CASO 10A – ACÚMULO DE LIQUIDO DENTRO DA CAVIDADE ABDOMINAL 1)musculatura da parede abdominal ântero-lateral: *obliquo externo – comprime

e suporta as vísceras abdominais, flete e gira o tronco. *obliquo interno - comprime e suporta as vísceras abdominais, flete e gira o tronco. *transverso do abdome – comprime e suporta as vísceras abdominais *reto do abdome – flete tronco e comprime as vísceras abdominais OBS: Todos os músculos acima, agem como antagonistas do diafragma para produzir a expiração *piramidal – estande linha Alba. *cremáster – traciona para cima, os testículos na direção do anel inguinal superficial Função dos músculos da parede abdominal ântero-lateral: *formam um forte apoio expansível para a parede abdominal ântero-lateral *protegem e comprimem vísceras abdominais. Sustentam as vísceras, já que os únicos ossos do abdome são as vértebras lombares *opõem-se ao diafragma e produzem expiração *movem o tronco e ajudam a manter a postura 2) formação da bainha do músculo reto do abdome acima e abaixo do umbigo: Acima do umbigo - lâmina anterior: aponeurose do obliquo esterno, mais lâmina anterior da aponeurose do músculo obliquo interno.

- lâmina posterior da aponeurose do músculo obliquo interno, mais aponeurose do transverso do abdome. Abaixo do umbigo - lâmina anterior: aponeurose dos 3 músculos planos - lâmina posterior: músculo reto do abdome situa-se diretamente sobre a parede torácica. 3)formação da linha alba e arqueada: linha alba: É a faixa fibrosa que cobre verticalmente toda a extensão da parede abdominal anterior. Ela é estreita abaixo do umbigo e larga acima dele. Ela recebe as fixações dos músculos oblíquos e transverso do abdome. É formada pelo entrelaçamento das fibras das lâminas anteriores e posteriores da bainha na linha mediana anterior linha arqueada: Define o ponto onde a lâmina posterior do obliquo interno e a aponeurose do transverso do abdome tornam-se parte da lâmina anterior da bainha. 3) onde inserir cânula para drenagem? Se a cânula for inserida na linha mediana, ela passará através das seguintes estruturas anatômicas: pele, fáscia superficial, fáscia profunda (muito fina), linha alba, fáscia transversal, tecido conectivo extraperitonial (gorduroso) e peritônio parietal. Se a cânula foi inserida no flanco, lateral a artéria epigástrica inferior e acima da artéria circunflexa profunda, ela passará através das seguintes estruturas anatômicas: pele, fáscia superficial, fáscia profunda (muito fina), aponeurose ou músculo obliquo externo do abdome, músculo obliquo interno do abdome, músculo transverso do abdome, fáscia transversal, tecido conectivo extraperitonial (gorduroso) e peritônio parietal. O acesso lateral é a melhor opção, pois o liquido (quando em decúbito) tende a extravasar para as laterais, mesmo que tenha que se atravessar mais estruturas.

CASO 10B – TUMEFAÇÃO DOLORASA NA VIRILHA ESQUERDA 1)hérnia abdominal e sua patogênese: É um deslocamento de uma víscera na cavidade abdominal, exercendo pressão sobre uma área débil, protraindo a cavidade abdominal. É uma protrusão transitória ou permanente de uma víscera, geralmente coberta de peritônio parietal, através de orifícios existentes em zonas naturalmente débeis da camada músculo-aponeurótica das paredes que limitam a cavidade abdominal. Patogênese: desequilíbrio pressão intra-abdominal X resistência da parede 2)canal inguinal e anéis inguinais: O canal inguinal é uma passagem obliqua direcionada ínferomedialmente, através da parte inferior da parede abdominal ântero-lateral. Ela se situa paralela e imediatamente acima da metade medial do ligamento inguinal. Anel inguinal profundo - entrada do canal inguinal Anel inguinal superficial – saída do canal inguinal 3)paredes e limites do canal inguinal Pode-se ocorrer uma protrusao de vísceras devido a uma compressão do abdome “saindo” pelo anel inguinal. A hérnia além de uma protrusão de vísceras, a compressão propicia pontos débeis que vão proporcionando um abaulamento de determinadas estruturas. O que se pode ocorrer também,m é o extravasamento do peritônio. Limites: -parede anterior: aponeurose do músculo obliquo externo -assoalho: ligamento inguinal. Seu espessamento medial forma o ligamento lacunar que também participa do assoalho -parede posterior: músculo obliquo interno , transverso do abdome (juntos, formam tendão conjunto) e

fáscia transversal (o orifício que há nela, forma o anel inguinal profundo) -teto: formado pelo transverso do abdome e obliquo interno Hérnia inguinal, é uma protrusão do peritônio parietal e vísceras, como , por exemplo, o intestino delgado através de uma abertura normal ou anormal da cavidade à que elas pertencem. Na hérnia direta, entra no trígono inguinal (parte débil!!!!! Limites: ligamento inguinal, vasos epigástricos inferiores e borda lateral do músculo reto abdominal) e medialmente no canal inguinal e segue só metade do canal inguinal. SE FORMA MEDIALEMNTE AOS VASOS EPIGÁSTRICOS, INFERIORES. Na hérnia indireta, entra pelo anel inguinal profundo e sai pelo anel inguinal superficial. Atravessa todo o canal inguinal e pode chegar ao escroto. SE FORMA LATERALMENTE AOS VASOS EPIGÁSTRICOS INFERIORES Quando um alça intestinal vem lá de dentro e força de trás para frente, empurra diretamente a parede posterior do canal inguinal e o eleva. Se forma no trígono inguinal. 4)diferença na palpação do canal inguinal, em hérnia inguinal direta e indireta: direta: Introduz-se o dedo no anel inguinal superficial, se sentir um abaulamento na parte medial, a hérnia é direta. Se for indireta, o abaulamento é na lateral do dedo. 5)canal femoral e anel femoral, com suas paredes e limites. Bainha femoral envolve a artéria femoral, veia femoral, nervo femoral e linfonodos. Todos esses passam abaixo do ligamento inguinal. O canal femoral fica medialmente à veia femoral. É nele que passam linfonodos e gordura. Função: a veia femoral recebe sangue do músculo inferior e ele é espremido pela veia

femoral para ela se dilatar quando necessário. Funciona como uma almofada. O anel femoral é a abertura superficial do canal femoral. A alça intestinal pode cair dentro do canal femoral, virando hérnia femoral. CASO 10C – DISPNÉIA COM EFISEMA PULMONAR. TIRAGEM INTERCOSTAL E RETRAÇAO DE MUSCULATURA DO PESCOÇO 1)músculos do tórax. *serrátil póstero-superior – eleva costelas *serrátil postero-inferior – abaixa as costelas *levantador das costelas – eleva costelas *intercostal externo – eleva costelas *intercostal interno – abaixa as costelas *intercostal intimo – provavelmente eleva costelas *subcostal - eleva costelas *transverso do tórax – abaixa as costelas *diafragma – essencial na respiração 2)com apoio em uma mesa, o paciente sente menos dificuldade de respirar..pq!? Quando pacientes com problemas respiratórios esforçam-se pra respirar, usam seus músculos respiratórios acessórios para auxiliar a expansão de suas cavidades torácicas. Eles se apóiam para fixar seus ângulos do membro superior (clavículas e escapulas), de modo que estes músculos sejam capazes de agir nas suas inserções costais e expandir o tórax 3)músculos acessórios da respiração: *inspiração forçada: -serrátil anterior, escalenos, ecom =>quando elevam as costelas. -serrátil póstero-superior =>aumenta diâmetro ântero-posterior -intercostais externos e diafragma =>aumentam diâmetro látero-lateral. O diafragma sozinho aumenta o diâmetro crânio-caudal

*expiração forçada: -músculos intercostais internos, do tórax e da parede abdominal (contribuem na elevação do diafragma) alça de balde:quando levanta costelas, aumentando diâmetro latero-lateral mecanismo de bomba manual : quando inspira, eleva e aumenta diâmetro antero-posterior.

CASO 10D – LESÃO DE ESFORÇO LOMBAR 1)músculos superficiais ou extrínsecos do dorso: *trapézio – eleva, retrai e gira escápula. -fibras superiores: elevam -fibras médias: retraem -fibras inferiores: abaixam escápula As fibras superiores e inferiores agem em conjunto na rotação da escápula *latíssimo do dorso – estende, aduz e gira medialmente o úmero, levanta corpo em direção ao braço durante escaladas *levantador da escápula – levanta a escápula e inclina a cavidade gleinodal inferiormente pela sua rotação *rombóides maior e menor – retraem escápula e a gira para abaixar a cavidade glenoidal, fixa escápula na parede torácica *deltóide - parte anterior: flete e gira medialmente o braço - parte média: abduz o braço - parte posterior: estende e gira lateralmente o braço *supra-espinhal – ajuda deltóide na abdução do braço e age com o manguito rotador *infra-espinhal – gira lateralmente braço e mantém cabeça do úmero na cavidade glenoidal da escápula

*redondo menor - gira lateralmente braço e mantém cabeça do úmero na cavidade glenoidal da escápula *redondo maior – aduz e gira medialmente o braço *subescapular – gira medialmente o braço e o aduz; ajuda a manter a cabeça do úmero na cavidade glenoidal da escápula 2)músculos intrínsecos do dorso *esplênio da cabeça e do pescoço – quando agem sozinhos, inclinam lateralmente e giram cabeça para o lado dos músculos ativos. E juntos, estendem cabeça e pescoço *eretor da espinha – agindo bilateralmente, estende coluna vertebral e a cabeça; controlam movimento quando o dorso é fletido, alongando gradualmente as fibras. Quando age unilateralmente, inclinam lateralmente a coluna vertebral *transverso-espinhal - processos transversos: estendem cabeça e região torácica e cervical da coluna vertebral e giram-nas contralateralmente - semi-espinal: estabilizam as vértebras em movimentos locais da coluna vertebral - multífidos: estabilizam vértebras e ajudam na extensão local e movimentos rotatórios da coluna vertebral. - rotadores *interespinais – ajuda na extensão e rotação da coluna vertebral *intertransversários – ajuda na inclinação lateral da coluna vertebral; agindo bilateralmente, estabilizam coluna vertebral *levantadores das costelas – elevam costelas, ajudando na respiração; ajudam na inclinaçao lateral da coluna vertebral 3)músculos acometidos no caso:

Os músculos normalmente envolvidos, são aqueles que produzem movimento nas articulações intervertebrais lombares, especialmente as colunas do músculo eretor da espinha. Se o peso não está adequadamente balanceado na coluna vertebral, o esforço é exercido sobre os músculos. Isto é indubitavelmente uma causa comum de dor na parte inferior do dorso.