PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS : 201108940 : Curitiba

- PR : CONTROLADORIA REGIONAL DA UNIÃO NO ESTADO DO PARANÁ : UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANA : 23075.060854/2011-38 : 2010 : AUDITORIA DE GESTÃO

RELATÓRIO Nº MUNICÍPIO - UF UCI EXECUTORA UNIDADE AUDITADA PROCESSO Nº EXERCÍCIO TIPO DE AUDITORIA

Senhora Chefe da CGU-Regional/PR, Em atendimento à determinação contida na Ordem de Serviço nº 201108940, e consoante o estabelecido na Seção III, Capítulo VII, da IN/SFC nº 01, de 06/04/2001, apresentamos os resultados dos exames realizados sobre o processo anual de contas apresentado pela Universidade Federal do Paraná – UFPR, consolidando a gestão do Hospital de Clínicas - HC.

I - INTRODUÇÃO 2. Os trabalhos de campo conclusivos foram realizados no período de 14/03 a 29/04/2011, por meio de testes, análises e consolidação das informações coletadas ao longo do exercício sob exame, e a partir da apresentação do Processo de Contas pela Unidade Auditada, em estrita observância às normas de auditoria aplicáveis ao Serviço Público Federal. Nenhuma restrição foi imposta à realização dos exames. Não foram realizadas as análises previstas no item 13, Parte A - Conteúdo Geral, Anexo III, da DN/TCU nº 110/2010, conforme orientação contida no Ofício TCU/ADPLAN nº 01/2011, de 13/01/2011.

II – RESULTADOS DOS TRABALHOS

1 de 33

3. Verificou-se no Processo de Contas da Unidade a existência das peças e dos respectivos conteúdos exigidos pela IN/TCU nº 63/2010 e pelas DN/TCU nº 107/2010 e DN/TCU nº 110/2010. 4. De acordo com o que estabelece o Anexo III da DN TCU nº 110/2010, e em face dos exames realizados, efetuamos as seguintes análises: 4.1 Avaliação dos Resultados Quantitativos e Qualitativos da Gestão No quadro a seguir, apresenta-se a avaliação dos resultados físicos e financeiros alcançados pela Universidade Federal do Paraná – UFPR (UJ 153079) e sua unidade consolidada, o Hospital de Clínicas – HC (UJ 153808), bem como o desempenho em relação à efetividade da execução de Programa/Ação de Governo ao longo do exercício de 2010. Para tanto, foram selecionadas para análise oito ações orçamentárias executadas pela UFPR e quatro ações pelo HC, segundo os critérios de relevância e materialidade. Assim, segundo extrações de dados do SIAFI Gerencial, as oito ações executadas pela UFPR e selecionadas totalizaram o montante de R$ 728.571.578,21 e corresponderam a 95,48% do total das despesas liquidadas, que foram de R$ 763.025.055,30, no exercício de 2010. O quadro a seguir ilustra o resultado da execução dessas ações:

Programa: 1073 – Brasil Universitário Ação: 4009 – Funcionamento de Cursos de Graduação Execução/ Atos e Fatos que Providências Previsão prejudicaram o desempenho Adotadas (%)

Meta

Previsão

Execução

Física (Aluno Matriculado) Financeira* (R$ 1,00)

20.759

25.307

121,9 (1)

Não houve

-

367.510.019,26 350.605.837,48

95,4

Ação: 4002 – Assistência ao Estudante do Ensino de Graduação Execução/ Atos e Fatos que Providências Previsão prejudicaram o desempenho Adotadas (%)

Meta

Previsão

Execução

Física (Aluno Assistido) Financeira* (R$ 1,00)

21.891

3.775

17,24 (2)

Não houve

-

11.980.841,45

7.375.619,56

61,56

Ação: 8282 - Reestruturação e Expansão das Universidades Federais – REUNI

2 de 33

Meta

Previsão

Execução

Execução/ Atos e Fatos que Providências Previsão prejudicaram o desempenho Adotadas (%) 100 62,94 Não houve -

Física (Vaga Disponibilizada) Financeira* (R$ 1,00)

5.334 30.075.153,91

5.334 18.929.858,47

Ação: 11HK – REUNI - Readequação da Infraestrutura da Universidade Federal do PR Execução/ Atos e Fatos que Providências Previsão prejudicaram o desempenho Adotadas (%) 100 79,66 Não houve -

Meta

Previsão

Execução

Física (Vaga Disponibilizada) Financeira* (R$ 1,00)

5.334 7.769.605,95

5.334 6.189.817,97

Ação: 09HB – Contribuição da União, de suas Autarquias e Fundações para o Custeio do Regime de Previdência dos Servidores Públicos Federais Execução/ Atos e Fatos que Providências Previsão prejudicaram o desempenho Adotadas (%) 100 Não houve -

Meta

Previsão

Execução

Física Financeira* (R$ 1,00)

Não há 77.218.280,74

Não há 77.218.280,74

Programa: 0089 – Previdência de Inativos e Pensionistas da União Ação: 0181 – Pagamento de Aposentadorias e Pensões – Servidores Civis Execução/ Atos e Fatos que Providências Previsão prejudicaram o desempenho Adotadas (%) 105,12 (3) 100 Não houve -

Meta

Previsão

Execução

Física (Pessoa Beneficiada) Financeira* (R$ 1,00)

3846

4043

253.182.346,40 253.182.346,40

Programa: 0750 – Apoio Administrativo Ação: 2011 – Auxílio-Transporte aos Servidores e Empregados Execução/ Atos e Fatos que Providências Previsão prejudicaram o desempenho Adotadas (%) 104,14 (3) Não houve -

Meta

Previsão

Execução

Física (Servidor Beneficiado)

2242

2335

3 de 33

Financeira* (R$ 1,00)

1.885.018,74

1.885.018,74

100

Ação: 2012 – Auxílio-Alimentação aos Servidores e Empregados Execução/ Atos e Fatos que Providências Previsão prejudicaram o desempenho Adotadas (%) 108,65 (3) 100 Não houve -

Meta

Previsão

Execução

Física (Servidor Beneficiado) Financeira* (R$ 1,00)

3594 13.184.798,85

3905 13.184.798,85

* Despesas empenhadas no exercício de 2010.

Com base na análise realizada, no Relatório de Gestão da Unidade e dos resultados demonstrados no quadro anterior, cabem os seguintes esclarecimentos: (1) O índice atingido no exercício excedeu ao previsto, o que pode ser justificado por meio da revisão da estrutura acadêmica objetivando aumentar a oferta de vagas no âmbito da Graduação, a partir do melhor aproveitamento da estrutura física e de recursos humanos existentes, visando à otimização da relação aluno/docente, e à readequação da infraestrutura que permitiu a criação de novos cursos de graduação presencias e a distância e a expansão de vagas ofertadas, bem como a implantação do SAT – Sistema de Acompanhamento e Tutoria, visando a reduzir a evasão de estudantes.

(2) houve erro na fixação da meta física da ação 4002 - Assistência ao Estudante de Ensino de Graduação ao considerar 21.891 alunos como sendo potenciais beneficiários das bolsas de estímulo à permanência, moradia, alimentação, visto que apenas uma parcela dos estudantes matriculados na Universidade está legalmente habilitada a receber benefícios por carência socioeconômica, informação confirmada no Relatório de Gestão. (3) O alcance superior a 100% no alcance dessas metas físicas foi devido à necessidade de serem estimadas sem que o gestor saiba exatamente quantos servidores e/ou beneficiários de pensão iram requer os benefícios, bem como os ingressos e egressos de servidores e de contratados temporários.

Em relação às metas financeiras, com base na análise realizada, no Relatório de Gestão da Unidade e dos resultados demonstrados no quadro anterior, cabe destacar o que segue: a) as emendas orçamentárias individuais e de bancada aprovadas em favor da UFPR têm sido mais expressivas a cada ano. Em 2010, inicialmente as emendas foram integralmente contingenciadas. Somente após junho de 2010 os respectivos limites de empenho começaram a ser liberados, permanecendo contingenciada apenas uma Emenda Individual e parte da Emenda de Bancada. Esta última, apesar de orçamentariamente estar disponível 70% no Sistema SIAFI, foi liberado limite de empenho para apenas 40% do valor consignado na LOA;

4 de 33

b) em relação a contingenciamentos, é importante ressaltar que a não liberação integral das emendas, principalmente da emenda de bancada, trouxe prejuízos ao planejamento das ações da UFPR, pois os valores significam aporte considerável de recursos para a ampliação e manutenção da infraestrutura física da UFPR e HC; c) as descentralizações recebidas pela UFPR foram de fundamental importância para reforçar o Orçamento da Unidade e assegurar a continuidade de inúmeras ações, principalmente aquelas relacionadas à expansão de área física; d) o comprometimento do planejamento e da execução orçamentária da UFPR em função da política de liberação do chamado “Limite para Empenho” que não ocorre em época oportuna e/ou na proporção dos valores orçamentários em Crédito Disponível, criando um clima de instabilidade e incertezas até as últimas horas do exercício financeiro; e) os recursos descentralizados pela CAPES para pagamento das bolsas de Mestrado e Doutorado é de fundamental importância para as atividades de pesquisas na UFPR; f) em relação aos Créditos por Movimentação a UFPR menciona as dificuldades encontradas e muitas vezes, impossibilidade de execução dos recursos recebidos, dada a falta de tempestividade em sua liberação, implicando devolução parcial ou total do crédito recebido à Unidade Concedente. g) os créditos recebidos foram de fundamental importância para a implementação de ações de ampliação da área física da UFPR. Cabe destacar que do total dos recursos recebidos aproximadamente 65% ou R$ 95 milhões são provenientes do Fundo Nacional de Saúde e custeiam parte dos serviços prestados pelo Hospital de Clínicas ao SUS – Sistema Único de Saúde. Recursos esses, imprescindíveis para a manutenção das atividades do HC. No tocante às ações executadas sobre a responsabilidade do Hospital de Clínicas, na ação 4086 Funcionamento dos Hospitais, a execução financeira da parte disponibilizada do orçamento do HC foi de R$ 126.951.560,47. Todavia, a execução total da ação somou R$ 135.021.453,84, visto que a diferença foi proveniente de repasse de recursos da UFPR, o que viabilizou o cumprimento integral da meta física estabelecida.
153808 – Hospital de Clínicas do Paraná Programa: 1073 – Brasil Universitário Ação: 4086 – Funcionamento dos Hospitais Execução/ Previsão (%) 1 100,00% Fatos que prejudicaram o desempenho Não se aplica Providências Adotadas Não se aplica

Meta

Previsão

Execução

Física (Unidade mantida) Financeira (R$)

1

131.014.536,00*

124.144.167,25

Liberação de orçamento abaixo 94,76 do previsto.

Execução de 98,30% dos recursos liberados.

* O valor liberado para empenho foi de R$ 126.951.560,47

As demais ações, embora executadas pelo Hospital de Clínicas, não possuem metas físicas e

5 de 33

financeiras sob sua responsabilidade, haja vista que pertencem as outras unidades orçamentárias, a saber:
Programa Ação Execução Financeira (R$) Unidade Orçamentária Instrumento de Transferência Movimentação de Crédito

1073- Brasil Universitário

6379 - Funcionamento dos Hospitais 8585 - Atenção à Saúde da População para Procedimentos em Media e Alta Complexidade 20G8 – Atenção à Saúde no Serviços Ambulatoriais e Hospitalares Prestados pelos Hospitais Universitários

SESU – Secretaria 748.052,68 de Educação Superior do ME Fundação Nacional de Saúde – 85.293.793,79 Ministério da Saúde

1220-Assistência Ambulatorial e Hospitalar Especializada

Movimentação de Crédito

Fundo Nacional de 6.723.997,10 Saúde – Ministério da Saúde

Movimentação de Crédito

Ressalta-se que a ação 8585 - Atenção à Saúde da População para Procedimentos em Media e Alta Complexidade, do Ministério da Saúde - FNS, constitui a segunda maior execução financeira da Unidade examinada, totalizando R$ 85.293.793,79, abaixo apenas da execução da ação Funcionamento dos Hospitais.

Desse modo, a partir da análise efetuada nos resultados físicos e financeiros alcançados e no desempenho da Unidade, apesar das dificultadas apontadas quanto às metas financeiras (emendas contingenciadas, limites de empenho e intempestividade dos créditos por movimentação) observou-se que a execução das ações governamentais sob responsabilidade da Universidade Federal do Paraná, de um modo em geral, atingiu níveis satisfatórios de cumprimento das metas estabelecidas no exercício de 2010.

4.2 Avaliação dos Indicadores de Gestão da UJ Da análise do Relatório de Gestão, verificou-se que a UFPR apresentou 24 indicadores de desempenho nos termos da Decisão TCU nº408/2002, 48 da cartilha FORPLAD - Fórum de Pró-Reitores de Planejamento e Administração e 12 específicos do Hospital Universitário para medir os produtos, serviços e resultados alcançados pela gestão no exercício de 2010. Todos os indicadores de gestão estavam acompanhados de explanação sobre suas fórmulas de cálculo.

Da totalidade dos indicadores, foram analisados 15 (quinze) indicadores utilizados pela UFPR,

6 de 33

obtidos de acordo com a cartilha FORPLAD 2010, para análise quanto à utilidade e mensurabilidade, apresentados no quadro a seguir:
Programa/Ação de Governo Nome do Indicador Relação Diplomado / Docente - RDD Fórmula de Cálculo N.º Diplomados na Graduação/ Docente em Tempo Integral Utilidade SIM SIM SIM Mensurabilidade SIM SIM SIM

Relação Aluno/ Docente Aluno Tempo Integral/Docente em Tempo Integral Índice de Crescimento das Vagas Oferecidas na N.º de Vagas no Ano x 100/N.º de Vagas em 1997 Graduação Índice de Crescimento das N.º de Matrículas no Ano x 100/N.º de Matrículas Matrículas na Graduação em 1997 Densidade Processo Seletivo de Ingresso Taxa de Evasão no ano (a-1) Taxa de Matrícula Noturna N.º de Inscritos nos Processos Seletivos/N.º de Vagas Oferecidas nos Processos Seletivos {[Matrículaa-1-(Matrículaa – Ingressos)]- Ndia-1} x 100/Matrículaa - 1 N.º de Matrículas em Cursos Noturnos/N.º Total de Matrículas

SIM SIM SIM SIM SIM

SIM SIM SIM SIM SIM

Não informados no Relatório de Gestão

Taxa de Matrícula Fora de N.° de Matrículas Fora de Sede/N.º Total de Sede Matrículas Taxa de Excelência na Pós-Graduação Taxa de Matrícula da Pós-Graduação Taxa de Cobertura das Bolsas de Mestrado Taxa de Cobertura das Bolsas de Doutorado [(Matrículas de Mestrado Conceito >4)+(Matrículas de Doutorado Conceito >6)]/N.º de Matrículas na Pós-Graduação N.º de Matrículas na Pós-Graduação/Matrículas na Pós-Graduação Total de Bolsas de Mestrado/N.º de Matrículas nos Cursos de Mestrado Total de Bolsas de Doutorado/N.º de Matrículas nos Cursos de Doutorado

SIM

SIM

SIM SIM SIM

SIM SIM SIM

N.º de Matrículas em Mestrado no Ano x 100/N.º de Índice de Crescimento das Matrículas nos cursos de Mestrado em 1997 Matrículas na N.º de Matrículas em Doutorado no Ano x 100/N.º Pós-Graduação de Matrículas nos cursos de Doutorado em 1997 Relação Aluno de Pós-Graduação por Docente Doutor N.º de Matrículas em Mestrado+N.º de Matrículas em Doutorado/N.º de Docentes Doutores

SIM

SIM

SIM

SIM

Produtividade de Docente N.° de Diplomados de Pós-Graduação/N.º de Doutor Docentes Doutores

SIM

SIM

Também, foram analisados 12 (doze) indicadores utilizados pelo Hospital de Clínicas do Paraná, obtidos de acordo com a cartilha do Fórum de Pró-Reitores de Planejamento e Administração FORPLAD 2010, indicados no relatório de gestão, conforme quadro a seguir. Verificou-se que os indicadores analisados atendem aos critérios de utilidade e mensurabilidade.

7 de 33

Programa/ Nome do Indicador Ação Fórmula de Cálculo Utilidade

Mensurabilidade

Densidade de Leito Ativo por Nº de Leitos ativos / Médico Residente - DLR Nº de Médicos Residentes no HC

SIM

SIM

Densidade de Internos (alunos) Nº de Internos / por Médico - DIM Nº de Médicos do Quadro Efetivo

SIM

SIM

Taxa de Infecção Hospitalar no Total de Casos de Infecção em determinado período - TIH Período x 100 / Total de altas + Total de óbitos no ano

SIM

SIM

Taxa de Ocupação - TO

Total de pacientes-dia no ano x 100 / Total de leitos-dia no mesmo período

SIM

SIM

Não informados Média de Tempo de Permanência Total de pacientes-dia no ano / no Relatório - MP Total de pacientes com alta + remanescentes de Gestão Índice de consultas por médico – Nº de consultas no ano / ICM Nº de Médicos de ambulatório no ano

SIM

SIM

SIM

SIM

Índice de Internação por Consulta Nº de pacientes internados oriundos de – HC emergência no ano x 100 / Nº de consultas nos ambulatórios no ano

SIM

SIM

Taxa de Mortalidade Infantil – Total de óbitos infantis no ano x 100 / TMI Total de nascidos vivos no ano

SIM

SIM

Taxa de Partos cirúrgicos - TP

Total de cesarianas no ano x 100 / Total de partos no mesmo período

SIM

SIM

8 de 33

Taxas de Intervenções Cirúrgicas Total de intervenções cirúrgicas pelo centro - TIC cirúrgico no ano x 100 / Total de internações no mesmo período

SIM

SIM

Densidade de Exames Nº de exames laboratoriais / Laboratoriais por Consulta Total de consultas no período DELC

SIM

SIM

Densidade de Exames Nº de exames laboratoriais / Laboratoriais por Internação Total de internações no período DELI

SIM

SIM

Fonte: Serviço de Planejamento – Unidade de Informação/HC.

Portanto, constatou-se que a Universidade Federal do Paraná utiliza para a avaliação de seu desempenho indicadores nos termos da Decisão TCU n° 408/2002 bem como indicadores específicos de desempenho calculados de acordo com a Cartilha FORPLAD- Fórum de Pró- Reitores de Planejamento e Administração.

Os indicadores da Decisão TCU n° 408/2002 foram construídos em decorrência de Auditoria Operacional realizada pelo Tribunal para elaboração de diagnóstico na área de ensino público superior. De maneira geral, tais indicadores medem resultados relativos a: a) custo corrente/aluno; b) aluno/professor; c) aluno/funcionário; d) funcionário/professor; e) Grau de Participação Estudantil (GPE); f) Grau de Envolvimento com Pós-Graduação (GEPG); g) Conceito CAPES; h) Índice de Qualificação do Corpo Docente (IQCD); i) Taxa de Sucesso na Graduação (TSG);

9 de 33

Verificou-se que os indicadores utilizados pela UFPR, em atendimento a Decisão TCU n° 408/2002, são úteis, isto é, são usados efetivamente em processo de tomada de decisão, bem como mensuráveis, o mesmo também sendo aplicável em relação aos indicadores da FORPLAD, os quais, pela leitura de sua construção, são mais utilizáveis para o levantamento de informações internas de desempenho da Universidade e do Hospital de Clínicas.

4.3 Avaliação do Funcionamento do Sistema de Controle Interno da UJ A Universidade Federal do Paraná realizou autoavaliação diagnóstica sobre seus controles internos instituídos, consoante determinação da Portaria TCU nº 277/2010. Nessa avaliação houve a marcação predominante dos itens “4” e “5”, o que significa que os assuntos apresentados nos quesitos foram “parcialmente aplicado, porém, em sua maioria”, e/ou “integralmente aplicado no contexto da UJ”, apontando, em sua consideração, para a adequabilidade dos controles internos instituídos.

A análise realizada pela equipe de auditoria da CGU-Regional/PR a respeito da estrutura do sistema de controle interno da UFPR e do seu funcionamento (as práticas de controle efetivamente adotadas) apontou para o que segue:

4.3.1 Ambiente de Controle: Entende-se que o ambiente de controle encontra-se adequado nos seguintes aspectos: - existência de rede interna (intranet) para divulgação das principais políticas, notícias, normativos, etc.; - é reduzido número de ocupantes de cargos comissionados sem vínculo com o serviço público e os principais cargos de supervisão/controle são ocupados por servidores de carreira; - os ocupantes de cargos de chefia são detentores de conhecimentos técnicos necessários e de conduta profissional adequada; - existência de normativos atualizados sobre a estrutura administrativa e a forma de hierarquia, de organograma atualizado e acessível aos servidores, de procedimentos de autorizações, aprovações e delegação de autoridade e responsabilidade, além de alguns manuais e rotinas operacionais; e - existência de código de ética e conduta.

Contudo, constatou-se a ausência de mecanismos que incentivem a participação dos servidores dos diversos níveis da estrutura da UFPR na elaboração dos procedimentos e das instruções operacionais.

10 de 33

4.3.2. Avaliação de Risco: Constatou-se que os objetivos e metas da UFPR estão claramente definidos e que há normas e regulamentos para as atividades de guarda, estoque e inventário de bens e valores no âmbito da Unidade. Nos trabalhos de auditoria, não foram identificadas fraudes ou desvios de recursos. Foi observado, contudo, que a instauração de sindicâncias para apurar responsabilidades quanto a erros e omissões é motivada, na maioria dos casos, por recomendação/determinação dos órgãos de controle.

Segundo a autoavaliação realizada, há clara identificação dos processos críticos e existe diagnóstico dos riscos operacionais. Todavia, tais informações não constam do Plano Institucional 2007-2011 nem os procedimentos adotados para mensurar, classificar e acompanhar os riscos identificados. 4.3.3. Comunicação e Informação: Nas análises realizadas sobre o sistema de comunicação e informação da UFPR, constatou-se que o fluxo da informação/decisão carece de melhorias em alguns aspectos. Embora exista rede interna (intranet) e outros instrumentos de comunicação institucional destinados à divulgação das principais políticas e normativos e ao envio de informações e orientações aos servidores, a UFPR não dispõe de mecanismos capazes de promover a efetiva integração entre os diversos órgãos de sua estrutura. Tanto que o quesito “a comunicação das informações perpassa todos os níveis hierárquicos da UJ, em todas as direções, por todos os seus componentes e por toda a sua estrutura” foi autoavaliado como “(3) Neutra: Significa que não há como afirmar a proporção de aplicação do fundamento descrito na afirmativa no contexto da UJ.”.

4.3.4. Práticas de Controle e Monitoramento: Nas áreas de licitações e contratos e de gestão de pessoas, foi evidenciada a necessidade de maior aderência aos mecanismos de controle relacionados à elaboração e ao acompanhamento dos processos licitatórios e ao monitoramento dos benefícios pagos aos servidores, tanto que foram constatadas impropriedades no exercício de 2010 que poderiam ter sido evitadas.

Quanto aos projetos realizados mediante transferência de recursos, não foi identificada a existência de segregação de função entre a execução e a supervisão/fiscalização dos projetos. São os próprios gestores dos projetos (executores das ações) que detêm as atribuições de acompanhamento e supervisão. Além disso, as análises das prestações de contas consideram apenas os aspectos formais dos processos e não há rotinas de comprovação do cumprimento dos objetos. Nos processos analisados, não havia demonstração do resultado (produto esperado) da execução dos projetos.

11 de 33

Nesse sentido, constatou-se que é a própria Auditoria Interna (AUDINT) que analisa os processos de prestação de contas dos projetos realizados por meio de transferência de recursos, ao invés de apenas atuar no monitoramento dos controles implementados pela área gestora (PROPLAN).

Observou-se também que a Auditoria Interna não tem acompanhado efetivamente as atividades de controle e o seu monitoramento e não atua na gestão de riscos de forma contínua e sistematizada.

A sistemática de acompanhamento das alterações da legislação pertinente às atividades administrativas ainda não foi implementada de forma eficiente pelos gestores das áreas. Houve situações de impropriedades constatadas em 2010 que envolveram o descumprimento de normativos recém alterados.

4.4 Avaliação da Situação das Transferências Voluntárias No exercício de 2010, conforme informações extraídas do SIAFI Gerencial, existiam dois instrumentos de transferência (UFPR: 660261 e HVFA: 660381) com recursos a liberar, a comprovar ou a aprovar, em que a UFPR e o Hospital Maternidade Vitor Ferreira do Amaral figuravam como concedentes. No mesmo exercício, existiam 32 instrumentos de transferência vigentes ou com recursos a comprovar, em que a UFPR figurava como convenente. Em 2010 foi firmado apenas um instrumento de transferência (663808) com a UFPR, porém, não houve liberação financeira até o fim do exercício, as demais são pendências de exercícios anteriores e, tanto a comprovação como a aprovação devem ser registradas pelos concedentes. Os montantes de recursos e os percentuais de amostra físico e financeiro das transferências de recursos em que a UFPR é parte estão demonstrados no quadro a seguir: Transferências Concedidas:
UJ 153079 UFPR 151046 HVFA Quant. Transf. Montante (R$) Exercício 1 1 55.000,00 22.611.595,00 % Quant. auditado 100 0 % Valor Auditado 55.000,00 0,00

Foram identificadas pendências de prestação e de aprovação de contas de transferências tanto concedidas pela UFPR. A Auditoria Interna apresentou as dificuldades atuais em relação à mão de obra disponível considerando a grande quantidade de processos compostos por muitos volumes, que precisam ser analisados, visto que há apenas três servidores para essa tarefa. Há processos “em análise” desde 2008. A UFPR deixou de realizar convênios com sua Fundação de Apoio, passando a formalizar as

12 de 33

transferências financeiras por meio de contrato. Esse entendimento provocou redução na quantidade de transferências concedidas e aumento na de contratos. Verificou-se que as determinações dos artigos 11 e 25 da Lei de Responsabilidade Fiscal ocorrem em relação à UFPR e a Fundação de Apoio - FUNPAR, porém não ocorrem entre a FUNPAR e seus fornecedores. Embora entidade privada, ao utilizar recursos públicos deve submeter-se às mesmas regras e formalidades. E, quanto à observância pela UFPR das exigências previstas nos artigos 11 e 25 da Lei Complementar nº 101, de 04/05/2000, e demais legislações correlatas, as mesmas não se aplicam às transferências voluntárias concedidas pela Unidade no exercício de 2010. O resultado da execução dos projetos não integra o processo de prestação de contas. Não houve instauração de Tomada de Contas Especial no exercício. A Auditoria Interna efetua a análise das prestações de contas dos recursos concedidos à Fundação de Apoio – FUNPAR que são apresentadas ao término do prazo avençado, geralmente, em dois anos. Há processos aguardando análise há mais de um ano e outros, formalizados em 2004, 2005 ou 2006, que tiveram parecer da AUDIN apenas em 2010. Os contratos em vigor no exercício de 2010 totalizaram R$ 61.310.368,35, a intempestividade das análises/fiscalizações compromete o resultado da UFPR pelo tempo demasiado que o processo aguarda para análise. De igual modo, a Auditoria Interna não efetua fiscalizações “in loco” por falta de tempo e de pessoal. Foi evidenciada apenas uma visita decorrente de denúncia e por determinação do TCU.

Cabe ressaltar que não foram identificadas ocorrências envolvendo transferências concedidas pelo Hospital de Clínicas no exercício de 2010.

4.5 Avaliação da Regularidade dos Processos Licitatórios da UJ Com base nos registros do SIAFI, verificou-se que a UFPR (UJ 153079) efetivamente liquidou empenhos por modalidade de licitação no montante de R$ 91.641.318,11 e com relação ao HC (UJ 153808), foi empenhado o valor total de R$ 106.101.229,84, no exercício de 2010. Assim, para elaboração das amostras em relação à UFPR (UJ 153079), foram considerados os empenhos efetivamente liquidados e processos abertos em 2010, o quadro a seguir contempla o escopo dos exames realizados nas licitações e contratos em comparação com os valores empenhados e liquidados:
Tipo de Aquisição de bens/serviços Dispensa Inexigibilidade Convite Valor no Exercício R$ 37.383.856,59 4.293.223,87 141.092,38 % Valor sobre total 40,80 4,68 0,15 Montante Analisado R$ 8.548.223,42 72.706,92 0,00 % recursos analisados 31,84 0,30 0,00

13 de 33

Tomada de Preços Concorrência Pregão Total Fonte: SIAFI-Gerencial

2.229.003,75 12.311.306,92 35.282.834,60 91.641.318,11

2,43 13,44 38,50 100,00

266.503,29 1.980.200,00 15.972.106,15 26.839.739,78

0,99 7,37 59,50 100,00

Além das informações constantes no quadro anterior, constatou-se que a UFPR empenhou o montante de R$ 32.516.209,43 em “Não se aplica” e o valor de R$ 23.301,41 em Suprimento de fundos, quanto à modalidade de licitação. Em relação à Universidade Federal do Paraná (UJ 153079), o quadro a seguir relaciona as licitações analisadas por modalidade, abrangendo os aspectos da oportunidade e conveniência da licitação, adequação da modalidade e dos fundamentos de dispensa e inexigibilidade:

Nº da Licitação Pregão 40 Pregão 50 Pregão 152 Pregão13 TP 07 Concorren 07 Dispensa 516 Dispensa 517 Dispensa 324 Dispensa 588 Dispensa 660 Pregão 21 Pregão 192 TP 34 Dispensa 620 Dispensa 621 Pregão 221 Dispensa 462 Dispensa 462 Dispensa 594

Contratada - CNPJ

Valor da Licitação Liquidado em 2010 157.389,85 473.320,45 80.120,00 2.325.848,03 129.207,21 807.200,00 152.564,70 3.051.294,95 340.887,00 268.762,87 166.900,00 2.645.723,18 2.762.200,00 137.296,08 1.711.426,40 138.750,00 72.706,92 68.700,00 671.700,00 45.937,50 2.000.000,00

Oportunidade e Conveniência do motivo da Licitação Inadequada Adequada Adequada Adequada Adequada Adequada Adequada Adequada Inadequada Adequada -

Modalidade da Licitação Devida Devida Devida Devida Devida Devida Não se aplica Não se aplica Não se aplica Não se aplica Não se aplica Devida Devida Devida Não se aplica Não se aplica Não se aplica Devida Não se aplica Não se aplica Não se aplica

Fund. da dispensa Inadequada Inadequada Adequada Inadequada Adequada Adequada Adequada Adequada Adequada Adequada

Fund. da inexigibilidade Adequada -

708713922/0001-58 065494742/0001-66 000291755/0001-92 24449992/0181-01 77046464/0001-63 29739737/0001-02 78350188/0001-95 78350188/0001-95 78350188/0001-95 11017341/0001-96 10230695/0001-51 73.946.38/0001-88 77377257/0001-91 09465579/0001-32 78350188/0001-95 78350188/0001-95 34020230/0001-34 73334666/0001-50 79198990/0001-74 79198990/0001-74

Inexigibil 373 73334666/0001-50

14 de 33

Concorren 81 Concorren 36 Pregão 206 Pregão 206 Pregão 163 Pregão 037 Pregão 060 Pregão 176 Pregão 055

29739737/0008-89 09429776/0001-04 77377257/0001-91 77377257/0001-91 00239006/0001-16 56795362/0001-70 09465579/0001-32 01590643/0001-03 84817733/0001-03

498.000,00 675.000,00 1.035.100,00 632.000,00 795.100,00 1.077.011,00 1.271.513,00 350.844,00 2.297.236,64

Adequada Adequada Adequada Adequada Adequada Adequada Adequada Adequada Adequada

Devida Devida Devida Devida Devida Devida Devida Devida Devida

-

-

Apesar de a maioria dos processos analisados estarem adequados quanto ao quesito da oportunidade e conveniência da licitação, dispensa e inexigibilidade, bem como quanto à utilização da modalidade, foram constatadas situações de impropriedades e/ou irregularidades na análise da amostra. A seguir estão sintetizadas as principais constatações relacionadas a licitações e contratos da UFPR: a) emissão de empenhos com a indicação de “Não se aplica”, no valor total de R$ 8.321.000,00, contrariando o art. 24, X, da Lei nº 8.666/93; b) realização de dispensa de licitação, no valor total de R$ 3.203.858,85, contrariando a MP nº 495/2010 e entendimentos do Tribunal de Contas da União; e c) realização de despesas com a Fundação da Universidade Federal do Paraná para o Desenvolvimento da Ciência, da Tecnologia e da Cultura – FUNPAR em desacordo com Medida Provisória nº 495/2010. Quanto ao escopo dos exames realizados nas licitações do Hospital de Clínicas, ressalvando que a elaboração de amostras seguiu critérios de materialidade e criticidade, com prioridade sobre processos iniciados em 2010, o quadro a seguir contempla a situação analisada:
Modalidade de Licitação Valor no exercício (empenhos liquidados) R$ % Valor Montante Analisado % Recursos Montante Analisado sobre Total Analisados (empenhos liquidados) (valores (empenhos homologados) R$ liquidados) R$

Dispensa

40.298.955,26

37,98%

39.112.599,93

97,06%

36.275.338,56

Inexigibilidade

17.298.170,78

16,30%

9.203.768,62

53,21%

10.094.637,92

Convite

100.652,11

0,09%

-

0,00%

-

15 de 33

Tomada Preços

de

539.104,78

0,51%

-

0,00%

144.278,00

Concorrência

-

0,00%

-

-

-

Pregão

47.864.346,91

45,11%

2.705.543,82

5,65%

27.771.082,55

Total

106.101.229,84

100,00%

51.021.912,37

48,09%

74.285.337,03

Além das informações constantes no quadro anterior, constatou-se que o HC empenhou o montante de R$ 362.955,43 em “Não se aplica” e o valor de R$ 15.796,10 em Suprimento de fundos, quanto à modalidade de licitação.

Sobre a amostra selecionada, fazem-se as seguintes observações: 1) durante o exercício foi realizada apenas uma Tomada de Preços, no valor de R$ 144.278,00; 2) não foram realizadas licitações nas modalidades convite e concorrência em 2010, sendo os valores empenhados na modalidade convite provenientes de licitações realizadas em exercícios anteriores; 3) do montante registrado em dispensa, R$ 37.962.774,78 referem-se a pagamentos de despesa com pessoal da FUNPAR disponibilizada ao HC (Dispensa nº 06/2010); e 4) do total liquidado registrado em inexigibilidade, o valor de R$ 7.500.807,60 referem-se à aquisição do medicamento Imatinib Mesilato. O quadro a seguir relaciona as licitações analisadas por modalidade, abrangendo os aspectos da oportunidade e conveniência da licitação, adequação da modalidade e dos fundamentos de dispensa e inexigibilidade:
Nº da Licitação Contratada CNPJ Valor Liquidado Oportunidade Modalidade Fundamento Fundamento (R$) e da Dispensa Inexigibilidade Conveniência Licitação

2010DI00191 79.250.676/0002-74

5.983,00

-

NA

Adequado

-

2010DI00141 79.250.676/0002-74

4.500,00

-

NA

Adequado

-

2010DI00112 79.250.676/0002-74

1.012,00

-

NA

Adequado

-

2010DI00106 78.441.201/0001-11

7.990,00

-

NA

Adequado

-

16 de 33

2010DI00181 78.441.201/0001-11

6.170,00

-

NA

Adequado

-

2010DI00137 04.793.429/0001-34

7.819,20

-

NA

Adequado

-

2010DI00193 04.793.429/0001-34

6.300,00

-

NA

Adequado

-

2010DI00044 95.380.804/0001-70

6.730,00

-

NA

Adequado

-

2010DI00064 95.380.804/0001-70

6.057,50

-

NA

Adequado

-

2010DI00119 01.083.417/0001-28

1.051.463,45

-

NA

Adequado

-

2010DI00065 80.591.688/0001-60

45.800,00

-

NA

Adequado

-

2010DI00006 78.350.188/0001-95

37.962.774,78

-

NA

Adequado

-

2010IN00050

EX1538099

589.747,75

-

NA

-

Adequado

2010IN00053

EX1538125

206.804,99

-

NA

-

Adequado

2010IN00099 33.009.945/0002-04

605.762,53

-

NA

-

Adequado

2010IN00144 04.937.243/0001-01

102.000,00

-

NA

-

Adequado

2010IN00126 04.937.243/0001-01

101.270,00

-

NA

-

Adequado

2010IN00080 33.250.713/0001-62

54.453,60

-

NA

-

Adequado

2010IN00068 33.250.713/0001-62

42.922,15

-

NA

-

Adequado

2006IN04287 56.994.502/0001-30

7.500.807,60

-

NA

-

Adequado

2010TP00041 82.144.338/0001-81

-

Adequada

Devida

-

-

17 de 33

2010PR00012 33.250.713/0002-43

215.743,55

Adequada

Devida

-

-

2010PR00033

A

602.773,94

Adequada

Devida

-

-

2010PR00099 01.083.417/0001-28

-

Adequada

Devida

-

-

2010PR00284

B

86.359,30

Adequada

Devida

-

-

2010PR00008

C

642.771,07

Adequada

Devida

-

-

2010PR00113

D

562.541,82

Adequada

Devida

-

-

2010PR00155

E

297.555,49

Adequada

Devida

-

-

2010PR00317

F

172.586,44

Adequada

Devida

-

-

2010PR00082

G

47.732,74

Adequada

Devida

-

-

2010PR00120

H

33.525,00

Adequada

Devida

-

-

2010PR00127

I

1.200,00

Adequada

Devida

-

-

2010PR00119

J

42.754,47

Adequada

Devida

-

-

Considerando as licitações analisadas, no quadro a seguir apresentam-se os pregões em que ocorreram diversos contratados:
Referência Contratada CNPJ

Seguem as principais
A 00.740.719/0001-69, 02.949.582/0001-82, 06.028.137/0001-30, 06.168.370/0001-19, 09.610.464/0001-94, 33.250.713/0001-62, 54.611.678/0001-30, 61.100.244/0001-30, 61.374.161/0001-30, 79.733.572/0001-30 e 95.433.397/0001-11

B

01.310.222/0002-54, 06.081.203/0001-36, 26.921.908/0001-21, e 79.250.676/0002-74

18 de 33

C

00.656.468/0001-39, 02.060.549/0001-05, 02.433.631/0001-20, 04.355.394/0001-51, 04.372.020/0001-44, 04.793.429/0001-34, 07.768.887/0001-01, 08.076.127/0001-04, 08.217.225/0001-06, 19.570.720/0003-82, 26.921.908/0001-21, 44.734.671/0001-51, 60.665.981/0006-22, 61.282.661/0001-41, 65.817.900/0001-71, 73.773.129/0001-06, 79.250.676/0002-74, 81.887.838/0001-40.

04.071.245/0001-60, 07.031.976/0001-70, 09.615.457/0001-85, 49.324.221/0001-04, 67.729.178/0004-91,

D

00.656.468/0001-39, 01.571.702/0001-98, 01.784.792/0001-03, 03.022.656/0001-01, 05.306.646/0001-15, 08.432.330/0001-68, 31.673.254/0001-02, 45.272.721/0001-99, 49.324.221/0001-04, 49.351.786/0004-23, 55.643.555/0001-43, 79.250.676/0002-74, 81.706.251/0001-98.

E

00.192.190/0001-96, 05.912.018/0001-83, 33.069.212/0001-84, 61.363.032/0001-46, 81.887.838/0001-40

00.656.468/0001-39, 06.081.203/0001-36, 44.734.671/0001-51, 67.729.178/0004-91,

04.355.394/0001-51, 26.921.908/0001-21, 51.780.468/0002-68, 73.773.129/0001-06,

04.793.429/0001-34, 31.673.254/0001-02, 56.998.701/0016-00, 79.250.676/0002-74,

F

01.107.391/0001-00, 03.302.477/0001-10, 05.912.018/0001-83, 08.755.580/0001-39, 10.874.559/0001-02, 56.998.701/0016-00, 69.363.174/0001-15, 81.887.838/0001-40

G

00.656.468/0001-39, 02.433.631/0001-20, 03.135.637/0001-83, 04.355.394/0001-51, 04.793.429/0001-34, 07.768.887/0001-01, 26.921.908/0001-21, 44.734.671/0001-51, 49.324.221/0001-04

H

55.643.555/0001-43, 82.435.900/0001-26

I

05.686.994/0001-65, 07.705.081/0001-74, 10.958.057/0001-51, 56.215.999/0001-40

J

00.291.755/0001-92, 77.371.789/0001-11

constatações relacionadas a licitações e contratos do HC: a) Prorrogação de contrato de aquisição de medicamentos por período de 60 meses, sem amparo legal; b) Divergência entre teor do contrato assinado em relação ao publicado no Comprasnet quanto ao regime de repactuação de valores; c) Rescisão intempestiva de contrato, causando prejuízo ao erário no valor de R$ 59.766,59; d) Pagamento indevido de R$ 260.401,84, em contrato de terceirização de serviços, referente à

19 de 33

aplicação de alíquota incorreta de FGTS, previsão indevida de folguista, além de valor incorreto de adicional de insalubridade; e) Coleta de orçamentos com empresas ligadas direta ou indiretamente, para contratação emergencial de empresa de terceirização de serviços, sem refletir condições normais de mercado. Cabe ressaltar que no sítio do Comprasnet não há registro na UASG 153808 (HC), pois as compras da UFPR e do HC são registradas na UASG 153079 (UFPR).

Com relação às boas práticas na área de licitação, destaca-se a implantação um sistema de controle centralizado na Central de Compras, Contratos e Patrimônio (CECOM), de todas as despesas realizadas com dispensa de licitação, com base no artigo 24, Inciso I e II da Lei 8.666/93, pelas diversas Unidades da UFPR, de forma a evitar fracionamento de despesa. Dessa forma, todos os processos de compras deflagrados pelos diversos ordenadores de despesa da UFPR necessariamente deverão passar pelo crivo da CECON, que por sua vez, analisa, e se o valor estiver dentro do limite estabelecido pelos referidos Incisos, registra em seu controle e libera para o Departamento de Contabilidade e Finanças para registro do empenho.

4.6 Avaliação da Gestão de Recursos Humanos A evolução da força de trabalho da Universidade, incluindo o Hospital, e do número de aposentadorias e pensões, consta do quadro a seguir, que mostra o quantitativo de pessoal em comparação com exercícios anteriores:

Situação do Servidor Ativo Permanente Aposentado Requisitado Nomeado Cargo Comissão Sem Vínculo Cedido Contrato Temporário Exerc. Descent. Carreira Exercício Provisório Anistiado ADCT CF Colaborador PCCTAE Estagiário Beneficiário Pensão TOTAL

Quant. em Quant. em Quant. em 2010 2009 2008 5.748 3.092 6 28 359 33 127 7 9 1 5 314 926 10.749 5.701 3.055 6 17 359 32 283 7 6 1 2 223 893 10.585 5.564 3.000 2 4 351 25 188 6 5 1 0 151 855 10.152

20 de 33

Destaca-se que o Hospital de Clínicas não executa atos de gestão na área de recursos humanos, os quais são praticados pela Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas - PROGEPE, que integra a estrutura organizacional da Universidade Federal do Paraná. De acordo com informações prestadas pela Unidade de Administração do Hospital de Clínicas – UAP, por meio do documento datado de 28/04/2011, em dezembro de 2010 o HC possuía 3.015 profissionais, sendo 66,00% vinculados à UFPR e 34,% à FUNPAR. No item IV – Elaboração do Diagnóstico das necessidades de Recursos Humanos, do Plano de Reestruturação do Hospital de Clínicas, verificou-se o registro do quantitativo da força de trabalho necessária ao funcionamento adequado do hospital. O quadro a seguir apresenta o quantitativo de servidores/empregados por categoria funcional do Hospital de Clínicas apurado em dezembro de 2010 (vínculo UFPR+ FUNPAR) e o quantitativo necessário adicional:
Percentual do quadro de pessoal atual Quantidade Percentual das Adicional de RH necessidades de necessária** pessoal

Categorias Profissionais

Quantidade RH Atividade Fim em dez/2010*

Médicos e Enfermeiros – Nível Superior Técnicos /Auxiliares de enfermagem – Nível Médio
Total (A+B=2.353)

crítica

616

20,43%

436

20,89%

crítica

758

25,14%

543

26,00%

crítica

1374 (A)

45,57%

979 (B)

46,89%

Demais Cargos
Total de Recursos Humanos

Não crítica

1641

54,43%

1109

53,11%

3015

100,00%

2088

100,00%

* Planilha enviada pela Unidade de Administração de Pessoal do Hospital de Clínicas - UAP/HC em 28/04/2011. ** Plano de Reestruturação do Hospital de Clínicas.

Com base nos dados obtidos da UAP e do Plano de Reestruturação do HC, observa-se que 46,89% do total dos recursos humanos necessários pertencem às atividades fins críticas do Hospital, e que a defasagem desses profissionais chega a aproximadamente 41,60% (B x100/2.353) da capacidade ideal dessa força de trabalho (A+B=2.353 profissionais). A capacidade plena da força de trabalho do HC (3.015+2.088=5.103), considerando todas as categorias profissionais, encontra-se defasada em aproximadamente 40,92% (2.088 x 100/5.103), o que demonstra fragilidade no atendimento à

21 de 33

população. Segundo os dados extraídos do Plano de Reestruturação do HC, o diagnóstico das necessidades teve por base o quantitativo de recursos humanos da FUNPAR existente no quadro de pessoal do hospital (fls.544 do Plano de Reestruturação do HC). A indisponibilidade de vagas necessárias para atender às demandas do Hospital é o ponto crítico da gestão de recursos humanos, pois obriga a unidade a contar com a força de trabalho dos colaboradores (FUNPAR e UFPR). Segundo diagnóstico realizado pelo HC, esta situação tende a se agravar em razão da impossibilidade de reposição de pessoal decorrente das aposentadorias, seja em razão dos impedimentos em relação à FUNPAR ou dos números de vagas disponibilizadas para concursos públicos estarem sempre aquém das aposentadorias. O alerta consta do Plano Estratégico - “Isso se torna uma ameaça real, levando-se em conta que 35% do total de colaboradores pertencem à equipe de enfermagem, em que a exigência laboral diária é mais intensa. Se a estratégia é deixar o tempo passar, será resolvido um problema conjuntural (FUNPAR), porém, será colocado em risco de total inviabilidade o cumprimento da missão institucional, afinal existem funcionários da FUNPAR e servidores públicos da UFPR lotados nos mais diversos níveis hierárquicos, cargos e função e, com isso, podendo ocorrer algo mais grave.” Com relação à Universidade, questionada sobre a realização de estudos quanto ao dimensionamento da força de trabalho no que diz respeito ao quantitativo, composição e perfil, bem como quanto à definição de estratégias e ações que se fazem necessárias para viabilizar o alcance de suas necessidades, a Unidade informou que durante a gestão 1998-2002 foi elaborado estudo de dimensionamento na UFPR. E que na área de gestão de pessoas, passou a integrar a estrutura administrativa da PROGEPE a Coordenadoria de Planejamento de Pessoal, cuja atribuição principal é o gerenciamento do programa de Dimensionamento das necessidades institucionais, com definição de modelos de alocação de vagas que contemplem a diversidade da instituição. Informou ainda que, na estrutura da Coordenadoria de Planejamento de Pessoal, integra a Unidade de Movimentação e Acompanhamento de Pessoas, responsável pela manutenção da atualização dos dados dimensionados. A principal atribuição da UMAP é atender e manter o registro dos quadros de lotação com o objetivo de mapear, racionalizar, qualificar as relações e as condições de desempenho laboral/organizacional. Segundo o Quadro XXI A.5.1 - Composição do Quadro de Recursos Humanos do Relatório de Gestão da Unidade, no exercício de 2010, houve o ingresso de 365 servidores de carreira vinculada ao órgão e o egresso de 70. Com a criação do banco de professor equivalente pela Portaria Interministerial nº 22, de 30/04/2007, houve a possibilidade de reposição de vacâncias ocorridas a partir de julho/2007 de docentes. Contudo, alega a UFPR que as vagas decorrentes do Programa REUNI não foram totalmente disponibilizadas pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, apesar da Instituição estar cumprindo sua parte na pactuação do Programa. E que, com a criação de novos cursos e a ampliação das vagas discentes em outros cursos, não conta ainda com o quadro de pessoal técnico administrativo suficiente para dar atendimento às necessidades institucionais. Assim, quanto à força de trabalho, os gestores estão sempre alegando a falta de pessoal e utilizam isso como justificativa às impropriedades apontadas pelos órgãos de controle interno e externo nas

22 de 33

mais diversas áreas da Universidade. Todavia, alguns atos de gestão são contraditórios a essa ausência de mão de obra: cessão de servidores e a permanência desses nas entidades cessionárias por vários anos e as falhas de controle e acompanhamento da jornada de trabalho dos servidores, como as identificadas na análise do pagamento da Gratificação por Encargos de Curso ou Concurso e na alteração da carga horária de servidores com acumulação de cargos públicos sem observância da compatibilidade de horários. Assim, é inviável avaliar a suficiência da força de trabalho de Universidade com mais de seis mil servidores ativos e contratados em uma Auditoria de Gestão, com tempo exíguo para a sua realização, devendo tal análise ser efetuada em Auditorias Operacionais. Com relação a servidores requisitados em 2010, houve a ocorrência de seis servidores, destes apenas um era de órgão fora do Poder Executivo Federal. Já quanto aos servidores cedidos, houve a ocorrência de 43 no mesmo exercício, sendo 18 para os Poderes dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, portanto com o ônus da remuneração do servidor cedido, acrescido dos respectivos encargos sociais, devido ao órgão ou entidade cessionária. Todavia, constatou-se que há falhas nos controles internos referentes ao reembolso do ônus da remuneração dos servidores cedidos, em relação aos processos abertos para esse fim e à prorrogação de cessões. Não há conciliações dos valores reembolsados, as planilhas estão desatualizadas e os comprovantes não são identificáveis. Ressalta-se que na Auditoria de Contas de 2009, foi constando a ausência de reembolso referente ao ônus da remuneração de servidores cedidos, sendo recomendado, naquela ocasião, à UFPR que adote rotinas de acompanhamento tempestivo de cobranças e dos reembolsos. Mas, pelo que demonstra o exame realizado nesta Auditoria, a situação continua a mesma. Fora a análise da amostra dos servidores detentores do cargo de professor titular, não foram realizados exames quanto à legalidade dos atos de admissão e concessão de aposentadoria, reforma e pensão nos trabalhos de Auditoria executados em relação ao exercício de 2010. Sendo, que esses atos são analisados em processos de pessoal quando do registro desses no Sistema SISAC-TCU por parte da UFPR e remetidos à CGU para emissão de pareceres que são enviados ao TCU.

No tocante ao registro dos atos de pessoal no Sistema SISAC-TCU, constatou-se a intempestividade na execução dessa tarefa, que, segundo a responsável pela Divisão de Normatização/DAP, todos os processos do ano de 2010 foram registrados no citado sistema, que alguns tiveram encaminhamento posterior em função do cronograma de fechamento da folha de pagamento e que dispõe de apenas uma servidora para os lançamentos de admissão, contratação, exoneração e desligamento da Universidade Federal do Paraná. Na análise da regularidade da folha de pagamento da Unidade referente ao exercício de 2010, foram aplicados testes em amostras extraídas das seguintes ocorrências: servidores ativos, aposentados e instituidores de pensão investidos em outros vínculos; que percebem a vantagem prevista no artigo 192 da lei nº 8.112/90, os adicionais de periculosidade e insalubridade e os auxílios transporte e alimentação; e servidores detentores do cargo de professor titular. Também foram aplicados exames em amostras extraídas das seguintes ocorrências: aposentados após 18/01/1995 que percebem opção de função; servidores cedidos e requisitados; beneficiários de pensão com mais de dois benefícios; servidores com idade igual ou superior a 70 anos na situação de ativo permanente e pagamento de exercícios anteriores.

23 de 33

Os trabalhos de Acompanhamento da Gestão e de Auditoria de Contas realizados na UFPR referente ao exercício de 2010 abrangeram a análise dos controles, da consistência da folha de pagamentos da Unidade e da legalidade dos dispêndios, incluindo os servidores públicos federais ativos, inativos e pensionistas, constantes do banco de dados do sistema SIAPE. Os exames demonstraram a regularidade da gestão de pessoal, exceto quanto às situações relacionadas a seguir: 1) impropriedades na concessão dos adicionais de insalubridade e de periculosidade e nos pareceres técnicos que amparam os pagamentos; 2) alteração da carga horária de servidor com acumulação de cargos públicos sem observância da compatibilidade de horários; 3) deficiência nos controles internos referentes ao reembolso do ônus da remuneração dos servidores cedidos, à atualização cadastral de aposentados e pensionistas da União que receberam proventos ou pensões à conta do Tesouro Nacional e à cobrança acerca da entrega de cópias das declarações de rendas exigida pela Lei nº 8.730,93; e 4) falhas nos controles e pagamentos referentes à Gratificação por Encargo de Curso ou Concurso e impropriedades na concessão e no pagamento do auxílio-transporte. Além da situação anteriormente apontada, constatou-se a não implementação das recomendações expedidas pela CGU Regional/PR em ações de controle realizadas na área de Gestão de Pessoas referente à Auditoria de Contas 2009 no exercício de 2010, o que permitiu a continuação de pagamentos indevidos de vantagens e/ou benefícios a servidores durante todo o período em exame, além da ausência de ressarcimentos ao erário recomendados por esse Órgão de Controle Interno. Diante do exposto, as falhas evidenciadas na Gestão de Pessoas da UFPR merecem ser observadas com atitudes efetivas por parte dos gestores e com pronto atendimento às recomendações e determinações expedidas pelos órgãos de controle interno e/ou externo, objetivando a regularização de situações apontadas e a adoção de mecanismos eficientes com vistas a evitar impropriedades e pagamentos indevidos.

4.7 Avaliação do Cumprimento pela UJ das Recomendações do TCU e do Controle Interno Observou-se a existência de quatro acórdãos do Tribunal de Contas da União – TCU remanescentes do exercício de 2009 a serem atendidos no exercício de 2010, e cinquenta e dois acórdãos exarados no exercício de 2010, dos quais quatorze continham determinações à Universidade e trinta e oito tratavam da apreciação de atos sem impacto direto na gestão ou sem determinações ao gestor, tais como julgamento da legalidade de atos de admissão e de aposentadorias ou pensões. Assim, relata-se, sobre a aderência da Universidade às determinações do Tribunal de Contas da União, com o que segue:

1. Consta no Acórdão nº 2.554/2010 - TCU/Plenário, o item 1.5.2: “determinar à CGU, Gerência Regional no Estado do Paraná, que faça constar em tópico específico do relatório de auditoria de gestão da UFPR, exercício de 2010, o atendimento das determinações constantes da Decisão

24 de 33

404/2002-TCU-1ª Câmara à luz dos Decretos nºs 7.232 e 7.233 e da Medida Provisória 495, de 19/7/2010”. Desse modo, fez-se necessária a realização de exames específicos, nos quais se constatou a reincidência da UFPR nas práticas, vedadas pela referida Decisão: a) extrapolação de créditos orçamentários; b) ausência de justificativa de preço em dispensas; c) definição resumida de plano de trabalho; d) ausência de previsão de ressarcimento por utilização de recursos públicos, ou ressarcimento na forma de percentual genérico; e e) informação orçamentária em desacordo com o art. 30 do Decreto nº 93.872/86.

2. Dos exames realizados na área de licitações e contratos, verificou-se que a UFPR realizou, em desacordo às determinações contidas no Acórdão nº 4.300/2009 – 2ª Câmara: a) inclusão de exigências restritivas à competitividade em editais; e b) direcionamento a produto de determinada marca.

3. Cite-se ainda o cumprimento fora do prazo estipulado pelo Tribunal de Contas da União de determinações expedidas, no exercício de 2010 referentes a atos de aposentadoria, nos seguintes Acórdãos nºs 1.574; 3.264; 4.398; 5.536; 6.472 (todos da 2ª Câmara) e 8.053 (da 1ª Câmara).

Quanto às recomendações da CGU-/PR, contidas no Relatório nº 243910 de Auditoria Anual de Contas de 2009, das vinte e oito existentes, sete foram atendidas e vinte e um necessitam ser monitoradas via Plano de Providências Permanente.

Não houve Acórdãos e/ou Decisões do Tribunal de Contas da União dirigidos especificamente ao Hospital de Clínicas. E a recomendação por parte da CGU direcionada ao HC, constante do Relatório de Auditoria nº 243910 relativo às contas da UFPR – exercício 2009, referente a aditamentos e prorrogações dos contratos oriundos do processo nº 23075.024540/2006-12, instaurado para a aquisição de rádio-fármacos, por meio de inexigibilidade, foi implementada, tendo o Hospital encerrado o processo, estando em fase de nova contratação para aquisição dos produtos.

Cabe ressaltar que o Hospital de Clínicas não possui Unidade de Controle Interno diretamente vinculada a sua estrutura organizacional. Por força da Resolução nº 36/07 – COPLAD, os processos de licitação do HC são submetidos à AUDIN da UFPR que elabora análises dos atos praticados por

25 de 33

meio de amostragem, sendo que, no exercício de 2010, foram analisados 16 (dezesseis) procedimentos licitatórios que originaram recomendações cuja implementação será avaliada pela AUDIN no exercício de 2011.

Ainda, cabe ressaltar que segundo o item 12.3 da Portaria TCU nº 277/2010, o gestor deveria demonstrar as informações sobre as providências adotadas para atender às deliberações exaradas pelos órgãos de controle, estruturadas em dois grupos de demonstrativos, cada um composto por dois demonstrativos complementares, sendo o primeiro relativo às deliberações do Tribunal de Contas da União e o segundo referente às recomendações do Órgão de Controle Interno, o que não ocorreu no Relatório de Gestão 2010 apresentado pela UFPR.

4.8 Avaliação da Gestão de Passivos sem Previsão Orçamentária Não foram evidenciadas situações de ocorrência de passivos sem a consequente previsão orçamentária de créditos ou de recursos durante o exercício de 2010. Não houve movimentação ou saldo, no exercício de referência do Relatório de Gestão, das Contas Contábeis de códigos 21211.11.00, 21212.11.00, 21213.11.00, 21215.22.00 e 21219.22.00 do SIAFI nas UG associadas à UFPR/HC, que representam o reconhecimento de passivos por insuficiência de créditos ou recursos, conforme Nota Técnica do Tesouro Nacional 2.309/2007.

4.9 Avaliação da Conformidade da Inscrição de Restos a Pagar Verificou-se a regularidade da inscrição de empenhos em restos a pagar pela Universidade, não sendo verificadas inconsistências. Os empenhos de despesas não liquidadas examinados, que não foram anulados antes do processo de inscrição de Restos a Pagar, foram devidamente enquadrados em algum dos incisos previstos no Art. 35 do Decreto nº 93.872/86. A PROPLAN – Pró-Reitoria de Planejamento, Orçamento e Finanças encaminhou mensagem com antecedência aos órgãos internos, Pró-Reitorias, Setores e Departamentos, alertando sobre a necessidade de fundamentação de acordo com o Decreto 93.872/86 quando das inscrições de empenhos em Restos a Pagar. Em 2010 havia saldo de empenhos emitidos a partir de 2006 compondo o saldo de restos a pagar, conforme segue: 1) das notas de empenhos emitidas em 2006, no valor total de R$ 5.267,20, foi pago o valor de R$ 395,00 e a diferença, no montante de R$ 4.872,20, foi cancelada. Não houve saldo para o exercício de 2011. 2) das notas de empenhos emitidas em 2007, no valor total de R$ 11.508.314,38, foi pago o montante de R$ 9.238.607,87, houve a baixa de restos a pagar processados no total de R$ 9.172.696,28, refere-se à regularização efetuada pela 2010NL000491 de recolhimento ao Tesouro Nacional da PSSS/Parte/Patronal da folha de pagamento/SIAPE/Jan-07, houve o cancelamento de

26 de 33

R$ 2.224.279,71 e o saldo de R$ 45.426,80 passou para 2011. 3) das notas de empenhos emitidas em 2008, no valor total de R$ 4.355.860,93, foi pago o montante de R$ 1.325.344,73, cancelado o valor de R$ 2.812.393 e o saldo de R$ 199.168,07 passou para 2011. 4) das notas de empenhos emitidas em 2009, no valor total de R$ 40.407.060,88, foi pago o montante de R$ 44.246.540,10, cancelado o valor de R$ 5.260.334,40 e o saldo de R$ 2.340.638,27 passou para 2011. 5) das notas de empenhos emitidas em 2010, sendo 2.854 inscritas em restos a pagar para o exercício de 2011 que totalizaram o montante de R$ 52.874.288,84. Das 22 notas de empenhos acima de R$ 500.000,00 analisou-se 11, totalizando R$ 7.352.7455,11, que representou 13,90% das inscrições, não sendo evidenciadas impropriedades:
Restos a pagar Inscritos em 2010 (R$) (A) 52.874.288,84 Restos a Pagar Analisados (R$) (B) 7.352.745,11 Percentual analisado (B)/(A) 13,90% % de RP com inconsistência 0,00

Quanto à avaliação quanto à conformidade da inscrição de Restos a Pagar no Hospital de Clínicas, foi selecionada amostra de empenhos envolvendo: Restos a Pagar Não Processados e Restos a Pagar Processados do exercício de 2010, como demonstrado a seguir:
Restos a Pagar Inscritos em 2010 (R$) (A) Restos a Pagar Analisados (R$) (B) Percentual Analisado (B)/(A)

% de RP com Inconsistência

19.221.134,63

7.179.504,99

37,35%

0,00

Da análise dos documentos comprobatórios e das justificativas apresentadas pela Unidade referentes a Restos a Pagar, constatou-se a regularidade das inscrições no exercício sob exame, no que tange ao enquadramento às hipóteses previstas no artigo 35 do Decreto 93.872/86.

4.10 Avaliação dos Critérios - Chamamento Público A Universidade Federal do Paraná e sua unidade consolidada, Hospital de Clínicas, não efetuaram chamamentos públicos durante o exercício de 2010. As transferências ocorrem para a Fundação da Universidade Federal do Paraná para o Desenvolvimento da Ciência, da Tecnologia e da Cultura – FUNPAR.

27 de 33

4.11 Avaliação de Contratos e Convênios - SIASG/SICONV A UFPR utiliza-se da sua Fundação de Apoio - FUNPAR, para a execução de diversos projetos, alguns formalizados como transferências e outros, a maioria, como contratos. Constatou-se que nem todos os contratos com a Fundação de Apoio, assim como alguns contratos de aquisição de bens e serviços com terceiros, não foram devidamente registrados e/ou atualizados no Sistema Integrado de Administração de Serviços Gerais – SIASG.

A UFPR informou que teve dificuldades no cadastramento de transferências no Sistema de Gestão de Convênios e Contratos de Repasse do Governo Federal – SICONV, o qual não reflete adequadamente os recursos efetivamente repassados e utilizados pela FUNPAR. Para justificar a ausência de registros nesse Sistema, a UJ apresentou trocas de mensagens eletrônicas com o Ministério do Planejamento para regularizar acesso ao SICONV.

Desse modo, os exames realizados revelaram que a UFPR não vem cumprindo integralmente o estabelecido no § 3º do art. 19 da Lei nº 12.309, de 09/08/2010.

4.12 Avaliação da Entrega e do Tratamento das Declarações de Bens e Rendas A UFPR não dispõe de controle informatizado que registre a entrega tempestiva das declarações de bens e rendas (ou das autorizações para acesso eletrônico às declarações no site da Receita Federal). Tal fato ficou evidenciado pela ausência de apresentação da documentação referente ao exercício de 2010 e ano-base 2009 de 380 servidores constantes na 1ª listagem anexada ao processo de contas.

Assim, constatou-se que há deficiência nos controles acerca da entrega de cópia das declarações de bens e rendas exigida pela Lei nº 8.730/93, bem como a ausência de aplicação das penalidades previstas ao cumprimento da citada lei na UFPR. A Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas - PROGEPE efetuou várias chamadas para que os servidores com Funções Gratificadas ou Cargos de Direção encaminhassem suas declarações até 22/02/2011, quando deveriam fazê-lo até 16/05/2010, nos termos do § 1º do art. 3º do Decreto nº 5.483, de 30/06/2005, que regulamenta o art. 13 da Lei nº 8.429/1992.

A Unidade ainda entende que os conselheiros estão isentos desta obrigação, todavia cabe ressaltar que o cumprimento dessa exigência analisado no exame abrangeu apenas os servidores que compõem o Rol de Responsáveis e não a totalidade dos servidores da UFPR. Os quais também devem efetuar a entrega ou a autorização de acesso à Declaração Anual do IRPF apresentada à Secretaria da Receita Federal do Brasil, nos termos do art. 1º da Portaria Interministerial MP/CGU n.º 298/2007, que regulamenta a entrega da declaração de bens e valores por todos os agentes públicos no âmbito do Poder Executivo Federal.

28 de 33

Ressalta-se que o Hospital de Clínicas não pratica atos de gestão relativos ao cumprimento da Lei 8.730/1993, relacionados à entrega de declarações de bens e rendas de seus dirigentes, cuja administração e controle são de responsabilidade da PROGEPE, que integra a estrutura da Universidade Federal do Paraná.

4.13 Avaliação da Sustentabilidade Ambiental em Aquisições de Bens e Serviços Foi avaliada a aderência da UFPR em relação à adoção de critérios de sustentabilidade ambiental na aquisição de bens e serviços ou obras. Para tanto, verificou-se o preenchimento do quadro A.10.1 – Gestão Ambiental e Licitações Sustentáveis. Confirmaram-se as respostas apresentadas pelo Gestor nesse quadro, sendo as justificativas consideradas adequadas.

Salienta-se que há ainda certa dificuldade na aplicação do disposto na Instrução Normativa n° 1/2010 e na Portaria n° 2/2010, ambas da Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, pela ausência de orientação mais detalhada por parte desse órgão quanto à aplicabilidade dos normativos, dificultando a aderência da Unidade em relação aos quesitos de sustentabilidade ambiental.

Fora da análise da Sustentabilidade Ambiental em aquisição de bens e serviços, mas dentro do tema e como boas práticas, verificou-se a realização por parte da Universidade de trabalhos voltados a preocupação com gestão ambiental envolvendo a separação do lixo por meio da implantação do Programa Institucional “Separando juntos na UFPR”. O Programa trata do Gerenciamento Integrado de Resíduos gerados na UFPR, visando à minimização desses e à correta operacionalização na coleta, no armazenamento e no correto tratamento de resíduos.

4.14 Avaliação da Gestão de Bens Imóveis de Uso Especial Não está adequada a gestão do patrimônio imobiliário de responsabilidade da UFPR, classificado como “Bens de Uso Especial”, de propriedade da União ou locado de terceiros, principalmente quanto ao estado de conservação, valor do imóvel, despesas efetuadas com a manutenção, inserção e atualização das informações no Sistema de Gerenciamento dos Imóveis de Uso Especial da União – SPIUnet, de uso obrigatório pela UJ. As informações constantes do SPIUnet não contemplam a totalidade dos imóveis sob a responsabilidade da Universidade.

As informações constantes do SPIUnet não contemplam a totalidade dos imóveis sob a responsabilidade da Universidade.

29 de 33

Foi apresentado um Plano Diretor com informações e fotos sobre as Diretrizes para Ocupação dos Espaços da UFPR, aprovados pela Resolução nº 50 - COPLAD e impressa em janeiro/2011, material a ser analisado no próximo processo de contas.

Para o exercício de 2010, objeto do escopo deste trabalho, a PRA informou da contratação de empresa para efetuar atualizações e regularizações dos imóveis da UFPR considerando a existência de pendências nos registros imobiliários, processos de doação, etc. A empresa foi contratada em 2009, decorrente da Tomada de Preços nº 11/09, processo licitatório nº 23075.087236/2009-11.

Em 2010, não houve atuação do Órgão de Controle Interno quanto à qualidade da gestão dos imóveis classificados como Bens de Uso Especial e a situação é a que segue:

Imóveis de Uso Especial

Localização

Quantidade total de imóveis de uso especial sob a responsabilidade da UFPR 2009 2010 21 0

Brasil Exterior

21 0

4.15 Avaliação da Gestão de Tecnologia da Informação Dos exames efetuados com o objetivo de avaliar a gestão de TI pela UFPR, verificou-se:

a) Inexistência de planejamento das ações de TI no Plano de Desenvolvimento Institucional - PDI em vigor, bem como de um comitê diretivo de TI formalmente designado; b) Inexistência de Política de Segurança de Informação homologada e de um comitê gestor da segurança de informação formalmente designado;

30 de 33

c) A proporção entre os recursos humanos terceirizados de TI em relação ao total do corpo técnico de TI da Unidade é adequada; d) Metodologia de desenvolvimento de sistemas a ser implantada na Unidade e acordo de níveis de serviço junto aos demandantes em fase de estudos e definição; e) O grau de terceirização de soluções de TI, em relação ao desenvolvimento próprio da Unidade é pequeno, porém essa terceirização está concentrada no principal sistema utilizado pela Universidade, o SIE. Com relação à avaliação da gestão de TI pelo Hospital de Clínicas, constatou-se o que segue:

I - PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TI O Hospital de Clínicas não dispõe de planejamento estratégico de Tecnologia da Informação – TI, tampouco de comitê diretivo constituído. Da avaliação do planejamento estratégico da instituição, observou-se a inexistência de metas e diretrizes envolvendo a área de TI.

II – POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Não foi identificada no âmbito do Hospital de Clínicas do Paraná a existência de Política de Segurança da Informação (PSI), nem de área específica responsável pelo tratamento da segurança da informação.

III – RECURSOS HUMANOS DE TI O Serviço de Informática do Hospital de Clínicas dispõe de 29 funcionários sendo 11 do quadro próprio do HC e 18 terceirizados provenientes da Fundação da Universidade Federal do Paraná para o Desenvolvimento da Ciência, da Tecnologia e da Cultura – FUNPAR. Observa-se um percentual elevado de pessoal terceirizado, cerca de 62% em relação ao quadro total de funcionários do setor. O cargo de gerenciamento do setor é ocupado por empregado terceirizado, aumentando o grau de dependência na Área de TI relativamente à mão-de-obra especializada sem vínculo com o órgão. Além da dependência de pessoal terceirizado, a situação na Área de TI também é crítica em relação à suficiência no quantitativo de pessoal, comprometendo os setores de microinformática, onde faltam técnicos, de infraestrutura, onde há carência de analistas e de operação, onde o quadro reduzido afeta o atendimento ao usuário.

IV – DESENVOLVIMENTO E PRODUÇÃO DE SISTEMAS A Unidade examinada dispõe do Sistema de Informações Hospitalares-SIH inteiramente desenvolvido pelo Setor de Informática do Hospital de Clínicas, a partir de Procedimentos Operacionais Padronizados, denominados POP-UI-SINF-nºs 020, 021 e 022, constituídos por um rol

31 de 33

de informações relativas às atividades dos diversos setores que compõem o HC. Inobstante o mencionado SIH atenda às necessidades básicas do HC, o setor de informática do hospital carece de investimentos tecnológicos e de recursos humanos, para viabilizar a manutenção, desenvolvimento e produção de sistemas, cujas necessidades encontram-se registradas no Projeto de Reestruturação dos Hospitais Universitários – REHUF/MEC.

V – CONTRATAÇÃO E GESTÃO DE BENS E SERVIÇOS DE TI A gestão de bens e serviços de TI no ambiente interno do HC restringe-se ao desenvolvimento do Sistema de Informações Hospitalares – SIH. Alguns serviços de TI vêm sendo terceirizados, tais como: suporte técnico e manutenção com atualização de versões para o sistema de gestão de custos hospitalares – PLANISA, para o Serviço de Planejamento; manutenção preventiva e corretiva para equipamentos de informática, servidores RISC e CISC com fornecimento de peças; solução de segurança para controle de ameaças (antivírus/antispyware) para 1000 computadores, com gerenciamento centralizado; atualização de versões dos programas de plataforma RISC e de cabeamento de rede de dados, com fornecimento de materiais. Não foram identificados, na contratação de bens e serviços, produtos que tenham por finalidade ou que deles decorram a transferência de conhecimento para servidores da Unidade.

4.16 Conteúdo Específico Com base nas informações constantes do Relatório de Gestão da Unidade, verificou-se que os indicadores de desempenho nos termos da Decisão TCU nº 408/2002 – Plenário estão adequados às atividades da UFPR e que a relação dos projetos desenvolvidos pela Fundação de Apoio contém as informações exigidas para cada projeto.

5. Entre as análises realizadas pela equipe, não foi constatada ocorrência de dano ao erário.

III - CONCLUSÃO Eventuais questões pontuais ou formais que não tenham causado prejuízo ao Erário foram devidamente tratadas por Nota de Auditoria e as providências corretivas a serem adotadas serão incluídas no Plano de Providências Permanente, ajustado com a Unidade e monitorado pelo Controle Interno. Tendo sido abordados os pontos requeridos pela legislação aplicável, submete-se o presente Relatório à consideração superior, de modo a possibilitar a emissão do competente Certificado de Auditoria. Informamos que os servidores listados abaixo, cujas assinaturas não foram apostas neste relatório, não estavam presentes quando da geração final deste documento por motivo previsto legalmente,

32 de 33

apesar de terem efetivamente atuado como membros da equipe de auditoria. Curitiba/PR, 27 de julho de 2011.

33 de 33

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CERTIFICADO DE AUDITORIA CERTIFICADO Nº UNIDADE AUDITADA EXERCÍCIO PROCESSO Nº MUNICÍPIO - UF
: 201108940 : 153079 : 2010 : 23075.060854/2011-38 : Curitiba

- UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANA

- PR

Foram examinados os atos de gestão dos responsáveis pelas áreas auditadas, especialmente aqueles listados no art. 10 da IN TCU nº 63/2010, praticados no período de 01/01/2010 a 31/12/2010. 2. Os exames foram efetuados por seleção de itens, conforme escopo do trabalho definido no Relatório de Auditoria constante deste processo, em atendimento à legislação federal aplicável às áreas selecionadas e atividades examinadas, e incluíram os resultados das ações de controle realizadas ao longo do exercício objeto de exame, sobre a gestão da(s) unidade(s) auditada(s). 3. A partir dos exames realizados, as seguintes constatações, que estão detalhadas no respectivo Relatório de Auditoria, impactaram de forma relevante a gestão da(s) unidade(s) examinada(s), sendo necessária a atuação e acompanhamento das providências preventivas e/ou corretivas por parte dos agentes listados no art. 10 da IN TCU nº 63/2010: UNIDADE EXAMINADA:HOSPITAL DE CLINICAS DA UFPR Relatório - Item: 201108981 - 1.2.2.1 Alteração do regime de repactuação de preços no contrato assinado (prestação de serviços de lavanderia) em relação à minuta de contrato anexa ao edital da licitação. Relatório - Item: 201108981 - 1.2.3.1 Rescisão intempestiva de contrato de serviços terceirizados de lavanderia, causando prejuízo ao erário no valor de R$ 59.766,59. Relatório - Item: 201108981 - 1.2.3.2 Pagamento indevido de valores a título de “folguista”, FGTS, insalubridade e respectivos

1 de 3

reflexos no valor total de R$ 260.401,84, em contrato de terceirização de mão-de-obra da lavanderia hospitalar. UNIDADE EXAMINADA:UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANA Relatório - Item: 201108940 - 4.1.2.1 Impropriedades na concessão dos adicionais de insalubridade e de periculosidade e nos pareceres técnicos que amparam os pagamentos, ausência de laudos resultando em pagamentos indevidos e dos ressarcimentos propostos. Relatório - Item: 201108940 - 4.1.2.5 Impropriedades e/ou irregularidades no pagamento de remuneração de servidores realizado por meio das rubricas de Gratificação por Encargo de Curso ou Concurso e na concessão e no pagamento do auxílio-transporte. Relatório - Item: 201108940 - 4.1.3.2 Realização de despesas com a Fundação da Universidade Federal do Paraná para o Desenvolvimento da Ciência, da Tecnologia e da Cultura – FUNPAR em desacordo com Medida Provisória 495/2010. 4. Assim, em função dos exames aplicados sobre os escopos selecionados, consubstanciados no Relatório de Auditoria Anual de Contas nº 201108940, proponho que o julgamento das contas dos agentes listados no art. 10 da IN TCU nº 63/2010 da(s) unidade(s) em questão seja encaminhado como a seguir indicado, em função da existência de nexo de causalidade entre os atos de gestão de cada agente e as constatações a seguir especificadas: 4.1 Agentes com proposta de encaminhamento pela gestão REGULAR COM RESSALVAS: Cargo Unidade Examinada Relatório - Item Diretora Geral no período de HOSPITAL DE CLINICAS DA UFPR 201108981 - 1.2.2.1 1/1/2010 até 31/12/2010 201108981 - 1.2.3.1 201108981 - 1.2.3.2 Pró-Reitora de Graduação no UNIVERSIDADE FEDERAL DO 201108940 - 4.1.3.2 período de 1/1/2010 até PARANA 31/12/2010 FEDERAL DO 201108940 - 4.1.3.2 Pró-Reitora de Planej. UNIVERSIDADE Orçam. e Finanças no PARANA período de 1/1/2010 até 31/12/2010 Reitor no período de UNIVERSIDADE FEDERAL DO 201108940 - 4.1.3.2 1/1/2010 até 31/12/2010 PARANA 201108940 - 4.1.2.1

2 de 3

Pró-Reitora de Gestão de UNIVERSIDADE Pessoas no período de PARANA 1/1/2010 até 31/12/2010

FEDERAL

DO 201108940 - 4.1.2.1 201108940 - 4.1.2.5

5. Esclareço que os demais agentes listados no art. 10 da IN TCU nº 63/2010 que não foram explicitamente mencionados neste certificado têm, por parte deste órgão de controle interno, encaminhamento para julgamento proposto pela regularidade da gestão, tendo em vista a não identificação de nexo de causalidade entre os fatos apontados e a conduta dos referidos agentes. Curitiba/PR, 27 de julho de 2011

Alzira Ester Angeli Chefe da CGU-Regional/PR

3 de 3

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PARECER DO DIRIGENTE DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO Nº EXERCÍCIO PROCESSO Nº UNIDADE AUDITADA MUNICÍPIO - UF : 201108940 : 2010 : 23075.060854/2011-38 : 153079 - UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANA : Curitiba - PR

Em conclusão aos encaminhamentos sob a responsabilidade da CGU quanto ao processo de contas do exercício sob exame, da Unidade acima referida, expresso, a seguir, opinião conclusiva, de natureza gerencial, sobre os principais registros e recomendações formulados pela equipe de auditoria, em decorrência dos trabalhos conduzidos por este órgão de controle interno sobre os atos de gestão do referido exercício.

2. No que diz respeito ao cumprimento das Ações Governamentais sob a responsabilidade da Unidade, destacam-se os resultados obtidos no Programa/Ação 1073/4009 – Brasil Universitário/Funcionamento dos Cursos de Graduação, visto que a quantidade de alunos matriculados prevista para 2010 foi superada em 22%, mediante execução de 95% dos recursos orçados. 3. As principais constatações, oriundas dos trabalhos de Auditoria de Avaliação da Gestão do exercício de 2010 da Universidade Federal do Paraná e do Hospital de Clínicas, subunidade consolidada, referem-se à coleta de orçamentos para fins de dispensa de licitação com empresas ligadas entre si, direta ou indiretamente; à rescisão intempestiva de contrato de serviços terceirizados; ao pagamento de valores cobrados indevidamente por prestadora de serviços; a impropriedades na concessão dos adicionais de insalubridade e de periculosidade e nos pareceres técnicos que amparam os pagamentos; e a impropriedades no pagamento de Gratificação por Encargo de Curso ou Concurso. 4. Dentre as causas estruturantes relacionadas às constatações, pode-se citar ausência de rotinas para verificação de vínculos entre fornecedores consultados em cotações de preços; não rescisão

1 de 2

imediata de contrato emergencial quando da finalização de novo processo licitatório; contratação de serviços sem detalhamento suficiente de custos; ausência de rotinas para acompanhamento das concessões dos adicionais de insalubridade e de periculosidade; e ausência de mecanismos de controle das atividades relacionadas ao recebimento, por servidores, da Gratificação por Encargo de Curso ou Concurso. Recomendou-se à Unidade a interrupção do pagamento dos adicionais de insalubridade e/ou periculosidade não suportados por laudo de concessão específico e a adoção de providências para reposição dos valores pagos indevidamente; providenciar a revisão dos laudos de avaliação ambiental de concessão dos adicionais; promover o ressarcimento da Gratificação por Encargo de Curso ou Concurso paga indevidamente; adotar rotinas para verificar a existência de vínculos entre os fornecedores consultados em levantamentos de preços realizados para subsidiar contratações ou prorrogações de contratos; e adotar providências para ressarcimento ao erário de valores pagos indevidamente a empresa prestadora de serviço. 5. Em relação às recomendações formuladas pela Controladoria-Geral da União referentes à avaliação da gestão do exercício de 2009, constatou-se que 25% foram atendidas, e as demais, relacionadas à área de recursos humanos, serão acompanhadas por meio do Plano de Providências Permanente. 6. Em relação à qualidade e eficiência do Sistema de Controle Interno da Unidade, foram identificadas fragilidades nos procedimentos das áreas de licitações/contratos e de convênios. 7. Não foram identificadas, ao longo do exercício, práticas administrativas que tenham resultado em impacto positivo sobre as operações da Unidade. Assim, em atendimento às determinações contidas no inciso III, art. 9º da Lei n.º 8.443/92, combinado com o disposto no art. 151 do Decreto n.º 93.872/86 e inciso VI, art. 13 da IN/TCU/N.º 63/2010 e fundamentado no Relatório de Auditoria, acolho a conclusão expressa no Certificado de Auditoria. Desse modo, o processo deve ser encaminhado ao Ministro de Estado supervisor, com vistas à obtenção do Pronunciamento Ministerial de que trata o art. 52, da Lei n.º 8.443/92, e posterior remessa ao Tribunal de Contas da União. Brasília, 27 de julho de 2011

JOSÉ GUSTAVO LOPES RORIZ DIRETOR DE AUDITORIA DA ÁREA SOCIAL

2 de 2

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful