PROJETOS EMPREENDEDORES

APOSTILA
Profª. Ms. Meire dos Santos Lopes

Essa apostila aborda o processo empreendedor, cujo foco principal é a elaboração de Plano de Negócios e serve como material de apoio para os cursos de administração na disciplina de Projetos Empreendedores. O objetivo Capacitar o discente a decidir sobre um empreendimento e a situar-se no seu ambiente de negócios; despertar no discente o interesse em elaborar um Plano de Negócios no sentido de ampliar suas Oportunidades de sucesso dentro do mercado em que está inserido.

SUMARIO O EMPREENDEDOR...............................................................................4
. ASPECTOS REFERENTES AO EMPREENDEDOR..........................................4 1.2. CARACTERÍSTICAS DO EMPREENDEDOR.............................................4

O EMPREENDEDORISMO.......................................................................6 EMPREENDIMENTO...............................................................................9 PROCESSO EMPREENDEDOR..............................................................10 INICIANDO O PROCESSO EMPREENDEDOR.........................................13 PLANO DE NEGÓCIO...........................................................................14 ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIOS E DESENVOLVIMENTO...........18
Descrição da Empresa .............................................................................20 Estrutura Organizacional........................................................................23 Estrutura Legal......................................................................................23 Produtos e Serviços..................................................................................26 Características.......................................................................................26 Benefícios .............................................................................................27 Análise da Indústria..................................................................................27 Clientes..................................................................................................28 Concorrentes.........................................................................................28 Fornecedores.........................................................................................28 Agentes Reguladores.............................................................................28 Plano de Marketing..................................................................................33 Os 4 P`S.................................................................................................33 Estratégia Competitiva .........................................................................35 Plano Operacional....................................................................................36 Análise das Instalações..........................................................................37 Equipamentos e Máquinas Necessárias.................................................38 Processo de Produção............................................................................39

Plano de Recursos Humanos....................................................................40 Política de RH.........................................................................................40 Equipe de Gestão...................................................................................40 Organograma funcional.........................................................................40 Plano Financeiro.......................................................................................40 Balanço Patrimonial...............................................................................42 Demonstração de Resultados................................................................43 Fluxo de Caixa.......................................................................................43 Ponto de Equilíbrio.................................................................................44

CRITÉRIO DE AVALIAÇÃO DO PN.........................................................45 CADERNO DE ATIVIDADE....................................................................46 BIBLIOGRAFIA.....................................................................................55

O EMPREENDEDOR
Um empreendedor é uma pessoa que imagina, desenvolve e realiza visões. O empreendedor é aquele que detecta uma oportunidade e cria um negócio para capitalizar sobre ele, assumindo riscos calculados. Para Shumpeter, o empreendedor é aquele que destrói (destruição criativa) a ordem econômica existente, pela introdução de novos produtos, ou serviços, pela criação de novas formas de organização ou pela exploração de novos recursos, causando grandes processos de mudanças nas empresas. Segundo Cavalcanti (2002), o empreendedor é aquele que está sempre buscando as mudanças, reage a ela e a explora como sendo uma oportunidade. Ele é capaz de conviver com riscos e incertezas nas decisões. Ele inova. Qualquer indivíduo que tenha à frente uma decisão a tomar, pode aprender a se comportar de forma empreendedora.

. ASPECTOS REFERENTES AO EMPREENDEDOR

• Iniciativa para criar um novo negócio e paixão pelo que faz • Utiliza os recursos disponíveis de forma criativa transformando o ambiente social e econômico onde vive. • Aceita assumir os riscos calculados e a possibilidade de fracassar

1.2. CARACTERÍSTICAS DO EMPREENDEDOR

• Princípios éticos; (padrões de conduta, julgamento moral)

• Preocupação com o desenvolvimento contínuo; • Sólida rede de relacionamentos; • Autocrítica; • Ousadia para inovar; • Muita dedicação ao trabalho; • Perseverança; • Criatividade; • Capacidade de observação; • Desejo de conquistar o sucesso; • Busca de oportunidade e iniciativa; (ter a capacidade de antecipar-se ao fato e criar novas oportunidades de negócios); • Persistência; (enfrentar os obstáculos busca ininterrupta do sucesso).
• (Exigência de qualidade e eficiência; decidir que fará sempre

mais e melhor, satisfazendo os stakeholders). • Comprometimento; (fazer sacrifícios pessoais, despender esforços extras para complementar uma tarefa). • Busca de informações; (Interessar-se pessoalmente, por obter informações sobre clientes, fornecedores, concorrentes, etc.). • Estabelecimento de metas; assumir metas e objetivos que representem desafios e tenham significado pessoal; • Planejamento seus planos). • Independência e autoconfiança; (buscar autonomia em relação a normas e procedimentos, manter seus pontos de vista). Há dois tipos de empreendedor, o empreendedor interno e o externo. Interno é uma pessoa que atuando dentro das organizações, as inovam e as fazem crescer. Suas contribuições estão em tomar novas e monitoramento sistemáticos; (planejar, dividindo tarefas com prazos definidos revisar constantemente

5

idéias ou mesmo protótipos e transformá-los em realidades lucrativas. É o envolvimento de pessoas e processos. É aquele que busca uma visão diferente dos fatos e age. tentam criar oportunidades e não responder àquelas que são criadas por outros 6 . Externo é aquele que garante a força de crescimento e alavancagem da empresa familiar e a consolidação de novos projetos estrategicamente relevantes. através do quais produtos ou métodos de produção existentes são destruídos e substituídos por novos. suas origens. Empresas que encorajam o empreendedorismo assumem riscos. exploração de oportunidades lucrativas. Empreendedorismo pode ser um processo de “destruição criativa”. O EMPREENDEDORISMO Empreendedorismo é um neologismo utilizado para designar os estudos relativos ao empreendedor. Empreendedorismo pode ser um mecanismo importante para criar mudanças e ajudar as empresas a adaptar-se ás mudanças criadas por outras. seu universo de atuação. em vez de ficar observando e esperar as coisas acontecerem. é aquele que dá origem à empresa. Empreendedorismo é a criação de valor por pessoas e organizações trabalhando juntas para implementar idéias por meio da aplicação da criatividade. são comprometidas com a inovação e agem de maneira proativa (isto é. seu sistema de atividade. capacidade de transformação e o desejo de tomar aquilo que comumente chamaria de risco (Relatório Accenture 2001). È a preocupação com o novo. por meio da otimização da capacidade de inovação.

novos mercados. • O empreendedorismo se comunitário. • O financiamento de organizações emergentes e daquelas ameaças de desaparecimento (dinheiro barato. • A criação de empresas. • Aproveitamento das novas oportunidades. criação e busca de oportunidades para empresas existentes e novas (atualização tecnológica. • Reconhecer uma nova oportunidade. • A geração do auto-emprego (autônomo – profissional liberal). Atividades do empreendedorismo • A disseminação da cultura empreendedora no sistema de ensino formal em todos os níveis (despertar o empreendedorismo desde cedo). • A sensibilização das forças da sociedade para a importância do empreendedorismo e da pequena empresa (70% de empregos). • A identificação. Banco do povo). novos produtos). • A disseminação da cultura empreendedora e o apoio à ação empreendedora entre grupos sociais. • É o impulso fundamental que matem em funcionamento o mercado. • Aquele que destrói (destruição criativa). para em que a sociedades adversidade desfavorecidas articulam enfrentar (associação de moradores). tais como desempregados e minorias aliados.Palavras chaves do empreendedorismo • O empreendedorismo é considerado uma atividade geradora de valor. 7 . • Satisfaz as necessidades. • Uma administração diferente daquela que existe. • Cria valor para a sociedade. BNDS.

autonomia. incentivos fiscais e infra-estrutura). abrangendo práticas econômicas. de financiamento etc. Importância do empreendedorismo na atual conjuntura Considerando que: • Nos últimos anos. como também a prática e o convívio grupal. é urgente que se avalie os 8 e utilidade. • O estabelecimento de redes de relações com universidade e com todas as forças sociais (pesquisa e desenvolvimento. • Que o ensino das disciplinas devem possibilitar ao aluno uma visão histórica. tributárias. criatividade. • Desenvolver habilidades. • Um dos grandes papéis da Universidade é preparar o aluno para o exercício profissional. e também. além de formar o cidadão. o mercado de trabalho sofreu profundas transformações e passou a exigir um profissional que saiba agir com independência. política e social em que a Escola. bem como o seu caráter . • A promoção do desenvolvimento econômico local (novas instalações. flexibilidade. (governantes). para o mercado de trabalho. não só através de literaturas.• O intra-empreendedorismo (intrapreneurship) ou estudo do papel do empreendedorismo em grandes organizações. compromisso e colaboração. • O curso deverá promover o desenvolvimento de competências e habilidades compatíveis com os modelos de organização e gestão praticados pelas organizações. contextualizada. amplitude de relacionamentos para o crescimento da organização). • A formação do profissional não deve estar desvinculada da realidade econômica. • A concepção e adoção de políticas públicas de apoio e suporte à criação de empresas. legais. além de compreender a sua aplicabilidade multidisciplinar. os seus alunos estão inseridos.

• Sociedade num empreendimento em funcionamento. racional ou intuitivamente.conteúdos e as metodologias de ensino utilizadas em nossas instituições de ensino. da percepção e analise de atividades. • Compra de uma empresa em funcionamento. tendências e desenvolvimentos. O nascimento de um empreendimento passa pelo processo empreendedor. • Franquia. Principal objetivo do empreendedorismo O empreendedorismo deve conduzir ao desenvolvimento econômico. muito utilizada quando não se conhece o ramo. além de diluição de riscos. gerando e distribuindo riquezas e benefícios para a sociedade. atuais e futuras e as necessidades não atendidas definem a idéia do empreendimento. EMPREENDIMENTO A concepção do empreendimento nasce de habilidades de inovar ou criar novas formas de negócio. • Sociedade num novo empreendimento. a idéia de empreender é concretizada de cinco formas: • Montagem de um empreendimento. a aptidões pessoais ou a um somatório de todos esses fatores. o que economiza muitas etapas e estudos. 9 . das necessidades e as demandas prováveis. na sociedade. O empreendimento surge a partir da observação. ambientais e sociais. na cultura. pela decisão de tornar-se empreendedor. O processo empreendedor inicia-se quando um evento gerador desses fatores possibilita o início de um novo negócio. Normalmente. Esse processo é motivado por fatores externos. que são críticos para o surgimento e o crescimento de uma nova. nos hábitos sociais e de consumo. As oportunidades detectadas ou visualizadas.

é durável e baseia-se em necessidades insatisfeitas. comprometimento de tempo e esforço necessário para fazer a empresa crescer.Desenvolver o Plano de Negócios 10 . etc. de valor.PROCESSO EMPREENDEDOR O processo empreendedor envolve as funções. As oportunidades surgem em função da identificação de um desejo e necessidades insatisfeitas. perfil individual. São elas: Fase I . Tem algo de novo e atende a demanda dos clientes representado um nicho de mercado. Requer devoção. está na mente e no coração da pessoa. são simples na sua concepção. A oportunidade é uma forma de olhar. normalmente provêm da nossa experiência. exigem grandes esforços. motivação.Identificar e Avaliar a Oportunidade A oportunidade é uma idéia que está vinculada a um produto ou serviço que agrega valor ao seu consumidor. estão em qualquer lugar. Para empreender o empreendedor passa por três etapas: a criatividade. intuição. essas etapas se materializam em quatro fases que compõe o processo empreendedor. Para identificar uma oportunidade é preciso ter a capacidade de ver o que outros não vêem. a modelagem do negocio e a realização. Fase II . é preciso ousadia e ânimo apesar das falhas e erros para assumir os riscos calculados e decisões críticas tomadas. são atraentes por que adiciona valor para o cliente. devem se ajustar ao perfil do empreendedor (algo que pode ser uma oportunidade para uma pessoa não pode ser pra outra) por vários motivos (Know-how. relações. atividades e ações associadas com a criação de novas empresas. é atrativa. seja através da inovação ou da diferenciação. criação de algo novo.). quando se procuram aplicações (problemas) para novas descobertas (soluções).

como de curto ou de longo prazo. Aborda a organização como um todo e focaliza o futuro e o destino. e avaliação das forças e limitações do empreendimento / organização. tático e operacional. Ação departamental Tempo: Médio Prazo 11 . Amplitude: Macro orientado. e pode ser classificado segundo sua amplitude no tempo e na organização da empresa. é planejar o que se pretende fazer) e consiste na tomada antecipada de decisões que funcionam como guias ou balizamentos para assegurar que: • o empreendimento obtenha e reúna os recursos necessários para alcançar os seus objetivos e os integre em um esquema organizacional que garanta coordenação e integração. Focaliza o mediato. • os membros da organização possam trabalhar em atividades consistentes rumo a esses objetivos e através de procedimentos escolhidos.O desenvolvimento do plano de negócio é o planejamento do que se pretende fazer. definida como um processo de estabelecer objetivos e decidir o modo como alcançá-los. • o alcance dos objetivos possa ser monitorado e avaliado em relação a certos padrões para proporcionar a ação corretiva necessária caso o progresso não seja satisfatório. (O planejamento é uma função administrativa. Tempo: Longo Prazo Tático / Intermediário Conteúdo: Amplitude: Interpretação Aborda cada das decisões estratégicas em em planos concretos e. Estratégico / Institucional Conteúdo: Mapeamento ambiental. estratégico. ou seja. O planejamento se distribui entre todos os níveis organizacionais. nível departamental unidade organizacional separado.

planos financeiros. planos de recursos humanos. Fase III . habilidades individuais dos funcionários patentes.Geralmente os planos táticos se referem aos planos produção. governos ou . • Programas – são planos relacionados com o tempo (programações). incubadoras? Fase IV .Gerenciar a empresa criada • Definir um estilo de Gestão. plano de marketing. Focaliza o presente Tempo: Curto Prazo Os planos operacionais podem ser classificados em quatro tipos: • Procedimentos métodos.Determinar e captar os recursos necessários Recursos são os inputs ao processo de produção da empresa. • Orçamentos dinheiro. bancos. capitalistas de riscos. Aborda cada operação (atividade) em separado. parentes. • Identificar fatores críticos de sucesso • Identificar problemas atuais e potenciais • Implementar um sistema de controle 12 – planos operacionais relacionados relacionados com com – são planos operacionais Recursos Pessoais? Recursos de amigos. Nesta fase. o empreendedor deve determinar quais são os recursos necessários e como irá obter esses recursos. como equipamentos importantes. • Regulamentos – são os planos operacionais relacionados com comportamentos das pessoas. etc. finanças e gestores de talento. Plano Operacional Conteúdo: Desdobramento dos planos táticos de cada departamento em planos operacionais para cada tarefa Amplitude: Micro orientado.

3. Análise do perfil do empreendedor. tecnológicos. políticas governamentais e setoriais que envolvem o ramo). comportamentos empresarias (competitivos ou empreendedores). defini-se o ramo de atividade. e esta. motivação: custos e benefícios. nove passos compreendem a preparação do planejamento. derivações de experiências. observação de necessidades específicas. melhoria. ou por outras afinidades. São eles: 1. é a modelagem do negócio a partir da observação dos aspectos ambientais (sociais. 2.• Profissionalizar a gestão • Entrar em novos mercados ATIVIDADE: Aplicar uma atividade onde os alunos possam identificar as etapas do processo empreendedor Sugestão: Filme “Piratas do Vale do Silício” ou Estudo de Caso “China in Box” OBS> Ver atividade no final da apostila pag. interações (entre os elementos do sistema). 13 . deve ser formada pela confluência entre uma demanda de mercado e os atributos do empreendedor. 43 INICIANDO O PROCESSO EMPREENDEDOR A concepção do negócio surge a partir da oportunidade identificada. Portanto. concorrência no mercado selecionado (participantes do mercado). contradições. Tipo de negócio. após identificar a oportunidade e decidir-se pelo empreendimento. origens. econômicos. tecnologia (estágio em que se encontra e tendências). ecológicos. Modelo do sistema. inovação. o que o cliente quer). fornecedores. mercado e clientes (potencial de mercado.

estratégias. 7. definição da forma de financiamento (capitais próprios. é por meio de uma PN que o empreendedor 14 . interações internas e externas) 6. a empresa. estrutura. sistema. regras do negócio. compreendendo o sistema global.financiamento. 4. 8. restrições) e avaliação global do negócio. plano B. de terceiros) 9. liderança de custos. Contingências e hipóteses alternativas. Estratégia. condições de equilíbrio (relações entre porte. barreiras. Financiamento e recursos. Modelo da empresa. sistema de organização. processos de produção. a estrutura e a complexidade. Avaliação de equilíbrio. diferenciação. PLANO DE NEGÓCIO O Plano de Negócios (Business Plan) é parte fundamental do processo empreendedor. o porte. ao mercado e a atratividade econômica). reavaliação de equivalência entre o sistema. se define pelos desdobramentos de planejamentos operacionais e táticos (sistema de fornecimento venda e distribuição.) 5. avaliação das situações alternativas e algumas probabilidades de mudanças em condições vitais. definem-se objetivos qualitativos e alguns quantitativos de forma a gerar subsídios á modelagem da empresa (estratégia de foco. etc. Viabilidade econômica. estudos das variáveis que podem afetar o negócio. os recursos. riscos e atratividades (quanto ao ramo. os objetivos. levantamento do total de recursos necessários para o empreendimento e estimativa de resultados.

mostrando como a empresa pretende chegar lá. O PN é um instrumento que permite ao empreendedor condensar as informações que são obtidas no mercado buscando sensibilizar os parceiros e os investidores. Importância do Plano Negócio O PN serve como uma ferramenta que se aplica tanto no lançamento de um empreendimento quanto no planejamento de empresas maduras. O conceito básico do plano de negócios como ferramenta é o planejamento. requer conhecimentos sobre o negócio e o contexto mercadológico. o empreendedor dever expor suas idéias em uma linguagem que os leitores do plano de negócios entendam e. principalmente. criatividade.planeja suas ações e deve delinear as estratégias da empresa a ser criada. 15 . solicitação de bolsas ou recursos financeiros de órgãos do governo. oportunidades. A principal utilização do plano de negócios é a de prover uma ferramenta de gestão para o planejamento e desenvolvimento inicial de uma empresa. capacidade de superar obstáculos. é uma forma de planejamento que obriga a reflexão sobre os pontos vitais do negócio. riscos e retornos. que mostre viabilidade e probabilidades de sucesso em seu mercado. habilidades para lidar com assuntos técnicos e legais. ingressos em uma incubadora de empresas. esse planejamento permite ao empreendedor verificar as influências ambientais incidentes sobre o novo negócio e minimizar os riscos do empreendimento. Deve ser atualizada constantemente e ser claro quanto à viabilidade de se atingir uma situação futura. percepção gerencial. contexto e mercado. que trata essencialmente de pessoas. Deve descrever um empreendimento e o modelo de negócios que sustenta a empresa. é preciso ser escrito de forma clara e objetiva. Geralmente são escritos como parte dos requisitos de aprovação de um empréstimo. capacidade para vencer barreiras no relacionamento interpessoal. portanto. também é um instrumento de captação de recursos financeiros junto à capitalista de riscos. iniciativa.

associações. etc. investidores. etc. 16 . isso por que com o plano de negócios é possível: • Entender e estabelecer diretrizes para o seu negócio • Gerenciar de forma mais eficaz a empresa e tomar decisões acertadas • Monitorar o dia-a-dia da empresa e tomar ações corretivas quando necessário • Conseguir financiamentos e recursos junto a bancos.ao fazer o Plano de Negócios o empreendedor estuda a viabilidade de seu projeto sob todos os aspectos. • Identificar oportunidades e transformá-las em diferencial competitivo para a empresa • Estabelecer uma comunicação interna eficaz na empresa e convencer o público externo (fornecedores. investidores. governo.Razões para se escrever um Plano de Negócio: A principal razão é a lucratividade. clientes. tais como: • Testar a viabilidade de um conceito de negócios • Orientar o desenvolvimento das operações e estratégias • Atrair recursos financeiros • Transmitir credibilidade • Desenvolver a equipe de gestão Finalidades do Plano de Negócio: Diminuição os riscos do empreendimento . parceiros. capitalistas de riscos.) Objetivos do Plano de Negócio O plano de negócios deve ser escrito para atender alguns objetivos básicos relacionados aos negócios. se a empresa dispõe de um planejamento adequado ela deverá lucrar mais. bancos. Sebrae.

17 . imóveis.Forma de Linguagem . • A empresa internamente: para comunicação da gerência com o conselho de administração e com os empregados (efetivos e em fase de contratação). bancos de investimento. etc.): Universidades. investidores. O planejamento adequado do negócio desde sua concepção aumenta suas possibilidades de sucesso devido a: • Realismo nas Análises. • Parceiros: para definição de estratégias e discussão de formas de interação entre as partes • Bancos: para outorgar financiamentos para equipamentos. das incubadoras (SEBRAE. matéria-prima e formas de pagamento. A empresa vale à pena. governo. Reflexão – serve como instrumento de reflexão para o empreendedor. etc. Associações financiamentos a estas. sócios. Sendo estes. para outorgar Governo. pessoas jurídicas. • Investidores: empresas de capital de risco.é utilizado como forma de linguagem para comunicação entre o empreendedor e todos os seus parceiros. • Sócios: para convencimento em participar do empreendimento e formalização da sociedade. empregados. bancos. • Fornecedores: para negociação na compra de mercadorias. BNDES. • Realismo nos objetivos e metas. capital de giro. contadores. etc. expansão da empresa. • Os clientes: para venda do produto e/ou serviços e publicidade da empresa. etc. Público-Alvo de um Plano de Negócios: • Mantenedores Prefeituras. agências governamentais de financiamento. Angels. é o negócio que sonhei? O PN é um espaço onde os erros saem mais baratos.

sistema.• Conhecimento profundo do ramo e variáveis do sistema. é preciso deixar claro como a empresa é organizada. • Testes de narrativa e números plausíveis e viáveis. Mas qualquer plano de negócios deve possuir um mínimo de seções as quais proporcionarão um entendimento completo do negócio por parte do leitor. • Equilíbrio e encadeamento de todos os aspectos. seu mercado. sendo impossível definir um modelo padrão de plano de negócios. seus objetivos. • Ideia ampla e clara do negócio. A recomendação é de que o plano de negócios seja escrito de acordo com as necessidades do seu público-alvo e além do plano escrito é importante a elaboração de uma boa apresentação para esse público-alvo em questão. o que vamos vender e a quem? • Sobre o mercado: Quem são os concorrentes e qual será o diferencial da empresa? • Sobre a estratégia: Para onde vai a empresa e como fazer para atingir? • Sobre as finanças: quanto será necessário? Como financiar? Que resultados se esperam? 18 . ESTRUTURA DO PLANO DESENVOLVIMENTO DE NEGÓCIOS E Não existe uma estrutura específica para se escrever um plano de negócios. uma apresentação objetiva e que não demore mais de 30 minutos. O Plano de Negócios deve responder e abranger basicamente seis questões: • Sobre a empresa: Quem somos. seus produtos e serviços. • Congruência entre visão. sua estratégia de marketing e sua situação financeira. pois cada negócio tem particularidades e semelhanças. estratégia e estrutura.

5.3.2. 3.4. 3.1. 5. 2. 4. 3.2. Produtos e Serviços 3. 7. 1. 4. Praça. 5.1.• Sobre as pessoas: Qual a capacidade de gestão e conhecimento? • Sobre os riscos: Quais são eles? Estrutura do Plano de Negócio Capa Sumário Sumário Executivo 1. 6. Promoção Estratégia Competitiva Análise das Instalações Equipamentos e Máquinas Necessárias Processo de Produção Terceirização / Parcerias Política de Recursos Humanos Equipe de Gestão Balanço Patrimonial 19 2. Plano Operacional 6. 6.2.4. Análise da Indústria 4. Plano de Recursos Humanos 7.1.1.1.3. 2.2. Preço. 3.1.2. Descrição da Empresa 1. Plano de Marketing 5.1. Estrutura Organizacional Estrutura Legal Características Benefícios Clientes Concorrentes Fornecedores Agentes Reguladores Produto. Plano Financeiro .2. 5.

a missão. Demonstração de Resultados Fluxo de Caixa Ponto de Equilíbrio ATIVIDADE (em sala) 1) Formar os grupos do trabalho 2) Decidir sobre o que planejar 3) Qual a razão social da empresa Descrição da Empresa A descrição da empresa deve informar o modelo de negócio e a natureza do negócio.4. e ajuda a difundir o espírito da empresa. é interessante oferecer detalhes sobre o empreendimento. Texto que explica as intenções e aspirações da organização.2.3. Esse tópico pretende identificar de forma clara e objetiva. e orientação necessários para ajudar nossos clientes a alcançar o melhor desempenho.7. 7. qual é a proposta? self-service (a kg ou preço único) ou à la carte? O empreendedor também deve definir ainda neste tópico. A missão organizacional é a finalidade da organização ou a razão pela qual ela existe. Questões facilitadoras – Missão • • • Quem somos nós? O que fazemos? (Qual é o nosso negócio?) Por que fazemos? (necessidade a atender) 20 . treinamento. o ramo em que pretende atuar. Portanto. Ex: fornecer consultoria. os objetivos da empresa. É a razão de ser da organização. 7. a visão. Exemplo: se deseja montar um restaurante.

(John Kennedy). por isso. A Visão é a imagem que a organização tem a respeito de si mesma e do seu futuro.• Com que finalidade? (Grupos de interesses) Declaração da missão deve ser: • • • Definida de modo formal. Está voltada para aquilo que a organização pretende ser. (escrito) Declaração de propósito genérica. A missão serve como referencial básico para a definição dos objetivos e estratégias. é necessário que seja repensada periodicamente em função das mudanças no contexto do negócio. É um compromisso com o presente e futuro. a um preço acessível. 21 . (McDonald´s). Que atenda os propósitos dos stakeholders. É um desafio para o futuro. È o ato de ver a si própria no espaço e no tempo. A missão define a razão de ser de uma organização. em torno do qual deverá ser definida a direção a ser seguida. bem servida. à lua e o traremos de volta. Exemplos: Satisfazer o apetite do mundo inteiro com boa comida. mas de como a organização vai poder atendê-las. Percepção não só das necessidades do mercado. A pergunta é: aonde quero chegar? A visão expressa um “sonho”. É a função que esta deve desempenhar de forma a garantir a continuidade do negócio e a concretização da visão. mas duradouro. devendo ter um conteúdo altamente positivo e inspirador de forma a estimular todo o potencial da organização. Exemplos: Até o final da década levaremos o homem. representa o destino que se pretende transformar em realizada.

os objetivos devem ser definidos como um estado futuro que se pretende atingir. Desafiadores.). são resultados específicos que se pretende alcançar em um determinado período de tempo. Exemplos: Aumentar em 30% a carteira de clientes da empresa. Relevantes. È um estado futuro desejado.Ser reconhecida como a empresa mais criativa e de maior excelência no atendimento das necessidades do mercado doméstico de acondicionamento de materiais (Plastic Embalagens Ltda. porém desafiadores e estimuladores. Realísticos. e os objetivos organizacionais é um estado desejado que a organização pretende atingir e que orienta seu comportamento em relação ao futuro. Priorizados e ter um sistema adequado de avaliação e controle dos resultados. Os objetivos individuais são situações desejadas que cada pessoa pretende alcançar. podem ser individuais ou organizacionais. amplamente divulgados. 22 . Mensuráveis. Motivadores. Os objetivos organizacionais representam os fins genéricos desejados. Claros. entendidos e aceitos. Neste contexto. Enquanto a missão define qual o negócio da organização os objetivos estabelecem resultados concretos que se deseja alcançar dentro de um específico prazo de tempo. e se tem real possibilidade de fazê-los. • • • • • Satisfazer os interesses dos stakeholders. para os quais são orientados os esforços da organização. Devem ser: • • • • Coerentes com a missão da organização.

cereais. basicamente.Os objetivos têm grande importância devido às mensagens internas e externas que enviam às pessoas. em: Agropecuário: cuja atividade principal refira-se á produção de hortaliças. È desejável que se relacione as principais áreas da empresa. plano operacional e capacidade produtiva e/ou comercial. perfil do profissional. ATIVIDADE Descrever a empresa e sua estrutura organizacional Estrutura Legal Para definir a estrutura legal da empresa. O empreendedor deve ter em mente os seguintes aspectos: localização e infra-estrutura. por que afetam o comportamento das pessoas interno e externamente e proporcionam benefícios para a organização. suas atribuições e o número de funcionários sob sua supervisão. Os negócios podem ser classificados quanto ao setor de atividade. principais posições. Neste tópico o empreendedor descreve como a empresa está organizada internamente. Estrutura Organizacional A estrutura organizacional é representada por meio de um organograma funcional da empresa (seu corpo orgânico). número de funcionários. 23 . é preciso enquadrá-la quanto ao setor de atividade em que está inserida ou pretende se inserir.. e/ou á criação e ao tratamento de animais. frutas. etc. quanto ao tamanho e a sua contribuição jurídica.

Industrial: cuja atividade principal diga respeito à transformação de matérias-primas visando à produção de produtos acabados. Comercial: cuja atividade principal refira-se á venda de produtos acabados. tratar-se á de comércio atacadista (distribuidores em geral: de alimentos.) se a venda for feita aos varejistas. etc. lazer. número de funcionários etc. Quanto ao tamanho (porte) as empresas classificam-se em microempresas.00 Microempre R4 240. etc.) e servem para classificar a empresa para efeito de registro. etc. mediante a compra do produtor. de vestuário. saúde. professores). tratarse á de comércio varejista (supermercados. bancos. fastfoods. Se a venda for feita diretamente aos consumidores.) Construção: contratantes de edificações. valor de ativos.000. São vários os critérios utilizados para classificação (faturamento. hospitais. isenções tributárias. serviços de manutenção de edifícios. como transporte. Isto é. não há a produção de mercadorias. açougues.Classificações utilizadas para definir o tamanho da empresa Parâmetro Receita anual bruta Simples Nacional Número de Microempre sa Porte da empresa Empresa Empresa de pequeno porte R$ 240. empresa de pequeno porte. Prestação de Serviços: cuja atividade principal seja o oferecimento do “próprio trabalho” ao consumidor. engenharia de construção. (Ex. etc.00 Empresa de médio porte Empresa Empresa de Empresa de grande porte 24 . consultores. escolas. livrarias. Quadro 1 . etc. educação.000. mas atividades profissionalizadas. escritórios de advocacia. de médio porte e de grande porte. obtenção de Crédito.

5 milhões 6 a 30 US$ 1. Plano de Negócios Passo a Passo: transformando sonhos ATIVIDADE (extraclasse) 1) Verificar qual a Estrutura Legal para o tipo de empreendimento escolhido 2) Pesquisar: Consumidor – A clientela (Definição do Nicho de Mercado) Entre outros fatores importantes na análise dos clientes/público-alvo é importante pesquisar: Qual o tamanho da clientela-alvo? Qual a demanda pelo produto ou serviço? Perfil (faixa etária. Adonai José.de Funcionários SEBRAE (indústria) SEBRAE (Comércio e Serviço) Receita anual Bruta e número de funcionários MERCUSUL (Indústria) MERCOSUL (Comércio e Serviço) em negócios.)? Quais os hábitos de compra dos consumidores? Como eles gostariam que o produto / serviço chegasse até eles? 25 . renda.5 milhão Empresa de Médio Porte 41 a 200 US$ 20 milhões 31 a 80 US$ 7 milhões 201 ou mais Mais de US$ 20 milhões 81 ou mais Mais de US$ 7 milhões Empresa de Grande Porte Fonte: Lacruz. 2008 de Médio Porte 100 a 499 500 ou mais Grande Porte sa Pequeno Porte 1 a 19 20 a 99 1 a 19 10 a 49 50 a 99 100 ou mais Empresa Microempre sa de Pequeno Porte 1 a 10 US$ 400 mil 1a5 US$ 200 mil 11 a 40 US$ 3. etc. escolaridade.

Por exemplo: uma sorveteria tem como pico de vendas no período de verão e uma queda acentuada no consumo desse produto em meses de climas mais frios. O setor possui sazonalidade no consumo? A sazonalidade está ligada diretamente a variação da demanda dos produtos/serviços da empresa. Esta análise pode ser estendida para que tipo de empresa (porte.Quais atributos eles consideram importantes (benefícios. pode ser atendida pelo produto/serviço. estilo de vida. número de clientes/clientes potenciais dentre outras variáveis. estadual e municipal. costumes. dados. órgãos do governo federal. sexo. sindicatos. Segmentação – (Dimensione seu mercado principal) As informações quanto ao raio de atuação da empresa. com os concorrentes ou ainda em pesquisas de mercado junto ao mercadoalvo. indústria). etc. tamanho de mercado. Produtos e Serviços Descrição dos produtos e serviços da empresa. Características 26 . associações comerciais e de classes. comércio. de podem ser obtidas através da consulta em bancos de censos econômicos e demográficos. valor agregado)? Que preços estariam dispostos a pagar? O empreendedor precisa identificar o mercado potencial significa identificar seu público principal – para quem você pretende produzir. ramo de atuação. publicações especializadas do setor. (região. prestar serviços. nível de faturamento. renda). vender. suas características e principais benefícios para o cliente.

Análise da Indústria A da indústria ou análise setorial visa identificar as ameaças e oportunidades a partir do macroambiente. Oportunidade: antevisão de uma situação futura potencialmente favorável à empresa. que podem ser potencializadas para otimizar seu desempenho. probabilidade de sucesso.As características são a forma de uso e especificações em que o produto ou serviços se difere da concorrência. é claro) Forças são características internas da empresa. ATIVIDADE: 1) Descrever a estrutura legal da empresa 2) Descrever as características e benefícios do produto / serviço. que a probabilidade de ocorrência poderá enfraquecer a posição competitiva da empresa e restringir sua capacidade de realizar sua visão (se nada for feito a respeito. 27 . tangíveis ou não. Benefícios O que o produto ou serviço tem de especial para oferecer aos clientes em termos de benefícios. Aqui é importante expor as características únicas do seu negócio. cujo aproveitamento poderá contribuir de forma significativa para a realização da visão da empresa. Ameaças: Antevisão de uma situação potencialmente desfavorável.

tangíveis ou não. avaliam ou fiscalizam as ações da organização.Fraquezas são características internas da empresa. ou seja. as associações de 28 . Conhecer os concorrentes e saber lidar com eles é tarefa vital para a organização. São os órgãos fiscalizadores do governo. serviços e informação a organização. os sindicatos. energia. normatizam. Clientes São os elementos do ambiente de tarefa que compraram ou adquirem os produtos ou serviços. absorvem os resultados ou saídas da organização. que devem ser minimizadas para evitar influências negativas sobre seu desempenho. encantá-los tornou-se hoje a mais importante tarefa da organização Concorrentes São os elementos que disputam no ambiente de tarefa as mesmas entradas (fornecedores) e as mesmas saídas (clientes) da organização. Servir os clientes e. Fornecedores São os elementos do microambiente que proporcionam entradas ou insumos na forma de recursos. sobretudo. monitoram. São necessários para que a organização possa produzir bens e serviços Agentes Reguladores São os elementos do microambiente que regulam.

guerras de propaganda. tais como: • • • • • • • Quantidade e equilíbrio entre os concorrentes. quando os produtos ou serviços comprados 29 . focando as cinco forças desse ambiente em termos de características. Custos fixos altos em relação ao valor adicionado. Problemas de economias de escala. A rivalidade intensifica-se na presença de certos fatores estruturais. tornando a rivalidade mais instável. isso acontece quando a competição é no mesmo setor forçando os preços para baixo em detrimento da lucratividade do setor. por meio de estratégias como concorrências de preços. lançamentos de novos produtos. A análise de microambiente consiste em um processo de estudo focado no mercado / setor em que a empresa atua. desenvolvimento e tendências. Aspectos básicos das cinco forças estabelecidas por Porter: A rivalidade entre empresas dentro de um mesmo setor tem a forma tradicional de manobras para obter posição. Isso acontece quando o processo é concentrado. bem como crescentes serviços e garantias ao cliente. os grupos de interesses e todas as entidades de cunho regulador. O poder de barganha dos compradores. as associações de proteção ao consumidor. associações de classe.usuários. Disposição por parte de alguns concorrentes de correr riscos elevados. • Altas barreiras de saída da empresa do setor. Ausência de diferenciação e/ou de custos de troca. Diversidade comportamental entre os concorrentes. Crescimento baixo do setor.

recursos substanciais puxando os preços para baixo reduzindo a lucratividade Análise do Ambiente Interno A análise do ambiente interno consiste em analisar os pontos fortes e pontos fracos da empresa. são novas empresas concorrentes que podem entrar no setor trazendo nova capacidade. O poder de barganha dos fornecedores que procuram subir os preços ou reduzir a qualidade dos produtos e serviços. tanto mais ameaçados serão os lucros do setor afetado. A ameaça de novos entrantes. • Seus produtos ou serviços são diferenciados. frequentemente. quando os produtos ou serviços são padronizados sem diferenciação. Quando o produto ou serviços é um insumo importante no negócio do comprador. desejo de conquistar da empresa. Quanto mais atrativa for a opção de preço oferecida ao mercado pelos substitutos. os fornecedores poderosos podem comprimir a lucratividade de um setor que não tenha capacidade de repassar seus aumentos de custos para seus clientes. Não está obrigado a lutar contra produtos substitutos. Isso acontece quando: • • • Poucas empresas dominam o setor. e etc. quando todas as empresas de um setor estão competindo com setores que oferecem produtos / serviços substitutos. A ameaça dos produtos ou serviços substitutos. fatias de mercado e. etc. Exemplo: Pontos Fortes: 30 .no setor representam parcela significativa de seus custos ou das compras.

