You are on page 1of 43

EDITAL UESC Nº 165 ABERTURA DE INSCRIÇÕES PROCESSO SELETIVO PARA TRANSFERÊNCIAS EXTERNAS O Reitor da Universidade Estadual de Santa Cruz

– UESC, no uso de suas atribuições, torna pública a abertura de inscrições, visando o preenchimento de vagas existentes nos cursos de Graduação da UESC, destinadas a alunos oriundos de outras Instituições de Ensino Superior (IES) nacionais, para o 1º período de 2012, nos termos da Resolução CONSEPE nº 92/2007 e em conformidade com o que prescreve o presente Edital. 1 DAS VAGAS:
1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10 . 11 . 12 . 13 . 14 . 15 . 16 . 17 . 18 . 19 . 20 . 21 . 22 . 23 . 24 CURSOS Bacharelado em Administração - Matutino Bacharelado em Administração - Noturno Bacharelado em Agronomia Bacharelado em Ciência da Computação Bacharelado em Ciências Biológicas Bacharelado em Ciências Econômicas – Matutino Bacharelado em Ciências Econômicas – Noturno Bacharelado em Comunicação Social Bacharelado em Direito – matutino Bacharelado em Enfermagem Bacharelado em Engenharia de Produção Bacharelado em Física Bacharelado em Geografia Bacharelado em Matemática Bacharelado em Medicina Veterinária Licenciatura em Ciências Biológicas - Noturno Licenciatura em Ciências Sociais Licenciatura em Educação Física Licenciatura em Filosofia – Vespertino Licenciatura em Filosofia – Noturno Licenciatura em Física Licenciatura em Geografia – Noturno Licenciatura em História – Matutino Licenciatura em História – Noturno VAGAS 02 01 08 07 03 01 01 02 05 02 06 18 02 17 02 04 02 04 08 05 12 02 07 07

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ – UESC
Campus Prof. Soane Nazaré de Andrade, Km 16 – Rodovia Ilhéus/Itabuna Tel: Reitoria (73) 3680-5003/5017/5311/5002 – Fax: (73) 3689-1126 CEP: 45.662-900 – Ilhéus – Bahia – Brasil E-mail: reitoria@uesc.br

25 Licenciatura em Matemática . 26 Licenciatura em Química . TOTAL

08 08 144

2 DAS INSCRIÇÕES: PERÍODO De 07 a 11 de novembro de 2011 Das 08:00 às 12:00 horas, das 13:00 às 16:00 horas, com HORÁRIO apresentação dos documentos explicitados no item 3. Protocolo Geral da UESC, no Térreo do Pavilhão Adonias Filho, no Campus da Universidade. LOCAL Obs.: O Protocolo Geral da UESC apenas recebe os documentos; a conferência e validação dos mesmos serão verificadas pelos Colegiados de Curso, em outro momento. R$ 80,00 (oitenta) reais recolhidos à conta UESC Nº. 991220-7, TAXA AGÊNCIA 3832-6 – BANCO DO BRASIL. 3 DA DOCUMENTAÇÃO: São indispensáveis os seguintes documentos: 3.1 No ato da inscrição: 3.1.1 Requerimento, devidamente instruído pelo candidato ou por seu procurador legalmente constituído (procuração por instrumento particular, em original); 3.1.2 Declaração ou comprovante de matrícula, em original, expedido pela Secretaria Acadêmica, comprovando que o candidato possui vínculo atual com a instituição de origem, devendo constar o nome da Instituição e do curso, o grau (bacharelado ou licenciatura), o ano/período acadêmico, contendo carimbo e assinatura do responsável pela Secretaria que expediu o documento, ou do seu representante legal, em original; Obs.: O candidato com matrícula trancada deverá apresentar declaração, em original, da IES de origem, informando haver vínculo com a Instituição 3.1.3 Fotocópia do RG; 3.1.4 Fotocópia do comprovante de residência; 3.1.5 Comprovante do pagamento da taxa de inscrição, em original. 3.2 Entrega até o dia 21/12/2011: 3.2.1 Histórico Escolar oficial do curso, em original, expedido pela instituição de origem, atualizado, ou seja, constando a situação final de cada disciplina, de acordo com a declaração, ou, com o comprovante de matrícula apresentado no ato da inscrição (item 3.1 b), contendo carimbo e assinatura do responsável pela Secretaria Acadêmica que expediu o documento ou do seu representante legal, em original, a ser entregue no Protocolo Geral da UESC. Obs.: Não serão aceitos os Históricos Escolares retirados diretamente da

Internet. 3.2.2 Protocolo de inscrição do requerimento para transferência. 4 DO PROCESSO SELETIVO O Processo Seletivo para o preenchimento de vagas destinadas a transferências externas será efetivado em duas etapas: a) Pré-seleção; b) Prova de Conhecimentos Básicos do curso e Análise do Histórico Escolar. 4.1 Primeira Etapa: Da Pré-Seleção Será conduzida pelo Colegiado de Curso, que eliminará do processo os candidatos que: 4.1.1 Não apresentarem a documentação exigida ou que, apresentado-a, se constate irregularidade na avaliação; 4.1.2 Não comprovarem o vínculo atual com a Instituição de origem; 4.1.3 Não cursarem na Instituição de origem o mesmo Curso pretendido na UESC; 4.1.4 Não tiverem tempo hábil de concluir o curso no tempo máximo para integralização. Participarão da Prova de Conhecimentos Básicos os candidatos habilitados na préseleção. 4.2 Segunda Etapa 4.2.1 Da Prova de Conhecimentos Básicos Será constituída de Prova Teórica, que versará sobre os conteúdos dos respectivos cursos (anexo único deste Edital). 4.2.1.1O Candidato deverá comparecer ao local designado para a realização da prova com antecedência mínima de 30 (trinta) minutos do horário estabelecido para o fechamento dos portões, munido de caneta esferográfica de tinta preta ou azul e, obrigatoriamente, do documento de identidade original, com o qual se inscreveu, contendo foto e o respectivo comprovante de inscrição. 4.2.1.2Será proibido o uso de óculos escuros, relógios digitais, bonés ou qualquer objeto que cubra os cabelos e orelhas, durante a realização das provas. 4.2.1.3Será vedado ao candidato o ACESSO ao local de provas, ou sua permanência nele, portando MP3 e similares, pager, máquina de calcular, agenda eletrônica e telefone celular, mesmo que desligados, ou outros dispositivos eletrônicos. 4.2.1.4O candidato que infringir o disposto nos itens anteriores será eliminado do processo, sem direito a recurso ou a reclamação posterior. 4.2.1.5É de responsabilidade do candidato a entrega das Folhas de

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ – UESC
Campus Prof. Soane Nazaré de Andrade, Km 16 – Rodovia Ilhéus/Itabuna Tel: Reitoria (73) 3680-5003/5017/5311/5002 – Fax: (73) 3689-1126 CEP: 45.662-900 – Ilhéus – Bahia – Brasil E-mail: reitoria@uesc.br

Respostas antes de sair da sala de provas. Caso isso não ocorra o candidato será eliminado do Processo Seletivo. 4.2.1.6Nenhum candidato poderá entregar a prova antes de transcorrida 1 (uma) hora do seu início. 4.2.1.7O candidato que, por qualquer motivo, ausentar-se do ambiente em que se realiza o Processo Seletivo, não poderá retornar para continuar o trabalho das provas, nem concluí-lo fora daquele ambiente, salvo se previamente autorizado e acompanhado. 4.2.1.8O caderno de provas não poderá ser levado pelo candidato. 4.2.1.9Como forma de manter a segurança do Processo Seletivo, a UESC se reserva ao direito de solicitar a coleta da impressão digital dos candidatos. 4.2.1.10A prova constará de 5 (cinco) questões discursivas da disciplina básica do Curso, de acordo com o programa integrante deste Edital. DATA LOCAL
Dia 29 de janeiro de 2012

Campus da Universidade Estadual de Santa Cruz, Pavilhão Jorge Amado, 1º andar. Os portões dos pavilhões serão abertos às 07:30 horas para entrada HORÁRIO dos candidatos, e fechados às 08:00 horas, quando se dará início à prova. DURAÇÃO 4 (quatro) horas 4.2.2 Da Análise do Histórico Escolar Serão considerados, na análise do Histórico Escolar: a) Cálculo da média dos resultados finais de cada disciplina cursada integralmente. Não serão considerados resultados parciais de estudos realizados em sistema seriado; b) Subtração de meio ponto à média do Histórico Escolar para cada período não cursado, excetuando-se o período em que o candidato teve seu pedido de trancamento de matrícula deferido. 5 DOS CÁLCULOS DOS RESULTADOS FINAIS E DE APROVAÇÃO A média geral do candidato será a média ponderada do Histórico Escolar (Peso 3) e da Prova de Conhecimentos Básicos (Peso 7); 5.1 Serão considerados aprovados no Processo Seletivo os candidatos que obtiverem média geral igual ou superior a 5,0 (cinco), no limite de vagas existentes para cada curso. 6 DOS CRITÉRIOS DE DESEMPATE Havendo empate na classificação dos candidatos, terá preferência aquele que comprove ser domiciliado na Região e, persistindo o empate, aquele de maior idade. 7 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS 7.1 Os requerimentos que não estiverem acompanhados da documentação exigida no item 3, ou que apresentarem irregularidades, serão indeferidos.

7. via CORREIOS. 4° andar da Torre José Haroldo de Castro Vieira. 7. 8. será chamado. estas serão de livre escolha do candidato. No curso cujo programa não constar referências bibliográficas.662-900 – Ilhéus – Bahia – Brasil E-mail: reitoria@uesc. no prazo de até 30 (trinta) dias após a divulgação do resultado final do processo seletivo.7. pela Secretaria Geral de Cursos. 7. 7. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ – UESC Campus Prof. 8 DAS DATAS DE DIVULGAÇÃO 8. dos documentos explicitados nos itens 3.3 Dia 10 de fevereiro de 2012 – divulgação do resultado final do processo seletivo.1. 10 DA MATRÍCULA 10. 7.br. Km 16 – Rodovia Ilhéus/Itabuna Tel: Reitoria (73) 3680-5003/5017/5311/5002 – Fax: (73) 3689-1126 CEP: 45.5 Em caso de desistência à matrícula. Soane Nazaré de Andrade.2 e 3.4 Verificada qualquer irregularidade na documentação apresentada. ou impressos via internet.8 Com o ATO DE INSCRIÇÃO o candidato declara que conhece o inteiro teor do EDITAL.1Será expedida. ao qual adere integralmente. 10. não podendo invocar seu desconhecimento a qualquer título. por parte do candidato selecionado. a inscrição.6 Não se admitirá revisão de provas.2. as provas e o registro do candidato poderão ser anulados. época ou pretexto. 1º andar na Torre José Haroldo e no endereço eletrônico www.10A relação dos candidatos habilitados à Prova de Conhecimentos Básicos e o resultado final do Processo Seletivo serão divulgados no Quadro de Avisos da Secretaria Geral de Cursos.1.9 No ATO DA INSCRIÇÃO o candidato receberá o comprovante do protocolo do processo instaurado com o seu requerimento.2 Em nenhuma hipótese serão aceitas fotocópias. 3.uesc. Após este prazo.2 Dia 18 de janeiro de 2012 – divulgação da relação dos candidatos aprovados na pré-seleção e habilitados à Prova de Conhecimentos Básicos. 7.2Os candidatos aprovados no Processo Seletivo deverão comparecer à Instituição de origem para REQUERER a documentação referente à transferência. ficarão disponíveis na Gerência de Seleção e Orientação – GESEOR. para devolução.br . a qualquer tempo.3 O valor da taxa de inscrição não será devolvido em nenhuma hipótese. de acordo com a Portaria MEC Nº 230/2007.1.1. 7. nem recurso quanto à classificação ou a outro aspecto do processo seletivo. outro candidato.7 Os documentos apresentados pelos candidatos não aprovados. DECLARAÇÃO DE VAGA em favor dos candidatos aprovados no Processo Seletivo e encaminhada. na ordem de classificação. 9 DOS PROGRAMAS Os programas para as Provas de Conhecimentos Básicos estarão disponíveis no Anexo Único deste Edital.1 Dia 04 de dezembro de 2011 – divulgação do número de candidatos inscritos. valendo como aviso oficial ao candidato. a qualquer título. serão incinerados. 7. à Instituição de origem. 8.

número do decreto de reconhecimento do estabelecimento com a data da publicação no Diário Oficial do Estado (D. Soane Nazaré de Andrade. observando o prazo estabelecido no calendário acadêmico da UESC.U. nome da entidade mantenedora da instituição de ensino. sob pena de perder. Os documentos de escolaridade expedidos por outros Estados deverão estar acompanhados da declaração da escola. automaticamente.3A matrícula será efetivada exclusivamente no dia estabelecido no Calendário Acadêmico da UESC. sendo que os dois últimos deverão ser entregues em originais. Certidão de Nascimento ou Casamento.5O candidato aprovado.) e carimbo com o nome por extenso do Diretor do estabelecimento ou de seu substituto legal e assinatura. ANTONIO JOAQUIM BASTOS DA SILVA REITOR . Certificado de Reservista (para o sexo masculino). 1 (uma) foto 3X4. CPF. ou apresentação. deverá viabilizar a expedição da documentação pertinente ao processo. Caso conste no Histórico Escolar apresentado. disciplina com aproveitamento de estudo de outro curso ou instituição. 10.6Divulgado o resultado final. pelo candidato aprovado.O.O.. Histórico Escolar e Certificado de Conclusão do Ensino Médio. junto a Instituição de origem. que efetuar a matrícula com protocolo de solicitação de transferência.4A matrícula só poderá ser efetivada mediante apresentação dos documentos explicitados na Portaria MEC Nº 230/2007 e Resolução CONSEPE Nº 92/2007. Campus Prof. sua vaga no curso.E. até 30 (trinta) dias após seu ingresso na UESC. ambos fornecidas pela Instituição de origem. 10. o candidato selecionado deverá solicitar imediatamente o aproveitamento de estudos no Protocolo Geral da UESC. sem direito a matrícula no semestre seguinte à sua entrada. 10. do protocolo do pedido de transferência. Título de Eleitor acompanhado do comprovante da última votação.) ou Diário Oficial da União (D. 10. na UESC. em 31 de outubro de 2011. informando o registro na Secretaria Estadual de Educação ou contendo os atos de autorização e reconhecimento. deverá apresentar o Histórico Escolar correspondente e programa das disciplinas. acompanhado dos seguintes documentos: Fotocópias autenticadas do R.G. simultaneamente. No Histórico Escolar e Certificado de Conclusão de Ensino Médio deverão constar: endereço do estabelecimento escolar.10. mediante apresentação do Histórico Escolar e Programa das Disciplinas Cursadas. com carimbo de autenticação da Instituição de origem.7Não será permitida a matrícula em dois cursos de graduação.

3 Modelo 2 – Organização 4.8 Teoria da Qualidade Total 3. Em busca de Resultados 4.2 A obra de Frederick Taylor 2.1 Função Pessoal ou Recursos Humanos 5.4 Conceitos e Teorias 1.4 Racionalização do Trabalho.1 Modelo Operacional Integrado.6 Perspectivas futuras da administração 1.1 A Administração Científica e suas idéias centrais 2. FAYOL 3.5 Teoria Geral da Administração 1.9 Reengenharia 3.662-900 – Ilhéus – Bahia – Brasil E-mail: reitoria@uesc. Conceito e definições de administração 1.7 Princípios Gerais da Administração EVOLUÇÃO DA TEORIA DA ADMINISTRAÇÃO APÓS F.10Readministração TEORIA DA ADMINISTRAÇÃO APLICADA 4.7 Conceitos de Organização 1.2 Modelo 1 – Ecologia 4.ANEXO ÚNICO DO EDITAL UESC Nº UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ – UESC PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO – PROGRAD GERÊNCIA DE SELEÇÃO E ORIENTAÇÃO – GESEOR PROGRAMA PARA A PROVA DE CONHECIMENTOS BÁSICOS PARA TRANSFERÊNCIA EXTERNA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 ORIGEM E A EVOLUÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO 1.6 Teoria do Desenvolvimento Organizacional 3. Soane Nazaré de Andrade.5 Teoria dos Sistemas 3.1 História das empresas 1. TAYLOR E H.6 A obra de Henri Fayol 2.br .4 Teoria Comportamental ou Behaviorista 3.3 Teoria Estruturalista 3.5 Modelo 4 – Tecnologias de Gestão 4. Organização e Métodos (OSM) 2. Qualificações desejáveis ao seu desempenho ABORDAGEM CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO 2.6 Modelo 5 – Resultados AS GRANDES ÁREAS FUNCIONAIS DA EMPRESA 5.5 A Administração Clássica e suas ideias centrais 2.3 Função de Marketing 2 3 4 5 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ – UESC Campus Prof.4 Modelo 3 – Executivo 4.3 Princípios da Administração Científica 2.3 Administração como ciência. Km 16 – Rodovia Ilhéus/Itabuna Tel: Reitoria (73) 3680-5003/5017/5311/5002 – Fax: (73) 3689-1126 CEP: 45.8 O Papel do Administrador profissional.2 A Revolução Industrial e suas consequências 1.2 Teoria das Relações Humanas 3.1 Teoria da Burocracia 3.7 Teoria Contingencial 3.2 Função de Produção 5.

Administrando para o Futuro. Henri. CHIAVENATO. São Paulo: Atlas. Teoria geral da Administração: da escola Científica à competitividade na economia globalizada. Porto Alegre: AGE. 2001. 1976. São Paulo: Pioneira. MOTTA. Fernando C. HSM). 1977. Periódicos (revista Exame. São Paulo: Brasiliense. ed. CARAVANTES. 1988. 2. São Paulo: Makron Books. Folha de São Paulo) e Internet. FAYOL. Teoria Geral da Administração. Antonio César Amaru. Organizações Complexas. São Paulo: Atlas. . 1992. Introdução à Organização Burocrática. 1998. Jornais (Gazeta Mercantil.5 Função Financeira REFERÊNCIAS BATEMAN. Administração: construindo vantagem competitiva. Idalberto. Princípios de Administração Científica. 2000. Frederick W. ERA. Scott A.4 Função de Material 5. TAYLOR. Thomas S & SNELL. & BRESSER PEREIRA. São Paulo: Atlas. São Paulo: Atlas. ETZIONI. Luis C. São Paulo: Atlas. Teoria Geral da Administração: pensando e fazendo. 1973. Peter. MAXIMIANO.5. 1998. Amitai. Geraldo Ronchetti. DRUCKER. Administração Industrial e Geral.

ed. Integrais Definidas. São Paulo: McGraw-Hill. 2. P. Bases da Biologia Celular e Molecular. REFERÊNCIAS BOLDRINI. 1987. Atrito. F. 1ª Lei de Newton.. Derivação Sucessiva. 1979. Km 16 – Rodovia Ilhéus/Itabuna Tel: Reitoria (73) 3680-5003/5017/5311/5002 – Fax: (73) 3689-1126 CEP: 45. E. M. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ – UESC PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO – PROGRAD GERÊNCIA DE SELEÇÃO E ORIENTAÇÃO – GESEOR PROGRAMA PARA A PROVA DE CONHECIMENTOS BÁSICOS PARA TRANSFERÊNCIA EXTERNA CURSO DE AGRONOMIA 1 Matemática: Derivação. Rio de Janeiro: Guanabara. J. Aplicações (Cálculo de Áreas. Integrais Indefinidas e suas Aplicações.br . 2 Biologia: História e conceitos sobre a Biologia Celular e Molecular.. ed. Titulometria de Óxido Redução. Cálculo de Volumes). A célula: Organização estrutural e diversidade. Bruce. FERRI. 4 Física: Equilíbrio de uma partícula. 1980. RIBEIRO. ed. Integração por Partes. L. 3 Química: Química Mineral: Soluções. Integrais Múltiplas. H.662-900 – Ilhéus – Bahia – Brasil E-mail: reitoria@uesc. Fisiologia Vegetal. R. Estrutura dos cromossomos. P. 1ª Lei da Termodinâmica. Titulometria (neutralização.. Regra da Derivação. E. Organelas Citoplasmáticas. ODUM. Álgebra Linear. H. Química: um curso universitário. São Paulo: Edgard Blücher. Cromossomos: Aspectos químico.1.. P. Ecologia. Estequiometria. L. Um curso de cálculo. a Lei Universal da Gravitação. WETZLER. SIMMONS. G. Trabalho e Energia. ed. Respiração. A. Sistemas de Equação Lineares. Ciência Ambiental. M. Calor. aplicações da Derivada. COSTA. mitose e meiose. Física. ed. H. B. 1988. 2000. São Paulo: Thomson Learning. Movimento Retilíneo. D. E. DE ROBERTIS. Química Geral. G. Transferência de matéria e energia nos sistemas. De ROBERTIS Jr. genético e citológico. Os envoltórios Celulares. V.. S. fotossíntese e hormônios vegetais. Máximos e Mínimos (1º e 2º Métodos). Divisão celular: Interfase. 1. Equação de Estado. v. Ambiente e ecossistema. Queda Livre. 1983. F. 1999. Temperatura e Dilatação. J. Conceitos e princípios ecológicos básicos. MAHAN. v. São Paulo: Edusp. G. 2. Química Analítica: Óxido Redução. 3. 2ª Lei de Newton e suas aplicações. Movimento Retilíneo Uniforme Acelerado. abertura de amostras. Soane Nazaré de Andrade. precipitação e complexação). RUSSEL. Formação de gametas e fertilização. Biomacromoléculas. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ – UESC Campus Prof. Ácidos Nucléicos. 1972. T. GUIDONIZZI. Extração. São Paulo: McGraw-Hill. v. Rio de Janeiro: LTC. 1994. Equilíbrio. Cálculo com Geometria Analítica. 4. metabolismo e catabolismo. 4. Ciclos bioquímicos. George F. São Paulo: Hardra. Química Molecular: tônico. 3ª Lei de Newton. TIPLER. O Núcleo e os Cromossomos. Interpretação Cinemática e Geométrica da Derivada. 1 e 2. MILLER. Rio de Janeiro: LTC. 2007.

4Derivadas e Noções de Integração ESTRUTURA DE DADOS 5.4Programas e Linguagens de programação ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO 2. Listas Encadeadas e Árvores Binárias 5.1 Sistemas de Numeração 1.1Conceitos. Identificador.UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ – UESC PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO – PROGRAD GERÊNCIA DE SELEÇÃO E ORIENTAÇÃO – GESEOR PROGRAMA PARA A PROVA DE CONHECIMENTOS BÁSICOS PARA TRANSFERÊNCIA EXTERNA CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 1 INTRODUÇÃO À CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 1.3Caminhamento em Árvores Binárias 5.5Decidibilidade 2 3 4 5 6 .1Estruturas de Dados Elementares 5.3Organização da CPU 1.5Funções e Procedimentos 2.2Variáveis e Comando de Atribuição 2.2Máquinas de Turing 6.4Algoritmos de Ordenação e Pesquisa TEORIA DA COMPUTAÇÃO 6.2Álgebra Booleana 1.4Estruturas Condicionais e Estruturas de Repetição 2.3Expressões Lógicas e Operações 2.4Problema da Parada 6.3Tabelas Verdade FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA 4.1A Lógica Sentencial e dos Predicatos 3.1Linguagens Formais e Autômatos 6.3Limites 4.6Chamadas de funções e passagem de parâmetros LÓGICA 3. Tipos de Dados (homogêneos e heterogêneos) 2.1Teoria dos Conjuntos 4.2Valores Verdade e Funções de Avaliação 3.2Pilhas.3Teste de Turing 6. Filas.2Relações 4.

B. Bruno.REFERÊNCIAS CORMEN. Jean-Paul. Soane Nazaré de Andrade. A . SALVETT. BUNT. Andrew S. Campus. Ron. FARRER. D. de C. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ – UESC Campus Prof. Organização estruturada de computadores. 3. H. 2002.br . Rio de Janeiro: Prentice-Hall do Brasil. TREMBLAY. Estruturas de Dados e Algoritmos. Clifford. Thomson Pioneira. BARBOSA. Charles E..M.. Thomas H. 2001. A. Americana. Algoritmos TANENBAUM. Ciência dos Computadores:Uma Abordagem Algorítmica WHITE. 2. Ronald L. Estruturas de Dados e Algoritmos em C++. Globo PREISS. de M. R. DROZDEK. L.662-900 – Ilhéus – Bahia – Brasil E-mail: reitoria@uesc.D. LEISERSON. 2001. Campus. N. et all. Km 16 – Rodovia Ilhéus/Itabuna Tel: Reitoria (73) 3680-5003/5017/5311/5002 – Fax: (73) 3689-1126 CEP: 45.. ed. ed. STEIN. Algoritmos Estruturados GUIMARÃES. Algoritmos Trad. LAGES. RIVEST. Help Informática. Como Funciona o Computador. 1992. Algoritmos e Estruturas de Dados. Adam.

Demografia.Crescimento populacional.1 Conceitos de indivíduos e espécies.Eficiência ecológica.Variabilidade genética e ecológica. COMPOSIÇÃO E FUNÇÃO DOS COMPONENTES CELULARES 1. 3. 3.9 Origem da vida.4 Ecossistemas e Biosfera.Especialização e isolamento reprodutivo. . . Código genético. peroxissomos.Principais movimentos ambientalistas.6 Noções sobre biotecnologia.5 Reino Animal. ligação fatorial e recombinação.5 Conservação e Preservação da natureza. . 2 A DIVERSIDADE E ORGANIZAÇÃO DOS SERES VIVOS 2. RH e MN. 4.Regiões fitogeográficas do Brasil. . microtúbulos.Sociabilidade: território e espécies sociais. 3. . Ecossistemas e espécies ameaçadas principalmente no Brasil.1 Relação de pertinência. 1. .7 Teoria cromossômica da herança: .3 Genética dos grupos sanguíneos: ABO. ribossomos. .Aclimatização 4.Sucessão e dominância.UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ – UESC PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO – PROGRAD GERÊNCIA DE SELEÇÃO E ORIENTAÇÃO – GESEOR PROGRAMA PARA A PROVA DE CONHECIMENTOS BÁSICOS PARA TRANSFERÊNCIA EXTERNA CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS – Licenciatura e Bacharelado BIOLOGIA 1 ESTRUTURA. operações. .4 Interação entre os componentes celulares. . A ECOLOGIA 4. 3. .Genes e cromossomos. mitocôndria.Respostas ao meio. .1 Biomembranas 1. 4.Mutação e agentes mutagênicos. . .4 Interações gênicas.“Stress”. .Grandes ecossistemas do Brasil.3 Reino Protista 2. 3. . . 3.2 Alelos múltiplos.Teoria lamarckista.3 Núcleo: cromossomos.Entidades e legislação brasileira relativas ao ambiente. 3. .Princípios de construção de mapas genéticos.Riquezas e diversidade de espécies.Impacto humano: poluição e biocidas. . Tolerância a fatores físicos e químicos. . Estruturas dos ácidos nucléicos: DNA e RNA. 3 4 MATEMÁTICA 1 CONJUNTOS 1. .1 Herança Mendeliana. lisossomo. 1. 3.1 Vírus 2. relação de inclusão. 4.5 Ciclo celular mitótico e meiótico. 1. darwinista e neodarwinista da evolução.5 Noções sobre genética quantitativa.2 Reino Monera 2. envoltório. 1.8 Natureza do material genético e mutação: .Relações intra e interespecífica.3 Comunidades. . Evolução e genética de populações.4 Reino Vegetal 2. complexo de Golgi. .Ciclos de nutrientes e de energia.Determinação genética do sexo e herança ligada ao sexo. problemas. O MATERIAL GENÉTICO 3.2 Citoplasma: cloroplastos.2 Populações. Síntese de proteína.Seleção em populações. Polimorfismos. retículo endoplasmático. nucléolo.6 Diferenciação celular. . Respostas e perturbações.

Sequências numéricas: progressões aritméticas e geométricas. ordem. quantidade de matéria (MOL). .4 Calor e trabalho 3. QUÍMICA 1 MATÉRIA – Constituição e Propriedade: Propriedades da matéria: Densidade. moleculares e metálicos. 2 GRANDEZAS QUÍMICAS: Massa atômica. 4 ANÁLISE COMBINATÓRIA. 2. máximo divisor comum. solubilidade.4 Triangulo de Pascal 4. 2.2 Permutações 4. Km 16 – Rodovia Ilhéus/Itabuna Tel: Reitoria (73) 3680-5003/5017/5311/5002 – Fax: (73) 3689-1126 CEP: 45.3 Combinações simples 4. 2.2 Conjuntos numéricos. Processos usuais de separação: filtração.3 Dilatação térmica 3.5 Binômio de Newton. fórmula de Bhaskara.4 Principio de Pascal.Números complexos: representação e operações nas formas algébricas e trigonométricas. operações com 2.1 Grandezas físicas.4 Sistema de unidades. . conversões ordinárias.1 Densidade. mínimo múltiplo comum. 2. 2. Massa molar.Números racionais e reais: operações e propriedades. produtos notáveis. polinômios idênticos.2 Escalas termométricas. divisão de um polinômio forma polinômios. conceito de raiz. Constante de Avogadro. 3. equação de primeiro grau. representação decimal de frações ordinárias. FÍSICA 1 FUNDAMENTOS DA FÍSICA 1.1 Conceito.3 Grandezas vetoriais e escalares.3 Principio de Steven.1.6 Teoria Cinética dos gases. decantação e destilação. por um binômio na 3 EQUAÇÕES ALGÉBRICAS 3. 2 POLINÔMIOS 2. Soane Nazaré de Andrade. dizimas periódicas. .2 Grandezas fundamentais e derivadas. 3.2 Variação da pressão com a altura em um liquido em repouso. 4. 1.5 A experiência de Joulle e a 1ª lei da termodinâmica.2 relações entre coeficientes e raízes. temperaturas de fusão e ebulição.662-900 – Ilhéus – Bahia – Brasil E-mail: reitoria@uesc. divisibilidade.2 Fatoração. 3. decomposição de fatores primos. fórmula de De Moivre.Números naturais e inteiros: números primos e compostos.br .5 Empuxo: Principio de Arquimedes. 3 TERMOLOGIA 3. Sistema internacional (SI). . equação e trinômio de segundo grau. 3 LIGAÇÕES QUÍMICAS: Propriedades dos compostos iônicos. 3. grau. 1. 4. Volume molar.1 Definições. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ – UESC Campus Prof. teorema fundamental de álgebra.1 Arranjos. 2 HIDROSTÁTICA.1 Temperatura e Lei Zero da termodinâmica. multiplicidade de raízes. desigualdades. valor absoluto. decomposição de um polinômio em fatores irredutíveis do primeiro e segundo graus. 1.

geometria molecular. B. propriedades coligativas (aspectos qualitativos). CESAR. J.1. H. eletronegatividade e polaridade. Curso de Física.2. C. R. 1-3. reação de neutralização.. 1-3.2. Jr. F. ed. G.. J. 1-3. Biologia. São Paulo: Atual. v. Biologia. v. 6 ESTUDO GERAL DOS GASES: teoria cinético-molecular e leis das transformações gasosas. Biologia. PUTINOKY. São Paulo: Scipione. v. B. MÁXIMO. Novo manual. JASSON. São Paulo: Atual. R. v. DOCA.3. REFERÊNCIAS ALVARENGA. FELTRE. Santos. M. da. sais e óxidos. classificação dos compostos inorgânicos a partir de propriedades e dados experimentais. FONSECA. Os tópicos de Física. CASTRUCCI. Química Geral/Química Orgânica/Físico-Quimica. covalente e metálica. H.ligações iônicas. S. L. soluções aquosas. T. J. São Paulo: Scipione. São Paulo: Scipione. São Paulo: Scipione. et al.. Matemática.. MARTHO. reação com metais. Matemática 2º Grau. ação frente aos indicadores. A. H. et al. 5 SOLUÇÕES: solubilidade e coeficiente de solubilidade.. .M. BEZERRA. Nova Cultural Biologia. R. classificação quanto à fase de agregação. v. MOISES. São Paulo: Harbra. N. v.R. L. C. São Paulo: Saraiva. SOARES. São Paulo: Nova Cultural. Química Geral/Química Orgânica/Físico-Quimica. São Paulo: Moderna. J. SEZAR.. Biologia. M. M. Biologia. AMABIS. 5. SILVA. 1-3. 4 FUNÇÕES DA QUÍMICA INORGÂNICA: ácidos e bases (Conceito de Arrhenius e BrönstedLowry). 3.1. J. São Paulo: Moderna. São Paulo: FTC. PAULINO. v.1 e 2.

2. causas e consequências.1 Introdução à Macroeconomia Evolução da macroeconomia: metas e instrumentos de pesquisa macroeconômicas. compartimento e desdobramentos. pleno emprego. funções da moeda. os sistemas mistos e os sistemas planificados. objeto. 4 NOÇÕES DE MOEDAS E BANCOS 4. déficit público.2 Problemas Econômicos Problemas centrais da Economia. aspectos metodológicos. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ – UESC Campus Prof. o Produto Nacional e outras medidas derivadas. 3 NOÇÕES DE MACROECONOMIA 3. 3.2 Fundamentos Teóricos da Produção Produção. custos e receitas. custos e rendimentos: análise e interpretação das curvas de produto. funcionamento das diferentes estruturas de mercados: Estabelecimento das condições de otimização sob diferentes estruturas. tipos. Km 16 – Rodovia Ilhéus/Itabuna Tel: Reitoria (73) 3680-5003/5017/5311/5002 – Fax: (73) 3689-1126 CEP: 45.1 Teoria Monetária Evolução histórica da moeda.3 Mercados e Concorrência Classificação. impostos. 2. Teoria quantitativa da moeda. meios de pagamento.3 Teoria de Determinação da Renda Modelo Keynesiano básico: as variáveis consumo. curva de possibilidade de produção.2 Teorias das Finanças Públicas Orçamento fiscal: elementos das receitas e das despesas públicas. fatores de produção. Os agregados macroeconômicos do Brasil. Soane Nazaré de Andrade. 1. O equilíbrio geral. eficácia e eficiência. interrelações. 4. equilíbrio e mudança de equilíbrio.br . interpretações e aplicações de conceitos. evolução histórica. mercados de recursos de produção e de bens de serviços. 3. escassez. O efeito multiplicador e dos hiatos inflacionários e deflacionários. exportações e importações. 1. 2 NOÇÕES DE MICROECONOMIA 2. instrumentos de mensuração. autoridades monetárias.2 Medidas da Atividade Econômica Agregados macroeconômicos: a Renda Nacional.UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ – UESC PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO – PROGRAD GERÊNCIA DE SELEÇÃO E ORIENTAÇÃO – GESEOR PROGRAMA PARA A PROVA DE CONHECIMENTOS BÁSICOS PARA TRANSFERÊNCIA EXTERNA CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS 1 INTRODUÇÃO A ECONOMIA 1.4 Os Sistemas Econômicos Contemporâneos A livre iniciativa. poupança e investimento.1 A Economia como Ciência Definições.1 Formação do Preço Leis e estruturação de curvas de procura e oferta. classificação de bens e setores econômicos. gastos do governo.662-900 – Ilhéus – Bahia – Brasil E-mail: reitoria@uesc. Inflação: conceito.3 Organização Econômica Funcionando do modelo simplificado: fluxos reais e monetários. necessidades. Elasticidade: cálculos. classificações. 1.

produto e quociente) 6.2 A depressão de 1929 / 1945 – 2ª Guerra 7. identidade e constante) 6.2. 5.1 O conjunto dos números reais 6.4.4.3.3.2 Determinação da função a partir do gráfico 6.4.2.3 Função do 1º grau 6.4. o balanço internacional de pagamentos.5 Estudo do sinal 6.4 O Sistema Colonial 7.3. dinâmica e evolução 7.2 A Revolução Industrial 7.3.3 A expansão da Revolução Industrial 7.3 O Modo de Produção Capitalista: característica.2.2 As novas bases da produção e da acumulação 7.4.1.1.2 Intervalos 6. O balanço de pagamentos no Brasil.1 Definição 6.2.3.4.2.2.3 As políticas keynesianas – a conferência de Bretton Woods – O Plano Marshall 7.5 A Guerra fria e a competição entre as grandes potências .1.1.3.3.1 A depressão de 1870 / 1914 – 1ª Guerra 7.1. 5.2 As transformações econômicas dos séculos XV.3Operações com intervalos 6.4 Funções do 2º grau: 6.2.2.1 Gráfico 6.2.2.7 Inequações (sistemas.1 Funções (afim.7 Sistemas de inequações 7 HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 7. 6 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA 6. a taxa de câmbio.4.2.2.2.2 Funções 6.2.2.1 As novas relações sócio-econômicas 7.6 Estudo do sinal 6.3.2 Zeros (ou raízes) de uma função quadrática 6.2. instrumentos de mensuração das desigualdades. regional e individual.2.1 A experiência Socialista –fundamentos e características 7.3 Solução de um sistema 6.1 Conjuntos Numéricos 6.2 O Capitalismo Monopolista 7.5 Zeros da função 6.2.4.4 Os primeiros movimentos operários 7.5 NOÇÕES DE ECONOMIA INTERNACIONAL E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO 5.2 Gráfico de uma função no plano cartesiano 6.8 Determinação do domínio 6.2.2 O descobrimento de novos espaços 7.2.3.1.1.6 Inequações 6.3 O Mercantilismo 7.4.2.1A acumulação primitiva do capital 7. 6.4 As economias do pós-guerra 7.1 A transição do feudalismo para o capitalismo 7.1.3.3.4 Resolução gráfica de um sistema.4 As crises do Capitalismo: Políticas e planos de reestruturação 7. A distribuição de renda no Brasil. simultâneas.2.2. linear.1 Teoria das Relações Internacionais Os fatores determinantes das relações internacionais.3.1 O Capitalismo Liberal 7.1.3 O Imperialismo europeu e americano 7.2.3 Aspectos das Desigualdades Econômicas As desigualdades nos âmbitos internacional.2. a Teoria das Vantagens Comparativas.3.3.2 Teoria do Desenvolvimento Econômico Crescimento e Desenvolvimento: indicadores sócio-econômicos do desenvolvimento: modelos teóricos de crescimento e desenvolvimento econômico.3. XVI e XVII 7.1 Da manufatura à grande indústria 7.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ – UESC Campus Prof.5.5.2 Descolonização – Nacionalismo: perspectiva econômica.1 As consequências econômicas: armamentos. Km 16 – Rodovia Ilhéus/Itabuna Tel: Reitoria (73) 3680-5003/5017/5311/5002 – Fax: (73) 3689-1126 CEP: 45.7.. bloqueios. Soane Nazaré de Andrade. 7.662-900 – Ilhéus – Bahia – Brasil E-mail: reitoria@uesc.br ..

Cia das Letras. José Mário. Rio de Janeiro: Ed.UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ – UESC PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO – PROGRAD GERÊNCIA DE SELEÇÃO E ORIENTAÇÃO – GESEOR PROGRAMA PARA A PROVA DE CONHECIMENTOS BÁSICOS PARA TRANSFERÊNCIA EXTERNA CURSO BACHARELADO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Arte. Jesus Martin. 1994. COSTELLA. 1986. 1984. 1969. A Queiroz. HALL. (org). Os Meios de Comunicação como Extensões do Homem. Comunicação e Indústria Cultural. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. O Olhar. LATOUR. Luiz Costa. Identidade cultural e pós-modernidade Como é construído o discurso dos meios de comunicação de massa Noções de semiótica Desenvolvimento dos meios de comunicação e teorias da comunicação Os efeitos dos meios de comunicação social e a teoria funcionalista A Manipulação ideológica e a teoria da Indústria Cultural A estrutura do discurso dos meios de comunicação social. NOVAIS. Televisão. Umberto. Rio de Janeiro: UFRJ. SARTORI. LIMA. Buenos Aires: Taurus. ECO. A Identidade Cultural na Pós Modernidade. Marchall. Rio de Janeiro: DP&A. Homo Videns: La sociedad teledirigida. 1994. Rio de Janeiro: Vozes. São Paulo: Perspectiva. cultura e hegemonia. 34. técnica e cultura de massa. Stuart. McLUHAN. 1998 . G. Jamais Fomos Modernos. C. Apocalípticos e Integrados. (org). Comunicação: do grito ao satélite. São Paulo: T. Estudos Intersemióticos Cotidiano e a teoria da recepção em comunicação 10 Simulacro em comunicação. ORTEZ Ramos. MARCONDES FILHO. 1978. Petrópolis: Vozes 1995. Introdução às Ciências da Informática e da Comunicação. (org). 1999. COHN. São Paulo: Mantiqueira. Daniel. ______. Giovanni. Viagem na Irrealidade Cotidiana.A comunicação na Pós-modernidade 11 Tendências atuais da teoria da comunicação 12 Mídias e hipermídias REFERÊNCIAS BARBERO. Publicidade e Cultura de Massa. Petrópolis: Vozes. Quem Manipula Quem? Poder e Massa na Indústria da Cultura e da Comunicação no Brasil. Bruno. BOUGNOUX. Dos meios às mediações: comunicação. Antônio Filho. São Paulo: Cultrix. 1997. Adauto. O caráter interdisciplinar dos meios de comunicação social . Teoria da Cultura de Massa.

(org). Km 16 – Rodovia Ilhéus/Itabuna Tel: Reitoria (73) 3680-5003/5017/5311/5002 – Fax: (73) 3689-1126 CEP: 45. A Comunicação do Grotesco. Teorias da Comunicação. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ – UESC Campus Prof. ______. Rio de Janeiro: Vozes. São Paulo: Cultrix. Monopólio da Fala: Função e Linguagem da televisão. Portugal: Presença.br .SODRÉ.1994. Meios de Comunicação de Massa. Muniz. WOLF. C. Mauro. STEINBERG.662-900 – Ilhéus – Bahia – Brasil E-mail: reitoria@uesc. 1995. Soane Nazaré de Andrade.

Direito Positivo. O Direito como norma. Técnica Legislativa.Direito Público e Direito Privado: da visão clássica à contemporânea. CRETELLA JÚNIOR. 2001. LIÇÕES DE FILOSOFIA DO DIREITO. Justiça e Equidade. Forense. Direito Natural.Ser.Normatividade. 1 ed. Tipicidade e subsunção 9. A Norma Jurídica. Norberto. Aspecto estático da Normatividade.UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ – UESC PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO – PROGRAD GERÊNCIA DE SELEÇÃO E ORIENTAÇÃO – GESEOR PROGRAMA PARA A PROVA DE CONHECIMENTOS BÁSICOS PARA TRANSFERÊNCIA EXTERNA CURSO DE DIREITO 1. CIÊNCIA DO DIREITO. Contratualismo. Sujeitos do Direito.Normativismo jurídico. 3. Aquisição. Personalidade e Capacidade. O POSITIVISMO JURÍDICO. 1995. A Eficácia da lei no Tempo e no Espaço. Escola de Exegese. Orientação Sociológica. Hermenêutica Júrídica. 8. e desuso. Positivismo. faculdade.A compreensão integrativa do aspecto dinâmico da normatividade. FERRAZ JÚNIOR. FRIEDE. O dever Jurídico. Elementos. A dinâmica do sistema como norma de revogação. Reis. Lacunas da Lei. São Paulo: Saraiva. INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE DIREITO: TÉCNICA. São Paulo: Ícone. Realismo. 2. DECISÃO E DOMINAÇÃO. Direito Objetivo. 1995. 6. Integração das Normas. REFERÊNCIAS BOBBIO. o justo. PRIMEIRAS LIÇÕES DE DIREITO. BATALHA. Sociedade e Direito. Wilson de Campos.Direito como relação Jurídica. A Lei. Vigência do Direito. Interpretação: Métodos e Tipos. A Moral e o Direito. Maria Helena. A prestação. 2000. INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO. O mundo natural e o mundo cultural. O Elemento técnico do Direito. Conceituação análoga do Direito. Ed. INTERPRETAÇÃO E HERMENÊUTICA . José. A lei de Introdução ao Código Civil. O Ser e o Dever. 5. As antinomias e a completude do sistema. Hermenêutica Jurídica e Concretização Judicial. Tércio Sampaio.Escolas do pensamento Jurídico: jusnaturalismo.Aspecto dinâmico da Normatividade: O Ordenamento como Sistema Dinâmico. Classificação. 10. caducidade. Historicismo. NORMA. O fenômeno jurídico. 4. Fontes do Direito. A sanção e seus efeitos. Fato e ato jurídico. São Paulo: Atlas. Relevância dos princípios gerais do Direito na atualidade. O ilícito. modificação e extinção de Direitos.Aspectos fático e axiológico da normatividade. Limites da Aplicação da lei. COMPÊNDIO DE INTRODUÇÃO À CIÊNCIA DO DIREITO. fato social. Subjetivo. Aplicação. Teorias Críticas e Direito Alternativo.Rio de Janeiro: Forense. DINIZ. Direito Material e Direito Formal. 7 – Técnica Jurídica. Ordem e Ordenamento Jurídico.

