You are on page 1of 3

Uso de algema em menores Interessante julgado do STJ.

No HC, a defensora pública pediu a anulação da audiência de apresentação – pelo fato de o menor ter ficado algemado durante a sua execução. O STJ entendeu que, por se tratar de menor altamente perigoso, o uso da algema se faz necessário e não ofende a Súmula Vinculante n° 13.

HABEAS CORPUS RELATOR IMPETRANTE IMPETRADO PACIENTE

Nº 140.982 - RJ (2009/0129475-7) : MINISTRO NAPOLEAO NUNES MAIA FILHO : VÂNIA RENAULT B GOMES - DEFENSORA PÚBLICA : TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO : B G DE O (INTERNADO)

EMENTA
HABEAS CORPUS. ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE. ATO INFRACIONAL EQUIPARADO A HOMICÍDIO QUALIFICADO PRATICADO PARA IMPLEMENTAÇAO DO TRÁFICO DE DROGAS NO LOCAL DO FATO. INVIABILIDADE DA PRETENSAO DE DECLARAÇAO DA NULIDADE DA AUDIÊNCIA DE APRESENTAÇAO EM RAZAO DO USO DE ALGEMAS PELO MENOR. INEXISTÊNCIA DE OFENSA À SÚMULA VINCULANTE 11 DO STF. FUNDAMENTAÇAO SUFICIENTE. ALTA PERICULOSIDADE DO REPRESENTADO. PARECER MINISTERIAL PELA DENEGAÇAO DA ORDEM. ORDEM DENEGADA. 1.A excepcionalidade do uso de algemas, consignada principalmente na Súmula Vinculante 11 do STF - que dispõe que só é lícito o uso de algemas em casos de resistência e de fundado receio de fuga ou de perigo à integridade física própria ou alheia, por parte do preso ou de terceiros, justificada a excepcionalidade por escrito não obsta o seu emprego se demonstrada, por decisão fundamentada, a necessidade de serem precavidos os riscos antevistos no próprio enunciado sumular. 2.Na hipótese, a premência no uso do referido instrumento de jugo foi irrepreensivelmente declinada pelo Juiz condutor da audiência de apresentação ao esclarecer que o menor em questão possui alto grau de periculosidade, entrevisto pelo seu profundo envolvimento com o tráfico de drogas e pela forma de execução do ato sob investigação, caracterizado por desmedida violência, uma vez que teria promovido a morte de morador que se opôs à instalação da sede do tráfico em sua residência, alvejando-a com vários tiros e jogando seu corpo em uma lixeira e acertando sua cabeça com uma pedra. 3.Parecer ministerial pela denegação da ordem. 4.Ordem denegada.

Monografia de pós-graduação de Helga da Silva Brod

O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), previsto pela Lei n° 8.069, de 13 de julho de 1990, não proíbe expressamente o emprego de algemas em menores de idade. O uso desse instrumento de contenção física em crianças e adolescentes se escora no artigo 178 do ECA que assim reza:
Art. 178. O adolescente, a quem lhe atribua autoria de ato infracional não poderá ser conduzido ou transportado em compartimento fechado de veículo policial, em condições

