You are on page 1of 4

ANÁLISE MORFO-ANATÔMICA DE Hydrangea macrophyla (THUMB.) SER.

, HYDRANGEACEAE Dyenefer Pereira Fonseca (UNICENTRO), Ana Gabriela Gauer (UNICENTRO), Andressa Brocco (UNICENTRO), Larize Suelen da Silveira Ienk (UNICENTRO) João Frederico Musial (UNICENTRO), Elisa Perez (Orientador), e-mail: elisa_mestrado@yahoo.com.br. Universidade Estadual do Centro-Oeste/Setor de Ciências da Saúde. Palavras-chave: planta medicinal, farmacognosia, botânica, hortênsia Resumo: A Hydrangea macrophylla (Thumb.) Ser., (hortênsia) é uma planta ornamental, medindo de 1-2,5 m de altura. Há poucos estudos sobre a espécie - uso ou características morfológicas. Este estudo objetivou realizar uma análise morfo-anatômica, macro e microscópica das folhas de Hydrangea macrophylla. Encontrou-se folhas hipoestomáticas, de mesofilo assimétrico, com cutícula estriada e estômatos anisocíticos e sem tricomas. Introdução Na tentativa da descoberta de novos princípios ativos, as plantas sempre foram alvo de estudos científicos. O relato do uso popular auxiliou em muitas descobertas de novas plantas com propriedades curativas. A resolução RDC n°48 de 16 de março de 2004, emitida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), classifica o medicamento fitoterápico como aquele que emprega exclusivamente matérias-primas ativas vegetais, não considerando como fitoterápico substâncias ativas isoladas em sua composição, nem associações destas com outros extratos vegetais. Também o caracteriza pelo conhecimento da eficácia e dos riscos de seu uso, sua reprodutibilidade e constância de qualidade. Inclusive, sua eficácia e segurança pode ser validada em levantamentos etnofarmacológicos de utilização, documentações tecnocientíficas em publicações ou ensaios clínicos fase 3.1 A Hydrangea macrophylla, é uma planta nativa japonesa que cresce em jardins domésticos. Essa espécie foi exportada há centenas de anos para a China e se espalhou pela região Central e Sudeste da Ásia. É atualmente conhecida por suas belas flores, comumente plantada em países asiáticos, europeus e americanos2. Também é muito conhecida no Brasil, ornamentando jardins de casas e parques. É uma planta ornamental muito apreciada no Brasil, onde é popularmente conhecida com hortênsia. É um arbusto semi-lenhoso, de 1 a 2,5 m de altura, de folhagem e florescimento decorativos. É cultivada em vasos ou a pleno sol e em solos alcalinos as Anais do 1º Congresso Interdisciplinar em Saúde CONISA 2011 – UNICENTRO 24 a 28 de outubro de 2011

triglicérides e níveis de ácidos graxos livres após sua administração por 2 semanas a uma dose 200 mg/kg/dia. Para a avaliação morfoanatômica foram utilizadas folhas. Portanto. todos diafanizados com hipoclorito de sódio diluído a 15%. Figura 1 – (A) Inflorescência e (B) Arbusto de H. macrophylla. macrophylla.) Ser. este componente reduziu significativamente a glicemia. O ácido hidrangeico. encontrado nas folhas processadas da H. sendo registrada sob o número 371521. demonstra propriedades contra o diabetes. que é de vital importância para o controle de qualidade da droga. Hydrangeaceae.. Em um estudo realizado em 2008. no município de Guarapuava – PR. As folhas em sua morfologia caracterizam-se por serem denteadas.flores tornam-se róseas. macrophylla Alguns estudos demonstram a composição química da H. ácido hidrangeico e glicosídeos cianogênicos. são compactas com numerosas flores estéreis. Materiais e Métodos A espécie Hydrangea macrophyla (Thumb. sendo alguns deles: hidrangenol. Já as inflorescências. macrophylla. no Herbário do Museu Botânico Municipal de Curitiba – PR. Anais do 1º Congresso Interdisciplinar em Saúde CONISA 2011 – UNICENTRO 24 a 28 de outubro de 2011 . coriáceas. brilhantes e grandes. e analisadas as características macroscópicas e microscópicas. o presente trabalho teve por objetivo estudar a estrutura morfo-anatômica da H. em camundongos5. A identificação do material botânico foi realizada pelo botânico Osmar dos Santos Ribas. sendo a microscopia realizada através de cortes paradérmicos abaxial e adaxial e cortes transversais. foi obtida em junho de 2011. algumas podem ser férteis3. caso a mesma venha a compor um fitoterápico. através da análise macro e microscópica das folhas. enquanto em solos ácidos as flores tornam-se azuis 4 . Entretanto. em Kyoto. Não possuem odor característico e a maioria é hemafrodita4. são raros os estudos que elucidem a morfo-anatomia das suas folhas.

(C) Corte transversal (aumento 40X). não foram encontrados tricomas e na epiderme foi observa da uma cutícula estriada. As características morfoanatômicas apresentada no exposto acima são os primeiros passos Anais do 1º Congresso Interdisciplinar em Saúde CONISA 2011 – UNICENTRO 24 a 28 de outubro de 2011 . dando um caráter hipoestomática para a folha e também grânulos. Na análise microscópica foram observados nos cortes longitudinais somente estômatos na superfície abaxial com células epiteliais circundando-os de forma anisocítica. Já no corte transversal. Figura 2 – (A) Folha de H. não há presença de estômatos (aumento 40X). e consistência lisa e coriácea. macrophylla. A planta estudada tinha flores de coloração azul. vermelhas ou róseas. (D) Corte adaxial. no interior nas células da epiderme. o mesofilo apresentou-se assimétrico. sendo suas características não totalmente elucidadas ainda. As flores variam do entre azuis. com presença de estômatos (aumento 40X). nervação peninérvea. conforme o local onde é plantada. margem dentada.Resultados e Discussão As folhas apresentaram-se verticiladas com pecíolo reto e triangular. O uso etnofarmacológico dessa planta na região de Guarapuava faz com que haja a necessidade de mais estudos sobre a mesma. macrophylla. dependendo na quantidade de alumínio absorvido6. São poucos os trabalhos existentes sobre a H. com base cuneata e ápice agudo. (B) Corte abaxial. ovaladas.

para a caracterização da planta. 2000. Gil. Conclusões As folhas de Hydrangea macrophyla (Thumb. 6. Kamei K. de 16 de março de 2004. 4 Watson L. Ministério da Saúde. São Paulo: Senac. 2009.. Anti-malarial Activity of LeafExtract of Hidrangea macrophylla. 5 Zhang H. Disponível em: <http://deltaintkey. p. Uberlândia: Universidade Federal de Uberlândia. Cecília. Anais do 1º Congresso Interdisciplinar em Saúde CONISA 2011 – UNICENTRO 24 a 28 de outubro de 2011 .anatomiavegetal. 54 (5):227-232. Silva LJ. 3 Lima CCA. European Journal of Pharmacology.htm>. 352. 2. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Brasília. 2011. Instituto de Biologia [Apostila]. Castro WS. Tomasi M. Tokyo-Japan. São necessárias outras análises para melhor compreensão dos riscos ou benefícios de seu uso.br/pdf-recursosdidaticos/morfvetallogaINFLORESCENCIA. 2009. Hydrangeic acid from the processed leaves of Hydrangea macrophylla var. p. 2006.ufu. thunbergii as a new type of anti-diabetic compound. nervação peninérvea. [Acesso em: 20 abril 2011]. et al. Yamashita C. Dallwitz MJ. Referências 1. Furuhata. Brasil. 606(1-3): 255-61. et al. A planta estudada tinha flores de coloração azul. Resolução de Diretoria Colegiada (RDC) n° 48. identification and information retrieval [Internet]. S. Apostila de morfologia externa vegetal. Venenosas: Plantas que matam também curam. a Common Japanese Plant. H. [Acesso em: 3 junho 2011] Disponível em: <http://www.ib. Hydrangeaceae apresentaram-se verticiladas com pecíolo reto e triangular. illustrations. Encontrou-se folhas hipoestomáticas. de mesofilo assimétrico. com base cuneata e ápice agudo. e consistência lisa e coriácea. 1ª Ed. 44-48.. The families of flowering plants: descriptions. Matsuda H. Felippe. ovaladas. 4. Diário Oficial da União. com cutícula estriada e estômatos anisocíticos e sem tricomas.com/angio/www/hydrange.) Ser. 2004. v. Acta Medica Okayama. Matsuoka. margem dentada.pdf>.