Apres. Trad.JURÍDICA. KELSEN. 2000. 2 ed. 2000. INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO.. SECCO. Freitas Bastos. MAXIMILIANO. O QUE É JUSTIÇA? A JUSTIÇA. INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE DIREITO. Dos direitos humanos aos direitos fundamentais. Rio de Janeiro: Forense. Soane Nazaré de Andrade. Hans. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Editor WOLKMER. _______________. HERMENÊUTICA JURÍDICA E CONCRETIZAÇÃO JUDICIAL. Miguel.662-900 – Ilhéus – Bahia – Brasil E-mail: reitoria@uesc. 2002. _______________. REALE. 1992. GUSMÃO. Willis Santiago. São Paulo: Acadêmica. 2001. INTRODUÇÃO À CIÊNCIA DO DIREITO. Campinas: Julex. 1996.br . O DIREITO COMO EXPERIÊNCIA. LIÇÕES PRELIMINARES DE DIREITO. Martins Fontes. 4 ed. A CIÊNCIA DO DIREITO. in: DIREITOS FUNDAMENTAIS. Carlos. Luís Carlos Borges. Antonio Carlos. 10 ed. Paulo. INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO. São Paulo: Saraiva. _______________. HERKENHOFF. São Paulo: Celso Bastos. MONTORO. Maria Celeste C. São Paulo: Atlas. TEORIA DO ORDENAMENTO JURÍDICO. Júnior. Orlando. 2000 NADER. HERMENÊUTICA E APLICAÇÃO DO DIREITO. João Batista. Salvador: Nova Alvorada. O DIREITO E A POLÍTICA NO ESPELHO DA CIÊNCIA. 1997 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ – UESC Campus Prof. Rio de Janeiro: Forense. Trad. Paulo Dourado. PROCESSO E PRINCÍPIO DA PROPORCIONALIDADE. 1998. SILVA.Rio de Janeiro: Forense Universitária.1999. São Paulo: RT. Brasília: Universidade de Brasília. Kelly Susane Alflen da. Tércio Sampaio F.18 ed. 1992. Rio de Janeiro: Forense. Km 16 – Rodovia Ilhéus/Itabuna Tel: Reitoria (73) 3680-5003/5017/5311/5002 – Fax: (73) 3689-1126 CEP: 45. Franco. 1995. 1987. CURSO DE INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO. L. revista e ampliada. NOGUEIRA. São Paulo: Saraiva. Santos. INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO. GUERRA FILHO. Rubem. INTRODUÇÃO AO PENSAMENTO JURÍDICO CRÍTICO.

PROCESSOS PATOLÓGICOS 4. Rio de Janeiro: Interamérica. 1989.3 A enfermagem brasileira 2.1 Lesões celulares 4. BERNE. 3. 1983.1 Sistema respiratório 1. Curitiba: Editora Vozes.3 Distúrbios hidroeletrolíticos. M. ed.2 Síntese protéica 5.2 Inflamação e reparo 4. Thomas M. SCOTH.4 Sistema digestório 1. 1993. Anatomia Fundamental.3 Sistema circulatório 1.1 Formas farmacêuticas e vias de administração 6.2 Precursores da enfermagem moderna 2.3 Gametogênese 5. BRASILEIRO FILHO. A.2 Sistema músculo–esquelético 1.1 Legislação da enfermagem 3.1 Origem da enfermagem 2. .3 Órgãos e associações de classe.UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ – UESC PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO – PROGRAD GERÊNCIA DE SELEÇÃO E ORIENTAÇÃO – GESEOR PROGRAMA PARA A PROVA DE CONHECIMENTOS BÁSICOS PARA TRANSFERÊNCIA EXTERNA CURSO DE ENFERMAGEM 1 ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA 1. Vida e Saúde. ANDERSON.2 Farmacocinética 6. M. São Paulo: McGraw–Hill do Brasil. O saber de Enfermagem e sua dimensão prática. R. CASTRO.4 Fases do desenvolvimento FARMACOLOGIA 6.6 Sistema genito-urinário 2 HISTÓRIA DA ENFERMAGEM 2. 1991.5 O papel político do enfermeiro ÉTICA EM ENFERMAGEM 3. Guanabara Koogan.ed. Ética. 1998.2 A enfermagem como profissão. 7. Sinopse de Patologia. São Paulo: Cortej.3 Farmacodinâmica 3 4 5 6 REFERÊNCIAS ALMEIDA. C.5 Sistema endócrino 1. Bogliolo patologia geral. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. Fisiologia. D.4 Deontologia e ética na Enfermagem. CITOLOGIA E EMBRIOLOGIA 5. M. CAMARGO. Puntel. W. 2.4 O profissional enfermeiro no contexto social 2.1 Organização celular 5. Sebastião Vicente. Geraldo. 3.

Fundamentos de Embriologia Humana. 1997. SGRECCIA. Soane Nazaré de Andrade.1996. ed. Farmacodinâmica.1995 GELAIN. e LATARJET. NETTER. Formação do Enfermeiro: Contribuições da Psicologia. 1983. M. São Paulo: Cortez Editora. Guanabara Koogan. História da Enfermagem. CORBERTT. 1993.. 5. B. 2. Fisiologia Básica ______. Porto Alegre. Bruno Bucari. Frank H. Koogan. 2. 5. Farmacologia. Manual de Bioética: Fundamentos e Ética Biomédica. ed. Trad. São Paulo: Editora Cortez. Anatomia Fisiologia Humana. KATZUNG. E. 2. 29. Ivo. 2. 2. Ed. Revista Publicada pelo Conselho Federal de Medicina. DE ROBERTIS. n. GUYTON. PASSOS. MANZOLLI. S. Jacques Vissoky. Barcelona e Buenos UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ – UESC Campus Prof. L. Rio de Janeiro. DALE. 1977. 1985. Raimunda Medeiros. Biologia Celular e Molecular. DANIEL. 1989. FRANCONE. 1996. Koogan. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. HOPPS. 7. Enfermagem Profissional: Análise Crítica. 4. ed. Km 16 – Rodovia Ilhéus/Itabuna Tel: Reitoria (73) 3680-5003/5017/5311/5002 – Fax: (73) 3689-1126 CEP: 45. 1993. ed. Denise. C. São Paulo: EPU. Luiz Carlos Uchoa. Rio de Janeiro. Fisiologia Médica. AND HALL. W. KALANT. ed. A. 1985. M. RANG.ed. Patologia – Interamericana. H. Bases da biologia celular e molecular. ed. Henry. SILVA. ______. v. 1989. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. Walter J. 18. Clarice Ashmorth. P. LOSSOW. SILVA. CARNEIRO. ed. Tratado de Fisiologia Médico. Guanabara Koogan. P. C. Anatomia. 1986. E. E. A Ética e o Ensino de Ética na Enfermagem do Brasil. Rio de Janeiro. Brasília. F. Farmacologia. Deontologia e Enfermagem. F. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 1996. C. Douglas. Tratamento de Patologia. ed. 1993. Hegemonia Médica na Saúde e a Enfermagem. 5. JUNQUEIRA. 2. Bioética e Direito. 1993.. Líliana Felcher. De Anjos a Mulheres. M. 8. Histologia Básica. Guanabara Koogan. J. Atitudes Interpessoais em Enfermagem. Jeferson de Vasconcelos et al.br . ed. PIRES. Rio de Janeiro: 1971. GANONG. SILVA. MOORE. GRAY. ROBINS. P. PAIXÃO. DE ROBERTIS. São Paulo: Sarvier.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.ed. Rio de janeiro: 1994. E.2. 1996. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. Atlas de Anatomia Humana. Elio. JUNQUEIRA. STANLEY.1. ed. Koogan. São Paulo: Edições Loyola. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.1976. J. Koogan. 1994. PERSAUD. Farmacologia Básica e Clínica. 448p. São Paulo: EPU. D. 1991.ed.662-900 – Ilhéus – Bahia – Brasil E-mail: reitoria@uesc. Graciette Borges. São Paulo: Editora Cortez. W. L. Artes Médicas. ed. Princípios de Farmacologia Médica. GERMANO. Jacob. Guanabara Koogman. ZAGO. 1996. M. 1987. Embriologia Clínica.E. TESTUT. 4. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. Salvador: UFBA/EGDA. Rio de Janeiro: 1997. Rio de Janeiro: 1990. Compêndio de Anatomia Descritiva. A. ampl. Maria Cecília.

.Aires: Salvart. 1947.

Km 16 – Rodovia Ilhéus/Itabuna Tel: Reitoria (73) 3680-5003/5017/5311/5002 – Fax: (73) 3689-1126 CEP: 45.2 Leis de Newton 2.2 Funções Químicas 2 FÍSICA I 2.4 Análise Dimensional UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ – UESC Campus Prof.1 Números (Notação Científica.1 Limite.2 Funções 3.3 Teoria dos Erros 4.UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ – UESC PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO – PROGRAD GERÊNCIA DE SELEÇÃO E ORIENTAÇÃO – GESEOR PROGRAMA PARA A PROVA DE CONHECIMENTOS BÁSICOS PARA TRANSFERÊNCIA EXTERNA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 1 QUÍMICA I 1.3 Energia Cinética e Potencial 3 CALCULO I 3.br . Algarismos Significativos) 4.3 Trigonometria 4 INTRODUÇÃO À ENGENHARIA 4. Soane Nazaré de Andrade.2 Sistemas e Unidades 4. Derivada e Integral 3.662-900 – Ilhéus – Bahia – Brasil E-mail: reitoria@uesc.1 Estequiometria 1.1 Cinemática 2.

ALAOR CHAVES. v. REFERÊNCIAS ALAOR CHAVES. Coleção Física Básica. Física. SAMPAIO. NUSSENZVEIG. Curso de Física Básica. UNIDADES DE MEDIDA.1-4. F. v.1-4. J. v. ELETRICIDADE E MAGNETISMO OSCILAÇÕES E ONDAS LEIS DA TERMODINÂMICA E TEORIA CINÉTICA DOS GASES IDEAIS. Editora LAB. H.UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ – UESC PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO – PROGRAD GERÊNCIA DE SELEÇÃO E ORIENTAÇÃO – GESEOR PROGRAMA PARA A PROVA DE CONHECIMENTOS BÁSICOS PARA TRANSFERÊNCIA EXTERNA CURSO DE FÍSICA – Licenciatura e Bacharelado 1 2 3 4 5 6 7 8 9 INTRODUÇÃO À FÍSICA: GRANDEZAS FÍSICAS. . ÓPTICA FÍSICA E ÓPTICA GEOMÉTRICA. MECÂNICA NEWTONIANA: CINEMÁTICA E DINÂMICA.1-3. ESCALAS. Editora: REICHMANN & AFFONSO. TRATAMENTO ESTATÍSTICO DA IMPRECISÃO EXPERIMENTAL. Editora Edgard Blücher. PRINCÍPIOS BÁSICOS DA TEORIA QUÂNTICA ESTÁTICA E DINÂMICA DE FLUIDOS. M.

Florianópolis: Editora da UFSC. 1999. A geografia da dinâmica populacional. 2003. Série: Coleção Caminhos da Geografia. 2002. Aziz N. Teorias da Globalização. DUARTE. Revista Brasileira de Geografia. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ – UESC Campus Prof. REFERÊNCIAS AB´SÁBER. 1991. 1996. Ana Fani A. População e geografia. Octávio. 1988. O Pantanal mato-grossense e a teoria dos refúgios. A. MENDONÇA. CASTRO. São Paulo: Contexto. IANNI. (Org. 1994. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. A relação sociedade-natureza. Km 16 – Rodovia Ilhéus/Itabuna Tel: Reitoria (73) 3680-5003/5017/5311/5002 – Fax: (73) 3689-1126 CEP: 45. Paixão da terra: ensaios de críticos de ecologia e geografia. Rio de Janeiro: Rocco/Socii. DAMIANI. Antonio Carlos Robert.662-900 – Ilhéus – Bahia – Brasil E-mail: reitoria@uesc. tomo 2. 1996. espaço e globalização: na aurora de século XXI. S. GONÇALVES. Ana Fani A. F. MORAES.. Amália Inês Geraiges (orgs. 1986. São Paulo: Hucitec. LEMOS. São Paulo: Nobel. D. Iná Elias de et al. Conceitos e temas. CARLOS. Processos da dinâmica geológica da terra. São Paulo: Contexto. Elementos de epistemologia da geografia contemporânea. Georges. A.UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ – UESC PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO – PROGRAD GERÊNCIA DE SELEÇÃO E ORIENTAÇÃO – GESEOR PROGRAMA PARA A PROVA DE CONHECIMENTOS BÁSICOS PARA TRANSFERÊNCIA EXTERNA CURSO DE GEOGRAFIA – BACHARELADO 1 2 3 4 5 6 7 8 A formação do pensamento geográfico.) Novos caminhos da geografia. 1984. Geografia. 1987. Economia.) Dilemas urbanos: novas abordagens sobre a cidade. A gênese da geografia moderna. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. São Paulo: Contexto. globalização e estruturação geopolítica. 1996. Conceitos básicos em Geografia. 1991. Princípios de fotogrametria e fotointerpretação. MARTINELLI. São Paulo: Contexto. Fundamentos de Cartografia. Curitiba: UFPR. P. Rio de Janeiro: IBGE. Cartografia e Fotointerpretação: conceitos. Curso de cartografia temática. Soane Nazaré de Andrade. MARCHETT. KOZEL. Mundialização. São Paulo: Hucitec. Carlos Walter P. M. história e aplicações. B.br . ano 50. Amélia Luisa. BENKO. ______. Processo de urbanização e produção da cidade.

1993. de. IBGE. Natureza e sociedade de hoje: uma leitura geográfica. TEIXEIRA. 2000. C. SASSEN.OLIVEIRA. São Paulo: Hucitec. As cidades na economia mundial. Curso de cartografia moderna. Milton. Decifrando a Terra. São Paulo: Nobel. Saskia. SANTOS. et al.W. 1993. Maria Adélia A. 1998. Por uma outra globalização. SOUZA. São Paulo: Oficina de Textos. et al. São Paulo: Record. 2003 .

São Paulo: Contexto. Geopolítica da fome: ensaio sobre os problemas de alimentação e de população do mundo. O Pantanal mato-grossense e a teoria dos refúgios. Petrópolis: Vozes. Prefácios de Pearl S.. CASTRO. 1999. ed. Porto Alegre: UFRGS/AGB. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. Iná Elias de et al. 2000. tomo 2. CASTROGIOVANI. Aziz N. 4. Iná Elias de. ano 50.) Novos caminhos da geografia. Georges. São Paulo: Contexto. A relação sociedade-natureza no ensino de geografia. FERNANDES. Ana Fani A. ed. A formação do MST no Brasil. Reformas no mundo da educação: parâmetros curriculares e geografia. GONÇALVES. A geografia da dinâmica populacional. Carlos Walter P. LEMOS. 1991. Ana Fani A. Orr e Max Sorre. Mariana. Série: Coleção Caminhos da Geografia. 1996. Soane Nazaré de Andrade. EGLER. A. OLIVEIRA. 1984. Apropriação da terra e relações de produção no campo. 2000. CARLOS. Ariovaldo Umbelino de (orgs). globalização e estruturação geopolítica. São Paulo: Contexto. CASTRO. Km 16 – Rodovia Ilhéus/Itabuna Tel: Reitoria (73) 3680-5003/5017/5311/5002 – Fax: (73) 3689-1126 CEP: 45. Dinâmicas territoriais do Brasil. espaço e globalização: na aurora de século XXI. Rio de Janeiro: Rocco/Socii. Amália Inês Geraiges (orgs. Revista Brasileira de Geografia. (org). Geografia. 1988. (Org. (Org).) Dilemas urbanos: novas abordagens sobre a cidade. População e geografia. A geografia escolar brasileira. CARLOS. DAMIANI. Amélia Luisa. BENKO. Economia. 4. Cláudio A. revisada e aumentada São Paulo: Brailiense. Ana Fani A. São Paulo: Contexto. Redescobrindo o Brasil: 500 anos depois. Geografia em sala de aula: práticas e reflexões. Mundialização. CARLOS. G. Josué de. 2003. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil: FAPERJ. REFERÊNCIAS AB´SÁBER. C. Paixão da terra: ensaios de críticos de ecologia e geografia. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ – UESC Campus Prof. São Paulo: Hucitec. Conceitos e temas. 1999. 1996. MIRANDA.br .UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ – UESC PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO – PROGRAD GERÊNCIA DE SELEÇÃO E ORIENTAÇÃO – GESEOR PROGRAMA PARA A PROVA DE CONHECIMENTOS BÁSICOS PARA TRANSFERÊNCIA EXTERNA CURSO DE GEOGRAFIA – LICENCIATURA 1 2 3 4 5 6 7 8 A formação do pensamento geográfico e o ensino de geografia. 2003. Processo de urbanização e produção da cidade. CASTRO.662-900 – Ilhéus – Bahia – Brasil E-mail: reitoria@uesc. Bernardo M. Rio de Janeiro: IBGE.

Geografia do Brasil. Os camponeses e a política no Brasil. José de S. Antonio Carlos Robert. São Paulo: Edusp. São Paulo: Hucitec/EDUSP. Saskia. MARTINS. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. ______. São Paulo: Hucitec. Geografia: pequena história crítica.IANNI. 1996. SANTOS. Teorias da Globalização. Por uma Geografia nova. MORAES. Octávio. SASSEN. São Paulo: Record. São Paulo: Nobel. 1996. Petrópolis: Vozes. Por uma outra globalização. A gênese da Geografia moderna. São Paulo: HUCITEC. 1998. As cidades na economia mundial. 1996. Jurandir L. . Milton. ROSS. 2000 ______. 1987. 1989. 1981.

Peter. BOLDRINI. São Paulo: Atual. Espaço Vetorial: Subespaços. H. Derivada e Aplicações. Exploração prática dos conceitos fundamentais em ambiente computacional. Derivação Implícita. Km 16 – Rodovia Ilhéus/Itabuna Tel: Reitoria (73) 3680-5003/5017/5311/5002 – Fax: (73) 3689-1126 CEP: 45. Operações Matriciais: adição. Trigonométricas. com uso de software para ensino de geometria. Funções implícitas. REFERÊNCIAS ALMAY. ed. transposta. Sistemas Homogêneos. BARTLE. i. Soane Nazaré de Andrade. São Paulo: Atual. 1994. Campus. base de um espaço vetorial. e área das figuras planas.1980 BOULOS. axiomas e proposições fundamentais sobre: incidência e ordem. Elementos de Cálculo Diferencial e Integral. BARBOSA. Brasília. Regras de Derivação. Introdução às Funções e à Derivada.1. Elementos de Análise Real. João Lucas Marques. Geometria Euclidiana Plana. multiplicação. Regra de L’Hopital. congruência e semelhança de triângulos. Harbra.662-900 – Ilhéus – Bahia – Brasil E-mail: reitoria@uesc.br . 3. Inequações. Rio de Janeiro: Campus. multiplicação por escalar. círculo. ÁVILA. Dependência e independência linear. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ – UESC Campus Prof. São Paulo: Edgard Blucher. Logarítmicas. Hiperbólicas. Problemas de Máximos e Mínimos. Inversa de uma matriz: definição e cálculo.INTRODUÇÃO AO CÁLCULO Análise dos Números Reais e coordenadas na reta. ANTÓN. Mcgraw-Hill do Brasil. Álgebra Linear. Valor absoluto. al. o Axioma das Paralelas e sua importância histórica no desenvolvimento da Geometria. Sistemas de equações lineares. Equações e Gráficos de Representação.L et. 2 CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I Limite e continuidade de funções.UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ – UESC PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO – PROGRAD GERÊNCIA DE SELEÇÃO E ORIENTAÇÃO – GESEOR PROGRAMA PARA A PROVA DE CONHECIMENTOS BÁSICOS PARA TRANSFERÊNCIA EXTERNA CURSO DE MATEMÁTICA – Licenciatura e Bacharelado 1 ÁLGEBRA LINEAR I Matrizes: definição. Coleção do Professor de Matemática – SBM. AYRES JR. medição de segmentos e ângulos.G. dos Intervalos. Teorema do Valor Médio. Inversas e sua relação com o aprendizado de funções no ensino fundamental e médio.. Construção de Gráficos. Matrizes Escalonadas. Regra da Cadeia. R. Paulo. Frank. Álgebra Linear. Exponenciais. Cálculo Diferencial e Integral. v. 3 GEOMETRIA EUCLIDIANA PLANA Estudo dos conceitos. Introdução ao cálculo. coordenada de um vetor. 1983. o Teorema do Ângulo Externo e suas consequências. Propriedades das Operações Matriciais. O processo de Eliminação de Gauss-Jordan. 1974. Apresentação e discussão acerca das Funções: Algébricas. J. Estudo dos Números Irracionais. Geraldo.

A Matemática Do Ensino Médio. v.A.1994. São Paulo: HARBRA. e FINNEY. Álgebra Linear. Vetores e Matrizes.1.. Kenneth. v. Coleção Schaum. Hamilton Luis. LIMA. v. v.S.9. Cálculo e Geometria Analítica. LIPSCHUTZ. Wilton O e HAZZAN. David J. Ivan.1. Samuel. São Paulo: McGraw-Hill. GUIDORIZZI. Mustafá e FOULIS. São Paulo: McGraw-Hill. Rio de Janeiro: Sociedade de Matemática. Ross L. Rio de Janeiro: LTC – Livros Técnicos e Científicos. Álgebra Linear. SBM.J. George B... A. Elon Lages. Gelson.1-3. MORETTIN. LEITHOLD. Fundamentos de Matemática Elementar. Cálculo com Geometria Analítica. Earl William.1. Coleção Do Professor de Matemática. v. HOFFMAN. 1973. NATHAN. São Paulo: Atual. NIVEN. 1982. et al.F. Cálculo com Geometria Analítica. São Paulo: McGraw-Hill. Rio de Janeiro: Guanabara. DOLCE. M. Álgebra Linear e Aplicações. v. Seymour. . Carlos A. WHITE. IEZZI. SWOKOWSKI. Cálculo. Fundamentos de Matemática Elementar. Pedro A. São Paulo: Polígono. 1987. Revistas do Professor de Matemática. São Paulo: Edgard Blücher Ltda. 1997. Cálculo Funções de uma Variável. Livros Técnicos e Científicos S. et. São Paulo: Atual. O Cálculo com Geometria Analítica. BUSSAB. São Paulo: Atual. v.1. Números Racionais e Irracionais. São Paulo: Atual. G. SIMMONS. SBM. Um Curso de Cálculo. Conjuntos e Funções. Osvaldo. 1988. THOMAS JÚNIOR.1. Osvaldo. v. MUNEM. 1997. Louis. Análise Real: Uma Introdução. POMPEO. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos Ltda.1. al.CALLIOLI.

4 Gastrulação 5.2 Enzimas 1.5 Metabolismo 3 ANATOMIA ANIMAL 3.6 Glicólise 1.3.2 Organelas citoplasmáticas: forma e função 5. Km 16 – Rodovia Ilhéus/Itabuna Tel: Reitoria (73) 3680-5003/5017/5311/5002 – Fax: (73) 3689-1126 CEP: 45.3 Fisiologia Gastrointestinal 2.1.1 A célula animal UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ – UESC Campus Prof.3 Sistema protéica 5.2 Primeiras fases do desenvolvimento 5. artrologia e miologia 3.9 Β-oxidação de ácidos graxos 1. Soane Nazaré de Andrade.1.1 Citologia 5.3 Hidratos de Carbono 1.8 Cadeia Respiratória 1.2.1 Membrana plasmática 5.4 Lipídios 1.br .4 Núcleo 5.3 Sistema respiratório 3.UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ – UESC PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO – PROGRAD GERÊNCIA DE SELEÇÃO E ORIENTAÇÃO – GESEOR PROGRAMA PARA A PROVA DE CONHECIMENTOS BÁSICOS PARA TRANSFERÊNCIA EXTERNA CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA 1 BIOQUÍMICA 1.10Integração metabólica 2 FISIOLOGIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS 2.6 Neuroanatomia 3.3 Folhetos embrionários 5.5 Anexos embrionários 5.2.5 Ácidos Nucléicos 1.1 Proteínas 1.2.5 Sistema genito-urinário 3.2.7 Ciclo de Krebs 1.1 Neurofisiologia 2.4 Sistema digestório 3.1.662-900 – Ilhéus – Bahia – Brasil E-mail: reitoria@uesc. EMBRIOLOGIA E HISTOLOGIA 5.4 Homeostasia 2.3 Histologia 5.7 Órgãos dos sentidos e tegumento comum 4 LÍNGUA PORTUGUESA 4.2 Embriologia 5.5 Mitose e meiose 5.1.1.1 Gametogênese 5.2.1 Redação: Temas relacionados com a Medicina Veterinária 5 CITOLOGIA.2 Sistema circulatório 3.1 Aparelho locomotor: osteologia.2 Endocrinologia 2.

3.3.6 5.9 Tecidos epiteliais de revestimento e glandulares Tecido conjuntivo Tecido adiposo Tecido cartilaginoso Tecido ósseo Tecido nervoso Tecido muscular Sangue .5.3.8 5.7 5.3.3 5.3.3.5 5.3.2 5.3.4 5.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ – UESC Campus Prof. a teoria da ação social e os sistemas de dominação. Km 16 – Rodovia Ilhéus/Itabuna Tel: Reitoria (73) 3680-5003/5017/5311/5002 – Fax: (73) 3689-1126 CEP: 45. do estruturalismo e da pós-modernidade. SOCIOLOGIA COMPREENSIVA DE WEBER: tipos ideais. A SOCIOLOGIA FUNCIONAL-POSITIVISTA: Dürkheim e o Método Sociológico. 10 TEORIAS POLÍTICAS CONTEMPORÂNEAS.UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ – UESC PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO – PROGRAD GERÊNCIA DE SELEÇÃO E ORIENTAÇÃO – GESEOR PROGRAMA PARA A PROVA DE CONHECIMENTOS BÁSICOS PARA TRANSFERÊNCIA EXTERNA CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS 1 2 3 4 5 6 7 8 9 A ANTROPOLOGIA COMO UM NOVO OLHAR SOBRE A ALTERIDADE E A DIVERSIDADE E O PROBLEMA DO ETNOCENTRISMO. O SOCIAL E O BIOLÓGICO. PRINCIPAIS CORRENTES SOCIOLÓGICAS RECENTES: as críticas do marxismo. A NOÇÃO DE ESTRUTURA. INTRODUÇÃO À POLÍTICA COMO PRÁTICA E COMO CIÊNCIA: a política na antiguidade clássica e a política como ação humana. PARENTESCO E ORGANIZAÇÃO SOCIAL. O ESTADO NA SOCIEDADE DE CLASSES. LEGITIMIDADE E SOBERANIA SEGUNDO AS TEORIAS CONTRATUALISTAS E OS FUNDAMENTOS NORMATIVOS DO ESTADO.662-900 – Ilhéus – Bahia – Brasil E-mail: reitoria@uesc.br . Soane Nazaré de Andrade. A SOCIOLOGIA DO CONFLITO EM MARX.

1992. Fisiologia. Fisiologia Humana: Funções dos diversos aparelhos e sistemas para manutenção do cumprimento das funções dos diferentes órgãos e tecidos do organismo. Maria Lúcia de Arruda. 1993 . 1997. REFERÊNCIAS ARANHA. Tecnologia e Educação: Globalização e impactos sociais. Perspectivas da Ginástica Geral para a Educação Física escolar: imaginando um projeto. 11 Inglês: Compreensão de textos da Educação Física com vistas a uma decodificação de textos escritos na língua inglesa. 12 Atletismo. Aspectos e teorias básicas da aprendizagem motora. Principais correntes 10 Tendências Pedagógicas contemporâneas epistemológicas da Educação Física. desemprego e economia informal. As tendências pedagógicas na Educação Física. da Educação Física. Estimulação precoce e suas implicações na Educação Física e nos esportes. Economia e Sociedade: Panorama sócio-econômico no Brasil. Ensino Público. Cultura. Educação Inclusiva. C. O que é Capoeira? São Paulo: Brasiliense. São Paulo: Autores Associados. Educação como política pública. Capoeira numa perspectiva educacional. 21 (1). Questões Educacionais: analfabetismo. Ginástica: conceitos construídos historicamente no campo da Educação Física no Brasil. História da Educação e da Educação Física e Esporte: A História da Educação Física no Brasil. Almir das. São Paulo: Cortez. AZEVEDO. ed. AYOUB. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. Origem e evolução histórica da Capoeira. 1983. Fundamentos. 1. AREIAS. Trabalho. ARAUJO. História da Educação. M. Janete. 13 Jogos pré-desportivos como alternativa metodológica da iniciação nos diversos esportes. culturais e educacionais das novas tecnologias na educação. V. Globalização. Elementos básicos e aspectos metodológicos do Atletismo . AYRES. São Paulo: Moderna. Crescimento e Desenvolvimento Humano: Fases do crescimento e desenvolvimento humano. Coleção Polêmicas do Nosso Tempo. Eliana. César. BARBIERI. Desenvolvimento motor. setembro/1999. miologia. Ginástica Escolar e sua inter-relação com o se movimentar no processo de escolarização. 1991. O jogo no contexto da educação psicomotora. Guanabara Koogan. Brasília: CIDOCA. 1993. Aprendizagem motora.UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ – UESC PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO – PROGRAD GERÊNCIA DE SELEÇÃO E ORIENTAÇÃO – GESEOR PROGRAMA PARA A PROVA DE CONHECIMENTOS BÁSICOS PARA TRANSFERÊNCIA EXTERNA CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Anatomia Aplicada a Educação Física: osteologia. Um jeito brasileiro de aprender a ser.

BRANDÃO. O jogo e a criança. 1992. CONNOLLY.BERNE. ed. Manuel. A. DEMO. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. p. CALAIS-GERMAIN. 1992. Rev. São Paulo: Cortez. 1985. 4. 1999. M. Paulo. Anatomia para o movimento: introdução a análise das técnicas corporais. ampl. Questões de Teleducação. 1992. CHATEAU. 2000. rev. São Paulo: Summus. presente e futuro. 1987. R. Filosofia para principiantes. 1992. Kevin.1. Metodologia de Ensino da Educação Física. & Levy. São Paulo: Manole. A Rede. CANCLINI. ed. Metodologia de Ensino de Educação Física.2. São Paulo. A sociedade em rede. CONGRESSO BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO MOTORA. CASTELLS. Primeira filosofia. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ – UESC Campus Prof. CASTELANI FILHO. 1982. v.. 1991. Coletivo de Autores.662-900 – Ilhéus – Bahia – Brasil E-mail: reitoria@uesc. Km 16 – Rodovia Ilhéus/Itabuna Tel: Reitoria (73) 3680-5003/5017/5311/5002 – Fax: (73) 3689-1126 CEP: 45. COLETIVO DE AUTORES. supl. Educação física e sociedade. J. ______. C. 2007. CEBRIÁN. 1989. v. et al. Educ. 1981. Educação de corpo inteiro.6-15. Lazer e Educação Física. Coletânea do III Encontro Nacional de História do Esporte. Rio de Janeiro: Paz e Terra. São Paulo: Brasiliense. BUZZI. Educação Física e Esportes no Brasil: Perspectivas (na história) para o século XXI. J. Vozes. Soane Nazaré de Andrade. 21 (1). Guanabara Koogan. Ginástica Geral: uma proposta para a Educação Física escolar e comunitária. Juan Luis. Petrópolis: Vozes. v. São Paulo: Brasiliense. como nossas vidas serão transformadas pelos novos meios de comunicação. Educação física no Brasil: a história que não se conta. Anatomia para o movimento: bases de exercícios. Fisiologia. São Paulo Paz e Terra. Rio de Janeiro: UFRJ. CHAUÍ. São Paulo: Scipione. para a ginástica que se quer. 3. Campinas: Papirus. John C.br . São Paulo: Cortez. R. Nestor Garcia. FREIRE. David L. Rio de Janeiro. Heloísa Turini. Ozmun. setembro/1999. M. GALLAHUE. Da ginástica que se tem. ______. 1998 FREIRE. Paul. setembro/1999. Pedro. Blandine. 1991. 7 ed. 2001. M. 1999. O que é educação. Curitiba. BETTI. Albertina. Summus Editorial. R. Compreendendo o Desenvolvimento Motor: bebês. BRUHNS. Pedagogia do oprimido. A capoeira: transição entre os grupos sociais. Desenvolvimento motor: passado. 1995.1. São Paulo:Manole. BONETTI. Fís. São Paulo: Movimento. Consumidores e Cidadãos: conflitos multiculturais da globalização. 10. B. São Paulo. 21(1). Revista Brasileira de Ciências do Esporte. 1991. Lino..

Pérsio.crianças. Aprendendo filosofia. Editora Harbra Ltda. 2003. Reiner. GALLIANO. São Paulo: Edgard Blücher. A Educação Física cuida do corpo… e "mente". educação física.A. 2000. Significado e função do brinquedo na criança. 2001. ed. O brasileiro e seu corpo. 3. São Paulo: Editora Texto Novo. G. Ginástica Geral: uma proposta de intervenção metodológica orientada na perspectiva da unidade. 1991. Educação Física. ______. Rio de janeiro: Ao livro técnico. Giampero. S. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. Antologia do Atletismo: Metodologia para iniciação em escolas e clubes. MARTINS. 1994. Desenvolvimento motor ao longo da vida. adolescentes e adultos. Maria da Glória de. 1992. Ensino e Mudanças. Porto Alegre: De Luzato. São Paulo. MELLO. Brasília: Editora Universidade de Brasília. Vol. 1994. Ática. 1989. João Paulo Subirá. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico S. G. 1991. 1991. Paulo.. Sara Rejane. 1989. 21 (1). Elenor. O que é Sociologia? São Paulo. 1987a. Concepções abertas no ensino da Educação Física. Transformação e Didática Pedagógica do Esporte. Campinas: Papirus. 3. 1976. 2. São Paulo: Loyola. A história da educação através dos textos. A. A. HILDEBRANDT. Introdução à Sociologia. C. A. 1. R. ed. 1985.ed. Nancy. KUNZ. KAHLE. Bibliografia Brasileira Sobre História da Educação Física e do Esporte. LEBOVICI. Psicomotricidade. Vitor Andrade. Campinas: Papirus. São Paulo: Papirus. Atlas de anatomia humana: aparelho de movimento. 1990. Introdução à filosofia da educação. KNELLER. & Getchell. São Paulo: . Aprendizagem motora: conceitos e aplicações. São Paulo: Atheneu. 1986. 1989. jogos infantis. ______. August. MEDINA.com/br/bibl. Alfredo Guilherme. 2. Porto Alegre: Artes Médicas. NUNES. Disponível em: <www. Ijuí: UNIJUÍ. Carlos B. KIRSCH. Educação psicomotora: a psicocinética na idade escolar. MUNHOZ. GRIFI. Ana Maria. HAYWOOD. PEREIRA. Patrícia Falco. Educação Física Progressista. Estratégias de leitura para inglês instrumental. 179 p. e Diaktine. 2004. setembro/1999. São Paulo: Phorte. São Paulo. GENOVEZ.ed. Ijuí: UNIJUÍ. MAGILL. M. Porto Alegre: Artes Médicas. Inglês instrumental: Estratégias de leitura. 1998. História da Educação Física e do Esporte. OLIVEIRA. J. MELO. Porto Alegre: Artmed. 1994. Rio de Janeiro: Zahar.efdeportes. Introdução à Sociologia. Werner. ed. 19. GHIRALDELLI JÚNIOR. Brasiliense. São Paulo: Ibrasa. Kathleen M.htm>. R. 1981. 1983. Rosângela. LE BOULCH. ROSA. OLIVEIRA.

v. n. 1993. São Paulo: Saraiva. Carmen. 2000. MOFFETT. Guanabara Koogan. Contribuições da aprendizagem motora à educação física: uma análise crítica.. Ismar de Oliveira.. WILKES. 2.. Revista Paulista de Educação Física. Km 16 – Rodovia Ilhéus/Itabuna Tel: Reitoria (73) 3680-5003/5017/5311/5002 – Fax: (73) 3689-1126 CEP: 45. Sociedade da Informação ou da Comunicação. 1996. Corpo. 1994. Ana Márcia. Educação física: raízes européias e Brasil. 1992. S. G. SILVA. Inglês para principiantes. SOARES. Campinas: Autores Associados.6.Cultrix. MOFFETT. Nelson. São Paulo: Verbo. 1993. 1992.662-900 – Ilhéus – Bahia – Brasil E-mail: reitoria@uesc. Florianópolis: UFSC. Gramática prática da língua inglesa. Fisiologia humana. Angela. SHAHG. São Paulo: Editora Cidade Nova. Soane Nazaré de Andrade. C. São Paulo: Autores Associados. D. ciência e mercado: reflexões acerca da gestação de um novo arquétipo de felicidade. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ – UESC Campus Prof. 2001 SOARES. TORRES. TANI.br .

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ – UESC PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO – PROGRAD GERÊNCIA DE SELEÇÃO E ORIENTAÇÃO – GESEOR PROGRAMA PARA A PROVA DE CONHECIMENTOS BÁSICOS PARA TRANSFERÊNCIA EXTERNA CURSO DE FILOSOFIA 1 O Problema do conhecimento em Platão 2 As condições do conhecimento verdadeiro em Aristóteles 3 A questão dos universais 4 A metafísica em Tomás de Aquino 5 Dúvidas e certezas em Descartes 6 A questão do fundamento do conhecimento em Hume 7 Filosofia Política e Contratualismo 8 Filosofia e Ciências 9 Filosofia e Arte 10 Angústia em Heidegger .

Soane Nazaré de Andrade. Km 16 – Rodovia Ilhéus/Itabuna Tel: Reitoria (73) 3680-5003/5017/5311/5002 – Fax: (73) 3689-1126 CEP: 45. Formação da sociedade brasileira História e diversidade: questões em torno das populações indígenas e afro-brasileiras.UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ – UESC PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO – PROGRAD GERÊNCIA DE SELEÇÃO E ORIENTAÇÃO – GESEOR PROGRAMA PARA A PROVA DE CONHECIMENTOS BÁSICOS PARA TRANSFERÊNCIA EXTERNA CURSO DE HISTÓRIA 1 2 3 4 5 História. História e ensino de História. A natureza epistemológica do conhecimento histórico.662-900 – Ilhéus – Bahia – Brasil E-mail: reitoria@uesc.br . UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ – UESC Campus Prof. historiografia e fontes para a Antiguidade Clássica.

4 O átomo de Bohr 1.9 Os números quânticos.8 As funções de onda e dos níveis de energia 1.7 O princípio da incerteza 1. 7 8 . 74 Teoria do Complexo Ativado.2 O átomo nuclear 1.3 Isótopos: abundância isotópica 1. 76 Catálise.UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ – UESC PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO – PROGRAD GERÊNCIA DE SELEÇÃO E ORIENTAÇÃO – GESEOR PROGRAMA PARA A PROVA DE CONHECIMENTOS BÁSICOS PARA TRANSFERÊNCIA EXTERNA CURSO DE QUÍMICA 1 O ÁTOMO 1.6 A dualidade onda-partícula 1. 62 Tipos de Soluções. 75 Mecanismo de Reações. 64 Concentração de soluções. CINÉTICA QUÍMICA 71 Velocidade de Reações e Mecanismos.10Orbitais atômicos 1. 72 A Equação da Velocidade.5 Quanta e fótons 1. O spin eletrônico 1. 73 Teoria de Colisões.1 Primeiros modelos atômicos 1.11A estrutura eletrônica do hidrogênio 1. EQUILÍBRIO QUÍMICO 81 Equilíbrio Químico Homogêneo.12Estrutura dos átomos multieletrônicos PERIODICIDADE QUÍMICA 21 Introdução 22 Periodicidade nas configurações eletrônicas 23 Periodicidade nas configurações atômicas 24 Periodicidade nas propriedades físicas 25 Periodicidade nas propriedades químicas LIGAÇÕES QUÍMICAS 3. 63 Fatores que influenciam na Solubilidade.1 Introdução 3.2 Ligações iônicas 3.3 Ligações covalentes AS 41 42 43 44 45 FORMAS DAS MOLÉCULAS E DOS ÍONS O modelo VSPER Polaridade das moléculas Teoria da Ligação de Valência (TLV) Teoria do Orbital Molecular (TOM) Teoria de banda dos sólidos 2 3 4 5 6 INTERAÇÕES INTERMOLECULARES SOLUÇÕES 61 Conceito e Classificação.

e MYERS. TREICHEL.E. Km 16 – Rodovia Ilhéus/Itabuna Tel: Reitoria (73) 3680-5003/5017/5311/5002 – Fax: (73) 3689-1126 CEP: 45. R.E. Cálculo de Equilíbrio. Rio de Janeiro. EQUILÍBRIO QUÍMICO EM SOLUÇÕES AQUOSAS: EQUILÍBRIO ÁCIDO-BASE 91 Constante de dissociação de ácidos e bases fracos. J.ed. Rio de Janeiro: LTC. T. 2001.6 Técnicas básicas de laboratórios REFERÊNCIAS ATKINS. 7.4 Formas de Agressão dos Produtos Químicos 10.662-900 – Ilhéus – Bahia – Brasil E-mail: reitoria@uesc. ed. Cinética e Equilíbrio.. BROWN. L. Soane Nazaré de Andrade.3 Das Instalações 10. 93 Hidrólise de Ânion e de Cátion. Química: Ciência Central. JONES. v. Livros Técnicos e Científicos. REVISTA QUÍMICA NOVA NA ESCOLA. LEMAY. BRADY.1 Usuários 10. 94 Indicadores ácido-base. Química Geral. 10 NORMAS DE SEGURANÇA DE LABORATÓRIO 10. J.5 Procedimento em caso de acidente 10.1-2. v. 1994. Química Geral. P. 1996. 1997.br . MAHAN. B. E. ed. B.82 83 84 85 86 9 Lei do Equilíbrio Químico. HUMISTON. Química e Reações Químicas. ed. 4. G. ed.1-2. J. 2. São Paulo: Edgard Blucher. J.. 1990. São Paulo: Makron Books. 92 Produto iônico da água / pH. Porto Alegre: Bookman. KOTZ. E.M. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ – UESC Campus Prof. Equilíbrio Químico Heterogêneo.2 Dos Produtos Químicos 10... Rio de Janeiro: LTC. BURSTEN. 1998. P. RUSSEL. B. 3.L. 5.C. Princípios de Química: questionando a vida moderna e o meio ambiente. Variação de K com a temperatura. H. São Paulo: Sociedade Brasileira de Química. 95 Tampões. Química: um curso universitário.1. v.