Trabalho de Exegese do Gênesis 28.

10-17

Enquanto a tradução portuguesa ARA trás como título da perícope acima “A visão da escada” Kidner trás “O sonho e o voto de Jacó”, centralizando ambos os eventos para a compreensão do trecho. De acordo com Kidner no início do capítulo 28 começa a segunda fase da vida de Jacó (pág. 146). Antes disso, em vista da fraqueza de Esaú ele roubara astutamente a bênção da primogenitura. Ao iniciar sua peregrinação tem diante de si um objetivo e a garantia da bênção conferida por Isaque. O resumo da vida do patriarca feito pelo profeta Oséias (12.3 ) é fundamental para compreender sua história. Os verbos „ãqab, “pegou o calcanhar” e ´sãrâ, “lutou” abrigam na forma hebraica os dois nomes do patriarca, Jacó e Israel respectivamente, indicando o começo e o fim de sua peregrinação. Assim, o sonho no qual Deus lhe aparece e o voto por ele feito são os dois momentos dramáticos da mudança ocorrida. Por isso desta altura em diante sua história não é mais a mesma. Para provar isso Kidner afirma que subjazem ao texto de Oséias 12.12 e 13, em que “Jacó fugiu... serviu por uma mulher... guardou o gado” três substantivos principais que mostram os interesses pelos quais Jacó empreendeu a viagem: seu irmão, uma mulher e Deus. Os verbos por outro lado indicam o difícil caminho para a maturidade: “pegou do calcanhar... fugiu... serviu... guardou o gado... lutou... prevaleceu”. A viagem começa em Berseba com destino a Harã. Isaque na verdade ordenara que Jacó fosse à Planície de Arã para de lá tomar esposa (v. 2). De acordo com Kidner Arã “era um distrito situado perto de Harã, a noroeste da Mesopotâmia, onde se estabelecera Naor, irmão de Abraão. Era a terra natal de Rebeca.” (pág. 146) A certa altura da viagem, não determinada pelo autor de Gênesis, Deus vai ao seu encontro. Este evento, Kidner entende como “suprema demonstração da graça divina, não procurada e incondicional”. As preocupações e interesses de Jacó contrastam-se diretamente com este fato. Em sua mente pesava o fugir da espada de Esaú e o encontrar uma mulher. Quão surpreendente foi a ele a visão sobrenatural de Deus e seus anjos. No sonho, Deus não o recrimina ou lhe faz exigências, mas apenas declara suas garantias e promessas. Kidner nota que as palavras de Deus como garantia propagam-se do passado, declarando-se o Deus de Abraão (v. 13), até o futuro (v. 13), do ponto em que Jacó pousava (v. 14) até os confins da terra, incluindo particularmente Jacó no elo que faz parte da promessa que reverbera desde Abraão e abrange toda a humanidade.

e adjudicou a ele herança territorial e um salvo-conduto – garantia de vida em toda a sua jornada (v. pois deu-lhe a segurança de participar da aliança de seus antepassados.Destaca ainda que Deus foi pertinente à precária condição imediata em que se encontrava Jacó. Na condicional “se” parece tomar a promessa geral do versículo 15 e transferi-la ao particular do versículo 20. quanto ao dízimo. finalmente. pois suas palavras revelam antes temor para com o SENHOR que lhe aparecera do que preocupação com as promessas feitas. não como oferta. Alguns o acusam de responder como a um contrato comercial. Kidner passa a defender a réplica de Jacó. Desse temor é que decorreu o louvor e o voto de empenhar-se para cumprir a aliança. contudo Kidner diz que face às circunstâncias Jacó respondeu da melhor maneira possível.15). Kidner afirma que Jacó compreendeu-o como devolução. . Em seguida. E. Sentiu e expressou profundo temor.