Ofício dos fiéis defuntos Segunda leitura Dos Sermões de Santo Atanásio, bispo. (Oratio 5, de Resurrectione Christi, 6-7.

9: PG 89, 1358-1359. 1361-1362) (Séc. VI) Cristo transformará o nosso corpo corruptível Cristo morreu e ressuscitou para ser o Senhor dos mortos e dos vivos (Rm 14,9). Deus, porém, não é Deus dos mortos, mas dos vivos (Mt 22,32). Por isso, os mortos, que têm por Senhor aquele que vive, já não são mortos, mas vivos; a vida se apossou deles para que vivam sem nenhum temor da morte, à semelhança de Cristo que, ressuscitado dos mortos, não morre mais (Rm 6,9). Assim, ressuscitados e libertos da corrupção, não mais sofrerão a morte, mas participarão da ressurreição de Cristo, como Cristo participou da morte que sofreram. Se ele desceu à terra, até então uma prisão perpétua, foi para arrombar as portas de bronze e quebrar as trancas de ferro (cf. Is 45,2; Sl 106,16), a fim de atrair-nos a si, livrando da corrupção a nossa vida e convertendo em liberdade a nossa escravidão. Se este plano da salvação ainda não se realizou – pois os homens continuam a morrer e os corpos a decompor-se – ninguém veja nisso um obstáculo para a fé. Com efeito, já recebemos o penhor de todos os bens prometidos, quando Cristo levou consigo para o alto as primícias de nossa natureza e já estamos sentados com ele nas alturas, como afirma São Paulo: Ressuscitou-nos com Cristo e nos fez sentar com ele nos céus (Ef 2,6). Alcançaremos a consumação quando vier o tempo marcado pelo Pai; então deixaremos de ser crianças e atingiremos o estado do homem perfeito (Ef 4,13). Pois o Pai dos séculos quer que o dom que nos foi outorgado seja mantido firmemente e não abolido pela infantilidade do nosso coração. Não é necessário demonstrar a ressurreição espiritual do Corpo do Senhor, uma vez que São Paulo, falando da ressurreição dos corpos, afirma claramente: Semeia-se um corpo animal e ressuscita um corpo espiritual (1Cor 15,44); quer dizer, ele ressuscita transfigurado como o

Ofício dos fiéis defuntos de Cristo, que nos precedeu com sua gloriosa transfiguração. O Apóstolo bem sabia o que dizia, ao explicar a sorte que espera toda a humanidade, graças à ação de Cristo, que transformará o nosso corpo humilhado e o tornará semelhante ao seu corpo glorioso (Fl 3,21). Se portanto a transfiguração consiste em que o corpo se torne espiritual, isso significa que ele se tornará semelhante ao corpo glorioso de Cristo, que ressuscitou com um corpo espiritual; este não é senão o corpo que foi semeado na ignomínia (1Cor 15,43), mas transformado depois em corpo glorioso. Por este motivo, tendo Cristo elevado para junto do Pai as primícias da nossa natureza, leva também consigo todo o universo. Foi o que prometeu ao dizer: Quando eu for elevado da terra, atrairei todos a mim (Jo 12,32). Responsório Jo 5,28-29; 1Cor 15,52

R. Os que dormem nos sepulcros ouvirão a minha voz; * E os que tiverem feito o mal, ressurgirão para o juízo; os que tiverem feito o bem, para a vida imortal. V. Num instante, num abrir e fechar d’olhos, ao toque da trombeta derradeira. * E os que tiverem feito o mal, ressurgirão para o juízo; os que tiverem feito o bem, para a vida imortal. Oração Ó Deus, que perdoais os homens e desejais salvá-los, concedei aos irmãos, parentes e benfeitores de nossa comunidade que partiram deste mundo, participar da vida eterna por intercessão da Virgem Maria e de todos os Santos. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful