You are on page 1of 21

CONSELHO SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

REGIMENTO INTERNO

CAPÍTULO l

DA COMPOSIÇÃO DO CONSELHO Art. 1º O Conselho Superior do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, com atribuição de fiscalizar e superintender a atuação do Ministério Público, bem como velar pelos princípios da Instituição, é órgão de administração superior, exercendo suas atividades nos termos da legislação pertinente, de seu Regimento Interno e Deliberações que baixar. O Conselho Superior do Ministério Público é composto pelo Procurador-Geral de Justiça, que o preside, e pelo CorregedorGeral do Ministério Público, como membros natos, e por 06 (seis) Procuradores de Justiça, eleitos para mandato de 2 (dois) anos, sendo 3 (três) pelo Colégio de Procuradores de Justiça e 3 (três) pelos Promotores de Justiça,. Considerar-se-ão eleitos como membros suplentes, para substituir os titulares em seus impedimentos e faltas ou sucedê-los em caso de vacância, aqueles que se lhes seguirem na ordem decrescente da votação, pela respectiva classe. Em caso de empate, considerar-se-á eleito o candidato mais antigo na classe ou, sendo igual a antigüidade, o mais idoso. O Procurador-Geral de Justiça será substituído em seus impedimentos e faltas pelo seu substituto legal. A eleição dos integrantes do Conselho Superior do Ministério Público se dará mediante voto plurinominal e secreto, 60 (sessenta) dias antes do término do mandato dos Conselheiros em exercício, na forma das instruções baixadas pelo ProcuradorGeral de Justiça. 1

Art. 2º

-

§ 1º

-

§ 2º § 3º Art. 3º

-

Parágrafo único - São elegíveis somente os Procuradores de Justiça que não estejam afastados da carreira, admitindo-se a reeleição. Art. 4º Exercerá a função de Secretário do Conselho Superior durante o biênio um dos Conselheiros eleitos, escolhido para tanto pelos membros do Órgão. Não se apresentando qualquer candidato, a função de Secretário será exercida pelo Conselheiro mais novo na classe. Na hipótese prevista no “caput”, o Conselheiro mais novo na classe substituirá o Secretário em seus afastamentos, impedimentos e faltas. Os membros do Conselho exercerão suas atribuições sem prejuízo de suas funções ordinárias no Ministério Público.

§ 1º § 2º

-

Art. 5º

-

CAPÍTULO II

DA COMPETÊNCIA DO CONSELHO Art. 6º I II É da competência do Conselho Superior do Ministério Público: indicar ao Procurador-Geral de Justiça, em lista tríplice, os candidatos a remoção e promoção por merecimento; indicar ao Procurador-Geral de Justiça, para remoção ou promoção por antigüidade, o nome do mais antigo membro do Ministério Público na respectiva classe que o haja requerido, ressalvado o disposto no art. 36; aprovar os pedidos de remoção por permuta entre os membros do Ministério Público; deliberar, previamente, sobre designação pelo Procurador-Geral de Justiça, a ser feita por ato excepcional e fundamentado, de membro do Ministério Público para exercer funções processuais afetas a outro membro da Instituição; autorizar o afastamento de membro do Ministério Público para freqüentar curso ou seminário de aperfeiçoamento e estudo, no País ou no exterior; 2

III IV

-

V

-

aprovar o Regulamento da Comissão de Estágio ConfirmatórioCECON. parágrafo único. pelo voto de dois terços de seus integrantes. por interesse público. elaborar as listas sêxtuplas a que se referem os artigos 94. aos órgãos da Instituição para o desempenho de suas funções e a adoção de medidas convenientes ao aprimoramento dos serviços. representar ao Procurador-Geral de Justiça sobre qualquer assunto que interesse à organização do Ministério Público ou à disciplina de seus membros. assegurada ampla defesa. aprovar o quadro geral de antigüidade do Ministério Público e decidir sobre reclamações formuladas a respeito. e 104. bem como os nomes do Coordenador e dos Supervisores. decidir sobre o arquivamento de inquérito civil promovido por membro do Ministério Público e sobre a recusa de assumir a titularidade de ação civil pública. inclusive sugerindo a edição de recomendações. nos casos previstos em lei. II. aprovar o Regulamento dos Concursos para ingresso na carreira do Ministério Público. sem caráter vinculativo. 3 VII - VIII IX X XI XII XIII - XIV XV - XVI XVII - XVIII XIX - . decidir sobre o vitaliciamento de membro do Ministério Público. "caput". edital de convocação ao concurso para provimento de cargos da carreira por remoção ou promoção. a remoção ou disponibilidade de membro do Ministério Público. elaborar o regulamento da eleição para Procurador-Geral de Justiça. expedir. determinar. eleger os membros do Ministério Público que integrarão a Comissão de Concurso para ingresso na carreira.VI - manifestar-se sobre o afastamento de membro do Ministério Público que tenha ingressado na carreira até 05 de outubro de 1988 para o exercício de outro cargo ou função. da Constituição Federal. nos processos disciplinares para apuração de falta punível com as penas de suspensão e perda do cargo. opinar. no prazo legal. julgar recurso interposto contra qualquer ato da Comissão de Concurso ou de Banca Examinadora. ou.

4 VI VII VIII IX - X - .ainda. por lotação ou remoção. nos casos das Promotorias Eleitoriais. 7º I II III IV V São atribuições do Presidente do Conselho: representar o Conselho Superior do Ministério Público. elaboração da pauta das reuniões e convocação dos demais Conselheiros. assinando-as com os demais Conselheiros. em caso de empate. convocar as reuniões do Conselho. em caso de vaga. submeter a exame e votação as matérias e os feitos constantes da pauta e outras de atribuição do Órgão. dar posse aos Conselheiros eleitos. fazer publicar. CAPÍTULO III DAS ATRIBUIÇÕES DO PRESIDENTE Art. resolvendo as questões de ordem suscitadas. votar e. encaminhar ao Conselheiro-Secretário todo o expediente e documentação para arquivo e processamento. proferir voto de qualidade. convocar membro suplente em caso de faltas e impedimentos de Conselheiro titular eleito. XX XXI XXII deliberar sobre a instauração de processos administrativos. presidir as reuniões do Conselho. promoção e lotação. elaborar o respectivo regimento interno. exercer outras atribuições previstas em lei. os editais de convocação ao concurso de remoção. superintendendo a elaboração das respectivas pautas. proclamando o respectivo resultado. submeter à aprovaçao do Conselho as atas das reuniões.

distribuir a relator.XI XII XIII XIV - assinar. com todas as suas circunstâncias. relatar os feitos que lhe forem distribuídos. comunicar à Secretaria do Conselho. assinar. se pretender exercer as funções durante as respectivas férias. se for o caso. cumprir e fazer cumprir o Regimento Interno do Conselho. com os relatores das matérias e dos feitos submetidos à deliberação do Órgão. XV - CAPÍTULO IV DAS ATRIBUIÇÕES DOS CONSELHEIROS Art. os feitos a serem apreciados e julgados. assinar as atas aprovadas e pedir suas retificações e seus aditamentos. deliberando e votando as matérias submetidas ao Conselho. por sorteio público e rodízio. as respectivas decisões. comunicar à Secretaria do Conselho seus impedimentos e justificar eventuais faltas. comunicar ao Conselheiro-Presidente os casos de impedimento ou suspeição. exercer outras funções previstas em lei. II - III IV - V VI - 5 . proferir. redigir e subscrever o respectivo voto e a decisão do colegiado. atos e deliberações do Conselho. juntamente com o Secretário. os termos de abertura e encerramento dos livros destinados ao registro dos trabalhos do Conselho. com antecedência mínima de 5 (cinco) dias. expedir os provimentos. 8º I São atribuições dos Conselheiros: participar das reuniões.

auxiliar o Presidente no desempenho de suas funções. zelar pela guarda e conservação dos livros e arquivos do Conselho. secretariar as reuniões do Conselho e providenciar a redação. III IV V VI VII VIII IX - CAPÍTULO VI DA SECRETARIA E SUAS ATRIBUIÇÕES Art. informando o Presidente do resultado. delegar ao Secretário-executivo a assinatura do expediente da Secretaria do Conselho. em livro próprio. será composta por um Secretário-executivo e por servidores nela lotados. das atas das reuniões. fazer publicar no órgão da imprensa oficial as comunicações do Conselho. dirigida pelo Conselheiro-Secretário. 11 - . subscrevendo-as e fazendo publicá-las no órgão da imprensa oficial. colher os votos proferidos nas reuniões. Cabe à Secretaria: 6 Art. expedir certidões dos assentamentos do Conselho. dirigir e supervisionar os serviços da Secretaria do Conselho. 9º I II São atribuições do Secretário: submeter as pautas das reuniões do Conselho à aprovação do Conselheiro-Presidente para publicação. 10 A Secretaria do Conselho.CAPÍTULO V DAS ATRIBUIÇÕES DO SECRETÁRIO Art.

a partir deste. em livro próprio. 16 Nas sessões os Conselheiros usarão vestes talares. 14 Art. no mínimo. a reunião será pública se o interessado abrir mão do sigilo. 7 . ordenar e instruir os feitos submetidos à apreciação do Conselho. 13 Os Conselheiros eleitos tomarão posse em sessão solene. o Presidente tomará assento ao centro da mesa principal. arquivo e registro do Conselho Superior. no dia marcado em Deliberação ou reunião anterior. Parágrafo único .I II III IV V - organizar as pautas das reuniões do Conselho. submetendo-as ao Conselheiro-Secretário. Nas reuniões. 2/3 (dois terços) de seus membros eleitos. O Colegiado poderá reunir-se em conselho por solicitação de qualquer de seus membros. independentemente de convocação. em especial os serviços de digitação e reprografia para os Conselheiros. o Conselheiro-Secretário à sua direita e. proceder à lavratura. Art. Nas hipóteses de processos disciplinares. com antecedência mínima de 24 (vinte e quatro) horas. O Conselho reunir-se-á ordinariamente pelo menos uma vez por mês. salvo nos casos de processos disciplinares. 12 Art. 15 § 1º § 2º Art. certificar a tempestividade dos requerimentos de promoção. exercer todos os trabalhos pertinentes a secretaria. por convocação do Presidente ou de. remoção e lotação encaminhados por fax. As reuniões do Conselho serão públicas. das atas aprovadas das reuniões do Conselho.O Conselho reunir-se-á extraordinariamente em qualquer dia. CAPÍTULO VII DAS REUNIÕES DO CONSELHO Art.

Nos casos de promoção. Parágrafo único . 16. O Conselheiro-Presidente votará sempre em último lugar. 17 Nas reuniões do Conselho será obedecida a seguinte ordem dos trabalhos: I II III IV V VI VII VIII Art. 18 abertura. observada a ordem de antigüidade na classe. votará sempre em primeiro lugar o Conselheiro-Secretário seguindo-se a ordem prevista no art. quando houver Relator. conferência de "quorum" e instalação da reunião. os demais Conselheiros eleitos. 16. Art. comunicações dos Conselheiros. discussão e votação da ata da reunião anterior. depois dele votará o Conselheiro que se lhe seguir em ordem crescente de antigüidade e assim sucessivamente. determinar diligências esclarecedoras. remoção ou lotação por antigüidade. encerramento da reunião.sucessivamente. discussão e votação de assuntos gerais. 19 I II - . bem como nas demais hipóteses em que não houver relator. a partir do Conselheiro-Secretário. Na ordem de votação. leitura da ordem do dia. do mais moderno ao mais antigo. discussão e votação das matérias constantes da ordem do dia. leitura. leitura do expediente e comunicações do Presidente. com eventual restituição dos autos ao órgão de origem. remoção ou lotação por merecimento obedecer-se-á rodízio a cada votação. Compete ao Relator: ordenar e dirigir o processo. 8 § 1º § 2º - § 3º - § 4º Art.O Corregedor-Geral do Ministério Público tomará lugar à esquerda do Presidente. O rodízio de que trata o parágrafo anterior terá início a cada biênio observada a ordem estabelecida no art. Nos casos de promoção.

9 Art. ou pedir dia para julgamento ao Presidente. CAPÍTULO VIII DAS DELIBERAÇÕES DO CONSELHO Art. VI VII VIII Art. 22 Proclamado o resultado. com o nome dos interessados e seus eventuais procuradores. publicando-se a determinação no Diário Oficial. os demais Conselheiros que se seguirem na ordem de votação poderão. É admitida a sustentação oral pelo interessado ou por seu procurador. 20 Art.Se houver pedido de vista. 24 Art. que ordenará a inclusão em pauta. decidir a admissibilidade de recurso. salvo nos casos em que for exigido "quorum" especial. decidir sobre pedidos de adiamento. lavrar a decisão e assiná-la juntamente com o Presidente. 25 I II - .III IV V - requisitar processos. ou não. lavrar e assinar o relatório e o voto. Não poderá ser negada vista dos autos a qualquer Conselheiro. proferir de plano seu voto. 23 As deliberações do Conselho serão tomadas por maioria simples dos Conselheiros presentes. Exige-se maioria qualificada de 2/3 (dois terços) de seus membros para: recusa de vitaliciamento de membro do Ministério Público. o Conselheiro não pode mudar o voto. 21 - Parágrafo único . Art. apresentar o processo para julgamento. que ficará obrigado a restituí-los na sessão subseqüente. recusa à promoção por antigüidade. É necessária a presença da maioria absoluta para instalação da sessão. documentos e exames periciais.

Encerrada a reunião. remoção ou lotação. Para fins de promoção. extrairá cópia da ata aprovada. unilateral ou por permuta. o Secretário. A cópia da ata deverá ser afixada em local visível e publicada na imprensa oficial. 32 Art. deverá declarar se 10 . alternadamente. O membro do Ministério Público indicado pela terceira vez consecutiva para promoção será obrigatoriamente promovido. A remoção far-se-á sempre para cargo da mesma classe. Nos casos de promoção. 31 Art. 29 Art.III IV Art. remoção ou lotação por merecimento. § 1º - § 2º § 3º - CAPÍTULO IX DAS PROMOÇÕES. a remoção poderá ser voluntária. 33 A promoção será voluntária. por antigüidade e merecimento. A promoção e a remoção voluntária unilateral serão feitas. As cópias dos ofícios e respectivos expedientes serão arquivados na Secretaria do Conselho. aprovação ou revogação de Assento ou Súmula. A promoção far-se-á sempre de uma classe para a classe imediatamente superior. bem como providenciará o cumprimento das deliberações do Conselho. 27 - remoção ou disponibilidade de membro do Ministério Público. no prazo de 7 (sete) dias. 26 Art. REMOÇÕES E LOTAÇÕES Art. ou compulsória. Os ofícios do Conselho serão subscritos pelo Presidente ou. no momento da inscrição. 30 Art. preservado o sigilo nas hipóteses legais ou por deliberação da maioria dos membros do Colegiado. pelo Secretário. o membro do Ministério Público. 28 Art. por motivo de interesse público. serão registrados em ata os votos de cada Conselheiro. havendo delegação.

35 - § 1º § 2º Art. além do prazo legal. se aprovada a instauração do procedimento por maioria absoluta. 36 - § 1º - § 2º § 3º - . 11 § 2º - § 3º - Art. em condições de legibilidade. Na indicação para remoção por merecimento ou antigüidade. apresentando a justificativa cabível. nas indicações por antigüidade o Conselho poderá retirar o processo de pauta para colher informações da Corregedoria-Geral sobre a regularidade do serviço do interessado. O ato que obste a promoção. A recusa poderá ser proposta por qualquer membro do Conselho e. o tempo mínimo de 6 (seis) meses de exercício no cargo atual. Não estando o serviço em dia. No caso de não-atendimento do disposto neste artigo. Por 2/3 (dois terços) de seus integrantes. qualquer natureza. salvo se não houver outro concorrente com esse requisito ou se todos estiverem em igualdade de condições. § 1º - feitos de Caberá ainda ao Promotor de Justiça apresentar relatório estatístico de suas atividades até o último dia do mês anterior àquele em que houver formulado o pedido de inscrição. remoção ou lotação por antigüidade. ou não. 34 - Art. bem como a data da vista do mais antigo. obstando a promoção. remoção ou lotação por antigüidade será fundamentado. o Conselho poderá recusar o membro do Ministério Público mais antigo. será considerado. O candidato poderá encaminhar seu requerimento de inscrição por "fax". para efeito de aferição da conveniência do serviço. deverá o membro do Ministério Público mencionar a quantidade e a espécie de feitos em atraso. Será admitida a inscrição por "fax" desde que recebido no prazo previsto no "caput" deste artigo. o interessado será comunicado por escrito para conhecimento e eventual impugnação no prazo de 5 (cinco) dias. conforme procedimento previsto neste artigo. Somente serão conhecidos os requerimentos de inscrição que tenham sido apresentados no protocolo geral do Ministério Público até as 18 (dezoito) horas do último dia do prazo. o procedimento será colocado em pauta para julgamento. Após o decurso do prazo previsto no parágrafo anterior.possui em seu poder.

Na promoção. através de publicação de livros. 39 - § 1º I II III IV V - VI - VII VIII IX - . o tempo de exercício na classe. salvo se não houver com tais requisitos quem concorra ao lugar vago ou quando o número limitado de requerentes não permitir a formação de lista tríplice. antes de repetir-se a votação até fixar-se a indicação adequada. exposições e conferências de cunho institucional. 12 Art. autor de teses ou assistente em cursos. 38 - Art. Serão ainda levados em conta: a conduta do membro do Ministério Público na sua vida pública e particular. o atendimento ao disposto no art. teses. bem como a posição do interessado na lista de antigüidade. serão particularmente considerados a operosidade e dedicação no exercício do cargo e a segurança das manifestações. aguardar-se-á o julgamento do recurso eventualmente manifestado ou o decurso do prazo para sua interposição. o número de vezes que já tenha integrado listas de promoção ou remoção pelo critério de merecimento. a participaçáo como conferencista. palestrante.§ 4º - No caso de recusa do membro mais antigo. a freqüência e o aproveitamento em cursos oficiais ou reconhecidos de aperfeiçoamento. mesas redondas. remoção ou lotação por merecimento. A promoção por merecimento pressupõe ter o membro do Ministério Público 2 (dois) anos de exercício na respectiva classe. estudos. Para aferição do merecimento. bem como integrar a primeira quinta parte da lista de antigüidade. artigos e obtenção de prêmios relacionados com sua atividade funcional. painéis. 37 - Art. o aprimoramento de sua cultura jurídica. este será apurado pela atuação do membro do Ministério Público em toda a carreira. 31. o conceito de que desfruta na Comarca. a participaçáo em debates. seminários e congressos de interesse institucional.

o Conselho formará. nas observações feitas pela Corregedoria-Geral em correições e inspeções. depois de aferidos pelo Corregedor-Geral. nos elogios e referências constantes de pareceres e acórdãos. procedendo-se. 40 § 1º - § 2º § 3º - § 4º - . a tantos escrutínios quantos necessários. lista tríplice. mais um. permitiria ao candidato participar do novo escrutínio. nas informações transmitidas pelo Corregedor-Geral Conselheiros previamente à remoção. No caso do parágrafo anterior. aos A Corregedoria-Geral manterá. desde que obtida a maioria absoluta de votos dos Conselheiros presentes. promoção ou lotação. facultativamente. para fim de inclusão na respectiva pasta.§ 2º I II III IV V § 3º - As circunstâncias a que se refere o “caput” deste artigo serão avaliadas com base: nas manifestações produzidas no exercício da função. na forma de ato a ser editado pelo Corregedor-Geral do Ministério Público. Quando se tratar de escolha por merecimento. até o número de lugares a serem preenchidos na lista. Cabe ao membro do Ministério Público. 13 § 4º - Art. Em caso de empate entre concorrentes que hajam alcançado a maioria absoluta. neste concorrerão todos os que tenham empatado naquela colocação. sempre que possível. de acordo com o previsto no parágrafo anterior. para alcançá-la. Havendo necessidade de novo ou novos escrutínios. bem como dos elementos referidos nos incisos IV a VII do § 1º. com a devida atualização. pasta funcional alusiva a cada membro do Ministério Público com os elementos disponíveis sobre o respectivo merecimento. cópias de suas manifestações. concorrerão os mais votados que não tiverem alcançado maioria absoluta. A lista será formada com os nomes dos três candidatos mais votados. tendo ocorrido empate na votação anterior no derradeiro lugar que. nas observações feitas pelos Procuradores de Justiça no exercício de inspeção permanente. terá preferência o mais antigo. remeter à Corregedoria-Geral.

observado o disposto nos arts. A remoção pode efetuar-se por permuta entre membros do Ministério Público da mesma classe. Não sendo caso de promoção obrigatória. O procedimento destinado à remoção ou à disponibilidade compulsórias será instaurado: diante de representação do Procurador-Geral de Justiça ou do Corregedor-Geral do Ministério Público. A disponibilidade só será aplicável a membro vitalício do Ministério Público na hipótese de conduta incompatível com o exercício do cargo. prevalecendo. por deliberação Conselho. pela ordem dos escrutínios. do Art. 42 - Art. 46 I II - 14 . Art. ou acarretem expressivo prejuízo ao prestígio ou à dignidade da Instituição. salvo se preferir o Conselho Superior delegar a competência ao Procurador-Geral de Justiça. consistente em abusos. 33 e 34. 44 Por motivo de interesse público e de forma compulsória.§ 5º Art. 45 - Art. erros ou omissões que o comprometam para o exercício do cargo. será observado o número de votos de cada candidato. 43 - CAPÍTULO X DA REMOÇÃO E DA DISPONIBILIDADE POR MOTIVO DE INTERESSE PÚBLICO Art. independentemente de representação. em caso de empate. observada a ordem dos escrutínios. 41 - Na formação da lista tríplice. pelo voto de dois terços de seus membros. A renovação de remoção por permuta só será admitida após o decurso de 2 (dois) anos. a escolha recairá no membro do Ministério Público mais votado. assegurada ampla defesa. a antigüidade na classe. mediante pedido escrito e conjunto formulado por ambos os pretendentes. o Conselho poderá determinar a remoção ou a disponibilidade de membro do Ministério Público. provocada por qualquer dos demais membros.

caso contrário a decisão será executada de imediato. vencido o prazo. ao final. 57 - . será dada oportunidade ao interessado para apresentar alegações e documentos.Art. Art. arquivando-se os mesmos. Produzida nova prova. Os autos aguardarão na Secretaria até que se esgote o prazo para recurso ao Órgão Especial do Colégio de Procuradores de Justiça. Findo o prazo para defesa. com o prazo de 10 (dez) dias. salvo se for revel ou furtar-se à intimação. e colhida a prova que se faça necessária. no prazo de 5 (cinco) dias. a requerimento do interessado. caso em que esta será feita por publicação na imprensa oficial. Parágrafo único . que exercerá a função de relator. por 5 (cinco) dias. de ofício ou a requerimento do interessado. Se o Conselho entender que não é cabível a remoção ou disponibilidade. ou não.Com as alegações finais ou sem elas. que será de 15 (quinze) dias. determinará o arquivamento do feito. 48 Art. fixado no respectivo Regimento Interno. prorrogáveis por igual prazo pelo Conselho. 50 Art. será aberta vista. examinará a cessação. Deliberando pela disponibilidade ou remoção. o Relator terá 10 (dez) dias para lançar seu relatório. 53 Art. 49 - A instrução do processo será presidida por Conselheiro sorteado. do motivo que a determinou. após seu recebimento pelo Relator. na Secretaria do Conselho. o Conselho. os autos serão remetidos ao Órgão Especial do Colégio de Procuradores de Justiça.Interposto o recurso. os autos serão remetidos ao Relator para as providências necessárias. O processo deverá estar concluído em 60 (sessenta) dias. para alegações finais. 15 Art. 54 - Art. Art. Decorridos 2 (dois) anos do termo inicial da disponibilidade. para as providências cabíveis. findo o qual os autos serão reincluídos em pauta. Havendo conversão do julgamento em diligência. determinada pelo Relator. 51 Art. 52 O Conselho poderá converter o julgamento em diligência para produção de novas provas. Art. os autos serão remetidos ao Procurador-Geral de Justiça. 47 Art. após o que pedirá ao Presidente a inclusão em pauta. 55 - Parágrafo único . 56 Transitando em julgado a deliberação pela disponibilidade ou remoção. o Conselho fará intimar pessoalmente o interessado da decisão.

sorteado relator. 61 Sujeita-se a homologação do Conselho Superior qualquer arquivamento de inquérito civil ou de peças de informação. Se a remessa não se der no prazo. Art. 58 Até o dia 20 (vinte) de janeiro de cada ano. para exame e deliberação. bem como o indeferimento de representação que contenha peças de informação alusivas à defesa de interesses difusos. o Conselho requisitará os autos. O órgão do Ministério Público remeterá ao Conselho Superior os autos do inquérito civil ou de peças de informação no prazo de 3 (três) dias a contar da data da promoção de arquivamento.CAPÍTULO XI DO QUADRO GERAL DE ANTIGÜIDADE Art. qualquer interessado poderá reclamar contra sua posição na lista. No prazo de 10 (dez) dias contados da publicação do quadro geral de antigüidade. 59 Art. 62 - § 1º - 16 . Uma vez aprovado. de ofício ou a pedido de interessado. CAPÍTULO XII DO INQUÉRITO CIVIL E DAS PEÇAS DE INFORMAÇÃO Art. 60 - Parágrafo único . serão apreciadas após inclusão em pauta. dirigido ao Presidente. Art.As reclamações serão autuadas e. o Procurador-Geral de Justiça fará publicá-lo na imprensa oficial até o dia 31 de janeiro de cada ano. incluindo-se a matéria na ordem do dia antes da primeira reunião subseqüente. coletivos ou individuais homogêneos. em requerimento fundamentado. o Procurador-Geral de Justiça encaminhará ao Secretário do Conselho o quadro geral de antigüidade dos membros do Ministério Público.

desde que o fundamento da promoção de arquivamento seja a ocorrência de situação fática que torne desnecessário o prosseguimento das investigações e inviável a propositura de ação civil pública. a distribuição dos autos a um dos Conselheiros. com o voto encartado. § 1º - § 2º - § 3º - 17 . os procedimentos que serão objeto de decisão monocrática. considerandose. no prazo de 05 (cinco) dias. que deverão. como a data das decisões monocráticas apresentadas e de cujo resultado será dada igual publicidade. devolvendo fisicamente os autos. O relator. Das decisões monocráticas caberá recurso.§ 2º § 3º § 4º - Recebidos os autos no protocolo geral da Instituição. em sessão. para o Pleno do Colegiado. 17 da Resolução GPGJ nº 1522/09. data esta que será adotada. poderá o Conselheiro requisitar a remessa dos autos ao Conselho Superior. ser submetidas ao Colegiado. comunicando à Secretaria. § 5º - (Emenda aditiva relativa aos parágrafo 4º e 5º do art. obrigatoriamente. Poderá o relator votar monocraticamente nos procedimentos a ele distribuídos que se refiram às hipóteses contempladas por Enunciados aprovados pelo Colegiado. A seu critério. de forma ficta. que oficiará como Relator. apresentandoo para julgamento na sessão subsequente à remessa. por sorteio público e rodízio. farse-á. com a antecedência mínima fixada. para exame e posterior deliberação. A Secretaria procederá à conferência das folhas e sua numeração e lançará certidão nos autos. exceto quando houver a interposição de recurso ou quando aqueles procedimentos se refiram às matérias de improbidade administrativa e da cidadania. na mesma data em que tiver lugar a sessão de julgamento. Para os fins do que dispõe o parágrafo 1º do art. adotará os mesmos procedimentos adotados em relação aos processos submetidos ao julgamento colegiado. os ofícios endereçados pelos membros do Ministério Público dando ciência da relação de procedimentos em trâmite há mais de 01 (um) ano serão distribuídos na forma regimental. 63 - Após o recebimento do inquérito civil ou das peças de informação. serão remetidos até o dia imediato à Secretaria do Conselho. para fins de prévia publicação no Diário Oficial. para efeito numérico. cada Promotoria de Justiça como item distribuído. ao votar monocraticamente. 62 aprovada na sessão do Conselho Superior do dia 04 de outubro de 2010) Art.

68 - O Conselho Superior do Ministério Público elaborará as listas sêxtuplas a que se referem os artigos 94. na antigüidade na carreira e na classe. parágrafo único. "caput". 63 aprovada na sessão do Conselho Superior do dia 14 de janeiro de 2010) Art. Rejeitado o arquivamento. e 104. II.(Emenda aditiva relativa aos parágrafo 1º. da Constituição Federal. os autos de inquérito civil ou peças de informação quando surgirem novas provas. mais um. Homologado o arquivamento. ocorrendo empate entre candidatos que tenham atingido o número de votos indicado no inciso anterior. O membro do Ministério Público que promoveu o arquivamento do inquérito civil ou das peças de informação não está impedido de propor a ação civil pública se surgirem novas provas em decorrência da conversão do julgamento em diligência. sucessivamente. CAPÍTULO XIII DA FORMAÇÃO DE LISTA SÊXTUPLA Art. I II - III - IV V - participarão dos escrutínios complementares tantos candidatos quantos forem as vagas ainda não preenchidas. 65 - Está impedido de votar o Procurador-Geral de Justiça se o arquivamento provier de quem exerça funções por ele delegadas em caso de suas atribuições originárias. 67 - Art. os autos do inquérito civil ou das peças de informação serão restituidos ao órgão de origem pela Secretaria do Conselho. Poderão ser desarquivados pelo Conselho. se necessário. 66 - Parágrafo único - Art. 64 Art. observadas as seguintes regras: para integrar a lista o candidato terá de alcançar a maioria absoluta de votos dos Conselheiros presentes. de ofício ou a requerimento de interessado. havendo necessidade de proceder-se a escrutínio complementar e tendo ocorrido empate na votação anterior no derradeiro lugar 18 . o desempate far-se-á com base. o Procurador-Geral de Justiça designará outro membro da Instituição para ajuizar a ação civil pública. 2º e 3º do art. realizar-se-ão novos escrutínios até que seja alcançado por seis candidatos o número de votos exigido para integrar a lista.

para o desempenho de suas funções e a adoção de medidas convenientes ao aprimoramento dos serviços. CAPÍTULO XV DAS RECOMENDAÇÕES Art. o Secretário encaminhará o respectivo expediente à CorregedoriaGeral do Ministério Público. Se aprovada. de acordo com o previsto no inciso precedente. (Redação dada pela deliberação do Conselho Superior aprovada na sessão realizada em 27/09/2006. a sugestão será encaminhada ao Procurador-Geral de Justiça. 70 - Art. 69 Qualquer membro do Conselho que tiver notícia de infração disciplinar e da respectiva autoria poderá solicitar ao Presidente a inclusão da matéria na ordem do dia para apreciação pelo Conselho. 72 - CAPÍTULO XVI 19 . Deliberando o Conselho pela instauração do processo. por escrito. formar-se-á uma única lista específica para cada vaga.) CAPÍTULO XIV DO PROCESSO ADMINISTRATIVO Art. Parágrafo único . aos órgãos do Ministério Público. Art. sugestão para adoção de Recomendações. 71 Qualquer Conselheiro poderá apresentar ao Colegiado. neste concorrerão todos os que tenham empatado naquela colocação. sem caráter vinculativo. permitiria ao candidato participar do novo escrutínio.Havendo mais de uma vaga a ser preenchida mediante solicitação do Tribunal competente.que.

Os Assentos e Súmulas. devendo os trabalhos ser concluídos dentro do prazo estabelecido. o Conselho. 76 Art. Qualquer Conselheiro poderá propor a edição ou a revogação de Assento ou de Súmula. Assento é a proposição que expressa a reiterada orientação do Conselho em matéria de sua competência como órgão de administração. § 2º Art. sendolhe facultado oferecer sustentação oral. 77 - CAPÍTULO XVIII 20 . qualquer membro do Conselho poderá apresentar.Nessa reunião. numerados sequencialmente. emendas a conclusões da Comissão Especial.DAS COMISSÕES ESPECIAIS Art. § 1º § 2º - Art. Não apresentados os trabalhos no prazo fixado. 74 - Parágrafo único . poderá dissolver a Comissão Especial e nomear outra. por escrito. Os integrantes da Comissão escolherão entre si aquele que a presidirá e aquele que funcionará como seu relator. 75 § 1º O Conselho poderá editar Assentos e Súmulas. CAPÍTULO XVII DOS ASSENTOS E SÚMULAS Art. Súmula é a proposição que expressa a reiterada orientação do Conselho no âmbito de suas atribuições como órgão de execução. As conclusões da Comissão Especial serão votadas na primeira reunião que se seguir à apresentação dos trabalhos. desacolhendo as razões do atraso. 73 O Conselho pode formar Comissões Especiais para estudo de quaisquer questões de sua competência. serão transcritos em livro próprio da Secretaria do Conselho e publicados na imprensa oficial.

79 - Art. Este Regimento Interno entrará em vigor na data de sua publicação. 78 Os prazos a que se refere este Regimento não começarão a correr nos sábados.DAS DISPOSIÇÕES FINAIS E TRANSITÓRIAS Art. domingos. feriados ou em quaisquer outros dias em que não houver expediente na Procuradoria. revogados o Regimento Interno aprovado a 22 de outubro de 1982 e demais disposições em contrário. não se incluindo na contagem dos mesmos o dia da publicação do aviso ou do ato correspondente. 03 de fevereiro de 1997. 80 - Rio de Janeiro. Art. Até a posse do Conselho eleito para o biênio 1999/2001 exercerá a função de Secretário o Conselheiro mais novo na classe. HAMILTON CARVALHIDO MAURO CAMPELLO ROBERTO ABRANCHES RONALDO DE MEDEIROS E ALBUQUERQUE DALVA PIERI NUNES DÉCIO LUIZ GOMES ELIZABETH DE MORAES CASSAR PEDRO MOREIRA ALVES DE BRITO 21 .