You are on page 1of 92

CYPECAD CONCRETO

NOTAS DE AULA

PROF. GLAUCO JOSÉ DE OLIVEIRA RODRIGUES, D. SC.
REV.00 (06/07/2007)

ÍNDICE

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12

INTRODUÇÃO DE DADOS GERAIS --------------------------------------------------------------------------------------------- 4 INTRODUÇÃO DE PILARES ------------------------------------------------------------------------------------------------------ 18 INSERÇÃO DE PILARES SOBRE ARQUIVO DXF ---------------------------------------------------------------------------- 23 ENTRADA DE PILARES-PAREDE ------------------------------------------------------------------------------------------------------ 28 ENTRADA DE VIGAS ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 30 INTRODUÇÃO DE LAJES ---------------------------------------------------------------------------------------------------------- 39 CARREGAMENTOS ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 51 OPÇÕES -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 54 CORTINAS ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 58 CALCULAR ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ 59 ANÁLISE DE RESULTADOS E OTIMIZAÇÃO----------------------------------------------------------------------------- 61 DESENHOS NO CYPECAD 3D -------------------------------------------------------------------------------------------------- 76

-2-

CONSIDERAÇÕES INICIAIS

a) HARD LOCK

Ao receber seu CD-ROM contendo o CypeCAD 3D, você deve ter recebido também o HARD LOCK (exceto nos casos de atualização).

Tal dispositivo tem por finalidade impedir a utilização não autorizada de cópias e deve ser conectado à porta LPT1 (saída da impressora) de seu micro ANTES DE SE FAZER A INSTALAÇÃO DO CypeCAD e com o micro e a impressora desligados.

Embora não seja possível instalar ou utilizar o CypeCAD sem tal dispositivo, pode-se fazer a instalação do CypeCAD em quantos computadores forem necessários. Neste caso, basta conectar o HARD LOCK no micro a ser utilizado no momento.

O HARD LOCK é invisível para outros periféricos, de modo que se podem conectar vários outros dispositivos na parte traseira do mesmo (a impressora por exemplo) sem nenhum problema.

b) CONFIGURAÇÃO

- A configuração mínima recomendada para se rodar o Cype é um Pentium 100 com 32 Mbytes de memória RAM, que tenha instalado o sistema operacional Windows 95/98/NT4.0/2000, monitor com resolução mínima: 800x600 píxeis e BIOS compatível com ano de 4 dígitos.

Quanto ao HD (winchester), sua capacidade depende do tamanho das obras a serem calculadas. O mínimo necessário para rodar o Cype é algo em torno de 500 MB

c) MOUSE

Uma vez que se trata de um programa que roda sob o Windows, o mouse é automaticamente reconhecido pelo sistema.

-3-

escreva: Obra do Roteiro Prático. Se o ícone não existir. Para executar o CypeCAD. A tela que surgirá então é a seguinte: Apague o nome Novo (duplo-clique sobre ele) e digite ROTEIRO.1 INTRODUÇÃO de DADOS GERAIS Antes de iniciar o Cype. você pode fazê-lo pelo ícone CYPECAD. Senão estiver. No caso do Cype: Iniciar ­ Programas ­ Cype ­ CypeCAD ­CYPECAD . conecte o hardlock entre o cabo da impressora e o micro. Para iniciar uma obra nova. vários ícones e menus já são familiares. Após mostrar uma janela inicial de apresentação do programa. com o micro e impressora DESLIGADOS. Em descrição. vá ao Menu Arquivos e escolha Novo. estaremos no ambiente do CypeCAD espacial. Detalhes específicos deste programa serão mostrados no decorrer do nosso exemplo prático. você sempre pode chamar um programa através do Botão Iniciar ­ Programas. Como estamos trabalhando em um software desenvolvido para o ambiente Windows. localizado na Área de Trabalho do Windows. verifique se o HARD LOCK está conectado na porta paralela existente na parte de trás do computador. -4- .

AISI (BRASIL) e NBR 8800. NB-1(BRASIL). condições desfavoráveis (γf=1. então. No nosso exemplo não usaremos radiers. − Concreto Pisos: seleção do concreto a ser utilizado nos pisos (pavimentos = lajes e vigas). Clique em Aceitar e a tela abaixo será mostrada: Vejamos as demais opções existentes na janela Dados Gerais e uma rápida explicação sobre cada uma delas: − NORMA: se na instalação você escolheu corretamente Português do Brasil. já vêm selecionadas as normas a serem utilizadas (no caso. -5- . Para a nossa obra.4).5) e usinado com controle rigoroso (γf=1. o usuário aqui pode selecionar a resistência do concreto para as lajes e vigas. Irá aparecer uma lista com os tipos de concreto disponíveis para o cálculo. No nosso caso. − Concreto Pilares: escolha do concreto a ser utilizado nos pilares. vamos escolher novamente o tipo C20 em geral. Clique com o mouse na setinha preta que está à direita do retângulo branco. O processo de seleção é o mesmo que o descrito para concreto em lajes.Observe a pasta onde os dados do Cype são armazenados: \usr\CYPE\C3D\DATOS\.3). Devemos selecionar aquele que satisfaz as necessidades da nossa obra. Este é um concreto com fck 20MPa. OBSERVAÇÃO: veja que existem 3 “tipos de concreto”: em geral (γf=1. − Conc. Vigas/Lajes Fundação: No caso de se possuir o módulo de radiers. vamos escolher C20 em geral.

Cortina é uma parede de concreto com apoio NAS DUAS extremidades. porém isto só deve ser feito após fornecer o número de pisos da nossa estrutura. são fornecidos os dados do bloco a ser usado nas cortinas um trecho de de alvenaria. OBSERVAÇÃO: podemos escolher diferentes concretos para os pilares. Se a opção escolhida for COPIAR. − Características do Bloco de Concreto: No ícone que representa parede. No nosso caso. A tela Seleção de Arquivos nos permite abrir uma obra existente. deverá surgir a seguinte tela: -6- . Apague antes os arquivos temporários para que somente os dados sejam guardados. Para o Cype. Para tanto. Para voltar. Em seguida. basta clicarmos em POR PISO.− Concreto Cortinas: concreto a ser utilizado nas cortinas e reservatórios em concreto. Assim serve para modelar cortinas e reservatórios COM TAMPA. Com a opção Enviar. SALVE o que já foi feito clicando no ícone que representa um disquete. guarde também os desenhos gerados. faça Arquivos > Abrir>. Basta clicarmos sobre o retângulo e então escolher o tipo de aço que iremos utilizar em nossa obra. vamos adotar os aços CA-50 e CA-60B. surgirá uma tela padrão do Windows onde devemos indicar ao programa o DRIVE para o qual a obra será copiada. − AÇO EM BARRAS : escolha dos tipos de aço a serem utilizados no projeto. devemos clicar em Salvar. O nome pode ser alterado. pode-se compactar a obra para guardar ou para enviar pela internet. em cada piso da nossa estrutura. No caso de backup. OBSERVAÇÃO: clicando-se em POR ELEMENTO. OBSERVAÇÃO: Se você precisar terminar a seção. apagar uma outra obra que não esteja mais sendo utilizada e copiar uma obra do HD para um disquete (ou vice-versa).

entre outras. de acordo com a nossa vontade e necessidade. Ainda nesta tela. Da mesma forma. como por exemplo. Observe que isso pode ser feito tanto para os pisos normais quanto para as lajes de fundação (radiers) e as vigas sobre base elástica. temos a possibilidade de editarmos as tabelas de armaduras que foram instaladas originalmente pelo CypeCAD. Nela é possível eliminarmos e/ou acrescentarmos novas disposições da armadura de forma a tornarmos mais racional a utilização das mesmas no cálculo da estrutura pelo Cype.). Para isso ser feito. determinar disposições de barras verticais e estribos. separadamente.Podemos então selecionar os tipos de aço a serem utilizados para cada elemento estrutural existente e seus diversos componentes (estribos . os outros ícones permitem modificar várias opções referentes aos elementos da estrutura. para cada um dos elementos. ESTAS PARAMETRIZAÇÕES DEVEM SER FEITAS ANTES DE VOCÊ EFETUAR QUALQUER CÁLCULO QUE VAI SER EXECUTADO! Analise cuidadosamente cada uma delas! -7- . Faça seus ajustes. Para isso. basta clicarmos com o mouse no retângulo direito ao lado de cada componente e então selecionar o tipo de aço. Isso é feito clicando-se sobre os ícones existentes imediatamente à direita de cada retângulo que indica o tipo de aço que está sendo utilizado em determinado componente. barras. surgirá a tela de EDIÇÃO DA TABELA DE ARMADURAS. Ao clicarmos no primeiro ícone da esquerda para a direita. etc. basta que cliquemos na opção correspondente.

Vamos voltar a essa opção mais adiante quando definirmos a faixa de largura de nosso edifício. deslocamentos e tensões no terreno a serem utilizadas. mas se tivermos algum travamento não convencional devemos introduzi-los nesta tela.O Cype permite que se faça o pavimento de concreto e os pilares e vigas metálicos. Se for assim. -8- . Estes coeficientes são calculados pelo programa . Já vem definido o tipo 1. − SISMO: permite que o programa leve ou não em consideração a ocorrência de abalos sísmicos. é necessário primeiro indicar para o programa quantos andares terá nosso edifício. que é reservado para as cargas permanente (porque o Cype calcula automaticamente o peso próprio que é uma carga permanente). − AÇOS LAMINADOS: define o tipo de aço a ser empregado em pilares metálicos. deixaremos SEM AÇÃO DE SISMO. Para tanto. basta clicarmos em POR PISO e preencher os quadros dos coeficientes segundo as direções X e Y. é preciso fornecer: − AÇOS DOBRADOS: define o tipo de aço a ser empregado em pilares metálicos. OBSERVAÇÕES: os valores podem ser fornecidos piso a piso. No nosso caso. devemos finalmente clicar em ACEITAR. Feitas todas as considerações (exceto a de VENTO que ficará para mais tarde). Para selecionar é o mesmo processo do anterior. − CONJUNTO DE CARGAS ESPECIAIS: onde são definidos os tipos de cargas a serem consideradas na estrutura. O comprimento de flambagem adotado pelo Cype é o comprimento livre do pilar. para isso. − COMBINAÇÕES: são selecionados os tipos de combinações de esforços. − COEFICIENTES DE FLAMBAGEM : são definidos os coeficientes de flambagem dos pilares metálicos e de concreto. − VENTO: permite que façamos com que o programa leve em conta a atuação do vento sobre a nossa estrutura no cálculo da mesma. Porém. Utiliza-se o mesmo processo para selecioná-lo. precisamos criar um tipo 2 e defini-lo como sobrecarga. Para a inclusão de sobrecargas ADICIONAIS.

já nessas telas. para definir o número de pisos que terá o nosso edifício e outras características que veremos logo adiante. INTRODUÇÃO de PISOS e GRUPOS O próximo passo é clicar. no menu LATERAL. surgirão 5 telas relativas a elas. Clicando-se em ACEITAR. Surgirá então a seguinte tela: Vamos agora clicar na opção Novos Pisos. Tendo consciência disse. Repare que. escolha Obra > Dados Gerais 2. em Pisos / Grupos.Se não tivermos clicado nos botões das combinações. o programa nos mostra quais são as atuais hipóteses de cálculo e suas respectivas combinações. Aparecerá a janela a seguir: -9- . no SUPERIOR em Introdução > Pisos / Grupos ou. podemos então passar para a próxima etapa: Se você precisar voltar a esta janela. surge o seguinte aviso: Isto para nos lembrar que ainda não introduzimos os dados de Vento.

em ACEITAR. Os pisos independentes podem ser inseridos 1 a 1 ou todos de uma só vez. vamos inserir. Pisos que não se repetem são chamados independentes. Veja como funciona: No nosso caso. os pisos como INDEPENDENTES porque cada pavimento tem uma planta diferente. Devemos então clicar no círculo à esquerda de Independentes e em seguida. devemos preencher o quadro da seguinte maneira: -10- . Esta opção se torna então muito útil para inserir andares-tipo ou garagens exatamente iguais. pode-se inserir primeiro os pisos independentes e depois os pavimentos-tipo. A seguinte tela surgirá: Nesta janela devemos entrar com os dados referentes aos pisos que iremos inserir. tudo que for feito para um piso será automaticamente copiado e feito exatamente igual para os demais pisos que foram inseridos agrupados. Ou seja. A partir daí.Pisos agrupados entre si são aqueles exatamente iguais. Assim: No campo à frente de Nº de plantas a inserir devemos então digitar 3 e em seguida teclar ENTER. Para ficar mais rápido. primeiramente .

etc. 2.). corresponde às cargas mortas atuantes sobre o piso (paredes. dependendo do sistema de unidades adotado). Depois de preencher este quadro clicamos em Aceitar. Surgirá a tela abaixo: Deve-se então. que também devem ser inseridas em tf/m2).OBSERVAÇÃO: 1. O campo Altura corresponde à distância de piso a piso entre as lajes superior e inferior. impermeabilização. O campo Scu corresponde à SobreCarga de Utilização atuante sobre o pavimento que deve ser inserida em tf/m2 (ou kN/m2. deve-se posicionar o mouse entre os pisos Térreo e Cobertura . O campo Carg. No caso. Você deve clicar nesta posição e depois clicar em Aceitar. Para isso. Note que aparece escrito: Sobre: Térreo. OBSERVAÇÃO: note que o programa automaticamente cria o grupo FUNDAÇÃO -11- . 3. Perm. enchimentos. selecionar a posição dos novos pisos que iremos introduzir. Falta ainda entrar com os pisos correspondentes ao pavimento-tipo. O peso próprio dos elementos é calculado automaticamente pelo programa. devemos clicar novamente em Novos Pisos. com o auxílio do mouse. 4.

Para o nosso projeto. vamos clicar na opção Agrupados entre si e em seguida em Aceitar. vamos então inserir dois pisos agrupados entre si e preencher os campos da seguinte maneira: Feito isso.(Grupo 0). clica-se novamente em Aceitar. Desta vez. temos várias opções úteis: -12- . Surgirá novamente a tela que nos pergunta se desejamos inserir os pisos independentes ou agrupados. No quadro que aparece. A partir daí poderíamos inserir qualquer número de pisos que desejássemos.

para considerar que temos uma parte correspondente a 1. A tela abaixo surgirá: -13- . você pode colocar um valor diferente de zero. Se não tiver vento. um valor negativo corresponde à parte do prédio que está enterrada. No campo Cota da Planta de Fundação. devemos fazer o seguinte: .Novos Pisos Apagar Pisos Editar Pisos (ver figura a seguir) já conhecemos exclui o(s) pavimento(s) selecionado(s) permite ver e alterar as alturas entre pisos (pé-direito). Se o vento estiver sendo levado em conta. Como explicado acima. introduzidas anteriormente Unir Grupos permite transformar pisos inseridos como Independentes em Agrupados Dividir Grupo permite transformar pisos inseridos como Agrupados em Independentes. desde que seja –40 ≤ cota ≤ 40 Editar Grupos permite ver e alterar as cargas Scu e Cargas Perm..clicar na opção Editar Pisos.2 metros enterrados. sem estar sob o efeito do vento. você pode escolher um valor qualquer para esta cota.

2). Mas. siga as instruções abaixo. Em seguida devemos clicar em ACEITAR ou então em CANCELAR. Se estivermos considerando o efeito do VENTO na edificação. Um valor negativo indica a parte do edifício que está enterrada. Vamos agora clicar na opção Dados Gerais existente no menu lateral ou em Obra > Dados Gerais. Note que o CypeCAD automaticamente atualiza as cotas dos demais pisos. OBSERVAÇÃO: o valor da cota do nível de fundação poderá ser positivo ou negativo.No campo Cota do nível de fundação devemos introduzir o valor (-1. não há problema algum se você saltar para o item 4 e depois voltar aqui. use a opção Editar Grupos. A tela é a seguinte: CONSIDERAÇÃO do VENTO Se você quiser trabalhar com o Vento agora. Surgirá novamente a tela de DADOS GERAIS. -14- . esta informação é MUITO importante! Para conferir os valores das cargas introduzidas.

devemos clicar na opção VENTO e então escolher a norma a ser utilizada pelo programa (no caso a norma brasileira). Surgirá uma tela abaixo para que sejam fornecidas as dimensões de cada piso. corresponde ao coeficiente de arrasto numa determinada direção segundo a Norma Brasileira. Com esta seleção aparecerá a tela abaixo: Para entrarmos com os dados da opção do vento devemos seguir os passos abaixo: − Selecionar ação de vento segundo X e ação de vento segundo Y. -Y. Existe a possibilidade de inserirmos esses valores para cada piso do nosso edifício se ele for escalonado. basta clicarmos em POR PISO.Em seguida. − Largura de faixa dos pisos: devemos fornecer ao programa as dimensões de nosso edifício segundo as direções X e Y. OBSERVAÇÃO: o coeficiente de cargas nos sentidos +X. Para tal. -X. que deve ser calculado à parte e depois introduzido neste campo. Devemos então preencher essa tabela levando em consideração os seguintes dados do nosso edifício: -15- . +Y.

Tipo (pisos 3 e 2) Térreo (piso 1) Y 12.65 17. na fundação. No nosso caso. adotaremos: RUGOSIDADE: V CLASSE: B FATOR PROBABILÍSTICO: 3 FATOR TOPOGRÁFICO: 1 PARA TODOS Pode-se ainda escolher levar em conta ou não os efeitos de segunda ordem. Deve-se escolher cada uma das opções de acordo com a obra. surgem excentricidades que farão aumentar os momentos fletores atuantes nos pilares e. No nosso caso iremos adotar uma velocidade de 30 m/s.6 17.PISO Ático (piso 5) Cobertura (piso 4) Pav. com as descrições da Norma. − CATEGORIA. conseqüentemente.5 20. Para edifícios altos é uma consideração importante já que. FATOR PROBABILÍSTICO E FATOR TOPOGRÁFICO: são coeficientes da NBR-6123.5 − VELOCIDADE BÁSICA: corresponde à velocidade básica do vento na região onde o edifício será construído. Para considerar estes efeitos basta clicar com o mouse no retângulo Sem efeitos de 2ª ordem.5 20. em função dos deslocamentos horizontais.6 17.5 20.6 X 19. Ao lado de cada uma das opções existe um ícone denominado INFO. -16- . CLASSE.

Para então considerar o efeito. Você pode ler na tela (representada na figura anterior) como se chega a este valor. Volta-se à tela DADOS GERAIS.59. -17- . Será pedido um valor para que sejam multiplicados os deslocamentos. Clica novamente em Aceitar. O valor padrão é 1. basta clicar no quadro ao lado de Considerar efeitos de segunda ordem. Clicar em Aceitar Feitas todas as considerações sobre o vento clicar em Aceitar.

Entende-se por ponto fixo. Adotaremos esta última solução. importamos um arquivo DXF gerado pelo AutoCAD. o seu ângulo em planta e uma nova referência (nome). por exemplo. no caso deste ter redução de seção. P2. As coordenadas de cada pilar são então digitadas. de fundação). Para começar a introdução dos pilares do nosso edifício. Vamos então introduzir a 1ª série de pilares: os que têm dimensões 20x40. Faremos aqui o lançamento pelas 2 maneiras. Surgirá a tela seguinte: O nome do pilar já está definido. é preciso preparar uma tabela com as coordenadas (x. ou podemos inseri-los por grupos de dimensões iguais (todos os de 20x40) e depois alterar seus nomes. no Cype: 1a. onde o pilar “nasce” e “morre”.) utilizando um DXF como máscara. Podemos inserir os pilares na sua ordem real: P1.y) dos pontos fixos dos pilares. pilares-paredes e elem. o grupo inicial e final. e lançamos os pilares graficamente sobre esta máscara. ou seja. Aparecerá a janela abaixo: Vamos clicar em Novo Pilar. pilares-paredes e elem. Devemos então fornecer a seção do pilar a inserir. (No menu lateral também existe a opção Pilares.) por coordenadas: neste caso. Neste caso. etc. 2a. -18- . se quisermos mudá-la. devemos ir até o menu superior Introdução e escolher Pilares.2 INTRODUÇÃO de PILARES Existem basicamente 2 maneiras de se introduzir os pilares de um edifício. de fundação. mudando os dados sempre que necessário. aquele que permanece constante em toda a prumada do pilar.

Desnível de Apoio – para situações em que existem pilares que nascem em níveis diferentes.O grupo inicial já está correto. em Grupo Final. DICA: O Cype não aceita que uma dimensão de uma planta superior seja maior que a de uma planta inferior. -19- . Altura de Apoio – valor abaixo da cota de arrasamento. 0.4). clique sobre a palavra Fundação (ou na setinha preta à direita da palavra Fundação). Para isso. Agora. Fundação. Podemos aproveitar isto para que ele mesmo corrija os demais pavimentos. Adotaremos 1m. Devemos fazer isso para todos os pisos. Em seguida. para a consideração do comprimento reto da espera das barras de aço dos pilares. O ângulo (em planta) é 0. Note que podemos escolher o tipo de seção a ser utilizada para os pilares que vamos inserir. Em Referência já vem escrito P1. No nosso caso. Uma vez feitas as considerações para o pilar que vamos introduzir podemos clicar em Aceitar. Devemos selecionar o grupo em que o pilar nasce. OBSERVAÇÃO: o grupo final de um pilar nunca pode ser agrupado. mas se você quer ver como funciona.2 e 0. colocando a dimensão correta no piso tal que ele mesmo altere as outras. basta clicarmos sobre o botão (à esquerda do número do piso) que representa o tipo de seção que está sendo utilizada e escolher retangular. circular ou pilar metálico. ao lado de Grupo Inicial. clicamos no retângulo ao lado do número do piso 1 e digitamos as dimensões do nosso pilar em metros (por exemplo. A partir deste momento os pilares que iremos inserir terão as características do tipo que acabamos de definir. É o nome do Pilar. devemos selecionar Ático.

e em Novo Pilar e fazer as modificações necessárias. clique em Aceitar e digite as coordenadas de P3 -20- . teclando ENTER novamente. vamos lá! Para entrarmos com as coordenadas de P1.INSERINDO os PILARES por COORDENADAS Observando as plantas do nosso edifício. MAS.. A única exceção é o pilar P8 que inicia na COBERTURA e termina no ÁTICO. Então. Depois de digitar o valor de X de P1. Vamos digitar as suas coordenadas e ele será inserido. Para P3. Saímos dela com Aceitar. Modifique o ângulo. Como P2 tem as mesmas dimensões de P1. Já definimos os dados de P1 na tela Novo Pilar. podemos notar que quase todos os pilares têm início no GRUPO FUNDAÇÃO. basta apenas começarmos a digitar a sua coordenada X e surgirá uma calculadora na tela. teclamos ENTER. Para observarmos melhor tanto a posição quanto a dimensão dos pilares do nosso edifício. então pressione o botão DIREITO do mouse. devemos clicar em Pilares.0. outros no ÁTICO. Se. Nesta primeira fase vamos inserir os pilares fornecendo as coordenadas absolutas de seus centros. existente no início do manual. Entramos com o valor da coordenada Y. uma vez tendo clicado em Aceitar. considerando como origem do sistema de coordenadas um ponto tal que todos os pilares estejam no 1º quadrante. Alguns terminam nos grupos COBERTURA. podemos nos deter na planta do nível 0. sairmos da opção Pilares. digite as suas coordenadas. Pronto: o primeiro pilar está inserido. então. Clique em Novo Pilar . basta digitar as suas coordenadas. para que a tela de definição de pilar surja novamente. conforme a tabela abaixo.. por algum motivo... Se o próximo pilar tiver os mesmos dados de P1. se algum dado deve ser alterado. o ângulo muda! Então pressione o botão DIREITO do mouse para voltar ao menu de Pilares.

40 0.39 6.665 Y 18.2 12.20 x 0.20 x 0.39 8.26 8. existente no menu tela.20 0. − Outra forma de inserção de pilares bastante rápida é o processo por distância entre pontos fixos. O programa nos indicará as distâncias segundo X e Y deste ponto em relação aos pilares mais próximos. ÂNGULO DIMENSÃO 0 0 45 0 0 0 45 0 45 0 0 0 45 0 0 0 0.49 14.925 14.19 6.40 0.20 x 0.40 0.40 ∅ 0.19 6. basta clicarmos em um ponto qualquer da tela.07 16.40 0.40 0.17 14. no caso de pilares que não nasçam na fundação.40 0.20 x 0. basta superior.40 0.00 0.49 18.20 x 0.67 3. O que devemos fazer é preencher esses quadros com a distância correta e teclar ENTER 2 vezes.195 10. O único cuidado a ser tomado é. informarmos ao CYPECAD se esse pilar tem vinculação exterior (nasce diretamente na fundação) ou não (nasce em uma viga).20 x 1. Ático Ático Ático Cobert.67 3.20 x 0.19 12.195 6.67 6. ou clicar no sinal de verificação (na cor verde).69 OBSERVAÇÕES: − Para visualizarmos toda a estrutura.26 8. Cobert.20 x 0.00 0.07 9. ao invés de entrarmos com as coordenadas.69 2.40 0.195 2. − Se for o caso.26 22.20 x 1.40 0. Cobert. podemos colocar um pilar nascendo e morrendo em qualquer piso não agrupado do nosso edifício.30 COORDENADAS X 3. Ático Cobert. com todos os pilares visíveis na clicarmos com o mouse no ícone Vista Completa.40 x 0.26 8.Treine um pouco! Insira todos os pilares do edifício seguindo a tabela abaixo: GRUPO PILAR P1 P2 P3 P4 P5 P6 P7 P8 P9 P10 P11 P12 P13 P14 P15 P16 INICIAL Fundação Fundação Fundação Fundação Fundação Fundação Fundação Cobertura Fundação Fundação Fundação Fundação Fundação Fundação Fundação Fundação GRUPO FINAL Ático Ático Ático Ático Ático Cobert. -21- .40 0.40 ∅ 0. Por este processo. Cobert. Cobert.20 x 0.67 14.69 2.20 x 0.665 3.67 20.67 20.20 x 0.19 12.19 12.20 x 0.

-22- . podem ser introduzidas cargas no topo do pilar: axial.Cargas no extremo superior do pilar: no último piso.− No menu Pilares (veja figura). existem 2 opções bastante interessantes: .Cargas Horizontais: podem-se introduzir cargas horizontais. devidas por exemplo a empuxos de terra. em qualquer pilar . momentos e cortantes.

b)Analise. como o AutoCAD.3) Mova todo o desenho de forma que o canto do lote ou o canto do edifício coincida com o ponto (0. a. MicroStation e outros. 2º No AutoCAD: Limpe a planta baixa.1)Se o ponto fixo for o centro da seção. Os passos que devem ser seguidos são os seguintes: 1º.20. 2º No Cype: Para se fazer a inserção de pilares por intermédio de uma planta em arquivo DXF é necessário antes importá-la para o CYPECAD. Programas gráficos. Cada pavimento DEVE estar em um arquivo independente. -23- . b)verifique a unidade em que a planta está desenhada. Se for AutoCAD 2000: File > Save as > escolha AutoCAD 2000 DXF. hachuras. na tela de introdução de pilares. geram um tipo de arquivo de extensão DXF que seve justamente para compartilhamento entre softwares. Para o Cype ela deve estar em metros.2) Se o ponto fixo for um dos vértices ou o ponto médio de um dos lados. Se for no AutoCAD 14: File > export> escolha AutoCAD R14 DXF em Salvar com o Tipo. então faça um X (ou uma cruz) para definir o ponto central. Isto serve para: -Todas as plantas dos pisos devem ter a mesma origem para que possam ser superpostas. Se a planta não estiver em metros. Se as plantas arquitetônicas tiverem sido feitas no AutoCAD (ou outro programa gráfico). devemos seguir os passos abaixo: − Após fornecer os Dados Gerais e também os dados de Pisos/Grupos . a distância medida com o comando Distance deve ser Distance=0. Depois siga os seguintes passos: a)Lance os pilares nos seus lugares.20m.3 INSERÇÃO DE PILARES sobre ARQUIVO DXF Uma maneira bastante eficiente de entrada de pilares é aquela em que lançamos os pilares SOBRE uma máscara do projeto arquitetônico. Isto significa que se um pilar tem uma dimensão=0. Para isso. use o comando Scale para fazer a transformação. qual é o ponto que deverá permanecer FIXO em toda a prumada de CADA pilar. Assim: a. faça um pequeno círculo cujo centro coincida com o ponto fixo do pilar. como móveis. apagando os objetos que não são de interesse do projeto estrutural.0). a. -Para que os zooms se ajustem melhor à tela. clicar em DXF no menu superior. é vantajoso utilizar estes desenhos para lançarmos nossa estrutura. com uma dimensão pré-estimada. etc. c) Criar um arquivo DXF da planta.

OBSERVAÇÃO: − A opção Leve. caso o desenho tenha sido importado com as coordenadas erradas (está fora do quadrante ou não está em metros). na pasta DXF.DXF. faz com que o desenho apareça na tela em tons mais suaves (leves). Na janela Seleção de DXF . ou seja. Em seguida clicamos Aceitar. para colocar o desenho na tela.Surgirá a janela abaixo: Clicar no sinal de +. Surgirá a tela abaixo: -24- . clicando em seguida clicamos em Aceitar. − Para desativarmos o desenho. na Barra de Ferramentas. Deixe marcada a caixa de verificação Visível. Clicamos no campo à esquerda do nome desenho que será utilizado. devemos então determinar qual desenho será utilizado. ALTERAÇÕES NO DXF (se necessárias) DESLOCAMENTO do DXF Se aqueles cuidados que foram sugeridos não tiverem sido tomados. Surgirá então a janela de manipulação de arquivos do Windows. Experimente e escolha o que achar melhor. Localize Pasta e arquivo do DXF da primeira planta arquitetônica do edifício. devemos fazer o seguinte: 1. basta clicarmos em DXF e em seguida desabilitar o campo ao lado do nome do desenho. − Clicamos agora em Vista Completa . à esquerda do nome do arquivo que você quer colocar na tela. No caso do nosso edifício o arquivo DXF TREINO está no CD. clique no nome do desenho (verificar se está também com o sinal ) e em seguida em Transformar. Repita a operação para todas as plantas. Inicialmente devemos especificar o drive onde ele se encontra (no caso D: ou o drive do seu CDROM). Clique em Abrir. quando habilitada. Seu nome é TREINO. Depois abrimos a pasta DXF. Se a obra tem mais de um DXF.

4.3. EDIÇÃO das LAYERS do DXF Na janela Seleção de DXF. Nesta janela também temos a possibilidade de mudar a escala do desenho. e depois clicar em Aceitar. Textos de Layer: Para congelarmos algum texto que está em um determinado layer. marque o arquivo do qual deseja alterar as cores das layers. Em seguida. Para selecioná-las. Existem várias possibilidades pelas quais o eixo do pilar pode ser inserido em relação às linhas do desenho. Selecione a opção Gerenciamento Layers. estando o desenho na tela. uma vez que os pilares ao se “encaixarem” no desenho assumem as coordenadas do DXF. Basta introduzirmos. clicando no campo da cor e escolha outra. o fator pelo qual será multiplicado o desenho atual.01 e y=0. em X e em Y. nos campos abaixo de ESCALA. é necessário passá-lo para metros. Clicamos então nos campos relativos a Deslocamento e introduzimos os deslocamentos desejados. 5. Para isso. Para congelar o layer.01. deve-se tirar a marca de verificação no campo correspondente. até o símbolo desaparecer. devemos fazer o seguinte: -25- . Ex: Se o desenho está em cm. tanto em X como em Y. Para mudar a cor. clicamos em Aceitar. Surgirá uma tela com as layers do DXF selecionado. à esquerda. devemos colocar os valores x=0. clique no campo Visível. Utilização das Linhas do DXF para Entrada dos Pilares A idéia fundamental em se utilizar um desenho DXF para inserir pilares é agilizar a introdução dos mesmos.

Continue da seguinte maneira: Botão da Direita > Volte o ângulo para ZERO e entre P14 e P15. vamos usar Centro. Surgirá o menu abaixo: clicamos no símbolo Escolhemos agora o tipo de ferramenta irá “atrair” o cursor para o centro do pilar. P9 e P13 SEM SE PREOCUPAR com seus nomes. à direita de DXF. Está no ponto da prumada da fachada.. -26- . Apesar de P1 ser um pilar de fachada. clique em Cancelar. Agora vamos analisar o P10. já que temos um círculo me todos os pilares. Não coincide com a arquitetura. vamos considerá-lo sem redução e suponha que já temos certeza de que esta dimensão passa. clique em Ajustar.. em seguida clique na interseção que representa o centro do pilar que se quer introduzir.Definimos inicialmente o tipo de pilar a ser inserido como feito anteriormente (menu Superior > Introdução > Pilares. Para evitar erros. clique na interseção das linhas do DXF que passam pelo seu centro. basta clicar no seu centro. O cursor vai capturar o centro do círculo que existe no DXF. onde se lê Capturas para DXF. Para P2. no DXF. Suponha que queremos reduzir P10 para 20x20 no seu último tramo. Poderíamos também utilizar Interseção. já iremos corrigilo. No caso de P1. de um ímã. Ele é idêntico a P1 Para P3. > Novo Pilar > definimos o pilar). não se preocupe. colocando aí o PONTO CENTRAL DO PILAR. Vamos então até a linha superior de comandos e. dê um Botão Direito para fazer voltar a tela de pilares. Na janela Novo Pilar. através do comando Modificar Início e Fim do menu Pilares. onde você deve alterar o ângulo para 45º. É fácil alterar início e fim de pilares. Dica: Se você se esquecer disso. Agora em Aceitar. Observe a posição do pequeno círculo. No menu Pilares. QUE DEVE PERMANECER FIXO em todo o prédio. Preste atenção nisso: o clique faz com que o ponto central do pilar DO CYPE coincida com nosso clique. clique NO PONTO FIXO. Por exemplo. Depois consertamos. Temporariamente o pilar do Cype está errado. Mas. Insira P7. dê um ZOOM no pilar do DXF em que será inserido o pilar e. Experimente. DEVEMOS falar pro Cype que o ponto fixo de P10 é o canto da fachada. Como? Simples! No momento da inserção. Para fazer isso.

Para levá-lo para a posição correta.30) e clique no círculo. forneça o diâmetro (0. Se o menu Pilares estiver ativado (se o ícone Pilares. à esquerda dos valores de b e h. LEMBRE-SE. Para P8. use o comando EDITAR do menu Pilares e clique no pilar que foi ajustado. clica-se no PONTO FIXO do pilar. e passa a ser o ponto em que foi introduzido. -27- . RECORDANDO: Entende-se por ponto fixo de um pilar um ponto que permanece inalterado quando se provoca uma REDUÇÃO neste pilar. Pronto! O pilar do Cype está agora na sua posição correta. o ponto fixo do pilar deixa de se localizar no centro. no menu lateral estiver selecionado). Como informar isto para o programa? Para o Cype.Clique agora em um ponto próximo ao canto OPOSTO ao fixo. você já sabe: clique no ícone representativo da seção. para que seu centro seja capturado. Ao se fazer isso. no ponto OPOSTO ao ponto fixo.... Apenas clique em ACEITAR. lembre-se: temos que alterar Grupo Inicial pra Cobertura e Grupo Final para Ático. este ponto corresponde ao CENTRO do pilar. Olhe o desenho no canto superior direito. para que o Cype entenda corretamente a redução do pilar. clique no DXF. quando se clica num ponto da tela para inserir um pilar. então o pilar já está no seu lugar. Em seguida. Para entrar as colunas (P11 e P16). E este ponto clicado será também seu ponto fixo. Assim. Clicando em AJUSTAR. O ponto fixo está em vermelho. altere as dimensões para 0. do menu Pilares. Não é necessário marcar nada neste quadro. O pilar introduzido está temporariamente fora do lugar.4 e 0. aparece um quadro branco. escolha seção circular. para ativar o menu basta pressionar o BOTÃO DIREITO do mouse em qualquer ponto da área de trabalho. Agora faça: Botão da Direita do mouse> Cancelar > Editar > Confira o ponto fixo assinalado.2 e observe os grupos de início e fim. Para P6. Esta correção é feita através da opção AJUSTAR. o pilar deve sofrer uma CORREÇÃO. Para conferir. se o ponto fixo deste pilar é o seu centro. Se o ponto fixo for um dos vértices ou um dos pontos médios das faces.

A tela que se segue se chama Edição Dimensões Pilar-Parede. Clicando em um outro ponto da tela (sentido vertical do pilarparede). devemos preencher as colunas DIM ESQ e DIM DIR com o valor de 0.. sempre que um pilar apresentar uma dimensão maior ou igual a 5 vezes a dimensão menor. devemos clicar em Pilares. que é a espessura do pilarparede).20.4 DICA Entrada de Pilares-Parede Numa primeira “rodada” você pode introduzir estes pilares como se fosse NORMAIS. Devemos então digitar nesse quadro a dimensão correta do pilar-parede (no caso 1. Lado e em seguida no centro da tela (na interseção dos eixos). Clicamos então em Intr. Em seguida devemos informar ao CYPECAD qual o grupo de início e o grupo final do pilar em questão.. Para isto.10 + 0..10 cm ( 0. e em seguida em Novo Pilar-Parede. Depois pode apagá-los e considerá-los como pilar-parede Na obra em que estamos trabalhando existem dois pilares cujas dimensões (20x100) sugerem que possamos inseri-lo como pilar-parede. No caso. Surgirá a tela abaixo: Devemos inicialmente preencher o quadro superior esquerdo com o nome do pilar-parede que iremos criar. Note que aparecerá uma linha presa ao cursor..0 m) e teclar ENTER. -28- . Nesse ponto devemos indicar as dimensões da espessura da parede. devemos inseri-lo como pilar parede. aparecerá um quadro indicando a distância entre os dois pontos marcados. Dessa maneira. em relação ao seu eixo.10 = 0. no menu superior Introdução.

escolha Modificar Referência. Podemos posicioná-los por coordenadas absolutas. por cotas ou por desenhos DXF através das Capturas a DXF.Feito isso. Escreva P1 na caixa da Referência e marque Numerar consecutivamente. clique em Novo Pilar-Parede e depois em Definir Tipos. clique em ACEITAR nos dois quadros. Acesse o menu de Pilares. OBSERVAÇÃO: Para editar este pilar-parede. O processo de inserção de um pilar-parede é o mesmo que para os demais pilares anteriormente inseridos. Agora devemos RENUMERAR OS PILARES. Observe os nomes do DXF. -29- . Para introduzir um novo pilar-parede. Agora vá clicando no nome dos pilares NA ORDEM desejada. faça: clique em Novo Pilar-Parede. depois em Definir Tipos e finalmente em Novo.

Clique então na Aba Entrada de Vigas. Os tipos de vigas disponíveis são os seguintes: Este menu possui os seguintes tipos de vigas. Existem também 2 abas no alto dos menus onde você pode clicar para passar de um para o outro. Nela vamos escolher o tipo e as dimensões da viga que iremos inserir em seguida.5 Entrada de Vigas Após a introdução de todos os pilares podemos passar para a etapa seguinte. Você notará que os menus se ajustam para introdução de Vigas. Para simplificar utilizaremos aqui o Menu Superior. Aparece a Janela Viga Atual. a introdução das vigas e lajes que formam o nosso Piso. distribuídos em 8 famílias: − A primeira família corresponde às vigas rasas (ou planas. Vá então ao comando Vigas/Cortinas e escolha Entrar Viga. Experimente. ou ainda vigas-faixas) ou seja. Para alternar os menus basta posicionar o cursor sobre qualquer ponto do menu lateral direito e então pressionar o BOTÃO DIREITO do mouse. aquelas que ficam embutidas na laje. Lajes e Cargas Essa tela possui DOIS menus laterais. Os comandos estão disponíveis também no Menu Superior. na parte inferior do monitor. -30- .

contém as vigas metálicas . − A 8ª família. Para especificar as dimensões da viga basta clicar sobre a dimensão desejada (indicada no desenho da viga) e digitar o novo valor. Veja a figura anterior. dando ENTER em seguida. um rebaixo na laje. digite 0. finalmente. que não têm nenhuma função estrutural. Representam os apoios de laje em cortinas ou alvenarias.Na sexta família temos as vigas de borda. Agora vamos entrar com a altura da viga. − Na quinta família são mostrados os apoios construtivos. Servem apenas para delimitar uma área específica para que seja inserido algum elemento especial: uma laje em balanço. clique no ícone da 2ª família. Definição do Tipo de Viga: Viga Atual Para definir como Viga atual uma viga direta de 20x40. − A terceira corresponde às vigas pré-fabricadas. − A quarta corresponde às vigas protendidas. isoladas e com mesa colaborante. -31- . no campo que surge. para cima (viga invertida) ou ambas (viga semi-invertida). Clique no valor correspondente à altura.40 e tecle ENTER. − Na sétima temos as vigas apoiadas sobre o terreno (calculadas sobre base elástica). .20 (Lembre-se: sempre em metros). digite 0. Vamos escolher a primeira opção. Esta família tem ainda vigas T. etc. Em seguida confirme com ENTER. uma abertura na laje. Vamos lá! Clique no número que representa a largura da viga e. com saliência para baixo (viga direta).− A segunda família corresponde às vigas altas.

-32- . Se ele estiver na tela. Para elas não necessitamos do DXF. desative-o (DXF> desmarcar o quadrinho). Aparecerá a tela abaixo: Devemos então selecionar o grupo para o qual queremos ir – o Térreo -. Veja na figura onde está o cursor. A viga une os CENTROS dos pilares.Vamos agora inserir as vigas do Térreo. próximo a seu centro. Desative também a captura. Para isso. Vamos então inserir a viga que se apóia nos pilares P1 e P2. Clique. Como levá-la para a face? Vá ao Menu Vigas/Cortinas e escolha Ajustar. basta clicarmos no ícone Ir ao Grupo existente no menu Superior. Antes. vamos então iniciar o lançamento das vigas. Inicialmente vamos introduzir as vigas que ligam os pilares. Uma vez no grupo Térreo. Agora puxe a viga para a face. ISTO É IMPORTANTE! Clique no ícone do ímã e clique em Tirar Todas e depois em Aceitar. Aproxime o mouse de P1 até que você veja um ponto vermelho indicando que o centro de P1 foi capturado. clicando numa região ACIMA dela. ACEITAR. Clique e leve a viga até o centro de P2. temos de nos certificar se a planta de pilares que aparece na tela é a referente ao piso Térreo. clicando nele.

através do ícone as vigas são desenhadas somente segundo os eixos ortogonais. a viga deve ter ficado alinhada com a face externa dos pilares. Note que agora. No caso do trecho de viga em balanço. Explicaremos! -33- . para completar o lançamento das vigas. Note também que só foi feito um vão de viga unindo P15 a P12. Entre mais vigas até ficar como na figura abaixo. Faça com que o centro deste sinal coincida com A LINHA DO DXF. não está corretamente posicionada. Como agora vamos utilizar o DXF. Note que a viga que une P10 a P14. Aceitar. faça um TRECHO de viga PRÓXIMO ao DXF(Vigas/Cortinas > Entrar viga) ajuste (Vigas/Cortinas > Ajustar > clique na linha do DXF) prolongue (Vigas/Cortinas > Prolongar viga) corte pedaços que fiquem sobrando com o comando Apagar do Menu Vigas/Cortinas. vá em DXF e marque o quadrinho e clique em Aceitar. selecionar O mais próximo. usaremos o seguinte recurso: verifique se o ORTOGONAL está ligado. Para fazer o trecho reto. vá ao Menu Vigas/Cortinas e escolha Prolongar Viga. exagerando no comprimento. clique na EXTREMIDADE DA VIGA e leve-a até o eixo do pilar que a recebe. Fizemos um trecho reto e depois vamos PROLONGAR até o P7. Agora. Observe o TRECHO que sai de P6. Para ativá-lo. Deixe o trecho curvo para depois. devemos primeiro clicar no ícone Capturas para DXF na Barra de Ferramentas e selecionar uma ferramenta que vai “atrair” a viga que vamos inserir. Para isso. Fácil. Confira se seu piso está como na próxima figura: . Vá novamente ao Menu Vigas/Cortinas e escolha Ajustar. clicando no PEDAÇO QUE ESTÁ SOBRANDO. Vamos utilizar o DXF pra fazer com a nossa viga COINCIDA com o DXF. PRECISAMOS do DXF. Observe que agora Agora. Deixe marcado Viga a ser Prolongada. Depois cortamos o que sobrar. É símbolo da captura O mais próximo. O programa fará com a linha da viga se AJUSTE sobre a linha do DXF. aparece um cursor diferente. não? Para lançar agora as vigas que não ligam pilares.Após o clique. é NECESSÁRIO ligar o ORTOGONAL. prolongue-o para baixo. Para PROLONGAR.

-34- .Confira seu desenho com o da figura. apague vigas erradas e entre-as novamente até que fique conforme a figura. Caso não esteja igual.

devemos clicar em Prolongar viga no menu Vigas/Cortinas. ou prolongar com as dimensões da Viga a prolongar. Quando for lançar o último trecho (vertical. 2. basta clicar em cima da viga. O X azul que vai aparecendo à medida que vamos introduzindo as vigas É MUITO IMPORTANTE. Experimente. desligue o ORTOGONAL faça PEQUENOS trechos acompanhando o DXF. Clique na extremidade da viga e leve até seu ponto real. Para colocar a viga novamente ligando eixos de pilares. em que a viga coincide com as faces dos pilares. onde poderemos introduzir as LAJES. escolha Tirar Todas. basta clicar num ponto próximo ao centro da viga. Para levá-la para a face. NÃO é necessário usar o DXF como máscara. Verifique isto. Com o DXF na tela e com a ferramenta O mais próximo ativada. de maneira como abaixo: Faça: prolongue a viga inferior até onde ela é reta. então precisamos da ajuda do DXF. Agora usamos o comando Prolongar viga. para formar a curva. ajuste e PROLONGUE até o eixo do pilar. Clicarmos sobre a linha do DXF que representa a viga. Quando a viga NÃO está ligada a dois pilares. É importante que a ferramenta Capturas para DXF esteja DESATIVADA. clicando na Captura e se tiver algum item marcado. Para prolongar uma viga. ela é automaticamente considerada no eixo dos mesmos. O Cype fará com que a viga se ajuste sobre a LINHA do DXF.Agora sim. próximo à linha do DXF que a representa. Quando a viga está ligada a dois pilares. Temos duas opções: prolongar com as dimensões da Viga Atual (clicar em Viga Atual para definir uma nova dimensão). Ele significa que formamos um PANO. reto). -35- . ligue novamente o ORTOGONAL . usaremos o comando Ajustar no menu Vigas/Cortinas. Clicamos no comando Ajustar. introduzimos um PEDAÇO pequeno da viga. 3. OBSERVAÇÕES: 1. Para realizar o ajuste. Neste caso. vamos entrar o trecho curvo: Faça um zoom. DO LADO PARA O QUAL queremos “puxar” a mesma.

Para deslocar. pode-se aplicar um deslocamento (em metros) em relação à sua última posição. Note que se tivermos. face interna ou face externa de um pilar. por exemplo. Sempre que houver uma mudança no tipo ou nas dimensões da viga. Em seguida clicamos em Deslocar. Clicamos sobre a viga a ser apagada. Feito isso. Para fazer o último trecho. o programa não eliminará a viga inteira de uma só vez. duas vigas que se cruzam. na direção que desejamos deslocá-la. Uma vez introduzidas todas as vigas do Térreo podemos passar para os pisos superiores. Para se fazer isso devemos clicar em Ir ao Grupo e então clicarmos no grupo para o qual desejamos que os dados do Térreo sejam copiados: O PAVIMENTO TIPO. não é necessário introduzirmos todas as vigas novamente. devemos inicialmente dar um “zoom” sobre a viga para melhor visualizá-la. o quanto a viga irá se deslocar para cada clique que for dado. Para apagar uma viga que foi inserida de forma errada devemos utilizar o comando Apagar (menu Vigas/Cortinas). Como no exemplo que estamos trabalhando o vigamento do TÉRREO é exatamente igual ao pavimento tipo e cobertura. é necessário fazer surgir novamente a janela Viga atual – pressionando o Botão DIREITO do mouse . faça um pedaço pequeno com o Ortogonal ligado. vamos até a viga que queremos deslocar e clicamos próximo a ela. podemos introduzir um novo valor. Uma vez nesse grupo.e então fornecer as novas características da viga. Surgirá uma mensagem na parte inferior da tela nos dizendo qual é o deslocamento atual. Clicando com o botão direito na tela. -36- . de forma a acompanhar a viga curva. inserindo em seguida pequenos trechos. 6. Basta copiarmos os dados do grupo Térreo para os demais grupos. Para introduzir a viga curva existente no nosso edifício (ver planta em anexo) devemos inicialmente dar um zoom sobre o local e inserir a viga inferior horizontal até o ponto de início da curva indicada pelo DXF. 7.4. e depois use o comando Prolongar viga até o eixo de P9. ou seja. Além da possibilidade de se alinhar a viga pelo centro. clicamos então no Menu Superior em Grupos e depois em Copiar Grupo e depois no grupo cujos dados queremos copiar (o TÉRREO). mas sim o trecho correspondente ao ponto clicado. 5.

Introdução de Bordas Livres Note que no Térreo temos uma laje em Balanço. que possui um vigamento diferente. Veja a figura e observe a descrição na parte superior desta janela. prolongue ou apague pedaços se for necessário. então. 2ª opção.Repetimos então o processo para os demais grupos. OBSERVAÇÃO: Para modificar a seção transversal de uma viga já introduzida. Ajuste com a captura O mais próximo. Copiamos o vigamento do térreo e então apagamos as vigas desnecessárias e introduzimos os detalhes do ÁTICO (ver planta em anexo). O Cype tem um elemento para estabelecer estes contornos. deve-se fornecer as novas dimensões em Viga atual. basta fornecer suas dimensões em Viga atual e. vá ao menu Lajes>Dados de Lajes> e escolha uma Laje ou Abertura dependendo do caso. Observe também que na cobertura temos uma abertura na Laje. Estando o contorno pronto. temos duas opções: − Introduzimos manualmente as vigas. No caso do ÁTICO. existe a possibilidade no CYPECAD de inserirmos uma viga por meio de coordenadas. -37- . A introdução segue os mesmos critérios utilizados para as vigas: faça trechos próximos à linha do DXF. O elemento BORDA LIVRE está na 6ª família. clicar no comando Atribuir vigas e depois na viga que se deseja alterar a seção. As extremidades destes elementos são Bordas Livres. coord. Neste caso. pressione o botão DIREITO do mouse para fazer surgir a janela Viga atual. Se esta opção já estiver ativa. Y <ENTER>) e em seguida as coordenadas do ponto de término da mesma. aparece uma seta à esquerda do Comando. Este elemento também é utilizado pra definir um capitel em lajes cogumelos. Vá ao Menu Vigas/Cortinas e escolha Entrar viga. Se for necessário inserir uma viga por coordenadas. Introdução de Vigas por Coordenadas Assim como para os pilares. X <ENTER>. digitar as coordenadas de início da viga (coord.

-38- . Escolha-a. clique no capitel e altere a espessura.Defina a laje cogumelo normalmente. existe a opção Dados de Lajes. Note que nesta janela é possível também introduzir um REBAIXO em lajes. Será formada uma laje separada da maior. Faça o capitel com elementos BORDA LIVRE em volta do pilar onde deve existir um capitel. No comando Dados de Lajes.

A seguir daremos as explicações referentes a cada uma delas. LAJES MACIÇAS No menu superior está a opção Lajes. Podemos então introduzir o restante das lajes conforme as plantas em anexo (devemos nos certificar em qual grupo as lajes são do tipo maciças).6 INTRODUÇÃO de LAJES Terminando o lançamento das vigas e dos contornos com bordas livres podemos partir para a introdução das lajes da nossa estrutura. Pronto. -39- . lajes pré-fabricadas. Surgirá a tela abaixo: Vamos então com o mouse até o círculo à frente de Laje Maciça e clicamos nele. Na última linha do monitor de vídeo aparecerá a mensagem: Selecione o pano clicando num ponto interior Clicamos então no centro do pano onde desejamos que a laje maciça seja introduzida. O CYPECAD nos permite trabalhar com 4 tipos de laje: lajes maciças. lajes nervuradas e placas alveolares. Clicamos em Introduzir Laje. Clicamos no campo ao lado de Altura: e fornecemos o valor da espessura de nossa laje. Clique agora em Dados de Lajes. Aparecerá então a mensagem: Clique numa viga para estabelecer a direção da armadura da laje Damos então um clique em uma das vigas que delimitam o pano para informamos ao programa a direção para A COLOCAÇÃO DA ARMADURA da laje. a laje está inserida.

o Cype considerada que todos os lados da laje estão engastados nas vigas de contorno. pode digitar as coordenadas onde a vigas de bordas são inseridas: 11.3. Para praticar. Com o DXF como máscara. definindo seu contorno. vamos alterar estes coeficientes Para atribuir novos coeficientes devemos clicar em Vigas/Cortinas e depois em Engastamento. ou seja. Com as lajes já lançadas. Note que a face (ou faces) alterada assume a cor vermelha. Na janela Viga atual escolha BORDA LIVRE. Como essa não é a prática mais usual. Engastamento das Lajes Maciças É possível atribuir coeficientes de engastamento diferentes nas faces dos panos da laje. clicando lateralmente a ela. iremos utilizar lajes maciças no pavimento-tipo e na cobertura.73 <ENTER> 9. 1.3 13. se for preciso. pode-se escolher somente uma face. Para passar de um piso para outro use os ícones . 3. O valor zero faz com que a laje fique simplesmente apoiada naquele lado. 2. digitar o valor desejado e então clicar na a viga onde se quer atribuir o novo valor. vamos criar a abertura no grupo COBERTURA. vamos até o menu Vigas/Cortinas e clicamos em Entrar viga. Clicamos em Ir ao grupo e selecionamos o grupo COBERTURA.No nosso exemplo.3 <ENTER> <ENTER> <ENTER> 9.42 13. conforme explicado no item 6.73 <ENTER> -40- .73 <ENTER> 9. Volte lá. Definindo uma Abertura na Laje Para que possamos fazer uma abertura na laje é preciso antes delimitar a região onde será inserida a abertura. Se for o caso. introduza trechos próximos à abertura e vá ajustando (menu Vigas/Cortinas > Ajustar) 4. O valor padrão é 1. Se você preferir entrar por COORDENADAS.

1 <ENTER> 7. vamos até o menu Lajes e clicamos -41- em Dados de Lajes. onde estão delimitados estes capitéis. delimitaremos a área do capitel digitando as seguintes coordenadas: 7.7 7.7 <ENTER> OBS: Pode-se também utilizar o desenho em DXF.2 5.7 <ENTER> <ENTER> <ENTER> 5.1 <ENTER> 10.78 <ENTER> 10. Está feita a abertura.13.78 <ENTER> 11. clicamos no círculo à frente de Abertura.46 <ENTER> Como pudemos observar pelo símbolo da armadura.3 12.42 <ENTER> <ENTER> <ENTER> <ENTER> <ENTER> 10.2 5.2 7.3 13. Para introduzi-los devemos fazer o seguinte (releia o item 6.46 <ENTER> 11.2 <ENTER> <ENTER> <ENTER> <ENTER> <ENTER> <ENTER> <ENTER> <ENTER> 10.1 <ENTER> 10.2 7. O último passo então é irmos com o mouse até o centro do pano onde se quer inserir a abertura e darmos um clique. conforme o exemplo anterior. ainda não existe uma abertura neste pano.2 7.7 7. Em seguida. 3) Uma vez delimitada a área. . 2) Em seguida. Definindo um Capitel Como podemos observar pela planta de forma do TIPO há um capitel nos pilares P11 e P16.1 <ENTER> 10. e depois em Introduzir Laje.72 12. Para fazê-la devemos ir até o menu Lajes e dar um clique em Dados de Lajes.2 7.2 5.46 <ENTER> 11.72 11.3): 1) Clicamos em Vigas/Cortinas > Entrar viga> na janela Viga atual selecionamos o elemento BORDA LIVRE.

Surgirá a tela abaixo: Digitamos então no campo Altura o valor da espessura do capitel (no caso.4) No menu LAJES. Vamos agora criar um tipo de laje que iremos utilizar. Em seguida. no pano onde iremos inserir o capitel. utilize o DXF. 2) Selecionamos a opção Laje Nervurada. Para inserir o outro capitel. vamos digitar 20). Para isso façamos: 1) Vamos até o menu superior e damos um clique em Lajes. LAJES NERVURADAS No nosso exemplo iremos utilizar lajes nervuradas no grupo TÉRREO. clicamos em ACEITAR e o capitel será formado. clicamos então em Dados de Laje e em seguida. Surgirá então a tela abaixo: -42- . OBSERVAÇÃO: A altura mínima de lajes aceita pelo CYPECAD é 7 cm.10 m) e em seguida clicar em ACEITAR. bastaria deixarmos o campo ALTURA inalterado e então preenchermos o quadro DESNÍVEL com o valor do rebaixo (por exemplo. ajustando com a captura O mais próximo. Inicialmente então devemos clicar em Ir ao Grupo e selecionar o grupo TÉRREO. -0. OBSERVAÇÃO: Para inserir um rebaixo na laje.

3) O CYPECAD nos fornece alguns tipos de lajes nervuradas já existentes em sua biblioteca. 4) Para um melhor aprendizado. criaremos uma laje própria. digite Treino. Para isso. Para utilizar algumas delas bastaria clicarmos duas vezes sobre a sua descrição. Surgirá então a seguinte tela: -43- . devemos clicar em Cancelar e em seguida no ícone + (Novo Molde). Fornecemos então ao programa o nome do arquivo em que iremos guardar os dados de nossa laje e em seguida clicamos em Aceitar. Na janela que surge.

-44- . que está no comando Dados de Lajes.espessura de camada de compressão: 5 cm .largura da nervura: 10 cm Dê um Enter para atualização dos valores de volume e peso próprio do concreto que são calculados automaticamente. Depois. então é NECESSÁRIO acrescentar o peso deste material inerte ao peso do concreto. Se a laje nervurada em questão for utilizar material inerte. devemos copiar a laje para os outros panos.distância entre nervuras: 80 cm . com o comando Copiar Laje. Clicamos então em Introduzir Laje e em seguida no pano onde queremos inserir a laje. é só clicar em uma viga a fim de que se estabeleça uma direção para o CYPECAD colocar a armadura da laje. Em seguida clicamos em Aceitar e voltamos à tela de Lajes. Clique na laje a ser copiada e em seguida nos panos para os quais queremos copiá-la.altura total: 25 cm .Preenchemos então os dados da janela Definição da Laje com os seguintes dados: − Tipo de Laje: Caixão Perdido − Nº de Peças: 2 (clicar na figura que representa duas peças) − Igual em X e Y (mesma inércia) − Dimensões: . OBSERVAÇÃO: para se manter a continuação das nervuras entre 2 lajes.

Para tal. Para fazermos a geração automática. Aparecerá então um quadro com alguns tipos de lajes nervuradas já existentes na biblioteca do CYPE. devemos clicar em (COPIAR DA BIBLIOTECA).Para editarmos uma definição de laje já existente. basta clicarmos em Lajes > Dados de lajes. de pilar em pilar 2) Automaticamente pelo Cype Para introduzirmos manualmente devemos clicar em Lajes e depois em Maciços em seguida em Introduzir Maciços. e não só o eixo das mesmas. (Editar Molde) após Podemos ainda utilizar uma laje nervurada já existente no CYPECAD. O programa automaticamente cria essas zonas. Devemos então clicar no ponto de início do maciço (encontro de 2 eixos de nervuras) e no ponto final (que pode ser fora da estrutura para gerar cantos). e em seguida em Detalhar Moldes. basta clicarmos em selecionar a laje desejada no quadro NERV. depois de introduzir as lajes. -45- . basta clicarmos em uma outra qualquer. Gerando Maciços nas Lajes Nervuradas Existem duas possibilidades para se fazer a introdução de zonas maciças (também chamadas ábacos) nas lajes nervuradas. Para desabilitarmos esta opção. Redefinindo os Maciços Para alterarmos as dimensões de um maciço devemos seguir os seguintes passos: 1) Clicar em Maciços no menu Lajes. basta clicarmos em Gerar Maciços. 2) Clicar uma vez em um canto do maciço e outra na posição em que desejamos que este canto termine. 1) Manualmente. Se desejarmos visualizar as nervuras da laje nervurada que acabamos de inserir. e selecionar Mover Cantos.

OBSERVAÇÃO: para eliminarmos um maciço basta clicarmos em Apagar um Maciço e depois clicar nos maciços a serem apagados. Existem também as opções Apagar todos os Maciços e Apagar os Maciços de uma Laje

Modificando a Posição das Nervuras

Para colocar a laje nervurada exatamente no ponto que queremos (fazer coincidir o eixo de duas nervuras com um ponto conhecido) usamos o comando Alterar Ponto de Passagem. Isto é, o ponto de passagem do encontro de 2 nervuras.

Antes disso, é necessário conhecer as coordenadas de um ponto para o qual queremos levar este encontro de nervuras.

Depois de introduzida a laje, vamos até o menu Lajes, e clicamos em Alterar Ponto de Passagem.

Clicamos então uma vez sobre o encontro de duas nervuras e em seguida no ponto em que desejamos que ele se localize (pode ser dado também em coordenadas absolutas ou relativas. Pode-se ainda definir a nova posição para um determinado eixo de nervura.

Modificando a Direção das Nervuras

Quando a laje nervurada tem distâncias entre eixos diferentes em X e Y, pode-se inverter as direções através do comando do menu lateral Alterar Disposição. Agora, clicamos uma vez no pano e outra em uma viga para estabelecer a nova direção. Experimente.

LAJE PRÉ-FABRICADA

No nosso edifício iremos utilizar lajes pré-fabricadas no ÁTICO. Antes de tudo, devemos então nos posicionar neste grupo (com Ir ao Grupo).

A partir daí, devemos seguir os seguintes passos:

1. Selecionar Lajes no menu superior.
-46-

2. Selecionar Laje Pré-Fabricada.

Assim como em lajes nervuradas, o programa possui uma biblioteca com alguns tipos de laje préfabricada. Para criarmos uma própria, clicamos em Cancelar e depois em Fornecemos então um nome para o arquivo e clicamos em Aceitar.

Surgirá o quadro abaixo:

Devemos fornecer ao programa os seguintes dados: − Uma descrição qualquer da laje: Laje do Treino − A altura total da laje: 24 cm. − A espessura da camada de compressão: 4 cm. − A largura da vigota: 10 cm. − A distância entre eixos de vigotas: 70 cm. − Em DEFINIÇÃO DE MOMENTOS, marcar Por Vigota, NÃO Majorados Depois de definido o tipo de laje, o CYPECAD irá, durante o cálculo, chegar aos momentos em cada vigota, sendo possível, após o cálculo, pedir uma relação dos momentos para a compra das mesmas.

-47-

Contudo, podemos entrar com os momentos resistentes de vários tipos de um dado fornecedor.

Assim o CYPECAD irá fazer a verificação durante o cálculo dos tipos de vigota que cumprem os requisitos em cada situação.

Então, após o cálculo, será possível ter uma relação de material de tipos de vigotas a serem compradas e não apenas momentos.

Para fornecemos ao CYPECAD os valores dos momentos bastaria preenchermos o quadro TIPOS DE VIGOTAS, informando ao programa o momento resistente de uma vigota simples, dupla e tripla.

Os passos são os seguintes:

1. Clicar em Criar Vigota.

2. Entrar com o nome do tipo da vigota, abaixo do campo referência.

3. Entrar com os momentos resistentes de cada vigota para os casos de nervura simples (MR1), dupla (MR2) e tripla (MR3).

4. Após entrar com os dados, clicar em SALVAR.

Uma vez de volta à janela Lajes, devemos clicar em Introduzir Laje e inserir a laje da mesma forma que o explicado para lajes anteriores.

ARMADURA BASE

O CypeCAD oferece a possibilidade de se utilizar uma Armadura Base em uma laje MACIÇA. Esta armadura é colocada em toda a laje, e então é calculada somente uma armadura de Reforço nos pontos necessários, se existir a necessidade de tal armadura de reforço. Esta armadura base pode ser comparada a uma tela soldada que se estende sobre a laje.

Esta opção pode resultar numa economia de mão-de-obra por um lado mas pode também provocar um aumento da área de aço calculada.

-48-

Surgirá a tela abaixo: Note que todas as armaduras estão com a opção Sem A. deixe esta experiência para mais tarde. escolha-a no menu lateral deste quadro e em seguida nos símbolos < < da armadura correspondente Clica-se então em Aceitar e em seguida vamos clicando em todos os panos com lajes maciças. clique em Armadura base no menu Lajes e clique numa laje maciça. Para colocar uma armadura. Mas. Porém. OBSERVAÇÃO: o comando Armadura base só pode ser utilizado em lajes maciças ou em lajes nervuradas armadas nas duas direções. A situação padrão do Cype é não colocar armadura base. se você quiser dar olhada no comando. Base. Este método leva a um aumento nos gastos com mão-de-obra. Para colocá-la existe a opção Armadura base no menu Lajes. onde se quer adotar tal armadura. Vamos calcular esta obra sem armadura base.Se o cálculo for sem armadura base. -49- . o CYPECAD irá utilizar uma armadura suficiente para cobrir os momentos nos diversos pontos da laje. mas é mais econômico em termos de aço.

do ponto onde as mesmas se iniciam até onde terminam. PLACAS ALVEOLARES o Cype ainda tem um tipo de laje pré-fabricada chamado placa alveolar. -50- . já fabricado por algumas empresas nacionais. definir o tipo do aço. o espaçamento e o comprimento das dobras (se existirem).ARMADURA PREDETERMINADA Ao contrário da armadura base. use o comando Apagar Armaduras Predeterminadas e selecioná-las com o mouse. Surgirá a seguinte tela: Deve-se então escolher se a armadura que se quer introduzir é superior ou inferior. as armaduras predeterminadas podem ser colocadas em uma determinada região da laje. Para apagar uma armadura. que atua em toda a extensão da laje. delimitando uma região na laje. Experimente. Esta laje tem a configuração abaixo. Para introduzi-las basta definir com o mouse uma janela. basta clicar no menu Lajes e depois em Armaduras Predeterminadas e em seguida em Introduzir Armaduras Predeterminadas. a bitola. o CYPECAD vai verificar essa armadura e definir se uma armadura de reforço é necessária ou não. Para introduzir uma armadura predeterminada. No cálculo.

Jardineiras e piscinas são cargas superficiais (atuam em m2) sobre as lajes. as cargas a serem introduzidas neste ponto. também chamadas de cargas acidentais. então habilitamos novos conjuntos através do ícone -51- . devida a uma biblioteca por exemplo. Podemos ter uma sobrecarga especial em uma região do piso. baseadas nos dados que já foram fornecidos na Introdução dos Pisos/Grupos. 2. As ações de vento ou sismo também são geradas automaticamente a partir de dados iniciais fornecidos pelo usuário. Este menu tem 2 opções: -Cargas: são as cargas adicionais que serão introduzidas NESTE PISO -Cargas Grupos: para verificação ou edição das cargas JÁ INTRODUZIDAS em cada grupo. Clique no menu Cargas no menu superior. por padrão. etc.7 CARREGAMENTOS Uma nota importante em relação às cargas que introduziremos agora é que o CYPECAD gera de modo automático as cargas de peso próprio dos elementos estruturais. devem ser diferentes das citadas acima. considere o seguinte: O Conjunto de Cagas Nº 1. Para informar ao Cype a natureza das cargas a serem introduzidas. 3. corresponde às cargas PERMANENTES. Note que podemos ter então cargas permanentes e sobrecargas. Deste modo. Por exemplo: não foram introduzidas ainda as paredes sobre as vigas e lajes (cargas lineares). Caso seja necessário introduzir cargas de outra natureza. Gera também as cargas permanentes e a sobrecarga de uso que atuam sobre as lajes. Clique em Cargas. Aparece a janela Cargas. Para introduzir cargas: 1.

deve-se fornecer o polígono de atuação da carga. Na janela Cargas. Modificação e Eliminação de Cargas OBSERVAÇÃO: deve-se ter o cuidado de não se introduzir cargas fora da estrutura. aparecem opções para modificála: Editar: permite alterar o valor da carga e a sua natureza (permanente ou acidental) -52- . Para cargas concentradas. Para cargas superficiais. caso isto aconteça.Alterar Conjunto de Cargas Especiais. Fornecido o último ponto antes de fechar o polígono. clique na setinha preta para escolher o tipo da carga que será introduzida: Linear. e escolha Sobrecarga. quando já existe uma carga introduzida. Assim. dY e dXY. No outro campo entre com o valor da respectiva carga: 0. cargas acidentais na cor branca.8 (em tf/m) por exemplo. por coordenadas. já podemos introduzir cargas das 2 naturezas. Clique no sinal de + para criar mais um conjunto. No entanto. sempre lembrando do seguinte: NÃO se fecha o polígono. o conjunto 1 corresponde às cargas permanentes. À frente do campo Cargas. B. o programa detectará o erro e será emitida uma mensagem com as coordenadas das cargas erradas. Clique em Nova. Pode-se usar as coordenadas relativas dX. Como já foi dito. Linear e Superficial (distribuída em uma área definida). basta clicar no ponto de início e depois no ponto onde ela termina . Para introduzir as cargas pode-se utilizar dois métodos: A. note que. Para as cargas lineares. com o mouse. digite a coordenada ou clique no seu ponto de aplicação. pode-se abrir um menu com as opções do tipo de cargas que podem ser introduzidas: Concentrada. leve o mouse para o centro da área carregada e pressione o botão DIREITO do mouse. com um detalhe: cargas permanentes são mostradas em amarelo. Clique sobre a palavra Permanente do conjunto 2. Então faça: no campo Cargas.

no centro da tela. superficial ou concentrada). quando deixamos que uma delas “vaze” para fora da estrutura. pressione o botão DIREITO do mouse. Mover: permite alterar os pontos de aplicação das cargas. -53- . do tipo selecionado (linear.Atribuir: permite copiar um determinado valor para várias cargas já introduzidas. Apagar: elimina a carga escolhida. Este é o comando a ser usado para corrigir as cargas. LEMBRE-SE: Para fazer voltar a janela Cargas.

8 OPÇÕES Uma coisa FUNDAMENTAL que deve ser feita é a parametrização software de acordo com os critérios DO USUÁRIO. Quantidades mínimas em negativos do piso de placa alveolar: para especificação do momento mínimo a ser resistido pela armadura negativa em lajes alveolares Armadura em lajes usuais: Permite o ajuste do comprimento da armadura negativa da laje préfabricada em função do vão. Opções: Este é o segundo lugar onde temos parâmetros a definir. O botão Por Elemento abre a janela Tipos de Aços Barras. Isto é feito através do menu superior Obra. -54- . Quantidades mínimas em negativos de lajes pré-fabricadas: Permite ajustar a taxa de armadura mínima de lajes pré-fabricadas. 2. onde existem vários parâmetros de configuração. Voltaremos neles mais tarde. Este menu tem 2 opções: 1. vigas e saídas de textos. As opções da aplicação são as que estão na figura: Opções Gerais de Desenho: Opções relacionadas a desenho das lajes pré-fabricadas. Dados da Obra: surge a janela onde fornecemos anteriormente os dados dos materiais.

Neste caso os esforços serão redistribuídos de modo a se tentar o equilíbrio com as lajes resistindo à torção. Armadura de cortantes. Envoltórias de cortantes: Permite a visualização do diagrama contínuo ou descontínuo.4 (γf). além de 1. e não as vigas. onde: Td = Momento torsor de cálculo K = Coeficiente ajustável Tu = Momento torsor de ruptura Se for verificado que Td < K. escolher como se quer a armadura de montagem e ainda definir os tamanhos do agregado e do diâmetro do vibrador. o que não real. Consideração de armadura à torção em vigas: A partir da equação Td=K. considerar uma armadura positiva maior no apoio para que em conjunto com os estribos combata o esforço cortante. Se K = 0. O coeficiente 0 (zero) significa que a viga é não resistente à torção.0 Á a viga será armada para todos os torsores Se K = 1. Coeficientes redutores de rigidez à torção: Estes coeficientes definem o grau de rigidez à torção dos elementos estruturais. não se armará a viga à torção. pele e torção: Pedem-se a distância de cálculo do esforço cortante e definições de armaduras de pele e de combate à torção.0 Á não se armará a viga para nenhum torsor -55- .Tu. Seleção de estribo: Permite definir a região de colocação dos estribos.Tu. Armaduras de Vigas: Nesta janela pode-se: majorar ainda mais os esforços. A redistribuição de lajes vale para as lajes préfabricadas. Momentos mínimos a cobrir com armaduras em vigas: Pode-se considerar um momento mínimo positivo ou negativo que será verificado caso o momento a que a viga ou vigota está submetida seja menor. definir os comprimentos máximos e mínimos das barras da armadura de vigas segundo uma porcentagem do vão.Armaduras usuais em pisos de placas alveolares: idem para placas alveolares Coeficientes de redistribuição de negativos: É possível fazer uma redistribuição de momento negativo para o positivo (plastificação) segundo um coeficiente. Adotar o coeficiente 1 significa considerar que toda a seção transversal resiste à torção.

em Vigas/Cortinas e depois em Vigas contínuas. é conveniente verificar como o Cype considerou as vigas contínuas em cada um dos grupos do nosso edifício. Limites de flecha em placas alveolares: idem para lajes alveolares Verificação à fissuração: Permite realizar ou não a verificação da fissuração em vigas. Clique nele. Se a fissuração for levada em conta. dividindo uma viga contínua em 2 ou unindo 2 vigas antes isoladas numa só. -56- . Surgirá uma tela com o ícone Gerar Viga Contínua.Coeficiente redutor de rigidez à flexão de lajes pré-fabricadas: permite reduzir a rigidez à flexão das lajes pré-fabricadas. VIGAS CONTÍNUAS Antes de iniciar o cálculo da estrutura. Coeficientes de fluência-flecha ativa: permite alterar os coeficientes a serem considerados no cálculo da flecha de vigas considerando tanto cargas permanentes como sobrecargas. Coeficientes de fluência de flecha total no infinito: é possível alterar os coeficientes para cálculo da flecha no infinito. Assim: Clique. no menu superior. Surge o menu: Gerar Viga Contínua: O programa gera automaticamente as vigas contínuas na planta que estamos visualizando. podemos alterá-las. Se alguma delas não está de acordo com o modelo que julgamos correto. Opções para vigas metálicas: verificação de flambagem lateral para vigas metálicas Limites de flecha em vigas: o usuário pode definir valores diferentes do padrão para as flechas máximas em vigas. deve-se definir o valor limite da abertura das fissuras.

Unir Duas Vigas: Ao clicarmos em duas vigas consecutivas o programa as transforma em uma única viga contínua. no ponto clicado. Igualar Vigas: Clicando-se nas vigas desejadas. Dividir uma Viga Contínua: Ao clicarmos em um apoio de uma viga contínua. -57- . o programa divide esta viga contínua em duas. Modificar Nº Viga Contínua: Modifica o número da viga contínua.Ver Viga Contínua: Ao clicarmos em uma viga qualquer o programa mostra. O DXF deve estar desativado para que você veja as vigas em vermelho. em vermelho. todos os trechos que formam a viga contínua selecionada. podemos impor que as vigas contínuas com o mesmo número de vãos e o mesmo número de barras tenham suas armaduras igualadas pelo CYPE .

Quando necessário. indicando quando existir: hipótese de cálculo. Ainda: não servem para o cálculo dos edifícios chamados semi-estruturados. mas NÃO SUPORTAM EMPUXOS. densidade aparente. vinculação exterior. Os dados de entradas dos muros são: Grupos inicial e final espessura em cada planta empuxos de terra ou água (somente para as cortinas). sapata corrida. Pode-se SIM calcular edificações cujos TODOS OS PISOS se apóiam em alvenarias.9 CORTINAS O CypeCAD permite a introdução de 2 tipos de elementos que estamos chamando de cortinas (muros até a versão anterior). sobrecarga sobre o terreno. São elementos úteis para o caso de cortinas que recebem lajes e para o cálculo de reservatórios. cota da base. serão também pedidos: módulo de recalque e tensão admissível do solo -58- . OBRIGATORIAMENTE. por falta de uma palavra melhor. cota do reaterro. cota do lençol freático. Existindo reaterro. Os apoios dos muros na fundação podem ser: Viga de fundação (calculada sobre base elástica). densidade submersa e ângulo de atrito interno. Alvenaria de blocos: são elementos que recebem e transmitem cargas. deve-se fornecer: porcentagem de drenagem. viga sem vinculação exterior. Queremos chamar sua atenção para o que o programa realmente aceita: Cortinas em concreto armado: podem receber ou não empuxos de terra ou água. estar LIGADOS À ESTRUTURA. mas devem.

em seguida no ícone Por Elemento. Para que isso seja feito.10 CALCULAR Antes de pedir ao programa que efetue o cálculo. Clique em Dados obra. Nesse momento o nosso edifício está pronto para ser calculado. temos as seguintes opções: -59- . devemos clicar sobre Calcular no menu superior. Surgirá a tela abaixo: Selecionando a cor verde. Isso é feito através do menu Obra. Definidas as cores para os erros. podemos clicar em Aceitar . Para configurar as cores representativas das mensagens de erros clique. Já a cor vermelha deve se referir aos erros que julgamos graves. Aí se encontram várias opções do Cype. é necessário informar ao software qual tipo de erro (ou aviso) julgamos grave ou não. Escolha Atribuição de cores para erros. A seguinte tela surgirá: Neste menu. no ícone grande chamado Opções de vigas. estamos dizendo ao software que a informação não é importante e que portanto o programa não precisa nos informar nada a respeito (Cuidado!!!) A cor amarela deve ser usada para representar avisos de advertência.

Portanto não espere que o tempo seja o mesmo dos métodos convencionais de cálculo. Verificar Geometria do Grupo Atual: Executa as verificações geométricas dos elementos para o grupo visível na tela. Rearmar Todas as Vigas (somente após o cálculo): Rearma todas as vigas. Estes últimos são mais rápidos. portanto esta possibilidade só é valida se a alteração de seção for pouco significativa. Deixe esta opção para mais tarde. sem qualquer abertura. as alterações feitas em armaduras são perdidas. Calcular obra (sem dimensionar fundação): Executa todo o processo de cálculo da estrutura. Verificar Geometria do Grupo Atual e Superiores: Idem. ATENÇÃO: Os esforços são os anteriores. com aberturas e quaisquer cargas.Calcular obra (inclusive fundação): Quando se lançam sapatas ou blocos sobre estacas. podendo assim o usuário corrigi-las antes de executar o processamento total da obra. Rearmar Pilares (somente após o cálculo): Rearma todos os pilares e pilares-paredes da obra. Verificar Geometria de Todos Grupos: É o que pediremos ao Cype que faça neste momento. pode-se calcular todo o conjunto. Qualquer geometria pode ser calculada. rearma SOMENTE as vigas que sofreram alterações em sua geometria. -60- . è o que queremos neste momento Algumas opções estão desativadas porque esta é a primeira vez que calculamos nossa obra. mas só se calculam lajes retangulares. Clique nesta opção Se a obra estiver OK. mas com os esforços “velhos”. Vamos resolver primeiramente nossa superestrutura. estarão também ativas as opções: Rearmar Vigas Alteradas: visível somente após o cálculo. Numa próxima vez. podemos então selecionar a opção Calcular obra (sem dimensionar fundação). É uma opção muito útil e importante. DICA: Não se assuste com o tempo de cálculo! O CypeCAD usa uma ferramenta muito poderosa que é o Método dos Elementos Finitos para fazer o cálculo da estrutura.

Estaremos mostrando algumas destas mensagens. analisar estes comandos: IMPORTANTE: para melhor visualizar armaduras e diagramas. Para analisarmos. se julgar necessário. com mensagens de aviso ou de erro. etc. de cima para baixo. começar pelas vigas horizontais. como por exemplo. devemos clicar em Erros em vigas no menu superior Vigas e em seguida em uma viga vermelha ou amarela. algumas vigas estarão na cor correspondente ao que foi configurado anteriormente. são apenas sugestões de novas alturas de lajes para melhorar a flecha. fazer alterações para que a estrutura esteja segura e econômica. indicando assim algum tipo de erro ou aviso. pode imprimir as mensagens. tirandoas da tela. Uma janela Erros do cálculo pode aparecer ao final do processo. Às vezes. Deverá aparecer uma tela semelhante à abaixo: -61- . na parte inferior da tela. é melhor congelar as cargas. Note que. a partir de agora.11 ANÁLISE de RESULTADOS e OTIMIZAÇÃO Após o cálculo da obra devemos analisar os resultados e. LEIA COM ATENÇÃO. DICA: Escolha um critério. se for necessário. Vamos então. Clique no menu Cargas e clique em Visíveis para desabilitá-la Erros Feito o cálculo da estrutura. Para a análise dos resultados temos vários comandos que nos permitem visualizar e alterar os resultados e devemos passar para a aba Resultados.

clique no número que você quer adotar e depois clique em na seta azul ao lado de CORRIGIR. Clicando-se na sete à direita de Cancelar. corrige e passa para a próxima viga. Os valores à direita de LARGURA e à esquerda de ALTURA são os que fornecemos. Veja que a viga atual é mostrada em cor diferente no MAPA. clique no ícone . não serão efetuadas quaisquer modificações nas dimensões da viga em análise e o programa passará então a mostrar os erros/informações da viga seguinte. sendo que o programa sugere uma seção para que o problema seja resolvido.Nesta tela podemos identificar o erro ou aviso e fazer as alterações necessárias. Quando corrigida. É SEMPRE mais correto calcular a obra novamente. Seta azul para a esquerda corrige e volta uma viga. Seta azul para a direita. a viga passa a aparecer na cor roxa. Um quadro no centro. Revise todos os pisos. Para colocar o Mapa na tela. Envoltórias devemos ir até o menu superior e dar um clique em Envoltórias. apresenta uma sugestão para uma nova seção. Surgirá a tela abaixo: -62- . É a sugestão do Cype para esta dimensão: alterar somente a largura ou somente a altura. o Cype aproveitará os esforços antigos e calculará somente as novas armaduras. Para corrigir aceitando a sugestão do Cype. Se você escolher Rearmar Vigas Alteradas. Logo abaixo vem um número num quadrinho. Calcule a obra novamente para que as novas dimensões sejam consideradas no cálculo.

Clicamos em Aceitar. basta clicarmos sobre as vigas nas quais desejamos visualizar estes esforços e então obtemos os valores dos mesmos ao longo de toda a sua extensão. temos momentos nesta laje. Em seguida clicamos em Lajes. Estes diagramas determinada direção. pressionar o botão DIREITO do mouse dentro da tela. podemos escolher as seguintes opções: -63- . se referem às armaduras calculadas numa Como armadura é proporcional a momento. Para sair dele clicamos em Cancelar. deve-se clicar no ícone Redesenhar . uma representação dos (direção X) ou um ponto qualquer da malha. No menu Envoltórias. Selecionamos a opção Desenhar Diagramas Arm. Para limpar a tela. A partir daí. Desenhada novamente a malha. vamos escolher os momentos positivos (máximos) e negativos (mínimos) e deixar a escala como está. O menu de Envoltórias de vigas aparecerá novamente. Para limpar a tela. Agora. Clique em várias posições para ter uma idéia do campo de esforços da laje. na Barra de Ferramentas. Apenas como exemplo. clicamos em Redesenhar na Barra de Ferramentas. selecionamos a opção Desenhar Malha. vamos até o centro da tela e pressionamos o botão DIREITO do mouse. Agora passemos às lajes. Selecionamos Longitudinal Transversal (direção Y). Clicamos então no centro de uma laje qualquer do nosso edifício e o CypeCAD automaticamente mostrará a malha que foi utilizada no cálculo da estrutura (método dos elementos finitos). Para voltar ao menu. pressionamos novamente o botão DIREITO do mouse na tela e o menu Envoltórias tornará a aparecer.Vamos então dar um clique em Envoltórias de Vigas e veremos surgir a seguinte tela: Devemos então clicar nos campos à frente dos esforços que desejamos visualizar na tela (pode-se definir uma escala para visualização dos diagramas). Feito isso.

Dê uma ida lá! Os comandos acima são de grande utilidade na análise da estrutura. − DESLOCAMENTOS MÁXIMOS EM LAJE: Através dessa opção podemos localizar o ponto de uma laje onde ocorre o máximo deslocamento . Estes valores correspondem a deslocamentos resultantes do método dos elementos finitos. passando a acompanhar com o mouse como esses esforços variam ao longo do pilar. Discretização é a divisão em elementos finitos. Após escolher este comando e clicar sobre um pilar qualquer. etc). segundo cada uma das hipóteses de cálculo (permanente. o CypeCAD mostra na tela os deslocamentos em X. vento. .DESLOCAMENTOS DE PILARES – é uma opção muito útil. vertical e rotação). na última Aba. reativando o menu Envoltórias. sobrecarga. Para selecionarmos os esforços que desejamos visualizar e a hipótese. basta clicar novamente em um ponto qualquer da laje e o Cype automaticamente fornece o ponto da mesma onde ocorre o máximo deslocamento. Para limpar a tela clicamos em Redesenhar. Para terminar pressionamos o botão DIREITO do mouse. Agora. já que nos permite analisar a coerência dos resultados. Para sair.MÁXIMA DISTORÇÃO EM PILARES – as explicações dos valores estão na tela. Mas. Surgirá uma janela onde se visualizar os valores dos esforços (axial. (Obs. Y e Z do pilar selecionado. NÃO são flechas de lajes. Ver Manual teórico para maiores explicações) − ESFORÇOS NOS NÓS: Clicamos em qualquer um dos nós da malha gerada pelo CYPE e ele nos fornece os dados relativos aos esforços atuantes nesse nó (força cortante. força axial e momentos). Para isso . esforços e tensões nestes elementos. bem como o valor do deslocamento (horizontal. Experimente. uma vez desenhada a malha. Clicando-se num pilar-parede. adotada pelo programa. clicar em Continuar. é possível visível os deslocamentos. selecionamos Esforços Pilares/Pilares Paredes e clicamos em seguida em um pilar qualquer. cortante. .− DESLOCAMENTOS NOS NÓS: Clicamos em qualquer um dos nós da malha gerada pelo Cype e ele nos fornece os dados relativos ao deslocamento desse ponto (vertical. usar o comando Redesenhar. momento) ao longo de toda a extensão do pilar. Para limpar a tela. horizontal e rotação em X e Y). basta clicarmos nos campos à frente das opções e habilitá-las. -64- . ao longo de toda a sua prumada. o melhor lugar para analisar deslocamentos é no diagrama de Isovalores.

podendo mais tarde ser aberto em um software de desenho (AUTOCAD. momentos mínimos a cobrir com armadura. tem-se acesso ao comando Informação. O tempo gasto para a geração do modelo sólido dependerá do seu equipamento.MODELO 3D: Através desta opção podemos visualizar nosso edifício a partir de uma perspectiva em 3D. o programa irá fornecer progressivamente as informações a respeito das outras vigas do pavimento.DXF em três dimensões .). Basta clicar em Informação e depois na viga desejada (ou digitamos no teclado o número da viga da qual queremos obter informação). flecha. Pode demorar um pouquinho. Podemos também simplesmente digitar o número da viga desejada e o CypeCAD automaticamente a mostrará. -65- . Deverá surgir um quadro semelhante a esta: Se formos clicando com o botão ESQUERDO do mouse. Há possibilidade também de se gerar desenhos do modelo no formato de arquivo .. etc. A opção SÓLIDO mostra uma imagem do nosso edifício virtual. por exemplo) Informação Através do menu Vigas. com o qual é possível visualizar as características da viga (seção.

NÃO SE ESQUEÇA: Depois de fazer as modificações desejadas. Surgirá uma tela como a abaixo: Nesta tela podemos analisar a armadura colocada pelo programa e alterá-la como desejarmos. Apagar.Se você CALCULAR A OBRA NOVAMENTE. Portanto. para que o Cype guarde as suas mudanças. Unir. clique em Recolocar depois em Salvar . devemos clicar no menu Armaduras e selecionar a opção Vigas/Cortinas e então clicar no elemento desejado. etc. comprimento. . -66- . Dividir e depois clicar na barra a ser alterada. Ainda temos o ícone Flechas flechas. Clique nele e escolha um vão para obter informação a respeito de Note que os valores das dobras também podem ser alterados. Observe com calma esta janela e faça experiências! Um ícone importantíssimo desta tela é o botão Áreas . etc. No entanto.Armaduras de Vigas e Cortinas Para visualizar e editar a armadura de uma viga ou uma cortina. Serão mostradas as armaduras necessárias e reais de cada ponto importante: superior esquerda. dobras. A partir daí. a viga será desenhada assim. Igualar. Pode-se modificar o diâmetro. superior direita. portanto alterações na armadura somente devem ser feitas depois de TODOS os elementos ter sido verificados. o Cype o avisará e colocará esta armadura na cor vermelha. Escolhemos se queremos editar Armadura longitudinal ou Estribos. ficam habilitadas as opções: Acrescentar.Se você alterar a armadura de maneira que a nova área de aço seja inferior à necessária. CUIDADO com as alterações. Qualquer alteração que você faça na armadura colocada. será imediatamente contabilizada nesta tela. 2. estas alterações serão perdidas. inferior. Editar. se você Salvar desta forma. Clique nele e escolha um vão da viga. Também são mostradas as áreas de aço correspondentes à armadura transversal. e OBSERVAÇÕES: 1. bem como os reforços de estribos.

comprimento.) Feitas todas as considerações. Os pequenos círculos representando as barras são seguidos da sua descrição (ex: 5 φ 5. selecionamos o que desejamos visualizar destas armaduras (diâmetro. vamos ver agora como analisar as lajes.Lajes > Ver Armaduras Na seção resultados. As armaduras de Punção e Cortante são diâmetros em corte que aparecem principalmente em lajes cogumelos e nervuradas. No menu superior clique em Lajes Maciças/Nerv. A opção Ver armadura permite que visualizemos as armaduras das lajes maciças e nervuradas. etc. Surgirá a tela abaixo: Devemos inicialmente selecionar o tipo de armadura que desejamos visualizar na tela (Base e/ou reforço e/ou predeterminadas). podemos então clicar em Aceitar e as armaduras selecionadas serão dispostas na tela. Em seguida indicamos as barras que desejamos ver na tela: Longitudinais (direção X) e/ou Transversais (direção Y) Inferior (positiva) e/ou Superior (negativa) Finalmente.0) -67- . número de barras.

É NECESSÁRIO fazer este processo DE IGUALAR ARMADURAS DE LAJES. e escolhendo-se a nova cor desejada. É uma maneira econômica do ponto de vista de peso de aço. desabilite os campos das Armaduras. A tela que surge é a seguinte: -68- . mas IMPRATICÁVEL na obra. Uma solução pode ser aumentar a espessura (talvez somente do capitel). na janela Visualização de Armaduras de Lajes. o Cype coloca a armadura por FAIXAS. 2. Através dele é possível igualar as armaduras das lajes tornando assim a execução mais fácil. Desta forma. Para limpar a tela. OBSERVAÇÃO: 1. Para isto ser feito. se a geometria da laje é irregular. as armaduras das lajes são simples e já são desenhadas de acordo com o padrão habitual. clicando-se duas vezes sobre a cor correspondente ao diâmetro que se quer alterar. O comando está no menu Lajes Maciças/Nerv. significa que a laje não atende às verificações de punção ou esforço cortante. deve-se alterar o quadro Cores. enviando para a obra uma armadura mais homogênea. Existe a possibilidade de se alterar as cores das barras a serem mostradas pelo programa. Outra.ATENÇÃO: uma linha vermelha com o texto INSUF. Mas. Lajes Maciças/Nerv > Igualar Armaduras Quando a laje é retangular. aumentar o fck.

espaçamento e comprimento. clicamos em Introduzir. representada por uma linha pontilhada. o CypeCAD permite que se alterem as armaduras das lajes através do comando Modificar Armaduras. este é um método seguro de igualar armadura de lajes. Igualar por Linhas. que é o mais usado e recomendado para lajes de geometria qualquer. voltando à janela Igualação de Armaduras. Escolhida a opção Igualar por Linhas. Isto significa: vamos introduzir uma linha de igualação sobre algumas barras que queremos que sejam igualadas. Superiores/Inferiores). Em seguida. Observe que cada barra está distribuída numa FAIXA. Feitas todas as linhas necessárias. Com um zoom conveniente. pois o programa não saberia em qual delas incluir o trecho de sobreposição. 2. 2. Raro. OBSERVAÇÃO: Não se pode sobrepor duas linhas de igualação. Aplicável somente quando é possível abrir uma janela em volta de toda a laje a ser igualada. ou por janela. no menu superior Lajes Maciças/Nerv. Podem ser feitos ajustes nos comprimentos das linhas de igualação através do botão Extremos Lajes Maciças/Nerv > Modificar Armaduras Além do comando Igualar armaduras visto anteriormente. As lajes retangulares já vêm com sua armadura igualada. observando diâmetro.Devemos inicialmente selecionar as barras da armadura a serem igualadas (Longitudinais/ Transversais. Igualar por Retângulo. depois clique em Rearmar lajes. passamos uma linha de igualação sobre as barras que desejamos igualar. Surgirá então a tela ao lado: -69- . O outro clique deve ser dado NA PONTA DA SETA da última barra a ser igualada. Portanto. O primeiro clique da linha de igualação deve ser dado NA PONTA DA SETA da primeira barra. basta então pressionar o botão DIREITO do mouse. escolhemos o modo de entrada: 1. geralmente com setas nas pontas. OBSERVAÇÕES: 1. O Cype pesquisa a maior armadura deste trecho e a coloca na tela.

A primeira opção é Altera Diâmetro/Espaçamento. bastando selecionar o diâmetro e o espaçamento desejado e clicar nas barras a serem modificadas. definir o novo tamanho. Oriente-se pelas -70- . com o mouse. basta clicar próximo à armadura que se deseja mover. escolha qual armadura quer modificar. do espaçamento. que permite alterar os comprimentos das barras. Cuidado! Se você engolir uma armadura forte com uma fraca. Faça esta janela vermelha “engolir” outras barras. Esta é uma opção de grande utilidade para ajuste finais depois do comando Igualar armadura. (por exemplo. Qualquer alteração errada. Antes de qualquer coisa. A opção Altera Faixa de Distribuição permite que seja modificada a faixa de distribuição de qualquer armadura. é necessário MUITO CUIDADO nesta operação. A segunda opção é Mover Armadura e Texto. não será emitida nenhuma mensagem de aviso. para menos do que o necessário) não será avisada pelo programa. que permite alterar o diâmetro e o espaçamento das barras. Basta clicar no agrupamento de barras e modificá-lo como desejado. O comando Desfazer Agrupamento “abre” um agrupamento nas várias barras que o compõe. Para isto. e também das dimensões das dobras e do comprimento da barra. Outra opção é Altera Agrupamento. Clique na ponta da seta da armadura que vai permanecer.DICA: Deve-se tomar extremo cuidado quanto às modificações das barras feitas por estas opções deste comando. A armadura e o texto se deslocam para o ponto clicado. Portanto. com eliminação ou não de eventuais armaduras emendadas. Basta clicar na extremidade da barra a ser alterada e. Aparece uma janela vermelha. Outra opção é Altera Extremos. que possibilita modificar a posição da armadura e do texto referente a ela na visualização das armaduras de laje. que possibilita a mudança da bitola.

coordenadas do cursor. Para visualizá-las, pressione o ícone coordenadas:

. Aparece a janela Introdução por

As coordenadas são mostradas no campo C(X,Y). Note que é conveniente trabalharmos com Incrementos=0.001m=1mm.

Existe também a opção de se colocar uma nova armadura, bastando clicar em Colocar Armadura, clicar no ponto inicial e no ponto final da barra a ser criada.

A opção Apagar Armadura é auto-explicativa, mas deve-se ter o cuidado de se aproximar da armadura a ser apagada, para não se eliminar a barra errada.

A opção Alterar Dobras permite que as dobras existentes sejam alteradas e permite também a colocação de novas dobras não existentes. Para eliminar todas as dobras, marque o campo Fixa, digite 0 (zero), clique em Aceitar, e faça uma janela envolvendo todo o desenho.

O comando introd. Linhas de Flexão possibilita a introdução de uma linha sobre as lajes NERVURADAS, que definirá o ponto de emenda da ferragem positiva. Deve ser introduzida antes do cálculo da obra.

Finalmente, em Armadura de Punção, podemos alterar o diâmetro de uma ou mais barras de armadura de punção ou cortante. Podemos também apagar alguma barra indesejada ou criar uma série de barras.

-71-

Armaduras > Pilares

Através deste comando, podemos visualizar todas as informações a respeito dos PILARES: armadura, esforços, informações, gráfico de tensões, etc.

Clique em Pilares no menu superior Armaduras e depois selecione um pilar a ser consultado, clicando sobre o mesmo. Escolha P1, por exemplo.

Surgirá a tela seguinte:

Na parte superior encontra-se a edição de seção e armadura dos pilares. Caso a seção do pilar seja insuficiente, um aviso é emitido. Para modificar a armadura ou a seção, basta clicar nos retângulos correspondentes e fazer as alterações necessárias. É possível alterar a seção do pilar (retangular, circular, etc.), bastando, para isso, clicar no campo à esquerda das dimensões dos pilares e escolhermos o tipo de pilar desejado. Porém, CUIDADO! Modificações significativas nas seções dos pilares exigem um novo cálculo da obra!

Na parte inferior esquerda encontram-se os gráficos de deformação, tensão no concreto e tensão no aço.

-72-

Na parte inferior direita podemos visualizar os esforços a que o pilar está submetido (ver OBSERVAÇÃO a seguir). O significado dos valores destes esforços pode ser visto, clicando-se no ícone INFO. OBSERVAÇÃO: Não se preocupe em entender tudo isto agora. Aos poucos você se familiarizará com o processo de verificação de armaduras de pilares do Cype. Para ver os esforços realmente atuantes nos pilares, peça uma LISTAGEM DE ESFORÇOS EM PILARES.

É possível também alterar as armaduras e os estribos, clicando-se nos ícones correspondentes. Note que o ícone mais à direita dos estribos mostra uma seção transversal do pilar, que mostra a disposição das barras e dos estribos.

É possível também alterarmos os comprimentos das emendas (esperas) calculadas pelo CYPECAD, bastando para isso clicarmos sobre o campo imediatamente à esquerda do diâmetro dos estribos.

O próprio Cype faz uma pesquisa de pilares iguais. Mas, se quisermos forçar mais alguma igualação, podermos fazê-la.

Se desejarmos igualar pilares, além daqueles já igualados pelo Cype, basta clicarmos em QUADRO DE PILARES, selecionar as opções Igualar Geometria e/ou Igualar Armaduras, clicarmos então no pilar que desejamos copiar, e em seguida COPIAR PILAR e finalmente então selecionarmos os pilares que desejamos igualar.

Feitas todas as igualações, clicamos então em Terminar.

OBSERVAÇÃO: O comando Armaduras>Pilares não funciona para pilares-parede. Para visualizarmos e editarmos a armadura deles, devemos adotar os seguintes procedimentos:

1. Clicar em Entrada de Pilares 2. Clicar em Introdução. 3. Selecionar a opção Pilares........ 4. No menu que surgirá, clicar em Dimensionar 5. Clicar no pilar-parede desejado. Surgirá uma tela como a abaixo:

-73-

Clique no menu Armaduras e veja que podemos utilizar uma série de comandos que estão descritos a seguir: − Introduzir barras : Permite a introdução de uma dada armadura de capeamento de laje pré-fabricada. Em seguida. onde existem lajes pré-fabricadas. -74- . Permite introduzir. selecione o ponto da introdução de armadura e depois clique em Aceitar. basta clicarmos nesta aba e surgirá a armadura colocada pelo Cype no capeamento das lajes do Ático. alterar ou excluir opções de armadura. Escolha uma barra. É mostrada uma tela com várias opções de barras que podem ser colocadas. Armaduras Lajes pré-fabricadas A aba Armaduras Lajes pré-fabricadas serve exclusivamente para armadura de capeamento das lajes PRÉ-FABRICADAS. Primeiro. vamos nos posicionar no ÁTICO.A partir daí podemos então fazer as modificações necessárias e depois clicar em Aceitar. − Armaduras atuais: Define a armadura atual a ser aplicada na laje pré-fabricada.

devemos clicar no comando e depois pressionar o botão DIREITO do mouse no centro da tela. Na janela que surge definimos as modificações (comprimento. deve-se selecionar os critérios para igualação e clicar em Aceitar. Pode-se selecionar um ou mais grupos. − Atribuir Nomes: Atribui o rótulo escolhido às armaduras selecionadas. -75- . − Modificar seções: Tem a mesma função do comando anterior. Selecionamos a armadura a ser modificada e clicamos sobre o seu texto. e a forma de saída pode ser escolhida entre a impressora ou arquivo (. devemos clicar no comando e depois na armadura a ser modificada. Na tabela que surge. Para isto. etc. − Listagens: Obtém-se uma listagem com o resumo total das quantidades utilizadas na laje préfabricada. − Apagar: Elimina as armaduras obtidas no cálculo. porém modifica todas as armaduras do grupo escolhido pela armadura selecionada no quadro ARMADURA ATUAL.− Modificar armaduras: Modifica as armaduras existentes. dobra. Para isto. − Modificar uma seção: Modifica uma seção de uma armadura a ser escolhida. − Igualar: Iguala as armaduras obtidas no cálculo. Para isto deve-se clicar no comando e surgirá na janela que surge. Basta clicar no comando e depois na armadura a ser eliminada. − Envoltórias: Mostra envoltórias das vigotas. escolhemos a seção desejada e clicamos em Aceitar.) .LAF).

conforme o caso. Caso você utilize outra impressora. na tentativa de simplificar o trabalho. plotar ou exportar para arquivos DXF. é preciso definir em que formatos e em que periféricos eles serão gerados. plotter ou prefira transferir os desenhos para um arquivo DXF (AutoCAD). Veja como através das instruções abaixo. antes de imprimir. Clique nele e será aberto o seguinte abaixo: Escolha a opção Desenhos. bastando. ao instalar as tabelas de armadura. utilizaremos a configuração de uma impressora HP 840C formato A4. já relacionados com os periféricos mais utilizados associados a eles. fazermos a configuração do tamanho do papel e selecionarmos o periférico a ser utilizado. é necessário. cuja descrição é: Configuração das opções do programa. Para exemplificar. De qualquer forma. aceita qualquer tipo de impressora ou plotter (desde que seus respectivos drives estejam instalados no Windows) e desenha em qualquer formato de papel. a metodologia será basicamente a mesma. alterar as opções: Configuração das opções do programa Antes de pedir a execução dos desenhos da obra. Surge a tela Desenhos > Definição de formatos. Você pode utilizá-los ou não. do lado direito da tela. está um ícone representando um globo terrestre. o usuário estará instalando também alguns formatos de papel mais comuns.12 DESENHOS no CypeCAD 3D Considerações Iniciais O CYPECAD 3D. por se tratar de um programa que roda embaixo Windows. Siga os seguintes passos: 1.Na Barra de Ferramentas. Independentemente do tipo de periférico utilizado. -76- .

Esta escolha é feita de acordo com o que “cabe” dentro de cada papel. 280 e (ENTER). o Cype tentará gerar TODOS os desenhos neste tamanho. Veja o exemplo que vamos criar para a impressora HP 840C.Vamos entender como funciona esta tela. dê um clique no símbolo + 840C <ENTER> acima de Formatos e digite: HP Depois clique no símbolo + acima de Tamanhos e digite: A4 (ENTER). os pilares. A0. -77- . damos somente um NOME para um tamanho de papel ou para um conjunto de tamanhos de papel. ele cria e avisa. com vários tamanhos: A1. Quando o formato possui somente um tamanho. Na tela Definição de formatos. 200 e (ENTER). então o Cype “escolhe” para qual tamanho mandar as vigas. etc Quando o formato possui vários tamanhos associados a ele. A2. Se precisar de tamanhos maiores. b) Formato Ploter. as formas. No quadro Formatos. etc. Temos 2 quadros: Formatos e Tamanhos. Mas isto tem uma diferença: a) Formato A1 e tamanho A1. O nome do formato pode ser por exemplo o nome do periférico.

no caso de impressoras. sempre confirmando com ENTER.Cabe ressaltar. ou seja. Então vá até o esquema do papel abaixo do quadro de tamanhos e dê um clique em um dos quatro retângulos e digite as margens: 5 para as margens. dê um clique em Configuração de Periféricos. Surgirá a janela abaixo: -78- . na qual o desenho estará contido. à área útil. que as dimensões a serem colocadas no quadro de tamanhos correspondem não ao tamanho da folha. bastando para isto que vá se teclando no símbolo + para que os campos de inserção de dados surjam: Uma vez definido o tamanho e formato. é possível deixar gravados vários formatos e tamanhos. Como se pode observar. mas sim às medidas utilizadas para o desenho.

A coluna tipo será preenchida automaticamente pelo Cype. de acordo com a escolha que você fizer em Modelo.Se você. basta clicar no sinal de + . até o momento. por exemplo. Agora vamos fazer a configuração propriamente dita dos periféricos − Clique na linha que indica a HP840C e depois clique no ícone cuja descrição é Editar elemento selecionado na lista . -79- . . Se desejar gerar um arquivo DXF para posteriormente trabalhar em um software de CAD. escolha Arquivo Dxf e o Tipo será Prog. desenho. escolha-o no campo Modelo. O tipo será Disp.Forneça uma descrição: o nome da impressora. Surgirá o menu Configurar Impressora. − Se você vai trabalhar com uma impressora ou um plotter já instalado no Windows. não tem ainda nenhum periférico definido para trabalhar com o CypeCAD. . gráfico.

clicamos então em Aceitar e. em seguida. devemos escolher HP840C. − Como colocamos o tamanho 200/280 devemos escolher orientação Vertical. Para eliminarmos uma configuração da lista basta selecioná-la e então clicarmos em Excluir elemento selecionado da lista . − Se quisermos que o CypeCAD desenhe os limites que escolhemos para o desenho. basta clicarmos no ícone + sempre que desejarmos acrescentar mais uma configuração. em Aceitar novamente. − Associar essa impressora a um determinado formato de papel criado no Cype. Para isto. Uma vez definida a configuração da impressora. ter uma impressora. Podemos. − Se quisermos o mesmo com a margem. por exemplo. clicamos então em Com Margem. OBSERVAÇÃO: Podemos acrescentar mais de uma configuração por vez no CYPECAD. um plotter e um arquivo DXF configurado. No caso.Tamanho do papel utilizado pela impressora ou plotter Configurar. devemos clicar em Com Limites. -80- . no campo FORMATO.Neste menu podemos fazer as seguintes configurações: .

clique em . Vem a tela Note que você já pode escolher o tipo de letra. Pode-se alterar este caminho na tela Configurar Programa de Desenho. Surgira a tela: Para selecionarmos um desenho devemos clicar no sinal + logo abaixo de Seleção de Pranchas. no grupo de ícones à direita da tela. sendo por esta razão.Para quem conhece o AutoCAD ou outro programa de desenho. a mais utilizada. Romans é a mais parecida com os normógrafos. da seguinte forma: Deixe marcado Arquivo DXF. uma das grandes vantagens do Cype é gerar arquivos DXF. e clique em Editar elemento selecionado na lista abaixo: . OBSERVAÇÃO: Sempre que gerarmos um desenho (de vigas por exemplo) via arquivo DXF. Vem a janela Edição do desenho. Gerando os Desenhos Na Barra de Ferramentas. o mesmo será gravado no diretório \CAD\Cype3d\Nome_da_Obra . no drive onde está instalado o CypeCAD. É preciso também fazer a CONFIGURAÇÃO DE ARQUIVOS DXF. que podem ser trabalhados nestes programas. -81- . Desenhos da Obra. totalmente compatíveis com AutoCAD.

Vamos dar uma examinada nos desenhos que são gerados pelo Cype. -82- . Para ver os outros desenhos que podem ser gerados. com: Fundação Detalhamento Fundação Armaduras de lajes Cargas Especiais Desenho de Vigas Desenho de Formas Quadro de Pilares Cargas na Fundação Desenho de cortinas Desenho de Cargas Pode-se gerar mais desenhos ao mesmo tempo. clique na setinha preta. Com pouco tempo você colocará o desenho “do seu jeito”. clicando novamente em + na tela Seleção de Pranchas. Para cada prancha várias configurações devem ser feitas. à direita de Desenho de Pilares As opções são: Desenho de Pilares Desenho de Plantas. basta clicarmos duas vezes sobre a setinha preta à direita.Para visualizar os demais tipos de desenho.

-83- . Note que desmarcamos Detalhar dobras. as tabelas a serem geradas.Na Barra de Ferramentas. Observe que ao clicar no campo à frente de Tabela dos pilares da folha. Clique neste ícone para que surja uma janela na qual pode-se mudar a nomenclatura das barras. Surge a tela Edição do desenho. Veja também que escolhemos a 2a maneira de dar nome às barras. − Se o quadro estiver vazio. Surgirá a tela Seleção de Pranchas. à direita do vídeo. clique em Desenhos da Obra . clique no sinal + . Repare na figura uma configuração possível. com o nome Desenho de Pilares. ele se transforma em um ícone.Desenho de Pilares Lembrando: para gerar qualquer desenho faça o seguinte: . Veja na figura a seguir. que sugerimos: Repare: as escalas sugeridas.

e também com quadro (margem do formato). Vamos trocar? Cancele esta janela. clique em Aceitar . Digite A1 no campo abaixo de Tamanhos. clique em Configurar. Margens: esq=25. deixe como está. Deixe marcados Recursos de edição (para que seja possível alterar posição dos textos na prancha). Novamente na tela Seleção de Pranchas. clicando no campo correspondente. Outra opção é o formato A1. Barra de Ferramentas > Configuração das opções do programa > Desenhos. As opções são aquelas fornecidas na configuração de periféricos. -84- . selecionamos o tipo de periférico utilizado. Sinal de + . Digite A1 sobre o campo XXXX no quadro Formatos. DimX=841 e DimY=594. Pronta esta tela. Clique em Aceitar . Na tela que surge podemos selecionar o tamanho das letras e a espessura das penas que serão utilizadas no desenho de pilares. Surgirá na tela a janela Composição de Pranchas. Por enquanto. todas as outras=10.− De volta ao menu Edição do desenho. Veja que os pilares foram colocados em formato A4.

Clique em Configuração de periféricos. Clique em Editar elemento selecionado da lista. O Desenho de Pilares já deve estar escolhido. Aceitar. Aguarde um momento. escolha A1. Em Formato. até que o programa arme todos os nossos pilares e nos mostre os formatos: -85- . também na Barra de Ferramentas. Basta clicar em Aceitar. Agora vá em Desenhos da Obra. Selecione DXF.

Clique no elemento a ser editado. Se. Na Barra de Ferramentas estão todos os ícones para visualização: vista anterior. então agora você pode -86- . Editar Textos Par alterar a posição dos textos no desenho. Para visualizar os elementos do desenho: − Clique em Detalhe. redesenhar (é o ícone do lápis) e zoom. Os ícones de visualização aí estão novamente. na criação dos formatos. clique em Desenhos > Editar. Clique então no elemento que deseja visualizar Para visualizá-los melhor. arrastando-o em seguida para a nova posição. vista completa. Podemos rearranjá-los com o comando Desenhos > Mover.- O Cype automaticamente coloca os elementos centralizados na folha. Clique no texto que quer mover. Pedir mais uma folha em branco Para acrescentar mais uma folha em branco. vista dupla. você tiver criado vários tamanhos em um mesmo nome. basta clicarmos em Pranchas > Nova folha. Dê zoom na região a ser editada. dê um ZOOM (use a lupa azul na Barra de Ferramentas). Vem uma outra janela com este elemento.

selecionar o tamanho desejado. Clicando nele aparecerá uma janela para que sejam fornecidos os nomes dos arquivos a serem gerados. então a Nova folha será também deste tamanho. Mas. note a nova lista de ferros no canto superior direito da folha. Para apagar folhas vazias. Desenho de Vigas Vá até o ícone Desenhos da obra. Note que uma borda amarela é feita ao seu redor. Clique nas pranchas desejadas. Digite pilares. se você criou só um tamanho por formato. Se for um desenho de armação. vá em Pranchas > Imprimir > Selecionar. desmarque-o e clique no sinal de + . O ícone agora é Imprimir seleção. use Pranchas > Apagar vazias Para imprimir ou gerar um DXF: Para gerar os arquivos DXF de todos os desenhos. Para selecionar algumas pranchas para imprimir. Escolha. onde você pode alterar a escala de um determinado elemento. -87- . Escala: Existe a opção Desenhos > Escala. use Desenhos > Mover. Para levar elementos de uma folha para outra. Se o desenho de pilares estiver aí. começando do 1e clique em Aceitar. no menu Edição do desenho escolha Desenho de Vigas. basta clicar em Imprimir todos.

Note as guias na parte superior. Olhe com calma as opções existentes. Surgirá a janela Opções de desenhos para vigas. Cada calculista tem seus critérios. Mas. Se não fizer isto. na guia Estribos. os desenhos de vigas ficam muito “carregados”. -88- .Clique em Configurar. gostaríamos de chamar sua a atenção para desmarcar a opção Desenhar estribos dentro da viga.

Vamos começar pelo Desenho de Lajes. Por padrão o Cype gera 4 desenhos de armadura de laje: Longitudinal inferior. Deixe FORMAS selecionado. -89- . clique em Tamanho de textos e penas para que surja o menu correspondente. siga o mesmo procedimento descrito anteriormente. Clique no sinal de + . IMPORTANTE: É através do Desenho de plantas que se faz a configuração de algumas características do Desenho de FORMAS. Sugerimos que por enquanto não altere nada. de todos os Desenhos de Armadura de Lajes. Marque Tabela e Resumo Para vigas. 1) Clique em Desenhos da obra na Barra de Ferramentas. janela Seleção de Pranchas. altere. De volta à janela Edição do desenho. clique em Aceitar. Desenho de Plantas Todos os desenhos “em planta” estão reunidos aqui. os grupos a serem gerados: no grupo 0. de desenhos de Fundação e de desenhos de Cargas (para memória de cálculo). clique na setinha preta. não temos nenhuma viga. vamos gerar somente as do grupo 1. se ele estiver aí. não são necessárias casas decimais para a cotagem. Transversal inferior. Lembre-se: Tabela de Ferros é um ícone onde surge uma janela na qual pode-se mudar a nomenclatura das barras. até ter seu 1º desenho impresso. Longitudinal superior e Transversal superior. Se não gostar dos tamanhos. Surgirá a Desmarque Desenho de Vigas. verifique os dados: escala do desenho da viga (1:50). caso queira. como por exemplo: uma prancha com a Armadura Positiva e outra com a Armadura Negativa.Após configurar estas opções. Note que para lajes temos 4 desenhos de armaduras. 2) em Tipo Desenho. Altere-a. Criaremos outros. escala corte (1:20 ou 1:25). Para visualizar e imprimir as pranchas. selecione Desenhos de Plantas. Veremos agora como criar estes desenhos e como pedir outros.

Pode ser feito. Surgirá a janela abaixo. onde vamos observar o seguinte: -90- . Cargas e de Armaduras de Laje. 5) Surge a janela Configuração de Desenhos de Planta.3) Clique em Configurar. 4) Clique em Configuração de Desenhos de Planta. Fundação. • Escolha dos elementos do desenho que serão impressos nas pranchas de Formas. entre outras coisas: • Definição dos tamanhos dos textos e espessura de penas.

Clique no sinal de + . Esta ordem NÃO deve ser alterada.Como funciona a janela Configuração de Desenhos de Planta 1º. − Como criar uma prancha nova: Armadura Positiva de Lajes Na parte inferior da janela. Veja a figura da janela Configuração de Desenhos de Plantas logo a seguir Clique em Aceitar. Quando estiver tudo pronto. Novamente percorra todas as guias e observe o que está marcado ou não. -91- . vamos percorrer as Guias. Na janela Armadura Positiva. Lajes. Lajes já está configurada de acordo com o nome desta prancha. Clique em FORMAS para que fique selecionado. Lajes devemos marcar TODAS as armaduras INFERIORES. Digite Armadura Positiva sobre Desenho 9. Lajes. Para isto basta clicar uma vez neste campo e outra na opção desejada. nada será marcado! Ao se selecionar um campo (com um X) surgirá à direita deste quadro outro campo onde deve-se selecionar o tamanho da letra ou espessura da pena. clique em Aceitar até voltar à janela Seleção de Pranchas. Obviamente. você escolhe qual Desenho de Laje você quer gerar. A guia Arm. e ver o que nos interessa em cada uma delas. marcando todas as opções da guia Arm. você cria uma nova prancha. No campo à esquerda do botão Configurar. Agora. percorra novamente as guias. Aparece o texto Desenho 9 na coluna TIPO DES. na guia Arm.Observe as guias da janela FORMAS. pode ser que seja possível desenhar uma única prancha de Armação de Lajes. 2º.Note que o 1º nome na coluna TIPO DES. Para obras muito simples. Você deve criar também a prancha Armadura Negativa. Agora clique em Configurar. Neste caso. clique em Configuração de Desenhos de Plantas. Cada uma trata de elementos da estrutura que aparecerão nos desenhos.Clique agora em ARMADURA LONGITUDINAL INFERIOR (o 2º item). São 9 guias ao todo. sendo que na guia Arm. (Ver figura anterior): 3º. é FORMAS. Clique em cada uma das guias e configure o que deve aparecer ou não no desenho de FORMAS.

O comando Editar está no menu Desenhos. cada um com uma armadura. pois como os textos são muitos. você pode optar por gerar 2 ou somente 1 desenho.LEMBRE-SE: Se a geometria da obra é complicada. vá até o próximo capítulo que trata exclusivamente de formas. OBSERVAÇÃO: são necessários mais alguns passos para se obter a forma. Mas. o importante é que. pode ser conveniente gerar os 4 desenhos de Armadura de Lajes sugeridos pelo Cype. Assim que clicarmos em Aceitar. conforme já explicado. Se a obra é simples. pode ser que alguns estejam sobrepostos. -92- . você precisa pedir 4 Desenhos de Lajes. Aparecerá novamente a tela Composição de Pranchas. Caso queira obter a sua forma agora. não surjam dúvidas. serão gerados os Desenhos de Lajes pedidos. na execução. Neste caso. Geralmente é necessário EDITAR os desenhos de lajes.