You are on page 1of 5

“Perspectiva da ONU no século XXI”

A ONU (Organização das Nações Unidas) surgiu ao final da Segunda Guerra Mundial, através da Corte Permanente de Justiça Internacional, como sucessora da Liga das Nações. Na verdade, a ONU teve o início de suas atividades em 1945, e a Liga das Nações, seu término formal em 1946. O objetivo da ONU era promover uma plataforma de diálogo entre as nações mundiais, evitando as guerras. Atualmente a ONU se divide em várias instâncias administrativas. São elas: Assembleia Geral (assembleia deliberativa principal); Conselho de Segurança (para decidir determinadas resoluções de paz e segurança); Conselho Econômico e Social (para auxiliar na promoção da cooperação econômica e social internacional e desenvolvimento); Secretariado (para fornecimento de estudos, informações e facilidades necessárias para a ONU); Tribunal Internacional de Justiça (o órgão judicial principal), além de órgãos complementares de outras agências do Sistema das Nações Unidas, como a Organização Mundial de Saúde (OMS), o Programa Alimentar Mundial (PAM) e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF). São inúmeros os temas abordados e trabalhados no âmbito das Nações Unidas, uma vez que o cenário das relações econômicas, políticas e sociais mundiais está em constante mudança. No entanto, um assunto que já vem acompanhando a agenda da ONU há alguns anos, é a mudança climática mundial e o que os Estados podem fazer acerca desse assunto. Em 1992 teve início a Convenção de Mudanças Climáticas e a mesma entrou em vigor no ano de 1994. No ano seguinte, em Berlim, um novo encontro foi criado para o aprofundamento do assunto e maiores esforços por parte dos países envolvidos. Em 1997, após dopis anos de extensas negociações, foi criado, pela divisão da ONU entitulada UNFCCC (UN Framework Convention on Climate Change), o Protocolo de Kyoto, com o objetivo de estabilizar a emissão de gases danosos na atmosfera terrestre, que só entrou em vigor no ano de 2004.
Página 1 de 5

o maior desafio que a ONU encontra atualmente é como manter um desenvolvimento sustentável em meio às crises de energia. uma vez que. às novas tecnologias em prol do uso de energia “limpa”. frequentemente. dentre outras. em diversos segmentos. garantiria a inexistência de desvios de conduta como nos casos citados acima). o de assegurar a paz em Estados em conflito através do envio de tropas. Dentre muitos exemplos.Desde então. em 2006. a ONU enfrenta dificuldades em cumprir sua missão de manter a paz. cujo objetivo foi produzir um documento em prol de imediata adaptação. a de Cancun. de alimento. como a de Copenhagen. o que inviabiliza o trabalho de levar ajuda e socorro. além da descoberta. Além da dificuldade encontrada pela falta de recursos que permitam distinguir o caráter dos soldados em missões de paz (o que. através da própria ONU. principalmente quando esse comprometimento envolve. de certa forma. em ganhar a confiança das populações locais. Dois dias após a Página 2 de 5 . por parte dos Estados. existe também a dificuldade. inúmeras Conferências têm sido realizadas. Os desafios encontrados pela Organização são muitos. Outro exemplo de dificuldade enfrentada pela ONU é a falta de um comprometimento efetivo por parte de alguns Estados. diretamente. econômicas e financeiras mundiais. Dentro de outro contexto. em 2010. Relatos e reportagens feitos durante a ocupação de Bósnia e Kosovo pelas tropas da ONU mostraram que houve aumento na proliferação da prostituição e tráfico de mulheres na região. há o ocorrido no dia 17 de março deste ano. do envolvimento de tropas em abuso de crianças e pedofilia durante a ocupação no Congo. No contexto citado até então. quando a ONU aprovou uma resolução que validava quaisquer medidas necessárias para impedir o massacre de civis. em 2009. há formação de grupos interceptores de mercadorias. dentro da própria população local. por parte dos soldados. a soberania dos mesmos. investindo dinheiro e tecnologia para um futuro sustentável. que desencadeou uma série de iniciativas e instituições para proteger os pobres e vulneráveis das mudanças climáticas. como foi feito no caso do pós-guerra Bósnia e Kosovo.

intitulado ONU21 (ONU para o Século XXI). assim como a de não proliferação de armas nucleares e desarmamento. inclusive. sendo necessária a cooperação internacional para o desenvolvimento da mesma. evitando proporções trágicas e altos custos. Em 1996. a coalizão internacional liderada por Estados Unidos. uma Junta de Eficiência foi criada pelo Escritório do Secretário-Geral e apresentou seu primeiro relatório. Nesse aspecto. China e África do Sul (BRICS). Índia. a Assembleia Geral e diversos outros órgãos da instituição” (trecho retirado do site http://unic. Além das propostas geradas pela ONU. a reforma continuou sendo objeto de diversos debates que. além de discutir a modernização do sistema de trabalho da Organização. a reforma do Conselho de Segurança. Ainda. o aumento da capacidade para a diplomacia preventiva. como membros permanentes do Conselho. a reforma administrativa. Página 3 de 5 . os líderes do Brasil. o então Secretário-Geral das Nações Unidas. manifestaram que a energia nuclear continuará a ser um elemento importante. a implementação dos Direitos Humanos em todo o mundo. França e GrãBretanha começou a bombardear a Líbia. “em condições de vigilância estrita dos padrões de segurança" (trecho retirado do site http://g1. Rússia. de forma segura e com fins pacíficos. As propostas atuais para a reforma da ONU incluem a melhoria da administração e suporte às operações de paz.org/imucms/rio-de- janeiro/64/42/reforma-da-onu. que conta com o pedido de entrada. “Em 1995.un.globo. através da criação do Grupo de Trabalho para o Fortalecimento do Sistema das Nações Unidas. revitalização da agenda de combate ao terrorismo. por parte do Brasil e alguns outros países.com/mundo/noticia/2011/04/reforma-da-onu-e-necessaria-dizem-bricsem-declaracao-conjunta. Durante o mandato de Kofi Annan (1997/2006). os Brics apoiam a reforma no Sistema Monetário Internacional através da criação de um sistema de reservas internacional abrangente e capaz de proporcionar um sistema monetário estável e confiável. em 15 de novembro de 2011).html.aspx.resolução. em 15 de novembro de 2011). Boutros Boutros-Ghali já falava sobre a reforma da ONU. apresentaram vários projetos para reformar o Conselho de Segurança.

proporcionando a visão e a ação coletiva em prol de melhorias significativas no cenário internacional. como já vem acontecendo em determinadas áreas da mesma. à medida que se torna cada vez mais claro a interdependência entre as nações. por conta da rápida escassez de recursos e da necessidade do esforço mútuo. Caso contrário. por exemplo. o da humanidade. no pósguerra. a Organização se tornará obsoleta. Página 4 de 5 . para maior comprometimento por parte de seus membros em relação ao bem maior. A crise financeira internacional.Certamente a reforma da ONU e de seu Conselho de Segurança são essenciais para acompanhar as mudanças ocorridas no cenário mundial desde a sua fundação. ainda que não explícita. evidenciou as inadequações e deficiências do sistema monetário e financeiro internacional existente. Tal reforma poderá contribuir. inclusive.

un.Curso de Relações Internacionais Organizações Internacionais – Prof. Rayne Ferretti Rio de Janeiro.usp.br/textos/amorimonu.globo. 15 de novembro de 2011.org/ Texto: “A reforma da ONU”.aspx Melissa Masoni . pelo Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo.un.com/mundo/noticia/2011/04/reforma-da-onu-e-necessariadizem-brics-em-declaracao-conjunta.pdf  Site da United Nations Information Centre Rio de Janeiro (UNIC): http://unic. por Celso Amorim.org/?p=30 Site: http://g1. Página 5 de 5 .com. encontrado em: http://www.iea.html Site: http://www.org/imucms/rio-de-janeiro/64/42/reforma-da-onu.ar/ (Centro Argentino de Estudios Internacionales) Site: http://www.caei.Referências bibliográficas:      Site: http://fordhampoliticalreview.