You are on page 1of 28

Curso Básico de Formação Política Ulysses Guimarães

www.fugpmdb.org.br • ead@fugpmdb.org.br

Livro 05
Aula 05 - A formação do Estado brasileiro

CURSO BÁSICO DE FORMAÇÃO POLÍTICA ULYSSES GUIMARÃES CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

MÓDULO I ORIGEM, TRAJETÓRIA E ATUALIDADE DAS INSTITUIÇÕES POLÍTICAS Aula 01 - Teoria Política 1) Teoria Política Clássica, Democracia e Cidadania 2) Teoria Política Moderna, Democracia e Cidadania 3) Teoria Política Contemporânea, Democracia e Cidadania Aula 02 - Formação do Estado 1) Formação do Estado na Antigüidade 2) Nações e Nacionalismo 3) Relações Sociedade civil e Estado 4) Identidade Nacional 5) Formação do Estado Moderno – Estadonação 6) Participação e representação política 7) Estado e Globalização Aula 03 – Formas de Estado, Sistema de Governo, Formas de Governo e Poderes do Estado 3. I Formas de Estado 1) Estado Unitário 2) Estado Federado 3. II Sistema de Governo 1) Parlamentarismo 2) Presidencialismo 3. III Formas de Governo 1) Monarquia 2) República 3. IV Poderes do Estado 1) Sistema de freios e contrapesos - Montesquieu 2) Poder Executivo 3) Poder Legislativo 4) Poder Judiciário Aula 04 - Instituições políticas brasileiras 1) As instituições políticas na Colônia e no Império 2) A República da Espada e a consolidação do sistema republicano

3) 4) 5) 6) 7)

República Velha e Revolução de 1930 A Era Vargas – O Estado desenvolvimentista Regime Autoritário Redemocratização O Estado brasileiro contemporâneo

MÓDULO II CONCEITOS E TEMAS EM POLÍTICA E HISTÓRIA DO PMDB Aula 05 - Partidos Políticos e sistemas eleitorais 1) Conceitos básicos: ideologia, identidade partidária 2) Democracia: origens e ideologia 3) História dos Partidos Políticos 4) História dos partidos políticos brasileiros 5) Cultura cívica Aula 06 - Políticas Públicas 1) Fundamentos de políticas públicas 2) Federalismo e políticas públicas 3) Municipalismo e políticas públicas 4) Políticas públicas setoriais: desenvolvimento, saúde, meio ambiente, etc. Aula 07 - O PMDB e as políticas públicas 1) História: do MDB ao PMDB 2) Democracia e o PMDB 3) Políticas públicas e o PMDB 4) Avaliação e rumos Aula 08 - Ética e Política 1) Conceitos fundamentais 2) Partidos políticos e ética 3) O PMDB e a ética 4) Corrupção e a política Aula 09 - Marketing político e eleitoral 1) Conceitos fundamentais 2) Marketing político 3) Marketing eleitoral Aula 10 – Liderança Política 1) Liderança eleitoral 2) Liderança de grupo 3) Liderança política

Leiam com atenção o texto e o resumo e assistam com o mesmo cuidado a aula que. na Democracia Econômica e Social. na primeira metade do século passado. caracteriza-se pelas restrições e ofensas à democracia e pela prática de arbitrariedades. vamos avaliar diretamente a história das instituições políticas de nosso país. em nós mesmos.EDITORIAL Nesta aula. quando o exército consolidou o sistema republicano. Iniciamos com o Descobrimento. em nossa cidade. . ou formal. A renda e o conhecimento continuam concentrados. tem o marco inicial com a eleição indireta para presidente da Republica.O Regime Autoritário Militar. com esta aula estamos tratando de instituições presentes em nosso país. Como vemos. .Brasil Contemporâneo. Em termos absolutos Vargas governou cerca de 50% do tempo. Bons estudos! ELISEU PADILHA Presidente da Fundação Ulysses Guimarães Nacional Coordenador-Geral do EAD 3 . e nossa incorporação pelo Reino de Portugal. no entanto suas iniciativas nortearam as ações governamentais por toda esta era. assimilarão os conhecimentos de nossa origem e nosso estágio institucional como Estado e povo. 1990 até hoje. de 1889 a 1894. de 1930 a 1964. . no final dos anos sessenta e dos anos setenta ser. mas permanecemos estagnados. quando os Estados membros ganharam autonomia política e administrativa. período em que o Brasil deu um grande salto de desenvolvimento. seguramente o maior presidente que já tivemos. por certo. passamos pelo Brasil império. mercê da competência e da visão futurista do Presidente Getúlio Vargas. com a Proclamação da Independência em 1822 e chegamos a República a partir de 1889. para o atraso e o flagelo da maioria dos Brasileiros.A Republica Velha. de 1894 a 1930. com texto da Professora Sonia Maria Ranincheski do Instituto de Ciência Política da UNB e aula do professor Paulo Kramer e do grande e ilustre companheiro Paulo Brossard.A República da Espada. A infra-estrutura e o Parque Industrial do país tiveram grandes avanços. em 1500.A Redemocratização do Brasil. No período de Brasil Republicano vivemos alguns estágios que não podemos ignorar: . . Trata-se da nossa história chegar até onde estamos: Brasil: Republica Democrática Presidencialista. em 1985.A Era VARGAS ou Estado Novo. de Tancredo Neves. chegando. durante o qual temos avançado na democracia político. de 1964 a 1985. 1985 a 1990. cantado em prosa e verso como o “Milagre Brasileiro” .

Sen.Carlos Bezerra (MT) 4 . Dep. Dep.FICHA TÉCNICA Diretoria Administrativa da Fundação Ulysses Guimarães Diretor-Presidente Diretor Vice-Presidente Diretor Secretário Diretor Tesoureiro Secretário-Geral Diretores Dep. Romero Jucá.Wilson Santiago (PB) 2 . Eliseu Padilha. Mauro Benevides.Instituto de Ciência Política Antônio Hohlfeldt Carlos Alberto Kern Elisiane da Silva Graziela Ribas Camargo Viração Filmes Digitais Alexandre Borck 4 . Gastão Vieira. Afrísio Vieira Lima Filho. Asdrubal Bentes. Dep.Rose De Freitas (ES) 5 . de Brasília . Edinho Bez. João Henrique de Almeida Sousa.Licenciado 1 . Edson Ezequiel. Dep. Moises Avelino.Moisés Avelino (TO) Henrique Eduardo Alves (RN) Valdir Raupp (RO) Suplentes: Líder na Câmara dos Deputados Líder no Senado Federal Programa de Ensino à Distância Direção-Geral Direção Pedagógica Coordenação Programática Coordenador da FUG/RS Coordenação de Produção Secretária Executiva Assessora da Presidência Produção Assessor da Coordenação Eliseu Padilha (Diretor-Presidente FUG) Carlos Lenuzza Universid. Francisco de Assis Mesquita Suplentes Secretário-Geral Adjunto Executiva Nacional do PMDB Presidente: 1º Vice-Presidente: 2º Vice-Presidente: 3º Vice-Presidente: Secretário-Geral: 1º Secretário: 2º Secretário: Tesoureiro: Tesoureiro Adjunto: Vogais: Michel Temer (SP) Íris de Araújo (GO) Joaquim Roriz (DF) Eduardo Pinho Moreira (SC) Mauro Lopes (MG) Nelson Bornier (RJ) Anthony Garotinho (RJ) Mônica Paes de Andrade Lopes Oliveira (CE) Caíto Quintana (PR) Orestes Quércia (SP) Dorany Sampaio (PE) Darcísio Perondi (RS) Geddel Vieira Lima (BA) .Gerson Camata (ES) 3 . Dep. Dep. Marinha Raupp. Fernando Diniz. Waldemir Moka. Dep. Dep. Dep.

..... O Regime Autoritário.......................................... 1945 a 1964 ............................................................................... Sonia Maria Ranincheski.............................. As instituições Políticas na Colônia e no Império .......................16 4.......................... A Era Vargas ... a ideologia do Desenvolvimentista e os anos pluripartidários: 1937 a 1945................................ veja currículo na página 24.................................25 Leitura Recomendada............................ A República da Espada e a Consolidação do Sistem Republicano (1889-1894) ....24 Resumo .....................................................o Estado Novo............................................. 5 ......................................22 Referências Bibliográficas..19 5........................................... 6 2..........27 O texto desta aula foi produzido pela Profª....................................................SUMÁRIO Introdução ........................... 6 1................ A República Velha e a Revolução de 1930 .....12 3........ a redemocratização e o Estado brasileiro contemporâneo .....................................

deveria haver outro produto cuja rentabilidade justificasse os investimentos. por Cristóvão Colombo. as quais foram doadas a 12 donatários. ora em francês.INTRODUÇÃO A República brasileira atual herdou algumas características de seu período colonial e imperial. Procuramos indicar no tempo como tais temas foram sendo construídos. 6 . no século XVI. por Pedro Álvares Cabral. a qual era usada. ele formava a Ilha da Trindade. Para administrar a incipiente colônia. tanto no aspecto ideológico quanto na proposição de projetos. samos vincular ao fato de que. 2) Presença estrangeira na costa brasileira: a França estabelece uma colônia no local onde hoje se localiza o Rio de Janeiro. afastado da praia. Com os morros da Urca e Cara-de-Cão. A base legal das capitanias hereditárias baseava-se em dois documentos: Carta de Doação.1 Colônia Durante o período colonial (1500 a 1822) algumas instituições políticas do Estado brasileiro foram montadas. Num primeiro momento. diferentemente dos espanhóis. Foram três as razões imediatas que despertaram o interesse dos portugueses em estabelecer colônias efetivas nas novas terras: Mapa francês da baía de Guanabara produzido. o Partido Conservador e o Liberal diferiam muito pouco. estabeleceu-se. no Brasil. foi descoberto somente em 1500. Talvez resida nessa dinâmica alguns indicativos do imaginário político atual. Outra curiosidade é a indicação de pontos de interesse. o sistema de capitanias hereditárias. a América foi descoberta em 1492. provavelmente. A expedição chamava-se “França Antártica” . num primeiro momento. Porém. que hoje está integrada ao continente em conseqüência de assoreamento e de um aterro no final do século XVII. os portugueses não demonstraram muito interesse em colonizar a nova terra. Porém. Parece difícil pensar que falar de uma história de 300 anos pode nos ajudar a entender questões atuais. num segundo. para extrair tinta. seria composta por índios. O território brasileiro foi dividido em 15 capitanias. a força ou fraqueza dos partidos políticos e valores da nossa população. pela escrava de origem africana. não encontraram ouro logo nas primeiras incursões realizadas no território brasileiro. Rico em detalhes. os portugueses introduzem o plantio da cana-de-açúcar no território brasileiro. A mão de obra. quando ouvimos ou lemos que no Brasil “a política é toda igual” talvez pos. 1) A crise do comércio português no Oriente: os portugueses perderam o monopólio de importantes rotas comerciais. mostra a conformação topográfica original do Pão de Açúcar (Pot de Beurre). sucintamente. modificados ou mesmo preservados. em 1555. nos primeiros anos que seguiram a descoberta do Brasil. mais precisamente entre 1534 e 1548. o peso do Estado. seguindo características herdadas do Estado português. O território onde hoje se configura o Brasil. Os portugueses. os portugueses realizam a extração do pau-brasil. ora em língua indígena. 3) Necessidade de integrar a colônia no esquema mercantilista europeu. a qual Desembarque da nau de Pedro Álvares Cabral em Porto Seguro. no entanto. na Europa. no Império. Apresentamos a seguir. Cabo verde e Açores). Porém. a extração de pau-brasil não necessitava de arrendamentos permanentes no território. 1. Como sabemos. Aproveitando-se da experiência adquirida nas ilhas do Atlântico (Ilha da Madeira. Para realizar empresa colonizadora. importantes temas como a relação do poder local e nacional. AS INSTITUIÇÕES POLÍTICAS NA COLÔNIA E NO IMPÉRIO 1.

Portugal já era um importante parceiro comercial da Inglaterra. em 1807. estava “louca”) que a Corte se tranferisse para a colônia brasileira. Surge daí. que se tornava cada vez mais forte e imbatível. Em 1755. Revoga-se o alavará de 1785 que restringia a produção industrial e manufatureira no Brasil. 1872. Até a transferência da Corte Portuguesa para o Brasil. após a chegada da Corte a Salvador. Dona Maria. Também acreditavam que o governo francês poderia influir em países que estavam sob doutrina absolutista e assim causar uma rebelião. Em 1789 tem início. O controle metropolitano. O exército francês aumentou o número de armas e de combatentes. estava na iminência de ser invadida pelo exército franceses. Napoleão realizou uma série de batalhas para a conquista de novos territórios para a França. após controlar a situação interna do processo revolucionário francês. doava terras à donatários que. por seu donatário Francisco Pereira Coutinho. fundada em 1536. O Brasil torna-se efetivamente uma colônia de Portugal. ao Príncipe regente Dom João VI (já que sua mãe. por exemplo. Napoleão foi coroado Imperador da França. debilitando as exportações do país e causando uma crise industrial. a capital do Estado do Brasil passa a ser a cidade do Rio de Janeiro. em referencia à obra do sociólogo Gilberto Freyre. A sede escolhida foi a cidade de Salvador. o Brasil torna-se o maior produtor e fornecedor do produto do mundo. a qual estabelecia os direitos e deveres dos donatários. ocorria por meio do Conselho Ultramarino. com as reformas engendradas por Marquês do Pombal. Imediatamente. Em 1763. e Estado do Maranhão. A capital foi transferida de Salvador para o RJ com o objetivo de fiscalizar mais de perto a empresa mineradora. Somente em 1548 seria introduzido o Sistema de Administração Centralizado. Em 1621 o território brasileiro seria dividido em dois Estados: Estado do Brasil. cujo objetivo era o de reordenar e fomentar a efetiva colonização brasileira.garantia o usufruto da terra e a Carta Foral. Com vistas a debilitar e derrotar os ingleses. À época do Bloqueio Continental. Pensando que a expansão e crescimento econômico-militar da França era uma ameaça à Inglaterra. a revolução ameaça Entrada do Rio de Janeiro por São Paulo. portanto. dariam início à colonização das terras descobertas. de Portugal sobre o Brasil. denominada de metrópole. ta por um Governador Geral. o Império Francês decretou o Bloqueio Continental em 1806. no usufruto de suas atribuições. Esse sistema era considerado descentralizado. e tornou-se o mais poderoso de toda a Europa. Em 1804. cujo auge se deu em meados do século XVIII. A Inglaterra sugere. mais conhecido como “Tratado de Panos e Vinhos” no qual Portugal vendia vinho à Inglaterra e comprava tecidos dela sem tarifas alfandergárias. Dom João VI assina a Carta Régia que determina a abertura dos Portos às nações amigas. um Provedor-mor (finanças) e um Capitão-mor (segurança). Com a instalação das usinas de cana-de-açúcar. as monarquias euroPor Jean Baptiste Debret. em 1703. destaca-se um general nascido na Córsega (atual região da Itália) chamado Napoleão Bonaparte. o Brasil volta a comportar os dois Estados em um só. com a capital em São Luis. péias. com seu capital privado. o país seria uma colônia de exploração cujo sentido era o abastecimento do mercado europeu. a consagrada estrutura do período colonial brasileiro denominada “Casa Grande e Senzala” . pois o Rei. os diplomatas ingleses formaram coligações internacionais para se opor ao novo governo francês e a seu expansionismo. Havia firmado. Portugal. o Tratado de Methuen. Por pregar o fim do sistema monárquico absolutista. com a capital em Salvador. A administração era composMapa das capitanias hereditárias do Brasil. um Ouvidor-mor (justiça). Organizam diversas alianças militares para derrotar o Exército francês. em que Napoleão determinava que todos os países europeus deveriam fechar os portos para o comércio com a Inglaterra. Percebe-se nesse sistema a união entre capital privado e real. Para o temor da Inglaterra. Dessa instituição. criado em 1641 e sediado em Lisboa. Em 1808 a Corte portuguesa desembarca no Brasil. 7 . na França. a Revolução Francesa. pois os donatários não deviam obediência a instâncias superiores. Em 1548 foi estabelecido o Primeiro Governo Geral no Brasil.

1) 1822 – 1830: Primeiro Reinado – reinado de Dom Pedro I. a partir de então. em 1889. 1. 4) São organizadas escolas superiores e academias militares.a qual se subdivide em Regência Trina Provisória. Diz-se que Dom Pedro I decidiu ficar no Brasil como forma de garantir que sua linhagem. Pedro II quando criança. Tem início o período Imperial no Brasil. sobe ao poder Pedro de Araújo Lima. permaneceu no Brasil Pedro II. antes que algum aventureiro o faça”. pelo Senador Carneiro de Campos e pelo General Lima e silva. o qual é dividido em três fases: 8 . Pedro II era considerado a esperança de união e estabildiade do Brasil. antes de partir: “torne algum país independente. Diz-se que. Pedro II teve uma rígida e sólida educação. último regente do período. Pedro aguardou alcançar a maioridade para tornar-se Imperador. Dom João VI. monta-se uma estrutura burocrático-administrativas mais complexa: 1) São criadas repartições públicas. Regência Una. 6) Reestrutura-se o sistema tributário como forma de cobrir gastos da Corte. onde assumiria o trono português após a morte de seu pai. 2) É fundado o Banco do Brasil. Dom João VI.2 Império Em 1822. seu pai. conhecido como Dia do Fico. ce direitos alfandegários baixíssimos para os prdodutos ingleses (15% ad valorem) o que permite a entrada de produtos que estavam estocados nos portos ingleses em função do Bloqueio Continental e o direito de extraterritorialidade. seu filho com Dona Leopoldina. 5) São criados órgãos judiciários. o Brasil deixa de ser uma colônia de Portugal para tornar-se uma colônia da Inglaterra. Com a vinda da família real para o Brasil e a tranformação do Rio de Janeiro na sede do governo português. Era conhecido por seu alto grau de erudição. filho de Dom Pedro I. Bragança. em 1835. 3) É fundada a biblioteca nacional. 2) 1831 – 1840:Regência. o Padre Feijó é eleito regente Uno. Com a deposição do Padre Feijó. ascende ao trono do Império brasileiro. Regência Trina Permanente. que se tornou seu preceptor. após o retorno de Dom João VI a Portugal e a determinação do Príncipe Pedro I em permanecer no Brasil. Dom Pedro II permanecerá à frente do Império brasileiro até a Proclamação da República. Assim que desembarcou no Rio de Janeiro Dom João VI mandou desapropriar habitações de particulares para que servissem de moradia aos integrantes de sua comitiva real. o qual impedia que os cidadãos ingleses fossem julgados pelas leis brasileiras. pelo qual Pedro II. a qual é considerada a primeira experiência republicana do Brasil. Quadro representativo da chegada da familia real portuguesa ao Brasil. o país torna-se independente de Portugal. lhe teria aconselhado. composta pelo Senador Vergueiro. Com a partida de Dom Pedro I à Portugal. composta por João Bráulio Muniz. são assinados os Tratados Anglo-Portugueses. Pedro II foi deixado aos cuidados de José Bonifácio. 3) 1840 – 1889: em 1840 ocorre o Golpe da Maioridade. mantivesse a posse das terras brasileiras. O Rio de Janeiro sofreu importantes mudanças com a vinda da Corte. O período monárquico compreende as três fases mencionadas. José da Costa Carvalho e o General Lima e Silva. Dom Pedro I anuncia ao povo que permanece no Brasil.Em 1810. também chamados de “tratados desiguais” pois estabele.

A administração pública. Essa idéia se fortalecerá no nosso presidencialismo. Nenhuma ação do Poder moderador poderia ser contestada. organizava as eleições. pois o Primeiro Ministro não era definido pelo Partido majoritário que vencia as eleições. a ausência de profissionalização da administração brasileira seria modificada somente com a Era Vargas. a perspectiva de que as decisões políticas são realizadas por uma pessoa só. o contrário do desejado: instabilidade. Em termos de poder local. por diversas vezes. em reuniões dos vereadores eleitos por processos simples. mas frouxas. apesar de o sistema ser monárquico. Para realizar as eleições. originado neste período. portanto. o Brasil era juridicamente um Estado unitário. O conceito de município seria transposto para o Brasil pela via da influência portuguesa. também. apesar de haver monarquia. a rotatividade das nomeações provocava. bastante diferentes das que ocorrem atualmente: os Presidentes de província. À época. por vezes. mas. por sua vez. Aqueles que. como a defesa dos interesses particulares passava por essas instâncias cotidianas administrativas. organização também herdada de Portugal.residente nato -. havia uma Constituição. como se percebe. foi a administração pública. aliás. como Presidente do Conselho de Ministros. A figura do Imperador conferia estabilidade ao sistema político. No Brasil. os chefes de polícia e as pessoas encarregadas de fazer o alistamento eleitoral eram nomeadas pelo próprio governo imperial. A distância da metrópole e a cultura pessoal.não só de indicação de quem seriam os funcionários e funções. o governo atribuía aos Presidentes das províncias a função de organizá-las. Eleições. havia as Câmaras municipais. O governo funcionava da seguinte forma: o Imperador nomeava o Chefe de um dos dois partidos da época. o funcionalismo fiscal ou judiciário não se pautava por regras rígidas. decidia-se o governo local. Liberal (Luzias) ou Conservadora (Saquarema). no nível local. um forte grau de centralização do Estado. repartido em províncias. Esse. Dom Pedro II tinha um importante papel de mediação na política brasileira. tais como: 1) manutenção da unidade territorial. todo o território nacional. pelo próprio Imperador. Reunidos os homens bons e o povo. o qual sustentava o aparato de todo sistema político. o que hoje chamamos de estados. três ou quatro vereadores. Os demais funcionários eram nomeados pela Câmara.Porém. 9 Dom Pedro II inaugura a sessão anual do Parlamento Imperial. donde se destaca o gosto pelo cartorialismo. Todos tinham mandato de um ano. elegiam os juizes. Assim. os juizes pediam que os eleitores fossem eleitos. tornaram a administração uma questão particular . era controlado por Presidentes nomeados pelo próprio Imperador. Durante o Império. separados em grupos de dois. O Poder Moderador foi a chave da nossa organização política. a paralisia decisória no Parlamento. procedia-se ao alistamento eleitoral. O Poder Moderador inaugura. constituía o ministério do seu partido e. O direito português conferiu bastante ênfase ao poder municipal. o que evitou. sim. a qual podia ser notada. Podemos perceber. baseado na prova de renda. os vereadores e os oficiais.um poder político. Afinal. um procurador e um tesoureiro. eram escolhidos pelo Imperador. A cada eleição. As Câmaras Municipais eram constituídas por um juiz . um escrivão. mas era dividido em Províncias. Somente ao Imperador cabia o exercício o Poder Moderador . Elas se constituíram no embrião do poder local. de certa forma. o que a caracterizava como uma monarquia constitucional. Eles eram nomeados diretamente pelo poder central. atualmente. porém. Nas Câmaras municipais. em seguida. não havia Justiça Eleitoral. embora sua importância até a República tenha sido mínima. Esses eleitores. inviolável e sem responsabilidade jurídica. 2) existência de um governo civil. tampouco título de eleito. funcionava “às avessas” . O período imperial consolida certas características fundamentais do Estado brasileiro. igualmente herdeira de valores portugueses. era fundamental o controle político do eleitorado. O sistema era denominado de Parlamentarista. No entanto. . ou seja. sobre a qual discutiremos mais adiante. denominamos Governadores eram referidos como Presidentes de províncias. no período imperial. Outro aspecto relevante. cargo equivalente ao de Primeiro-Ministro.

Um exemplo dessa unidade. Percebe-se. na Guerra do Paraguai (1865 a 1870). As elites brasileiras foram se criando em torno de consensos mínimos. apesar da existência de dois partidos – o Conservador e o Liberal. Diogo Antônio Feijó (São Paulo. Joaquim Nabuco escreve sobre a Força do Estado: “Essa é a força capaz de destruir a escravidão. diferenças entre os dois partidos quanto ao grau de centralização do Poder central: os liberais lutavam por mais autonomia provincial. manter o grau de centralização do poder exercido pelo Imperador. historiador. Isabel. portanto. porém. enquanto a Espanha dividiu seu território colonial em Vice-reinados. os conservadores pregavam maior subordinação das províncias ao Poder central. 4) limitação da mobilidade política: limitação de acesso da população ao voto. Havia. 10 de novembro de 1843). Pretendia preparar sua filha. Eram permitidos ser eleitores somente indivíduos do sexo masculino. desejavam. O Estado tinha o precípuo papel organizador da produção. também conhecido como Regente Feijó ou Padre Feijó. por isso se coadunava com as idéias conservadoras. aliás. Somente na Constituição de 1988 o voto dos analfabetos foi instituído. de 1887. mas permaneceram as restrições à maioridade. maiores de 21 anos. A ideologia dos dois partidos não era excessivamente conflitante. dentre os quais o controle da ordem pelo Estado. “os liberais pro. desejavam maior descentralização. No entanto. para sucedê-lo ao trono. o que desagradava certos grupos da elite que temiam pelas intenções de seu marido. jurista e jornalista brasileiro. Uruguai. com uma burocracia aos poucos sendo montada. 17 de janeiro de 1910) foi um político. Ambos partilhavam da ideologia liberal.Questão Servil: a modernização do uso da mão de obra provoca desigualdades entre Sul e Nordeste (a base do Império estava no Nordeste conservador).Questão Militar: o fortalecimento das forças armadas. Gravura de Angelo Agostini. Esta unidade estava centrada na idéia de manutenção da ordem para poder governar. Se havia um consenso mínimo entres as elites brasileiras – pela manutenção da ordem – por que o Império cai? Os fatos mais conhecidos da queda do Império são: 1. talvez.3) ausência de mobilidade social por causa da manutenção da escravidão. ao sexo feminino e aos analfabetos. fazia todo o sentido para a época. portanto. a qual propunha pouca intervenção do Estado na sociedade e na economia. após a grande vitória contra o Paraguai. Ordem e Progresso. punham as reformas que os conservadores realizavam” . venham a morrer juntas (monarquia e escravidão)” . alfabetizados e com renda estipulada. batizado a 17 de agosto de 1784 — São Paulo. Dom Pedro II adormece ao ler nos jornais sobre a crise do Império. etc) e o Brasil continuou uma unidade só e monárquico? Uma das explicações está na forma como o Estado brasileiro foi construído ao longo de sua história: Portugal governou de maneira centralizada. Joaquim Nabuco era defensor do sistema monárquico. 19 de agosto de 1849 — Washington. Esta seria a fonte do conflito interelites que culminaria na Proclamação da República. foi um dos maiores abolicionistas de seu tempo. Como definiu o escritor Oliveira Viana “nada mais conservador do que um liberal no poder” Ou ainda. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Considerado um dos fundadores do Partido Liberal. A frase inscrita em nossa bandeira. No período Imperial. que o Estado brasileiro foi construído como uma instituição forte e centralizadora. está na comparação entre o processo de independência do Brasil (1822) e das colônias espanholas (1810 a 1824): Por que na independência das colônias espanholas surgiram vários paises e republicanos (Argentina. México. foi um sacerdote católico e importante estadista brasileiro. Com a República temos o fim do voto censitário. mas sempre de maneira unificada. 2. Dom Pedro II já estava muito doente ao fim de seu governo. havia forte unidade entre as elites políticas e econômicas.Questão Religiosa: Estado passa a controlar assuntos civis: perda do monopólio da Igreja nos registros civis coloca o clero contra o império. o francês Conde D’Eu. Joaquim Aurélio Barreto Nabuco de Araújo (Recife. diplomata. Chile. 10 . da qual. 3.

o surgimento dessa classe consolidou o sistema capitalista no Brasil. são. uma crise de representação das elites. introduzida por Benjamin Constant. reúnem-se em Fazenda produtora de café. Art. A hegemonia econômica impele os cafeicultores paulistas a buscarem por mais poder de influência no governo central. A ideologia positivista. ardorosa por “ordem e progresso” Acreditavam que somente o sistema republicano . Princesa Imperial Regente. é fundado o Partido republicano. em 13 de maio de 1888. e abria o mercado a novas oportunidades de ascensão social. vivemos uma situação em que o país era unitário. o fazendeiro e o coronel da guarda nacional. portanto. Itu. Em 1873. que buscam harmonizar a ideologia republicana nas províncias. mas. o ato é o resultado tanto de fortes pressões internacionais quanto nacionais. descentralização administrativa. o Senhor D.Estas questões são consideradas explicações de cunho macro-político. em nome de Sua Majestade o Imperador. comandavam o poder efetivo. que a cumpram. O Brasil buscava se alinhar com os países mais avançados da época. centralização política. Os trabalhadores assalariados dirigiam-se. Havia. mas havia. Manda. conquanto ainda incipiente. Podemos afirmar. ao mesmo tempo. lugar que ocupará até meados da década de 1930. no Rio de Janeiro. Pedro II. trouxe maior qualificação ao trabalho. 1861. o que deu ensejo a uma classe de trabalhadores assalariados. faz saber a todos os súditos do Império que a Assembléia Geral decretou e ela sancionou a lei seguinte: Art. Desejavam mais autonomia. A República é mais o resultado da “confusão” entre os partidos políticos do que uma idéia hegemônica de Instituição necessária ao Brasil. mundo Faoro. Em 1870. O país abandonava o sistema escravista. de grupos abolicionistas e cafeicultores. São Paulo transforma-se na região mais rica do país. Durante o Império. Assinada pela Princesa Isabel. como afirmamos anteriormente. pois dinamizou as trocas e fomentou a produção industrial. Segundo o eminente economista Celso Furtado. na segunda metade do século XIX. portanto. tem o poder de mando e não quem exerce o governo. é publicando o Manifesto Republicano o qual determina as principais diretrizes dos defensores do modelo. O movimento republicano. Os verdadeiros “donos do poder” em expressão de Ray. A industrialização e o assalariamento traziam um ar de modernidade ao país. a exemplo dos EUA. poderia colocar o Brasil no caminho da modernização. pois produzia grande parte do café exportado para os EUA e a Europa. era governado dessa forma em função da baixíssima capacidade de estruturação governamental. 11 . na prática. o café já constituía o principal produto de exportação do país. por exemplo. Princesa Regente do Império brasileiro. certamente. majoritariamente constituída por alemães e italianos. em sua grande maioria. São Paulo. e façam cumprir e guardar tão inteiramente como nela se contém. 2°: Revogam-se as disposições em contrário. indivíduos São Paulo. Podemos afirmar que o Império é derrubado em função das rotinas políticas que. de fato. Lê-se: A Princesa Imperial Regente. Na década de 1880. 67º da Independência e do Império. A introdução de mão de obra imigrante. contaminava o pensamento da jovem oficialidade brasileira. Paulatinamente. de fato. Dada no Palácio do Rio de Janeiro. Havia uma espécie de “distribuição natural do poder” ou seja. a quem o conhecimento e execução da referida Lei pertencer. que essa centralização política tinha suas fraquezas. à região do oeste paulista. arcaico e desumano. efetivamente quem governava era o poder privado e local. mas desconsideravam as fortes disparidades regionais bem como o poder dos “coronéis” locais. O País. manda quem . Em 1888 a escravidão é abolida. Havia. tanto para contrair impostos quanto para estabelecer suas próprias taxas de importação e exportação. 1°: É declarada extinta desde a data desta lei a escravidão no Brasil. Os republicanos buscavam construir um país avançado e progressista. começava a engendrar importante articulação. a todas as autoridades. No mesmo ano.