seleção de bons locais de varejo. capacidade exposição para e o desenvolvimento dos de novos de produtos. com baixos custos operacionais. Ex: excelência na fabricação de um produto de alta qualidade. perícia em tecnologias múltiplas visando criar novos produtos. capacidade de proporcionar melhores serviços pós-venda. habilidade com os clientes para novas aplicações e uso do produto. programas de alta qualidade para treinamento dos empregados. 31 .custo competitivo Boas campanhas de propaganda e promocionais Inovação de produtos e serviços Capacidade gerencial comprovada Curva de experiência consistente Capacidade de fabricação Habilidade tecnológica superior Competência básica. A competência é compreendida como um capital estratégico para a organização. detecção de novas tendências do mercado. quando representa diferencial competitivo na natureza de suas interações com o ambiente competitivo. maneira comercialização produtos habilidosa. alta eficiência operacional.plano estratégico bem feito Consegue economias de escala Capacidade de defesa contra a concorrência Tecnologia patenteada . sistema preciso de pesquisa junto aos clientes.• • • • • • • • • • • • • Recursos financeiros – capacidade financeira Boa imagem junto aos clientes Líder de mercado . domínio de uma tecnologia importante.

Solicitar a formação de grupos 2. Solicitar aos alunos que faça uma análise SWOT / FOFA 3.Pontos fracos • • • • • • • • • • • Falta de rumo estratégico claro Instalações obsoletas Falta de talento gerencial Falta de habilidade chave e de competência para o negócio Problemas operacionais internos Atrasada em pesquisa e desenvolvimento (p&d) Linha de produtos muito reduzida Rede de distribuição fraca Habilidade de comercialização fraca e de baixa competência Custos mais altos que a concorrência Lucratividade abaixo da média do mercado em que atua ATIVIDADE (em sala) 1. 45 ATIVIDADE (extraclasse) 32 . Duração: 4 horas OBS> Ver atividade no final da apostila pag. Corrigir no mesmo dia. Sugestão: Case – “Casas Bahia” e “Magazine Luiza” 4.

voltada para o conhecimento de clientes. O empreendedor deve 33 . em que faz o planejamento da forma como a empresa oferecerá seus produtos ao mercado. em estilo. Toda empresa deve concentrar esforços para alcançar desempenho superior em uma determinada área de benefício para o consumidor. uma empresa quer gerar receita. o mercado.Solicitar aos alunos que faça a análise da indústria do seu empreendimento. e pela Estratégia de Marketing. as tendências. concorrentes. a forma de comercialização. preços. fornecedores e ambiente em que a empresa pretende atuar. para saber se o negócio é realmente viável. visando otimizar usas potencialidades de sucesso O plano de marketing é o processo de planejamento de uma organização que busca realizar trocas com o cliente. distribuição e divulgação dos produtos. em qualidade. concorrentes e vantagens competitivas. pode esforçar-se para ser líder em serviços. Plano de Marketing O Plano de Marketing é constituído pela análise de mercado. Aqui será descrito o setor. em tecnologia etc. Cada um tem interesses específicos: o cliente quer satisfazer suas necessidades. Os 4 P`S Produto (Posicionamento no mercado) O empreendedor deve deixar claro qual o valor ou benefícios adicionais que seus clientes obtêm quando escolhem sua empresa em lugar da concorrência.

Propaganda / comunicação Como será feita a divulgação. pode-se enfatizar o fator preço. Por exemplo. meios a ser utilizados de comunicação a ser utilizado pelo empreendedor. 34 . É interessante listar um ranking de preços que permita um comparativo com a concorrência. o empreendedor deve buscar subsídios (em outras partes do próprio plano de negócios) para demonstrar que existe harmonia entre as diversas estratégias propostas. marca. garantia/assistência técnica. benefícios potenciais ao cliente etc. porque é muito difícil liderar em todas as áreas. qualidade. Preço Neste item será indicada a estratégia de preços a adotada pela empresa e as margens de lucro praticadas. Aqui o empreendedor deve explicitar o argumento central de venda que irá adotar. o cliente estará disposto a pagar por esta maior margem? Por quê? Enfim. Praça (canais de distribuição) Descreve-se aqui qual o público-alvo ao qual o produto/serviço será dirigido e como será apresentado para venda. O empreendedor deve demonstrar a lógica de sua estratégia: Por que o preço praticado é efetivamente o melhor preço em termos de resultado para a empresa? É melhor porque permite maior volume de vendas? É melhor porque oferece maior margem de lucro? Neste segundo caso.identificar a vocação de sua empresa e enfatizá-la. o que será enfatizado em seu produto/serviço como ponto forte para que ele seja atrativo para o seu público alvo. ou seja.

Cada uma dessas estratégias deve ser projetada para dar à empresa uma vantagem competitiva. Estratégia de liderança de custo: é um conjunto integrado de ações destinadas a produzir ou fornecer bens ou serviços ao menor custo. com características aceitáveis pelo cliente. Porter sugere três estratégias genéricas gerais que deve ser consideradas: liderança de custo. analisar o ambiente e procurar entender o comportamento desse mercado. no melhor posicionamento da empresa perante seu ambiente” (Oliveira. é a escolha de um caminho de ação a ser seguido por toda a empresa no ambiente onde está inserida. contexto. O conceito básico da estratégia está relacionado á ligação da empresa ao seu ambiente. diferenciação e enfoque. de forma adequada e. 2005:28) Para formulação da estratégia o empreendedor deve observar o mercado. para estabelecer a estratégia empresarial. relativamente á concorrência. os objetivos idealizados para o futuro.Estratégia Competitiva Definição da estratégia competitiva. deixar de identificar mudanças nas necessidades dos clientes e capacidade da concorrência em imitar a vantagem competitiva do líder em custos por mio das próprias e exclusivas ações estratégicas 35 . o empreendedor precisa conhecer bem o seu ambiente interno e externo A análise competitiva foca a rivalidade existente Neste entre concorrentes e a formulação de estratégias para ultrapassar o desempenho de outras empresas na indústria. preferencialmente. diferenciada. Riscos: perda da vantagem competitiva para novas tecnologias. “É a ação básica estruturada e desenvolvida pela empresa para alcançar. Quais são as oportunidades? Quais são as ameaças? E deve conhecer também o seu ambiente interno. Quais ao as minhas forças da empresa? Quais são as fraquezas? Enfim.

Trata da organização interna da empresa na execução de suas tarefas. Estratégia de foco: é um conjunto integrado de ações destinadas a produzir ou fornecer bens ou serviços que atendam ás necessidades de um certo segmento competitivo.Estratégia de diferenciação: é um conjunto integrado de ações destinadas a produzir ou fornecer bens ou serviços que. controle de qualidade. apresentam importantes diferenças para ele. Riscos: o cliente poderá decidir que o custo da diferenciação do produto não compensa quando comparado ao um concorrente líder de custo. serviços associados. ameaça de falsificação. cadeia de suprimentos. na percepção do cliente. Quais as áreas-chave de gerenciamento do negócio? A equipe gerencial já está formada ou será necessário complementá-la? Tarefas serão terceirizadas? 36 . logística e sistemas de gestão. Definir uma estratégia é fundamental para traçar um direcionamento do seu negócio. produto concorrente com características semelhantes a preço melhor. redução das necessidades entre os clientes de um estreito segmento competitivo e os do mercado como um todo. ATIVIDADE (em sala) Solicitar aos alunos que faça o planejamento de MKT Plano Operacional Descrição do fluxo operacional. capacidade produtiva. Riscos: capacidade dos concorrentes de utilizar suas competências essenciais para “desfocar” o enfoque utilizado ao atender um segmento competitivo ainda mais estreitamente definido.

linha de dados de acesso rápido. etc.). na qual as partes a envolvidas seu se comprometem por meio de contrato a prestar serviços. desde que seguindo todas as regras do franqueador. Normalmente esse tipo de parceria recebe o nome de franquia ou franchising. ou seja. 37 . pode acontecer desde a comercialização dos produtos até a sua produção e comercialização total.Será feita alguma parceria? Terceirizações . naquilo em especialidade. • Infra-estrutura disponível (instalações telefônicas.a terceirização é um tipo de parceria que acontece entre que pessoas tem maior jurídicas. Parcerias – é uma ação estratégica na qual uma empresa pode fazer parceria com outra a partir de uma conveniência comercial ou de produção comum. fornecendo-o parceiro contratante. instalações elétricas e hidráulicas. Facilidade de acesso dos clientes ou de distribuição. • • Segurança do imóvel. Quantos funcionários serão necessários para o funcionamento do negócio? Análise das Instalações O empreendedor neste tópico considerado críticos: • • Valor do aluguel deve avaliar alguns fatores Adequação da área ás necessidades de ocupação da empresa.

• • • • Disponibilidade e qualificação da mão-de-obra. O local deve oferecer uma infra-estrutura necessária a seu negócio.• Facilidade de acesso a fornecedores ou dos insumos de produção. Estrutura tributária. equipamentos de telefonia. O benefício que um bom arranjo físico (layout) pode trazer é. Layout para suas instalações. uma disposição mais adequada. ou seja. um fluxo mais ágil dos materiais. A alocação e distribuição de seus diversos recursos (mercadorias. prateleiras. por exemplo: uma maior facilidade de localização dos itens por parte do cliente. Móveis. custos. Proximidade dos concorrentes. 38 . Questões relacionadas com proibições das atividades da empresa na região em questão (essa consulta é feita na prefeitura da região). enfim. depósitos e outros) em suas instalações também são importantes para a integração das atividades a serem executadas para a conquista de níveis de produtividade satisfatórios ao seu negócio. vitrines. estantes. etc. Equipamentos e Máquinas Necessárias Quais recursos tangíveis serão necessários a operação. Neste tópico deve constar todos os recursos tangíveis com valor. gôndolas. regulamentos e incentivos. propiciar o seu crescimento. informática e outros. ter acesso facilitado aos clientes e fornecedores. A escolha do local e o espaço físico onde você pretende instalar seu negócio é uma decisão muito importante para o sucesso do empreendimento.

ATIVIDADE (Extraclasse) Solicitar aos alunos que pesquise os itens acima Processo de Produção Como será o processo de produção? O empreendedor deve demonstrar a capacidade de produção efetiva do empreendimento. por produto ou serviços. por mercado. Plano de Produção QUANTIDADES PRODUTO / SERVIÇOS UNIDADES MÉDIA MENSAL ANUAL TOTAL Plano de Vendas PARTICIPAÇ ÃO % QUANTIDADES MÉDIA MENSAL ANUAL PRODUTO / SERVIÇOS UNIDADES TOTAL Faturamento PREÇO UNITÁRI O QUANTIDADES MÉDIA MENSAL VALOR (R$) MÉDIA MENS AL ANUA L PRODUTO / SERVIÇOS UNIDAD ES ANUAL TOTAL 39 . Demonstrar o volume de vendas. produto ou serviços. fabricados ou comercializados.

pressupostos críticos. ATIVIDADE (em sala) Solicitar aos alunos que faça o Plano de RH Plano Financeiro Aqui o empreendedor deve descrever como a empresa se comportará ao longo do tempo do ponto de vista financeiro. situação histórica. fluxo 40 . responsabilidades do cargo. È desejável que se relacione as principais áreas da empresa. Descrição de cargos.ATIVIDADE (em sala) Solicitar aos alunos que faça o Plano Operacional Plano de Recursos Humanos Política de RH XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXX Equipe de Gestão Um resumo do currículo de cada sócio dirigente constando suas qualificações e experiências Organograma funcional A organização funcional da empresa (seu corpo orgânico) é descrito por meio de um organograma funcional. considerando os requisitos qualificativos conforme as responsabilidades exigidas pelo cargo. suas atribuições e o número de funcionários sob sua supervisão. tarefas. Descrições e cenários.

originam-se principalmente das vendas dos produtos / serviços. Entre os métodos utilizados em planos financeiros para verificar a viabilidade do negócio. A projeção das receitas é fundamental por que se deve estabelecer relação com os custos previstos para saber a rentabilidade do projeto. nos quais são determinados os custos. os decorrentes da instalação do negócio (investimento inicial) e os da operação do empreendimento (custos operacionais). a estrutura de financiamento e a rentabilidade preliminar do projeto é realizado ao elaborar o plano financeiro. análise do investimento. Os recursos que financiam os custos decorrentes da instalação do negócio estão disponíveis antes da sua existência (capital próprio ou de terceiros). através do qual é possível alcançar as metas financeiras do negócio. as despesas. e deve retratar a viabilidade do mesmo. Receitas: são fluxos financeiros recebidos em razão das operações do negócio. O estudo da viabilidade. Custos: basicamente se divide em dois. que pode ser definido como o conjunto de informações de natureza financeira que compõem as previsões relativas à operacionalização do negócio. Já os decorrentes da operação do empreendimento podem ser financiados pela própria empresa. Uma das etapas na constituição de uma empresa é a determinação do montante de capital mínimo para iniciá-la e a sua obtenção. A seqüência dessa etapa está dividida em: Investimento Inicial: dimensionamento dos investimentos necessários para a instalação e operação da empresa. a estrutura. dentro dos parâmetros planejados. projeções de balanços e outros indicadores. O plano financeiro é também um instrumento gerencial. estão: 41 . através do fluxo de recursos oriundos do seu funcionamento.de caixa. as receitas. demonstrativo de resultados.

uma avaliação da solidez da empresa. Investimento Inicial Relacione. Neste caso. quantifique e valore os investimentos necessários para a implantação do empreendimento:  Móveis e utensílios: discriminar o mobiliário e os utensílios necessários  Equipamentos de informática: discriminar os equipamentos. Balanço Patrimonial No caso de empresas já constituídas. que possibilita a visualização das disponibilidades e obrigações de curto e longo prazo da empresa e. Taxa de Rentabilidade (TR).[rentabilidade] Valor Presente Líquido (VPL). por que permite ao empreendedor ter noção da atratividade e da viabilidade do projeto. etc. identificando modelo. é conveniente apresentar o balanço patrimonial. Esses são os mais utilizados por serem adequados a quaisquer tipos de projetos e serem de fácil análise e complementares entre si. fabricante. o plano financeiro é uma etapa muito importante do plano de negócios. Portanto. o empreendedor deverá fazer uma simulação baseada nas informações anteriores e uma projeção de rendimentos 42 . [riscos] Ponto de Equilíbrio (Break-even) e análise de sensibilidade e de cenários. inclusive softwares e outros. assim. Taxa Interna de Retorno (TIR) e Tempo de Retorno do Investimento (Payback).

A partir disso. A partir das informações levantadas nos itens anteriores. terá condições de apurar informações cruciais como o retorno que terá sobre o capital investido na empresa e o prazo de retorno sobre o investimento inicial. Isto é fundamental para que se avalie o grau de atratividade do empreendimento. o empreendedor poderá utilizar a planilha “Demonstrativo de Resultados” para chegar à lucratividade de seu negócio. Com o fluxo de caixa. Com base nos valores já identificados. 43 .Demonstração de Resultados Demonstrativo de Resultados / Lucratividade Prevista. de modo que este constitui um importante instrumento de apoio ao planejamento da empresa (especialmente na determinação de objetivos e estratégias). despesas e investimentos) de recursos financeiros por um determinado período de tempo. o fluxo de caixa pode ser montado. o empreendedor terá condições de identificar se haverá excedentes ou escassez de caixa durante o período em questão. juntamente com investimentos adicionais que porventura venham a ser feitos e retirando-se itens não monetários (quando não existe o efetivo pagamento da despesa. relativos às entradas e saídas da empresa. é somente um valor contábil. a projeção das entradas (receitas) e saídas (custos. Por exemplo: você investiria anos de sua vida num negócio que não pode lhe oferecer retorno melhor que uma aplicação financeira de baixo risco? Fluxo de Caixa O fluxo de caixa é um instrumento que tem como objetivo básico.: depreciação). Ex. Evidentemente não haverá condições de executar-se um plano sem disponibilidade financeira para tal.

deve ser feita de maneira lima e com as informações necessárias e pertinentes. De uma forma simplificada poderemos identificar o Ponto de Equilíbrio (PE) através da seguinte fórmula: PE=Despesas Fixas ($) Receitas ($) – Despesas Variáveis ($) Receitas ($) ATIVIDADE (em sala) Solicitar aos alunos que faça o Plano Financeiro INSTRUÇÕES FINAIS • O plano de Negócio ser formatado conforme padrões ABNT Fonte Espaçamento Alinhamentos • Capa É a primeira parte visualizada do plano de negócio. é uma parte muito importante. portanto. • Capa Acadêmica 44 . Deve conter o logotipo/logomarca/slogan da empresa.Ponto de Equilíbrio O cálculo do ponto de equilíbrio ajuda o empreendedor a encontrar qual o nível de vendas em que a receita será igual a todas as saídas de caixa da empresa. Isto é importante porque indica qual o nível mínimo de vendas que a empresa deverá manter para que não opere com prejuízo.

• Sumário Executivo Estendido Mostra uma síntese de todo o conteúdo do Plano de Negócios.). CRITÉRIO DE AVALIAÇÃO DO PN Universidade Nove de Julho – UNINOVE Curso de Administração Disciplina: PROJETOS EMPREEDEDORES Avaliação: Plano de Negócios Professora: Meire S.Deverá conter o título do projeto (plano de negócios. empresa tal. apresentação da empresa para potenciais parceiros ou clientes..5 Pontos Atividade em sala = 1. etc.). É a principal seção do PN. nome dos autores. pois é a pagina onde se encontra os principais assuntos relacionados em cada seção. • Sumário O sumário deve conter o título de cada seção do plano de negócios. capital de risco.5 Pontos PLANO NEGÓCIOS DE RAZÃO SOCIAL: _________________________________ 45 . pois a partir dessa seção que o leitor decide se vai continuar ou não a ler. Deve ser dirigido ao publico alvo do plano de negócios e explicar qual o objetivo do plano de negócios em relação ao leitor (por exemplo.. requisição de financiamento junto a bancos. Isso facilita a leitura do plano de negócios. Lopes Data: Essa avaliação está dividida em três etapas: Entrega do Plano Completo = 5 Pontos Apresentação = 3. nome da instituição de ensino e data.

