Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola Politécnica Departamento de Recursos Hídricos e Meio Ambiente Curso de Engenharia de Produção Introdução

à Engenharia do Meio Ambiente

1º Trabalho: EP1 – 2011.1

Indústria Madeireira e Moveleira

Componentes:
Ana Luiza Ferraz Ana Sofia Siestrup Felipe Spritzer Joana Mendes Luciana Chen

pois acabam com parte do meio ambiente. além de causar grande impacto no ecossistema. que são os objetos de uso prático. modelagem. corte. onde a empresa não se prejudica em seu desenvolvimento e lucro. atentando também para os impactos ambientais relacionados ao ciclo de vida do produto. a mediação e a coordenação das ações corretivas e preventivas. No Brasil. a obtenção de celulose para fabricação do papel. Temos os pontos econômicos. entre outros. até finalmente o produto final. existe certificação para a madeira que é plantada. além de ser produzido em escala industrial enquanto aquelas são feitas em modelo artesanal de produção.responsabilidade social e ética . O uso de madeira oriunda de matas nativas por esse setor é considerado crime ambiental. regulações.pois o mercado cada vez mais tem dado preferência àquelas empresas que mostram possuir maior consciência ambiental. Ainda assim. a legislação ambiental prevê condições de uso e os tipos de árvores que podem ser industrializados. causando até mesmo extinção de diversos tipos de espécies. O que diferencia esse tipo de indústria da marcenaria e da carpintaria é que este inclui não só o corte. Esse novo modelo de gestão ambiental tem como base a adoção de diversas práticas: incentivar a minimização e a não geração de resíduos. tendo em vista que a competitividade se dá também pela preservação e conscientização ambiental . Em nosso país.1 – INTRODUÇÃO A Indústria Madeireira é o ramo da atividade industrial que consiste no processamento da madeira. Mas uma nova mentalidade está se consolidando e buscando contrapor esses danos causados. entre outros. como barreiras comerciais sem tarifas. um período de intensa exploração irresponsável sobre o meio ambiente. estes produtos finais podem ser materiais de construção. tratamento bioquímico. o que conseqüentemente gera um desequilíbrio na estabilidade ecológica de dada região. Sendo assim. nesse modelo. mais que isso. buscando cada vez . como também na Malásia e a Indonésia. a empresa deve ir além da prevenção da poluição. Existem também outros fatores. pressões externas. multas. e. o que implica na destruição do habitat de inúmeras espécies. fatores que têm sido de grande importância nessa mudança de modelo de gestão. e a consciência ambiental passa a ter grande relevância. extração. além de vários países do Leste Europeu. a fabricação de móveis. Com isso. a implantação. novas alternativas racionais de gestão para conseguir tal matériaprima. o replantio de áreas desmatadas e o reflorestamento. cortada e processada legalmente. armazenamento. durante anos este recurso natural foi usado erroneamente. esse setor da atividade industrial vem buscando. A indústria madeireira é um setor muito forte não só no Brasil. foram desenvolvidas leis e algumas alternativas. procuram ampliar sua produção sem permitir que o meio ambiente prejudique-se. a modelagem e a finalização. mas todo o processo anterior. incluindo o seu o plantio. como o corte de árvores. Como exemplo. as indústrias madeireiras e de móveis. Através desse modelo de produção. o planejamento.

Assim. ano da criação do Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal e da promulgação do Código Florestal Brasileiro. fornecida para os portugueses pelos índios em troca de mercadorias européias simples. esses cursos foram criados no final da década de 1960 e na década de 1970. muito apreciado pelos europeus. principalmente na Alemanha. de modo que elas possam suprir de maneira contínua a demanda por um determinado produto. quando havia extração do Pau-Brasil. a Exploração de Impacto Reduzido (EIR) se desenvolveu nas décadas de 1980 e 1990. O comércio dessa madeira. A história da indústria madeireira também está ligada ao desenvolvimento da silvicultura e do manejo florestal. deixando como conseqüência o desmatamento de mais de 90% da Mata Atlântica. apenas em 1860 foi criada a Secretaria de Agricultura. mais de 90% da região amazônica é explorada da maneira convencional: sem planejamento.HISTÓRICO DO DESENVOLVIMENTO DA INDÚSTRIA DE MADEIRA E MÓVEIS NO BRASIL O desenvolvimento da indústria madeireira no Brasil remete à era colonial. Entretanto. Localizadas principalmente no sul e sudeste do país. As primeiras experiências silviculturais registradas no país foram feitas no Pará em 1958. Em 1965. técnicas que visam o aproveitamento econômico das florestas e também sua conservação. permitindo o desenvolvimento de florestas plantadas de rápido crescimento. experiências para determinar a produção máxima que as florestas da região poderiam suportar em um regime de manejo. o manejo florestal tornou-se previsto por lei. Em 1921 foi instalado. Sob uma ótica político-administrativa. começaram a ser realizadas na Europa. No século XIX. Foi lá também que surgiram as primeiras escolas de ciência e engenharia florestal. Nas décadas de 1970 e 1980. levou ao esgotamento da espécie no país. seja pelos resíduos produzidos. o Serviço Florestal. principalmente no setor de construção civil e no moveleiro. o governo militar concedeu incentivos fiscais a reflorestamentos. no país. Nas décadas seguintes. segundo estimativas de 2004. 2 .mais alternativas para diminuir e até mesmo tentar erradicar os impactos que tem a tendência de causar. organizações de pesquisa como a Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) e o INPA (Instituto Nacional de Pesquisas Amazônicas) lideraram outros experimentos de manejo florestal. com maximização de danos. Comércio e Obras Públicas . seja pela maneira irregular ou ilegal de extração da madeira.primeiro órgão governamental relacionado ao setor florestal. elas são matéria-prima . Esperamos ao longo desse trabalho demonstrar não só a importância desse tipo de indústria como também todo o seu mecanismo de funcionamento. O ciclo econômico do Pau-Brasil durou até o século XIX. desperdício e desmatamento. melhorando as técnicas de extrativismo com menos impacto sobre a floresta e permitindo que a madeira fosse utilizada em larga escala. No Brasil.

esse setor industrial tem grande destaque no mercado florestal brasileiro. O Brasil está entre os grandes vendedores de madeira do mundo e também é um grande consumidor. Posteriormente. há alternativas viáveis para explorar o recurso com menor impacto ambiental. em 2003 foi lançado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) o Fórum Nacional da Indústria. Com a capacidade de destruição aumentada e na ausência de leis ambientais. marcando a chegada da tecnologia moveleira no país e sua produção em larga escala. seu histórico remete a 1836. mas a madeira continua sendo uma matériaprima essencial para diversas atividades. houve um aumento significativo nos índices de exportação do país. quando o alemão Michel Thonet fez experiências com folhas de madeira compensadas curvas para produzir móveis. empresas como Eucatex. dos custos e dos impactos ambientais. para a discussão e viabilização de soluções para o setor moveleiro. como o caso das áreas do manejo florestal.para a indústria de papel e celulose. sua forte intensificação ocorreu em meados do século XIX com a primeira Revolução Industrial. No entanto. Muito deste crescimento ocorreu no Estado do Pará. Em 1935. Quanto à indústria moveleira. Apesar da existência da devastadora exploração ilegal de madeira. a Amazônia Oriental tornou-se a principal região produtora de madeira do Brasil. mais especificamente no Rio de Janeiro. que atualmente conta com mais de 2000 empresas cadastradas e oferece palestras e cursos. os impactos sobre a natureza foi elevado exponencialmente. visando à redução do lixo. foram inauguradas a AFAN (Associação Nacional dos Fabricantes de Móveis) e a ABIMOVEL (Associação Brasileira das Indústrias de Mobiliário). apenas em 1890 surgiu no Brasil. a Companhia de Móveis Curvados. principalmente na Amazônia. Nas décadas seguintes. 3 . Em 1972 surgiu a Associação Brasileira das Indústrias de Madeiras Compensadas e Industrializadas (Abinci). Atualmente. Os seres humanos na falsa crença de que a natureza possuía recursos ilimitados devastaram enormes áreas florestais. acabando com ecossistemas e alterando climas regionais e globais. Devido à recente conscientização ambiental. Buscam-se inovações produtivas com o objetivo de enquadrar essas empresas no “ecologicamente correto”. através de medidas como a utilização de madeira certificada e a aplicação do conceito de “ecodesign” – processo que contempla os aspectos ambientais em todos os estágios de desenvolvimento do produto. Rudinick e Florence passaram a dominar o mercado.PRINCIPAIS IMPACTOS AMBIENTAIS DA INDÚSTRIA DE MADEIRA E MÓVEIS Os impactos ambientais gerado pela indústria madeireira e de móveis é de origem muito antiga. O mercado madeireiro vive a sina de ser apontado como um dos maiores vilões do desmatamento da Amazônia. Lafer. foi criado o Sindicato da Indústria de Marcenaria do Estado de São Paulo (Sindimov). principalmente . com a assinatura do Programa Brasileiro de Incremento à Exportação de Móveis (PROMÓVEL). No entanto. Em 1998. “Nos últimos 20 anos.

Atualmente.revista. Alguns dos graves problemas são o caráter migratório da indústria madeireira e o baixo índice de manejo florestal.na parte oriental.2 milhões de árvores. O Cerrado apresenta a savana mais rica do mundo. a maioria desta produção esta sendo absorvida pela demanda nacional de madeira. . próximo ao município de Paragominas. o setor madeireiro extraiu o equivalente a 6.2 milhões de m³ em 1990. com uma produção total de madeira de 8. com uma produção de mais de 1.pdf) As indústrias brasileiras exploraram fortemente suas reservas naturais durante um longo período de tempo. Como exemplo se tem o bioma da Mata Atlântica que possui cerca de 7% de sua extensão original e o Cerrado que possui cerca de 20% de sua área ainda intocada. em sua incineração sem um prévio controle ambiental.inf. e recursos hídricos valiosos para o Brasil. A madeira amazônica foi destinada tanto para o mercado doméstico (64%) como para o externo (36%). Figura 3.600 m³ em 1970. que dispersos ao meio ambiente podem trazer sérios problemas de poluição.” (http://www. O número de fábricas de laminados e serrarias saltou de duas. Madeireiros têm construído milhares de quilômetros de estradas não-oficiais em terras públicas. para duzentos e trinta e oito. especialmente. apresentando um baixo rendimento.br/florestal05/pages/artigos/artigo07. As indústrias madeireiras geram grande quantidade de resíduos.1 – Desmatamento da Mata Atlântica Em 2004. Grande parte desse desmatamento se deu por causa das indústrias madeireiras.

2 – Extração ilegal de madeira na Amazônia “Embora não de forma direta. Do total do consumo industrial de madeira em tora gerados em 2004 (24 milhões de m³).hsw.uol. 3% eram de projetos com florestas certificadas pelo FSC (Forest Stewardship Council). Um levantamento do Imazon com os dados dos Serviço Florestal Brasileiro – SFB .br/industria-da-madeira5. tem-se a extinção de uma diversidade de seres vivos.e Sistema Integrado de Controle e Monitoramento de Produtos Florestais – Sisprof – do governo federal mostra essa dura realidade. 38% da madeira extraída da Amazônia eram oriundas de planos de manejo. conseqüentemente. a atividade madeireira ilegal é um dos principais catalisadores do desmatamento da Amazônia. alguns ainda nem sequer catalogados pelo ser humano. Isso porque a atividade predatória promove a abertura de estradas madeireiras. foram explorados ilegalmente. ou foram oriundos de desmatamento ilegal. Figura 3. que serão posteriormente usadas para acessar áreas outrora remotas para a agropecuária. afetar .” (http://empresasefinancas. Outros 19% originaram-se de autorizações de desmatamento legal e 43% foram aferidos como possuindo origem ilegal – ou seja. os extrativistas. não assustando assim. podendo chegar a uma escala mundial e. As atuais consistem em pagamentos de multas baixíssimas. ocorre desequilíbrio climático. sem qualquer autorização dos órgãos ambientais. sendo que destes.com.htm) Como resultado do desmatamento.Um dos motivos para a forte continuidade de desmatamento ilegal é a ausência de sanções cabíveis ao crime. Além disso.

