior do Trabalho. todavia.pontodosconcursos. culturais.F . Em tal hipótese. pautada no princípio da estabilidade econômica. II. direta ou indiretamente. todavia. reverte o trabalhador ao cargo efetivo. podendo ser suprimida quando cessada a transferência.V .Verdadeira. Comentários: I. parcela que não integrará o salário.F .Incorreta. científicos.V b) F . (Súmula 372 do TST e OJ 342 da SDI-1 do TST) II. recreativos ou de assistência social.TRT 7ª Região – 2005) Analise as proposições abaixo. III-A modificação do local da prestação de serviços. por pessoa física a entidade pública de qualquer natureza. com ou sem fins lucrativos.O princípio da inalterabilidade unilateral do contrato de trabalho sofre mitigação quando o objeto dessa modificação guarda identidade com o local da prestação de serviços.F .sem justo motivo.

7ª Região – 2003) De acordo com a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). e) A rescisão antecipada de contrato por prazo determinado. considera-se empregador: a) A pessoa física ou jurídica que. 443 dispõe exatamente o contrário.TRT .7ª Região – 2003) Na forma da CLT. admite. individual ou coletiva. d) A pessoa jurídica que se obriga a fornecer mão-de-obra especializada ao tomador dos serviços. com habitualidade e onerosidade. que conta com o auxílio de poucos trabalhadores para a execução do contrato. Incorreta. (ESAF . confere ao empregado o direito de receber indenização equivalente à metade da remuneração devida até o termo do contrato.br 33 . dependa da execução de serviços especificados ou ainda da realização de certo acontecimento suscetível de previsão aproximada. limitada ao prazo máximo de dois anos. a cumprir pessoalmente as ordens que lhe forem repassadas pelo contratante. d) Havendo no contrato de experiência cláusula que assegure a qualquer dos contratantes o direito de rescisão antecipada. dividindo os riscos da atividade econômica com seus prestadores. admitindo-se uma única prorrogação dentro desse período. considera-se empregado: a) O trabalhador que presta serviços onerosos e eventuais a uma mesma pessoa física ou jurídica. pois o art. b) A empresa. individual ou coletiva.admite. que. assalaria e coordena a prestação pessoal de serviços prestados por trabalhadores avulsos. assinale a opção incorreta.TRT .Técnico Judiciário .pontodosconcursos. assalaria e dirige a prestação pessoal de serviços. e) A pessoa física que desenvolve atividade comercial e que contrata trabalhadores para a execução de serviços não inseridos nos fins normais do empreendimento. que.CURSO ON-LINE – DIREITO DO TRABALHO (TEORIA E EXERCÍCIOS) PROFESSORA: DÉBORAH PAIVA 15. (ESAF . c) Toda pessoa física que se obriga. com a concessão de gratificação de participação nos lucros e resultados. assalaria e coordena a prestação pessoal de serviços prestados por trabalhadores cooperativados. assume a execução de serviços ligados à segurança noturna de determinadas empresas. serão aplicáveis as mesmas regras que regem a rescisão dos contratos por prazo indeterminado.Técnico Judiciário . 2º da CLT) 17. e) A pessoa física que. 3º da CLT) 16. assumindo os riscos da atividade econômica. a) Considera-se por prazo determinado o contrato cuja vigência.com. no qual não fixada previsão contratual nesse sentido. d) A empresa.7ª Região – 2003) Em relação ao contrato de trabalho por prazo determinado. atuando com liberdade e autonomia. www. c) O contrato de experiência apenas pode ser celebrado por prazo máximo de 90 dias.Técnico Judiciário . b) O pequeno empreiteiro. Comentários: Letra D (art. Comentários: Letra b. Comentários: Letra C (art. admite.TRT . admite e remunera a prestação pessoal de serviços. (ESAF . assim considerando o operário ou artífice. assumindo os riscos da atividade econômica. c) A pessoa física ou jurídica que. b) Atividades empresariais de caráter transitório não justificam a celebração de contrato por prazo determinado. assumindo os riscos da atividade econômica.

www. equivalente à relação de emprego. pessoalmente ou por intermédio de terceiro. porque de acordo com o art. não configura alteração contratual ilícita. sem a sua anuência. determinado serviço ou atividade de interesse do contratante. poderá o trabalhador ajustar a alteração das condições de trabalho. e) corresponde ao ajuste jurídico firmado para a execução autônoma de atividades em cooperativas de mão-de-obra. Comentários: Letra A (art. 468 da CLT veda a alteração contratual que cause prejuízos diretos ou indiretos ao empregado. 469 da CLT não será considerada transferência a que não decorrer da mudança de domicílio. com a supressão da gratificação salarial correspondente. (ESAF .br 34 . b) Está errada. d) corresponde ao ajuste tácito ou expresso. desde que assistido por seu sindicato de classe. c) Incorreta porque a dependência é jurídica e não econômica e também porque o empregador poderá exercer atividades que não tenha finalidade lucrativa.TRT .com. implícita ou explícita. porque o art.Não estão compreendidos na proibição deste artigo os empregados que exerçam cargos de confiança e aqueles cujos contratos tenham como condição. de caráter bilateral.Técnico Judiciário . c) corresponde ao acordo tácito destinado à execução pessoal.TRT . destinado à prestação de serviços avulsos ou eventuais. por meio do qual se obriga a pessoa física a executar. pois está ausente a pessoalidade se a prestação de serviços puder ocorrer por intermédio de um terceiro. apenas será válida se houver prévia e expressa concordância do trabalhador. b) corresponde ao negócio jurídico expresso.7ª Região – 2003) Na forma da legislação vigente. quando esta decorra de real necessidade de serviço.pontodosconcursos. logo está incorreta esta assertiva. 19. 469 da CLT . § 1º .7ª Região – 2003) Sobre as regras legais que informam a alteração do contrato de trabalho. e) A destituição do trabalhador de função de confiança ocupada durante um ano.Ao empregador é vedado transferir o empregado. aponte a opção correta. Art. a) Em qualquer circunstância. Comentários: Letra E a) Incorreta. a transferência. onerosa e habitual de serviços ou atividades de caráter estritamente econômico. e) O trabalho autônomo não configura vínculo empregatício. b) A transferência do trabalhador de uma para outra filial da empresa. (ESAF . situada na mesma cidade.CURSO ON-LINE – DIREITO DO TRABALHO (TEORIA E EXERCÍCIOS) PROFESSORA: DÉBORAH PAIVA 18. d) A eventualidade não é requisito da relação de emprego. o contrato individual de trabalho: a) corresponde ao acordo tácito ou expresso. não se considerando transferência a que não acarretar necessariamente a mudança do seu domicílio. pois a subordinação jurídica é um elemento da relação de emprego.Técnico Judiciário . para localidade diversa da que resultar do contrato. 442 da CLT). ainda que sofra prejuízos salariais. b) Incorreta.

§ 3º . § 1º . Comentários: Letra B.O contrato por prazo determinado só será válido em se tratando: a) de serviço cuja natureza ou transitoriedade justifique a predeterminação do prazo. não obstante as restrições do artigo anterior. ficará obrigado a um pagamento suplementar.com. assinale a opção correta. (art. B) Excepcionalmente. A) Um contrato de trabalho por prazo determinado de dois anos poderá ser prorrogado uma única vez. logo a assertiva “A” está incorreta. em nenhuma hipótese.CURSO ON-LINE – DIREITO DO TRABALHO (TEORIA E EXERCÍCIOS) PROFESSORA: DÉBORAH PAIVA § 2º . (UnB/CESPE – OAB Caderno ÔMEGA-Exame de Ordem 2009.Em caso de necessidade de serviço o empregador poderá transferir o empregado para localidade diversa da que resultar do contrato. b) de atividades empresariais de caráter transitório.1) Assinale a opção correta de acordo com o contrato individual de trabalho regido pela CLT. c) de contrato de experiência. nunca inferior a 25% (vinte e cinco por cento) dos salários que o empregado percebia naquela localidade. é admitido o trabalho de menores de 16 anos de idade. por igual período.pontodosconcursos. C) Não corre nenhum prazo prescricional contra os menores de 18 anos de idade. é permitido o trabalho noturno de menores de 18 anos de idade.O contrato individual de trabalho poderá ser acordado tácita ou expressamente. 443 da CLT) a) O contrato de trabalho por prazo determinado não poderá ser estipulado por mais de 2 (dois) anos. o contrato de experiência poderá ser prorrogado uma única vez. motivo pelo qual não é permitida a forma verbal. B) No contrato mencionado. D) É exigida forma especial para a validade e eficácia do contrato em apreço.Considera-se como de prazo determinado o contrato de trabalho cuja vigência dependa de termo prefixado ou da execução de serviços especificados ou ainda da realização de certo acontecimento suscetível de previsão aproximada. § 2º . 20. enquanto durar essa situação.É licita a transferência quando ocorrer extinção do estabelecimento em que trabalhar o empregado. www. A) É lícita a quitação advinda da rescisão contratual firmada por empregado menor sem a assistência do seu representante legal. C) O referido contrato somente poderá ser acordado de forma expressa. 443 . verbalmente ou por escrito e por prazo determinado ou indeterminado. (UnB/CESPE – OAB Caderno ÔMEGA-Exame de Ordem 2009. porém não poderá exceder o prazo de noventa dias. mas.br 35 . 21. mas. Art.1) A respeito da proteção conferida ao menor trabalhador. nesse caso.