0 0.5 1.5 1.25 0. c.5 0.0 0.0 1.0 2. No caso do China In Box. é também. pessoas. Quais fatores foram determinantes para Robson empreender.5 1.Etapas da Avaliação Trabalho Avaliação Acadêmica Concepção do Negócio Viabilidade do negócio Apresentação do Plano Atividade sala Total em do Critérios de Avaliação Formatação do Trabalho Aplicação de conceitos teóricos Originalidade da Proposta Análise da Indústria Viabilidade Organizacional Viabilidade Operacional Viabilidade Mercadológica Viabilidade Financeira Esclarecimento do Grupo Apresentação / Postura Comprometimento Disciplina Trabalho Nota Máxim a 0.5 10 Nota Atribuída CADERNO DE ATIVIDADE 1. Identificar a oportunidade é o ponto de partida para a definição dos caminhos que se pretende seguir para dar uma forma real ao negócio.25 0. como ocorreu o processo empreendedor? Explique. b.0 1. identifique 4 características empreendedoras em Robson e comente. uma das etapas do processo empreendedor. De acordo com o relato do texto. 46 . recursos ou oportunidade? Explique. ESTUDO DE CASO – CHINA IN BOX QUESTÕES: a.

proprietário da rede China In Box. Robinson estudante de odontologia foi passar as férias juntamente com um amigo Estados Unidos. O China In Box foi o primeiro restaurante de comida chinesa do Brasil que fazia entregas. uma solução rápida e prática para um país onde as pessoas sempre estão com muita pressa. pois são países de culinárias muito diferentes e mesmo assim a culinária chinesa tinha tido uma aceitação muito boa no mercado americano. um restaurante de comida chinesa com uma característica inovadora no mercado e que foi fundamental para o sucesso do empreendimento: o delivery de comida chinesa. os 47 . lá observou que existiam muitos restaurantes que não só serviam como também entregavam comida chinesa. “Identifiquei ali uma oportunidade de negócios. e isto lhe chamou a atenção.Case – “China In Box” O cirurgião dentista Robinson Shiba. História Em 1987. em 1992 deixava de exercer sua profissão como dentista para inaugurar a primeira loja. pois ainda não havia no Brasil este tipo de serviço de entrega de comida chinesa.

vendas e finanças. de porta em porta e também por corpo a corpo. que acabaram lhe complementando no seu ponto fraco: a organização. pois assim teria clientes em qualquer horário do dia e em qualquer dia da semana. A primeira loja. todas estas características. que possuía. a loja recebia muitas ligações querendo saber se lá fabricava Box para banheiro. Robinson não efetuou nenhum plano de negócios. seus colaboradores. Equipe e Recursos Após ter identificado o local mais apropriado para abrir a loja. formada em marketing. marketing e finanças. Com o passar do tempo. devido ao aumento nas vendas e ao crescimento do negócio. que foi logo superado com a insistência na divulgação do serviço por meio de cardápios com a maioria dos pratos ilustrados. Daí surgiu a preocupação de como seria feita a divulgação do serviço de entrega de comida chinesa. os quais eram entregues por meio de mala direta. por todo o processo de compra da matériaprima. desde administrar toda a loja a até fazer o atendimento aos clientes no balcão ou até mesmo fazer as entregas dos pedidos. Foi então que optou por abrir em 1992 a primeira loja China In Box na região de Moema. Uma das dificuldades encontradas logo no início do negócio foi que nos primeiros meses. não conhecia o mercado. houve a necessidade de contratação de novas pessoas e a divisão formal das tarefas entre Robinson e sua irmã. devido ao nome China In Box. e no seu caso. No inicio houve um enorme comprometimento tanto de Robinson como de seu pai e sua irmã. Os três. pela contratação de mão-de-obra e até mesmo pelo 48 . ao seu modo de ver. e cada um passou a ser responsável pela área onde tinha um maior conhecimento e habilidade: no caso da sua irmã.restaurantes que existiam apenas serviam a comida no próprio local. apenas procurou um local adequado onde se encontrava uma grande concentração de casas residenciais e pontos de comércio. nos primeiros meses faziam de tudo um pouco. tão pouco seus potenciais competidores não tiveram um plano de marketing. Os recursos financeiros ele obteve vendendo o seu consultório de odontologia e o restante foi financiado pelo seu pai. Só que não era o meu objetivo naquela época abrir um negócio fora da área na qual estava estudando”. Robinson partiu para a captação de recursos e primeiramente contou com a ajuda de seu pai e de sua irmã mais nova.

como a taxa de crescimento do seu empreendimento era consideravelmente alta. á medida que o tempo foi passando. onde foi procurado por diversas pessoas interessadas em abrir uma franquia da loja. Após um ano de vida da marca. de onde é administrada toda a rede. Destes. 49 . localizada no Ibirapuera. quando o momento era maior. O pai. Em 2004 a rede possuía 115 franqueados e duas lojas que pertencem ao próprio Robinson: a de Moema e a do Ibirapuera. O faturamento brutal mensal de casa loja chega a R4 60 mil em média. Robinson observou que a capacidade de expansão daquela loja estava esgotada e optou então pela abertura em 1993 da segunda loja. O serviço de entrega de toda a rede é terceirizado e cada franqueado é responsável por escolher a empresa de entrega que quer contratar para trabalhar. ESTUDO DE CASO – CASAS BAHIA e MAGAZINE LUIZA a) Solicitar a formação dos grupos. mas já se dava inicio a rede China In Box. Nesse mesmo ano foram abertas as primeiras quatro franquias da loja. Robinson tem como objetivo continuar expandindo a marca China In Box para o exterior e esta expansão já vem acontecendo. b) Solicitar que os alunos respondam as perguntas abaixo e faça a apresentação no modelo da matriz SWOT. nunca deixou a profissão de dentista. Ainda em 1994. cerca de 8% são revertidos para o franqueador. 2. que por sua vez investe 2% em marketing para toda a rede.atendimento aos clientes. que são administradas por gerentes. Foi montado um escritório dentro da loja de Moema. depois que Robinson foi convidado a participar da feira de franquias no Anhembi. afinal já não eram apenas duas lojas. foram feitas algumas modificações na parte administrativa. com as mesmas características de sua idéia inicial. A rede de franquias China In Box A expansão do negócio se deu mesmo a partir de 1994. continuou atendendo e. ele começou a só ir á loja aos finais de semana. apesar de ter sido essencial desde o início do empreendimento.

quais são as possíveis ameaças e oportunidades de mercado para a empresa? c. Considerando as informações contidas nos dois textos. quando Samuel Klein chegou a São Caetano do Sul vindo da Europa. sendo que estes últimos faziam parte da estratégia inicial de seu negócio: a venda de 50 . quais são as prováveis forças e fraquezas das Casas Bahia? Em uma visão macro. Ele aplicou seu capital inicial de 6 mil dólares na compra de uma casa.QUESTÕES: a. b. Casas Bahia e Magazine Luiza.“Dedicação total a você”: Casas Bahia Tudo começou em 1952. um cavalo e uma charrete. quais ações. Como administradores. medidas vocês acreditam que poderiam ser adotadas pela empresa? ESTUDO DE CASO . De acordo com as informações contidas no texto “Casas Bahia” você entende que a empresa segmentou o seu mercado? Explique.

o Ponto Frio e o Magazine Luiza.3% superior ao de 2003. como o que foi inaugurado em dezembro de 2004 em um tradicional ponto de comércio no centro de São Paulo (onde funcionava o antigo Mappin). Essa “frota” inicial cresceu: hoje sua empresa tem mais de mil caminhões que fazem a distribuição e a entrega de produtos comercializados em sua rede de varejo. eletroeletrônicos. Isso a torna competitiva com relação á concorrência e faz com que possa oferecer promoções 51 . a empresa mantém vários centros de distribuição no pais. Seus concorrentes são lojas Marabraz. com uma área construída de 240 mil metros quadrados. a Casas Bahia investiu 645 milhões de reais em anúncios. que tem móveis e eletrodomésticos comprados na rede. responde por 16 mil empregos e possui mais de mil fornecedores. Segundo a empresa. ela criou uma megaloja para vendas na época do Natal. A Casas Bahia está presente no cotidiano de milhões de brasileiros. Há cerca de 75 mil itens no estoque. personagem que ficou famoso pelo ritmo com que anunciava os produtos e pela repetição do slogan: “Quer pagar quanto?”. O de Jundiaí (São Paulo) é o maior deles. e vinha se preparando para isso. Para a adaptação do prédio ao seu negócio. conta com uma carteira de 6 milhões de clientes ativos (10 milhões cadastrados). Em dezembro de 2003. produtos de informática. Sua campanha publicitária causa reações de agrado e desagrado com relação a seu garoto-propaganda. principalmente os de menor renda. A questão é que a empresa pretendia atingir no final de 2004. A empresa vende “de tudo” – brinquedos. Para da conta da promessa de entrega de mercadoria aos clientes no prazo de 48 horas. Estamos falando da Casas Bahia. esperando alcançar cifras maiores. um faturamento da ordem de 8 bilhões de reais. De janeiro a agosto de 2004. a maior rede de varejo do país. investiu 1 milhão de reais. mesa e banho de porta em porta. eletrodomésticos. 420 docas e movimentação diária de 500 caminhões.roupa de cama. e em dezembro de 2004 repetiu a estratégia. Ela tem investido na abertura de novos pontos comerciais. tem cerca de 300 lojas em oito estados brasileiros. antigos de confecção -. A Casas Bahia vem mantendo um ritmo de crescimento mesmo com a queda de negócios no segmento de varejo. 33. um dos fatores que explicam seu sucesso é o financiamento do crédito com capital próprio. faturando 1 milhão de reais por dia. cuja gestão é feita com apoio de softwares licenciados. móveis.