derretimento de calotas polares. . como ocorre com a “madeira plástica”. reaproveitando-os e utilizando por vezes novos processos químicos para tal fim. a caminhar para o seu fim.o ser humano. tem se reunido para tentar amenizar os impactos da indústria madeireira. por sua vez. métodos e de uma melhor educação ambiental dos indivíduos. Estes produtos. as metodologias “Produção mais limpa”. mesmo que lentamente. No entanto. a ”combustão energética”. tornados. Ele representa. pois o aumento da temperatura média global poderia gerar catástrofes como maremotos. governamentais ou não. Além disso. devem obedecer às especificações das legislações ambientais. e a “Ecodesign”. 4. já há uma série de alternativas implantadas no setor de madeira. TECNOLOGIAS PARA MITIGAÇÃO DESTES IMPACTOS Os notáveis impactos mostram a urgência de novas tecnologias. tanto durante sua produção. a gestão de resíduos. e assim diminuir os desgastes ambientais. Diante desta maior preocupação por parte do mercado e crescente conscientização por parte dos empresários do ramo extrativista e produtor de madeiras. Para a sua mitigação. uma ferramenta bastante eficiente ao desenvolvimento de pesquisas. ele permite identificar a elasticidade. que consiste na realização do projeto de um produto levando em consideração a atenuação dos impactos. Esse equipamento é capaz de reduzir os danos ambientais na medida em que os resultados obtidos permitem que se conheça a fisionomia da árvore sem que ela precise ser derrubada ou sem que sejam feitas intervenções profundas na sua estrutura que poderiam prejudicá-la. Essa ferramenta já tem sido muito utilizada na Europa para o controle e acompanhamento de árvores milenares consideradas patrimônio histórico local. quanto posteriormente no seu uso por meio de uma vida útil mais longa. portanto. que está relacionada ao aumento da eficiência no uso de matérias-primas e à minimização ou reciclagem de resíduos e emissões. Além disso. etc. o certificado “Madeira legal”. tais como: equipamento que funciona como tomógrafo portátil. o desmatamento ilegal começa. inundações. a substituição da madeira por outra matériaprima na construção civil e na fabricação de móveis. os mercados de países desenvolvidos procuram cada vez mais produtos ecologicamente corretos. densidade das espécies arbóreas e as condições físicas do interior do tronco de árvore. algumas organizações. O equipamento que é um tipo de tomógrafo portátil torna possível a construção de imagens tridimensionais de traçados transversais de troncos de árvores.

Além do mais.1 . em síntese. Um aspecto da metodologia importante é que a mesma não prioriza apenas a melhoria tecnológica.Imagens produzidas pelo equipamento Figura 4. a redução ou a não geração de resíduos por meio da otimização perante os processos e o uso da matéria-prima. a realização de reuso e reciclagem. Esse conceito destaca. recuperando materiais e energia. a utilização de energias renováveis ou o uso de modo consciente dos recursos não-renováveis. . gerando inovações e vantagens competitivas.Homem usando o equipamento para análise da árvore para análise da árvore A metodologia “Produção Mais Limpa” da UNIDO (United Nations Industrial Development Organization) consiste em uma das principais alternativas que unem as questões ambientais à promoção e aceleração do desenvolvimento industrial nos países subdesenvolvidos e/ou em desenvolvimento. a “Produção mais limpa” oferece redução nos custos e melhora a eficiência das operações. gerando o mínimo de emissões na atmosfera.Figura 4. no geral. o que facilita que as organizações atinjam suas metas econômicas ao mesmo tempo em que melhora o ambiente. de tratamento.2 . como também ressalta a aplicação do know-how (melhora da eficiência por meio de melhores técnicas de gestão) e a mudança de atitudes.

na Finlândia. a falta de fornecedores de materiais ambientalmente corretos e a volátil cultura ambiental dos funcionários e consumidores. e até mesmo reaproveitar os produtos criando móveis que apresentam mais de uma funcionalidade. reduzir custos e até amenizar o aquecimento global. a implantação do “ecodesign” encontra resistências tais como seus custos elevados. Essa "combustão avançada de madeira" já é aplicada em uma faculdade americana e em algumas outras cidades como Joensuu. verifica-se que essa traz benefícios não só ambientais como também econômicos. O “design” em si é uma das características que conferem competitividade ao produto e que desperta desejos do consumidor por meio de aspectos como praticidade.Esquema do funcionamento da Produção mais limpa A metodologia “Ecodesign” consiste em uma abordagem para a concepção de produtos com características especiais levando em consideração os impactos ambientais do produto durante seu ciclo de vida. Segundo . e uma reutilização. ergonomia. busca-se produzir produtos que tenham mais durabilidade e qualidade de modo a durarem mais tempo e funcionarem melhor a fim de gerar menos lixo. fabricação. como também à consciência e preocupações ambientais. Ela consiste em uma maneira bastante tecnológica de queimar madeiras ou seus resíduos em vista de sua propriedade calorífica. uso e eliminação. No entanto. objetiva-se desenvolver o produto certo (eficácia do processo de design) e não somente desenvolver corretamente o produto (eficiência no processo de design) de forma mais racional e consciente.3 . Essa metodologia se aplica identificando problemas que são ambientalmente críticos e buscando por meio da análise implantar os seus princípios para a melhoria do produto. Nessa metodologia. Desse modo. o “ecodesign” atende não só às características previamente mencionadas dos consumidores. Esse último pode englobar a reutilização de sobras. como resíduos de madeira. conforto e funcionalidade. por exemplo. reaproveitamento. No caso da madeira. eficiência energética com processos de fabricação de componentes dos móveis de madeira que gastem menos energia. sendo vantajosa por poder economizar outras fontes de energia.Figura 4. que inclui aquisição. idéia essa que está presente no conceito de “ecodesign”. Quanto à combustão energética.

um processo quase neutro. por conseguinte. portanto. Além disso. morador da cidade e especialista florestal do Instituto de Pesquisa de Florestas Finlandês. Além disso. um avanço para a mitigação dos impactos e conservação ambiental. ao manejo dado ao reflorestamento. em que se busca montar uma espécie de RG genético da madeira de lei. é também uma forma de arrecadar capital.br. Segundo boletim do site http://www. ela poderá ser comercializada. Sendo. o uso intenso de madeira para as mais diversas utilidades traz a necessidade de fiscalização de sua procedência. plantio. “A idéia é apontar com precisão a origem de toras e até móveis. o corte final e seu uso ambientalmente correto. Certificado de “madeira legal”.” .. Bastaria ver a presença de variantes de certos elementos químicos no material --a proporção de dois tipos diferentes de carbono ou de hidrogênio (. Posteriormente. certificados e fiscalizados e de que obedecem a práticas sustentáveis de manejo. Todo esse processo é ecologicamente correto uma vez que as árvores retiram gás carbônico do ar durante seu crescimento e após isso liberam praticamente a mesma quantidade de gás carbônico quando são queimadas nas usinas avançadas. Se a energia elétrica produzida exceder as necessidades próprias da empresa. Além disso. A sua utilização consciente e sustentável se relaciona a processos que envolvem todo o seu ciclo. podendo também reconhecido como “selo verde” constitui. visto que muitas vezes é retirada indiscriminadamente e de modo predatório. queimando de forma muito mais limpa do que outros processos típicos de combustão. além de ser uma maneira de dar um fim aos resíduos de madeira. Nas usinas de combustão avançada de madeira. as usinas também apresentam filtros que realizam a remoção de diversas pequenas partículas que provêm da queima da madeira.Antti Asikainen. até a madeira processada em fábricas tem chance de ganhar ‘certidão de nascimento’. a certificação florestal surge como garantia de que a madeira é proveniente de reflorestamentos monitorados. monitorar florestas. Uma das tecnologias existentes que estão relacionadas ao combate ao desmatamento e outras práticas danosas e que podem assegurar o “selo verde” é um pulsor de raios laser acoplado ao GPS de um avião que é capaz de fazer uma varredura em três dimensões com imagens de alta definição e. Como Jutta Buschbom. Outra tecnologia que está em estudo envolve a biologia molecular. os gases são inflamados. a qualidade do ar melhorou muito na cidade e afirmou que acredita ser uma tecnologia realmente limpa.) Essa proporção é exclusiva do ambiente onde a planta cresceu. boas pistas sobre sua origem”. já há um plano B.grupotecsel. “para os casos em que esses detalhes do DNA não forem suficientes para identificar a origem da madeira. dando. desde a produção da muda. revelando se a matéria-prima foi obtida de forma lícita”. disse “Aplicando técnicas utilizadas para obter DNA de fósseis. o calor intenso e as condições cuidadosamente controladas trazem a garantia de que praticamente todo o carbono da madeira seja quebrado em gases inflamáveis. portanto. O calor gerado pela queima do gás pode ser usado diretamente para aquecer ou gerar eletricidade..com. Sendo assim. vendo se houve exploração em determinada área. Portanto. o que reduz significativamente a poluição. do Instituto de Genética Florestal da Alemanha. assim.

. entre outros).” Além do mais. no entanto. diminui-se o lixo e transforma o material que seria descartado e que estaria destinado a esperar sua biodegradação em um bem útil. etc. como móveis. existem outras formas de aproveitamento dos resíduos de madeira ou das indústrias moveleiras no geral. Pensando nisso.5 “Este selo atesta que a madeira ou produto beneficiado de madeira é de Origem Legal e possui o DOF (Documento de Origem Florestal) do Ibama. pisos. telhados.Figura 4. As vantagens são diversas. consiste na realidade em plástico (que veio de lixões. pode ser aparafusado. podem servir como matéria-prima para outras indústrias. Entre elas. atarraxado (é mais flexível) e não precisa de tratamentos contra cupins e insetos. chapas duras. decks. em alguns casos. Outra alternativa tecnológica para a mitigação dos impactos é a substituição da madeira por outra matéria-prima reciclada. como Pinus e Eucalipto. há a possibilidade de os resíduos serem utilizados para confecção de chapas de fibras ou partículas como o aglomerado. Esse material é aparentemente muito semelhante à madeira. Medium Density Fiber Board – MDF. foi criada uma espécie de “madeira plástica”. lixos domésticos. Figura 4. visto que essa “madeira plástica” é relativamente mais resistente. embalagens.4 “Este selo atesta que a madeira ou produto beneficiado de madeira é originado de áreas de reflorestamento. para o uso agrícola e.

que dependem da madeira em larga escala. moveleira e madeireira. Nos dias atuais. foi crescendo e ampliando-se vastamente até chegar ao desenvolvido e elevado potencial que porta hoje em dia.7 Perfis de madeiras plásticas praticamente impossíveis de serem obtidos com madeira.6 Perfis de madeira plástica similares aos de madeira. Por esse motivo. o crescimento da indústria da madeira no Brasil deveu-se ao desmatamento da Amazônia e despejo de materiais prejudiciais à sua floresta. Ao longo de décadas. no Brasil. 5. indústrias do setor de produção de móveis. tiveram base para também se desenvolver.Figura 4. a indústria madeireira que. sem falar nos investimentos e projetos visando à proteção ambiental. possuem em sua produção um alto nível de tecnologia aplicado aos processos. teve início na época do descobrimento do país. é clara a necessidade de novos meios de produção que sejam mais eficientes quanto o que se encontra em vigor: a derrubada de . como lixos e outros produtos e materiais tóxicos. uma vez que aquela é mais flexível que essa. Logo. CONCLUSÕES Como foi explanado ao longo do trabalho. Figura 4. ambas as indústrias. ainda no século XIX.

sem consideração com os impactos ambientais futuros.gov.br/industria-da-madeira.madeiratotal. um equilíbrio entre os interesses da indústria e a natureza. enquanto ainda há tempo para recuperação das florestas e de maneira que não haja mais prejuízos para a natureza.br/desmatamento.br/seget/artigos06/722_Seget_ind_nas_ind. As técnicas recentemente desenvolvidas.aedb.com/historia/exploracao-do-pau-brasil/ http://www._Madeireiras.br/v3/revistaacademica/12/cap4.com.htm http://www.blogspot. visando reduzir os impactos ambientais durante a extração da madeira.hsw. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Sites: http://www.com.asp http://ambiente.pdf http://www.asp?p=1&id=26 http://portaldamadeira.grupotecsel.asp http://inctmadeiras.com.santacruz.com.hsw.com/watch?v=FTlj6pDLaEQ&NR=1&feature=fvwp) .com. pelo contrário.htm http://www.cebds. preservar as florestas. legalizado.br/industria-da-madeira1.br/boletins. Esses novos modelos deveriam.uol. 6.html http://www.natureba. de modo que estas possam sempre oferecer matéria-prima em abundância para as indústrias.youtube. Outros projetos nesse setor são a introdução do ecodesign e uso de biologia molecular.pdf http://empresasefinancas.br/ http://www.htm http://www.gueto.infoescola.uol. portanto.br/index-old-news-16jun. determinam o controle do uso da mesma – a madeira deve ser certificada e o processo extrativista. Vale ressaltar que essas medidas precisam ser implantadas rapidamente.htm Videos: Mesas – Madeira Plástica (http://www.htm http://www.pdf http://empresasefinancas.com/2010/03/composto-madeira-plastico-wpc.br/florestal05/pages/artigos/artigo07.br/ecodesign.uol.inpa.inf.org.com. Deveria haver.árvores deliberada.br/cebds/eco-pmaisl-conceito. A aplicação dessas técnicas. acompanhada de ações governamentais que apóiam a preservação do ambiente e da conscientização da população.hsw.br/manejo-florestal-de-madeira3.com. pode reduzir e até mesmo eliminar os impactos causados por desmatamento e despejo de resíduos.revista.