c) Correta. a partir de quatorze anos.pontodosconcursos. porém não acarretará a nulidade do contrato como menciona a assertiva. Art. pois o art.CURSO ON-LINE – DIREITO DO TRABALHO (TEORIA E EXERCÍCIOS) PROFESSORA: DÉBORAH PAIVA D) É vedado ao menor empregado firmar recibos legais pelo pagamento dos salários sem que esteja assistido pelos seus representantes. Art. independentemente de autorização de seus representantes legais. sinalagmático e de trato sucessivo. É o que estabelece o art. Comentários: Letra A a) O erro desta assertiva é que a não assinatura da CTPS do empregado acarretará a aplicação de multa pelos Auditores Fiscais do Trabalho. Tratando-se. 7º XXXIII . sob pena de nulidade. pois o trabalho noturno. Art. d) Incorreta. quitação ao empregador pelo recebimento da indenização que lhe for devida. perigoso ou insalubre a menores de dezoito e de qualquer trabalho a menores de dezesseis anos. o contrato individual de trabalho deve ser anotado na Carteira de Trabalho e Previdência Social do trabalhador. b) Incorreta. sem assistência dos seus responsáveis legais. 439 da CLT não permite que o empregado menor de 18 anos dê quitação pela rescisão contratual sem a assistência dos seus responsáveis legais. de rescisão do contrato de trabalho. porém. sob pena de nulidade absoluta e de incidência da sanção administrativa ao empregador. porém. Tratando-se. desde que não lhe resultem prejuízos diretos ou indiretos. segundo dispositivo da Constituição Federal.com. sem assistência dos seus responsáveis legais. deverá observar o prazo máximo de 90 dias. 22. c) Tratando-se de contrato firmado em caráter de experiência. d) Qualquer alteração das cláusulas do contrato de trabalho só será válida se contar com a expressa aquiescência do trabalhador e. perigoso ou insalubre é vedado ao menor de 18 anos de idade. 440 da CLT .Contra os menores de 18 (dezoito) anos não corre nenhum prazo de prescrição. www. b) É perfeitamente válido quando firmado por trabalhador com idade igual a 17 anos de idade. admitida uma única prorrogação dentro desse período. é vedado ao menor de 18 (dezoito) anos dar. 439 da CLTÉ lícito ao menor firmar recibo pelo pagamento dos salários. aponte a opção incorreta. 440 da CLT. (ESAF – Analista Judiciário – área Administrativa – TRT 7ª Região/2003) A propósito do contrato de trabalho. e) O contrato de trabalho é comutativo. ainda assim. salvo na condição de aprendiz.br 36 .proibição de trabalho noturno. quitação ao empregador pelo recebimento da indenização que lhe for devida. Art. de rescisão do contrato de trabalho. a) Como forma de proteção aos interesses do trabalhador. Comentários: Letra C. 439 da CLTÉ lícito ao menor firmar recibo pelo pagamento dos salários. a) Incorreta. é vedado ao menor de 18 (dezoito) anos dar.

...... (art....................... c) Correta.. principalmente da banca ESAF.... (art....... mas não poderá assinar a rescisão contratual. 468 da CLT) e) Correta.....br 37 . Déborah Paiva www........ muita luz......... A nossa aula de hoje chegou ao final! Na próxima aula iniciarei fazendo um resumo/revisional das modalidades do contrato de trabalho e abordarei as questões polêmicas em realçaõa os temas abordados na aula de hoje! Creio que com este revisional em exercícios........... 443 da CLT) d) Correta..... da matéria teórica abordada até a nossa aula de hoje.. vocês estão com um bom material de estudo focado na banca ESAF....... força e determinação nos estudos! Um grande abraço.. Vou terminando a nossa aula de hoje desejando para todos vocês......... ...pontodosconcursos........................CURSO ON-LINE – DIREITO DO TRABALHO (TEORIA E EXERCÍCIOS) PROFESSORA: DÉBORAH PAIVA b) O menor entre 16 e 18 anos de idade poderá firmar recibo de salário.com...... proteção divina....

CURSO ON-LINE – DIREITO DO TRABALHO (TEORIA E EXERCÍCIOS) PROFESSORA: DÉBORAH PAIVA 38 .

CURSO ON-LINE – DIREITO DO TRABALHO (TEORIA E EXERCÍCIOS) PROFESSORA: DÉBORAH PAIVA 39 .