Delicatessen (1991) is a French language film, which may in fact be the most complete example of sound used to both

horror and comic affect in cinema. Although the directors Caro and Jeunet are better known for the colourful and whimsical Amelie (2001), this earlier offering, while sharing a certain oddity and charm, is a distinctly darker and less reassuring kettle of fish. While coming from the post-apocalyptic sub-genre (a genre French film-makers seem particularly adept at) rather than pure horror, it uses the tricks more commonly associated with horror to create its affect. One of the American DVD releases of the film is subtitled, 'Presented by Terry Gilliam' and both the macabre humour and visual extravagance share a distinct kinship with his work. At first the cinematography appears to imitate sepia effect but in fact it is the rolling clouds of dust, which permeate everywhere and seems to suck the colour out of everything and everyone. Rather than, as the colouring and music at times implies, being a sepia tinged longing for the past, it is a macabre vision of the future where a thin veneer of civilisation is drawn over the surface of a Paris gone to the dogs in the face of starvation. Being the tale of the lives of those who dwell in an apartment block above the eponymous Delicatessen, who has a gruesome manner of supplementing the meat shortage, the whole building seems to have a presence of its own. From the opening scene where the delicatessen sharpening his knives is seen to echo through the building's ventilation system to further panic the lodger at the top of the building as he makes his daring but failed attempt at escaping his landlord's cannibalistic machinations. The sound is

Clapet is well aware of how the sound travels and has purposefully left the stove door open as a way of reminding his tenants of both their complicity in his actions and the power he holds over them. to the whispers that intentionally taunt Aurore towards her numerous suicide attempts. At first glance the scene appears to be purely about the comic elements of cause and effect and the way in which the tenants of the apartment block are bound together. Here it is the sound which prevents the portrayal from becoming heavy-handed. with its occupants as much at the mercy of the building as they are of their landlord. permeates throughout the building via the flu system for the stoves. The landlord himself is well aware of the power of the way the sound travels and uses it to spy on his daughter's conversations. He is playing with them just as surely as he was taunting the lodger in the first scene. For example. from the landlord's daughter Julie's increasingly paranoid dreams.constructed so that the building itself seems as cannibalistic as its owner. have sex. The rhythm filters into the activities of the different residents. early in the film the sounds of the incredibly creaky bed springs of Mademoiselle Plusse as she and the landlord. The sounds filtering through the flu-system become vital to the plot. the creepy yet comic tone ensures that the scene is a good example of how the sound is used throughout the film to keep it darkly humorous without crossing the fine line into the merely gruesome or the ridiculous. However on closer inspection it can be read as an act of dominance. Clapet. Each character has their own music that reflects his state of mind. to the extent that when Julie. getting faster and faster with the rhythm in an almost musical but ultimately destructive manner. and the .

Each individual apartment in the block has its own particular sound effect (Mademoiselle Plusse's creaking bed springs. And naturally the female scream . The building becomes almost a character in its own right through the sound which personifies it. yet least analysed of horror tropes. Screams are used to considerable affect in the film. the Kube brothers' drills. despite the noise and destruction that has marked the rest of the scene his death is accompanied by silence except for his own quiet words and the sound of the knife. its power acknowledged but unspoken . to the extent that when the building falls down around them and Louison and Julie fight their way out it is as though they're escaping from the belly of some monstrous mythical beast. A screaming point that acts like a black hole within the narrative. Encapsulating more eloquently than words the extent of the inhabitants of the building's descent into barbarism in their quest .perhaps both the most iconic. sucking everything towards it in a manner that once reached seems both poetic and inevitable. Even Clapet's accidental death scene is marked by clever sound usage. the Frogman's frogs) which along with the all pervading drip of water from the ceiling into the various basins and buckets and the creak of the plumbing reflect the building's ailing state. from the very outset the complicity of the other tenants in their landlord's grisly activities is portrayed by their responses to the screams in the stairwell while also demonstrating the extent of the hold that he has over them.new handyman (and former circus artiste) Louison play music together (a haunting duet of cello and musical saw) it becomes a bittersweet act of making love without touching.that follows closely behind.

Speaking of screaming. While he is a passionate cannibalistic survivor. for though Clapet had made Grandmere scream to lure out Louison to his doom. both of fear and frustration (often in the face of yet another foiled attempt at suicide) cause all sorts of misunderstandings. Indeed it is a scream mistaken for Aurore's that leads to Robert loosing an important part of himself to Clapet in an attempt to save her. she is reserved. The screams become the embodiment of the brother's unspoken rivalry. Aurore and her husband Georges live in an immaculate apartment in the block just above the Kube brothers. Throughout the film Julie is the polar opposite of her father. the other to destroy her. The frequency of her screams. The same scream ironically gives Louison a reprieve. the same scream strains her heart causing her to collapse and die. while also attempting to simultaneously scupper her stilted (and perhaps one sided) romance with his brother Robert. and through it she finds common ground with Louison and thus hope. one to save her.for survival through one animalistic scream. repressed and vegetarian. thus causing a temporary solution to the ongoing food issue. The way that sound carries through the ventilation system is clearly an aspect of the building that is exploited not only by Clapet but also by Roger Kube to create ghostly voices to deepen Aurore's paranoia and already fragile state of mind. In seeking to protect that hope and Louison from her father she seeks help from outside (recruiting the . Julie's only escape from her situation is her music. She tries and fails to reason with her father as he descends further into savagery. the aural world inhabited by Aurore is one filled with screams.

If in British horror the power lies in the monster unbound among repressed society. Julie's very repression becomes the source of her freedom.assistance of a band of underground vegetarian freedom fighters who live in the sewers) and ends up overthrowing her father's barbaric regime. but determined rebellion against her controlling father as personified by the all hearing ventilation system. they do facilitate Julie's emotional development that will finally provide her with the tools to rescue Louison herself. news from the outside world is rare and always bad. yet once Julie has one in her possession it becomes the embodiment of her quiet. The strange wind-up radios they use to communicate seem almost as likely to emit a jack-in-the-box as guidance on escape. and the inhabitants of the building hide from that . The world of the underground vegetarian freedom fighters (The Troglos) deserves some consideration. Although peripheral to the majority of the plot through their existing outside the world of the apartment block. here among the more passionate French. The distinctive spluttering static of their short wave radios both above and below ground defines them as different both in their own and the general population's eyes. yet equally to represent escape from imminent peril to safety. The watery underground world they inhabit among the sewers manages to be on one hand hostile and unnerving. for all their earnestly bumbling incompetence. Throughout the film. Much as they largely embody the light comic relief of the film. their own environs have a no less distinctive aural character. her refusal to give in to her baser instincts allowing her to escape from her barbaric house-mates.

2001. but the monster is us. as though the veneer of civilisation they are struggling to maintain within the building elevates them above the mass outside. it is excellent. Enquanto proveniente do pósapocalíptico sub-gênero (um filme-makers gênero franceses parecem particularmente adepto de) ao invés de puro horror. Screening Space. 'Apresentado por Terry Gilliam e tanto o humor macabro e compartilhar extravagância visual de um parentesco distintos. References CHION. Embora os diretores Caro e Jeunet são mais conhecidos para a Amelie colorido e lunático (2001). The Voice In Cinema. Rutgers University Press TRADUção Delicatessen (1991) é um filme de língua francesa. 1999. o cinema parece imitar efeito sépia. The very embodiment of horror cinema. Clapet tells Mademoiselle Plusse that "At least here we have a system". Uma das versões americanas DVD do filme é legendado. mas na . ao compartilhar uma singularidade certas e charme. é uma chaleira nitidamente mais escura e menos reconfortante de peixes. o que pode de fato ser o exemplo mais completo de som usado tanto horror e afetam quadrinhos no cinema. As an example of how easy the descent into savagery can be. Columbia University Press SOBCHAK. New York. com seu trabalho.world as much as possible. ele usa os truques mais comumente associado com horror para criar o seu afeto. New Brunswick. No início. the monster is not just in the safe haven with us. Michel. esta oferta antes.

À primeira vista. sendo um anseio tingidas de sépia para o passado.verdade é as nuvens de poeira rolando. no início do filme o som das molas da cama incrivelmente creaky de Mademoiselle Plusse como ela eo senhorio. destrutiva. a cena parece ser puramente sobre os elementos cômicos de causa e efeito ea maneira em que os inquilinos do bloco de apartamentos estão unidos. No entanto. mas não conseguiu escapar às maquinações canibais seu senhorio. como a coloração e música. Da cena de abertura onde a delicatessen afiar suas facas é visto a ecoar através do sistema de ventilação do edifício ainda mais pânico do inquilino no topo do edifício como ele faz a sua ousadia. em uma inspeção mais próxima que pode ser lido como um ato de dominação. implica. com seus ocupantes tanto à mercê do edifício como eles são de seu senhorio. mas em última análise. todo o edifício parece ter uma presença própria. é uma visão macabra do futuro. ficando mais rápido e mais rápido com o ritmo de uma forma quase musical. Ele está jogando com eles da mesma forma como ele estava provocando o . fazer sexo. Clapet está bem ciente de como o som viaja e tem propositadamente deixou a porta aberta fogão como uma maneira de lembrar seus inquilinos cumplicidade de ambos os seus em suas ações eo poder que ele detém sobre eles. Clapet. O som é construído de modo a que o edifício em si parece como canibais como seu dono. permeia todo o edifício através do sistema de gripe para os fogões. que tem uma maneira horrível de complementar a escassez de carne. onde uma fina camada da civilização é desenhada sobre a superfície de uma Paris ido para os cães no rosto de fome. Por exemplo. por vezes. E não. Os filtros de ritmo nas atividades dos moradores diferente. Sendo o conto da vida daqueles que habitam em um bloco de apartamentos acima do Delicatessen homônimo. que permeiam toda a parte e parece sugar a cor de tudo e todos.

apesar do ruído e da . e do faz-tudo novo (e antigo circo artiste) Louison tocar música juntos (um dueto assombrando de violoncelo e viu musical) torna-se um ato de bittersweet fazer amor sem tocar. quando Julie. demonstrando a extensão da influência que ele tem sobre eles. Cada apartamento individual no bloco tem seu próprio efeito de som particular (molas rangendo Mademoiselle Plusse da cama. Cada personagem tem sua própria música que reflete seu estado de espírito. o tom assustador ainda comic garante que a cena é um bom exemplo de como o som é usado ao longo do filme para mantê-la escura humorous sem cruzar a linha fina para o meramente gruesome ou o ridículo. da filha do senhorio sonhos cada vez mais paranóico Julie. Os sons de filtragem através do sistema de gripe-se vital para a trama. rãs a Frogman). a cumplicidade dos outros inquilinos em atividades grisly seu senhorio é retratado por suas respostas para os gritos na escada ao mesmo tempo. na medida em que quando o prédio cai em torno deles e Louison e Julie lutar seu caminho para fora. Gritos são usados para afetar considerável no filme. O edifício torna-se quase um personagem em sua própria direita através do som que personifica-lo. o qual juntamente com o gotejamento onipresente de água no teto para as bacias e vários baldes eo ranger do encanamento refletir o estado do edifício doente. desde o início. na medida em que. os irmãos Kube "brocas. para os sussurros que intencionalmente Aurore taunt em direção a ela inúmeras tentativas de suicídio. O proprietário se está bem ciente do poder da maneira como o som viaja e usa-o para espionar conversas de sua filha. Mesmo cena Clapet de morte acidental é marcada pelo uso de som inteligente. Aqui é o som que impede o retrato de tornar-se pesada.inquilino na primeira cena. é como se eles estão fugindo da barriga de alguns monstruosa animal mítico.

o grito feminino . o mundo aural habitada por Aurore é um cheio de gritos. Os gritos tornam-se a incorporação de rivalidade silenciosa do irmão. sugando tudo para ele de uma maneira que uma vez alcançada parece tanto poética e inevitável. mas não ditas . que vai até Robert perdendo uma parte importante de si mesmo a Clapet em uma tentativa de salvá-la. inviabilizar sua stilted romance (e talvez unilateral) com seu irmão Robert. naturalmente. Na verdade. uma para salvá-la. pois embora Clapet fez gritar Grandmère para atrair a Louison a sua desgraça. A freqüência de seus gritos. é um grito confundido com Aurore. O grito mesmo ironicamente dá Louison um alívio. Aurore e seu marido Georges vive em um apartamento imaculado no bloco logo acima os irmãos Kube. E. tanto de medo e frustração (muitas vezes em face de mais uma tentativa frustrada de suicídio) causar todos os tipos de malentendidos. .destruição que marcou o resto da cena de sua morte é acompanhada por silêncio exceto por suas próprias palavras calma e ao som da faca. causando assim uma solução temporária para a questão alimentar em curso. o outro para destruí-la. Falando de gritar.talvez os dois a mais emblemática. Um ponto de gritar que atua como um buraco negro dentro da narrativa. Encapsulamento mais eloqüente do que as palavras a extensão dos habitantes de ascendência do edifício na barbárie em sua busca pela sobrevivência através de um grito animalesco. pelo menos ainda analisados de tropos horror. as cepas gritar mesmo seu coração causando-lhe a entrar em colapso e morrer. tentando. simultaneamente. A maneira que o som exerce através do sistema de ventilação é claramente um aspecto do edifício que é explorado não só por Clapet mas também por Roger Kube para criar vozes fantasmagóricas para aprofundar a paranóia Aurore eo estado já frágeis de espírito.que segue de perto. seu poder reconhecido. ao mesmo tempo.

. Se no horror britânico o poder reside no unbound monstro entre a sociedade reprimida. Na tentativa de proteger essa esperança e Louison de seu pai. portanto. sua recusa em ceder a seus instintos mais básicos que lhe permitiu escapar de sua bárbara casa mates. repressão muito Julie se torna a fonte de sua liberdade. O mundo do metro combatentes da liberdade vegetariano (The Troglos) merece alguma consideração. Apesar de periféricos para a maioria do enredo através de sua existência fora do mundo do bloco de apartamentos. esperança. fornecer-lhe as ferramentas para resgatar Louison si mesma. e através dele ela encontra um terreno comum com Louison e. aqui entre os franceses mais apaixonado.Ao longo do filme Julie é o oposto de seu pai. Enquanto ele é um sobrevivente apaixonado canibais. Ela tenta e não consegue raciocinar com seu pai como ele desce mais em selvageria. A estática distintivo spluttering de seus rádios de ondas curtas acima e abaixo do solo define-os como diferentes tanto em suas próprias e os olhos da população em geral. mas igualmente para representar escapar do perigo iminente para a segurança. ela procura ajuda de fora (recrutando a ajuda de um grupo de combatentes da liberdade de metro vegetarianos que vivem nos esgotos) e acaba por derrubar o regime bárbaro de seu pai. eles não facilitam o desenvolvimento emocional de Julie que. para todos os seus sinceramente bumbling incompetência. seus arredores próprios têm um caráter não menos distinto aural. ela é reservada. Única saída de Julie de sua situação é sua música. O estranho vento-up rádios que eles usam para se comunicar parecem quase tão susceptível de emitir um jack-in-the-box como orientação na fuga. finalmente. O mundo aquático subterrâneo que habitam entre os esgotos consegue ser hostil em uma mão e enervante. reprimidos e vegetariano. Tanto quanto eles incorporam em grande parte o alívio cômico de luz do filme.

mas uma vez Julie tem um em sua posse torna-se a personificação de sua calma. Clapet diz Mademoiselle Plusse que "Pelo menos aqui temos um sistema". mas o monstro é nós. mas determinado a rebelião contra o seu controle pai como personificado pelo sistema de ventilação todos os audição. tanto quanto possível. é excelente. A própria personificação do cinema de terror. a notícia do mundo exterior é rara e sempre ruim. o monstro não é apenas no refúgio com a gente. Como um exemplo de como é fácil a descida para a selvageria pode ser. e os habitantes do edifício esconder daquele mundo. como se o verniz de civilização que eles estão lutando para manter dentro do edifício os eleva acima da massa fora. . Ao longo do filme.