You are on page 1of 8

Núcleo Gerador: Urbanismo e Mobilidade (UM

)

DR2 – Ruralidade e Urbanidade (RU)

Colectânea de textos (pequenas citações com a indicação dos respectivos links
direccionando para a página original), seleccionados a partir de pesquisas
efectuadas no motor de busca "Google" e que se pretende ajudem a descodificar
o tema Ruralidade e Urbanidade (UR) do Núcleo Gerador: Urbanismo e
Mobilidade (UM) do Referencial de Competências-Chave de Nível Secundário,
relativo ao Processo RVCC no âmbito da Iniciativa Novas Oportunidades.
[Nota: Todos os Adultos/Formandos devem mencionar no seu PRA as fontes de todas as leituras que
efectuaram, não podendo copiar ou plagiar, arriscando-se à expulsão do processo RVCC.]

Boas leituras...

Publicado em 17-10-2008 por adulto/formando – Cont@cto página: 1/8

http://efa-stc. Tipo II – Compreender a acção das bactérias das raízes das leguminosas e dos solos nas reacções de transformação dos compostos azotados. fungicidas). para tal. equipamentos agrícolas e respectivas aplicações. Tecnologia e Ciência – em diferentes níveis de complexidade. Sociedade Tipo I – Identificar novos modos de evolução das actividades agrícolas como factor de desenvolvimento regional (por exemplo: a agricultura biológica ou culturas de produtos tradicionais que entram nas quotas da Política Agrícola Comum da União Europeia). transferência para os animais. ao nível do DR2 . Tecnologia Tipo I – Identificar produtos químicos adequados a diversas intervenções (fertilizantes. produtos transgénicos e/ou geneticamente modificados.).com/2008/04/agricultura. Ciência Tipo I – Identificar etapas do ciclo do azoto (fixação de azoto pelas leguminosas. incorporação pelas plantas. Tipo III – Explorar a produção de novas agriculturas. vamos desenvolver o tema A AGRICULTURA.html Agricultura No núcleo gerador Urbanismo e Mobilidade. Publicado em 17-10-2008 por adulto/formando – Cont@cto página: 2/8 . tendo em conta vantagens e inconvenientes.blogspot. trabalharemos cada uma das áreas – Sociedade. tais como agricultura biológica.Ruralidade e Urbanidade. etc. herbicidas.

pela silvicultura e pelas actividades comerciais. Situação semelhante ocorreu com a generalidade das culturas agrícolas. resultado do cruzamento do trigo com o centeio. resistentes ou melhor adaptadas às condições locais. poderia dizer-se que há Melhoramento desde que existe Agricultura. os seus recursos naturais têm sido sobreexplorados pela agricultura. Na década de 30 quebram-se as barreiras da Espécie. pode ter na resolução deste problema (referir as contribuições desta para uma agricultura sustentável). vigorosas. é hoje uma cultura comum. A produtividade do milho passou de 1t/ha para mais de 10 em pouco mais de 50 anos. estavam de facto a procurar salvaguardar e incrementar as suas fontes energéticas. Mendel sobre a hereditariedade foram estabelecidas as 1ªs bases científicas da Genética. Contudo. a evolução tecnológica e razões de ordem comercial 8maximização dos lucros e minimização dos custos) Publicado em 17-10-2008 por adulto/formando – Cont@cto página: 3/8 . Nos anos seguintes a evolução foi muito rápida. só no séc. No entanto. Tendo em conta as previsões dos valores a alcançar pela população mundial em 2050. no âmbito mais vasto da moderna Biotecnologia. em nome do aumento da produção. há 10 000 anos atrás. XX que estas importantes descobertas começam a ser utilizadas no melhoramento de plantas cultivadas.Biotecnologia e Agricultura Quando os primeiros agricultores. qual o papel que a Engenharia Genética. começaram a guardar para os anos seguintes as sementes das plantas que lhes pareciam mais produtivas. O triticale. E será já no inicio do séc. nos últimos 40 anos. com a contribuição importantíssima do Melhoramento. Em boa verdade. Continuar a ler 1. A Agricultura Portuguesa e a Politica Agrícola Comum Mais de três quartos do território da União Europeia são terras agrícolas (44%) ou arborizadas (33%). Do mesmo modo. passado com os estudos de G.

então. que está a ser utilizada para valorizar os produtos da agricultura portuguesa. A PAC foi. 1. 2. 3. De que forma a Agricultura Biológica pode contribuir para o desenvolvimento regional? As teorias de Malthus A teoria Malthusiana refere que a evolução população humana desta está limitada pela produção de meios de subsistência. Indique os motivos responsáveis pelos elevados preços dos produtos da agricultura biológica. que favoreceram a agricultura intensiva e o aumento da utilização de adubos e pesticidas. A degradação de alguns ecossistemas. 4. Enuncie outra estratégia (para além dos incentivos à agricultura biológica). Continuar a ler. Malthus refere que a população cresce sempre mais depressa do que a produção de meios de subsistência. Publicado em 17-10-2008 por adulto/formando – Cont@cto página: 4/8 . plantas e outras espécies naturais). Relacione o desenvolvimento da agricultura biológica na União Europeia com as crescentes preocupações da população em geral para com a protecção do ambiente. responsável pelos níveis elevados de apoio aos preços agrícolas. valas e a secagem de terras húmidas contribuíram para a perda de habitats naturais de muitos pássaros. referida no texto. 5.têm levado a uma intensificação da agricultura. Alterações na paisagem (destruição de sebes. muros de pedra. O aumento da erosão dos solos. Diga o que entende por agricultura biológica. Esta última depende dos recursos naturais disponíveis no planeta e da capacidade produtiva (tecnologia) dos homens. Estas práticas provocaram: A poluição da água e do solo.

Faça um resumo da circulação deste elemento químico na Natureza.html Publicado em 17-10-2008 por adulto/formando – Cont@cto página: 5/8 . que só reacções mediadas pelas bactérias conseguem fechar.blogspot. Este argumento esteve aliás na base dos primeiros movimentos a favor da divulgação dos métodos contraceptivos. 1. o tecido do equilíbrio ecológico fundamenta-se essencialmente no variado metabolismo bacteriano. Continuar a ler O ciclo do Azoto As bactérias têm um papel ímpar nos ciclos biogeoquímicos. contrariamente à crença generalizada. no século passado. pois só controlando o crescimento da população se poderia evitar estas catástrofes.Refira de que modo o Homem pode interferir no ciclo natural do azoto. pragas e guerras”. enquanto a produção cresce de forma aritmética.com/2008/05/o-ciclo-do-azoto.Porquê? Porque a população progride geometricamente. quando a população atinge o número limite que o planeta pode sustentar. nomeadamente no ciclo do azoto. http://efa-stc. 4. que baseia todo o ambiente nas relações entre animais e plantas. 5.Qual a função das bactérias nas raízes das leguminosas e dos solos no ciclo do azoto.Qual a importância do Azoto para os organismos vivos.Quais os efeitos da alteração antropogénica do ciclo do azoto. 2. O resultado é que. 3. o seu crescimento será limitado por “fome.

se não sobreviver é porque estamos perante a variedade “tradicional”. as variedades transgénicas não diferem muito das variedades não transgénicas e apresentam. as características previsíveis. Uma vez realizada a inserção ou modificação do gene este transmite-se à descendência. determinar se uma planta é ou não transgénica observando apenas as suas características externas. quase sempre. Não é possível muitas vezes.html Publicado em 17-10-2008 por adulto/formando – Cont@cto página: 6/8 . Como consequência destas modificações a planta transgénica revelará uma nova e desejável característica.Transgénicos e OGM's Ler em: http://efa-stc.. Mas isso não acontece.com/2008/06/gentica. se o milho for alterado geneticamente. quer para introduzir um ou vários genes quer para modificar a função de um gene próprio.blogspot.blogspot.com/2008/06/transgnicos-e-ogms.html As Plantas Transgénicas Uma planta transgénica é aquela cujo genoma foi modificado mediante Engenharia Genética. Pode então pensar que. Continuar a ler: http://efa-stc.É que a modificação genética realiza-se de forma dirigida e afecta apenas um número reduzido de genes perfeitamente conhecidos – como resultado. então certamente irá ficar com aspecto diferente do milho “tradicional”. Por exemplo se uma planta for geneticamente alterada para resistir a herbicidas basta cultivar a planta na presença do herbicida – se ela sobreviver é porque estamos perante a variedade transgénica..

A perspectiva é outra.blogspot. felizmente. Associado a esta valorização da identidade local/regional surgem também actividades de lazer. Hoje. de dinamização e divulgação do património. nomeadamente em termos de turismo.html NG6 . Mas também a nível urbano surgem novas formas de animação. também o meio rural e urbano reflectem as mesmas. (re)valoriza-se. Portugal tem também vivido essa realidade. http://clc-rvcc.DR2 . O motivo: procura de melhores condições de vida. de educação e acesso à cultura. de turismo e profissionais. pois assistiu-se a uma fuga do interior para o litoral ou dos pequenos para os grandes meios. Assim. sociais e políticas. começa a revalorizar-se a província. (re)qualifica-se o que antes se desprezava. advindas de alterações económicas. assistimos a um retrocesso dessa situação. identifique casos concretos de Publicado em 17-10-2008 por adulto/formando – Cont@cto página: 7/8 . Valorizou-se a cidade em desprimor do meio rural. muitas das vezes à procura de oportunidades de trabalho. Proposta de trabalho: Reflectindo sobre o que anteriormente leu. caracterizando-se sobretudo pelo êxodo dos habitantes do primeiro em direcção ao segundo.Ruralidade e Urbanidade Competência: Intervir em contextos profissionais considerando a ruralidade ou urbanidade que os envolvem e procurando retirar daí benefícios para a integração socioprofissional. de melhores serviços de saúde. Critérios de evidência: Cultura: Sou capaz de actuar tendo em conta o potencial de oportunidades laborais resultantes da progressiva atenção dada pelas políticas locais à valorização do património rural e urbano enquanto factor de desenvolvimento e qualificação dos territórios.com/2008/10/ng6-dr2-ruralidade-e-urbanidade. ao contrário de há alguns anos. que projectam dentro e fora do território nacional o que de melhor se faz em cada uma delas. etc. as raízes ancestrais e culturais de cada um. O mundo profissional sofre evoluções.

bem como a leitura e a reflexão do texto que a seguir transcrevemos. a partir desse tipo de folhetos. a situação actual e a reflexão sobre o futuro. Língua: Sou capaz de actuar em contextos profissionais diferenciados regionalmente. Como exemplo poderíamos citar dois autores. comparando textos utilitários e literários recentes ou de outras épocas. tendo em conta a evolução histórica. De igual modo. propomos- lhe que indique e esclareça de que forma é que estes o alertaram para esta atitude cívica e profissional.. equilíbrio e dinamização dos espaços rural e urbano. cite situações concretas que ilustrem estas atitudes de preservação. nas suas produções literárias. exortam para a necessidade de preservação do património natural e cultural do país. identificando sotaques ou regionalismos.. Assim. em debates que reforcem o interesse pela preservação. que sejam um factor de diferenciação a nível profissional e que possibilitam uma melhor adaptação a nível laboral. Comunicação: Sei actuar. muitos panfletos culturais e turísticos são exemplo dessa preocupação. através do uso da língua portuguesa e/ou língua estrangeira. Propomos-lhe o visionamento de um filme promocional da cerveja Sagres onde se aproveitam alguns dos sotaques que enriquecem a língua nacional. que antigamente não estavam associadas ao meio rural ou pelo surgimento de associações de desenvolvimento local.valorização do património local e urbano. Publicado em 17-10-2008 por adulto/formando – Cont@cto página: 8/8 . Eça de Queirós e Almeida Garrett e os seus respectivos textos: Os Mais e Viagens na Minha Terra. equilíbrio e dinamização do espaço rural e urbano. Proposta de trabalho: Tendo em consideração que alguns autores portugueses. através da criação de novos postos de trabalho e de actividades ligadas ao turismo. no sentido de uma melhor integração socioprofissional. Proposta de trabalho: Faça um levantamento de algumas expressões ou vocábulos característicos da sua região.