You are on page 1of 5

A Porca dos Sete Leitões Diz a lenda que um feiticeiro transformou uma baronesa muito má e seus sete filhos

em porcos. Eles costumam aparecer na beira das estradas, para assustar os viajantes, a porca solta fogo pelos olhos, nariz e boca. Eles estão condenados a passa a vida procurando um anel enterrado, caso o encontrem o feitiço será quebrado.

Iara ou Mãe D’Água Lenda de origem indígena, muito comum na região Amazônica. Ela é uma sereia, metade mulher (da cintura pra cima) e metade peixe (da cintura pra baixo). Possui longos e lindos cabelos, alguns dizem que parece uma índia com cabelos negros, outros dizem que possui cabelos loiros ou até ruivos. Ela hipnotiza os homens com o seu canto e com o seu olhar. Ao ouvirem seu canto lançam-se nas águas para irem ao seu encontro e na maioria das vezes acabam morrendo afogados. Ela sai da sua casa no fundo do mar, ou do lago ou do rio, geralmente no final da tarde e surge linda e sedutora a procura de um companheiro. É difícil um homem resistir ao seu canto hipnotizador ou à sua beleza. Por isso meninos ao se depararem numa situação dessas tapem os ouvidos e procurem não olhar para ela.

Negrinho do pastoreio O Negrinho do Pastoreio é uma lenda do folclore brasileiro, surgida no Rio Grande do Sul. De origem africana, esta lenda surgiu no século XIX, período em que ainda havia escravidão no Brasil. Esta lenda retrata muito bem a violência e injustiça impostas aos escravos. De acordo com a lenda, havia um menino negro escravo, de quatorze anos, que possuía a tarefa de cuidar do pasto e dos cavalos de um rico fazendeiro. Porém, num determinado dia, o menino voltou do trabalho e foi acusado pelo patrão de ter perdido um dos cavalos. O fazendeiro mandou açoitar o menino, que teve que voltar ao pasto para recuperar o cavalo. Após horas procurando, não conseguiu encontrar o tal cavalo. Ao retornar á fazenda foi novamente castigado pelo fazendeiro. Desta vez, o patrão, para aumentar o castigo. colocou o menino pelado dentro de um formigueiro. No dia seguinte, o patrão foi ver a situação do menino escravo e ficou surpreso. O garoto estava livre, sem nenhum ferimento e montado no cavalo baio que havia sumido. Conta a lenda que foi um milagre que salvou o menino, que foi transformado num anjo. O Negrinho do Pastoreio é considerado, por aqueles que acreditam na lenda, como o protetor das pessoas que perdem algo. De acordo com a crença, ao perder alguma coisa, basta pedir para o menino do pastoreio que ele ajuda a encontrar. Em retribuição, a pessoa deve acender uma vela ao menino ou comprar uma planta ou flor.

Cuca Cuca é uma importante e conhecida personagem do universo do folclore brasileiro. É representada por uma velha, com cabeça de jacaré, que possui uma voz assustadora. De acordo com a lenda, a Cuca assusta e pega as crianças que não obedecem seus pais. Acredita-se que esta lenda tenha surgido na Espanha e Portugal, onde tem o nome de "Coca". Neste país, ela era representada por um dragão que havia sido morto por um santo. A figura aparecia principalmente nas procissões. A lenda teria chegado ao Brasil junto com os portugueses durante o período da colonização. Ao chegar ao Brasil, a figura da Cuca passou a ser representada, em muitas regiões, como uma velha brava com cabelos compridos e desgranhados, semelhante a uma bruxa. Foi nas obras do escritor brasileiro Monteiro Lobato que a personagem Cuca ganhou popularidade. No "Sitio do Pica-pau amarelo", transformado em série de televisão no final dos anos 70 e começo dos 80, a Cuca passou a ser conhecida nos quatro cantos do país. Na Tv, a Cuca era uma espécie de jacaré bípede com cabelo amarelo e uma voz horripilante, que tinha a ajuda do saci-pererê. Malvada, morava num lugar escuro (caverna) onde, como se fosse uma bruxa, ficava fazendo poções mágicas.

