O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ?

Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co

CEM ANOS DO AXIOMA DA ESCOLHA - I O Axioma da Escolha: usos despercebidos, algumas equivalˆncias e vers˜es mais fracas. e o Os Princ´ ıpios Maximais.
Prof. Dr. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA)
Departamento de Matem´tica – Instituto de Matem´tica a a Universidade Federal da Bahia Maring´ – Paran´ a a Setembro/Outubro 2008
Prof. Dr. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a

O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co

´ Indice I
1

O que diz o Axioma da Escolha ? Enunciados claramente equivalentes a AC Quando precisamos do Axioma da Escolha ? A alegoria de Russell A quest˜o da existˆncia em matem´tica a e a Usos despercebidos de AC Equivalˆncias de AC e WO, ZL e TT Equivalˆncias de AC em ´lgebra, an´lise, etc. e a a Princ´ ıpios Maximais
Prof. Dr. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a

2

3

O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co

´ Indice II
4

Vers˜es mais fracas de AC o O Teorema do Ultrafiltro e o Teorema do Ideal Booleano Primo O Princ´ das Escolhas Dependentes e o ıpio Axioma da Escolha Enumer´vel a

5

Considera¸˜es finais co ´ E importante sabermos se estamos usando AC ou n˜o ? a Um resumo das id´ias de hoje e

Prof. Dr. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA)

IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a

o qual pode ser facilmente ouvido em qualquer sala de caf´ de qualquer e instituto de matem´tica.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co Enunciados claramente equivalentes a AC O que diz o Axioma da Escolha ? O enunciado mais “intuitivo”do Axioma da Escolha (AC). Prof. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . Dr. ´ poss´ consılia a e ıvel truir um conjunto escolhendo exatamente um elemento de cada um dos membros dessa fam´ ılia. possivelmente seja o seguinte: a Axioma da Escolha Dada uma fam´ qualquer de conjuntos n˜o-vazios.

Prof. claramente e equivalentes ao nosso enunciado inicial. a Existem tamb´m outras maneiras de se enunciar AC. a pois para fam´ ılias finitas o fato da l´gica matem´tica ser finit´ria o a a nos permite “efetuar finitas escolhas arbitr´rias”. a palavra “qualquer”pode ser substitu´ pela ıda palavra “infinita”e teremos enunciados equivalentes. AC s´ ´ “necess´rio”para fam´ oe a ılias infinitas de conjuntos n˜o-vazios. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . Dr.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co Enunciados claramente equivalentes a AC O que diz o Axioma da Escolha ? No enunciado dado.

2a. uma e ılia a fun¸˜o-escolha para F ´ uma fun¸˜o f : F → F tal que ca e ca f (x) ∈ x para todo x ∈ F.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co Enunciados claramente equivalentes a AC Enunciados claramente equivalentes a AC Axioma da Escolha . Dr. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . Vers˜o a O produto cartesiano de uma fam´ qualquer de conjuntos n˜oılia a vazios ´ n˜o-vazio.: Se F ´ uma fam´ de conjuntos n˜o-vazios.3a. Prof. ılia a ca Def. Vers˜o a Toda fam´ de conjuntos n˜o-vazios admite uma fun¸˜o-escolha. e a Axioma da Escolha .

o que s˜o “infinitas escolhas arbitr´rias”? a a Talvez a melhor maneira de entender do que se tratam essas tais infinitas escolhas arbitr´rias seja compreender bem a seguinte a “alegoria”. devida a Russell.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co A alegoria de Russell A quest˜o da existˆncia em matem´tica a e a Usos despercebidos de AC Quando precisamos do Axioma da Escolha ? AC ´ necess´rio quando precisamos realizar “infinitas escolhas e a arbitr´rias”. Dr. a Mas. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . Prof.

O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co A alegoria de Russell A quest˜o da existˆncia em matem´tica a e a Usos despercebidos de AC A alegoria de Russell Suponha que S seja uma fam´ infinita de pares de sapatos e ılia que M seja uma fam´ infinita de pares de meias. ılia Precisamos de AC para escolher exatamente um sapato de cada par de sapatos pertencente a S ? E para escolher exatamente uma meia de cada par de meias pertencente a M ? Se bem compreendidas. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . Dr. as respostas para as perguntas acima tornar˜o bem clara a no¸˜o de “infinitas escolhas arbitr´rias”. a ca a Prof.

a e a N˜o existe problema nenhum em realizar infinitas escolhas. Dr. escolhemos sempre o p´ esquerdo de cada e par de sapatos pertencente a S ! Ou seja.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co A alegoria de Russell A quest˜o da existˆncia em matem´tica a e a Usos despercebidos de AC A alegoria de Russell AC n˜o ´ necess´rio no caso da fam´ infinita de pares de sapatos. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . desde a que essas escolhas n˜o sejam arbitr´rias ! AC n˜o ´ necess´rio a a a e a nesses casos !!! Prof. a e a ılia No caso da fam´ S. o fato de haver uma “estrutura”no par de sapatos que nos permite disting¨ir o sapato correspondente a cada p´ faz com que u e definamos uma regra de escolha que n˜o ´ arbitr´ria. podemos definir uma fun¸˜o-escolha bastante ılia ca espec´ ıfica: por exemplo.

Assim. Dr. e ılia n˜o-vazios e limitados superiormente de R. AC n˜o ´ necess´rio em nenhum dos casos. e ılia a podemos definir a seguinte fun¸˜o-escolha: ca f (x) = min(x) para todo x ∈ F Se F ´ uma fam´ infinita de subconjuntos fechados.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co A alegoria de Russell A quest˜o da existˆncia em matem´tica a e a Usos despercebidos de AC Mais exemplos de escolhas infinitas e n˜o-arbitr´rias a a Se F ´ uma fam´ infinita de subconjuntos n˜o-vazios de N. usamos fatos conhecidos das estruturas de N e de R para definir regras espec´ ıficas de escolha. podemos definir a a seguinte fun¸˜o-escolha: ca f (x) = max(x) para todo x ∈ F Nos dois exemplos acima. a e a Prof. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a .

a e a Prof. e ılia a podemos definir a seguinte fun¸˜o-escolha: ca f (x) = min(x) para todo x ∈ F Se F ´ uma fam´ infinita de subconjuntos fechados. Dr. AC n˜o ´ necess´rio em nenhum dos casos. usamos fatos conhecidos das estruturas de N e de R para definir regras espec´ ıficas de escolha.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co A alegoria de Russell A quest˜o da existˆncia em matem´tica a e a Usos despercebidos de AC Mais exemplos de escolhas infinitas e n˜o-arbitr´rias a a Se F ´ uma fam´ infinita de subconjuntos n˜o-vazios de N. e ılia n˜o-vazios e limitados superiormente de R. Assim. podemos definir a a seguinte fun¸˜o-escolha: ca f (x) = max(x) para todo x ∈ F Nos dois exemplos acima. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a .

O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co A alegoria de Russell A quest˜o da existˆncia em matem´tica a e a Usos despercebidos de AC Mais exemplos de escolhas infinitas e n˜o-arbitr´rias a a Se F ´ uma fam´ infinita de subconjuntos n˜o-vazios de N. usamos fatos conhecidos das estruturas de N e de R para definir regras espec´ ıficas de escolha. e ılia a podemos definir a seguinte fun¸˜o-escolha: ca f (x) = min(x) para todo x ∈ F Se F ´ uma fam´ infinita de subconjuntos fechados. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . podemos definir a a seguinte fun¸˜o-escolha: ca f (x) = max(x) para todo x ∈ F Nos dois exemplos acima. AC n˜o ´ necess´rio em nenhum dos casos. e ılia n˜o-vazios e limitados superiormente de R. a e a Prof. Assim. Dr.

para escolhermos exatamente uma meia de cada par.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co A alegoria de Russell A quest˜o da existˆncia em matem´tica a e a Usos despercebidos de AC E no caso da fam´ infinita de meias ? ılia AC ´ necess´rio no caso da fam´ infinita de pares de meias. Desse modo. n˜o temos (em geral) a a algum “fato estrutural”que nos permita definir uma regra espec´ ıfica de escolha para essa fam´ ılia. AC ´ necess´rio neste caso !!! a e a Da mesma forma. AC ´ e necess´rio para realizarmos uma tal escolha. se considerarmos F uma fam´ arbitr´ria e ılia a infinita de subconjuntos n˜o-vazios de R. Dr. a Prof. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . cada uma das meias ´ indistingu´ e ıvel da outra meia com a qual forma o par. e a ılia Em um par de meias. somos obrigados a fazer infinitas escolhas arbitr´rias. Neste caso.

pelo menos. sem e apresent´-lo explicitamente (e sem exibir nenhuma “maneira de a constru´ ı-lo”). Dr. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . A partir de um ponto de vista estritamente construtivista.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co A alegoria de Russell A quest˜o da existˆncia em matem´tica a e a Usos despercebidos de AC A quest˜o da existˆncia em matem´tica a e a AC ´ um axioma muito “polˆmico”. como por exemplo nas ca defini¸˜es recursivas). AC n˜o a pode ser aceito . co Prof. algum “algoritmo” para a sua constru¸˜o. devido ao seu aspecto e e “n˜o-construtivo”. a Note que AC declara a existˆncia de um determinado objeto.pois. uma declara¸˜o da ca forma “existe um determinado objeto” s´ faz sentido se tal objeto o puder ser exibido “concretamente”(ou se for exibido. para um construtivista.

” a n˜o ´ uma demonstra¸˜o construtiva.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co A alegoria de Russell A quest˜o da existˆncia em matem´tica a e a Usos despercebidos de AC A quest˜o da existˆncia em matem´tica a e a Construtivistas tamb´m se op˜em ao Princ´ do Terceiro e o ıpio Exclu´ (“Dada uma proposi¸˜o ϕ. num determinado contexto bastante espec´ ıfico. deduzimos uma contradi¸˜o. ca a co Uma demonstra¸˜o da existˆncia de um determinado objeto O que ca e use um argumento do tipo “Supondo-se que n˜o existe O. ıpio ıdo Prof. conclui-se que existe O. 1975). a ca Ent˜o. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . pode-se mostrar que AC implica o Princ´ do Terceiro Exclu´ ! (Diaconescu. a e ca ´ E interessante observarmos neste ponto que. ent˜o vale ϕ ou vale ıdo ca a a nega¸˜o de ϕ”) e `s demonstra¸˜es por absurdo. Dr.

Dr. do “dia-a-dia” da matem´tica. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a .O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co A alegoria de Russell A quest˜o da existˆncia em matem´tica a e a Usos despercebidos de AC Usos despercebidos de AC Em v´rias situa¸˜es “pr´ticas”. Em outras situa¸˜es. co Prof. quando isso na verdade n˜o ocorre ! a a Veremos a seguir alguns exemplos dessas situa¸˜es. a co a a fazemos uso de AC mesmo sem perceber. podemos achar que AC ´ necess´rio para co e a uma determinada conclus˜o.

A ⊂ M e x ∈ A. Se M ´ um espa¸o m´trico. ue Se f : R → R ´ uma fun¸˜o e xo ∈ R. ent˜o existe uma e c e a seq¨ˆncia de pontos de A que converge para x. a Prof. Dr. ent˜o X possui um subconjunto e a enumer´vel infinito. ent˜o existe uma bije¸˜o entre X e a ca e um subconjunto pr´prio de X . e somente se. o Se X ´ um conjunto infinito. a Dados conjuntos X e Y . tem-se que X Y ou Y X. e a Uma reuni˜o enumer´vel de conjuntos enumer´veis ´ a a a e enumer´vel. Q ´ enumer´vel. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . ent˜o f ´ cont´ e ca a e ınua em xo se.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co A alegoria de Russell A quest˜o da existˆncia em matem´tica a e a Usos despercebidos de AC Precisamos de AC ou n˜o para os seguintes fatos ? a Se X ´ um conjunto infinito. para toda seq¨ˆncia (xn ) tal que xn → x0 ue tem-se que f (xn ) → f (x0 ).

O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co A alegoria de Russell A quest˜o da existˆncia em matem´tica a e a Usos despercebidos de AC Precisamos de AC ou n˜o para os seguintes fatos ? a Se X ´ um conjunto infinito. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . ent˜o f ´ cont´ e ca a e ınua em xo se. ent˜o X possui um subconjunto e a enumer´vel infinito. A ⊂ M e x ∈ A. a Prof. e somente se. tem-se que X Y ou Y X. ue Se f : R → R ´ uma fun¸˜o e xo ∈ R. o Se X ´ um conjunto infinito. a Dados conjuntos X e Y . Se M ´ um espa¸o m´trico. para toda seq¨ˆncia (xn ) tal que xn → x0 ue tem-se que f (xn ) → f (x0 ). Q ´ enumer´vel. e a Uma reuni˜o enumer´vel de conjuntos enumer´veis ´ a a a e enumer´vel. ent˜o existe uma e c e a seq¨ˆncia de pontos de A que converge para x. ent˜o existe uma bije¸˜o entre X e a ca e um subconjunto pr´prio de X . Dr.

ent˜o existe uma bije¸˜o entre X e a ca e um subconjunto pr´prio de X . Se M ´ um espa¸o m´trico. Dr. ent˜o existe uma e c e a seq¨ˆncia de pontos de A que converge para x. e somente se. a Dados conjuntos X e Y . e a Uma reuni˜o enumer´vel de conjuntos enumer´veis ´ a a a e enumer´vel. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . tem-se que X Y ou Y X. o Se X ´ um conjunto infinito. ent˜o f ´ cont´ e ca a e ınua em xo se.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co A alegoria de Russell A quest˜o da existˆncia em matem´tica a e a Usos despercebidos de AC Precisamos de AC ou n˜o para os seguintes fatos ? a Se X ´ um conjunto infinito. ue Se f : R → R ´ uma fun¸˜o e xo ∈ R. ent˜o X possui um subconjunto e a enumer´vel infinito. Q ´ enumer´vel. para toda seq¨ˆncia (xn ) tal que xn → x0 ue tem-se que f (xn ) → f (x0 ). a Prof. A ⊂ M e x ∈ A.

e a Uma reuni˜o enumer´vel de conjuntos enumer´veis ´ a a a e enumer´vel. a Dados conjuntos X e Y . Dr. para toda seq¨ˆncia (xn ) tal que xn → x0 ue tem-se que f (xn ) → f (x0 ). ent˜o f ´ cont´ e ca a e ınua em xo se. tem-se que X Y ou Y X.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co A alegoria de Russell A quest˜o da existˆncia em matem´tica a e a Usos despercebidos de AC Precisamos de AC ou n˜o para os seguintes fatos ? a Se X ´ um conjunto infinito. A ⊂ M e x ∈ A. Se M ´ um espa¸o m´trico. e somente se. a Prof. ent˜o existe uma e c e a seq¨ˆncia de pontos de A que converge para x. ent˜o X possui um subconjunto e a enumer´vel infinito. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . ue Se f : R → R ´ uma fun¸˜o e xo ∈ R. Q ´ enumer´vel. o Se X ´ um conjunto infinito. ent˜o existe uma bije¸˜o entre X e a ca e um subconjunto pr´prio de X .

e a Uma reuni˜o enumer´vel de conjuntos enumer´veis ´ a a a e enumer´vel. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . ue Se f : R → R ´ uma fun¸˜o e xo ∈ R. o Se X ´ um conjunto infinito. ent˜o existe uma bije¸˜o entre X e a ca e um subconjunto pr´prio de X .O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co A alegoria de Russell A quest˜o da existˆncia em matem´tica a e a Usos despercebidos de AC Precisamos de AC ou n˜o para os seguintes fatos ? a Se X ´ um conjunto infinito. para toda seq¨ˆncia (xn ) tal que xn → x0 ue tem-se que f (xn ) → f (x0 ). ent˜o f ´ cont´ e ca a e ınua em xo se. a Prof. A ⊂ M e x ∈ A. Se M ´ um espa¸o m´trico. e somente se. Dr. tem-se que X Y ou Y X. ent˜o X possui um subconjunto e a enumer´vel infinito. Q ´ enumer´vel. a Dados conjuntos X e Y . ent˜o existe uma e c e a seq¨ˆncia de pontos de A que converge para x.

a Prof. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . Dr. ent˜o existe uma e c e a seq¨ˆncia de pontos de A que converge para x. tem-se que X Y ou Y X. Se M ´ um espa¸o m´trico. o Se X ´ um conjunto infinito. A ⊂ M e x ∈ A.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co A alegoria de Russell A quest˜o da existˆncia em matem´tica a e a Usos despercebidos de AC Precisamos de AC ou n˜o para os seguintes fatos ? a Se X ´ um conjunto infinito. a Dados conjuntos X e Y . e somente se. ent˜o existe uma bije¸˜o entre X e a ca e um subconjunto pr´prio de X . ue Se f : R → R ´ uma fun¸˜o e xo ∈ R. ent˜o X possui um subconjunto e a enumer´vel infinito. Q ´ enumer´vel. para toda seq¨ˆncia (xn ) tal que xn → x0 ue tem-se que f (xn ) → f (x0 ). ent˜o f ´ cont´ e ca a e ınua em xo se. e a Uma reuni˜o enumer´vel de conjuntos enumer´veis ´ a a a e enumer´vel.

O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co

A alegoria de Russell A quest˜o da existˆncia em matem´tica a e a Usos despercebidos de AC

Precisamos de AC ou n˜o para os seguintes fatos ? a
Se X ´ um conjunto infinito, ent˜o existe uma bije¸˜o entre X e a ca e um subconjunto pr´prio de X . o Se X ´ um conjunto infinito, ent˜o X possui um subconjunto e a enumer´vel infinito. a Dados conjuntos X e Y , tem-se que X Y ou Y X. Se M ´ um espa¸o m´trico, A ⊂ M e x ∈ A, ent˜o existe uma e c e a seq¨ˆncia de pontos de A que converge para x. ue Se f : R → R ´ uma fun¸˜o e xo ∈ R, ent˜o f ´ cont´ e ca a e ınua em xo se, e somente se, para toda seq¨ˆncia (xn ) tal que xn → x0 ue tem-se que f (xn ) → f (x0 ). Q ´ enumer´vel. e a Uma reuni˜o enumer´vel de conjuntos enumer´veis ´ a a a e enumer´vel. a
Prof. Dr. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a

O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co

A alegoria de Russell A quest˜o da existˆncia em matem´tica a e a Usos despercebidos de AC

An´lise dos fatos do slide anterior ! a
Dos sete fatos citados no slide anterior, temos que: Cinco deles dependem fortemente do Axioma da Escolha, ou de alguma “vers˜o mais fraca”do mesmo; a Um deles ´, na realidade, equivalente ao Axioma da e Escolha ! E apenas um deles n˜o necessita de AC para ser a demonstrado ! O(a) caro(a) colega que assiste esta palestra suspeita “qual ´ e qual”?

Prof. Dr. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA)

IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a

O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co

A alegoria de Russell A quest˜o da existˆncia em matem´tica a e a Usos despercebidos de AC

An´lise dos fatos do slide anterior ! a
Dos sete fatos citados no slide anterior, temos que: Cinco deles dependem fortemente do Axioma da Escolha, ou de alguma “vers˜o mais fraca”do mesmo; a Um deles ´, na realidade, equivalente ao Axioma da e Escolha ! E apenas um deles n˜o necessita de AC para ser a demonstrado ! O(a) caro(a) colega que assiste esta palestra suspeita “qual ´ e qual”?

Prof. Dr. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA)

IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a

equivalente ao Axioma da e Escolha ! E apenas um deles n˜o necessita de AC para ser a demonstrado ! O(a) caro(a) colega que assiste esta palestra suspeita “qual ´ e qual”? Prof. ou de alguma “vers˜o mais fraca”do mesmo. a Um deles ´. na realidade. temos que: Cinco deles dependem fortemente do Axioma da Escolha. Dr.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co A alegoria de Russell A quest˜o da existˆncia em matem´tica a e a Usos despercebidos de AC An´lise dos fatos do slide anterior ! a Dos sete fatos citados no slide anterior. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a .

temos que: Cinco deles dependem fortemente do Axioma da Escolha. na realidade. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . equivalente ao Axioma da e Escolha ! E apenas um deles n˜o necessita de AC para ser a demonstrado ! O(a) caro(a) colega que assiste esta palestra suspeita “qual ´ e qual”? Prof. Dr. ou de alguma “vers˜o mais fraca”do mesmo.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co A alegoria de Russell A quest˜o da existˆncia em matem´tica a e a Usos despercebidos de AC An´lise dos fatos do slide anterior ! a Dos sete fatos citados no slide anterior. a Um deles ´.

trˆs sobre propriedades de conjuntos co e infinitos. tem-se que X ca Y X ” ´ equivalente a AC. da seguinte forma: Prof. ´ a e e a A asser¸˜o “Dados conjuntos X e Y . Vamos usar estes fatos como “mote” para esta e para as demais palestras. duas sobre seq¨ˆncias em espa¸os m´tricos ue c e dependem fortemente de AC ou de alguma vers˜o mais fraca a do mesmo. e Y ou As demais asser¸˜es . Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a .O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co A alegoria de Russell A quest˜o da existˆncia em matem´tica a e a Usos despercebidos de AC An´lise dos fatos do slide anterior ! a O unico fato que n˜o depende de AC ´ “Q ´ enumer´vel”. Dr.

Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a .O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co A alegoria de Russell A quest˜o da existˆncia em matem´tica a e a Usos despercebidos de AC An´lise dos fatos do slide anterior ! a O unico fato que n˜o depende de AC ´ “Q ´ enumer´vel”. da seguinte forma: Prof. ´ a e e a A asser¸˜o “Dados conjuntos X e Y . tem-se que X ca Y X ” ´ equivalente a AC.trˆs sobre propriedades de conjuntos co e infinitos. Vamos usar estes fatos como “mote” para esta e para as demais palestras. e Y ou As demais asser¸˜es . Dr. duas sobre seq¨ˆncias em espa¸os m´tricos ue c e dependem fortemente de AC ou de alguma vers˜o mais fraca a do mesmo.

e Y ou As demais asser¸˜es .O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co A alegoria de Russell A quest˜o da existˆncia em matem´tica a e a Usos despercebidos de AC An´lise dos fatos do slide anterior ! a O unico fato que n˜o depende de AC ´ “Q ´ enumer´vel”. duas sobre seq¨ˆncias em espa¸os m´tricos ue c e dependem fortemente de AC ou de alguma vers˜o mais fraca a do mesmo. da seguinte forma: Prof. ´ a e e a A asser¸˜o “Dados conjuntos X e Y . Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . Dr.trˆs sobre propriedades de conjuntos co e infinitos. Vamos usar estes fatos como “mote” para esta e para as demais palestras. tem-se que X ca Y X ” ´ equivalente a AC.

´ a e e a A asser¸˜o “Dados conjuntos X e Y . Vamos usar estes fatos como “mote” para esta e para as demais palestras. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . tem-se que X ca Y X ” ´ equivalente a AC.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co A alegoria de Russell A quest˜o da existˆncia em matem´tica a e a Usos despercebidos de AC An´lise dos fatos do slide anterior ! a O unico fato que n˜o depende de AC ´ “Q ´ enumer´vel”. Dr. e Y ou As demais asser¸˜es . da seguinte forma: Prof.trˆs sobre propriedades de conjuntos co e infinitos. duas sobre seq¨ˆncias em espa¸os m´tricos ue c e dependem fortemente de AC ou de alguma vers˜o mais fraca a do mesmo.

O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co A alegoria de Russell A quest˜o da existˆncia em matem´tica a e a Usos despercebidos de AC Organiza¸˜o das palestras ca A influˆncia de AC no estudo de conjuntos infinitos (e dos e finitos tamb´m !) ser´ vista na terceira palestra. e a Na quarta palestra. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . veremos que certas a conseq¨ˆncias de AC podem n˜o ser verdadeiras. A ca partir da an´lise de modelos. Prof. daremos um significado espec´ ıfico para a no¸˜o de “depender fortemente do Axioma da Escolha”. Dr. se AC ue a for descartado.

veremos que certas a conseq¨ˆncias de AC podem n˜o ser verdadeiras. se AC ue a for descartado. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . A ca partir da an´lise de modelos. e a Na quarta palestra. Prof.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co A alegoria de Russell A quest˜o da existˆncia em matem´tica a e a Usos despercebidos de AC Organiza¸˜o das palestras ca A influˆncia de AC no estudo de conjuntos infinitos (e dos e finitos tamb´m !) ser´ vista na terceira palestra. daremos um significado espec´ ıfico para a no¸˜o de “depender fortemente do Axioma da Escolha”. Dr.

assim como enunciaremos algumas “equivalˆncias cl´ssicas” do mesmo. o Lema de Zorn.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co A alegoria de Russell A quest˜o da existˆncia em matem´tica a e a Usos despercebidos de AC Organiza¸˜o das palestras ca No restante da palestra de hoje. daremos algum destaque aos e a chamados Princ´ ıpios Maximais. Dentre essas e a equivalˆncias cl´ssicas. c e a Prof. veremos algumas vers˜es o mais fracas de AC. do qual o mais famoso ´. u Com rela¸˜o `s tais “vers˜es mais fracas de AC”. Dr. veremos ca a o ainda hoje que a restri¸˜o de AC a fam´ ca ılias enumer´veis de a conjuntos n˜o-vazios j´ ´ capaz de garantir as tradicionais a ae “caracteriza¸˜es por seq¨ˆncias”que aparecem no estudo de co ue espa¸os m´tricos e na An´lise Real. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . e sem d´vida.

assim como enunciaremos algumas “equivalˆncias cl´ssicas” do mesmo. u Com rela¸˜o `s tais “vers˜es mais fracas de AC”. veremos ca a o ainda hoje que a restri¸˜o de AC a fam´ ca ılias enumer´veis de a conjuntos n˜o-vazios j´ ´ capaz de garantir as tradicionais a ae “caracteriza¸˜es por seq¨ˆncias”que aparecem no estudo de co ue espa¸os m´tricos e na An´lise Real. Dentre essas e a equivalˆncias cl´ssicas. daremos algum destaque aos e a chamados Princ´ ıpios Maximais. e sem d´vida. veremos algumas vers˜es o mais fracas de AC. o Lema de Zorn. c e a Prof. do qual o mais famoso ´. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . Dr.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co A alegoria de Russell A quest˜o da existˆncia em matem´tica a e a Usos despercebidos de AC Organiza¸˜o das palestras ca No restante da palestra de hoje.

Dr. e a a Princ´ ıpios Maximais Equivalˆncias de AC e Na segunda palestra. de Zermelo (AC) Toda fam´ de conjuntos n˜o-vazios possui uma fun¸˜o-escolha.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co WO. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . etc. Prof. ZL e TT Equivalˆncias de AC em ´lgebra. de Zermelo (WO) Todo conjunto pode ser bem ordenado. apresentaremos as demonstra¸˜es para as co equivalˆncias entre as seguintes asser¸˜es: e co O Axioma da Escolha. ılia a ca O Teorema da Boa Ordem. an´lise.

Dr. uma ordem parcial n˜o-vazia (i. Se a toda cadeia em P possui um limitante superior..O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co WO. an´lise. com P = ∅). ent˜o P possui um a elemento maximal. e a a Princ´ ıpios Maximais Equivalˆncias de AC e O Lema de Kuratowski-Zorn (ZL) Seja P.e. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . ZL e TT Equivalˆncias de AC em ´lgebra. etc. e Prof. O Teorema de Tychonoff (TT) O espa¸o-produto (de Tychonoff) de espa¸os compactos c c ´ compacto.

e a a Princ´ ıpios Maximais WO e ZL WO e ZL s˜o considerados “equivalˆncias cl´ssicas” de AC. a O mesmo n˜o ocorre com WO. mesmo com seu car´ter a n˜o-construtivo.. etc. ´ E muito interessante observar que. AC ´ considerado por considerado por muitos a e matem´ticos como “intuitivamente verdadeiro”. a Prof. Dr. an´lise.. ZL e TT Equivalˆncias de AC em ´lgebra. e a e a talvez as mais conhecidas.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co WO. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a .

an´lise. a afirma¸˜o “R pode ser a ca bem-ordenado” n˜o soa “intuitivamente razo´vel”. e o Princ´ da Boa e ıpio Ordem ´ obviamente falso. entre essas trˆs c a e asser¸˜es. que diz o seguinte: a O Axioma da Escolha ´ obviamente verdadeiro. elas s˜o matematicamente equivalentes ! co a Prof. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . devida a Jerry Bona. E quem pode dizer alguma coisa sobre e o Lema de Zorn ? Apesar dessa diferen¸a de “car´ter intuitivo”. a a J´ ZL n˜o ´ nada intuitivo ! Existe uma famosa piada a a e matem´tica. Dr. e a a Princ´ ıpios Maximais Como encaramos essas equivalˆncias ? e Para muitos matem´ticos.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co WO. ZL e TT Equivalˆncias de AC em ´lgebra. etc.

e a a J´ TT ´ um exemplo interessante do seguinte fenˆmeno: a e o Em v´rias ´reas da matem´tica.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co WO. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . e a a Princ´ ıpios Maximais Equivalˆncias de AC em ´lgebra. an´lise. s˜o tamb´m resultados que possuem “for¸a” o ca a e c suficiente para demonstrar AC !!! Vamos destacar alguns desses resultados poderosos – equivalˆncias e do Axioma da Escolha em ´lgebra. Dr. al´m de serem reconhecidos como “conseq¨ˆncias do e ue Axioma da Escolha” (no sentido de necessitarem de AC para a sua demonstra¸˜o). ZL e TT Equivalˆncias de AC em ´lgebra. existem resultados muito poderoa a a sos os quais. etc. an´lise e l´gica. an´lise. Os cr´ditos se a a o e referem ao autor da demonstra¸˜o de equivalˆncia com AC. ca e Prof. etc.

Prof. etc. Existˆncia de ideais maximais em an´is comutativos com unidade e e (Hodges 1979) Todo anel comutativo com unidade possui um ideal maximal. e a a Princ´ ıpios Maximais Equivalˆncias de AC e Existˆncia de bases para espa¸os vetoriais e c (Blass 1984) Todo espa¸o vetorial possui uma base. an´lise. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . Dr. Felgner 1976) Todo grupo possui um subgrupo abeliano maximal. ZL e TT Equivalˆncias de AC em ´lgebra.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co WO. c Existˆncia de subgrupos abelianos maximais e (Klimovsky 1962.

e a a Princ´ ıpios Maximais Equivalˆncias de AC e Teorema de Lowenheim-Skolem “para baixo” (Vaught 1956. AC !!! Prof. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . estamos utilizando. an´lise.e. Tarski 1957) Se uma teoria possui um modelo de tamanho infinito κ ent˜o ela a possui modelos de tamanho µ para todo µ satisfazendo ℵ0 µ κ.. um ponto que n˜o est´ no interior a a de qualquer segmento contido em B). Dr. Observamos que.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co WO. Vers˜o do Teorema de Krein-Milman a (Bell. Fremlin 1972) A bola unit´ria B do dual de qualquer espa¸o linear normado sobre a c R possui um ponto extremo (i. etc. implicitamente. ZL e TT Equivalˆncias de AC em ´lgebra. quando utilizamos qualquer um desses resultados poderosos.

Sierpi´ski e Hausdorff. dentre os quais o mais conhecido ´ ZL. Dr. em co e resultados de ´lgebra e de an´lise. ZL e TT Equivalˆncias de AC em ´lgebra.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co WO. o Lema de e Zorn (tamb´m chamado de Lema de Kuratowski-Zorn). Praticamente todo livro de a a ´lgebra linear demonstra o teorema “Todo espa¸o vetorial possui a c uma base” usando o Lema de Zorn. etc. Prof. e Os princ´ ıpios maximais foram imediatamente reconhecidos como ferramentas poderosas em demonstra¸˜es de existˆncia. a chamada “escola e polonesa”de Kuratowski. n introduziu v´rios princ´ a ıpios hoje conhecidos como “princ´ ıpios maximais”. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . an´lise. e a a Princ´ ıpios Maximais Princ´ ıpios Maximais Nos primeiros 30 anos do s´culo XX. entre outros.

na literatura.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co WO. os princ´ ıpios maximais substituem argumentos de indu¸˜o transfinita (que podem ser utilizados sobre qualquer ca conjunto. se assumirmos WO – o que equivale a assumir AC !). ZL e TT Equivalˆncias de AC em ´lgebra. etc. que um resultado muito importante da teoria e dos espa¸os m´tricos – “Todo espa¸o m´trico ´ paracompacto” – c e c e e costuma ter. por´m. e a a Princ´ ıpios Maximais Princ´ ıpios Maximais De certo modo. sua demonstra¸˜o realizada por indu¸˜o ca ca transfinita. an´lise. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . Prof. Devido ao certo “mal-estar”que o Teorema da Boa Ordem causa em muitos matem´ticos. a a ue a a Observamos. provas baseadas em indu¸˜o transfinita a ca n˜o s˜o feitas com freq¨ˆncia em muitas ´reas da matem´tica. Dr.

ZL e TT Equivalˆncias de AC em ´lgebra. a Vers˜o do Lema de Zorn a Se A. R ´ uma ordem parcial n˜o-vazia na qual toda cadeia admite e a supremo.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co WO. ent˜o A. R possui um elemento maximal. a Prof. R possui um elemento maximal. e a a Princ´ ıpios Maximais Princ´ ıpios Maximais Vamos agora enunciar alguns Princ´ ıpios Maximais. an´lise. etc. Lema de Zorn Se A. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . ent˜o A. Dr. R ´ uma ordem parcial n˜o-vazia na qual toda cadeia admite e a limitante superior. todos equivalentes a AC.

precisamos ´ ıpio da seguinte defini¸˜o: ca Def. a e E. para o ultimo princ´ maximal que apresentaremos.: Seja A um conjunto. ılia a X ∈ F ⇐⇒ Todo subconjunto finito de X pertence a F. Uma fam´ F de subconjuntos de A ´ ılia e dita uma fam´ de car´ter finito se.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co WO. dado X ⊂ A qualquer. ZL e TT Equivalˆncias de AC em ´lgebra. Dr. Prof. etc. a Vers˜o do Princ´ Maximal de Hausdorff a ıpio Toda ordem parcial n˜o-vazia cont´m alguma cadeia maximal. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . an´lise. e a a Princ´ ıpios Maximais Princ´ ıpios Maximais Princ´ Maximal de Hausdorff ıpio Toda cadeia de uma ordem parcial n˜o-vazia est´ contida em uma a a cadeia maximal (no sentido da inclus˜o).

ent˜o F possui um elemento maximal. uma fam´ de car´ter finito ! e ca ılia a Prof. an´lise. por defini¸˜o. Dr. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a .i. de um espa¸o vetorial ılia c ´. e Observamos que o teorema “Todo espa¸o vetorial tem base” pode c ser elegantemente demonstrado usando Teichm¨ller-Tukey: basta u observar que a fam´ dos subconjuntos l. ent˜o para todo X ∈ F existe Y ∈ F al que a a X ⊂ Y e Y ´ maximal em F. a a Vers˜o do Lema de Teichm¨ller-Tukey a u Se A ´ um conjunto e F ´ uma fam´ n˜o-vazia de subconjuntos e e ılia a de A de car´ter finito.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co WO. ZL e TT Equivalˆncias de AC em ´lgebra. etc. e a a Princ´ ıpios Maximais Princ´ ıpios Maximais Lema de Teichm¨ller-Tukey u Se A ´ um conjunto e F ´ uma fam´ n˜o-vazia de subconjuntos e e ılia a de A de car´ter finito.

Dr. (Costuma-se utilizar a linguagem de “pontos fixos”em tais demonstra¸˜es) co Prof. No entanto. evitando o uso da linguagem de e boas ordens. etc. e a a Princ´ ıpios Maximais Princ´ ıpios Maximais Todos os princ´ ıpios maximais que citamos s˜o equivalentes ao a Lema de Zorn. a ca e demonstra¸˜o a ser apresentada (na segunda palestra) da ca implica¸˜o contr´ria tem o Teorema da Boa Ordem ca a “ensanduichado”: AC ⇒ WO ⇒ ZL. ZL e TT Equivalˆncias de AC em ´lgebra. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . Mas.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co WO. o que pode ser checado sem grandes dificuldades: basta saber “manusear” convenientemente ordens parciais. A demonstra¸˜o de ZL ⇒ AC ´ simples. an´lise. ´ perfeitamente poss´ demonstrar ZL a partir de AC com e ıvel argumentos puramente alg´bricos.

claramente.e. Prof. a ue a a Enunciados que s˜o. a s˜o conseq¨ˆncias de AC mas n˜o s˜o equivalentes a AC).. Dr. “restri¸˜es de AC” (no a co sentido de serem casos particulares). Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a .O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co O Teorema do Ultrafiltro e oTeorema do Ideal Booleano Primo O Princ´ das Escolhas Dependentes e oAxioma da Escolha Enu ıpio Vers˜es mais fracas de AC o Existem determinados princ´ ıpios (de escolha ou de maximalidade) que s˜o reconhecidos como “vers˜es mais fracas de AC”. a o Vamos destacar dois tipos de vers˜es mais fracas: o Enunciados que s˜o “estritamente mais fracos que AC” (i.

Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a .. a e a ent˜o “de certo modo” n˜o estamos perdendo generalidade. a Com o objetivo de facilitar o entendimento e poupar tempo. ter´ ıamos que dedicar algum tempo ao estudo de filtros e ideais numa ´lgebra de Boole. Assumindo uma certa vers˜o mais fraca de AC.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co O Teorema do Ultrafiltro e oTeorema do Ideal Booleano Primo O Princ´ das Escolhas Dependentes e oAxioma da Escolha Enu ıpio Enunciados estritamente mais fracos que AC Para enunciar e discutir com mais propriedade o Teorema do Ultrafiltro (UT) e o Teorema do Ideal Booleano Primo (BPI). intersec¸˜o e a co a a ca o complemento). vamos dar as defini¸˜es apenas para o caso particular em que a ´lgebra de co a Boole ´ uma ´lgebra de conjuntos (i.e. a toda ´lgebra de Boole ´ isomorfa a uma ´lgebra de conjuntos. Dr. a a Prof. e as opera¸˜es booleanas s˜o a uni˜o. a ordem booleana ´ dada e a e pela inclus˜o.

O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co O Teorema do Ultrafiltro e oTeorema do Ideal Booleano Primo O Princ´ das Escolhas Dependentes e oAxioma da Escolha Enu ıpio Ideais e filtros Ideais Se A ´ uma ´lgebra de subconjuntos de um conjunto n˜o-vazio X . 1]). a sob algum determinado crit´rio razo´vel. e a a um subconjunto I de A ´ dito um ideal se e ∅ ∈ I. Prof. ent˜o a fam´ dos conjuntos de medida nula forma um a ılia ideal. ent˜o A ∪ B ∈ I a Se A ∈ I e B ∈ A ´ tal que B ⊂ A. 1]) (de todos os subconjuntos de e a [0. ideais s˜o compostos por conjuntos “pequenos”. Dr. X ∈ I / Se A. e a Exemplo: Se A ´ a ´lgebra P([0. ent˜o B ∈ I e a Intuitivamente. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . B ∈ I.

e reciprocamente ! Prof. ent˜o B ∈ F e a Trabalhando rotineiramente com “passagens ao complementar”. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . ent˜o A ∩ B ∈ F a Se A ∈ F e B ∈ A ´ tal que A ⊂ B. X ∈ F / Se A.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co O Teorema do Ultrafiltro e oTeorema do Ideal Booleano Primo O Princ´ das Escolhas Dependentes e oAxioma da Escolha Enu ıpio Ideais e filtros Filtros Se A ´ uma ´lgebra de subconjuntos de um conjunto n˜o-vazio X . podemos ver que os complementares dos elementos de um ideal formam um filtro. e a a um subconjunto F de A ´ dito um filtro se e ∅ ∈ F. Dr. B ∈ F.

O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co O Teorema do Ultrafiltro e oTeorema do Ideal Booleano Primo O Princ´ das Escolhas Dependentes e oAxioma da Escolha Enu ıpio Ideais e filtros Logo. Dado um filtro U ⊂ A. ent˜o a fam´ dos e a a ılia conjuntos de medida total forma um filtro. entendendo (sempre dentro de um crit´rio razo´vel) que os e a conjuntos “grandes” s˜o os complementares dos conjuntos a “pequenos”. a Exemplo: Se A ´ a ´lgebra P([0. Dr. ou A ∈ U ou −A ∈ U. os filtros s˜o formados por conjuntos “grandes”. temos que U ´ ultrafiltro ⇐⇒ Dado A ∈ A. 1]). Um filtro que seja maximal no sentido da inclus˜o ´ chamado de a e ultrafiltro. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . e Prof.

Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . Atualmente. a vers˜o mais citada ´ BPI. considerando essas duas a proposi¸˜es equivalentes. de “Lema do Ultrafiltro”) e a Todo filtro numa ´lgebra de Boole pode ser estendido a a um ultrafiltro. Dr. a e UT e BPI s˜o proposi¸˜es equivalentes (basta trabalhar a co convenientemente com passagens ao complementar e com quocientes de ´lgebras). co a e Prof.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co O Teorema do Ultrafiltro e oTeorema do Ideal Booleano Primo O Princ´ das Escolhas Dependentes e oAxioma da Escolha Enu ıpio UT e BPI O Teorema do Ultrafiltro (UT) (tamb´m chamado. `s vezes. O Teorema do Ideal Booleano Primo (BPI) Toda ´lgebra de Boole cont´m um ideal maximal.

BPI tamb´m tem algumas equivalˆncias interessantes. ca Deixamos essa demonstra¸˜o como exerc´ !!! ca ıcio No entanto. a Logo.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co O Teorema do Ultrafiltro e oTeorema do Ideal Booleano Primo O Princ´ das Escolhas Dependentes e oAxioma da Escolha Enu ıpio UT e BPI BPI segue de AC. Prof. Halpern e L´vy demonstraram (em 1967) que BPI e n˜o implica AC (voltaremos a isto na quarta palestra). como e e veremos a seguir. Dr. a partir de uma aplica¸˜o rotineira de ZL. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . podemos dizer que BPI ´ um princ´ maximal e ıpio estritamente mais fraco que AC.

Dr. e Teorema da Compacidade para L´gicas de 1a. a Teorema de Alaoglu A bola unit´ria B do dual de qualquer espa¸o normado sobre os reais a c ´ compacta na topologia fraca-*. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . e Prof.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co O Teorema do Ultrafiltro e oTeorema do Ideal Booleano Primo O Princ´ das Escolhas Dependentes e oAxioma da Escolha Enu ıpio Equivalˆncias de BPI e Teorema de Tychonoff para espa¸os compactos Hausdorff c O espa¸o-produto (de Tychonoff) de espa¸os compactos Hausdorff c c ´ compacto. Ordem o Se Σ ´ um conjunto de f´rmulas que ´ tal que todo subconjunto e o e finito de Σ possui modelo. ent˜o Σ possui modelo.

. a a e A constru¸˜o que usa BPI ´ devida a Sierpi´ski (1938) e n˜o ´ ca e n a e “muito comentada”. s˜o a a conseq¨ˆncias de BPI que n˜o s˜o equivalentes a BPI) e s˜o ue a a a centrais em An´lise: a O Teorema de Hahn-Banach. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a .. a existˆncia de subconjuntos n˜o-mensur´veis de R. Prof.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co O Teorema do Ultrafiltro e oTeorema do Ideal Booleano Primo O Princ´ das Escolhas Dependentes e oAxioma da Escolha Enu ıpio Conseq¨ˆncias de BPI ue Os seguintes resultados s˜o “mais fracos que BPI” (i. Dr.e.. e a a Observa¸˜o: A constru¸˜o mais “popular” de um subconjunto ca ca n˜o-mensur´vel da reta ´ devida a Vitali (1905) e segue de AC.

os conjuntos n˜o-mensur´veis s˜o constru´ a a a ıdos de modo n˜o-construtivo !!! a Note que. o a Ou seja.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co O Teorema do Ultrafiltro e oTeorema do Ideal Booleano Primo O Princ´ das Escolhas Dependentes e oAxioma da Escolha Enu ıpio Conseq¨ˆncias de BPI ue De todo modo. Dr. a o proposi¸˜o BPI ´. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . mesmo sendo uma hip´tese mais fraca que AC. mas nunca poderemos “exibi-lo” concretamente. veremos nas demais palestras que “a existˆncia de e subconjuntos n˜o-mensur´veis da reta necessita de alguma a a hip´tese n˜o-construtiva”. ainda. n˜o-construtiva: assumimos a existˆncia ca e a e de um ideal maximal (ou de um ultrafiltro). Prof.

destacam-se: o O Axioma da Escolha Enumer´vel (ACω ) a Toda fam´ enumer´vel de conjuntos n˜o-vazios ılia a a admite uma fun¸˜o-escolha.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co O Teorema do Ultrafiltro e oTeorema do Ideal Booleano Primo O Princ´ das Escolhas Dependentes e oAxioma da Escolha Enu ıpio Vers˜es restritas de AC: DC e ACω o Em algumas situa¸˜es (principalmente envolvendo n´meros reais. co u ou mesmo espa¸os m´tricos) n˜o precisamos de “toda a for¸a” do c e a c Axioma da Escolha: basta trabalharmos com algumas vers˜es mais o fracas (“restritas”). ent˜o existe uma fun¸˜o a ca f : N → A tal que f (n + 1) R f (n) para todo n ∈ N. ca O Princ´ das Escolhas Dependentes (DC) ıpio Se R ´ uma rela¸˜o sobre um conjunto n˜o-vazio A tal que para e ca a todo x ∈ A existe y ∈ A tal que y R x. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . Dr. Prof. Dentre essas vers˜es mais fracas.

ıpio que a teoria ZF + DC poderia ser considerada como uma “primeira aproxima¸˜o” do que seria uma matem´tica construtiva.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co O Teorema do Ultrafiltro e oTeorema do Ideal Booleano Primo O Princ´ das Escolhas Dependentes e oAxioma da Escolha Enu ıpio Vers˜es restritas de AC: DC e ACω o ACω ´ claramente uma vers˜o restrita do Axioma da Escolha.ou ainda.o que ´ um argumento muito freq¨ente a e u em an´lise. como todos n´s sabemos ! a o Devido ao seu aspecto de “limite no infinito de escolhas consecutivas”. Dr. DC ´ considerado por alguns matem´ticos como e a sendo um princ´ “bem mais construtivo” que AC . Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . a a J´ DC pode ser encarado como “o fragmento de AC que nos a permite fazer um n´mero enumer´vel infinito de escolhas u a arbitr´rias consecutivas” . ca a Prof. pois e a estamos exigindo a existˆncia de fun¸˜o escolha apenas para e ca fam´ ılias enumer´veis de conjuntos n˜o-vazios.

O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co O Teorema do Ultrafiltro e oTeorema do Ideal Booleano Primo O Princ´ das Escolhas Dependentes e oAxioma da Escolha Enu ıpio Vers˜es restritas de AC: DC e ACω o Em termos de “for¸a relativa” entre esses princ´ c ıpios de escolha. Exerc´ ıcio: Mostre que DC ⇒ ACω . valem as seguintes implica¸˜es (sendo que nenhuma delas pode ser co revertida): AC ⇒ DC ⇒ ACω A prova de AC ⇒ DC usa a seguinte vers˜o de AC. Dr. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . Prof. al´m de a e recurs˜o finita: a Vers˜o do Axioma da Escolha a Toda rela¸˜o cont´m uma fun¸˜o de mesmo dom´ ca e ca ınio.

n ) ∩ A ´ n˜o-vazio.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co O Teorema do Ultrafiltro e oTeorema do Ideal Booleano Primo O Princ´ das Escolhas Dependentes e oAxioma da Escolha Enu ıpio Aplica¸˜es de ACω em an´lise e topologia co a Os seguintes fatos podem ser demonstrados usando ACω : Se M ´ um espa¸o m´trico. ent˜o para cada n 1 tem-se que o conjunto a 1 Xn = B(x. A ⊂ M e x ∈ A. Dr. ue Dem. ent˜o existe uma e c e a seq¨ˆncia de pontos de A que converge para x.: Se x ∈ A. Aplicando ACω na fam´ e a ılia enumer´vel de conjuntos n˜o-vazios {Xn : n 1} podemos a a escolher um elemento xn ∈ Xn para todo n 1 e a seq¨ˆncia assim ue obtida ´ uma seq¨ˆncia de elementos de A que converge para x. e ue Prof. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a .

ent˜o f ´ cont´ e ca a e ınua em xo se. vamos fazer a prova por ıpio contraposi¸˜o. ent˜o existe um ε > 0 tal que para a todo δ > 0 existe algum x ∈ R com |x − x0 | < δ e |f (x) − f (x0 )| ε. Dem. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . Para o “se”. ca Se f n˜o ´ cont´ a e ınua em x0 .: A parte “s´ se”´ imediata e n˜o precisa de nenhum o e a princ´ de escolha.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co O Teorema do Ultrafiltro e oTeorema do Ideal Booleano Primo O Princ´ das Escolhas Dependentes e oAxioma da Escolha Enu ıpio Aplica¸˜es de ACω em an´lise e topologia co a Se f : R → R ´ uma fun¸˜o e xo ∈ R. Prof. para toda seq¨ˆncia (xn ) tal que xn → x0 tem-se que ue f (xn ) → f (x0 ). e somente se. Dr.

ue ıda e Perceba o colega que. Dr. podemos considerar a fam´ ılia enumer´vel de conjuntos n˜o-vazios {Xn : n 1} onde cada Xn ´ a a e dado por Xn = {x ∈ R : |x − x0 | < 1 n e |f (x) − f (x0 )| ε} Usando ACω . nos dois exemplos de aplica¸˜es de ACω . Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . escolhemos xn ∈ Xn para cada n 1 e temos que a seq¨ˆncia assim constru´ ´ tal que xn → x0 mas f (xn ) → f (x0 ).O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co O Teorema do Ultrafiltro e oTeorema do Ideal Booleano Primo O Princ´ das Escolhas Dependentes e oAxioma da Escolha Enu ıpio Aplica¸˜es de ACω em an´lise e topologia co a 1 Trabalhando com os δ’s da forma n . pois conhec´ o ıamos de antem˜o uma certa fam´ enumer´vel a ılia a de n˜o-vazios {Xn : n 1}. a Prof. co pudemos construir uma seq¨ˆncia escolhendo “todos os xn de uma ue vez s´” .

. x2 . Dr. a Um exemplo cl´ssico de argumento no qual ´ necess´rio um a e a n´mero enumer´vel de escolhas consecutivas arbitr´rias ´ o u a a e Teorema de Baire para espa¸os m´tricos completos. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . A a e demonstra¸˜o se baseia na constru¸˜o de uma seq¨ˆncia de ca ca ue abertos {Wn : n 1} – mas de modo que no momento de construirmos Wn+1 precisamos usar Wn !!! Prof. . . temos que saber “quem s˜o” os elementos x1 . xn−1 .O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co O Teorema do Ultrafiltro e oTeorema do Ideal Booleano Primo O Princ´ das Escolhas Dependentes e oAxioma da Escolha Enu ıpio Escolhas consecutivas e arbitr´rias em an´lise a a J´ DC ´ utilizado quando as enumer´veis escolhas n˜o podem ser a e a a feitas “todas de uma vez s´” e sim de modo “dependente” . o qual c e afirma que “em espa¸os m´tricos completos. a intersec¸˜o c e ca enumer´vel de abertos densos ´ um conjunto denso”. . no momento de se escolher xn .no o sentido de que.

Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . u a a Prof.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co O Teorema do Ultrafiltro e oTeorema do Ideal Booleano Primo O Princ´ das Escolhas Dependentes e oAxioma da Escolha Enu ıpio Escolhas consecutivas arbitr´rias em an´lise a a Na verdade. Dr. ıpio Com isso. podem ser obtidos modelos da matem´tica nos quais os a resultados que exibimos sobre seq¨ˆncias em espa¸os m´tricos e ue c e nos n´meros reais n˜o s˜o mais verdadeiros. fica clara a importˆncia de DC para a an´lise !!! a a Veremos na quarta palestra que.Blair. podemos dizer mais ainda: Teorema . 1979 O Teorema de Baire para espa¸os m´tricos completos ´ equivalente c e e ao Princ´ das Escolhas Dependentes. descartando-se princ´ ıpios de escolha.

´ importante para o matem´tico saber se o teorema e a que ele acabou de demonstrar usou AC ou n˜o ? a Antes de mais nada. mas citado em qualquer a sala de caf´ e repetido pelos professores aos seus orientadores e desde sempre): “n˜o se deve usar um canh˜o para matar um a a mosquito”. Prof.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co ´ E importante sabermos se estamos usando AC ou n˜o ? a Um resumo das id´ias de hoje e E ´ importante sabermos se estamos usando AC ou n˜o ? e a Podemos nos perguntar agora: Um matem´tico que n˜o seja pesquisador da Teoria dos Conjuntos a a precisa se preocupar tanto com o Axioma da Escolha ? Em particular. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . n˜o podemos esquecer do seguinte princ´ a ıpio geral entre os matem´ticos (nunca escrito. Dr.

a e Al´m disso. em geral. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a ..O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co ´ E importante sabermos se estamos usando AC ou n˜o ? a Um resumo das id´ias de hoje e ´ E importante sabermos se estamos usando AC ou n˜o ? a Agora falando mais seriamente: Demonstra¸˜es que n˜o usam o Axioma da Escolha tendem a ser co a bastante reconhecidas no meio matem´tico. no sentido de serem v´lidos a a a em ZF e n˜o despertarem nenhuma polˆmica com os construtivistas. a Prof. se tivermos certeza da necessidade de AC em um e determinado resultado . a imaginativas. criativas e construtivas !!! Al´m disso.. ent˜o saberemos ser imposs´ “exibir a ıvel concretamente” determinados objetos (cuja existˆncia garantimos e por AC). Dr. por serem. E tamb´m n˜o “perderemos tempo” tentando provar o e a resultado sem AC. se este for realmente necess´rio. teoremas que e n˜o precisam de AC s˜o “mais gerais”.

Prof. c a Algumas vezes usamos AC sem perceber. e pode ser encarado como e a um “indicador de n˜o-construtividade” . Alguns resultados poderosos da matem´tica s˜o equivalˆncias a a e do Axioma da Escolha. bases de espa¸os vetoriais de dimens˜o infinita.no sentido de que a se for estritamente necess´rio o uso do Axioma da Escolha a para garantir a existˆncia de um determinado objeto. Dr. Em outras.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co ´ E importante sabermos se estamos usando AC ou n˜o ? a Um resumo das id´ias de hoje e Um resumo das id´ias de hoje e AC ´ um axioma n˜o-construtivo. ent˜o e a esse objeto n˜o pode ser “exibido de maneira expl´ a ıcita”. pensamos que precisamos de AC quando na verdade n˜o a precisamos. Outros necessitam fortemente de AC para serem estabelecidos. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . Por exemplo.

pensamos que precisamos de AC quando na verdade n˜o a precisamos. Prof.no sentido de que a se for estritamente necess´rio o uso do Axioma da Escolha a para garantir a existˆncia de um determinado objeto. ent˜o e a esse objeto n˜o pode ser “exibido de maneira expl´ a ıcita”. Outros necessitam fortemente de AC para serem estabelecidos. Por exemplo. e pode ser encarado como e a um “indicador de n˜o-construtividade” . Em outras. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . Alguns resultados poderosos da matem´tica s˜o equivalˆncias a a e do Axioma da Escolha. c a Algumas vezes usamos AC sem perceber. Dr. bases de espa¸os vetoriais de dimens˜o infinita.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co ´ E importante sabermos se estamos usando AC ou n˜o ? a Um resumo das id´ias de hoje e Um resumo das id´ias de hoje e AC ´ um axioma n˜o-construtivo.

no sentido de que a se for estritamente necess´rio o uso do Axioma da Escolha a para garantir a existˆncia de um determinado objeto. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . Alguns resultados poderosos da matem´tica s˜o equivalˆncias a a e do Axioma da Escolha.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co ´ E importante sabermos se estamos usando AC ou n˜o ? a Um resumo das id´ias de hoje e Um resumo das id´ias de hoje e AC ´ um axioma n˜o-construtivo. Outros necessitam fortemente de AC para serem estabelecidos. Prof. Em outras. Dr. c a Algumas vezes usamos AC sem perceber. bases de espa¸os vetoriais de dimens˜o infinita. pensamos que precisamos de AC quando na verdade n˜o a precisamos. Por exemplo. ent˜o e a esse objeto n˜o pode ser “exibido de maneira expl´ a ıcita”. e pode ser encarado como e a um “indicador de n˜o-construtividade” .

e e ıvel De fato. nem sempre ´ poss´ descartar AC. Dr.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co ´ E importante sabermos se estamos usando AC ou n˜o ? a Um resumo das id´ias de hoje e Um resumo das id´ias de hoje e ´ E interessante para o matem´tico saber se o teorema que ele a provou usou AC ou n˜o. se descart´ssemos AC por completo ent˜o a a a matem´tica mudaria drasticamente .e esse ser´ o princ´ a a ıpal assunto da quarta palestra !!! Prof. Demonstra¸˜es que n˜o usem o a co a Axioma da Escolha tendem a ser bastante reconhecidas ! Por´m. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a .

Dr. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . Demonstra¸˜es que n˜o usem o a co a Axioma da Escolha tendem a ser bastante reconhecidas ! Por´m. nem sempre ´ poss´ descartar AC.O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co ´ E importante sabermos se estamos usando AC ou n˜o ? a Um resumo das id´ias de hoje e Um resumo das id´ias de hoje e ´ E interessante para o matem´tico saber se o teorema que ele a provou usou AC ou n˜o. e e ıvel De fato. se descart´ssemos AC por completo ent˜o a a a matem´tica mudaria drasticamente .e esse ser´ o princ´ a a ıpal assunto da quarta palestra !!! Prof.

Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . muda c a alguma coisa ? Prof. Dr. Ent˜o vale que a (xn ) ´ convergente ⇐⇒ A seq¨ˆncia i [(xn )] converge no espa¸o e ue c Xi para todo i ∈ I Alguma das implica¸˜es “⇒”. “⇐” necessita de AC para ser co demonstrada ? Qual delas ? E se supusermos que todos os espa¸os s˜o de Hausdorff. Seja (xn ) uma seq¨ˆncia no ue i∈I espa¸o-produto c i∈I Xi .O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co ´ E importante sabermos se estamos usando AC ou n˜o ? a Um resumo das id´ias de hoje e Um ultimo exerc´ !!! ´ ıcio Considere o seguinte Fato b´sico de topologia a Considere {Xi : i ∈ I } uma fam´ de espa¸os topol´gicos e seja ılia c o Xi o seu produto (de Tychonoff).

O que diz o Axioma da Escolha ? Quando precisamos do Axioma da Escolha ? Equivalˆncias de AC e Vers˜es mais fracas de AC o Considera¸˜es finais co ´ E importante sabermos se estamos usando AC ou n˜o ? a Um resumo das id´ias de hoje e Muito grato pela aten¸˜o ! ca Agrade¸o a todos pela aten¸˜o e espero vˆ-los no restante do minic ca e curso sobre o Axioma da Escolha. Prof. Samuel Gomes da Silva (IM – UFBA) IV Bienal SBM – Sociedade Brasileira de Matem´tica a . Dr. Algumas referˆncias bibliogr´ficas (“as mais importantes”) ser˜o e a a dadas ao final do minicurso.