You are on page 1of 41

Tratamento Químico

pH A concentração do ião hidrogénio é muitas vezes expressa, por conveniência, em termos de pH ( potência Hidrogeniónica ). O pH pode ser definido através da expressão pH = -log a(H3O+ )

pH

pH A concentração hidrogeniónica é um importante parâmetro da qualidade das águas naturais e residuais. É raro que a acidez ou a alcalinidade sejam uma contra-indicação à potabilidade. As águas potáveis correntes têm habitualmente um pH entre 7,2 e 7,6. As águas muito calcárias têm um pH elevado. As águas que provêm de terrenos pobres em calcário ou sílica tem um pH vizinho de 7 e algumas vezes um pouco inferior.

As normas internacionais precisam os valores de pH entre 7 e 8.5 como uma indicação importante na agressividade da água em relação ao cimento e aos metais. .pH O valor de pH compatível com a vida dos peixes está compreendido entre 4 e 10.

pE O conceito de pE é usado no tratamento de águas para caracterizar a extensão com que as águas são quimicamente redutoras. O pE define-se como o valor negativo do logaritmo decimal da actividade de electrões na água (apesar destes não se encontrarem dissolvidos!) .

pelo contrário valores elevados de pE significa que as espécies dominantes são agentes oxidantes. . uma vez que há poucos electrões disponíveis para os processos de redução.Baixos valores de pE significa que o meio é redutor (os electrões encontram-se mais disponíveis).

e sem CO2 dissolvido.75 + log([H +]PO 1/ 4 ) = 20. ¾¾ 2 4 2 Nestas circunstâncias o pE da água é dado por 1 pE = 29.Quando se dissolve em H2O uma quantidade significativa de O2. a reacção dominante é 1 + 1 ¾¾ ® O + H + e HO 2 ¬ . de forma a que pH=7. pE=13.21 atm).9 .75 pH + log(PO ) 2 42 Para uma amostra de água neutra saturada com O2 do ar (P(O2)=0.

0591 = 20.226 V 1. PO 2) sabendo que E0=1. PO 2 0 + 1/ 4 = E + 0. PO 2) 0.0591log([ H ].0591. que a 25 ºC é 0.0591 0.0591 1/4 pE = + log([ H +].A expressão anterior é muito idêntica à expressão de Nernst. 0 RT 1 E = E ln = 1/ 4 nF [ H +].75 pH + (1/ 4)log( PO 2) . o valor de pE é simplesmente o valor de E dividido por RT/F.226 0.

.

0836 V. NH + + HO 3 ¬ .0591=+14. e sabendo que E0=+0. pE0=E0/0. ¾¾42 84 88 0 + 1/8 1/8 5/4 pE = pE log([NH4 ] /([NO3] [ ]) 5 4) [NH + ] =14.15 15 + 13 ¾¾ NO+ H + e .15 pH (1/8)log( 4[NO3 ] .Para redução do nitrato a amónio.

PRECIPITAÇÃO QUÍMICA .

00E-02 1.00E-01 1.00E+01 1.00E+00 1.00E-03 1.00E-04 S / (mg/L) .Efeito do pH Cu Zn Ag Cd Ni Solubilidade dos hidróxidos metálicos 7 8 9 10 11 12 pH 1.

Desvantgens Quando se trata de efluentes provenientes de processos que contenham iões cianetos. uma vez que os dois primeiros requerem um tratamento especial antes de todos os caudais se poderem misturar. . é fundamental uma separação dos diferentes caudais que provêm dos banhos. ácido crómico e nitritos. de forma a não misturar os efluentes que contenham iões de crómio hexavalente. com os que contenham iões cianeto ou nitritos dos restantes efluentes ácidos e alcalinos.

dependendo a escolha do processo do caudal de efluente produzido. este factor não é um problema.A modificação ou a destruição das espécies poluentes que constituem os efluentes é muito provavelmente a técnica mais utilizada na depuração dos efluentes. sob condições de pH e potencial de eléctrodo (rH) controlados. de forma a que ocorra a reacção completa. . No tratamento em contínuo há que assegurar que o tempo mínimo de retenção do efluente no tanque reaccional. No tratamento por cargas. é cumprido. Estes processos ocorrem com a adição de reagentes específicos. O tratamento químico pode ser efectuado em contínuo ou por cargas.

NaCNO + NaCl + H2O 2NaCNO+4NaOH+4Cl2 . 2CO2(g)+N2 +8NaCl + 3 H2O 2NaCN+10NaOH+5Cl2 .Oxidação de cianetos / cloro e hipoclorito NaCN + 2NaOH + Cl2 . 2 Na2CO3 + N2 (g) + 5 NaCl + H2O . 2 NaHCO3 + N2 + 10 NaCl + H2O 2NaCN+2NaOH+5NaClO .

por 4 L de banho utilizado 1.36 0.94 0.54 0.31 0.60 0.25 CuCN 2º estágio usando NaClO 2º estágio usando Cl2 1º estágio usando NaClO 1º estágio usando Cl2 Banho .05 0.80 0.63 0. em USD.55 1.Oxidação de cianetos / cloro e hipoclorito Custo dos tratamentos de cianetos.21 ZnCN 0.41 Cd 0.

enquanto a utilização do hipoclorito (15%) pode ter lugar em pequenas instalações com caudais inferiores a 4500 L/hora. .Oxidação de cianetos / cloro e hipoclorito O gás cloro é utilizado de forma preferencial em sistemas de grandes dimensões devido aos custos de operação e de instalação de equipamento para gases (o que encarece o investimento inicial).

gás cloro ou mesmo de ácido cianídrico.Oxidação de cianetos / cloro e hipoclorito Condições operatórias Tempo de retenção inicial: 10-15 minutos 1º estágio pH=8. .5 rH=800 mV (Au-KCl) O pH não poderá diminuir para valores abaixo de 8. 50 %) rH = 350 mV (Au-KCl) 2º estágio pH=11. para evitar a libertação de cloreto de cianogénio (CClN).5 (adição de NaOH.

5 mg/L este procedimento torna-se fundamental. CNO-+ H2O Para evitar a decomposição do H2O2. bem como o aumento da T. Quando a concentração de cianetos é superior a 0.Oxidação de cianetos / H2O2 CN-+ H2O2 . O H2O2 não é eficaz na oxidação de cianetos quando estes se apresentam na forma de iões complexos de Ni e Fe . utiliza-se um catalisador constituído à base de sais de cobre (100-200 mg/L de Cu(II)).

. a necessidade de obter tempos de reacção baixos faz com que seja imperativo sobredosear o H2O2 para cerca do dobro (5 6 kg por 1 kg CN-).Oxidação de cianetos / H2O2 Condições operatórias Tempo de reacção: 2 horas Temperatura de 40 50 ºC pH aproximado de 9.0 na presença do referido catalisador São necessários cerca de 2. com uma concentração de 35 %. para oxidar 1 kg de cianetos. Na prática.5 -3 kg de H2O2.

pois o seu poder oxidante pode fazer-se sentir no meio envolvente em espécies que não desejamos.Oxidação de cianetos / O3 CN-+ O3 . oxidar. 2HCO3 + 3O2 +N2 Embora a utilização de ozono esteja a ser implementada em diferentes ETARs. como forma preventiva de possíveis fugas. CNO-+ O2 2CNO-+ 3O3 + H2O . . nem devemos. a sua utilização é dispendiosa e requer um controlo muito apertado ao seu consumo.

Oxidação de cianetos / O3 Condições operatórias Tempo de reacção: 20 minutos pH:10-12 Para a oxidação completa de 1 g de iões CN-a azoto é necessário cerca de 4. .6 g de O3.

1 g/L podendo.Oxidação de cianetos / Oxidação Anódica Esta técnica permite destruir soluções concentradas de cianetos (100-200 g/L) até concentrações finais de 0. tratar-se quimicamente. . posteriormente.

Oxidação de cianetos / Oxidação Anódica As reacções que ocorrem são: Reacções anódicas 2 CN. N2 + 2 CO2 + 2 H2O + 6 e . Reacções catódicas 2 OH. CNO Os cianatos formados também se oxidam no ânodo! 2 CNO+ 4 OH. (CN)2 + 2 e( CN)2 + 4 OH. 2 OH + 2 e2 OH . H2O + O CN+ O . 2 CNO+ 2 e O radical dicianeto é instável e hidrolisa-se a cianato.

ânodos insolúveis de aços especiais ou de grafite platinizada. 190-200 h. Os tempos de electrolização são grandes ca. carga máxima de 1 A/L densidade de corrente no ânodo de 3-4 A/dm2. . O consumo de energia eléctrica pode estimar-se da ordem dos 30 KWh/kg CN-.Oxidação de cianetos / Oxidação Anódica Condições operatórias temperatura de 40-60 ºC. diferença de potencial de 4 a 6 V.

03 1.38 ferro + ácido sulfúrico 1.60 bissulfito de sódio + ácido sulfúrico 0.17 0.78 dióxido de enxofre 0.17 0.05 + 0.Redução de Cr(VI) Custos do tratamento de redução de Cr(VI).26 + 0.76 + 2.55 + 0.60 1. por 4 L de banho de crómio 0.11 6.49 + 0.11 0.38 sulfato de ferro (II) + ácido sulfúrico custo total / USD Custo / USD Quantidade / lb tratamento químico .58 0.45 + 2.16 0.

Oxidação de NO2-/ ClO 2 NO2 + ClO.0 tempo de reacção: 20 a 30 minutos. . NO3 + Cl pH 3.5 -4. que são potencialmente cancerígenos. Limitação: possível formação de compostos organoclorados.

O processo de oxidação com o peróxido de hidrogénio permite ultrapassar a limitação que advém da possível formação de compostos organoclorados quando se utiliza hipoclorito de sódio.Oxidação de NO2-/ H2O2 H2O2 + NO2 .0 kg de peróxido de hidrogénio.5 2. a 35 %. São necessários ca. por 1 kg de nitritos. . NO3 + H2O Processo em meio ligeiramente ácido. de 1.

Durante o processo: Os óleos são removidos Insolubiliza os fosfatos. fluoretos e silicatos Ajuda na floculação de sólidos suspensos. O pré-tratamento consiste na adição duma solução de Al2(SO4)3 (27 %) e/ou CaCl2 (40 %) ao tanque do efluente. .Pré-tratamento Quando os limites de descarga dos metais é inferior a 3 ppm pode ser necessário efectuar um pré-tratamento antes da neutralização.

HPO42-+ Ca2+ .5-10. . CaHPO4 pH = 9.5 mg/L Resulta na prática a [F-]>60 mg/L (teoricamente [F-]=7. CaF2 1. resulta na [PO43-] < 20 mg/L. CaSO4 Resulta na [SO42-] = 1.Precipitação de Aniões SO4-2 + Ca2+ .4 2 F-+ Ca2+ . especialmente na presença de Fe(III) e Al(III).3 mg/L).

Precipitação/ /Neutralização .

08) (2.55) (1. necessário para a neutralização de 100 lb de ácido (29.28) (custo) 180 185 59 36 76 Ca(OH) 2 H3BO3HF HNO3HCl (35 %) H2SO4 (conc.Consumo teórico.77) (1. em lb. de soluções alcalinas.60) (5.00) (9.30) (custo) 194 200 64 39 82 NaOH (5. e respectivo custo em USD.40) (5.) Bases ácidos a serem neutralizados .10) (30.85) (12.

04 4.97 7. .08 14.60 Ca(OH)2 Cd Zn Cr Ni Cu Bases metais a serem precipitados . e respectivo custo em USD.68) (custo) 1.21) (0.61) (2.22 11.06) (0. de soluções alcalinas. (0.84 4.16 6.36) (0. necessário para a precipitação de metais pesados por reactor unitário.28) (0.96 25.25) (1.91 7.09) (0.Consumo teórico.23) (custo) 3.76) (0. em lb.56 NaOH (0.

47 24.93 9.7 0. ácido Custos da disposição a 0.7 Cobre.4 Níquel 0.4 2.0 Cádmio 0. cianetos 2.10 USD/ lb Ca(OH)2 / lb Custos da disposição a 0.3 0.87* 18. cianetos 3.7 Crómio 3.14 61.87 8.53 5.10 USD/ lb NaOH / lb Tipo de banho . ácido 6.27 42.7 1.07 30.74 27.3 Zinco. 0.67 6.7 1.60 6.4 0.Volume de lamas e custos de disposição de lamas por reactor a 30 % de sólidos (m/m).73 17.3 Zinco.84 8.7 Cobre.54 35.4 4.

Sistema de neutralização química com controlo de pH .

ETARs .

Diagrama esquemático de funcionamento duma ETAR .

Diluídos alcalinos e ácidos não crómicos e não cianurados 4. Cianurados . Concentrados crómicos O. CaO L. Reactor p/ oxidação de CN2. Concentrados alcalinos e ácidos não crómicos e não cianurados 5. Diluídos crómicos N. NaHSO3 C. HCl ou H2SO4 K. NaOCl B. Floculante M. Reactor p/ redução Cr(VI) 3.1.

E-concentrados alcalinos com cianeto.Projecto de estação de tratamento de efluentes contendo metais pesados. incluindo Cr (VI) e cianetos. C-concentrados ácidos com C r. D-diluídos alcalinos com cianeto. A-diluídos ácidos e alcalinos (sem cianetos e crómio). . B-diluídos ácidos com Cr.