Adentramos o ano de 1889. justiça. na Praça da Acalamção. Compreende os governos de Deodoro da Fonseca (1889-1891) e de Floriano Peixoto (1891-1894). Ato de Proclamaçao da República principalmente a ausência do Brasileira. professor e estadista brasileiro. com a emergência do trabalho assalariado. a República foi proclamada por um General. hoje. Assim desaparece a única monarquia da América e. A Monarquia é derrubada por um Golpe Militar liderado pelo Marechal Deodoro da Fonseca. 5 de agosto de 1827 — Rio de Janeiro. no período denominado República Velha. porém. 30 de abril de 1839 — Barra Mansa. A REPÚBLICA DA ESPADA E A CONSOLIDAÇÃO DO SISTEMA REPUBLICANO (1889-1894) Qual República se pensava e se desejava? Quais instituições deveriam ser criadas. o Brasil entra em nova fase. Foi o Exército quem operou esta magna transformação (. Praça da República. É um período de consolidação do sistema republicano. proclamou por meio da tranqüilidade e com solenidade realmente imponente que queria outra forma de governo. Floriano Vieira Peixoto (Maceió.1. Floriano Peixoto. Deodoro da Fonseca. como se pode perceber em um editorial de importante jornal da época: 12 A partir de hoje. O país modernizava-se. proclamador da República e primeiro presidente do Brasil. 2. A nossa República nasce por um golpe de espada! A república da Espada. Deodoro da Fonseca seria o primeiro presidente eleito. República Velha e a política dos governadores (1894-1930) Promulgação da primeira Constituição republicana. havia imprevisibilidade em relação a diversos aspectos. também caracterizada como governo provisório. modificadas ou simplesmente mantidas? Nos primeiros dez anos de República. . esperamos que os vencedores saibam legitimar a posse do poder com o selo da moderação. perdura de 1889 a 1891. impedindo a violência contra os vencidos e mostrando que a forca se concilia com a moderação (Gazeta da Tarde. O período republicano herdou algumas das características do período imperial. os consensos de ordem e moderação continuam. O povo assistiu a tudo “bestializado” . 23 de agosto de 1892) foi um militar e político brasileiro. pois se pode considerar finda a Monarquia. 1836 — Rio de Janeiro. mas ainda permaneciam resquícios das velhas práticas políticas. início do período republicano. de forma indireta. No Brasil. mas é articulado por militares.Benjamin Constant Botelho de Magalhães (Niterói. Primeiro vice-presidente e segundo presidente do Brasil. Deodoro da Fonseca. 29 de junho de 1895) foi um militar e político brasileiro. fazendo votos que o novo regime encaminhe a nossa pátria a seus grandes destinos. 15 de novembro de 1889). o fim da escravidão e o aumento das cidades têm início uma incipiente industrialização. 15 de novembro de 1889. como afirmou o eminente jornalista da época Aristides Lobo.) hoje. 2. Presidiu o Brasil de 23 de novembro de 1891 a 15 de novembro de 1894. e não se sabia quais seriam os destinos da nação. 1891) foi um militar. povo na vida política. Manuel Deodoro da Fonseca (Cidade de Alagoas. O projeto republicano vence. passando ao regime democrático com todas as conseqüências da Liberdade. O movimento foi organizado nos quartéis do Exército e não contou com qualquer manifestação popular.. Como afirmado anteriormente. A família real exila-se na França. Malgrado as divergências entre estas elites sobre temas os mais variados. A proclamação da República não modifica o medo das elites políticas às rupturas e às desordens..

Minas Gerais e Bahia. A existência deste pacto dependia. 2. O presidente Campo Sales. 1891. teve curta duração. dos partidos regionais. em grande parte. Em suma. o expediente de referendar o resultado eleitoral no parlamento (Congresso ou assembléias regionais) permitia todo tipo de negociação e falcatruas. no Congresso. sobretudo do café. capacidade de endividamento sem o aval da União e outros. 15 de Fevereiro de 1841 — Santos. o que indicava as disputas regionais da época. do controle dos municípios e da vigência do sistema político do coronelismo (para os gaúchos. mas de contemporização de interesses. Formase assim todo um jogo de alianças baseado na capacidade das lideranças locais e regionais de controlarem os seus eleitores: controle ora exercido pela força. pois o analfabetismo atingia cerca de 99% da população. Além disso. o Partido Republicano rio-grandense. Mas nem sempre as usamos com pertinência. também denominada Aliança Café com Leite. juntos. o partido Republicano Paulista. contudo. tendo como contrapartida a independência do Presidente para fazer a sua política. como. O interesse dos setores agro-exportadores. ou seja. Não havia unidade entre eles. assim funcionava o pacto dos governadores: o Presidente da República reconhece como “dono” da política estadual o grupo que naquele momento tem o controle da política no estado em questão. o voto seria universal desde que o eleitor fosse do sexo masculino.2 República Velha: Estado oligárquico. É atribuída a Campos Sales a orquestração deste complicado jogo político que pressupunha a alternância dos Estados aliados na Presidência da República. Na República os partidos não eram fortes e predominava a força das lideranças regionais. As disputas políticas tornam visíveis as negociações entre as lideranças locais. em 1930. Passados três presidentes eleitos desde a proclamação da República. maior de 21 anos e alfabetizado. neste caso. era constantemente reafirmada quando de votações importantes. reclamavam por política de incorporação de seus interesses e não a oposição à política econômica do café. estabelece que o Presidente da República seria eleito pelo voto direto. Não se tratava apenas do cargo de presidência da República. Após a proclamação da República. 13 Campos Sales. As forças políticas estaduais eram importantes. o candidato republicano de São Paulo. Esse tipo de expediente – regra constitucional – foi apelidado de voto a bico de pena (e no Rio Grande do Sul. ora pelo capital político disponível. presidente da República entre 1898 e 1902. os três maiores colégios eleitorais que. compunham a maioria nas bancadas do Congresso. 28 de junho de 1913) foi um advogado e político brasileiro. que era um partido de formação heterogênea. Na ruptura deste esquema. vence as eleições presidenciais e inaugura a chamada política dos Governadores. declarava que “Tem-se de conversar com quem tem poder. Tal pacto firmava acordo entre São Paulo. A política de Governadores indicava o poder do Governo central. em 1889. O Presidente Campos Sales fez uma política de reconhecimento das ordens políticas locais. o Partido Republicano Federal. por exemplo. em rodas íntimas. as restrições à participação da maioria do povo: desaparece o modelo censitário. Onde está o poder? Está nos indivíduos? Está na multidão que pratica desordens na capital da República? Não. Surgiram os partidos republicanos regionais tais como o Partido Republicano Mineiro. mas de uma estratégia de dominação de tal forma que interesses destes Estados coligados tornavam-se interesses de toda a nação. mesmo que este fosse dependente dos estados. No entanto.A Constituição republicana do Brasil. Os Estados eram fortes e mantinham prerrogativas hoje não mais existentes. regionais e nacionais. os Estados que se situavam fora dessa aliança paulista-mineira. Campos Sales. Manuel Ferraz de Campos Sales (Campinas. trata-se de uma complexa rede de alianças políticas que. Mantém. o eleitorado não aumentou. As eleições não avançam em termos de lisura do processo: o voto não é secreto e o controle das mesas eleitorais se mantém com os políticos locais. mas necessitavam da União. torna-se interesse do país. . chamava-se de A eleição da degola). coronéis e clientelismo Coronelismo e clientelismo são palavras que indicam práticas políticas presentes na formação política brasileira. O poder está nos Estados” (Campos Sales). caudillhismo). Não se tratava de uma briga entre inimigos – União X Estados –. forças armadas estaduais.

O coronelismo foi. na forma de empregos. dominavam a cena política e os filiados aos partidos. O coronel era o representante em nível local do partido estadual dominante. concedendo empregos. de compromisso entre partes muitas vezes desiguais e se manifestava em âmbito municipal. tampouco um político com potencial força para ser governador. dependendo da capacidade que ele tem de se manter forte em termos de recursos para distribuir junto aos seus eleitores. que durou de 1889 até 1930. em municípios pequenos e pobres ou sobreviria à urbanização e crescimento das capitais e grandes cidades? Esta . arranjado empréstimos ou. o coronel ou os governadores? Trata-se de relações de troca. envolvendo compromissos recíprocos. o governador ou futuro governador depende de sua capacidade de fazer valer os interesses dos coronéis. A cultura política estava concentrada em poderes pessoais. regionais e nacionais é. a liderança política do coronel ou dos coronéis era reforçada não só pela aproximação com os governadores e a desses com o presidente da República (daí a importância do Legislativo. conforme se visualiza no gráfico abaixo construído por Joseph Love. Os coronéis da região estão constantemente em disputas e negociações e seu domínio pode ser temporário. pois se constituía em um campo de barganhas e disputas políticas e forma de pressão ao Executivo). O coronelismo é a síntese do que vínhamos apontando: por ser o Brasil um país continental. O coronelismo era fruto de alteração na relação de forças entre os proprietários rurais e o governo e significava o fortalecimento do poder do Estado e não o predomínio do poder do coronel. Ao 14 governador cabia a mediação com o cenário nacional. A figura pessoal. condutores da massa eleitoral. benefícios fiscais. em troca de apoio político. o governador o beneficia com recursos para que ele os utilize como símbolo de força diante dos seus eleitores. uma complexa rede de relações que vai desde o coronel até o presidente da República. O embate entre as forças locais. O Coronelismo foi um fenômeno essencialmente rural. O momento histórico em que se deu essa transformação foi a Primeira República. Coronelismo é um jogo de trocas de favores. o que não são! Clientelismo indica um tipo de relação entre atores políticos que envolvem concessão de benefícios públicos. facilitando processos burocráticos. de compromisso. conformando relações assimétricas entre os coronéis regionais e a base eleitoral. Em troca. Sem o primeiro. uma vez que esse poder era chancelado pelo poder central. ou ainda é. política local é onde se dão as mais importantes articulações. com os recursos maiores. Da mesma forma. Na base desse sistema está o eleitor. onde as medidas do governo serão efetivadas. mas por estabelecer uma relação de troca e favores com a população.São palavras distintas e que muitas vezes usadas como sinônimo. o ultimo não teria como se legitimar. Por isso a importância do vinculo entre o poder local e o nacional. assim. um dos pontos fundamentais da formação política brasileira. O coronel da região tem o compromisso com o governador de arrecadar o maior número de votos. isenções. comandadas por seus coronéis. um sistema político. A força de uma oligarquia estadual advinha do controle exercido sobre os grandes coronéis municipais. simplesmente. o localismo e o município. Numa região não há apenas um coronel. As diferentes oligarquias. No topo está o governo federal. A pergunta é: quem é mais forte. sobretudo na forma de voto.

o poder dos coronéis é enfraquecido em parte. as más. Isso é. logo após a vitória de Vargas. uma vez que permite ao Estado agir dura e severamente por ser o guardião e a força vital da sociedade. como explicar. 2. prevalecia a visão da necessidade de repressão. espécie de fórmula esquizofrênica em que se juntam duas visões de sociedade e de mundo aparentemente impossíveis de estarem unidas. 7) O Leviatã benevolente”: Leviatã. pois os município se mantêm como unidades da federação importantes. conviveram duas vertentes – a Liberal e Autoritária – e. Cabe assinalar que não se trata somente do pensamento das elites políticas dominantes. É importante destacar que o poder estadual foi consolidando a centralidade cada vez maior das decisões no Estado Nacional Foi nesta força do poder central que as facções políticas varguistas apostaram ao assumirem a liderança . por exemplo. Em outras palavras a matriz liberal autoritária vigente á época da República Velha seria caracterizada por: 1) Predomínio do princípio estatal sobre o princípio do mercado: exaltava-se. não podemos esquecer que ele exerceu a política a “ferro e fogo” como na ditadura .o poder da Presidência não era insipiente. uma visão paternalista e de que o homem brasileiro é por natureza cordial e se há conflitos estes são desvios a serem resolvidos com energia e força. 4) Ausência de organização da sociedade civil: nenhum interesse se organiza de forma autônoma – daí a ne15 cessidade do Estado e a idéia de partido seria um perigoso meio de artificialidades. uma . isolar-se destas mesmas lideranças.3 Pensamento liberal e autoritário na formação política brasileira: fundamentos da República Velha É importante entender qual tipo de pensamento social vigorou na sociedade brasileira durante a República Velha (e que alimentou as práticas políticas. sem. aparece a noção da importância da cooptação da população das lideranças para o seio do Estado. foram mescladas pela sociedade brasileira de tal forma que deram origem ao que cientista político Bolívar Lamounier chama de “matriz liberal autoritária” Isto é. perdoa e reprime. nos momentos dos conflitos reais. é o nome dado pelo filósofo político do século XVI. Daí tratarem a questão social como uma questão de política. 2. 5) Ausência de mobilização política: o medo da mobilização das massas. Por isso o seu projeto requer um emprego limitado e temporário da força até que fossem criadas as condições para a educação dos menos esclarecidos. como já sabemos. que uma população seja em muitos momentos favoráveis a condenações exemplares sem a legítima defesa? Esta idéia é útil para entendermos o governo Vargas que se tornou presente em toda a sociedade como o protetor do povo. Este pensamento está imbuído de uma moral cínica. O Estado seria benevolente porque reforça as boas qualidades e corrige severa. positivamente. embora passem a depender ainda mais da União. pois protege.4. 2) Objetivismo tecnocrático: a política era vista positivamente como opção técnica respaldada num ato de vontade do Estado. Está presente neste tipo de pensamento. Com a Revolução de 30 e a subida de Getulio Vargas à presidência. Finalmente. A república permitiu as repressões policiais aos movimentos operários dos anos 20. entre os quais estariam os adversários do momento.pergunta foi feita nos anos 30. Porém. no entanto. Era vista negativamente no que se refere atividades de partidos e instituições representativas como um desvio da adaptação da sociedade. que prometia desarticular e quebrar os poderes locais. quando necessário. Thomas Hobbes. por exemplo. Durante a República Velha. mas afetuosamente. mas criticava-se a intervenção em processos competitivos ou em processos de ajustaste automáticos do mercado. 3) Visão autoritária do conflito social: apesar de existir o discurso liberal de que os conflitos são uma dimensão irremovível e essencial ao sistema. A República dos Governadores acaba fortalecendo o poder do Estado Nacional: meio caminho para o fim da República Velha Na República Velha – denominação cunhada por Getúlio Vargas em campanha presidencial . longe de se excluíram. ao poder totalitário do Estado. do Estado Novo. o Estado seria o Leviatã benevolente. a intervenção deliberada do Estado e do controle coercitivo. Traduzindo para o caso brasileiro. 6) Elitismo e voluntarismo como visão de processos de mudança: a perspectiva disseminada era a de que as elites sempre são altruístas e almejam o bem.

sendo o Estado o grande articulador e potencial ator desta relação. após a vitória da Revolução de 1930. o que confere o tom positivo às mudanças que visualizava para o país.um movimento de mudanças O período analisado principia com um levante de jovens políticos (Oswaldo Aranha. que não se realizam. Vargas não vai contra os interesses dos cafeicultores. dos militares (Revolta dos Tenentes). com a Revolução de 30. Maurício Cardoso.1 A Revolução de 30 . 16 Coluna Prestes. Flores da Cunha. como a Aliança Nacional Libertadora – liderada pelo PCB . Vinculava-se ao tenentismo. metas de reformas sociais. 3. incremento industrial. A Coluna Miguel Costa-Prestes. exigência do voto secreto. Vargas é derrotado no pleito por fraudes eleitorais. foi um movimento político-militar brasileiro que perdurou entre 1925 e 1927. o grupo depara-se com situações de extrema pobreza e carência de populações.e o Integralismo – liderado por Plínio Salgado –. As pressões da sociedade civil. para destacar os mais significativos. diversificação produtiva. Para ele.política do Estado. o que os impele a mudar de estratégia e adentrar o cenário da luta política como via de mudança social. A eleição presidencial de 1929. as oposições locais do RJ e SP (Partido Democrático) e os tenentes. Sua visão era de um país industrializado. João Batista Luzardo. além de Getúlio Vargas) defendendo ideais liberais. Tal golpe passa a ser conhecido como a Revolução de 30. cria órgãos ligados ao café. A questão sucessória tornar-se-ia o centro dos embates políticos. defesa do ensino público. Virgílio de Melo Franco. RS e Paraíba. em 17/07/1934. Exigem direitos e liberdades. A REPÚBLICA VELHA E A REVOLUÇÃO DE 1930 3. Fatos importantes dos anos 20 contribuem para o fim da República Velha: a) movimentos operários. Em 3 de outubro de 1930. até a eleição de Vargas pelos Constituintes. c) Coluna Prestes (1924). corrente que possuía um programa bastante difuso. que também não se efetivou. Porém. pressiona Vargas pela abertura do governo. ele governa com o status de “governo provisório” até as eleições Constituintes de 1932. As reformas recaiam sobre a sociedade brasileira como forma de desarticular o movimento operário. Percorreu diversos estados do país nos quais pregava que o povo se unisse a eles numa revolução social. das classes médias. dá um golpe de estado. mas algumas linhas gerais podem ser delineadas: insatisfação com a República Velha. título cunhado mais uma vez pelo próprio Vargas. a qual era formada por gru- . Lindolfo Collor. João Neves da Fontoura. que poderia ser simplesmente uma eleição a mais. disputada entre Getulio Vargas e Julio Prestes (não confundir com a liderança comunista Luis Carlos Prestes). A previsão de eleições presidenciais diretas foi marcada para 1938. b) criação do PCB (1922). Defendiam ainda novas formas de sindicalização. pos de MG. sobretudo a idéia da representação corporativa. Vargas é um expoente da matriz liberal autoritária. transformou-se no estopim de uma mudança radical no país. alterações nas relações entre patrões e empregados. O seu horizonte político era do enfraquecimento do poder político dos estados regionais. Quais eram os grupos que apoiavam Vargas em sua revolução? A Aliança Liberal. organizados por movimentos de massa. ao contrário. Imagem da chegada de Getúlio Vargas ao Rio de Janeiro. Primeiramente. que tinha nuanças fascistas. uma coisa não excluía a outra. popularmente conhecida como Coluna Prestes. e pressionado por oligarquias regionais fora do eixo paulista – mineiro.

de 1919. mas é mais uma continuidade e o aprofundamento de determinada tendência histórica que propriamente novidade. mas o contrário. de 1943. com a Revolução de 30 as oligarquias regionais e as hegemonias estaduais são diluídas na idéia de uma unidade nacional. instaura a ditadura do Estado Novo! A Revolução de 30 foi Imagem de reunião do grupo inte. ● ● ● ● ● A Revolução de 30 desencadeia mudanças políticas e econômicas no país. É neste período que ocorre a criação . A revolta dos Tenentes em 1922 leva à revolução de 1930: porém. com a Revolução de 30. Num ato de expressiva força simbólica. o Brasil fez uma “viagem redonda” isto é. As promessas de ampliar o escopo de eleitores são mantidas (promove-se o voto secreto e o voto da mulher. as quais seriam realizadas em um período de ausência de democracia. São leis anteriores a Vargas: a lei sobre acidentes de trabalho. de inspiração fascista. A política dos Governadores engendrada durante a República Velha havia chegado ao seu ocaso. a criação das Caixas de 17 mudanças radicais no sentido do fim do capitalismo.Para dar continuidade a seu projeto. Podemos considerar como o maior lance político de Vargas o projeto de modernização e autonomia ao país pela industrialização. de inúmeros aparatos de propaganda – DIP – e aparatos de repressão – polícia política com vistas a controlar a sociedade brasileira. lidemédias que não propunha rado por Plínio Salgado. posteriormente reformulada em 1923. Os partidos tornam-se nacionais e a cidadania política é direcionada para a idéia do trabalho e do trabalhador. O presidencialismo torna-se mais forte. a revolução de 30 não é considerada uma revolta militar. Descrença no sistema político montado na força dos Estados. Em 1937. Os direitos trabalhistas foram uma conquista das pressões operárias. Vargas afirma que “eles (os industriais) não sabem que o que estou fazendo é para o bem deles” . Dá um golpe de estado em seu próprio governo. Podemos destacar alguns pontos importantes da Revolução de 30: ● Anos 20: a classe média não tinha condições de aspirar ao comando político. em 1932). Periodização do governo de Vargas: a) 1930 a 1937: Vargas governa o Brasil sem passar por uma eleição.unidade nacional. país muda sem grandes rupturas estruturais. Segundo o importante jurista e historiador Raymundo Faoro. A industrialização precisa tornar-se política do Estado. Em termos políticos. b) 1937 – 1945: Vargas dá um golpe branco e governa sob estado de sitio. Em termos econômicos. Nota-se que Vargas e seu grupo tinham essa noção: em entrevista a jornal de época. o . Vargas recorre ao ato extremo do Golpe de Estado. É preciso lembrar que as leis trabalhistas não são inovações de Vargas. com a Revolução de 30. Para tanto. ao estabelecer as regras trabalhistas a exemplo da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT). forças Vargas promove o ato simbólico da queima das bandeiras estaduais econômicas até então alijadas como forma de reforçar a idéia de da aliança mineiro-paulista en. Crise econômica e financeira leva a dependência do crédito por parte do Estado brasileiro. tram em cena. Advogava para o país a necessidade de industrialização. embora já estivesse em crise. apóia não somente os projetos da indústria como inicia o processo de controle da força de trabalho. mas também de da elite que vislumbrava nessas regras melhores condições de racionalizar e otimizar a produção. embora se mantivesse o veto aos analfabetos. Vargas queima as bandeiras dos Estados e exalta a bandeira brasileira como única representante do povo. Comício da Aliança Nacional Libertadora. Buscava a modernização e a consolidação da economia capitalista. com plenos poderes ditatoriais. A crise de 1929 abala as estruturas econômicas do Brasil. indicando que já havia um processo de industrialização em curso no Brasil. não são idênticas.um movimento de classes gralista.

Neste sentido. Entende o social como meio para felicidade individual. pois o olhar da população voltava-se para cima. mas como ato legítimo de parte de elites econômicas e políticas do Brasil que defendiam reformas necessárias: A Revolução de 1930. mas antes um sintoma de uma sociedade ainda marcada pelo personalismo na política. em 1923. A influência desse tipo de comportamento na política é negativa. os indivíduos. Não é sinônimo de bondade ou pacífico no sentido da não violência: no Brasil tivemos revoluções lentas. foi ampliada com a esperança de desqualificar o homem brasileiro. é uma obrigação do Estado é entendida no sentido de que o Estado é quem tem condições de resolver todos os problemas e concede a solução tornando-se imprescindível para a população. mas como um presente. em que vigora o sentimento o que pode abrir espaço para líderes populistas. A cordialidade vigente no homem brasileiro não indica uma prática pacifica. o homem cordial: ● ● ● ● Não acredita na bondade fundamental dos brasileiros. ● . O perigo reside justamente na confusão da política como aspecto pessoal. Vargas reforça a noção de que é do Estado que se articulam todos os atos no país. No Estado brasileiro concentram-se todas as esperanças de pobres e ricos porque o Estado reflete o pólo condutor da sociedade. o Estado Novo: ascensão e queda de Getulio Vargas (1930 -1945) Entre as décadas de 1930 e 1940 é reforçado a noção da política como uma relação inter-pessoal. 3. uma dádiva. a lei de férias de 1925 e o Código de menores em 1926. seguras e concertadas. em 1945. Valoriza as personalidades. Para as elites à frente destes fatos. esquecendo a história deste país cheia de exemplos de presença do povo brasileiro no cenário político. pelo sentimento. para o presidente da República. não como resultado de lutas sociais. municipais. pois elas estavam à frente do processo e com o total controle e usavam o termo com ênfase para construção positiva do capitalismo. Vargas estabelecia uma relação direta entre o presidente e “seu povo” Portanto. pois confunde o que deveria ser racional e público com a emoção e o particular. 1923. utilizar a palavra Revolução não era sinal de ruptura total. e avesso a conflitos políticos. a ausência de verdadeiros partidos naquele período não era a causa de inadaptação a um regime legitimamente democrático. o mundo entra em uma euforia democratizante e a figura de Var18 É regido pela emoção.2 A Revolução de 30 e o homem brasileiro Aqui não há Revolução! Tal frase muito usada nos anos da ditadura militar fortaleceu a idéia errada de que o homem brasileiro é cordial. A visão de homem cordial brasileiro tem sido explicada como a de homem ordeiro. Trata a política como um problema de família. o que dificultou o fortalecimento dos partidos políticos.Aposentadoria e Pensões para empregados da estrada de ferro. A noção de que a política social. Vargas reforçou os laços pessoais na política. Segundo Sérgio Buarque. O fortalecimento da figura de Vargas representou uma dificuldade maior de fazer valer as forças locais. Por isso o discurso emotivo funciona tão bem para a população brasileira. O homem cordial pauta suas ações pelo lógica das relações pessoais e afetivas. apropriava das reivindicações sociais da população e as devolvia na forma de legislação social. Temos então consolidado a fusão entre o Estado com a figura do presidente.3 A Revolução de 30. exercida por Vargas e seu grupo. Cabe aqui tratar de aspecto relevante: a palavra Revolução. Frases como “o brasileiro é pacifico” tem sido pronunciada erradamente. foi criado o Conselho Nacional do Trabalho. Em diferentes momentos da história brasileira. por exemplo. o Estado Novo (1937). por exemplo. pacata ou passiva. Quando o historiador Sérgio Buarque de Holanda consagrou o termo estava indicando uma característica do povo brasileiro: no Brasil. Deixou uma forte herança de confusão entre direitos e benesses. de certa forma. neste mesmo ano. 3. dando-lhe estabilidade por dez anos. Finda a Segunda Guerra Mundial. a Revolução de 1964. a dinâmica das relações pessoais familiares forneceram o modelo das relações sociais. Esta noção errada. pacato. Tanto o povo mais humilde quanto a elite quer a proteção. mas de formas diferentes. o termo Revolução foi usado não como ação radical da esquerda pelo fim do capitalismo. ele se .

fundaria dois dos importantes partidos políticos do Brasil: PSD e PTB. nos anos 30 e 40 estrutura-se a ideologia do trabalho e de reabilitação do papel e do lugar do trabalhador. Em uma sociedade que se pretendia industrial e moderna. sua imagem descolada de partido. Ideologia e trabalho no Estado Novo e ideologia do desenvolvimentismo: herança varguista. Volta Redonda (1942). A ERA VARGAS . 4. pois proporcionou a formação de quadros administrativos competentes. amplia- A resposta a terceira questão foi a criação de uma série de órgãos como Correios e telégrafos e jurisdição sobre radiocomunicação. Franklin Delano Roosevelt. não foi suficiente para impedir o apelo e o avanço de eleições presidências. assinalou o início de uma nova fase da industrialização brasileira. uma vez que tal projeto ainda era demasiado grande para as elites econômicas brasileira. viriam os milhões de dólares que garantiriam a instalação da Usina Siderúrgica Nacional.gas. Vargas é deposto da presidência. foi uma das maiores realizações do governo. Vargas intenta reverter este preconceito por meio de duas formas de relações: Trabalho e riqueza => o trabalhador é o criador da riqueza da nação e somente ele pode combater a po● 19 . Criou a Companhia Siderúrgica Nacional (1941). presidente dos Estados Unidos. sobretudo do trabalho manual. algumas perguntas eram propostas: a) Como modernizar o país se grande parte da população era rural? b) Dever-se-ia recuperar a economia agro-exportadora ou o Estado deveria financiar a industrialização? c) Como criar uma burocracia pública nacional de administração pública? A resposta do regime Vargas ao primeiro ponto foi lançar mão de mecanismos de inclusão controlada. CSN. o reconhecimento da legítima identidade operária. Golpeado pela direita. 1945 A 1964 Como assinalado anteriormente. o país se moderniza e alcança autonomia siderúrgica. Cabe se perguntar: qual foi o desdobramento do Estado varguista? A constituição gradativa da burocracia brasileira como ator político relevante e o consórcio entre burocratas (grupos insulares dentro da máquina administrativa) e proprietários de riquezas na empreitada predatória dos recursos coletivos.O ESTADO NOVO. O político Getúlio Vargas manteria. Lembremos que a escravidão brasileira deixara marcas de desprestigio com relação ao mundo do trabalho. Petrobrás (1953). em 1943. os quais foram incorporados ao serviço púbico por meio do critério meritocrático – concurso público – para o ingresso às carreira do funcionalismo.1. por mais forte que tenha sido. ção da autonomia dos trabalhadores e uma maior interferência do Estado. A partir disso. é no Governo de Vargas que o Estado brasileiro se modifica e assume contornos mais modernos e profissionalizantes em termos econômicos e administrativos. visitou o ditador brasileiro. Com a interferência direta do Estado. Em troca. O surgimento da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN). A resposta ao segundo ponto foi realizar ambos os projetos com maior interferência do Estado. 4. Neste período. Conselho Nacional do café (1931). o Brasil entrava na guerra e o Nordeste passava a sediar as bases que permitiriam a chegada de recursos aos Aliados na grande ofensiva do Norte da África. Porém. Código de Viação. A criação do DASP (1938) Departamento de Administração do Serviço Público. 1951 a 1954. no entanto. Para garantir a presença do Estado getulista no conjunto das forças que lutavam contra as ditaduras nazi-fascistas. A IDEOLOGIA DO DESENVOLVIMENTISTA E OS ANOS PLURIPARTIDÁRIOS: 1937 A 1945. Durante os anos de Vargas – 1930 a 1945. em 1941.

Vargas diminui a importância do eleitor e super-dimenciona a identidade do trabalho. Indústria e Comércio e o Ministério da Educação e Saúde como um conceito de união destes vários setores da sociedade. se ele cria riqueza. preservação do motor humano. durante o Estado Novo (1937-1945). desde outubro de 1943. O discurso estadonovista mantido ao longo dos anos 60 é o seguinte: ● O ideal de justiça social e ascensão social está no trabalho: “todo homem. Isto é. mas deve haver uma humanização do trabalhador. da decade de 30. Havia a preocupação com a organização científica do trabalho e por isso foram criados o Ministério do Trabalho. Trabalho e cidadania => o trabalhador ganha relevância social como cidadão. é criado o Sistema S: Senai e Senac com a perspectiva de juntar educação e profissionalização. 20 .documento em defesa das liberdades democráticas assinado por intelectuais.1 A lógica do discurso varguista: ● Com a vitória dos aliados no final da Segunda Guerra Mundial. Difunde-se a idéia de que a célula política primária era a família e o incentivo à moradia tinha esse foco (cabe lembrar a característica do homem cordial. O trabalho passa a ser um direito e um dever.1. Releu o passado de lutas dos trabalhadores sem ao menos mencioná-lo. em 1942. Com isso. isto é. Voz do Brasil. Com isso. uma obrigação para com a sociedade e o Estado. A eleição tornou-se uma espécie de barganha. Também foi usado como meio de disseminação das idéias da ditadura de Vargas. O rádio. mas um problema de todos os homens e classes. Neste sentido. Estruturou-se a partir de uma ética do trabalho. por seu trabalho honesto. esta não deve ser entendida como riqueza de outro (do patrão).breza. deverá deixar para seus filhos mais do que recebeu de seus pais” . a questão social não era uma questão operária. da política e da família como uma coisa só). Fac símile do documento intitulado “Manifesto dos mineiros” que contribuiu para o enfraquecimento da ditadura de Vargas. ● ● Democracia social do novo Estado Nacional – priorizou a promoção do esforço do trabalhador. 4.sob a campanha: trabalho e vigilância – uma hora roubada ao trabalho é uma hora roubada a pátria. com manifestações em diferentes estados. As pressões internas se faziam sentir. ● ● Nesta estratégia de valorizar o trabalhador. Também aumenta a burocracia do Estado para atender esse trabalhador. contribui para a riqueza da nação. tenta-se quebrar a força revolucionária de partidos comunistas. Está no ar desde 1935. ● A máquina faz parte da produção. ele faz parte da sociedade porque é um trabalhador. Cria-se uma identidade nova: o trabalhador brasileiro. uma vez que o Brasil apoiou a causa internacional da democracia. uma razão moral e ao mesmo tempo um ato de realização. a Voz do Brasil e Hora do Brasil (1934) para as massas analfabetas e para atingir os mais recônditas partes do país. Valorizou a figura do trabalhador nacional. o Instituto de organização social do trabalho – Idort . representou um importante veículo de acesso à informação por parte das camadas mais humildes da sociedade. mas como riqueza da nação. É fundada a Revista Cultura Política para a classe média intelectualizada. O discurso volta-se para o trabalho com a suprema identidade nacional. quando foi divulgado o Manifesto dos Mineiros . Priorizou as leis do trabalho ● Qual era a estratégia de disseminação desse discurso? Pelo Rádio e pela Imprensa escrita de massa e formadora de opinião. profissionais liberais e empresários. foram suprimidos os direitos políticos. tornou-se difícil manter no Brasil um regime autoritário. É criado. Sendo assim.

O mesmo Vargas. mas de maneira subordinada. Como muitos apontam. No contexto . forças populares. até a de 1988. As massas conferem legitimidade ao governo. 4. ● ● ● ● ● Neste contexto que podemos referir o ademarismo (oriundo da política de Ademar de Barrros) o janismo (política de Jânio Quadros) e janguismo (João Goulart) como os últimos populistas antes de 64. realizam-se eleições para a Assembléia Nacional Constituinte e promulga-se a Constituição considerada mais democrática. Cedendo a pressões – segundo suas próprias palavras. receber.Getúlio Vargas. embora o PCB tenha ficado na legalidade apenas dois anos. estava sendo reforçada a ideologia da outorga: dar. ocasionando uma agenda mais democrática de discussões e decisões para o país. o Brasil vivencia o auge do populismo com as seguintes características: ● Integração das massas a vida política.Jornal anuncia o suicídio de pem o cenário político brasilei. como o PCB elegeram inúmeros representantes. mais do que um conteúdo de governo. como se anunciava. Em 1946. Combinação de plebeísmo. autoritarismo e carisma. Este é o significado do chamado movimento trabalhista até os anos 60: enfatizar a dimensão voluntária de agradecimento ao Estado pela atenção dada ao trabalhador. com os multipartidarismos e liberdades de expressão garantidas. imortalizando-se como um mártir da população. Nesta Constituinte. finalmente.No entanto. O líder populista procura estabelecer um vínculo emocional (e não racional) com o “povo” para ser eleito e governar. o país se tornava mais urbano do que rural. tenham sido elementos muito fortes que influenciaram os resultados positivos a Vargas em 1951. Vargas se suicida em 1954. não é maculada diante do povo. mais uma vez cabe o questionamento sobre a relação poder local X poder nacional. Aqui. o Estado Novo parece ter nascido. Movimento de resistência ao Golpe Militar de 1964 vai às ruas no Rio de Janeiro.2. ICabe destacar que a imagem de Vargas. Cria-se as condições do desfecho autoritário do golpe militar de 64. rom. vivido e morrido sob a égide das transformações mundiais. O pluripartidarismo e o desfecho no golpe de 1964 Após 1945 abriu-se para história brasileira um período de democratização. no entanto.2. Em que medida esta urbanização retira dos municípios prerrogativas de decisão política? As pressões políticas das massas. muitos fizeram crer. ro e assusta aquelas elites mais conservadoras. facilitando a expansão desordenada 21 das cidades e. 4. Estabelece-se um modo de exercício de poder. o populismo e o desfecho no golpe de 1964 Nos anos que precedem o Golpe de 1964. esse mesmo regime conheceu o apogeu e a queda sob a influência da Segunda Guerra. A urbanização cresceu de forma acelerada.1. Contato direto entre as massas urbanas e o líder carismático. Mas o governo não seria tão positivo. Se o florescimento de regimes autoritários na Europa encorajou o presidente Vargas a instaurar no país um regime político autoritário. Mas foram dois anos suficientes para eleger 15 deputados a Assembléia Constituinte e deixar uma marca junto a Constituição considerada por muitos como amplamente democrática. O pluripartidarismo. O Brasil dos anos 50 mergulha na crença do desenvolvimento e no progresso. em 1951 retorna a cena polícia. Traduzindo numa singular dinâmica entre repressão e mobilização desse período. retribuir. muitas vezes não organizadas nos anos 50 e 60. concorre e vence a eleição para presidente da República! A força do carisma e talvez Bancada comunista eleita a marca de suas reformas sociais nas eleições de 1945.

do de JK. 22 de maio de 1977) foi um escritor e político brasileiro. como modo de pôr fim à ameaça de esquerdização do governo e de se controlar a crise econômica.desses governantes. presidente do Brasil de 1961 a 1964. Jânio da Silva Quadros (Campo Grande. Uma característica marcante do regime militar foi a busca pela preservação da unidade por parte dos militares no poder. já utilizada por Getúlio Vargas. Na mesma perspectiva. da Guanabara. da Igreja Católica. Janio Quadros toma posse como presidente eleito. como a União Nacional dos Estudantes. dentre outras razões. de São Paulo) e amplos setores de classe média pediram e estimularam a intervenção militar. após a ditadura militar tomar rumos diversos dos por ele imaginado. O REGIME AUTORITÁRIO. É por isso. posteriormente. a Confederação Geral dos Trabalhadores. Mesmo desunidos internamente em muitos momentos. houve um esgotamento das condições de manipulação das massas. portanto. A ditadura brasileira. 30 de abril de 1914 – Rio de Janeiro. 25 de janeiro de 1917 — São Paulo. mesmo que houvesse com conflitos internos durante os 21 anos em que a instituição militar permaneceu no controle do poder político no Brasil. as Ligas Camponesas e grupos católicos como a Juventude Universitária Católica (JUC) e a Ação Popular (AP). não se apóia em uma liderança apenas. Não usa o expediente do carisma. deputado federal (1947–55) e governador do estado da Guanabara (1960–65). tal qual exposto acima. Grande parte do empresariado. à formação política brasileira. uma violenta repressão atingiu os setores mais mobilizados da esquerda. paradoxalmente. alegando que “forças terríveis” o obrigavam a esse ato. conhecido popularmente como Jango. Magalhães Pinto. Foi membro da União Democrática Nacional (UDN). golpe dentro do golpe e repressão intensa. diferentemente de outras latino-americanas e. Carlos Frederico Werneck de Lacerda (Vassouras.1 O Regime Autoritário Nos primeiros meses após 1964. A REDEMOCRATIZAÇÃO E O ESTADO BRASILEIRO CONTEMPORÂNEO 5. e proprietário do jornal Tribuna da Imprensa. Também no golpe de 64 os militares denominaram o movimento como “Revolução” Como entender isso? . entre 31 de janeiro de 1961 e 25 de agosto de 1961 — data em que renunciou. dos proprietários rurais. de Minas Gerais. em 1949. vários governadores de estados importantes (como Carlos Lacerda. Porém. João Belchior Marques Goulart. Fundador. mas do expediente da eficiência burocrática do Estado. e Ademar de Barros. pois as massas ganharam autonomia e transformaram-se em sujeitos políticos. que a população não identifica a ditadura com algum nome relevante. os militares demonstraram um considerável grau de união sempre que vislumbrassem alguma ameaça à “Revolução” . 1 de março de 1918 — Mercedes. João Goulart. 16 de fevereiro de 1992) foi um político e o décimo-sétimo presidente do Brasil. da imprensa. Carlos Lacerda encontra JK em Lisboa. Lacerda foi um dos maiores críticos do governo de Getúlio Vargas e. 6 de dezembro de 1976) foi um político brasileiro. (ele foi um dos apoiadores do golpe) Lacerda une forças com JK para combater o regime. amedrontando aquelas elites avessas às profundas transformações sociais. com diferentes fases (como solução de curto prazo. (São Borja. A palavra “revolução” foi usada na acepção de restauro uma ordem perdida sob controle das elites. abertura gradual e negociada no começo dos anos 80) foi recebido positivamente por importantes setores da sociedade brasileira. O golpe de 64 ocorre. no contexto do fortalecimento das massas em mobilização. O regime autoritário. . Em 1985 elegeu-se prefeito de São Paulo pelo PTB. 22 5.

Ulysses Silveira Guimarães (Rio Claro. quando se pergunta como a população vota. Neste sentido. Os setores mais a esquerda facilitaram nos anos 80 e 23 .2 Redemocratização No final da década de 1970. negativo presente na redemocratização foi a promessa feita por partidos de esquerda de que com a redemocratização viriam as soluções para os problemas sociais. o partido é forte por nele vigerem as prerrogativas de ações. novamente. 2. talvez ela se reproduza na busca das facções políticas aproximarem-se do Presidente da República. o Estado brasileiro contemporâneo se mantém forte. Passados mais de 20 anos de redemocratização.3 O Estado Brasileiro contemporâneo Consolidada a democracia. além de uma crise econômica grave. Assume a presidência José Sarney. José Sarney. mesmo que sempre de maneira pontual. Estes relatórios apontam para a necessidade de resolver os problemas de pobreza e do desemprego de maneira que não se criasse um contexto propício de fechamento autoritário. Tancredo Neves é eleito. provocaram as condições para se estabelecer as normalidades democráticas no país. mas não significa que haja correspondência de confiança por parte da população. 12 de outubro de 1992) foi um eminente político brasileiro. Em relação à reedição do coronelismo. Conquanto tenham sido indiretas. Em 1985. Ainda não há uma correlação forte entre posicionamento político e identificação partidária. o retorno ao Brasil de importantes lideranças exiladas (1979). tenta-se articular a questão social com a questão política. ocorreram as primeiras eleições após o longo período militar. Governou o Brasil entre 1985 e 1990.A importância do Estado brasileiro como referência para a população brasileira e a percepção de que as políticas sociais de Estado sejam uma “dádiva” 3. mas vem a falecer logo em seguida. a resposta é “na pessoa” . Ulysses. 5. Em todas as pesquisas de opinião pública.O sentimento contraditório da população em relação aos direitos sociais: a população os sente como um direito. 6 de outubro de 1916 — Angra dos Reis. causada pelos choques do petróleo (em 1973 e 1979). já sinalizavam para o retorna da democracia. nesse processo. análises sérias com base em dados estatísticos igualmente sérios (dados do PNUD de 2003) apontam para o problema da promessa não cumprida. conhecida como a constituição cidadã por reservar para seu primeiro titulo o núcleo denominado “princípios fundamentais” que embasam todo o seu conteúdo normativo.5. Novamente. José Sarney de Araújo Costa (Pinheiro. Na relação entre o poder local e poder nacional. Um ponto importante e. Destaca-se. Campanhas nas ruas. o regime autoritário esgota-se e ganham espaço as pressões pela redemocratização. em períodos eleitorais. o importante papel de Ulysses Guimarães. realizadas pelo Congresso Nacional. como as Diretas Já. sendo a única instituição capaz de promover as políticas públicas necessárias para conter o avanço da pobreza. as nuanças do papel do município seguem em debate. Em termos de sociedade. o qual representaria “o grande coronel” .A formação do poder do Estado brasileiro de tal sorte que muitos cientistas políticos afirmam que somente o Estado pode acabar com ele mesmo. 90 o discurso da panacéia da democracia pela resolução dos problemas sociais. 24 de abril de 1930) é um político e escritor brasileiro. ainda vigora a relação política personalista e direta entre a liderança e o eleitor. e o clima de liberalismo na América Latina e no mundo. Em 05 de outubro de 1988 foi promulgada a Constituição brasileira. Algumas conclusões: Procurou-se destacar: 1. Foi o primeiro presidente a cumprir seu mandato após o Regime Militar. ao mesmo tempo. Os programas sociais mobilizam milhões de reais e recursos burocráticos de que somente um Estado organizado em todo o território dispõe.

Em outras palavras continua-se vivenciando uma sociedade de tipo liberal-autoritária. P 11 a 60 In CARVALHO. Vol 2. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CARONE. Brasil. O Ex-Leviatã brasileiro: do voto disperso ao clientelistmo concentrado. UFRGS. 733 a 748 GOMES. Ângela de Castro. 1978. pergunta-se se não estaríamos avançando para uma sociedade de massas no sentido negativo: pouca organização partidária ou de outra natureza. P. Repensando o Estado Novo. Cap. Os donos do poder. Graduação em História. UFRGS. Áreas de atuação: Sociologia. O município e o Regime Representativo no Brasil (varias edições) – está na minha sala SANTOS. Elites Parlamentares e Estado. Universidade de Brasília. 344 – 374 In FAUSTO.). são Paulo: Globo. 5. cujo critério seria o asepcto performático. Vol 2. P. “O populismo na política brasileira”. (1999). Ed. WEFFORT.Mestrado em Ciência Política. 1975. Comportamento Político. DF. Dulce (org. Maria Alice Rezende de. Joseph. Rio de Janeiro: Museu da República. Edgar. In: ____. FGV. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. O regionalismo gaúcho e as origens da Revolução de 1930. Cap. São Paulo: Difel. II A democracia improvisada (p. São Paulo: Editora Perspectiva. A Construção da Ordem: A Elite Política Imperial. LOVE. 229 a 236 FAORO. Renato. São Paulo: Difel. Tomo II Do Império a República. Coronelismo. A invenção da República no Brasil: da aventura à rotina. Sonia Maria Ranincheski. que gera uma matriz liberal autoritária.) O Brasil republicano. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre. Metodologia de Pesquisa nas Ciências Sociais. História da América. História Geral da Civilização Brasileira: o Brasil Monárquico. Victor. Uma interpretação. Em certa medida. Política. A segunda República (1930-1937). Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Doutorado em Estudos Comparados Sobre As Américas. ____________. Rio de Janeiro: Relume Dumará. 1994 HOLANDA. O populismo na política brasileira. Brasil. 10 ed. LESSA. Rio de Janeiro: Paz e Terra. P. no qual a paixão se traduz na política pela busca do melhor candidato. Wanderley Guillerme dos. Sérgio Buarque (1985). mas por ser função do Estado prover o bem estar social. Brasília.mas não por fazer parte de uma comunidade de homens. Porto Alegre.A importância da relação entre o poder local e nacional em diferentes períodos da história brasileira. José Murilo. NUNES LEAL. 2001. marcado pela presença da percepção da política como uma relação pessoal. Ano de obtenção: 1988. 53 a 73 In PANDOLFI. UNB. 1995. Brasília. refém da idéia de democracia como o momento do voto. muito sensível aos apelos emocionais e mergulhadas no contexto da moral punitiva. Universidade de Brasília. de longo período. Ideologia e trabalho no Estado Novo. (1978). Sociedade e instituições (1889-1930). A invenção do trabalhismo. Bolívar.A importância da pessoa na política como uma construção histórica. emocional. Boris (org. 24 . de paixão. Políticas Sociais. (2006). Final p.O sentimento contraditório entre liberdades.. enxada e voto. (1980). 4. República no Catete. 6. Ed. CARVALHO. Raymundo. LAMOUNIER. Formação de um pensamento político autoritário na primeira República. Brasil. F. 79 – 104).

1548: sistema de Administração Centralizado. Divisão quadripartite dos poderes: Poder Executivo. O sistema instalou um paradoxo: fortaleceu os poderes regionais e enfraqueceu o poder central. Mesma divisão de poderes do Primeiro Reinado. Poder Judiciário. Os Estados possuíam alto grau de autonomia política. Fatos importantes: 1840 – Golpe da Maioridade. O Conselho de Estado instruía o Imperador em seus atos. Denomina-se esse sistema de “Coronelismo”.RESUMO 1) As instituições políticas na Colônia e no Império 1. o Brasil é alçado à Reino Unido do Brasil. em 1930. 3) República Velha e a Revolução de 1930 (1894-1930) A República Velha. mas suprimiu o Poder Moderador. aliados a Getúlio Vargas. considerado prerrogativa do Imperador. o qual retribuía concedendo benefícios e verbas. de Minas gerais e do Rio Grande do Sul. Extinção do Conselho de Estado. tomaram o poder. 1621: Brasil é dividido em Estado do Brasil e Estado do Maranhão. Em 1815. dá-se a abertura do portos às nações amigas. os quais legitimavam a força dos coronéis. O povo não teve qualquer participação significativa. Partidos políticos: Brasileiro e Português. 4) A Era Vargas – O Estado desenvolvimentista (1930-1964) A Revolução de 1930 é comandada pelo grupo denominado “Aliança Liberal” a qual comporta elementos descontentes com a política da República Velha da Paraíba. Em 1824 outorga-se a primeira Constituição do Brasil. Manteve a divisão dos poderes do Império. Em 1810. Vargas procurou modernizar o Brasil e organizar a força trabalhadora do país. ou seja. Ocorre a criação da estrutura burocrática administrativa do Estado brasileiro. Em 1937. Portugal e Algarves. 1822: Dom Pedro I proclama a independência do Brasil em relação a Portugal. 1808: Chegada da Corte portuguesa ao Brasil. 1831 – 1840: Regência. 1888 – Lei Áurea. expressão cunhada por Getúlio Vargas. consagrou a descentralização administrativa e política.Proclamação da República. Retorno do Poder Moderador. 1889 . mas contavam com um sistema de apoio do governo central. em função das contradições ocasiona- 25 . 2) A República da Espada e a consolidação do sistema republicano (1889-1894) A proclamação da República ocorreu pelas mãos do Exército. 1763: Transferência da capital da colônia de salvador para o Rio de Janeiro. 1. Deixa o poder em 1945. Vargas dá um golpe de Estado o qual daria origem ao chamado Estado Novo. Esse enfraquecimento proporcionou o surgimento de grupos insatisfeitos que. pelo Ato Adicional de 1834. Poder Legislativo e Poder Moderador. Partidos políticos: Partido Conservador e Partido Liberal.1) Colônia (1500-1822) 1534 – 1548: capitanias hereditárias. Os dois governos considerados de consolidação do sistema republicano foram: Deodoro da Fonseca (1889-1891) e de Floriano Peixoto (1891-1894). 1840 – 1889: Segundo Reinado – governo de Dom Pedro II. O sistema baseava-se no “localismo”. os chamados “coronéis” apoiavam os candidatos indicados pelo governo central.2) O Império (1822-1889) é dividido em três fases: 1822 – 1830: Primeiro Reinado – governo de Dom Pedro I.

assumiu o poder Itamar Franco. promulga-se nova Constituição. Tancredo Neves é eleito. Na década de 70. a despeito da repressão. pelo Congresso Nacional. sob governo Médici. Eurico Gaspar Dutra é eleito. em 1954. 26 . indiretamente. enfatizou a necessidade de fortalecer a segurança nacional do “perigo comunista”. por ter sido reeleito. no Brasil. porém. Porém. Havia dois partidos que dividiam a cena política: o MDB e a Arena. Seu mandato foi renovado. É a única instituição capaz de engendrar projetos de modernização e distribuição de renda fundamentais. Luis Inácio Lula da Silva foi eleito Presidente da República. 7) O Estado brasileiro contemporâneo (da década de 90 aos nossos dias) Com o impeachement de Fernando Collor. Jânio Quadros é eleito. Vargas retorna ao poder. motivo pelo qual justificava atos de arbitrariedade contra a população. João Goulart assume a presidência. Em 1994. foi eleito Fernando Henrique Cardoso. o Brasil vivencia o chamado “Milagre”. O Estado brasileiro contemporâneo legitima-se com a instituição política mais forte e estável do país. ocorrem eleições. Em 1950. pela via eleitoral. o Presidencialismo volta a ser o sistema de governo do Brasil. período de maior crescimento do PIB já verificado na história do país. de 1988. após plebiscito. Em 2002.das por sua participação da Segunda Guerra Mundial e pelo desgaste interno de seu governo. na qual se elege Fernando Collor. 6) Redemocratização (1985-1990) Em 1985 ocorrem as primeiras eleições no Brasil. Nas eleições de 1961. Pautou-se pela unfanismo e pelo nacionalismo. Nas eleições de 1955. em 1998. com a promulgação da Constituição cidadã. procurou desenvolver o projeto “Brasil Potencia”. Em 1946. Jose Sarney assume o poder e torna-se o primeiro presidente civil após o fim do regime militar. Jango assume o cargo mediante “solução de compromisso”: o Parlamentarismo é estabelecido no país. Em 1987 têm início os trabalhos da Constituinte. a Democracia é interrompida pelo Golpe Militar. Inserido na lógica da Guerra Fria. cujo mandato foi estendido até 2002. JK sobe ao poder. em 1992. mas falece logo em seguida. os quais findam em 1988. após quase 20 anos de estado de exceção. comete suicídio. 5) Regime Autoritário (1964-1985) O Regime Militar. Em 1990 ocorrem as primeiras eleições diretas. por razões pessoais e conjunturais. importantes projetos de infra-estrutura e fomento à indústria nacional. No entanto. Em 1964. em 2006. mas renuncia no mesmo ano. os quais possam proporcionar acesso de toda a população brasileira aos benefícios de um estado social de direito consolidado. E 1963. A democracia brasileira é considerada exemplar na transparência e eficiência de seu sistema eleitoral. Realizou. Em 1945. permanecendo até 196o.

do aluguel. as suas manifestações culturais” A obra é útil tanto ao lei. Seriado da tevê Globo “Agosto” . Francisco Iglésias privilegia o ângulo político em sua abordagem. religião. o menor abandonado. 2006. da sua ignorância política. sugerimos alguns filmes histórico relacionados a matéria da aula: Carlota Joaquina. arte e ciência . do peixe. Tendo em vista essa variedade de públicos. e o pior de todos os bandidos. Para se divertir e aprender.em suas múltiplas manifestações -. nem participa dos acontecimentos políticos. Ele não ouve. mentalidades. Companhia das Letras. da farinha. O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia a política. EDUSP. Terra em transe. nasce a prostituta. formas de vida ou. Princesa do Brasil. pilantra. Ed. tor médio culto quanto ao estudante. classes sociais. para dizer tudo em uma palavra. O A N A L FA B E TO P O L Í T I CO O pior analfabeto é o analfabeto político. completam-no uma pequena bibliografia comentada e uma cronologia dos principais acontecimentos. o preço do feijão. Bertolt Brecht 27 . O que é isso companheiro? Lamarca Muda Brasil.LEITURA RECOMENDADA HISTÓRIA CONCISA DO BRASIL Autor: Bóris Fausto. TRAJETÓRIA POLÍTICA DO BRASIL Autor: Francisco Iglesias. Não sabe o imbecil que. O livro do eminente professor Boris Fausto aborda os principais fatos políticos da história do Brasil. Seriado da tevê Globo “Anos Rebeldes” . Desmundo. não fala. mas não descuida de outros temas. Ed. Pra frente Brasil. que é o político vigarista. corrupto e lacaio das empresas nacionais e multinacionais. pois. do sapato e do remédio dependem das decisões políticas. como ele próprio afirma na introdução ao volume: “a história política não pode deixar sem referência os grupos étnicos. Ele não sabe que o custo de vida.

410 sala 1222 – Centro Porto Alegre – CEP 90020-020 – Fone (51) 3013.Fundação Ulysses Guimarães RS Av.4042 28 . Borges de Medeiros.