You are on page 1of 1

XIX Congresso Regional de Iniciação Científica e Tecnológica em Engenharia – CRICTE2004 13 a 15 de Novembro de 2004 – Curitiba – Paraná _________________________________________________________________________________________

ESTUDO DA TENSÃO INTERFACIAL EM SISTEMAS ÁGUA-ÓLEO
F. C. R. Capelli, T. J. Lopes1, A. L. Nogueira2, E. K. Fiorese3, T. Coan4, R. A. F. Machado5, A. Bolzan8, M.G. Novy Quadri7, M. B. Quadri6 Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Departamento de Engenharia Química e de Engenharia de Alimentos – Campus Universitário, Trindade, Caixa Postal: 476 – CEP: 88040-900 – Florianópolis – SC lcp25@enq.ufsc.br, 1lopes@enq.ufsc.br, 2andren@enq.ufsc.br, 3ekfiorese@enq.ufsc.br, 4 lcp26@enq.ufsc.br, 5machado@enq.ufsc.br, 6m-quadri@enq.ufsc.br, 7mara@enq.ufsc.br, 8 abolzan@enq.ufsc.br Na indústria petrolífera, a recuperação primária e secundária de jazidas de petróleo é um ponto importante para se obter uma maior produtividade. Para isso, uma série de processos é empregada nos reservatórios visando o máximo esgotamento do petróleo contido nos mesmos. Nestes processos de recuperação, a injeção de água é uma prática comumente empregada para expulsar o petróleo remanescente das rochas. Nos métodos de recuperação líquida de petróleo um comportamento indesejável é a digitação viscosa, onde uma fase líquida penetra na outra na forma de “dedos”, reduzindo sensivelmente o rendimento da operação de extração. Sabe-se que o fenômeno da digitação viscosa ocorre com o surgimento de um mecanismo de instabilidade na interface água-óleo decorrente da diferença de propriedades físicas entre dois fluidos imiscíveis (densidade, viscosidade e tensão interfacial). Neste trabalho realizou-se um estudo da tensão interfacial entre os dois fluidos imiscíveis, água e óleo, presentes no processo. Através da técnica de planejamento experimental, estudou-se a influência das variáveis e relações existentes entre a temperatura e a concentração de eletrólitos sobre a tensão interfacial para 3 amostras de petróleo (AB65,AB28 e P19) oriundo de diferentes poços de extração brasileiros. Para os ensaios de tensão interfacial, o equipamento utilizado foi um Tensiômetro Interfacial KRÜSS K8 e adotou-se o sistema de medidas tipo “Du Nouy Ring” conforme norma NBR 6234. Verificou-se que a redução da concentração de eletrólitos na fase aquosa do sistema leva a um acréscimo na tensão interfacial água-petróleo; o que poderia dificultar o surgimento do fenômeno de digitação e melhorar a perfomance do processo de recuperação de petróleo. Também, o tipo de petróleo, pode influenciar na tensão do sistema água-óleo. Este fator não é importante quando se trata do par AB28-P19. No entanto, ao passarmos do tipo AB-65 ao P-19 temos uma diminuição da tensão interfacial, assim como do AB-65 ao P-19. Deste modo pode-se dizer que AB-65 > AB28 P-19. Embora o modelo empírico obtido não se mostre perfeitamente ajustado aos dados experimentais, pode-se observar que ele descreve a tendência dos resultados obtidos entre a tensão interfacial do sistema água-petróleo AB-65, em relação aos fatores Cel e T, podendo ser utilizado para a estimativa da propriedade medida.

55