a moça desaparece e o sino da igreja toca avisando que é meia noite. uma forma de não ser perturbado pela Matinta seria oferecendo a ela. também conhecida como Mati-Taperê. assoviando de forma assustadora e levando azar por onde passa. ficaria assoviando todas as noites nas proximidades da casa. Diz a lenda que um jovem guerreiro apaixonou-se pela esposa do grande cacique. é uma espécie de protetora destes depósitos naturais de ouro. A tal mulher anda sempre com um vestido vermelho ou branco para encantar os homens solitários que bebem em algum bar. De acordo com a lenda. com cabelos comprido dourados que reflete a luz do Sol. De acordo com a lenda. com um lindo canto. é mais uma lenda do rico e interessante folclore da região amazônica brasileira. libertando assim as esposas destes maridos e colocando no caminho delas homens bons. Ao se depararem com um muro alto ela desce e o convida para entrar.Tem esperança que um dia ela descubra o seu canto e saiba que ele é o jovem guerreiro. Quando a Matinta passar por cima ficará presa. pediu ao deus Tupã que o transformasse em um pássaro. Quando o homem solitário percebe que se trata de um cemitério. Em algumas regiões do Norte do Brasil.Ficou tão fascinado que passou a perseguir o pássaro para aprisoná-lo e ter seu canto só para ele. a Mãe-de-ouro é também representada por uma bola de fogo que tem a capacidade de se transformar nesta linda mulher. Caso contrário. ela possui a capacidade de se transformar em um pássaro. muito popular no interior das regiões Sudeste e Nordeste do Brasil. Por se tratar de um amor proibido não poderia se aproximar dela. Dama da meia noite Diz à lenda que uma mulher jovem que não sabe que morreu vive andando pelas ruas da cidade. De acordo com a lenda. a Mãe-de-ouro atrairia homens casados para uma caverna. à meia-noite. Foi possivelmente criado há muitos anos atrás e é passado de geração para geração até os dias de hoje.pois dizem que ele é mágico. Em algumas regiões. Tupã transformou o em um pássaro vermelho telha. . quem o encontra pode ter um desejo especial realizado. algum tipo de alimento e tabaco (fumo). Sendo assim. a Matinta passa as noites e madrugadas pelas ruas assoviando de forma estridente. Na ânsia de capturar o pássaro. A Matinta Pereira. amedrontando as pessoas. O cacique foi quem logo observou o canto maravilhoso daquele pássaro. Diz ainda a lenda que. a Mãe-de-Ouro tem a capacidade de voar pelos ares. O Uirapuru é um símbolo de felididade. parando de assoviar. Matinta Pereira A Matinta-Pereira. Todas as noites o Uirapuru canta para a sua amada. Em outras versões da lenda. também chamada de Matinta Perera. é uma personagem do folclore da região norte do Brasil. Aparece sempre trajada de um longo vestido de seda branco. o cacique se perdeu na floresta. Desta forma. De acordo com a lenda. Há também versões de que a Mãe-de-ouro atue como uma defensora das mulheres que são maltratadas pelos maridos. a única forma de aprisionar a Matinta é executando alguns rituais: enterrar no chão (local onde passa a Matinta). É representada por uma mulher idosa e assustadora que veste uma roupa escura e velha. A moça rapidamente pede para que o homem a leve de volta para casa e ele enfeitiçado pela beleza da moça aceita prontamente. Uirapuru A lenda do Uirapuru é a lenda de um pássaro especial. a Matinta aparece com um pássaro escuro que a ajuda a assustar as pessoas. no dia seguinte. indicando locais onde existem jazidas e ouro que não devem ser exploradas pelo homem.Mãe-de-Ouro A Mãe-de-Ouro é uma personagem do folclore brasileiro. É uma alma penada com corpo jovem e sedutor que se aproxima dos homens solitários deixando-os encantados. uma tesoura aberta com um terço e uma chave. Possui a aparência de uma linda mulher loira. Desta forma ela deixaria de assustar as pessoas da casa.

Em outras regiões. De acordo com a lenda. contam que.Boitatá A lenda do boitatá foi criada pelo padre José de Anchieta. tentou voltar. se uma mulher perde a virgindade antes do casamento. transformou-se numa mula-sem-cabeça e saiu galopando em direção à mata. escolhia e levava algumas moças consigo. Era uma forma de assustar as filhas. No entanto a jovem não se importava. quando alguém se encontrar com o boitatá deve ficar parado. Em Santa Catarina. Assim. Por esse motivo. Mula-sem-cabeça Esta é uma das lendas mais conhecidas do folclore brasileiro. Os índios mais experientes alertavam Naiá dizendo que quando a Lua levava uma moça. Essa paixão virou obsessão em um momento onde Naiá não mais queria comer nem beber nada. nunca mais retornando para a corte. as flores perfumadas e brancas dessa planta só abrem no período da noite. principalmente na região Norte. Diz a lenda que quem se depara com o boitatá geralmente fica cego. mantendo-as dentro dos padrões morais e comportamentais de séculos passados. para assim queimar e punir quem coloca fogo nas matas. Esta. Numa noite em que o luar estava muito bonito. Existem várias explicações para a origem desta lenda. A rainha. Existe ainda outra versão mais antiga e complexa da lenda. a mula-semcabeça costuma correr pelas matas e campos. pode se transformar em mula-sem-cabeça. Este personagem folclórico é uma mula sem a cabeça e que solta fogo pelo pescoço. porém não conseguiu e morreu afogada. essa jovem deixava a forma humana e virava uma estrela no céu. Ao chegar ao cemitério. ao perceber que o marido descobrira seu segredo. a guerreira Naiá. a moça se atirou no lago em direção à imagem da Lua. O rei. havia uma linda jovem. Em alguns locais. transforma-se neste ser monstruoso. a brilhar que nem um tição de fogo". soltou um grito horrível. principalmente das filhas. Ela povoa o imaginário. assustando as pessoas e animais. viu a lua refletida no meio das águas e acreditou que o deus havia descido do céu para se banhar ali. couro transparente. deparou-se com a esposa comendo o cadáver de uma criança. Vitória-régia A lenda da vitória-régia é muito popular no Brasil. pode morrer ou até ficar louco . Esta versão está muito ligada ao controle que as familias tradicionais buscavam ter sobre os relacionamentos amorosos. Como castigo pelo pecado cometido. Diz a lenda também que o boitatá pode se transformar em uma tora em brasa. Em uma aldeia indígena. Comovido pela situação. onde descreveu o boitatá como uma gigantesca cobra de fogo ondulada. principalmente das pessoas que habitam regiões rurais do nosso país. . que sonhava com a Lua e mal podia esperar o dia em que o deus iria chamá-la. variando de região para região. Quando percebeu que aquilo fora uma ilusão. a lenda do boitatá sofreu algumas modificações. que cintila nas noites em que aparece deslizando nas campinas e na beira dos rios. contam que a mula-sem-cabeça surge no momento em que uma mulher namora ou casa com um padre. por exemplo. Assustado. numa determinada noite. Como a maioria das lendas e crendices populares que são passadas de geração em geração através do “ouvir e contar”. resolveu segui-la para ver o que estava acontecendo. já que era apaixonada pela Lua. sem respirar e de olhos bem fechados. Assim. com olhos que parecem dois faróis. sendo que em muitas partes do Brasil a lenda é contada de forma diferente. só admirar a Lua. a moça chegou à beira de um lago. conta que num determinado reino. a rainha costuma ir secretamente ao cemitério no período da noite. Diz a lenda que a Lua era um deus que namorava as mais lindas jovens índias e sempre que se escondia. o deus Lua resolveu transformar a jovem em uma estrela diferente de todas as outras: uma estrela das águas – Vitória-régia. o boitatá é descrito como um touro de "pata como a dos gigantes e com um enorme olho bem no meio da testa.

Os muçulmanos projetavam esta figura no rei Ricardo. Outro tipo de bicho-papão surge nas noites sem luar e coloca as crianças mentirosas em um saco pra fazer sabão. encanta e seduz a moça mais bonita. afirmando que caso as crianças não se comportassem da forma esperada. nas gavetas e debaixo da cama para assustá-las no meio da noite. nas gavetas. Acredita-se também que algumas pessoas que comem a carne do boto ficam loucas. jogar os dedais das costureiras em buracos e etc. Saci Pererê O Saci-Pererê é uma lenda do folclore brasileiro e originou-se entre as tribos indígenas do sul do Brasil. Segundo a tradição popular. o bicho-papão (Housecker) é um indivíduo que coloca as crianças no saco e fica batendo em suas nádegas com uma pequena vara de madeira. é utilizado o termo “bicho-papão”. o rapaz volta a ser um boto cor-de-rosa e a moça volta a sua comunidade grávida. Soltando fumaça pelas narinas. Segundo a lenda. Em Luxemburgo. caso contrário. metade cabra metade monstro. que falam palavrões. cor morena. O belo rapaz usa sempre um chapéu. Após a captura. Diz também a lenda que os Sacis nascem em brotos de bambus. É uma das maneiras mais tradicionais que os pais ou responsáveis utilizam para colocar medo em uma criança. onde vivem sete anos e.Boto cor de rosa Acredita-se que nas noites de lua cheia. O saci possui apenas uma perna. . leva as moças até a margem do rio e as engravida. vivem mais setenta e sete para atentar a vida dos humanos e animais. o bicho-papão se esconde no quarto das crianças mal educadas. além de possuir um rabo típico. Inicialmente. que possui a tarefa de pegar as crianças malvadas ou desobedientes e jogá-las no Mar Negro ou levá-las para a Espanha. o monstro leva o nome de Zwart Piet (Pedro negro). esconder objetos. o boto sai pelas comunidades próximas ao rio. o saci se transformou em um negrinho que perdeu a perna lutando capoeira. usa um gorro vermelho e sempre está com um cachimbo na boca. Muito atraente e com um belo porte físico. Quando uma criança faz algo errado. o boto cor-de-rosa sai do Rio Amazonas. No Brasil e em Portugal. outros dizem que há vários tipos. debaixo da cama para assustá-las ao anoitecer. e ganhou da mitologia europeia um gorrinho vermelho. o saci era retratado como um curumim endiabrado. ela deve pedir desculpas. no sentido de associar esse monstro fictício à contradição ou desobediência da criança em relação à ordem ou conselho do adulto. segundo a lenda. próximas da comemoração da festa junina. Desde a época das Cruzadas. receberá uma visita do monstro. deve-se retirar o capuz da criatura para garantir sua obediência e prendê-lo em uma garrafa. Ele pode se esconder no quarto das crianças mal educadas. o Saci está nos redemoinhos de vento e pode ser capturado jogando uma peneira sobre os redemoinhos. Tem gente que diz se tratar de uma espécie de cabra. nos armários. depois morrem e viram um cogumelo venenoso ou uma orelha de pau. A principal característica do saci é a travessura. transforma-se em metade homem e continua em condição de boto na outra metade do corpo. como: fazer o feijão queimar. Por ser muito moleque ele acaba causando transtornos. a imagem de um ser abominável já era utilizada para gerar medo nas crianças. Por esse fato. Com a influência da mitologia africana. diverte-se com os animais e com as pessoas. mentem ele não se interessa pelas crianças obedientes e educadas. nos armários. herdou o pito. Bicho-papão ou Cobra-cabriola O bicho-papão é uma figura fictícia mundialmente conhecida. ele é muito brincalhão. com duas pernas. A imagem do bicho-papão possui variações de acordo com a região. após esse tempo. Nos Países Baixos. seriam levadas escravas pelo melek-ric (bichopapão): “Porta-te bem senão o melek-ric vem buscar-te”. uma espécie de cachimbo. ataca crianças que andam sozinhas nas ruas desertas nas noites de sexta-feira. as pessoas que vivem em comunidades próximas aos rios onde habitam os botos cor-de-rosa o comem acreditando que ficarão enfeitiçadas por ele pelo resto da vida. Coração de Leão. Ao engravidá-las. O Bicho-papão aparece realmente para levar consigo as crianças desobedientes. além disso.

Na primeira noite de terça ou sexta-feira após seu 13º aniversário. o garoto sai à noite e no silêncio da noite. esse último filho será um Lobisomem. um ser maligno que causava doenças ou matava os índios. O Curupira tem o poder de ressuscitar qualquer animal morto sem sua permissão. No Sul do Brasil é. se transforma pela primeira vez em lobisomem e uiva para a Lua. além de uivar de forma aterrorizante. Também chamado de Caiçara. Caipora ou Curupira É uma lenda de origem indígena. de fato crêem na existência do monstro. É uma entidade fantástica pertencente à mitologia tupi. em outros lugares dizem que é uma criança de cabeça grandíssima. Há relatos de entidades semelhantes entre quase todos os indígenas das Américas Latina e Central. quando se imagina ser uma entidade mulher. Em alguns lugares dizem que tem forma de uma mulher unípede que anda aos saltos. nu ou usando tanga. assim ao agradá-lo não se perderá na mata. Para alguns. é necessário que alguém bata bem forte em sua cabeça. 7 vilas e 7 encruzilhadas. semelhante a um lobo. outros dizem que tem o corpo coberto por pêlos. Suas origens se encontram na mitologia grega. na época da colonização do Brasil. escuro. sendo que algumas pessoas. apavorando os caçadores. o de surrar os cachorros mateiros. e fez pactos com os caçadores: permite-lhes caçar. magra e possui as orelhas um pouco compridas. o lobisomem volta a ser homem. As formas de lobisomem aparecem a partir dos 13 anos de idade. quando uma mulher tem 7 filhas e o oitavo filho é homem. açoita os cachorros e desliga todas as luzes que vê. Quem encontra o Caipora fica sem sorte nos negócios ou em qualquer empreendimento. Quando está quase amanhecendo. porém.Lobisomem O lobisomem é um dos mais populares monstros fictícios do mundo. fazendo com que as famílias batizem suas crianças o mais rápido possível. Algumas pessoas descrevem o Curupira como um índiozinho montado em um porco selvagem. Nos estados de outras regiões é representado como um pequeno índio. A figura do lobisomem é de um monstro que mistura formas humanas e de lobo. . especialmente aquelas mais velhas e que moram nas regiões rurais. Segunda a lenda. para findar a situação de lobisomem. Dizem que ele é um menino de cabelos vermelhos e com os pés virados para trás. fumando cachimbo. azarado. a criança é pálida. Pode ser masculino ou feminino. Variação: Caipora O nome Caipora vem do tupi e quer dizer morador do mato. de que os índios temiam muito o Curupira. Quando nasce. o Caipora é um protetor dos animais e da mata. em troca de um pouco de cachaça e de fumo. Pai ou Mãe-do-mato. Após a primeira transformação. apresentado como um gigante peludo dotado de enorme força física. mas castiga-os quando matam mais animais do que o combinado. Entre os índios Tupis-Guaranis. trata-se de uma versão do Curupira. existia uma outra variedade de Curupira. chamada Anhanga. Quando entramos na mata e ouvimos barulhos estranhos pode ser ele. às vezes. Reina sobre os animais. Há relatos dos jesuítas. A lenda do lobisomem é muito conhecida no folclore brasileiro. quando caçam nas sextas-feiras ou quando não lhe dão o prometido. 7 pátios de igreja. Ele cuida das animais da florestas. Ao entrar numa mata deve-se levar uma oferenda para o Curupira. representado de diferentes formas dependendo da região do Brasil. doido por cachaça e por fumo. Em todas as versões. e o de ressuscitar os animais mortos sem sua permissão. Aparece. Segundo o folclore. cavalgando um porco-do-mato enorme e agitando um galho de japecanga. Outras vezes está sempre seguido por um cachorro. ágil. porém sua história se desenvolveu na Europa. para despistar quem quiser seguí-lo. Algumas versões da história dizem que os monstros têm preferência por bebês não batizados. Ele é tão rápido que muitas vezes ao passar pela mata. ou filhotes e fêmeas com crias. em geral. Por onde ele passa. parece um vento forte. o homem se transforma em lobisomem e passa a visitar 7 partes da região. mas sem os pés voltados para trás. em todas as noites de terça ou sexta-feira. Vários poderes lhe são atribuídos: o de assobiar para enganar os caçadores. protegendo contra a devastação das florestas e a caça de animais. Os índios guaranis dizem que ele é o “ Demônio da Floresta”.