UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE QUÍMICA

EXTRUSÃO E INJEÇÃO
Trabalho Apresentado à disciplina de Química Industrial ministrada pela professora Margarete L. Erbe

Alunos: Andréa Ferrari Bárbara Sanay Inoue Bruna Pansonatto de Campos Rafael Nascimento dos Santos

CURITIBA, 2011

É um polímero artificial que. que são difíceis de serem quebradas. e que serviam para fabricar pontas de lança a partir de metais derretidos. voltam a ser restabelecidas as suas ligações intermoleculares. a uma dada temperatura. podendo sofrer nova moldagem. Ao ser resfriado. Pode ser utilizada em materiais como metais. As cadeias macromoleculares se encontram ligadas por Forças de van der Waals ou por Ligações de Hidrogênio que se quebram por ação do calor. Um exemplo de um termofixo é a baquelite.C. não havendo desta forma quebra das ligações covalentes dos monômeros que formam as macromoléculas. Os plásticos são divididos em duas categorias: termofixos e termoplásticos. polímeros. Os processos de injeção e extrusão são largamente utilizados na indústria de plásticos e de polímeros. Antes de atingir o estado fundido passam por uma transição vítrea. concreto e alimentos. Os termoplásticos são materiais que mesmo após a solidificação eles são sensíveis ao calor. apresenta alta viscosidade podendo ser conformado e moldado. de forma que passasse por um orifício feito de um metal mais duro e tivesse seu diâmetro diminuído por ação da pressão mecânica das paredes do orifício. A injeção é um processo antigo. . Os gráficos abaixo mostram a transição vítrea observada em um termoplástico (gráfico à direita) comparada com uma substância que não apresenta este comportamento (gráfico à esquerda). Arqueólogos encontraram moldes de pedra que datam de 2000 a. Isso se deve porque ele é formado a partir de ligações covalentes. Este processo consistia em fornecer tensão à uma peça de metal fina.INTRODUÇÃO Injeção e extrusão são processos usados para criar objetos com forma definida. A extrusão pode ser comparada a um processo de 1797 chamado de trefilagem e desenvolvida por Joseph Bramah. O que caracteriza o termofixo é que após sua solidificação ele não é mais moldável pela temperatura. cerâmica. Esse trabalho irá focar-se em injeção e extrusão de polímeros termoplásticos.

A compressão gera uma melhoria na homogeinização do material com a geração de calor por atrito. perfilados. alguns deles são: temperaturas do cilindro e da matriz. As formas que podem ser produzidas são tubos. filmes. 3. mas diminui a espessura do filme. entre outros. Quanto mais uniforme a pressão mais uniforme será a espessura do filme produzido. Isso assegura um produto final livre de porosidade. o qual através da gravidade cairá sobre o parafuso que o transportará dentro do cilindro aquecido. Acabamento: enrolamento e cortes finais EXTRUSÃO DE FILMES Há dois métodos para a extrusão no formato de filme: por sopro ou por matriz plana 1. chapas. revestimentos de papel e coberturas de fios elétricos. A sequência de processamento de um termoplástico em uma extrusora segue os seguintes passos: 1. Ao final do cilindro o material é forçado contra telas de aço que seguram as impurezas como metais e borracha. isso gera uma compressão dos grãos que se fundem e há remoção do ar que estava preso na massa. EXTRUSÃO DE FILMES GROSSOS (LAMINADOS) Processo semelhante à extrusão de filmes. passando então à matriz onde tomará a forma do produto final. A pressão do ar determina o aumento do diâmetro desejado do tubo. Defeitos normalmente encontrados: variações de espessura. mangueiras. Solidificação do produto 4. A máquina de extrusão basicamente consiste de um parafuso que roda dentro de um cilindro aquecido. se a espessura for maior o produto é definido como chapa ou folha RECOBERTURA DE FIOS E CABOS Há uma demanda muito grande por fios e cabos recobertos nas indústras de rádio e elétrica. compressão e dosagem. 2. O filme tubular é resfriado por sopro de ar que sai de um anel de resfriamento em volta da matriz. com as duas técnicas mencionadas.Extrusão por matriz plana O material fundido é forçado através de uma matriz plana. “olhos de peixe”. Um filme é definido como um material de espessura de 4 a 10 milímetros. Um funil alimentador contém material moído ou granulado. folhas. Também filmes produzidos por sopro podem ter uma largura maior. Os filmes obtidos por extrusão sopro apresentam vantagens como resistência mecânica mais uniforme. continuamente materiais termoplásticos em objetos de forma definida. O parafuso pode apresentar furos por onde saem vapor para aquecimento ou água para resfriamento. ajustamento do anel. Por exemplo o defeito “olho de peixe” é causado imérfeição na mistura dentro da máquina. fibras. Vários fatores são responsáveis por esses defeitos. vazão da máquina. As extrusoras também podem ser adaptadas para produzir garrafas ou artigos ocos pelo método de sopro. O parafuso divide-se em 3 zonas: alimentação. baixa resistência e dobras permanentes. A partir desse ponto o processo segue um rumo diferente de acordo com o produto a ser fabricado. onde o filme é resfriado rapidamente por banho de água ou rolos refrigeradores. A ação final do parafuso é forçar o polímero fundido através da matriz que determina a forma do produto. Isto produz uma linha no filme chamada de demarcação que delimita a passagem do filme do estado “plástico” para o estado sólido. O polímero fundido é forçado através do prato filtrante e em volta da guia que traz o fio condutor até a matriz onde completa-se o revestimento em torno do fio. parte desse calor é provido pelo atrito do próprio material com as paredes do cilindro. Na zona de compressão há diminuição gradual da altura dos filetes. Fluidificação da matéria prima granular 2.EXTRUSÃO O processo de extrusão converte. Na extrusão por matriz plana há uma resistência maior longitudinalmente do que transversalmente. Vasão controlada do produto fluidificado através de uma matriz que o molda na forma desejada. A função da zona de dosagem é controlar a vazão do polímero através da matriz em velocidade uniforme.Extrusão de filme por sopro Há passagem de ar pelo centro da matriz para inchar o filme que sai em forma de tubo. . este é forçado a recuar e a sair pelo funil. A zona de alimentação presta-se ao transporte do material do funil para a zona de compressão. A face interna da matriz deve ter acabamento preciso e deve ser muito bem polida para evitar marcas na superfície do filme ou variações na espessura.

para não haver deformações. Ao longo da instalação estão inseridos vários instrumentos que testam a qualidade do produto. onde endurece e toma a forma final. as peças obtidas possuem excelente acabamento superficial e de formatos complexos. as peças requerem pouco ou nenhum acabamento.O fio desencapado passa através de um pré-aquecedor antes de entrar na extrusora. prato de arranque ou outros equipamentos auxiliares. REVESTIMENTO POR EXTRUSÃO O revestimento pode se dar em diferentes substratos como papéis. O polímero mais usado para esse fim é o polietileno de baixa densidade e o revestimento não precisa ser auxiliado com adesivo. aeronáutica. que pode ser acompanhada pela figura abaixo: 1- O molde é fechado e a força de bloqueio é aplicada. incluindo um analisador de faíscas que permite descobrir furos ou falhas no isolamento e medidores de diâmetro e excentricidade. os moldes são muito caros e a qualidade das peças depende dos parâmetros de injeção. O material aquecido flui através da abertura da matriz até os alimentadores. as peças podem ser moldadas com insertos metálicos e as aplicações na indústria automobilística. cartões. Extrusão é um processo semi-contínuo. que terminam em aberturas que levam à cavidade do molde propriamente dito. folhas de alumínio. O material aquecido flui íntimo com o molde. O processo é versátil e pode ser utilizado para a produção de artigos cujos pesos variam de algumas gramas a alguns quilos. 34A pressão é mantida por meio do pistão durante o período de esfriamento e contração do material. o custo de mão-deobra é relativamente baixo o processo pode ser automatizado. e a moldagem por injeção é um processo cíclico. . O pistão é retirado. Processo O processo de moldagem por injeção consiste essencialmente no amolecimento do material num cilindro aquecido e sua conseqüente injeção em alta pressão para o interior de um molde relativamente frio. ar comprimido. com o cuidado que o fio só toque a água. Após a cobertura do fio ele é esfriado através de um banho de água. puxando o filme quente até a espessura desejada. Um ciclo completo consiste das operações seguintes. Os rolos de pressão resfriam o filme e forçam sua aderência. MOLDAGEM POR INJEÇÃO Características do processo O processo é empregado para termoplásticos ou termofixos. carregando uma carga sólida de material até à região de aquecimento do cilindro e deslocando o material previamente aquecido através do orifício que esta em contato íntimo com o molde. eletro-eletrônica. 2O pistão se move para frente. O artigo moldado é então expelido do molde por meio dos pinos ejetores. Este procedimento é realizado para remover traços de umidade ou traços de lubrificante que afetariam a adesão da massa plástica. naval. sua produção de peças é de pequeno a grande porte. O substrato se move a uma velocidade maior que a do filme. o processo envolve alta produção.

