1

A RURALIDADE X URBANIDADE Autoras: Cheila Garcia Juliana Plá Roberta Mecking Vanessa Bosenbecker Professora: Karen Mello

_________________________________________________________________
Resumo O presente artigo reflete a respeito do tema Rural x Urbano, explicitando as diversas maneiras de caracterizá-los dentro de conceitos e limites em diferentes fases na história. Palavras-Chave: Rural, Urbano, Revolução Industrial, Limites. Resumen El presente artículo refleje acerca del tema Rural x Urbano, explicitando las diversas maneras de caracterizarlos dentro de los conceptos y límites en diferentes fases en la historia. Palabras-Clave: Rural, Urbano, Revolución Industrial, Límites.

_________________________________________________________________ O presente artigo abordará questões que envolvem a ruralidade e a urbanidade traçando, entre elas, comparações dos aspectos que diferem ou assemelham para melhor compreendermos como cada uma se encaixa na sociedade. As pessoas que nascem e residem no meio urbano percebem, muitas vezes, o campo como um desafio à cidade, como um espaço a ser tomado por essa, sinal de atraso e subdesenvolvimento. Na história existem vários registros de autores que retratam o fim do rural por diversos motivos, como por exemplo, a hipótese da completa urbanização lançada pelo filósofo e sociólogo marxista francês Henri Lefebvre em 1970 e o cercamento das propriedades rurais por George Sturt em 1861.

2

Enquanto a idéia de o que é urbano já é abordada há séculos, nos proporcionando uma concepção mais clara, a idéia de rural há pouco tempo é tratada de forma a demonstrar a sua real importância, uma vez que estes conceitos são elaborados por urbanos. Este fator fica evidenciado analisando o conceito de cidade apresentado por Élvio Rodrigues Martins.

“Nódulo central da urbanidade, locus privilegiado da modernidade, do pensamento científico, das práticas sofisticadas e da grande produção e circulação do capital – é, por excelência o lugar da aglomeração, da crítica, do processo decisório, das territorialidades nômades em constantes trocas”. (2000, p. 63-70)

URBANIDADE E RURALIDADE Em Tempos Remotos: De acordo com o texto “Diferenças fundamentais entre o mundo rural e o urbano” de Sorokin, Zimmerman e Galpin, a separação entre os habitantes das cidades antigas e o meio ambiente já se fazia perceber tendo como conseqüência a dicotomia rural-urbano. A Bíblia aponta corretamente a simultaneidade entre a origem da cidade e do ambiente artificial de muros e construções urbanas “E eles (a posteridade de Noé) disseram uns aos outros, “Vinde, façamos tijolos, e queimemo-los bem”. Os tijolos serviram-lhe de pedra, e o betume, de argamassa. Disseram: ”Vinde, edifiquemos para nós uma cidade e uma torre cujo tope chegue até aos céus” (gêneses 11:3-5). Em geral as antigas cidades do Egito, Babilônia, Assíria, Pérsia, Grécia, Roma, China, Europa medieval e outros lugares eram separadas da natureza por muros de pedra e tijolo, que chegavam a ser muito extensos e grossos, e que eram frequentemente ornados com uma série de torres altas (postos de vigia).

3

Através dos séculos percebe-se que valores diferentes foram agregados ao conceito de cidade. Segundo Raymond Williams (1921,p.388) :
[...] “a cidade está associada, nos séculos XVI e XVII, ao dinheiro e à lei, e, no século XVIII, à riqueza e ao luxo; que há uma associação persistente, chegando ao auge no final do século XVIII e no XIX, à imagem da turba, das massas; que, nos séculos XIX e XX, a cidade é associada à mobilidade e ao isolamento”.

Pensa-se que para diferenciar os conceitos de urbano e rural ambos devem ser contextualizados no mesmo período histórico. Pois o desenvolvimento desses ocorre, dentro de suas escalas, conjuntamente. E diferentes perspectivas de análise resultarão em diferentes formas de perceber o limite entre eles.

Na Revolução Industrial Com a Revolução Industrial o limite campo/cidade, tornou-se menos tangível. O crescimento das cidades gerou a necessidade de implementação de infra-estrutura, como apresenta-nos Leonardo Benévolo:
“[...] aumentam as quantidades postas em jogo; são construídas estradas mais amplas, canais mais largos e profundos, e cresce rapidamente o desenvolvimento das vias de transporte por água e por terra, o aumento da população e as migrações de lugar para lugar requerem a construção de novas casas, em números jamais vistos até agora; o crescimento das cidades requer implementos cada vez mais extensos e capazes; o aumento das funções públicas requer edifícios públicos mais amplos, enquanto a, multiplicação das tarefas e o impulso dado pelas especializações requer tipos de edificação sempre novos.“ (2004,p.35)

Com a ascensão da burguesia na cidade o campo passou a ser visto como atrasado e pouco dinâmico o que acabou por distanciar as sociedades que viviam no meio agrícola das que já faziam uso das tecnologias, nesse quadro geral o Estado teve intensa participação, como tratam Rocha e Pizzolatti:
“[...] entre os agentes urbanos, o Estado deteve papel fundamental na construção daquele momento marcado primeiro cmoo atrativo e, mais tarde, pela expansão das estruturas da cidade sobre o campo. A situação caracterizou-se tanto pela disposição de uma série de infraestruturas que por certo tempo foram exclusivamente urbanas (o acesso a serviços de saúde, educacional, à rede telefônica, elétrica e abastecimento de água, por exemplo), como também pela função catalizadora da cidade em relação aos habitantes das áreas rurais, que

4

foram incorporados ao trabalho nas fábricas e nas demias atividades urbanas.” (dezembro de 2005. p.47)

Presumem-se então, como conseqüência da Revolução Industrial dois pontos principais: a perda da centralidade econômica social e simbólica por parte do mundo rural e a visão deste como realidade arcaica enquanto as aglomerações urbano-industriais, vistas como sinal de progresso.

No processo de globalização No decorrer da história, a diferenciação entre rural e urbano vem tornandose cada vez mais complexos. Carvalho Mendes apresenta-nos a urbanização do meio rural, através da modernização do campo:
“[...] é isso que acontece quando se passa da policultura à agricultura especializada; é também isso que acontece quando se mecaniza a agricultura e se recorre cada vez mais a consumos intermédios agrícolas produzidos industrialmente; é isso que acontece quando também nas atividades agrícolas e rurais se constrói em altura, umas vezes no sentido literal do termo, outras vezes no sentido literal, com um grau de transformação industrial cada vez maior dos produtos rurais [...]” (1999, p.105-114)

Em contrapartida, Maia expõe a ruralização do meio urbano:
“As atividades rurais quando inseridas no contexto da economia citadina, não podem ser compreendidas como processos separados das funções urbanas. As referidas atividades fazem parte da economia da cidade, seja como ocupação diversificada do trabalhador urbano, seja como possível estratégia de sobrevivência ou reprodução de capital pelos praticantes de atividades rurais neste espaço [...] Assim, cabe reafimar que o crescimento da população urbana não significou uma integral ou exclusiva inserção dos indivíduos com as atividades citadinas, embora os estudos urbanos tenham desconsiderado, por vezes, esta abordagem e compreendido a população urbana como homogeneamente participante da economia urbana marcada pela dinâmica dos setores secundário e terciário.”

A cidade alimenta-se do que o campo produz, devolvendo-lhe manufaturas, serviços em autoridade política, no direito e no comércio, àqueles que comandam a exploração rural. Sendo assim, o campo precisou crescer e modernizar-se, dentro de sua escala, para acompanhar o crescimento das cidades, e essas precisaram da mão de obra proveniente do campo.

5

Com o êxodo, resultado direto dessa necessidade, além da miscigenação física, houve a miscigenação cultural, dificultando a elaboração de parâmetros exatos que definam o início e o fim da ruralidade e da urbanidade de cada comunidade, já que as populações oriundas do campo ainda conservam seus costumes primeiros por não conseguirem se engajar no ciclo do capitalismo. Isso pode ser percebido no surgimento de pequenas plantações e criações em seus próprios quintais. A partir dessa nova realidade, surgem áreas de transição chamadas subespaços, como intitulam Rocha e Pizzolatti:
“[...] o campo e a cidade, anteriormente compreendidos por suas diferenças territoriais, tanto em papéis com em relação à produção e ao consumo, apresenta de modo anômalo outro sentido no interior dos subespaços [...] a coesão entre os subespaços rurais e a cidade, acontece em diversos níveis e escalas. Essa coesão poderá ser maior ou menor dependendo dos interesses e das necessidades da urbanização e daqueles que mantêm atividades rurais na cidade, da interferência em maior ou menor grau dos agentes urbanos e, principalmente, das forças impostas pelo poder econômico do capital.”

O movimento de re-naturalização que valoriza o desenvolvimento sustentável e proteção à natureza; procura a autenticidade valorizando memórias e identidades capazes de se oporem à homogeneização que a globalização propõe; e a mercantilização das paisagens pela valorização das atividades de turismo e lazer. Atualmente a relação urbano/rural é diferente da vivida anteriormente. Existe uma busca pelo rural como forma de desopilação do ritmo acelerado vivido nas cidades. Segundo Hervieu & Viard (2001), “a cidade e o campo se casaram, enquanto ela cuida de lazer e trabalho, ele oferece liberdade e beleza”.

6

CONSIDERAÇÕES FINAIS: O meio rural vem sendo dado como em fase de extinção há muito tempo. Sempre sendo encarado como território a ser englobado pela cidade, território a ser modernizado, desenvolvido. No século XIX, Sturt relacionou o fim do ruralismo com o cercamento das propriedades privadas, tratando-o como uma mudança da organização dos modos de vida. Teorias do período da revolução industrial apresentavam a “morte” do rural, com a mecanização dos meios de produção. Porém, pode-se afirmar que o rural não teve fim e provavelmente nunca terá. O que varia é a perspectiva de análise. Para quem vive na cidade qualquer meio externo ao urbano e que não corresponda a suas características principais é rural. Já para quem vive no campo qualquer artificialização do espaço em direção à urbanidade é tida como o fim do rural. O que varia, também, são os parâmetros que definem o que é urbano e o que é rural. Atualmente, com a facilidade de deslocamento (físico ou virtual) os limites geográficos são postos em segundo plano, dando lugar às relações de troca entre os espaços que dão suporte aos fluxos econômicos e sociais.

7

REFERÊNCIAS: BENÉVOLO, Leonardo. História da Arquitetura Moderna. Nb. 3 ed., São Paulo: Editora Perspectiva, 2004. WILLIAMS, Raymond. O Campo e a Cidade: na história e na literatura. Nb. 1 ed., São Paulo: Editora Schwarcs Ltda, 1990. ROCHA, Fernando Goulart e PIZZOLATTI, Roland Luiz. Cidade: Espaço de descontinuidades. Disponível em: <http://www.rc.unesp.br>. Acesso em: 04 de junho de 2006. SOROKIN, Pitirim A.; ZIMMERMAN, Carlo C.; GALPIN, Charles J. Diferenças fundamentais entre o mundo rural e o urbano. FERRÃO, João Relações entre o mundo rural e mundo urbano: Evolução histórica, situação atual e pistas para o futuro. Disponível em: <http://www.scielo.cl/scielo.php >. Acesso em: 04 de junho de 2006. VEIGA, José Eli da. Destinos da Ruralidade no Processo de Globalização. VIANA, Masilene Rocha. Urbanidade e Ruralidade na Produção do Espaço Intra-Urbano Disponível em: <http://www.ts.ucr.ac.cr/eventos/br-cbass-con-despo-15.htm >. Acesso em: 17 de maio de 2006. MENDES, Américo M. S. Carvalho. Será que Modernidade rima com Ruralidade?

8