Normas para Elaboração de Dissertações e Teses

Universidade de São Paulo
Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” Divisão de Biblioteca e Documentação

Normas para Elaboração de Dissertações e Teses

3ª edição Eliana Maria Garcia Ligiana Clemente do Carmo Kátia Maria de Andrade Ferraz

Piracicaba 2005

Universidade de São Paulo

Prof. Dr. Adolpho José Melfi – Reitor Prof. Dr. Hélio Nogueira da Cruz – Vice-Reitor

Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” Prof. Dr. José Roberto Postali Parra – Diretor Prof. Dr. Raul Machado Neto – Vice-Diretor Prefeitura do Campus “Luiz de Queiroz” Prof. Dr. Marcos Vinícius Folegatti – Prefeito Divisão de Biblioteca e Documentação Márcia Regina Migliorato Saad – Diretora Comissão de Pós-Graduação Profa. Dra. Clarice Garcia Borges Demétrio - Presidente Serviço de Pós-Graduação Ivete Aparecida Steffe Domingues - Chefe Capa José Adilson Milanêz Editoração eletrônica e digitalização de imagens Maria Clarete Sarkis Hyppolito Impressão e Acabamento Serviço de Produções Gráficas - USP/ESALQ Capa: (Óleo sobre tela) ”Biblioteca da ESALQ” Sônia Maria De Stefano Piedade

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) DIVISÃO DE BIBLIOTECA E DOCUMENTAÇÃO - ESALQ/USP

Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Normas para elaboração de dissertações e teses / Eliana Maria Garcia, Ligiana Clemente do Carmo e Kátia Maria de Andrade Ferraz. - - 3.ed. - - Piracicaba : ESALQ – Divisão de Biblioteca e Documentação, 2005. 99 p. : il. 1. Dissertação – Elaboração 2. Metodologia científica 3. Normalização da documentação 4. Tese – Elaboração I. Garcia, E. M. II. Carmo, L. C. do III. Ferraz, K. M. de A. IV. Divisão de Biblioteca e Documentação V. Título CDD 808.066

Normas para Elaboração de Dissertações e Teses

3ª edição

Eliana Maria Garcia Ligiana Clemente do Carmo Kátia Maria de Andrade Ferraz

Comissão de Revisão:
Prof. Dr. José Antonio Frizzone Prof. Dr. Pedro Jacob Christoffoleti Prof. Dr. Ricardo Shirota Prof. Dr. Luciano Verdade Eliana Maria Garcia (Bibliotecária Chefe – Seção de Referência) Marcelino Carneiro Guedes (Representante Discente) Ademir Diniz Neves (Representante Discente)

Piracicaba 2005

Apresentação
Desde a criação, na década de 60 da disciplina Redação Técnica e Orientação ao Usuário que juntos, docentes e bibliotecários vem trabalhando na busca da melhoria contínua de todo o processo que envolve a geração de dissertações e teses na ESALQ. Na sua terceira edição, totalmente revista e atualizada, as Normas para Elaboração de Dissertações e Teses contemplam as necessidades de padronização da estrutura dos documentos e d a s re f e r ê n c i a s b i b l i o g r á f i c a s , n o s s e u s m a i s d i f e re n t e s f o r m a t o s , d o i m p re s s o a o d i g i t a l , d o s v o l u m e s f í s i c o s a o s virtuais. Esta publicação foi elaborada com base nas exigências das normas ABNT – NBR 6023 de 2002 e são complementadas, por outras, entre as quais as Normas de Apresentação Tabular, do IBGE. E, por fim, como padronização é uma preocupação sistêmica dentre as Bibliotecas que compõem o Sistema Integrado de Bibliotecas da USP, este trabalho é uma extensão detalhada do modelo proposto pelo grupo DiTeses, através das “Diretrizes para Apresentação de Dissertações e Teses da USP: documento eletrônico e impresso”, editado pelo SIBi/USP para atender a todas as Unidades da USP e facilitar a inserção dos documentos digitais no Portal do Conhecimento/Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Márcia Regina Migliorato Saad Diretora Técnica – DIBD/ESALQ/USP

Prefácio
Consolida-se neste volume o preceituado em edições anteriores a fim de orientar as considerações pertinentes à elaboração de dissertações e teses, um dos requisitos para os cursos de Mestrado e Doutorado oferecidos pela ESALQ, respeitados os dispositivos vigentes da Associação Brasileira de Normas Técnicas. A presente edição foi aprovada na 376ª Reunião da Comissão de Pós-Graduação da ESALQ, realizada em 24/05/2004, e a sua utilização será obrigatória a partir da aprovação dos trabalhos entregues para a reunião da CPG de agosto de 2005. O texto comenta e reúne criteriosamente o que é importante e indispensável à comunicação escrita de natureza científica, nos moldes da estrutura lógica adequada à organização seqüencial das etapas de abordagem do assunto temático, demonstrando como se chegar com clareza, brevidade, coerência e precisão ao fim visado, que é a publicação do trabalho. Ao finalizar, gostaria de deixar meus sinceros agradecimentos às bibliotecárias Eliana Maria Garcia, Ligiana Clemente do Carmo e Kátia Maria de Andrade Ferraz, da Divisão de Biblioteca e Documentação, responsáveis pela elaboração deste documento, à Comissão encarregada da revisão, formada pelos professores José Antonio Frizzone (Área de Exatas), Luciano Martins Verdade, (Área de Ecologia de Agroecossistemas), Pedro Jacob Christoffoleti (Área de Biológicas) e Ricardo Shirota (Área de Ciências Sociais), pela bibliotecária Eliana Maria Garcia e pelos representantes discente Marcelino Carneiro Guedes e Ademir Diniz Neves, aos Coordenadores dos Programas de Pós-Graduação e ao Serviço de Pós-Graduação da ESALQ que deram valiosas sugestões. Clarice Garcia Borges Demétrio Presidente da Comissão de Pós-Graduação da ESALQ

7 Sumário 3.6 Abreviaturas e Siglas 1.11 Lista de Tabelas 3.6 Epígrafe 3.9 Tabelas 2 ESTRUTURA DA DISSERTAÇÃO OU TESE CONVENCIONAL 3 ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS 3.3 Conclusão(ões)/Considerações Finais 5 ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS 5.8 Ilustrações 1.9 Abstract 3.1 Introdução 4.13 Lista de Símbolos 4 ELEMENTOS TEXTUAIS 4.5 Paginação 1.4 Dedicatória(s) 3.1 Capa 3.2 Margens 1.2 Errata 3.1 Referências 5.1 Verso da Folha de Rosto 3.1 Formato 1.3 Espacejamento 1.3 Folha de Rosto 3.8 Resumo 3.2 Desenvolvimento 4.4 Numerações das Seções 1.10 Lista de Ilustrações 3.3.7 Equações e Fórmulas 1.2 Glossário 1 1 2 2 2 3 3 4 4 5 24 25 25 27 27 28 29 29 30 31 32 33 34 35 37 37 38 38 38 40 41 41 41 .5 Agradecimento(s) 3.12 Lista de Abreviaturas e Siglas 3.SUMÁRIO SUMÁRIO SUMÁRIO 1 REGRAS GERAIS DE APRESENTAÇÃO 1.

6 Autor Corporativo 10.1 Com um Autor 10.1.1 Introdução 9.1. Trabalho Acadêmico etc.11 Monografia com Anexos 10.1 Autor/Título 9.1.2 Edição 9.1.) 10.7 Com Indicação do Tradutor 10.1.1.1.3 Recomendações 9.1.4 Regras Gerais 9.3 Mais de 3 Autores 10.4 Abreviaturas 10 MODELOS DE REFERÊNCIAS 10.1. Folheto.1 Responsabilidades do Pós-graduando 7.1. Editora.1 Preparo do Original 8.3 Imprenta (Local de Publicação.2 Responsabilidades da DIBD 8 “CHECKLIST” DO PÓS-GRADUANDO 8.5 Índice 6 ESTRUTURA DA DISSERTAÇÃO OU TESE EM CAPÍTULOS 7 PROCEDIMENTO DE ENTREGA DA DISSERTAÇÃO/TESE .REVISÃO DA NORMALIZAÇÃO E FICHA CATALOGRÁFICA 7.1.4.1.8 Monografia em CD-ROM 10.2 Até 3 Autores 10.4.1.1. Ano) 9.1.5.5 Sem Autoria 10.1.3 Apêndice(s) 5.4 Com Responsabilidade Intelectual 10.1.4.1.1.2 Definição 9.1 Monografias no Todo (Livro.1.4 Anexo(s) 5.1.4.1 Monografias 10.12 Monografias em Vários Volumes 41 42 43 44 46 47 47 48 48 50 51 51 51 52 52 52 54 54 55 57 57 57 57 58 58 58 59 59 60 60 60 60 60 61 .9 Monografia On-line 10.1.2 Procedimento de Entrega do Original 9 REFERÊNCIAS 9.10 Monografia em Disquete 10.1.1.1.

4.3 Sem Autoria e Título da Parte 10.2.3 Artigos de Periódicos em CD-ROM 10.1 Suplemento/Nº Especial em Parte 10. Simpósios etc.Editorial 10.5 No Prelo 10. Seminários.3.4.4.6 Resumo de Artigos em Periódicos de Resumo (Abstracts) 10.3.6.6 Separatas 10.1 Dissertações.3 Dissertações.1 Coleção 10.8 Eventos (Congressos.) 61 61 61 62 62 62 64 64 64 65 65 66 66 66 67 67 67 68 68 68 68 69 69 69 70 70 70 71 71 72 72 .7 Resumo de Artigos em Periódicos 10.2 Suplemento/Nº Especial em Parte com Título Próprio 10. Teses e Trabalhos Acadêmicos On-line 10.7.4. Teses e Trabalhos Acadêmicos 10. Teses e Trabalhos Acadêmicos com Anexos 10.1 Autor do Capítulo é Diferente do Autor da Obra 10.5.2.3 Suplemento/Nº Especial no Todo 10.2 Resumo de Trabalhos Publicados em Eventos 10.3.4 Publicações Periódicas 10.3 Dissertações.5.5.2.2 Parte de Monografias 10.2.4.3.2 Autor do Capítulo é o Mesmo Autor da Obra 10.1 Artigos de Jornais On-line 10.5.4 Parte de Monografia On-line 10.7 Artigos de Jornais 10.8 Artigo de Periódico .3.5 Artigos de Periódicos com Autoria 10.1 Resumo de Artigos em Bases de Dados (On-line e CD-ROM) 10.4 Fascículo no Todo em CD-ROM 10. Teses e Trabalhos Acadêmicos em CD-ROM 10.5.4 Artigos de Periódicos On-line (revistas eletrônicas) 10.4.2 Fascículo no Todo 10.5.2 Títulos de Periódicos com Série 10.10.6.1 Artigos de Periódicos sem Autoria 10.2 Dissertações.5.5.

2 Constituição 10.2 Fotografias Aéreas 10.1 Sem Título Próprio 10.11.11.15 Documentos Cartográficos 10.17.4 Softwares 10. 10.9.1 Vídeos e DVDs 10.14 Relatórios e Pareceres Técnicos 10.16.16 Materiais Especiais 10.5 Trabalhos Publicados em Eventos no Formato Eletrônico (On-line e CD-ROM) 10.17.17.9.17 Informações Eletrônicas 10.1 Mapas 10. Portarias.3 Com Mesmo Título do Livro 10. Resoluções etc.8.3 Informações Obtidas pela Internet 10.8.1 Eventos no Todo 10.1 Documentos Eletrônicos 10.8.8.11.2 Com Título Próprio 10.10.2 Diapositivos (Slides) 10.9 Resenhas 10.8.1 Arquivos em Disquete 10. Resoluções etc.15.13 Normas Técnicas 10. Publicados em Monografia 10.1. Decretos.6 Trabalhos Apresentados em Eventos e Publicados em Periódicos 10.1 Leis.15.17.5 FTP 10.9.3 Leis.11 Documentos Jurídicos 10.12 Patentes 10.1.10 Memoriais 10.3 Imagens de Satélite (Impressa e/ou Digital) 10.16.6 Banco/Bases de Dados 72 73 73 73 74 74 74 75 75 75 75 76 76 76 77 77 78 78 79 79 79 80 80 80 81 81 82 82 82 82 82 83 83 .1.1.15.3 Trabalhos Publicados em Eventos 10.8.1.2 Eventos em CD-ROM 10. Decretos.17.17. Portarias.4 Trabalhos Publicados em Eventos Simultâneos 10.1.17.2 Home Page 10.

4 Sistemas de Chamadas 11.1 Citação em Língua Estrangeira 11.6 Mesmo Sobrenome de Autores para Obras Publicadas no Mesmo Ano 11.2. Conferências.8 Mesmo(s) Autor(es) e Anos Diferentes 11.1 Notas Explicativas 12.10 Entidades Coletivas 11.4.1 Definição 11. Inicial de Prenomes e Ano 11.4.2.4.4.) 10.1 Um Autor 11.7 Mesmo Sobrenome de Autores.9 Publicações Anônimas 11.2 Tipos de Citações 11.4.2.2 Dois Autores 11.4.19 Materiais não Convencionais (Apostilas.10.1 Definição 12.5 Diversos Documentos do Mesmo Autor e Ano 11.3 Regras Gerais 11.3 Regras Gerais 12.2.2 Notas de Referência 12. Seminários etc.4.4.4 Mais de 3 Autores 11.4.20 Folders 11 CITAÇÕES 11.2 Citação Indireta 11.4.1 Citação Direta 11.3.3 Três Autores 11.2 Tipos de Notas 12.4.11 Eventos (Congressos.18 Entrevistas/Depoimentos/Palestras (Impressos e On-line) 10.4. Material mimeografado etc.3 Citação de Citação 11.12 Citação de Documentos de Autores Diversos 12 NOTAS DE RODAPÉ 12.2.4 Expressões Latinas Utilizadas em Notas de Rodapé BIBLIOGRAFIA CONSULTADA 83 84 84 85 85 85 85 86 87 87 88 91 91 91 91 92 92 92 93 93 93 94 94 94 95 95 95 95 95 95 95 97 .2.) 11.

1 Formato a) Texto Os textos devem ser apresentados em papel branco. figuras. prolixidade. A impressão poderá ser feita de um só lado do papel ou dos dois lados. mantendo a uniformidade de tratamento em todo o trabalho.: recomenda-se utilizar negrito em todos os elementos da capa e folha de rosto. as iniciais de capítulos devem ser sempre em página ímpar. preferivelmente na 3ª pessoa do singular.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses REGRAS GERAIS DE APRESENTAÇÃO soal.7 cm X 28 cm) e digitados na cor preta (exceto as ilustrações). A dissertação ou tese deve ser escrita de forma objetiva e impes- 1. Adotar o Sistema Internacional de Unidades utilizando as abreviaturas convencionais e as mesmas unidades na redação do trabalho (disponível na DIBD). “nosso trabalho” ou “eu”. tabelas etc) – natureza do trabalho – área de concentração – orientador(a) folha de rosto e capa 1 . frases introdutórias desnecessárias. formato carta (21. No caso de impressão frente-e-verso. 1 c) Fonte Utilizar para a digitação as seguintes fontes: “Arial” ou “Times New Roman”: • Tamanho 14 – capa • Tamanho 12 – texto e folha de rosto • Tamanho 10 – citações textuais (entre aspas) de mais de 3 linhas – notas de rodapé – legendas (ilustrações. Obs. b) Capa Na capa recomenda-se utilizar papel couchê branco. A opção escolhida deverá ser utilizada ao longo de todo o texto. Evitar as expressões “meu trabalho”. repetições e descrições supérfluas.

separado por um espaço de caractere. dedicatória e a epígrafe são elementos sem título e sem indicativo numérico. o nome da instituição a que é submetida e a área de concentração. Na folha de rosto e na folha de aprovação. Para espacejamento de equações e fórmula.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses 1.3 Espacejamento Todo o texto deve ser digitado em espaço um e meio.4 Numerações das Seções O indicativo numérico de uma seção precede seu título. Notas. a natureza do trabalho.2 Margens Todas as páginas da tese/dissertação devem ser apresentadas com: • Margem superior e esquerda – 3 cm • Margem inferior e direita – 2 cm 3 cm 3 cm 2 cm 2 cm 1. devem ser alinhados no meio da página para a direita. ver item 1. exceto as citações de mais de 3 linhas. A folha de aprovação. alinhado à esquerda. 1. o objetivo.7. 2 . referências e legendas deverão ser em espaço simples.

Havendo apêndice e/ou anexo. do primeiro ao último volume. a numeração aparece a partir da dedicatória. as suas folhas devem ser numeradas de maneira contínua e sua paginação deve seguir a do texto principal. A contagem das páginas inicia-se a partir da folha de rosto.: 1 INTRODUÇÃO 2 DESENVOLVIMENTO 2. A numeração é colocada em algarismos arábicos.4 Material e métodos 1. Quando aparecer pela primeira vez no texto. a partir da folha de rosto.1 Considerações gerais 2.5 Paginação Todas as folhas do trabalho. As subseções são destacadas apenas pelo negrito (ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT. 1. No caso do trabalho ser constituído de mais de um volume. Os títulos das seções primárias devem iniciar em folhas distintas e ser destacadas pelo recurso de negrito e caixa alta. devem ser contadas seqüencialmente. deve ser mantida uma única seqüência de numeração das folhas.2 Parâmetros físicos 2. a 2 cm da borda superior.6 Abreviaturas e Siglas Reunião das letras iniciais dos vocábulos fundamentais de uma denominação ou título. no canto superior direito da folha. a forma completa do nome precede a sigla.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses Para evidenciar a sistematização do conteúdo do trabalho. porém. Ex. 2003).3 Parâmetros químicos 2. deve-se adotar a numeração progressiva para as seções do texto.: Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE 3 . Ex.

Quando fragmentadas em mais de uma linha. form. e do número de ordem de ocorrência no texto (em algarismos arábicos) e respectivo título e/ou legenda. Sua identificação deve aparecer na parte inferior.: x 2 + y2 = Z2 (x 2 + y 2) = 10 5 (1) (2) 1. plantas. por falta de espaço. subtração. fluxogramas. esquemas. organogramas. As chamadas às ilustrações no texto devem ser feitas da seguinte forma: Figura 1. Quadro 1 etc. (1) etc. quadros.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses 1. Ex. de modo a facilitar sua leitura. multiplicação e divisão. conforme o projeto gráfico. Na seqüência normal do texto. deve ser justificada após a palavra designada e do número da ordem de ocorrência. São centralizadas para dar destaque ao parágrafo. índices e outros). As chamadas às equações e fórmulas no texto devem ser feitas da seguinte forma: eq. fotografias.8 Ilustrações Compreendem figuras.7 Equações e Fórmulas As equações e fórmulas aparecem destacadas no texto. A numeração deve ser entre parênteses e justificada à direita. (1). retratos e outros. A ilustração deve ser inserida o mais próximo possível do trecho após a sua menção no texto a que se refere. desenhos. precedida da palavra designada. se houver. gráficos. mapas. é permitido o uso de uma entrelinha maior que comporte seus elementos (expoentes. devem ser interrompidas antes do sinal de igualdade ou depois dos sinais de adição. A segunda linha dos títulos das ilustrações. 4 .

9 Tabelas A tabela é um conjunto de dados. Para a construção de tabelas. • O título da tabela deve figurar no topo e deve ser precedido pela palavra tabela (apenas com a inicial T maiúscula). • A tabela pode ser numerada consecutivamente no documento como um todo ou por capítulo. pelo número de ordem em algarismos arábicos e um hífen. Neste caso. cuja finalidade básica é resumir ou sintetizar dados. para indicar a natureza e as abrangências geográfica e temporal dos dados numéricos. a numeração de ordem deve ser precedida do número do capítulo e um ponto. 5 . dispostos em uma determinada ordem de classificação. dispensando consultas ao texto.: Figura 2 .Normas para Elaboração de Dissertações e Teses Ex.IBGE (1993): • A tabela deve ter significado próprio. Ela deve estar localizada o mais próximo possível. após o ponto em que é mencionada pela primeira vez no texto. que expressam as variações qualitativas de um fenômeno. devem ser considerados os critérios estabelecidos pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística .Categorias de fontes supridoras de medidas sobre maquinaria agrícola e meios utilizados para aquisição de dados 1.

Normas para Elaboração de Dissertações e Teses Ex.18). a substituição de um dado numérico deve ser feita por um dos sinais apresentados a seguir: 6 . separando-se as partes por um traço vertical duplo e repetindo-se o cabeçalho (ver exemplo p. • Na tabela. e a cada página deve haver uma das seguintes indicações: continua para a primeira.14). lado a lado. na mesma página repetindo-se o cabeçalho das colunas indicadoras e os indicadores de linha (ver exemplos p. quando houver necessidade. deve ser colocada em posição horizontal com o título voltado para a margem esquerda da folha. o final da primeira página não será delimitado por traço horizontal na parte inferior. • A tabela que ultrapassar a dimensão da página em número de linhas. uma abaixo da outra. 9). • A tabela pode continuar na página seguinte. Nesse caso. o cabeçalho será repetido na página seguinte. • As fontes consultadas para a construção da tabela e outras notas devem ser colocadas após o traço inferior.: Tabela 1 – Tabela 2 – ou Tabelas do capítulo 4: Tabela 4. e tiver poucas linhas. na mesma página.12 e p.2 - • A tabela deve ser colocada preferencialmente em posição vertical. conclusão para a última e continuação para as demais. os itens devem ser estruturados com um ou mais traços verticais paralelos adicionais (ver exemplo p. 9). Caso não haja espaço suficiente.1 Tabela 4. • Para destacar parte do cabeçalho ou parte dos dados numéricos em uma tabela. pode ter o centro apresentado em duas ou mais partes. • Toda a tabela que ultrapassar a dimensão da página em número de colunas. facilitando a leitura dos dados. O conteúdo do rodapé só deve ser apresentado na página de conclusão (ver exemplo p. e tiver poucas colunas. pode ter o centro apresentado em duas ou mais partes.

não se aplica dado numérico.Pessoas residentes em domicílios particulares.00. 0.IBGE.00. etc. 0.. Exemplo de Tabelas: Tabela 1 . 0.Brasil . dado numérico igual a zero resultante de arredondamento de um dado numérico originalmente negativo. consultar “Normas de Apresentação Tabular” (IBGE.1980 Fonte: Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística . estes deverão ser apresentados em nota geral com seus respectivos significados. -0. por sexo e situação do domicílio .0. 1993). • Quando em uma tabela aparecerem sinais convencionais. -0. . Obs.. -0. dado numérico igual a zero não resultante de arredondamento.. etc dado numérico igual a zero resultante de arredondamento de um dado numérico originalmente positivo.: Para casos não encontrados nesta Norma.0. dado numérico não disponível. X dado numérico omitido a fim de evitar a individualização da informação.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses . 7 .

8 .Pessoas residentes em domicílios particulares.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses Tabela 2 .Dado numérico igual a zero não resultante de arredondamento. N o t a : Sinal convencional utilizado: .1980 Fonte: Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística . por estado conjugal. para as Microrregiões e os Municípios do Estado do Amapá .IBGE.

em ordem decrescente. por Municípios do Estado de Alagoas.Taxa de crescimento anual da população residente.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses Tabela 3 . no período 1980-1991 9 .

Normas para Elaboração de Dissertações e Teses Tabela 3 . por Municípios do Estado de Alagoas.Taxa de crescimento anual da população residente. no período 1980-1991 10 . em ordem decrescente.

Notas: Dados numéricos arredondados.IBGE. no período 1980-1991 Fonte: Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística . 0 0 Dado numérico igual a zero resultante de arredondamento de dado numérico originalmente negativo. _ 0 . 0 0 Dado numérico igual a zero resultante de arredondamento de dado numérico originalmente positivo.Taxa de crescimento anual da população residente. por Municípios do Estado de Alagoas.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses Tabela 3 . Sinais convencionais utilizados: 0 . em ordem decrescente. 11 .

Esperança de vida ao nascer.1940/1980 Fonte: Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística . Exclui os dados relativos à Região VII.IBGE. Brasil . (1) (2) (3) (4) Estimativas sujeitas a revisão.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses Tabela 4 . Inclui a população das Regiões Norte e Centro-Oeste.. resultantes de interpolação linear. Notas: Média das esperanças de vida ao nascer. uma vez que a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios só foi estendida àquela região a partir de 1973. 12 .. obtidas através do emprego da Técnica de Brass. 3 e 5 anos. . Sinais convencionais utilizados: . por região socioeconômica. nas Tábuas de Mortalidade Modelo Brasil. das probabilidades de morrer até as idades de 2. do Censo Demográfico de 1980. Exclui os dados da zona rural das Regiões Norte e Centro-Oeste. Dado numérico não disponível. Não se aplica dado numérico.. por não estar concluído o processo de avaliação de consistência das informações sobre filhos tidos nascidos vivos e nascidos mortos.

em relação às pessoas de 15 anos ou mais de idade economicamente ativas.Brasil janeiro de 1991 a maio de 1992 Fonte: Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística . (1) Percentual de pessoas de 15 anos ou mais de idade procurando trabalho.Taxa de desemprego aberto (1). por Região Metropolitana. 13 . na semana de referência.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses Tabela 5 .Pesquisa Mensal de Emprego. ano e mês de investigação .

Brasil .1990 Fontes: Presidência da República. 14 . Divisão de Estatítica .Normas para Elaboração de Dissertações e Teses Tabela 6 .Turistas estrangeiros. Instituto Brasileiro de Turismo.1980 . por meio de transporte e a Unidade da Federação de entrada . Secretaria de Desenvolvimento Regional.Departamento de Polícia Federal.

Sistema Nacional de Índices de Preços ao consumidor. N o t a : A partir de março de 1990 o padrão monetário mudou de cruzado novo (NCz$) para cruzeiro (CR$).JUN/DEZ 1989 . Departamento de Índices de Preços.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses Tabela 7 .na Região Metropolitana de Belém . Diretoria de Pesquisas. 15 .Preço médio de produto e de serviço selecionado do Índice Nacional de Preços ao Consumidor INPC .JUN/DEZ 1990 Fonte: IBGE.

1985 do Conselho Nacional do Meio Ambiente. em números absolutos e relativos.1973 Fonte: IBGE. por zona hipsométrica do Brasil . Nota: Dados sujeitos a retificação. Diretoria de Geociências. (1) Áreas de reservas ecológicas. conforme resolução nº 04 de 18. Departamento de Cartografia.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses Tabela 8 . 16 .09.Superfície total.

por grupo de densidade do rebanho bovino .Normas para Elaboração de Dissertações e Teses Tabela 9 .1975 Fonte: IBGE. Diretoria de Pesquisas.Número de estabelecimentos agropecuários.Brasil . Censo Agropecuário. número de tratores e efetivo de bovinos. Coordenação dos Censos Ecnômicos. 17 . Nota: Dados sujeitos a retificação. pessoal ocupado.

População de 0 a 11 meses de idade. 3 Sinal convencional utilizado: . Pesquisa Nacional de Saúde e Nutrição. AC. N o t a : 1 Exclui as pessoas cuja condição na família era pensionista. Departamento de Estatísticas e Indicadores Sociais . 18 .Dado numérico igual a zero não resultantes de arredondamento. (1) Inclui sem declaração de aleitamento materno. 2 Exclui a população da zona rural de RO. RR.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses Tabela 10 . AM. Diretoria de Pesquisas. grupo de idade e classe de rendimento mensal familiar per capita Brasil -1989 Fonte: IBGE.Instituto Nacional de Alimentação e Nutrição. empregado doméstico ou parente do empregado d o méstico. PA e AP. por aleitamento materno.

com indicação dos nascidos no ano.Número de registros no ano de nascidos vivos. Diretoria de Pesquisas. (1) Inclui registros de nascidos vivos em anos anteriores. Departamento de População.1987 .Normas para Elaboração de Dissertações e Teses Tabela 11. 19 . pesquisa do Registro Civil. por sexo e Grande Região de registro Brasil .1989 Fonte: IBGE.

sexo e grupo de idade . sem Tocantins. 20 .População de 5 anos ou mais de idade. por condição de alfabetização.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses Tabela 12 . Notas: As diferenças emtre soma de parcelas e respectivos totais são provenientes do critério de arredondamento. Departamento de Emprego e Rendimento.Dado numérico igual a zero não resultante de arredondamento.Brasil .1990 Fonte: IBGE. (1) Inclui as pessoas sem declaração de alfabetização. Diretoria de Pesquisas. . Exclui as pessoas da zona rural da Região Norte. Sinais convencionais utilizados: 0 Dado numérico igual a zero resultante de arredondamento de um dado numérico originalmente positivo.

09..1980 e 01.Sinais convencionais utlizados: .População residente em 1980 e 1991. Rio de Janeiro: IBGE nº 4. 31 p.1991. para os Municípios do Estado de Roraima Fonte: Sinopse Preliminar do Censo Demográfico 1991. por sexo. (1) (2) (3) Valores numéricos de áreas sujeitos a verificação/alteração. Município instalado entre 01.09. . Município que sofreu desmembramento entre 01. .09..Normas para Elaboração de Dissertações e Teses Tabela 13 . Amapá. face ao processo de implantação de nova metodologia na medição. Não se aplicada dado numérico. Dado numérico não disponível. Nota .1980 e 01. Roraima. área total e densidade demográfica em 1991. 21 .1991.09.

Brasil.Total de estabelecimentos.Tabela 14 . N o t a : Sinais convencionais utilizados: x Dado numérico omitido a fim de evitar a individualização da informação.12. 9.1982 Fonte: Pesquisa Industrial . 410 p.1982. v. 22 .Dado numérico igual a zero não resultante de arredondamento. Rio de Janeiro: IBGE. valor da produção e valor da transformação industrial das indústrias metalúrgicas.1982 .1984. Inclui o valor dos serviços prestados a terceiros e a estabelecimentos da mesma empresa. por Unidade da Federação do Brasil . (1) (2) Em 31. pessoal ocupado. . Dados gerais.

Nota: Foram considerados os pontos com altura superior a 2 500 metros. Departamento de Cartografia. Fronteira com a Venezuela. Fronteira com a Guiana. à leitura de cartas topográficas. (1) (2) (3) As altitudes ao decímetro correspondem às medições de campo e.1992 Fonte: IBGE.Altitude e coordenadas geográficas dos pontos mais altos do Brasil . as demais.Tabela 15 . Diretoria de Geociências. 23 .

textuais ou pós-textuais (ABNT. de acordo com o julgamento da banca) Folha de rosto Ficha catalográfica (verso da folha de rosto) Dedicatória (opcional) Agradecimentos (opcional) Biografia do autor (opcional) Epígrafe (opcional) Sumário Resumo Abstract Resumen (espanhol). Résumé (francês) entre outros (opcional) Lista de Ilustrações (opcional) Lista de Tabelas (opcional) Lista de Abreviaturas e Siglas (opcional) Lista de Símbolos (opcional) 2 Textuais 1 Introdução 2 Desenvolvimento 3 Conclusão(ões)/Considerações Finais Pós-Textuais Referências Bibliografia Consultada/Bibliografia Recomendada Glossário (opcional) Apêndice(s) (opcional) Anexo(s) (opcional) Índice (opcional) 24 .ESTRUTURA DA DISSERTAÇÃO OU TESE CONVENCIONAL guintes elementos: pré-textuais. 2002a). A estrutura convencional da dissertação/tese compreende os se- Pré-Textuais Capa Página em branco Errata (opcional.

Obs. nomes próprios e/ou científicos. • Título e subtítulo (se houver) em letras minúsculas. 1. impresso longitudinalmente de cima para baixo*. principalmente quando se tratar de espécies pouco conhecidas. o grau e o ano.: na lombada deve estar grafado o nome completo do autor.1 Capa A capa deve conter os seguintes elementos: ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS • Nome da instituição. • Nome completo do autor.3. grau pretendido (mestrado. v. • Indicação do volume se houver mais de um.: é conveniente que os nomes vulgares das espécies sejam seguidos dos nomes científicos em itálico e entre parênteses. 2. • Natureza (dissertação ou tese). com exceção da primeira letra do título. Obs. • Local (cidade). • Ano de depósito (da entrega). 3 25 .: v. Ex. doutorado e livre-docência) e área de concentração.

Normas para Elaboração de Dissertações e Teses * Centralizado horizontalmente e verticalmente. com as devidas correções e indicação das folhas e linhas em que aparecem (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR. de acordo com a espessura da lombada 3. 2000c).2 Errata Errata é uma lista de erros tipográficos ou de outra natureza. 26 . Para facilitar sua identificação deve apresentar a referência do trabalho e ser colada na folha em branco que precede a folha de rosto.

• Nome do orientador(a) e co-orientador(a) (se houver). Piracicaba. F. 73 p. 01 mo. 1998. Dissertação (Mestrado em Agronomia) – Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”. Biodegradação e adsorção dos herbicidas diuron e ametrina em solos tratados com vinhaça.3 Folha de Rosto A folha de rosto deve conter os seguintes elementos: • Nome completo do autor. • Natureza (dissertação ou tese). Dra. Dr. 27 . Universidade de São Paulo. • Ano de depósito (da entrega). • Indicação do volume se houver mais de um. Profª. • Local (cidade). 1998. Página 24 26 31 Linha 2 Tabela 5 Figura 3 Onde se lê CaClo. L-1 Dias após aplicação 68 Atividade microbiana umol 14 de C-glicose consumida -1 -1 g h A200 Receptora Latossolo Vermelho 2 cm 34 41 65 Figura 6 – Na legenda contínua em negrito 19 21 A100 Doadora Terra Roxa Estrutura 2 cm 3.01 mo. precedido de Prof. Piracicaba. doutorado e livre-docência) e área de concentração. L-1 Dias após aplicação 63 Atividade microbiana umolg-1h-1 Leia-se CaClo 0.. • Título e subtítulo (se houver).Normas para Elaboração de Dissertações e Teses 3 cm ERRATA 3 cm PRATA. grau pretendido (mestrado. • Formação profissional (título da graduação).

28 .Normas para Elaboração de Dissertações e Teses 3. Os assuntos que constam na ficha catolográfica seguem vocabulários controlados da Instituição.1 Verso da Folha de Rosto No verso da folha de rosto devem constar a ficha catalográfica preparada pela Divisão de Biblioteca e Documentação e a autorização para reprodução do documento.3.

na qual o autor homenageia outras pessoas ou dedica o seu trabalho a elas. 3. 29 .O autor” 3.4 Dedicatória(s) Página opcional.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses “Permitida a cópia total ou parcial deste documento desde que citada a fonte . ficando a formatação dessa página a critério do autor.5 Agradecimento(s) Página opcional na qual o autor agradece àqueles que realmente contribuíram de maneira relevante para a elaboração do trabalho.

serve de tema ou assunto ou para resumir o sentido ou situar a motivação da obra. colocada no início de um capítulo ou folhas de abertura de seções primárias.6 Epígrafe Epígrafe é um título ou frase que. Tema de abertura 30 .Normas para Elaboração de Dissertações e Teses AGRADECIMENTOS 3.

: o sumário não deve ser confundido com índice. após a folha de rosto. os agradecimentos e a epígrafe. dos elementos textuais (dos capítulos. a folha de aprovação. 31 . “Table des Matières” em francês.7 Sumário O sumário é a relação dos títulos dos elementos pré-textuais. das seções ou das partes) e dos elementos pós-textuais com o mesmo padrão gráfico empregado no texto. Obs. O sumário deve ser apresentado da seguinte maneira: a) Elaborar em folha distinta.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses 3. a dedicatória. dos elementos textuais (dos capítulos. é também denominado “Contents” em inglês. das seções ou das partes) e dos elementos pós-textuais acompanhados do número da página onde estão localizados. b) Relacionar os títulos dos elementos pré-textuais. “Sommario” em italiano e “Inhalt” em alemão. “Contenido” em espanhol.

8 Resumo O resumo é constituído de uma seqüência de frases concisas e objetivas. 32 .: redigir em parágrafo único com espacejamento simples. nas quais devem ser indicadas: natureza do problema. não ultrapassando 500 palavras. Obs. definidas pelo autor.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses 3. Após o resumo. devem constar as palavras-chave (termos livres) pertinentes ao tema do trabalho. resultados mais significativos e conclusões. material e métodos utilizados.

sendo obrigatória. 33 . A apresentação do resumo em outros idiomas fica a critério do autor/orientador.9 Abstract O abstract é a versão do resumo em inglês.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses 3.

quadros. mapas. com cada item designado por seu nome específico. retratos e outros).Normas para Elaboração de Dissertações e Teses 3. 34 .10 Lista de Ilustrações Elemento opcional elaborado de acordo com a seqüência apresentada no texto. plantas. acompanhado do respectivo número da página. recomenda-se a elaboração de lista própria para cada tipo de ilustração (figuras. desenhos. organogramas. quadros. fotografias. fluxogramas. gráficos. Quando necessário.

11 Lista de Tabelas Elemento opcional elaborado de acordo com a seqüência das tabelas apresentadas no texto. 35 .Normas para Elaboração de Dissertações e Teses 3. acompanhada do respectivo número da página.

36 .Normas para Elaboração de Dissertações e Teses .

abreviaturas etc). 37 . 3. É considerada elemento opcional. símbolos. Obs.: recomenda-se a elaboração de lista própria para cada tipo (siglas.12 Lista de Abreviaturas e Siglas É a relação das abreviaturas ou siglas utilizadas no texto. considerada elemento opcional.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses 3. ordenadas alfabeticamente e seguidas de seus respectivos significados.13 Lista de Símbolos Deve ser elaborada de acordo com a ordem apresentada no texto.

b) Indicar os objetivos. em que se descrevem os fatos e toda a argumentação pertinente a eles (ANDRADE. que visa a expor o assunto e demonstrar as idéias principais.1 Introdução Introdução é a parte do trabalho em que o assunto é apresentado como um todo. Para a estrutura do trabalho não há padrão único. 38 . dando o roteiro ou a ordem de exposição. sem detalhes. c ) Destacar os tópicos principais do texto.desenvolvido. Trata-se do elemento explicativo do autor para o leitor. A introdução deve: a ) Estabelecer o assunto de forma sucinta sem deixar dúvidas. Evidenciar o período de abrangência da pesquisa. de revisão bibliográfica entre outros). de campo. é a fundamentação lógica do trabalho. 4 4. não-experimental. Cada seção primária deve iniciar em folha própria. A estrutura da parte textual da dissertação/tese consiste em Introdu- O texto é a parte do trabalho em que o assunto é apresentado e ELEMENTOS TEXTUAIS ção. incluindo informações sobre a natureza e a importância do tema. 4. o qual depende essencialmente da natureza do estudo (experimental. 2001). a finalidade e a justificativa do trabalho. Pode ser dividido em seções ou capítulos e subseções.2 Desenvolvimento O desenvolvimento é a parte principal. Em essência. Desenvolvimento e Conclusão(ões)/Considerações Finais. exceto os resultados obtidos.

p. • hipóteses e generalizações devem ser evitadas. isto é. utilizada pelas áreas tecnológicas e afins. geralmente. • os dados utilizados na análise estatística devem figurar no texto ou ser anexados ao trabalho. Esse termo é adotado pelas áreas humanísticas e afins. • os métodos inéditos desenvolvidos pelo autor devem ser justificados. 51. materiais. • mencionar o nome de todos os autores citados no texto ou em notas e obrigatoriamente nas referências (ver capítulos específicos: CITAÇÕES. evidenciando a evolução do assunto. “Metodologia” é o conjunto de métodos utilizados durante o desenvolvimento da pesquisa e deve ser apresentada na seqüência cronológica em que o trabalho foi conduzido. registro de casos clínicos e cirúrgicos. 39 . • oferecer subsídios para formulação das hipóteses e a explicação de sua fundamentação. É importante que se considerem neste item os seguintes aspectos: • a descrição precisa dos métodos. Nesse caso. “Casuística e Métodos” é a denominação empregada quando o trabalho de pesquisa envolve seres humanos. técnicas e equipamentos utilizados deve permitir a repetição do experimento ou estudo com a mesma exatidão por outros pesquisadores. • técnicas novas podem ser descritas com detalhes. pode-se fazer apenas referência e não descrição.85. Essa denominação é. • limitar-se às contribuições mais importantes (diretamente ligadas ao assunto).Normas para Elaboração de Dissertações e Teses As principais abordagens dentro desse item podem ser: a) Revisão Bibliográfica É parte essencial nas dissertações/teses e na qual se deve: • fazer referência a trabalhos anteriormente publicados. 95 e REFERÊNCIAS. p. p. a citação do autor se faz necessária. • em relação às técnicas e aos métodos já conhecidos. Esse termo é utilizado pelas áreas biomédicas e afins. b) Material e Métodos/Metodologia/Casuística e Métodos “Material e Métodos” compreende o(s) material(is) empregado(s) e a descrição das técnicas adotadas durante o desenvolvimento do trabalho. e as suas vantagens em relação a outros devem ser apontadas. NOTAS DE RODAPÉ. Novos equipamentos devem ser ilustrados com fotografias e desenhos. quando não estiverem embasadas nos elementos contidos no trabalho.

ser acompanhados de tabelas. além de recomendações. • os dados experimentais obtidos podem ser analisados e relacionados com os principais problemas que existam sobre o assunto. quando for o caso. • indicar as aplicações e limitações teóricas dos resultados obtidos. aconselha-se intitular a parte final de “Considerações Finais”.3 Conclusão(ões)/Considerações Finais Conclusão é a recapitulação sintética dos resultados e da discussão do estudo ou da pesquisa. ressaltando o alcance e as conseqüências de suas contribuições.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses c) Resultados Os resultados obtidos devem ser apresentados de forma precisa e clara. apresentando novas perspectivas para a continuidade da pesquisa. d) Discussão Na discussão recomenda-se: • relacionar causas e efeitos. conforme sua adequação aos objetivos do trabalho. material e métodos ou casuística. Nem todos os trabalhos requerem uma seção ou capítulo dedicado à revisão bibliográfica. dando subsídios para a conclusão. para maior clareza. quadros ou figuras com valores estatísticos. • esclarecer teorias e princípios relativos ao trabalho e exceções. Há casos em que os autores preferem incorporála à introdução. Pode apresentar deduções lógicas e correspondentes aos objetivos propostos. No caso de o trabalho não ser conclusivo. Pode conter a indicação de problemas dignos de novos estudos. 40 . principalmente se a revisão for breve. baseada em dados comprovados. A conclusão deve ser breve. gráficos. sua interpretação e a discussão teórica que podem estar conjugadas ou separadas. 4. • ressaltar os aspectos que confirmem ou modifiquem de modo significativo as teorias estabelecidas. modificações. • os resultados obtidos podem. em que devem ser considerados os seguintes aspectos: • análise dos dados. a metodologia. contradições.

A paginação deve ser contínua. porém são dispensáveis à compreensão do texto.3 Apêndice(s) Apêndices são suportes elucidativos. Devem ser separados do texto por uma folha adicional. com indicação do seu início. Ex. 5. material documental. em ordem alfabética.51. 5 APÊNDICES 41 . dando seguimento à do texto principal.2 Glossário O glossário consiste em uma lista. mas não essenciais à compreensão do texto. das palavras ou expressões pouco conhecidas utilizadas no texto. ilustrativo etc.1 Referências Ver capítulo específico denominado REFERÊNCIAS. p. Os apêndices devem ser identificados por letras maiúsculas consecutivas. Têm o mesmo papel que as notas explicativas de rodapé. acompanhadas das respectivas definições.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses 5. ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS 5.: cópia de documentos inacessíveis ao leitor.

... Os anexos devem ser identificados por letras maiúsculas consecutivas.: APÊNDICE A . ANEXO B .. dando seguimento à do texto principal.. Devem ser separados do texto por uma folha adicional com indicação do seu início.. 5.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses Ex. 42 .4 Anexo(s) Os anexos são suportes elucidativos indispensáveis à compreensão do texto.. APÊNDICE B ..: ANEXO A .. A paginação deve ser contínua. ANEXOS Ex... considerados partes integrantes do trabalho..

5 Índice O índice é a relação detalhada dos assuntos.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses 5. O índice deve ter paginação contínua à do texto. em ordem alfabética que aparece no final do documento. geográficos e outros) e títulos. nomes (de pessoas. 43 . localizando e remetendo ao texto.

1 Introdução 2. Résumé (francês) entre outros (opcional) Textuais 1 INTRODUÇÃO Referências Bibliografia Consultada/Bibliografia Recomendada 2 TÍTULO DO ARTIGO Resumo Abstract 2.1 Introdução 3.2 Desenvolvimento 3.3 Conclusão(ões)/Consideração(ões) Final(is) Referências Bibliografia Consultada/Bibliografia Recomendada 3 TÍTULO DO ARTIGO Resumo Abstract 3.ESTRUTURA DA DISSERTAÇÃO OU TESE EM CAPÍTULOS seguintes elementos: A estrutura da dissertação/tese em capítulos compreende os Pré-Textuais Capa Folha em branco Errata (opcional de acordo com o julgamento da banca) Folha de rosto Ficha catalográfica (verso da folha de rosto) Dedicatória (opcional) Agradecimentos(opcional) Epígrafe (opcional) Sumário Resumo Abstract Resumen (espanhol).2 Desenvolvimento 2.3 Conclusão(ões)/Consideração(ões) Final(is) Referências Bibliografia Consultada/Bibliografia Recomendada 6 Pós-Textuais Glossário (opcional) Apêndice(s) (opcional) Anexo(s) (opcional) Índice (opcional) 44 .

descrevendo os objetivos que levaram à escolha do tema. Quanto à apresentação das subseções dentro do artigo. tabelas. co-autor dos trabalhos apresentados. As referências citadas no referido artigo devem ser relacionadas no final do respectivo capítulo. comunicações curtas. cartas ao editor e similares) não são considerados para essa estrutura de dissertação/tese. A elaboração dos capítulos (artigos) que irão no trabalho devem seguir as instruções propostas no item 4 “Elementos Textuais”. ilustrações podem ter o número seqüencial no trabalho ou ter número próprio em cada capítulo. ou seja. A dissertação/tese nessa forma de apresentação deve conter um capítulo denominado “Introdução”. técnicas. Os artigos devem ser elaborados a partir do ingresso no curso e submetidos à publicação. Os trabalhos de revisão. essas não se iniciam em páginas distintas. Nesse caso não se recomenda que se façam as listas respectivas. Os elementos pós-textuais como glossário. trabalhos apresentados em congressos e publicados em anais e artigos reduzidos (resumos.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses Nessa forma de apresentação das dissertações/teses. anexo (s) e índice seguem a mesma seqüência da dissertação/tese convencional. apêndice (s). no mínimo dois trabalhos científicos relacionados ao plano da dissertação ou tese. As figuras. Devem ter recebido a colaboração efetiva do orientador que é. 45 . em que ele é o primeiro autor. obrigatoriamente. são apresentadas seqüencialmente até o término do artigo. o pós-graduando deve apresentar de comum acordo com o orientador. acompanhados de comprovante de recebimento.

7 46 .REVISÃO DA NORMALIZAÇÃO E FICHA CATALOGRÁFICA catalográfica do trabalho.PROCEDIMENTO DE ENTREGA DA DISSERTAÇÃO/TESE . para se chegar à versão final do documento. • Trazer novamente à Biblioteca para última revisão. Consultar o “Procedimento para Entrega de Dissertações/Teses na DIBD: Normalização e Ficha Catalográfica” na home page da DIBD (http://dibd. • Após 2 dias úteis retirar a ficha catalográfica impressa e em disquete.br). o pós-graduando terá no máximo 5 dias úteis para efetuá-las junto à bibliotecária. • Entregar a dissertação/tese juntamente com o “Comprovante de Revisão” preenchido pelas bibliotecárias da Seção de Referência da Biblioteca Central e das Bibliotecas Setoriais e um disquete contendo o resumo definitivo em português na Seção de Processamento da Informação (Monografias) da Biblioteca Central para elaboração da ficha catalográfica. Se houver necessidade de novas revisões. • Buscar o trabalho revisado na respectiva Biblioteca para efetuar as correções indicadas.usp.esalq. preparada pela Divisão de Biblioteca e Documentação. Os alunos de pós-graduação deverão adotar o seguinte procedimento para a obtenção da ficha catalográfica: • Levar a dissertação/tese normas elaborada de acordo com as N o verso da folha de rosto deve constar a ficha vigentes na Seção de Referência da Biblioteca Central e nas Bibliotecas Setoriais.

respeitando o prazo estipulado pela DIBD. incluindo folha de rosto. quando necessário. páginas pré-textuais e sumário. • Observar a paginação.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses 7. • Checar as tabelas quanto à formatação. nem mesmo o resumo. • Esclarecer dúvidas de formatação do documento. • Elaborar a ficha catalográfica. • Checar os autores citados no texto. nada poderá ser alterado.2 Responsabilidades da DIBD • Fazer as revisões das referências. 47 . para receber a ficha catalográfica. • Estar ciente de que. • Efetuar as devidas correções. 7. • Verificar a seqüência dos capítulos. • Levar a dissertação/tese em tempo hábil para a revisão geral. após a revisão do trabalho e expedição da ficha catalográfica.1 Responsabilidades do Pós-graduando • Seguir as “Normas para Elaboração de Dissertações e Teses”.

Résumé (francês) entre outros (opcional) Lista de Ilustrações (opcional) Lista de Tabelas (opcional) Lista de Abreviaturas e Siglas (opcional) Lista de Símbolos (opcional) Folha de Rosto 8 48 . superior direito a 2 cm Tabelas/Ilustrações – Verificar a numeração e os títulos Apêndice (s)/Anexo (s) – Usar letras para identificação seqüencial Estrutura Convencional Pré-Textuais Capa (obrigatório) Página em branco Errata (opcional) Folha de rosto (obrigatório) Ficha catalográfica (verso da folha de rosto) (obrigatório) Dedicatória (opcional) Agradecimentos (opcional) Epígrafe (opcional) Sumário (obrigatório) Resumo (obrigatório) Abstract (obrigatório) Resumen (espanhol). figuras. tabelas.8.Citações de mais de 3 linhas.capa 12 . legendas (ilustrações.Carta Branco Margens . notas de rodapé. etc) • natureza do trabalho • área de concentração • orientador (a) Paginação – A partir da dedicatória.1 Preparo do Original “ CHECKLIST ” DO PÓS-GRADUANDO Papel .Rosto 10 .Superior/Esquerdo = 3 cm Inferior/Direita = 2 cm Espacejamento – Um e meio Fonte: “Arial” ou “Times New Roman” Tamanho da Letra: 14 .

Résumé (francês) entre outros (opcional) 49 .Normas para Elaboração de Dissertações e Teses Textuais 1 Introdução 2 Desenvolvimento 3 Conclusão(ões)/Consideração(ões) Final(is) Pós-Textuais Referências Bibliografia Consultada/Bibliografia Recomendada Glossário (opcional) Apêndice(s) (opcional) Anexo(s) (opcional) Índice (opcional) • Estrutura em Capítulos Pré-Textuais Capa (obrigatório) Página em branco Errata (opcional) Folha de rosto (obrigatório) Ficha catalográfica (verso da folha de rosto) (obrigatório) Dedicatória (opcional) Agradecimentos (opcional) Epígrafe (opcional) Sumário (obrigatório) Resumo (obrigatório) Abstract (obrigatório) Resumen (espanhol).

2 Procedimento de Entrega do Original Biblioteca Correção da revisão Resumo e Summary (meio eletrônico) Ficha catalográfica Impressão e encadernação Depósito na Seção de Pós-Graduação Exemplares impressos Disquete ou cd (trabalho na íntegra) Autorização do orientador para depósito 50 .1 Introdução 2.3 Conclusão(ões)/Consideração(ões) Final(is) Referências Bibliografia Consultada/Bibliografia Recomendada Pós-Textuais Glossário (opcional) Apêndice (s) (opcional) Anexo(s) (opcional) Índice (opcional) 8.3 Conclusão(ões)/Consideração(ões) Final(is) Referências Bibliografia Consultada/Bibliografia Recomendada 3 TÍTULO DO ARTIGO Resumo Abstract 3.2 Desenvolvimento 2.2 Desenvolvimento 3.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses Textuais 1 INTRODUÇÃO Referências Bibliografia Consultada/Bibliografia Recomendada 2 TÍTULO DO ARTIGO Resumo Abstract 2.1 Introdução 3.

A referência é constituída de: • Elementos essenciais: os considerados indispensáveis à identificação do documento. após as “Referências”.1 Introdução cionados no texto. • Elementos complementares: são elementos que. acrescentados àqueles. portanto.: dicionários gerais e E ste capítulo aborda os documentos consultados pelo autor e men- REFERÊNCIAS normas para apresentação). retirados de um documento e que permitem a sua identificação no todo ou em parte (UFPR. 2002c).2 Definição Referência é um conjunto padronizado de informações bibliográficas agrupadas em elementos descritivos. 2000b). devem ser referenciados em outra lista denominada “BIBLIOGRAFIA CONSULTADA” ou “BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA”. conforme o tipo (ABNT. • Permitir o acesso às publicações mencionadas. Os outros documentos lidos. 9. 51 . permitem uma melhor caracterização do documento referenciado (ABNT. As demais.ex. As referências não consultadas diretamente devem aparecer em nota de rodapé. sendo estritamente vinculados ao suporte documental e variando. sendo desnecessária a referência das informações utilizadas como suporte para elaboração do trabalho (p.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses 9. Devem constituir uma lista ordenada alfabeticamente denominada “REFERÊNCIAS”. porém não citados. 2002c). Os registros dos dados bibliográficos das fontes consultadas são indispensáveis para: 9 • Fundamentar as idéias apresentadas pelo autor. devem constar das “Referências”.

D. Júnior. • Digitar em espaço simples de entrelinhas e deixar um espaço duplo entre uma referência e outra. seguindo o sobrenome dos autores: ALMEIDA JÚNIOR. Jr. ProCite.. • Adotar siglas no campo de editora.4. E. • Anotar o endereço eletrônico (ERL) e a data de acesso do documento em meio eletrônico (internet). de. • Usar travessão (6 espaços) seguido de ponto final na(s) ocorrências seguinte(s) para autor(es) e/ou título repetidos. IPT etc.1 Autor/Título • Utilizar LETRAS MAIÚSCULAS para os sobrenomes de autor. • Dar um espaço nas referências após o uso das pontuações. E. • Usar programas de computador que automatizam a formatação das “Referências” (Ex. SLOAN. The Serials Directory. • Anotar a referência completa após a consulta de qualquer documento para facilitar a compilação da lista de referências. MARCOS FILHO. EMBRAPA. designativos 52 . • Consultar os catálogos e/ou bases de dados para completar estes dados (se necessário). Reference Manager etc) 9. J. conforme o idioma do documento para os Filho. • Alinhar as referências bibliográficas somente à margem esquerda. Neto. retirar preferencialmente as informações da folha de rosto do documento. • Consultar os diretórios: Ulrich’s: International Periodicals Directory. quando estas forem conhecidas: FEALQ. nome de eventos.: Endnote.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses 9. • Conservar o grau de parentesco. Sobrinho.4 Regras Gerais 9. entidades coletivas (como autoria). International Union List of Agricultural Serials etc para completar os títulos de periódicos e recuperar sua localização. para melhor visualização.3 Recomendações • Ao consultar documentos impressos.

. • Ordenar a lista de referências obedecendo aos seguintes parâmetros: • Ordem alfabética do autor.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses • Indicar pela primeira parte do sobrenome aqueles ligados por hífen: APPEZZATO-DA-GLÓRIA. Para título que aparece em mais de um idioma.. em holandês van der e van den: B. em alemão von e von der. de F. Von J. PIZZIRANI-KLEINER. separado do 1º pelo sinal de igualdade =. SANTOS. van S. de Jong Van Lier – JONG VAN LIER. C..W. S.W. o negrito para títulos de periódicos. e opcionalmente o 2º. Penning De Vries – PENNING DE VRIES. F. TOLEDO.K. Q. A. S. SAAD. von der Lippe – LIPPE. registrar o 1º. B.A. van Raij – RAIJ. P. ACOSTA-ESPINOZA. considerando o nº (quantidade) em ordem crescente.. • Indicar como aparecem os sobrenomes estrangeiros precedidos de Mac. SANTOS.C.. e itálico para nomes científicos. os autores de origem espanhola: VIDAL TORRADO.T. nas referências bibliográficas. • Indicar título e subtítulo tal como figuram no documento.T. B. J. J. von der P. Werne Von Thorsten – WERNE VON THORSTEN. livros e monografias. Van Damme – VAN DAMME. SANTOS. SAAD. • Indicar pelo penúltimo sobrenome. teses. von Frisch – FRISCH. M. • Indicar pelo penúltimo sobrenome os compostos de substantivo + adjetivo: CASTELO BRANCO.C. S. M. S.K. van der • Adotar para destaques. J. A. MORETTI.A. K. S. TOLEDO. Mc: MacTREVOR • McLAUGHLIN • Seguir conforme os exemplos os sobrenomes precedidos por van (minúsculo) e Van (maiúsculo).. Q. seguindo sucessivamente a seqüência alfabética: SANTOS. K. et al. S. van der Graaf – GRAAF. separados por 2 (dois) pontos. SANTOS.. M. M. P. 53 . J.

6.Português/espanhol/italiano . (1999b) Soja no Brasil . 9. Viçosa. (1999c) Tratado de soja . 9. • Omitir a editora. · Usar para local de publicação desconhecido [s.Inglês 2nd ed. São Paulo: EDUSP.3 Imprenta (Local de Publicação. S.] (sine nomine). Oxford. Editora. S. de acordo com o idioma: .] (sine loco). (1990) SANTOS. US.4. UK. ed.2 Edição • Indicar a edição (exceto a 1ª). 3rd ed... Ex: Washington. no caso de locais homônimos. • Usar para editora não identificada [s. quando houver mais de uma editora. considerando a ordem alfabética do título: SANTOS.. 5th ed. (2000) • Acrescentar letras minúsculas após o ano para trabalhos do mesmo autor e mesmo ano. .2. para autor(es) coincidentes: SANTOS.l. quando houver mais de um. S. RJ. S.2ème . SANTOS. 54 . • Indicar. DC.. . Oxford.4. quando essa for igual à instituição responsável pela autoria. S. (1999a) A produção de . Ano) • Indicar o 1º local de publicação. • Acrescentar. Aufl.Francês . MG.n.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses • Seguir a ordem cronológica crescente. quando constar da publicação. se os nomes das editoras estiverem com igual destaque: Rio de Janeiro: Expressão e Cultura. Viçosa. SANTOS. a unidade federativa ou o nome do país. a que aparecer com maior destaque na página de rosto ou ambas...Alemão .

cap. • Indicar entre colchetes. quando não aparecer local. quando a parte for referenciada: .Inglês . chap . não indicada [ca. 1970.l.n.Paginação irregular . para separar subordinação de editoras. • Abreviar os meses dos periódicos de acordo com o idioma do documento conforme quadro abaixo: 55 .Francês .: s. 1985] data aproximada [19—] século certo [1985 ou 1986] um ano ou outro Duas datas: ambas podem ser indicadas. (impressão 1994) 9.Não paginado. editora e paginação: • Indicar o ano de publicação em algarismos arábicos sem ponto ou espaço entre eles.Português/espanhol . 1985. • Indicar [s.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses • Usar vírgula (.ch. distribuição. . as publicações cujas datas de publicação. .4. copyright e impressão não puderem ser determinadas: [1985?] data provável [199-] década certa [19—?] século provável [1985] data certa.). • Indicar conforme o caso: .: Brasília: Sociedade Bíblica do Brasil.].chap..Kap.Alemão . desde que mencionada a relação entre elas: Ex.4 Abreviaturas • Abreviar os capítulos no idioma da obra. Não paginado.

fev. mars avril mai juin jull. déc. Marz Apr. Sept. ITALIANO gennaio febbraio marzo aprile magglo glugno luglio agosto setiembre ottobre novembre dicembre genn. Oct. mar. out. Mar. Feb. févr. set. magg. enero ESPANHOL enero feb. Dez. mayo jun. May June July Aug. oct. abr. Nov. nov. agosto sep. Feb.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses ABREVIATURA DOS MESES PORTUGUÊS janeiro fevereiro março abril maio junho julho agosto setembro outubro novembro dezembro jan. febbr. dez. febrero marzo abril mayo junio julio agosto septiembre octubre noviembre diciembre FRANCÊS janvier février mars avril mai juin jullet acot septembre octobre novembre décembre Fonte: ABNT (2002c) INGLÊS january february march april may june july august september october november december Jan. seti. nov. nov. januar ALEMÃO Jan. jul. sept. janv. Dec. apr. marzo abr. Okt. Apr. dic. jul. acot sept. ott. nov. februar marz april mai juni juli august september oktober november dezember 56 . Nov. dic. ago. maio jun. Mai Juni Juli Aug. mar. oct. glugno luglio ag.

ano de publicação. Trabalho acadêmico etc. 1 Os modelos apresentados a seguir foram compilados tendo como parâmetro a norma da ABNT NBR 6023 de 2002. Folheto. 10. 2.1. nº).) Elementos essenciais: • Autor (es) • Título • Edição • Local de publicação (cidade) • Editora • Ano de publicação Elementos complementares: • Indicação de outros tipos de responsabilidade: tradutor. 1990. 10. são apresentados alguns modelos de referências encon- MODELOS DE REFERÊNCIAS1 cos. 57 . São Paulo: Ícone. Codorna: máquina produtora de carne e ovos.A. Local: Editora. Nº de volumes e/ou total de páginas. 2000). Caso não contemplados nos exemplos abaixo devem ser esclarecidos junto à DIBD. Edição. ilustrador e revisor • Subtítulo (se houver) • Características físicas: páginas e/ou volumes • Nota de série ou coleção 10 10.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses tradas com freqüência no processo de elaboração de trabalhos acadêmi- A seguir. E.1 Monografias Monografias são documentos constituídos de uma parte ou de um número pré-estabelecido de partes que se complementam (ABNT. (Série. CORRADELLO.ed.1 Monografias no Todo (Livro.1.1 Com um Autor AUTOR. Título: subtítulo.1. 87 p.F. Tradução de .

LAN. Methods of soil biology. Obs.1. Mosca-das-frutas de importância econômica no Brasil: conhecimento básico e aplicado..) • Editor(es) (Ed. Publicação. É facultativo indicar todos os autores. (Ed. Berlin: Springer-Verlag. J.3 Mais de 3 Autores Indicar o 1º autor seguido da expressão et al. 2000.1. L.) • Compilador(es) (Comp.: Nas dissertações e teses citar obrigatoriamente todos os autores. Ribeirão Preto: Holos.F.A.) • Coordenador(es) (Coord. Núcleo de Apoio à Pesquisa em Microbiologia.G. et al.).B. 10. 10.1.1.4 Com Responsabilidade Intelectual Indicar após o nome do responsável do conjunto da obra a sua denominação: • Organizador(es) (Org. Piracicaba: ESALQ.C. A. (Ed.2 Até 3 Autores Indicar todos os autores separados por ponto e virgula (. 1996. ZUCCHI.) MALAVASI. PRADO FILHO. (NAPMA. CARMO. Tratamento de resíduos líquidos: processos anaeróbios e legislação. Tomate para processamento industrial. 327 p. SILVA. 2000. 2000.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses 10. F. do.).1. 426 p.). 9). 58 . R. da et al. SCHINNER. L.1. Brasília: EMBRAPA. 34 p. 168 p. do.

com a primeira palavra em maiúscula.1. São Paulo. Department of Agriculture. São Paulo. Nicotiana: procedures for experimental use. 2003. Brasília: Terra Viva. 1973. 64 p. ESTADOS UNIDOS. 1979. 124 p. 1994. ed. Roma.6 Autor Corporativo Referenciar as obras de responsabilidade intelectual pelo nome (por extenso) dos respectivos órgãos governamentais.1. (USDA. PIRACICABA.1. associações etc. (CATI. Secretaria de Agricultura e Abastecimento. São Paulo: Câmara Brasileira do Livro. Washington. Technical Bulletin.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses 10. No caso de ministérios e/ou secretarias de governo. No caso da FAO. 72 p. 1998. EMBRAPA. Atlas do meio ambiente do Brasil. 68 p. Secretaria Municipal de Planejamento. UNESCO e EMBRAPA devem ser utilizadas as respectivas siglas. 1990. 59 . 2000. Codex alimentarius: sistemas de inspección y certificación de importaciones y exportaciones de alimentos. COORDENADORIA DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA INTEGRAL. 138 p. 10. 322 p. 8). Campinas. estado ou município. INSTITUTO DE ECONOMIA AGRÍCOLA.1. Manual técnico das culturas. a referência deve ser feita pelo respectivo nome do país. DIAGNÓSTICO do setor editorial brasileiro. Perfil sócio-econômico do município de Piracicaba. FAO. Situação da pecuária leiteira em São Paulo. Manual.5 Sem Autoria Iniciar a referência pelo título. 1993. 2. empresas. 54 p. 1586). SÃO PAULO (Estado). Manual de equipamentos varejistas: uma proposta viável. 578 p. Piracicaba: Prefeitura do Município de Piracicaba.

1 disquete + user’s manual.1. BUFO. 10. ed. Florianópolis: EPAGRI. SCHUMANN. São Paulo: Market Books. Disponível em: <http:www. 1999. de Faria.. 2001. 10. Paul: APS Press. 2 v.nap.edu/ books/0309069971/html>. 60 . 2. + 1 CD-ROM.1.10 Monografia em Disquete ENTOMATION.9 Monografia On-line NATIONAL RESEARCH COUNCIL. 1999.11 Monografia com Anexos HUNT. Tradução de A. V. 7th ed.1. + 2 mapas. 2001. 408 p.1.R. 507 p.A.L. Nutrient requirements of dairy cattle. 1992.1. 1994. Hyperbug: requires hypercard.1.1. 2nd ed. et al. 1 CD-ROM.1.V.D.1. Piracicaba: ESALQ.1. 46 p. MacDONALD.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses 10. São Paulo: Makron Books do Brasil. Programa de adequação ambiental do Campus “Luiz de Queiroz”. St.K. E. Turfgrass diseases: diagnosis and management. 1997.8 Monografia em CD-ROM THOMÉ. 1 CD-ROM. Ann Arbor. L. et al. 10. Acesso em: 13 maio 2001.B. CorelDRAW 9: design. Zoneamento agroecológico e socioeconômico do Estado de Santa Catarina: versão preliminar.7 Com Indicação do Tradutor SWOKOWSKI.M. 10. G. S. J. Washington: National Academy of Sciences. Laboratório de Ecologia e Restauração Florestal. Cálculo da geometria analítica. Departamento de Ciências Biológicas.

Strategies of inheritance. São Paulo: Edgard Blücher.1 Autor do Capítulo é Diferente do Autor da Obra AUTOR(es) do capítulo/parte. Título do capítulo/parte. 10. chap.12 Monografias em Vários Volumes LEHNINGER. seguido da expressão In: e dos elementos essenciais da monografia no todo • Paginação da parte 10. 2. H. 185-201. 61 . 3. Chichester: John Wiley. 10. In: PIMENTEL. ano de publicação. 1976-1977. 1997. ed.2 Parte de Monografias Elementos essenciais: • Autor(es) do capítulo • Título e subtítulo (se houver). 1997.2 Autor do Capítulo é o Mesmo Autor da Obra AUTOR(es) do capítulo. ano de publicação.2.1. Techniques for reducing pesticide use: economic and environmental benefits. p. Título do livro. In: AUTOR(es) do livro.). 10. p. inicial-final.1. capítulo. chap. Título do capítulo. Portland: Timber Press. In: ________. Environmental ethics and pesticide use.R. Título do livro. D. capítulo. (Ed. p.L. Local de Publicação: Editora. Magalhães. Local de publicação: Editora. 4 v. A. Bioquímica. 35-50. inicial-final. Tradução de J. In: ________. CAPON.2. LEHMAN.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses 10. Botany for gardeners: an introduction and guide.p. B.

A nova era da participação: o desafio de emocionar e envolver pessoas. Teses e Trabalhos Acadêmicos Dissertação é o trabalho supervisionado que demonstre capacidade de sistematização da literatura existente sobre o tema tratado e capacidade de utilização dos métodos e técnicas de investigação científica.org. Agrianual 2002: anuário da agricultura brasileira.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses McLAGAN. ano de publicação. J. In ________. 10. In: ________. (UFPR. Entendendo o meio ambiente.3 Sem Autoria e Título da Parte AUTOR(es) do livro. Tratados e organizações ambientais em matéria de meio ambiente. p. Trabalho acadêmico é o trabalho que apresenta a exposição por escrito de temas atribuídos em disciplinas de cursos de graduação ou de pós-graduação. v.3 Dissertações. Local de Publicação: Editora. 2000.4 Parte de Monografia On-line SÃO PAULO (Estado).2. P. 1999. Acesso em: 09 mar. 23-28. 2004).htm>.br/sma/entendendo/atual. Deve ser feito sob a coordenação de um orientador (ABNT. 62 . In: ________.1. Maçã. São Paulo. Patos e marrecos. 1. inicial-final. 1991. Disponível em: <http://www/bdf. NEL. 2002a). cap. tecnológica ou artística (UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO .USP. p. Rio de Janeiro: Campus. FNP CONSULTORIA & COMÉRCIO. Título do livro. Por que a participação parcial falha. C. 2002. 10. Secretaria do Meio Ambiente.. Tese é o trabalho de investigação que represente contribuição original ao estado da arte do tema tratado (USP. 17-32. São Paulo: Nobel. FABICHAK. 2000c). 370-378. 10. São Paulo. p. p. 2004).2. 1999.

I. (área de concentração). Local. Dissertação/Tese (Grau e área de concentração) – Faculdade. LOPES. 2002. Ano de defesa. Título da dissertação/tese. 2001. Comportamento de Cd. F. 58 p. Piracicaba. 2001.E. Universidade de São Paulo. E. 177 p. Cr. ano de publicação. Lavras. Piracicaba.M. nº de volumes e/ou total de páginas. Piracicaba. BERTONCINI. 2002. Sistemas locais de apropriação dos recursos e suas implicações para projetos de manejo comunitário: um estudo de caso numa comunidade tradicional da Floresta Nacional do Tapajós – PA. Dissertação (Mestrado em Nutrição de Ruminantes) – Universidade Federal de Lavras.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses Elementos essenciais para dissertação/tese/trabalho acadêmico: • Autor • Título e subtítulo (se houver) • Ano de depósito • Paginação • Grau obtido: Dissertação/Tese (Mestrado/Doutorado em . 2002. M. Universidade. Universidade de São Paulo. cádmio. 63 . 1994. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais) – Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”. R. 1994. Ni e Zn em latossolos sucessivamente tratados com biossólido: extração seqüencial. 2001. Comportamento de cobre. MATTIAZO-PREZOTTO. Universidade onde foi apresentada • Local (cidade) • Ano de defesa – mencionada na folha de aprovação (se houver) AUTOR. Suplementação de vacas leiteiras pré-parturientes com glicerina.. conforme figura na página de rosto • Faculdade. 197 p. Cu. fitodisponibilidade e caracterização de substâncias húmicas. Tese (Doutorado em Solos e Nutrição de Plantas) – Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”. FREIRE. crômio e níquel e zinco adicionados a solos de clima tropical em diferentes valores de pH. Universidade de São Paulo. Tese (Livre-Docência) – Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”.. 195 p.

2002. Acesso em: 16 maio 2002. Viçosa. 64 . Curitiba. 10. E. 1 CD-ROM. químicos. Competividade e tendência da produção de manga para exportação do nordeste do Brasil.usp. As dimensões da sustentabilidade: um estudo da agricultura orgânica na região metropolitana de Curitiba. Universidade de São Paulo. 2002.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses CORRÊA. Dissertação (Mestrado em Solos e Nutrição de Plantas) – Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”. Moench. Disponível em: <http:// www. M. Teses e Trabalhos Acadêmicos On-line LOPES. Piracicaba.M. mineralógicos e micromorfológicos de solos e ambiente agrícola nas Várzeas de Sousa – MG.1 Dissertações.3 Dissertações. lodo de esgoto e vinhaça em solo cultivado em sorgo granífero (Sorghum bicolor L.saber. Tese (Doutorado em Economia Aplicada) – Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”.L.S. 10. Dissertação (M. Universidade de São Paulo. M.M. 147 p.3. Paraná. Jaboticabal. 2001. Piracicaba. + 1 CD-ROM. F. 1994.3.3. Monografia (Trabalho de Conclusão do Curso de Engenharia Agronômica) – Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias. Diversidade metabólica em solo tratado com biossólidos.). Tese (Doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento) – Universidade Federal do Paraná.br>. 2002. 2001. Teses e Trabalhos Acadêmicos em CD-ROM DAROLT.B. Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”. 107 p.R. Atributos físicos. 74 p. DIAS. Teses e Trabalhos Acadêmicos com Anexos ALVES.2 Dissertações.M. 10. Efeito da aplicação de calcário. 2000. 2002. 1994. J. em Solos e Nutrição de Plantas) – Universidade Federal de Viçosa.F.

4.nl/inca/publications/store/4/1/8>. em fascículos ou partes. ano inicial-final da coleção. como CD. Trimestral.1 Coleção Elementos essenciais: • Título do periódico • Local de publicação (cidade) • Editora • Data de início e encerramento (se houver) Elementos complementares: • Periodicidade • Mudança/incorporação de título • ISSN – International Standard Serial Number TÍTULO DO PERIÓDICO. 1999. Os periódicos não impressos são apresentados em outros tipos de suporte. Piracicaba: ESALQ. PROGRESS IN POLYMER SCIENCE. Local de publicação: Editora.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses 10. SCIENTIA AGRICOLA. 10. 1992 .. 1967 . 2001a). disquete ou periódicos eletrônicos (via internet) (UFPR. <http://www.4 Publicações Periódicas São publicações editadas em forma impressa ou não. Continuação de: Anais da Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”.elsevier.br>. a intervalos regulares ou não.. Acesso em: 10 nov.probe. Amsterdam: Elsevier. Disponível em: <http:// www. por tempo indeterminado. ISSN 0103-9013. 65 . Notas.

4./fev. 138-198. n. CIRCULATION. TOLLIVET. 10.3. Rio de Janeiro. volume. n.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses 10. Supplement. esp. Açúcar. 1995. 3. n. 83. Edição Especial. v. Total de páginas do fascículo. 50. 38. mês e ano de publicação. S3-S9.4. Álcool e Subprodutos. Dallas: American Heart association. v. ANUÁRIO ESTATÍSTICO DO BRASIL – 1990. 34 p. The utility of complete genome sequences in the study of pathogenic bacteria. número do fascículo. 118. Piracicaba: STAB. Elementos complementares: • Nº de páginas STAB. 1984. 399. n. Agricultura e meio ambiente: reflexões sociológicas. set. p. 66 . 1991. 135 p. p. v. Local de publicação. D. p. 1994. v. jan. 13.. 10.. Apr. Mental stress as a Trigger of cardiovascular events. suppl. v. 9. Rio de Janeiro: FGV. M. Estudos Econômicos.2 Fascículo no Todo Elementos essenciais: • Título de periódico • Título da parte (se houver) • Local (cidade) • Editora • Nº do ano e/ou volume • Nº do fascículo • Data (mês/ano de publicação) • Tipo do fascículo/suplemento TÍTULO DO PERIÓDICO. São Paulo.4. As 500 maiores empresas do Brasil. Cambridge. v.W. 1999. 2.1 Suplemento/Nº Especial em Parte HOOD. 1991.3 Suplemento/Nº Especial no Todo CONJUNTURA ECONÔMICA. Parasitology. 24.

D. volume.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses 10.. prospects and issues. 1 CD-ROM. SAMID. RAIS : RELAÇÃO ANUAL DE INFORMAÇÕES SOCIAIS.4 Fascículo no todo em CD-ROM TÍTULO DO PERIÓDICO. Brasília: Sober. REVISTA DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL = BRAZILIAN REVIEW OF AGRICULTURAL ECONOMICS AND RURAL SOCIOLOGY. 1CD-ROM. Local de publicação: Editora. v. 71.4.4. página inicial-final. 1986.3. Título do artigo.L. 10. número do fascículo. 1-9. Local de publicação. ISSN (quando houver). Número de CD-ROM. 3. 1970-1998. Albany.2 Suplemento/Nº Especial em Parte com Título Próprio BOYD. mês e ano de publicação. 1993. Brasília: Ministério do Trabalho e Emprego. 10. Periodicidade. Título do periódico.5 Artigos de Periódicos com Autoria Elementos essenciais: • Autor(es) • Título e subtítulo (se houver) • Título do periódico • Local de publicação (cidade) • Nº do ano e ou volume • Página inicial – final do artigo • Ano de publicação AUTOR. Elementos complementares: • Nº do fascículo • Mês de publicação 67 . p. ano do primeiro volume – ano do último volume (para coleção encerrada). A. Genetically modified livestock: progress. Review: molecular biology of transgenic animals. Anual. Journal of Animal Science.. suppl.

1 Artigos de Periódicos sem Autoria A GARDEN of guavas and grapefruits. 1997. p. p. 65. Título do artigo. n. et al. Revista de Economia e Sociologia Rural. v. ano 1. R. 1999. TORRES COLÍN. Disponível em: <http://www.C. Especie nueva del género Jatropha (Euphorbiaceae) de la sección Mozinna. Número de CD-ROM. 10. Consulex: Revista Jurídica.5. Soil aeration and plant root metabolism. 1-5.html>. F.4 Artigos de Periódicos On-line (revistas eletrônicas) WU. número do fascículo. Mexico. n.. 1 CD-ROM. 68 . Anales del Instituto de Biología. 54. n. 10.2 Títulos de Periódicos com Série JIMÉNEZ RAMÍREZ. Baltimore.3 Artigos de Periódicos em CD-ROM AUTOR. American Horticulturist. fev. 71. 20. v. Brasília. / dez. TOURINHO NETO. 1994. 5. mês e ano de publicação. Washington. volume. JONES. 4.br/sciencedirect. 1999. 259-268. 10. J.probe. p.5. May 1992.5. London. 1. p. n. O diagnóstico militar da questão agrária: o estatuto da terra. 4. M. 5. 1992. 1. H. Soil Science. 18-23. Acesso em: 8 nov. n. v. 1997. Série Botánica. local de publicação. Oct. A.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses DREN. out. Parametric sensitivity in fixed-bed catalytic reactors with reverse flow operation. v. v.5. página inicial-final.S. 35. 10. Dano ambiental. Brasília.C. Chemical Engineering Science. Título do Periódico.

n. São Paulo. sp. v. S. 1. TOKESHI. v. 31. • Os dados de volume. n.5 No Prelo PAULA. 1974. Materials Characterization. KOREL. In press.E. 1993. Abstract. 5. v.. No prelo. Revista de Engenharia e Ciências Aplicadas. Rio Cuarto. v. et al. 1990.5. L. 2002c). 5. Resumo.F. DIRNFELD. F. 5.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses 10. 2001. et al.I. p. 13.7 Resumo de Artigos em Periódicos CHOLAKY. Piracicaba. pt. New York. lycopersici. A192. Incinerador de resíduos líquidos e pastosos. B. p. M. nº e paginação são elementos complementares para artigos em fase de impressão. Cooper embrittlement by silver brazing alloys. Death in chronics diseases. Separata de: Anais da Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”. 26. et al. p. • Colocar a palavra que identifica o documento na fase de impressão: > Português – No prelo > Inglês – In press > Francês – Sous presse ou Presse d’imprimerie > Alemão – In Druck 10. New York. 2. Revisão da classificação da raça 3 de Fusarium oxysporium f. 69 .6 Separatas São publicações de parte de um trabalho mantendo exatamente as mesmas características tipográficas e de formatação da obra original (ABNT. R.A. 1. Influencia de la población de plantas sobre el desarrollo y rendimiento de girasol (Helianthus annuus L. MENDELSOHN..C. 10. 419-430. 1991. NOGUEZ.5. v.5.). Gastroenterology. n. Jan. Revista de la Universidad Nacional de Rio Cuarto. 98. H.

R. n. Food Chemistry. São Paulo. v. 4.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses • Colocar a palavra no idioma correspondente: > Português – Resumo > Inglês – Abstract > Espanhol – Resumen > Francês – Résumé > Alemão – Zusammenfassung 10. Herbage production and quality of a range of secondary grass species at five rates fertilizer nitrogen application. 1992. Normatização participativa [Editorial].Editorial LIMA. Oxford. p. 62. 139-151. Grass and Forage Science. n.H. 187-191. E. 1991. 10.html>. Barking.8 Artigo de Periódico .1 Resumo de Artigos em Bases de Dados (On-line e CD-ROM SOUFLEROS.6 Resumo de Artigos em Periódicos de Resumo (Abstracts) DALAI. 10.A. 2007.6. n. 3. 70 . Indian Journal of Horticulture.S. 14. In: Horticultural Abstracts. v. 487-500. n. n. Nov.cdrompro. Instrumental analysis of volatile and other compounds of Greek kiwi wine: sensory evaluation and optimization of its composition. Bangalo. v. et al. 11. 2001.br/crusesp/index1. Acesso em: 13 maio 2002.: o nº 9000 corresponde ao nº da referência dentro da publicação. Disponível em: <http://www. 2. 75. FRAME. J.com. p. p. p. Abstract 9000. v. 08/2000-04/2002. M. East Malling. 1065. p. 1990-91. In: CAB Abstracts. 48. Effect of macro mineral salts modificationin MS culture medium on oxidative browning in in vitro culture of grape. 4. 1991. 46.5. Revista Brasileira de Medicina Eqüina.A. v. In: CAB Abstracts on CD-ROM. 2. et al. Obs.

Ribeirão Preto. p.6.M. mês abreviado e ano • Seção. Resumos. São Paulo. FFCLRP.52% e bolsa sobe 1. Folha de S. 71 . 1990. dia mês ano.M. caderno ou parte do jornal • Páginas inicial – final do artigo AUTOR(es). Título do Jornal. São Paulo.. F. páginas inicial-final.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses 10. Título do caderno. et al.17%.M... 10.2 Resumos de Trabalhos Publicados em Eventos ADAM. Folha Ciência. 2001. O Estado de S. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE ELETROQUÍMICA E ELETROANALÍTICA. Ovelhas nascem de ovários congelados. 13. 2001. 1990. Paulo. 30 jun. DÓLAR tem alta de 0. 30 jun. Caderno B. 10. 7. Título do artigo. Paulo. LEITE.7 Artigos de Jornais Elementos essenciais: • Autor(es) • Título do artigo ou matéria e subtítulo (se houver) • Título do jornal • Local de publicação (cidade) • Dia. Importance of normalized and simulative tests for the evaluation of stationary lead-acid batteries. A. Local de publicação. Ribeirão Preto: USP. Resumo 643. p.

Normas para Elaboração de Dissertações e Teses 10. O Jornal de Hoje. Natal. nº. SIMPÓSIO SOBRE MANEJO DA PASTAGEM.. Piracicaba. 325 p. Diário do Nordeste On-line. Campinas.) 10.br>. Título da publicação. Seminários. Simpósios etc.. local. etc) • Local de publicação (cidade) • Editora • Ano de publicação • Total de páginas TÍTULO DO EVENTO.7.1 Eventos no Todo Elementos essenciais: • Título do evento • Nº (em algarismo arábico) (se houver) • Ano de realização • Local de realização (cidade) • Título da publicação (anais.8. Disponível em: <http://www. SIMPÓSIO LATINO-AMERICANO DE NUTRIÇÃO DE AVES. Campinas: CBNA. 2000. n. 4 fev.htm>. Paciente da primeira angioplastia recebe alta em menos de 24 horas. ano de realização. Anais. 1993. ano de publicação.br/ cidade.. Fortaleza.8 Eventos (Congressos. proceedings.. Piracicaba: FEALQ.1 Artigos de Jornais On-line AMORIM.. Acesso em: 5 fev. Acesso em: 5 jun. Anais.. 2001. total de páginas.. S. 11. 5 jun. Disponível em: <http://www.com. resumos. 672. 2001.com. 1994. ACM se recusa a depor sobre fraudes na SUDAM. 1994.jornaldehoje. 2000. 57 p. 10.diariodonordeste. 1993. 72 . Local: Editora.

Local: Editora. In: TÍTULO DO EVENTO... VIEIRA. nº.8. 45-55.. 1998. Mountain View: ACM SIGGRAPH.4 Trabalhos Publicados em Eventos Simultâneos VALARINI. 2000. M. Londrina: IAPAR. ano de publicação. 10. M. M. Resumos. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO SOBRE MICROBIOLOGIA DO SOLO. 6. Título da publicação.C.3 Trabalhos Publicados em Eventos Elementos essenciais: • Autor(es) • Título e subtítulo (se houver). ano de realização.J.S.8. CONGRESSO ANUAL DE CELULOSE E PAPEL. 1 CD-ROM. Rio de Janeiro. A importância do setor agroindustrial na integração do Cone Sul: as cadeias sensíveis. 1988.. JANK. 10. Computer graphics: proceedings. seguido da expressão In: e dos elementos essenciais do evento no todo • Páginas inicial e final do trabalho AUTOR.. Londrina. REUNIÃO DE LABORATÓRIOS PARA RECOMENDAÇÃO DE ESTIRPES DE RHIZOBIUM E BRADYRHIZOBIUM. 1993. local. páginas inicial-final.. 1 CD-ROM. p.2 Eventos em CD-ROM COMPUTER GRAPHICS.. p. 73 . 2000.8. 1993.. 33. São Paulo: ABTCP. Avaliação da fixação de nitrogênio em Stylosantes guyanensis derivado de cultura de tecidos. 1994.. Título do trabalho apresentado..Normas para Elaboração de Dissertações e Teses 10. São Paulo. 3. In: FORUM DA AGRICULTURA.L. Rio de Janeiro: SNA. Orlando.. 1994.. Anais. 34.

333.. Solo-suelo 96: trabalhos. 1997. 40.). HEINRICHS. 1996. Elementos essenciais: • Autor da resenha • Título da resenha • Autor da obra resenhada • Título da obra resenhada • Local (cidade): Editora. Recife: UFPe.htm>.. 1996. J. 1994. 2001). R. Os limites pedagógicos do paradigma da qualidade total na educação. R.9 Resenhas É um resumo crítico e avaliação de uma obra. SLCS. 10.8. 10.propes.6 Trabalhos Apresentados em Eventos e Publicados em Periódicos BRESSIANI. Piracicaba: SBCS.. onde o autor desenvolve uma fundamentação de seu ponto de vista (MEDEIROS.A... Recife.8.. 2001. Anais eletrônicos. n. ano • Dados da publicação que trouxe a resenha 74 . ANDRADE.5 Trabalhos Publicados em Eventos no Formato Eletrônico (On-line e CD-ROM) SILVA. Revista Brasileira de Genética. VENCOVSKY. 1996. In: CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UFPe.N. OLIVEIRA. Influência do tipo de folha amostrada para avaliação do estado nutricional da cultura do milho (Zea mays L. et al. Disponível em: <http://www. Suplemento. 1996.. Acesso em: 21 jan.br/anais/ educ/ceo4.. 1994. Ribeirão Preto. 3. 13. R. v. 1 CD-ROM.ufpe.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses 10.. Caxambu. Estimativas de correlação fenotípica em cana de açúcar. In: CONGRESSO LATINO-AMERICANO DE CIÊNCIA DO SOLO. 17. p. Lindóia. 4. Apresentado no CONGRESSO NACIONAL DE GENÉTICA. R.

La psicologia de Vygotski: biografia de unas ideas. Memorial.1 Sem Título Próprio FONSECA. Resenha de: NOGUEIRA. 10.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses AUTOR DA RESENHA. 2000c). 1996. A. Escritos de educação.3 Com Mesmo Título do Livro MUZZETI. 10. 21/22. Concurso para Professor Doutor – Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”. ano 21. dez. n. 1998. Petrópolis: Vozes.). 10. AUTOR DA OBRA. Piracicaba. COELHO. 1994. Madrid: Alianza.T. A. abr. R.R.2 Com Título Próprio FARIA.9. São Paulo. 75 .D. Cinco prefácios para cinco livros não escritos. Escritos de educação.. (Org. T. M.9. Resenha de: KOZULIN. 1998/1999. 10. 153-164. CATANI. Tradução de P. Transformação: Revista de Filosofia. L. Título da obra resenhada. E.9. A psicologia de Vygotsky: biografia de suas idéias. ano 24. n. Local: Editora. Devem ser destacadas as experiências no âmbito da atividade profissional (UFPR.10 Memoriais É o documento apresentado em concursos para ingresso e promoção na carreira docente. Sussekind. Universidade de São Paulo. 243 p. 43.L. Título da resenha. F. Campinas. 257-261. p. v. p. 2000. Dados da publicação que trouxe a resenha. 195-200. p. São Paulo: Sette Letras. Educação & Sociedade. Resenha de: NIETZSCHE. 1999. 73. Porto Alegre. ano. Educação. A. 2001.

teiajuridica.neofito. Resoluções etc. Acesso em: 5 jun. de 31 de julho de 1990. Constituição da República Federativa do Brasil. 48. BRASIL. • As datas referem-se ao ano da promulgação e ao da sua publicação. 89. Dispõe sobre medidas e cautelas a serem adotadas na elaboração de inquéritos policiais e para a garantia dos direitos da pessoa humana. Decretos. BRASIL.br>. 01 ago. jan. v.br>. Constituição (1988). 1990. 8074. Elementos essenciais: • País. 10. mês e ano) • Ementa • Dados da publicação que trouxe a legislação BRASIL.11. de 4 de janeiro de 1984. 18. Disponível em: <http://www. 2001.11. • Lei.com. de 25 de novembro de 1998. Constituição (1988). Constituição (1988). Brasília: Senado. Decreto n. Diário Oficial. nº e data (dia. 3-4. Delegacia Geral de Polícia. p. Brasília: Senado.11 Documentos Jurídicos 10. Disponível em: <http://www. Acesso em: 3 jun.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses 10. 2001. Dispõe sobre documentos e procedimentos para despacho de aeronave em serviço internacional. p. Constituição da República Federativa do Brasil: versão atualizada até a Emenda n. 1984. 2-3./mar. respectivamente. Lei n. São Paulo.271. 1 CD-ROM. Seção 1. estado ou município. Lex: Coletânea de Legislação e Jurisprudência. Portaria DGP n. 76 . Brasília.1 Leis. Constituição da República Federativa do Brasil. 1988.2 Constituição BRASIL. 1988.com. 168 p.30/2000. BRASIL. Portarias. BRASIL. Dispõe sobre as diretrizes orçamentárias para o ano de 1991.

Tomoko Miyaura. 1987. 1995. Method for manufacturing optical lens elements US 5720791A. v.PI 8903303. 61B 17/34 BR n. 10.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses 10. 1997. 766. 24 fev. WESTVACO CORPORATION (United States). Decretos. Method for reducing soluble aluminum in recycled paper pulp CA 2186321. 77 . Revista da Propriedade Industrial. 1990. estado ou cidade). Abstract 192078s. 7 mar. p. 1006. São Paulo: ABIA. 1989. 11 out./Autor.3 Leis. Compêndio da legislação de alimentos. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (São Paulo). Columbus. Seção I. Portaria nº 1. In: Chemical Abstracts. p. 1A. Int./Data. 36. Leo Thomas Mulcahy. In: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTAÇÃO. estado ou cidade) • Autor da patente • Título e nº da patente • Datas (do invento e do registro) ENTIDADE (país. Portarias. Cl. Batista. 12 abr. Trocarte.11./Título e nº da patente. v. 5 jul.12 Patentes Elementos essenciais: • Entidade responsável (país. 1997. Publicados em Monografia BRASIL. n. Rio de Janeiro. 1995. 1998. Divisão Nacional de Vigilância Sanitária de Alimentos. Ministério da Saúde. James Joseph Foster. MINOLTA COMPANY (Japan). L. Resoluções etc. 127. de 04 de abril de 1986.

ano. Total de páginas. 2000.C. A1–92: standard specification for carbon steel tee rails. ESALQ. Depto. 47 p. M. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. et al. 1990. Nº e título da norma.13 Normas Técnicas Elementos essenciais: • Instituição • Nº e título da norma • Local de publicação (cidade) • Ano • Total de páginas INSTITUIÇÃO. 5 p. Relatório da Missão de Avaliação do Projeto BRA/87/037. Ciências Florestais. 22 p.14 Relatórios e Pareceres Técnicos CASTRO. 1992. West Conshohocken. NBR 6023: informação e documentação – referências .Polonordeste. Parecer sobre o Projeto de Revegetação nas Áreas do Gasoduto de Merluza. POGGIANI. F. 6 p. Brasília: PNUD. Cooperação técnica na implementação do Programa Integrado de Desenvolvimento . 78 . et al. Cubatão. FAO. Rio de Janeiro.elaboração. 2000. Local de publicação. AMERICAN SOCIETY FOR TESTING AND MATERIALS. Piracicaba: IPEF. Parecer técnico apresentado à Petrobrás.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses 10. 10.

000.E. color. Escala. Escala: 1:5.000. 1981. data. Ji-Paraná: unidades de vegetação. dimensões) Elementos essenciais: • Autor(es) • Título e subtítulo (se houver) • Local de publicação (cidade) • Editora • Ano • Escala AUTOR(es). MAPA do Brasil físico. Título: subtítulo. São Paulo: Geomapas.00. 1958. 1 mapa. São Paulo.15 10. Escalas variam. Franca/Batatais: foto aérea. ATLAS Mirador Internacional. 1993.1 Documentos Cartográficos Mapas Elementos complementares: • Especificação (se colorido. MIRANDA. Especificação. 1 mapa. Escala 1:35. Escala 1:250. 10.15. 79 . E. Rio de Janeiro: Enciclopédia Britânica do Brasil. Local: Editora. 79 x 95 cm.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses 10.15.2 Fotografias Aéreas BASE AEROFOTOGRAMETRIA E PROJETOS S/A.000.. 1990. Campinas: EMBRAPA.

l. Itajaí: UNIVALI.]: Culture/ET/TVCom. Escala 1:100. ano. color. 4 e composição colorida 3.1 Materiais Especiais Vídeos e DVDs AUTOR(es).).: GOES-08: SE (denominação. Imagem de satélite. 1989. IR 04.. Viçosa: CPT. son. Imagem de satélite. 1998. 1 DVD (115 min. [s. LEGUIVRE.16 10.GIF (nome do arquivo) 557 Kb Tamanho do arquivo 10.3 Imagens de Satélite (Impressa e/ou Digital) LANDSAT TM 5. [199?]. 1 fita de vídeo. National Oceanic and Atmospheric Administration. COMO reduzir o custo de energia elétrica na indústria. 1999. 1987-1988. Intelligences artificielles.000. 13 jul.). son. Obs. Especificações. VHS. 4 e 5. Local: Produtor(a). São José dos Campos: Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. D. son.16.]: Warner Home Vídeo do Brasil. Título: subtítulo. 1999 (data de capacitação da imagem) 17:45Z Horário zulu Itajaí: UNIVALI (local e instituição geradora) 1999071318. nº e localização geográfica do satélite) 13 jul. VHS. 1 fita de vídeo (58 min.l. (53 min.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses 10..). ESTADOS UNIDOS. Canais 3. GOES-08: SE. 1999071318. 17:45Z. O QUARTO poder.GIF: 557 Kb. [s.15. color. 80 . color.

. Elementos essenciais: • Autor. Periodontia. SALLUM. Nota: As mensagens que circulam por intermédio do correio eletrônico devem ser referenciadas somente quando não se dispuser de nehuma outra fonte para abordar o assunto em discussão. interpessoal e efêmero e desaparecem rapidamente. lista de discussão etc.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses 10. SALLUM.A. 10. Nº de diapositivos: color. • Título e subtítulo (se houver). 81 .16. • Data de acesso. Título do diapositivo. não sendo recomendável seu uso como fonte científica ou técnica de pesquisa.W. 72 diapositivos: color. A. Local: Produtor.17 Informações Eletrônicas São aquelas que dependem do computador para serem lidas e acessadas. Mensagens trocadas por e-mail têm caráter informal.2 Diapositivos (Slides) AUTOR(ES).: e-mail. 2001. • Indicação de responsabilidade. data. • Endereço eletrônico. Ex. E. São Paulo: Medlee.

17.1 Arquivos em Disquete ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA “LUIZ DE QUEIROZ”. Podem ser: disquetes. 10. Acesso em: 10 maio 2002. Disponível em: <http://dibd.esalq. 2001. 82 . Disponível em: <http://web.1.edu/news/stories/news1607.17. 1 disquete. Normas. CD-ROM.com>. São Paulo. 10.0. New statewide survey counts beetles in soybean fields.br>. 1997.1 Documentos Eletrônicos É o suporte físico no qual as informações eletrônicas estão armazenadas. San Jose.17. Piracicaba. 2001. Disponível em: <http://www. Adobe acrobate 5.2 Home Page DIVISÃO DE BIBLIOTECA E DOCUMENTAÇÃO. Word for windows 97. 3 1/ 2 pol. Microsoft Office 97. MICROSOFT. D.adobe. FTP (file transfer protocol) e informações obtidas através da Internet (www).L. Acesso em: 10 maio 2002.1.usp. 10.3 Informações Obtidas pela Internet LARSON.17.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses 10. fitas magnéticas.uiuc.1.html>. 10 maio 2002. 10.1. 1 CD-ROM.doc: normas para elaboração de dissertações e teses.17.aces. e-mail.4 Softwares ADOBE SYSTEMS. Acesso em: 8 out.

J. Tecnologias de informação. 2002.media. 2000. P. OKU. jul. 2001. Acesso em: 13 jun. 2. Disponível em: <http://www.usp. In: SEMINÁRIO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO EM EDUCAÇÃO E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO. p.br/sueli. 10.6 Banco/Bases de Dados UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Disponível em: <http://www. devem ser mencionadas em nota de rodapé.nova-e. Academia com o pé na terra. Piracicaba. A. Panorama Rural. Campinas: UNICAMP.: Palestras não publicadas formalmente.br/exclusivas/pierrelevy. Sistema Integrado de Bibliotecas. 1.1. n.17.C. Acesso em: 4 dez. 28. Palestra.bibliotecas. 8-12. São Paulo. LEVY. Obs.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses 10. 29. 1994. S. Entrevista concedida no lançamento do CD-ROM STRAUD 2000.H.1. Revista ADEALQ. Acesso em: 13 maio 2002. SOARES.17. p. DEDALUS: banco de dados bibliográficos da USP.5 FTP BRUCKMAN. E.. [Entrevista]. Approaches to managing deviant behaviour in virtual communities. Campinas. P. 12-15. A ESALQ no centenário.M. Em defesa da inteligência coletiva.mit. 2002. MARCOS FILHO.com. v.br/sibi>.htm>.18 Entrevistas/Depoimentos/Palestras (Impressos e On-line) NEVES. 2001.B.inf. Disponível em: <ftp.htm>. 10. Disponível em: <http://www. 2001. 83 . [Entrevista a Fabio Fernandes].edupub/asb/papers/deviance-chi94>. Acesso em: 1 nov. [Entrevista a Paulo Sergio Pires]. n.

77 p. 1 folder. Graviola: mudas frutíferas. Não paginado.A. [199-]. Mimeografado. consultar a norma NBR 6023 (2002) da ABNT. 1 folder. 84 . J. Obs. PROGRAMA estadual de microbacias hidrográficas. São Paulo: Centro Brasileiro de Classificação de Doenças.) LAURENTI.: para casos omitidos nesta norma.E. Mortalidade pré-natal. gráficos. 1999. 1986. D. Piracicaba: CALQ. Teresina: EMBRAPA. tabelas. Material Mimeografado etc. CRUCIANI. 1978. Centro de Pesquisa Agropecuária do Meio-Norte. Departamento Editorial.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses 10. 10. Hidráulica: equações.20 Folders CÂMARA.S. R.19 Materiais não Convencionais (Apostilas. Campinas: CATI.

2. 2000. É a reprodução exata do original. A citação pode ser feita no corpo do trabalho ou em notas de rodapé. 2002b). na verdade. p. de uma informação extraída de outra fonte (ABNT. 1999. A reprodução de um texto de até 3 linhas. mesmo que compreenda mais de um parágrafo. respeitando-se até eventuais incoerências. 2002b). 106). As citações mencionadas no texto devem obrigatoriamente seguir a mesma entrada das referências no final do trabalho.1 Tipos de Citações Citação Direta É a transcrição textual dos conceitos do autor consultado (ABNT. p.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses 11. Ex.. é porque. erros de ortografia e/ou concordância.: “As citações são os elementos retirados dos documentos pesquisados du- 11 Ex. As aspas simples são utilizadas para indicar citação no interior da citação.2 11. deve aparecer entre aspas duplas (“. 129). no texto.: rante a leitura da documentação e que se revelaram úteis para corroborar as idéias desenvolvidas pelo autor no decorrer do seu raciocínio” (SEVERINO. 85 .1 Definição É a menção. CITAÇÕES 11..”). entregamos o controle de nossa vida a essa pessoa” (CLOUD. “Se existe alguém de quem não aceitamos um ‘não’.

Normas para Elaboração de Dissertações e Teses Obs. desde que citada a autoria. They have no soul.: A comunicação está envolvida em todos os estádios de aplicação do método científico. que denotaram importância para o desenvolvimento do trabalho do autor. portanto. mas ele deve conhecer as observações e experimentos de outros cientistas que trabalham no mesmo problema ou na mesma área de estudo (BARRASS. A hipótese em que cada investigação se baseia pode surgir das observações do próprio investigador. 86 . 2002b). Peter L.: Nas referências de transcrições sempre mencionar a página.: 1 INTRODUÇÃO “Our lives teem with numbers. 28).2. frases ou pensamentos é facultativo no início de cada capítulo. dispensa o uso de aspas duplas. 1979. As transcrições de trechos. As transcrições no texto com mais de 3 linhas devem ser destacadas com recuo de 4 cm da margem esquerda. com letra menor que a do texto e sem as aspas.2 Citação Indireta É o texto baseado na obra do autor consultado (ABNT. Ex. Ex. but we sometimes forget that numbers are only tools. citações são elementos extraídos do material consultado.: Segundo Severino (1984). p. Bernstein 11. they may indeed become fetishes”. Ex. em que se reproduz fielmente o conteúdo e idéias do documento original.

2..Normas para Elaboração de Dissertações e Teses 11. This has long been realized by others who require to communicate instructions” 1 (TEDD..] “English.] 11.. trad. a data. do sobrenome do(s) autor(es) da obra consultada e data. a expressão trad.3 2002b).. 2000a): Ex. portanto. a tradução pode ser feita pelo próprio autor. Ex. 1999) Lefebvre 1 . Se a citação for apresentada no idioma original. por: ou tradução: deve aparecer logo após a citação. 29) trad.. referenciar somente o documento consultado. não é uma boa língua para se usar em programação.. No caso de citação de citação. Ex. p..3. É facultativo referenciar o documento não consultado em nota de rodapé. 1992) Segundo Silva 1 (1985 apud ABREU. Isto já foi constatado por outros que precisaram transmitir instruções.1 Citação em Língua Estrangeira No caso de citação de obra em língua estrangeira. seguido da expressão latina “apud” (citado por).: (EVANS 1.: No texto [. 1997. Citação de Citação É a citação direta ou indireta de um texto em que não se teve acesso ao original (ABNT. Nesse caso. is not a good language to use when programming.. 87 . de:... a tradução feita pelo autor deve aparecer em nota de rodapé (UFPR. de: . No texto deve ser indicado o sobrenome do(s) autor(es) do trabalho original não consultado...: Nota de rodapé 1 Inglês. 1983 apud Coelho (2000) propunha em [...2. therefore.. 1987 apud SAGE.

Doenças sexualmente transmissíveis: orientação e prevenção... debates. trabalhos apresentados em eventos não publicados.: Dudley (1984) Specht e Williams (1983) • Indicar entre parênteses as expressões: “em fase de elaboração”. Araraquara. 1 FREITAS.3 Regras Gerais • Citar o(s) autor(es) em letras MAIÚSCULAS quando estiver dentro de parênteses.] (informação verbal). CARNEIRO.: (CHRISTOFOLETTI. 2002) (SILVA et al.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses 11. C. ANDRADE-FERRAZ. b) Palestra: 1 MENDONÇA. seguido da data: Ex. Palestra ministrada aos funcionários da CITROSUCO. correspondências pessoais (tradicionais ou e-mails). Escola Paulista de Medicina. “informação pessoal” (comunicações pessoais. 1999) • Citar o(s) autor(es) em letras minúsculas quando estiver fora dos parênteses e somente a data dentro dos parênteses: Ex. 1992.. 10 fev. mencionando-se os dados em nota de rodapé Exs: a) Informação Pessoal: Freitas 1 estudou a atividade [. anotações de aula. CARMO. 1997) (GARCIA. S. palestras. etc). 88 . 1999) (JUNQUEIRA. P.

] (informação pessoal). da. N. Rio de Janeiro. e) Eventos Não Publicados: Segundo pesquisa desenvolvida por Martins et al.J. (Universidade Federal Rural de Pernambuco).br> em 8 maio 2002. Acesso em: 10 maio 2002. 1 MADEIRA.. 2 ANUNCIAÇÃO FILHO. 1 REFERÊNCIA. a população [.S. M. 1 [. 89 . d) Correspondência Pessoal: Bruckman 1 citou a utilização [.. Moose crossing proposal.] (em fase de elaboração). indicar (grifo nosso) entre parênteses logo após data.unesp.. 1 BRUCKMAN. 1988.G. et al.F. Na citação.] 1 MARTINS. 2002..usp..Normas para Elaboração de Dissertações e Teses c) Material em Fase de Elaboração: Segundo Anunciação Filho 1. • Usar grifo/negrito para destaques. Mensagem recebida por <mediamoo@media. Disponível em: <referencia@sibi. Plasmidial studies related to virulent factors of E. Potencialidade de genótipos de soja para caracteres do sistema radicular e da parte aérea visando programas de seleção.edu> em 10 fev. A.mit. Mensagem recebida por <msouto@marilia. coli samples from swine.br>. Lista de discussão mantida pelo DT/SIBi do serviço de referência. Trabalho apresentado no 10º Congress of the International Pig Veterinary Society. C.. 1988.

129. em seguida as de referências. com torre] foi fundada no ano de 1866” (ANDRADE. 57. transcrevem-se primeiro as explicativas..] a Sociologia.: “Havendo notas explicativas e de referências na mesma página.. • Usar a expressão grifo do autor. embora não pretenda ser mais a ciência capaz de incluir toda a sociedade [.28). 72) assinala “[. acréscimos e explicações do autor entre colchetes [ ]: Ex. usando-se números elevados independentemente da sua localização no texto” (CURTY. CRUZ. grifo nosso). 90 . no meio ou no fim do parágrafo e/ou frase: Ex. entregamos o controle de nossa vida a essa pessoa” (CLOUD. 1998. é porque. interpolações e comentários por reticências dentro de colchetes [.. 2001. grifo do autor). estejam elas no início. p.: “ A igreja luterana de Domingos Martins [o mais antigo templo protestante do Brasil. comentários próprios. na verdade.. 1999...] pretende ser sinóptica”.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses Ex. • Indicar as interpolações. caso o destaque seja do autor consultado: Ex.: “Se existe alguém de quem não aceitamos um ´não´.]. p. p. p. • Indicar as supressões.: Segundo Bottomore (1987.

4 Sistemas de Chamadas Para indicação das fontes consultadas no texto. 1976).4...: Jossua e Metz (1976) [...] (DUDLEY.3 Três Autores Indicar os sobrenomes dos autores por ponto-e-vírgula.] ou [. seguido do ano de publicação...] (JOSSUA.] ou [.] 91 . usar vírgula entre os dois primeiros autores e “e” antes do último: Ex. 11.: Dudley (1984). quando a citação aparecer dentro dos parênteses.] (GARCIA. deve usar o sistema autor-data.4.4. Na citação “fora de parênteses”... Carmo e Andrade-Ferraz (2002) [.: [. ANDRADE-FERRAZ.. Neste caso é indicado pelo sobrenome do autor.2 Dois Autores Indicar os sobrenomes dos autores separados por “e”. pesquisando [.. ou Garcia. 11.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses 11. quando citados fora dos parênteses.. 11. 2002).1 Um Autor Ex. CARMO. METZ.. 1984). dentro do parênteses os autores são separados por ponto e vírgula: Ex.

Normas para Elaboração de Dissertações e Teses

11.4.4 Mais de 3 Autores
Indicar o sobrenome do 1º autor, seguido da expressão “et al”.:

Ex.: Delannay et al. (1985), em sua pesquisa [...] ou [...] (DELANNAY et al., 1985).

Nota: A locução latina “et alii”, que significa “e outros”, pode ser usada para trabalhos de autores do sexo masculino ou dos dois sexos juntos. Nos casos em que o artigo foi redigido somente por autores do sexo feminino, esta locução deve ser substituída por “et aliae”, que significa “e outras”. É mais prudente adotar “et al.”, pois esta locução é abreviada nas duas formas (TESTA, 1991).

11.4.5 Diversos Documentos do Mesmo Autor e Ano
Acrescentar letras minúsculas, após o ano, sem espaçamento:

Ex.: Shen (1972a) Shen (1972b)

11.4.6 Mesmo Sobrenome de Autores para Obras Publicadas no Mesmo Ano
Acrescentar as iniciais dos prenomes, para distinguí-los:

Ex.: Barbosa, C. (1956) Barbosa, M. (1956)

92

Normas para Elaboração de Dissertações e Teses

11.4.7 Mesmo Sobrenome de Autores, Inicial de Prenomes e Ano
Usar o prenome completo:

Ex.: Lavorenti, Abel (1985) Lavorenti, Arquimedes (1985)

11.4.8 Mesmo(s) Autor(es) e Anos Diferentes
Seguir a ordem cronológica crescente de datas separadas por vírgula:

Ex.: Cruz (1990, 1998, 2000) (CRUZ, 1990, 1998, 2000) Cruz, Corrêa e Costa (1998, 2000) (CRUZ; CORRÊA; COSTA, 1998, 2000)

11.4.9 Publicações Anônimas
Citar pela 1ª palavra do título seguida de reticências e do ano de publicação:

Ex.: De acordo com o artigo Controle [...] (1982), estima-se em [...] ou [...] (CONTROLE ..., 1982).

93

Normas para Elaboração de Dissertações e Teses

11.4.10 Entidades Coletivas
Citar pelas respectivas siglas desde que, na primeira vez que forem mencionadas, sejam apresentadas por extenso; se necessário, deve ser incluída lista das siglas utilizadas:

Ex.: Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura - IICA (1985) [...] (IICA, 1992) (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ – UFPR, 2000)

11.4.11 Eventos (Congressos, Conferências, Seminários etc.)
Mencionar o nome completo do evento, desde que consultado na íntegra, seguido do ano de publicação.

Ex.: Os trabalhos apresentados na 20ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Zootecnia (1985) [...]

11.4.12 Citação de Documentos de Autores Diversos
Seguir a ordem alfabética, separados por ponto e vírgula:

Ex.: Antoniazzi (1989); Davidowicz (1981); Machado (1992); Silva (1988) [...] ou [...] (ANTONIAZZI, 1989; DAVIDOWICZ, 1981; MACHADO, 1992; SILVA, 1988).

94

1 Definição As notas de rodapé são indicações.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses 12.2 Notas de Referência Nas notas de referência indicam-se documentos consultados ou remetem a outras partes de um documento em que o assunto em questão foi abordado (SOARES. feitas pelo próprio autor do trabalho (SOARES. observações.: Garcia 1 • Dispor a nota de rodapé ao pé da página. A primeira citação de uma obra deve apresentar sua referência completa. exceto 12 no caso de dissertações/teses em capítulos (forma de publicação). • Indicar no texto por números sobrescritos. • Colocar a nota de rodapé na mesma página onde ocorre a chamada numérica. as subseqüentes podem aparecer sob forma abreviada.4 Expressões Latinas Utilizadas em Notas de Rodapé Utilizar as expressões latinas para evitar repetição de títulos e autores.1 Notas Explicativas As notas explicativas constituem em comentários.2. aproximadamente. complementações ou traduções que interromperiam a seqüência lógica.2. 12. 2002). iniciado na margem esquerda.3 Regras Gerais • Usar uma única numeração seqüencial em algarismos arábicos. quando escrever expressões latinas. 12. 2002b). ABNT. onde a numeração deve ser reiniciada. 12. 2002). 2002. Usar a grafia normal. esclarecimentos ou complementações ao texto. As notas de referência em rodapé devem ser evitadas. se colocadas no texto (SOARES. Ex. quando se NOTAS DE RODAPÉ tratar de citações referentes a trabalhos não publicados ou não consultados diretamente. separada por um traço de 3 cm.2 Tipos de Notas 12. 12. 95 .

5 Id. p. na mesma página. 1999. p. 1999. p. 4 SMITH. SANCHEZ. (do mesmo autor) Expressão latina que pode ser usada em substituição ao nome do autor. 213. opere citato ou Op. 76 et seq. e Ibid. ANDRADE. p. 135. 2000. 17 et seq. gar citado. cit. p. segundo) tanto no texto como em notas de rodapé. 376. p. 1925.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses ABREVIATURA UTILIZAÇÃO EXEMPLO Apud (citado por. São substituição de “mesmo autor e mesma Paulo: Atlas. SMITH. Ibid. 2-3.. Cf.M. CARAZAS. 1999. passim. M. 1987. Expressão latina que pode ser usada no caso da obra citada anteriormente. 3 Ibid. 1999.. loc. 59. FIGUEIREDO. 1 2 Passim (aqui e ali) QUEIROZ.. Expressão latina que pode ser usada para (confira. 19. 4 Id. quando se tratar de citação de diferentes obras de um mesmo autor. p. 176. p. cit. Expressão latina que pode ser usada em informação retirada de diversas páginas do documento referenciado... 2000. p.cit. (na mesma obra) DURKHEIN. 1 2 Ibidem ou Ibid. p. p. páginas da obra referenciada. 2 Ibid. CARAZAS. 19.cit. 4 SANCHEZ. 2000. 1 Expressão latina que pode ser usada no luLoco citato ou Loc. 76-99. 1998. p. 1978. 1 Idem ou Id. 190. 1999. 40-43. FOUCAULT. p. 1999. pois o único dado que varia é a página. SALGUEIRO. p. obra”. Cf. 150. 2-3. 2 1 2 C o n f e r r e o u C f . 1994. 2 Id. 96 . 37. confronte) recomendar consulta a um trabalho ou notas.. 3 FIGUEIREDO. Et sequentia ou Et Expressão latina para citar a seqüência de seq. p. op. 3 SARMENTO. COELHO. loc. 2000. 89. quando houver intercalação de outras notas. 1 2 GOMES. Expressão latina que pode ser usada em substituição aos dados da citação anterior. GOMES.. nota 1 deste capítulo. 2000. 1 2 1 Opus citatum. Idem e Ibidem ou Id. p. 3 SALGUEIRO. cit. 1999. p. 1988. de notas. op. Como preparar trabalhos para Expressão latina que pode ser usada em cursos de pós-graduação. Única expressão latina que pode ser usada conforme. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. p.. SANCHEZ. na mesma página de uma obra já citada anteriormente mas com intercalação cit. 77. passim.

FUNDAÇÃO INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Faculdade de Odontologia. DIAS. 2001. FUNARO. ROCHA. 50 p. NBR 6023: informação e documentação – referências – elaboração. S. et al.M. 22 p.M. 61 p. v. 188 p. Rio de Janeiro.ed. 2002a. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. 5. São Paulo: Atlas.O. 2002b. 1997.L. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Rio de Janeiro. MEDEIROS. J. 26. 174 p. ANDRADE.ed. 24 p. S. Introdução à metodologia do trabalho científico. Piracicaba: USP. Rio de Janeiro. 94 p. V. 2003. n.M. MORAES. 2001.M. 2001. 2001. FRANÇA. 5. M. 7 p. 3 p. UFMG. Divisão de Biblioteca e Documentação. 2000. 211 p. Como citar documentos eletrônicos? Informativo da SEB.B. Piracicaba. NBR 6023: informação e documentação – referências – elaboração. de. Normas de apresentação tabular.M.B.C. p. 1. 1993. Normas para elaboração de dissertações e teses. Rio de Janeiro.C.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses ANDRADE. Manual de elaboração de referências bibliográficas: a nova NBR 6023:2000 da ABNT. de. da et al. L. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. e. J. 3. 2001.ed.ed. 2.. NBR 6024: informação e documentação – numeração progressiva das seções de um documento escrito – apresentação. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. BIBLIOGRAFIA CONSULTADA 97 . 2002c. NBR 14724: informação e documentação – trabalhos acadêmicos apresentação. 6 p.. Diretrizes para apresentação de dissertações e teses.ed. 3. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Serviço de Documentação Odontológica. Rio de Janeiro. dez. 5. São Paulo: Atlas. São Paulo: USP. Manual para normalização de publicação técnico-científicas. Rio de Janeiro. M. NBR 10520: informação e documentação – citações em documentos apresentação. Belo Horizonte: Ed. ESALQ. 4.M.

Sistema de Bibliotecas.ed. 1 CD-ROM. Acesso em: 03 maio 2004. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. SEVERINO. SOARES. Sistema Integrado de Bibliotecas. São Paulo: UNESP. Disponível em: http://www. Curitiba. (Normas para Apresentação de Documentos Científicos.A. 43 p. referências e outros recursos informacionais. 8). Curitiba. Coordenadoria Geral de Bibliotecas. p. STRAUD 2002: tutoriais de acesso às bases de dados on-line. Sistema de Bibliotecas. 16 p. São Paulo: Martins Fontes. 2001a. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Serviço de Biblioteca. 412 p. Sistema de Bibliotecas. São Paulo. dissertações. Redação e editoração. Diretrizes para apresentação de teses e dissertações à USP: documento eletrônico ou impresso (versão preliminar). + 1 disquete. (Normas para Apresentação de Documentos Científicos. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. São Paulo. 39 p.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses SALOMON. Curitiba. D. Metodologia do trabalho científico. 16. 2001. Campinas. 2000a. Teses./dez.htm. São Paulo: CORTEZ. Relatórios. set. 41 p. Sistema de Bibliotecas. 2. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. Referências. Periódicos e artigos de periódicos. 3). (Normas para Apresentação de Documentos Científicos. (Normas para Apresentação de Documentos Científicos.br/prpg/regimento/regimento. 4). 6). UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. 1991. 80-83. 2000b. 2002. (Normas para Apresentação de Documentos Científicos. 2001c. 98 .J. (Org. 40 p. Como fazer uma monografia.B. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Escola Politécnica. 42 p. 21. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ.V. S.).C. Sistema de Bibliotecas. 279 p. Curitiba. Curitiba. Curitiba. Pró-Reitoria de Pós-Graduação. 2). TESTA. v. 7). Coluna da Lígia. Regimento. Diretrizes para apresentação de dissertações e teses. (Normas para Apresentação de Documentos Científicos. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. 72 p. 94 p. Sistema de Bibliotecas. L. 2001.ed. n. 2000. 2001b. monografias e trabalhos acadêmicos. Boletim Informativo da Sociedade Brasileira de Ciência do Solo. 2000. Citações e notas de rodapé. A. 3. 2000c.usp.

usp.br . 3429-4382 e 3429-4140 Fax (19) 3422-0244 Web site: http://dibd.usp.Normas para Elaboração de Dissertações e Teses Divisão de Biblioteca e Documentação Av.esalq. 11 – Caixa Postal 09 13. 3429-4240.418-900 – Piracicaba – SP Tel.br – E-mail: biblio@esalq. 3429-4371. Pádua Dias. (19) 3429-4311.