O equipamento só paralisa a operação se houver uma intervenção ou condição de alarme no processo PRINCIPAIS ELEMENTOS DE INJETORAS Em geral.UNIDADE DE FECHAMENTO A unidade de fechamento promove o fechamento do molde com força suficiente para suportar a pressão do material no momento da injeção. 2.Manter o molde fechado e travado durante as etapas de injeção.Mecânica e Hidráulica. estando pronta para o próximo ciclo. A capacidade de “plastificação” é um dos fatores que afetam a vazão de uma máquina de moldagem por injeção. Acionamento Hidráulico 4. Neste caminho o material sofre um aquecimento externo proveniente das resistências elétricas e um esforço de compressão devido ao movimento da rosca.Fixar o molde e movimentá-lo durante a abertura e fechamento.Todas as etapas do ciclo de moldagem são realizadas automaticamente . Funções da Unidade de Fechamento . Sistema de Controle 1. havendo o início de um novo ciclo sem a necessidade de comando de operador. O PS (poliestireno) é utilizado como material padrão.Todas as etapas do ciclo de moldagem são realizadas automaticamente. A capacidade de injeção é a quantidade de material que uma máquina é capaz de injetar em um ciclo. TIPOS DE MÁQUINA POR INJEÇÃO 1)Manual. as máquinas de moldagem de injeção consistem de quatro entidades funcionais: 1.UNIDADE DE INJEÇÃO Esta unidade recebe o material no estado sólido em forma de grânulos ou pó e transporta-os em quantidades preestabelecidas para a ponta da rosca. . Unidade de Injeção 2.Providenciar a ejeção das peças. .5- O molde é aberto e o artigo retirado. . . porém o início do outro ciclo só se dá pelo comando do operador 3)Automática. que é definida como o número de Kg/hora de um determinado material termoplástico para ser levado até à temperatura adequada para a moldagem. Deve-se notar que o mecanismo de alimentação é regulado pelo curso do pistão e que uma nova carga de material é depositada durante o curso de retorno do pistão. de forma a estabelecer o tipo adequado de máquina injetora a ser empregada.Cada etapa do ciclo de moldagem é comandada por operador 2)Semi-automática. . Unidade de Fechamento 3. CAPACIDADE DA MÁQUINA INJETORA Antes de iniciar o projeto do molde é necessário determinar a capacidade desejada da máquina injetora. . .

Existem duas variações para a técnica de sopro: extrusão e injeção. vazamentos ou paredes de espessira desigual. utiliza-se uma extrusora que opera constantemente plastificando e homogeneizando o material que alimenta a matriz. por isso. longa capacidade de execução e versatilidade de aplicação.A pressão de injeção de uma máquina de moldagem por injeção é a pressão exercida pela face do pistão. 2. com famílias ou materiais específicos. o núcleo previamente aquecido é expandido no interior do molde . Uma vez aprisionado. tais como garrafas e frascos de embalagens. Após atingir um comprimento adequado. Introdução de ar comprimido para expandir a peça oca até a forma final. A partir deste processo produz-se um tubo que é denominado de parison e/ou núcleo extrudado. o molde se fecha. 4. e o projeto então dependerá das características do termoplástico em questão. Sopro via injeção Figura1. O processo de moldagem por sopro via injeção é constituído das seguintes etapas(figura2): 1. Fechamento do molde sobre a peça oca. 3. No entanto. MOLDAGEM INJEÇÃO POR SOPRO Nesse processo uma pré-forma é moldada por injeção e posteriormente soprada. Existem equipamentos que sopram o frasco imediatamente após a injeção das pré-formas. Uma vez resfriado o produto é extraído do molde e tem início um novo ciclo de moldagem. A pressão de fechamento significa que toda injetora deve manter o molde bem fechado enquanto pressões ( injeção/pressurização/recalque ) são exercidas. O processo consiste basicamente na expansão de uma pré-forma aquecida. É importante que a pressão de recalque seja inferior a de pressurização para evitar a geração de tensões internas na peça final. por meio ar comprimido e forçando-a assumir o formato do molde. As perdas de pressão que aparecem no sistema significam que a pressão na cavidade do molde é muito menor que a pressão do pistão. e pode variar desde 140Kg/cm² até 1800 Kg/cm². A força de fechamento de uma injetora deve ser sempre superior à máxima pressão de processo. A diferença entre eles está relacionada com a maneira de se produzir a pré-forma (parison). Figura2. Equipamento de estágio único MOLDAGEM EXTRUSÃO POR SOPRO Nos processos mais comuns de moldagem por sopro. Tem custos muito mais baixos do que a moldagem por injeção. Resfriamento e extração da peça soprada. o controle de qualidade é importante para garantir que nenhuma parte dos produtos moldados por sopro tenham buracos. Produção de uma peça injetada via moldagem por injeção. porém é possível também realizar a injeção das pré-formas em injetoras convencionais e armazena-las para posterior sopro do frasco. A velocidade de injeção é a velocidade com que a massa é enviada para dentro do molde durante a fase de preenchimento. MOLDAGEM POR SOPRO Moldagem por sopro é um processo de moldagem de plástico popular que produz recipientes ocos e de paredes finas e oferece boa relação custo-eficiência. A pressão de recalque é a pressão após a pressurização. As injetoras são projetadas para trabalhar. prendendo o parison. a dispersão de espessura do molde é um problema em potencial. conhecidos como equipamentos de estágio único(figura 1). muitas vezes.

aço endurecido. mas uma temperatura muito reduzida evitará a plastificação completa e dará margem ao aparecimento de tensões residuais no material. Entretanto há equipamentos dotados de acumulador no final da extrusora e antes da matriz. Por outro lado. Esquema via extrusão Figura 4. Sopro via extrusão Nos processos mais comuns do parison. e a secagem do ar ou eliminação do óleo arrastado pelo ar desde o compressor MOLDES . • Pressão de ar: Para um bom trabalho de moldagem. e que devem ser previstos no desenho do molde. peso constante e maior precisão dimensional da peça.000. necessita-se. o processo é contínuo. Aquecimento ou resfriamento do molde O controle da temperatura do molde se consegue.Os moldes podem custar desde US$ 9. . pelo perigo de esfriamento local. a extrusora opera constantemente plastificando e homogeneizando o composto. limitações no formato da peça em função da capacidade de estiramento e dificuldades de produção de frascos com alças.00 (moldes de 30 g) até US$ 2. Injeção-sopro X Extrusão-sopro As vantagens da moldagem por sopro via injeção sobre a via extrusão são: melhores qualidades. de modo que se pode adicionar sistemas de retardamento de fecho do molde. assim como fortes defeitos superficiais. sendo esse continuamente alimentado com composto fundido. . de pressões de 5 a 7 Kg/cm2. O parison é formado pela atuação de um pistão hidráulico que força a extrusão do composto através da matriz somente no momento da tomada do mesmo pelo molde. levando em conta fatores tais como a simetria de resfriamento e o efeito do gradiente de temperatura através do molde.oco bipartido por meio da injeção de ar comprimido. Outros fatores de importância incluem a eliminação de jatos de ar. na prática. ligas de alumínio e aço são alguns materiais usados. Isto iguala os tempos de resfriamento e diminui as possibilidades de rejeição. A Figura 3 ilustra a produção do de moldagem por sopro via extrusão: Figura 3.000. Variáveis que intervem na operaçao de Injeção a sopro • Temperatura da massa : Esta deve ser mantida num mínimo para reduzir o tempo de resfriamento. ligas de cromo. Após adquirir a forma do molde o produto final é resfriado e extraído do molde. especialmente quando se necessita de um ou mais ou menos longo. • Temperatura do molde: Devem ser baixas.00 (moldes para peças automotivas). que é continuamente extrudado através da matriz. pois o plástico que alcança as extremidades do molde tem mais tempo disponível para ser esfriado. durante o fluxo do material para dentro dele. • Velocidade de fechamento do molde: Uma velocidade demasiadamente elevada pode causar perdas do conteúdo do molde. uma temperatura muito elevada aumenta o tempo de ciclo e pode dar lugar ao afinamento do pré-moldado. Desvantagens: maior custo. devido à importância de esfriar rapidamente o molde.Os moldes são fabricados com materiais de alta dureza e resistência à degradação por fricção e temperatura. ou seja.000. Aço. O resfriamento deve ser mais intenso na amostra do molde. por circulação de um fluído de temperatura constante através de canais estrategicamente colocados.

1996. Derek Cyril . Louis (1984). Douglas M. (2000). Holbrook L. Machinery's Handbook (26th ed. New York: Industrial Press 4. SME. Ramon. São Paulo.. Henry H. PETRO. HORTON. Tom. Ed. Raymond F. RYFELL.MILES. Poligono. JONES. . Tool and manufacturing engineers handbook: Forming 3..OBERG. Erik.).DROZDA. Franklin D. p463-510 2. Tecnologia dos polímeros. BAKERJIAN. WICK.1975.BRICE. Charles. Plastic Injection Molding: Manufacturing Process Fundamentals. Da Universidade de São Paulo..BIBLIOGRAFIA 1. VEILLEUX.