You are on page 1of 4

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO DISCIPLINA PCC III

IMPERMEABILIZAÇÕES ASFÁLTICAS
Mantas Asfálticas

Aluno: Fernando da Silva Carvalho Matrícula: 09201037 Professor: José Mario Viegas

espelhos d'água etc. Mantas tipo III ou IV. com adição de herbicida. jardineiras e áreas em contato direto com o solo onde seja necessário inibir a penetração das raízes das plantas. 4. calhas. coforme norma NBR 9952/98 da ABNT. com acabamento de geotêxtil resinado em sua face exposta para receber pintura reflexiva. As mantas asfálticas devem atender à norma brasileira NBR-9952/07 da ABNT. 5. vinhaça. É importante levar em conta as dimensões da área a ser impermeabilizada e tipo de estrutura. com adição de herbicida. Mantas Asfálticas Pré-Fabricadas para lajes em geral. que é orientado pela NBR-9575/03. Mantas Asfálticas Pré-Fabricadas autoprotegidas com acabamento aluminizado ou grânulos de ardosia em sua face exposta que dispensam proteção mecânica para áreas de trânsito eventual. coberturas. estruturadas com armadura não tecida de poliéster. espessura e tipo de estrutura. tanques e lagoas sobre o solo. Tipos de mantas asfálticas Existem no mercado 3 tipos de mantas asfálticas pré-fabricadas.. 3. 2. . Também deve-se levar em conta a vida útil desejada para o sistema. de modo a permitir a escolha do tipo de manta mais adequado para cada caso. Esses fatores normalmente são definidos no projeto de impermeabilização. Essas mantas podem ser constituídas de diferentes matérias:  Mantas Elastoméricas: Mantas asfálticas de alta perfomance. piscinas. conforme sua utilização. jardins. para floreiras. em áreas que receberão revestimento de acabamento. 1. Esses fatores influem diretamente no seu desempenho. pois em função desta e do tamanho da área é recomendável a utilização de dupla camada. Dispomos no mercado de diversos tipos de manta variando sua composição. Mantas Asfálticas Pré-Fabricadas Anti-Raiz. Mantas Asfálticas Pré-Fabricadas. Mantas Asfálticas Pré-Fabricadas. aditivos filtros de raios UV e antioxidantes para canais de irrigação e transposição de água. Elas são constituídas de diferentes tipos de estruturantes e acabamentos.Mantas Asfálticas Atualmente o material mais comum para execução de impermeabilização de lajes é a manta asfáltica. à base de asfalto modificado com alto teor (13%) de polímeros de SBS (estireno-butadieno-estireno) ou polímeros elstomericos. varandas. terraços.

Mantas tipo III. Os feltros de fibra podem ser saturados com asfalto ou alcatrão.são em geral os mais resistentes. O véu de poliéster interno pode ter diferentes densidades e gramaturas (gramas por metro quadrado). a manta acaba se rompendo. Caso contrário. que mantém a manta coesa. elevado ponto de inflamação. conforme norma NBR 9952/98 da ABNT. • asfaltos elastoméricos (com adição de elastômeros) • asfaltos plastoméricos (com adição de plastômeros) b) Estruturantes Respondem. pela resistência da manta à tração e ao alongamento. • poliéster (uma lâmina de fibras prensadas de poliéster chamada de “não-tecido” de poliéster) . mas é muito pouco resistente à flexão e a cisalhamento. Mantas asfálticas à base de asfalto modificado com polímeros elastoméricos e plastoméricos. calor. conforme norma NBR 9952/98 da ABNT. o asfalto deve ser mais duro. nos de amianto podem utilizar-se apenas asfalto. estruturadas com armadura de véu de fibra de vidro para lajes internas. . por conta da dilatação das estruturas. para placas. usa-se asfalto de fluidez elevada e grande poder de impregnação. É apenas um estruturante interno. • véu de fibra de vidro (mantas glass) . Pode ser usado somente em locais onde não deve haver praticamente nenhum requisito de tração longitudinal ou transversal. com baixa suscetibilidade à temperatura. pisos frios. 2. A penetração deve ficar entre 50 e 150. que são as características mais exigidas quando a manta é aplicada na construção civil. • feltros – são constituídos de fibras orgânicas (animais ou vegetais) ou de amianto. Mantas asfálticas à base de asfalto modificado com polímeros elastoméricos e plastoméricos. Para a saturação.não oferece resistência muito maior.oferece uma razoável resistência à tração. umidade). com ponto de amolecimento de 40 a 60º C no caso de rolos. Mantas tipo III. ponto de amolecimento acima de 100º C e sem formar espuma no aquecimento. estruturadas com armadura não tecida de poliéster. o que evita aparecimento de vazios no material. baldrames e como manta de sacrifício para o sistema de dupla camada. • filme de polietileno (plástico) . estruturadas com armadura não tecida de poliéster. Os materiais constituintes das mantas devem possuir as seguintes características: a) Asfaltos • asfaltos oxidados . quase que sozinhos. Mantas modificadas com polímeros: 1.  Mantas plastoméricas: Mantas asfálticas à base de asfalto modificado com polímeros plastoméricos.resistentes à ação dos agentes atmosféricos (luz.

Impermeabilização Seleção e Projeto. filme de polietileno ou similar. • alumínio (em um dos lados). colocar camada separadora composta por papel kraft. fazer a imprimação da área utilizando primer fornecido pelo fabricante com consumo aproximado de 0. A superfície a ser regularizada deve ser molhada previamente com água e adesivo acrílico. Teste de lâmina d'água: De acordo com a NBR 9575/03 . que tem por função impermeabilizar e isolar termicamente. deve-se fazer o teste de lâmina d'água. Podem ser usados grãos de basalto e quartzito com diâmetros de até 2. A mesma deverá apresentar caimento de 1% nas áreas externas e 0. com espessura mínima de 7 cm. com emendas defasadas. Aplicação de manta aderida com asfalto: Após a completa secagem do primer. Camada separadora: Sobre a impermeabilização. para posterior verificação da estanqueidade da impermeabilização. executa-se uma argamassa de cimento e areia com traço 1:4.4mm. As emendas deverão ter sobreposição de 10 cm.50 m x 1. Deverá ser prevista a execução de juntas longitudinais (mínimo 1. Imprimação: Após regularizar a superfície. Trânsito pesado: Executa-se uma camada de concreto. deve-se fixar a manta asfáltica aderida com asfalto oxidado a quente (3 kg/m 3). Aplicação de manta asfáltica aderida a maçarico: Após a completa secagem do primer.50 m) e transversais na argamassa. Nas emendas. traço 1:3 + adesivo acrílico (10%) na água de amassamento. em seguida. Deverá ser prevista a execução de juntas de retração (quadros com dimensão mínima de 4 m x 4 m) e dilatação (perimetrais). aumentam a resistência à ação do fogo e podem ser utilizados para fins estéticos.c) Acabamento externo da manta • minerais superficiais.  Regularização da superfície: Após limpeza adequada da superfície e preparação das mestras. colar a manta com o uso de maçarico. as mantas deverão ser sobrepostas em 10 cm. essas deverão ser aplicadas no mesmo sentido. por um período de 72 horas. No caso de aplicação de manta dupla.5 l/m3. Etapas de execução Basicamente. estruturada com tela soldada.5% nas áreas internas. que têm a função de proteger os asfaltos da ação oxidante da luz e do calor solar. executa-se a regularização com argamassa de cimento e areia. deve-se aguardar a secagem (no mínimo 48 horas) e. após a conclusão da impermeabilização. Trânsito normal: Nesse caso. a aplicação da manta asfáltica pode ser feita por colagem com asfalto quente ou a maçarico. além de não requerer aplicação de argamassa sobre a manta.        .

°nf¾ ¾ ½ff½fnf¾ f¾€f  ¾ ¯f¾   %f¾€f¾ f¾¯xn¾%n¯f sj  f¾´¯ ¾% %f¾€f¾½f¾¯xn¾%n¯f sj ½f¾´¯ ¾%  % ¾f° ¾   ¾½° ¯ f¾  ¾°¾ ½ f ¾¾y°nf f¯f°fgfsj ff°–f¯ °   ¾jf¾nffn ¾nf¾ ¯f¾ – f¾f° f¯f°fxf½nf f°fn°¾sjn  ½n°f f ffsj f¾ ¾f¾  %€ ¾ ¾jn°¾ ¾ € f¾–i°nf¾%f°¯f¾ – f¾% f¯f° ¾ € ¾  € f ½ ¯ ¾  ¾ff ¾ n¯ f¾€f  fnfj  °¾  f¯f° ½ ¯ f ¾ f½ °f¾f¾€f  % ½x¾  %¯f i¯°f  € f¾ ½ °¾f f¾  ½x¾  nf¯f f  #°j  n #  ½x¾ %  ¾j ¯ – f ¾ ¯f¾  ¾¾ ° ¾   x  ½x¾  ° ° ½    €  ° ¾ °¾ f ¾ –f¯ff¾%–f¯f¾½¯ f f %  %x € f  %¯f°f¾–f¾¾% €  n ¯ffh  ¾¾y°nfgfsj ¯f¾x ¯½n ¾¾ ° g€ j fn¾ff¯ °  % €¯   ½  ° %½h¾n%  °j €  n   ¾¾y°nf ¯ ¯f   f½ °f¾ ¯ ¾f°  ° °    ¯f°x¯ f ¯f°f n ¾f  9  ¾  ¾f  ¾¯ °  ¯ nf¾ °  °j   f  ½fnf¯ °  ° °¯  ¾  fsj °– °f  f°¾ ¾f .

f¾n°h f¯f°ffnf f¾ ¯½ °    .

n% nf f¯ °  ° f¯f°f  %¯° f¾¾½ €nf¾  y¯f€°sj ½ – ¾f¾€f¾ ffsj f°  f  nf¾f f¯ °f¯f ¾¾y°nfgfsj €– ½ ¯¾ f ¾½ff€°¾ ¾xn¾ 9 ¯¾ ¾f ¾–j¾  f¾f fn¯ i¯ ¾ fx ¯¯  % f¯° % ¯ ¯ ¾ f ¾%     ¯ ½ €°sj ¯½ ¯ f f  ¾f  ¯nf¯ ° fx¯ °j   f½nfsj f–f¯f¾¾f¾  f¯f°f    f½f¾   nsj  f¾nf¯ °  f f½nfsj f ¯f°f f¾€hnf ½  ¾  € f ½ nf– ¯ n¯ f¾€f  ° f¯fsfn   O  –ffsj f¾½ €n ½¾¯½ ff f f f¾½ €n  ½ ½ffsj f¾¯ ¾f¾   nf ¾ f –ffsjn¯f–f¯f¾¾f n¯ ° f f fs   + f ¾ fnn % % °f h–f  f¯f¾¾f¯ °   ¯ ¾¯f  h f½ ¾ °f nf¯ °    °f¾ h f¾  °f¾     °f¾ h f¾ ° °f¾   ¾½ €n f¾  –ff f  ¾ ¯f f½ f¯ ° n¯h–f f ¾ fnn  O ¯½¯fsj  ½¾  –ff f ¾½ €n   ¾  f–f f f ¾ nf– ¯ %° ¯°¯  f¾%  ¯ ¾ – f  €f  f ¯½¯fsj f h f f°  ½¯  €° n ½ €f nf° n¯n°¾¯f½¯f   $¯  O ½nfsj ¯f°ff  fn¯f¾€f ½¾fn¯½ f¾ nf– ¯ ½¯    ¾ €ff¯f°ff¾€hnff  fn¯f¾€f f f ° %–$¯%  -f¾ ¯ ° f¾ f¾¯f°f¾  j¾ ¾  ½¾f¾ ¯n¯  O ½nfsj ¯f°ff¾€hnff  ff¯fsfn ½¾fn¯½ f¾ nf– ¯  ½¯   nf f ¯f°f n¯  ¾  ¯fsfn  ¾ ¯ ° f¾  j   ¾  ½¾sj n¯ -nf¾ f½nfsj ¯f°f ½f  ¾¾f¾  j¾  f½nf f¾°¯ ¾¯¾ °  n¯ ¯ ° f¾ €f¾f f¾  O @ ¾   i¯°f h–f    fn  n¯ f -  $  ¯½ ¯ f fsj    sj 9©  f½¾fn°n¾j f¯½ ¯ f fsj   ¾ €f  ¾   i¯°f h–f  ½ ¯ ½     f¾  ½ff ½¾   €nfsj f ¾f°  f  f¯½ ¯ f fsj  O .

f¯f f ¾ ½ff f     f ¯½ ¯ f fsj  nnf nf¯f f ¾ ½ff f n¯½¾f½½f½ f€ €¯  ½  °¾¯f  O @i°¾°¯f - ¾¾ nf¾   nf ¾ ¯ff–f¯f¾¾f n¯ ° f fn¯ fs    h¾ ½ ¾ff  nsj ©°f¾°– °f¾%¯°¯ ¯  ¯% f°¾ ¾f¾°ff–f¯f¾¾f  O @i°¾ ½ ¾f    nf ¾  ¯f nf¯f f  n°n   n¯ ¾½ ¾¾f ¯°¯f n¯  ¾f fn¯ f¾ f f   h¾ ½ ¾ff  nsj ©°f¾   fsj %f ¾ n¯ ¯ °¾j ¯°¯f   ¯   ¯%  ffsj %½ ¯ f¾%    .