que fica me torno de 7%). Rotineiramente a Casas Bahia faz promoções semanais e quinzenais e oferece preços baixos e facilidade na concessão de crédito. Em 2003 a empresa emitiu 12. A rede inovou seu sistema de cobrança: o cliente recebe uma ligação telefônica que o convida a visitar a Casas Bahia. D e E.5%. Essa parceria se diferencia de outras feitas entre redes varejistas e banco. para aumentar o negócio de venda de móveis. Não há cobrança explicita nem anúncio de promoções. a rede diminuiu sua taxa percentual de juros com 1 ponto e ainda aumentou o prazo de financiamento de 15 para 18 meses. É interessante notar que na concessão de crédito para compra de itens de primeira necessidade. Isso aumenta a frequência á loja e a fidelização do cliente.numero considerado alto para o varejo. abastecendo 50 por cento da demanda (só em 2003 fabricou 13 milhões de peças). tem exatamente o perfil dos tomadores de microcrédito. A política de concessão de crédito e a grande variedade de produtos. como aparelhos celulares. as 52 . há maior flexibilidade do que para a compra de itens considerados supérfluos. De fato. Para dar conta da procura. principalmente no segmento de eletrodomésticos e eletroeletrônicos. pois cerca de 11 milhões de clientes que frequentam as lojas da rede mensalmente têm renda de cerca de três salários mínimos e não mantêm conta corrente me banco – ou seja. Isso porque a Casas Bahia pretende manter o controle de seu sistema de crediário. ligeiramente superior à do mercado.5 milhões de carnês com seu sistema de crediário próprio. a empresa fabrica móveis. a política adotada para a cobrança de juros e o desenvolvimento de promoções coloca a Casas Bahia na posição demais lembrando na segmento de eletrodomésticos e móveis. como a do Banco Itaú com o Pão de Açúcar.consideradas agressivas em termos de preço é de prazo de pagamento. como fogão e geladeira. os demais 50 por cento vêm de 60 fornecedores cadastrais. A empresa firmou parceira com o Banco Popular (do Banco do Brasil) para a abertura de quiosques do banco em algumas de suas lojas. Em 2003. Para o Banco a iniciativa é considerada interessante. que atinge um índice de 70% . Trata-se apenas de um lembrete que gera resultado – a empresa detectou que boa parte dos atrasos em pagamento de prestações se deve ao esquecimento do cliente (sua taxa média de inadimplência tem ficado em torno de 8. público-alvo do Banco Popular. têm atraído um público diferente das tradicionais classes C.

graças a sua capacidade peculiar de inovar e estilo de administrar. “Como nas lojas virtuais não há exposição de produtos. respondem por 12% do faturamento total do Magazine Luiza” Uma iniciativa que revolucionou o varejo foi à criação da Liquidação Fantástica lançada em 1994. essas classes dependem muito do crédito para a manutenção de suas necessidades. Mato Grosso do Sul e Goiás. Além das lojas físicas a empresa conta com as lojas virtuais. Nossos canais virtuais de vendas. ESTUDO DE CASO . com ganho de escala. Afinal. atualmente. podemos nos instalar em locais pequenos. Nessas unidades mantemos um local chamado Centro de Promoções. hoje citada como uma empresa de perfil inovador. que incluem. o Magazine Luiza. Santa Catarina. D e E. no início de janeiro. criadas em 1992. quando seus fundadores. interior de São Paulo. como aulas de informática. já que as vendas são feitas por vendedores. O segredo de seu sucesso está em atingir as classes C. que afeta principalmente as classes baixa e média da população. e permanente imagem de confiança. com investimento baixo e mais contato com a comunidade. Rio Grande do Sul. conta com 441 lojas da rede abertas em São Paulo. o site e as lojas virtuais. A rede tem uma grande preocupação com a oscilação da taxa de desemprego. idiomas e culinária. adquiriram uma pequena loja de presentes em Franca. para aproveitarem uma verdadeira avalanche de ofertas. Outra iniciativa foi à criação de 53 . Paraná. onde são realizados cursos. que utilizam cartão de crédito em suas compras – modalidade de pagamento que responde por aproximadamente 15% do faturamento da empresa. Essa história de sucesso começou em novembro de 1957. que até hoje atrai milhares de pessoas a todas as lojas da empresa. mas mantemos nosso padrão de atendimento. com custos subsidiados para a comunidade.Magazine Luiza A pequena loja de presentes do interior de São Paulo que se transformou em uma das maiores redes de varejo do Brasil. como nas lojas convencionais. Minas Gerais.classes A e B. Essas lojas permitiram a empresa chegar a cidades de pequeno porte. Hoje.

Todas as unidades da empresa possuem agências bancárias para facilitar o recebimento de contas. visto que a companhia desembolsou R$ 70 milhões para inaugurar 44 lojas em São Paulo exatamente uma semana depois que a crise tomou proporções transatlânticas. Todo colaborador que for vítima de pressões psicológicas. 0800. que é um canal direto. ao estrear em SP provocou forte disputa com os concorrentes pelo consumidor paulistano. por parte de sua liderança. e sofá. em 2005. provando que. dois mil novos funcionários engordaram a folha de pagamento da empresa e 54 . Entretanto. Para enfrentar a concorrência cada vez mais acirrada. com descontos de até 70%. como uma financeira que oferece crédito direto ao consumidor. por exemplo. que acontece sempre no início de cada ano.diversos serviços. passou a ser chamada de porta-gostosura. atendido pela diretora de Recursos Humanos ou pela gerente do SAC. criaram uma seguradora que comercializa garantias estendidas para eletroeletrônicos. um cliente bem tratado precisa se sentir feliz. O Magazine Luiza também criou o Disque Denúncia. e a “Liquidação fantástica”. na qual produtos específicos são vendidos com preços muito abaixo dos praticados no mercado. além de bons preços e atendimento diferenciado. como a “Só amanhã”. Para que as necessidades dos colaboradores sejam inseridas no planejamento estratégico da empresa. o Magazine Luiza realiza enquetes com eles pedindo sugestões de melhorias. móveis e aparelhos portáteis. Um crescimento acelerado e apoiado em políticas eficientes de administração tornou-se uma das maiores empresas do varejo brasileiro. Os produtos ganharam novas denominações. o Magazine Luiza reformulou sua marca e lançou o slogan "Vem ser feliz". pode ligar para este número. Sua identidade é preservada e as denúncias apuradas. sendo tomadas as providências cabíveis. As ações de marketing também são fortes diferenciais que o Magazine Luiza utilizou para construir uma marca sólida e inovadora por meio de campanhas conhecidas nacionalmente. Num estalar de dedos. Em setembro de 2008. empréstimo pessoal (Grana Extra) e cartão de crédito. Em 50 anos de história o Magazine Luiza tem se firmado com uma das empresas que mais crescem com solidez no mercado nacional. de sossego. Geladeira. Em 2005. a crise financeira mundial pegou o Magazine Luiza numa fase de caixa baixo.

segundo um fabricante que visitou o local. DORNELAS. 2003 LEVELOCK. Saraiva. Entre fevereiro e março. Empreendedorismo: dando asas ao espírito empreendedor. Chistopher. Conclusão: o estoque encalhou e isso teria levado à prorrogação do período de promoções.4 bilhões (estimados) em 2008. São Paulo. Empreendedorismo: transformando idéias em negócios. o número de lojas aumentou 352% e a receita bruta passou de R$ 700 milhões para R$ 3. Idalberto. Quando colocou a operação na rua. O razoável seria algo em torno de 40%. Na Casas Bahia a expansão foi de 242%. São Paulo. As vendas mensais das 44 lojas abertas em São Paulo somavam cerca de R$ 75 milhões.um gigantesco centro de distribuição . José Carlos Assis. segundo dados fornecidos por Luiza no final de 2008. Entre 2002 e 2008. na rodovia dos Bandeirantes. No final de janeiro. houve 78 queixas. Rio de Janeiro: Elsevier. 2006 55 . Isso dá um pouco mais de R$ 1 milhão ao mês por loja. Pearson Prentice Hall. Marketing de Serviços: pessoas. considerada pelo mercado como a rede mais inovadora do País. Philip. 12º Ed. É um aumento de 385%. São Paulo: Pearson Prentice Hall. e 42 delas eram casos de produtos vendidos com defeito ou de atraso na entrega na cidade de São Paulo. 2006 LACOMBE. esse índice estava em 60%. Francisco Josè Masset. em evento para empresários. que se refletiu numa disparada no número de reclamações dos consumidores. Administração de Marketing. 2005.5 milhões ao mês em 2008. Parece muito? A Casas Bahia faturou por ponto de venda mais de R$ 2.estava atolado de produtos. a empresa de Luiza Trajano cresceu de forma espetacular.equivalente a quatro campos de futebol .. Administração: Princípios e tendências. tecnologia e resultados. a rede começou a trabalhar na capital paulista com mais de 90% da capacidade ocupada de seu centro de distribuição. BIBLIOGRAFIA CHIAVENATO. São Paulo: Saraiva. 2001 KETLER. O cenário de dificuldades é uma novidade no Magazine Luiza. Um dos problemas em São Paulo seria o modelo de logística e distribuição implantado pela rede.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful