Introdução

A reputação bem merecida de Willow Creek pela excelência não se limita à capacidade de celebração artística e encontros facilitadores que se desenvolvem em sua programação rotineira. Quando Bill Hybels (pastor titular) pesquisou a nova geração de interessados e crentes que aglomeram aquela igreja, assumiu a responsabilidade de assegurar que seriam bem-vindos, instruídos e cuidados. Esta obra, pois, é fruto do esforço da Igreja de Willow Creek para acolher, instruir e cuidar, com total eficiência, de todos aqueles que vão sendo acrescentados à sua numerosa população. O excelente trabalho de Bill Donahue e sua equipe é baseado na experiência de uma igreja organizada em grupos pequenos onde líderes leigos bem treinados e monitorados exercem pastoreio sobre cada discípulo, da forma que todo crente almeja receber. Este manual foi idealizado e trabalhado não apenas para compartilhar vitoriosas experiências desse método de fazer e viver igreja, mas para colocar em suas mãos uma ferramenta de orientação para organizar uma estrutura semelhante, embora adequada à realidade de cada igreja local.

Carl F. George

LIDERANDO GRUPOS PEQUENOS QUE TRANSFORMAM VIDAS

12

Introdução

(Edição brasileira)

Este manual foi adaptado tendo em vista respeitar as características peculiares de igrejas brasileiras, bem como satisfazer a necessidade de uma linguagem simples e acessível ao contexto de nossa língua. Esperamos, em Cristo, que essa seja uma ferramenta de preciosa utilidade para todos que a utilizarem. Ao constatarmos a excelência da obra realizada na Igreja de Willow Creek, assimilamos e adaptamos aquela filosofia de trabalho à realidade de nosso povo, surgindo daí o Agrupe (Ministério de Apoio aos Grupos Pequenos), que se dedica exclusivamente à organização e acompanhamento desse pastoreio intencional de uma membresia bem distribuída em pequenos núcleos. A estrutura organizacional do Agrupe trabalha com o acompanhamento da liderança em escala ascencional indo desde o líder de grupo pequeno propriamente dito, que se faz acompanhar de seu aprendiz no núcleo de sua comunidade, monitorado por sua vez pelo orientador, o qual recebe orientações do líder de divisão que está submetido ao líder de área, que encabeça o esquema da liderança do programa. A declaração de missão está intrinsecamente ligada aos propósitos da igreja local: “Promover a interação de pessoas em grupos pequenos a fim de transformar vidas pela aplicação da Palavra, exercer o pastoreio mútuo pela prática dos imperativos de mutualidade e contribuir para a edificação da igreja pelo exercício dos dons espirituais”. A filosofia do ministério está estruturada sobre o desejo de Cristo de que os seus seguidores se tornem como Ele, resgatando o estado original quando fomos criados à imagem e semelhança de Deus, pois acreditamos que o cumprimento contínuo dos mandamentos bíblicos recíprocos na vida dos membros da igreja gera transformação de vidas, produzindo características individuais que nos assemelham à pessoa do Senhor Jesus Cristo.

Armando Bispo
Pastor titular da Igreja Batista Central de Fortaleza

LIDERANDO GRUPOS PEQUENOS QUE TRANSFORMAM VIDAS

13

Prefácio
Este manual é um guia de referência para seu ministério de grupos pequenos, que oferece toda informação e recursos necessários para se dirigir grupo pequeno dinâmica e eficazmente, no formato onde mudança de vida é norma e não exceção. Você descobrirá que Liderando Grupos Pequenos que Transformam Vidas é organizado de modo a viabilizar o acesso à informação que se busca, já que foi projetado de maneira uniforme, com cada parte sendo ligada naturalmente à outra, o que facilita a pesquisa de quem busca liderar grupos pequenos que transformam vidas, tornando cada participante num verdadeiro e frutífero discípulo de Jesus Cristo.

COMO ESTE MANUAL É PROJETADO
A introdução a este livro, intitulada “Uma estrutura que serve às pessoas”, descreve alguns dos serviços básicos da estratégia de um grupo pequeno, a qual consideramos muito bem sucedida – uma estratégia baseada no Modelo MetaIgreja de Carl George para grupos pequenos. Você vai descobrir como este Modelo Meta-Igreja é projetado, como é usado e porque é eficaz. Leia com muita atenção esta parte introdutória, pois ela oferece o alicerce básico para o resto do livro. A Parte 1 enfoca a visão e os valores bíblicos que fundamentam um ministério de grupos pequenos bem sucedido. O quanto você está convicto que ações como evangelismo, discipulado e pastoreio em grupos pequenos determinam crescimento nos crentes e impacto nos descrentes, motiva seus esforços para desenvolver um ministério relevante, estimulante e expressivo. A Parte 2 atinge o centro de um grupo pequeno bem sucedido: a liderança. Vários líderes treinados, capacitados e apaixonados pelo que fazem, formam a espinha dorsal de um ministério de grupo pequeno focado em desenvolver seguidores de Cristo completamente dedicados e frutíferos. A vida espiritual, a força de trabalho e o caráter do líder de um grupo pequeno, pastor de um rebanho desse porte, são os assuntos tratados nesta parte. A Parte 3 se concentra na identificação, acompanhamento e formação de novas lideranças, a partir da iniciativa do líder de cada grupo pequeno em escolher,
LIDERANDO GRUPOS PEQUENOS QUE TRANSFORMAM VIDAS

14

desafiar, motivar e equipar seu aprendiz. Assegurar o bom desenvolvimento desse processo é responsabilidade da equipe voluntária que supervisiona o projeto. A Parte 4 tem como assunto principal o estabelecimento da visão e do pacto de compromisso do grupo, baseados nos princípios bíblicos necessários à formação de grupos pequenos. Você monta um grupo pequeno dinâmico quando desenvolve a visão e os valores que guiarão seu ministério, frutos do entendimento claro de seu papel como líder no Corpo de Cristo e voltados à identificação e formação de lideranças em potencial. A Parte 5 ajuda a planejar o uso de perguntas importantes, resolução de conflitos, construção de relacionamentos, condução de debates dinâmicos e abertura a avaliações do grupo e da supervisão do projeto, através de experiências e informações necessárias a reuniões que transformam vidas. A Parte 6 ajuda o líder a entender seu verdadeiro papel de pastor – alguém que dá sentido de visão e direção ao grupo, que encoraja os membros a serem mais como Cristo, e que cria reuniões dinâmicas onde a Palavra de Deus é meditada, entendida e obedecida. Um líder também ajuda o grupo a se tornar um ambiente de cuidado e nutrição onde os membros encontram descanso para a alma, oração para as necessidades e cura para as feridas. Como pastor, seu pequeno rebanho merece sua atenção e ministração. A Parte 7 objetiva ajudá-lo a multiplicar seu ministério. Como líder, você tem o privilégio de expandir o Reino de Deus além do grupo e alcançar outros que ainda não experimentaram uma verdadeira comunhão com Cristo. Você vai aprender a convidar outras ovelhas ao aprisco, a trazê-las ao ambiente vivificante de seu grupo e a auxiliar os líderes que surgem a dar o próximo passo e liderarem seus próprios grupos. A Parte 8 lhe mostra como iniciar grupos pequenos em sua igreja e oferece um método de avaliação da eficácia desse ministério. Os processos e passos aqui esboçados ajudarão novos ministros a começarem com grande impulso e permitirão aos já existentes avaliarem a si mesmos, realizando as mudanças e ajustes necessários para atingir altos níveis de crescimento, frutos de novos e estimulantes esforços. Agradecemos o árduo trabalho de todos os voluntários da Igreja de Willow Creek, que participaram da criação e adaptação deste manual, pela valiosa contribuição. Sem seu compromisso e trabalho, não teríamos este recurso precioso para o satisfatório funcionamento do ministério de grupos pequenos. Agradecemos também a Carl George por ter uma igreja com um ministério modelo que transforma vidas! Sua contribuição ao Reino ainda frutificará através das gerações vindouras.

LIDERANDO GRUPOS PEQUENOS QUE TRANSFORMAM VIDAS

15

UMA ESTRUTURA QUE SERVE ÀS PESSOAS
A estrutura pode facilitar ou impedir os esforços ministeriais de qualquer grupo, pequeno ou grande. As igrejas e os grupos pequenos freqüentemente deixam de unir os ideais e entusiasmo de um ministério cristão vital com um projeto organizacional que permita que este ministério floresça. Mas, como uma igreja sabe quando o projeto de uma grande organização ou grupo vai encorajar ou frustrar um ministério? Vamos responder a esta pergunta com outra. A estrutura serve às pessoas ou as pessoas servem à estrutura? Muitas organizações (e muitos grupos pequenos), sem saber, criam um sistema que vê as pessoas como recursos ou combustível para impulsionar a organização. Infelizmente, muitas igrejas motivam os membros com culpa ou manipulação espiritualizada, a fim de fazê-los preencher uma brecha voluntária na organização. “Nosso(a) filho(a) vai seguir pela vida sem direção nem propósito, vagando perigosamente próximo ao abismo da carnalidade, a menos que coloque seu nome como professor(a) para o ministério das crianças hoje!”. Líderes de grupos pequenos cometem o mesmo erro: “Trabalhei nesta lição sete horas. Não é justo que vocês não façam a tarefa. Todo meu trabalho foi por água abaixo!” Tradução: “Trabalhei muito para criar algo que devem ouvir. Afinal de contas, vocês existem para que eu tenha um público para minhas habilidades como professor e líder. Se não querem fazer sua parte, como é que vou ter um ministério?

LIDERANDO GRUPOS PEQUENOS QUE TRANSFORMAM VIDAS

16

COMPONENTES-CHAVE DA ESTRATÉGIA DA META-IGREJA PARA OS GRUPOS
O termo meta significa “mudança”. Meta-Igreja é aquela que muda a estratégia de expansão do Reino e se organiza em torno de grupos células, onde as pessoas podem fazer amizades, ser orientadas na fé, compreender e debater a verdade da Palavra, identificar e usar os dons espirituais e cuidar umas das outras. (Para maiores informações sobre a organização de tais igrejas, consulte Prepare your church for the future e The coming church revolution, de Carl George.)

A extensão do cuidado
É impossível para um pastor dar atenção, discipular e cuidar das necessidades de um número muito grande de pessoas. Ninguém tem tempo nem energia para pastorear um rebanho de 80, 200 ou 500 almas. Por isso, qual é uma extensão razoável de cuidado? Recomendamos a porcentagem de 1:10 – para cada líder de grupo até dez membros podem ser bem cuidados. Como líder voluntário na igreja, seu tempo é limitado. Pastorear um rebanho de 6 a 10 pessoas representa um desafio perfeitamente alcançável. A capacidade da igreja de oferecer uma assistência individual geralmente se perde, à medida que ela cresce. Uma comunidade pequena, com 65 membros, que alcança 30 almas para Cristo, deve agora incorporar estas pessoas, nutri-las na fé e oferecer um cuidado progressivo para suas necessidades individuais. Talvez alguns voluntários-chaves e um pastor assalariado pudessem realizar esta tarefa quando havia 65 membros. Mas agora com 95 (e com tantos bebês em Cristo precisando de atenção) é necessário que o cuidado seja compartilhado por muitos, em vez de poucos. Dez grupos pequenos com líderes aprendizes tornariam esta igreja um lugar apropriado, singular e que cuida bem dos membros. Cada pessoa vai se sentir bem cuidada, se ninguém pastorear mais de dez membros (inclusive o pastor assalariado que treina e acompanha em primeiro lugar os líderes de grupos pequenos e dedica mais do seu tempo à pregação da Palavra e à oração como em Atos 6.4).

Desenvolvimento da liderança
Transformar verdadeiros discípulos em frutíferos líderes é muito difícil, porque exige concentração, energia e persistência, mas é compensador. Todos nós sabemos que precisamos de líderes mais qualificados e treinados, mas o desenvolvimento da liderança pode sempre esperar até a semana que vem e nunca é priorizado, como: preparação do sermão, ensaio da música, conflito entre os funcionários, programas de edificação, reuniões da comissão de finanças, aconselhamento pastoral e dissidência de membros, que resulta em infindáveis adiamentos e inversão de prioridades. O ministério de grupo pequeno em sua igreja, só terá sucesso se tiver habilidade de identificar e treinar líderes qualificados que possam pastorear pequenos rebanhos de crentes e alcançar os perdidos que precisam de Cristo. No Modelo meta-igreja, o desenvolvimento da liderança é procurado intencionalmente pelo líder do grupo pequeno e equipe pastoral. Os líderes, trabalhando com apoio e direção desse grupo, identificam líderes em potencial e fazem um esforço para discipulá-los rumo à liderança de um grupo pequeno. Cada grupo consiste de um líder ativo, pelo menos um líder aprendiz que aprende os segredos da liderança de um grupo pequeno no próprio serviço, e um(a) anfitrião(ã) que oferece um ambiente que leva a uma experiência
LIDERANDO GRUPOS PEQUENOS QUE TRANSFORMAM VIDAS

17

dinâmica de grupo. Neste modelo de fazer igreja a liderança é encorajada a acompanhar pessoas que apresentam perfil de líder, mas que ainda não estão preparadas para assumir formalmente esse papel, desafiando-as a se tornarem aprendizes. Nenhum grupo deve começar sem o time de liderança no lugar. Isto assegura que a liderança está sendo compartilhada e desenvolvida, e demonstra a seriedade da igreja em relação ao futuro do ministério. Os grupos que começam sem aprendizes ou líderes em ascensão vão se tornar subdesenvolvidos ou incapazes de produzir novos grupos. O grupo pequeno é um lugar ideal para os líderes em ascensão experimentarem seus dons espirituais, obterem frutos, serem treinados pelo líder e crescerem na liderança.

Multiplicação do grupo
Fale com a maioria dos líderes de grupos pequenos sobre multiplicação e freqüentemente a reação será medo. “Não divida nosso grupo!”, a maior parte deles grita. Mas o Reino de Deus avança uma vida de cada vez. Somos chamados a multiplicar nosso ministério, expandindo o Reino e trazendo novos seguidores ao aprisco. Usar a “cadeira vazia” a fim de permitir um crescimento consistente e bem compassado do grupo, capacitará os novos crentes ou interessados a acharem um grupo. E o desenvolvimento intencional dos líderes aprendizes assegura que alguém estará pronto para assumir novos grupos, quando os já existentes crescerem e “derem à luz” uma nova vida. À medida que novos grupos se formam de grupos veteranos, os valores e princípios aprendidos podem ser multiplicados. Todo mundo precisa de um lugar para uma experiência comunitária. Há animação e entusiasmo, à medida que existe mudança de vida e outras pessoas criam relacionamentos significativos na comunidade. É natural que os grupos formem subgrupos feitos de três a quatro pessoas cada. Estes subgrupos podem, por sua vez, desenvolver líderes, acrescentar membros e no fim se dividir em seus próprios grupos saudáveis. O processo continua até que todo o mundo em busca de comunidade encontre um pequeno rebanho que os receberá, desenvolverá e liberará para o ministério.

Discipulado relacional
O melhor discipulado é o de grupo. Jesus o praticou, passando muito do Seu tempo com não menos que três dos doze discípulos. A aprendizagem em grupo e experiências do ministério têm vantagens distintas. As pessoas discipuladas no contexto da vivência de grupo pequeno se beneficiam da sabedoria e discernimento dos seus membros, podem usar seus dons num ambiente seguro e encorajador, ver as necessidades preenchidas, ter irmãos em Cristo orando por elas e ser encorajadas ao ministério de equipe. As reuniões “um-a-um”, tanto quanto mentoreamento são acentuados pela experiência de um grupo mais amplo, e o líder é protegido de ter que assumir a responsabilidade total do discipulado. Assim “levamos as cargas uns dos outros” e nos dedicamos a um ministério mútuo no Corpo de Cristo.

LIDERANDO GRUPOS PEQUENOS QUE TRANSFORMAM VIDAS

18

Transformar pessoas descrentes em verdadeiros e frutíferos discípulos sempre esteve no coração de Jesus e de Sua igreja. Cristo nos mandou falar, amar e servir aos outros, como Ele fazia, e viver crescendo sempre em amor, alegria e demais frutos do Espírito. Os discípulos não são apenas pessoas que precisam de mais respostas às perguntas da Bíblia ou que assistem a mais eventos ou escutam mais rádios evangélicas. Discípulos são aqueles que agem como Cristo, estão dispostos a treinar para ser como Ele foi e praticam as disciplinas da oração, retiro espiritual, adoração, leitura e estudo bíblico, comunidade e ministério. São alunos que amam a Cristo para todo o sempre. Os grupos pequenos que intencionalmente se envolverem nisto verão frutos se multiplicarem na vida das pessoas.

Coordenação do ministério
As igrejas, não importa o tamanho, geralmente funcionam como uma coleção de ministérios paraeclesiásticos que apenas coincidem por terem o mesmo endereço. Compartilham dependências físicas, recursos, voluntários, finanças e ordens bíblicas, mas você dificilmente os verá trabalhando realmente juntos em relação a propósitos e objetivos comuns. O modelo meta-igreja é um modelo “igreja total” que promove o trabalho em equipe e a coordenação de esforços ministeriais. Desde que todos os ministérios na igreja são designados e desenvolvidos usando-se os grupos pequenos, é essencial que todos estes grupos funcionem harmonicamente para realizarem a missão da igreja. Sendo que o Modelo meta-igreja emprega a mesma estrutura de grupo pequeno para todos os ministérios (jovens, crianças, coral, adultos, de alcance, internacional, etc.), esta estrutura oferece um sistema de ministração que é igual na organização como um todo. Por exemplo, uma igreja pode determinar reunir as forças em torno do objetivo de alcançar a comunidade para Cristo. Além dos ministérios de ensino e pregação que desafiam e exortam as pessoas, os grupos pequenos podem se tornar um lugar onde se modele e pratique as habilidades de evangelismo, onde se ofereça oração e apoio, onde se enfatize a responsabilidade e onde aconteça a integração de seguidores recentemente alcançados. Os líderes do grupo pequeno de toda a igreja podem ser reunidos para treinamento, avaliação, lançamento da visão e oração. Não importa o tamanho nem a extensão do ministério em particular, cada um pode “ser o dono” da missão de alcançar a comunidade e articulá-la aos membros dos grupos pequenos. Esta é uma estratégia eficaz para igreja de 80, 800 ou 8000 pessoas.

PERGUNTAS A SEREM RESPONDIDAS AO PROJETAR UMA ESTRUTURA PARA O MINISTÉRIO
1. Seremos uma igreja com grupos pequenos ou uma igreja de grupos pequenos? Certifique-se de que pode responder a esta pergunta com clareza, pois ela determinará seu ministério por vários anos a seguir. Se sua igreja tiver grupos pequenos mas não quiser se organizar em torno deles, então os “grupos pequenos” são um programa ou departamento da igreja. É opcional.
LIDERANDO GRUPOS PEQUENOS QUE TRANSFORMAM VIDAS

19

Contudo, se escolheu realizar o ministério em conjunto, em pequenas comunidades, então os “grupos pequenos” são a igreja. Os grupos oferecem um sistema de ministração da verdade, discipulado e cuidado. Eles representam muito da vida corporal da igreja. Isto significa que toda equipe de liderança e membros da comissão servirão de modelo da vida em grupo e participarão na propagação da visão para os grupos. Não será a responsabilidade de só um membro da liderança implementar ou ser responsável pelo ministério. 2. Como vamos determinar que uma extensão apropriada serve para nossos funcionários e voluntários? A organização ministerial da igreja determina quem é responsável para oferecer a nutrição e desenvolvimento aos outros na pessoa do pastor titular à comissão e aos membros da igreja. Após estabelecer as prioridades, marcar a hora e gastar recursos e energia, determine o que está à disposição para um ministério de grupos pequenos. Lembre-se, há limites em relação ao que qualquer pessoa pode fazer. Se todos precisam de cuidado e ninguém deve cuidar de mais do que dez, então projete seus alvos de pastoreio nessa direção, fazendo tudo o que puder para cumpri-los. 3. Uma estrutura pode ser adaptada para acomodar mudanças? As mudanças nas necessidades do ministério, número de membros, limitações nas dependências físicas, estacionamento, prioridades educacionais e estratégia da igreja são inevitáveis. Por isto, é importante que sua estrutura não seja rígida. Ela deve permitir o desenvolvimento de recursos e pessoas de tal maneira que a vitalidade do ministério nunca venha a sofrer. A estrutura de um grupo pequeno deve sempre acentuar o ministério, ao contrário de impedir-lhe o progresso. 4. Qual será o papel dos funcionários e voluntários? Os membros assalaridos da equipe são mais assistidos do que os ministros que não recebem pagamento? Os funcionários assalariados se preocupam com a identificação, treinamento e desenvolvimento do Corpo de Cristo? As estruturas devem capacitar, liberar e apoiar o ministério dos membros do Corpo. Os grupos pequenos que liberam as pessoas para o ministério, mas deixam de capacitá-las ou apoiá-las, estão deixando que o ministério fraqueje. Os voluntários que se sentem mal equipados e isolados logo se esgotarão e mudarão. Só quando a estrutura correta é ligada à filosofia correta do ministério, é que dará os resultados desejados. A estratégia da Meta-Igreja trata destes assuntos com clareza. É uma abordagem eficaz e compreensível ao ministério. Não significa que não tenha fraquezas ou problemas – nenhuma estratégia ou estrutura poderia reivindicar isto. Mas por ser definida e articulada de modo tão claro, os líderes da Meta-Igreja podem explorar suas forças e se preparar de maneira adequada para as fraquezas. O restante deste livro é dedicado a ajudá-lo a fazer esta estratégia funcionar na vida da igreja local.

LIDERANDO GRUPOS PEQUENOS QUE TRANSFORMAM VIDAS

20

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful