Universidade Estadual de Feira de Santana Departamento de Ciências Biológicas

Disciplina: PROTISTAS FOTOSSINTETIZANTES

OBTENÇÃO DE COLÓIDES DE ALGAS: ALGINATOS

1. ALGINAS
Algina é um nome coletivo para o ácido algínico e seus diversos sais. Sais do ácido algínico (alginatos) ocorrem em todas algas pardas como componentes estruturais da parede e nos espaços intercelulares. Todas espécies de Phaeophyceae com indivíduos de grandes dimensões são fontes potenciais de ácido algínico para fins comerciais, particularmente, os representantes de Laminariales e Fucales, O ácido algínico é um polímero linear contendo seguimentos formados por seqüências de: i) ácido D-manurônico; ii) ácido L-gulurônico e iii) com monômeros alternados de ambos ácidos urônicos. A proporção e o tamanho desses seguimentos variam com a espécie, e interferem nas propriedades e funções dos polímeros. Admite-se que a função da algina nas algas vivas está relacionado à: i) estrutura da parede celular e coesão dos tecidos; ii) resistência e flexibilidade do talo; iii) seletividade de cátions e iv) proteção contra a dessecação. O emprego comercial da algina está ligado, basicamente, a estas mesmas propriedades. Propriedades, usos e funções: O alginato de sódio é o produto de maior emprego industrial, seguido dos alginatos de potássio, amônio, cálcio e mistos, amônio-cálcio, sódio-cálcio bem como do próprio ácido algínico. São produzidos em muitas formas que variam de peso molecular, conteúdo em cálcio, tamanho e forma da partícula (granular ou fibrosa) e proporção de ácido D-manurônico e ácido L-gulurônico. As alginas possuem amplas aplicações, particularmente na área alimentícia, industrial, biotecnológica e farmacêutica. Essas aplicações estão relacionadas, principalmente, com suas propriedades de formação de géis, emulsões estáveis, filmes (tintas, vernizes, papeis especiais) e retenção de água. O emprego dos sais de ácido algínico na preparação de moldes dentários de secagem rápida deve-se a seletividade de cátions, que forma sais solúveis em água com Na, K, Mg, Li e Fe e insolúveis com Ca, Ba, Pb, Hg, Sr. Ainda, com AI, Cu, Ni, Zn, forma sais insolúveis na água que podem se tornar solúveis na presença de amônia. Seu uso na indústria alimentícia expandiu-se com os chamados alimentos fabricados (imitação de frutos, como cerejas e pimentões, cebolas, análogos de carne e pescados). Dentre as aplicações biotecnológicas potenciais das alginas, destaca-se o encapsulamento de organismos e células de animais ou plantas vivas, que podem ser usadas como produtores de metabólitos. O processo é conhecido como sistema tecnológico de imobilização de bioconversores (células vivas ou mortas, mas enzimaticamente ativas, organelas ou certas enzimas). Quando gotas de uma solução de alginato de sódio são adicionadas em uma solução contendo íons de cálcio, ocorre a formação de uma película gelatinosa de alginato de cálcio, insolúvel. Este processo, envolvendo células de leveduras encapsuladas, foi desenvolvido no Japão para produção comercial de metanol.

2. COLETA, SECAGEM E BRANQUEAMENTO

obtendo-se cerca de 500 ml de alginato de sódio. numa proporção de 1/1 (v/v). Após filtração. Posteriormente. Adicionar em seguida 100 ml de ácido clorídrico a 0. etc. Filtrar a solução para a retirada de fibras. obtendo-se alginato de sódio solúvel de coloração marrom escuro. as algas secas devem ser novamente embebidas e lavadas em água de torneira e periodicamente agitadas para separação manual de outros algas. obtendo-se alginato de sódio de coloração branca. OBTENÇÃO DE ALGINATO DE SÓDIO: 1º TRATAMENTO Em um becker de 500mL. alternadas com secagens ao sol são adequadas para remoção dos pigmentos das algas vermelhas. A desidratação pode ser natural ou artificial.5 M. A extração alcalina propriamente dita. Filtrar novamente a solução e as fibras levadas à estufa para secar. A secagem é um método de preservação do material após a coleta. Macerar o material em almofariz. adiconar 150 ml de ácido clorídrico (HCl) a 0. 100 ml de cloreto de cálcio (Ca Cl2) a 15%. tem início adicionando 350 ml de carbonato de sódio (Na2 CO3) a 2% por 1 hora à 50°C em banho maria. Após a secagem macerar em almofariz. O ácido algínico obtido não formará fibras e sim um gel. aquecido à 50°C em banho maria por 1 hora. secar as fibras em estufa a 60°C até completa desidratação.O primeiro passo compreende a correta identificação e coleta do material desejado. obtendo-se ácido algínico de consistência fibrosa. O branqueamento das algas pode ser feito antes da extração. Em seguida adicionar 150 ml de álcool etílico. Para determinações da porcentagem de rendimento. formando um precipitado. com o objetivo de retirar parte da água. resultando em um gel esbranquiçado. misturar 180 mL de alginato de sódio e 180 mL de álcool etílico. desprezar a alga.4% por 30 minutos com o objetivo de retirar os compostos fenólicos e clarificar o material. adicionar 150 ml de álcool na proporção de 1/1 (v/v) da mistura final. Depois da lavagem do material em água corrente. Após o passo acima o material deve ser filtrado utilizando pano tipo “perfex”. adicionar 500 ml de ácido clorídrico (HCl) a 0. Para fins de análise. colocar o material em um becker de 1000mL e adicionr 500 ml de formaldeído a 0. viabilizando seu transporte e armazenamento. Posteriormente. 3. Lavagens sucessivas em água de torneira. o que formará fibras esbranquiçadas. Observar a formação de alginato de cálcio. seco e triturado. O alginato de cálcio obtido. o que evita a fermentação e hidrólise dos polissacarídeos. OBTENÇÃO DE ALGINATO DE SÓDIO: hipoclorito de sódio 2º TRATAMENTO com pré tratamento com Em um becker (500mL) colocar 75 ml de alginato de sódio e 75 ml de hipoclorito de sódio (NaClO ) a 10%. as algas limpas são dessecadas até atingirem peso constante em estufa a 65 oC. OBTENÇÃO DE ALGINATO DE SÓDIO: 3º TRATAMENTO . O filtrado será novamente tratado com o carbonato de sódio nas mesmas condições. formará fibras gelatinosas insolúveis. durante 1 hora. Hipoclorito de Sódio (alvejante) costuma ser utilizado em processos comerciais. Colocar as fibras num becker (250mL) e acrescentar 100 ml de Na2CO3 à 50°C em banho maria por 1 hora. Para a extração de alginato utilizar-se-a 15g de Sargassum spp. animais. calcário.5 M em água para retirada do cálcio. a mistura deverá ficar amarelo claro.1 M por 30 minutos. adicionar 95 ml de água e em seguida. com o objetivo de retirar os compostos fenólicos ainda presentes. Posteriormente. para retirar o cálcio. EXTRACÃO DE ÁCIDO ALGÍNICO E ALGINATO DE SÓDIO. devendo reduzir o conteúdo em água para aproximadamente 20%. areia. Filtrar a solução para retirada das fibras e acrescentar 85 ml de CaCl2 a 15% por 15 minutos. O material deve ser lavado em água corrente para retirar as impurezas. Após a lavagem. Adicionar 100 ml de carbonato de sódio (Na2CO3) a 2%. numa proporção de 1/1 (v/v).

formando um precipitado fluído. macerar em almofariz obtendo-se alginato de sódio solúvel com coloração marrom escura.A partir de 100 ml de alginato de sódio. Production. Em seguida adicionar 100 ml de álcool e filtrar a solução. o que resultará em um precipitado fluído que após filtração. properties and uses of Alginates.5 M. Em um becker de 250mL. In: FAO Fisheries Technical Papers. MATÉRIA PRIMA Sargassum spp . D. O alginato de sódio solubilizará adquirindo coloração marrom. colocar o gel e adicionar 100 ml de carbonato de sódio (Na2CO3 ) a 2% à 50°C em banho maria por 1 hora. Em seguida adicionar 200 ml de álcool para a retirada de água. adicionar diretamente 100 ml de ácido clorídrico a 0. p. obtem-se um gel de consistência firme. Depois de secas. 1987. 58-115. As fibras gelatinosas obtidas na filtração deverão ser desidratadas em estufa. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA McHugh. J.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful