Unidade: O Desenvolvimento Sobre o Pensar e o Fazer   Político Unidade I: no Ocidente

Unidade: O Desenvolvimento Sobre o Pensar e o Fazer Político no Ocidente

Time lapse blurred view of people crossing the street and a tour bus in the background IMAGEM: © Corbis COLEÇÃO image100

Sempre que pensamos em “política” imaginamos a dimensão de organização político-partidária da sociedade, ou seja, pensamos no âmbito dos partidos políticos que disputam eleições, que por sua vez garantem sua chegada ou permanência no poder. Pensamos em cada partido em torno de uma ideologia ou um grupo de interesses; organizados, via de regra, para concorrerem às eleições. Ocorre que esta é apenas uma dimensão do que se refere à vida política! Uma dimensão demasiadamente restrita, ou seja, “política” é muito mais que isso! Em verdade, tratamos de algo muito mais amplo e que envolve a todos nós! De certo que os partidos políticos, por si só, lamentavelmente, não conseguem envolver-nos, dado o distanciamento entre seus reais interesses e o eleitorado mediano. Essa dimensão mais ampla de política, aqui mencionada, refere-se às negociações que mantemos uns com os outros para um melhor convívio social,

  

Unidade: O Desenvolvimento Sobre o Pensar e o Fazer Político no Ocidente  

Mas. vamos recorrer à etimologia. e as relações que os grupos mantêm entre si constituem. Verificamos. primordialmente. a política em todas as relações que envolvem os indivíduos na interação social. Sendo assim. então.a fome. coleta. domesticação dos animais. isso porque é muito mais fácil viver em grupo do que isoladamente. em essência. individualmente ou em grupo? Obviamente você deve ter respondido que é pela “lei do menor esforço”: em grupo. em grupos de interesses comuns. à origem do termo.. Para atender a nossa necessidade biológica mais primordial . relações políticas. caça.). como seria melhor organizar as atividades que garantiriam saciá-la (plantio. aos negócios públicos. ou seja. Percebam que continuamos tratando de “como organizar” o convívio social. E quando interagimos socialmente? Sempre! Uma vez que a vida humana se dá. agora no espaço das cidades. para verificarmos a que se referia o termo “política” quando de sua criação:    2  . A interação dos indivíduos dentro dos grupos é natural à própria existência humana.o que inclui as formas de organizar esse convívio. trata-se de tudo aquilo que diz respeito aos cidadãos e ao governo da cidade. Vamos pensar juntos. o trabalho para obtenção de renda com a qual se compra comida. antes de fecharmos com essa definição. há um campo muito grande de possibilidades de definição quando perguntamos: O que é política? Unidade: O Desenvolvimento Sobre o Pensar e o Fazer Político no Ocidente   O que é política? Por definição. Esta interação entre indivíduos conformando grupos..

Coletividade Latim: POLITICUS Sendo assim. filósofo grego que viveu durante o séc. produto da interação social. fundamentalmente. a vida humana seria.. então.ETIMOLOGIA: Grego: πολιτεία (politeía) POLITIKÓS = referia-se à organização da unidade política POLIS (Cidade-Estado grega) Cidade-Estado. ou por influência). relações de poder (aquelas em que um pode sempre mais que o outro). ou pelo prestígio. em que um pode mais que outro (ou pela força. em essência. podemos dizer que relações políticas envolvem. Aristotele. Bust Of Greek Philosopher Aristotle Título original: Terme.    Unidade: O Desenvolvimento Sobre o Pensar e o Fazer Político no Ocidente   3  . a negociação constante de interesses entre dois ou mais atores.). IMAGEM: © Bettmann/CORBIS LOCAL Terme. Italy: Picture shows a Bust of the Greek Philosopher. ou seja. at the Museo Nazionale delle Terme (National Museum in Terme). invariavelmente. Italy COLEÇÃO Bettmann influente e não influente = mais influente e menos influente etc.C. o “animal político”. ao se referir ao Homem. Se a política se dá entre atores desiguais (forte e fraco = mais forte e menos forte. Undated photo. Aristóteles. III a. ao se referir ao Homem de tal forma. sendo assim. a política é. Sociedade. A política seria. rico e pobre = rico e menos rico. Comunidade. tanto é que Aristóteles. dizia que ele nascia para viver em sociedade e não isolado dela. invariavelmente em condições desiguais. eivada de relações políticas. tratou-o como o “ZÕOM POLITIKÓS”.

