You are on page 1of 6

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

APOSTILA 3 - PREVISÃO PARA ESTOQUES:

Segundo Dias, “toda a teoria de estoques esta pautada na previsão do consumo do material. A previsão do consumo ou da demanda estabelece estas estimativas futuras dos produtos acabados comercializados pela empresa. Estabelece, portanto, quais produtos, quanto desses produtos e quando serão comprados pelos clientes. Algumas das características básicas da previsão são:

- é o ponto de partida de todo planejamento empresarial;

  • - não é uma meta de vendas; e

  • - sua previsão deve ser compatível com o custo de obtê-la.

As informações básicas, que permitem decidir quais serão as dimensões e a distribuição no tempo da demanda dos produtos acabados, podem ser classificadas em duas categorias:

  • a) QUANTITATIVAS:

    • - evolução das vendas no passado;

    • - variáveis cuja evolução e explicação estão ligadas

diretamente as vendas.

Por exemplo: criação e vendas de produtos infantis, área licenciada de construções, vendas futuras de materiais de construção;

  • - variáveis de fácil previsão, relativamente ligadas as vendas ( populações, renda, PNB); e

  • - influência da propaganda e promoções.

  • b) QUALITATIVAS:

  • - opinião dos gerentes;

-

opinião dos vendedores;

  • - opinião dos compradores; e

-

pesquisas de mercado.”

Outros aspectos a serem analisados são:

DEMANDA SAZONAL: flutua dependendo da época do ano; pode ser em função do clima, do período de férias ou eventos particulares; DEMANDA ALEATÓRIA: muitos fatores afetam a demanda durante períodos específicos, sendo que ocorrem em uma base aleatória; DEMANDA CÍCLICA: em vários anos ou décadas , aumentos ou diminuições ondulatórias na economia influenciam a demanda; DEMANDA ESTÁVEL x DINÂMICA: para alguns produtos ou serviços mudam ao longo do tempo, enquanto outros permanecem constante; as mudanças dinâmicas podem afetar a tendência, a sazonalidade ou o caráter aleatório da demanda real; quanto mais estável a demanda, mais fácil é fazer a previsão.

Histórico Análise do Formulação Avaliação do Após um Comparação do Histórico do Modelo Modelo/ Período previsto
Histórico
Análise do
Formulação
Avaliação do
Após um
Comparação
do
Histórico
do Modelo
Modelo/
Período
previsto /
Consumo
do Consumo
Geração
realizado
Previsão
Continuidade
Correção da
Previsão
Sim
da Previsão
Confirmada?
Previsão
Inicial ou
Reformulada
Sim
Modelo
Válido?
Outros Fa-
tores / In-
formações
Não
Quadro 1 - Comportamento Dinâmico do Processo de Previsão (Dias, 1995)

TÉCNICAS DE PREVISAO DO CONSUMO :

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

a) Projeção: são aquelas que admitem que o futuro será repetição do passado ou as vendas evoluirão no tempo; segundo a mesma lei observada no passado,este grupo de técnicas e de natureza essencialmente quantitativa. b) Explicação: procura-se explicar as vendas do passado mediante leis que relacionem as mesmas com outras variáveis cuja evolução e conhecida e previsível. São basicamente aplicações de técnicas de regressão e correlação. c) Predileção: funcionários experientes e conhecedores de fatores influentes nas vendas e no mercado estabelecem a evolução das vendas futuras.

Fatores que podem influenciar o comportamento do consumo:

  • - influências políticas

  • - influências sazonais

  • - inovações técnicas

  • - alteração da produção

- influências conjunturais

- alteração do comportamento dos clientes

- tipos retirados de produção

- preços competitivos dos concorrentes

MÉTODOS QUANTITATIVOS PARA CÁLCULO DE PREVISAO DE CONSUMO:

  • 1 - Método do último período:

Utiliza como previsão para o período seguinte as

(através das

estatísticas de

vendas).

quantidades

vendidas no período anterior

  • 2 - Método da média móvel:

Neste método a previsão para o próximo período e obtida calculando-se a média dos valores de

consumo nos

Exemplo:

n períodos anteriores. É um método muito simples, não muito confiável.

O consumo em quatro anos de um determinado produto foi de ( em milhares):

  • 2004 Qual deverá ser o consumo previsto

= 660

para

2005,

 
  • 2003 utilizando-se o método da média

= 630

móvel, com

n

igual a 3 ?

  • 2002 = 600

  • 2001 = 720

720 + 600 + 630

----------------

= 650

(previsão p/2004)

3

600 + 630 + 660

---------------

= 630 (previsão p/2005)

3

  • 3 - Método da média móvel ponderada:

Este método é uma variação do modelo anterior em que os valores mais recentes recebem peso

maior que os valores mais afastados da data atual. A determinação dos pesos, ou fatores de importância, deve ser de tal ordem que a soma perfaça 100 % . Exemplo:

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

ANOS

VOL. VENDAS (1000)

PESOS (%)

-------------------------------------------------------------

  • 2001 720

50

  • 2002 600

25

  • 2003 630

20

  • 2004 660

5

Previsão para 2005 = (600 x 1.25) + (630 x 1.20) + (660 x 1.05)

3

= 2.199 / 3 = 733 unidades

ANOS

V.V (1000)

PESOS (%)

 

-------------------------------------------------------------

  • 2004 90

5

  • 2003 87

10

  • 2002 91

20

  • 2001 75

25

  • 2000 82

40

Previsão para 2005 (com n = 4)

=

(75 x 1.25) + (91 x 1.20) + (87 x 1,10) + (90 x 1,05)

=

98,29

 

3

Previsão

para

2005

(com n = 3) = (91 x 1.20) + (87 x 1,10) + (90 x 1,05)

=

99,8

3

4 – Método da Média com Ponderação Exponencial

Este método tem a vantagem de um menor manuseio de informações passadas, dando maior valor aos dados mais recentes. Para esse tipo de previsão são necessários 3 valores: 1) a previsão do último período, 2) o consumo no último período e 3) uma constante que determina o valor ou ponderação dada aos valores mais recentes. Vamos supor que fizemos uma previsão de consumo de 100 unidades, e que o consumo real foi de 95 unidades. Temos então que determinar quanto dessa diferença foi por causas aleatórias e quanto pode ser atribuído a uma mudança no padrão de consumo. Se a causa foi aleatória, mantemos a previsão de 100. Se foi mudança de comportamento adotamos o método do último período e projetamos 95 unidades para o próximo mês.

Mas se decidirmos que somente 20% da diferença podem ser atribuídas a alterações de consumo (e 80% à variação aleatória) então nossa próxima previsão será de 99 unidades (20% do erro (100-95) = 1). Portanto Próxima Previsão = Previsão Anterior + Constante de Amortecimento x Erro de Previsão

Ou

X t =

. X t + ( 1 -

) . X t 1

Exemplo: o nível de consumo de um item mantém uma oscilação média. A empresa utiliza o cálculo de média ponderada exponencial. Em 2003, a previsão de consumo era de 230 unidades, tendo o ajustamento um coeficiente de 0,10. Em 2004 o consumo foi de 210 unidades. Qual é a previsão de consumo para 2005:

X t = . X t + ( 1 - ) . X t 1 X t = 0,10 . 210 + (1 – 0,1) . 230 X t = 21 + 207 = 228

5 - Método dos mínimos quadrados:

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

Este método e usado para determinar a melhor linha de ajuste que passa mais perto de todos os dados coletados, ou seja, é a linha de melhor ajuste que minimiza as diferenças entre a linha reta e cada ponto levantado.

Uma linha reta esta definida pela equação Y = a

+ b.x.

Nas séries temporais, Y e o

valor previsto em um tempo x medido em incrementos, tais como anos, a partir do ano base. O

objetivo e determinar "a", o valor de Y e "b", a inclinação da reta.

Usam-se duas equações para determinar "a" e "b". Obtemos a primeira multiplicando-se a equação da linha reta pelo coeficiente "a" e somando os termos. Sendo o coeficiente "a" igual a 1 e sabendo-se que N e o número de pontos, a equação se modifica para:

 

Y = N a + b

.

.

X

 

A segunda equação e desenvolvida de maneira semelhante. O coeficiente de "b" e X. Ao multiplicarmos os termos por X e soma-los, teremos:

XY

= a

X +b

X

2

Estas duas equações são denominadas equações normais. As quatro somas necessárias à resolução das equações são obtidas de forma tabular, tendo em vista que X é igual ao número de períodos a partir do ano base.

Depois da obtenção das quatro somas, estas são substituídas nas equações normais, onde os valores de "a" e "b" são calculados e substituídos na equação da linha reta para obtenção da

formula da previsão:

Y p = a + b.x

Exemplificando: Determinada empresa quer calcular a previsão de vendas do seu produto NK-342 para o ano de 2005. As vendas dos cinco anos anteriores foram (vendas em milhares de unidades):

Ano (x)

Vendas (y)

x

X ²

x.y

2000

 
  • 324 1

 
  • 1 324

2001

 
  • 357 2

 
  • 4 714

2002

 
  • 330 3

 
  • 9 990

2003

 
  • 366 4

 
  • 16 1.464

2004

 
  • 390 5

 
  • 25 1.950

 

1767

15

 
  • 55 5.442

2005

396

6

   

De onde resultam as equações normais:

  • 1767 5a + 15b

=

  • 5442 = 15a + 55b

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

5a + 15b = 1767

(-3)

15a + 55b = 5442

-15a

- 45b = -5301

15a + 55b =

5442

________________

10b =

141

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS 5a + 15b = 1767 (-3) 15a + 55b = 5442 -15a -

b = 14,1

Substituindo "b" na 1ª. equação (original):

  • 1767 = 5a + (15 x 14,1)

  • 1767 = 5a + 211,5

5a= 1555,5

5a= 1555,5

a = 311,1

Logo a previsão para 2005 é:

Yp

= 311,1 + (14,1

x

X)

Yp

= 325,2 + (14,1

x

6)

Y 2005 = 395,7 = 396 unidades

Exercício:

O Consumo do item AB-432, nos últimos 8 anos foi, respectivamente,

500/580/520/630/510/590/570/560. Calcule pelo Método dos Mínimos Quadrados o

consumo previsto para os próximos 02 anos.

FÓRMULAS - Método dos Mínimos Quadrados Y = a + b.x Y = N a +
FÓRMULAS
-
Método
dos
Mínimos
Quadrados
Y = a + b.x
Y = N a + b
.
.
X
2
XY = a
X + b
X

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

QUESTÕES DE REVISÃO SOBRE AS AULAS INICIAIS:

  • 1. O QUE É CODIFICAÇÃO GENERICA?

É A FORMA DE CODIFICAÇÃO QUE ESTABELECE UM CÓDIGO COMUM A ITENS DA

MESMA NATUREZA.

  • 2. O QUE É NOME BASICO?

É A DENOMINAÇÃO MAIS ELEMENTAR DE UM MATERIAL, EVITANDO-SE O USO DE

PLURALIDADE E SINONIMOS, USO DE PALAVRAS ESTRANGEIRAS, GIRIAS OU REGIONALISMOS.

  • 3. O QUE É NOME PADRONIZADO?

É A NOMECLATURA ADOTADA PARA REPRESENTAR AGRUPAMENTOS DE BENS SIMILARES VISANDO ABOLIR O USO DE PALAVRAS REFERENTES A MARCAS COMERCIAIS REGISTRADAS, GIRIAS E REGIONALISMOS, PLURALIODADE DE SINONIMOS, TERMOS ALIENIGENAS.

  • 4. QUAL A IMPORTÂNCIA DA DESCRIÇÃO COMPLEMENTAR?

É A REUNIÃO DE INFORMAÇÕES RELACIONADAS A UM DETERMINADO MATERIAL

PERMITINDO SUA IDENTIFICAÇÃO CLARA E PRECISA.

  • 5. O QUE VOCE SABE SOBRE IDENTIFICAÇÃO AUXILIAR?

É O CONJUNTO DE INFORMAÇÕES DESTINADAS A COMPLEMENTAR OS DADOS DESCRITIVOS, CONSTITUINDO-SE NUMA FONTE DE AUXILIO
É
O CONJUNTO DE
INFORMAÇÕES DESTINADAS A COMPLEMENTAR OS DADOS
DESCRITIVOS,
CONSTITUINDO-SE
NUMA FONTE
DE AUXILIO AOS
SERVIÇOS
DE
IDENTIFICAÇÃO.
PPRIN
RINCCÍÍPIOPIOSS DODO SIGSIGNNIFIFICICATATIVIVOOSS DDOS
OS DDAADOS
DOS
DADA PPADR
ADRONIZA
ONIZAÇÇÃÃOO DEDE UUMM BBEEMM
Exemplo
Papel p/correspondência – Apergaminhado, branco, formato A4medindo 210x297mm,
gramatura de 75g/m2. Acondicionado em pacote com 500 folhas. UN. Ref.: CHAMEX 500.
Nome Básico
Papel
Nome Padronizado
Nome Modificador
p/correspondência
apergaminhado,
Nomenclatura
branco
Comlementar
Dados
Descritivos
Descrição Detalhada
formato A-4 medindo
dos Bens
Características
210x297mm,
Físicas
gramatura de 75g/m2
Aplicação
geral
Perserv.
pacote c/500 folhas
Embal.
Acond.
Identificação Auxiliar
Unidade (500 folhas)
Unid. Estocagem
Chamex 500
Ref. Comercial
Código do Fornecedor