Reensina-me a ver

Dayane Ribeiro 2011 dayaribeiro81@gmail.com

Um homem que acreditava ter tudo, até que em uma surpresa do destino vê-se privado de brilhar em seu trabalho e exercer seu dom. Aprisionado pela escuridão, ele reaprenderá sobre a enxergar o mundo, desta vez de uma maneira que modificará sua vida para sempre. Uma mulher que dedica sua vida a reensinar, a incentivar recomeços. Uma história de um grande amor.

. pois lá haviam crianças machucadas.. ao tirar a mulher do veículo houve uma labareda de fogo e gasolina que atingiu diretamente os olhos de Rafael e quando ele acordou já no hospital havia somente uma voz masculina agradecendo-o com lágrimas por ter salvado a vida da esposa e.... O que um homem que durante toda sua trajetória profissional dedicara-se a beleza.PRÓLOGO Rafael Fontana. ele. conquistou ainda muito jovem. escuridão. CAPÍTULO I Anna Maria Monteiro (Aninha) “Que idiota pretensioso! Como se o fato de estar cego o deixasse livre para dizer o que quer! Será . antes que chegasse aos trinta um grande feito: que estudantes vissem uma obra e por sua singularidade e harmonia geométrica dissessem “trata.se de uma obra de Rafael Fontana”. Não houve muito tempo. quando um animal no meio da estrada o fez frear subitamente causando um engavetamento. enquanto os paramédicos ajudavam uma família a sair do carro de trás. No carro de trás havia vazamento de combustível e a motorista estava com o cinto de segurança retorcido e não conseguia soltar-se. há um ano atrás Rafael estava dirigindo de volta para casa depois de um fim de semana no rancho onde ia para descansar e pensar em novos projetos.. Rafael sentindo-se culpado por sua distração em não ter visto o animal fez questão de ajudar a cortar o cinto de segurança. a firmeza dos traços e a harmonia das linhas poderia fazer ao deparar-se com a dura realidade da escuridão? Rafael era um arquiteto famoso de sua geração. estava cego.... Incrível como um momento de desatenção pode mudar tudo. Agora. Rafael Fontana. vozes e escuridão passara a ser seu destino..

que fora a vida toda apaixonada por Milton. apenas uma condição especial com a qual um ser humano precisa e pode lidar. Tiago e André. 6 e 5 anos. tinha criado os filhos. Elias. era radialista de sucesso de uma FM e Elias. como assim?? Que falta de respeito! Ele dizia. Dois anos depois ele casou com Antônia. Antônia era professora e atendendo ao último pedido de Sílvia. Antônia e Milton.. Aninha. vivia com sua limitação. sem afetações ou piedade. agora tinha trinta e oito e a exemplo da mãe fez sua vida de maneira independente. o pai de Aninha. preguiça feminina. voltou para a cidade natal para ajudar Milton com as crianças e assim. Samuel. Humpf. pois cheirar a sabonete e desodorante de erva-doce parecia para ele.” Aninha fazia listas de nomes impróprios e xingamentos em todas as línguas estrangeiras que sabia (afinal quem não sabe amaldiçoar em vários idiomas?) enquanto caminhava pelo parque ensinando Rafael a lidar com seu cão guia. A primeira esposa e dois dos quatros meninos sofriam de diabetes. três anos depois. enfim.transformaram o sítio em um centro de reintegração de . Sílvia. Ele ainda dizia que seus sapatos deviam ser horríveis pois faziam barulho de sapatos feios e baratos! E que uma mulher com uma voz rouca e sensual como a sua devia ter mais imaginação. teve filhos. o irmão mais velho de Anna. que o focinho do. retirou-se de cena e foi viver em outra cidade. mas que ao ver a melhor amiga e o amor de sua vida apaixonarem-se. Seu pai era viúvo de uma mulher maravilhosa e pai de quatro meninos quando casou com sua mãe. fazia compras. Qual o problema em usar tênis e coturnos? E será que ele pensava que ela usaria seu caríssimo perfume francês para trabalhar treinando cães ou ensinando cegos faladores a usá-los? Aninha via a falta de visão de uma maneira bem peculiar. aos loucos e às crianças? Que eu saiba ele não é velho. ainda não fez trinta e sete. era dono de um sítio e plantava soja e milho. doença esta que acabou por levá-la prematuramente para os braços de Deus. casou-se.. ficou cega aos vinte e sete anos em consequência da doença e quando partiu aos trinta e oito. -ai como ela odiava dizer .. Com a partida de Sílvia. não entendia como um mauricinho arrogante podia pegar aquele que seria seus olhos a partir dali e batizá-lo de “Meleca”. o que o desabona de ser criança também. Samuel. participava das atividades da igreja que frequentava. talvez ele seja louco. treinado especialmente para atendê-lo. com 10. que treinava cães guias desde os quinze anos. era assim que ela se chamava.Meleca era molhado e que seu cheiro era duvidoso. portanto há dez.. Para começar.. com quatro meninos pequenos para criar. o irmão do meio. estava com 80% da visão comprometida aos trinta e seis e lidava com os problemas enfrentando-os. uma amiga de infância de Sílvia..que ele não sabe que este direito damos aos velhos. nasceu Aninha. duvidoso era o gosto daquele palhaço. 8. limpava a casa. quando perdeu a esposa. Milton. ficou cego aos vinte e dois anos.

vestidos de grife. E foi ali que Aninha cresceu. em seus tempos de glória. vivia para cultivar uma imagem de arquiteto famoso. os últimos seis meses tinham uma hora por dia de diversão. porque a voz dela era rouca e sempre com um traço inflexível. “Quando você conseguir comer um cachorro-quente na rua. Claro. para casas. quando ainda era um homem inteiro. na solidão de sua casa. com Whitney Houston e Mariah Carey. achava que devia ser algum nível inconsciente de punição. havia um quadro que Samuel pintara para ela de presente por seus sete anos. mas sabia que a menina tinha uma fixação por cachorros-quentes. mas nunca conseguiu admitir ser acompanhado por outro treinador. com os erres bem soados. olhando um campo de trigo e a frase: “O essencial é invisível aos olhos”. por outro lado. um coque de governanta dos anos 40 e se divertia horrores inflamando seu temperamento explosivo falando mal dos seus sapatos e do cheiro do sabonete que ela usava. Em cima de sua cama. Rafael. Anna Maria. Por isso a imaginava grande. sotaques sofisticados e maneiras impecáveis à mesa.. Era uma seleção cafona de músicas românticas. Primeiro. CAPÍTULO II . e tocava um CD que ela esquecera em sua casa na última vez que fora lá para ajudá-lo a movimentar-se com liberdade em seu próprio território. mas ele já não podia dormir antes de ouvi-lo. amando sua família. de gosto impecável. carros e mulheres. amando ser parte daquela história de superação. achava graça do apelido. Rafael usava o mesmo sabonete que Aninha no banho. Estranhamente. Rafael não entendia porque raios desde que começara o treinamento com o Centro Sílvia Monteiro. ali que ela fez sua carreira. cheirava a sabonete. exigia para o Milton que aquela fedelha de língua ferina o acompanhasse. Seu sotaque era acaipirado.. entre aqueles que viam com os olhos e aqueles que viam com o coração. Suas namoradas eram frequentadoras de spas da moda.ela dizia alegremente lhe dando novamente aquele pão infame com cheiro de mostarda barata. e também um centro de treinamento de cães-guias: O Centro de Apoio ao Deficiente Visual Sílvia Monteiro. uma raposa de mãos dadas com um menino loiro. donas de saltos agulha. arquiteto” .deficientes visuais a sociedade. sua risada alta e espontânea e suas maneiras à mesa não saberia o que dizer delas. que era a hora que passava arreliando “Aninha”. seus sapatos soavam pesados e suas roupas faziam um barulhinho que lembrava tactel. que desde que sua vida desmoronou há um ano. com coturnos pretos e um uniforme da GESTAPO. muito diferente das vozes suaves e baixinhas que tinham suas namoradas. para dormir com aquele cheiro familiar nos lençóis. corpulenta. vinhos. sem parecer uma criança de dois anos você estará bem para seguir sozinho.

os dois compartilhavam o gosto por camisetas com dizeres bobos. para si e ligou a TV. mas Aninha sentia. e Rafael já fazia tudo com elegância. uma obra linda. nos cabelos e olhos negros.. iluminada pelo sol. tirou os tênis e os guardou no armário. nunca deixava nada espalhado. -Claro! Passe aqui em meia hora que eu e o fedido estaremos prontos! . nothing but a heartache.. que sua paixão era criar e sofria por ele.. eles riam juntos e brincavam juntos...antes – ela disse com voz perigosa e subitamente o humor de Rafael melhorou. -Alô? -Você não tem vergonha de abusar da confiança de um homem cego? Será que a primeira coisa que eu tenho que fazer ao acordar é me irritar com você? -Oh. uma casa alta. Tanto talento... ME LE CA.e desligou antes que ela . mas também suspirava pensando no corpo atlético. Tirou o conjunto de tactel laranja e o jogou na máquina de lavar e vestiu uma camiseta amarela enorme do irmão mais novo que dizia “CSI -Crime Scene Investigation”..Aninha chegou em casa. eles passaram em frente a ultima casa que ele entregou antes do acidente. e apesar das provocações tolas dele. vejo que a Bonnie já te acordou? Vamos fazer compras no supermercado hoje? Eu deixo você pagar! -São sete horas da manhã!!! -Vamos exercitar.” Rafael pulou da cama de susto com a música que vinha do seu celular. Então a pestinha tinha trocado de novo seu toque perfeitamente adequado e em volume normal por aquela gritaria da Bonnie Tyler? Ela ia ver só.o. Fez um sanduíche de presunto. ela odiava seu jeito metido a besta. com jardins em volta. hits when it's too late. e logo Aninha já não o veria todos os dias. dar aquele nome na bola de pêlos tinha sido melhor que a encomenda para irritar a pestinha. Hoje mesmo.. me aguente. ela sentiria falta dele. sempre escondidos atrás dos óculos aviador. hábito de quem cresceu com deficientes visuais.. Ele era um pedaço de mal caminho. Ele e o cão estavam bem familiarizados. no sorriso de dentes brancos e alvos. em dez minutos mãe ligaria do sítio para saber como tinha sido seu dia e era bom ela já estar alimentada pois a mãe nunca era breve ao telefone e como seu último treinamento tinha sido o Rafael.. com sacada em todas as janelas do andar superior. Pela primeira vez em dez anos que atuava no Centro. Rafael mexia com suas emoções.. ela teria muito o que falar. parecia um conto de fadas... seu coração já ficava angustiado só de pensar neste dia.. tipo sou rico e bonito. ele agora vivia das palestras que dava nas universidades e de consultoria a jovens arquitetos. sentia-se triste e deprimida por um novo membro.. “It's a heartache.

quero que você fique atento aos sons.ele não conseguiu resistir a tentativa de lhe causar ciúmes.... -Bom dia Anna Maria! . sinal que apesar das bobagens que o arquiteto almofadinha falava o tratava muito bem.. ruídos que saem das casas. pássaros. Aninha buzinou escandalosamente na porta da casa de Rafael para chamá-los para o exercício diário.meu. Estamos quase encerrando o treinamento e preciso ver como estão seus outros sentidos. sem cultura! Onde já viu levar Anna Maria para um jogo de basquete? E o que ela tinha na cabeça de aceitar? Porque alguém com um trabalho tão nobre como o dela quereria sair com um tipo desses? Só porque o Jair podia ver um jogo e ele não? Ora. hoje um amigo do meu irmão André vai me levar ao jogo de basquete e depois vamos comer um! Isso sim é que é um encontro divertido. ele pensou – eu estou com ciúmes! Com ciúmes da pestinha! ... uma raiva inexplicável.. um ressentimento contra aquele tal Jair. de repente não ver a Anna todos os dias parecia um castigo terrível. pois você ainda come se borrando todo igual ao meu sobrinho – que grosseria Aninha. Rafael sentiu um aperto no peito... .. se recriminando por ser infantil. nike shocks e relógio esportivo.. oh.. que devia ser um grosseirão. mas ele não precisava saber disso. -Hoje vamos caminhar por um bairro tranquilo Rafael.. onde já se viu tratar assim um de seus alunos? Mas ele provocava.falar em cachorro-quente. carros. de crianças brincando. ele sentia-se mais infeliz que o dia em que lhe disseram que já não poderia mais enxergar. que só Deus sabia porque ele usava e fechou a porta com agilidade. Oh.disse sorridente Ela resmungou uma resposta insolente e deu partida. ela pensou. Rafael apareceu na porta.. pois o irmão levaria a namorada ao cinema. -Então quer dizer que em breve estarei livre para tentar chamar uma mulher perfumada e refinada para jantar? . descobriria se sua nuca tinha aquele cheirinho gostoso de sabonete. uma falta de ar.. abanando o rabo. -Jair?! Você acha que eu preciso de conselhos de alguém com esse nome? Aliás. essa programação dele de encontro serve para um garoto de 13 anos!! Aninha ficou vermelha na hora. dançaria com ela.. com um shorts preto e uma camiseta cinza. − Só se você não levá-la para comer cachorro-quente. Em seguida.. mas mesmo assim. ele a levaria ouvir um trio de jazz. assim como encontrou o carro e abriu a porta do passageiro. Rafael sentia uma dor de estômago incompreensível. você devia ligar para Jair e pegar umas dicas. A porta de trás já estava aberta e o Meleca entrou feliz. pois Rafael acertara na mosca! Jair Jr. Deus.. Era o filho da namorada do irmão e tinha 13 anos! Hoje ela ficaria de babá.Deus.pudesse lhe xingar.

isso ele podia fazer muito bem. em suas maçãs ele sentiu a umidade de lágrimas. jamais desligava o celular. − − − − Alô?! .. de mãos dadas. segurou suas mãos e pela primeira vez percebeu que eram pequenas e macias – Anna Maria. mas enxerga. ..Pense Rafael.. Anna era responsável. Rafael com as pontas dos dedos sentia a maciez da pele. chorou..e lágrimas corriam enquanto ela se calava -Você roubou minha fala. Só podia pensar na Anna. . você precisa vir aqui correndo! Rafael? O que aconteceu? Fale logo. Deus! Ele sequer tinha condições de achá-la em uma multidão. aceitar que você “enxerga” as coisas de maneira diferente.saber como é a garota que acha um jogo de basquete um encontro incrível.. mas ele podia estragar este encontro. -Oh. ele pensou. Seus olhos tinham o formato de amendôas. não podia pedir que um táxi o levasse em todos os estádios da cidade até achá-la.ela deu um sorriso tímido – mais dia menos dia você me pediria Rafael. CAPÍTULO III Rafael estava inquieto. de braços dados com aquele estúpido Jair em algum estádio idiota. Ele ia ligar para ela. Rafael parou no meio da calçada e virou-se para Anna.oh Deus. se sentindo enjaulado em sua casa. o que eu digo – eu estou com um problema...... eu posso conhecê-la? -Conhecer-me? -Tocar seu rosto.ela gritou junto com a multidão que comemorava mais uma cesta do time favorito.isso. ouvindo os pássaros e sentindo o cheiro da relva verde daquele bairro familiar e alegre. o toque de seda dos cabelos que eram longos e lisos. Ótimo.. urrou e maldisse o destino. . . − -É o meu sabonete – ela brincou Eles seguiram o caminho. pequeno e macio. Delicadamente ela colocou as mão grandes e fortes dele em seu rosto. sou eu. você está me assustando.Com raiva de um homem que eu nem conheço porque ele pode vê-la e eu não. pela primeira vez desde que descobrira sua nova condição. desta cidade estúpida! Ele não podia dirigir. sua Anna Maria. -Anna. esse é um passo muito importante para seguir bem em sua nova vida.. Anna. pestinha – ele disse emocionado – nunca havia tocado em nada tão delicado antes. Inferno! Ah. seu nariz era fino e levemente arrebitado e sua boca polpuda e generosa estava trêmula e sorridente. .. -Por que você está chorando querida? -Porque você é tão bonito..

.homem. tornozelo. Oh Senhor. -Que barulho é esse lá embaixo? Quem está mexendo no meu vídeo game? -Como se você usasse... ele precisava dela. pelo braço e correu como se a vida dependesse disso até o carro. Ela franziu as sobrancelhas.. -Sei. AQUI???? Nisso. pulando e gritando -Tiaaaa.eu.ela perguntou entre e brava e divertida. venha logo. Como ele chegou no quarto com o tornozelo quebrado? -Rafael? -Até que enfim você chegou! Se dependesse de você eu ia morrer nesta cama. no piso superior com o pé quebrado? ..pense!. mofando igual a um cogumelo! Porque a demora? Tinha que dar um beijo de boa noite no Jair antes de vir aqui ajudar o inválido? -Onde você caiu Rafael? -Na. seu Rafael estava machucado.trouxe. no quarto. você nunca presta atenção? -Que seja Rafae. -Rafael? Sou eu...aquele. este é meu aluno de adaptação Rafael Fontana. Jairzinho.. -Você. cozinha! Escorreguei em um pouco de. Aninha.. e como você chegou até seu quarto... de boné e roupa de rapper entra no quarto.. E sorriu também.. detergente....... Jair Jr. um moleque magrinho.. eu tenho uma porção de jogos que eu acho que você vai aproveitar muito mais – disse sorridente enquanto caminhava para a escrivaninha.. de quem mesmo que você falou que é essa casa irada?? -Tia?! -Rafael. este é o meu sobrinho postiço.... acho que quebrei o tornozelo.. . detergente! Isso. me responde por favor! -Estou aqui Anna. Aninha tinha o rosto vermelho e Rafael sentia-se muito bem de repente a ponto de levantar-se e dizer: -Sobrinho hein? Venha cá Jair.. eu preciso de um médico Anna agarrou Jair Jr.. Aninha reparou que ele sequer mancava. − − − − Fala Logo Rafael!! Eu caí! -O que? Você está machucado? Acho que sim. -Pé não..

. só esta garota parecia pensar assim e ele foi rumo a universidade com fama de conquistador e mulherengo. mas ainda passeava com Anna todos os dias. -Rafael. que você é uma joia preciosa e que realizar seus desejos e sonhos é graça no céu. na época do colégio. Rafael. gostavam de música. parece que eu preciso entrar lá.Depois deste incidente. o que você quer fazer lá? -Eu não sei Rafael.. até que aos vinte e um ele mudou de cidade para fazer pós graduação e nunca mais voltou. História sem traumas. se você tivesse me convidado no início do ano eu iria com você com certeza. Para a sorte de Rafael. eles passaram a se tratar com amizade e camaradagem e descobriram muitas coisas em comum. creia que Ele te ama. para ver se você ainda está com estes coturnos masculinos. você ficou maluca? A última vez que eu entrei em uma igreja eu ainda não tinha barbas. fechem seus olhos e pensem no desejo vivo do coração de vocês. CAPÍTULO IV Rafael já estava liberado do treinamento. falem com Deus sobre aquele sonho que você não confessa em voz alta e creia que Ele está te ouvindo. Aninha.colocava algodão no sutiã para impressionar os amigos dos irmãos mais velhos.. foram péssimos em esportes na escola e muito magrelos na adolescência. O pastor orava: -Irmãos. infelizmente os irmãos contavam a todos eles que o apelido dela era “mijona” porque molhou a cama até os cincos anos.. no último ano do colégio. Um dia de manhã andavam por aquele bairro tranquilo que passara a ser o lugar especial deles.. Tal revelação frustrou as tentativas de flerte de Aninha que “pagou” com uma torta de chocolate seu melhor amigo para dar a ela o primeiro beijo. ele dizia. ela entrou na igreja e sentaram-se no último banco. apenas dois amigos que se gostaram e aprenderam juntos sobre o amor. vamos por favor. escoltando um Rafael emburrado. Ficou surpreso com a resposta: Detesto fortes metidos a valentões Rafael. a mãe de seus irmãos. vamos entrar um pouco? -Anna Maria. tem um igreja Batista aqui em frente. Ela pensou em Sílvia.. . E assim. Amavam filmes antigos. quando Aninha reparou em uma igreja batista que nunca havia notado antes e viu que estava acontecendo ali uma oração matutina. e no quanto ela era uma mulher de fé e lembrou-se da bíblia dela que era um tesouro de sua mãe e sentiu uma vontade incontrolável de entrar na igreja e ouvir a oração. Para ver como você está cuidando do Meleca ela dizia. com dezessete anos e esse amigo tornou-se seu namorado. fez musculação o ano todo para estar bem forte no fim do ano e chamar a garota que gostava para o baile de formatura.

. eu preciso de um milagre Transforma minha vida meu estado Faz tempo que eu não vejo a luz do dia Estão tentando sepultar minha alegria Tentando ver meus sonhos cancelados Lázaro ouviu a Sua voz Quando aquela pedra removeu Depois de quatro dias ele reviveu Mestre.. pensava em Anna Maria. ele era sua metade perfeita. eu pedi um milagre.. Ela amava Rafael. Então. Ela mesma já enxugara as suas. enquanto ouviam o louvor da igreja cantar: “Mestre. não me diga que você está chorando?.Aninha e Rafael mantinham os olhos fechados. -Já passou.ele brincou já fora da igreja... eu te conto quando for a hora. E você? Ah. em como a voz dela era rouca e cheia de vida. Deus fez Rafael para que ele fosse aquele que sua alma amaria até o fim dos seus dias.. ok? Ok CAPÍTULO V Rafael já em casa. pois jamais pedira a Deus o mesmo para seu irmão querido ou que Deus não levasse a visão do outro. pestinha.com a voz enrouquecida das próprias lágrimas. -Ei.. em . que ele pudesse ver seus como seus coturnos andavam bem engraxados em honra a ele. e agora ela não sabia o que fazer com tal revelação.. refletindo sobre o clamor feito pelo ministro. já tão comprometida. Deus sabe como deixar a gente emocionado não? -Verdade Rafael. -Puxa. Deus lhe revelou o que ele queria dizer quando a chamara para entrar ali... que voltasse a criar suas casas lindas. pedira tanto a Deus que Rafael pudesse ver. e depois sentira-se egoísta. Anna viu que Rafael tirara os óculos para limpar as lágrimas que caíam de seus olhos. todo dia ele tem coisas lindas para nos falar − − − − O que ele te falou hoje Algo muito lindo para mim. e vamos deixar por isso mesmo. não há outro que possa fazer Aquilo que só o Teu nome tem todo poder Eu preciso tanto de um milagre” Terminado o hino e a oração.

como sua risada explodia feliz cada vez que algo a surpreendia. ao ouvi-la chorar baixinho enquanto sussurrava orações. Anna Maria. -Sim eu me lembro. as chances de sucesso são de 70% -Oh. -Oh Meu Deus! . ele percebeu que aquele aperto na garganta que sentia ao ouvir sua voz. contemplando a ironia do destino. Fontana.Rafael se ajoelhara. simplesmente porque ela era sua Anna. detalhes em seu e-mail. Obrigada. Eu encaminharei os Sim. -Sim. pensou no som decidido dos seus passos e em como ela tratava Meleca como um herói e como ela o convencera a fazer o mesmo. O telefone tocou e o tirou de suas divagações.. obrigado eu. Hoje. o sr. Seu status e seu bom gosto. estes processos são demorados mesmo sr. naquela igreja. era como uma cantilena em seu cérebro e coração que ele não conseguia abandonar. senhor Sim. . em jejum para os primeiros exames. Nada mal para um homem que há um ano era superficial e via mulheres como símbolos de status e bom gosto.. Anna Meu nome é Rosa. O senhor se candidatou para o experimento com as células tronco na recuperação das córneas. mas isso foi há mais de um ano. claro. Oh. apaixonar-se perdidamente por alguém.. mas estamos interessados em fazer um estudo preliminar de suas condições físicas e caso esteja tudo certo. É que eu preciso contar a Anna! Quando eu tenho que estar aí? Dentro de 48 horas.. senhor. Rafael Fontana? -É ele mesmo -Meu nome é Rosa Andrade e falo em nome do departamento de pesquisas com células tronco do Hospital das Clínicas. Anna Maria. ele tentava dominar o tremor e a ansiedade. encaixá-lo no grupo de testes. de manhã. Ele riu de si mesmo. Rosa. a respiração saía com dificuldade − − − − − − É um processo que caso você esteja nas condições ideais. precisando dela como do ar que respirava e ao mesmo tempo não fazer ideia de como ela se parece. -Alô -Por favor. amar outra pessoa. ou o disparo do seu coração ao sentir o cheirinho do sabonete que ela usava ou ainda a saudade que ele sentia dela assim que ela virava a esquina de sua casa tinha um nome: amor. estando cego. Hoje ele poderia dizer sem hesitação que Anna poderia ter verrugas verdes e pele esponjosa e ainda assim ele a amaria. obrigado! Enquanto ele discava um número que seus dedos já decoraram no telefone.

tomar as tesouras de suas mãos vagarosas e rasgar todas aquelas bandagens.. -Eu sei pai. Ao dizer isso. muito sábio interveio: -Menina.. até que as coisas entrassem nos eixos. que me achasse bonita.. mas quero atender no primeiro toque.-Anna! Você precisa saber o que aconteceu.. Sua impaciência era tanta que sentia vontade de bater nas enfermeiras.. arquiteto! -Vamos ver pestinha. não te merece! Afinal. vamos ver.. Para um homem .continuou vindo e fazendo doações ao instituto só para te ver.. se você sair do lado do telefone ele não vai fugir. -Anna. sou eu.. − − E nem sequer um beijinho ele tentou? Ah mãe. você sabe.Aninha atendeu no primeiro toque. eu o amo tanto! Queria que ele me notasse. eles vão tirar os curativos e eu quero que seja a primeira a saber se deu certo. eu estava em casa e. eu orei e Deus me ouviu! -Eu sei filha. eu ouvi muitos impropérios deste moço porque em uma ocasião eu mandei outro treinador em seu lugar. essa é minha chance! O pai.. Depois.. quando a enfermeira disser que eu posso ir para o Hospital! Vão tirar as bandagens do Rafael! Você sabe o que é isso? Talvez ele volte a ver! Volte a criar e desenhar! Papai. CAPÍTULO VI -Anna. esse seu aluno de adaptação é muito mais que isso para você não? -Ai pai.. -Claro que deu certo. Mas os demônios de uma deficiência podem aprisionar qualquer coração. por favor! CAPÍTULO VII O processo de tirar os curativos parecia desnecessariamente lento para Aninha. há quanto tempo vocês se conhecem? -Oito meses. Venha logo. -Alô? . O processo de tirar os curativos parecia desnecessariamente rápido para Rafael. ele te notou como mulher antes mesmo de você tê-lo notado como homem.. quando ele se graduou. eu acho que ele não me vê como mulher. Rafael – ele disse com ansiedade – venha logo. estou com medo! -Filha – interveio a mãe – se esse Rafael ainda não fez nenhum movimento para te conquistar. o olhar do pai nublou-se e ela e a mãe souberam que ele pensava em Sílvia e em sua dura adaptação.

. formas embaçadas. de nunca ter coragem de declarar-se caso isso significasse atrelar Anna a uma vida de limitações. -Tome seu tempo Rafael. eu sinto dor. com 4 pernas! Meu Deus.. vá acostumando-se a luz então. Puxa Rafael. os dentes brancos e alinhados lembravam teclas de um piano perfeito e a boca era rosada. e se ao te ver. uma cadeira! Estava vendo uma cadeira! Oh como são belos estes móveis de hospital! E pensar que ele nunca notara! -Doutor. ali pintada de verde.. Feche os olhos e tente mais tarde.. e ela era pequena e delicada. porque eu precisei perder minha visão para aprender o que quer dizer aquela frase que você me contou que tem em cima da sua cama. naquele dia nós pedimos a mesma coisa não? Um milagre para você. Ela tinha os olhos verdes como folhas. magrinha.. E assim Rafael o fez. já sabemos que você terá ao menos uma visão parcial.. E assim ele desviou os olhos da cadeira e viu a coisa mais linda. lustrosíssimos coturnos! Aquela beldade era sua Anna? Que ele imaginava com uniforme da GESTAPO e com coque dos anos 40? -Meu Deus Rafael. até que o clarão virasse borrões e os borrões.. Sardas salpicavam um nariz arrebitado.. -Eu te amo.. ele estava apavorado.que não sentia medo de nada. e os cabelos eram longos e fartos e tão marrons que pareciam chocolate. nada mudaria isso. estou perdido de amor por você. .. com uma cintura fina. ou o que for.sonhando com o dia que você me dissesse que sente o mesmo.. e focalizou.. que você voltasse a ver. -Dor.. -Não! Eu quero saber até onde vou poder ver.. -Pronto Rafael – disse o médico com objetividade – tente abrir os olhos devagar e diga-me o que está sentindo. -O essencial é invisível aos olhos – ela disse chorando e sorrindo – e eu te amo também. ou desajeitada. você fosse feia. -Isso é ótimo Rafael. afinal foi tudo o que você. a obra mais perfeita. Anna! Estou vendo a cadeira. até que focalizou. Naquele dia na igreja eu descobri e desde então venho esperando. que objeto mais bonito de se ver! -Oh Rafael.. impaciente. -O quê? -Eu te amo. você praticamente declamou um poema para a cadeira e agora é incapaz de me dizer nada depois de tantos meses de falatório? Nem que seja para criticar minhas botas. Abriu e fechou os olhos várias vezes. com medo de decepcionar Anna. que bom! Nem consigo acreditar que.. como seu eu acordasse de repente em uma sala muita clara. uma minissaia jeans e um top branco e nos pés. Anna Maria Monteiro -ele disse com voz emocionada.

se aproximou bem devagar. ele segurou sua nuca. então tocou os lábios dela com os seus. ela sentou-se na cama. FIM . bem próxima a ele. a beleza do verdadeiro amor. E assim. foi isso que você pediu? Pois eu não lembrei de pedir pela minha visão acredita? -E o qual milagre você pediu? -Que você me amasse -Então Deus te atendeu mais rápido.pois eu saí de lá.-Oh querida. olhando-a. perdendo seu olhar dentro daquele paraíso verde. com a descoberta do amor que sinto por você em meu coração. aquela que dura e que não precisa de olhos para ser apreciada. suspirou aquele cheiro maravilhoso de sabonete e deu um longo e apaixonado beijo. Finalmente ele era um homem completo e finalmente ele conhecera a beleza. acariciando-a com os polegares. como um bater de asas de borboleta.ela rebateu brejeira.