You are on page 1of 4

CONHECENDO OS VÁRIOS MÉTODOS DE EXAME PARASITOLÓGICO DE FEZES

Em geral, o exame parasitológico de fezes compreende 2 etapas: primeiramente o exame macroscópico e em seguida, o exame microscópico. Rotineiramente, sem conferirmos devida importância, a análise macroscópica é realizada na clínica veterinária, ao se determinar a consistência, o odor, a cor, a presença ou ausência de sangue, de muco, de proglotes e de parasitos adultos ou outras condições anormais. Já a análise microscópica é laboratorial, uma vez que as amostras devem ser tecnicamente preparadas para a análise, de modo a evidenciar formas morfológicas/estágios de desenvolvimento de parasitos. Em relação aos parasitos, formas do tipo trofozoítas são usualmente encontrados nas fezes líquidas, pastosas ou nas mucosanguinolentas, enquanto que os cistos são diagnosticados nas fezes formadas ou semiformadas. Ovos e larvas de helmintos podem estar presentes em todos os tipos de amostras fecais, entretanto, eles podem ser mais dificilmente encontrados em espécimes líquidos e, se presentes, em pequeno número. As formas móveis de protozoários se degeneram mais rapidamente do que as formas císticas; por esta razão, é de extrema importância que o estudo de espécimes fecais seja realizado o mais rápido possível. A consistência das fezes não interfere na distribuição dos ovos e das larvas de helmintos, apesar de nas amostras líquidas haver uma distribuição relativamente menor do número de ovos, devido ao fator de diluição. EXAME LABOATORIAL Simples Observação Exame Macroscópico - Tamisação: etapa do processamento da amostra na qual já se pode encontrar formas adultas de vermes como Ascaris, proglotes de Taenia, etc. Outros helmintos como o Trichiuris sp, ancilostomídeos e Hyminolepis sp são depositados no bolo fecal após o início do tratamento. Frequentemente poderão ser encontrados helmintos adultos nas amostras fecais e ausência dos ovos. Esses processos macroscópicos são vantajosos para a demonstração e coleta de pequenos helmintos, de proglotes e de escólices e devem ser realizados ainda na clínica e descritos na solicitação de exames. Exame Microscópico O exame de esfregaço a fresco pelos métodos diretos é o método mais fácil e, talvez, o mais usado na rotina do laboratório, permitindo visualizar os estágios de diagnóstico dos protozoários (trofozoítas e cistos) e dos helmintos (ovos, larvas e pequenos adultos). Para uma diagnose absoluta é necessário observar o parasita em um de seus estágios de evolução. O simples exame

A confirmação dos parasitas deve ser realizada com a objetiva de grande aumento (40x). processos mecânicos e/ou biológicos. Entretanto. pelo uso de diferentes soluções. porém todas se baseiam nos princípios de preparo que envolvem flutuação e sedimentação. Os esfregaços deverão ser sistemática e completamente examinados através da objetiva do microscópio de pequeno aumento (10x) e com pequena intensidade de luz. 1934): Indicada para o diagnóstico de ovos. empregada no diagnóstico de nematóides gastrintestinais. em muitos casos. 1919. mas as mais populares na prática veterinária são as soluções salinas saturadas. cujos ovos não flutuam nas soluções de flutuação comuns. As preparações a fresco são obtidas diretamente dos espécimes fecais e requerem o mínimo de material (2 g) para cada método de exame . • Parvovirose Pesquisa do Antígeno. o exame de pequena quantidade de fezes usadas para a preparação de esfregaços a fresco pode ser insuficiente para revelar a presença de parasitas. Técnicas Há diferentes técnicas disponíveis para a evidenciação de parasitos em amostras fecais. de alguns cestóides. suficiente para o diagnóstico.85% e de iodo. além de distorcer delicadas estruturas de protozoários como cistos de Giardia. (Ritchie. Exemplos: Métodos qualitativos: • Sedimentação espontânea em água (Lutz.sedimentação pela formalina-éter. Pons e Janer. oocistos e cistos em fezes. 1948).microscópico é. para a obtenção de melhores resultados será necessário o uso de técnicas de concentração. • Centrífugo-flutuação: Indicada para o diagnóstico de ovos de helmintos e oocistos de coccídeos. Os esfregaços com fezes frescas e não fixadas são rotineiramente preparados com as soluções salina a 0. Chaves e Pellegrino. • Método de Rugai. • Parasitológico de Fezes O. Contudo. • Centrífugo . podem ser determinados e identificados. Katz.. Hoffmann.G. • Método de McMaster: Constitu-se também uma técnica de OPG. A técnica de sedimentação fecal é utilizada para isolar ovos de trematóides e de alguns cestóides e nematóides. • Parasitológico de Fezes MIF (3 coletas). Muitas substâncias podem ser utilizadas para fazer as soluções de flutuação. Mattos & Brisola (1954).1960. Para contornar essa desvantagem. utiliza-se a técnica de Flutuação com Sulfato de Zinco a 33%. A Flutuação Fecal é a mais comumente utilizada em medicina veterinária. o TECSA Laboratórios oferece como recursos diagnósticos complementares os exames: • Parasitológico de Fezes.P. Entretanto. • Método de Baermann (1917) e Moraes (1948): Indicada para diagnóstico de larvas de estágio 1. Métodos quantitativos: • Método modificado de Kato-Katz (Kato. se o número de organismos for pequeno. Para o diagnóstico das enteropatias parasitárias. apresentando-se então como sobrenadante que poderão ser coletados para avaliação microscópica. 1972). principalmente para nematóides cujos ovos são pesados (Toxoxara e Dipylidium). sendo baseada no princípio que os ovos de parasitas são menos densos que o meio de flutuação. essas soluções não irão flutuar a maioria dos ovos de trematódeos. ou seja. Todos os estágios de diagnóstico dos organismos. .

Constiui um total de 3 frascos contendo uma substância preservante. Fig. abrangendo todas as técnicas que possibilitam a pesquisa de helmintos e protozoários. o TECSA Laboratórios disponibiliza a seus clientes os frascos de coleta “TF-Test”. OBSERVAÇÃO: Como um diferencial. que em conjunto são submetidas a dupla filtragem por centrifugação. Corpocultura. 1 – Ilustração do Kit de Coleta TF-Test. Tabela 1 . os tubos coletores e tubo de centrifugação. Este Kit de frascos coletores permite a realização de coletas de amostras fecais em dias alternados (total de 3 coletas) permitindo uma maior amostragem.Indicações clínicas e métodos do EPF (exame parasitológico de fezes) INDICAÇÃO Ascaridoses MÉTODOS Lutz (sedimentação espontânea) MIFC (sedimentação por centrifugação) Lutz (sedimentação espontânea) MIFC (sedimentação por centrifugação) Ancilostomoses Willis Rugai Baermann-Moraes Lutz (sedimentação espontânea) Trichiuroses MIFC (sedimentação por centrifugação) Kato-Katz (quantitativo) Lutz (sedimentação espontânea) Esquistossomose MIFC (sedimentação por centrifugação) Kato-Katz (quantitativo) Estrongiloidoses Enterobioses Teníases Giardíase Baermann-Moraes Rugai Graham (fita adesiva) Tamização Graham (fita adesiva) Pesquisa direta de trofozoítos Faust (centrífugo-flutuação) Lutz (sedimentação espontânea) Larvas Ovos Ovos Cistos Ovos Ovos Ovos/larvas ESTRUTURAS Ovos . Pesquisa de Larvas. evidenciando o Kit. Pesquisa de Giardia (ELISA).• • • • Pesquisa de Sangue Oculto.

Lutz Kinyoun Trofozoítos Oocistos Cistos Figura 2 – Oocistos de Isospora sp Fonte: http://www. Veterinário certificado ISO9001 da América Latina.edu EQUIPE DE VETERINÁRIOS . PABX: (31) 3281-0500 FAX: (31) 3287-3404 tecsa@tecsa.Dr.com. Ritchie. Credenciado no MAPA. FAÇA SEU CONVENIO E PARTICIPE DO JORNADA DO CONHECIMENTO TECSA" INDIQUE ESTA DICA TECSA PARA UM AMIGO .br RT . resultados via internet.TECSA Laboratórios Primeiro Lab.MIFC (sedimentação por centrifugação) Pesquisa direta de trofozoítos Amebíase Fezes formadas: (idem a giardose) Fezes diarréicas: hematoxilina férrica Coccidioses Faust. Luiz Eduardo Ristow CRMV MG 3708 ''Atendemos todo Brasil.medaille.