Como instituição. entendimentos e desentendimentos dos homens.Consiste em ações. intuitos. por vezes idênticas: relações políticas. em essência. Trata-se do campo de disputa para conquista do poder. ou um lugar nele: por meio de eleições. vetorizados por relações de força (como no dito popular: “Manda quem pode. Ocorre que há outros campos de definição sobre a política. obedece quem tem juiz!”). verifica-se o significado de política deslocado do âmbito do convívio entre os indivíduos para sua esfera máxima de organização em sociedade: o Estado. mas também no âmbito das comunidades convivendo entre si. constituem-se ordenadas por lógicas similares. ou dos Estados convivendo entre si numa outra dimensão de comunidade: a comunidade internacional. ou parte dele. também se verifica nas relações entre as comunidades. manobras. como conduta social.    4  . sendo assim. A questão aqui é ampliar ou reduzir o foco para relações que. campanhas eleitorais etc. incluindo aqueles que alcançaram o grau de organização política na forma de Estado. Se a política pode ser verificada na interação entre indivíduos numa dada comunidade. Unidade: O Desenvolvimento Sobre o Pensar e o Fazer Político no Ocidente   Outras definições de política Acabamos de definir a política como produto da interação social. comportamentos. Isso para dizer que é possível localizar a política não somente no âmbito dos indivíduos convivendo entre si numa determinada comunidade.

portanto a Nicolau Maquiavel (1469-1527). é a filosofia. desdobra-se a política como Filosofia ou Ciência do Estado. pressupõe a política. temos a política como ciência. espaço do pensar sobre a política. Poder assume aqui. portanto. os governados obedecem. e assim por diante. como a luta pelo exercício de poder. Sendo assim. Como área de conhecimento. dimensão do fazer político ou do estudo sobre o fazer político. temos a política como filosofia e a política como ciência. Italian political philosopher. como instituição. o governante ordena. IMAGEM: © Bettmann/CORBIS COLEÇÃO Bettmann Há também o sentido da política como a orientação seguida por um governo. Sua dimensão especulativa. Nesse sentido.A concepção maquiaveliana. a daquela sociedade. O que as difere é exatamente o que separa o pensar do fazer. Undated engraving. ou seja. Você está acompanhando o raciocínio? Então. bem como a Filosofia ou Ciência do Poder. Niccolo Machiavelli An Italian Philosoph Título original: Niccolo Machiavelli (1469-1527). a política é subdividida em áreas: a política educacional trata da matéria da educação. o próprio sentido de governo: aquele que governa exerce poder sobre os governados. atribuída. como um governo efetivamente governa. vamos continuar! Unidade: O Desenvolvimento Sobre o Pensar e o Fazer Político no Ocidente   política financeira de um governo refere-se à organização do sistema financeiro    5  . Com rigor metodológico. como funciona naquele governo a questão do ensino. partindo da própria filosofia especulativa e aplicandolhe métodos rigorosos de verificação para validação das hipóteses trabalhadas. ou seja. desobrigada dos procedimentos empíricos para comprovação de teses.

sistemas de governo. Aristóteles. Platão. A disciplina de Ciência Política pertence ao domínio do conhecimento prático.Ocorre que tanto a filosofia quanto a ciência necessitam de fundamentos teóricos. O conjunto de sua obra constitui os clássicos do pensamento político. nos dando indicações sobre a sua percepção do que seria um “governo ideal”. Unidade: O Desenvolvimento Sobre o Pensar e o Fazer Político no Ocidente      6  . ela pode ser ensinada tanto como Filosofia Política quanto como Ciência Política. de natureza normativa e pragmática. Engels. Portanto. Marx. ou seja. com a finalidade de estudar como organizar institucionalmente o Estado e. o mesmo ocorre com a política como disciplina. É aqui que localizamos então uma teoria política: a fundamentação teórica que orienta a filosofia e a ciência que estuda a moral normativa do governo da sociedade civil. Se a política. Rousseau. ou seja. cumpriram essa função. Hobbes. chegamos à política como objeto de reflexão. autores de distintas sociedades refletem. Hegel. Com isso. Maquiavel. qual a melhor forma de organizar as sociedades. Nesses livros. ao longo da história. E é a partir dos clássicos da literatura política que localizamos os pressupostos teóricos da política. Locke. com a estabilidade advinda. ela pode também ser ensinada. existe uma dimensão de política também como disciplina e da mesma forma com que o conhecimento construído se encontra organizado entre Filosofia Política e Ciência Política. sobre os problemas políticos de sua época. Stuart Mill. dentre tantos. como teoria. princípios legitimadores do exercício do poder político etc. de estudo. A disciplina de Filosofia Política consiste na análise filosófica da relação entre cidadãos e sociedade. é objeto de estudo. atingir o bem-estar em sociedade por meio do bom governo. formas e condições de exercício de poder.

