Shanenawa e Nawa. Bolívia e Peru. cerca de 8. Nukini. As etnias Pano ocupam juntamente com povos falantes de outras famílias linguísticas um vasto território (100 milhões de hectares) de forma aproximadamente quadrangular limitado pelos paralelos 3°S e 14º S e pelos meridianos 72° W e 64° W na região amazônica. linguística e cultural distribuída em três países: Brasil. No sul do Amazonas também existem povos Pano. Histórico sobre os Povos da família Pano A família Pano possui uma grande homogeneidade territorial. Jaminawa. como os Marubo. Shãwãdawa (Arara). 01 . Kuntanawa. Madeira e seus afluentes. Conta com cerca de três dezenas de línguas faladas por aproximadamente 40. sendo 30. Huni Kuin (Kaxinawá). Habitam as áreas adjacentes aos rios Purus. Juruá.Apresentação Corredor Pano é um projeto de união entre os povos indígenas do tronco lingüístico Pano. Katukina. no Acre.000 pessoas. É também o alicerce para o fortalecimento da identidade destes povos e de sua cultura ancestral que vêm se perdendo ao longo de décadas de contato com povos não-índios.000 só no Peru. Neste estado vivem os Yawanawa. Kaxarari e Matis. As etnias do tronco Pano. as guerras que ocorreram com a ocupação do Acre por seringalistas e seringueiros desde o fim do século 19. Estes povos sofreram com o derramamento de sangue promovido pelas “correrias”.200 no Brasil e umas 800 na Bolívia. Apolima Arara. Korubo. Jaminawa-Arara. representam cerca de 90% da população indígena do estado. que hoje defendem uma política de integração através do estabelecimento de corredores culturais. Puyanawa.

apenas acompanhado de esposa e filhos (as). como utensílios. Os pajés (xamãs. Nas correrias os povos indígenas literalmente saíam correndo. 02 . por exemplo. junto com os demais anciões. os costumes e língua é uma responsabilidades de todos nas comunidades e. Manter viva a memória dos povos Pano. que continuam ensinando aos jovens das aldeias a educação tradicional. o regime da seringa esfacelou as aldeias. onde hoje se localizam a maioria das Terras Indígenas.Nestas guerras houveram muitas mortes. Isto foi extremamente pernicioso à cultura da vida coletiva nas aldeias. Ao longo do contato com a sociedade não-indígena. Neste processo se perdia muita coisa. os seus cemitérios. grupos vivendo fora da aldeia. é uma preocupação das lideranças e professores em ensinar a cultura tradicional dos antepassados aos mais jovens. escravidão ou submissão dos (as) índios (as) aos patrões no regime economicamente injusto da seringa. Os índios em geral passavam a ter neste contexto vergonha de falar sua língua e praticar seus costumes. os povos Pano viveram forte mudança cultural (casamento interétnico entre índios e brancos.). líderes espirituais). ou nascentes) dos rios. pois cada seringueiro cuida de uma colocação distante (dispersa) uma da outra na mata. Foram proibidos de falar sua língua e praticar suas festas e rituais. são memórias vivas do povo. sendo que mesmo entre eles instalaram-se práticas repressoras de auto-censura da língua e da cultura. se refugiando em locais longínquos na floresta acreana. missões religiosas na comunidade. sementes de suas plantações (este talvez seja o principal impacto) e a importante ligação com suas terras originárias. os rituais. as danças. tipicamente nos altos (cabeceiras. Além disso. Também se perdeu boa parte da língua e inúmeros atributos e práticas culturais. etc.

Tarauacá. Feijó e no rio Purus População: aproximadamente 10.000 pessoas Terra Indígena: várias aldeias distribuídas em 14 Terras indígenas 03 . Marechal taumathurgo.Público Dados Gerais Yawanawa Localização: Município de Tarauacá População: 700 pessoas Terra Indígena: distribuída em 06 aldeias Katukina Localização: Município de Cruzeiro do Sul População: 600 pessoas Terra Indígena: distribuída em 08 aldeias Huni Kuin (Kaxinawa) Localização: Municípios do Jordão.

Público Dados Gerais Kuntanawa Localização: Marechal Thaumaturgo População: aproximadamente 380 pessoas Terra Indígena: em processo de demarcação Shawãdawa Localização: Porto Walter População: aproximadamente 680 pessoas Terra Indígena: Apolima-Arara Localização: Marechal Thaumaturgo População: aproximadamente 300 pessoas Terra Indígena: 04 .

Público Dados Gerais Jaminawa-arara Localização: Município de Marechal Thaumaturgo População: aproximadamente 250 pessoas Terra Indígena: Jaminawa Localização: Município de Assis Brasil. Rodrigues Alves e Sena Madureira População: aproximadamente 2000 pessoas Terra Indígena: Nukini Localização: Município de Mâncio Lima População: aproximadamente 780 pessoas Terra Indígena: 05 .

Público Dados Gerais Shanenawa Localização: Município de Feijó População: aproximadamente 780 pessoas Terra Indígena: distribuída em 06 aldeias Nawa Localização: Mâncio Lima População: aproximadamente XXX pessoas Terra Indígena: Etnia: Marubo Localização: Município de Atalaia do Norte (AM) População: 1.900 pessoas Terra Indígena: distribuída em 06 aldeias 06 .

Implantar Centros Culturais de Tradição e Memória. Realizar Festivais Anuais reunindo todos os povos integrados no Corredor Pano. Realizar Encontros bianuais de Lideranças dos povos Pano. aqüicultura. Realizar 01 circuito de encontros culturais / Festivais Internos de cada povo. Objetivos Específicos Os objetivos específicos estão em consonância com as linhas de ação sendo que dentre as diversas atividades. saneamento. produção agroflorestal para a segurança alimentar.Objetivo Geral O Corredor Pano é um projeto de articulação permanente e tem como objetivo principal a integração e a promoção cultural. 4. 6. para os anos 2011 e 2012. restaurando ou reformando espaços sagrados e estruturas para festivais. Promover práticas de sustentabilidade nas aldeias (qualidade da água. reflorestamento. em 14 terras indígenas criando. 2. além de potencializar esses povos como agentes diretos da preservação da floresta amazônica e de sua biodiversidade. Apoiar e formar Agentes Culturais Indígenas. social e ambiental dos povos do tronco lingüístico Pano pelo fortalecimento de sua cultura tradicional. 3. 07 . etc). tratamento de resíduos. 7. 5. Fomentar a produção cultural indígena nas linguagens tradicionais e modernas. zoneamento territorial. as principais são: 1.

do kambô. Marubo e Yawanawa são os grupos que já iniciaram os trabalhos de definição de locais e projetos para os centros culturais. através do Corredor Pano. Jaminawa. os rituais e hábitos tradicionais eram proibidos. e sobre os festivais. Significa um reforço do pacto ambiental pela proteção dos recursos naturais e da biodiversidade. também acontece motivada pela necessidade de defesa da vida. a língua. Através de seus festivais e encontros – que funcionam como importantes mergulhos e verdadeiras aulas do conhecimento tradicional . na terra indígena Katukina da Campina (Tarauacá-AC). o I Festival Cultural do Corredor Pano. mas muito se perdeu e precisa ser resgatado. Em julho de 2010. a Família pano num só terreiro. Shãwãdawa (Arara). pela luta contra a biopirataria e melhoria. A união e articulação permanente das comunidades indígenas. no tempo dos patrões da seringa. mais que nunca de políticas e ferramentas de proteção e fortalecimento da cultura ancestral. 08 . na terra indígena Kuntanawa do alto rio Tejo (Marechal Thaumaturgo-AC) reuniu. no I Encontro de Lideranças Pano. espaços tradicionais a serem apoiados. Nukini.Justificativa Os povos Pano da Amazônia precisam hoje. Huni Kuin (Kaxinawa). Noke koin (Katukina). Jaminawa-Arara. Se. pela primeira vez após cerca de um século. bem como do desenvolvimento de meios de produção e difusão de suas culturas. nas aldeias. histórias. as festas e festivais. hoje se encontram em plena expansão. Em outubro do mesmo ano. a dança do mariri. Kuntanawa.é que este patrimônio cultural tem sido mais revivido e fortalecido. jogos. um rico acervo de brincadeiras. os povos firmaram ou reafirmaram sua participação no projeto Corredor Pano. da qualidade ambiental e qualidade de vida em geral. os cantos. do rapé. Estes povos têm muita coisa em comum – o uso ritual da ayahuasca.

reforma.LINHAS DE AÇÃO Para cumprimento dos Objetivos e Metas. Formação e Apoio a Agentes Culturais Indígenas 4. Fomento a Produção Cultural indígena 5. Sustentabilidade Sociombiental das Terras Indígenas 09 . restauração e ampliação de Centros Culturais e Espaços Sagrados nas aldeias 2. as Linhas de Ação a serem contempladas pelo projeto apontam para uma atuação ao mesmo tempo multidimensional e unificada e tem como propostas principais: 1. Realização de Festivais e encontros culturais indígenas 3. Implantação.

3. Reforma.1 Aquisição de Equipamentos 1.4.Realização de circuitos de Festivais e encontros culturais indígenas 2.2. Realização do II e III Encontro de Lideranças Indígenas do TRONCO PANO 2. Inauguração dos Centros de Tradição e Memória 2. reforma. restauração e ampliação de Centros Culturais e Espaços Sagrados nas aldeias 1.1 Aquisição de Equipamentos 2. Estabelecimento do Marco Legal dos Circuitos Culturais 2.6.4.Linha de Ação 01 .5. Implementar o Programa de Regulamentação e consolidação dos Circuitos de Encontros Culturais Indígenas (CECI’s) 2. Realização de Intercâmbios 10 . Estabelecimento de um calendário de atividades dos circuitos de encontros culturais indígenas 2.a.2. Programa de Construção.3. reforma e restauração dos espaços e implantação dos centros de tradição e memória nas aldeias e locais indicados por cada povo envolvido no projeto 1. restauração e ampliação de Centros Culturais e Espaços Sagrados nas aldeias Linha de Ação 02 . Realização de Visitas Técnicas nos locais de reforma 1.Implantação.6. Realização de Festivais Culturais Indígenas 2. Seminário de Orientação sobre o PROJETO CORREDOR PANO 1.

a. Elaboração de Propostas Pedagógicas para o Curso de Formação de Agentes Culturais Indígenas 3.5. Promoção do Reflorestamento direto de áreas degradadas.’s 5. Realização de gravação de músicas e histórias indígenas Linha de Ação 05 .1.2. Implantação de jardins de plantas medicinais e Farmácias Vivas 5.5. Realização de Processo Seletivo para distribuição de Bolsa de Estudo para a função de Agente Cultural Indígena 3. Estruturação física do IGF 5. Elaboração das Propostas Pedagógicas 5.4. mantendo viveiros de mudas nativas 5.3.b.5.b. Publicação do Edital para Seleção de Micro-projetos Culturais 4. Manejo Florestal Comunitário de Uso Múltiplo 5.1.4.6. Aquisição de Equipamentos 5.3. Educação para a Saúde – Segurança Alimentar 5. Curso de Formação de Agentes Culturais indígenas Linha de ação 04 .I. Implementação do o Programa de Sustentabilidade Sócio-ambiental das T. Implementar o Programa de Formação e Apoio a Agentes Culturais Indígenas (ACI) 3.Fomento a Produção Cultural indígena 4.1. Implementar o Programa de Apoio a Micro-projetos 4. Aquisição de Equipamentos 3.2.3. Publicação de livros educativos na língua nativa 4. Realização de Mostras Culturais Indígenas 4.1. Realização de Documentário sobre o Projeto Corredor Pano 4. Educação para a Saúde – Tratamento. armazenamento e purificação de águas para o consumo humano 5.a.2.b.3.Linha de Ação 03 .Formação e Apoio a Agentes Culturais Indígenas 3.a. Estruturação física do IGF 4. Estruturação física do IGF 3. Aquisição de Equipamentos 4. Revitalização de lagos e manter sistemas de aqüicultura 5. Reaproveitamento e Destinação de resíduos 11 .5.2.5.Sustentabilidade Socioambiental das Terras Indígenas 5. Elaboração de Edital para a Seleção de Micro-projetos Culturais Indígenas 4. Implantação de estruturas de captação.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful