June 17, 2007 - 12:00

O Brasil do dia seguinte
PROFESSORA DA UNIVERSIDADE de São Paulo, a ginecologista Albertina Duarte Takiuti notou, em seu consultório, o crescente número de ...
Folha de S. Paulo GILBERTO DIMENSTEIN Jovens que apostam em carreira e estudos já vêm com anticoncepcional na cabeça. Temos aí o Brasil do amanhã PROFESSORA DA UNIVERSIDADE de São Paulo, a ginecologista Albertina Duarte Takiuti notou, em seu consultório, o crescente número de adolescentes que usavam a chamada pílula do dia seguinte para evitar a gravidez. A amostra era, porém, tendenciosa: suas pacientes particulares são de famílias de maior poder aquisitivo. Surpreendeu-se, então, ao pesquisar como esse medicamento, composto de uma altíssima dose de hormônio (equivalente a 12 pílulas anticoncepcionais), vem sendo consumido entre as mais pobres. Numa pesquisa ainda inédita, foram entrevistadas 120 jovens com vida sexual ativa, todas de baixa renda: 95% delas conheciam a pílula do dia seguinte e 36% já a usavam regularmente, número bem superior aos 20% registrados em estudo semelhante realizado em 2004. 'Estamos no caminho de transformar esse recurso em algo rotineiro', aposta Albertina Duarte, criadora da Casa do Adolescente, um dos mais importantes programas médicos brasileiros, reconhecido mundialmente, de educação sexual para jovens de 10 a 19 anos. Sua visão baseia-se no fato de que os governos federal e estadual decidiram aumentar a distribuição dessa pílula nas redes de saúde, como último recurso antes do aborto. Dependendo do ângulo em que se veja -evitar a gravidez precoce e, conseqüentemente, o aborto-, é uma boa notícia. Por outro lado, revela que muitas adolescentes estão transando sem camisinha, o que é um fato preocupante. A imensa maioria dos brasileiros pode até suspeitar, mas não conhece o tamanho da tragédia da falta de planejamento familiar -e, daí, a importância da pílula do dia seguinte. De acordo com os últimos dados oficiais disponíveis (2004), a cada hora, três meninas de idades entre 10 e 14 anos se tornam mães. Se elevarmos essa faixa etária até os 19 anos, há o registro de uma nova mãe adolescente por minuto. Repito: minuto. Isso quer dizer que, desde que você começou a ler esta coluna até agora, pelo menos uma menina já teve um filho. Vamos traduzir um pouco mais: são 661.290 mães

Causou polêmica (falou-se em plebiscito). tornadas mães precoces ou obrigadas a abortar. vêm sendo realizados projetos experimentais que usam os mais diversos recursos com garotos e garotas. O que já sabe é que o melhor caminho é o mais difícil -jovens com auto-estima elevada. afirma a ginecologista com base em entrevistas feitas com adolescentes.Para evitar o 'Brasil do dia seguinte'. descuidados são um óbvio estímulo à marginalidade.adolescentes todos os anos. a tragédia da gravidez precoce e do aborto poderá ser menor. aos poucos. Esse é o Brasil do dia seguinte. a pílula do dia seguinte corre o risco de virar uma ameaça. José Gomes Temporão.com. já vêm com anticoncepcional na cabeça. PS . conectada às escolas. gdimen@uol. diga-se) pelo ministro da Saúde. segundo uma série de estudos científicos. Somando-se tudo. a pílula do dia seguinte está caindo no gosto das adolescentes e. apostando em carreira e estudos. Já sabemos que a gravidez precoce é uma das principais causas de evasão escolar e. enfim. foi desautorizado por Lula. uma das causas da violência -filhos indesejados. O tema do aborto foi lançado (corajosamente. mas não tenham tido problemas médicos. aí. se disseminada maciçamente pela rede pública. rejeitados. imaginando que se valerá desse recurso final'. Temos aí não o Brasil do dia seguinte.br) alguns exemplos. mas o Brasil do amanhã. Registre-se também que são 180 mil as mulheres acima de 19 anos internadas na rede pública por problemas da interrupção de gravidez. Essas experiências deveriam ser disseminadas rapidamente em toda a rede pública.com. A pista da pesquisa conduzida pela professora Albertina é a seguinte: por mais indesejável que seja. 'A jovem pode se sentir tentada a não se proteger. até que. gira em torno de 1 milhão o número de garotas que engravidam anualmente. Calcula-se que mais 300 mil jovens com menos de 19 anos tenham feito aborto. foi saindo de cena -e. Vamos adiante: 44 mil adolescentes são internadas por ano por causa do aborto.dimenstein. Fica ainda a tragédia das doenças sexualmente transmissíveis -e. Coloquei em meu site (www.br .