o policial que diante de um caso concreto semelhante ao narrado. n. Alguns doutrinadores sustentam que a lei não impede que um menor de idade venha a ser contido por meio de algemas caso pratique algum ato infracional. na realidade . sob pena de responsabilidade. Teresina.br/revista/texto/11621>. respeitados os limites legais. de modo a não expor o menor a constrangimento não autorizado. Jus Navigandi. O uso das algemas na atividade policial. é lícito que ele seja contido mediante o emprego de algemas”. Contudo. Disponível em: <http://jus. se o indivíduo possui um alto grau de periculosidade e seu porte físico avantajado coloque em risco a incolumidade física das pessoas. Sílvio França da Silva esclarece que “são freqüentes as dúvidas com relação a algemar ou não um adolescente. A respeito do tema. citada por Rodrigo Carneiros Gomes [10]. desde que a medida se mostre necessária e isso não afete a integridade do menor. quando tratar-se de adolescente de altíssimo grau de periculosidade. 2011. passando a ser conduta excepcional por parte da autoridade policial.uol. porte físico. O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) previsto pela Lei nº 8069 de 13 de julho de 1990 não faz proibições quanto ao uso das algemas para conter resistência do menor infrator. 1875. ano 13. Acesso em: 20 ago.. 2008. desde que observadas algumas peculiaridades: ". Algemá-lo.. N. Para a Promotora de Justiça Selma L. e que reaja a apreensão. de porte físico compatível a um adulto. seja civil ou militar. evitará luta corporal e fuga com perseguição policial de desfecho muitas vezes trágico para o policial ou para o próprio adolescente. mas a exceção. desde que observados alguns requisitos como: periculosidade do adolescente. Aspectos legais.atentatórias à sua dignidade. comportamento durante a prisão. Em face do vigente Diploma Menorista. Sauerbronn de Souza. com vistas a evitar o atentado à sua dignidade [09]. IV – AS ALGEMAS E O ESTATUTO DA CRIANÇA E ADOLESCENTE – Artigo muito interessante ALVES. A jurisprudência é pacífica no sentido de que. a jurisprudência pátria tem permitido o uso das algemas quando imprescindível à segurança dos policiais. cabe ao policial militar avaliar a conveniência ou não do emprego das algemas. Pedro Paulo Pereira. certamente. o uso de algemas em adolescente não é a regra. optar pela colocação de algemas.com. Portanto. Assim. deixou de ser uma regra geral. ou que lhe impliquem risco à sua integridade física ou mental. 19 ago. perfeito o entendimento que o uso de algemas no adolescente a quem se atribua autoria de ato infracional. A única proibição é de não conduzir o adolescente [08] em compartimento fechado de viatura policial.

POSSIBILIDADE EM SE TRATANDO DE CONTENÇÃO E SEGURANÇA. resguardando o direito à vida e à saúde.n. civil e penal do agente ou da autoridade e de nulidade da prisão ou do ato processual a que se refere. conhecimento e o respeito à lei.estará preservando a integridade física do adolescente. pelo que inadmissível a invocação de arbitrariedade.06.HABEAS CORPUS . por conseguinte.C.A" E.FALTA DE ILUMINAÇÃO . por ofensa aos princípios da não culpabilidade. 122. assegurados pela CF. as algemas só poderão ser utilizadas se o adolescente oferecer resistência à prisão. observados. ao qual é imputado atos infracionais. 108. se não demonstrada pela defesa situação indicativa da sua não ocorrência. bem como tentar empreender fuga.A utilização de algemas é autorizada nas hipóteses em que se configure como meio necessário de contenção e segurança. (g. Usar as algemas "por usar" não será uma conduta legal e profissional. INADMISSIBILIDADE ATUAÇÃO INTERNA CORPORIS. se a decretação da internação provisória do paciente.) Dessa forma.VIOLAÇÃO DE INTEGRIDADE MORAL E INTELECTUAL INEXISTENTE.MENOR INFRATOR AUSÊNCIA DE FUNDAMENTAÇÃO PARA INTERNAÇÃO PROVISÓRIA . mas ilegal e amadora. A falta de iluminação numa das celas não implica em ofensa a integridade moral e intelectual do paciente. UTILIZAÇÃO DE ALGEMAS. TJGO.2005. Súmula Vinculante 11 . sem prejuízo da responsabilidade civil do Estado.INOCORRÊNCIA. inadmissível ao Judiciário atuação interna corporis.Não há falar-se em falta de motivação ou nulidade processual. desde que a sua conduta ofereça risco à integridade física dos executores da lei.STF Só é lícito o uso de algemas em casos de resistência e de fundado receio de fuga ou de perigo à integridade física própria ou alheia. . CUMPRIMENTO EM ESTABELECIMENTO PRISIONAL . Relator Desembargador José Lenar de Melo Bandeira [11]. portanto. consagrados pelo E. 174 e 183 do Estatuto da Criança e Adolescente. direitos substancialmente. ampla defesa e devido processo legal. Writ indeferido ". assim decidiu: "CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA . justificada a excepcionalidade por escrito. II . inclusive delegacias de polícia. foi editada por autoridade competente e decorre da garantia da ordem pública e segurança do próprio adolescente. desde que em local apropriado e isolado dos maiores.por parte do preso ou de terceiros. sob pena de responsabilidade disciplinar. especialmente em face de viabilidade da solução do problema via administrativa. I .. seja pela gravidade do ato infracional ou pela repercussão social. e. haja vista que do policial exige-se tirocínio. o Conselho Superior da Magistratura. em acórdão de 06. III .Admite-se internação provisória em estabelecimento prisional de adultos. e como não poderia deixar de serem. requisitos impostos nos arts.

f°sf    ¾n ° %.

% ½ ¾½ f °    ©    °j ½  ½ ¾¾f¯ °   ¯½ –  f– ¯f¾ ¯ ¯ ° ¾   f   ¾ ¾¾ °¾¯ ° n° °sj€¾nf ¯nf°sf¾ f  ¾n ° ¾¾  ¾nf°f– .

 f¾¾¯ f       f  ¾n °  f  ¯   f f ff  f °€fn°f °j ½ h ¾  n°    f°¾½f  ¯ n¯½f¯ ° € nf    n ½nf  ¯ n° sµ ¾ .

3/  %07083../0 54.390 '$  !0/74 !. .948 0.9..02.  ..34  :84 /.8  :8   3     .8 3.4     8543J.  .f °ff¾g¾f –° f    ¯½ ¯ ¾n g¾f° – f €¾nf¯ °f   ¾ ½ °f  ¾½°¾f  f  –°¾ °f  ¾¾¾ °f¯ f °j¯½  ¯¯ °  f  °ff¾  n° ½¯  f– ¯f¾nf¾½f f–¯f°€fn°f  ¾  f¯  f¾  ¯¾  ° n ¾¾hf  ¾¾ °j f€   f ° – f   ¯ °    ¾½    ¯f   f°sf ff ¾nf n   #¾j€  ° ¾f¾  f¾n¯ fsjff– ¯f°j¯f  ¾n ° ©¾½ y°nfx ½fn€nf ° ¾ °     ¾   °   ½¾¾ ¯ f –f  ½ n¾ f   ¾  ½  €¾n ff°f©f  n  ¯ ¾n f °n¯ f  €¾nf f¾ ½ ¾¾f¾  x n     ¾ ©f n° ¯ f°  ¯½ – f– ¯f¾#    ' $ $ $%%&% #@  $% 794 2:943907088.:4 !0707.0 02 995.  850.8 ./.

.

:8 :4 .42 -7.

70.89.

9094.

8. $02.0390 !479.:/0507.. !7424947./408.0390  570.9.390.43897./408..... . /4 20347 317.5E97.5700384 02E 4 .425479.9J88247. 5.89450.  5071094 4 03903/20394 6:0 4 :84 /0 . /0 :89.54.4:29.390/0:2.454./4 459.42..4    89.425../0/4 ..42:9../0 .8 .8 5.7E:9.0390/0.77.088402 .730748 4208  (  4 :84 /0 .43/:9.8 /0 24/4..70948020. 547 #4/74 .43/:74./0..390 ./4 /0./408.0./.425./..0390..  ..4 54.-0.8 .4.86:.02./484829080..47547./408./408.94317.02..20394/:7.9039.9:7.  2. .00897E.792039410./0 /0547901J8.:38706:8948. 574-08 6:./3/.9J.790/.03H3..43.90250729/44:84/..02.29.:48/.0/4/408.750.7.5784  882 .32039434.8 /08/06:04-807.0.4.3.01:.44.3/425708..43.8 02 . 0.0390 542.4:34/4025704/.:.8 3. /04:/0807:2.7.8. 034789. .6:0 /.45.6:0280. 80.43907 70889H3.9..574-4F/034.0./0 /0810.7.7.947 3.:947..05.:48/.     $./08   2 1.8 .850.079.7.9.3.8 34 .74.394 ./4  !../054..:07-7433 /0 $4:.0390  (02.:7857:/H3.9.7 6:.0390 34 F .03  /0/0:4/0   34 1.43.3/J.8.04  /08/06:04-807.0390547901J8.:2.89..394 454..8.9:94/.7/...707.02.02.7 80/0 .20390 0.4 :84 /.340547420347.3/497.7 .88..457O574..:947/.7./4854..3/4.97-:.02.0 /4 ./408. 807.07./48:.. .:947. 707.84.:2.70..5475.4:5.43./48.424507..../.43.8 708509.0 80:7.4/0./0 (  439:/4 ./:94 06:0 70.4250780:454.

:8.0..0770889H3.848/070889H3. /08/06:0024./.( . 0.390 $% $OFJ.7.89..03904:/.0748  :891. 0 /408./0 /4 .0/00. /0 7085438.:.088:.57457.394 706:89482548948348. 0 80:7./4   .547.477H3. 41070. 39073..790 /4 57084 4: /0 907./../0 /8.. 3.4250903900/0.:947./4748F03.9. 0 /0.43/:9.  % 0802-./408.. /.9.897.794  84- 503.. 0.'3.0390  0850..E74 .F 25:9.8 140/9. 0 .203940470850940    $2:.0390  80.424 34 54/07.02.:5..8O7.02. /0108.0390    /290 80 39073./0.424 9039./4./0.50.424 204 30../0 1J8..9:94 /. 547 5.9.43/:9.02.. 0 3900./.4:/0 5074  3907/.0./00/03:/. 0241038.   0 .1472.J34  .8 5O90808 02 6:0 80 .3/44/7094 .3/07.7/004.70/./48504     02 . 3907/.. 7.44:3:/. .3907/./0/. 5046:03.25.-/.4 574.0/01:3/.:947/.4770/./0108./4.089...8F .0390 .43:2.4 /.947  $  $&!# #  $%#%&#  $  #!&$   # #% #  &$   &%@  !# %#@  !# '$ #    ##     ' @   &!#%   $%%  !#$   %  &@ %#  #! #$  &%@  %@ $&#@   %#  #  %%& $%%  $$ %&@   $  ! $$  $ %#%    4E1../0/. /0./0 247.04/01:..4.7.8:.0 &8../:  #0.802.39..  3./0 :23.20390 021.  /08/0 6:0 .4380:390 708:./4..4 574..7-97. 0  8./.7E570807.  80 .7.834 25.94 317..-/.039041070.-00.3/4./4/482.430.088:. .0390 0 547./48 5479.  2.. . 78./23897.-/..2.8.088E74 /0 ././408.70507..7 /0 80702  /70948 8:-89.53.88O54/074807:9. 4: ...8 0./0  .4  3907/.J548/.././489. 6:0 /4 54.-/../48 50./:948 3.. 84:4/4 574-02./47..734807E:2./01J8. .57844:/4.3.431:70 . 0 57418843./288J.882/0. 54741038./.34 .8804.8 .798      0  /4 89.3..7./.3...944:84/0./288J.94574./470. . 57O57.475478  :9.9:7. ./408.4:50./0 8034/0243897./.439034 0 80:7.:88484./01J8.4/0.43/../0249.0503.9. .4/0 . ./4 574./0574.7 80021../..05.:94708/.43.7085438./4 0 84.4:/..O7/4 /0      4 43804 $:50747 /. 6:080701070 802570:J4/. 4-807.9:.20390 .8/054J.2039457843.43.. 02 089./45.7/.439073.880:7.0 ./4800.7 0257003/07 1:..3. 00 80 974. .4708 1. 47/02 5-.. 793/0107/4   3  088.438..8O7.7  .709. /4 5.0884 0.948 317.. /0. 7. 89:.  .9:.48573. 5784  -02 .43. /4 57O574 .46:.3./0 547 08.02.8547:8. 8:.0 /0 ./0  .:947/.8. 50.344.0./0..