Nessa perspectiva. manutenção e expansão do poder. aí que primordialmente. política e é nasceu. a política é a arte de governar (a polis = cidadeestado grega). passaram a refletir sobre formas melhores e mais eficazes de organização da vida social.    7  . portanto. em essência. entendendo-se política pela luta. é possível agora determinarmos.sobre as relações interindivíduos. simplista sobre algo muito mais complexo e amplo. uma visão. conquista. em linhas gerais. para Petroglyph IMAGEM: © Natural Selection John Bracchi /Design Pics/Corbis COLEÇÃO Design Pics organizarem as ações produtivas e o necessário à sobrevivência numa natureza que não só provêm. mas que é. Tendo explanado sobre os mais distintos significados que guardam os sentidos de política. as relações interestados e sistemas de governo. como reflexão encontramos uma proximidade muito forte entre Filosofia e Política. hostil. As instituições políticas seriam então os meios pelos quais se exerceria o poder. quais são seus fundamentos em relação à própria dimensão político-partidária. as relações de poder existem entre aqueles que mandam e aqueles que obedecem. e governar é o âmbito da política como poder. Desde que os primeiros hominídios passaram a ser organizar em grupos com a finalidade de se proteger de animais predadores. e toda relação de poder é mediada pela força: como vimos. que dizíamos no início do texto ser aquela compreendida única e exclusivamente como política. Unidade: O Desenvolvimento Sobre o Pensar e o Fazer Político no Ocidente   Relações entre Filosofia e Política A filosófica.

verificamos a política então como objeto de reflexão filosófica. Muito anterior a sua sistematização como área de conhecimento ou ciência. até o preço do pão sobre a mesa. e um poder judiciário que deve fiscalizar o cumprimento das leis. de Filosofia Política. Tanto como reflexão quanto como atitude filosófica. a organização da vida política em torno de instituições como o Congresso. então. sua localização em relação aos seus objetivos (proximidade de uma fogueira para minimizar o frio e espantar animais predadores. a partir de reflexões que empreendem previamente sobre como melhor organizar o grupo. encontramos a reflexão política norteando a organização da vida em sociedade. num grau de complexidade maior: de governo e de instituições para exercício desse governo. essas também dadas em termos políticos. um objeto primordialmente político. do mais simples ao mais complexo. a política não é algo distante de nós. e que também foi objeto de densas reflexões. por exemplo). este suscetível Unidade: O Desenvolvimento Sobre o Pensar e o Fazer Político no Ocidente      8  . composto por Câmaras de Senadores e de Deputados. Do mais simples ao mais complexo. também consiste numa forma de organização política da sociedade. a existência de um presidente (chefe do Executivo) que é eleito pelo povo.Já sabemos que esse tipo de reflexão assume. Sendo assim. determinando um líder para o grupo ou dissolvendo a liderança determinando que todas as decisões partiriam do acordo entre todos: estão se organizando em termos políticos. Desta forma. seja na forma de organizarmos o convívio no âmbito do lar. trata-se do campo especulativo sobre formas ideais de organização das sociedades. ela nos atinge cotidianamente. especificamente.  no caso mais complexo. jovens num acampamento decidindo a disposição de suas barracas. o histórico de reflexão política do Homem é antigo.  no caso mais simples. essas localizadas na literatura. Assim sendo.

A institucionalização das relações políticas e a jurisdização da vida social Como vimos. ou seja. ou seja. constituem relações de poder. você sabe a partir de quais instrumentos? Unidade: O Desenvolvimento Sobre o Pensar e o Fazer Político no Ocidente   com distintos graus de complexidade. Grupos sociais de tipo de organização complexa detêm instituições que normatizam e garantem suas práticas de organização. práticas essencialmente políticas. portanto. Já sabemos que a política é o âmbito de relações vetorizadas pela força. Ocorre que grupos sociais podem se organizar de diferentes formas. A política. organização seja simples e grupos cuja organização seja complexa. mas das políticas econômicas que normatizam o mercado.às variações de preço por conta não só do mercado. Podemos dizer que aquilo que distingue grupos de organização social simples de grupos de organização social complexa seja o seu grau de institucionalização. é parte indissociável da vida social. dentre tantas definições. nas formas de organização da sociedade em torno de objetivos comuns. a política permeia a vida social. Podemos continuar? Vamos falar sobre a institucionalização das relações políticas e sobre a jurisdização da vida social. A questão é: como se exerce o poder para que se faça cumprir as práticas de organização da sociedade? Pelo uso da força! Mas. podendo ser entendida de forma abrangente. a existência de instituições que garantam o cumprimento das práticas de organização. pode haver grupos cuja    9  . Grupos sociais de tipo de organização simples dispõem apenas das práticas de organização do grupo. sendo assim.

ou seja. passando gradativamente para organizações com graus de complexidade sempre crescentes. em seu aspecto legal.nndb. gradativamente.. grupos simples teriam um funcionamento praticamente orgânico. Não que os grupos simples não possuam leis. todas as sociedades desenvolveriam. Nesse sentido. recebe o nome de “jurisdização”. Talcott Parsons chamou de diferenciação. sua natureza é que é distinta. pressupõe também um grau sempre crescente de jurisdização da vida social (criação de leis cuja finalidade é regular o convívio social)./000113472/talcott -parsons.Muito bem. naturalmente. maior o seu grau de institucionalização e jurisdização. A esse processo de transformação. iriam se tornando complexos. os grupos sociais estariam em 240 x 323 . A diferenciação pressupõe então. criam-se normas para a organização da sociedade: leis.jpg Veja a imagem em: www. que é entendida por nós como sua crescente institucionalização. Neste sentido.. dinâmicas de complexização. assumindo uma organização de tipo mecânico. atendendo as suas leis naturais de desenvolvimento. processos crescentes de institucionalização (criação e aperfeiçoamento de instituições) e jurisdização (criação e aperfeiçoamento das leis).    Unidade: O Desenvolvimento Sobre o Pensar e o Fazer Político no Ocidente   10  .com/people/811/0001 13472/ constante transformação.25k . a complexização dos grupos.nndb.jpg www. Quanto mais complexos os grupos. Para o mais famoso sociólogo norteamericano.com/. os grupos que começariam se organizando de forma simples. Esse processo de normatização. Talcott Parsons (1902-1979). Para ele. como movimento de transformação de grupos sociais simples (orgânicos) para complexos (mecânicos).

primordialmente.35k . Para as mais complexas. definiu o Estado (esfera máxima de organização burocrática de uma sociedade) como a instituição que detém o monopólio do uso legítimo da força. nessas sociedades há a tendência de burocratizar a normatização da vida social.org/. organizar a vida de seus súditos (governados). da mesma forma. O intelectual alemão Max Weber (18641920). 280 x 390 . temos leis formais e legalmente instituídas.. dois tipos de leis que correspondem a distintos graus de complexidade das sociedades que as produzem. seu cumprimento está pautado no poder que uma classe dirigente política tem sobre seus súditos. para que se faça cumprir a lei mediante a ameaça do uso da força.imf.. Para as mais simples temos leis que advêm da tradição.jpg Veja a imagem em: blogpfm.jpg . em termos legais. a partir dessas relações. usar a força ou ameaçar usá-la para garantir a obediência à lei e.Temos então.blogpfm. desta forma.html    Unidade: O Desenvolvimento Sobre o Pensar e o Fazer Político no Ocidente   11  . cuja transmissão é oral e se ensina de geração para geração: são chamadas de leis consuetudinárias ou tradicionais. Para ambos os casos.. Essas são chamadas de legais ou burocráticas. a questão é que. Essa seria a relação primordial entre a institucionalização da vida política e a jurisdização da vida social: o Estado (nas mãos de uma classe dirigente ou dominante) seria a instituição que poderia.imf. invariavelmente escritas. Não que não haja leis consuetudinárias em sociedades complexas./12/in-his-essayon.org/../2008/12/20/max_we ber_2.

Quando obedecemos este tipo de lei é também porque agentes do poder público (representantes do Estado como fiscais ou policiais. em uma zona rural. mantêm formas simples (orgânicas) de organização. Obviamente./ArquivoPosts. Antonio Cândido (notável intelectual brasileiro) demonstrou em sua tese de doutorado. para leis estaduais. Níveis intermediários de organização política Ocorre que esses fenômenos não se verificam apenas nas relações que os indivíduos mantêm com o Estado. Pensemos em um grupo de moradores de um pequeno vilarejo.br/. para leis municipais)./antonio%20candido. eles estão submetidos às mesmas leis que sociedades mais complexas. Tratemos de alguns Unidade: O Desenvolvimento Sobre o Pensar e o Fazer Político no Ocidente   exemplos que ilustram essas relações nesses níveis intermediários. O Prof.br/. Se assim fosse.12. na medida em que um não faria ao outro aquilo que não desejaria que fosse feito consigo mesmo (uma sociedade ideal. ou seja. urbanizadas.blogtribuna. estadual. como sociedades rurais praticavam o que ele denominou como “solidariedade vicinal”. mas nos mais variados níveis intermediários que podem existir em diversos contextos. nas cidades (caso estejam no mesmo território nacional. ou fazer recair sobre nós outras medidas punitivas (restritivas de liberdade ou de direitos. forçar-nos por lei a pagar uma multa.com. sozinha. os demais www.blogtribuna. ainda que não houvesse leis escritas que assim os obrigassem.. Por exemplo. quando uma família desejava construir ou ampliar sua casa. ainda distante da real)..Assim sendo. se obedecemos às leis. dependendo do delito). como se ajudavam mutuamente.2008 12  . “Parceiros do Rio Bonito”. e municipal. poderia pautar o convívio social. a ética. contudo.. para não fumarmos em lugares públicos. para leis federais. por exemplo) podem. por exemplo. efetivamente.com. não é só porque nos conscientizamos de que esta atitude pode atentar contra a saúde do próximo.jpg Veja a imagem em:    www.. entre si.

um tanto mais complexo. Podemos também pensar numa comunidade que escolhe plantar a sua própria comida. Ocorre que nada disso está estipulado em forma de lei escrita. Unidade: O Desenvolvimento Sobre o Pensar e o Fazer Político no Ocidente      13  . dando de comer e beber a todos que participaram do mutirão. a força necessária para excluir o indivíduo do grupo. a família que foi ajudada passa a ter uma obrigação moral de ajudar as outras famílias. e então não participa mais da comunidade. o grupo exerce pressão sobre o indivíduo excluindo-o. não participar da sociedade de consumo de massa e não eleger nenhuma liderança para sua comunidade. não agredir ao meio-ambiente. caminhemos para outro nível intermediário. Voltando ao fenômeno estudado por Antonio Cândido. de alguma forma. Agora. há força sendo operada no âmbito do grupo. quando estas precisarem construir ou reformar suas casas. Tratase aqui daquele tipo que definimos como “leis tradicionais” ou “consuetudinárias”. ele estará excluído do grupo em todos os aspectos! Em alguma medida. ainda que tradicionais ou consuetudinárias. como lei. diluindo a autoridade para que todas as decisões daquele grupo partam da vontade coletiva. a família ajudada retribuía com uma festa. trabalhando até que a casa estivesse pronta ou reformada. não será ajudado quando precisar. Depois do trabalho feito. percebe-se uma força sendo operada por parte do grupo contra aquele que passa a ser considerado como “desunido” e egoísta.moradores daquela localidade iam todos ajudar em regime de mutirão. No mesmo sentido. Em muitas cidades do interior este esquema ainda vigora em ações tradicionais como a de “encher laje” quando uma construção é iniciada. nesse caso. o que não quer dizer que não possa ser entendido. Ocorre que você poderia indagar: mas é garantido o seu cumprimento pelo uso da força? Em alguma medida sim! Imagine aquele que se nega a ajudar! Não participará das festas. prática transmitida por gerações. A ameaça da exclusão pode ser entendida como a ameaça do uso da força. Ainda que nada disso seja escrito. são normas que devem ser obedecidas. sob pena de o indivíduo desobediente ser excluído do grupo.

por exemplo. a finalidade da organização desse grupo de moradores. que resolve se organizar em termos legais. o uso legítimo da força. Ela deve ser dotada de processos decisórios que contemplem o desejo da maioria daqueles que vivam circunscritos ao espaço daquela autoridade. porém burocráticos. ou de um apenas que tenha poder de impor sua única e    14  . não pode ser operada. o grupo resolve que o morador que assim proceder. é mais fácil evitar abusos por parte de alguns moradores e. outros moradores não façam o mesmo. temendo o pagamento da multa. Por exemplo. para evitar que alguém ouça músicas em volume exageradamente alto a ponto de importunar o sossego dos demais moradores. de poucos privilegiados. no grau desejado. Unidade: O Desenvolvimento Sobre o Pensar e o Fazer Político no Ocidente   A organização institucional Uma instituição como o condomínio. em termos políticos. é um dos exemplos desse tipo de instituição. quem criou essas normas? Quem as tornou legítimas? Quem cobraria a multa? A quem ela deveria ser paga? Percebam que se não houver uma instituição com legitimidade para realizar as tarefas descritas. de prejudicar o coletivo. Percebem que criando um conjunto claro de leis. tem que estar configurada adequadamente para que sua própria existência e decisões sejam eficazes e legítimas. deverá pagar multa. além de estar suscetível a processo criminal. ou seja. à qual é delegada a tarefa de normatizar. com isso. criam normas para o uso de equipamentos sonoros. Seria preciso quem instrumentalizasse. para que isso não ocorra novamente e. uma instituição. fiscalizar e garantir o bom convívio entre seus partícipes. para o grupo. Ainda que exista uma lei maior que trate da figura legal da “importunação de sossego”. Ora. Um condomínio.Imaginemos um grupo de moradores de uma determinada comunidade.

. o condomínio trata-se de uma organização. A legitimidade em questão está pautada na realização do bem comum. política e de tipo complexo.com/. tornou-se regente da cadeira de Filosofia do tailinehijaz. entendido como a aspiração da maior parte de seus moradores. como campo de relações entre a Filosofia Política e a Ciência Política.wordpress. Esse esforço de sistematização foi fruto da experiência anterior de elaboração de uma Teoria Geral do Direito./    Unidade: O Desenvolvimento Sobre o Pensar e o Fazer Político no Ocidente   15  . lecionou a matéria na Universidade de Camerino. ou seja. pelo uso legítimo da força (entendida aqui como coerção para dobrar a vontade do outro em direção ao bem comum) o convívio social harmônico em seus limites. além de ser dotada de assembleias nas quais possam ser propostas a criação de novas normas ou a re-elaboração das antigas.exclusiva vontade. que o concebeu numa concepção neo-empiricista. Isso porque como instituição deve ser dotada de leis burocráticas (escritas e estatutariamente legítimas) e manter meios para garantir. Inicialmente. Veja a imagem em: tailinehijaz. Em 1948.wordpress. que só pôde ser erigida graças às pesquisas realizadas como docente da disciplina de Filosofia do Direito. ainda.com/2009/09/n orb.files. Com tudo o que vimos até aqui. filósofo político e historiador do pensamento político. Essa instituição deve. obteve a cátedra de Filosofia de Direito na Faculdade de Jurisprudência da Universidade de Pádua. em 1935.. deve ser dotada de um desenho institucional complexo que garanta a legitimidade de suas decisões. em 1938 na Universidade de Siena e. foi um dos mais significativos projetos do italiano Norberto Bobbio (1909-2004). Por uma Teoria Geral da Política A elaboração de uma Teoria Geral da Política. esforço lógico de sistematização do conhecimento. em essência. deter formas de representatividade para o conjunto de moradores.. em 1940..

seus mais importantes autores e o conjunto de sua obra: os clássicos do pensamento político. não podendo ser dissociados sob nenhum pretexto: é daí que nasce uma Teoria Geral da Política.Direito da Universidade de Turim. rupturas e relações. sob vários aspectos. Ao congresso seguiu-se. Em essência. a publicação de um livro com o mesmo nome. sua proposta para uma teoria política constitui hoje o maior esforço compreensivo articulado sobre o pensamento e o fazer político no Ocidente. permitiu a Norberto Bobbio uma visão de conjunto que articulava. dessas articulações. quando foi realizado um congresso dedicado ao pensamento político de Bobbio e que levava o nome: “Por uma teoria geral da Política”. É de Bobbio a célebre constatação que em vários momentos de nossa história. Norberto Bobbio recebeu a tarefa que lhe permitiria realizar. ou seja. a Teoria Geral da Política de Bobbio mostrou-se logo contraposta e distinta. uma Teoria Geral da Política: foi designado para a cadeira de Filosofia Política da Universidade de Turim. atemporais. A partir de seu pensamento. a exemplo do que havia feito com a Teoria Geral do Direito. A partir de 1972. consiste no estudo das obras daqueles que são considerados “autores clássicos”. Unidade: O Desenvolvimento Sobre o Pensar e o Fazer Político no Ocidente   O termo “Teoria Geral da Política” apareceu pela primeira vez apenas em 1984. mas para todos os tempos e sociedades. ou seja. cujas obras guardam significados importantes não apenas para o tempo e sociedade na qual foi escrita. Apesar de em 1998 o próprio Norberto Bobbio ter afirmado que a edificação de uma Teoria Geral da Política ter consistido em uma promessa não mantida.    16  . no ano seguinte. O profundo estudo que realizou sobre o pensamento político ocidental. a Filosofia e a Ciência Política. o pensar está intimamente ligado ao fazer político. Originária da concepção dada a partir da experiência da Teoria Geral do Direito. as intersecções e interpenetrações entre o pensar e o fazer político.

starmedia. das orientações prescritivas (no top-people. bem como de interpretar suas naturezas e tarefas. Veja a imagem em: toppeople. o sentido das filosofias políticas deveria ser o de classificar as formas historicamente praticadas de política. Para ele. e a do dever ser. por si só.. Rawls propunha um tipo normativo de reflexão sobre a política a partir de duas diretrizes: a do valor. é importante reconstituirmos o quadro geral do debate sobre a política no tempo de sua elaboração: a década de 1970. Já o esboço da teoria de Bobbio toma uma concepção anterior de Filosofia Política.. depois de um longo período em que apenas sua dimensão prática. o modelo hegemônico de Filosofia Política era o de John Rawls. ou seja. da justificação das políticas. do fazer político. Fundamentalmente.com/tmp/swotti/cacheAM9O. distinta daquela reapropriada por Rawls. Nesse período.com/humanities/opiniones. teria dominado o debate acadêmico. sobre as políticas. Obviamente há uma ideia incutida no modelo de reflexão política sugerido por Rawls: encontrar a melhor solução possível para uma sociedade mais justa. seria possível reconstruir categorias fundamentais do pensamento político.. Pode-se dizer que tenha sido um período de renascimento da Filosofia Política.cruzando a análise linguística com referências históricas. Isso. sentido pragmático). os pressupostos defendidos por ele no livro “A theory of justice”.. Para entendermos o impacto que teve essa proposição. ressuscitam a Filosofia Política depois de um longo período de debates voltados aos seus sentidos puramente pragmáticos. o que quer dizer.starmedia. de 1971.    Unidade: O Desenvolvimento Sobre o Pensar e o Fazer Político no Ocidente   17  . restringe também o próprio campo de atuação da política de acordo com o que vimos no início deste texto.

ou seja. Legitimidade do poder político. Investigar a melhor forma de governo Platão. em Bari. classificando-as em 4 tipos distintos segundo sua natureza. Thomas More. Bobbio apresentou suas constatações sobre as relações entre Filosofia Política e Ciência Política. Construção de um modelo ideal de Estado. Ayer.C. economia. “A República” (séc. Natureza 1º tipo Tarefa Clássicos Utopias. Verdade e Lógica” (1936) Natureza Tarefa Clássicos Autonomia da política em relação à moral. Natureza 2º tipo Tarefa Clássicos Justificação do dever de obediência política. “O Príncipe” (1513) Georg Hegel. “Linguagem. Em 1970. “O Leviatã” (1651) Rousseau. tarefa e clássicos aos quais se refeririam. o ideal distante do real a ponto de seus projetos serem irrealizáveis. Bobbio ao enveredar sobre os estudos de política verificou que não se poderia extirpar uma teoria geral da política da teoria normativa da justiça que já se encontrava acabada. IV a. “A Utopia” (1516) Investigação do fundamento último do poder. Justificar o Estado Hobbes. Modelos idealizados de sociedades justas. na conferência “Tradição e novidade da Filosofia Política”.A partir da experiência que teve na cadeira de Filosofia do Direito. 3º tipo (Teoria Geral da Política) Interpretação da Filosofia como Metaciência Validação da ciência política Análise da linguagem política Alfred J. Investigar a natureza da Política Maquiavel. “Fenomenologia do espírito” (1830) Natureza 4º tipo (impraticada) Tarefa Clássicos    Unidade: O Desenvolvimento Sobre o Pensar e o Fazer Político no Ocidente   18  .). “O contrato social” (1762) Determinação do conceito geral de política. direito.

mais amplamente. tanto de fato como de valor. nesses termos. Bobbio verificou a existência de duas grandes vertentes de reflexão sobre a Política: Caráter NORMATIVO-PRESCRITIVA INTERPRETATIVO-ANALÍTICA Tipo 1e2 3e4 Relação interligadas Assim sendo. valorativa. em essência. e sua preocupação central o valor ou validade (normativo-prescritiva). Nesse caso. os juízos de fato (sobre o que é e como é). a do fato e a do valor e. O problema principal da Teoria Geral da Política seria. a moral é valor: em que sentido as medidas políticas são condicionadas por valores? Sobre isso. Bobbio nos chamou a atenção para a existência dos juízos. mais amplamente. Isso se traduz a uma questão clássica em política: sua dependência ou independência da moral (por exemplo. A essa conexão se daria o nome de Teoria Geral da Política. a Filosofia Política seria. deve-se obedecer a uma ordem injusta?).    19  . enquanto a Ciência Política seria. também em essência. As medidas políticas são fato. Política. sempre foram definidos como distintos dos juízos de valor sobre uma conduta ideal (o que deve ser ou como deve ser). não-valorativa. A solução proposta por Bobbio é a conexão entre essas duas dimensões. as relações entre fato e valor. portanto. entre Filosofia e Ciência. estando centrada Unidade: O Desenvolvimento Sobre o Pensar e o Fazer Político no Ocidente   nos fatos político-históricos (interpretativo-analítica). entre Ciência e Filosofia Política.Sobre as relações que identificou entre os 4 tipos é possível sistematizálas da seguinte forma: Tipos 1e2 3e4 Preocupação central valor ou validade fato e conhecimento Relações complementares e contíguos complementares e contíguos A partir dessas relações.

em formato de ensaio. assim sendo. com uma forma diferenciada de selecionar e enfocar problemas.. bem como a conexão entre distintas percepções de problemas e soluções apresentadas. Na sua percepção. sobre a política. operava sobre Filosofia e Ciência Política comprometiam sua Teoria Geral. Houve críticas ao Unidade: O Desenvolvimento Sobre o Pensar e o Fazer Político no Ocidente   esboço criado por Bobbio. Veja a imagem em: www.php?d. segundo seu criador.fundacioncarloscasares. o significado da própria Teoria Geral da Política. que as publicou em 1985. jurista e filósofo do direito. a Filosofia Política deveria tratar de teorias gerais e inclusivas. Mesmo assim.jpg . na Revista de Teoria Política. cada um ao seu tempo.Essa teoria. demonstrando ampla percepção de problemas e soluções.186k .org/modelo 2.. O que é importante frisar é que essa lição dos clássicos abarca questões tanto de fato como de valor.www. mas daquilo que Bobbio nominou de “clássicos maiores”: autores que elaboraram modelos conceituais de amplo horizonte e construíram visões gerais do universo político. daí sua distinção em relação à Teoria Geral do Direito. definições Para com Zolo.fundacioncarloscasares..org/wpcontent/upl. tanto de Filosofia como de Ciência. já a Ciência Política abarcaria teorias de raio limitado especializadas. que propunha colocar em confronto filósofos da política e cientistas políticos. como dito. Nisso consistiria o que Bobbio chamou de a “Lição dos Clássicos”. que as Bobbio 500 x 352 . partiria do estudo dos clássicos..    20  . mais incisivamente do italiano Danilo Zolo. Ocorre que não se trataria dos clássicos em sua totalidade. ou seja. o esboço de Bobbio segue sendo a mais consistente sistematização das relações entre Filosofia e Ciência Política. seria edificada a partir do estudo de autores que refletiram. pela via da subjetividade.

Kátia  Pellicci Cembrone   Prof.      Responsável pelo Conteúdo: Prof. Patrícia Silvestre Leite Di Iório         www. Alexandre Augusto Giorgio     Revisão Textual: Profª Dra. 868 01506-000 São Paulo SP Brasil Tel: (55 11) 3385-3000 21 .br Campus Liberdade Rua Galvão Bueno.cruzeirodosul.edu.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful