UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI

CAMPUS ALTO PARAOPEBA
COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL

Disciplina: ENC 304 – ERGONOMIA E SEGURANÇA NO TRABALHO Período: 2011.2 Aula 6

Prof. D.Sc Taciano Oliveira da Silva Email: taciano@ufsj.edu.br

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
7.0 Higiene do Trabalho
7.1 Introdução à Higiene do Trabalho

8.0 Programa de Prevenção de Riscos Ambientais – PPRA
8.1 Introdução 8.2 Riscos físicos, químicos e biológicos

8.3 Desenvolvimento do PPRA
8.3.1 Antecipação dos riscos ambientais 8.3.2 Reconhecimento dos riscos ambientais 8.3.3 Avaliação dos riscos ambientais 8.3.4 Controle dos riscos ambientais

2

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
8.4 Elaboração e Administração do PPRA 8.4.1 Documento-base 8.4.2 Responsabilidades 8.4.3 Da informação e das disposições finais

9.0 Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional – PCMSO
9.1 Introdução 9.2 Exemplos de doenças ocupacionais

9.3 Diretrizes do PCMSO
9.4 Desenvolvimento do PCMSO 9.5 Elaboração e administração do PCMSO 9.5.1 Planejamento e registro de dados

9.5.2 Responsabilidades
9.5.3 Do afastamento do trabalhador (nexo causal)
3

7.0 Higiene do Trabalho
7.1 Introdução à Higiene do Trabalho
Sabe-se que o trabalhador, em suas atividades rotineiras, se expõe a diversos riscos que decorrem das condições inerentes ao ambiente de trabalho. Portanto, estes riscos são as condições inseguras do trabalho, capazes de afetar a saúde, a segurança e o bem estar do trabalhador. As condições inseguras relativas ao processo produtivo, como por exemplo, máquinas desprotegidas, pisos escorregadios, empilhamentos precários e etc., são chamados de riscos operacionais, sendo os causadores de acidentes. As condições inseguras relativas ao ambiente de trabalho, como por exemplo, a presença de

gases e vapores tóxicos, o ruído e o calor intenso, etc., são chamados de riscos ambientais, sendo os causadores de doenças do trabalho.
Portanto, os riscos dividem-se em riscos operacionais e riscos ambientais. Nesta aula será abordado especificamente os risco ambientais.
4

7.0 Higiene do Trabalho
7.1 Introdução à Higiene do Trabalho
A Figura 1 apresenta alguns exemplos de atividades que expõem os trabalhadores a riscos ambientais que podem causar danos à saúde.

Figura 1 – Exemplos de atividades que expõem o trabalhador a riscos ambientais

5

existem atividades ou processos produtivos que geram os riscos ambientais. o Ministério do Trabalho criou NR’s específicas que regulamentassem o gerenciamento dos fatores dos riscos ambientais. vapores de tintas e etc.).1 Introdução à Higiene do Trabalho 7. as atividades dos soldadores (geram fumos metálicos) e etc. as indústrias automobilísticas (geram ruído. como exemplo as Siderúrgicas (geram poeiras. Em função da gravidade do problema. do meio ambiente e da qualidade de vida.7.0 Higiene do Trabalho 7.1.). Infelizmente. ruído. objetivando prevenir doenças decorrentes das condições do ambiente de trabalho. Conceito de Higiene do Trabalho Segundo a FUNDACENTRO (1981) a Higiene do Trabalho é uma das ciências que atuam no campo da Saúde Ocupacional”.1. 6 . calor e etc.

sendo obrigatório a sua implementação e controle. assim..”.PPRA 8.. estabelece que: São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais.1.. Para atingir este objetivo a empresa deve identificar (reconhecer) todos os riscos ambientais gerados em seus processos produtivos... reduzí-los ou controlá-los. no Título II.. item 3.redução dos riscos inerentes ao trabalho. “penalidades”) ou até mesmo interdição do estabelecimento. os princípios prevencionistas da CF. adotar medidas que visem eliminá-los. ou parte deste. além de outros que visem à melhoria de sua condição social:. O PPRA é um programa de higiene que visa à preservação da saúde e integridade dos trabalhadores. sob pena de aplicação de multas pelo seu descumprimento (conforme previsto na NR-28.1 Introdução A Constituição Federal.1. através da NR-9. Importante salientar que o PPRA é um programa estabelecido pelo Ministério do Trabalho. atendendo. avaliá-los e. artigo 7°.0 Programa de Prevenção de Riscos Ambientais . a partir daí. inciso XXII. 7 . higiene e segurança.1 e 3. Capítulo II. caso detectado risco grave e iminente que possa causar acidente do trabalho ou doença profissional com lesão grave à integridade física do trabalhador (conforme previsto na NR-3.8. “Embargos ou Interdição”. por meio de normas de saúde. .

8.PPRA 8. quanto ao PPRA: 8 .1 Introdução A seguir a transcrição dos itens da NR-9.0 Programa de Prevenção de Riscos Ambientais .

os riscos ambientais são classificados em riscos Físicos. Químicos e Biológicos. é preciso agrupar os riscos ambientais (ruído.) conforme as suas características semelhantes. Esta classificação está prevista na NR-9. bactérias e etc. poeiras.0 Programa de Prevenção de Riscos Ambientais . Químicos e Biológicos Para se ter uma uniformidade de entendimento do que será apresentado. conforme transcrição sucinta. a saber: 9 .8. frio. Assim.2 Riscos Físicos.PPRA 8.

basicamente em 4 fases. 10 . 4. Avaliação dos riscos ambientais. uma metodologia para desenvolvê-lo. Antecipação dos riscos ambientais. a saber: 1. reduzí-los ou controlá-los.PPRA 8.3 Desenvolvimento do PPRA Na verdade a elaboração do PPRA não se limita em apenas identificar os riscos ambientais nos processos produtivos e estabelecimento de medidas para eliminá-los. Controle dos riscos ambientais.0 Programa de Prevenção de Riscos Ambientais . A NR-9 determina um caminho. a ordem abaixo. 2. Reconhecimento dos riscos ambientais.8. 3.

Assim.0 Programa de Prevenção de Riscos Ambientais .1 Antecipação dos riscos ambientais A antecipação consiste na identificação dos riscos ambientais e adoção de medidas de controle na fase de instalação do estabelecimento ou setor da empresa.3.8.3. por exemplo. É no planejamento das instalações que a adoção das medidas de controle são mais econômicas e eficientes. ou de modificação dos já existentes. Vejam o que diz o item 9.3 Desenvolvimento do PPRA 8. métodos ou processos de trabalho.” 11 .2 da NR-9: “A antecipação deverá envolver a análise de projetos de novas instalações. nessa fase poderão ser previstos o isolamento e a segregação de determinada fonte poluidora. visando a identificar os riscos potenciais e introduzir medidas de proteção para sua redução ou eliminação.PPRA 8.

3.3 Desenvolvimento do PPRA 8. no “nascimento” da empresa. nos projetos e na implantação de novas instalações físicas e tecnológicas da empresa.0 Programa de Prevenção de Riscos Ambientais .“Atribuições dos SESMT”. 12 . é extremamente importante solicitar os SESMT para participarem de análise de projetos e processos de trabalho. alínea ”c” da NR-4 .8.12 Compete aos profissionais integrantes dos SESMT: c) colaborar.12.PPRA 8. a saber: 4. a geração de riscos ambientais nos processos produtivos. Estes profissionais possuem conhecimentos técnicos que podem contribuir significativamente para se evitar. A participação dos SESMT na análise de projetos já é prevista no item 4.1 Antecipação dos riscos ambientais Por este motivo. quando solicitado.

para reconhecer os riscos ambientais. das medidas de controle existentes.PPRA 8. pois. A NR-9 preconiza em seu item 9.2 Reconhecimento dos riscos ambientais O reconhecimento consiste na identificação dos riscos ambientais (quando a empresa já está em funcionamento) em cada setor de trabalho. quando aplicáveis: a) a sua identificação.3 Desenvolvimento do PPRA 8. dentre outros. b) a determinação e localização das possíveis fontes geradoras. Esta fase deve ser realizada com bastante critério.3 que. pode levar à adoção imediata de medidas de controle nas situações de risco grave e iminente.8. das principais fontes geradoras do risco (de onde surgem). c) a identificação das possíveis trajetórias e dos meios de propagação dos agentes no 13 ambiente de trabalho.3.3.0 Programa de Prevenção de Riscos Ambientais . a empresa deve seguir os seguintes passos: O reconhecimento dos riscos ambientais deverá conter os seguintes itens. .

e) a caracterização das atividades e do tipo de exposição.2 Reconhecimento dos riscos ambientais d) a identificação das funções e determinação do número de trabalhadores expostos.PPRA 8.8. h) a descrição das medidas de controle já existentes. Evidentemente que o item supracitado é de difícil compreensão. Assim.3.3 Desenvolvimento do PPRA 8. disponíveis na literatura técnica. em um “Setor de Pintura” de uma empresa automobilística (Básico). a Figura 2 apresenta um exemplo prático da etapa “Reconhecimento do risco” de um PPRA. indicativos de possível comprometimento da saúde decorrente do trabalho.0 Programa de Prevenção de Riscos Ambientais . f) a obtenção de dados existentes na empresa. 14 . g) os possíveis danos à saúde relacionados aos riscos identificados.

PPRA 8.2 Reconhecimento dos riscos ambientais Figura 2 – Exemplo prático da etapa “Reconhecimento do risco” de um PPRA 15 .8.3 Desenvolvimento do PPRA 8.0 Programa de Prevenção de Riscos Ambientais .3.

pelo menos. ventiladores.3.) devem ser privilegiadas antes de se pensar em uso de EPI ou outros meios.3 Desenvolvimento do PPRA 8. as medidas de proteção coletiva (Equipamentos que protegem todos os trabalhadores expostos. o seu controle. exaustores e etc. Um “layout” inadequado pode gerar problemas de aumento dos níveis de ruído no ambiente de trabalho. de modo que o mesmo não se constitua em risco adicional. Quando não for possível a eliminação dos riscos. devem ser adotadas medidas que visem à redução desses riscos e por último a ação do homem. por exemplo.2 Reconhecimento dos riscos ambientais O objetivo desta fase é identificar os riscos potenciais e a adoção de medidas para a eliminação ou redução desses riscos. sempre que possível ou. 16 .8. ou seja.PPRA 8.0 Programa de Prevenção de Riscos Ambientais . a instalação de vários equipamentos ruidosos próximos uns dos outros. exemplos: enclausuramentos. Deve ser analisado o layout (distribuição física de elementos num determinado espaço) de máquinas e equipamentos.

3 Avaliação dos riscos ambientais A avaliação dos riscos consiste em quantificar ou qualificar o risco ambiental existente no setor de trabalho. objetivando dimensionar o quanto os trabalhadores estão expostos.0 Programa de Prevenção de Riscos Ambientais .3 Desenvolvimento do PPRA 8. através da utilização de instrumentos de medição ou métodos de inspeção.PPRA 8. Figura 3 – Exemplo de decibelímetro e audiodosímetro 17 .8.3.

3.0 Programa de Prevenção de Riscos Ambientais .PPRA 8.3 Desenvolvimento do PPRA 8.3 Avaliação dos riscos ambientais Figura 4 – Exemplo de bomba gravimétrica 18 .8.

3.0 Programa de Prevenção de Riscos Ambientais .PPRA 8.3 Desenvolvimento do PPRA 8.3 Avaliação dos riscos ambientais Figura 5 – Exemplo de medidor de estresse térmico 19 .8.

3.PPRA 8.3 Desenvolvimento do PPRA 8.8.0 Programa de Prevenção de Riscos Ambientais .3 Avaliação dos riscos ambientais Figura 6 – Exemplo de detector de gases 20 .

pressões hiperbáricas e etc. A NR-15 possui diversos anexos que estabelecem os Limites de Tolerância para cada risco ambiental. Por fim. não cause danos à saúde do trabalhador) previstos na NR-15 “Operações e atividades insalubres”. item 9.8. um anexo para o ruído. calor. gases. ou seja.3. vapores.3 Desenvolvimento do PPRA 8.0 Programa de Prevenção de Riscos Ambientais .PPRA 8. a saber: 21 . acredita-se.3 Avaliação dos riscos ambientais Os dados obtidos das avaliações quantitativas devem ser comparados com os Limites de Tolerância (valor máximo permitido que.3. poeiras.4. o princípio da obrigatoriedade da realização da avaliação quantitativa está prevista na NR-9.

5. reduzir ou controlar os riscos ambientais. item 9.3 Desenvolvimento do PPRA 8.PPRA 8.3.4 Controle dos riscos ambientais Controlar riscos significa tomar alguma ação que vise eliminar.1.3. a saber: 22 .8.0 Programa de Prevenção de Riscos Ambientais . O princípio da obrigatoriedade da adoção das medidas de controle está previsto na NR-9.

PPRA 8.3 Desenvolvimento do PPRA 8.3.4 Controle dos riscos ambientais Figura 7 – Exemplo de enclausuramento – equipamento e salas de controle 23 .0 Programa de Prevenção de Riscos Ambientais .8.

0 Programa de Prevenção de Riscos Ambientais .PPRA 8.3 Desenvolvimento do PPRA 8.4 Controle dos riscos ambientais Figura 8 – Exemplo de exaustores 24 .8.3.

0 Programa de Prevenção de Riscos Ambientais . Antes da obrigação do uso de protetores auditivos. 25 . o enclausuramento do equipamento.4 Controle dos riscos ambientais É importante ressaltar que a aplicação das medidas de controle deve obedecer a uma hierarquia.3 Desenvolvimento do PPRA 8.3. devem ser adotadas todas as medidas capazes de reduzir os níveis de ruído ou eliminar esse risco. Por exemplo: É prioritária a redução dos níveis de ruído no setor de trabalho.8.PPRA 8. Não se pode fornecer EPI e deixar de observar a aplicação de outros recursos disponíveis. como exemplo.

que estabelece como deve a hierarquia da aplicação das medidas de controle: 26 .0 Programa de Prevenção de Riscos Ambientais .PPRA 8.3.4.5.5.2 e 9.3.8.3.4 Controle dos riscos ambientais Esta regra está explicitada na NR-9 em seus itens 9.3 Desenvolvimento do PPRA 8.

1 Documento-base Após a antecipação. assim. todas as informações sobre treinamentos também devem estar inseridas no documento-base: 27 .2 da NR-9. o PPRA.0 Programa de Prevenção de Riscos Ambientais .PPRA 8. elaborando.4 Elaboração e administração do PPRA 8. todas as informações referentes a estas fases devem ser transcritas em um único documento. denominado de “documento-base”.4. reconhecimento.8.2. Treinamento Através de um cronograma. conforme determina o item 9. avaliação e controle dos riscos.

1 da NR-9 a elaboração.1.8.8.PPRA 8. sempre que necessário e pelo menos uma vez no ano.2.0 Programa de Prevenção de Riscos Ambientais .1.2 da NR-9).3. a critério do empregador.4. 28 .4 Elaboração e administração do PPRA 8. implementação. acompanhamento e avaliação do PPRA poderão ser feitos pelo SESMT ou por pessoas ou equipe de pessoas que. sejam capazes de desenvolver o disposto nesta NR.3. uma análise global do PPRA para avaliação do seu desenvolvimento e realização dos ajustes necessários e estabelecimento de novas metas e prioridades.1 da NR-9 deverá ser efetuada. Temporalidade do documento-base Os dados deverão ser mantidos por um período mínimo de 20 anos (item 9. Elaboração do documento-base Segundo o item 9.1 Documento-base Análise global De acordo com o item 9.

2.8.0 Programa de Prevenção de Riscos Ambientais .8.2.2. O documento-base e seu envolvimento com a CIPA De acordo com o item 9.3.1 Documento-base Disponibilidade do documento-base O documento-base e suas alterações deverão estar disponíveis de modo a proporcionar o imediato acesso às autoridades competentes (item 9.4 Elaboração e administração do PPRA 8.2. 29 .2 da NR-9). de acordo com a NR-5. O registro de dados deverá estar sempre disponível aos trabalhadores interessados ou seus representantes e para as autoridades competentes (item 9. sendo sua cópia anexada ao livro de atas desta Comissão.4.3 da NR-9).1 da NR-9 o documento-base e suas alterações e complementações deverão ser apresentados e discutidos na CIPA.PPRA 8. quando existente na empresa.

0 Programa de Prevenção de Riscos Ambientais .4. a saber: 30 .2 Responsabilidades No PPRA.4 Elaboração e administração do PPRA 8.8.PPRA 8. tanto os empregadores quanto os trabalhadores possui suas responsabilidades.

O item 9.4. simultaneamente.8. 31 .3 Da informação e das disposições finais Segundo o item 9.1 da NR-9 os trabalhadores interessados terão direito de apresentar propostas e receber informações e orientações a fim de assegurar a proteção aos riscos ambientais identificados na execução do PPRA.0 Programa de Prevenção de Riscos Ambientais .5.6.1 da NR-9 preconiza que sempre que vários empregadores realizem.PPRA 8. atividades no mesmo local de trabalho terão o dever de executar ações integradas para aplicar as medidas previstas no PPRA visando à proteção de todos os trabalhadores expostos aos riscos ambientais gerados.4 Elaboração e administração do PPRA 8.

1 Introdução Relembrando os princípios da proteção à saúde previstos na Constituição Federal: 32 .9.0 Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional – PCMSO 9.

A saúde é alterada por agentes causadores de doenças (físicos. químicos. face aos riscos a que estão expostos que são gerados nos processos produtivos. Face ao exposto o Ministério do Trabalho criou a Norma Regulamentadora – NR-7 – Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional. biológicos. conforme previsto nesta NR. a saber: 33 .1 Introdução Ao se considerar a saúde como um dos direitos fundamentais do homem torna-se um dever das empresas criarem e monitorem a saúde dos trabalhadores. por condições inerentes ao homem e por fatores do meio em que vive. visando a promoção e preservação da saúde dos trabalhadores.9. sendo obrigatório a sua implementação nas empresas.0 Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional – PCMSO 9. ergonômicos. por exemplo).

2 Exemplos de doenças ocupacionais Doenças relacionadas ao trabalho: Figura 9 – Pulmão sadio e com silicose 34 .9.0 Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional – PCMSO 9.

2 Exemplos de doenças ocupacionais Figura 10 – Pulmões com antracose e asbestose 35 .9.0 Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional – PCMSO 9.

0 Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional – PCMSO 9.9.2 Exemplos de doenças ocupacionais Figura 11 – Exemplos de exposição à fumos metálicos e esforços repetitivos 36 .

9.0 Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional – PCMSO 9.2 Exemplos de doenças ocupacionais Figura 12 – Exemplo de defesas naturais do aparelho respiratório 37 .

9.0 Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional – PCMSO 9.2 Exemplos de doenças ocupacionais Figura 13 – Aparelho auditivo lesionado por exposição excessiva a ruído 38 .

0 Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional – PCMSO 9.2 Exemplos de doenças ocupacionais Figura 14 – Exemplo de dermatite por contato com cimento 39 .9.

9. conforme transcrição a seguir: 40 . Estas regras estão explícitas na NR-7.3 Diretrizes do PCMSO O PCMSO estabelece regras básicas para o seu desenvolvimento. visando orientar o empregador em como proceder na sua elaboração.0 Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional – PCMSO 9.

0 Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional – PCMSO 9.3.1.4. a NR-7 determina a realização de alguns exames.9.3. a realização obrigatória dos exames médicos: a) Admissional: Segundo o item 7. De acordo com o item 7. pré-determinados”. Assim. O PCMSO deve incluir.4. cada um com sua particularidade.1 da NR-7 o exame médico admissional deverá ser realizado antes que o trabalhador assuma suas atividades. entre outros. a saber: 7. b) Periódicos: “periódico significa que ocorre em intervalos regulares.2 da NR-7 o exame médico periódico deverá ser de acordo com os critérios a seguir: 41 .4 Desenvolvimento do PCMSO 9.4.1 Exames médico Para diagnosticar e acompanhar a saúde dos trabalhadores deve-se realizar exames médicos.4.

1 Para fins desta NR.1 Exames médico c) Retorno ao trabalho: No exame médico de retorno ao trabalho.9. d) Mudança de função: O item 7. entende-se por mudança de função toda e qualquer alteração de atividade.4 Desenvolvimento do PCMSO 9.4.3. quando o empregado é desligado da empresa.4. ou parto (item 7. 42 .3. será obrigatoriamente realizado antes da data da mudança.3 da NR-7).3. 7. de natureza ocupacional ou não. e) Demissional: Este exame é realizado quando há rescisão de contrato de trabalho.4.4 preconiza que no exame médico de mudança de função. deverá ser realizado obrigatoriamente no primeiro dia da volta ao trabalho de trabalhador ausente por período igual ou superior a 30 dias por motivo de doença ou acidente. posto de trabalho ou de setor que implique a exposição do trabalhador à risco diferente daquele a que estava exposto antes da mudança.4. ou seja.4.0 Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional – PCMSO 9.

se o trabalhador está apto ou inapto para exercer a função. A seguir apresenta-se a transcrição na NR-7 referente ao ASO: 43 . após a realização dos exames médicos.4.9.).4 Desenvolvimento do PCMSO 9.0 Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional – PCMSO 9. quaisquer que sejam (admissional. o ASO é um documento emitido pelo médico dando seu parecer. etc.2 Atestado de saúde ocupacional Resumidamente. periódico.

0 Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional – PCMSO 9.2 Atestado de saúde ocupacional 44 Figura 15 – Modelo de Atestado de Saúde Ocupacional .9.4.4 Desenvolvimento do PCMSO 9.

45 .0 Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional – PCMSO 9.4.2 Atestado de saúde ocupacional De acordo com o item 7. É o encerramento de todo um processo de diagnóstico médico-ocupacional e decide o destino profissional da pessoa examinada a partir daquele momento.3 o ASO deverá conter no mínimo: O Atestado de Saúde Ocupacional é parte integrante de um ato médico.4.9.4 Desenvolvimento do PCMSO 9.4.

por setores da empresa. estatísticas de resultados considerados anormais.0 Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional – PCMSO 9.4. devendo estas ser objeto de relatório anual. o número e a natureza dos exames médicos. O relatório anual deverá discriminar. O PCMSO deverá obedecer a um planejamento em que estejam previstas as ações de saúde a serem executadas durante o ano.5. 7.6. O relatório anual deverá ser apresentado e discutido na CIPA. sendo sua cópia anexada ao livro de atas daquela comissão. O relatório anual e seu envolvimento com a CIPA 7.4.2. assim como o planejamento para o próximo ano. incluindo avaliações clínicas e exames complementares.9.6. 46 .1 Planejamento e registro de dados Relatório anual 7. de acordo com a NR-5.5 Elaboração e administração 9.6. quando existente na empresa.1.4.

1. incluindo avaliação clínica e exames complementares. as conclusões e as medidas aplicadas deverão ser registrados em prontuário clínico individual.5.4.5 Elaboração e administração 9. O relatório anual do PCMSO poderá ser armazenado na forma de arquivo informatizado.4. Os registros a que se refere o item 7. Os dados obtidos nos exames médicos. 47 . desde que este seja mantido de modo a proporcionar o imediato acesso por parte do agente da inspeção do trabalho. 7. Arquivamento dos exames médicos 7.5.5.1 Planejamento e registro de dados Arquivamento do relatório anual 7.3.5 deverão ser mantidos por período mínimo de 20 (vinte) anos após o desligamento do trabalhador.6. que ficará sob a responsabilidade do médico-coordenador do PCMSO.0 Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional – PCMSO 9.9.4.4.

0 Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional – PCMSO 9.9.2 Responsabilidades 48 .5.5 Elaboração e administração 9.

deverá o trabalhador ser afastado do local de trabalho ou risco: Já o item 7. através do item 7.0 Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional – PCMSO 9.4. caberá ao médico: 49 . sendo constatado a ocorrência ou agravamento de doenças profissionais.8 determina que. a NR-7 preconiza.7.3 Do afastamento do trabalhador (nexo causal) Para fins preventivos.9.5. que a simples constatação da exposição excessiva ao risco.5 Elaboração e administração 9.4.

Higiene do trabalho e programa de prevenção de riscos ambientais. GVC. Normas regulamentadoras comentadas. 2002. LTr. 580p. 2007. Brasília. Márcia Angelim C. 50 . Doenças relacionadas ao trabalho: manual de procedimentos para os serviços de saúde. MINISTÉRIO DA SAÚDE DO BRASIL.. 3ª Edição.REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ARAÚJO. 6ª Edição. Tuffi Messias. Giovanni Moraes de. Lênio Sérvio. Rio de Janeiro: Ed. São Paulo: Ed. 262p. AMARAL. CORRÊA. 2001. SALIBA. Ministério da Saúde do Brasil.